Operações Unitárias II

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Operações Unitárias II"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Operações Unitárias II Evaporação Professor Paul Fernand Milcent Monitora Patrícia Carrano Moreira Pereira 2013

2 Sumário 1. Introdução Fontes de energia Evaporação Secagem Evaporação Destilação Evaporação Cristalização Evaporadores Simples Efeito Múltiplo efeito Compressão mecânica Compressão térmica Múltiplos efeitos de expansão Bomba de calor Evaporação Pressão na câmara de evaporação Pressão na câmara de condensação Projeto do Equipamento Perfil da temperatura Influência da perda de carga no projeto Tipo de Solução Regra de Duhring Ábaco do Perry Calor de dissolução Cálculo do evaporador Equipamentos Evaporador de uma passagem Recirculação Evaporação solar Combustão Submersa Circulação natural Circulação Forçada Evaporador de Filme Ascendente Evaporador de Filme Descendente Filme Agitado Exercícios propostos

3 1. Introdução A evaporação é uma operação unitária que tem por finalidade concentrar soluções constituídas de solventes voláteis e solutos considerados não-voláteis através da evaporação parcial do solvente. Como os solutos são considerados não voláteis, no equilíbrio a fase gasosa ou o evaporado só contém solvente, ou seja, a fração de solvente no evaporado é de 100% ( y solvente =1; y soluto =0). Porém, na fase líquida, que é a solução a ser concentrada, há frações tanto de soluto quanto de solvente (x solvente e x soluto ) Fontes de energia Vapor d agua Combustão -Eólica Energia elétrica (resistências) -Hidroelétrica -Solar -Nuclear 1.2. Evaporação Secagem Na evaporação, ao término da operação, é obtido um produto líquido concentrado, já na secagem tem-se um produto sólido Evaporação Destilação Diferente da evaporação, na destilação o soluto pode ser volátil, assim a fração de solvente na corrente gasosa não é de 100%. 2

4 1.4. Evaporação Cristalização A cristalização pode ser feita de duas maneiras, uma delas é alterando a temperatura da solução para diminuir a solubilidade do sólido dissolvido, a outra é evaporando o solvente até que a solução chegue ao ponto de saturação e os cristais comecem a se formar. Quando se utiliza o segundo método, a evaporação e a cristalização são basicamente o mesmo processo, mas diferem na finalidade da operação. Na cristalização, evapora-se o solvente até que a solução fique saturada e, consequentemente, o soluto cristalize, enquanto na evaporação ocorre apenas a concentração da solução sem que se atinja o ponto de saturação. 2. Evaporadores Os evaporadores podem operar de várias maneiras, são elas: -Simples Efeito -Múltiplo Efeito Operação -Por Compressão - Mecânica - Térmica -Múltiplos Efeitos de Expansão -Bomba de Calor 3

5 2.1. Simples Efeito Figura 1 - Esquema de evaporador de simples efeito A evaporação por simples efeito é um processo em que se utiliza apenas um evaporador. É importante no entendimento dos equipamentos de evaporação, mas na prática não é muito usado por gastar muita energia Múltiplo efeito A evaporação por múltiplos efeitos é um processo em que há a associação de vários evaporadores, neste sistema o evaporado de um efeito é utilizado como fluido de aquecimento no próximo efeito, como mostrado na Figura 2. Esta configuração não resulta em uma produção maior que o simples efeito, sua vantagem é a economia de energia. Figura 2 - Esquema de evaporador de múltiplo efeito 4

6 As pressões são diferentes em cada efeito (P 1 >P 2 >P N ), pois é necessário que a solução entre em ebulição a temperaturas cada vez menores, já que o fluido de aquecimento será o evaporado proveniente do efeito anterior, ou seja, se a pressão for a mesma, o vapor estará a mesma temperatura de ebulição da solução e não haverá troca de calor. Com essa diferença de pressão T 1 >T 2 >T N. O sistema de alimentação dos efeitos poder ter quatro configurações diferentes: Cocorrente Figura 3 - Esquema de evaporador de múltiplo efeito em cocorrente Dessa maneira, o evaporado e a solução concentrada seguem no mesmo sentido (Figura 3). Assim, no efeito em que a temperatura é maior, a concentração da solução será a menor, sendo uma boa forma de alimentar soluções termosensíveis. Da mesma forma, no efeito em que a temperatura é a menor, a concentração é a maior, sendo uma forma ruim de alimentar soluções viscosas. 5

7 Contracorrente Figura 4 - Esquema de evaporador de múltiplo efeito em contracorrente Ao contrário da alimentação em cocorrente, a alimentação em contracorrente é feita de forma que o evaporado segue em um sentido e a solução segue no sentido contrário (Figura 4). Assim, essa forma de alimentação é ruim para soluções termosensíveis e boa para soluções viscosas. Porém, esse arranjo traz outro problema, a solução segue no sentido da menor para a maior pressão, ou seja, o escoamento não ocorrerá naturalmente, sendo necessário utilizar muitas bombas para que ele aconteça. Misto Figura 5 - Esquema de evaporador de múltiplo efeito misto 6

8 Essa configuração corrige o problema da alimentação em contracorrente. Nela a alimentação da solução diluída é feita em um estágio do meio da linha e a solução segue para os efeitos posteriores e depois volta para os iniciais. Dessa forma é necessário um menor numero de bombas, mas o arranjo continua atendendo bem a soluções de alta viscosidade. Cruzado Figura 6 - Esquema de evaporador de múltiplo efeito cruzado Na alimentação cruzada, a solução diluída é alimentada em todos os estágios e a solução concentrada também é retirada de todos eles, já o evaporado segue para os estágios sequenciais. As grandes vantagens dessa configuração são: é possível concentrar varias soluções diferentes ao mesmo tempo ou, se utilizada para a cristalização, evita a quebra dos cristais que ocorreria caso a solução ficasse passando de um estagio para outro. 7

9 2.3. Compressão mecânica Figura 7 - Esquema de evaporador por compressão mecânica Nesse tipo de evaporador, o evaporado é aproveitado no trocador de calor, mas como a entalpia do evaporado é um pouco menor que a do vapor vivo, é utilizado um compressor. Esse compressor fornece a energia necessária para ajustar a entalpia do evaporado Compressão térmica Figura 8 - Esquema de evaporador por compressão térmica Segue o mesmo princípio do evaporador por compressão mecânica, mas ao invés de um compressor, utiliza-se um ejetor a jato de vapor d água. Um ejetor a jato de vapor d água funciona da seguinte maneira: 8

