Sistema de Visão Computacional sobre Processadores com Arquitetura Multi Núcleos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Visão Computacional sobre Processadores com Arquitetura Multi Núcleos"

Transcrição

1 Roberto Kenji Hiramatsu Sistema de Visão Computacional sobre Processadores com Arquitetura Multi Núcleos Tese apresentada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para obtenção do Título de Doutor em Engenharia Elétrica. Área de Concentração: Sistemas Eletrônicos São Paulo 2008

2 Roberto Kenji Hiramatsu Sistema de Visão Computacional sobre Processadores com Arquitetura Multi Núcleos Tese apresentada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para obtenção do Título de Doutor em Engenharia Elétrica. Área de Concentração: Sistemas Eletrônicos Orientador: Prof. Dr. Sergio Takeo Kofuji São Paulo 2008

3 Resumo Esta tese apresenta um estudo sobre a implementação de sistema de detecção e reconhecimento de faces no processador CELL na plataforma CBE, utilizando um sistema Playstation 3. Inicialmente, diversas abordagens para reconhecimento e detecção de faces são estudadas, bem como arquiteturas de processador multi núcleos. São apresentadas três implementação, sendo a segunda implementação premiada com quarto colocado no IBM CELL UNIVERSITY CHALLENGE 2007 para desenvolvimento de programas para plataforma Cell BE. A terceira implementação apresenta os resultados interessantes relacionados a vetorização do processamento dos dados da detecção de objetos e os recursos adotados para obter o melhor desempenho.

4 Abstract This thesis presents a study of face detection implementation on CBE plataform and employ the system with Playstation 3 hardware. Several approaches for face detection and recognition are studied as well as multicore processor architetures. We implemented three versions of system. First implementation was a naive reference implementation with worst performance. Second implementation granted fourth prize in IBM CELL UNIVERSITY CHALLENGE 2007 that incentive development on CBE plataform. Third implementation had most interesting results with vectorized approaches on code of object detection.

5 Agradecimentos Agradeço a minha família, aos colegas do LSI/USP, a FINEP e IBM pelo apoio contínuo a este trabalho. Agradeço ao professor doutor Sergio Takeo Kofuji pelo grande apoio e confiança dado a este trabalho.

6 Sumário 1 Introdução Tese Objetivo Hipótese Justificativa Motivação Metodologia Revisão bibliográfica Estrutura da tese Detecção de objetos e reconhecimento de faces Introdução Detecção de objetos Reconhecimento de faces Análise Linear Discriminante para reconhecimento de faces (LDA) Combinação de Grafos em Grupos Elásticos (EBGM) A plataforma CELL Broadband Engine, recursos e técnicas de programação paralela A arquitetura do Cell Broadband Engine Modelo de programação Modelo Offload de Função Acesso direto à Memória (DMA) e uso de múltiplo buffers Implementação do Sistema de visão computacional Estudo do problema da detecção de faces Implementação da Detecção de objetos Implementação inicial Segunda implementação: Carregando os classificadores para a memoria local da SPE Terceira implementação: Vetorização do estágio inicial Estratégia de geração de classificadores fortes Criação de classificadores com características combinadas Criação de classificadores fortes por redução do valor máximo falso alarme A otimização interna na SPE A vetorização dos classificadores Avaliações e discussão dos resultados Resultados da implementação dois Comparação do desempenho baseado em peso de processamento...52

7 5.3 Extensão da vetorização em múltiplos estágios Avaliação do processamento com distribuição em várias SPEs Comparação geral entre as implementações 2 e Conclusões Contribuições Limitações Trabalhos futuros...67

