Comunicar com o Bebé antes de Ele Nascer através da Haptonomia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunicar com o Bebé antes de Ele Nascer através da Haptonomia"

Transcrição

1 Comunicar com o Bebé antes de Ele Nascer através da Haptonomia Autores: PASTRANA, Mª Margarida Enfermeira no Bloco de Partos do CHBA Fevereiro, 2013 Resumo Abstract Quando uma vida se desenvolve no ventre de uma mulher, inicia-se a comunicação. O bebé não vive isolado num ventre hermético. Protegido no seu seguro mundo, sente as mensagens que a mãe lhe transmite. Durante a gravidez, o bebé está ligado a tudo o que a mãe pensa, sente e fala. Eles estão em comunicação directa e permanente. A comunicação intra-uterina ocorre através da troca de estímulos entre o meio exterior e o meio intra-uterino, e uma das formas de ser feita é através do toque Haptonomia. A Haptonomia é uma ciência baseada na comunicação através do toque e do contacto afectivo, muito utilizada na estimulação intra-uterina, trazendo inúmeros benefícios para a tríade. Neste sentido torna-se importante abordar a Haptonomia como forma de comunicar com o bebé in utero. Com este artigo procura-se reforçar a actuação do enfermeiro ESMO (Especialista em Saúde Materna e Obstetrícia) no acompanhamento do casal/grávida, e a importância de consciencializar os pais das competências do bebé in utero, de forma a que interiorizem as vantagens de uma relação precoce no desenvolvimento físico e psicológico do bebé. Para isto, o enfermeiro ESMO deve oferecer ao casal as ferramentas necessárias para estabelecerem uma comunicação intra-uterina eficaz, e ajudá-los a desenvolverem essa comunicação através da Haptonomia. Palavras-chave: Enfermeiro ESMO; Haptonomia; Feto; Comunicação intra-uterina. When a life is created inside a woman, communication starts. The baby doesn t live in an airtight environment. He is protected in his own world, but receives messages which are sent to him by his mother. During pregnancy, the baby is linked to the mother s thoughts, feelings and speech. They are in permanent and direct communication. Intrauterine communication happens through external and intra-uterine methods, and one of these methods is through touch Haptonomia. Haptonomia is a science based on communication through touch and effective contact, which is used in intra-uterine stimulation, which brings a lot of benefits to the triad. In this case, it becomes vitally important to use Haptonomia as a way to communicate with a baby in utero. The aim of this article is to strengthen the importance of the midwife s role in caring for a pregnant couple, the importance of making them aware of a baby s ability in utero, and the advantages of establishing an early relationship with the baby and their physical and psychological development. Therefore the Midwife should provide the couple with the knowledge necessary to establish an effective intra-uterine communication, and help them to develop this communication through Haptonomia. Key-words: Midwife, Haptonomia, Baby, Intrauterine Communication.

2 A História de vida do Bebé começa antes do Nascimento... O ambiente intra-uterino é o primeiro universo que o ser humano conhece e onde se originam as primeiras percepções que irão determinar o modo como ele se relacionará com o mundo. Ao longo dos tempos muitas são as questões que se têm levantado relativamente ao que se passa durante os 9 meses que o bebé permanece no ventre materno. Afinal o que acontece no seu interior? Como é que ele ocupa o seu tempo? Será que ouve sons? Que sente as carícias? NUNES (2009) citando POCINHAS (1999) reporta-se ao período dos anos como rico em descobertas acerca do desenvolvimento emocional do feto, até aí julgado inexistente. O feto começa a ser olhado como um ser dotado de memória, sensibilidade e inteligência. A palavra feto é o termo que abrange o período desde a 8ª semana de gestação até ao nascimento, contudo mesmo antes do nascimento as mães dão existência aos seus filhos. Para DELASSUS (2002) O feto vive, o feto existe, o feto é uma pessoa, desde logo pelo facto de a mãe o poder sentir a viver no seu interior. O feto é objecto de uma intensa comunicação que não necessita de palavras. O feto não vive isolado numa silenciosa bola de cristal, nem é um ser isolado socialmente. É sim um ser receptivo, que vê, ouve, toca, saboreia e brinca. Dentro do quente ventre materno, adquire incríveis habilidades. Ele flutua numa banheira de líquido amniótico onde interage com a mãe, visto que os órgãos sensoriais se desenvolvem precocemente durante a gravidez, por intervenção da estimulação. O feto evidencia um conjunto de competências, designadas de competências fetais. Sabe-se desde o início do século, que é ainda dentro do útero materno que o bebé começa a desenvolver as capacidades sensoriais como a audição, a visão, o gosto e o tacto. Vários estudos, como os de WILHEIM (1997) mostram que o bebé antes de nascer aprende a reconhecer a voz da mãe, reage à luz projectada directamente sobre o ventre materno (o que sugere a existência de aptidões visuais), aos toques efectuados sobre o abdómen da mãe, os quais desencadeiam movimentos fetais (o que remete para uma sensibilidade táctil) e ingere o dobro das quantidades habituais de líquido amniótico no qual é injectada sacarina (o que evidencia aptidões gustativas). Para além destas competências sensoriais, ele também tem competências interactivas, como reagir à vida emocional da mãe. SÁ (2001) afirma que (...) a ansiedade maternal na gravidez, pode suscitar ansiedade neonatal. No seu entender, o feto tem uma realidade mental que se afirma autonomamente a partir do 5.º mês de gestação. Sendo assim, o feto tem vida emocional. SÁ (2001) adianta ainda que a partir do 4º mês de gravidez, o feto emociona-se, angustia-se, constrange-se com as expressões mais rígidas da personalidade da mãe, alegra-se e aviva os seus ritmos, deprime-se, a ponto de inibir o seu crescimento. 1

