Arquitectura de Sistemas Paralelos e Distribuídos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arquitectura de Sistemas Paralelos e Distribuídos"

Transcrição

1 Docentes Arquitectura de Sistemas Paralelos e Distribuídos 0. Introdução Prof. Paulo Marques Dep. Eng. Informática, Univ. Coimbra Prof. Luís Silva Dep. Eng. Informática, Univ. Coimbra Página web da disciplina: Ago/2007 Paulo Marques Dep. Eng. Informática Universidade de Coimbra 2 Introdução Grandes Desafios Computacionais Existem problemas que não se conseguem resolver com computadores normais Desenvolvimento de drogas para combater doenças (e.g. HIV, Malária) Simulação de modelos climatéricos Simulação e previsão de tremores de terra Física planetária e exploração espacial Desenvolvimento de circuitos electrónicos Estado de arsenais nucleares Abordagens Tenho um programa que demora 7 dias a executar. Este tempo é demasiado longo para que o programa me seja útil. Como é que o consigo fazer correr num dia? 1. Trabalhando de forma mais inteligente (i.e. usando algoritmos melhores) 2. Trabalhando mais rapidamente (i.e. comprando um processador/memória mais rápido) 3. Dividindo o trabalho (i.e. colocando vários processadores/computadores a trabalhar) 3 4

2 O que vamos fazer? Motivação Nesta cadeira estamos interessados na 3ª abordagem: Dividir o trabalho por vários processadores/computadores! Não queremos perder demasiado tempo a pensar numa solução mais rápida ou gastar demasiado $$$ numa máquina maior/mais rápida. Porquê? Pode não ser possível encontrar algoritmos mais rápidos Máquinas mais rápidas são tipicamente muito caras Existem muitos computadores disponíveis nas instituições (especialmente à noite) Existem empresas que vendem tempo de processamento Usar diversos processadores permite resolver problemas maiores! Usar diversos processadores permite resolver problemas maiores?! 9 mulheres não conseguem ter um bebé num mês, mas conseguem ter 9 bebés em 9 meses (Forma informal de exprimir a lei de Gustafson-Barsis) O que isto quer dizer é que existe uma quantidade imensa de paralelismo disponível quando se tentam resolver problemas maiores. Embora uma tarefa individual possa não correr mais rápido, é possível resolver várias simultaneamente gastando o mesmo tempo. 5 6 BlueGene/L O Computador Mais Rápido do Mundo TOP 500 (www.top500.org) 360 TFLOPS 65,536 Dual-Processor Nodes 32TB de RAM Linux SLES 7 8

3 Com custos mais baixos Um pequeno vídeo 9 10 Plano Agosto Arquitecturas e hardware de sistemas de alto desempenho Aspectos quantitativos do desenvolvimento de aplicações paralelas (Lei de Amdal e Lei de Gustafson-Barsis) Modelos de programação de sistemas de alto desempenho Estratégias básicas para paralelização de aplicações Programação paramétrica usando Condor Programação em memória partilhada com Java Threads Programação em memória partilhada com OpenMP Fevereiro Programação de sistemas de memória distribuída: MPI Sistemas de ficheiros distribuídos e paralelos Sistemas de computação Grid Avaliação Duas frequências (70%) Dois trabalhos práticos (20%) (Agosto) Programação com OpenMP (Fevereiro) Programação com MPI Um trabalho de pesquisa (10%) (Agosto) Relatório sobre um tema de computação concorrente/paralela Frequências 1ª Frequência: Quinta-feira, 9 de Agosto 2ª Frequência: Fevereiro Trabalhos Práticos 1º Trabalho: Sexta-feira, 10 de Agosto (início do trabalho no final desta semana) Trabalho de Pesquisa: Segunda-feira, 6 de Agosto (início do trabalho amanhã) 2º Trabalho: Fevereiro 11 12