10 Figura 9 - Esquema de ejetor a jato de vapor d'água No bocal do fluido motriz: como há estrangulamento do fluido motriz (vapor), a velocidade aumenta e, pela equação de Bernoulli, a pressão vai diminuir. Na caixa de mistura: evaporado é aspirado pela baixa pressão e é misturado com o vapor. No difusor: há uma abertura e então a velocidade diminui e a pressão aumenta, fornecendo então ao evaporado a energia necessária Múltiplos efeitos de expansão F W 1 2 N Sn Figura 10 - Esquema de evaporador de múltiplos efeitos de expansão Nesse tipo de evaporador, a alimentação é pré aquecida em trocadores de calor em que o fluido de aquecimento é o evaporado de cada estágio, depois ela passa por outro trocador de calor onde é aquecida por vapor vivo. 9

11 Após aquecida, a alimentação passa antes de cada efeito por uma válvula de expansão que causa o flasheamento da solução, cada efeito então separa um pouco de evaporado Bomba de calor Figura 11 - Esquema de bomba de calor Em uma bomba de calor existem basicamente quatro componentes: Compressor, condensador, dispositivo de expansão e evaporador. O fluido refrigerante na forma de líquido saturado passa pela válvula de expansão, onde é submetido a uma queda de pressão brusca e passa a ter dois estados, o líquido e o gasoso. O fluido refrigerante, nesse ponto, é denominado de flash gás. Então o fluido é conduzido pelo evaporador, onde absorverá calor do ar do evaporador, vaporizando-se. Na saída do evaporador, na forma de gás ele é succionado pelo compressor, que eleva sua pressão e sua temperatura para que possa ser conduzido através do condensador, que cederá calor ao ambiente externo, condensando o fluido e completando o ciclo. 10

12 3. Evaporação Pode-se representar um equipamento de evaporação, de maneira simplificada, como uma câmara de condensação e uma câmara de evaporação. Assim, como há duas câmaras separadas, a pressão em cada uma das câmaras pode ser diferente (Figura 12). Figura 12- Representação simplificada de um evaporador A Equação 1 é a equação que relaciona a área de troca do evaporador com o coeficiente global de troca térmica e a diferença de temperatura. (1) Em que ΔT é a diferença entre a temperatura de condensação e a temperatura de evaporação e é função de Pressão na câmara de evaporação Pressão na câmara de condensação Tipo de solução Projeto do equipamento 3.1. Pressão na câmara de evaporação Em geral, é comum que a pressão na câmara de evaporação seja menor que a pressão atmosférica (vácuo), pois quanto maior a pressão, menor a temperatura de evaporação e, consequentemente, maior a diferença de temperatura ΔT. 11

13 Então, analisando a Equação 1, temos que Ou Se a área diminui, o custo com o equipamento também diminui e se a taxa de transferência de calor aumenta, a capacidade (vazão de evaporado) também aumenta Pressão na câmara de condensação Da mesma forma, a fim de se ter um ΔT maior, geralmente a pressão na câmara de condensação é mais elevada. Porém, a medida que essa pressão aumenta, a entalpia do vapor saturado diminui e é necessário mais vapor para o aquecimento, além disso as paredes do equipamento precisam ter uma espessura maior, aumentando os custos. Dessa forma não é viável operar com uma pressão muito elevada, deve-se encontrar um ponto de equilíbrio (normalmente utiliza-se vapor saturado a 4 ata). 12

14 3.3. Projeto do Equipamento Ex: Evaporador padrão de tubos verticais Figura 13 - Esquema de evaporador padrão de tubos verticais Figura 14 - Esquema de trocador de calor do evaporador A parte do trocador de calor funciona como um trocador de calor de casco e tubos em que o vapor vivo passa pelo casco e a solução passa pelos tubos. 13

15 É considerado de circulação natural, pois a circulação da solução acontece exclusivamente devido à convecção natural. A solução que vai sendo aquecida, sobe pelos tubos de menor diâmetro, enquanto no tubo central de maior diâmetro (50-100% maior que os outros), como o fluido está mais distante da parede e portanto com temperatura menor, a solução desce Perfil da temperatura Figura 15 - Representação da variação da temperatura com a profundidade no trocador de calor do evaporador Pode-se dizer que enquanto a solução está descendo a temperatura não muda, mas a pressão vai aumentando e a ebulição não vai mais ocorrendo. A solução sobe pelos tubos de menor diâmetro e vai se aquecendo e enquanto ela sobe a pressão vai diminuindo e começa a ebulição. Para cálculos de transferência a temperatura do topo não é utilizada, mas sim a do sistema, que é uma temperatura média ( ). (2) 14

16 Então, na prática, o ΔT é menor que o teórico, pois o T evap ( ) é menor que o esperado T topo Influência da perda de carga no projeto Ex: Múltiplo efeito Figura 16 - Representação simplificada de evaporador de múltiplo efeito P1 P2 é a pressão na câmara do efeito anterior é a pressão no condensador do efeito posterior Se não houver perda de carga P1 é igual a P2, mas se houver P2 é maior que P1. Se P2 for menor, a temperatura de saturação também será e, consequentemente, o vapor usado no efeito posterior estará a uma temperatura menor, diminuindo o ΔT do sistema. Por isso, são usados tubos de maior diâmetro para conduzir o evaporado a fim de evitar ao máximo a perda de carga. 15

17 Figura 17 - Diagrama de Pressão versus Temperatura do vapor 3.6. Tipo de Solução A mudança da fase líquida para a fase vapor ocorre na pressão de vapor (P v ). A água pura na temperatura de 100 C apresenta P v =760mmHg, já uma solução aquosa de NaOH 60% na temperatura de 100 C apresenta P v =30,1mmHg. Então, é possível perceber que a água, em presença de um soluto, apresenta um abaixamento da pressão de vapor. Para que a solução aquosa de NaOH tenha a mesma pressão de vapor da agua pura (P v = 760mmHg), esta deve estar a uma temperatura de 167 C. A esse aumento na temperatura, dá-se o nome de elevação do ponto de ebulição (e.p.e.) e ele pode ser determinado pela regra de Duhring. Os maiores e.p.e. são observados quando o soluto é composto de moléculas pequenas e iônicas, podendo chegar a 80 C, quando a molécula é muito grande e/ou orgânica o e.p.e. é muito baixo chegando a ser desprezível. Quando a solução apresenta e.p.e., o evaporado retirado do equipamento é um vapor superaquecido. 16

