Computação de Alto Desempenho uma pequena introdução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Computação de Alto Desempenho uma pequena introdução"

Transcrição

1 Computação de Alto Desempenho uma pequena introdução Pedro Alberto Laboratório de Computação Avançada Centro de Física Computacional Unversidade de Coimbra 1

2 Sumário Porque é que é precisa a computação de alto desempenho (HPC)? Utilizações científicas GRID e HPC Hardware para HPC Software para HPC Sistemas futuros de HPC 2

3 Porque é que é precisa a computação de alto desempenho? Cálculos ou muito grandes (envolvendo muita memória e dados) Simulações envolvendo muitos (centenas, milhares) de partículas/graus de liberdade Grandes malhas/matrizes usadas em certos algoritmos numéricos e/ou levarem muito tempo a realizarem-se só com um CPU Métodos interactivos que requerem muitos ciclos para convergir ou para obter uma certa precisão Muitas repetições do mesmo cálculo usando diferentes conjuntos de dados (farming applications) 3

4 Usos científicos Física Astrofísica, matéria condensada, Física de altas energias, plasmas Matemática Novos algoritmos paralelos Química Estrutura molecular, mecanismos de reacção... Biology Análise de bases de dados, dobragem/desdobragem de proteínas... Engineering Simulações de estruturas, dinâmica de fluidos... 4

5 HPC também é usado em Finanças (p. ex. mercado de acções) Indústria de petróleo e gás Data mining (p. ex. Pesquisa de mercados) Indústria farmacêutica Indústria automóvel etc... 5

6 GRID e HPC Podemos distinguir entre computação de Grid Diferentes instâncias do mesmo programa que não comunicam entre si e HPC (High Performance Computing) Programas paralelos cujas instâncias precisam de comunicar mais ou menos frequentemente 6

7 GRID e HPC Um sistema de Grid é formado por um conjunto de computadores ligados informalmente, podendo até estar afastados geograficamente (capacity computing) Um sistema HPC é formado por um conjunto de processadores ou computadors num certo local ligados entre si de uma forma coesa (capability computing) 7

8 Hardware HPC Sistemas de memória distribuída (clusters) Conjuntos de computadores pessoais ou servidores montados em armários São mais baratos (construídos com componentes comerciais) e mais fáceis de organizar e pôr a funcionar -> paradigma Beowulf Exemplo: Milipeia 8

9 Hardware HPC Sistemas de memória partilhada (Shared Memory Systems - SMP) Grandes quantidades de memória disponíveis para um único processo Mais caro mas não tem problemas de partição de memória em programas paralelos arquitecturas proprietárias Exemplos: NEC SX-9 (computadores vectoriais), IBM p570, HP 9000 computers... -> alguns podem ter mais de 1 TB de memória partilhada! 9

10 Hardware HPC Os primeiros supercomputadores como os Crays usavam processadores SIMD (Single Instruction Multiple Data) também chamados procesadores vectoriais, mas agora os processadores MIMD (Multiple Instruction Multiple Data) são os mais comuns 10

11 Hardware HPC Ligações de rede Mais comum: Gigabit Ethernet 1 Gb/s; latência ~60 μs baratos mas relativamente lentos Ligações de rede rápidas e de baixa latência Myrinet 10 Gb/s; latência 2.3 μs proprietária, a desaparecer Infiniband 10, 20 e 40 Gb/s (planos para 50 e 100 Gb/s) latência μs; standard aberto Ligações proprietárias na forma de um torus 3-D muito rápidas ~ 6 GB/s e eficientes, mas requerendo uma programação cuidadosas IBM BlueGene/P e Cray XT6 Tecnologia a estar atento: 10 GbE já há testes de 100 GbE 11

12 Software HPC Armazamento num supercomputador Há em geral um sistema central de armazenamento de dados disk array Storage area network (SAN) Pode haver redes dedicadas a E/S de dados Sistemas de ficheiros (filesystems) Um sistema de ficheiros centralizado (ex: NFS) leva a estrangulamentos no fluxo de dados quando há muitos nós (computadores) Solução: Usar o directório local /temp para escrita! Usar um sistema de ficheiros paralelo (ex: Lustre software livre - ou IBM GPFS) com vários servidores para gerirem e partilharem o tráfego E/S 12

13 Software HPC Schedulers/resource e allocation managers Programas que: gerem os trabalhos computacionais submetidos de acordo com os recursos do supercomputador: tempo de CPU disponível, # of processors, memória e espaço em disco fazem a contabilidade dos recursos usados pelos utilizadores através de projectos. Os trabalhos batch são submetidos a filas de espera por scripts que requisitam um certo conjunto recursos do supercomputador 13