4 Trabalho de Pesquisa Possíveis Tópicos: Bibliografia Slides da Disciplina Grid Computing: O que é, como funciona? Cluster Computing: O que é, como funciona? Os mais poderosos computadores do mundo Utilização de placas gráficas para computação paralela Utilização de consolas de jogos para computação paralela? Parallel Programming: Techniques and Applications Using Networked Workstations and Parallel Computers, Barry Wilkinson, Michael Allen, C. Michael Allen, Prentice Hall, March 2004 MPI, The Complete Reference, Vol. 1: The MPI Core, Marc Snir et. al., 2nd ed., September 1998 OpenMP C/C++ Application Programming Interface, Version 2.0, March Aviso O conteúdo dos slides utilizados nas aulas provém de diversas fontes. Em particular: Prof. Paulo Marques, Universidade de Coimbra Prof. Luís Silva, Universidade de Coimbra Prof. Filipe Araújo, Universidade de Coimbra Prof. Patrício Domingues, Instituto Politécnico de Leiria Outros conteúdos provêm dos recursos de seguida indicados, assim como diversas fontes na web Os respectivos direitos de cópia pertencem aos respectivos autores Recursos Lawrence Livermore National Laboratory (LLNL): (http://www.llnl.gov/computing/training/index.html) Introduction to Parallel Computing Message Passing Interface (MPI) OpenMP Edinburgh Parallel Computing Center (EPCC): (http://www.epcc.ed.ac.uk/computing/training/document_archive/) Decomposing the Potentially Parallel Course Writing Message-Passing Parallel Programs with MPI Intel Corporation & Purdue University: (http://www.openmp.org/presentations/index.cgi?sc99_tutorial) OpenMP: An API for Writing Portable SMP Application Software, a tutorial presented at Super Computing 99 by Tim Mattson & Rudolf Eigenmann 15 16

5 Let s Do It! 17

ANÁLISE DE DESEMPENHO DA PARALELIZAÇÃO DO CÁLCULO DE NÚMEROS PRIMOS UTILIZANDO PTHREAD E OPENMP 1

ANÁLISE DE DESEMPENHO DA PARALELIZAÇÃO DO CÁLCULO DE NÚMEROS PRIMOS UTILIZANDO PTHREAD E OPENMP 1 ANÁLISE DE DESEMPENHO DA PARALELIZAÇÃO DO CÁLCULO DE NÚMEROS PRIMOS UTILIZANDO PTHREAD E OPENMP 1 Francisco Berti Da Cruz 2, Cleber Cristiano Sartorio 3, Edson Luiz Padoin 4, Emilio Hoffmann 5. 1 Trabalho

Leia mais

Exemplo de Arquitetura: Cliente/Servidor com Mestre e Escravos. Interface em IDL. Dynamic Invocation Interface. Exemplo invocação DII em Java

Exemplo de Arquitetura: Cliente/Servidor com Mestre e Escravos. Interface em IDL. Dynamic Invocation Interface. Exemplo invocação DII em Java Exemplo de Arquitetura: Cliente/Servidor com Mestre e s Arquitetura Mestre- Speed-up / Cliente Mestre Prof João Paulo A Almeida (jpalmeida@infufesbr) Cliente 2009/01 - INF02799 Com alguns slides de Parallel

Leia mais

Organização de Computadores 2005/2006

Organização de Computadores 2005/2006 Organização de Computadores 2005/2006 Paulo Ferreira paf a dei.isep.ipp.pt Fevereiro de 2006 Informação 2 Docentes..................................................................... 3 Avaliação.....................................................................

Leia mais

4 Computação Paralela 4.1. Introdução

4 Computação Paralela 4.1. Introdução 4 Computação Paralela 4.1. Introdução Nos últimos anos observa-se uma tendência cada vez maior do aumento da demanda computacional na resolução de grandes problemas. Exemplos de aplicações que exigem alto

Leia mais

COMPUTAÇÃO PARALELA. uma visão geral. Guilherme Galante. v.2.0

COMPUTAÇÃO PARALELA. uma visão geral. Guilherme Galante. v.2.0 COMPUTAÇÃO PARALELA uma visão geral Guilherme Galante v.2.0 Guilherme Galante Bacharel em Informática Unioeste (2003) Mestre em Ciência da Computação UFRGS (2006) Professor Assistente do curso de Informática/Ciência

Leia mais

slide 0 Algoritmos Paralelos

slide 0 Algoritmos Paralelos slide 0 Algoritmos Paralelos Slide 2 Demanda por Velocidade Computational Demanda contínua por maior rapidez computational das máquinas que as atualmente disponíveis. As áreas que exigem maior rapidez

Leia mais

Cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas - UnP

Cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas - UnP Cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas - UnP Professor Nielsen Castelo Damasceno E-mail: nielsen.castelo@unp.br Web: http://ncdd.com.br Sala de Aula Online Curso Sistemas distribuídos (CH Total

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Trabalho elaborado por: 980368 - Sérgio Gonçalves Lima 1010949 - Nisha Sudhirkumar Chaganlal Clusters O que é

Leia mais

Questão 1. Benefícios. Benefícios. Desafios. Desafios. 1. Quais são os desafios e benefícios em potencial da computação distribuída?

Questão 1. Benefícios. Benefícios. Desafios. Desafios. 1. Quais são os desafios e benefícios em potencial da computação distribuída? Questão 1 1. Quais são os desafios e benefícios em potencial da computação distribuída? Processamento Paralelo Correção Simulado Prof. João Paulo A. Almeida (jpalmeida@inf.ufes.br) 2007/01 - INF02799 Com

Leia mais

CASE STUDY FOR RUNNING HPC APPLICATIONS IN PUBLIC CLOUDS

CASE STUDY FOR RUNNING HPC APPLICATIONS IN PUBLIC CLOUDS Universidade da Beira Interior Mestrado em Engenharia Informática Sistemas de Informação Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Apresentação de Artigo CASE STUDY FOR RUNNING HPC APPLICATIONS IN PUBLIC

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS E PARALELOS 2014/2015 1º SEMESTRE

SISTEMAS DISTRIBUIDOS E PARALELOS 2014/2015 1º SEMESTRE SISTEMAS DISTRIBUIDOS E PARALELOS 2014/2015 1º SEMESTRE Objectivos da Disciplina Desenvolver competências técnicas e científicas na área dos sistemas distribuídos e paralelos. Compreender o conceito de

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Renovação de Reconhecimento pela Portaria n 123 de 09/07/12 DOU de 10/07/12 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Renovação de Reconhecimento pela Portaria n 123 de 09/07/12 DOU de 10/07/12 PLANO DE CURSO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Renovação de Reconhecimento pela Portaria n 123 de 09/07/12 DOU de 10/07/12 Componente Curricular: Sistemas Concorrentes e Distribuídos Código: ENG - 436 Pré-requisito:

Leia mais

Paradigmas de Computação

Paradigmas de Computação UCE- Computação Paralela e Distribuída Paradigmas de Computação João Luís Ferreira Sobral www.di.uminho.pt/~jls jls@... http://alba.di.uminho.pt/... 1 Paradigmas de Computação Paralela Resultados da Aprendizagem!

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DISTRIBUIDOS Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DISTRIBUIDOS Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DISTRIBUIDOS Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Informática 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

Introdução. Sistemas Distribuídos. Mas, o que é um sistema distribuído? Seriamente. Professor: Paulo Jorge Marques. Professora Práticas: Pinki Meggi

Introdução. Sistemas Distribuídos. Mas, o que é um sistema distribuído? Seriamente. Professor: Paulo Jorge Marques. Professora Práticas: Pinki Meggi Introdução Sistemas Distribuídos Professor: Paulo Jorge Marques Email: pmarques@dei.uc.pt Universidade de Coimbra, Portugal Área de Sistemas Distribuídos Curso de Eng. Informática ISCTEM, Julho 2007 Professora

Leia mais

Sistemas Operativos. Princípios de sistemas operativos. Rui Maranhão (rma@fe.up.pt)

Sistemas Operativos. Princípios de sistemas operativos. Rui Maranhão (rma@fe.up.pt) Sistemas Operativos Princípios de sistemas operativos Rui Maranhão (rma@fe.up.pt) Agenda objectivos de um computador objectivos de um sistema operativo evolução dos sistemas operativos tipos de sistemas

Leia mais

Oracle Grid Engine. Thiago Marques Soares. Pós-Graduação em Modelagem Computacional Universidade Federal de Juiz de Fora. 8 de abril de 2015

Oracle Grid Engine. Thiago Marques Soares. Pós-Graduação em Modelagem Computacional Universidade Federal de Juiz de Fora. 8 de abril de 2015 Oracle Grid Engine Thiago Marques Soares Pós-Graduação em Modelagem Computacional Universidade Federal de Juiz de Fora 8 de abril de 2015 Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de 2015 1 /

Leia mais

TerraME HPA (High Performance Architecture)

TerraME HPA (High Performance Architecture) Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM TerraME HPA (High Performance Architecture) Aluno: Saulo Henrique Cabral Silva

Leia mais

Computação de Alto Desempenho uma pequena introdução

Computação de Alto Desempenho uma pequena introdução Computação de Alto Desempenho uma pequena introdução Pedro Alberto Laboratório de Computação Avançada Centro de Física Computacional Unversidade de Coimbra 1 Sumário Porque é que é precisa a computação

Leia mais

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Cluster Resumo Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Introdução Sua empresa esta precisando fazer um grande processamento; As Nuvens existentes não são suficientes para sua empresa;

Leia mais

Paralelização Introdução a vetorização, OpenMP e MPI

Paralelização Introdução a vetorização, OpenMP e MPI 1/45 Paralelização Introdução a vetorização, OpenMP e MPI 1 Conceitos Paulo Penteado IAG / USP pp.penteado@gmail.com Esta apresentação: Arquivos do curso: Artigo relacionado: http://www.ppenteado.net/ast/pp_para_on/pp_para_on_1.pdf

Leia mais

Open Graphics Library OpenGL

Open Graphics Library OpenGL Open Graphics Library OpenGL Filipe Gonçalves Barreto de Oliveira Castilho Nuno Alexandre Simões Aires da Costa Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal http://student.dei.uc.pt/~fgonc/opengl/

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores 2. Apresentação da Disciplina

Arquitetura e Organização de Computadores 2. Apresentação da Disciplina Arquitetura e Organização de Computadores 2 Apresentação da Disciplina 1 Objetivos Gerais da Disciplina Aprofundar o conhecimento sobre o funcionamento interno dos computadores em detalhes Estudar técnicas

Leia mais

Programação Paralela Híbrida em CPU e GPU: Uma Alternativa na Busca por Desempenho

Programação Paralela Híbrida em CPU e GPU: Uma Alternativa na Busca por Desempenho 124 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Programação Paralela Híbrida em CPU e GPU: Uma Alternativa na Busca por Desempenho André Luís Stefanello¹, Crístian Cleder Machado1, Dioni da Rosa¹, Maurício

Leia mais

7 Processamento Paralelo

7 Processamento Paralelo 7 Processamento Paralelo Yes, of course, who has time? Who has time? But then if we do not ever take time, how can we ever have time? (The Matrix) 7.1 Introdução Classificação de Sistemas Paralelos Diversas

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Um Modelo de Virtualização em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos

Um Modelo de Virtualização em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos Um Modelo de Virtualização em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos Josiney de Souza e Rubens Massayuki Suguimoto Mestrado em Informática - Grid Computing Grid Computing, computação em

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Informática 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

MIEM Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica

MIEM Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador MIEM Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica 1º Semestre 2015/2016 www.fe.up.pt/~tavares/ensino/cfac/cfac.html Docentes Prof. João Manuel R. S. Tavares

Leia mais

Balanceamento de Carga

Balanceamento de Carga 40 4. Balanceamento de Carga Pode-se entender por balanceamento de carga uma política a ser adotada para minimizar tanto a ociosidade de utilização de alguns equipamentos quanto a super utilização de outros,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Sistemas Operativos 2003/2004 Trabalho Prático #2 -- Programação em C com ponteiros -- Objectivos Familiarização

Leia mais

Cornell usa computação de alto desempenho para acelerar a pesquisa e ampliar o acesso a softwares

Cornell usa computação de alto desempenho para acelerar a pesquisa e ampliar o acesso a softwares Portfólio de produtos Microsoft para servidores Estudo de caso de solução do cliente Cornell usa computação de alto desempenho para acelerar a pesquisa e ampliar o acesso a softwares Visão geral País ou

Leia mais

Programação Sistemas Computacionais

Programação Sistemas Computacionais Programação Sistemas Computacionais LEE - 2013/14 Os acetatos foram escritos de acordo com a ortografia antiga Programação de Sistemas Introdução : 1/22 Enquadramento Disciplina no semestre de primavera

Leia mais

Introdução a Threads Java

Introdução a Threads Java Introdução a Threads Java Prof. Gerson Geraldo Homrich Cavalheiro Universidade Federal de Pelotas Departamento de Informática Instituto de Física e Matemática Pelotas RS Brasil http://gersonc.anahy.org

Leia mais

ALGORÍTMOS PARALELOS LCAD. Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004. Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES

ALGORÍTMOS PARALELOS LCAD. Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004. Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES ALGORÍTMOS PARALELOS Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004 LCAD Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES Programa do Curso LCAD 1. Introdução 2. Arquitetura de Computadores 3. Arquiteturas de Sistemas

Leia mais

Threads. 8 de janeiro de 2015

Threads. 8 de janeiro de 2015 1 / 24 Erick Nilsen Pereira de Souza T002 - Sistemas Operacionais e Org. Computadores Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 8 de janeiro de 2015 2 / 24 Agenda Tópicos

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Sistemas de Tempo Real

Sistemas de Tempo Real Sistemas de Tempo Real Docente Paulo Pedreiras pbrp@ua.pt http://ppedreiras.av.it.pt/ Adaptado dos slides desenvolvidos pelo Prof. Doutor Luís Almeida para a disciplina Sistemas de Tempo-Real DETI/UA ;

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Nuno Preguiça (nuno.preguica_at_di.fct.unl.pt) http://asc.di.fct.unl.pt/sd1 Material de suporte às aulas de Sistemas Distribuídos de Nuno Preguiça Copyright DI FCT/ UNL / 1 OBJECTIVOS

Leia mais

Otimização de Desempenho e Escalabildade do Sistema Falibras-Web com o uso de Grid Computing

Otimização de Desempenho e Escalabildade do Sistema Falibras-Web com o uso de Grid Computing Otimização de Desempenho e Escalabildade do Sistema Falibras-Web com o uso de Grid Computing João Paulo Ferreira da Silva e Patrick Henrique da Silva Brito Laboratório de Pesquisa e Extensão em Computação

Leia mais

Computação de Alto Desempenho na Ótica da Lista TOP500 ou. (Se um computador já é rápido, imaginem um sistema com 131.072 computdores :-)

Computação de Alto Desempenho na Ótica da Lista TOP500 ou. (Se um computador já é rápido, imaginem um sistema com 131.072 computdores :-) Computação de Alto Desempenho na Ótica da Lista TOP500 ou (Se um computador já é rápido, imaginem um sistema com 131.072 computdores :-) MAC 412- Organizãção de Computadores - Siang W. Song Fonte: http://www.top500.org/

Leia mais

Introdução aos Computadores e Programação

Introdução aos Computadores e Programação Introdução aos Computadores e Programação ISCTEM Agosto 2015 Docente: eng a Tatiana Kovalenko Assistente: dr. Joaquim Macuacua Site: www.icp-isctem.weebly.com Email: icp.isctem@gmail.com AULA TEÓRICA 1

Leia mais

Capítulo 8. Software de Sistema

Capítulo 8. Software de Sistema Capítulo 8 Software de Sistema Adaptado dos transparentes das autoras do livro The Essentials of Computer Organization and Architecture Objectivos Conhecer o ciclo de desenvolvimento da linguagem Java

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operativos

Arquitetura de Sistemas Operativos Arquitetura de Sistemas Operativos Sistemas Operativos 2011/2012 1 Introdução Os sistemas operativos implementam mecanismos que asseguram independência entre processos (i.e., a execução de um processo

Leia mais

Arquitecturas Paralelas I. Computação Paralela. João Luís Ferreira Sobral www.di.uminho.pt/~jls jls@... http://gec.di.uminho.

Arquitecturas Paralelas I. Computação Paralela. João Luís Ferreira Sobral www.di.uminho.pt/~jls jls@... http://gec.di.uminho. Arquitecturas Paralelas I Computação Paralela João Luís Ferreira Sobral www.di.uminho.pt/~jls jls@... http://gec.di.uminho.pt/lesi/ap1 1 Computação paralela Resultados da Aprendizagem Conceber, implementar

Leia mais

Arquitecturas Paralelas I Computação Paralela em Larga Escala. Introdução

Arquitecturas Paralelas I Computação Paralela em Larga Escala. Introdução Arquitecturas Paralelas I Computação Paralela em Larga Escala LESI - 4º Ano Introdução João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho Setembro 2003 Programa Introdução e objectivos

Leia mais

CAD Trabalho III. PThreads e OpenMP. Pedro Carvalho de Oliveira Rui André Ponte Costa

CAD Trabalho III. PThreads e OpenMP. Pedro Carvalho de Oliveira Rui André Ponte Costa Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Informática CAD Trabalho III PThreads e OpenMP Pedro Carvalho de Oliveira Rui André Ponte Costa Maio 2008 Resumo Neste

Leia mais

Java Básico. Aula 1 por Thalles Cezar

Java Básico. Aula 1 por Thalles Cezar + Java Básico Aula 1 por Thalles Cezar + Histórico Green Project (1991) Desenvolver plataforma para eletrodomésticos inteligentes Tentaram usar C++ Mas resolveram desenvolver uma linguagem própria Oak

Leia mais

Supercomputadores dominavam o mercado

Supercomputadores dominavam o mercado Clusters e Grids Introdução Supercomputadores dominavam o mercado Alto custo Requerem mão de obra muito especializada Desenvolvimento de microprocessadores poderosos a um baixo custo Desenvolvimento de

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br Tópicos da Aula Apresentação do curso Introdução Definição de sistemas distribuídos Exemplo Vantagens e desvantagens Convergência digital Desafios Visão

Leia mais

Paralelização de Simuladores de Hardware Descritos em SystemC

Paralelização de Simuladores de Hardware Descritos em SystemC Paralelização de Simuladores de Hardware Descritos em SystemC 18 de maio de 2011 Roteiro Motivação Introdução à SLDL SystemC O Escalonador SystemC Simulação Paralela baseada em Eventos Discretos Suporte

Leia mais

...de forma confiável, consistente, económica. Permite- nos acesso a grandes capacidades. Infra-estrutura de hardware e software

...de forma confiável, consistente, económica. Permite- nos acesso a grandes capacidades. Infra-estrutura de hardware e software Grid computing: O futuro ou a reinvenção da roda? Paulo Trezentos (Paulo.Trezentos@iscte.pt) Algos / INESC-ID 17/12/2002 Agenda Necessidade Enquadramento Grids Standards Implementações Características

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operativos

Introdução aos Sistemas Operativos Introdução aos Sistemas Operativos Operating System Concepts, Abraham Silberschatz, Peter Baer Galvin, 6ª Ed., Addison-Wesley, 2002 [cap.1, 2 e 3] Operating Systems, Third Edition Harvey M. Deitel, Prentice

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS COM MÚLTIPLOS PROCESSADORES LIVRO TEXTO: CAPÍTULO 13, PÁGINA 243 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional INTRODUÇÃO Arquiteturas que possuem duas ou mais CPUs interligadas

Leia mais

Infiniband: Alta eficiência no tratamento de grandes volumes de dados e na computação numérica de alto desempenho

Infiniband: Alta eficiência no tratamento de grandes volumes de dados e na computação numérica de alto desempenho Infiniband: Alta eficiência no tratamento de grandes volumes de dados e na computação numérica de alto desempenho Rodrigo da Rosa Righi (UFRGS) rrrighi@inf.ufrgs.br Diego Luís Kreutz (UFSM) kreutz@mail.ufsm.br

Leia mais

Sistemas de Bases de Dados

Sistemas de Bases de Dados Sistemas de Bases de Dados Carlos Viegas Damásio José Alferes e Carlos Viegas Damásio Sistemas de Bases de Dados 2014/15 Objectivos - Em Bases de Dados (2º ano) pretendia-se: Que os estudantes fossem capazes

Leia mais

Introdução a Organização e Arquitetura de Computadores

Introdução a Organização e Arquitetura de Computadores ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES Introdução a Organização e Arquitetura de Computadores Alexandre Amory Edson Moreno Na Aula Anterior 2 Desktop Freqüência e operação está estagnada Como aumentar

Leia mais

Cálculo Aproximado do número PI utilizando Programação Paralela

Cálculo Aproximado do número PI utilizando Programação Paralela Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Cálculo Aproximado do número PI utilizando Programação Paralela Grupo 17 Raphael Ferras Renan Pagaiane Yule Vaz SSC-0143 Programação

Leia mais

Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos

Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos DISCIPLINA 1º Bimestre Introdução à Engenharia 40 Informática 40 Matemática 80 Produção de Textos 40 2º Bimestre Cálculo I 80 Física I 80 Inglês 20 Metodologia

Leia mais

Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar

Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar David Beserra 1, Alexandre Borba¹, Samuel Souto 1, Mariel Andrade 1, Alberto Araujo 1 1 Unidade Acadêmica de Garanhuns

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES APRESENTAÇÃO. Departamento de Informática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UNL 2010/2011

REDES DE COMPUTADORES APRESENTAÇÃO. Departamento de Informática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UNL 2010/2011 REDES DE COMPUTADORES APRESENTAÇÃO Departamento de Informática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UNL 2010/2011 Docentes Referências da disciplina 2 Docentes Henrique João Lopes Domingos (Teóricas,

Leia mais

AULA TEÓRICA 2 Tema 2. Conceitos básicos de informática, computadores e tecnologias de informação. Sistemas de numeração (continuação)

AULA TEÓRICA 2 Tema 2. Conceitos básicos de informática, computadores e tecnologias de informação. Sistemas de numeração (continuação) AULA TEÓRICA 2 Tema 2. Conceitos básicos de informática, computadores e tecnologias de informação. Sistemas de numeração (continuação) Digitalização. Arquitectura básica do hardware. Input, processamento,

Leia mais

Curso de Engenharia. Formação Geral 1º e 2º anos

Curso de Engenharia. Formação Geral 1º e 2º anos Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos DISCIPLINA 1º Bimestre Introdução à Engenharia Informática Matemática Produção de Textos 2º Bimestre Cálculo I Física I Inglês Metodologia Científica 3º

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Ciência da Computação 5ª série Sistemas Operacionais A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Multi-núcleos Programação de Sistemas Core : 1/19 Introdução (1) [Def] núcleo ( core ) é uma unidade de processamento. O multicore (Dual, Quad,...) possui 2 ou mais núcleos que

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Multi-núcleos Programação de Sistemas Core : 1/19 Introdução (1) [Def] núcleo ( core ) é uma unidade de processamento. O multicore (Dual, Quad,...) possui 2 ou mais núcleos que

Leia mais

Componentes de um sistema computacional moderno. DCC/FCUP Inês Dutra Sistemas de Operação 1

Componentes de um sistema computacional moderno. DCC/FCUP Inês Dutra Sistemas de Operação 1 Componentes de um sistema computacional moderno DCC/FCUP Inês Dutra Sistemas de Operação 1 O que é um Sistema de Operação? Para responder a esta questão: vamos dividir a turma em 4 partes CPU memória programas

Leia mais

O que é Grid Computing

O que é Grid Computing Grid Computing Agenda O que é Grid Computing Grid vs Cluster Benefícios Tipos de Grid Aplicações Ferramentas e padrões Exemplos no mundo Exemplos no Brasil Grid no mundo dos negócios Futuro O que é Grid

Leia mais

Aplicação de Modelo de Programação Híbrido na Espacialização do Relevo no Submédio do São Francisco

Aplicação de Modelo de Programação Híbrido na Espacialização do Relevo no Submédio do São Francisco Aplicação de Modelo de Programação Híbrido na Espacialização do Relevo no Submédio do São Francisco Jesse Nery 1, Diego Lapa 1, Ícaro Gonzalez 1, Murilo Boratto 1, Brauliro Leal 1 1 Colegiado de Engenharia

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Sistemas Operativos Escolas Proponentes / Autores

Leia mais

Introdução. Aulas. ltodi.est.ips.pt/es. Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas

Introdução. Aulas. ltodi.est.ips.pt/es. Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas Sumário Introdução Joaquim Filipe João Ascenso Engenharia de Software 2005/06 EST, Setúbal Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas 2

Leia mais

Apresentação da disciplina. Sistemas Operacionais I N. A disciplina. O Professor. Áreas de atuação na pesquisa. Referências bibliográficas básicas

Apresentação da disciplina. Sistemas Operacionais I N. A disciplina. O Professor. Áreas de atuação na pesquisa. Referências bibliográficas básicas 1 Apresentação da disciplina Sistemas Operacionais I N Prof. Marcelo Johann 2009/2 O professor A disciplina Bibliografia Cronograma Avaliação Trabalhos Regras do jogo Introdução: Sistemas Operacionais

Leia mais

Na Terra ou nas Nuvens, onde fica o HPC?

Na Terra ou nas Nuvens, onde fica o HPC? Na Terra ou nas Nuvens, onde fica o HPC? Fábio Andrijauskas e Sidney Pio de Campos Instituto de Física Gleb Wataghin - IFGW Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 07/Abril/2014 3 o Cinfotec Unicamp

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Auditoria de senhas em hardware paralelo com o John the Ripper O impacto das tecnologias de processamento paralelo na quebra de senhas

Auditoria de senhas em hardware paralelo com o John the Ripper O impacto das tecnologias de processamento paralelo na quebra de senhas Auditoria de senhas em hardware paralelo com o John the Ripper O impacto das tecnologias de processamento paralelo na quebra de senhas Claudio André claudio.andre@correios.net.br Motivação Seu computador

Leia mais

Resumo Descritivo dos Conteúdos das Disciplinas de Ementa Aberta para 2012-1

Resumo Descritivo dos Conteúdos das Disciplinas de Ementa Aberta para 2012-1 Universidade Federal de Juiz de Fora Departamento de Ciência da Computação Resumo Descritivo dos Conteúdos das Disciplinas de Ementa Aberta para 2012-1 Disciplina: DCC089 - TOPICOS EM COMPUTACAO CIENTIFICA

Leia mais

Informática Software. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc.

Informática Software. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Informática Software Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Objetivos Definir e classificar os principais tipos de softwares Básico Aplicativos Software Categorias Principais de Software Básico Chamado de

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

Aula 02 Conceitos básicos elipse. INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com

Aula 02 Conceitos básicos elipse. INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com Aula 02 Conceitos básicos elipse INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com 1. Introdução O Elipse E3 trabalha totalmente orientado para a operação

Leia mais

Introdução à Programação B 2007/08

Introdução à Programação B 2007/08 Introdução à Programação B 2007/08 Descrição e objectivos Bibliografia Descrição A disciplina visa introduzir os conceitos fundamentais de programação. Pretende-se o desenvolvimento dos processos mentais

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ARQUITECTURA DE COMPUTADORES Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ARQUITECTURA DE COMPUTADORES Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular ARQUITECTURA DE COMPUTADORES Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Electrotécnica e de Computadores 3.

Leia mais

MAC 412 Organização de Computadores

MAC 412 Organização de Computadores MAC 412 Organização de Computadores Agosto de 2005 1/22 Estado da Arte da Computação de Alto Desempenho Siang Wun Song Universidade de São Paulo Evolução da Computação 2/22 Os primeiros processadores (como

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1. Introdução a supercomputação 2. Visão geral de Mainframe 3. Cluster de computadores 4. Cluster Beowulf considerações de projeto 5. Cluster x Grid 6.

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ENGENHARIA DE SOFTWARE Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ENGENHARIA DE SOFTWARE Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular ENGENHARIA DE SOFTWARE Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Informática 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Introdução. Unisinos. Leandro Tonietto ltonietto@unisinos.br http://www.inf.unisinos.br/~ltonietto ago-08

Introdução. Unisinos. Leandro Tonietto ltonietto@unisinos.br http://www.inf.unisinos.br/~ltonietto ago-08 Introdução à computação e suas Aplicações Curso de Segurança a da Informação Unisinos Leandro Tonietto ltonietto@unisinos.br http://www.inf.unisinos.br/~ltonietto ago-08 Sumário Processamento de informações

Leia mais

Patrício Domingues Dep. Eng. Informática ESTG Instituto Politécnico de Leiria Leiria, Maio 2011 http://bit.ly/patricio

Patrício Domingues Dep. Eng. Informática ESTG Instituto Politécnico de Leiria Leiria, Maio 2011 http://bit.ly/patricio Patrício Domingues Dep. Eng. Informática ESTG Instituto Politécnico de Leiria Leiria, Maio 2011 http://bit.ly/patricio 1 Velocidade... Pesquisar Cloud computing 76 milhões resultados em 0,06 segundos Isto

Leia mais

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software Resumo até aqui Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma máquina estendida abstrações SO como um

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular (UC)

Ficha da Unidade Curricular (UC) Impressão em: 03-01-2013 17:11:20 Ficha da Unidade Curricular (UC) 1. Identificação Unidade Orgânica : Escola Superior de Tecnologia e Gestão Curso : [IS] Informática para a Saúde Tipo de Curso : UC/Módulo

Leia mais

UNOESTE - Universidade do Oeste Paulista F I P P - Faculdade de Informática de Presidente Prudente

UNOESTE - Universidade do Oeste Paulista F I P P - Faculdade de Informática de Presidente Prudente 1º TERMO NOTURNO - 2009 31/03/09 3ª feira 20:50 h A ADMINISTRAÇÃO 01/04/09 4ª feira 19:00 h A1/A2 INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO 02/04/09 5ª feira 19:00 h A1 LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA I 02/04/09 5ª feira 20:50

Leia mais

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira.

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Período letivo: 4 Semestre. Quinzena: 5ª. Faculdades Santa Cruz - Inove Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Unidade Curricular Sistemas Distribuídos Processos

Leia mais

Tecnologia da Informação. Visão Geral sobre Informática

Tecnologia da Informação. Visão Geral sobre Informática 9/18/2014 1 Tecnologia da Informação Visão Geral sobre Informática Trabalho compilado da internet Prof. Claudio Passos 9/18/2014 2 PROBLEMAS ADMINISTRATIVOS Volume de Informação Tempo de Resposta Aumento

Leia mais

Luís Filipe Terra Ferreira, luis.terra@ua.pt Tiago Costa Gonçalves, tiagogoncalves@ua.pt

Luís Filipe Terra Ferreira, luis.terra@ua.pt Tiago Costa Gonçalves, tiagogoncalves@ua.pt Luís Filipe Terra Ferreira, luis.terra@ua.pt Tiago Costa Gonçalves, tiagogoncalves@ua.pt 1 FreeRTOS Esta apresentação tem como objectivo a caracterização, descrição sintética e exemplificação do sistema

Leia mais

Computação Heterogênea Programação paralela, clusters e GPUs

Computação Heterogênea Programação paralela, clusters e GPUs Computação Heterogênea Programação paralela, clusters e GPUs Profa. Dra. Denise Stringhini (ICT- Unifesp) Primeiro Encontro do Khronos Chapters Brasil Belo Horizonte, 20/09/2013 Conteúdo Computação heterogênea:

Leia mais

} Monolíticas Aplicações em um computador centralizado. } Em Rede Aplicações com comunicação em rede. } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede

} Monolíticas Aplicações em um computador centralizado. } Em Rede Aplicações com comunicação em rede. } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede Prof. Samuel Souza } Monolíticas Aplicações em um computador centralizado } Em Rede Aplicações com comunicação em rede } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede } Aplicações que são funcionalmente

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais