PLANO ESTRATÉGICO DO SISTEMA INDÚSTRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO ESTRATÉGICO DO SISTEMA INDÚSTRIA 2006-2010"

Transcrição

1

2

3 PLANO ESTRATÉGICO DO SISTEMA INDÚSTRIA

4 Confederação Nacional da Indústria CNI Presidente: Armando de Queiroz Monteiro Neto Superintendência Corporativa Superintendente: Antonio Carlos Brito Maciel Superintendência de Planejamento, Orçamento e Gestão Superintendente: Carlos Francisco Moniz de Aragão

5 CNI SESI SENAI IEL PLANO ESTRATÉGICO DO SISTEMA INDÚSTRIA Brasília 2006

6 2006. Confederação Nacional da Indústria CNI. Qualquer parte desta obra poderá ser reproduzida, desde que citada a fonte. CNI Superintendência de Planejamento, Orçamento e Gestão SUPOG S651p Ficha Catalográfica Confederação Nacional da Indústria. Plano estratégico do sistema indústria / CNI. Brasília : p. : il. ; 25x20 cm. 1. Administração Estratégica 2. Confederação Nacional da Indústria I. Título. CDU Confederação Nacional da Indústria CNI Setor Bancário Norte, Quadra 1, Bloco C Edifício Roberto Simonsen Brasília DF Tel.(61) Fax. (61) Serviço de Atendimento ao Cliente SAC Tel: /

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Temas mais Importantes para o Desenvolvimento Sustentável da Indústria Figura 2 - Processo de Elaboração do Planejamento Estratégico Figura 3 - Sistemática de Elaboração de Cenários Figura 4 - Direcionadores Selecionados para a Construção de Cenários Figura 5 - Cenários de Desenvolvimento Figura 6 - Indicadores Quantitativos para cada Cenário Figura 7 - Possíveis Modelos de Organização da Indústria Figura 8 - Missão, Visão, Princípios e Valores do Sistema Indústria Figura 9 - Configuração Institucional do Sistema Indústria Figura 10 - Matriz de Segmentação de Funções por Tipo de Atuação - Sistema Indústria Figura 11 - Tipos de Atuação Recomendadas para as Ações do Sistema Indústria Figura 12 - Públicos do Sistema Indústria Figura 13 - Fontes de Financiamento para Atuação do Sistema Indústria Figura 14 - Mapa Estratégico do Sistema Indústria Figura 15 - Evolução do PIB Brasileiro - R$ bi constantes 2004 Figura 16 - Perfil da Empresa Industrial por Região Figura 17 - Perfil da Empresa Industrial por Setor Figura 18 - Participação das Empresas por Porte Figura 19 - Pessoal Ocupado da Indústria 2003 Figura 20 - Distribuição de Benefícios e Associações dos Trabalhadores 2003 Figura 21 - Renda Individual Pessoal Ocupado 2003 Figura 22 - Renda Familiar Figura 23 - Escolaridade das Pessoas Ocupadas e as Famílias Brasileiras Figura 24 - Condições de Saúde das Pessoas Ocupadas e as Famílias Brasileiras Figura 25 - Grau de Conhecimento das Entidades do Sistema Indústria pelas Empresas Industriais Figura 26 - Avaliação Positiva das Entidades do Sistema Indústria pelas Empresas Industriais Figura 27 - Grau de Desconhecimento das Entidades do Sistema Indústria pelas Empresas Industriais Figura 28 - Sistema de Representação Empresarial Figura 29 - Avaliação do Apoio Recebido das Entidades de Representação Figura 30 - Percepção da CNI pelas Empresas Industriais Figura 31 - Temas mais Importantes para o Desenvolvimento Sustentável da Indústria Figura 32 - Percepção do Consumidor sobre Responsabilidade Social Figura 33 - Parceiros, Tipos de Ações e Áreas de Incidência das Ações Sociais Figura 34 - Ações das Entidades do Sistema Indústria que Favorecem o Exercício da Responsabilidade Social Empresarial

8 LISTA DE FIGURAS Figura 35 - Participação do SESI no Ensino Regular 2003 Figura 36 - Gastos em Educação (US$/PPC por Aluno) - Comparação entre Países Figura 37 - Qualidade das Escolas Públicas e Habilidade em Leitura - Comparação entre Países Figura 38 - Avaliação dos Serviços Educacionais do SESI em Comparação com a Concorrência Figura 39 - Comparativo de Custo (R$ por ano) Figura 40 - Participação do SENAI nas Matrículas da Educação Profissional no Brasil Figura 41 - Definições de Cursos de Educação Profissional e Instituições Ofertantes Figura 42 - Avaliação dos Serviços de Educação Profissional do SENAI em comparação com os Concorrentes Figura 43 - Principais Prestadores de Serviços Técnicos e Tecnológicos para Empresas Industriais Figura 44 - Avaliação dos Serviços Figura 45 - Grau de Terceirização dos Serviços Tecnológicos por Porte de Empresas Industriais Figura 46 - Gastos com Serviços Tecnológicos por Porte das Empresas Industriais 2002 Figura 47 - Dispêndios em Pesquisa e Desenvolvimento Figura 48 - Barreiras para a Inovação Tecnológica entre Empresas Industriais Figura 49 - Atendimento Médico dos Usuários do SUS Figura 50 - Avaliação do Atendimento do SESI em Saúde Figura 51 - Acidentes e Mortes no Trabalho por Ano Figura 52 - Serviços Prestados e Estrutura do SESI para Saúde e Segurança do Trabalhador Figura 53 - Avaliação dos Programas e Serviços de Saúde e Segurança do Trabalhador do SESI Figura 54 - Estratégias do SESI em Alimentação Figura 55 - Número de Beneficiados nos Programas de Alimentação do SESI LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Educação de Jovens e Adultos Tabela 2 - Atendimento do SESI em Programas Regulares Tabela 3 - Atendimento do SESI em Consultas Regulares Tabela 4 - Ações Preventivas do SESI em Saúde e Segurança do Trabalhador Tabela 5 - Empresas Contribuintes e Certificadas em Saúde e Segurança do Trabalhador Tabela 6 - Infra-Estrutura do SESI em Lazer, Esporte e Cultura

9 SUMÁRIO Introdução O Planejamento Estratégico do Sistema Indústria 1. Cenários do Ambiente Externo 2. Missão, Visão, Princípios e Valores 3. Orientações Estratégicas 3.1 Papéis das Unidades Nacionais e Regionais 3.2 Estratégia Econômica 4. Objetivos e Diretrizes para a Gestão do Sistema Indústria 4.1. Marketing 4.2. Transparência 4.3. Capital Humano 4.4. Organização 5. Principais Indicadores e Metas para a Gestão do Sistema Indústria 5.1. Indicadores 5.2. Metas Direcionadores Estratégicos 6. CNI Missão da CNI Visão 2010 da CNI Questões Críticas para a CNI Objetivos e Diretrizes para os Negócios da CNI 7. SESI Missão do SESI Visão 2010 do SESI Questões Críticas para o SESI Objetivos e Diretrizes para os Negócios do SESI 8. SENAI Missão do SENAI Visão 2010 do SENAI Questões Críticas para o SENAI Objetivos e Diretrizes para os Negócios do SENAI 9. IEL Missão do IEL Visão 2010 do IEL Questões Críticas para o IEL Objetivos e Diretrizes para os Negócios do IEL

10 SUMÁRIO Fundamentos para a Elaboração do Planejamento Estratégico 1ª Parte - Indústria Brasileira, Trabalhadores e Dependentes I - Setores Industriais II - Trabalhadores III - Famílias IV - Avaliação das Entidades 2ª Parte - As Áreas de Atuação do Sistema Indústria I - Representação, Coordenação e Defesa de Interesses II - Responsabilidade Social III - Educação IV - Ciência, Tecnologia e Inovação V - Saúde VI - Saúde e Segurança do Trabalho VII - Alimentação VIII - Lazer, Esporte e Cultura

11 Apresentação O Planejamento Estratégico do Sistema Indústria constitui experiência inédita que, por certo, muito contribuirá para a sinergia das entidades e para o alinhamento e complemento de suas ações. O Ciclo de Planejamento Estratégico , iniciado em abril de 2005, no âmbito do Programa de Transformação, buscou refletir, de forma integrada, o entendimento alcançado sobre os cenários futuros e sobre os desafios para o cumprimento da Missão e Visão do Sistema e de cada entidade. Conseguimos reunir, pela primeira vez em nossa história, uma equipe de colaboradores composta por técnicos da CNI, do SESI, do SENAI e do IEL, interagindo com mais de trezentos representantes do Sistema Indústria, realizando o trabalho de construir, discutir e validar os produtos gerados de um projeto de interesse comum. Além dessa estreita colaboração, contamos também com a participação dos integrantes do Comitê Superior, formado por membros do Comitê de Apoio à Gestão e do Colégio dos Presidentes de Conselhos Temáticos, que com visão crítica orientou a equipe do projeto, constituindo importante fórum de reflexão estratégica. A análise dos resultados alcançados no Ciclo demonstra que o Plano Estratégico, proposto para o Sistema Indústria, implica objetivos comuns a todos e, em cada entidade, promovendo, dessa forma, maior impacto nas ações e influenciando positivamente os indicadores nacionais. O trabalho realizado até agora é um excelente início, mas implementar a estratégia desenhada será a medida do nosso sucesso. Nosso desafio maior, a partir de agora, é aprimorar continuamente nossa atuação como um Sistema coeso e integrado nos seus objetivos, preservando a autonomia das nossas entidades, o que caracteriza e representa uma das forças do Sistema Indústria, consciente de seu papel perante a Indústria, a sociedade e o País. Armando Monteiro Neto Presidente da CNI 9

12

13 Introdução Como etapa fundamental do Programa de Transformação do Sistema Indústria iniciado em 2002, a realização do Ciclo de Planejamento Estratégico representou oportunidade de discussão e reflexão estratégica para CNI, Federações, SESI, SENAI e IEL. O resultado deste Ciclo, Plano Estratégico do Sistema Indústria , é exposto em detalhes neste documento e, entre os vários tópicos apresentados, vale a pena destacar os seguintes: Cenários Foram construídos três cenários para a evolução do Brasil e sua indústria nos próximos dez anos, e também três opções para a organização da indústria levando em conta aspectos como reforma sindical e coesão do modelo de representação. Essa combinação nos levou a considerar quatro opções de futuros possíveis, sendo que em três deles há o risco da redução de recursos em relação ao atual, seja por redução do nível de atividade econômica ou por fragmentação do sistema de organização da indústria hoje existente. O impacto dos cenários, embora percebido de maneira mais significativa a partir de 2008, nos leva desde já a dirigir esforços para sustentabilidade financeira do Sistema Indústria e para reforçar e modernizar a estrutura de organização empresarial e associativa. Diagnóstico da Situação Atual e Ambiente Externo Foi realizado extenso levantamento dos principais negócios e mercados de CNI, SESI, SENAI e IEL, além de pesquisa em empresas industriais quanto à priorização e qualidade dos serviços prestados. Na opinião das empresas pesquisadas, a imagem e qualidade dos serviços são bem avaliadas. SENAI e SESI destacam-se por serem mais conhecidos e terem seus serviços muito bem avaliados. As empresas industriais também possuem suas prioridades para o Sistema Indústria: Redução da Carga Tributária é um item prioritário para 83% das empresas pesquisadas, seguindose a melhoria da Legislação Trabalhista com 49% e o fortalecimento da educação profissional e tecnológica em um surpreendente 3º lugar com 44% da preferência. 11

14 Fig. 1 Temas mais Importantes para o Desenvolvimento Sustentável da Indústria Fortalecimento da educação profissional e tecnológica 44% Qualidade da educação básica Aumento da produtividade e da qualidade na indústria Acesso a um sistema de saúde de qualidade 28% 34% 33% Responsabilidade Social 24% Fonte: Pesquisa Primária de Empresas Planejamento Estratégico Quanto à estrutura sindical, verifica-se a baixa representatividade, em que apenas pouco mais de 10% das empresas industriais participam ativamente dos sindicatos patronais. Por outro lado, existe oportunidade de avançar para maior representatividade, uma vez que mais de 75% das empresas industriais pesquisadas recebem algum tipo de assistência de seus sindicatos. Da mesma forma, CNI e Federações são reconhecidas por seu trabalho de defesa dos interesses da indústria e com várias práticas que os alinham com entidades semelhantes no mundo desenvolvido. Os indicadores econômicos da CNI são conhecidos por mais de 95% do universo pesquisado. Na área de Educação, preocupa o fato de o Brasil ter apenas cerca de 10% dos estudantes de nível secundário com formação técnica. Este índice é de 20% na Argentina, 30% no Chile e 35% na Coréia do Sul. Educação é prioritária, seja pelo déficit de formação básica ainda existente, seja pela necessidade de maior escolaridade do trabalhador da indústria e por maior qualidade no ensino. Já com relação à Saúde e Segurança do Trabalho, temos a oportunidade de migrar de serviços comoditizados para serviços de maior valor agregado para nossos clientes. 12

15 Áreas de atuação mais recentes representam oportunidades de alinhamento com as expectativas da indústria, seus trabalhadores e sociedade. Temas como Responsabilidade Social Empresarial, Empreendedorismo e Inovação crescem cada vez mais rápido em importância e refletem nosso esforço em gerar serviços e atender a nossos clientes. Objetivos e Projetos Estratégicos A CNI, o SESI, o SENAI e o IEL priorizaram suas linhas de atuação e estabeleceram objetivos, diretrizes, metas e indicadores e também contribuíram com aqueles comuns a todo o Sistema. Formularam-se objetivos sistêmicos, integrados, para as áreas de Marketing, Gestão de Pessoas, Comunicação de Resultados e Gestão e Organização. Esses objetivos conjuntos traçados com os objetivos de negócios de cada entidade formam uma base sólida para os próximos anos. Esses objetivos, juntamente com suas diretrizes estratégicas, possibilitaram definir os Projetos Estratégicos propostos para o horizonte de Planejamento, e, com sua realização, suportaremos a implantação de nossa estratégia. 13

16 O Planejamento Estratégico do Sistema Indústria O processo de Planejamento apurou as habilidades de técnicos e executivos sobre percepção dos cenários, realização de diagnose interna, avaliação de desempenho, desenho de perfis dos clientes, leitura de necessidades dos parceiros de cada entidade, e identificação dos principais concorrentes e dos propulsores de sua competitividade. Fig. 2 Processo de Elaboração do Planejamento Estratégico Assim, na construção do Planejamento, foram caracterizados os cenários do ambiente externo, analisados os mercados e identificadas as melhores práticas de entidades similares. Conforme evidencia o esquema ilustrado na Figura 2. Foram revisadas as Missões, as Visões, os Princípios e os Valores de cada entidade do Sistema Indústria, analisando-se o ambiente de atuação da CNI, do SESI, do SENAI e do IEL, e as demandas e expectativas das entidades integrantes do Sistema. Esse trabalho permitiu conhecer melhor as oportunidades e ameaças externas, mensurar com precisão as forças e fraquezas das diferentes entidades e estabelecer orientações estratégicas que serviram à definição de objetivos, diretrizes, indicadores e metas para os próximos cinco anos. 14

17 1. Cenários do Ambiente Externo O Planejamento Estratégico do Sistema Indústria envolveu a elaboração de prognósticos sobre as condições econômicas, políticas e sociais que poderão repercutir na atuação da CNI, do SESI, do SENAI e do IEL. O levantamento desses fatores e a análise de eventuais desdobramentos resultaram em um conhecimento mais apurado das dinâmicas externas e uma melhor compreensão dos cenários possíveis, que permitirão eleger decisões que poderão ser tomadas para o aproveitamento de oportunidades e superação de ameaças. Para a concepção do futuro, durante o processo de Planejamento Estratégico do Sistema Indústria, construíram-se cenários ideais abordando diferentes tendências verificadas no mercado, na sociedade e na esfera pública. Com a composição desses panoramas, foi possível imaginar possibilidades sobre a evolução socioeconômica e política. A metodologia utilizada reconheceu que essas projeções não são lineares, porém dinâmicas e complexas. Não haveria, portanto, um futuro bem delimitado para o qual o Sistema deva preparar-se, mas sim futuros cujos contornos poderão misturar-se ou mesmo apresentar condições ainda não previstas. Os cenários descritos a seguir possuem como horizonte os próximos dez anos. Esses cenários não serão necessariamente materializações de uma visão executada de forma proativa e planejada, pois os diversos panoramas poderão resultar de decisões políticas e econômicas diversas, de implementações mais ou menos efetivas, ou de fatores circunstanciais. A concepção dos cenários pressupõe que diferentes caminhos podem levar a situações semelhantes. No entanto, para melhor compreensão das trajetórias possíveis, as diferenças entre os cenários foram enfatizadas, de modo a facilitar o entendimento dos futuros possíveis e a concepção de estratégias robustas e flexíveis. Direcionadores O trabalho de antecipar o futuro começou pela escolha de direcionadores capazes de impactar a atuação da CNI, do SESI, do SENAI e do IEL. Sobre esses direcionadores, foram identificadas tendências de baixa e de alta incerteza, as opções resultantes e as conseqüências para o Sistema Indústria. Nesse ponto, fez-se uma série de análises para a escolha dos direcionadores mais pertinentes, para os quais se projetaram os cenários e as implicações para as estratégias do Sistema. 15

18 Fig. 3 Sistemática de Elaboração de Cenários Mudança significativa no ambiente externo Questões - Chave Identificação de Direcionadores Direcionadores com Baixa Incerteza Direcionadores com Alta Incerteza Alternativas de Resultados Cenários do Ambiente Externo Para a construção inicial dos cenários que compõem este Plano Estratégico, foram selecionados seis macrodirecionadores: o ambiente sociopolítico, o ambiente institucional e regulatório, a atuação do governo, a política industrial, a evolução da qualidade de vida e o grau de desigualdade regional. Esses direcionadores possibilitaram cotejar o futuro considerando as dinâmicas das forças sociais que compõem o poder político, o modelo regulatório do Estado, o grau de desenvolvimento das instituições públicas e o grau de intervencionismo do governo nos setores produtivos. A metodologia permitiu avaliar o direcionamento das atividades industriais e a evolução da base industrial brasileira, considerando os matizes do desenvolvimento humano do País, e assinalando as disparidades socioeconômicas entre as regiões. 16

19 Fig. 4 Direcionadores Selecionados para a Construção de Cenários A partir dessa análise, o exercício permitiu relacionar as situações imaginadas e classificá-las em três panoramas distintos, conforme indicado na Figura 5: - o cenário de desenvolvimento sustentável, chamado de Céu de Brigadeiro ; - o cenário de crescimento concentrado, nomeado As Duas Velocidades ; - o cenário de orientação endógena, ou Fronteiras Fechadas. 17

20 Fig. 5 Cenários de Desenvolvimento Céu de Brigadeiro A visão dessa paisagem é de que o País avançará de forma abrangente e sólida, a indústria produzirá mais itens de maior valor agregado, graças à melhoria no acesso e na qualidade da educação formadora da força de trabalho, à maior oferta de crédito do capital interno e externo, à redução de juros e à rapidez na assimilação de tecnologias de ponta. 18