14 HPC software Exemplo de script PBS/Torque (milipeia) #!/bin/bash #PBS -S /bin/bash #PBS -m bea -M # mail to user when job starts/finishes #PBS -l nodes=4:ppn=4 # n. of nodes x cores #PBS -l mem=30gb # total memory requested #PBS -l walltime=2:00 # walltime requested #PBS -N hpl_test #PBS -A test # account to be charged cd $PBS_O_WORKDIR module load comp/mpich2/gcc4 NODES=$(grep -c comp $PBS_NODEFILE) mpipbsexec -n $NODES./xhpl 14

15 Software HPC Paradigmas para programação paralela MPI/OpenMP MPI Message Passing Interface usado para systemas com memória distribuída -> usada para paralelismo de grão fino e grosso OpenMP directivas de compilador usadas em sistemas de memória partilhada ou computação intranó em clusters paralelismo de grão fino Novas linguagens com instruções para processamento paralelo (PGAS): UPC, Co-array FORTRAN... A Microsoft está a realizar extensões paralelas em algumas das suas linguagens 15

16 Software HPC Escalamento O aumento de desempenho (speedup) de um programa paralelo com o # de processadores depende do fracção do programa que está paralelizada Lei de Amdahl Speedup = (s + p ) / (s + p / N )= 1 / (s + p / N ) N é o número de processadores (cores) s é a fracção do tempo gasto na execução das partes série do programa p é a fracção do tempo gasto nas partes do programa que estão paralelizadas Speedup=N só se s=0, p=1! 16

17 HPC future systems A tendência hoje em dia é para sistemas híbridos (distribuídos/smp) com os novos processadores multicore Ex.: Sistemas com 2x quad-core CPU, mas já há com 4x 12-cores CPU da AMD Mas há problemas a resolver: os sistemas com chips multicore têm problemas de contenção de memória -> há competição no acesso à memória partilhada 17

18 Sistemas HPC futuros Multicore: solução para o chamado muro de frequência (se existir!) e para continuar a cumprir a lei de Moore? Outras tecnologias: Processadores GPGPU (NVidia Tesla GPU Fermi -> 480 cores!). Há já ferramentas de desenvolvimento de software (CUDA) Aceleradores de vírgula flutuante Processadores cell, sistemas híbridos (Road Runner da IBM) -> primeiro sistema com desempenho de Petaflop/s! 18

19 Sistemas HPC futuros Chips com muitos cores incluindo ligações de rede (chip Teraflops da Intel) Os processadores vectorais continuam a ser desenvolvidos! Ainda mais além: processadores e redes ópticos, envolvendo nanotecnologias 19

20 Sistemas HPC futuros TOP500 - os 500 supercomputadores mais rápidos do mundo 20

21 Sistemas HPC futuros Já há vários sistemas com Petaflop/s O consórcio PRACE procura ter supercomputadores europeus a partir de 2010 em diante Já se fala de computadores com desempenho de Exaflop/s (10 18 Flop por segundo!!) em 2018 ou talvez antes! 21

Supercomputação em Portugal: realidade e perspectivas Pedro Alberto Centro de Física Computacional Laboratório de Computação Avançada Universidade de Coimbra Ciência 2008 3 Julho 2008 1 O que é supercomputação?

Leia mais

Multi-processamento. Arquitecturas MIMD de memória partilhada Multi-cores heterogéneos Multi-processadores

Multi-processamento. Arquitecturas MIMD de memória partilhada Multi-cores heterogéneos Multi-processadores Multi-processamento Arquitecturas MIMD de memória partilhada Multi-cores heterogéneos Multi-processadores Arquitecturas MIMD de memória distribuída Massive Parallel Computers Sistemas distribuídos Ainda

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Trabalho elaborado por: 980368 - Sérgio Gonçalves Lima 1010949 - Nisha Sudhirkumar Chaganlal Clusters O que é

Leia mais

COMPUTAÇÃO PARALELA. uma visão geral. Guilherme Galante. v.2.0

COMPUTAÇÃO PARALELA. uma visão geral. Guilherme Galante. v.2.0 COMPUTAÇÃO PARALELA uma visão geral Guilherme Galante v.2.0 Guilherme Galante Bacharel em Informática Unioeste (2003) Mestre em Ciência da Computação UFRGS (2006) Professor Assistente do curso de Informática/Ciência

Leia mais

4 Computação Paralela 4.1. Introdução

4 Computação Paralela 4.1. Introdução 4 Computação Paralela 4.1. Introdução Nos últimos anos observa-se uma tendência cada vez maior do aumento da demanda computacional na resolução de grandes problemas. Exemplos de aplicações que exigem alto

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1. Introdução a supercomputação 2. Visão geral de Mainframe 3. Cluster de computadores 4. Cluster Beowulf considerações de projeto 5. Cluster x Grid 6.

