TENDÊNCIAS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INDÚSTRIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TENDÊNCIAS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INDÚSTRIA"

Transcrição

1 TENDÊNCIAS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INDÚSTRIA No relatório Science, Technology and Industry Outlook, publicado em dezembro de 2002, a OCDE afirma que os investimentos em ciência, tecnologia e inovação são elementos-chave para o desempenho econômico e o bemestar social dos países e para a competitividade industrial. No contexto atual de globalização e de transição para uma economia baseada em conhecimento _ definido como pesquisa e desenvolvimento (P&D), tecnologia de comunicação e informação (TCI) e educação superior _, o fortalecimento da produção e da difusão científico-tecnológica tornou-se crucial para o crescimento sustentado das nações. A tendência de transição para uma economia baseada no conhecimento seria clara, a despeito de ter ritmo e profundidade distintos nos diferentes países. A OCDE sustenta que, na década de 90, o ritmo de expansão do investimento em conhecimento foi superior ao da formação bruta de capital fixo. Enquanto para o conjunto da OCDE, o investimento em conhecimento cresceu em média, 3,4% no período , a evolução da formação bruta de capital foi de 2,2%. O estudo da OCDE também aponta a importância crescente das indústrias baseadas em conhecimento e tecnologia no valor agregado e no emprego nos países-membros. A partir deste diagnóstico, o estudo analisa as recentes tendências em ciência, tecnologia e inovação nos diversos países da área da OCDE, ressaltando a reorientação das políticas governamentais frente às novas oportunidades de desenvolvimento industrial associadas aos avanços científicos e tecnológicos, os padrões de investimento e produção em tecnologia de comunicação e informação (TCI) e em ciência e tecnologia (C&T), as parcerias públicas-privadas nas pesquisas e as alianças estratégicas entre empresas que, devido à reestruturação industrial e à globalização, se tornaram centrais para as inovações, dentre outros aspectos. Tendências da Ciência,Tecnologia e Indústria 1

2 Taxa Média Anual de Crescimento dos Investimentos em Conhecimento e Formação Bruta de Capital Fixo ( ) em % Alemanha Austrália Canadá Dinamarca Espanha Estados Unidos França Finlândia Holanda Irlanda Itália Japão Reino Unido Suécia União Européia Total OCDE -2,2-0,2-1,1-1,2-0,6-0,4-1,2 0,4 0,8 2,2 4,0 2,6 3,0 3,5 4,3 3,9 3,0 3,8 2,6 2,6 3,6 2,2 3,1 3,4 2,2 5,9 6,2 6,2 6,8 7,6 10,2 10,7 Conhecimento FBKF Fonte: OCDE - Science, Technology and Industry Outlook, Tabela 3 do Anexo Estatístico. Elaboração Própria. Nota: As médias anuais de crescimento do Total da OCDE excluem Bélgica, Coréia do Sul, México, República Checa e Suíça. Políticas Industrial, Científica e Tecnológica: Tendências Gerais A despeito da diversidade das políticas nacionais implementadas com objetivos de atender objetivos e necessidades específicas, segundo a OCDE, é possível destacar importantes tendências gerais das políticas científica, tecnológica e de inovação adotadas, a partir de 2000, no âmbito dos países desenvolvidos: ampliação dos recursos públicos destinados para o financiamento da inovação, após uma década de restrição fiscal e estagnação do apoio governamental às atividades de P&D. Vários países estabeleceram metas de curto e longo prazo para o crescimento dos investimentos domésticos em P&D e em inovação. Estes são os casos do Canadá, Coréia do Sul, Espanha, Noruega, dentre outros. Na Coréia do Sul, por exemplo, a parcela de recursos orçamentários destinados ao financiamento de P&D, saltou de 3,6%do PIB em 1998 para 4,7% em 2002, e deverá atingir 5% do PIB em Em seu conjunto, a União Européia pretende elevar para 3% do PIB em 2010 os recursos médios investidos em P&D e inovação, os quais se situavam em 1,9% do PIB em meados de definição de setores e áreas prioritários para os investimentos públicos em C&T, além dos já tradicionais setores de saúde, defesa, ciência básica e meio-ambiente, aos quais ainda se destinam maiores parcelas dos recursos orçamentários. Alguns governos da OCDE têm estabelecido prioridades para as áreas industriais de rápido Tendências da Ciência,Tecnologia e Indústria 2

3 crescimento, tais como comunicação e informação, biotecnologia e nanotecnologia, e para os setores chamados criativos (cinema, design, música, tevê). reformulação das universidades e organizações públicas de pesquisa, com o propósito de assegurar maior flexibilidade e autonomia na aplicação de recursos financeiros e humanos, bem como transparência, governança e implementação de critérios de avaliação de desempenho. Em vários países, esta reformulação traduziuse na adoção de contratos de gestão que conferem maior autonomia e flexibilidade, mas prevêem em contrapartida mecanismos de avaliação externa, por especialistas, e definição de metas de desempenho. Em outras palavras, a alocação de recursos entre as instituições públicas (incluindo universidades e laboratórios) passou a ser efetuada com base no critério de desempenho e mérito (performance/merit-based funding criteria). estímulo aos investimentos privados em inovação e em P&D, mediante a adoção de tratamento fiscal mais favorável para as empresas inovadoras e da criação de programas governamentais de financiamento para áreas tecnológicas específicas do setor industrial, em particular àquelas de tecnologia de ponta. Em alguns países, as filiais de multinacionais tem acesso aos programas públicos de financiamento de inovações tecnológicas nas áreas prioritárias. promoção das pequenas e microempresas e das atividades empresariais dos pesquisadores, concedendo apoio à criação de pequenas empresas inovadoras de alto conteúdo tecnológico por meio de spin-off e facilitando a comercialização de pesquisa pública. Adicionalmente, vários mecanismos institucionais estão sendo implementados para financiar a constituição de novas empresas de tecnologia de ponta, mediante a concessão de recursos sem retorno (seed money). Igualmente, estão se generalizado os sistemas fiscais simplificados, com o intuito de diminuir os custos administrativos das pequenas e microempresas. criação de programas de incentivo às parcerias e cooperações entre empresas, organismos públicos de pesquisa, universidades e demais atores dos sistemas nacionais de inovação, mediante a criação de centros de excelência. Tal integração tornou-se uma prioridade para a grande maioria dos países-membros da OCDE, cujos formuladores de política industrial e tecnológica estão atentos à necessidade de promover e fortalecer clusters inovadores tanto em esfera setorial como regional. Em vários países, observa-se uma ação pró-ativa dos governos locais (municípios) bem como iniciativas explícitas de fortalecimento de sistemas regionais de inovação, mediante a concessão de subsídios. crescente colaboração internacional em pesquisa científica e tecnológica, mediante acordos bilaterais e multilaterais que se traduzem em financiamento conjunto de laboratórios de pesquisa, com o objetivo de promover avanços na capacitação em C&T e facilitar o acesso, sobretudo, das pequenas empresas às novas tecnologias. introdução de mecanismos de avaliação formal para as políticas industrial e de C&T. A avaliação periódica da efetividade dos programas governamentais é considerada um instrumento importante tanto para o acompanhamento e revisão das políticas como para reforçar o compromisso com a divulgação de informações sobre a ação do poder público. Em vários países, a implementação de sistemas formais de avaliação das políticas está ocorrendo em simultâneo com a reestruturação de Tendências da Ciência,Tecnologia e Indústria 3