18 Regra de Duhring Consiste em traçar um gráfico representando a variação da temperatura de ebulição do solvente puro com a temperatura de ebulição da solução, obtendo retas com dois pontos experimentais para cada concentração da solução. Figura 18 - Diagrama de Duhring 17

19 Exemplo: Qual o e.p.e. de uma solução de NaOH 60% quando a temperatura de ebulição do solvente puro é de 95 C? Utilizar o Diagrama de Duhring da Figura 18. (Resposta: TE solução =160 C; e.p.e.=65 C) Ábaco do Perry Além desse diagrama, o PERRY também traz um ábaco no qual é possível encontrar o e.p.e. para diversas substâncias. Figura 19 - Ábaco do Perry para determinação do e.p.e de soluções 18

20 O ábaco da Figura 19 é lido da seguinte forma: Encontrar na escala à direita a temperatura da solução em F Traçar uma reta deste ponto até o ponto correspondente à substância Prolongar esta reta até o anteparo no lado esquerdo do ábaco A partir do ponto marcado no anteparo, traçar uma reta até a porcentagem correspondente Prolongar esta reta até a escala à direita, a reta tocará no ponto correspondente ao ponto de ebulição da solução Calor de dissolução Se o calor de dissolução for apreciável, é necessário considerá-lo no balanço de energia. Estes valores de entalpia podem ser encontrados em diagramas de Entalpia x Concentração, em que cada curva representa uma temperatura diferente, e eles são específicos para cada solução. A Figura 20 apresenta um diagrama Entalpia x Concentração para soluções aquosas de NaOH. Figura 20 - Diagrama de entalpia versus concentração 19

21 4. Cálculo do evaporador Tópicos gerais para cálculo de um equipamento Balanço material Balanço energético (Entálpico) Condições de equilíbrio Propriedades termodinâmicas Velocidades de transferência Dimensionamento - Trocador de calor Para qualquer x, y é sempre igual a 1 - Câmara de separação P = P sat = f (T, x) E, he F, hf, xf W hg hf S, hs, xs Figura 21 - Esquema de evaporador de simples efeito F, E, W, S Vazões mássicas [kg/h] h F, h e, h s h g h f q Entalpias [kcal/kg] Entalpia do vapor saturado [kcal/kg] Entalpia do liquido saturado [kcal/kg] Fluxo de calor [kcal/h] A U Área de troca térmica [m²] Coeficiente global de troca térmica [kcal/h.m². C] x Concentração de sólidos (base úmida) [kg soluto /kg solução ] 20

22 Balanço material Global: (3) Soluto: (4) Balanço Entálpico (5) (6) (7) OU (8) (9) U Pode ser fornecido ou estimado (10) Considerações termodinâmicas Sem mudança de fase: (11) A pressão constante: (12) 21

23 Na referência : (13) Para misturas o Pode-se desprezar o calor de mistura quando há pouca interação entre as moléculas Moléculas grandes (orgânicas) interagem pouco Moléculas pequenas (inorgânicas e iônicas) interagem muito função linear por não ter efeito de mistura 22

24 Conhecendo-se Cp para uma concentração, interpola-se para encontrar Cp em outras concentrações. Interpolando: (14) Atenção! Se houver elevação do ponto de ebulição, o vapor de água que sai na corrente de evaporado sairá superaquecido, então haverá um incremento na entalpia da corrente E que antes era considerada como a entalpia do vapor saturado retirada da tabela de vapor. Essa diferença na entalpia pode ser observada no gráfico da Figura 22. Figura 22 - Diagrama de Temperatura versus entalpia da água Na Figura 22, observa-se os pontos B, C e D marcados sobre a curva que representa uma pressão constante e igual para todos, em que B representa a entalpia do líquido saturado (h f ), C representa a entalpia do vapor saturado (h g ) e D representa a entalpia do vapor superaquecido que, para os 23

25 casos em que há elevação do ponto de ebulição, é a entalpia da corrente E (h E ). Assim, para calcular o valor de h E utiliza-se: Uma boa simplificação, que traz bons resultados, é considerar: Ou (15) Economia (16) o Economia do múltiplo efeito 1ª Hipótese (17) (18) (19) 2ª Hipótese (20) (21) (22) 24

26 Então, Como À medida que o número de estágios aumenta a economia também aumenta o que justifica a associação de evaporadores. (23) Exemplo Resolvido 1 Uma solução aquosa de um colóide orgânico deve ser concentrada de 10% até 40% em um evaporador simples na vazão de 15000kg/h. O vapor de aquecimento é vapor de água saturado a 2ata e abandona a câmara de condensação na temperatura de condensação. Na câmara de evaporação mantém-se uma pressão absoluta de 150mmHg. O calor de dissolução, de diluição e as perdas de calor ao exterior são desprezadas. O coeficiente integral de transmissão de calor vale 2000kcal/h.m². C e a capacidade calorífica a pressão constante da alimentação é 0,9kcal/kg. C. A solução pode entrar no evaporador a 20 C, 50 C ou 80 C. Determine para cada uma das condições de entrada o consumo de vapor vivo, a superfície necessária de troca térmica e a economia do processo. F=15000kg/h; x F =0,10; x S =0,40 Vapor saturado P= 2ata Tabela de vapor T = 119,6 C h f = 120,3kcal/kg h g = 645,9kcal/kg P câmara = 150mmHg = 0,197ata Tabela de vapor T E = 60 C h E = 623,2kcal/kg 25