8 Índice de Figuras Figura 1: Esquema geral do sistema de identificação...6 Figura 2: Módulo de Rastreamento...8 Figura 3: Módulo de Reconhecimento LDA...9 Figura 4: Módulo de reconhecimento EBGM...9 Figura 5: Exemplo de características. Fonte:(VIOLA; JONES, 2001)...15 Figura 6: Esquema do cálculo de característica...16 Figura 7: Detector em cascata. O classificador inicial elimina grande parte das sub janelas negativas com rapidez. As camadas subseqüentes eliminam mais sub janelas, mas requerer processamento adicional...18 Figura 8: Uma característica Haar like combinada(mita; KANEKO; HORI, 2005)...19 Figura 9: O método proposto por (MITA; KANEKO; HORI, 2005)...19 Figura 10: Valor do poder de discriminação em uma parte horizontal do rosto. Fonte:(ETEMAD; CHELLAPPA, 1997)...22 Figura 11: Processo para criação do grafo da imagem. Fonte:(WISKOTT et al., 1997)...24 Figura 12: Esquema do processador Cell. Fonte:(KAHLE et al. 2005)...26 Figura 13: SPE em detalhes. Fonte:(FLACHS et al. 2006)...27 Figura 14: Sobreposição entre comunicação e processamento(chen at al. 2006)...29 Figura 15: Computação maior que comunicação(chen at al. 2006)...29 Figura 16: A janela do detector e as sub janelas formadas pelo detector sobre a imagem...30 Figura 17: Comparação do tempo de processamento a) redimensionamento da imagem b) redimensionamento da janela do detector c) redimensionamento da imagem com reestruturação do algoritmo...32 Figura 18: Buffer da imagem integral e janela do detector...36 Figura 19: Região de sombra entre duas SPEs...36 Figura 20: Distribuição de processamento entre as SPEs na terceira implementação...37 Figura 21: Esquema de enquadramento de um rosto...39 Figura 22: Os valores P1, P2, P3 e P4 em quatro subjanelas subseqüentes para uso em processamento vetorial...42 Figura 23: Processo para obter os vetores da integral de imagem de P1 e P2 corretos da memória Figura 24: Cálculo seqüencial da integral de imagem de um retângulo de uma característica 44 Figura 25: Paralelização do cálculo da integral de imagem de um retângulo de uma característica...44 Figura 26: Expandindo o corpo do laço e reduzindo contenção de barramento com o processamento de integral de imagem de dois retângulos. VCALC_SUMAB e

9 VCALC_SUMAB são desmembramento da soma de integral de imagem da VCALC_SUM apresentado na Figura Figura 27: Cálculo de atualização do somatório do classificador forte seqüencial...46 Figura 28: Cálculo de atualização do somatório do classificador forte vetorizado...46 Figura 29: Regiões descartadas das imagens em cada estágio da cascata de classificadores fortes...48 Figura 30: Speed Up sobre o Playstation 3 para uma imagem com 1024x Figura 31: Comparação dos peso de processamento cascata de classificadores fortes...52 Figura 32: Comparação entre resultados teóricos e práticos quanto ao Speed Up...54 Figura 33: Speed up com relação ao aumento do número de estágios vetorizados...56 Figura 34: Speed up em relação ao número de SPE...57 Figura 35: Speed up em relação ao número de SPEs. Valores relativos a 1 SPE com respectivos classificadores...58 Figura 36: Speed up em relação ao número de SPEs. Valores relativos a 1 SPE com respectivos classificadores...58 Figura 37: Comparação em relação a um P4 de 3GHz...62

10 Índice de Tabelas Tabela 1: Algumas aplicações típicas de reconhecimento de face. Fonte:(ZHAO et al., 2003)...13 Tabela 2: Comparação de speed up entre o algortimo no PS3 e no Simulador...50 Tabela 3: Cascata de classificadores usados...51 Tabela 4: Medidas de tempo entre implementação seqüencial e versão com vetorização no estágio inicial...53 Tabela 5: Relação de configurações de teste comparativo...59 Tabela 6: Comparação de desempenho com uma imagem de , subjanela mínima de 48 por

11 Lista de abreviaturas API Application Programming Interface CBE Cell Broadband Engine DMA Direct Memory Access EBGM Elastic Bunch Graph Matching FBG Face Bunch Grap LDA Linear Discriminant Analisys MFC Memory Flow Controller OpenCV Open Computer Vision Library PPE PowerPC Processor Element SDK Software Develop Kit SPE Synergistic Processor Element

12

Sistema de Visão Computacional sobre Processadores com Arquitetura Multi Núcleos

Sistema de Visão Computacional sobre Processadores com Arquitetura Multi Núcleos Roberto Kenji Hiramatsu Sistema de Visão Computacional sobre Processadores com Arquitetura Multi Núcleos Tese apresentada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para obtenção do Título de Doutor

