PROCESSOS DE SEPARAÇÃO I

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSOS DE SEPARAÇÃO I"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA PROCESSOS DE SEPARAÇÃO I OPERAÇÕES POR ESTÁGIOS ABSORÇÃO I PROFESSOR: DR. ROMILDO BRITO CAMPINA GRANDE, AGOSTO DE 2003

2 1. ABSORÇÃO Se a condensação do vapor que deixa o topo de uma coluna não é realizada com facilidade um líquido, chamado absorvente, pode ser introduzido no topo, em substituição ao refluxo. A operação resultante é chamada reboiled absortion. Um exemplo é a separação de orgânicos clorados a partir de uma mistura constituída de orgânicos clorados, cloreto de hidrogênio e propeno. É sabido que a temperatura no topo da coluna é igual à temperatura de bolha da mistura (ou componente puro) que é recolhida como produto de topo. Dessa forma, a temperatura de topo de uma coluna utilizada para separar a mistura citada acima estaria em um valor muito baixo (aproximadamente -36 o C), de forma que seríamos obrigados a utilizar um sistema de refrigeração para condensar a mistura C 3 -HCl para realizar o refluxo. Na prática, utilizamos uma alimentação externa constituída de propeno, a qual funciona como refluxo. A simulação desse tipo de coluna pode ser realizada utilizando o programa desenvolvido para colunas de destilação. Para tanto, é necessário fixar em zero o valor da vazão de destilado (V 1 =0) e alterar a vazão de destilado na forma de vapor (diferente de zero). D, H D, x i D i ou y i D, T D, P D ( V ) Válvula de controle Pratos ou bandeijas F, H F, z i, T F, P F (L, V ou L+V) Bomba Refervedor ou Reboiler (Trocador) B, H B, x i B i ou y i B, T B, P B (L) Figura 1 Esquema de uma coluna de uma reboiled absortion. Um outro tipo de operação surge quando, além da dificuldade de condensação dos produtos de topo, a alimentação está na fase vapor. Neste caso, a seção de exaustão não é necessária para alcançar a separação desejada, e a operação é chamada de absorção. Essa

3 operação tem como finalidade transferir massa desde a fase vapor até a fase líquida. Entretanto, a transferência de massa dependerá da solubilidade do(s) componente(s) transferido(s) e não da diferença entre os pontos de ebulição. O inverso da absorção recebe o nome de stripping, e nesse caso, a transferência de massa é do líquido para o vapor. Na maioria dos casos, não é necessária a criação de uma nova fase, bem como a utilização de um ESA. Somente o MSA (líquido para a absorção e vapor para o stripping) é utilizado. A absorção pode ser realizada em colunas de pratos ou colunas de recheio. 2. ABSORÇÃO/STRIPING EM COLUNAS DE PRATOS Fisicamente, uma coluna de absorção com pratos é semelhante à coluna de destilação. A diferença básica é a ausência de refervedor e condensador na absorção. A Figura 2 mostra o esquema de uma coluna de absorção com pratos operando de forma contra-corrente. Vapor Líquido Vapor Líquido Figura 2 Esquema de uma coluna de absorção com absorção com pratos. Geralmente, a operação em contra-corrente é a mais utilizada por apresentar melhores resultados em termos de separação. Entretanto, para algumas situações a introdução das duas fases é realizada pela mesma extremidade e nesse caso a operação ocorre de forma cocorrente. Enquanto na destilação a transferência de massa se dava devido a diferença entre os pontos de ebulição dos componentes, na absorção a transferência deve-se à diferença entre as

4 solubilidade dos componentes. Em um prato de uma coluna de destilação o líquido se encontra no seu ponto de bolha. Já na absorção o líquido deve estar bem abaixo do seu ponto de bolha. Esse fato tem como objetivo evitar que componentes da fase líquida passem para a fase vapor devido a vaporização, pois a transferência de massa em um prato de uma coluna de absorção deve ocorrer apenas devido a solubilidade do(s) componente(s) da fase vapor na fase líquida. Considerando a operação de forma contra-corrente e que a transferência de massa deve-se a um único componente (A), o funcionamento de um prato se dá da seguinte forma: quando o vapor oriundo do prato inferior (n+1) entra em contato com o prato imediatamente acima (n), parte do componente A é absorvido pelo líquido; desse modo, a vazão de vapor que sairá do prato n será menor do que a vazão do prato n+1; já no caso da fase líquida, a vazão do prato n será maior do que a vazão do prato n-1; como resultado global, ao passo que o vapor vai subindo ao longo da coluna o mesmo vai ficando cada vez mais pobre em A, enquanto o líquido ficará cada vez mais rico nesse mesmo componente. A operação de uma coluna de absorção é extremamente fácil e a única variável de controle é a vazão do líquido absorvente. Para absorção em colunas que utilizam pratos o modelo matemático é semelhante àquele desenvolvido para a destilação. Entretanto, a estratégia matemática é um pouco diferente em virtude da grande diferença entre os pontos de ebulição dos componentes envolvidos, o que causa problemas de convergência no cálculo do ponto de bolha. A elevada diferença decorre do fato de se utilizar absorvente com baixíssimo ponto de ebulição, enquanto os componentes presentes na alimentação gasosa são extremamente voláteis. O procedimento descrito a seguir é denominado método do somatório das taxas sumrates method. A Figura 3 mostra o algoritmo para Burningham-Otto SR method. As especificações (dados iniciais) são: condição e localização das alimentações, pressão em cada prato, vazões e cargas térmicas da lateral (se houver) e número total de estágios. O procedimento inicia-se com uma estimativa da temperatura (T j ) e vazão (V j ) em cada estágio. Para a maioria dos problemas é suficiente assumir a suposição de McCabe- Thielle (constant molal) utilizando a vazão da alimentação vapor como valor inicial. No caso da temperatura, pode-se adotar como ponto de partida (prato de topo e de base) a temperatura das alimentações de base e de topo e interpolar linearmente ao longo da coluna para os outros estágios.

5 Figura 3 Algoritmo para o Método Sum-Rates. A composição em cada estágio é obtida utilizando o algoritmo de Thomas (descrito anteriormente), entretanto os valores de x i,j não são normalizados nesse ponto. A derivação do nome do método surge nesse instante, quando as composições são utilizadas para calcular as vazões em cada estágio, conforme a equação 1. (1)

6 Os valores de L j são obtidos a partir da equação da mesma maneira que na destilação, enquanto os valores de V j são determinados a partir de um balanço global ao longo dos estágios j e N, o qual resulta na equação 2. (2) Nesse ponto, os valores de x i,j são normalizados e os valores de y i,j computados. Um novo conjunto de valores para a temperatura (T j ) é obtido resolvendo-se o balanço de energia, simultaneamente para todos os estágios. O sistema de equações algébricas gerado é altamente não linear, de modo que um procedimento iterativo é recomendado. Um dos métodos mais utilizado é o de Newton-Raphson MÉTODO DE NEWTON-RAPHSON No método de Newton-Raphson, o conjunto de equações algébricas não lineares é escrito na seguinte forma: (3) Uma estimativa inicial (variáveis com asterisco) para cada variável deve ser fornecida de modo que possamos representar a função original em termos de uma Série de Taylor, a qual é truncada após o primeiro termo para resultar: (4) As equações 4 são lineares e podem ser resolvidas diretamente para a correção x j. Se os valores das correções se aproximam de zero, dentro de uma tolerância especificada, diz-se que a solução foi alcançada. Caso contrário, o valor das correções são adicionados à estimativa e essa nova estimativa é utilizada para procedimento seguinte. Em termos de fórmulas recursivas, a equação 4 assume a seguinte forma:

7 (5) O método de Newton-Raphson, aplicado para a determinação do conjunto de valores de T j, a partir do balanço de energia a fórmula de recursão assume a forma da equação 5 (6) Onde, (7) (8) (9) (10) As expressões para as derivadas parciais dependem da correlação utilizada. Se a entalpia for calculada a partir de uma equação polinomial, conforme as equações abaixo, (11) as derivadas parciais assumem a forma da equação 12. (12)

8 As N equações provenientes da equação 6 formam uma matriz tridiagonal linear em T j. A forma dessa matriz tridiagonal é semelhante àquela obtida para a composição, no caso da destilação. Entretanto, cada elemento dessa matriz é uma derivada parcial e a matriz é chamada de matriz jacobiana. Da mesma forma que no caso anterior, o algoritmo de Thomas pode ser utilizado para determinação dos valores de T j. As novas estimativas de T j são obtidas pela equação abaixo (13) Quando os valores de T j se aproximarem de zero, dentro de uma certa tolerância, a solução terá sido obtida. O critério de convergência (parada) pode ser o mesmo utilizado para o método do Ponto de Bolha. 3. ABSORÇÃO/STRIPING EM COLUNAS DE RECHEIO De forma contrária ao que acontece em coluna de pratos, em uma coluna de recheio o contato entre as fases ocorre continuamente. Ou seja, não há a descontinuidade que ocorre nas colunas de pratos (vazio entre um prato e outro). Esta forma de contato não tem nenhum significado físico se comparar-mos com as colunas de pratos. Fisicamente, uma coluna de recheio é constituída de um cilindro, semelhante à uma coluna de pratos. Porém, internamente, ao invés de pratos há um recheio, cuja finalidade é aumentar a área de contato entre as fase líquido e vapor. A Figura 4 mostra o esquema de uma coluna de recheio. O recheio é sustentado por uma grade metálica, localizada na região inferior da coluna. A altura do recheio (consequentemente da torre) dependerá da separação desejada e do tipo de recheio utilizado. Diversos tipos de recheio têm sido proposto pela literatura. A Figura 5 mostra alguns tipos de recheio mais comumente utilizados. Cada recheio tem característica própria, o que influenciará diretamente no projeto de uma coluna recheada. Vale salientar que os desenhos mostram apenas a forma. O material do recheio dependerá do tipo de componente a ser manuseado dentro da coluna. Por exemplo, para absorção de cloreto de hidrogênio com água, deve-se utilizar um recheio que seja inerte à presença de ácido clorídrico, resultante da mistura cloreto de hidrogênio com água.

9 Vapor Líquido Vapor Líquido Figura 4 Esquema de uma coluna de absorção com recheio. A colocação do recheio dentro da coluna é realizada de forma aleatória, entretanto, deve-se tomar cuidado para não danificar o recheio. Por exemplo, se o recheio for de cerâmica a colocação deve ser realizada de forma cuidadosa, pois a cerâmica apresenta baixa resistência mecânica. A maneira mais comum é descer o recheio, em recipientes apropriados, até a base da coluna. Um dos problemas mais comuns na operação de uma coluna de absorção é o surgimento de caminhos preferenciais. Isso ocorre, principalmente, devido a problemas no recheio (quebra, se for o caso) ou distribuição do líquido no topo da coluna. A distribuição de líquido no topo é realizada de maneira mais ou menos uniforme colocando-se uma grade (peneira) sobre o recheio. A quebra do recheio pode ser ocasionada por má operação da coluna. Aumento exagerado da vazão de vapor pode fazer com que o recheio seja sacudido, causando a quebra do mesmo DIFUSÃO MOLECULAR Nos equipamentos de contato contínuo, a transferência de massa ocorre por difusão um processo espontâneo, mas lento. A taxa de difusão pode (e deve) ser aumentada induzindo-se à turbulência nas fases.