27 Balanço material: Balanço entálpico: Para alimentação a 20 C 26

28 Para alimentação a 50 C Para alimentação a 80 C 27

29 Economia do processo: Exemplo Resolvido 2 Em um evaporador simples processamos 15000kg/h de uma solução de NaOH de 10% a 50% em peso. O vapor empregado é vapor saturado a 3,5ata e uma vez condensado sai na temperatura de condensação. O vácuo mantido na câmara de evaporação é de 620mmHg referido a pressão atmosférica normal. O coeficiente integral de transmissão de calor vale 1600kcal/h.m² C. Se a alimentação entra a 40 C e não se perde calor ao sistema, determinar o consumo horário de vapor de aquecimento, a superfície de aquecimento e a economia. Balanço Soluto 28

30 Balanço Global Balanço Entálpico Tabela de Vapor T W =138 C h f =139 kcal/kg h g =652 kcal/kg Tabela de Vapor T sat =59 C h g =623 kcal/kg Para o solvente puro! T sat =59 C h g =623 kcal/kg Diagrama de Duhring T S =103 C Como a entalpia de dissolução é apreciável h f 40 C X f = 0,1 Diagrama h x X h F =35 kcal/kg h f 103 C X f = 0,5 Diagrama h x X h S =134 kcal/kg 29

31 Como há epe, E é superaquecido Substituindo os valores no balanço de energia Assim Economia 30

32 3.7. Equipamentos Podem ser classificados de acordo com o tipo de aquecimento ou de operação. Operação Uma passagem Recirculação Evaporador de uma passagem F S E Figura 23 - Esquema de evaporador de uma passagem O tempo de permanência é muito pequeno, resultando em um rendimento baixo. Comumente usado quando se tem um material orgânico que pode sofrer degradação se exposto a altas temperaturas por muito tempo Recirculação F S E Figura 24 - Esquema de evaporador de recirculação O tempo de permanência da solução no evaporador é alto, não podendo ser usado para materiais que sofram degradação a altas temperaturas 31

33 Direto Evaporação Solar Combustão Submersa Aquecimento Circulação Natural Circulação Forçada Indireto Tipo Filme Ascendente Descendente Filme agitado Evaporação solar Como o próprio nome sugere, a solução é exposta ao sol para que haja a evaporação do solvente Combustão Submersa Faz-se a alimentação de combustível e comburente em um tanque submerso, então se faz uma faísca e a chama resultante dessa combustão aquece o fluido Circulação natural A construção do equipamento permite que a circulação ocorra naturalmente, resultado das correntes convectivas. 32

34 Figura 25 - Esquema de evaporador de circulação natural Circulação Forçada Utiliza uma bomba para fazer a circulação da solução a ser concentrada, é comumente usada para fluidos viscosos ou corrosivos. E W S W F Figura 26 - Esquema de evaporador de circulação forçada Evaporador de Filme Ascendente Os evaporadores de filme ascendente são do tipo casco e tubos, nos quais o produto circula pelos tubos e o vapor pelo casco, aquecendo as paredes externas dos mesmos. O solvente evapora no interior dos tubos e esse vapor arrasta a solução que, desse modo, ascende. 33

35 Com a velocidade do vapor, as bolhas coalescem e a solução forma um filme fino na parede dos tubos que facilita a troca térmica. Figura 27 - Esquema de evaporador de filme ascendente Evaporador de Filme Descendente É semelhante ao evaporador de filme ascendente, mas nesse caso a alimentação é feita no topo e a solução desce por efeito da gravidade Filme Agitado Possui uma camisa de aquecimento por onde passa vapor vivo e pás giratórias que auxiliam na formação do filme para fluidos muito viscosos. 34

36 Figura 28 - Esquema de evaporador de filme agitado 4. Exercícios propostos 1. Em um evaporador simples se concentram 20000kg/h de uma solução de 10% a 50% em peso. O vapor de aquecimento é vapor saturado a 1,6ata e na câmara de evaporação se mantém uma pressão absoluta de 450mmHg. Para a solução de 50% o e.p.e é de 10 C e a capacidade calorifica a pressão constante da solução diluída é 0,85kcal/kg C. Considerando desprezíveis os efeitos térmicos de diluição e dissolução, determine o consumo horário de vapor e a superfície de aquecimento necessária. A solução entra no evaporador a 25 C e U=1800kcal/m²h C. (Resposta: W=18620kg/h; A=326m²) 2. Uma solução de NaOH é concentrada de 8% a 25% em peso em um evaporador simples. A alimentação é de 3000kg/h. Antes da solução entrar no evaporador, ela é aquecida em um trocador de calor até 70 C empregando como meio de aquecimento o condensado que sai da câmara de condensação. Para o aquecimento do evaporador é empregado vapor saturado a 108 C, mantendo-se a câmara de evaporação na pressão absoluta de 90mmHg. Determine o coeficiente integral de transmissão de calor sabendo que a superfície de aquecimento é de 20m². (Resposta: W=2120kg/h; U=1180kcal/hm² C) 35

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO Curso de Farmácia Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO 1 Introdução A destilação como opção de um processo unitário de separação, vem sendo utilizado pela humanidade

Leia mais

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente.

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Bocais e Difusores São normalmente utilizados em motores

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração CICLOS DE REFRIGERAÇÃO Os ciclos mais usados, na seqüência, são: Ciclo de refrigeração por compressão de vapor Ciclo de refrigeração por absorção O ciclo é constituído dos seguintes processos sucessivos:

Leia mais

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Trocadores de calor Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Os fluidos podem ser ambos fluidos de processo

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

Balanço de Massa e Energia Aula 4

Balanço de Massa e Energia Aula 4 Gases e Vapores Na maioria das pressões e temperaturas, uma substância pura no equilíbrio existe inteiramente como um sólido, um líquido ou um gás. Contudo, em certas temperaturas e pressões, duas ou mesmo

Leia mais

Armazenamento de energia

Armazenamento de energia Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica 3 º. trimestre, 2015 A energia solar é uma fonte de energia dependente do tempo. As necessidades de energia

Leia mais

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel TORRE DE RESFRIAMENTO Engenharia mecânica Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel FIGURA 01: Introdução São equipamentos utilizados para o resfriamento e reaproveitamento

Leia mais

Métodos de determinação da Massa Molecular

Métodos de determinação da Massa Molecular Métodos de determinação da Massa Molecular Métodos absolutos a) Massa molecular média em número - Análise de grupos terminais - Elevação ebulioscópica - Depressão crioscópica - Abaixamento da pressão de