4 organismos públicos, de modo a assegurar um aperfeiçoamento da formulação das políticas futuras. Em alguns casos, a responsabilidade pela formulação de políticas industrial, tecnológica e científica foi transferida de Departamentos (ou ministérios) para um Conselho diretamente vinculado ao Chefe do Executivo. Estratégias Empresariais em Pesquisas & Desenvolvimento De acordo com OCDE, há inúmeras evidências que as estratégias empresariais voltadas para a pesquisa e o desenvolvimento se alteram ao longo dos anos 90. As empresas ampliaram as atividades de P&D enquanto declinou o gasto governamental como proporção do PIB nesta área ao longo da década. Os recursos destinados pelas empresas para P&D cresceram 53% em termos reais entre 1990 e 2000, passando de 1,2% para 1,6% do PIB na região da OCDE. OCDE- Gastos com P&D por Origem dos Recursos em % do PIB 1,2 1,3 1,4 0,8 0,7 0,6 Indústria Governo Fonte: OCDE - Science, Technology and Industry Outlook, Tabela 7 do Anexo Estatístico. Elaboração Própria. Nota: Para 2001, o dado é provisório. Igualmente, houve mudança nas formas de organização e condução destas atividades. Três movimentos são observados. Em primeiro lugar, ampliou-se consideravelmente o número de alianças entre empresas e o licenciamento de patentes. Em segundo, as grandes empresas passaram a financiar pesquisas realizadas em universidades e laboratórios governamentais, como uma forma de terceirizar as atividades de P&D. E em terceiro lugar, em vários países da OCDE, a atividade de P&D não está mais confinada às grandes empresas da indústria de transformação. Nos últimos anos da década de 90, os investimentos em P&D são realizados por um amplo leque de empresas de tamanho Tendências da Ciência,Tecnologia e Indústria 4

5 variado, tanto na indústria de transformação como no setor de serviços, com o crescimento da participação das pequenas empresas nas atividades de P&D. Financiamento Empresarial de P&D por Destino dos Recursos - Participação % Entidades Indústria Educação Superior Governo País/Região Sem Fins Lucrativos Estados Unidos 98,5 98,1 98,1 0,9 1,4 1,3 0,0 0,0 0,0 0,6 0,5 0,6 Japão 96,4 95,5 95,7 0,4 0,6 0,5 0,2 0,6 0,1 3,0 3,4 3,7 União Européia 97,3 96,5 95,2 0,7 2,0 2,4 1,5 1, ,5 0,2 0,3 Total OCDE 97,4 96,7 96,4 0,8 1,4 1,7 0,6 0,6 0,8 1,2 1,2 1,1 Fonte: Extraído de OCDE - Science, Technology and Industry Outlook, 2002, p Nota: 1981 para a União Européia e Total OCDE para a União Européia e Total OCDE. Estes novos padrões sugerem a disseminação na área dos países da OCDE de um sistema de inovação mais aberto, no qual as empresas complementam as pesquisas tecnológicas realizadas internamente com aquisição de tecnologia gerada tanto no setor público como no setor privado. Igualmente, cada vez mais, as empresas estão colocando a venda novas tecnologias geradas em seus laboratórios, mas que não estão relacionadas às suas atividades principais (business core). A comercialização das inovações é uma atividade bastante lucrativa para as empresas, que reinvestem o lucro no financiamento de P&D. Em alguns casos, são criadas empresas a partir das pesquisas tecnológicas efetuadas internamente nas grandes empresas. A OCDE relaciona vários fatores que tem influenciado as estratégias empresariais em P&D, dentre os quais destacam-se: Redução do tempo de comercialização dos novos produtos e serviços, que tem forçado as empresas a acelerar o processo de inovação para permanecerem competitivas. A necessidade de introduzir rapidamente e continuamente novos produtos e serviços no mercado tem levado as empresas a adquirir componentes tecnológicos desenvolvidas por outras empresas. Ampliação considerável do conhecimento científico e tecnológico incorporado nos novos produtos e serviços de um amplo leque de indústrias (desde aeronáutica até tecnologia de informação e biotecnologia), o que inviabiliza a uma empresa individual conservar excelência em todas as áreas necessárias para a inovação. Para contornar este problema, as empresas financiam pesquisas em universidades e laboratórios públicos, além de estabelecer cooperação com empresas rivais. Rápida difusão das tecnologias de informação, a qual possibilitou a constituição de redes de comunicação no setor empresarial, viabilizando a rápida troca de informação entre afiliadas, fornecedores e clientes. Com isto, as empresas tornaramse aptas à acelerar o processo de desenvolvimento de inovações. Ampliação do número de fusões e aquisições nos países-membros, processo que tem permitido às grandes empresas se apropriar de tecnologias desenvolvidas em Tendências da Ciência,Tecnologia e Indústria 5