10 Em uma absorção, tem-se um gás dissolvendo dentro de um líquido, ou seja, a transferência de massa é do gás para o líquido. A difusão, governada pela lei de Fick, é proporcional à diminuição do gradiente de concentração, conforme a equação 14. Figura 5 Alguns tipos de recheio. (14) Onde D AB é a difusividade de A em B. Para um observador estacionário, o fluxo molar do componente A assume a forma: Na prática, duas situações são bastante comuns: (15) 1) Contra difusão equimolar (EMD) número de moles de A difundido-se em uma direção é igual ao número de moles de B difundindo-se na direção oposta, ou seja, N A =-N B. Matematicamente, (16) 2) Difusão unimolecular difusão do componente A através de uma camada estagnada de B, isto é, N B =0. Matematicamente,

11 (17) em A equação acima quando aplicada a um filme estagnado de B, desde Z 1 até Z 2 resulta (18) Para soluções muito diluídas, x A é pequeno, de modo que (1 x A ) é aproximadamente igual a 1. Nesse caso, as equações 16 e 17 são equivalentes. Comercialmente, os fluxos de líquido e vapor são turbulentos, de forma que não podemos utilizar a espessura Z. A prática mais comum é escrever o fluxo de A em termos de um coeficiente transferência de massa, que substitui o coeficiente de difusividade e a espessura do filme líquido. Por definição, (19) (20) Onde y A é a concentração de A no seio do gás, y Ai é a concentração de A na interface gáslíquido, x A a concentração no seio do líquido e x Ai a concentração na interface líquido-gás. A determinação dos coeficientes k y e k x é realizada em equipamentos de laboratórios, dentre os mais comuns tem-se a coluna de parede molhada. A Figura 6 mostra o esquema de uma coluna de parede molhada. O gás flui pelo interior do tubo, permanecendo em contato com o filme de líquido ao longo de toda coluna. A transferência de massa é determinada e o coeficiente determinado através da equação 19 (ou 20) Figura 6 Coluna de parede molhada.

12 3.2. TEORIA DOS DOIS FILMES Para que haja a transferência de massa de uma fase para outra a condição primordial é a existência de um gradiente de concentração em cada lado da interface. Se os fluxos das fases são suficientes para produzir um regime turbulento, o gradiente de concentração é mais significante no filme. Desta forma, os dois filmes limitam o processo de transferência de massa. A Figura 7 mostra o esquema utilizado para explicar a teoria dos dois filmes. Figura 7 Interface líquido-gás para a teoria dos dois filmes. Na maioria das aplicações a distância Z 1 (ou Z 2 ) é difícil de medir e por isso mesmo a equação 19 (ou 20) deve ser utilizada, pois a mesma já considera esta variável implicitamente. Fora dos dois filmes a concentração é igual àquela no seio da fase. As composições com índice i são as composições em equilíbrio. Na ausência de reações químicas e no estado estacionário, a taxa de difusão através do filme gasoso deve ser igual à taxa que chega ao filme líquido. Nesse caso, temos como resultado um modelo que recebe o nome teoria dos dois filmes de Whitman: (21) A dificuldade em se aplicar a equação acima para sistemas reais deve-se à dificuldade em determinar a composição interfacial. Em geral, considera-se que (x i,y i ) estão localizados sobre uma curva de equilíbrio. Isso significa que estaremos adotando a condição de equilíbrio

13 alcançado. Realmente, esse comportamento tem sido verificado em experimentos bem elaborados. Uma manipulação algébrica da equação 21 resulta em uma expressão que representa a tangente de uma curva AB, conforme mostrado na Figura 8 (22) Figura 8 Absorção em contra-corrente. A distância AE representa a força propulsora da fase gasosa, enquanto AF representa a força propulsora no lado líquido. Se a resistência à transferência de massa no lado gasoso é baixa, y i é aproximadamente igual a y. Nesse caso, a maior resistência à transferência de massa reside na fase líquida. A absorção de um gás muito pouco solúvel em um determinado líquido é um exemplo dessa situação, e a fase controladora é a líquida. Quando a resistência à transferência de massa na fase líquida é baixa, x i é aproximadamente igual a x. Essa outra situação é característica dos processos envolvendo a absorção de um gás muito solúvel em um determinado líquido, e a fase controladora é a gasosa. Do ponto de vista da Engenharia, o mais importante é saber qual fase está controlando a transferência de massa, pois providências poderão ser tomadas. Por exemplo, se a fase líquida está oferecendo maior resistência à transferência de massa, a capacidade do equipamento pode ser aumentada promovendo maior turbulência nessa fase.

14 Se as linhas de operação e equilíbrio são retas, conforme a Figura 9, aplicando-se conceitos de geometria obtemos: (23) A expressão acima representa a razão entre a resistência na fase gasosa e a resistência total à transferência de massa. Figura 9 Absorção com linhas de operação e equilíbrio como retas. De forma conveniente, podemos definir um coeficiente global de transferência de massa, K y e K x, para as fases líquido e vapor, respectivamente, (24) Onde, y * é a composição do vapor em equilíbrio com x, e x * representa composição do líquido em equilíbrio com o vapor y. A manipulação algébrica das equações 21, 22 e 24 relaciona em uma expressão que relaciona o coeficiente global com os coeficientes parciais, (25)

15 3.3. ABSORÇÃO PARA SISTEMAS DILUÍDOS (UMD=EMD) Neste item será utilizado o conceito de transferência de massa adquirido anteriormente, objetivando a determinação da altura do recheio, dada uma especificação para a separação desejada. Entretanto, um ponto deve ser discutido antes de procedermos ao cálculo da altura: a questão do coeficiente de transferência de massa. A unidade do coeficiente global de transferência de massa é (mol)/(tempo-área interfacial-força propulsora). No caso de colunas de parede molhada, a área interfacial é conhecida e de fácil determinação (o diâmetro interno do tubo é utilizado no cálculo da área). Por outro lado, para a maioria dos equipamentos de contato contínuo a área interfacial não pode ser calculada, é o caso das colunas recheadas. Por essa razão, torna-se necessário definir uma quantidade a para representar a área interfacial por unidade de volume. Embora alguns manuais tragam valores de a, normalmente, esse parâmetro é combinado com K (fase líquida ou vapor). Considere a Figura 10, onde tem-se uma operação de absorção em contra-corrente. L e G representam as vazões molar da fase líquido e vapor, respectivamente. Figura 10 Coluna empacotada operando em contra-corrente. Um balanço material para o componente A, o qual está sendo absorvido em um elemento de volume de altura dl, resulta em: (26)

16 O sinal negativo do lado esquerdo significa que a taxa de variação é decrescente, ou seja, está diminuindo. O produto S.dl representa o volume do elemento diferencial. Introduzindo a equação 24 na equação acima, obtemos a seguinte expressão: (27) Expressões alternativas para a equação 27, em termos da concentração na interface e dos coeficientes individuais, são obtidas usando a equação 19 em combinação com a equação 26. (28) Entretanto, as expressões acima não têm tanta utilidade devido ao problema de se medir a concentração na interface. Rearranjando a equação 26 nós obtemos as seguintes equações (29) Observe que nas equações acima L e G foram consideradas constantes, o que só é valido para EMD ou UMD de soluções diluídas. Para EMD os fluxos são iguais e com direções contrárias. Já para UMD a concentração é baixa que podemos considerar constante a vazão das fases. O agrupamento L/K x as é denominado HTU ou altura de uma unidade de transferência. Também é aplicável para a fase vapor. O termo da integral é denominado NTU ou número de unidades de transferência. Ou seja, a altura do recheio é determinada pelo produto entre a quantidade de unidades de transferência pela altura que cada uma apresenta.

17 3.4. ABSORÇÃO PARA SISTEMAS NÃO DILUÍDOS (UMD) Para sistemas não diluídos as vazões L e G não podem ser consideradas constantes, e por isso mesmo não podem sair da integral. Uma alternativa é definir uma variável L =L(1-x) e G =G(1-y), onde L e G são constantes por se tratar da vazão de componentes inertes: o líquido absorvente ou o componente insolúvel presente no gás. Desta forma, (30) (31) No caso de soluções diluídas as linhas de operação e equilíbrio, normalmente, são retas; o que não acontece para com as soluções não diluídas. Em termos de equilíbrio, recorrese à termodinâmica ou correlações. Para a linha de operação, considerando a Figura 8, o procedimento é: - Escrever um balanço global de massa ao redor da parte superior da coluna; (32) - Escrever um balanço parcial de massa para o componente que está sendo absorvido, também ao redor da parte superior da coluna (assumindo um líquido puro como absorvente); - Também para a parte superior da coluna, escrever um balanço para o absorvente; - Combinando-se as equações..,... e... para eliminar L e G temos uma expressão que relaciona a fração na fase vapor com a fração na fase líquido, e que utiliza somente condições nas extremidades

ÍNDICE PREFÁCIO LISTA DE SÍMBOLOS

ÍNDICE PREFÁCIO LISTA DE SÍMBOLOS ÍNDICE PREFÁCIO LISTA DE SÍMBOLOS 1 ENGENHARIA DE PROCESSOS DE SEPARAÇÃO 1.1 Introdução 1.2 Processos de Separação 1.3 Mecanismos de Separação 1.3.1 Separação por Adição ou Criação de Fase 1.3.2 Separação

Leia mais

Operações Unitárias II

Operações Unitárias II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Operações Unitárias II Evaporação Professor Paul Fernand Milcent Monitora Patrícia Carrano Moreira Pereira 2013 Sumário 1. Introdução... 2 1.1. Fontes de energia... 2 1.2.

Leia mais

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Marina Roberto Martins 1*, Fernando Palú 1 (1) Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Curso de Engenharia Química. e-mail:

Leia mais

Autor: Artur Franceschini Richter UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA

Autor: Artur Franceschini Richter UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG07053 - TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Comparativo de Simulações Estacionárias de Colunas

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO Curso de Farmácia Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO 1 Introdução A destilação como opção de um processo unitário de separação, vem sendo utilizado pela humanidade

Leia mais

Fenômenos de Transporte

Fenômenos de Transporte Fenômenos de Transporte Prof. Leandro Alexandre da Silva Processos metalúrgicos 2012/2 Fenômenos de Transporte Prof. Leandro Alexandre da Silva Motivação O que é transporte? De maneira geral, transporte

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais LEI DE OHM Conceitos fundamentais Ao adquirir energia cinética suficiente, um elétron se transforma em um elétron livre e se desloca até colidir com um átomo. Com a colisão, ele perde parte ou toda energia

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág. Física Setor B Prof.: Índice-controle de Estudo Aula 9 (pág. 102) AD TM TC Aula 10 (pág. 102) AD TM TC Aula 11 (pág. 104) AD TM TC Aula 12 (pág. 106) AD TM TC Aula 13 (pág. 107) AD TM TC Aula 14 (pág.