Leia mais

Introdução ao Processador CELL BE

Introdução ao Processador CELL BE 1 Introdução ao Processador CELL BE por: José Ricardo de Oliveira Damico 17 / Maio / 2007 São Paulo SP 2 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS 3 RESUMO 4 1.) INTRODUÇÃO 5 1.1) O que é? 5 2.) Utilização 5 3.) FUNCIONAMENTO

Leia mais

PROCESSADOR CELL BROADBAND ENGINE (MECANISMO DE BANDA LARGA)

PROCESSADOR CELL BROADBAND ENGINE (MECANISMO DE BANDA LARGA) PROCESSADOR CELL BROADBAND ENGINE (MECANISMO DE BANDA LARGA) SACCA, Juliana 1 ; KOYAMA, Julio César Hiroshi 2 ; TAMAE, Yoshio Rodrigo 3, MUZZI, Fernando Augusto Garcia 3. 1 Acadêmico do Curso de Sistemas

Leia mais

Linux no Playstation 3

Linux no Playstation 3 Linux no Playstation 3 Tchelinux 2009 ULBRA Gravataí Filipe Rosset Douglas Schilling Landgraf 28 de Março de 2009 Sobre esta apresentação - Nível: Iniciante

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS ATRAVÉS DE CÂMERAS IP

RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS ATRAVÉS DE CÂMERAS IP RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS ATRAVÉS DE CÂMERAS IP Caio Augusto de Queiroz Souza caioaugusto@msn.com Éric Fleming Bonilha eric@digifort.com.br Gilson Torres Dias gilson@maempec.com.br Luciano

Leia mais

Implementação de Algoritmo em PHP para Detecção de Faces em Imagens Estáticas

Implementação de Algoritmo em PHP para Detecção de Faces em Imagens Estáticas Implementação de Algoritmo em PHP para Detecção de Faces em Imagens Estáticas Helmiton Filho, Mikaelle Oliveira, Carlos Danilo Miranda Regis Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

Leia mais

Multi-processamento. Arquitecturas MIMD de memória partilhada Multi-cores heterogéneos Multi-processadores

Multi-processamento. Arquitecturas MIMD de memória partilhada Multi-cores heterogéneos Multi-processadores Multi-processamento Arquitecturas MIMD de memória partilhada Multi-cores heterogéneos Multi-processadores Arquitecturas MIMD de memória distribuída Massive Parallel Computers Sistemas distribuídos Ainda

Leia mais

Arquitetura de Computadores para. Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais. Sumário

Arquitetura de Computadores para. Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais. Sumário Arquitetura de Computadores para Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores para Sistemas Operacionais Tecnologias em Informática 2o Semestre Sistemas Operacionais Prof. Cid R Andrade Sumário Conhecer

Leia mais

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 1 2 Revisão de Hardware 2.1 Hardware O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 2.1.1 Processador O Processador

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron.

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron. 1024 UMA ABORDAGEM BASEADA EM REDES PERCEPTRON MULTICAMADAS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE MASSAS NODULARES EM IMAGENS MAMOGRÁFICAS Luan de Oliveira Moreira¹; Matheus Giovanni Pires² 1. Bolsista PROBIC, Graduando

Leia mais

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn OBJETIVO: definir computação paralela; o modelo de computação paralela desempenhada por computadores paralelos; e exemplos de uso da arquitetura

Leia mais

Desenvolvimento de Modelo ESL para Controlador de Acesso Direto à Memória (DMA)

Desenvolvimento de Modelo ESL para Controlador de Acesso Direto à Memória (DMA) UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA 2012.1 Desenvolvimento de Modelo ESL para Controlador de Acesso Direto à Memória (DMA) PROPOSTA DE TRABALHO

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 6 - ARQUITETURAS AVANÇADAS DE COMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO As arquiteturas dos processadores têm evoluído ao longo dos anos, e junto com ela o conceito de arquitetura avançada tem se modificado. Nos

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CURSO DE TECNOLOGIA EM NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CURSO DE TECNOLOGIA EM NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CURSO DE TECNOLOGIA EM NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR COMPUTAÇÃO GRÁFICA Disciplina: 08 Período: 4º José Eduardo

Leia mais

Um Modelo de Componentes de Software com Suporte a Múltiplas Versões

Um Modelo de Componentes de Software com Suporte a Múltiplas Versões Hugo Roenick Um Modelo de Componentes de Software com Suporte a Múltiplas Versões Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós graduação em Informática do Departamento de Informática

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

Arquitetura de Computadores II

Arquitetura de Computadores II Universidade Federal do Rio de Janeiro Informática DCC/IM Arquitetura de Computadores II Sistemas de Troca de Mensagens O Sistema de Comunicação provê tipicamente os seguintes serviços para as aplicações:

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 8

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 8 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 8 Índice 1. A Organização do Computador - Continuação...3 1.1. Processadores - II... 3 1.1.1. Princípios de projeto para computadores modernos... 3 1.1.2. Paralelismo...