Leia mais

1- PROPRIEDADES DAS SOLUÇÕES OU PROPRIEDADES COLIGATIVAS

1- PROPRIEDADES DAS SOLUÇÕES OU PROPRIEDADES COLIGATIVAS 1- PROPRIEDADES DAS SOLUÇÕES OU PROPRIEDADES COLIGATIVAS Em países quentes, é costume adicionar à água do radiador dos automóveis o etilenoglicol, que eleva a temperatura de ebulição da água. Evita-se

Leia mais

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO I

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA PROCESSOS DE SEPARAÇÃO I OPERAÇÕES POR ESTÁGIOS ABSORÇÃO I PROFESSOR: DR. ROMILDO BRITO CAMPINA

Leia mais

08-05-2015. Sumário. Do Sol ao aquecimento. A energia no aquecimento/arrefecimento de sistemas 04/05/2015

08-05-2015. Sumário. Do Sol ao aquecimento. A energia no aquecimento/arrefecimento de sistemas 04/05/2015 Sumário Do Sol ao Aquecimento Unidade temática 1 Mudanças de estado físico. Variação de entalpia. Atividade Prático-Laboratorial APL 1.4 Balanço energético num sistema termodinâmico. Resolução de exercícios:

Leia mais

3.2 Equilíbrio de Fases Vapor - Líquida - Sólida numa Substância Pura Consideremos como sistema a água contida no conjunto êmbolo - cilindro abaixo:

3.2 Equilíbrio de Fases Vapor - Líquida - Sólida numa Substância Pura Consideremos como sistema a água contida no conjunto êmbolo - cilindro abaixo: - Resumo do Capítulo 0 de Termodinâmica: Capítulo - PROPRIEDADES DE UMA SUBSTÂNCIA PURA Nós consideramos, no capítulo anterior, três propriedades familiares de uma substância: volume específico, pressão

Leia mais

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Química Materiais, suas propriedades e usos Estados Físicos Estado vem do latim status (posição,situação, condição,modo de estar). O estado físico

Leia mais

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine Ciclos de Potência a vapor Ciclo Rankine BOILER q in 3 TURBINE w out 2 4 CONDENSER w in 1 PUMP q out Ciclo de Carnot T T H 2 3 T H < T C Compressor e turbina trabalham na região bifásica! 1 T L 4 s Ciclo

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano 19 Sistema de Refrigeração - Tópicos Introdução Meios refrigerantes Tipos de Sistemas de Refrigeração Sistema de refrigeração a ar Sistema de refrigeração a água Anticongelantes

Leia mais

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 3ª Aula - complemento - Como especificar um compressor corretamente Ao se estabelecer o tamanho e nº de compressores, deve se

Leia mais

Material Condutividade térmica (Kcal/s)/(m. C) Cobre 9,2.10-2

Material Condutividade térmica (Kcal/s)/(m. C) Cobre 9,2.10-2 7 TRANSFERÊNCIA DE CALOR O calor é a forma de energia que se propaga de uma região a uma temperatura mais alta para outra região de temperatura mais baixa. A energia transferida pelo fluxo de calor não

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

Evaporadores. Ciclo de refrigeração

Evaporadores. Ciclo de refrigeração Evaporadores Ciclo de refrigeração Evaporadores Função Extrair calor do meio a ser resfriado (ar, água ou outra substância). Processo Mudança de estado do gás refrigerante, da fase líquida para a fase

Leia mais

MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO, PRESSÃO DE VAPOR... *

MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO, PRESSÃO DE VAPOR... * MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO, PRESSÃO DE VAPOR... * MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO Antes de verificarmos como ocorrem as mudanças de estado físico de uma substância, vamos caracterizar cada um dos estados aqui estudados.

Leia mais

Simulado ENEM. a) 75 C b) 65 C c) 55 C d) 45 C e) 35 C

Simulado ENEM. a) 75 C b) 65 C c) 55 C d) 45 C e) 35 C 1. Um trocador de calor consiste em uma serpentina, pela qual circulam 18 litros de água por minuto. A água entra na serpentina à temperatura ambiente (20 C) e sai mais quente. Com isso, resfria-se o líquido

Leia mais

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 S DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 1 - Curso de Simulação de Edificações com o EnergyPlus (Edição 1) 8 e 9 de março 15 e 16 de março 5 e 6 de abril 19 e 20 de abril 2 - Curso de Psicrometria

Leia mais

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente.

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Conservação da Massa A massa, assim como a energia, é uma propriedade que se conserva,

Leia mais

Termodinâmica. Prof. Agostinho Gomes da Silva

Termodinâmica. Prof. Agostinho Gomes da Silva Termodinâmica Prof. Agostinho Gomes da Silva Substância pura Substância pura: Composição química invariável e homogênea Pode existir em mais de uma fase (mas todas fases têm a mesma composição química).

Leia mais

CAPÍTULO II. 2.1. Ar Condicionado, refrigeração e refrigerante utilizado.

CAPÍTULO II. 2.1. Ar Condicionado, refrigeração e refrigerante utilizado. CAPÍTULO II 2 Ar condicionado automotivo. 2.1. Ar Condicionado, refrigeração e refrigerante utilizado. O condicionamento do ar é o processo que regula, artificialmente, a temperatura, o fluxo de ar, a

Leia mais

Janine Coutinho Canuto

Janine Coutinho Canuto Janine Coutinho Canuto Termologia é a parte da física que estuda o calor. Muitas vezes o calor é confundido com a temperatura, vamos ver alguns conceitos que irão facilitar o entendimento do calor. É a

Leia mais

,DISPOSITIVOS DE EXPANSÃO

,DISPOSITIVOS DE EXPANSÃO ,DISPSITIVS DE EXPASÃ Dispositivos de expansão são os componentes do sistema de refrigeração que têm por finalidades provocar a perda de pressão do refrigerante, que é acompanhada de um decréscimo de temperatura,

Leia mais

Química Prof. Marcelo

Química Prof. Marcelo Química Prof. Marcelo PROPRIEDADES COLIGATIVAS 1 Pressão de vapor 2 Pressão de vapor e mudança de estado 3- Tonoscopia 4- Crioscopia 5- Ebulioscopia 6 - Osmose e pressão osmótica PROPRIEDADES COLIGATIVAS