21 Nesse cenário, o Produto Interno Bruto (PIB) crescerá 4,7% ao ano durante o período 2004/2010 e 5,5% ao ano entre 2010/2015, atingindo o equivalente a US$ 1,2 trilhão em O nível de comércio exterior nesse cenário passará dos atuais 26,3% do PIB para 34,0%. O PIB Industrial crescerá, em média, 6% ao ano entre 2004 e 2010 e 7,2% de 2010 a 2015, atingindo US$ 500 bilhões ou 40,6% de participação na economia em relação aos 34,8% atuais. O índice de produtividade terá incremento de 52% ao longo dos dez anos e em 2015 atingirá o nível de crescimento de 5,1% ao ano. Isso será possível porque o Brasil terá aprofundado suas reformas estruturais, diminuirá a burocracia em geral, ampliará a parcela formal na economia e o governo atuará eficientemente como regulador e formulador de políticas industriais que propiciarão maior diversidade de setores com competitividade de classe mundial. O fortalecimento da economia e a eficiência pública resultarão, nesse cenário, na melhoria da distribuição de renda e da qualidade de vida, no aumento da responsabilidade social e ambiental e na redução das desigualdades regionais. A renda per capita crescerá para US$ anuais. As Duas Velocidades O Brasil avançará de forma desigual e a evolução do parque industrial caminhará em duas velocidades distintas. Os setores mais lentos terão baixa competitividade e funcionarão às vezes na informalidade, serão explorados nos processos de geração de valor das principais cadeias de produção. As reformas estruturais estarão inacabadas. O governo regulará parcialmente a economia, e a política industrial será focada em setores nos quais o Brasil consegue vantagens comparativas e que se tornarão ilhas de crescimento. Nesse cenário, o PIB crescerá 3,3% ao ano durante o período 2004/2010 e 3,9% ao ano entre 2010/2015, atingindo o equivalente a US$ 1,050 trilhão em O nível de comércio exterior passará dos atuais 26,3% do PIB para 29,1%. O PIB Industrial crescerá, em média, 4,3% ao ano entre 2004 e 2010 e 4,9% de 2010 a 2015, atingindo US$ 406,5 bilhões ou 38,7% de participação na economia em relação aos 34,8% atuais. O índice de produtividade subirá 22% ao longo dos dez anos e em 2015 atingirá a taxa de crescimento de 2,4% ao ano. 19

22 Nas ilhas de crescimento, haverá tecnologia e competitividade de classe mundial. A inserção internacional do País ocorrerá por meio da exportação desses produtos e serviços, aumentando a exposição da economia brasileira a fatores conjunturais externos. Os indicadores de desenvolvimento humano e os indicadores ambientais apresentarão melhorias desiguais, pois não serão objeto de regulamentação. Isso poderá acentuar algumas diferenças sociais e regionais, dependendo do efeito direto dos setores prósperos e daqueles de competitividade limitada e com foco local. A renda per capita crescerá para US$ anuais. Fronteiras Fechadas Nesse cenário, o País se fechará. A economia evoluirá irregularmente, em função das oscilações causadas por fatores internos. Ocorrerá um declínio na participação do Brasil no comércio internacional, devido à substituição de importações por produtos nacionais e à perda de competitividade dos setores exportadores. O governo assumirá um papel ativo como agente econômico, possuindo e gerindo ativos de produção, em um contexto de proteção de mercados. O PIB crescerá 2,5% ao ano durante o período 2004/2010 e 1,7% ao ano entre 2010/2015, atingindo o equivalente a US$ 901 bilhões em O nível de comércio exterior decrescerá dos atuais 26,3% do PIB para 20,7%. Já o PIB Industrial crescerá, em média, 2,8% ao ano entre 2004 e 2010 e 1,6% de 2010 a 2015, atingindo US$ 318,4 bilhões ou 35,3% de participação na economia em relação aos 34,8% atuais. O índice de produtividade subirá 4% ao longo dos dez anos e a partir de 2011 se estabilizará, sem crescimento. As reformas institucionais e regulatórias estacionarão ou progredirão de forma muito lenta, com alcance apenas superficial. No âmbito social, haverá progressos de curto alcance na qualidade de vida decorrentes de políticas assistencialistas. Não haverá condições para uma evolução consistente e sustentável, por falta de dotação de recursos de fontes perenes. A renda per capita crescerá para US$ anuais. 20

23 Fig. 6 Indicadores Quantitativos para cada Cenário Indicadores Quantitativos para cada Cenário PIB (US$ Bilhões) Superávit Primário (% PIB) 901 1,050 1, % 4.3% 3.5% % Atual Fronteiras Fechadas Duas Velocidades Céu de Brigadeiro Atual Fronteiras Fechadas Duas Velocidades Céu de Brigadeiro 7,775 Renda Per Capita (US$ PPP) 12,157 10,207 8,630 Índice de Gini Atual Fronteiras Fechadas Duas Velocidades Céu de Brigadeiro Atual Fronteiras Fechadas Duas Velocidades Céu de Brigadeiro PIB Industrial (US$ Bilhões) Produtividade Acumulada (2004 = base 100) Atual Fronteiras Fechadas Duas Velocidades Céu de Brigadeiro Atual Fronteiras Fechadas Duas Velocidades Céu de Brigadeiro Taxa de Juros Real Comércio Exterior (% PIB) 11,0% 9,1% 6,8% 4,4% 26% 21% 29% 34% Atual Fronteiras Fechadas Duas Velocidades Céu de Brigadeiro Atual Fronteiras Fechadas Duas Velocidades Céu de Brigadeiro 21

24 Organização da Indústria Como descrito anteriormente, os cenários foram construídos a partir de seis macrodirecionadores sobre os quais foram projetadas tendências, opções e impactos sobre o Sistema Indústria. Na visualização desses cenários, considerou-se ainda um direcionador relativo à organização da representação da indústria, cujo comportamento esperado distinguem-se três modelos opcionais. No primeiro modelo, a organização será rígida: a estrutura sindical manterá sua unicidade e as atuais fontes de recursos do Sistema Indústria permanecerão. A Reforma Sindical não ocorrerá e a indústria manterá sua forma atual de representação. O segundo modelo pressupõe uma organização mais flexível e articulada. Nesse modelo, a Reforma Sindical será aprovada e poderá haver pluralismo nas representações sindicais. Entretanto, a indústria manterá coeso o seu poder de representação. SESI, SENAI e IEL terão a eficiência e eficácia dos serviços prestados, reconhecidas pelas empresas, pelos trabalhadores, pelo governo e pela sociedade, e permanecerão competitivos no mercado. O terceiro modelo possível será uma organização flexível, porém fragmentada da indústria. Após a Reforma Sindical, o Sistema Indústria passará a dividir recursos, atribuições e representação com outras organizações mais específicas de cada subsetor. Fig. 7 Possíveis Modelos de Organização da Indústria 22

25 2. Missão, Visão, Princípios e Valores As definições de missão e visão das entidades do Sistema Indústria foram revisadas e os valores foram explicitados, conforme marcos legais e práticas já adotadas. A descrição desses conceitos no Plano Estratégico favorece a atuação do Sistema Indústria com foco no desempenho efetivo e no atingimento de resultados. Como mencionado anteriormente, todas as definições foram elaboradas tendo em perspectiva os direcionadores priorizados e os cenários projetados. Fig. 8 Missão, Visão, Princípios e Valores do Sistema Indústria 23

26 3. Orientações Estratégicas Durante o processo de Planejamento Estratégico, foram formuladas definições para os papéis das entidades nacionais e regionais, bem como estratégias econômicas, cotejando modelos de apuração de custos e resultados, linhas de negócios, foco de atuação e público-alvo. A combinação desses elementos resultou em um conjunto de orientações que passarão a nortear a continuidade do Programa de Transformação do Sistema Indústria, iniciado em Papéis das Unidades Nacionais e Regionais O Sistema Indústria é formado por entidades com representatividade nacional e organização institucional federativa. A CNI é a representante do colegiado de 27 federações estaduais, às quais estão filiados mais de mil sindicatos de empresas de pequeno, médio e grande porte da indústria de transformação e de outros setores, em nível municipal, intermunicipal, estadual, interestadual e nacional. A CNI defende os interesses da indústria brasileira perante a sociedade, os poderes públicos da União e os organismos estrangeiros e multilaterais, visando criar ambiente favorável aos negócios. Além da representação política e da defesa dos setores produtivos, o Sistema Indústria também atua fortemente na promoção do desenvolvimento social por meio do SESI, do SENAI e do IEL. As ações dessas entidades favorecem o trabalhador industriário e sua família, apóiam atividades comunitárias, formam profissionais, incentivam a produção e difusão de conhecimento e tecnologia, com vistas à competitividade e ao estímulo ao crescimento industrial brasileiro. O SESI e o SENAI estão organizados em todos os estados em Departamentos Regionais e possuem representação superior em seus respectivos Departamentos Nacionais. O IEL organiza-se em Núcleos Regionais e no Núcleo Central. Todas as unidades estaduais, denominadas Regionais, possuem elevada autonomia administrativa, como se pode observar na configuração institucional do Sistema Indústria apresentada a seguir. 24

27 Fig. 9 Configuração Institucional do Sistema Indústria Ação Articulada Um sistema como o da indústria organizado nacionalmente, com capilaridade municipal, formado por unidades estaduais com autonomia administrativa necessita que seu Plano Estratégico preveja um tipo de ação articulada, mais adequada a modelos federativos. Essa avaliação baseia-se, por um lado, na agregação de valor que uma atuação conjunta geraria para o Sistema e, por outro lado, no risco potencial da fragmentação. O tipo de atuação proposto representa a diminuição de custos operacionais, o barateamento dos serviços e produtos ofertados e ganhos de eficiência técnica e administrativa para a promoção do desenvolvimento social e a representação de interesses da indústria. 25