6 empresas menores. Na avaliação da OCDE, o expressivo aumento no número de pequenas empresas com atividade intensiva de P&D adquiridas por empresas de alta tecnologia indica que obtenção de tecnologia de ponta têm tido importância crescente nas estratégias empresarias. As empresas estão podendo escolher entre desenvolver internamente inovações ou atender suas necessidades tecnológicas mediante a compra de empresas pequenas. O processo de globalização, que implicou reestruturação global dos negócios e afetou as estratégias de inovação, dado que ampliou a interdependência das empresas ao mesmo tempo em que estimulou a especialização de regiões e empresas individuais. Neste contexto, em vários países da OCDE, novas tecnologias estão sendo desenvolvidas e introduzidas no exterior pelas filiais, antes mesmo de sua utilização no mercado doméstico da matriz. Gastos com P&D de Filiais de Empresas Estrangeiras Em % do Gasto Empresarial Total com P&D Canadá (1998) 34,2 Espanha (1999) 32,8 Estados Unidos (1998) 15,0 Finlândia (1999) 14,9 França (1998) 16,4 Hungria (1998) 78,5 Irlanda (1997) 65,6 Japão (1998) 1,7 Portugal (1999) 18,0 Reino Unido (2000) 31,3 Suécia (1998) 17,5 Turquia (1998) 10,1 Fonte: OCDE - Science, Technology and Industry Outlook, Tabela 18 do Anexo Estatístico. Elaboração Própria. Estas modificações nas estratégias empresariais nas atividades de P&D têm efeitos para a política governamental adotada para o setor de ciência, tecnologia e inovação. A despeito das mudanças em curso nos países da OCDE, o Estado conserva o papel central no financiamento da pesquisa básica e na criação de conhecimento tecnológico que as empresas absorvem para o desenvolvimento de inovação. Na medida em que o sistema empresarial de inovação se torna mais difuso, cabe aos formuladores de política efetuar as adaptações necessárias de modo a assegurar um ambiente institucional favorável à atividade inovadora, essencial para a competitividade das economias domésticas. Tendências da Ciência,Tecnologia e Indústria 6

Lei de Inovação Tecnológica

Lei de Inovação Tecnológica Inovações de Tecnologias nas Organizações Lei de Inovação Tecnológica Prof. Fabio Uchôas de Lima MBA Gestão Empresarial P&D Invenção Saber C&T Descoberta Conhecimento Um dos maiores problemas para se tratar

Leia mais

políticas institucionais macroeconômicas e setoriais, e da harmonização de legislações nas áreas que seus interesses sejam comuns e pertinentes.

políticas institucionais macroeconômicas e setoriais, e da harmonização de legislações nas áreas que seus interesses sejam comuns e pertinentes. PROGRAMA DE IDENTIFICACAO DE OPORTUNIDADES TÉCNICAS COM OS PAÍSES DO MERCOSUL NA ÁREA DE INOVAÇÃO, PROPRIEDADE INTELECTUAL E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA 1. INTRODUCAO A Argentina, o Brasil, o Paraguai

Leia mais

Prospecção de conhecimento no setor público. Lúcia Melo Presidente

Prospecção de conhecimento no setor público. Lúcia Melo Presidente Prospecção de conhecimento no setor público Lúcia Melo Presidente Abril 2006 Questões a considerar Qual a importância de estudos prospectivos para um país? Como pensar e debater o futuro? Como prospectar

Leia mais

2.2 Ambiente Macroeconômico

2.2 Ambiente Macroeconômico Por que Ambiente Macroeconômico? Fundamentos macroeconômicos sólidos reduzem incertezas sobre o futuro e geram confiança para o investidor. A estabilidade de preços é uma condição importante para processos

Leia mais

Países Selecionados Novos Planos ou Planos Revistos para C, T&I em Economias da OCDE e em Países Não-Membros, 2010

Países Selecionados Novos Planos ou Planos Revistos para C, T&I em Economias da OCDE e em Países Não-Membros, 2010 Países Selecionados Novos Planos ou Planos Revistos para C, T&I em Economias da OCDE e em Países Não-Membros, 2010 Países da OCDE Alemanha Estratégia de Alta Tecnologia 2020 Austrália Áustria Bélgica Fortalecendo

Leia mais

A visão empresarial da nova institucionalidade

A visão empresarial da nova institucionalidade Inovação Tecnológica e Segurança Jurídica A visão empresarial da nova institucionalidade José Ricardo Roriz Coelho Diretor Titular Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC Presidente Suzano

Leia mais

ABINEE TEC 2011 3º ENITEE Encontro Nacional de Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica Fomento à Inovação Subvenção, Apoio

ABINEE TEC 2011 3º ENITEE Encontro Nacional de Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica Fomento à Inovação Subvenção, Apoio ABINEE TEC 2011 3º ENITEE Encontro Nacional de Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica Fomento à Inovação Subvenção, Apoio Tecnológico Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira

Leia mais

APROVA AS LINHAS FUNDAMENTAIS PARA A ELABORAÇÂO E EXECUÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE SIMPLIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA E DESBUROCRATIZAÇÃO SIMPLEX II

APROVA AS LINHAS FUNDAMENTAIS PARA A ELABORAÇÂO E EXECUÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE SIMPLIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA E DESBUROCRATIZAÇÃO SIMPLEX II PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 957/XII APROVA AS LINHAS FUNDAMENTAIS PARA A ELABORAÇÂO E EXECUÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE SIMPLIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA E DESBUROCRATIZAÇÃO SIMPLEX II 1-Têm vindo a ser aprovadas

Leia mais

Situação do jovem no mercado de trabalho no Brasil: um balanço dos últimos 10 anos 1

Situação do jovem no mercado de trabalho no Brasil: um balanço dos últimos 10 anos 1 Situação do jovem no mercado de trabalho no Brasil: um balanço dos últimos 1 anos 1 Marcio Pochmann 2 São Paulo fevereiro de 2.7. 1 Texto preliminar, sujeito a modificações. Situação do jovem no mercado

Leia mais

INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA

INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA 31 de outubro de 2016 INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA Paulo Mól Superintendente do IEL A economia brasileira está perdendo competitividade ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2016/17

Leia mais

Incentivos ao Investimento em Start-ups Análise Internacional. Rodrigo Menezes

Incentivos ao Investimento em Start-ups Análise Internacional. Rodrigo Menezes Incentivos ao Investimento em Start-ups Análise Internacional Rodrigo Menezes 2014 Experiência Internacional - Descrição dos principais programas de estímulos ao investimento em PMEs inovadoras pelo capital