Leia mais

04/05/2012 TROCADORES DE CALOR

04/05/2012 TROCADORES DE CALOR TROCADORES DE CALOR Trocador ou permutador de calor é um equipamento utilizado para aquecer, resfriar, vaporizar ou condensar fluídos de acordo com as necessidades do processo, utilizando-se uma parede

Leia mais

Aula 23 Trocadores de Calor

Aula 23 Trocadores de Calor Aula 23 Trocadores de Calor UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez Definição: Trocadores de Calor Os equipamentos usados para implementar

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

Sólidos, líquidos e gases

Sólidos, líquidos e gases Mudanças de fase Sólidos, líquidos e gases Estado sólido Neste estado, os átomos da substâncias se encontram muito próximos uns dos outros e ligados por forças eletromagnéticas relativamente grandes. Eles

Leia mais

PROCESSO DE EVAPORADORES EM ALIMENTOS

PROCESSO DE EVAPORADORES EM ALIMENTOS PROCESSO DE EVAPORADORES EM ALIMENTOS A evaporação é uma operação através da qual a água é removida em parte ou quase totalmente do alimento. A fonte de aquecimento dos alimentos utilizada é o vapor de

Leia mais

Prof. Eduardo Loureiro, DSc.

Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Transmissão de Calor é a disciplina que estuda a transferência de energia entre dois corpos materiais que ocorre devido a uma diferença de temperatura. Quanta energia é transferida

Leia mais

Liquido saturado é aquele que está numa determinada temperatura e pressão eminente de iniciar a transformação para o estado vapor.

Liquido saturado é aquele que está numa determinada temperatura e pressão eminente de iniciar a transformação para o estado vapor. Módulo IV Propriedades de Substâncias Puras: Relações P-V-T e Diagramas P-V, P-T e T-V, Título, Propriedades Termodinâmicas, Tabelas Termodinâmicas, Energia Interna, Entalpia, Calores Espercíficos c v

Leia mais

Propriedades físicas e químicas das substâncias

Propriedades físicas e químicas das substâncias Ciências Físico-Químicas - 7º ano Propriedades físicas e M. Neli G. C. Cavaleiro M. Domingas Beleza Há substâncias que, mesmo misturadas com outras, facilmente identificamos através de características

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág. Física Setor B Prof.: Índice-controle de Estudo Aula 9 (pág. 102) AD TM TC Aula 10 (pág. 102) AD TM TC Aula 11 (pág. 104) AD TM TC Aula 12 (pág. 106) AD TM TC Aula 13 (pág. 107) AD TM TC Aula 14 (pág.

Leia mais

hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos

hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos Projeto Termo-hidr hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos Opções e decisões de projeto Trocadores do tipo casco e tubos sem mudança de fase Condições de projeto Dimensionamento da unidade

Leia mais

Trocadores de calor a placas. A otimização da troca térmica

Trocadores de calor a placas. A otimização da troca térmica Trocadores de calor a placas A otimização da troca térmica Um amplo conhecimento para otimizar seus processos As atividades da Alfa Laval têm um único objetivo: oferecer a você cliente tecnologias que

Leia mais

Água e Solução Tampão

Água e Solução Tampão União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Água e Solução Tampão Prof. Dra. Narlize Silva Lira Cavalcante Fevereiro /2015 Água A água é a substância

Leia mais

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE 167 13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE As tubulações de refrigerante representam uma parte essencial no sistema de refrigeração, pois requer as mesmas considerações gerais de projeto que qualquer sistema de

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-056 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: Apesar de existir um grande número de tipos

Leia mais

A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido.

A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido. 16 3 PSICROMETRIA A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido. 3.1 CARTA PSICROMÉTRICA É um ábaco que permite representar graficamente as evoluções

Leia mais

SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS. (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido

SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS. (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido Separação magnética: Separa misturas do tipo sólido-sólido nas quais um dos componentes tem propriedades magnéticas

Leia mais

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO 4.1 O Processo da Evaporação Para se entender como se processa a evaporação é interessante fazer um exercício mental, imaginando o processo

Leia mais

Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas.

Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas. Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas. Ar Úmido Ar úmido significa uma mistura de ar seco (substância pura) mais vapor d água. É assumida que essa mistura comporta-se

Leia mais

Propriedades das Soluções

Propriedades das Soluções Propriedades das Soluções Prof. Alex Fabiano C. Campos O Processo de Dissolução Uma solução é uma mistura homogênea de soluto(presente em menor quantidade de mols) e solvente(presente em maior quantidade

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome

Leia mais

Caldeiras Manoel O. A. Méndez

Caldeiras Manoel O. A. Méndez Caldeiras Manoel O. A. Méndez FEAU - Faculdade de Engenharia Arquitetura e Urbanismo 12 de agosto de 2015 Manoel Méndez Caldeiras 1/24 Sumário Introdução 1 Introdução 2 Descoberta do vapor Uso do vapor

Leia mais

VENTILADORES INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores são equipamentos essenciais a determinados processos

VENTILADORES INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores são equipamentos essenciais a determinados processos Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores

Leia mais

Projecto de uma fornalha para a queima de Biomassa lenhosa para alimentar o ciclo de refrigeração por absorção

Projecto de uma fornalha para a queima de Biomassa lenhosa para alimentar o ciclo de refrigeração por absorção UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Mecânica Ramo: Termotecnia Disciplina: Projecto do Curso Projecto de uma fornalha para a queima de Biomassa lenhosa para

Leia mais

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé TIRAGEM Definição Tiragem é o processo que garante a introdução do ar na fornalha e a circulação dos gases de combustão através de todo gerador de vapor, até a saída para a atmosfera 00:43 2 Conceitos

Leia mais

T (K) T (K) S (kj/kg K) S (kj/kg K)

T (K) T (K) S (kj/kg K) S (kj/kg K) Termodinâmica I Ano Lectivo 2007/08 1º Ciclo-2ºAno/2º semestre (LEAmb LEAN MEAer MEMec) 2º Exame, 11/Julho /2008 P1 Nome: Nº Sala Problema 1 (2v+2v+1v) Considere um sistema fechado constituído por um êmbolo

Leia mais

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Parte 1: trabalho, calor e energia; energia interna; trabalho de expansão; calor; entalpia Baseado no livro: Atkins Physical Chemistry Eighth Edition Peter Atkins

Leia mais

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA.