Leia mais

Definindo melhor alguns conceitos

Definindo melhor alguns conceitos Definindo melhor alguns conceitos Processamento Paralelo: processamento de informação concorrente que pertencem a um ou mais processos que resolvem um único problema. Processamento Distribuído: processamento

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

Sistema de Contagem, Identificação e Monitoramento Automático de Rotas de Veículos baseado em Visão Computacional

Sistema de Contagem, Identificação e Monitoramento Automático de Rotas de Veículos baseado em Visão Computacional Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Controle e Automação Sistema de Contagem, Identificação e Monitoramento Automático de Rotas de Veículos baseado

Leia mais

SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS

SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS Formulário para submissão de projeto Dados do Projeto e do (a) Orientador (a) do Projeto Título do Projeto: Um aplicativo

Leia mais

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Autores: Caio Felipe Favaretto, Henrique Corrêa Ramiro, Rômulo de Oliveira Souza e Marcelo Barboza Silva Professor orientador:

Leia mais

Sistema de Controle de Acesso Baseado no Reconhecimento de Faces

Sistema de Controle de Acesso Baseado no Reconhecimento de Faces Sistema de Controle de Acesso Baseado no Reconhecimento de Faces Access Control System Based on Face Recognition Tiago A. Neves, Welton S. De Oliveira e Jean-Jacques De Groote Faculdades COC de Ribeirão

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Engenharia de Software Parte I Introdução Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Mitos do Desenvolvimento de Software A declaração de objetivos é suficiente para se construir um software.

Leia mais

Como se tornar um desenvolvedor de plug-ins para AutoCAD e Revit

Como se tornar um desenvolvedor de plug-ins para AutoCAD e Revit Como se tornar um desenvolvedor de plug-ins para AutoCAD e Revit Vitor Paulo Silva Se você é um projetista e sua principal ferramenta de trabalho é o AutoCAD ou o Revit, certamente você já se deparou com

Leia mais

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2 Testes de Software Sumário Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões Testes de Software 2 Objectivos Verificação o programa está de acordo com a especificação (construímos bem o produto?) Validação

Leia mais

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers)

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers) Arquiteturas RISC (Reduced Instructions Set Computers) 1 INOVAÇÕES DESDE O SURGIMENTO DO COMPU- TADOR DE PROGRAMA ARMAZENADO (1950)! O conceito de família: desacoplamento da arquitetura de uma máquina

Leia mais

Vigilância e Monitoramento em Tempo Real de Veículos em Rodovias com Câmeras Não-Calibradas

Vigilância e Monitoramento em Tempo Real de Veículos em Rodovias com Câmeras Não-Calibradas Mauricio Azevedo Lage Ferreira Vigilância e Monitoramento em Tempo Real de Veículos em Rodovias com Câmeras Não-Calibradas Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

28/9/2010. Paralelismo no nível de instruções Processadores superescalares

28/9/2010. Paralelismo no nível de instruções Processadores superescalares Arquitetura de Computadores Paralelismo no nível de instruções Processadores superescalares Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Processadores superescalares A partir dos resultados

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Palavras-chave: On-line Analytical Processing, Data Warehouse, Web mining.

Palavras-chave: On-line Analytical Processing, Data Warehouse, Web mining. BUSINESS INTELLIGENCE COM DADOS EXTRAÍDOS DO FACEBOOK UTILIZANDO A SUÍTE PENTAHO Francy H. Silva de Almeida 1 ; Maycon Henrique Trindade 2 ; Everton Castelão Tetila 3 UFGD/FACET Caixa Postal 364, 79.804-970

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DISTRIBUIDOS Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DISTRIBUIDOS Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DISTRIBUIDOS Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Informática 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais.

