Implementação de Algoritmo em PHP para Detecção de Faces em Imagens Estáticas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Implementação de Algoritmo em PHP para Detecção de Faces em Imagens Estáticas"

Transcrição

1 Implementação de Algoritmo em PHP para Detecção de Faces em Imagens Estáticas Helmiton Filho, Mikaelle Oliveira, Carlos Danilo Miranda Regis Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campina Grande, Brasil Resumo A tarefa de detecção facial em imagens estáticas não é uma tarefa trivial tendo em vista que fatores externos como iluminação, escala de cores entre outros,pode aumentar a dificuldade. Este artigo implementa um sistema Web em PHP para detecção de faces utilizando como referência a plataforma OPENCV e a técnica descrita por Viola e Jones [1] que tem como vantagem o alto índice de detecção aliado a velocidade do algoritmo. A técnica consiste na aplicação da transformada de Haar em uma cascata de classificadores treinados utilizando o pseudo-algoritimo Adaptative Boosting Modificado. Palavras-Chave PHP, Imagem Integral, Detecção Face. Abstract The task of face detection in static images is not a trivial task given that external factors such as lighting, color scale among others, can increase the difficulty. This article implements a PHP Web system to face detection using OpenCV as a reference platform and the technique described by Viola and Jones [1] has the advantage that the high rate of detection along with the speed of the algorithm. The technique consists of applying the Haar transform in a cascade of classifiers trained using the pseudoalgorithm Modified Adaptive Boosting. Keywords PHP, Integral Image, Face Detection. I. INTRODUÇÃO O cérebro humano é capaz de identificar diversos tipos de padrões, como formas, cores, tamanhos sem grandes problemas. Além de ser apto também à identificação de padrões mais complexos podendo diferenciar sem grandes dificuldades a face de uma pessoa dentre várias. Apesar de ser uma ação simples para o cérebro humano, esse tipo de reconhecimento necessita de um complexo processamento quando é feito usando softwares [2]. A área de estudo da visão computacional está diretamente focada na simulação dos processos de pensamento humano que acontecem no cérebro [3]. A tarefa de localização de uma face não é algo trivial, pois inúmeros fatores podem aumentar a sua dificuldade como, por exemplo, a luminosidade, a escala, a localização e a orientação da face [4]. Pesquisadores têm buscado encontrar características invariantes nas faces humanas com o objetivo de resolver a questão da detecção. A hipótese que sustenta essa ideia é a observação de que os seres humanos conseguem sem muito esforço detectar faces e objetos em diferentes condições de Helmiton Filho, Mikaelle Oliveira e Carlos Danilo Miranda Regis, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campina Grande, Brasil, s: luminosidade e posição. Logo, deve existir alguma propriedade ou características que são invariáveis, mesmo com as variações das condições externas. Existem inúmeros modelos que procuram detectar, primeiramente, essas características invariantes e, em seguida, inferir que existe um rosto naquele local. Dentro desse contexto, este trabalho implementa um modelo já existente de detecção facial baseado nas características invariantes demonstradas por Viola e Jones. Sendo desenvolvido um sistema denominado sisface (Sistema de Detecção de Faces) implementando o algoritmo acima referido, utilizando a linguagem PHP, por ser uma linguagem amplamente utilizada para construções de aplicações Web. Neste mesmo contexto, será feita uma análise de eficiência do algoritmo implementado, utilizando um pequeno banco de imagens, contendo 30 imagens de fotos 3x4 nas demais circunstâncias (ângulos diferenciados, iluminações diferentes, etc) e 30 imagens de pessoas em situações diversificadas, para que possarmos demonstrar os resultados obtidos com uso do sistema desenvolvido. A Seção II mostra a fundamentação teórica do artigo, na Seção III é apresentado a implementação (desenvolvimento) do algoritmo, a Seção IV mostra os resultados obtidos e a Seção V apresenta as conclusões. II. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Nesta seção serão descritos os componentes centrais e a metodologia do sistema de detecção de faces proposta por Viola e Jones [1]. A. Detecção de Face por Viola e Jones A técnica de Viola e Jones [1] e o uso de algumas características chaves, permitem uma implementação rápida e robusta para a detecção facial. Segundo o autor, sua técnica utiliza apenas imagens simples em tons de cinzas e com isso se distingue de outros modelos, pois não é baseada em informações auxiliares como, por exemplo, a diferença de sequência de vídeos e o uso de cores. No entanto, mesmo com uma maior limitação de informações usadas, são obtidas altas taxas de detecção. O modelo de Viola e Jones [1] fornece três contribuições básicas para a detecção de face ilustradas na Figura 1. Primeiramente baseia-se no uso de características básicas obtidas por meio de um processo semelhante ao das wavelets de