3 RICO (sd) citado por NUNES (2009) refere que Tudo o que acontece in utero é esquecido ao nascer, porém fica registado no inconsciente. Ao vivenciar situações semelhantes, a criança actuará segundo os mesmos padrões de comportamento adquiridos na vida gestacional. Sendo assim, torna-se fulcral que o bebé in utero tenha uma vida saudável. A história de vida do bebé começa, portanto, antes do seu nascimento e pode ser estruturada de forma mais saudável e harmoniosa, se desde a concepção o bebé for entendido como um ser em formação, com sentimentos e emoções, e que sabe expressar as suas necessidades se houver alguém que possa e consiga captar-lhes o sentido para satisfazê-las. Daqui surge o conceito de comunicação intra-uterina. Comunicar com o Bebé In Utero A definição de comunicação é complexa. Charles Cooley, foi um dos primeiros autores que se dedicou ao estudo desta temática, tendo concluído que a comunicação é o mecanismo através do qual existem e se desenvolvem as relações humanas. A palavra comunicação deriva do latim, do termo communicare, que significa partilhar, estabelecer laços, entrar em relação, sendo fundamental para o homem enquanto ser social. Intimamente ligado ao conceito de comunicação encontramos o conceito de interacção, importante para a relação entre os pais e o bebé, na medida em que quando existe interacção, existe também intencionalidade na comunicação feita com, e para o bebé. Quando se fala em comunicação intra-uterina, percebe-se que consiste num fenómeno complexo, em que existe uma partilha entre o feto e as pessoas que interagem com ele. A partir do momento em que iniciam o projecto de ter um filho, e ao longo da gravidez, os pais vão estabelecendo laços de afecto com o bebé enquanto ele coabita no ventre materno, dando-se então início à comunicação intra-uterina. A comunicação intra-uterina relaciona-se com o desenvolvimento sensório-motor do feto e com a evolução na capacidade de comunicação que vai sendo manifestada por ele a partir das 22 semanas de gestação (SILVA e LOPES, 2008). O meio intra-uterino não é inócuo a sons e ao toque, ou seja, o feto está a ser submetido constantemente a estímulos auditivos e tácteis provenientes do corpo da mãe e do ambiente em redor, desta forma, a comunicação intra-uterina é de extrema importância para que os pais se disponibilizem mentalmente para a concretização das técnicas que levam ao aprofundamento da sua relação afectiva com o bebé. Montagner (1993) citado por NUNES (2009) afirma que a mãe e o bebé começam a conhecer os respectivos ritmos e reacções ainda antes do nascimento. Ao comunicarem um com o outro, para além do fortalecimento do vínculo afectivo, o bebé irá desenvolver-se de forma mais saudável. O toque pode ser um dos meios mais 2

4 importantes da comunicação e um verdadeiro instrumento de amor. Segundo PACHECO et al (2007) o toque é uma das primeiras terapias descobertas pelo ser humano, e a estimulação pelo toque é necessária para o bem-estar físico e emocional. Ainda segundo os mesmos autores toda a vivência humana está associada ao toque como forma de comunicação. Uma das formas de comunicar com o bebé durante a gravidez é através da Haptonomia, que se dá por meio do toque. Não é um simples toque, mas um toque dirigido intencionalmente ao bebé, no ventre da mãe. Um dos objectivos da Haptonomia é de convidar os pais a comunicar com o seu bebé in utero, já que ele é considerado como uma pessoa que, ouve, responde aos estímulos, e é sensível ao toque e às emoções. Haptonomia: A Ciência da Afectividade A Haptonomia nasceu em meados do século XX. Esta palavra foi utilizada pela primeira vez há mais de 50 anos por Frans Veldman, para definir o que ele chama de Ciência da Afectividade ou Ciência das Interacções e das Relações Afectivas Humanas. Frans Veldman constatou a importância das emoções nas relações humanas durante os eventos dramáticos da 2ª Guerra Mundial. Quando a paz voltou, ele debruçou-se sobre o fenómeno da vida e a importância das interacções humanas emocionais. Praticada legalmente em países como a Holanda, a Haptonomia confirma que a presença afectiva e o toque ajudam no desenvolvimento de um estado de segurança, e que o ser humano tem o direito primordial de confirmação da afectividade desde o momento da sua concepção. Marie Panier, de origem Canadiana e osteopata diz que a base da Haptonomia é transmitir a presença através do toque, um toque afectivo que vai ao encontro do outro naquilo que ele tem de melhor. O toque da Haptonomia é um toque comunicativo. A aprendizagem e uso deste toque durante a gravidez, pode ser muito benéfica para os novos pais que nunca tiveram a experiência de tocar em recém nascidos antes do nascimento do seu próprio filho. Assim, ainda in utero, estes pais preparam-se para o nascimento do seu filho, criando um vínculo afectivo e simultaneamente transmitindo ternura e segurança ao bebé. A Haptonomia é usada no acompanhamento pré-natal, favorecendo o desenvolvimento dos laços afectivos da tríade (mãe, pai, bebé) e ajuda-os a estabelecer uma comunicação amorosa desde o período uterino. Este laço ajuda a melhorar a qualidade do acolhimento do casal ao seu recém-nascido, no parto e no período pósnatal. O contacto afectivo constitui uma comunicação que permite aos pais confirmar ao bebé a sua existência enquanto pessoa. Tocar no bebé através da barriga da mãe ajuda a confortá-lo. Ele ganha uma segurança de base que irá alimentar a sua comunicação, autonomia e confiança, proporcionando um maior equilíbrio emocional ao nascer. Por sua vez, a mãe, a partir destes contactos, melhora a relação com o bebé, podendo mesmo ajudá-la em 3