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Patricia Alves Machado Telecomunicações, Instituto Federal de Santa Catarina machadopatriciaa@gmail.com

Leia mais

Luiz Marques Afonso. Um Estudo Sobre Contratos em Sistemas de Componentes de Software. Dissertação de Mestrado

Luiz Marques Afonso. Um Estudo Sobre Contratos em Sistemas de Componentes de Software. Dissertação de Mestrado Luiz Marques Afonso Um Estudo Sobre Contratos em Sistemas de Componentes de Software DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Pós graduação em Informática Rio de Janeiro Setembro

Leia mais

Software Educacional Livre para Análise Não-Linear e Dimensionamento de Pórtico Plano em Estruturas Metálicas

Software Educacional Livre para Análise Não-Linear e Dimensionamento de Pórtico Plano em Estruturas Metálicas Software Educacional Livre para Análise Não-Linear e Dimensionamento de Pórtico Plano em Estruturas Metálicas Autor : Paulo Cavalcante Ormonde Orientador: Alex Sander Clemente de Souza São Paulo, 14 de

Leia mais

Professor: Ronilson Morais Lobo. Salvador / 2015

Professor: Ronilson Morais Lobo. Salvador / 2015 Professor: Ronilson Morais Lobo Salvador / 2015 Introdução Motivação: Criar uma metodologia, Protótipar cenários reais, Proporcionar jogos divertidos, intuitivos e colaborativos. Tecnologia, Conceitos

Leia mais

Marcos Cardoso Engenheiro de Vendas Bruno Cesar Engenheiro de Sistemas

Marcos Cardoso Engenheiro de Vendas Bruno Cesar Engenheiro de Sistemas O que há de novo no LabVIEW 8.6 86 Marcos Cardoso Engenheiro de Vendas Bruno Cesar Engenheiro de Sistemas O que há na Versão 8.6? Aumento de produtividade Visualização avançada Análise e cálculos aprimorados

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA

BARRAMENTO DO SISTEMA BARRAMENTO DO SISTEMA Memória Principal Processador Barramento local Memória cachê/ ponte Barramento de sistema SCSI FireWire Dispositivo gráfico Controlador de vídeo Rede Local Barramento de alta velocidade

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Computação Afetiva: Uma ferramenta para avaliar aspectos afetivos em aplicações computacionais.

Computação Afetiva: Uma ferramenta para avaliar aspectos afetivos em aplicações computacionais. 286 Computação Afetiva: Uma ferramenta para avaliar aspectos afetivos em aplicações computacionais. Saulo William S. Costa, Ailton Lopes de Sousa, Yomara Pires Laboratório de Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Atender às novas demandas corporativas da UERJ e otimizar as soluções já implementadas, de acordo com a missão da Diretoria.

OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Atender às novas demandas corporativas da UERJ e otimizar as soluções já implementadas, de acordo com a missão da Diretoria. DINFO - DIRETORIA DE INFORMÁTICA MISSÃO DA UNIDADE: Gerir a tecnologia da informação na Universidade através do desenvolvimento de novos sistemas corporativos, da manutenção da infra-estrutura das redes

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL. Capítulo 2. Conceitos de Hardware e Software

ANHANGUERA EDUCACIONAL. Capítulo 2. Conceitos de Hardware e Software ANHANGUERA EDUCACIONAL Capítulo 2 Conceitos de Hardware e Software Hardware Um sistema computacional é um conjunto de de circuitos eletronicos. Unidade funcionais: processador, memória principal, dispositivo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

enbsp - NBioBSP NITGEN Biometric Service Provider SDK Manual do Desenvolvedor SDK version 4.xx

enbsp - NBioBSP NITGEN Biometric Service Provider SDK Manual do Desenvolvedor SDK version 4.xx Índice: CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO... 3 Módulo NBioBSP COM... 3 Módulo NBioBSP Class Library... 3 Módulo Data Conversion... 3 Módulo Image Conversion... 3 1.1 CARACTERÍSTICAS... 4 Interface Gráfica para o

Leia mais

Construindo Sistemas de Gravação e Reprodução de Dados de Áudio, Vídeo e GPS com a Plataforma PXI