Leia mais

Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação em São Paulo

Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação em São Paulo Junho 211 Boletim nº 2 Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação em São Paulo Dispêndio em P&D no Estado de São Paulo atingiu, em 21, o maior valor real dos últimos anos O valor chegou a quase R$ 2

Leia mais

Manpower Employment Outlook Survey Portugal

Manpower Employment Outlook Survey Portugal Manpower Employment Outlook Survey Portugal 3T 2016 Manpower Employment Outlook Survey Portugal O Manpower Employment Outlook Survey para o terceiro trimestre de 2016 foi realizado com base num inquérito

Leia mais

Indicadores Macro para o Brasil na área de Ciência e Tecnologia

Indicadores Macro para o Brasil na área de Ciência e Tecnologia Instituto Nacional da Propriedade Industrial - INPI Academia da Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimentos ACAD Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Inovação Indicadores Macro para

Leia mais

Fórum Empresarial de Apoio à Cidade de São Paulo. Propostas para 2011

Fórum Empresarial de Apoio à Cidade de São Paulo. Propostas para 2011 Fórum Empresarial de Apoio à Cidade de São Paulo Propostas para 2011 Justificativa A cidade de São Paulo representa um enorme desafio para todos que se empenham pelo desenvolvimento sustentável e justo

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI 1.1. A PREVI, para o cumprimento adequado de sua missão administrar planos de benefícios, com gerenciamento eficaz dos recursos aportados, buscando melhores soluções para assegurar os benefícios previdenciários,

Leia mais

DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002

DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002 DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002 Nos nove primeiros meses de 2002, a economia brasileira cresceu 0,9% em relação ao mesmo período de. No terceiro trimestre de 2002, o aumento foi

Leia mais

OECD Science, Technology and Industry: Scoreboard Ciência, Tecnologia e Indústria na OCDE: Quadro Sumário Executivo

OECD Science, Technology and Industry: Scoreboard Ciência, Tecnologia e Indústria na OCDE: Quadro Sumário Executivo OECD Science, Technology and Industry: Scoreboard 2005 Summary in Portuguese Ciência, Tecnologia e Indústria na OCDE: Quadro 2005 Sumário em Português Sumário Executivo Continua havendo uma tendência a

Leia mais

Descentralização orçamental: questões de autonomia e responsabilização. Linda Gonçalves Veiga Universidade do Minho EEG / NIPE

Descentralização orçamental: questões de autonomia e responsabilização. Linda Gonçalves Veiga Universidade do Minho EEG / NIPE Descentralização orçamental: questões de autonomia e responsabilização Linda Gonçalves Veiga Universidade do Minho EEG / NIPE 1 Estrutura da apresentação Motivação Racionalidade económica da descentralização

Leia mais

A IntegraçãoProdutivadaAméricaLatina e Caribe: Oportunidades para o Setor de Software e Serviços de TI

A IntegraçãoProdutivadaAméricaLatina e Caribe: Oportunidades para o Setor de Software e Serviços de TI A IntegraçãoProdutivadaAméricaLatina e Caribe: Oportunidades para o Setor de Software e Serviços de TI I Seminário Internacional sobre Software e Serviços de TI: Políticas Públicas e Estratégias Empresariais

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto percapita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 80 % da média da União Europeia em 2010.

Em Portugal o Produto Interno Bruto percapita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 80 % da média da União Europeia em 2010. Paridades de Poder de Compra 2010 13 de dezembro de 2011 Em Portugal o Produto Interno Bruto percapita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 80 % da média da União Europeia em 2010. O INE

Leia mais

Projeto de Pesquisa: Importância Sócio-Econômica da Cadeia de Serviços de Saneamento Básico no Estado de São Paulo

Projeto de Pesquisa: Importância Sócio-Econômica da Cadeia de Serviços de Saneamento Básico no Estado de São Paulo Projeto de Pesquisa: Importância Sócio-Econômica da Cadeia de Serviços de Saneamento Básico no Estado de São Paulo Sabesp NEIT (IE/UNICAMP) SABESP, São Paulo, 15 de Fevereiro de 2008 Estrutura da Pesquisa

Leia mais

POLÍTICA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL

POLÍTICA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL ANEXO À PD.CA/BAK-26/2005 Aprovada pelo Conselho de Administração da Braskem S.A. em 4 de Outubro de 2005 PD.CA/BAK-26/2005 1. Objetivo ANEXO Reafirmar o compromisso da Braskem com o desenvolvimento sustentável,

Leia mais

POLITICADERESPONSABILIDADESOCIALDATHYSSENKRUPPELEVADORESBRASIL

POLITICADERESPONSABILIDADESOCIALDATHYSSENKRUPPELEVADORESBRASIL POLITICADERESPONSABILIDADESOCIALDATHYSSENKRUPPELEVADORESBRASIL 1. PoliticadoGrupoThyssenKrupp Esta política trata-se de um complemento à Politica «Group Policy on Corporate Citizenship Activities,MembershipsandTicketsPurchases(últimamodificaçãoJaneiro2013)».

Leia mais

O PROGRAMA LEONARDO DA VINCI

O PROGRAMA LEONARDO DA VINCI O PROGRAMA LEONARDO DA VINCI Albino Oliveira O que é o Programa Leonardo da Vinci? É um Programa Comunitário de Acção em Matéria de Formação Profissional que agora se encontra na sua segunda fase (01 de

Leia mais

A RELAÇÃO MÉDICO X SUS

A RELAÇÃO MÉDICO X SUS A RELAÇÃO MÉDICO X SUS Condições de trabalho Remuneração Direitos e deveres Dr. Angelo Mário Sarti Alta Mogiana / 2013 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em 1998,elaboração de Manual: SAÚDE & CIDADANIA - 12 volumes,

Leia mais

Efeitos financeiros do Simples

Efeitos financeiros do Simples Efeitos financeiros do Simples Limites de sua utilização frente ao ordenamento jurídico PAULO AYRES BARRETO Simples e Efeitos Financeiros Arrecadação Custo de Conformidade Constituição Federal Lei Complementar

Leia mais

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS 29 de março 217 198 9+ 8 8 7 7 6 6 4 4 3 3 2 2 2.. 1.. 1.... 1.. 1.. 2.. + 6 anos Fonte: IBGE (Projeção da População,

Leia mais

Gestão da Inovação. Os processos de Gestão da Inovação praticados pelas organizações não evoluíram com os ambientes dinâmicos de negócios.

Gestão da Inovação. Os processos de Gestão da Inovação praticados pelas organizações não evoluíram com os ambientes dinâmicos de negócios. Gestão da Inovação Gestão da Inovação Os processos de Gestão da Inovação praticados pelas organizações não evoluíram com os ambientes dinâmicos de negócios. Não existem evidências confirmando a melhor

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE NORMALIZAÇÃO NA GESTÃO DA P&D&I

EXPERIÊNCIAS DE NORMALIZAÇÃO NA GESTÃO DA P&D&I XIII REPICT EXPERIÊNCIAS DE NORMALIZAÇÃO NA GESTÃO DA P&D&I Júlio C. Felix Gerente INTEC/TECPAR Coordenador ABNT CEE 130 02 de setembro de 2010 REPUTAÇÃO CORPORATIVA Sustentabilidade (Sistemas de Gestão

Leia mais

O RESULTADO DOS INVESTIMENTOS EM INOVAÇÃO NO BRASIL

O RESULTADO DOS INVESTIMENTOS EM INOVAÇÃO NO BRASIL O RESULTADO DOS INVESTIMENTOS EM INOVAÇÃO NO BRASIL Alvaro T. Prata Secretário Nacional de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação MCTIC Governo Federal Inovação e Negócios Tecnológicos Fórum ABINEE TEC

Leia mais

Painel: Redes de inovação e inovação colaborativa no cenário brasileiro

Painel: Redes de inovação e inovação colaborativa no cenário brasileiro Painel: Redes de inovação e inovação colaborativa no cenário brasileiro São Paulo 23_11_2011 INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA ESTRATÉGIA COMPETITIVA missão A missão da Anpei é: Estimular a Inovação Tecnológica

Leia mais

Reforma da Previdência

Reforma da Previdência Reforma da Previdência Henrique Meirelles Ministro da Abril, 2017. Evolução do Gasto Primário do Governo Central 2 Gasto Primário do Governo Central (% PIB) 20% 19,3% 19,7% 18% 16% 14,8% 15,9% 16,8% 17,0%

Leia mais

Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global

Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global de janeiro de 1 Por Min Zhu Em nossa Reunião Anual de outubro de 13, travamos um longo debate sobre as perspectivas

Leia mais

Dimensão, evolução e projeção da pobreza por região e por estado no Brasil

Dimensão, evolução e projeção da pobreza por região e por estado no Brasil Nº 58 Dimensão, evolução e projeção da pobreza por região e por estado no Brasil 13 de julho de 2010 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro Samuel Pinheiro

Leia mais

Revisão Anual de Preços

Revisão Anual de Preços Revisão Anual de Preços Impacto 2012 2013 2014 GABINETE DE INFORMAÇÃO E PLANEAMENTO ESTRATÉGICO 2015 Revisão Anual de Preços Impacto 2012, 2013 e 2014 Relatório final Autores: Ana Correia Cláudia Santos

Leia mais

O que aconteceu com o preço dos investimentos no Brasil

O que aconteceu com o preço dos investimentos no Brasil 14 mar 07 Nº 25 O que aconteceu com o preço dos investimentos no Brasil Por Fernando Pimentel Puga e Marcelo Machado Nascimento Assessores da presidência Brasil cresceu pouco, com baixo investimento A

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação para o. Desenvolvimento Nacional

Ciência, Tecnologia e Inovação para o. Desenvolvimento Nacional Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Guilherme Henrique Pereira Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Ministério da Ciência e Tecnologia Premissas básicas b para

Leia mais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Paulo Lobo Viana do Castelo - 11 de fevereiro 1 Segmentos de Atividade da Construção e Imobiliário VAB Volume de Negócios

Leia mais

CAPÍTULO III DO FINANCIAMENTO

CAPÍTULO III DO FINANCIAMENTO PROJETO DE LEI Institui o Plano Estadual de Cultura da Bahia e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO

Leia mais

Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional

Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional 1 Uma porta aberta para a Europa Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional Albino Oliveira Serviço de Relações Internacionais da Universidade do Porto 2 1 Cinco tipos de Acção Mobilidade

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Irlanda. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Irlanda. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Irlanda Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios A Irlanda segue a definição padrão da União Europeia (UE) de uma Pequena e Média

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB) Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2008 Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB) Eloi Martins Senhoras Available at:

Leia mais

Marcos Regulatórios. Audiência Pública. Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal

Marcos Regulatórios. Audiência Pública. Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Audiência Pública Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Subcomissão Temporária da Regulamentação dos Marcos Regulatórios Marcos Regulatórios Claudio J. D. Sales Diretor Presidente Instituto

Leia mais

Planejamento Estratégico de Uma Pequena Empresa do Ramo de Panificação

Planejamento Estratégico de Uma Pequena Empresa do Ramo de Panificação Planejamento Estratégico de Uma Pequena Empresa do Ramo de Panificação Bruno da Costa Feitosa bcfeitosa@gmail.com Resumo Este documento apresenta o planejamento estratégico de uma pequena empresa do ramo

Leia mais

Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013

Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013 Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013 I. OBJETO Regulamentação da Lei n o 4.791 de 02/04/2008, que dispõe sobre

Leia mais

Desafios do Comitê Temático. Massa crítica de associadas para alavancar ações Pessoas com tempo dedicado ao tema (hands on) Perspectiva futura

Desafios do Comitê Temático. Massa crítica de associadas para alavancar ações Pessoas com tempo dedicado ao tema (hands on) Perspectiva futura Desafios do Comitê Temático Massa crítica de associadas para alavancar ações Pessoas com tempo dedicado ao tema (hands on) Perspectiva futura Continuidade dos trabalhos de 2007 Introdução Foram discutidas

Leia mais

Tendências Mundiais no Apoio à C,T&I e o Papel da Finep

Tendências Mundiais no Apoio à C,T&I e o Papel da Finep Tendências Mundiais no Apoio à C,T&I e o Papel da Finep Conselho Superior de Inovação e Competitividade 11/08/2017 Principais Tendências Mundiais Saúde, desigualdade e bem-estar Demografia Recursos Naturais

Leia mais

Inovação como prioridade estratégica do BNDES

Inovação como prioridade estratégica do BNDES Inovação como prioridade estratégica do BNDES Helena Tenorio Veiga de Almeida APIMECRIO 20/04/2012 Histórico do apoio à inovação no BNDES 2 Histórico do apoio à inovação no BNDES 1950 Infraestrutura Econômica

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA INDÚSTRIA E DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO BRASIL: QUAL DEVE SER A ESTRATÉGIA DO GOVERNO PARA ?

