Multi-processamento. Arquitecturas MIMD de memória partilhada Multi-cores heterogéneos Multi-processadores

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Multi-processamento. Arquitecturas MIMD de memória partilhada Multi-cores heterogéneos Multi-processadores"

Transcrição

1 Multi-processamento Arquitecturas MIMD de memória partilhada Multi-cores heterogéneos Multi-processadores Arquitecturas MIMD de memória distribuída Massive Parallel Computers Sistemas distribuídos

2 Ainda os GPUs Intel Larrabee Arquitectura baseada em cores x86 Extendidos com funções específicas de GPUs Sem execução fora de ordem cores mais pequenos Desenho inspirado no Cell CPUs ligados em anel Comunicação feita através de memórias L2 coerentes Disponível em 2009? 2010? Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 776

3 Multi-cores heterogéneos CPUs compostos por cores com funcionalidades distinctas Conceito introduzido pela IBM com o processador Cell A AMD está a desenvolver o Fusion Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 777

4 Cell (IBM, Sony e Toshiba) Processador com: 1 Power Processor Element (PPE) PowerPC que faz o processamento principal Vários Synergistic Processor Element (SPE) processamento SIMD LS Memória local Usado em máquinas IBM e na PlayStation 3 Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 778

5 Cell Arquitectura interna Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 779

6 Cada SPE contem: Um SPU Cell O SPU Com um ISA especializado composto essencialmente por instruções SIMD 256K de memória Uma unidade de DMA Quase toda a comunicação entre SPEs e entre o PPE e qualquer SPE é feita por DMA A excepção são umas mailboxes (caixas de correio) com pouca capacidade que permitem apenas o envio de dados até 32 bits Os SPUs estão ligados por dois bus em anel Comunicação em ambas as direcções Portanto é mais rápido comunicar do SPE1 para o SPE2 do que, por exemplo, para o SPE6 Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 780

7 Cell Programação Existe um espaço de endereçamento único para PPE e SPEs A memória de cada SPE é mapeada nesse espaço único (a memória central) Portanto toda a comunicação é feita usando endereços desse espaço A IBM oferece uma extensão à linguagem de programação C Mas a programação continua a ser de muito baixo nível Além disso não é simétrico O interface é diferente na programação do PPE e do SPE Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 781

8 Cell Comunicação Existem 2 operações DMA possíveis: Put enviar um valor da memória de um SPE para um endereço da memória central Get ler um valor da memória de um endereço da memória central para o SPE Todas as operações de DMA são feitas pelos SPEs Uma operação DMA desencadeada pelo PPE é na realidade realizada pelo SPE alvo Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 782

9 AMD Fusion CPUs + GPU + aceleradores especializados A ideia é especializar o computador para certas tarefas Transacções comerciais Reconhecimento de imagens Segurança Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 783

10 Sistemas multi-processador Um sistema computacional pode ter mais do que um processador Estes podem estar organizados de diversas formas, apresentando diferentes topologias Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 784

11 Computadores multi-processador Até 2004 todos os processadores partilhavam o Front- Side Bus O modelo em vários processadores do mesmo modelo partilham uma memória dá-se o nome de SMP (Symmetric MultiProcessing) Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 785

12 SMP Vantagens Todos os CPU partilham o programa e os dados Fácil e eficiente partilhar as alterações nos dados O SO tira partido destas arquitecturas Desvantagens Congestionamento no acesso à memória As caches podem aliviar esse problema, mas colocam o problema das escritas poderem tornar as caches incoerentes Impraticável para grande escala (muitos CPUs) Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 786

13 Coêrencia de caches CPU x++; Cache L1 Write-back x = 10 Cache L2 Write-back partilhada CPU y = x; Cache L1 Write-back x = 0 y = 0? Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 787

14 Coêrencia de caches É necessário ter um protocolo para garantir a coerência das caches Estes protocolos são normalmente protocolos de invalidação que invalidam as cópias dos blocos alterados É implementado em hardware Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 788

15 Coêrencia de caches CPU x++; Cache L1 Write-back x = 10 Cache L2 Write-back partilhada CPU y = x; Cache L1 Write-back Invalid x = 10 y = 1 Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 789

16 Computadores multi-processador (2005) Com o surgimento dos multi-core foi necessário diminuir o congestionamento no acesso ao bus Dois FSB, cada um dedicado a dois processadores Se cada processador tiver 2 cores, são 4 cores por bus Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 790

17 Computadores multi-processador (2007) FSB dedicados Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 791

18 Computadores multi-processador (2009) Quick-path Proposta da Intel onde cada processador tem a sua memória dedicada Não é uma arquitectura SMP, é sim NUMA (Non- Uniform Memory Access) O tempo de acesso a memória não é uniforme Aceder a dados na memória de outro processador é mais lento do que aceder a dados na própria memória Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 792

19 MIMD memória distribuída Cada unidade processadora tem a sua própria memória Dois tipos, por vezes difíceis de distinguir: MPP (Massively Parallel Processors) Interligação CPU Memória CPU Memória Sistemas distribuídos CPU Memória Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 793

20 MPP O foco está na computação paralela, onde o que se pretende é ter plataformas eficientes Os vários nós estão próximos e ligados por redes muito rápidas Gigabit Infiniband Myrinet Interligação local e rápida CPU Memória CPU Memória CPU Memória Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 794

21 Exemplo: Roadrunner Cada nó é composto por uma junção de 3 blades 2 x 2 Cells + 1 x 2 AMD Opteron Dual-core Todos com memórias dedicadas Os nós são ligados por Inifiband Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 795

22 Exemplo: Roadrunner Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 796

23 Sistema Distribuído O foco é mais na cooperação de vários sistemas computacionais distribuídos geograficamente na obtenção do resultado final Exemplo: Reservar uma viagem através de um browser O resultado é obtido a partir da interacção entre o cliente (o browser) e o servidor (a aplicação de reserva de bilhetes) Interligação rede normal, pode ser mesmo Internet CPU Memória CPU Memória CPU Memória Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 797

24 Vantagens Memória distribuída Podemos conseguir arquitecturas com milhares de CPUs Permite a ligação de equipamentos fisicamente distribuídos Desvantagens Interligações lentas e de grande latência Não suportam bem muitas dependências entre dados Difícil tirar o melhor partido, usar e gerir, estes sistemas Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 798

25 Usando arquitecturas MIMD Se o problema pode ser decomposto: Dividimos as várias sequências de instruções e dados pelos vários processadores Estes executam em paralelo Speedup será proporcional ao paralelismo conseguido Mas nem todos os problemas podem ser facilmente decompostos Existem partes que são sempre sequenciais Existem dependências entre dados (os vários componentes têm de partilhar dados ou comunicar alterações) Há que distribuir o código e os dados pelos vários processadores e coligir os resultados Etc Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 799

26 Top500.org 1. IBM Roadrunner Pertence ao Departamento de Energia dos EUA Cores: AMD Opteron cores Cell PPE cores SPE cores FLOPS (Floating-Point Operations Per Second) peak: º a ultrapassar a barreira do TeraFLOPS Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 800

27 2. Jaguar Top500.org Pertence a um laboratório de investigação do Departamento de Energia dos EUA Cores: Blades Cray XT5 com cores AMD Opteron Quad-core FLOPS peak: Pleiades Pertence à NASA Cores: blades SGI Altix ICE 8200EX com Intel Xeon Quad-core FLOPS peak: Arquitectura de Computadores (2008/2009): Multi-processamento 801

Ricardo Gonçalves 2013/2014. Arquitecturas Multicore

Ricardo Gonçalves 2013/2014. Arquitecturas Multicore Ricardo Gonçalves 2013/2014 Arquitecturas Multicore Outline Introdução Processador Multi-core: o que é? Do multi-processador ao multi-core Evolução dos processadores multi-core Arquitecturas multi-core

Leia mais

Introdução ao Processador CELL BE

Introdução ao Processador CELL BE 1 Introdução ao Processador CELL BE por: José Ricardo de Oliveira Damico 17 / Maio / 2007 São Paulo SP 2 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS 3 RESUMO 4 1.) INTRODUÇÃO 5 1.1) O que é? 5 2.) Utilização 5 3.) FUNCIONAMENTO

Leia mais

ALGORÍTMOS PARALELOS (Aula 2) LCAD. Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004. Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES

ALGORÍTMOS PARALELOS (Aula 2) LCAD. Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004. Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES ALGORÍTMOS PARALELOS (Aula 2) Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004 LCAD Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES Programa do Curso LCAD 1. Introdução 2. Arquitetura de Computadores 3. Arquiteturas

Leia mais

Arquitetura NUMA 1. Daniel de Angelis Cordeiro. INRIA MOAIS project Laboratoire d Informatique de Grenoble Université de Grenoble, França

Arquitetura NUMA 1. Daniel de Angelis Cordeiro. INRIA MOAIS project Laboratoire d Informatique de Grenoble Université de Grenoble, França Arquitetura NUMA 1 Daniel de Angelis Cordeiro INRIA MOAIS project Laboratoire d Informatique de Grenoble Université de Grenoble, França 6 de Outubro de 2010 1 Baseado em slides feitos por Christiane Pousa

Leia mais

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1 Entrada e Saída Interface entre periféricos, processador e memória Fonte: Minho - Portugal 1 Ligação Processador/Memória - Periférico Processador Memória Controlo Dados Controlador Fonte: Minho - Portugal

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS COM MÚLTIPLOS PROCESSADORES LIVRO TEXTO: CAPÍTULO 13, PÁGINA 243 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional INTRODUÇÃO Arquiteturas que possuem duas ou mais CPUs interligadas

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1. Introdução a supercomputação 2. Visão geral de Mainframe 3. Cluster de computadores 4. Cluster Beowulf considerações de projeto 5. Cluster x Grid 6.

Leia mais

Sistemas MIMD. CES-25 Arquiteturas para Alto Desmpenho. Paulo André Castro

Sistemas MIMD. CES-25 Arquiteturas para Alto Desmpenho. Paulo André Castro Sistemas MIMD Arquiteturas para Alto Desmpenho Prof. pauloac@ita.br Sala 110 Prédio da Computação www.comp.ita.br/~pauloac Arquiteturas Paralelas (SISD) Single Instruction Stream, Single Data Stream: Monoprocessador

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AO PARALELISMO: PROCESSADORES SUPERESCALARES. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AO PARALELISMO: PROCESSADORES SUPERESCALARES. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AO PARALELISMO: PROCESSADORES SUPERESCALARES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Lembretes Compreender o funcionamento da Arquitetura Superpipeline Compreender

Leia mais

PROCESSADOR CELL BROADBAND ENGINE (MECANISMO DE BANDA LARGA)

PROCESSADOR CELL BROADBAND ENGINE (MECANISMO DE BANDA LARGA) PROCESSADOR CELL BROADBAND ENGINE (MECANISMO DE BANDA LARGA) SACCA, Juliana 1 ; KOYAMA, Julio César Hiroshi 2 ; TAMAE, Yoshio Rodrigo 3, MUZZI, Fernando Augusto Garcia 3. 1 Acadêmico do Curso de Sistemas

Leia mais

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn OBJETIVO: definir computação paralela; o modelo de computação paralela desempenhada por computadores paralelos; e exemplos de uso da arquitetura

Leia mais

Symmetric Multiprocessing Simultaneous Multithreading Paralelismo ao nível dos dados

Symmetric Multiprocessing Simultaneous Multithreading Paralelismo ao nível dos dados Symmetric Multiprocessing Simultaneous Multithreading Paralelismo ao nível dos dados Luís Nogueira luis@dei.isep.ipp.pt Departamento Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto SMP,

Leia mais

Siang Wun Song - IME/USP e Universidade Federal do ABC. MAC 412 - setembro de 2010

Siang Wun Song - IME/USP e Universidade Federal do ABC. MAC 412 - setembro de 2010 Evolução da Computação de Alto Desempenho sob a Ótica da Lista TOP500 ou (Se um processador já é rápido, imaginem um sistema com 224.162 processadores :-) Siang Wun Song - IME/USP e Universidade Federal

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

Introdução à Programação Paralela através de Padrões. Denise Stringhini Calebe Bianchini Luciano Silva

Introdução à Programação Paralela através de Padrões. Denise Stringhini Calebe Bianchini Luciano Silva Introdução à Programação Paralela através de Padrões Denise Stringhini Calebe Bianchini Luciano Silva Sumário Introdução: conceitos de paralelismo Conceitos básicos sobre padrões de programação paralela

Leia mais

Computação de Alto Desempenho uma pequena introdução

Computação de Alto Desempenho uma pequena introdução Computação de Alto Desempenho uma pequena introdução Pedro Alberto Laboratório de Computação Avançada Centro de Física Computacional Unversidade de Coimbra 1 Sumário Porque é que é precisa a computação

Leia mais

Imagem retirada de documentações de treinamentos oficiais INTEL

Imagem retirada de documentações de treinamentos oficiais INTEL O que é Hyper-Threading (HT)? Hyper-Threading (HT) é uma tecnologia existe nos processadores que visa explorar com mais eficiência o uso da CPU, o grande foco desta tecnologia é evitar ociosidade de processamento

Leia mais

A história do Processadores O que é o processador Características dos Processadores Vários tipos de Processadores

A história do Processadores O que é o processador Características dos Processadores Vários tipos de Processadores A história do Processadores O que é o processador Características dos Processadores Vários tipos de Processadores As empresas mais antigas e ainda hoje no mercado que fabricam CPUs é a Intel, AMD e Cyrix.

Leia mais

Capítulo 9. Arquitecturas Reais e Alternativas

Capítulo 9. Arquitecturas Reais e Alternativas Capítulo 9 Arquitecturas Reais e Alternativas Adaptado dos transparentes das autoras do livro The Essentials of Computer Organization and Architecture Ábaco (3000 AC) do Lat. abacu < Gr. abax, quadro,

Leia mais

Organização de Computadores 2005/2006 Processamento Paralelo

Organização de Computadores 2005/2006 Processamento Paralelo Organização de Computadores 2005/2006 Processamento Paralelo Paulo Ferreira paf a dei.isep.ipp.pt Maio de 2006 Introdução 2 Porquê?...........................................................................................

Leia mais

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 1 2 Revisão de Hardware 2.1 Hardware O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 2.1.1 Processador O Processador

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de I Organização Básica B de (Parte V, Complementar)

Leia mais

Arquitectura de Computadores II. Multiprocessadores

Arquitectura de Computadores II. Multiprocessadores Arquitectura de Computadores II LESI - 3º Ano Multiprocessadores João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho Janeiro 2002 Uma forma lógica de aumentar o desempenho de uma

Leia mais

Arquitecturas Alternativas. Pipelining Super-escalar VLIW IA-64

Arquitecturas Alternativas. Pipelining Super-escalar VLIW IA-64 Arquitecturas Alternativas Pipelining Super-escalar VLIW IA-64 Pipeline de execução A execução de uma instrução passa por várias fases: Vimos o ciclo: fetch, decode, execute fetch decode execute instrução

Leia mais

Computação Heterogênea Programação paralela, clusters e GPUs

Computação Heterogênea Programação paralela, clusters e GPUs Computação Heterogênea Programação paralela, clusters e GPUs Profa. Dra. Denise Stringhini (ICT- Unifesp) Primeiro Encontro do Khronos Chapters Brasil Belo Horizonte, 20/09/2013 Conteúdo Computação heterogênea:

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Multi-núcleos Programação de Sistemas Core : 1/19 Introdução (1) [Def] núcleo ( core ) é uma unidade de processamento. O multicore (Dual, Quad,...) possui 2 ou mais núcleos que

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Multi-núcleos Programação de Sistemas Core : 1/19 Introdução (1) [Def] núcleo ( core ) é uma unidade de processamento. O multicore (Dual, Quad,...) possui 2 ou mais núcleos que

Leia mais

Processadores clock, bits, memória cachê e múltiplos núcleos

Processadores clock, bits, memória cachê e múltiplos núcleos Processadores clock, bits, memória cachê e múltiplos núcleos Introdução Os processadores (ou CPUs, de Central Processing Unit) são chips responsáveis pela execução de cálculos, decisões lógicas e instruções

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

Linux no Playstation 3

Linux no Playstation 3 Linux no Playstation 3 Tchelinux 2009 ULBRA Gravataí Filipe Rosset Douglas Schilling Landgraf 28 de Março de 2009 Sobre esta apresentação - Nível: Iniciante

Leia mais

Auditoria de senhas em hardware paralelo com o John the Ripper O impacto das tecnologias de processamento paralelo na quebra de senhas

Auditoria de senhas em hardware paralelo com o John the Ripper O impacto das tecnologias de processamento paralelo na quebra de senhas Auditoria de senhas em hardware paralelo com o John the Ripper O impacto das tecnologias de processamento paralelo na quebra de senhas Claudio André claudio.andre@correios.net.br Motivação Seu computador

Leia mais

Paralelismo. Computadores de alto-desempenho são utilizados em diversas áreas:

Paralelismo. Computadores de alto-desempenho são utilizados em diversas áreas: Computadores de alto-desempenho são utilizados em diversas áreas: - análise estrutural; - previsão de tempo; - exploração de petróleo; - pesquisa em fusão de energia; - diagnóstico médico; - simulações

Leia mais

Bits internos e bits externos. Barramentos. Processadores Atuais. Conceitos Básicos Microprocessadores. Sumário. Introdução.

Bits internos e bits externos. Barramentos. Processadores Atuais. Conceitos Básicos Microprocessadores. Sumário. Introdução. Processadores Atuais Eduardo Amaral Sumário Introdução Conceitos Básicos Microprocessadores Barramentos Bits internos e bits externos Clock interno e clock externo Memória cache Co-processador aritmético

Leia mais

Evolução da Computação de Alto Desempenho sob a Ótica da Lis. ou (Se um processador já é rápido, imaginem um sistema com 3.120.000 processadores :-)

Evolução da Computação de Alto Desempenho sob a Ótica da Lis. ou (Se um processador já é rápido, imaginem um sistema com 3.120.000 processadores :-) Evolução da Computação de Alto Desempenho sob a Ótica da Lista TOP500 ou (Se um processador já é rápido, imaginem um sistema com 3.120.000 processadores :-) Siang Wun Song IME-USP Evolução

Leia mais

23/05/2013. Partes do Sistema Computacional. Hardware. Ciclo do Processamento de Dados HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS. Hardware Software Dados Usuários

23/05/2013. Partes do Sistema Computacional. Hardware. Ciclo do Processamento de Dados HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS. Hardware Software Dados Usuários 2 Partes do Sistema Computacional HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS Software Dados Usuários Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Cluster Resumo Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Introdução Sua empresa esta precisando fazer um grande processamento; As Nuvens existentes não são suficientes para sua empresa;

Leia mais

Programação Paralela

Programação Paralela rogramação aralela FEU 2. Arquitecturas de omputadores e rogramação aralela Arquitecturas de omputadores Taxonomia de Flynn (extra livro recomendado) Base da Taxonomia: D: data stream (fluxo de acesso

Leia mais

slide 0 Algoritmos Paralelos

slide 0 Algoritmos Paralelos slide 0 Algoritmos Paralelos Slide 2 Demanda por Velocidade Computational Demanda contínua por maior rapidez computational das máquinas que as atualmente disponíveis. As áreas que exigem maior rapidez

Leia mais

Unidade 13: Paralelismo:

Unidade 13: Paralelismo: Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 13: Paralelismo: SMP e Processamento Vetorial Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar os conceitos fundamentais da arquitetura SMP e alguns detalhes

Leia mais

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 5 Flávia Maristela (flaviamsn@ifba.edu.br) Arquitetura de Von Neumann e as máquinas modernas Onde

Leia mais

Aula 26: Arquiteturas RISC vs. CISC

Aula 26: Arquiteturas RISC vs. CISC Aula 26: Arquiteturas RISC vs CISC Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 1 / 33 Revisão Diego Passos

Leia mais

Arquitetura dos Supercomputadores - TOP 500 -

Arquitetura dos Supercomputadores - TOP 500 - Universidade de São Paulo Instituto de Matemática e Estatística Bacharelado em Ciência da Computação Arquitetura dos Supercomputadores - TOP 500 - Steven Koiti Tsukamoto São Paulo 2010 Steven Koiti Tsukamoto

Leia mais

grifo04 O maior supercomputador da América Latina

grifo04 O maior supercomputador da América Latina grifo04 O maior supercomputador da América Latina Luiz Rodolpho Monnerat Petrobras TIC/TIC-E&P Agosto/2012 1 Agenda Introdução Supercomputação? O que é isso? Lista dos maiores supercomputadores? Hã? História

Leia mais

A Evolução dos Clusters frente as demais arquiteturas de Alto Desempenho

A Evolução dos Clusters frente as demais arquiteturas de Alto Desempenho A Evolução dos Clusters frente as demais arquiteturas de Alto Desempenho Rodrigo Santos de Souza, Adenauer C. Yamin Universidade Católica de Pelotas - UCPel {rsouza,adenauer}@ucpel.tche.br, 1 Introdução

Leia mais

4 Computação Paralela 4.1. Introdução

4 Computação Paralela 4.1. Introdução 4 Computação Paralela 4.1. Introdução Nos últimos anos observa-se uma tendência cada vez maior do aumento da demanda computacional na resolução de grandes problemas. Exemplos de aplicações que exigem alto

Leia mais

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão Prof. Kleber Rovai 1º TSI 22/03/2012 Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão 1. Como seria utilizar um computador sem um sistema operacional? Quais são suas duas principais funções? Não funcionaria.

Leia mais

CPU - Significado CPU. Central Processing Unit. Unidade Central de Processamento

CPU - Significado CPU. Central Processing Unit. Unidade Central de Processamento CPU - Significado CPU Central Processing Unit Unidade Central de Processamento CPU - Função Na CPU são executadas as instruções Instrução: comando que define integralmente uma operação a ser executada

Leia mais

Multicomputadores. Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação CECOMP

Multicomputadores. Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação CECOMP Multicomputadores Introdução Vimos que existem dois tipos de processadores paralelos MIMD: Multiprocessadores. Multicomputadores. Nos multiprocessadores, existe uma memória compartilhada que pode ser acessada

Leia mais

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy)

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Capítulo 4 João Lourenço Joao.Lourenco@di.fct.unl.pt Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa 2007-2008 MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Adaptado dos transparentes

Leia mais

periféricos: interfaces humano-computador (HCI) arquivo de informação comunicações

periféricos: interfaces humano-computador (HCI) arquivo de informação comunicações Introdução aos Sistemas de Computação (6) Análise de componentes num computador Estrutura do tema ISC 1. Representação de informação num computador 2. Organização e estrutura interna dum computador 3.

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL. Capítulo 2. Conceitos de Hardware e Software

ANHANGUERA EDUCACIONAL. Capítulo 2. Conceitos de Hardware e Software ANHANGUERA EDUCACIONAL Capítulo 2 Conceitos de Hardware e Software Hardware Um sistema computacional é um conjunto de de circuitos eletronicos. Unidade funcionais: processador, memória principal, dispositivo

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capítulo 1 Introdução Programa: Seqüência de instruções descrevendo como executar uma determinada tarefa. Computador: Conjunto do hardware + Software Os circuitos eletrônicos de um determinado computador

Leia mais

Curso EFA Técnico/a de Informática - Sistemas. Óbidos

Curso EFA Técnico/a de Informática - Sistemas. Óbidos Curso EFA Técnico/a de Informática - Sistemas Óbidos MÓDULO 769 Arquitectura interna do computador Carga horária 25 2. PROCESSADOR (UNIDADE CENTRAL DE PROCESSAMENTO CPU) Formadora: Vanda Martins 3 O processador

Leia mais

Componentes de um Sistema de Computador

Componentes de um Sistema de Computador Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade responsável pelo processamento dos dados, ou seja, o equipamento (parte física) SOFTWARE: Instruções que dizem o que o computador deve fazer (parte

Leia mais

Sistemas de Computação e Desempenho (UCE Computação Paralela Distribuída)

Sistemas de Computação e Desempenho (UCE Computação Paralela Distribuída) Sistemas de Computação e Desempenho (UCE Computação Paralela Distribuída) Arquitecturas Multi-Core João Luís Ferreira Sobral jls@... 9-Dez-2008 Hierarquia processador-memória Organização dos diversos níveis

Leia mais

7 Processamento Paralelo

7 Processamento Paralelo 7 Processamento Paralelo Yes, of course, who has time? Who has time? But then if we do not ever take time, how can we ever have time? (The Matrix) 7.1 Introdução Classificação de Sistemas Paralelos Diversas

Leia mais

Programação Concorrente Introdução

Programação Concorrente Introdução Introdução Prof. Eduardo Alchieri (definição) Programação Concorrente Do inglês Concurrent Programming, onde Concurrent signifca "acontecendo ao mesmo tempo" Programação Concorrente é diferente de programação

Leia mais

Desenvolvimento de Programas Paralelos para Máquinas NUMA: Conceitos e Ferramentas

Desenvolvimento de Programas Paralelos para Máquinas NUMA: Conceitos e Ferramentas 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Desenvolvimento de Programas Paralelos para Máquinas NUMA: Conceitos

Leia mais

Sistemas Operacionais. INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR

Sistemas Operacionais. INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR Sistemas Operacionais INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR 1 Introdução O que se espera de um sistema de computação? Execução de programas de usuários Permitir a solução de problemas

Leia mais

Trabalho de: Alexandre / Paulo / Rui

Trabalho de: Alexandre / Paulo / Rui Trabalho de: Alexandre / Paulo / Rui Índice 1 - CPU-Processador 2 - Chipset Intel/AMD 3 - Cache 4 - Núcleo 5 - CISC/RISC 1. CPU / Processador A unidade central de processamento ou CPU (Central Processing

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 SISTEMA DE INTERCONEXÃO (BARRAMENTOS) Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Componentes estruturais: Memória Principal Unidade de Processamento Central

Leia mais

Evolução das CPUs: Dual e Quad Core

Evolução das CPUs: Dual e Quad Core Evolução das CPUs: Dual e Quad Core Cesar Sposito Mário J. Filho Rodrigo Ferrassa... os computadores sequenciais estão se aproximando do limite físico fundamental em sua energia potencial computacional.

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 3 - ORGANIZAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTACIONAIS - PROCESSADORES 1. INTRODUÇÃO Um computador eletrônico digital é um sistema composto por um conjunto de processadores, memórias e dispositivos de entrada/saída

Leia mais

Estrutura de um Computador

Estrutura de um Computador Estrutura de um Computador Tratando-se o computador de uma máquina complexa a sua estrutura pode ser apreciada a diferentes níveis de detalhe, duma forma hierárquica. AC1 Arquitectura e Organização de

Leia mais

Aula 04 A. Barramentos. Prof. Ricardo Palma

Aula 04 A. Barramentos. Prof. Ricardo Palma Aula 04 A Barramentos Prof. Ricardo Palma Definição Em ciência da computação barramento é um conjunto de linhas de comunicação que permitem a interligação entre dispositivos, como o CPU, a memória e outros

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 4 Tipos de SO Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br SO - Prof. Edilberto Silva Os Sistemas Operacionais podem ser assim classificados: SO - Prof. Edilberto Silva

Leia mais

Multiprocessamento. Patterson & Hennessy Capítulo 9. Arquitetura e Organização de Computadores Juliano M. Vieira (c) 2011

Multiprocessamento. Patterson & Hennessy Capítulo 9. Arquitetura e Organização de Computadores Juliano M. Vieira (c) 2011 Multiprocessamento Patterson & Hennessy Capítulo 9 Arquitetura e Organização de Computadores Juliano M. Vieira (c) 2011 Tópicos Abordados Tipos comuns SMP (processamento paralelo) NUMA (placas de alto

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Questões Em uma rede de sobreposição (overlay), mensagens são roteadas de acordo com a topologia da sobreposição. Qual uma importante desvantagem

Leia mais

RISC X CISC - Pipeline

RISC X CISC - Pipeline RISC X CISC - Pipeline IFBA Instituto Federal de Educ. Ciencia e Tec Bahia Curso de Analise e Desenvolvimento de Sistemas Arquitetura de Computadores 25 e 26/30 Prof. Msc. Antonio Carlos Souza Referências

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores. 12ª aula

SSC510 Arquitetura de Computadores. 12ª aula SSC510 Arquitetura de Computadores 12ª aula EVOLUÇÃO DA ARQUITETURA INTEL PROFA. SARITA MAZZINI BRUSCHI 1 Pentium - Modelos 2 Pentium - Arquiteturas Netburst P7 Sétima geração dos processadores da arquitetura

Leia mais

Sistemas Distribuídos Conceitos HW e SW. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos Conceitos HW e SW. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Conceitos HW e SW Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Roteiro da Aula Conceitos de Hardware Conceitos de Software Combinações de SW e HW 3 Sistemas Distribuídos

Leia mais

Profs. Deja e Andrei

Profs. Deja e Andrei Disciplina Sistemas Distribuídos e de Tempo Real Profs. Deja e Andrei Sistemas Distribuídos 1 Conceitos e Projetos de Sistemas Distribuídos Objetivos: Apresentar uma visão geral de processamento distribuído,

Leia mais

Arquiteturas Paralelas

Arquiteturas Paralelas I Escola Regional de Alto Desempenho de SP São Paulo - SP 30 e 31 de Julho de 2010 Arquiteturas Paralelas Prof. Dr. Edson T. Midorikawa edson.midorikawa@poli.usp.br Departamento de Engenharia de Computação

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução Arquitetura e Organização de Computadores Capítulo 0 - Introdução POR QUE ESTUDAR ARQUITETURA DE COMPUTADORES? 2 https://www.cis.upenn.edu/~milom/cis501-fall12/ Entender para onde os computadores estão

Leia mais

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers)

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers) Arquiteturas RISC (Reduced Instructions Set Computers) 1 INOVAÇÕES DESDE O SURGIMENTO DO COMPU- TADOR DE PROGRAMA ARMAZENADO (1950)! O conceito de família: desacoplamento da arquitetura de uma máquina

Leia mais

} Monolíticas Aplicações em um computador centralizado. } Em Rede Aplicações com comunicação em rede. } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede

} Monolíticas Aplicações em um computador centralizado. } Em Rede Aplicações com comunicação em rede. } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede Prof. Samuel Souza } Monolíticas Aplicações em um computador centralizado } Em Rede Aplicações com comunicação em rede } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede } Aplicações que são funcionalmente

Leia mais

Microprocessadores II - ELE 1084

Microprocessadores II - ELE 1084 Microprocessadores II - ELE 1084 CAPÍTULO III OS PROCESSADORES 3.1 Gerações de Processadores 3.1 Gerações de Processadores Primeira Geração (P1) Início da arquitetura de 16 bits CPU 8086 e 8088; Arquiteturas

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução Arquitetura e Organização de Computadores Capítulo 0 - Introdução POR QUE ESTUDAR ARQUITETURA DE COMPUTADORES? 2 https://www.cis.upenn.edu/~milom/cis501-fall12/ Entender para onde os computadores estão

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Ricardo Ribeiro dos Santos ricrs@ec.ucdb.br

Sistemas Distribuídos. Ricardo Ribeiro dos Santos ricrs@ec.ucdb.br Sistemas Distribuídos Ricardo Ribeiro dos Santos ricrs@ec.ucdb.br Curso de Engenharia de Computação UCDB Agosto/2003 Tópicos Conceitos de HW em SD Multiprocessadores e Multicomputadores Conceitos de SW

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operativos

Introdução aos Sistemas Operativos Introdução aos Sistemas Operativos Computadores e Redes de Comunicação Mestrado em Gestão de Informação, FEUP 06/07 Sérgio Sobral Nunes mail: sergio.nunes@fe.up.pt web: www.fe.up.pt/~ssn Sumário Definição

Leia mais

Professores: Aula 10. Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins. Conteúdo: Arquiteturas Avançadas. - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo

Professores: Aula 10. Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins. Conteúdo: Arquiteturas Avançadas. - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo 1 Professores: Aula 10 Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins Conteúdo: Arquiteturas Avançadas - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo 2 Arquiteturas RISC Reduced Instruction Set Computer se

Leia mais

Sistema de Computação

Sistema de Computação Sistema de Computação Máquinas multinível Nível 0 verdadeiro hardware da máquina, executando os programas em linguagem de máquina de nível 1 (portas lógicas); Nível 1 Composto por registrados e pela ALU

Leia mais

Servidor de Dados. Sistemas de Informação Módulo 4

Servidor de Dados. Sistemas de Informação Módulo 4 Servidor de Dados Sistemas de Informação Módulo 4 Módulo 4 Arquitectura Cliente/Servidor Administração de um Servidor/Base de Dados Conteúdos do Módulo 4 Conceitos Gerais sobre a arquitectura Cliente/Servidor;

Leia mais

COMPUTAÇÃO PARALELA. uma visão geral. Guilherme Galante. v.2.0

COMPUTAÇÃO PARALELA. uma visão geral. Guilherme Galante. v.2.0 COMPUTAÇÃO PARALELA uma visão geral Guilherme Galante v.2.0 Guilherme Galante Bacharel em Informática Unioeste (2003) Mestre em Ciência da Computação UFRGS (2006) Professor Assistente do curso de Informática/Ciência

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br ESQUEMA DE UM COMPUTADOR Uma Unidade Central de

Leia mais

Programação Paralela e Distribuída 2009/10. Fundamentos

Programação Paralela e Distribuída 2009/10. Fundamentos Programação Paralela e Distribuída 1 Porquê Programação Paralela? Se um único computador (processador) consegue resolver um problema em N segundos, podem N computadores (processadores) resolver o mesmo

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 2. Hardware: Componentes Básicos e Funcionamento Prof. Ronaldo Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade

Leia mais

Comparação SDs X Scs

Comparação SDs X Scs Prof. Alexandre Lima Sistemas Distribuídos Cap 9 1/7 Comparação SDs X Scs Distribuição inerente Economia Velocidade Confiabilidade Crescimento incremental Descrição Algumas aplicações envolvem máquinas

Leia mais

A SCALABLE, COMMODITY DATA CENTER NETWORK ARCHITECTURE ***FAT-TREE***

A SCALABLE, COMMODITY DATA CENTER NETWORK ARCHITECTURE ***FAT-TREE*** UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO TÓPICOS EM COMPUTAÇÃO DISTRIBUÍDA - MO809 A SCALABLE, COMMODITY DATA CENTER NETWORK ARCHITECTURE ***FAT-TREE*** Aluno: Joaquim Domingos Mussandi

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Classificação de Sistemas Distribuídos e Middleware

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Classificação de Sistemas Distribuídos e Middleware Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Classificação de Sistemas Distribuídos e Middleware Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais O que se espera de um sistema de computação? Execução de programas de usuários Permitir a solução de problemas Sistema Operacional (SO) é um programa colocado entre o hardware do

Leia mais

29/3/2011. Primeira unidade de execução (pipe U): unidade de processamento completa, capaz de processar qualquer instrução;

29/3/2011. Primeira unidade de execução (pipe U): unidade de processamento completa, capaz de processar qualquer instrução; Em 1993, foi lançada a primeira versão do processador Pentium, que operava a 60 MHz Além do uso otimizado da memória cache (tecnologia já amadurecida) e da multiplicação do clock, o Pentium passou a utilizar

Leia mais

INSTITUTO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. INSTITUTO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas (EFA-S4A)-NS Trabalho Realizado Por: Igor_Saraiva nº 7 Com

Leia mais

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO PROCESSADOR TEGRA 2

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO PROCESSADOR TEGRA 2 LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO PROCESSADOR TEGRA 2 SANTO AMARO 2011 ANGELO RAMOS JACKELINE BARBOSA JEANDERVAL SANTOS PROCESSADOR TEGRA 2 Trabalho apresentado ao Instituto Federal de Ciências e Tecnologia da

Leia mais

Utilização do processador Cell para o processamento de dados obtidos por tomografia aplicada a materiais compósitos

Utilização do processador Cell para o processamento de dados obtidos por tomografia aplicada a materiais compósitos Universidade Nova de Lisboa Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Informática Dissertação de Mestrado em Engenharia Informática 1º Semestre, 2010/2011 Utilização do processador Cell para o

Leia mais