5 processos psicológicos (por exemplo, pedindo ao bebé para se posicionar de forma diferente no útero). Quanto ao pai, algumas vezes excluído da relação psicológica mãe-feto, ele encontra um meio excepcional de entrar em contacto com o filho antes do nascimento. Segundo MARIE PANIER (2008), a Haptonomia permite reduzir a diferença entre a vivência do pai em relação àquela que a mãe possui com o bebé. Aliás, as sessões de Haptonomia deverão ser sempre feitas na presença do pai, de forma a fortalecer esse vínculo. A relação afectiva estabelecida durante este acompanhamento promove o desenvolvimento do conceito de parentalidade e da responsabilidade que os pais têm em relação à individualidade do seu filho enquanto ser humano. Como Praticar Haptonomia Segundo LIMA (2012) é possível iniciar as sessões a partir do 4º mês da gravidez até, o mais tardar, ao 6º mês. Quanto mais precoce, melhor. A partir dos 4 meses de gravidez, o bebé é suficientemente desenvolvido para perceber um toque afectivo e reagir. O acompanhamento Haptonómico, geralmente, tem início quando surgem os primeiros movimentos do bebé perceptíveis pela mãe. Este tipo de comunicação com o bebé realiza-se através da aplicação das mãos na barriga da mãe. A abordagem implica uma grande proximidade e intimidade. O pai ocupa um papel activo neste processo, e através do toque e do contacto irá vincular-se ao mesmo tempo ao bebé e à mãe. A mãe deverá estar deitada numa posição confortável, e é convidada a estar presente para o seu bebé. O pai posiciona-se também de forma confortável, e coloca as suas mãos à volta da barriga da grávida, expressando ternura, presença e contacto afectivo. Quando o contacto está estabelecido entre os três, os pais são convidados progressivamente a partilhar com o bebé toques: intencionais, doces, lentos e globais. O tom é de partilha: os pais brincam com o seu bebé e este responde (LIMA, 2012). Progressivamente ao longo das sessões, os pais sentem que o bebé responde ao contacto afectivo, apercebendose que têm competências para criar laços com o bebé e que ele por sua vez sabe comunicar. A cada encontro com o profissional de saúde, os pais descobrem como interagir com o bebé através do toque afectivo com uma intenção amorosa. O profissional que os acompanha irá estimulá-los a, através do pensamento e do toque, convidar amorosamente o bebé a realizar determinados movimentos e a observarem as suas respostas. Conforme se vai aprofundando a sintonia entre os pais e o bebé, assim o vínculo afectivo se torna mais forte, tal como a percepção da existência do bebé, e da sua sensibilidade. Mais do que pensar no diálogo com o bebé neste momento, o que importa é sentir que a comunicação efectivamente se estabelece. 4

6 O papel do enfermeiro ESMO Em Portugal a Haptonomia não é muito utilizada devido à escassez de profissionais de saúde com formação nesta área, contudo já se começa a ouvir falar desta técnica principalmente na área de Enfermagem de Saúde Materna e Obstetrícia pelos seus benefícios a nível da integração da tríade mãe, pai, bebé. Esta mudança está a acontecer porque alguns teóricos, como DELASSUS (2002), defendem que as vivências in utero são marcantes no desenvolvimento do bebé, e que ficam registadas no inconsciente e isso condicionará o padrão comportamental da criança. Desta forma, a actuação do enfermeiro ESMO terá como objectivo primordial a promoção da saúde na gravidez, tornando-a um momento único, onde se iniciará o processo de vinculação da tríade. Em nome da saúde dos bebés, é fundamental, que o enfermeiro ESMO olhe para a gravidez muito para além das consultas de rotina que a prudência clínica recomenda, ou seja, o acompanhamento ao longo da gravidez não deve ser baseado exclusivamente na avaliação clínica da grávida e feto. Segundo o regulamento da Ordem dos Enfermeiros, uma das Competências Específicas do Enfermeiro Especialista em Enfermagem de Saúde Materna e Obstetrícia consiste em Cuidar da mulher inserida na família e comunidade durante o período pré-natal. Com isto o enfermeiro ESMO deve promover a saúde da mulher durante o período pré-natal, facultando informação à grávida sobre recursos disponíveis na comunidade, e implementando programas de preparação para o nascimento e parentalidade responsável. Os cuidados do Enfermeiro ESMO são o contributo fundamental para a saúde materna e neonatal, assim como para uma boa comunicação pré-natal da tríade pois, tal como referem LOWDERMILK e PERRY (2008) um dos objectivos das consultas pré-natais é Promover a educação para a saúde integrando o aconselhamento e o apoio psicossocial ao longo da vigilância periódica da gravidez. Relativamente ao apoio psicossocial, os autores supracitados dizem que o profissional de saúde para perspectivar a sua intervenção deverá: incluir os factores sociais e culturais na intervenção, envolver todos os membros da família na vigilância pré-natal, promover a ligação pré-natal da família com o feto, e, facilitar/encaminhar o atendimento de cada mulher. Atendendo a que o feto nasce num plano mental muito antes de nascer no plano obstétrico SÁ (2001), o enfermeiro ESMO deve orientar os pais para que o bebé seja "trabalhado" na cabeça e na relação dos pais, explicando que do sucesso desta intervenção dependerá o equilíbrio emocional do bebé. Quando, em determinados casos, este acompanhamento não se realiza ou não tem êxito, o bebé nasce doente. Segundo SÁ (2001), são estes bebés que surgem na literatura com atrasos de desenvolvimento, com intolerância inata à frustração, com maior ou menor resiliência. 5