2 haar, avaliadas rapidamente por meio de uma nova forma de representação da imagem chamada "Imagem Integral". Logo em seguida, a segunda contribuição utiliza-se do conceito citado anteriormente para gerar um conjunto de características. Por meio da aplicação de um algoritmo chamado de AdaBoost, filtra-se o conjunto no intuito de diminuir o número de características geradas. Ao final, a terceira contribuição deste modelo é a geração de uma estrutura de árvore dos classificadores fracos boosted, para que gere inferências rápidas e robustas na construção de um classificador forte [4]]. características (tipo Haar, Figura 3) retangulares simples remanescentes das funções básicas de Haar [5]. Estas características são equivalentes à diferença de intensidade entre sub-regiões. As características são o conjunto das informações de intensidade de um ponto (pixel). Esse processo consiste na soma da intensidade dos pixels de regiões brancas, subtraído da soma da intensidade do cinza da imagem. Os resultados são usados como valor da característica em uma determinada localização e podem ser combinados para a formação de hipóteses fracas nas imagens. Fig. 3. As Características Básicas do Tipo Haar. Fig. 1. Componentes Básicos do Modelo de Viola e Jones [1]. B. Imagem Integral Imagens Integrais são entendidas de modo bem intuitivo: elas são construídas simplesmente somando os valores da intensidade dos pixels à esquerda e acima de um ponto (pixel) em questão. Viola Jones [1] ressaltam que na verdade essa representação é a composição de dois cálculos: primeiro ao longo das linhas e depois das colunas. A ideia da Imagem Integral é encontrada de forma semelhante à tabela das somas de áreas, muito usada na área de computação gráfica. Um exemplo de Imagem Integral é ilustrado na Figura 2, com áreas do Tipo I (Representação em intensidades de pixel) e área do Tipo II (Representação em Imagem Integral). Fig. 2. Exemplo de Imagem Integral. A importância em usar esta representação intermediária para aumentar a velocidade de extração de características, é justificada pelo fato de que qualquer retângulo em uma imagem pode ser calculado por meio da imagem integral. São necessários apenas quatro índices da imagem integral para calcular qualquer retângulo e como consequência imediata, precisa-se de apenas uma única passagem para obter dados desejados em sub-regiões de uma imagem. C. As Características No sistema de Viola e Jones, um conjunto simples de características é usado. Essas têm relação ao conjunto de D. AdaBoost O Boosting é o nome do processo que forma hipóteses fortes por meio da combinação linear de hipóteses fracas. A construção de predições que tenham alta acurácia é certamente uma árdua tarefa. Por outro lado não é tão difícil obter regras de inferências de baixa probabilidade (hipóteses fracas), como por exemplo, através da escolha por um limiar. No contexto na detecção de Viola e Jones [1], hipóteses fracas podem ser representadas como classificadores fracos derivados de um conjunto de características extraídas. A ideia base do AdaBoost é a aplicação da distribuição do peso nos conjuntos de exemplos e a modificação desta distribuição com o decorrer das iterações do algoritmo. Na fase inicial, essa distribuição de pesos é mais uniforme, contudo, a cada iteração no algoritmo, os classificadores fracos retornam hipóteses alterando o peso da distribuição. Esta modificação da distribuição do peso indica que o peso atual é o produto por ele mesmo e por um fator, que no caso é a produção do menor erro do classificador/hipótese escolhida. Considerando que a classificação, gerada pelo classificador fraco, é feita corretamente nas imagens, então o seu peso é reduzido. Ao contrário disto, não haveria mudança nos pesos, caracterizando os exemplos provenientes de um conjunto de dados, os quais não são corretamente classificados, como os de pesos maiores. É possível afirmar que Adaboost está focado nas classificações ruins, ou então dados de difícil classificação, e esta é a característica principal deste algoritmo: minimizar o erro sobre um conjunto de treinamento. Após sucessivas iterações do algoritmo, o resultado consiste em um conjunto de hipóteses com pesos, em que aqueles que possuírem menores erros de classificação, ganham maior importância e, dessa maneira, este processo é chamado de hipótese forte ou classificador forte. E. A varredura da Imagem A varredura da imagem é realizada a partir do pixel (0,0) com uma subjanela de pixels. A busca segue crescendo no eixo X seguido pelo eixo Y (linha a linha, coluna a coluna),

3 ao término da busca de pixels a janela é aumentada por um fator de escala e o processo recomeça com a subjanela de um tamanho aumentado, isto se repete até que a subjanela esteja do tamanho da janela original. F. Treinamento Classificadores com mais características possuem uma taxa de erro menor e uma alta taxa de detecção, em contrapartida necessitam de mais processamento. A técnica ideal seria para cada classificador, selecionar um limiar de separação entre as amostras positiva e negativa classificadas de forma que minimize o número de características que serão utilizadas. Na prática uma técnica simples é utilizada para o treinamento. Em cada estágio de treinamento é selecionado um limite mínimo de reconhecimento e um limiar máximo de falso positivo, o treinamento consiste em acrescentar retângulos de características até que esses parâmetros sejam respeitados. Terminado este procedimento o treinamento está concluído. G. Cascata de Classificadores Aumentar a velocidade de uma tarefa de classificação, geralmente implica em um aumento inevitável de erros. O único meio de diminuir o tempo para a classificação, é reduzir o número de avaliação dos "classificadores fracos"encontrados. Como consequência de uma redução dos classificadores, haveria uma melhora na velocidade, porém prejudicaria a acurácia do sistema. Descrito por Viola e Jones [1] como uma árvore degenerativa de decisão (decision stump), essa é uma estrutura contendo um encadeamento de classificadores do mais genérico ao mais específico, segundo o qual os primeiros níveis da cascata não são muito precisos, apesar de conseguir classificar uma grande quantidade de amostras com uma pequena quantidade de características. Com o decorrer do processo, assumindo que uma amostra foi de fato classificada de forma positiva, a classificação irá se tornar cada vez mais fina e o número de características que irão ser avaliadas também irão crescer. O uso da cascata [6] caracteriza o fato de que, em uma imagem durante uma tarefa de detecção, a maioria das subjanelas analisadas pelo classificador são rejeitadas. Por essa razão, uma generalização nos primeiros estágios deve ser suficientemente alta para que evite a passagem para estágios subsequentes, subjanelas classificadas como falso positivas. Fig. 4. Cascata de Classificadores. III. IMPLEMENTAÇÃO DO ALGORITMO Com base no algoritmo de Viola e Jones descrito anteriormente e com referência na plataforma OPENCV, o algoritmo para detecção facial em imagens estáticas foi implementado na sua condição original sofrendo algumas modificações necessárias para o melhor aperfeiçoamento do sistema. O algoritmo foi modificado no sentido da dimensão da imagem integral, onde em nosso sistema utilizamos uma dimensão de pixels aumentando a eficiência do mesmo, diferentemente do Algoritmo Viola e Jones, que utiliza uma dimensão de pixels. Foi utilizado um fator de escala de pixels para o redimensionamento da sub-janela, denominada Imagem Integral. E introduzido um conjunto de classificadores, AdaBoost, em um arquivo independente para o processo de classificação de características. A. Plataforma OPENCV O OpenCV (Open Source Computer Vision) é uma biblioteca desenvolvida pela Intel no ano de 2000 voltada para o desenvolvimento de aplicações em tempo real no campo da visão computacional. Originalmente desenvolvida em C++, ela é portável para todas as plataformas de sistemas operacionais. O OpenCV possui módulos de Processamento de Imagens e Vídeo I/O, Estrutura de dados, Álgebra Linear, GUI (Interface Gráfica do Usuário), controle de mouse e teclado, além de mais de 350 algoritmos de visão computacional [7]. O OpenCV é utilizado hoje em muitos projetos Open- Source e algumas aplicações comerciais devido a sua boa performance e grande variedade de filtros e algoritmos, sendo a biblioteca Open-Source mais completa no campo da visão computacional [7]. Devido a este fato, o presente trabalho utilizou os algoritmos em C++ da plataforma como referência para a implementação de nosso algoritmo em PHP. B. O sistema O sistema (sisface), mostrado na Figura 5, foi desenvolvido com a finalidade de detectar faces em imagens estáticas utilizado uma linguagem apropriada e amplamente utilizada para aplicações Web. Assim como o sistema, o algoritmo foi também implementado usando a linguagem PHP incrementadas de funções em JavaScript, o que apontado como diferencial do presente projeto, por não ser encontrada com facilidade essa aplicação voltada para a Web. Também foi desenvolvida uma interface (layout) amigável para que fosse mais interativa com o usuário final. Em síntese, o procedimento geral do sistema em conjunto com o algoritmo segue a seguinte sequência: O usuário inicialmente seleciona a imagem desejada através da tela principal do sistema, Figura 5, na qual esta imagem é recebida, redimensionada e convertida em tons de cinza, Figura 6. Em seguida é criada uma imagem integral reduzida (20 20 pixels) para percorrer toda a imagem original, Figura 7. Para detectar um objeto em uma imagem ela deve ser percorrida várias vezes e em diferentes tamanhos, através do uso da