Leia mais

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Curso: Engenharia Mecânica Disciplina : Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Prof. Evandro Rodrigo Dário, Dr. Eng. Vazão mássica e vazão volumétrica A quantidade de massa que

Leia mais

OPERAÇÃO DE DESTILAÇÃO ETANOL-ÁGUA CONDUZIDA EM UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO PILOTO

OPERAÇÃO DE DESTILAÇÃO ETANOL-ÁGUA CONDUZIDA EM UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO PILOTO OPERAÇÃO DE DESTILAÇÃO ETANOL-ÁGUA CONDUZIDA EM UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO PILOTO Willy Rodrigo de Araujo 1 ; Rivana Mabel Lucena Oliveira 2 ; Cynthia Vasconcelos de Araujo 3 ; Romildo Brito 4 ; Heleno Júnior

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL CROMATOGRAFIA 2 1 6 Ed. Cap. 10 268-294 6 Ed. Cap. 6 Pg.209-219 6 Ed. Cap. 28 Pg.756-829 6 Ed. Cap. 21 Pg.483-501 3 Separação Química Princípios de uma separação. Uma mistura

Leia mais

Se um sistema troca energia com a vizinhança por trabalho e por calor, então a variação da sua energia interna é dada por:

Se um sistema troca energia com a vizinhança por trabalho e por calor, então a variação da sua energia interna é dada por: Primeira Lei da Termodinâmica A energia interna U de um sistema é a soma das energias cinéticas e das energias potenciais de todas as partículas que formam esse sistema e, como tal, é uma propriedade do

Leia mais

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS Este curso se restringirá às discussões dos princípios básicos das ciências térmicas, que são normalmente constituídas pela termodinâmica,

Leia mais

3.2 Equilíbrio de Fases Vapor - Líquida - Sólida numa Substância Pura Consideremos como sistema a água contida no conjunto êmbolo - cilindro abaixo:

3.2 Equilíbrio de Fases Vapor - Líquida - Sólida numa Substância Pura Consideremos como sistema a água contida no conjunto êmbolo - cilindro abaixo: - Resumo do Capítulo 0 de Termodinâmica: Capítulo - PROPRIEDADES DE UMA SUBSTÂNCIA PURA Nós consideramos, no capítulo anterior, três propriedades familiares de uma substância: volume específico, pressão

Leia mais

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão.

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão. 1. Difusão Com frequência, materiais de todos os tipos são tratados termicamente para melhorar as suas propriedades. Os fenômenos que ocorrem durante um tratamento térmico envolvem quase sempre difusão

Leia mais

Reações a altas temperaturas. Diagrama de Equilíbrio

Reações a altas temperaturas. Diagrama de Equilíbrio Reações a altas temperaturas Diagrama de Equilíbrio Propriedades de um corpo cerâmico Determinadas pelas propriedades de cada fase presente e pelo modo com que essas fases (incluindo a porosidade) estão

Leia mais

Propriedades físicas e químicas das substâncias

Propriedades físicas e químicas das substâncias Ciências Físico-Químicas - 7º ano Propriedades físicas e M. Neli G. C. Cavaleiro M. Domingas Beleza Há substâncias que, mesmo misturadas com outras, facilmente identificamos através de características

Leia mais

Material Condutividade térmica (Kcal/s)/(m. C) Cobre 9,2.10-2

Material Condutividade térmica (Kcal/s)/(m. C) Cobre 9,2.10-2 7 TRANSFERÊNCIA DE CALOR O calor é a forma de energia que se propaga de uma região a uma temperatura mais alta para outra região de temperatura mais baixa. A energia transferida pelo fluxo de calor não

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) a-) Calcular a solubilidade do BaSO 4 em uma solução 0,01 M de Na 2 SO 4 Dissolução do Na 2 SO 4 : Dado: BaSO

Leia mais

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Química Materiais, suas propriedades e usos Estados Físicos Estado vem do latim status (posição,situação, condição,modo de estar). O estado físico

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

APLICAÇÕES DE EQUAÇÕES 1ª. ORDEM

APLICAÇÕES DE EQUAÇÕES 1ª. ORDEM APLICAÇÕES DE EQUAÇÕES 1ª. ORDEM Decaimento radioativo Resultados experimentais mostram que elementos radioativos desintegram a uma taxa proporcional à quantidade presente do elemento. Se Q = Q(t) é a

Leia mais

Balanço de Massa e Energia Aula 4

Balanço de Massa e Energia Aula 4 Gases e Vapores Na maioria das pressões e temperaturas, uma substância pura no equilíbrio existe inteiramente como um sólido, um líquido ou um gás. Contudo, em certas temperaturas e pressões, duas ou mesmo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS DE OPERAÇÃO DE COLUNAS DE DESTILAÇÃO EM BATELADA

AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS DE OPERAÇÃO DE COLUNAS DE DESTILAÇÃO EM BATELADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS DE OPERAÇÃO DE COLUNAS DE DESTILAÇÃO

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica:

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: 1. Considere que, durante esse experimento, a diminuição de massa se

Leia mais

Apresentar os conceitos relacionados à mistura simples e equilíbrios de fases e equilíbrio químico.

Apresentar os conceitos relacionados à mistura simples e equilíbrios de fases e equilíbrio químico. Exercícios de Equilíbrio químico e Misturas Meta Apresentar os conceitos relacionados à mistura simples e equilíbrios de fases e equilíbrio químico. Objetivos Ao final desta aula, o aluno deverá: compreender

Leia mais

Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron:

Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron: Equação de Estado de Van der Waals Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron: P i V i = nrt em que colocamos

Leia mais

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr. CQ049 FQ Eletroquímica prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.br 1 a estrutura I-S (água) ion central moléculas de água orientadas interações ion - dipolo

Leia mais

Um capacitor não armazena apenas carga, mas também energia.

Um capacitor não armazena apenas carga, mas também energia. Capacitores e Dielétricos (continuação) Energia armazenada num capacitor Um capacitor não armazena apenas carga, mas também energia. A energia armazenada num capacitor é igual ao trabalho necessário para

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA:

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA: ESTUDO DIRIGIDO COMPONENTE CURRICULAR: Controle de Processos e Instrumentação PROFESSOR: Dorival Rosa Brito ESTUDO DIRIGIDO: Métodos de Determinação de Parâmetros de Processos APRESENTAÇÃO: O rápido desenvolvimento

Leia mais

Dutos Química Ltda Informativo eletrônico *.pdf

Dutos Química Ltda Informativo eletrônico *.pdf Dutos Química Ltda Informativo eletrônico *.pdf Este informativo consiste em uma junção de dados obtidos em artigos científicos e livros especializados em tratamento químico. As informações nele contidas

Leia mais

Determinação da condutividade térmica do Cobre

Determinação da condutividade térmica do Cobre Determinação da condutividade térmica do Cobre TEORIA Quando a distribuição de temperatura de um corpo não é uniforme (ou seja, diferentes pontos estão a temperaturas diferentes), dá-se expontaneamente

Leia mais

Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas.

Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas. Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas. Ar Úmido Ar úmido significa uma mistura de ar seco (substância pura) mais vapor d água. É assumida que essa mistura comporta-se

Leia mais

Força atrito. Forças. dissipativas

Força atrito. Forças. dissipativas Veículo motorizado 1 Trabalho Ocorrem variações predominantes de Por ex: Forças constantes Sistema Termodinâmico Onde atuam Força atrito É simultaneamente Onde atuam Sistema Mecânico Resistente Ocorrem

Leia mais

FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre.

FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre. CINÉTICA QUÍMICA FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES 1. O estado físico dos reagentes. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre. 4. A presença de um catalisador.

Leia mais

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO TESTE INTERMÉDIO - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. H vap (H 2O) = 420 4 H vap (H 2O) = 1,69 10 3 H vap (H 2O) = 1,7 10 3 kj kg 1 Tendo em consideração a informação dada no texto o calor

Leia mais

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g (ACAFE) Foi dissolvida uma determinada massa de etanol puro em 200 g de acetona acarretando em um aumento de 0,86 C na temperatura de ebulição da acetona. Dados: H: 1 g/mol, C: 12 g/mol, O: 16 g/mol. Constante

Leia mais

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente.

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Bocais e Difusores São normalmente utilizados em motores

Leia mais

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA Termoquímica Energia e Trabalho Energia é a habilidade ou capacidade de produzir trabalho. Mecânica; Elétrica; Calor; Nuclear; Química. Trabalho Trabalho mecânico

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém cinco

Leia mais

Práticas de Físico Química QB75B. Experimento 7

Práticas de Físico Química QB75B. Experimento 7 1 PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA EDERAL DO PARANÁ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA EDERAL DO PARANÁ - UTPR DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE QUÍMICA E BIOLOGIA BACHARELADO EM QUÍMICA Práticas de ísico

Leia mais

Separação de Misturas

Separação de Misturas 1. Introdução Separação de Misturas As misturas são comuns em nosso dia a dia. Como exemplo temos: as bebidas, os combustíveis, e a própria terra em que pisamos. Poucos materiais são encontrados puros.

Leia mais

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação que funciona com cargas intermitentes. Você é convidado

Leia mais

O caso estacionário em uma dimensão

O caso estacionário em uma dimensão O caso estacionário em uma dimensão A U L A 6 Meta da aula Aplicar o formalismo quântico no caso de o potencial ser independente do tempo. objetivos verificar que, no caso de o potencial ser independente

Leia mais

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor 1. Junta de expansão de fole com purga de vapor d água Em juntas de expansão com purga da camisa interna, para

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº09 Prof. Paulo Henrique

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº09 Prof. Paulo Henrique Nome: Ano: º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº09 Prof. Paulo Henrique Assunto: Interpretação e Análise de gráficos 1. O que é importante na hora de analisar um gráfico? Atenção

Leia mais

Diagramas de Fase. Objetivos:

Diagramas de Fase. Objetivos: 1 Diagramas de Fase Objetivos: Interpretar diagramas de fases de substâncias puras Deslocamento da fronteira entre as fases Interpretar diagramas de fases de compostos Diagramas de misturas líquidas Diagramas

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Aula 23 Trocadores de Calor

Aula 23 Trocadores de Calor Aula 23 Trocadores de Calor UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez Definição: Trocadores de Calor Os equipamentos usados para implementar

Leia mais

As forças atrativas entre duas moléculas são significativas até uma distância de separação d, que chamamos de alcance molecular.

As forças atrativas entre duas moléculas são significativas até uma distância de separação d, que chamamos de alcance molecular. Tensão Superficial Nos líquidos, as forças intermoleculares atrativas são responsáveis pelos fenômenos de capilaridade. Por exemplo, a subida de água em tubos capilares e a completa umidificação de uma

Leia mais

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Parte 1: trabalho, calor e energia; energia interna; trabalho de expansão; calor; entalpia Baseado no livro: Atkins Physical Chemistry Eighth Edition Peter Atkins

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. EQE 482- Operações Unitárias II. Prática: h

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. EQE 482- Operações Unitárias II. Prática: h UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE QUÍMICA Código Disciplina/Nome: Tipo: Disciplina Obrigatória EQE 482- Operações Unitárias II Carga Horária Teórica : 60h Prática: h Cursos : Engenharia

Leia mais

Pressão Estática, de Estagnação e Dinâmica

Pressão Estática, de Estagnação e Dinâmica Pressão Estática, de Estagnação e Dinâmica p V gz cte p 1 V z cte A pressão p que aparece na equação de Bernoulli é a pressão termodinâmica, comumente chamada de pressão estática. Para medirmos p, poderíamos

Leia mais

Introdução. Muitas reações ocorrem completamente e de forma irreversível como por exemplo a reação da queima de um papel ou palito de fósforo.

Introdução. Muitas reações ocorrem completamente e de forma irreversível como por exemplo a reação da queima de um papel ou palito de fósforo. Introdução Muitas reações ocorrem completamente e de forma irreversível como por exemplo a reação da queima de um papel ou palito de fósforo. Existem também sistemas, em que as reações direta e inversa

Leia mais

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente.

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Conservação da Massa A massa, assim como a energia, é uma propriedade que se conserva,

Leia mais

CAPÍTULO 4 - BALANÇOS MATERIAIS. Existem dois tipos fundamentais de entidade em termodinâmica, estados de um sistema, e os processos de um sistema.

CAPÍTULO 4 - BALANÇOS MATERIAIS. Existem dois tipos fundamentais de entidade em termodinâmica, estados de um sistema, e os processos de um sistema. Existem dois tipos fundamentais de entidade em termodinâmica, estados de um sistema, e os processos de um sistema. Sempre que duas ou mais propriedades de um sistema variam, diz-se que ocorreu um processo.

Leia mais

Difusão. Introdução Histórica

Difusão. Introdução Histórica Estas notas de aula estão fortemente baseadas no livro de T. F. Weiss (2 vols.) indicado na bibliografia. Difusão A difusão pode ser definida como o processo pelo qual uma população de partículas é transportada

Leia mais

As Propriedades das Misturas (Aulas 18 a 21)

As Propriedades das Misturas (Aulas 18 a 21) As Propriedades das Misturas (Aulas 18 a 21) I Introdução Em Química, solução é o nome dado a dispersões cujo tamanho das moléculas dispersas é menor que 1 nanometro (10 Angstrons). A solução ainda pode

Leia mais

POROSIMETRIA AO MERCÚRIO

POROSIMETRIA AO MERCÚRIO 1 POROSIMETRIA AO MERCÚRIO 1 - INTRODUÇÃO A característica que determina a utilização em engenharia de muitos materiais é a sua porosidade. A forma, o tamanho e o volume de poros que um material apresenta

Leia mais

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior Maurício Bezerra Bandeira Junior Introdução às equações de primeiro grau Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que

Leia mais

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução Química QUESTÃO 1 Um recipiente contém 100 ml de uma solução aquosa de H SO 4 de concentração 0,1 mol/l. Duas placas de platina são inseridas na solução e conectadas a um LED (diodo emissor de luz) e a

Leia mais

Prof. Eduardo Loureiro, DSc.

Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Transmissão de Calor é a disciplina que estuda a transferência de energia entre dois corpos materiais que ocorre devido a uma diferença de temperatura. Quanta energia é transferida

Leia mais

Janine Coutinho Canuto

Janine Coutinho Canuto Janine Coutinho Canuto Termologia é a parte da física que estuda o calor. Muitas vezes o calor é confundido com a temperatura, vamos ver alguns conceitos que irão facilitar o entendimento do calor. É a

Leia mais

10/02/2014. O Processo de Dissolução. Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico é preservado.

10/02/2014. O Processo de Dissolução. Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico é preservado. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Diamantina - MG Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico

Leia mais

Água e Solução Tampão

Água e Solução Tampão União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Água e Solução Tampão Prof. Dra. Narlize Silva Lira Cavalcante Fevereiro /2015 Água A água é a substância

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 Questão 26 Como a questão pede a separação do sólido solúvel do líquido, o único processo recomendado é a destilação simples. Lembrando que filtração e decantação

Leia mais

METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I UMIDADE DO AR. Ar úmido CONCEITO DE AR SECO, AR ÚMIDO E AR SATURADO

METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I UMIDADE DO AR. Ar úmido CONCEITO DE AR SECO, AR ÚMIDO E AR SATURADO METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I UMIDADE DO AR COMET Professor: Ar úmido A água está presente em certo grau em toda atmosfera em três estados: sólido, líquido e gasoso. O estado gasoso, ou vapor de água atmosférico

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08 P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08 Nome: Gabarito Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes: R 8,314 J mol -1 K -1 0,0821

Leia mais

- A velocidade da reação direta (V1) é igual à velocidade da reação inversa (V2) V 1 = V 2

- A velocidade da reação direta (V1) é igual à velocidade da reação inversa (V2) V 1 = V 2 EQUILÍBRIO QUÍMICO Equilíbrio Químico - Equilíbrio químico é a parte da físico-química que estuda as reações reversíveis e as condições para o estabelecimento desta atividade equilibrada. A + B C + D -

Leia mais

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Universidade Estadual de Goiás UnUCET - Anápolis Química Industrial Química Experimental II Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Alunos: Bruno Ramos; Wendel Thiago; Thales

Leia mais

Análise Dimensional Notas de Aula

Análise Dimensional Notas de Aula Primeira Edição Análise Dimensional Notas de Aula Prof. Ubirajara Neves Fórmulas dimensionais 1 As fórmulas dimensionais são formas usadas para expressar as diferentes grandezas físicas em função das grandezas

Leia mais

Propriedades físicas e químicas das substâncias

Propriedades físicas e químicas das substâncias Propriedades físicas e químicas das substâncias Na Natureza há uma grande diversidade de materais. Muitos desses materais são substâncias mas será que são puras? Há substâncias que, mesmo misturadas com