Leia mais

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn OBJETIVO: definir computação paralela; o modelo de computação paralela desempenhada por computadores paralelos; e exemplos de uso da arquitetura

Leia mais

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Cluster Resumo Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Introdução Sua empresa esta precisando fazer um grande processamento; As Nuvens existentes não são suficientes para sua empresa;

Leia mais

ISEP. Instituto Superior de Engenharia do Porto. Análise de Sistemas Informáticos

ISEP. Instituto Superior de Engenharia do Porto. Análise de Sistemas Informáticos ISEP Instituto Superior de Engenharia do Porto Análise de Sistemas Informáticos Armazenamento de Dados em Rede A Revolução do Armazenamento Partilhado A crise económica e a crescente necessidade de armazenamento

Leia mais

Supercomputadores dominavam o mercado

Supercomputadores dominavam o mercado Clusters e Grids Introdução Supercomputadores dominavam o mercado Alto custo Requerem mão de obra muito especializada Desenvolvimento de microprocessadores poderosos a um baixo custo Desenvolvimento de

Leia mais

Ricardo Gonçalves 2013/2014. Arquitecturas Multicore

Ricardo Gonçalves 2013/2014. Arquitecturas Multicore Ricardo Gonçalves 2013/2014 Arquitecturas Multicore Outline Introdução Processador Multi-core: o que é? Do multi-processador ao multi-core Evolução dos processadores multi-core Arquitecturas multi-core

Leia mais

Arquitectura de Sistemas Paralelos e Distribuídos

Arquitectura de Sistemas Paralelos e Distribuídos Docentes Arquitectura de Sistemas Paralelos e Distribuídos 0. Introdução Prof. Paulo Marques Dep. Eng. Informática, Univ. Coimbra pmarques@dei.uc.pt Prof. Luís Silva Dep. Eng. Informática, Univ. Coimbra

Leia mais

Arquitetura NUMA 1. Daniel de Angelis Cordeiro. INRIA MOAIS project Laboratoire d Informatique de Grenoble Université de Grenoble, França

Arquitetura NUMA 1. Daniel de Angelis Cordeiro. INRIA MOAIS project Laboratoire d Informatique de Grenoble Université de Grenoble, França Arquitetura NUMA 1 Daniel de Angelis Cordeiro INRIA MOAIS project Laboratoire d Informatique de Grenoble Université de Grenoble, França 6 de Outubro de 2010 1 Baseado em slides feitos por Christiane Pousa

Leia mais

Computação de Alta Perfomance com Software Livre (Clusters)

Computação de Alta Perfomance com Software Livre (Clusters) Computação de Alta Perfomance com Software Livre (Clusters) 3º Seminário de Tecnologia da Informação UCSal Marcelo Soares Souza (marcelo@cebacad.net) CEBACAD Centro Baiano de Computação de alto Desempenho

Leia mais

slide 0 Algoritmos Paralelos

slide 0 Algoritmos Paralelos slide 0 Algoritmos Paralelos Slide 2 Demanda por Velocidade Computational Demanda contínua por maior rapidez computational das máquinas que as atualmente disponíveis. As áreas que exigem maior rapidez

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

Paralelização Introdução a vetorização, OpenMP e MPI

Paralelização Introdução a vetorização, OpenMP e MPI 1/45 Paralelização Introdução a vetorização, OpenMP e MPI 1 Conceitos Paulo Penteado IAG / USP pp.penteado@gmail.com Esta apresentação: Arquivos do curso: Artigo relacionado: http://www.ppenteado.net/ast/pp_para_on/pp_para_on_1.pdf

Leia mais

LCAD. ALGORÍTMOS PARALELOS (Aula 6) Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004. Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES.

LCAD. ALGORÍTMOS PARALELOS (Aula 6) Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004. Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES. ALGORÍTMOS PARALELOS (Aula 6) Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004 LCAD Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES Tópico 20 janeiro 27 janeiro 3 fev 10 fev 17 fev 24 fev 3 março Paradigma de Paralelismo

Leia mais

ALGORÍTMOS PARALELOS (Aula 2) LCAD. Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004. Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES

ALGORÍTMOS PARALELOS (Aula 2) LCAD. Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004. Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES ALGORÍTMOS PARALELOS (Aula 2) Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004 LCAD Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES Programa do Curso LCAD 1. Introdução 2. Arquitetura de Computadores 3. Arquiteturas

Leia mais

Cluster HPC High Performance Computing.

Cluster HPC High Performance Computing. Faculdade de Tecnologia de Guaratinguetá. doze, março de 2009. Cluster HPC High Performance Computing. Diogo Salles, Thiago Pirro, Camilo Bernardes, Paulo Roberto, Ricardo Godoi, Douglas, Fauzer. Sistemas

Leia mais

} Monolíticas Aplicações em um computador centralizado. } Em Rede Aplicações com comunicação em rede. } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede

} Monolíticas Aplicações em um computador centralizado. } Em Rede Aplicações com comunicação em rede. } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede Prof. Samuel Souza } Monolíticas Aplicações em um computador centralizado } Em Rede Aplicações com comunicação em rede } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede } Aplicações que são funcionalmente

Leia mais

Processamento Paralelo

Processamento Paralelo Processamento Paralelo Hardware Paralelo Universidade Estadual de Santa Cruz Bacharelado em Ciência da Computação Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Portabilidade O principal problema das primeiras maquinas

Leia mais

Sistemas Paralelos e Distribuídos. Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN

Sistemas Paralelos e Distribuídos. Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN Sistemas Paralelos e Distribuídos Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN Conceitos preliminares Paralelismo refere-se a ocorrência simultânea de eventos em um computador Processamento

Leia mais

Computação Heterogênea Programação paralela, clusters e GPUs

Computação Heterogênea Programação paralela, clusters e GPUs Computação Heterogênea Programação paralela, clusters e GPUs Profa. Dra. Denise Stringhini (ICT- Unifesp) Primeiro Encontro do Khronos Chapters Brasil Belo Horizonte, 20/09/2013 Conteúdo Computação heterogênea:

Leia mais

Organização de Computadores 2005/2006 Processamento Paralelo

Organização de Computadores 2005/2006 Processamento Paralelo Organização de Computadores 2005/2006 Processamento Paralelo Paulo Ferreira paf a dei.isep.ipp.pt Maio de 2006 Introdução 2 Porquê?...........................................................................................

Leia mais

Supercomputadores e Clusters

Supercomputadores e Clusters UNIDADE 2 Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI. Supercomputadores e Clusters Supercomputadores: é um computador com altíssima velocidade de processamento e grande capacidade de memória.

Leia mais

1 Geral... 3. 2 Utilizador... 7

1 Geral... 3. 2 Utilizador... 7 FAQ Tema: FAQ Índice de conteúdos 1 Geral... 3 1.1 O que é a COMPUTAEX?...3 1.2 O que é o CénitS?...3 1.3 O que é o LUSITÂNIA?...3 1.4 Quais os objectivos que se pretendem atingir desde a Fundação COMPUTAEX?...3

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AO PARALELISMO: PROCESSADORES SUPERESCALARES. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AO PARALELISMO: PROCESSADORES SUPERESCALARES. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AO PARALELISMO: PROCESSADORES SUPERESCALARES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Lembretes Compreender o funcionamento da Arquitetura Superpipeline Compreender

Leia mais

Auditoria de senhas em hardware paralelo com o John the Ripper O impacto das tecnologias de processamento paralelo na quebra de senhas

Auditoria de senhas em hardware paralelo com o John the Ripper O impacto das tecnologias de processamento paralelo na quebra de senhas Auditoria de senhas em hardware paralelo com o John the Ripper O impacto das tecnologias de processamento paralelo na quebra de senhas Claudio André claudio.andre@correios.net.br Motivação Seu computador

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

ALGORÍTMOS PARALELOS LCAD. Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004. Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES

ALGORÍTMOS PARALELOS LCAD. Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004. Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES ALGORÍTMOS PARALELOS Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004 LCAD Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES Programa do Curso LCAD 1. Introdução 2. Arquitetura de Computadores 3. Arquiteturas de Sistemas

Leia mais

Arquitetura dos Supercomputadores - TOP 500 -

Arquitetura dos Supercomputadores - TOP 500 - Universidade de São Paulo Instituto de Matemática e Estatística Bacharelado em Ciência da Computação Arquitetura dos Supercomputadores - TOP 500 - Steven Koiti Tsukamoto São Paulo 2010 Steven Koiti Tsukamoto

Leia mais

Técnica de Engenharia de Software para desenvolvimento de aplicativos paralelos e distribuídos

Técnica de Engenharia de Software para desenvolvimento de aplicativos paralelos e distribuídos CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL Vitor Tavares Gontijo Técnica de Engenharia de Software para desenvolvimento de

Leia mais

Symmetric Multiprocessing Simultaneous Multithreading Paralelismo ao nível dos dados

Symmetric Multiprocessing Simultaneous Multithreading Paralelismo ao nível dos dados Symmetric Multiprocessing Simultaneous Multithreading Paralelismo ao nível dos dados Luís Nogueira luis@dei.isep.ipp.pt Departamento Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto SMP,

Leia mais

Programação Paralela Híbrida em CPU e GPU: Uma Alternativa na Busca por Desempenho

Programação Paralela Híbrida em CPU e GPU: Uma Alternativa na Busca por Desempenho 124 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Programação Paralela Híbrida em CPU e GPU: Uma Alternativa na Busca por Desempenho André Luís Stefanello¹, Crístian Cleder Machado1, Dioni da Rosa¹, Maurício

Leia mais

Abstrações e Tecnologias Computacionais. Professor: André Luis Meneses Silva E-mail/msn: andreluis.ms@gmail.com Página: orgearq20101.wordpress.

Abstrações e Tecnologias Computacionais. Professor: André Luis Meneses Silva E-mail/msn: andreluis.ms@gmail.com Página: orgearq20101.wordpress. Abstrações e Tecnologias Computacionais Professor: André Luis Meneses Silva E-mail/msn: andreluis.ms@gmail.com Página: orgearq20101.wordpress.com Agenda Introdução Sistemas Computacionais Arquitetura X

Leia mais

João Marcelo Uchôa de Alencar

João Marcelo Uchôa de Alencar CENAPAD-UFC João Marcelo Uchôa de Alencar Agenda Missão Serviços Projetos em Andamento Temas de Pesquisa Parque Computacional e Infraestrutura Parcerias Sobre o Passado Quem Somos Contato Missão Centro

Leia mais

Introdução ao Processador CELL BE

Introdução ao Processador CELL BE 1 Introdução ao Processador CELL BE por: José Ricardo de Oliveira Damico 17 / Maio / 2007 São Paulo SP 2 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS 3 RESUMO 4 1.) INTRODUÇÃO 5 1.1) O que é? 5 2.) Utilização 5 3.) FUNCIONAMENTO

Leia mais

grifo04 O maior supercomputador da América Latina

grifo04 O maior supercomputador da América Latina grifo04 O maior supercomputador da América Latina Luiz Rodolpho Monnerat Petrobras TIC/TIC-E&P Agosto/2012 1 Agenda Introdução Supercomputação? O que é isso? Lista dos maiores supercomputadores? Hã? História

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de I Organização Básica B de (Parte V, Complementar)

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 4 - CLUSTER DE COMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO Grande parte do tempo, os computadores que utilizamos encontram-se ociosos, ou seja, sem nada para processar. Isso se deve, em grande parte, pelas aplicações

Leia mais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais Disciplina: Aplicações Avançadas de Microprocessadores (AAM) Prof. Eduardo Henrique Couto ehcouto@hotmail.com 2014/1 Apresentação do Professor: Cronograma:

Leia mais

CASE STUDY FOR RUNNING HPC APPLICATIONS IN PUBLIC CLOUDS

CASE STUDY FOR RUNNING HPC APPLICATIONS IN PUBLIC CLOUDS Universidade da Beira Interior Mestrado em Engenharia Informática Sistemas de Informação Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Apresentação de Artigo CASE STUDY FOR RUNNING HPC APPLICATIONS IN PUBLIC

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Máquinas Multiníveis

Máquinas Multiníveis Infra-Estrutura de Hardware Máquinas Multiníveis Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Conceitos básicos Classificação de arquiteturas Tendências da tecnologia Família Pentium

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I (TJ04) CADERNO DE

Leia mais

CCE Internet Data Center

CCE Internet Data Center CCE Internet Data Center 2010 Seção Técnica de Suporte de Software Centro de Computação Eletrônica - USP Slide: 1 Organograma de TI da USP Slide: 2 ORGANOGRAMA Slide: 3 Internet Data Center 2010 Slide:

Leia mais

Introdução a Computação Paralela e a Montagem de Clusters.

Introdução a Computação Paralela e a Montagem de Clusters. Introdução a Computação Paralela e a Montagem de Clusters. Marcelo Souza (marcelo@cebacad.net) Granduando em Sistema da Informação CEBACAD Centro Baiano de Computação de alto Desempenho Introdução a Computação

Leia mais

Desenvolvimento de Programas Paralelos para Máquinas NUMA: Conceitos e Ferramentas

Desenvolvimento de Programas Paralelos para Máquinas NUMA: Conceitos e Ferramentas 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Desenvolvimento de Programas Paralelos para Máquinas NUMA: Conceitos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 6 - ARQUITETURAS AVANÇADAS DE COMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO As arquiteturas dos processadores têm evoluído ao longo dos anos, e junto com ela o conceito de arquitetura avançada tem se modificado. Nos

Leia mais

Grid Computing: Processamento de Alto Desempenho em Rede

Grid Computing: Processamento de Alto Desempenho em Rede Grid Computing: Processamento de Alto Desempenho em Rede José Roberto B. Gimenez Coordenador de TI do GridUNESP jr@unesp.br Estrutura da apresentação Motivação para uso de Grid Discussão sobre problemas

Leia mais

Optimização de uma Aplicação Paralela para Simulações de Dinâmica Molecular

Optimização de uma Aplicação Paralela para Simulações de Dinâmica Molecular Pedro Miguel dos Santos Valdevino Licenciado em Engenharia Informática Optimização de uma Aplicação Paralela para Simulações de Dinâmica Molecular Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução Arquitetura e Organização de Computadores Capítulo 0 - Introdução POR QUE ESTUDAR ARQUITETURA DE COMPUTADORES? 2 https://www.cis.upenn.edu/~milom/cis501-fall12/ Entender para onde os computadores estão

Leia mais

Na Terra ou nas Nuvens, onde fica o HPC?

Na Terra ou nas Nuvens, onde fica o HPC? Na Terra ou nas Nuvens, onde fica o HPC? Fábio Andrijauskas e Sidney Pio de Campos Instituto de Física Gleb Wataghin - IFGW Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 07/Abril/2014 3 o Cinfotec Unicamp

Leia mais

hvbacellar@gmail.com Palavras-chave Cluster; Beowulf; OpenMosix; MPI; PVM.

hvbacellar@gmail.com Palavras-chave Cluster; Beowulf; OpenMosix; MPI; PVM. Cluster: Computação de Alto Desempenho Hilário Viana Bacellar Instituto de Computação, Universidade Estadual de Campinas Av. Albert Einstein 1251, Cidade Universitária, CEP 13083-970 Campinas, SP, Brasil

Leia mais

Professores: Aula 10. Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins. Conteúdo: Arquiteturas Avançadas. - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo

Professores: Aula 10. Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins. Conteúdo: Arquiteturas Avançadas. - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo 1 Professores: Aula 10 Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins Conteúdo: Arquiteturas Avançadas - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo 2 Arquiteturas RISC Reduced Instruction Set Computer se

Leia mais

Comparação de algoritmos paralelos em uma rede heterogênea de workstations

Comparação de algoritmos paralelos em uma rede heterogênea de workstations Comparação de algoritmos paralelos em uma rede heterogênea de workstations Marcelo T. Rebonatto, Marcos J. Brusso, Roberto Niche 1, Roni A. Dall Orsoletta 1 Universidade de Passo Fundo Instituto de Ciências

Leia mais

CENAPAD-SP 15 ANOS APOIANDO A PESQUISA NACIONAL

CENAPAD-SP 15 ANOS APOIANDO A PESQUISA NACIONAL CENAPAD-SP 15 ANOS APOIANDO A PESQUISA NACIONAL Edison Z. da Silva Centro Nacional de Processamento de Alto Desempenho em São Paulo CENAPAD-SP, UNICAMP Computação de alto desempenho, a missão do CENAPAD-SP,

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM REDES DE COMPUTADORES DANIEL VAHID LIMA TOLOUEI

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM REDES DE COMPUTADORES DANIEL VAHID LIMA TOLOUEI ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM REDES DE COMPUTADORES DANIEL VAHID LIMA TOLOUEI CLUSTERS COMPUTACIONAIS DE ALTO DESEMPENHO VILA VELHA - ES 2010 DANIEL VAHID LIMA TOLOUEI

Leia mais

Sistemas MIMD. CES-25 Arquiteturas para Alto Desmpenho. Paulo André Castro

Sistemas MIMD. CES-25 Arquiteturas para Alto Desmpenho. Paulo André Castro Sistemas MIMD Arquiteturas para Alto Desmpenho Prof. pauloac@ita.br Sala 110 Prédio da Computação www.comp.ita.br/~pauloac Arquiteturas Paralelas (SISD) Single Instruction Stream, Single Data Stream: Monoprocessador

Leia mais

Programação Paralela e Distribuída 2009/10. Fundamentos

Programação Paralela e Distribuída 2009/10. Fundamentos Programação Paralela e Distribuída 1 Porquê Programação Paralela? Se um único computador (processador) consegue resolver um problema em N segundos, podem N computadores (processadores) resolver o mesmo

Leia mais

Noções de Hardware. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Hardware. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Hardware André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Gerações de hardware Tipos de computadores Partes do Microcomputador Periféricos Armazenamento de

Leia mais

Sistema de Computação

Sistema de Computação Sistema de Computação Máquinas multinível Nível 0 verdadeiro hardware da máquina, executando os programas em linguagem de máquina de nível 1 (portas lógicas); Nível 1 Composto por registrados e pela ALU

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 4 - INTRODUÇÃO A SUPERCOMPUTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO Atualmente cientistas brasileiros usam supercomputadores para pesquisar desde petróleo até mudanças climáticas. Um grande exemplo é o supercomputador

Leia mais

Multicomputadores. Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação CECOMP

Multicomputadores. Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação CECOMP Multicomputadores Introdução Vimos que existem dois tipos de processadores paralelos MIMD: Multiprocessadores. Multicomputadores. Nos multiprocessadores, existe uma memória compartilhada que pode ser acessada

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operativos

Introdução aos Sistemas Operativos Introdução aos Sistemas Operativos Computadores e Redes de Comunicação Mestrado em Gestão de Informação, FEUP 06/07 Sérgio Sobral Nunes mail: sergio.nunes@fe.up.pt web: www.fe.up.pt/~ssn Sumário Definição

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução Arquitetura e Organização de Computadores Capítulo 0 - Introdução POR QUE ESTUDAR ARQUITETURA DE COMPUTADORES? 2 https://www.cis.upenn.edu/~milom/cis501-fall12/ Entender para onde os computadores estão

Leia mais

7-1. Parte 6 Otimizações da Arquitetura

7-1. Parte 6 Otimizações da Arquitetura 7-1 Parte 6 Otimizações da Arquitetura 7-2 Bibliografia [1] Miles J. Murdocca e Vincent P. Heuring, Introdução à Arquitetura de Computadores [2] Andrew S. Tanenbaum, Modern Operating Systems [3] William

Leia mais

Um Estudo sobre Computação de Alto Desempenho na Bioinformática

Um Estudo sobre Computação de Alto Desempenho na Bioinformática UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Douglas Dal Pozzo Um Estudo sobre Computação de Alto Desempenho na Bioinformática

Leia mais

Arquitecturas Paralelas I. Computação Paralela. João Luís Ferreira Sobral www.di.uminho.pt/~jls jls@... http://gec.di.uminho.

Arquitecturas Paralelas I. Computação Paralela. João Luís Ferreira Sobral www.di.uminho.pt/~jls jls@... http://gec.di.uminho. Arquitecturas Paralelas I Computação Paralela João Luís Ferreira Sobral www.di.uminho.pt/~jls jls@... http://gec.di.uminho.pt/lesi/ap1 1 Computação paralela Resultados da Aprendizagem Conceber, implementar

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I Introdução 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Introdução Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos de SO Fundamentos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS COM MÚLTIPLOS PROCESSADORES LIVRO TEXTO: CAPÍTULO 13, PÁGINA 243 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional INTRODUÇÃO Arquiteturas que possuem duas ou mais CPUs interligadas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS SEMANA 03

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS SEMANA 03 INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS SEMANA 03 fevereiro/2011 Surgimento, desenvolvimento e evolução dos sistemas operacionais até os sistemas modernos. 1 - Introdução A evolução dos sistemas operacionais

Leia mais

Instalaçãode Clusters. Ettore Enrico Delfino Ligorio USP/STI/Internuvem ettore@usp.br Março -2016

Instalaçãode Clusters. Ettore Enrico Delfino Ligorio USP/STI/Internuvem ettore@usp.br Março -2016 Instalaçãode Clusters Ettore Enrico Delfino Ligorio USP/STI/Internuvem ettore@usp.br Março -2016 Conceitos Elementos do StackHPC O que e cada elemento Funcionalidades Ferramentas Caso do HPC USP Sugestões

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Microprocessadores II - ELE 1084

Microprocessadores II - ELE 1084 Microprocessadores II - ELE 1084 CAPÍTULO III OS PROCESSADORES 3.1 Gerações de Processadores 3.1 Gerações de Processadores Primeira Geração (P1) Início da arquitetura de 16 bits CPU 8086 e 8088; Arquiteturas

Leia mais

Oracle Database em High Availability usando Microsoft Windows Clusters Server (MSCS) e Oracle Fail Safe

Oracle Database em High Availability usando Microsoft Windows Clusters Server (MSCS) e Oracle Fail Safe Oracle Database em High Availability usando Microsoft Windows Clusters Server (MSCS) e Oracle Fail Safe Objetivos: Apresentar conceitos do Microsoft Windows Clusters Server Apresentar a arquitetura do

Leia mais

Compartilhamento de Dados em Storage de Alta Disponibilidade

Compartilhamento de Dados em Storage de Alta Disponibilidade Compartilhamento de Dados em Storage de Alta Disponibilidade Leonardo Antônio dos Santos¹ Orientadora Prof. Esp. Sabrina Vitório Oliveira Sencioles¹ Co-orientador M.Sc. Pedro Eugênio Rocha² ¹Faculdades

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Hardware HARDWARE Sistema Computacional = conjunto de circuitos eletrônicos interligados formado por processador, memória, registradores,

Leia mais

Infra-Estrutura de Software. Introdução

Infra-Estrutura de Software. Introdução Infra-Estrutura de Software Introdução Aula Extra Assembly! NASM 32bits e 16bits (para uso no projeto do bootloader) quinta-feira, dia 18/08, 17h no Anfiteatro 2 Computador Moderno Componentes físicos

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

O que é Grid Computing

O que é Grid Computing Grid Computing Agenda O que é Grid Computing Grid vs Cluster Benefícios Tipos de Grid Aplicações Ferramentas e padrões Exemplos no mundo Exemplos no Brasil Grid no mundo dos negócios Futuro O que é Grid

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I 18/9/2009 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé Prof. Aux. Simone Markenson Pech 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos

Leia mais

RouterBricks: Exploiting Parallelism To Scale Software Routers

RouterBricks: Exploiting Parallelism To Scale Software Routers RouterBricks: Exploiting Parallelism To Scale Software Routers 22nd ACM Symposium on Operating Systems Principles October 11-14, 2009 Mihai Dobrescu, Norbert Egi, Katerina Argyraki, Byung-Gon Chun, Kevin

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores 2. Apresentação da Disciplina

Arquitetura e Organização de Computadores 2. Apresentação da Disciplina Arquitetura e Organização de Computadores 2 Apresentação da Disciplina 1 Objetivos Gerais da Disciplina Aprofundar o conhecimento sobre o funcionamento interno dos computadores em detalhes Estudar técnicas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Evolução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Componentes de um sistema computacional Conceituação Características desejáveis Organização

Leia mais

Siang Wun Song - IME/USP e Universidade Federal do ABC. MAC 412 - setembro de 2010

Siang Wun Song - IME/USP e Universidade Federal do ABC. MAC 412 - setembro de 2010 Evolução da Computação de Alto Desempenho sob a Ótica da Lista TOP500 ou (Se um processador já é rápido, imaginem um sistema com 224.162 processadores :-) Siang Wun Song - IME/USP e Universidade Federal

Leia mais

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers)

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers) Arquiteturas RISC (Reduced Instructions Set Computers) 1 INOVAÇÕES DESDE O SURGIMENTO DO COMPU- TADOR DE PROGRAMA ARMAZENADO (1950)! O conceito de família: desacoplamento da arquitetura de uma máquina

Leia mais

Paradigmas de Computação

Paradigmas de Computação UCE- Computação Paralela e Distribuída Paradigmas de Computação João Luís Ferreira Sobral www.di.uminho.pt/~jls jls@... http://alba.di.uminho.pt/... 1 Paradigmas de Computação Paralela Resultados da Aprendizagem!

Leia mais

...de forma confiável, consistente, económica. Permite- nos acesso a grandes capacidades. Infra-estrutura de hardware e software

...de forma confiável, consistente, económica. Permite- nos acesso a grandes capacidades. Infra-estrutura de hardware e software Grid computing: O futuro ou a reinvenção da roda? Paulo Trezentos (Paulo.Trezentos@iscte.pt) Algos / INESC-ID 17/12/2002 Agenda Necessidade Enquadramento Grids Standards Implementações Características

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais

Cornell usa computação de alto desempenho para acelerar a pesquisa e ampliar o acesso a softwares

Cornell usa computação de alto desempenho para acelerar a pesquisa e ampliar o acesso a softwares Portfólio de produtos Microsoft para servidores Estudo de caso de solução do cliente Cornell usa computação de alto desempenho para acelerar a pesquisa e ampliar o acesso a softwares Visão geral País ou

Leia mais

Supercomputação. Simplificada.

Supercomputação. Simplificada. Supercomputação. Simplificada. INTRODUÇÃO AO WINDOWS HPC SERVER 2008 R2 SUITE O Windows HPC Server 2008 R2, solução de HPC de terceira geração da Microsoft, oferece uma solução abrangente e econômica para

Leia mais

Medição do Desempenho

Medição do Desempenho Medição do Desempenho Benchmarks AC1 Medição do Desempenho 1 Medição do Desempenho IDEAL: obter um número que caracterize completamente o desempenho da máquina IMPOSSÍVEL: complexidade dos sistemas grande

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operativos

Introdução aos Sistemas Operativos Introdução aos Sistemas Operativos Operating System Concepts, Abraham Silberschatz, Peter Baer Galvin, 6ª Ed., Addison-Wesley, 2002 [cap.1, 2 e 3] Operating Systems, Third Edition Harvey M. Deitel, Prentice

Leia mais

7 Processamento Paralelo

7 Processamento Paralelo 7 Processamento Paralelo Yes, of course, who has time? Who has time? But then if we do not ever take time, how can we ever have time? (The Matrix) 7.1 Introdução Classificação de Sistemas Paralelos Diversas

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CUDA UTILIZANDO MÉTODOS NUMÉRICOS

INTRODUÇÃO AO CUDA UTILIZANDO MÉTODOS NUMÉRICOS CENTRO UNIVERSITÁRIO VILA VELHA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Kassiane de Almeida Pretti Rocha Luciano José Varejão Fassarella Filho INTRODUÇÃO AO CUDA UTILIZANDO MÉTODOS NUMÉRICOS VILA VELHA 2010 Kassiane

Leia mais