4 Fig. 8. Resultado Obtido na Imagem. Fig. 5. Tela Principal do Sistema - sisface. imagem integral é possível realizar a mudança de tamanho e locação sem perdas substanciais de desempenho, pois o cálculo é realizado em tempo constante não havendo a necessidade de se re-dimensionar a imagem original. Em seguida é utilizada uma técnica para a seleção e escolha de características (contidas em um arquivo independente no formato.dat), baseado no algoritmo de aprendizado AdaBoost [8] capaz de detectar as características mais importantes de um objeto criando um classificador extremamente eficiente. Fig. 6. Imagem convertida em tons de cinza. IV. RESULTADOS OBTIDOS Para treinar e testar o método proposto por Viola e Jones [1], bem como o o sitema sisface em si, foi criado um conjunto de treino / teste com imagens retiradas da internet. Estas imagens foram escolhidas para que tivessem a mais variada complexidade de fundo e que as faces tivessem diferentes focos de iluminação, só com as mais variadas condições é possível verificar a eficácia de um método, pois se um método for capaz de se portar bem com imagens retiradas em diferentes condições, ainda melhor se irá portar quando for preparado para funcionar em determinadas condições específicas, isto é, treinado para funcionar num local fixo. Com base no resultado oferecido pelo sistema (seleção automática da face) através do uso do banco de imagens, as estatísticas abaixo mostram de uma maneira geral os resultados obtidos com a implementação do sistema para detecção de faces via Web. Os cálculos das estatísticas abaixo referenciadas foram calculadas pelos desenvolvedores por meio do resultado oferecido pelo sistema a cada imagem do banco analisada. Segue então as estatísticas dos resultados obtidos: O algoritmo se mostrou bastante eficiente, principalmente em relação as fotos 3 4, obtendo 95% de eficiência como na Figura 9, enquanto nas demais imagens mostrou 90% de eficiência, Figura 10. Fig. 7. Imagem Integral buscando características relativas a face. Após esta etapa, é utilizado um método para combinar os classificadores entre si com o objetivo de se formar uma cascata de classificadores. Através dos vários estágios da cascata, é possível descartar rapidamente áreas que não possuem o objeto desejado, e concentrar o processamento apenas em áreas promissoras. Por fim, o sistema se encarrega de criar um retângulo (em cor vermelha) que fará a seleção da face encontrada na imagem enviada pelo usuário, disponibilizando o resultado em tempo real para análise do mesmo, Figura 8. O sistema poderá ser hospedado em qualquer ServidorWeb que aceite requisitos como: PHP e JavaScript, sem precisar instalar qualquer tipo de biblioteca ou extensão, podendo ser utilizada e gerenciada por qualquer usuário com conhecimentos básicos nos requisitos descritos. Fig. 9. Face detectada pelo sistema em foto 3 4. O algoritmo mostrou pouca eficiência e uma certa lentidão em imagens que possuíam certos ruídos ou com faces parcialmente visíveis, ilustrado na Figura 11. Em imagens que possuíam mais de uma face, o algoritmo se mostrou eficiente em 96% detectando apenas uma delas, devido a sua implementação para encontrar uma única face, Figura 12. Algumas imagens que possuíam um certo tom amarelado, estilo sépia ou com multidões (pessoas), o algoritmo não conseguiu detectar nenhuma face, pois na conversão em tons de cinza a imagem não realçava corretamente as características necessárias para uma possível detecção.

5 é folhear álbuns e álbuns de fotografias de criminosos até encontrar o suspeito ou não. Assim como o sistema desenvolvido, o algoritmo se mostrou bastante eficaz, podendo ser implementado para quaisquer necessidades que possam envolver a questão de detecção de faces em imagens estáticas. Fig. 10. Fig. 11. Face detectada pelo sistema em uma imagem variada. Face não detectada pelo sistema. REFERÊNCIAS [1] P. Viola and M. Jones, Rapid object detection using a boosted cascade of simple features, in Computer Vision and Pattern Recognition, CVPR Proceedings of the 2001 IEEE Computer Society Conference on, vol. 1, 2001, pp [2] E. S. D. S. A. Pereira, J. A. R. Rezende and J. C. Silva, Métodos de processamento e tratamento de imagens para reconhecimento facial [3] E. L. H. Ma, Avaliação de Características Haar em Um Modelo de Detecção de Face, Monografia de Graduação, Universidade de Brasília, Brasília, Brasil, Junho [4] K. E. A. D. SANTOS, Avaliação de Características Haar em Um Modelo de Detecção de Face, Monografia de Graduação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Brasil, Dezembro [5] M. O. C. P. Papageorgiou and T. Poggio., A general framework for object detection. in Sixth Int Computer Vision Conf., [6] A. K. R. Lienhart and V. Pisarevsky, Empirical analysis of detection cascades of boosted classifiers for rapid object detection. Intel Labs., [7] A. Zelinsky, Learning opencv computer vision with the opencv library (bradski, g.r. et al.; 2008)[on the shelf], Robotics Automation Magazine, IEEE, vol. 16, no. 3, p. 100, [8] R. E. Schapire, The boosting approach to machine learning an overview Fig. 12. Imagem com mais de uma face, apenas uma encontrada. V. CONCLUSÕES Após a análise das imagens, pode-se concluir que o algoritmo Viola e Jones [1] realmente mostrou sua eficácia e uma boa velocidade na detecção das faces, apesar de ser um Sistema Web onde possíveis fatores externos podem influenciar na sua atuação, foi considerado um resultado satisfatório, principalmente em fotos 3x4 (nas suas diversas características). Mas apesar de todo o trabalho proposto por Viola e Jones [1] ser muito eficiente, ele possui alguns pontos negativos. Por exemplo, ao se utilizar o algoritmo de detecção em imagens de alta resolução, a velocidade de detecção passa a ficar mais lenta. O mesmo problema ocorre com a busca simultânea de vários objetos na cena, pois a busca de características por segundo cai de forma considerável. O sistema de detecção facial Web (sisface) pode ser utilizado em diversos domínios de aplicações. Esse sistema poderia ser implantado em delegacias junto a um banco de dados para cadastro e busca de criminosos. Atualmente, o método usado

PROCESSO DE DETECÇÃO FACIAL, UTILIZANDO VIOLA;JONES

PROCESSO DE DETECÇÃO FACIAL, UTILIZANDO VIOLA;JONES EXATAS E TECNOLÓGICAS ISSN IMPRESSO - 2359-4934 ISSN ELETRÔNICO - 2359-4942 PROCESSO DE DETECÇÃO FACIAL, UTILIZANDO VIOLA;JONES Luciana Maiara Queiroz de Santanas 1 Fábio Rocha Gomes 2 Thiago S. Reis Santos

Leia mais

RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS ATRAVÉS DE CÂMERAS IP

RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS ATRAVÉS DE CÂMERAS IP RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS ATRAVÉS DE CÂMERAS IP Caio Augusto de Queiroz Souza caioaugusto@msn.com Éric Fleming Bonilha eric@digifort.com.br Gilson Torres Dias gilson@maempec.com.br Luciano

Leia mais

UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA 2010.2 ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno!

Leia mais

Comparação entre a Máscara de Nitidez Cúbica e o Laplaciano para Realce de Imagens Digitais

Comparação entre a Máscara de Nitidez Cúbica e o Laplaciano para Realce de Imagens Digitais Comparação entre a Máscara de Nitidez Cúbica e o Laplaciano para Realce de Imagens Digitais Wesley B. Dourado, Renata N. Imada, Programa de Pós-Graduação em Matemática Aplicada e Computacional, FCT, UNESP,

Leia mais

Sistema de Visão Computacional sobre Processadores com Arquitetura Multi Núcleos

Sistema de Visão Computacional sobre Processadores com Arquitetura Multi Núcleos Roberto Kenji Hiramatsu Sistema de Visão Computacional sobre Processadores com Arquitetura Multi Núcleos Tese apresentada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para obtenção do Título de Doutor

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Sistema de Controle de Acesso Baseado no Reconhecimento de Faces

Sistema de Controle de Acesso Baseado no Reconhecimento de Faces Sistema de Controle de Acesso Baseado no Reconhecimento de Faces Access Control System Based on Face Recognition Tiago A. Neves, Welton S. De Oliveira e Jean-Jacques De Groote Faculdades COC de Ribeirão

Leia mais

SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS

SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS Formulário para submissão de projeto Dados do Projeto e do (a) Orientador (a) do Projeto Título do Projeto: Um aplicativo

Leia mais

Segmentação de imagens tridimensionais utilizando o sensor Microsoft Kinect

Segmentação de imagens tridimensionais utilizando o sensor Microsoft Kinect Segmentação de imagens tridimensionais utilizando o sensor Microsoft Kinect Lucas Viana Barbosa 1 ; Wanderson Rigo 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTRODUÇÃO Os sistemas de visão artificial vêm auxiliando o ser

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

O Software Face Match

O Software Face Match Apêndice A O Software Face Match A.1 - Desenvolvimento do software para a extração de características de imagens de faces humanas: Face Match. Para dar suporte à proposta do trabalho de mestrado iniciou-se

Leia mais

Detecção e Rastreamento de Objetos coloridos em vídeo utilizando o OpenCV

Detecção e Rastreamento de Objetos coloridos em vídeo utilizando o OpenCV Detecção e Rastreamento de Objetos coloridos em vídeo utilizando o OpenCV Bruno Alberto Soares OLIVEIRA 1,3 ; Servílio Souza de ASSIS 1,3,4 ; Izadora Aparecida RAMOS 1,3,4 ; Marlon MARCON 2,3 1 Estudante

Leia mais

Detecção em tempo real de movimentos de olhos e boca em um vídeo em cores

Detecção em tempo real de movimentos de olhos e boca em um vídeo em cores Detecção em tempo real de movimentos de olhos e boca em um vídeo em cores Daniel Ponciano dos Santos Barboza, Programa de Engenharia de Sistemas e Computação - PESC/COPPE Universidade Federal do Rio de

Leia mais

Identificação de Faces em Imagens Bidimensionais

Identificação de Faces em Imagens Bidimensionais Identificação de Faces em Imagens Bidimensionais David de S. A. Pereiral 1, José Antônio R. de Rapozo 2, Júlio César da Silva 3, Eugênio da Silva 4 1 UNIFESO, Centro de Ciência e Tecnologia, Curso de Ciência

Leia mais

LOCALIZAÇÃO AUTOMÁTICA DE PLACAS DE VEÍCULOS EM IMAGENS BASEADA NO DETECTOR DE VIOLA-JONES

LOCALIZAÇÃO AUTOMÁTICA DE PLACAS DE VEÍCULOS EM IMAGENS BASEADA NO DETECTOR DE VIOLA-JONES LOCALIZAÇÃO AUTOMÁTICA DE PLACAS DE VEÍCULOS EM IMAGENS BASEADA NO DETECTOR DE VIOLA-JONES FRANCISCO ADRIANO NOBRE FREIRE, JOSÉ EVERARDO BESSA MAIA Estatística e Computação Universidade Estadual do Ceará

Leia mais

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá 1. ALTA RESOLUÇÃO Câmeras baseadas em IP não estão restritas à baixa resolução das câmeras

Leia mais

Aplicação de Ensembles de Classificadores na Detecção de Patologias na Coluna Vertebral

Aplicação de Ensembles de Classificadores na Detecção de Patologias na Coluna Vertebral Aplicação de Ensembles de Classificadores na Detecção de Patologias na Coluna Vertebral Hedenir M. Pinheiro Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás (UFG) Caixa Postal 131 74001-970 Goiânia

Leia mais

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo.

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo. O que é o Gimp? O GIMP é um editor de imagens e fotografias. Seus usos incluem criar gráficos e logotipos, redimensionar fotos, alterar cores, combinar imagens utilizando o paradigma de camadas, remover

Leia mais

Aumento na sensação de tridimensionalidade em mundos virtuais através de janelas virtuais

Aumento na sensação de tridimensionalidade em mundos virtuais através de janelas virtuais Aumento na sensação de tridimensionalidade em mundos virtuais através de janelas virtuais Leonardo Ronald Perin Rauta 1, Eros Comunello 1, Anita Maria da Rocha Fernandes 1 1 Universidade do Vale do Itajaí

Leia mais

Interação Humano - Computador usando Visão Computacional

Interação Humano - Computador usando Visão Computacional Interação Humano - Computador usando Visão Computacional Bernardo Bucher B. Barbosa 1, Júlio César Silva 2 1 UNIFESO, Centro de Ciências e Tecnologia, Curso de Ciência da Computação, brgenius@gmail.com

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron.

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron. 1024 UMA ABORDAGEM BASEADA EM REDES PERCEPTRON MULTICAMADAS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE MASSAS NODULARES EM IMAGENS MAMOGRÁFICAS Luan de Oliveira Moreira¹; Matheus Giovanni Pires² 1. Bolsista PROBIC, Graduando

Leia mais

2. Método de Monte Carlo

2. Método de Monte Carlo 2. Método de Monte Carlo O método de Monte Carlo é uma denominação genérica tendo em comum o uso de variáveis aleatórias para resolver, via simulação numérica, uma variada gama de problemas matemáticos.

Leia mais

Algoritmos de Subtração Básica de Fundo

Algoritmos de Subtração Básica de Fundo Algoritmos de Subtração Básica de Fundo Leonardo Ronald Perin Rauta leonardorauta@univali.br UNIVALI Anita Maria da Rocha Fernandes anita.fernandes@univali.br UNIVALI Resumo:Algoritmos de subtração de

Leia mais

Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos

Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos Paula Rayane Mota Costa Pereira*, Josemar Rodrigues de Souza**, Resumo * Bolsista de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC,

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ 1 1. Introdução Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ O ImageJ é um software livre (freeware) que pode ser obtido gratuitamente no site http://rsb.info.nih.gov/ij/. Esse software é

Leia mais

Ferramenta para detecção de fadiga em motoristas baseada no monitoramento dos olhos

Ferramenta para detecção de fadiga em motoristas baseada no monitoramento dos olhos Ferramenta para detecção de fadiga em motoristas baseada no monitoramento dos olhos Rafael Dattinger Acadêmico Dalton Solano dos Reis - Orientador Roteiro Introdução/Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

[Fingerprint Recognition]

[Fingerprint Recognition] Mestrado em Engenharia de Segurança Informática Tecnologias Biométricas Pedro Santos santos.pmcm@gmail.com 12065 Filipe Vieira fil.vieira@gmail.com 12049 Rui Pereira ruipereira.eng@gmail.com 12061 Docente

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS 1 Material utilizado 1.1 Tracker: um programa de análise de imagens Para a execução da proposta foi utilizado o programa livre

Leia mais

ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS. Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms.

ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS. Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms. ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms. Mauricio Duarte 2 Centro Universitário Euripides de Marilia UNIVEM FATEC Faculdade de

Leia mais

Figura 01: Aplicações do Filtro Espacial Passa-Baixa.

Figura 01: Aplicações do Filtro Espacial Passa-Baixa. 791 IMPLEMENTAÇÃO DE TÉCNICAS DE PRÉ-PROCESSAMENTO E PROCESSAMENTO DE IMAGENS PARA RADIOGRAFIAS CARPAIS Rafael Lima Alves 1 ; Michele Fúlvia Angelo 2 Bolsista PROBIC, Graduando em Engenharia de Computação,

Leia mais

APLICAÇÃO WEB PARA APOIO AO RECONHECIMENTO FOTOGRÁFICO DE SUSPEITOS DE CRIMES

APLICAÇÃO WEB PARA APOIO AO RECONHECIMENTO FOTOGRÁFICO DE SUSPEITOS DE CRIMES APLICAÇÃO WEB PARA APOIO AO RECONHECIMENTO FOTOGRÁFICO DE SUSPEITOS DE CRIMES Mateus Provesi 1 ; Reginaldo Rubens da Silva 2 ; Angelo Augusto Frozza 3 RESUMO Este projeto propõe o desenvolvimento de uma

Leia mais

Guia de qualidade de cores

Guia de qualidade de cores Página 1 de 5 Guia de qualidade de cores O Guia de qualidade de cores ajuda você a entender como as operações disponíveis na impressora podem ser usadas para ajustar e personalizar a saída colorida. Menu

Leia mais

Uso de Visão Computacional para Interface Homem-Computador

Uso de Visão Computacional para Interface Homem-Computador UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS UFG CAMPUS CATALÃO CAC DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DCC Bacharelado em Ciência da Computação Projeto Final de Curso Uso de Visão Computacional para Interface Homem-Computador

Leia mais

Trabalho 2 Fundamentos de computação Gráfica

Trabalho 2 Fundamentos de computação Gráfica Trabalho 2 Fundamentos de computação Gráfica Processamento de Imagens Aluno: Renato Deris Prado Tópicos: 1- Programa em QT e C++ 2- Efeitos de processamento de imagens 1- Programa em QT e C++ Para o trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Laboratório de Ensino, Pesquisa e Projetos em Análise Espacial TUTORIAL DE SPRING Alexandro Medeiros

Leia mais

Desenvolvimento de um Sistema Híbrido para Rastreamento

Desenvolvimento de um Sistema Híbrido para Rastreamento Desenvolvimento de um Sistema Híbrido para Rastreamento de Objetos aplicado ao Futebol de Robôs Eduardo W. Basso 1, Diego M. Pereira 2, Paulo Schreiner 2 1 Laboratório de Robótica Inteligente Instituto

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE

Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Processamento de Imagens Tratamento da Imagem - Filtros Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Sala AEP/033 Sumário 2 Conceito de de Filtragem Filtros

Leia mais

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha 3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha Antes da ocorrência de uma falha em um equipamento, ele entra em um regime de operação diferente do regime nominal, como descrito em [8-11]. Para detectar

Leia mais

Manual PAINT.NET de imagens

Manual PAINT.NET de imagens Manual PAINT.NET de imagens 1. Instalação 1.1 - Para instalar o programa paint.net, o primeiro passo é baixá-lo do endereço a seguir e salvá-lo em seu computador. http://ww2.prefeitura.sp.gov.br/paint_net/paint.net.3.36.exe

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. Herondino

Processamento de Imagem. Prof. Herondino Processamento de Imagem Prof. Herondino Sensoriamento Remoto Para o Canada Centre for Remote Sensing - CCRS (2010), o sensoriamento remoto é a ciência (e em certa medida, a arte) de aquisição de informações

Leia mais

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas Microsoft Power Point 2003 No Microsoft PowerPoint 2003, você cria sua apresentação usando apenas um arquivo, ele contém tudo o que você precisa uma estrutura para sua apresentação, os slides, o material

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS André Zuconelli 1 ; Manassés Ribeiro 2 1. Aluno do Curso Técnico em Informática, turma 2010, Instituto Federal Catarinense, Câmpus Videira, andre_zuconelli@hotmail.com

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS Obter uma imagem temática a partir de métodos de classificação de imagens multi- espectrais 1. CLASSIFICAÇÃO POR PIXEL é o processo de extração

Leia mais

HCT Compatibilidade Manual do Usuário

HCT Compatibilidade Manual do Usuário HCT Compatibilidade Manual do Usuário Índice Introdução...3 HCT Compatibilidade...3 Librix...3 Execução do Programa...4 Seleção de Testes...4 Testes Manuais...6 Teste de Teclado...6 Teste de Vídeo...7

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

VCA Treinamento em Algoritmo

VCA Treinamento em Algoritmo Conteúdo VCA Treinamento em Algoritmo VCA Treinamento em Algoritmo Conteúdo Algoritmos Rastreador (tracker) Monitoramento Objeto Abandonado/Removido Pessoas Calibração Classificação Linha de contagem Auto

Leia mais

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2.

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. 1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. Editando um Artigo 4.3. Excluindo um Artigo 4.4. Publicar

Leia mais

CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas. Nota Técnica

CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas. Nota Técnica CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Nota Técnica Aplicação de Física Médica em imagens de Tomografia de Crânio e Tórax Autores: Dário Oliveira - dario@cbpf.br Marcelo Albuquerque - marcelo@cbpf.br

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

PROF. DR. JACQUES FACON

PROF. DR. JACQUES FACON PUCPR- Pontifícia Universidade Católica Do Paraná PPGIA- Programa de Pós-Graduação Em Informática Aplicada PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO DUPLA DE ISTVÁN CSEKE PROJETO DE UMA RÁPIDA SEGMENTAÇÃO PARA

Leia mais

Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy.

Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy. Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy. Marcelo Musci Baseado no artigo: Change detection assessment using fuzzy sets and remotely sensed data: an application

Leia mais

Casamento de padrões em imagens e vídeos usando características de imagens

Casamento de padrões em imagens e vídeos usando características de imagens Casamento de padrões em imagens e vídeos usando características de imagens Kassius Vinicius Sipolati Bezerra DCEL / CEUNES / UFES São Mateus, ES, Brazil Edilson de Aguiar DCEL / CEUNES / UFES São Mateus,

Leia mais

Verificação de Qualidade de Imagens de Fundo de Olho a Partir de Descritores Baseados em Histogramas. Marina Silva Fouto - Reconhecimento de Padrões

Verificação de Qualidade de Imagens de Fundo de Olho a Partir de Descritores Baseados em Histogramas. Marina Silva Fouto - Reconhecimento de Padrões Verificação de Qualidade de Imagens de Fundo de Olho a Partir de Descritores Baseados em Histogramas Marina Silva Fouto - Reconhecimento de Padrões Tópicos Importância Trabalhos Relacionados Imagens e

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE ALGORITMO PARA FUNÇÃO MULTILÍNGUE DO SOFTWARE TROPLUX

DESENVOLVIMENTO DE ALGORITMO PARA FUNÇÃO MULTILÍNGUE DO SOFTWARE TROPLUX DESENVOLVIMENTO DE ALGORITMO PARA FUNÇÃO MULTILÍNGUE DO SOFTWARE TROPLUX Pedro Vítor Sousa Ribeiro Universidade Federal de Alagoas pedrovsribeiro@gmail.com Ricardo Carvalho Cabús Universidade federal de

Leia mais

Adapti - Technology Solutions www.adapti.net Leonor cardoso nº 331 Fone : (041) 8844-7805 81240-380 Curitiba - PR MANUAL DO USUÁRIO

Adapti - Technology Solutions www.adapti.net Leonor cardoso nº 331 Fone : (041) 8844-7805 81240-380 Curitiba - PR MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO 1 Índice Administração de Documentos...2 Lista de documentos criados...3 Criando um novo documento...3 Barra de ferramentas do editor...4 Editando um documento...7 Administrando suas

Leia mais

OpenCV. http://opencv.willowgarage.com/wiki/

OpenCV. http://opencv.willowgarage.com/wiki/ OpenCV http://opencv.willowgarage.com/wiki/ Introdução a OpenCV Geralmente, quando iniciamos estudos numa determinada linguagem de programação é comum que o iniciante implemente um pequeno programa de

Leia mais

CTRL-SHIFT DOCUMENTO DE GAME DESIGN DESENVOLVIDO POR HILGAMES

CTRL-SHIFT DOCUMENTO DE GAME DESIGN DESENVOLVIDO POR HILGAMES CTRL-SHIFT DOCUMENTO DE GAME DESIGN DESENVOLVIDO POR HILGAMES 1. Introdução CTRL-SHIFT é um jogo de puzzle, plataforma 2D e 3D ao mesmo tempo. O jogador navega por um cenário de plataformas 2D, e quando

Leia mais

2.1.2 Definição Matemática de Imagem

2.1.2 Definição Matemática de Imagem Capítulo 2 Fundamentação Teórica Este capítulo descreve os fundamentos e as etapas do processamento digital de imagens. 2.1 Fundamentos para Processamento Digital de Imagens Esta seção apresenta as propriedades

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

VISÃO COMPUTACIONAL COM A OPENCV MATERIAL APOSTILADO E VEÍCULO SEGUIDOR AUTÔNOMO. Professora da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT).

VISÃO COMPUTACIONAL COM A OPENCV MATERIAL APOSTILADO E VEÍCULO SEGUIDOR AUTÔNOMO. Professora da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT). VISÃO COMPUTACIONAL COM A OPENCV MATERIAL APOSTILADO E VEÍCULO SEGUIDOR AUTÔNOMO Riccardo Luigi Delai 1 ; Alessandra Dutra Coelho 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT);

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Prototipação de Software

Prototipação de Software UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Prototipação de Software Engenharia de Software 2o. Semestre de 2005

Leia mais

Técnicas de Suavização de Imagens e Eliminação de Ruídos

Técnicas de Suavização de Imagens e Eliminação de Ruídos 21 Técnicas de Suavização de Imagens e Eliminação de Ruídos Carlos H. Sanches 1, Paulo J. Fontoura 1, Phillypi F. Viera 1, Marcos A. Batista 1 1 Instituto de Biotecnologia Universidade Federal do Goiás

Leia mais

4 Avaliação Experimental

4 Avaliação Experimental 4 Avaliação Experimental Este capítulo apresenta uma avaliação experimental dos métodos e técnicas aplicados neste trabalho. Base para esta avaliação foi o protótipo descrito no capítulo anterior. Dentre

Leia mais

Revista Hispeci & Lema On Line ano III n.3 nov. 2012 ISSN 1980-2536 unifafibe.com.br/hispecielemaonline Centro Universitário UNIFAFIBE Bebedouro-SP

Revista Hispeci & Lema On Line ano III n.3 nov. 2012 ISSN 1980-2536 unifafibe.com.br/hispecielemaonline Centro Universitário UNIFAFIBE Bebedouro-SP Reconhecimento de face utilizando banco de imagens monocromáticas e coloridas através dos métodos da análise do componente principal (PCA) e da Rede Neural Artificial (RNA) [Recognition to face using the

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Redes neurais aplicadas na identificação de variedades de soja

Redes neurais aplicadas na identificação de variedades de soja Redes neurais aplicadas na identificação de variedades de soja Fábio R. R. Padilha Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ Rua São Francisco, 5 - Sede Acadêmica, 987-,

Leia mais

ALÉM DO BUG TRACKING : GERENCIANDO O SETOR DE SUPORTE COM O MANTISBT

ALÉM DO BUG TRACKING : GERENCIANDO O SETOR DE SUPORTE COM O MANTISBT ALÉM DO BUG TRACKING : GERENCIANDO O SETOR DE SUPORTE COM O MANTISBT Juliano Flores Prof. Lucas Plautz Prestes Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Gestão de Tecnologia da Informação (GTI034)

Leia mais

Astra LX Registro de Pacientes e Médicos Guia para o acesso aos registros de Pacientes e Médicos e eliminação de dados duplicados no AstraLX

Astra LX Registro de Pacientes e Médicos Guia para o acesso aos registros de Pacientes e Médicos e eliminação de dados duplicados no AstraLX Astra LX Registro de Pacientes e Médicos Guia para o acesso aos registros de Pacientes e Médicos e eliminação de dados duplicados no AstraLX 2011 Equipe Documentação Astra AstraLab 27/10/2011 Sumário Registro

Leia mais

5 Resultados. 5.1. Avaliação Baseada na Taxa de Igual Erro

5 Resultados. 5.1. Avaliação Baseada na Taxa de Igual Erro 5 Resultados Neste capitulo discutem-se os resultados obtidos no desenvolvimento desta pesquisa segundo a metodologia descrita no capitulo anterior. A avaliação de acurácia para tarefas de verificação

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

Maya Live. M aya. por Gustavo L. Braga

Maya Live. M aya. por Gustavo L. Braga M aya por Gustavo L. Braga Maya Live Quando fazemos uma animação de algum elemento virtual que deve ser aplicado a uma cena capturada, temos o grande desafio de ambientar este elemento na cena. Este desafio,

Leia mais

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka 1 Introdução A mineração de dados (data mining) pode ser definida como o processo automático de descoberta de conhecimento em bases de

Leia mais

Sistema de Contagem, Identificação e Monitoramento Automático de Rotas de Veículos baseado em Visão Computacional

Sistema de Contagem, Identificação e Monitoramento Automático de Rotas de Veículos baseado em Visão Computacional Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Controle e Automação Sistema de Contagem, Identificação e Monitoramento Automático de Rotas de Veículos baseado

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

Otimização de Funções Não Lineares por Meio do Algoritmo Árvore da Montanha

Otimização de Funções Não Lineares por Meio do Algoritmo Árvore da Montanha Otimização de Funções Não Lineares por Meio do Algoritmo Árvore da Montanha Amarildo de Vicente Colegiado do Curso de Matemática Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade Estadual do Oeste

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

Detecção de Pontos Fiduciais sobre a Face em Tempo Real

Detecção de Pontos Fiduciais sobre a Face em Tempo Real XXX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUNICAÇÕES - SBrT, 3-6 DE SETEMBRO DE, BRASÍLIA, DF Detecção de Pontos Fiduciais sobre a Face em Tempo Real Felipe M. L. Ribeiro, Gabriel M. Araujo, Eduardo A. B. da Silva,

Leia mais

EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA

EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA Jeferson Boesing 1 ; Tiago Heineck 2 ; Angela Maria Crotti da Rosa 3 ; Leila Lisiane Rossi 4 INTRODUÇÃO Alunos

Leia mais

SIAP - Sistema de Apoio ao Professor

SIAP - Sistema de Apoio ao Professor Introdução O SIAP, Sistema de Apoio ao Professor, é um programa que vai contribuir, de forma decisiva, com o cotidiano escolar de alunos, professores, gestores e funcionários administrativos. Com a implantação

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS. Prof. M.Sc.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS. Prof. M.Sc. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS Microsoft Office PowerPoint 2007 Prof. M.Sc. Fábio Hipólito Julho / 2009 Visite o site:

Leia mais

Scale-Invariant Feature Transform

Scale-Invariant Feature Transform Scale-Invariant Feature Transform Renato Madureira de Farias renatomdf@gmail.com Prof. Ricardo Marroquim Relatório para Introdução ao Processamento de Imagens (COS756) Universidade Federal do Rio de Janeiro,

Leia mais

Acima temos a tela inicial do programa. USANDO O PHTOFILTER

Acima temos a tela inicial do programa. USANDO O PHTOFILTER USANDO O PHTOFILTER O PhotoFilter é um programa simples, mas, com grande capacidade de edição. Embora ele não tenha o poder do Photoshop, é possível com um pouco de criatividade conseguir ótimos resultados.

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS GUIA DO MODELO DE MONOGRAFIA - EFLCH/UNIFESP: PARA MS OFFICE VERSÃO 2 GUARULHOS 2014 2 1 INTRODUÇÃO 1.1 REQUISITOS 1.2 CONVENÇÕES

Leia mais

Avaliação de técnicas de seleção de quadros-chave na recuperação de informação por conteúdo visual

Avaliação de técnicas de seleção de quadros-chave na recuperação de informação por conteúdo visual Avaliação de técnicas de seleção de quadros-chave na recuperação de informação por conteúdo visual Shênia Salvador de Pinho, Kleber J. F. Souza Instituto de Ciências Exatas e Informática PUC Minas Guanhães,

Leia mais

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS Leandro Guilherme Gouvea 1, João Paulo Rodrigues 1, Wyllian Fressatti 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leandrog.gouvea@gmail.com,

Leia mais