PROJETO DE PESQUISA INDÚSTRIA E DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO BRASIL: QUAL DEVE SER A ESTRATÉGIA DO GOVERNO PARA ? PROJETO DE PESQUISA INDÚSTRIA E DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO BRASIL: QUAL DEVE SER A ESTRATÉGIA DO GOVERNO PARA 2015-18? Introdução A indústria é um setor vital para o desenvolvimento do Brasil. Mesmo

Leia mais

Conselho Superior de Tecnologia e Competitividade FIESP. SP 8 out 2010

Conselho Superior de Tecnologia e Competitividade FIESP. SP 8 out 2010 Conselho Superior de Tecnologia e Competitividade FIESP SP 8 out 2010 Fortalecimento da Inovação Tecnológica no Brasil ANPEI é uma Associação de direito privado sem fins lucrativos, com sede em São Paulo.

Leia mais

Transferência de Tecnologia na Fiocruz: Fatores de risco e de sucesso

Transferência de Tecnologia na Fiocruz: Fatores de risco e de sucesso Transferência de Tecnologia na Fiocruz: Fatores de risco e de sucesso Mesa Redonda: Transferência de Tecnologia: fatores de risco e de sucesso. 4º ENIFARMED - Encontro Nacional de Inovação em Fármacos

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Inovação. Nelson Akio Fujimoto Secretário de Inovação

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Inovação. Nelson Akio Fujimoto Secretário de Inovação Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Inovação Nelson Akio Fujimoto Secretário de Inovação Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer.

Leia mais

Cidades Analíticas. das Cidades Inteligentes em Portugal

Cidades Analíticas. das Cidades Inteligentes em Portugal Cidades Analíticas Acelerar o desenvolvimento das Cidades Inteligentes em Portugal Programa Operacional Regional Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO

Leia mais

Internacionalização de empresas brasileiras: em busca da competitividade

Internacionalização de empresas brasileiras: em busca da competitividade internacionalização de empresas brasileiras Internacionalização de empresas brasileiras: em busca da competitividade Luis Afonso Lima Pedro Augusto Godeguez da Silva Não é novidade que há anos existe uma

Leia mais

25/27 de jun A) O indicador de vida melhor índice para medir qualidade de vida e bem

25/27 de jun A) O indicador de vida melhor índice para medir qualidade de vida e bem Informação sobre reunião de Roma, do Parlamento italiano e a OCDE. Tema geral da Conferência: Reformas para o Crescimento 25/27 de jun. 2015. A deslocação insere-se no âmbito da actividade da OCDE em colaboração

Leia mais

Avanço do Marco Institucional da Inovação no Brasil

Avanço do Marco Institucional da Inovação no Brasil Avanço do Marco Institucional da Inovação no Brasil Pedro Wongtschowski Grupo Ultra 2ª Reunião do Comitê de Líderes 2015 31 de julho anos Tempo necessário para atingirmos 2% do investimento em P&D em relação

Leia mais

REALIZAR MAIS Sustentabilidade

REALIZAR MAIS Sustentabilidade REALIZAR MAIS Sustentabilidade Grupo Banco Espírito Santo Índice Cultura de cidadania empresarial no modelo de : uma visão integrada para a sustentabilidade ADN Realizar Mais: pioneirismo e profundidade

Leia mais

Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola. Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID

Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola. Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID Programa 1448 Qualidade na Escola Ações Orçamentárias Número de Ações 16 0E530000 Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola Veículo adquirido Unidade de Medida: unidade UO:

Leia mais

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional 1 Um diagnóstico da educação pública no Brasil 2 Um diagnóstico da educação pública no Brasil Avanços inquestionáveis: 1. Ampliação da oferta de

Leia mais

2.1 Descrição. Objetivos:

2.1 Descrição. Objetivos: Item a) Relações com a Europa. Comércio e investimentos. Extensão máxima. Quatro laudas. Introdução: A liderança econômica global da Europa é notável: são europeias cinco das 10 maiores economias do mundo;

Leia mais

Administração de recursos de terceiros no Brasil e no mundo: evolução e perspectivas

Administração de recursos de terceiros no Brasil e no mundo: evolução e perspectivas Robert John van Dijk Diretor Superintendente Administração de recursos de terceiros no Brasil e no mundo: evolução e perspectivas Agosto de 2008 Agenda - Administração de recursos de terceiros: no Brasil

Leia mais

O IRC como Instrumento de Competitividade Reforma num contexto de crise

O IRC como Instrumento de Competitividade Reforma num contexto de crise O IRC como Instrumento de Competitividade Reforma num contexto de crise 3 de Outubro de 2013 Paulo Gaspar Tópicos Enquadramento O exemplo de outros Estados-membros Concretizar Um sistema fiscal competitivo

Leia mais

Reformas nos Regimes de Previdência de Servidores Públicos Civis na OCDE e PEC 287 no Brasil

Reformas nos Regimes de Previdência de Servidores Públicos Civis na OCDE e PEC 287 no Brasil 21 Reformas nos Regimes de Previdência de Servidores Públicos Civis na OCDE e PEC 287 no Brasil Rogério Nagamine Costanzi (*) Há vários países onde existem regimes de previdência específicos para servidores

Leia mais

Jorge Gerdau Johannpeter Brasília, 09/12/2009

Jorge Gerdau Johannpeter Brasília, 09/12/2009 A Indústria do Aço no Brasil Jorge Gerdau Johannpeter Brasília, 09/12/2009 Perfil do Parque Produtor de Aço no Brasil 2008 Parque produtor de aço: 26 usinas (12 integradas e 14 mini-mills), administradas

Leia mais

Evolução dos investimentos sociais: 2007 a 2016

Evolução dos investimentos sociais: 2007 a 2016 1 2 3 4 Evolução dos investimentos sociais: 2007 a 2016 5 Evolução dos investimentos sociais: 2007 a 2016 Média anual dos investimentos sociais 2007 a 2011: R$ 2,3 bilhões 6 2012 a 2016: R$ 2,8 bilhões

Leia mais

EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA NO BRASIL

EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA NO BRASIL CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL AUDIÊNCIA PÚBLICA EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA NO BRASIL JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Brasília, 02 de julho de 2014 2 DEFINIÇÃO

Leia mais

Implementação de uma estratégia de inovação aberta nos centros de PD&I das multinacionais no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Implementação de uma estratégia de inovação aberta nos centros de PD&I das multinacionais no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Implementação de uma estratégia de inovação aberta nos centros de PD&I das multinacionais no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS. As Chefes e os Chefes de Estado e de Governo das Américas nos comprometemos a:

MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS. As Chefes e os Chefes de Estado e de Governo das Américas nos comprometemos a: SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS OEA/Ser.E 14 a 15 de abril de 2012 CA-VI/doc.6/12 Rev.2 Cartagena das Índias, Colômbia 23 maio 2012 Original: espanhol MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS As Chefes

Leia mais

Compras Públicas como Investimento Social

Compras Públicas como Investimento Social Compras Públicas como Investimento Social a) Importância das MPES para a Economia Brasileira Micro e pequenas empresas (MPEs) representam 99% das empresas formalizadas no Brasil, 52% dos empregos formais

Leia mais

ANEXO E: Análise de Risco e Providências Pertinentes - Conferência inicial

ANEXO E: Análise de Risco e Providências Pertinentes - Conferência inicial ANEXO E: Análise de Risco e Providências Pertinentes - Conferência inicial Credenciais dos patrocinadores Análise de risco do país Credibilidade do estudo de viabilidade e plano de negócios (incluindo

Leia mais

Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado

Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado Junho de 2010 Wilson R. Levorato Diretor Geral Brasil e a crise internacional: porque nos saímos tão bem? Onde estamos? Cenário

Leia mais

Reforma da Previdência: Análise da PEC Reforma da Previdência PEC 287/2016. Brasília, 21 de fevereiro de 2017

Reforma da Previdência: Análise da PEC Reforma da Previdência PEC 287/2016. Brasília, 21 de fevereiro de 2017 Reforma da Previdência: Análise da PEC Reforma da Previdência PEC 287/2016 Brasília, 21 de fevereiro de 2017 Necessidade da Reforma Forte crescimento da despesa previdenciária mesmo na fase do bônus demográfico

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Área de Insumos Básicos Seminário sobre Petróleo e Gás APIMEC RIO Agosto/2012 BNDES Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral

Leia mais

Mobilização Empresarial pela Inovação Internacionalização e Inovação. Frederico Curado / Embraer SP - 17 junho 2011

Mobilização Empresarial pela Inovação Internacionalização e Inovação. Frederico Curado / Embraer SP - 17 junho 2011 Mobilização Empresarial pela Inovação Internacionalização e Inovação Frederico Curado / Embraer SP - 17 junho 2011 OBJETIVOS Consolidar o entendimento de que a internacionalização das empresas brasileiras,

Leia mais

11. Ciclo de Gestão do Governo Federal

11. Ciclo de Gestão do Governo Federal Marco Legal: Constituição de 1988 11. Ciclo de Gestão do Governo Federal Instrumentos: Planejamento Orçamento Finanças Controle LDO PPA LOA Elementos Normativos: Plano Plurianual - PPA, Lei de Diretrizes

Leia mais

Programa de Desenvolvimento de Lideranças do Sistema Sebrae. Pio Cortizo Unidade de Gestão Estratégica Sebrae Nacional Milão, 15 de julho de 2013

Programa de Desenvolvimento de Lideranças do Sistema Sebrae. Pio Cortizo Unidade de Gestão Estratégica Sebrae Nacional Milão, 15 de julho de 2013 Programa de Desenvolvimento de Lideranças do Sistema Sebrae SEBRAE 2022 Pio Cortizo Unidade de Gestão Estratégica Sebrae Nacional Milão, 15 de julho de 2013 Programa de Desenvolvimento de Lideranças do

Leia mais

Caro Paulo Lopes Lourenço, Consul Geral de Portugal em São Paulo. Estimado Rui Moreira, presidente da Câmara Municipal do Porto

Caro Paulo Lopes Lourenço, Consul Geral de Portugal em São Paulo. Estimado Rui Moreira, presidente da Câmara Municipal do Porto Caro Paulo Lopes Lourenço, Consul Geral de Portugal em São Paulo Estimado Rui Moreira, presidente da Câmara Municipal do Porto Caros empresários e empreendedores aqui presentes, Minhas senhoras e meus

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA TERCEIRIZAÇÃO PARA A INDÚSTRIA QUÍMICA

A IMPORTÂNCIA DA TERCEIRIZAÇÃO PARA A INDÚSTRIA QUÍMICA A IMPORTÂNCIA DA TERCEIRIZAÇÃO PARA A INDÚSTRIA QUÍMICA A IMPORTÂNCIA DA INDÚSTRIA QUÍMICA PARA O BRASIL A indústria química é um dos mais importantes e dinâmicos setores da economia brasileira, representando

Leia mais

RECOMENDA AO GOVERNO A ADOÇÃO DE MEDIDAS QUE PROMOVAM A CAPITALIZAÇÃO DAS EMPRESAS E A DIVERSIFICAÇÃO DAS SUAS FONTES DE FINANCIAMENTO

RECOMENDA AO GOVERNO A ADOÇÃO DE MEDIDAS QUE PROMOVAM A CAPITALIZAÇÃO DAS EMPRESAS E A DIVERSIFICAÇÃO DAS SUAS FONTES DE FINANCIAMENTO PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º /XIII/1.ª RECOMENDA AO GOVERNO A ADOÇÃO DE MEDIDAS QUE PROMOVAM A CAPITALIZAÇÃO DAS EMPRESAS E A DIVERSIFICAÇÃO DAS SUAS FONTES DE FINANCIAMENTO O elevado grau de endividamento

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

CORPORATE GOVERNANCE NO ESPAÇO LUSÓFONO. Normas, práticas e sustentabilidade no contexto global

CORPORATE GOVERNANCE NO ESPAÇO LUSÓFONO. Normas, práticas e sustentabilidade no contexto global CORPORATE GOVERNANCE NO ESPAÇO LUSÓFONO Normas, práticas e sustentabilidade no contexto global AGENDA Corporate governance no mundo A influência dos sistemas legais Sustentabilidade e corporate governance

Leia mais

III SINGEP II S2IS UNINOVE

III SINGEP II S2IS UNINOVE III SINGEP II S2IS UNINOVE Painel Temático: Tendências em Inovação e Projetos Maria Celeste Reis Lobo de Vasconcelos celestevasconcelos@fpl.edu.br Contexto A inovação é uma grande força para o progresso

Leia mais

Duarte Rodrigues. Sintra, 21 de Setembro 2009

Duarte Rodrigues. Sintra, 21 de Setembro 2009 Duarte Rodrigues Coordenador adjunto do Observatório do QREN Sintra, 21 de Setembro 2009 O desafio da cooperação institucional As respostas Clusterização (EEC) Os factores críticos de sucesso Parcerias

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP) UMA FORMA ALTERNATIVA DE PENSAR A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM ANGOLA

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP) UMA FORMA ALTERNATIVA DE PENSAR A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM ANGOLA PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP) UMA FORMA ALTERNATIVA DE PENSAR A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM ANGOLA ÍNDICE CONTEXTO ACTUAL A NOVA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA O QUE SÃO PPP? MODELOS DE CONTRATAÇÃO PÚBLICA QUAIS

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Paraguai. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Paraguai. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Paraguai Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios No Paraguai, as micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) podem ser classificadas

Leia mais

ORGANISMOS MULTILATERAIS TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR SISTEMA BRETTON WOODS

ORGANISMOS MULTILATERAIS TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR SISTEMA BRETTON WOODS ORGANISMOS MULTILATERAIS TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR SISTEMA BRETTON WOODS - Atuação segundo orientações estratégicas - Adotar normas comuns de comportamento político, social, etc. Planejar e concretizar

Leia mais

FERRAMENTAS DE ANALISE FINANCEIRA & COMO ESTRUTURAR UM PLANO DE NEGÓCIOS

FERRAMENTAS DE ANALISE FINANCEIRA & COMO ESTRUTURAR UM PLANO DE NEGÓCIOS MODULO V e VI FERRAMENTAS DE ANALISE FINANCEIRA & COMO ESTRUTURAR UM PLANO DE NEGÓCIOS CURSO INTENSIVO EM EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO EMPRESARIAL António Gaspar / antonio.gaspar@spgm.pt Rui Ferreira /

Leia mais

Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza

Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza jurídica, objetivos, área de competência e instrumentos

Leia mais

The Industry-based view

The Industry-based view V Simpósio Internacional de Administração e Marketing VII Congresso de Administração da ESPM MULTINACIONAIS EMERGENTES SOB MÚLTIPLAS LENTES: The Industry-based view Prof. Gilmar Masiero gilmarmasiero@gmail.com

Leia mais

Inovação Setorial Pedro Passos & Adilson Primo

Inovação Setorial Pedro Passos & Adilson Primo Inovação Setorial Pedro Passos & Adilson Primo Introdução Esta apresentação tem como objetivo iniciar, no âmbito da MEI, uma série de discussões acerca da possibilidade de obtermos maiores avanços na agenda

Leia mais

FINANCIAMENTO DA SAÚDE

FINANCIAMENTO DA SAÚDE FINANCIAMENTO DA SAÚDE Garantir a universalidade e integralidade diante de um cenário de restrições orçamentárias e financeiras e alocar recursos de forma equânime num país de tantas desigualdades sociais

Leia mais

A ECONOMIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2003 CRESCIMENTO MODESTO PUXADO PELA INDÚSTRIA

A ECONOMIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2003 CRESCIMENTO MODESTO PUXADO PELA INDÚSTRIA A ECONOMIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 23 CRESCIMENTO MODESTO PUXADO PELA INDÚSTRIA O PIB brasileiro registrou crescimento de,4% no terceiro trimestre de 23, na comparação com o trimestre anterior (ajustado

Leia mais

O contexto macroeconómico e a economia do mar

O contexto macroeconómico e a economia do mar O contexto macroeconómico e a economia do mar João Cadete de Matos Diretor Departamento de Estatística 3 abril 2014 MAREECOFIN PwC Economia e Finanças do Mar Reunião de Primavera Iniciativas de difusão

Leia mais

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto Título do Projeto Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas práticas para alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio no Brasil. Concepção Estabelecimento

Leia mais

IGF: ENTRE JUSTIÇA E EFICIÊNCIA. CHARLES WILLIAM McNAUGHTON

IGF: ENTRE JUSTIÇA E EFICIÊNCIA. CHARLES WILLIAM McNAUGHTON IGF: ENTRE JUSTIÇA E EFICIÊNCIA CHARLES WILLIAM McNAUGHTON IGF E PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS PRINCÍPIO DA ISONOMIA X PRINCÍPIO DA EFICIÊNCIA IGUALDADE Justiça Social Art. 3º Constituem objetivos fundamentais

Leia mais

SISTEMA DE FOMENTO E INCENTIVO À CULTURA Visão Geral, Evolução e Perspectivas no Brasil

SISTEMA DE FOMENTO E INCENTIVO À CULTURA Visão Geral, Evolução e Perspectivas no Brasil SISTEMA DE FOMENTO E INCENTIVO À CULTURA Visão Geral, Evolução e Perspectivas no Brasil Buenos Aires Argentina 13 de Agosto de 2004 Leis de Incentivo no Brasil 1. Leis Nacionais 1. Lei Rouanet (8313/91)

Leia mais

Agenda de Políticas para Inovação. São Paulo, 10 de maio de 2013

Agenda de Políticas para Inovação. São Paulo, 10 de maio de 2013 Agenda de Políticas para Inovação São Paulo, 10 de maio de 2013 Inovação e Sustentabilidade: A Agenda da Química Verde Carlos Fadigas - Braskem Innovation is...essential to create new products, processes,

Leia mais

O financiamento das empresas inovadoras: alternativas para discussão

O financiamento das empresas inovadoras: alternativas para discussão O financiamento das empresas inovadoras: alternativas para discussão Luiz Martins de Melo * RESUMO - O investimento em inovação depende de condições institucionais mais amplas do que aquelas relacionadas

Leia mais