28 Fig. 10 Matriz de Segmentação de Funções por Tipo de Atuação Sistema Indústria Alto Risco Potencial ao Sistema Federativo Baixo Baixo Pacto Nacional (atuação conjunta de comum acordo entre todos os regionais) Atuação exclusiva de cada regional Colaboração (atuação conjunta voluntária de um número mínimo de regionais) Alto Potencial de agregação de valor da atuação conjunta Atuação e Colaboração Sem interferir na autonomia administrativa das entidades e de suas unidades em cada estado, este Plano Estratégico inova por trazer referencial comum e uma visão integrada e colaborativa de todo o Sistema Indústria, nos níveis nacional e estadual. Assim, define seis campos de atuação e colaboração, conforme validado pelos representantes dos Departamentos Regionais que participaram da elaboração do Planejamento Estratégico. Estratégia e Marca desenvolvimento da estratégia, desenvolvimento e gestão da marca e das relações institucionais. Inovação e Desenvolvimento de Competências inovação de processos, produtos e serviços, gestão do conhecimento, desenvolvimento de pessoas. Planejamento e Controle definição de padrões de medição, comunicação e controle de desempenho, elaboração e execução do plano de ação e orçamento anuais, monitoramento e controle do desempenho. 26

29 Prestação de Serviços aos Clientes definição da oferta dos serviços, prospecção, venda e atendimento, entrega dos serviços aos clientes. Prestação de Serviços de Apoio definição da oferta e entrega dos serviços de apoio. Financiamento prospecção e captação de recursos, alocação de recursos financeiros a projetos. Melhores Práticas Durante a elaboração do Planejamento Estratégico do Sistema Indústria, classificaram-se suas ações entre iniciativas articuladas nacionalmente, iniciativas de caráter exclusivamente estadual e iniciativas conjuntas e colaborativas entre suas Entidades. Nas seis áreas de atuação e colaboração, o Plano Estratégico recomenda o estabelecimento de práticas comuns. Em primeiro lugar, deve haver para todos uma orientação estratégica, considerando-se as especificidades regionais. Assim, devem-se criar identidade e marca consistentes e fortes nacionalmente, com peculiaridades estaduais. O Plano Estratégico recomenda que Missão, Visão e Valores do Sistema Indústria, assim como objetivos, metas, diretrizes e políticas, sejam estabelecidos por pacto nacional. Cabe às unidades estaduais estabelecer objetivos e metas exclusivos em seu âmbito de atuação. Marcas e campanhas institucionais relacionadas aos objetivos estratégicos nacionais também devem ser objeto de acordo nacional. As unidades estaduais devem contar com a colaboração das representações nacionais para as campanhas de produtos e serviços relacionadas aos objetivos estratégicos exclusivos de cada estado. Cabe às representações nacionais o desenvolvimento e a gestão de relações institucionais com organizações nacionais e internacionais sobre objetivos estratégicos nacionais. Essa recomendação não restringe a iniciativa estadual com qualquer organização, em torno dos objetivos estratégicos exclusivos. Os Departamentos Regionais possuem autonomia para a inovação e o desenvolvimento de competências, porém o Plano Estratégico preconiza que haja elevada coordenação nacional para evitar duplicidade de esforços e incentivar compartilhamento de resultados e benefícios. 27

30 O regime proposto é o de colaboração com os Departamentos Regionais no desenvolvimento e na disseminação de novos processos, produtos e serviços. A colaboração deve ocorrer também na gestão do conhecimento produzido em cada Unidade da Federação, favorecendo sua captação, organização e disseminação. As representações nacionais devem favorecer o desenvolvimento de competências em gestão e técnicas nos Departamentos Nacionais e Regionais. O Plano Estratégico propõe a uniformização nacional dos padrões de medição, comunicação e controle de desempenho. São de competência exclusiva das unidades estaduais a preparação dos orçamentos e planos anuais e o monitoramento do desempenho quanto aos objetivos em cada Unidade da Federação, todos elaborados conforme orientações do Pacto Nacional. Da mesma forma, no campo de Prestação de Serviços aos Clientes, o Plano Estratégico prevê articulação nacional para que o Sistema Indústria padronize as formas de acesso, a qualidade e as formas de composição de preços. Visando à redução de custos, devem ser compartilhados, entre as unidades estaduais de cada entidade, os serviços de apoio com baixa ou moderada especificidade. O compartilhamento desses serviços pode resultar em ganhos de escala e eficiência para o Sistema Indústria. Aqueles serviços com elevada peculiaridade, cujo compartilhamento entre os estados não resultaria em significativos ganhos de escala, permaneceriam na esfera de atuação exclusiva dos Regionais. Por fim, no campo Financiamento, prevê-se a possibilidade de coordenação da prospecção, captação e alocação de recursos de fontes nacionais e internacionais para projetos de caráter nacional. As unidades nos estados manteriam, em sua atuação exclusiva, o levantamento e a destinação de recursos financeiros em fundos setoriais, por meio de convênios e outras fontes estaduais ou municipais, os quais resultariam no financiamento de objetivos estratégicos na Unidade da Federação. O quadro seguinte apresenta o tipo de ação recomendada em nível nacional, de forma colaborativa entre os Regionais, e o tipo de atuação exclusiva nas Unidades da Federação. 28

31 Fig. 11 Tipos de Atuação Recomendadas para as Ações do Sistema Indústria Pacto Nacional Colaboração Atuação Exclusiva de cada Regional Estratégia e Marca Desenvolvimento da Estratégia Desenvolvimento e Gestão das Marcas Desenvolvimento e Gestão de Relações Institucionais Missão, visão e valores nacionais Objetivos e metas estratégicos nacionais Diretrizes e políticas para objetivos nacionais Marcas e campanhas institucionais relacionadas aos objetivos estratégicos nacionais Com organizações nacionais e internacionais sobre objetivos estratégicos nacionais Campanhas de produtos/serviços relacionadas aos objetivos estratégicos exclusivos de cada UF Objetivos e metas estratégicos exclusivos de cada UF Com quaisquer organizações sobre objetivos estratégicos exclusivos de cada UF Inov. e Desenv. de Competências Inovação de Processos, Produtos e Serviços Gestão do Conhecimento Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento Disseminação Captação e Organização Disseminação Gestão Técnica Planejamento e Controle Prestação de Serviços aos Clientes Definição de Padrões de Medição, Comunicação e Controle de Desempenho Elaboração e Execução do Orçamento e Plano de Ação Anual Monitoramento e Controle do Desempenho Gerencial (Uso Interno ao Sistema Indústria) Definição da Oferta dos Serviços aos Clientes Prospecção, Venda e Atendimento a Clientes Entrega dos Serviços aos Clientes Padrões de medição, comunicação e controle (Sistemas CNI, SESI,SENAI e IEL) Relacionados aos objetivos estratégicos nacionais Relacionados aos objetivos estratégicos nacionais Serviços a clientes estratégicos nacionais Clientes de base interestadual ou nacional para serviços pactuados nacionalmente Clientes de base interestadual ou nacional para serviços pactuados nacionalmente Relacionados aos objetivos estratégicos exclusivos de cada UF Relacionados aos objetivos estratégicos exclusivos de cada UF Serviços aos clientes exclusivos de cada UF Clientes de base estadual, intermunicipal ou municipal Clientes de base estadual, intermunicipal ou municipal Prestação de Serviços de Apoio Definição da Oferta dos Serviços de Apoio Entrega dos Serviços de Apoio Serviços passíveis de ganhos de escala e com baixa/moderada especificidade regional Serviços passíveis de ganhos de escala e com baixa/moderada especificidade regional Serviços com baixos ganhos de escala e/ou com elevada especificidade regional Serviços com baixos ganhos de escala e/ou com elevada especificidade regional Financiamento Prospecção e Captação de Recursos para Financiamento de Projetos (p.ex., Fundos Setoriais, Convênios) Alocação de Recursos Financeiros a Projetos Junto a fontes nacionais e internacionais para objetivos estratégicos nacionais Para cumprimento de objetivos estratégicos nacionais Junto a fontes estaduais e municipais para objetivos estratégicos nacionais e junto a quaisquer fontes para objetivos estratégicos exclusivos de cada UF Relacionados aos objetivos estratégicos exclusivos de cada UF 29

32 3.2 Estratégia Econômica A elaboração conjunta de seu Planejamento Estratégico possibilitou ao Sistema Indústria identificar com maior clareza fontes de recursos disponíveis, bem como serviços e públicos prioritários. As estratégias econômicas decorrentes foram desenhadas em diferentes cenários que, inclusive, prevêem mudanças significativas na organização sindical e alterações na estrutura produtiva e nas receitas. Em todos os cenários projetados, entre as ameaças consideradas por dirigentes das representações nacionais e unidades estaduais que compõem a CNI, o SESI, o SENAI e o IEL, sempre figura a redução de receitas por fragmentação da representação sindical, crescimento de informalidade na indústria e mudanças na forma de arrecadação. Fontes de recursos As fontes de recursos das entidades do Sistema Indústria são variadas. A CNI é financiada pela Contribuição Sindical e por repasses institucionais do SESI e do SENAI. O SESI e o SENAI são financiados pela Contribuição Compulsória dos empregadores da indústria, do transporte ferroviário, metroviário, de carris urbanos, dos serviços públicos do setor energético, de purificação e distribuição de água, produção e distribuição de gás canalizado, serviço de esgoto e saneamento, das comunicações e da pesca. O IEL é mantido por seu Sócios Mantenedores, CNI, SESI e SENAI, por Sócios Cooperadores, Instituições de Ensino e Pesquisa, públicas ou privadas, e por Sócios Contribuintes, pessoas físicas ou jurídicas que subvencionem a entidade com contribuições, doações, auxílios ou cooperação técnica. Além dessas fontes, a estratégia econômica definida para o Sistema Indústria considerou a captação de recursos associados à prestação de serviços no mercado e à realização de parcerias com o setor privado e de convênios com entidades governamentais. O montante arrecadado por meio das formas previstas em lei é insuficiente para o atendimento de todas as demandas pelos serviços das entidades. Essa situação leva ao estabelecimento de prioridades para atendimento, que pressupõe a hierarquização de objetivos. 30

33 Devido à insuficiência das receitas previstas em lei para a expansão e manutenção da qualidade dos produtos e serviços prestados, as entidades complementam os recursos para financiamento do Sistema atendendo a demandas específicas das empresas que buscam serviços individuais de educação profissional, educação escolar, saúde, nutrição, cultura e lazer. Tendo em vista a demanda do poder público para que o Sistema Indústria viabilize a implantação de suas políticas sociais, as entidades estabelecem convênios com os governos municipais, estaduais e o governo federal para a prestação de serviços à comunidade. Esses convênios ocorrem em torno de serviços e produtos já oferecidos pelo Sistema e que são também da responsabilidade do Estado. Esse é o caso, por exemplo, da oferta de ensino fundamental em unidades do SESI com professores da rede pública. Além da oferta de serviços no mercado e de convênios com o governo, SESI, SENAI e IEL têm estabelecido parcerias com empresas privadas, universidades, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e outras entidades para viabilizar a oferta de capacitações não disponíveis no Sistema Indústria. Públicos Conforme ilustra a Figura 12, compõem o público do Sistema os industriários e seus familiares dependentes, os empresários, as empresas e os sindicatos da Indústria. Serviços de educação, saúde, nutrição, lazer, esporte e cultura possuem formatos que atendem especificamente ao trabalhador da indústria e a seus dependentes, mas, em situações de convênio ou parceria, também podem atender à comunidade. Grande parte dos serviços ofertados pelo Sistema são geradores de benefícios coletivos para as empresas industriais, como, por exemplo, a educação profissional, a prevenção de acidentes de trabalho e a defesa de interesses. Entretanto, o Sistema também presta serviços geradores de benefícios pontuais, como, por exemplo, consultorias em processos produtivos, assessorias em gestão socialmente responsável e capacitação empresarial. 31

34 Fig. 12 Públicos do Sistema Indústria Industriários e dependentes Empresas industriais coletivamente Serviços de educação, saúde, nutrição, lazer, esporte e cultura em formatos que atendem especificamente ao trabalhador da indústria e dependentes Exemplos Educação de Jovens e Adultos em instalações nas empresas Atendimento odontológico na empresa Saúde suplementar para trabalhadores da indústria Campanhas de prevenção de Acidente de Trabalho na indústria Eventos esportivos para o industriário Serviços geradores de benefícios coletivos para a indústria Exemplos Defesa do interesse da indústria Educação profissional Ações de prevenção de Acidente de Trabalho na indústria Empresas industriais e pessoas (individualmente) Serviços geradores de benefícios pontuais para empresas / empresários Exemplos Consultoria em processos produtivos Assessoria em gestão socialmente responsável Capacitação empresarial Comunidade predominantemente (inclusive industriários) Serviços oferecidos de educação, saúde, nutrição, lazer, esporte e cultura em formatos que proporcionam benefícios não restritos a industriários Exemplos Educação de Jovens e Adultos em instalações fora da empresa industrial Educação fundamental em escolas próprias Atendimento médico em instalações próprias Eventos culturais, artísticos e de interesse geral Ação Global Linhas de atuação O processo de Planejamento Estratégico permitiu a separação das atividades do Sistema Indústria em diferentes linhas: a primeira, viável com manutenção das fontes legais de receita; as demais, auto-sustentadas com a remuneração direta do serviço. 32

35 Como demonstra a Figura 13, as fontes de receitas estabelecidas em lei justificam uma atuação que privilegia a geração de benefícios coletivos, modelo fortemente disseminado entre os contribuintes, vinculada às missões das entidades. Mantendo-se as atuais condições de financiamento do Sistema Indústria, este Plano Estratégico recomenda customizar as linhas de serviço, medir e informar, aos setores contribuintes, o valor do subsídio necessário para custear cada serviço ofertado. Isso evidenciará para a indústria que, caso as formas de representação sindical se modifiquem, a preservação dos serviços ofertados pelo Sistema, só seria possível mediante contribuições voluntárias. Independentemente de mudanças de cenário, o processo de Planejamento assinalou a importância das linhas auto-sustentadas, mostrando um expressivo potencial de rentabilidade da atuação focada nas empresas industriais e em seus trabalhadores e dependentes. A descrição da linha auto-sustentada ressalta a importância de o Sistema Indústria manter-se competitivo e eficiente. Custos e preços devem ser determinados pela dinâmica da concorrência. Fig. 13 Fontes de Financiamento para Atuação do Sistema Indústria 33

36 Foco A revisão das fontes de financiamento e dos públicos beneficiários orientou as formas de alocação de recursos e a definição de objetivos e diretrizes. Após confrontar cada modalidade de financiamento com o público-alvo para estabelecer o foco de atuação (Figura 13) deste Plano Estratégico, propõe-se que o Sistema Indústria priorize industriários e dependentes de menor poder aquisitivo na oferta de serviços custeados pela arrecadação compulsória, evidenciando o retorno às empresas contribuintes. Para atuação no mercado, o Sistema Indústria deve focar o atendimento individual às empresas industriais custeado com recursos exclusivos. Esse atendimento poderá ser estendido à comunidade a preços subsidiados desde que possa ser financiado pelo superávit de receitas de serviços ou por receitas de convênios com entidades governamentais. 34

37 4. Objetivos e Diretrizes para a Gestão do Sistema Indústria Durante o Planejamento Estratégico foram definidos objetivos e diretrizes de gestão para o Sistema Indústria. Para o período 2006/2010, foram selecionados aqueles que dizem respeito à visibilidade e transparência, ao capital humano, ao cumprimento da missão e ao alcance da visão em Marketing Este Plano estabelece objetivos e diretrizes que buscam fortalecer e consolidar a imagem do Sistema Indústria e de suas entidades individualmente. Objetivo Estratégico Aprimorar o conhecimento do perfil, das necessidades e da satisfação dos clientes e sistematizar o relacionamento com o mercado, fortalecendo as marcas do Sistema Indústria e unificando a sua percepção externa. Diretrizes Estratégicas Consolidar, sistematizar e padronizar nacionalmente metodologia para análise e segmentação de mercado, considerando os diversos setores industriais e portes de empresas. Desenvolver cultura e implementar sistemática de apuração de resultados de mercado e de benefícios para os públicos beneficiários, para todas as linhas de negócio do Sistema Indústria. Otimizar o processo de prospecção, venda e pós-venda aos clientes de base nacional e interestadual, visando maximizar cobertura, aumentar fidelização e reduzir custos por meio de uma ação coordenada entre as entidades nacionais e regionais. Otimizar processo de inovação de serviços e produtos, sob coordenação das representações nacionais em articulação com as unidades regionais, visando reduzir o tempo e os recursos consumidos. Desenvolver e implementar políticas integradas de formação de preços, formatação de produtos e serviços, promoção e atendimento para os diversos setores industriais e portes de empresas, inclusive clientes de base nacional ou interestadual. Desenvolver e implementar política nacional de preço e acesso diferenciado para os públicos prioritários, em relação à comunidade. 35

38 Desenvolver identidade e política de comunicação institucional nacionais para as marcas do Sistema Indústria, fortalecendo o vínculo entre as entidades, o conceito de Sistema e o foco no setor industrial (empresas, entidades, empresários, líderes, industriários e dependentes). Atuar de forma proativa em relação a governos, influenciando a formulação de políticas públicas, de modo a evitar a alocação de recursos financeiros do Sistema Indústria para além dos públicos beneficiários previstos, e a captar recursos governamentais para cumprimento de objetivos estratégicos Transparência O Sistema Indústria reconhece que há, no setor público e na sociedade, uma demanda por maior conhecimento sobre as instâncias de decisão de suas entidades. Este Plano Estratégico estabelece, portanto, objetivos e diretrizes que favorecem a transparência das ações e aperfeiçoam a divulgação aos poderes públicos e à sociedade. Objetivo Estratégico Assegurar clareza na divulgação de objetivos e na medição e comunicação de resultados, por meio de metodologia e sistema de informação únicos, que sirvam de instrumentos efetivos de gestão, marketing e transparência do Sistema Indústria. Diretrizes Estratégicas Desenvolver e implementar metodologia e sistema de informação únicos para apuração e comunicação de resultados institucionais, financeiros, de mercado e de benefícios para o público-alvo, vinculados aos objetivos estratégicos, para todas as linhas de negócio de todas as entidades do Sistema Indústria. Alinhar as entidades do Sistema Indústria, de modo a focar suas ações segundo os objetivos do Mapa Estratégico da Indústria Capital Humano A execução deste Plano Estratégico será feita com base em novas dinâmicas de trabalho e práticas iniciadas pelas entidades nos diversos estados, mas especialmente a partir do Programa de Transformação da CNI, dos Departamentos Nacionais do SESI e do SENAI e do Núcleo Central do IEL. 36

39 Tais mudanças estão sendo implementadas com o envolvimento dos colaboradores do Sistema, cujo trabalho é voltado para o bom desempenho das entidades. Sendo assim, o gerenciamento desse capital humano deve ser meritório, reconhecendo o esforço e a habilidade, e potencializando a capacitação pessoal. Objetivo Estratégico Adequar a gestão de pessoas para assegurar o desenvolvimento e a valorização de competências, com foco em resultados e na atração e retenção de talentos. Diretrizes Estratégicas Alinhar a cultura organizacional e o perfil do efetivo às exigências do novo Plano Estratégico. Definir e implementar política de recrutamento e seleção baseada em critérios objetivos relacionados à formação, capacitação e experiência. Definir e implementar plano de cargos, salários e benefícios competitivo em relação ao mercado, alinhado às necessidades de sustentabilidade dos negócios e à realidade regional. Estabelecer política de remuneração variável vinculada explicitamente ao alcance e superação de metas objetivas, alinhadas ao Plano Estratégico. Desenvolver e implementar sistema de avaliação de desempenho individual baseado em metas objetivas, alinhadas ao Plano Estratégico, com impacto direto em progressão de carreira, capacitação, desligamentos e remuneração variável. Estabelecer uma política de capacitação gerencial e técnica para todas as Entidades do Sistema Indústria, alinhada às exigências do novo Plano Estratégico Organização A nova forma de gerir o capital humano, após o Programa de Transformação organizacional da CNI, do SESI, do SENAI e do IEL, influenciou a elaboração deste Plano Estratégico. Assim, foram previstos objetivos e diretrizes que permitirão às entidades ser mais competitivas e menos vulneráveis a ameaças externas e a fraquezas que poderiam repercutir na eficiência e eficácia de suas atuações. Objetivo Estratégico Adequar o modelo organizacional e de gestão, de modo a garantir o cumprimento da Missão e o alcance da Visão 2010, com eficácia no uso de recursos. 37

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI 1.1. A PREVI, para o cumprimento adequado de sua missão administrar planos de benefícios, com gerenciamento eficaz dos recursos aportados, buscando melhores soluções para assegurar os benefícios previdenciários,

Leia mais

Acordo de Acionistas. do Grupo CPFL Energia. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. do Grupo CPFL Energia. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Política de da Investimento CPFL Energia Social S.A. do Grupo CPFL Energia Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário 1. Introdução 3 2. Objetivo 4 3. Âmbito

Leia mais

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Hospital de Clínicas de Porto Alegre Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto Machado, Presidente Endereço: Ramiro Barcelos,

Leia mais

Investimento Social no Entorno do Cenpes. Edson Cunha - Geólogo (UERJ) Msc. em Sensoriamento Remoto (INPE)

Investimento Social no Entorno do Cenpes. Edson Cunha - Geólogo (UERJ) Msc. em Sensoriamento Remoto (INPE) Investimento Social no Entorno do Cenpes Edson Cunha - Geólogo (UERJ) Msc. em Sensoriamento Remoto (INPE) MBA em Desenvolvimento Sustentável (Universidade Petrobras) Abril / 2010 PETR ROBRAS RESPONSABILIDADE

Leia mais

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade...

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade... ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS Folha 1/8 ÍNDICE 1. Objetivo...2 2. Abrangência...2 3. Definições...2 4. Diretrizes...3 5. Materialidade...7 Folha 2/8 1. Objetivos 1. Estabelecer as diretrizes que devem orientar

Leia mais

A visão empresarial da nova institucionalidade

A visão empresarial da nova institucionalidade Inovação Tecnológica e Segurança Jurídica A visão empresarial da nova institucionalidade José Ricardo Roriz Coelho Diretor Titular Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC Presidente Suzano

Leia mais

ANEXO II PROJETO DE MELHORIA DO ENSINO MÉDIO NOTURNO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

ANEXO II PROJETO DE MELHORIA DO ENSINO MÉDIO NOTURNO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Esplanada dos Ministérios, Bloco L 70047-902 Brasília DF ANEXO II PROJETO DE MELHORIA DO ENSINO MÉDIO NOTURNO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art.

Leia mais

Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013

Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013 Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013 I. OBJETO Regulamentação da Lei n o 4.791 de 02/04/2008, que dispõe sobre

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Esta Lei, denominada

Leia mais

2.2 Ambiente Macroeconômico

2.2 Ambiente Macroeconômico Por que Ambiente Macroeconômico? Fundamentos macroeconômicos sólidos reduzem incertezas sobre o futuro e geram confiança para o investidor. A estabilidade de preços é uma condição importante para processos

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE: DCEBAS - AVANÇOS E DESAFIOS PARA A GESTÃO DO SUS

A CERTIFICAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE: DCEBAS - AVANÇOS E DESAFIOS PARA A GESTÃO DO SUS MINISTÉRIO DA SAÚDE - MS SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE - SAS DEPARTAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EM SAÚDE - DCEBAS A CERTIFICAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE: DCEBAS - AVANÇOS

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: TR 007/2010-CGS - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICÁVEIS 3. Qualificação educacional: Graduação na área de CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

MANUAL Avaliação de Indicadores

MANUAL Avaliação de Indicadores MANUAL Avaliação de Indicadores Revisão do Planejamento Estratégico e desdobramentos Sumário Apresentação Etapas de revisão do Planejamento Conceitos e desafios 03 04 Revisão/avaliação de Indicadores Metodologia

Leia mais

Gestão Pública Democrática

Gestão Pública Democrática Gestão Pública Democrática Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Gestão Pública Democrática Conceito de gestão Tem origem na palavra latina gestione que se refere ao ato de gerir, gerenciar e administrar.

Leia mais

DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO

DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO Formular e implementar estratégias de gestão com participação, transparência, compromisso, responsabilidade e efetividade, potencializando a administração pública

Leia mais

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto Título do Projeto Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas práticas para alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio no Brasil. Concepção Estabelecimento

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Linhas de Financiamento para Reconstrução e Mitigação de Mudanças Climáticas Fortalecimento de estratégias e produtos financeiros

Leia mais

TENDÊNCIAS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INDÚSTRIA

TENDÊNCIAS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INDÚSTRIA TENDÊNCIAS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INDÚSTRIA No relatório Science, Technology and Industry Outlook, publicado em dezembro de 2002, a OCDE afirma que os investimentos em ciência, tecnologia e inovação

Leia mais

CAPÍTULO III DO FINANCIAMENTO

CAPÍTULO III DO FINANCIAMENTO PROJETO DE LEI Institui o Plano Estadual de Cultura da Bahia e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DAS ORGANIZAÇÕES (ASPECTO AMBIENTAL)

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DAS ORGANIZAÇÕES (ASPECTO AMBIENTAL) PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DAS ORGANIZAÇÕES (ASPECTO AMBIENTAL) EVOLUÇÃO DA ORGANIZAÇÃO ONTEM (MERCADO FECHADO E PROTEGIDO): CUSTOS + LUCRO = PREÇO DE VENDA A PROTEÇÃO AMBIENTAL é vista como um fator de

Leia mais

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2016 I - APRESENTAÇÃO

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2016 I - APRESENTAÇÃO BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2016 I - APRESENTAÇÃO A unidade BIC Amazônia está localizada na cidade de Manaus, no Estado do Amazonas, onde são produzidos canetas, lápis,

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE/UFERSA Nº 007/2010, de 19 de agosto de 2010.

RESOLUÇÃO CONSEPE/UFERSA Nº 007/2010, de 19 de agosto de 2010. CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO CONSEPE/UFERSA Nº 007/2010, de 19 de agosto de 2010. Cria o Núcleo de Educação à Distância na estrutura organizacional da Pró- Reitoria de Graduação da

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre Pró-Reitoria de Extensão - PROEX

Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre Pró-Reitoria de Extensão - PROEX ANEXO 1 FORMULÁRIO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO DE PROJETO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA DO PROJETO 1.1 Área temática (ver Anexo 1.1) 1.2 Linha de extensão (informar em qual (is) linha(s) se enquadra

Leia mais

mercado de cartões de crédito, envolvendo um histórico desde o surgimento do produto, os agentes envolvidos e a forma de operação do produto, a

mercado de cartões de crédito, envolvendo um histórico desde o surgimento do produto, os agentes envolvidos e a forma de operação do produto, a 16 1 Introdução Este trabalho visa apresentar o serviço oferecido pelas administradoras de cartões de crédito relacionado ao produto; propor um produto cartão de crédito calcado na definição, classificação

Leia mais

Secretaria de Turismo e Lazer da Cidade do Recife

Secretaria de Turismo e Lazer da Cidade do Recife Secretaria de Turismo e Lazer da Cidade do Recife Revisão do Planejamento Estratégico para o período de 2014-2017 Este relatório apresenta os resultados da revisão do Planejamento Estratégico utilizando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº. 02/2014 CUn

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº. 02/2014 CUn ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº. 02/2014 CUn PLANO DE CAPACITAÇÃO DE SERVIDORES DESTA UNIVERSIDADE 1. APRESENTAÇÃO O Plano de Cargos e Carreiras do Pessoal Técnico-Administrativo em Educação (PCCTAE) foi implantado

Leia mais

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVOS... 3 CONCEITOS...

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL O conhecimento como estratégia para o desenvolvimento Realização: INTRODUÇÃO A realidade socioeconômica, que aponta a valorização do capital humano nas

Leia mais

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada 10 Diálogos da MEI Agenda MEI de Inovação e Gilberto Peralta - GE Salvador, 04 de abril de 2016 A Economia Digital revolucionará o cotidiano das pessoas e das empresas, transformando nosso dia-a-dia Internet

Leia mais

Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola. Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID

Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola. Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID Programa 1448 Qualidade na Escola Ações Orçamentárias Número de Ações 16 0E530000 Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola Veículo adquirido Unidade de Medida: unidade UO:

Leia mais

Metodologias de PETI. Prof. Marlon Marcon

Metodologias de PETI. Prof. Marlon Marcon Metodologias de PETI Prof. Marlon Marcon PETI O PETI é composto de: Planejamento Estratégico da organização, que combina os objetivos e recursos da organização com seus mercados em processo de transformação

Leia mais

Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais FIEMG

Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais FIEMG Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais FIEMG Vídeo: A Força de quem FAZ O SISTEMA FIEMG A Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais representa as indústrias do Estado e atua na defesa

Leia mais

Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza

Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza jurídica, objetivos, área de competência e instrumentos

Leia mais

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações LEI Nº 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

AVALIAÇÃO DO FUNDO CLIMA. REUNIÃO DE PARES 29 de março de 2016

AVALIAÇÃO DO FUNDO CLIMA. REUNIÃO DE PARES 29 de março de 2016 AVALIAÇÃO DO FUNDO CLIMA REUNIÃO DE PARES 29 de março de 2016 Lei 12.114/2009 Lei 12.114/2009 Art. 5º Os recursos do FNMC serão aplicados: I - em apoio financeiro reembolsável mediante concessão de empréstimo,

Leia mais

Situação do jovem no mercado de trabalho no Brasil: um balanço dos últimos 10 anos 1

Situação do jovem no mercado de trabalho no Brasil: um balanço dos últimos 10 anos 1 Situação do jovem no mercado de trabalho no Brasil: um balanço dos últimos 1 anos 1 Marcio Pochmann 2 São Paulo fevereiro de 2.7. 1 Texto preliminar, sujeito a modificações. Situação do jovem no mercado

Leia mais

Gestão da Qualidade Total para a Sustentabilidade 2013

Gestão da Qualidade Total para a Sustentabilidade 2013 Gestão da Qualidade Total para a Sustentabilidade 2013 Há três dimensões que apoiam a construção de conhecimento aplicável para empresas e seus gestores formando a base para o desenvolvimento de ferramentas

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA A Socioambiental (PRSA) substitui a Política Corporativa pela Sustentabilidade (2011), e incorpora a contribuição das partes interessadas

Leia mais

Governança Corporativa de Empresas Familiares. Migrando do Conselho para os níveis operacionais

Governança Corporativa de Empresas Familiares. Migrando do Conselho para os níveis operacionais Governança Corporativa de Empresas Familiares Migrando do Conselho para os níveis operacionais O que é "empresa familiar"? A família detém o controle societário Empresas Familiares no Mundo Fonte: Consultoria

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Institui a Política Nacional de Capacitação dos Servidores para a Administração Pública Federal direta, autárquica

Leia mais

Governança Social e Gestão de Redes Organizacionais

Governança Social e Gestão de Redes Organizacionais Governança Social e Gestão de Redes Organizacionais Profa. Marcia Paterno Joppert Prof. Humberto Falcão Martins 2013 ROTEIRO Governança colaborativa Redes Gestão de/em redes Um roteiro e um exemplo de

Leia mais

Mobilidade Sustentável para um Brasil Competitivo. Otávio Vieira Cunha Filho Brasília, 28 de Agosto de 2013

Mobilidade Sustentável para um Brasil Competitivo. Otávio Vieira Cunha Filho Brasília, 28 de Agosto de 2013 Mobilidade Sustentável para um Brasil Competitivo Otávio Vieira Cunha Filho Brasília, 28 de Agosto de 2013 Estrutura da Apresentação 1. Contexto 1.1. Situação atual da Mobilidade Urbana; 1.2. Manifestações:

Leia mais

José Geraldo Loureiro Rodrigues

José Geraldo Loureiro Rodrigues Governança Aplicada Autodiagnóstico de Maturidade em Governança de TI José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União Analisar-se se-á os três níveis: n Governança

Leia mais

O QUE ORIENTA O PROGRAMA

O QUE ORIENTA O PROGRAMA O QUE ORIENTA O PROGRAMA A Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres estabeleceu um diálogo permanente com as mulheres brasileiras por meio de conferências nacionais que constituíram um marco na

Leia mais

A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações.

A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações. A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações. Levando em considerações os aspectos sociais, econômicos e ambientais, o Sistema Federação

Leia mais

Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO

Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO Atual DE Denominação PÚBLICOS Social DE da Draft II Participações INTERESSE S.A. Sumário Introdução 3 Objetivo da Norma 4 Conceitos básicos

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Paraguai. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Paraguai. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Paraguai Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios No Paraguai, as micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) podem ser classificadas

Leia mais

Gestão de Prestação de Serviços na Petrobras

Gestão de Prestação de Serviços na Petrobras Gestão de Prestação de Serviços na Petrobras Mariângela Santos Mundim Gerente de Planejamento e Avaliação de RH 02/12/2010 Sumário Petrobras Normatização Situação Atual ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ATUAÇÃO

Leia mais

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO OBJETIVOS DO GOVERNO: Consolidar e aprofundar os projetos e ações

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO OEI/TOR/FNDE/CGETI

Leia mais

Município Líder em Desenvolvimento Sustentável

Município Líder em Desenvolvimento Sustentável Santa Cruz do Sul Município Líder em Desenvolvimento Sustentável Santa Cruz do Sul AGENDA ESTRATÉGICA / 2008-2028 O Brasil vive um cenário de crescimento econômico e de consumo. Santa Cruz do Sul e região

Leia mais

ESTUDOS E PESQUISAS Nº 598

ESTUDOS E PESQUISAS Nº 598 ESTUDOS E PESQUISAS Nº 598 Reflexões sobre uma nova Governança da CTI diante dos Atuais Paradigmas da Inovação e Empreendedorismo de Alto Impacto: Oportunidades para a Construção de um Novo Futuro Rodrigo

Leia mais

ACSA COMERCIAL DE BENS & CONSULTORIA EMPRESARIAL

ACSA COMERCIAL DE BENS & CONSULTORIA EMPRESARIAL ACSA COMERCIAL DE BENS & CONSULTORIA EMPRESARIAL 1 2 INTRODUÇÃO A economia brasileira nos últimos anos tem desenvolvido um processo de crescimento das diversas classes econômicas. Aproveitando o momento

Leia mais

Consórcio das Universidades Federais do Sul/Sudeste de Minas Gerais. Uma proposta inovadora e estratégica para a região, o Estado e o País

Consórcio das Universidades Federais do Sul/Sudeste de Minas Gerais. Uma proposta inovadora e estratégica para a região, o Estado e o País Consórcio das Universidades Federais do Sul/Sudeste de Minas Gerais Uma proposta inovadora e estratégica para a região, o Estado e o País Consórcio O que não é: Uma Superuniversidade Uma Fusão de Universidades

Leia mais

2 PLANEJAMENTO AMBIENTAL. 2.2 Conceito de Planejamento Ambiental

2 PLANEJAMENTO AMBIENTAL. 2.2 Conceito de Planejamento Ambiental 2 PLANEJAMENTO AMBIENTAL A crescente degradação das bacias hidrográficas evidencia a necessidade de se viabilizar um planejamento ambiental que garanta efetivamente a resolução dos problemas e conflitos

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS Disciplina: Matemática Financeira 10 h/a Ementa: O valor do dinheiro no tempo. Conceitos de juros, taxas de juros, principal,

Leia mais

GLOSSÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

GLOSSÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO GLOSSÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO AÇÕES ESTRATÉGICAS Ações que objetivam, basicamente, o aproveitamento das oportunidades, e potencialidades, bem como a minimização do impacto das ameaças e fragilidades.

Leia mais

Relatório Investimento Social - 2013

Relatório Investimento Social - 2013 Relatório Investimento Social - 2013 Divisão de Promoção da Cidadania Empresarial e Projetos com a Sociedade - PCSC Departamento de Responsabilidade Social e Projetos com a Sociedade PCS Sumário Projetos

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D.4.6. Gestão, Avaliação e Revisão do PPA (20h) (Caso 2: Piloto do Monitoramento do PPA 2012-2015 - Programa Mudanças Climáticas) Professor:

Leia mais

Marli de Oliveira Macedo¹, Michele Rodrigues². Introdução

Marli de Oliveira Macedo¹, Michele Rodrigues². Introdução 99 BALANCED SCORECARD COMO FERRAMENTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Marli de Oliveira Macedo¹, Michele Rodrigues² Resumo: O planejamento estratégico é o processo administrativo que estabelece a melhor direção

Leia mais

Profa. Cleide de Freitas. Unidade II PLANO DE NEGÓCIOS

Profa. Cleide de Freitas. Unidade II PLANO DE NEGÓCIOS Profa. Cleide de Freitas Unidade II PLANO DE NEGÓCIOS O que vimos na aula anterior Ideias e Oportunidades Oportunidades x Experiência de mercado O que é um plano de negócios? Identificação e análise de

Leia mais

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI Nº 2.598 DE 21 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre o Programa Municipal de Habitação de Interesse Social PMHIS, cria o Fundo Municipal e Habitação de Interesse Social FMHIS, revoga a Lei Municipal n 2.235,

Leia mais

Recursos Humanos para Inovação

Recursos Humanos para Inovação Recursos Humanos para Inovação Resumo Executivo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Recursos Humanos para Inovação Resumo Executivo Brasília, DF Outubro, 2007 Centro

Leia mais

CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA GERÊNCIA EXECUTIVA DE RELAÇÕES COM O MERCADO GERÊNCIA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EDITAL DE CHAMAMENTO

CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA GERÊNCIA EXECUTIVA DE RELAÇÕES COM O MERCADO GERÊNCIA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EDITAL DE CHAMAMENTO CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA GERÊNCIA EXECUTIVA DE RELAÇÕES COM O MERCADO GERÊNCIA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EDITAL DE CHAMAMENTO Contratação de Empresas de Consultoria para Prestação de

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística Sustentável

Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística Sustentável Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Produção e Consumo Sustentável DPCS Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística

Leia mais

Dimensão, evolução e projeção da pobreza por região e por estado no Brasil

Dimensão, evolução e projeção da pobreza por região e por estado no Brasil Nº 58 Dimensão, evolução e projeção da pobreza por região e por estado no Brasil 13 de julho de 2010 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro Samuel Pinheiro

Leia mais

Oficina de Planejamento Municipal em Saúde: Estratégia de Gestão Participativa na construção da Programação Anual da Saúde de Crateús 2012

Oficina de Planejamento Municipal em Saúde: Estratégia de Gestão Participativa na construção da Programação Anual da Saúde de Crateús 2012 2º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE INOVAÇÃO SOBRE PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NA ELABORAÇÃO E MONITORAMENTO DAS POLÍTICAS, AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE Oficina de Planejamento Municipal em Saúde: Estratégia

Leia mais

Educação financeira no contexto escolar

Educação financeira no contexto escolar Educação financeira no contexto escolar Sueli Teixeira Mello e Caroline Stumpf Buaes Ministério da Educação do Brasil (MEC) Rio de Janeiro, 09/12/2015 Sumário 2 1. O papel institucional do Ministério da

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO. Recomendação 193. Genebra, 20 de junho de 2002. Tradução do Texto Oficial

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO. Recomendação 193. Genebra, 20 de junho de 2002. Tradução do Texto Oficial CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO Recomendação 193 Recomendação sobre a Promoção de Cooperativas adotada pela Conferência em sua 90 ª Reunião Genebra, 20 de junho de 2002 Tradução do Texto Oficial

Leia mais

PLANO DE GESTÃO CÂMPUS CAÇADOR

PLANO DE GESTÃO CÂMPUS CAÇADOR PLANO DE GESTÃO CÂMPUS CAÇADOR 2016-2019 Consolidar, Incluir e Unir com ética, transparência e responsabilidade SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 5 2 METODOLOGIA... 6 3 EQUIPE... 7 4 MAPA SITUACIONAL... 8 5 EIXOS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Assessorar tecnicamente a gestão e a implementação das atividades relacionadas com as iniciativas governamentais para

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE RIBAS DO RIO PARDO, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que o Plenário Aprovou a seguinte Lei.

O PREFEITO MUNICIPAL DE RIBAS DO RIO PARDO, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que o Plenário Aprovou a seguinte Lei. LEI MUNICIPAL Nº. 932/2010 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Habitação de Interesse Social, institui a Coordenadoria Municipal de Habitação de Interesse Social e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2009 CARACTERÍSTICAS DOS CONDOMÍNIOS INDUSTRIAIS COMO OPÇÃO DE INVESTIMENTO EM REAL ESTATE Prof. M.Eng. Rogerio Santovito em

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental - (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA).

Política de Responsabilidade Socioambiental - (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA). Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA). Versão 2.0 Fevereiro/2016 1 Histórico de Alterações Versão Data Responsável Alterações/Observações 1.0 Julho/15 2.0 Fevereiro/16 Jeniffer Caroline Rugik

Leia mais

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 1. A Norma NBR ISO 9001:2000 A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 A ISO International Organization for Standardization, entidade internacional responsável

Leia mais

CANAL MINAS SAÚDE: A COMUNICAÇÃO E A EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM MINAS GERAIS

CANAL MINAS SAÚDE: A COMUNICAÇÃO E A EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM MINAS GERAIS CANAL MINAS SAÚDE: A COMUNICAÇÃO E A EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM MINAS GERAIS Belo Horizonte, 02 de maio de 2010 BONTEMPO, Verlanda Lima Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais verlanda@fastmail.fm DALMAS,

Leia mais

REUNIÃO NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO

REUNIÃO NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO REUNIÃO NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO 15 DE AGOSTO DE 2012 NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO 15/08/12 PAUTA 1. AGENDA PLANEJAMENTO II SEMESTRE 2012 2. ESCRITÓRIO DE PROJETOS

Leia mais

Estudo sobre o efeito da Crise Econômica nos Investimentos em Tecnologia de Informação

Estudo sobre o efeito da Crise Econômica nos Investimentos em Tecnologia de Informação A Tecnologia de Informação (TI) é recurso organizacional e como tal recebe investimentos, que são afetados pela situação econômica e da própria organização. O momento atual da economia brasileira afeta

Leia mais

4. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

4. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 4. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A metrologia como insumo para a gestão da qualidade desenvolve um papel essencial no ciclo de vida de produtos. Faz-se presente em todas as fases, concepção, especificação

Leia mais

Seminário Internacional Trabalho Social em Habitação: Desafios do Direito à Cidade. Mesa 2: AGENTES PÚBLICOS, NORMATIVOS E DIREÇÃO DO TRABALHO SOCIAL

Seminário Internacional Trabalho Social em Habitação: Desafios do Direito à Cidade. Mesa 2: AGENTES PÚBLICOS, NORMATIVOS E DIREÇÃO DO TRABALHO SOCIAL Seminário Internacional Trabalho Social em Habitação: Desafios do Direito à Cidade Mesa 2: AGENTES PÚBLICOS, NORMATIVOS E DIREÇÃO DO TRABALHO SOCIAL Elzira Leão Trabalho Social/DHAB/DUAP/SNH Ministério

Leia mais

Construindo a Sustentabilidade: Lições na gestão do Programa Piloto e desafios para o futuro

Construindo a Sustentabilidade: Lições na gestão do Programa Piloto e desafios para o futuro Construindo a Sustentabilidade: Lições na gestão do Programa Piloto e desafios para o futuro Seminário Nacional: O Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil: Resultados, Lições

Leia mais

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS ADMINISTRATIVOS PCA

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS ADMINISTRATIVOS PCA PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS ADMINISTRATIVOS PCA APRESENTAÇÃO O Plano de Cargos, Carreiras e Salários Administrativos PCA da Faculdade Atenas Maranhense FAMA faz parte da política de atração e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTRATÉGICO DE TI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTRATÉGICO DE TI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTRATÉGICO DE TI Plano de Trabalho Elaboração do Plano Estratégico de Tecnologia

Leia mais

ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Programa: 0252 - CAPTAÇÃO E DIFUSÃO DE NOTÍCIAS Objetivo: Divulgar material jornalístico sobre os atos governamentais nos campos social, político, econômico, educativo,

Leia mais

PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA ESTADUAL PROAGE

PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA ESTADUAL PROAGE PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA ESTADUAL PROAGE Transformando necessidade em serviço público A Bahia se prepara para inaugurar um novo ciclo de trabalho na gestão pública estadual, com ações

Leia mais

Rede Interamericana de Fundações e Ações Empresariais para o Desenvolvimento de Base

Rede Interamericana de Fundações e Ações Empresariais para o Desenvolvimento de Base Rede Interamericana de Fundações e Ações Empresariais para o Desenvolvimento de Base O QUE É REDEAMÉRICA? É UMA REDE TEMÁTICA LIDERADA PELO SETOR EMPRESARIAL COM UMA ESTRATÉGIA HEMISFÉRICA PARA FAZER DO

Leia mais

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Ano 2014 Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene Martin Tendolo Diretora de Departamento: Silmaire

Leia mais

GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO

GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO 1.1 As disposições contidas a seguir foram extraídas de documentos e de deliberações que regulam a atuação da Fundação Banco do Brasil, cuja consulta,

Leia mais

Primeira Infância Completa

Primeira Infância Completa Primeira Infância Completa Uma abordagem integrada do Desenvolvimento Infantil Seminário Itaú de Avaliação Econômica de Projetos Sociais Printed Eduardo Pádua Outubro, 2011 Agenda 1. Educação Infantil

Leia mais

PLANOS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - PAS

PLANOS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - PAS Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL Especialização em Gestão Social de Políticas Públicas PLANOS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - PAS Janice Merigo Docente UNISUL Assistente Social FECAM social@fecam.org.br

Leia mais

Previdência Complementar no Brasil e seu Potencial de Crescimento VOCÊ

Previdência Complementar no Brasil e seu Potencial de Crescimento VOCÊ Previdência Complementar no Brasil e seu Potencial de Crescimento VOCÊ José Edson da Cunha Júnior Secretaria de Políticas de Previdência Complementar Sumário I Cenário Atual da Previdência Complementar

Leia mais

A APAE Barueri é uma organização da sociedade civil. Sem fins lucrativos, voltada à pessoa com deficiência.

A APAE Barueri é uma organização da sociedade civil. Sem fins lucrativos, voltada à pessoa com deficiência. DOAR É UM ATO DE AMOR - APAE BARUERI A APAE Barueri é uma organização da sociedade civil. Sem fins lucrativos, voltada à pessoa com deficiência. Fundada em 1996, integra uma federação de entidades similares,

Leia mais

Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício

Leia mais

Art. 3º O Prêmio será concedido às melhores propostas nas seguintes categorias:

Art. 3º O Prêmio será concedido às melhores propostas nas seguintes categorias: Art. 1º A Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina - FIESC, por meio da Diretoria de Desenvolvimento Institucional e Industrial, lança a 1ª edição do Prêmio Melhores Práticas Sindicais, que

Leia mais

Helena A Wada Watanabe 2012

Helena A Wada Watanabe 2012 Helena A Wada Watanabe 2012 Política * É uma atividade mediante a qual as pessoas fazem, preservam e corrigem as regras gerais sob as quais vivem. * É inseparável tanto do conflito como da cooperação (valores

Leia mais

SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA. 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS

SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA. 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS LEI COMPLEMENTAR N 141/2012 E O PROCESSO DE FINANCIAMENTO DO SUS Sistema

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

São Paulo, 17 de Agosto de 2012

São Paulo, 17 de Agosto de 2012 São Paulo, 17 de Agosto de 2012 Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini, no 22º Congresso da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores - Fenabrave Senhoras

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Renato Custódio da Silva

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Renato Custódio da Silva PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Ética e Cidadania Organizacional Eixo Tecnológico: Gestão e

Leia mais