Construindo Sistemas de Gravação e Reprodução de Dados de Áudio, Vídeo e GPS com a Plataforma PXI Construindo Sistemas de Gravação e Reprodução de Dados de Áudio, Vídeo e GPS com a Plataforma PXI André Oliveira Engenheiro de Vendas Bruno César Engenheiro de Sistemas 1 Denominador Comum em Sistemas

Leia mais

Gerência de Entrada/Saída

Gerência de Entrada/Saída Gerência de Entrada/Saída Prof Clodoaldo Ap Moraes Lima 1 Princípios básicos de hardware Periférico é um dispositivo conectado a um computador de forma a possibilitar sua interação com o mundo externo

Leia mais

CONTROLO VISUAL DE UM TAPETE ROLANTE

CONTROLO VISUAL DE UM TAPETE ROLANTE CONTROLO VISUAL DE UM TAPETE ROLANTE José Fernandes; José Silva; Nuno Vieira; Paulo Sequeira Gonçalves Curso de Engenharia Industrial Escola Superior de Tecnologia de Castelo Branco Av. do Empresário,

Leia mais

BIBLIOTECA PARA ANÁLISE DE DADOS EM IMAGENS ESTEREOSCÓPICAS

BIBLIOTECA PARA ANÁLISE DE DADOS EM IMAGENS ESTEREOSCÓPICAS BIBLIOTECA PARA ANÁLISE DE DADOS EM IMAGENS ESTEREOSCÓPICAS Aluno: Ricardo I Salvador Orientador: Marcel Hugo Roteiro Introdução à biblioteca Objetivo da biblioteca Fundamentação Teórica Trabalhos Correlatos

Leia mais

Detecção e Rastreamento de Objetos coloridos em vídeo utilizando o OpenCV

Detecção e Rastreamento de Objetos coloridos em vídeo utilizando o OpenCV Detecção e Rastreamento de Objetos coloridos em vídeo utilizando o OpenCV Bruno Alberto Soares OLIVEIRA 1,3 ; Servílio Souza de ASSIS 1,3,4 ; Izadora Aparecida RAMOS 1,3,4 ; Marlon MARCON 2,3 1 Estudante

Leia mais

Esclarecimento: Não, a operação de matching ocorre no lado cliente da solução, de forma distribuída.

Esclarecimento: Não, a operação de matching ocorre no lado cliente da solução, de forma distribuída. 1 Dúvida: - Em relação ao item 1.2 da Seção 2 - Requisitos funcionais, entendemos que a solução proposta poderá funcionar em uma arquitetura Web e que na parte cliente estará apenas o componente de captura

Leia mais

Imagem retirada de documentações de treinamentos oficiais INTEL

Imagem retirada de documentações de treinamentos oficiais INTEL O que é Hyper-Threading (HT)? Hyper-Threading (HT) é uma tecnologia existe nos processadores que visa explorar com mais eficiência o uso da CPU, o grande foco desta tecnologia é evitar ociosidade de processamento

Leia mais

Como manter uma rede com qualidade de serviço? Gerência de Rede. Visão Geral da Gerência de Redes. Importância de gerência de Redes. Cont.

Como manter uma rede com qualidade de serviço? Gerência de Rede. Visão Geral da Gerência de Redes. Importância de gerência de Redes. Cont. Gerência de Rede A importância estratégica crescente das redes envolve: Aplicações indispensáveis à organização Quanto mais complexo o ambiente maior o risco de coisas erradas acontecerem. Como manter

Leia mais

Cálculo Aproximado do número PI utilizando Programação Paralela

Cálculo Aproximado do número PI utilizando Programação Paralela Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Cálculo Aproximado do número PI utilizando Programação Paralela Grupo 17 Raphael Ferras Renan Pagaiane Yule Vaz SSC-0143 Programação

Leia mais

Engenharia de Software: conceitos e aplicações. Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com

Engenharia de Software: conceitos e aplicações. Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com Engenharia de Software: conceitos e aplicações Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com 1 Objetivos da aula Apresentar os conceitos de Engenharia de Software e explicar a sua importância.

Leia mais

Unidade 13: Paralelismo:

Unidade 13: Paralelismo: Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 13: Paralelismo: SMP e Processamento Vetorial Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar os conceitos fundamentais da arquitetura SMP e alguns detalhes

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor Cliente/Servidor Desenvolvimento de Sistemas Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor As metodologias clássicas, tradicional ou orientada a objeto, são aplicáveis

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS O termo metodologia não possui uma definição amplamente aceita, sendo entendido na maioria das vezes como um conjunto de passos e procedimentos que

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

Exemplo de Arquitetura: Cliente/Servidor com Mestre e Escravos. Interface em IDL. Dynamic Invocation Interface. Exemplo invocação DII em Java

Exemplo de Arquitetura: Cliente/Servidor com Mestre e Escravos. Interface em IDL. Dynamic Invocation Interface. Exemplo invocação DII em Java Exemplo de Arquitetura: Cliente/Servidor com Mestre e s Arquitetura Mestre- Speed-up / Cliente Mestre Prof João Paulo A Almeida (jpalmeida@infufesbr) Cliente 2009/01 - INF02799 Com alguns slides de Parallel

Leia mais

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Diego Luís Kreutz, Gabriela Jacques da Silva, Hélio Antônio Miranda da Silva, João Carlos Damasceno Lima Curso de Ciência da Computação

Leia mais

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Maestro Arthur Kazuo Tojo Costa 317497 Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Introdução Sistema Operacional de Redes Detalhes do hardware Multiplexação

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Identificação de Modelos GARCH Usando Inteligência Computacional

Identificação de Modelos GARCH Usando Inteligência Computacional André Machado Caldeira Identificação de Modelos GARCH Usando Inteligência Computacional Tese de Doutorado Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica do Departamento de Engenharia

Leia mais

Capítulo 2 (Livro Texto*) - Notas de Aula - Parte II

Capítulo 2 (Livro Texto*) - Notas de Aula - Parte II Capítulo 2 (Livro Texto*) - Notas de Aula - Parte II 1. Organização de um Computador : Computador: formado por 3 módulos distintos: UCP (UAL e UC) Memória (memória principal ou memória RAM)

Leia mais

Sistemas Embarcados Android

Sistemas Embarcados Android Engenharia Elétrica UFPR 7 de março de 2013 Outline Desenvolvido para sistemas móveis pelo Google: Android Open Source Project (AOSP) Grande sucesso, devido a combinação de: open source licensing aggressive

Leia mais

SIS17-Arquitetura de Computadores

SIS17-Arquitetura de Computadores Sistema de Computação SIS17-Arquitetura de Computadores Apresentação da Disciplina Peopleware Hardware Software Carga Horária: 40 horas 2 Computadores atuais Unidade Central de Processamento Entrada Computadores

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Deivide Possamai e Fernando Fernandes

Deivide Possamai e Fernando Fernandes Deivide Possamai e Fernando Fernandes Introdução o o Baixa Visão Amplificação Digital Motivação xlupa embarcado Desafios de Implementação Otimização do tempo de processamento do frame via mudança de fluxo

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Otavio Rezende da Silva Uma Arquitetura para Sistemas Multi- Agentes Baseada em Espaços de Tuplas Reflexivos DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Programa de Pós-Graduação em Informática Rio de Janeiro, dezembro de

Leia mais

PROTÓTIPO DE APLICAÇÃO PARA O PROBLEMA DE ROTEAMENTO DE VEÍCULOS EM DISPOSITIVOS MÓVEIS NA PLATAFORMA ANDROID

PROTÓTIPO DE APLICAÇÃO PARA O PROBLEMA DE ROTEAMENTO DE VEÍCULOS EM DISPOSITIVOS MÓVEIS NA PLATAFORMA ANDROID PROTÓTIPO DE APLICAÇÃO PARA O PROBLEMA DE ROTEAMENTO DE VEÍCULOS EM DISPOSITIVOS MÓVEIS NA PLATAFORMA ANDROID Acadêmica: Shaiane Mafra Casa Orientador: Jacques Robert Heckmann 07/2013 Roteiro Introdução

Leia mais

Computadores de Programação (MAB353)

Computadores de Programação (MAB353) Computadores de Programação (MAB353) Aula 19: Visão geral sobre otimização de programas 06 de julho de 2010 1 2 3 Características esperadas dos programas O primeiro objetivo ao escrever programas de computador

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Paralelismo. Computadores de alto-desempenho são utilizados em diversas áreas:

Paralelismo. Computadores de alto-desempenho são utilizados em diversas áreas: Computadores de alto-desempenho são utilizados em diversas áreas: - análise estrutural; - previsão de tempo; - exploração de petróleo; - pesquisa em fusão de energia; - diagnóstico médico; - simulações

Leia mais

Co-simulação gráfica. André Pereira Gerente de Marketing Técnico. ni.com

Co-simulação gráfica. André Pereira Gerente de Marketing Técnico. ni.com Co-simulação gráfica André Pereira Gerente de Marketing Técnico A revolução da energia digital Meça(Entenda o problema) Adquira Analise Apresente Implemente Prototipe Melhore(Crie soluções) Projete 2 NI

Leia mais

Tipos de teste de software

Tipos de teste de software Tipos de teste de software Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br Adilson Hira ayhira@lsi.usp.br Laboratório de Sistemas Integráveis Departamento de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP Sumário

Leia mais

ST364 Estruturas de Dados Grupo 4 apresenta: Seminário MERGESORT Blog - http://grupomergesort.blogspot.com

ST364 Estruturas de Dados Grupo 4 apresenta: Seminário MERGESORT Blog - http://grupomergesort.blogspot.com ST364 Estruturas de Dados Grupo 4 apresenta: Seminário MERGESORT Blog - http://grupomergesort.blogspot.com Apresentação do Grupo André Pereira Giacon Dandara Contieri Folis Diego Narciso Hernandes Fernanda

Leia mais

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software São Paulo 2007 JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Interação Humano - Computador usando Visão Computacional

Interação Humano - Computador usando Visão Computacional Interação Humano - Computador usando Visão Computacional Bernardo Bucher B. Barbosa 1, Júlio César Silva 2 1 UNIFESO, Centro de Ciências e Tecnologia, Curso de Ciência da Computação, brgenius@gmail.com

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

Ferramentas para Simulação e Avaliação de Processadores. de Alto Desempenho

Ferramentas para Simulação e Avaliação de Processadores. de Alto Desempenho Ferramentas para Simulação e Avaliação de Processadores de Alto Desempenho 5 de agosto de 2010 Resumo 1 Apresentação e Justificativa A tarefa de avaliar e comparar experimentalmente projetos em torno de

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AO PARALELISMO: PROCESSADORES SUPERESCALARES. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AO PARALELISMO: PROCESSADORES SUPERESCALARES. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AO PARALELISMO: PROCESSADORES SUPERESCALARES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Lembretes Compreender o funcionamento da Arquitetura Superpipeline Compreender

Leia mais

COMPONENTES DE REDES. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

COMPONENTES DE REDES. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br COMPONENTES DE REDES Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Componentes de rede Placas de interface Transceptores Repetidores HUBs Pontes Switches Roteadores Gateways Servidores

Leia mais

Estudo de Métodos Automáticos de Reconhecimento Facial para Vídeo Monitoramento

Estudo de Métodos Automáticos de Reconhecimento Facial para Vídeo Monitoramento Victor Hugo Ayma Quirita Estudo de Métodos Automáticos de Reconhecimento Facial para Vídeo Monitoramento Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de

Leia mais

ATIVIDADES PARA A INCORPORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS MÉDICO- HOSPITALARES Ênfase em software/firmware

ATIVIDADES PARA A INCORPORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS MÉDICO- HOSPITALARES Ênfase em software/firmware ATIVIDADES PARA A INCORPORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS MÉDICO- HOSPITALARES Ênfase em software/firmware firmware Saide Jorge Calil Centro de Engenhara Biomédica Departamento de Engenharia Biomédica Faculdade de

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros email@hugobarros.com.br

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros email@hugobarros.com.br Organização e Arquitetura de Computadores Hugo Barros email@hugobarros.com.br RISC X SISC RISC: Reduced Instruction Set Computer Nova Tecnologia para máquinas de alta performance; Máquina com um conjunto

Leia mais

Produção de aplicativo de catálogo de cursos da UTFPR para o sistema Android

Produção de aplicativo de catálogo de cursos da UTFPR para o sistema Android Produção de aplicativo de catálogo de cursos da UTFPR para o sistema Android Wenner S. Santos*, Marcos Silvano Orita Almeida* *COINT / UTFPR, Campo Mourão, Brasil e-mail: wenner.santos@hotmail.com Resumo/Abstract

Leia mais