7 Como refere DELASSUS (2002), Os sistemas sensoriais podem funcionar muito antes de terem atingido a sua maturidade estrutural, algo que só acontece depois do nascimento. Neste sentido, o enfermeiro ESMO deve implementar ao longo da gravidez, consultas em que sejam focadas as competências do feto, de modo a que os pais compreendam a importância de comunicarem com ele. Esta sensibilização poderá ser feita durante as consultas de vigilância pré-natal, ou nos cursos de preparação para o nascimento, já que são momentos únicos de transmissão de informação. Assim sendo, tal como referem SILVA e LOPES (2008) os cursos de preparação para o nascimento, assim como a consulta de enfermagem prénatal revestem-se de uma singularidade própria, em consonância com a fase do ciclo de vida da mulher/casal/família, e com os profissionais que nela desenvolvem as suas actividades, englobando aqui a educação para a saúde. A Haptonomia fornece um "modo de vida" que deverá penetrar na prática de cada profissional, considerando a pessoa como um todo e, neste contexto, integra a parte emocional como forma de promover a continuidade de uma gravidez saudável, e o nascimento de um bebé saudável não só a nível físico, como também a nível psicológico. A Haptonomia vista como uma forma de comunicação intra-uterina deve ser realizada num momento de tranquilidade propício à convivência da família, para que mãe, pai e bebé desfrutem da troca de sentimentos positivos e para que estes laços se perpetuem após o nascimento. Por sua vez, o bebé vai reconhecer estes momentos de serenidade e reproduzir o seu comportamento de acalmia nos primeiros meses de vida. Muitos pais podem sentir-se excluídos da relação existente entre mãe-bebé. Neste ponto, cabe ao profissional de saúde, explicar ao pai, que fisiologicamente poderá haver uma separação, dada a impossibilidade do homem engravidar, contudo emocionalmente o pai poderá estar tão ligado ao bebé como a figura materna. A comunicação in utero, baseada na Haptonomia, consegue essa ligação. É de extrema importância que adquiram esta compreensão muito cedo, para que a relação familiar possa se desenvolver com maior harmonia e união. A Haptonomia necessita de um equilíbrio delicado entre a intuição e a técnica. A aprendizagem da Haptonomia exige conhecimentos teóricos e práticos, e dá particular ênfase ao desenvolvimento pessoal, à forma de estar na relação e ao toque afectivo. De acordo com LIMA (2012) O acompanhamento pela Haptonomia não é possível em grupo. A gravidez e o nascimento são considerados como acontecimentos de grande importância na vida de uma criança e dos seus pais. O espaço para a expressão dos afectos exige um grande respeito da privacidade e da intimidade. O acompanhamento da vida afectiva implica uma presença consciente, uma atitude de solicitude e de profunda disponibilidade. Contudo, o enfermeiro ESMO poderá realizar uma sessão de educação para a saúde em grupo, sensibilizando o casal, e dando todas as orientações necessárias. Em todas as abordagens que o enfermeiro ESMO faz, é necessário ter em conta a bagagem psicológica e cultural 6

8 de cada casal. Se for necessário deverão ser desmistificados medos, dúvidas e tabus que surgem durante a gravidez, visto que se constituem como momentos privilegiados de actuação do enfermeiro ESMO junto dos mesmos. Segundo PACHECO et al (2007) o toque faz parte de todas as culturas, embora cada uma o entenda de forma diferente havendo costumes e tabus à sua volta. Como a Haptonomia baseia-se no toque, é fundamental que o profissional de saúde tenha sempre em conta o contexto sócio-cultural, já que cada pessoa pode entender o toque de formas diferentes. Como tal, é importante que o profissional de saúde desenvolva a capacidade de escuta activa, e descubra as convicções sobre a saúde daquele casal de forma a criar uma relação terapêutica, ajudando o casal a desenvolver as suas próprias capacidades de comunicação. Conclusão Atingindo este ponto, nada impede de se proclamar que durante o período pré-natal, a intervenção do enfermeiro ESMO deverá ser dirigida não só à vigilância da mulher grávida, mas também ao bebé in utero olhando para ele como um ser dotado de sentimentos e de consciência, e ao pai, como figura capaz de integrar o lugar a que tem direito durante a gravidez. A comunicação entre a mãe e o bebé perdura durante todo o período gravídico. O pai não é excluído desta relação, podendo interagir de várias formas, nomeadamente através da Haptonomia. Desta forma, este trabalho procura chamar a atenção da importância da Haptonomia como forma de comunicação intra-uterina, e do papel do enfermeiro ESMO. Esta ciência do toque e do reconforto emocional, constitui-se como uma forma de comunicar com o bebé, e traz benefícios para a tríade, já que ajuda os pais a prepararem-se emocionalmente para a sua chegada, e oferece também uma preparação para o parto que visa desenvolver a confiança da mãe, aumentando a sua segurança e o seu potencial para colocar o bebé no mundo. Esta preparação também permite que o pai se envolva activamente durante a gravidez e parto, sentindo-se mais incluído em todo o processo. Através do toque, os laços entre o bebé e os pais vão-se intensificar, e o vínculo estabelecido durante a gravidez vai permitir que após o nascimento esse elo seja mais forte. A Haptonomia ao ser realizada em momentos de tranquilidade estimula o bebé a desenvolver comportamentos de serenidade no meio intra-uterino que se poderão prolongar após o nascimento. Neste sentido, é importante que os pais entendam, que dentro do ventre materno existe um ser em formação e que necessita desta comunicação para se sentir amado, desejado, compreendido e respeitado. O enfermeiro ESMO deverá estimular os pais, para que através do pensamento, da fala e do toque convidem amorosamente o 7

9 bebé a realizar determinados movimentos e a observarem a sua resposta. A intervenção do enfermeiro ESMO centra-se no informar e orientar no período pré-natal, respeitando as objecções do casal, tal como as razões profissionais, religiosas ou culturais pelas quais se regem. O papel deste profissional de saúde prende-se principalmente com a promoção da saúde. A Haptonomia vista como forma de potenciar a relação da tríade e o desenvolvimento do bebé in utero, deve ser incluída com mais frequência nos conteúdos dos cursos de preparação para o nascimento. A Haptonomia pode fazer com que o bebé chegue mais feliz a este mundo. Falar com o bebé, tocar-lhe e transmitir-lhe amor... Ele vai agradecer para toda a vida. Referências Bibliográficas BOBAK, I. M.; LOWDERMILK, D. L.; JENSEN, M. D. (1999) - Enfermagem na Maternidade, 4ª Ed., Editora Lusociência, Loures BURROUGHS, Arlene (1995) Uma introdução à Enfermagem Materna, 6ª Ed., Artes Médicas, Porto Alegre CANAVARRO, Mª. C. (2001) Psicologia da gravidez e da maternidade. 2ª Ed., Coimbra: Editora Quarteto COOLEY, Charles H., In Infopédia. Porto: Porto Editora, [Consult ]. Disponível em DELASSUS, Jean-Marie (2002) O Génio do Feto. Instituto Piaget ISBN: LIMA, Georgette Devillet (2012) Comunicação: O papel da Enfermagem Clínica em Obstetrícia. Equipa Multi-Profissional Abordagem Perinatal. Escola Superior de Saúde de Santarém LOWDERMILK, D. L. PERRY, S. E. (2008) Enfermagem na Maternidade, 7ª Ed., Lusodidacta, Lisboa NUNES, Patrícia Alexandra Oliveira (2009) Experiência Auditiva no meio intra-uterino. Psicologia.com O portal dos Psicólogos PACHECO, Sílvia C.; VIEGAS Sónia M.; ROSA Zélia M.(2007) Toque Terapêutico fundamentação e aplicabilidade em enfermagem. Nursing nº 224 SÁ, Eduardo (2001) Psicologia do Feto e da Gravidez. 3ª Ed., Fim de Século Edições, Lisboa SILVA, M.; LOPES, N. (2008) Comunicação Intra-Uterina. Amadora: Instituto de Formação em Enfermagem VELDMAN, Frans (1998) Haptonomie. Puf, Hors Collection Puf, França WILHEIM, J. (1997) O que é psicologia fetal. 2ª Ed., Casa do Psicólogo, São Paulo ZIEGEL, E.E.; CRANLEY, M.S. (1985) Enfermagem Obstétrica 8ª Ed., Editora Guanabara, Rio de Janeiro 8

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

Capitulo VI. 6.1 Intervenção Precoce. 6.1.1 - Da teoria à prática

Capitulo VI. 6.1 Intervenção Precoce. 6.1.1 - Da teoria à prática Capitulo VI 6.1 Intervenção Precoce 6.1.1 - Da teoria à prática Análogo ao que vem deliberado no despacho conjunto n.º 891/99, a intervenção precoce é uma medida de apoio integrado, centrado na criança

Leia mais

ajuda! mamã, Curso de Preparação para o Parto e Parentalidade

ajuda! mamã, Curso de Preparação para o Parto e Parentalidade mamã, ajuda! C E N T R O H O S P I T A L A R L E I R I A P O M B A L Curso de Preparação para o Parto e Parentalidade Serviço de Ginecologia/Obstetrícia do Hospital de Santo André CHLP, E.P.E. Consulta

Leia mais

A Criança e a Música

A Criança e a Música António José Monteiro da Costa A Criança e a Música Mestrado em Ensino de Educação Musical no Ensino Básico Pedagogia e Didáctica da Expressão Corporal e Artística Vila Nova de Gaia, Junho de 2011 Ano

Leia mais

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013 Expressão Musical II Docente: António Neves Discente: Ana Matos nº 53184 A música e o som, enquanto energia, estimulam

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NA GRAVIDEZ, PARTO E PUERPÉRIO

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NA GRAVIDEZ, PARTO E PUERPÉRIO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO ANO LECTIVO 2009/2010 PROGRAMAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR EDUCAÇÃO PARA

Leia mais

Ano Lectivo 2009/2010

Ano Lectivo 2009/2010 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANT AR ÉM Escola Superior de Desporto de Rio Maior PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO Adaptações psicológicas da gravidez e pós-parto Ano Lectivo 2009/2010

Leia mais

Modelos de Intervenção em PEA

Modelos de Intervenção em PEA Braga 2008 1 de Março o de 2008 Modelos de Intervenção em PEA João Teixeira Centro de Estudos e Apoio à Criança a e Família APPDA-Norte Modelos de Intervençao em PEA 1943 Kanner e Asperger identificam

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Cuidados de enfermagem em Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais como promotores da vinculação Pais/Filhos.

Cuidados de enfermagem em Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais como promotores da vinculação Pais/Filhos. Cuidados de enfermagem em Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais como promotores da vinculação Pais/Filhos. Carmo Sotelo, Rosa Borlido, Rosa Imperadeiro Enfermeiras Especialistas em Saúde Infantil e

Leia mais

Vivência Holística da Gravidez e Parto

Vivência Holística da Gravidez e Parto Vivência Holística da Gravidez e Parto Preparação para o Nascimento Acreditamos que existem outras formas de olhar para a chegada de um novo Ser, de vivenciar a gravidez e de experienciar o parto de forma

Leia mais

GERAÇÕES FORMAÇÃO. Gerações Formação Av. Fontes Pereira de Melo, nº 3 9º Esq. Tel. 21 358 39 10 Fax. 21 358 39 29 Email: formacao@geracoes.

GERAÇÕES FORMAÇÃO. Gerações Formação Av. Fontes Pereira de Melo, nº 3 9º Esq. Tel. 21 358 39 10 Fax. 21 358 39 29 Email: formacao@geracoes. GERAÇÕES FORMAÇÃO Gerações Formação Av. Fontes Pereira de Melo, nº 3 9º Esq. Tel. 21 358 39 10 Fax. 21 358 39 29 Email: formacao@geracoes.net 1050-115 Lisboa A Gerações Formação dispõe de uma oferta variada

Leia mais

Sexualidade na infância Acção de Educação Parental

Sexualidade na infância Acção de Educação Parental Escola Básica 1º ciclo Prista Monteiro O que é a sexualidade? Sexualidade na infância Acção de Educação Parental A sexualidade tem uma vertente emocional, sendo um elemento essencial na formação da identidade

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO Centro de Apoio Psicopedagógico gico do Funchal Intervenção precoce Medida de apoio integrado, centrado na

Leia mais

TERAPIA FAMILIAR SISTÉMICA: UMA BREVE INTRODUÇÃO AO TEMA

TERAPIA FAMILIAR SISTÉMICA: UMA BREVE INTRODUÇÃO AO TEMA TERAPIA FAMILIAR SISTÉMICA: UMA BREVE INTRODUÇÃO AO TEMA 2011 Trabalho de Curso no âmbito da cadeira Modelos Sistémicos, do Mestrado Integrado em Psicologia na Universidade de Coimbra Pedro Nuno Martins

Leia mais

Questionário Sociodemográfico e Clínico

Questionário Sociodemográfico e Clínico Questionário Sociodemográfico e Clínico dados pessoais do sujeito: data: local: contacto telef.: nome: idade: naturalidade: estado civil: S C UF D V outros: escolaridade (nº anos c/ sucesso): habilitações

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno 1 Ter uma política de aleitamento materno escrita, que seja rotineiramente transmitida a toda a equipe de cuidados da saúde. 2 Capacitar toda equipe de

Leia mais

A Companhia dos amigos na floresta das emoções

A Companhia dos amigos na floresta das emoções A Companhia dos amigos na floresta das emoções Promoção de competências sócio-emocionais de crianças pré-escolares Caderno Divulgação 2015 Associação A Companhia dos amigos na floresta das emoções Propomos

Leia mais

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06 Para: Contacto na DGS: Todos os médicos e enfermeiros que exerçam

Leia mais

CURSO DE MASSAGEM PRÉ E PÓS-PARTO

CURSO DE MASSAGEM PRÉ E PÓS-PARTO INTRODUÇÃO A massagem é um recurso terapêutico extremamente eficaz no alívio dos desconfortos associados à gravidez, além de ajudar também a fortalecer o vínculo entre a mãe e o bebé, ajudando-a a viver

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE

ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE ADOLESCÊNCIA E SEXUALIDADE Adolescência É o período de transição entre a infância e a idade adulta. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS),o período da adolescência situa-se entre os 10 e os 20 anos.

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

Plano de Formação. Módulo de Introdução Perspectivas lúdicas e Terapêuticas do Snoezelen

Plano de Formação. Módulo de Introdução Perspectivas lúdicas e Terapêuticas do Snoezelen Plano de Formação Nome da Formação: Módulo de Introdução Perspectivas lúdicas e Terapêuticas do Snoezelen Fundamentação da pertinência do curso: Snoezelen (do Holandês) significa SNUFFELEN = cheirar; DOEZELEN

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano CUIDADOS PALIATIVOS A diversidade das necessidades da pessoa humana em sofrimento intenso e em fim de vida encerram, em si mesmo, uma complexidade de abordagens de cuidados de Saúde a que só uma equipa

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM APROVADO POR MAIORIA EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA Brasília - 2004 Série: EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. A Fundamentação Filosófica 2. O Município 3 A Escola 4 A Família FICHA TÉCNICA

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA A importância do bem-estar psicológico dos funcionários é uma descoberta recente do meio corporativo. Com este benefício dentro da empresa, o colaborador pode

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA Proclamada pela Resolução da Assembleia Geral 1386 (XIV), de 20 de Novembro de 1959 PREÂMBULO CONSIDERANDO que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, a sua

Leia mais

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*)

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) 1 Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) Este trabalho prende-se com o estudo que fizemos na formação na área das Competências Interpessoais, sendo que o grande objectivo é o de sermos capazes, nas nossas

Leia mais

O seu bem-estar emocional

O seu bem-estar emocional Your Emotional Wellbeing in pregnancy and beyond- Portuguese O seu bem-estar emocional na gravidez e períodos seguintes Breve guia 1 O seu bem-estar emocional na gravidez e períodos seguintes 2 Gravidez

Leia mais

Apoio à Preparação de Voluntários de Leitura Um projeto de cidadania Missão Potenciar o desenvolvimento de uma rede nacional de volutariado na área da promoção da leitura. Objectivos centrais Apoiar iniciativas;

Leia mais

Preparação Aquática Pré e Pós Parto e Aclimatização dos Bebés à Água

Preparação Aquática Pré e Pós Parto e Aclimatização dos Bebés à Água Programa do Curso Preparação Aquática Pré e Pós Parto e Aclimatização dos Bebés à Água 14 a 20 de Junho de 2009 no Porto A. Descoberta do meio aquático Sessões Teóricas A água: - Propriedades físico-químicas

Leia mais

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Mário Jorge Silva (psicólogo clínico) e Marli Godinho (psicóloga clínica)

Leia mais

Psicologia da Educação

Psicologia da Educação Psicologia da Educação A dimensão pessoal do ensinar PROFESSOR COMO PESSOA ATITUDES FACE AO ENSINO E APRENDIZAGEM ATITUDES FACE AOS ALUNOS ATITUDES FACE A SI PRÓPRIO Copyright, 2006 José Farinha, Prof.

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

O meu filho e o psicólogo

O meu filho e o psicólogo O meu filho e o psicólogo Oficina de Psicologia www.oficinadepsicologia.com As 10 questões de muitos pais antes de marcarem consulta do seu filho 1)O meu filho não é maluco! Algumas crianças bem como alguns

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos

PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos Ano letivo 2015/2016 «Onde nos leva uma obra de arte» Fundamentação teórica (justificação do projeto): As crianças nesta faixa etária (1-2 anos) aprendem com todo o seu

Leia mais

Aprender a Educar Programa para Pais

Aprender a Educar Programa para Pais Aprender a Educar Programa para Pais 9ª Edição 2013 Ser Pai e Mãe é um desafio constante! O Programa APRENDER A EDUCAR é uma iniciativa da Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica Portuguesa

Leia mais

Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação

Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais Associação promoção do desenvolvimento, tratamento e prevenção da saúde mental Associação Edição online gratuita i dos pais. Folheto Informativo. Vol. 4,

Leia mais

BestKIDS&Teens BestKIDS&Teens Espaço e Centro de Estudos e Explicações em Porto Salvo

BestKIDS&Teens BestKIDS&Teens Espaço e Centro de Estudos e Explicações em Porto Salvo A BestKIDS&Teens tem por objetivo desenvolver em cada criança, adolescente ou jovem o melhor de si próprio, contribuindo para o seu enriquecimento pessoal e emocional, através do reforço da sua autoestima,

Leia mais

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados Introdução Tendo explicado e descrito os instrumentos e procedimentos metodológicos utilizados para a realização deste estudo, neste capítulo,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIANÇA TERAPÊUTICA NO ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO DE ADOLESCENTES COM PATOLOGIAS LIMITE

A IMPORTÂNCIA DA ALIANÇA TERAPÊUTICA NO ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO DE ADOLESCENTES COM PATOLOGIAS LIMITE A IMPORTÂNCIA DA ALIANÇA TERAPÊUTICA NO ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO DE ADOLESCENTES COM PATOLOGIAS LIMITE Artigo sobre Dissertação de Mestrado em Aconselhamento Dinâmico (2007) Ana Cristina Ferreira da

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO Cristina Bertochi 1 Alcy Aparecida Leite Souza 2 Daiane Morilha Rodrigues 3 INTRODUÇÃO A gravidez é um período de mudanças físicas e emocionais, que cada mulher vivência

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO CASO - ANAMNESE

IDENTIFICAÇÃO DO CASO - ANAMNESE INTRODUÇÃO No âmbito do ensino clínico I e III, do Mestrado em Enfermagem de Saúde Mental, foi-me proposto a realização de um estudo de caso. O objectivo deste trabalho foi reflectir sobre uma intervenção

Leia mais

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem Como é que o PALAF se compara com outros programas? O PALAF foi traçado por duas psicólogas educacionais,

Leia mais

Áreas de Desenvolvimento Pessoal

Áreas de Desenvolvimento Pessoal Renovação do Programa para Jovens (Aprovado na XLII Conferência Nacional) Áreas de Desenvolvimento Pessoal: A XLII Conferência Nacional da AEP, no âmbito do processo em curso de renovação do Programa para

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 PROJETO MEU TEMPO DE CRIANÇA Missão Visão Valores Colaborar com a importante tarefa de educar as crianças, nesse momento único de suas jovens vidas, onde os

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO O que fazer para ajudar seu familiar quando ele se encontra na UTI Versão eletrônica atualizada em Abril 2010 A unidade de terapia intensiva (UTI) é um ambiente de trabalho

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS ENFERMEIROS OBSTETRAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS ENFERMEIROS OBSTETRAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS ENFERMEIROS OBSTETRAS Encontro Nacional da Associação Portuguesa dos Enfermeiros Obstetras XVII Encontro Nacional da APEO/ 1º Encontro Nacional da APEO Livro de Resumos Coimbra

Leia mais

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro Não Há Saúde Sem Saúde Mental Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro 1 a 17 de Outubro de 2010 Exposição promovida pelo Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental O QUE É A SAÚDE MENTAL? É sentir-nos

Leia mais

A CURVA TERAPÊUTICA DA PRIMEIRA SESSÃO NA CLÍNICA SISTÊMICA PÓS-MODERNA

A CURVA TERAPÊUTICA DA PRIMEIRA SESSÃO NA CLÍNICA SISTÊMICA PÓS-MODERNA A CURVA TERAPÊUTICA DA PRIMEIRA SESSÃO NA CLÍNICA SISTÊMICA PÓS-MODERNA Autora: (Elda Elbachá Psicoterapeuta Sistêmica, Diretora, Docente e Supervisora do Centro de Estudos da Família e Casal - CEFAC/BA)

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010 REGULAMENTO

Leia mais

O Coaching contém em si mesmo um processo de análise, de reflexão, de desafio e de operacionalização.

O Coaching contém em si mesmo um processo de análise, de reflexão, de desafio e de operacionalização. Coaching Executivo Os espanhóis têm uma máxima de que gosto muito: falem de mim nem que seja mal, o importante é que falem. O Coaching está na moda! Vários artigos sobre o tema estão a ser publicados em

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações:

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: CÓDIGO DE ÉTICA Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: APDIS Associação Portuguesa de Documentação e Informação na Saúde BAD Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas

Leia mais

Competências Parentais

Competências Parentais ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Guia do Formador drmadorr1manda Competências Parentais Autor: Inês Eugénio Título: Competências Parentais Coordenação da Mala Formativa: Graça Pinto,

Leia mais

DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS

DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS Ano Letivo: 2014/2015

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Objectivos Proporcionar experiências musicais ricas e diversificadas e simultaneamente alargar possibilidades de comunicação entre Pais e bebés.

Objectivos Proporcionar experiências musicais ricas e diversificadas e simultaneamente alargar possibilidades de comunicação entre Pais e bebés. O estudo do desenvolvimento musical da criança é um campo de trabalho privilegiado pela CMT, tendo em conta o perfil curricular de alguns dos seus elementos, com ligações ao meio universitário. Um pouco

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

dores do parto parto É muito importante estarem conscientes da origem natural e saudável das dores que estão a sentir entrevista

dores do parto parto É muito importante estarem conscientes da origem natural e saudável das dores que estão a sentir entrevista doresde1:layout 1 11/19/08 10:32 PM Page 24 dores do As dores de constituem um dos maiores medos para as futuras mães. Saber o que fazer e como lidar com as dores pode ajudá-la a enfrentar o trabalho de

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade Rua Júlio Dinis, 931-3.º Esquerdo 4050-327 Porto

Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade Rua Júlio Dinis, 931-3.º Esquerdo 4050-327 Porto Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade Rua Júlio Dinis, 931-3.º Esquerdo 4050-327 Porto www.cnis.pt cnis.porto@mail.telepac.pt Tel 226 068 614 / 226 065 932 Fax 226 001 774 FINALIDADES

Leia mais

NÃO ESCOLARIZEM A EXPRESSÃO DRAMÁTICA! UMA REFLEXÃO SOBRE A VIVÊNCIA DESTA FORMA DE EXPRESSÃO ENQUANTO ACTIVIDADE AUTÊNTICA

NÃO ESCOLARIZEM A EXPRESSÃO DRAMÁTICA! UMA REFLEXÃO SOBRE A VIVÊNCIA DESTA FORMA DE EXPRESSÃO ENQUANTO ACTIVIDADE AUTÊNTICA França, A., & Brazão, P. (2009). Não escolarizem a Expressão Dramática! - uma reflexão sobre a vivência desta forma de expressão enquanto actividade autêntica. In L. Rodrigues, & P. Brazão (org), Políticas

Leia mais

A Parte I, denominada Desenvolvimento e Educação, integra textos sobre o desenvolvimento humano e as implicações educativas de teorias e resultados

A Parte I, denominada Desenvolvimento e Educação, integra textos sobre o desenvolvimento humano e as implicações educativas de teorias e resultados Introdução Reunimos aqui, num único volume, os contributos de vários psicólogos e investigadores nacionais que desenvolvem trabalho teórico e empírico nos domínios da aprendizagem e do desenvolvimento

Leia mais

c) Conhecimentos aprofundados da função biológica, da anatomia e da fisiologia no domínio da obstetrícia e relativamente ao recém-nascido, bem como

c) Conhecimentos aprofundados da função biológica, da anatomia e da fisiologia no domínio da obstetrícia e relativamente ao recém-nascido, bem como Directiva 80/155/CEE do Conselho, de 21 de Janeiro de 1980, que tem por objectivo a coordenação das disposições legislativas, regulamentares e administrativas relativas ao acesso às actividades de parteira

Leia mais

Saber dar e receber Feedback

Saber dar e receber Feedback Saber dar e receber Feedback Imagem de http://sestudo.blogspot.com/ Um presidente da Câmara de Nova Iorque, Ed Koch, passeava nas ruas da cidade e perguntava às pessoas o que achavam do seu desempenho

Leia mais

A música e crianças com NEE A Educação Especial e a Educação Musical

A música e crianças com NEE A Educação Especial e a Educação Musical A música e crianças com NEE O termo Necessidades Educativas Especiais resulta da evolução dos princípios de integração e inclusão, referindo-se às condições específicas de qualquer criança ou jovem que

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO Adriano Duarte Rodrigues Nesta última sessão do nosso curso, vou tentar esboçar algumas das mais importantes implicações

Leia mais

I - Desenvolvimento Humano

I - Desenvolvimento Humano I - Desenvolvimento Humano 1.1. Conceito O desenvolvimento humano se estabelece através da interação do indivíduo com o ambiente físico e social. Se caracteriza pelo desenvolvimento mental e pelo crescimento

Leia mais

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês Regina Orth de Aragão Sumário Breve histórico. O acolhimento

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

Conhecimentos que se cruzam/diálogos conjuntos. A construção do conhecimento, por várias razões, é colectiva. A

Conhecimentos que se cruzam/diálogos conjuntos. A construção do conhecimento, por várias razões, é colectiva. A Conhecimentos que se cruzam/diálogos conjuntos A construção do conhecimento, por várias razões, é colectiva. A psicologia, assim como a enfermagem, são disciplinas científicas que se interessam pelo bem-estar

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO. Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO. Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO Este artigo apresenta como objeto de as pesquisas sobre as Contribuições da Psicologia à Educação. O objetivo foi analisar a produção

Leia mais

O AUTISMO- NA CRIANÇA

O AUTISMO- NA CRIANÇA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA Escola E,B 2,3 ES\Escola S. Sebastião de Mértola Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 3ºano Disciplina de Psicopatologia Geral Ano letivo 2013\14 Docente:

Leia mais

ESCOLA: AMBIENTE DE HARMORNIA OU CONFLITO? RESUMO

ESCOLA: AMBIENTE DE HARMORNIA OU CONFLITO? RESUMO ESCOLA: AMBIENTE DE HARMORNIA OU CONFLITO? 1 Sandra Gaspar de Sousa Moura RESUMO Este artigo tem a finalidade de mostrar a importância das relações interpessoais dentro do ambiente escolar e como os sujeitos

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA NO PERÍODO PÓS-PARTO EM UMA MATERNIDADE

INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA NO PERÍODO PÓS-PARTO EM UMA MATERNIDADE 98 INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA NO PERÍODO PÓS-PARTO EM UMA MATERNIDADE Resumo Cássia Ferrazza Alves Ana Paula Santos Camille Haslinger Elenara Farias Lazzarotto Da Costa Lígia Andrea Rivas Ramirez e Cristina

Leia mais

21 Mandamentos do Grandes Ideias

21 Mandamentos do Grandes Ideias 21 Mandamentos do Grandes Ideias 21 Mandamentos do Grandes Ideias Ideias simples mas que fazem toda a diferença na motivação dos nossos alunos!! 1. Conhecer os alunos e fazê-los sentirem-se amados pela

Leia mais

Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente

Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente Este guia tem como objetivo fornecer aos Utentes, desta unidade, informações sobre os serviços disponíveis, para que os possam utilizar de forma equilibrada e racional.

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1 Agrupamento de Escolas da Madalena Projeto do Clube de Música Ano Lectivo 2012-2013 1 Projectos a desenvolver/participar: Projetos Dinamizado por: 1º Concurso de Flauta Prof. Teresa Santos - Participação

Leia mais