Leia mais

8 PRESSÃO DE VAPOR, SATURAÇÃO, CONDENSAÇÃO E VÁCUO

8 PRESSÃO DE VAPOR, SATURAÇÃO, CONDENSAÇÃO E VÁCUO 8 PRESSÃO DE VAPOR, SATURAÇÃO, CONDENSAÇÃO E VÁCUO Um gás que existe abaixo de sua temperatura crítica é normalmente chamado de VAPOR, porque pode condensar. SE O VAPOR E O LÍQUIDO DE UM COMPONENTE PURO

Leia mais

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 5 Cromatografia a Gás Profa. Daniele Adão CROMATÓGRAFO CROMATOGRAMA Condição para utilização da CG Misturas cujos constituintes sejam VOLÁTEIS Para assim dissolverem-se, pelo

Leia mais

Apostila de Química Geral

Apostila de Química Geral Cursinho Vitoriano UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Câmpus de São José do Rio Preto Apostila de Química Geral Período noturno Ligações químicas interatômicas Vanessa R.

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

Fase Identifica um estado uniforme de

Fase Identifica um estado uniforme de DIAGRAMAS DE FASES Definições Fase Identifica um estado uniforme de matéria, não só no que se refere à composição química, mas também no que se refere ao estado físico. Número de fases numa mistura P 1

Leia mais

Equações diferencias são equações que contém derivadas.

Equações diferencias são equações que contém derivadas. Equações diferencias são equações que contém derivadas. Os seguintes problemas são exemplos de fenômenos físicos que envolvem taxas de variação de alguma quantidade: Escoamento de fluidos Deslocamento

Leia mais

Aula 8 Gases Ideais e Teoria Cinética

Aula 8 Gases Ideais e Teoria Cinética Aula 8 Gases Ideais e Teoria Cinética Física II 2012 UNICAMP Quadro de Joseph Wrigth of Derby (1768) representando experimento de Robert Boyle Equação de estado dos gases ideais Qualquer objeto macroscópico

Leia mais

107484 Controle de Processos Aula: Balanço de massa

107484 Controle de Processos Aula: Balanço de massa 107484 Controle de Processos Aula: Balanço de massa Prof. Eduardo Stockler Tognetti Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília UnB 1 o Semestre 2015 E. S. Tognetti (UnB) Controle de processos

Leia mais

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( )

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( ) Física 0 Duas partículas A e, de massa m, executam movimentos circulares uniormes sobre o plano x (x e representam eixos perpendiculares) com equações horárias dadas por xa ( t ) = a+acos ( ωt ), ( t )

Leia mais

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê CAVITAÇÃO 1. Descrição: Para melhor entendimeto iremos descrever o fenomeno Cavitação Cavitação é o nome que se dá ao fenômeno de vaporização de um líquido pela redução da pressão, durante seu movimento.

Leia mais

Sólidos, líquidos e gases

Sólidos, líquidos e gases Mudanças de fase Sólidos, líquidos e gases Estado sólido Neste estado, os átomos da substâncias se encontram muito próximos uns dos outros e ligados por forças eletromagnéticas relativamente grandes. Eles

Leia mais

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 Há uma diferença fundamental entre as funções de estado, como T, P e U, e as variáveis de processo, como Q (calor) e W (trabalho), que são transientes

Leia mais

Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química

Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 12 p.1/37

Leia mais

Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados

Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabrício R. Sensato Semestre 4º Engenharia: Materiais Período: Matutino/diurno Regimes: Normal/DP Agosto, 2005

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO 1. Introdução A melhor tecnologia para o monitoramento de baixas concentrações de ozônio (O 3 ) no ar ambiente é a da absorção de luz na faixa do Ultra Violeta

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CALOR ESPECÍFICO DE AMOSTRAS DE METAIS E ÁGUA

DETERMINAÇÃO DO CALOR ESPECÍFICO DE AMOSTRAS DE METAIS E ÁGUA DETEMINAÇÃO DO CALO ESPECÍFICO DE AMOSTAS DE METAIS E ÁGUA 1. Introdução O Calor Específico ou Capacidade Calorífica Específica, c, é a razão entre a quantidade de calor fornecida à unidade de massa da

Leia mais

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo.

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Medição de Vazão 1 Introdução Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Transporte de fluidos: gasodutos e oleodutos. Serviços

Leia mais

Comportamento Físico dos Gases 3ª Parte

Comportamento Físico dos Gases 3ª Parte RECIFE Colégio Salesiano Sagrado Coração ] Aluna(o): Nº: Turma: 3º ano Recife, de de 03 Disciplina: Química Professor: Eber Barbosa Comportamento Físico dos Gases 3ª Parte 0 Energia Cinética Média dos

Leia mais

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel TORRE DE RESFRIAMENTO Engenharia mecânica Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel FIGURA 01: Introdução São equipamentos utilizados para o resfriamento e reaproveitamento

Leia mais

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine Ciclos de Potência a vapor Ciclo Rankine BOILER q in 3 TURBINE w out 2 4 CONDENSER w in 1 PUMP q out Ciclo de Carnot T T H 2 3 T H < T C Compressor e turbina trabalham na região bifásica! 1 T L 4 s Ciclo

Leia mais

VENTILADORES INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores são equipamentos essenciais a determinados processos

VENTILADORES INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores são equipamentos essenciais a determinados processos Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores

Leia mais

Osmose Reversa Conheça este processo de purificação de água

Osmose Reversa Conheça este processo de purificação de água Osmose Reversa Conheça este processo de purificação de água Antes de falarmos sobre Osmose Reversa, precisamos entender o que é Osmose. Osmose é o nome dado ao movimento da água entre meios com concentrações

Leia mais