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. 1)Considere os seguintes dados obtidos sobre propriedades de amostras de alguns materiais. Com respeito a estes materiais,

Leia mais

Raquel P. F. Guiné ESAV

Raquel P. F. Guiné ESAV OS PROCESSOS nas INDÚSTRIAS ALIMENTARES Raquel P. F. Guiné ESAV OS PROCESSOS nas INDÚSTRIAS ALIMENTARES Raquel P. F. Guiné Edição Edição de autor Coordenação editorial Raquel Guiné, ESAV Composição Raquel

Leia mais

Balanço de Massa e Energia Aula 5

Balanço de Massa e Energia Aula 5 Balanço de Massa e Energia Aula 5 Solubilidade, Saturação e Cristalização. Solubilidade: A solubilidade de um sólido (soluto) em uma solução é a quantidade máxima desta substância que pode ser dissolvida

Leia mais

Operações Unitárias CURSO DE FORMAÇÃO DE OPERADORES DE REFINARIA OPERAÇÕES UNITÁRIAS

Operações Unitárias CURSO DE FORMAÇÃO DE OPERADORES DE REFINARIA OPERAÇÕES UNITÁRIAS CURSO DE FORMAÇÃO DE OPERADORES DE REFINARIA OPERAÇÕES UNITÁRIAS 1 2 Operações Unitárias OPERAÇÕES UNITÁRIAS VALTER ROITMAN Equipe Petrobras Petrobras / Abastecimento UN s: Repar, Regap, Replan, Refap,

Leia mais

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna Sistema de Arrefecimento dos Motores Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna SISTEMA DE ARREFECIMENTO O sistema de arrefecimento é um conjunto de dispositivos eletromecânicos Tem como função

Leia mais

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico.

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. Justificativa: A desmobilização de Carbono que demorou centenas

Leia mais

Centro de Seleção/UFGD Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração.

Centro de Seleção/UFGD Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração. Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração. (A) O movimento de energia de frio dentro de um espaço onde ele é necessário. (B) A remoção de calor

Leia mais

4 EJETORES E SISTEMAS DE VÁCUO

4 EJETORES E SISTEMAS DE VÁCUO 4 EJETORES E SISTEMAS DE VÁCUO Sistema sub vácuo é qualquer sistema com pressão absoluta abaixo da pressão atmosférica local. Na prática esses sistemas estão sujeitos à entrada de ar devido a imperfeições

Leia mais

CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM GERADOR DE VAPOR

CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM GERADOR DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM 1 INTRODUÇÃO: A principal forma

Leia mais

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL A ampla linha de tanques de armazenamento e aquecimento de asfalto da Terex

Leia mais

Exercícios Terceira Prova de FTR

Exercícios Terceira Prova de FTR Exercícios Terceira Prova de FTR 1) Existe uma diferença de 85 o C através de uma manta de vidro de 13cm de espessura. A condutividade térmica da fibra de vidro é 0,035W/m. o C. Calcule o calor transferido

Leia mais

TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS

TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS FINALIDADE: Umatorre de resfriamentooutorre de arrefecimentoé um dispositivo de remoção

Leia mais

Condicionamento de Ar

Condicionamento de Ar Condicionamento de Ar Instituto Federal de Brasília Sumário Introdução Tipos de Condicionadores de ar Vantagens e desvantagens Introdução Refrigeração por Compressão de Vapor Introdução Refrigeração por

Leia mais

ÍNDICE PREFÁCIO LISTA DE SÍMBOLOS

ÍNDICE PREFÁCIO LISTA DE SÍMBOLOS ÍNDICE PREFÁCIO LISTA DE SÍMBOLOS 1 ENGENHARIA DE PROCESSOS DE SEPARAÇÃO 1.1 Introdução 1.2 Processos de Separação 1.3 Mecanismos de Separação 1.3.1 Separação por Adição ou Criação de Fase 1.3.2 Separação

Leia mais

Analisar e aplicar os princípios da extração sólido-líquido e líquido-líquido na separação e purificação de produtos.

Analisar e aplicar os princípios da extração sólido-líquido e líquido-líquido na separação e purificação de produtos. 12.1 Objetivo Específico Analisar e aplicar os princípios da extração sólido-líquido e líquido-líquido na separação e purificação de produtos. 12.2 Introdução A extração é uma técnica para purificação

Leia mais

A Matéria e Diagrama de Fases. Profº André Montillo www.montillo.com.br

A Matéria e Diagrama de Fases. Profº André Montillo www.montillo.com.br A Matéria e Diagrama de Fases Profº André Montillo www.montillo.com.br Substância: É a combinação de átomos de elementos diferentes em uma proporção de um número inteiro. O átomo não é criado e não é destruído,

Leia mais

Matéria e Estados da Matéria

Matéria e Estados da Matéria Matéria e Estados da Matéria A matéria é o material físico do universo. Matéria é tudo que tem massa e ocupa certo lugar no espaço. Na antiguidade, o homem chegou a acreditar que toda matéria existente

Leia mais

EM-028 VENTILAÇÃO INDUSTRIAL & AR COMPRIMIDO

EM-028 VENTILAÇÃO INDUSTRIAL & AR COMPRIMIDO EM-028 VENTILAÇÃO INDUSTRIAL & AR COMPRIMIDO RESUMO AULA 6 - VENTILAÇÃO DE TANQUES 1 CLASSIFICAÇÃO DOS PROCESSOS A ventilação por exaustão encontra muita aplicação nos tanques de processamento, por exemplo:

Leia mais

Problemas de termologia e termodinâmica vestibular UA (1984)

Problemas de termologia e termodinâmica vestibular UA (1984) Problemas de termologia e termodinâmica vestibular UA (1984) 1 - Um corpo humano está a 69 0 numa escala X. Nessa mesma escala o ponto do gelo corresponde a 50 graus e o ponto a vapor 100 0. Este corpo:

Leia mais

C.(30 20) + 200.1.(30 20) + 125.0,2.(30 130) = + 2000 2500 =

C.(30 20) + 200.1.(30 20) + 125.0,2.(30 130) = + 2000 2500 = PROVA DE FÍSIA 2º ANO - AUMULATIVA - 1º TRIMESTRE TIPO A 1) Assinale verdadeiro (V) ou falso (F) para as seguintes afirmativas. (F) Os iglus, embora feitos de gelo, possibilitam aos esquimós neles residirem,

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação que funciona com cargas intermitentes. Você é convidado

Leia mais

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas QUÍMICA è Revisão: Química inorgânica Hidróxidos fortes família 1A e 2A (exceto Ca e Mg) Ácidos fortes nº de oxigênios nº de hidrogênios > 2, principalmente nítrico (HNO 3 ), clorídrico (HCl) e sulfúrico

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

A matéria possuem 7 estados físicos...

A matéria possuem 7 estados físicos... A matéria possuem 7 estados físicos... 1 Estado: SÓLIDO. 2 Estado: LIQUIDO. 3 Estado: GASOSO. 4 Estado: PLASMA. 5 Estado: O Condensado de Bose-Einstein. 6 Estado: Gás Fermiônico. 7 Estado: Superfluido

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 2 Áreas de oportunidade para melhorar a eficiência na distribuição de frio Isolamento das tubulações

Leia mais

APLICAÇÕES ÁGUA QUENTE E VAPOR

APLICAÇÕES ÁGUA QUENTE E VAPOR O QUE É O VAPOR Como qualquer outro elemento, a água pode existir em estado sólido (gelo), líquido (água) e estado gasoso (). Neste capítulo, serão estudados os estados líquido e gasoso e a passagem de

Leia mais

Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica

Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica Luiz Felipe da S. Nunes Fábio P. de Araújo Paulo Renato G. de Souza Resumo O presente trabalho consiste em análise computacional do sistema

Leia mais

TERMODINÂMICA CONCEITOS FUNDAMENTAIS. Sistema termodinâmico: Demarcamos um sistema termodinâmico em. Universidade Santa Cecília Santos / SP

TERMODINÂMICA CONCEITOS FUNDAMENTAIS. Sistema termodinâmico: Demarcamos um sistema termodinâmico em. Universidade Santa Cecília Santos / SP CONCEITOS FUNDAMENTAIS Sistema termodinâmico: Demarcamos um sistema termodinâmico em Universidade função do que Santa desejamos Cecília Santos estudar / SP termodinamicamente. Tudo que se situa fora do

Leia mais

Bacharelado em Farmácia. Disciplina:Operações Unitárias em Indústria 8 Período Prof.a: Msd. Érica Muniz Filtração

Bacharelado em Farmácia. Disciplina:Operações Unitárias em Indústria 8 Período Prof.a: Msd. Érica Muniz Filtração Bacharelado em Farmácia Disciplina:Operações Unitárias em Indústria 8 Período Prof.a: Msd. Érica Muniz Filtração FILTRAÇÃO Nas indústrias de alimentos e bebidas, a filtração aparece na produção de suco

Leia mais

Propriedades de uma Substância Pura

Propriedades de uma Substância Pura Propriedades de uma Substância Pura A substância pura Composição química invariável e homogênea. Pode existir em mais de uma fase, porém sua composição química é a mesma em todas as fases. Equilíbrio Vapor-líquido-sólido

Leia mais

Método de solução. 3.1. Introdução

Método de solução. 3.1. Introdução 72 3. Método de solução 3.1. Introdução O conjunto das equações descritas no capítulo 2 formam, em sua maioria, sistemas de equações algébricas lineares, com exceção de alguns casos isolados, como equações

Leia mais

5. Resultados e Análises

5. Resultados e Análises 66 5. Resultados e Análises Neste capítulo é importante ressaltar que as medições foram feitas com uma velocidade constante de 1800 RPM, para uma freqüência de 60 Hz e uma voltagem de 220 V, entre as linhas

Leia mais

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor 3. Calorimetria 3.1. Conceito de calor As partículas que constituem um corpo estão em constante movimento. A energia associada ao estado de movimento das partículas faz parte da denominada energia intera

Leia mais

2 Descrição dos Sistemas Estudados

2 Descrição dos Sistemas Estudados 33 2 Descrição dos Sistemas Estudados A seguir são descritos em detalhes os dois ciclos objetos de comparação. O ciclo tradicional é baseado em uma planta existente. O ciclo inovador é o resultado do estudo

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO 1. CONCEITOS ENVOLVIDOS Convecção de calor em escoamento externo; Transferência de calor em escoamento cruzado; Camada limite térmica; Escoamento

Leia mais

8 PRESSÃO DE VAPOR, SATURAÇÃO, CONDENSAÇÃO E VÁCUO

8 PRESSÃO DE VAPOR, SATURAÇÃO, CONDENSAÇÃO E VÁCUO 8 PRESSÃO DE VAPOR, SATURAÇÃO, CONDENSAÇÃO E VÁCUO Um gás que existe abaixo de sua temperatura crítica é normalmente chamado de VAPOR, porque pode condensar. SE O VAPOR E O LÍQUIDO DE UM COMPONENTE PURO

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo IV Aula 01 1. Introdução Vamos estudar as torres de refrigeração que são muito utilizadas nas instalações de ar condicionado nos edifícios, na

Leia mais

a) Qual a pressão do gás no estado B? b) Qual o volume do gás no estado C

a) Qual a pressão do gás no estado B? b) Qual o volume do gás no estado C Colégio Santa Catarina Unidade XIII: Termodinâmica 89 Exercícios de Fixação: a) PV = nr T b)pvn = RT O gráfico mostra uma isoterma de uma massa c) PV = nrt d) PV = nrt de gás que é levada do e) PV = nrt

Leia mais

'HVFULomRGDSODQWD. 'HVFULomRGRSURFHVVRGHVHFDJHP

'HVFULomRGDSODQWD. 'HVFULomRGRSURFHVVRGHVHFDJHP 'HVFULomRGDSODQWD Neste capítulo, será descrita a planta de produção de vapor para secagem do fermento. Os dados desta descrição correspondem às instalações em funcionamento durante o ano de 2002 de uma

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais