Oracle Grid Engine. Thiago Marques Soares. Pós-Graduação em Modelagem Computacional Universidade Federal de Juiz de Fora. 8 de abril de 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Oracle Grid Engine. Thiago Marques Soares. Pós-Graduação em Modelagem Computacional Universidade Federal de Juiz de Fora. 8 de abril de 2015"

Transcrição

1 Oracle Grid Engine Thiago Marques Soares Pós-Graduação em Modelagem Computacional Universidade Federal de Juiz de Fora 8 de abril de 2015 Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

2 1 Introdução 2 Tutorial 3 Vantagens e Desvantagens 4 Especificações do Cluster da UFJF 5 Questionário 6 Bibliografia Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

3 Introdução Um cluster é uma coleção de recursos computacionais homogêneos que realizam tarefas Esses recursos estão organizados de forma distribuída Usuários veem um cluster como um único recurso computacional Figura: Exemplo de um Cluster Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

4 Introdução Cada segmento de entrada de uma tarefa é conhecido como job Cada job inclui uma descrição do que deve ser feito e como deve ser feito O OGE reconhece 4 tipos básicos de jobs: batch job parametric job parallel job interactive job Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

5 Introdução O OGE é um software de gerenciamento de recursos distribuidos Seus principais objetivos são: Aumentar a utilização do recurso computacional Melhorar a vazão da carga de trabalho Aumentar a produtividade do usuário final Fornece um arsenal de avançadas técnicas de escalonamento Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

6 Introdução Figura: Arquitetura OGE Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

7 Introdução No centro de um cluster OGE está o escalonador O escalonador é uma parte do Qmaster Priorizar os jobs pendentes Decidir qual job escalonar em qual recurso O processo de escalonar o job possui dois estágios Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

8 Introdução Job Selection Qmaster ordena os jobs por ordem de prioridade Escalonameto do Job A lista ordenada dos jobs pendentes é associada aos jobs slots Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

9 Introdução O OGE não otimiza o código para alto desempenho automaticamente Devem ser utilizadas bibliotecas para alcançar este objetivo OpenMP CUDA OpenCL MPI Diretrizes devem ser especificadas no código fonte Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

10 Tutorial 1 Acessar o cluster 2 Transferência de arquivos para o cluster 3 Compilar arquivos no cluster 4 Criar arquivo com as diretrizes do job 5 Enviar o job para o cluster Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

11 Tutorial Para acessar o cluster utiliza-se o protocolo SSH ssh Para transferência de arquivo utiliza-se o protocolo SFTP sftp Comandos <put> e <get> para enviar e receber arquivos do cluster Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

12 Tutorial A compilação de arquivos no cluster usa o Makefile Criar o arquivo de compilação Makefile Utilizar o comando <make> para compilar os arquivos fonte e gerar o executável Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

13 Tutorial As diretrizes do job devem ser escritas e salvas em um arquivos do tipo.job Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

14 Tutorial -pe Ambiente paralelo de execução do job -N Nome do job -cwd Executar o job do diretório corrente -j Realiza o join entre o stdout e stderr -S Interpretador do arquivo de job Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

15 Tutorial qsub <nome_job> Submete um batch job qstat Mostra o status dos jobs qstat -f Mostra o status das filas qdel <numero_job> Deleta um job qsub -q maquina) Submete um job para uma máquina específica Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

16 Tutorial O Qmon é uma interface gráfica para gerenciamento do cluster Para acessá-la é preciso passar o parâmetro <-X> no SSH ssh -X Utilizar o comando <qmon> quando logado no cluster Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

17 Vantagens O OGE é um software voltado para a computação de alto desempenho Curva de aprendizado relativamente pequena para usuários Não é necessário entender completamente a arquitetura do hardware para executar suas aplicações Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

18 Desvantagens É necessário conhecer os comandos básicos do software Aplicações mais complexas necessitam de um conhecimento maior sobre o OGE e sobre o hardware Configurar o OGE pode não ser uma tarefa simples Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

19 Especificações do Cluster da UFJF 2 processadores AMD Opteron 6272 com 16 núcleos de 1400 MHz 32 GB de memória RAM Sistema Operacional Linux Rocks 64-bits Máquinas Novas (11-21) 2 GPUs NVIDIA M2075 com 448 núcleos e 5.3 GB de memória global Máquinas Antigas (22-29) 2 GPUs NVIDIA C1060 com 240 núcleaos e 4 GB de memória global Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

20 Questionário 1) O que é um cluster? Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

21 Questionário 1) O que é um cluster? R.: Um cluster é uma coleção de recursos computacionais homogêneos (hardware semelhante e utilizam o mesmo sistema operacional) organizados de forma distribuída, que realizam tarefas. Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

22 Questionário 2) O que é e quais os principais objetivos do OGE? Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

23 Questionário 2) O que é e quais os principais objetivos do OGE? R.: O OGE é um software de gerenciamento de recursos distribuídos e seus principais objetivos são: aumentar a utilização do recurso computacional, melhorar a vazão da carga de trabalho e aumentar a produtividade do usuário final Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

24 Questionário 3) Cite e descreva os dois estágios do processo de escalonamento de jobs? Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

25 Questionário 3) Cite e descreva os dois estágios do processo de escalonamento de jobs? R.: A primeira fase é o Job Selection onde os jobs são ordenados por ordem de prioridade. E a segunda fase é o Escalonamento do Job em que a lista ordenada dos jobs pendentes é associadas aos recursos ou jobs slots. Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

26 Questionário 4) Qual o comando o usuário deve utilizar para submeter um job cujo o nome é exemplo.job para a máquina 11? Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

27 Questionário 4) Qual o comando o usuário deve utilizar para submeter um job cujo o nome é exemplo.job para a máquina 11? R.: qsub -q exemplo.job Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

28 Questionário 5) Qual a vantagem de se utilizaar o OGE para computação de alto desempenho? Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

29 Questionário 5) Qual a vantagem de se utilizaar o OGE para computação de alto desempenho? R.: O OGE é um software voltado especificamente para computação de alto desempenho, tornando-se assim melhor que softwares mais genéricos. Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

30 Dúvidas Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

31 Bibliografias M. Lobosco. Roteiro de Acesso ao Cluster. S. Microsystems. N1 Grid Engine 6 Users Guide Oracle. Beginners Guide to Oracle Grid Engine Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de / 31

Manual de Acesso ao Sistema e Guia de Utilização do Sun Grid Engine (SGE)

Manual de Acesso ao Sistema e Guia de Utilização do Sun Grid Engine (SGE) Manual de Acesso ao Sistema e Guia de Utilização do Sun Grid Engine (SGE) Meira & Fernandez Centro Nacional de Supercomputação 10 de Dezembro de 2014 1 Acesso Remoto ao Sistema Para acesso externo ao cluster

Leia mais

Instituto de Física - UFBA Cluster Prometeu Guia do usuário

Instituto de Física - UFBA Cluster Prometeu Guia do usuário Instituto de Física - UFBA Cluster Prometeu Guia do usuário 1 Características do sistema O Cluster Prometeu consiste em um sistema HP Blade C7000, com 10 lâminas BL260c, cada uma com a seguinte configuração:

Leia mais

Computação Distribuída de Alto Desempenho. Marcelo Giovani M Souza mgm@cbpf.br

Computação Distribuída de Alto Desempenho. Marcelo Giovani M Souza mgm@cbpf.br Computação Distribuída de Alto Desempenho Marcelo Giovani M Souza mgm@cbpf.br 1 *Exemplos de Tipos Clusters *O Cluster do CBPF *Estudos futuros 2 *Cluster do CBPF -Hardware -Sistema e ferramentas -Formas

Leia mais

Computação Heterogênea Programação paralela, clusters e GPUs

Computação Heterogênea Programação paralela, clusters e GPUs Computação Heterogênea Programação paralela, clusters e GPUs Profa. Dra. Denise Stringhini (ICT- Unifesp) Primeiro Encontro do Khronos Chapters Brasil Belo Horizonte, 20/09/2013 Conteúdo Computação heterogênea:

Leia mais

O Cluster SGI Altix: Guia do Usuário

O Cluster SGI Altix: Guia do Usuário O Cluster SGI Altix: Guia do Usuário Lindolfo Meira Centro Nacional de Supercomputação 28 de Setembro de 2015 1 Panorama do Sistema O cluster SGI Altix (apelidado gauss) opera com o Novell SUSE Linux Enterprise

Leia mais

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão Prof. Kleber Rovai 1º TSI 22/03/2012 Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão 1. Como seria utilizar um computador sem um sistema operacional? Quais são suas duas principais funções? Não funcionaria.

Leia mais

4 Computação Paralela 4.1. Introdução

4 Computação Paralela 4.1. Introdução 4 Computação Paralela 4.1. Introdução Nos últimos anos observa-se uma tendência cada vez maior do aumento da demanda computacional na resolução de grandes problemas. Exemplos de aplicações que exigem alto

Leia mais

Sistemas Operacionais. INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR

Sistemas Operacionais. INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR Sistemas Operacionais INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR 1 Introdução O que se espera de um sistema de computação? Execução de programas de usuários Permitir a solução de problemas

Leia mais

CBPF-NT-008/02. Aplicação em Cluster com o SUN Grid Engine

CBPF-NT-008/02. Aplicação em Cluster com o SUN Grid Engine Aplicação em Cluster com o SUN Grid Engine Fernando Spencer Marita Maestrelli spencer@cbpf.br marita@cbpf.br Novembro 2002 Prefácio Atualmente, o mundo vem voltando atenções para o processamento paralelo,

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Proposta de Middleware Para Meta-Escalonamento em Ambientes Multi-Cluster

Proposta de Middleware Para Meta-Escalonamento em Ambientes Multi-Cluster Proposta de Middleware Para Meta-Escalonamento em Ambientes Multi-Cluster Gabriel M. Pessoa 1, M. A. R. Dantas 1 1 Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Leia mais

Apresentação. Ementa da Disciplina. Objetivo da Disciplina. DCA-108 Sistemas Operacionais

Apresentação. Ementa da Disciplina. Objetivo da Disciplina. DCA-108 Sistemas Operacionais DCA-108 Sistemas Operacionais Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Apresentação Disciplina básica do curso de Engenharia de Computação Carga-horária: 60h teóricas Associadas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais O que se espera de um sistema de computação? Execução de programas de usuários Permitir a solução de problemas Sistema Operacional (SO) é um programa colocado entre o hardware do

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar

Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar David Beserra 1, Alexandre Borba¹, Samuel Souto 1, Mariel Andrade 1, Alberto Araujo 1 1 Unidade Acadêmica de Garanhuns

Leia mais

Instruções para uso do sistema gestor de filas no Laboratório Multiusuário de Bioinformática

Instruções para uso do sistema gestor de filas no Laboratório Multiusuário de Bioinformática Instruções para uso do sistema gestor de filas no Laboratório Multiusuário de Bioinformática Encontra-se em fase de implantação na infraestrutura computacional do LMB o sistema gestor de recursos open

Leia mais

Programação Paralela Híbrida em CPU e GPU: Uma Alternativa na Busca por Desempenho

Programação Paralela Híbrida em CPU e GPU: Uma Alternativa na Busca por Desempenho 124 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Programação Paralela Híbrida em CPU e GPU: Uma Alternativa na Busca por Desempenho André Luís Stefanello¹, Crístian Cleder Machado1, Dioni da Rosa¹, Maurício

Leia mais

Infraestrutura Básica

Infraestrutura Básica Índice Introdução Características do Mastersaf Componentes do MasterSAF Servidor de Banco de Dados (obrigatório) Estações de Trabalho (obrigatório) Servidor de Arquivos (opcional) Servidor de Aplicações

Leia mais

Apresentação da disciplina. Sistemas Operacionais I N. A disciplina. O Professor. Áreas de atuação na pesquisa. Referências bibliográficas básicas

Apresentação da disciplina. Sistemas Operacionais I N. A disciplina. O Professor. Áreas de atuação na pesquisa. Referências bibliográficas básicas 1 Apresentação da disciplina Sistemas Operacionais I N Prof. Marcelo Johann 2009/2 O professor A disciplina Bibliografia Cronograma Avaliação Trabalhos Regras do jogo Introdução: Sistemas Operacionais

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais 1.2 Tipos de Operacionais Tipos de Operacionais Monoprogramáveis/ Monotarefa Multiprogramáveis/ Multitarefa Com Múltiplos Processadores 1.2.1 Monoprogramáveis/Monotarefa Os primeiros sistemas operacionais

Leia mais

Cluster HPC High Performance Computing.

Cluster HPC High Performance Computing. Faculdade de Tecnologia de Guaratinguetá. doze, março de 2009. Cluster HPC High Performance Computing. Diogo Salles, Thiago Pirro, Camilo Bernardes, Paulo Roberto, Ricardo Godoi, Douglas, Fauzer. Sistemas

Leia mais

Cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas - UnP

Cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas - UnP Cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas - UnP Professor Nielsen Castelo Damasceno E-mail: nielsen.castelo@unp.br Web: http://ncdd.com.br Sala de Aula Online Curso Sistemas distribuídos (CH Total

Leia mais

Auditoria de senhas em hardware paralelo com o John the Ripper O impacto das tecnologias de processamento paralelo na quebra de senhas

Auditoria de senhas em hardware paralelo com o John the Ripper O impacto das tecnologias de processamento paralelo na quebra de senhas Auditoria de senhas em hardware paralelo com o John the Ripper O impacto das tecnologias de processamento paralelo na quebra de senhas Claudio André claudio.andre@correios.net.br Motivação Seu computador

Leia mais

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software Resumo até aqui Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma máquina estendida abstrações SO como um

Leia mais

Introdução aos Sistemas

Introdução aos Sistemas Introdução Introdução aos Sistemas Operacionais 1 2 3... n Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Compilador Editor de texto Browser Programas

Leia mais

Sistemas de controle para processos de bateladas

Sistemas de controle para processos de bateladas Sistemas de controle para processos de bateladas Por Alan Liberalesso* Há algum tempo os processos de batelada deixaram de ser um mistério nas indústrias e no ambiente de automação. O cenário atual nos

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Tópico 4 Estrutura do Sistema Operacional Prof. Rafael Gross prof.rafaelgross@fatec.sp.gov.br FUNÇÕES DO NUCLEO As principais funções do núcleo encontradas na maioria dos sistemas

Leia mais

Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais. Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br

Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais. Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br O que é? Pra que serve? Onde se usa? Como funciona? O que é? Uma coleção de programas Inicia e usa do HW

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Eriko Carlo Maia Porto UNESA Universidade Estácio de Sá eriko_porto@uol.com.br Última revisão Julho/2003 REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Década de 50 introdução dos

Leia mais

Arquitectura de Sistemas Paralelos e Distribuídos

Arquitectura de Sistemas Paralelos e Distribuídos Docentes Arquitectura de Sistemas Paralelos e Distribuídos 0. Introdução Prof. Paulo Marques Dep. Eng. Informática, Univ. Coimbra pmarques@dei.uc.pt Prof. Luís Silva Dep. Eng. Informática, Univ. Coimbra

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Universidade Federal de Alfenas

Universidade Federal de Alfenas Universidade Federal de Alfenas Projeto e Análise de Algoritmos Aula 04 Introdução a Análise de Algoritmos humberto@bcc.unifal-mg.edu.br Última aula Fundamentos de Matemática Exercícios: Somatórios; Logaritmos

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1 Introdução

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1 Introdução Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1 Introdução Conceituação Um Sistema Operacional tem como função principal gerenciar os componentes de hardware (processadores, memória principal,

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS. 2º TRIMESTRE Patrícia Lucas

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS. 2º TRIMESTRE Patrícia Lucas SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS 2º TRIMESTRE Patrícia Lucas O QUE SÃO SISTEMAS OPERACIONAIS? Um sistema operacional é um conjunto de rotinas executado pelo processador, de forma semelhante

Leia mais

Balanceamento de Carga

Balanceamento de Carga 40 4. Balanceamento de Carga Pode-se entender por balanceamento de carga uma política a ser adotada para minimizar tanto a ociosidade de utilização de alguns equipamentos quanto a super utilização de outros,

Leia mais

Cluster sólido como rocha

Cluster sólido como rocha Criação de clusters virtuais com o Rocks Cluster sólido como rocha CAPA O Rocks oferece uma solução fácil para criação de clusters de máquinas virtuais. por Matthew D. Sacks Rocks é uma distribuição Linux

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 01 Assunto: Tipos de Sistemas Operacionais UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 01 Assunto: Tipos de Sistemas Operacionais UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 01 Assunto: Tipos de Sistemas Operacionais UNIBAN 2.0 - INTRODUÇÃO Os tipos de sistemas operacionais e sua evolução estão intimamente relacionados com a evolução do hardware

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional INTRODUÇÃO Sistema Operacional (S.O.) Aplicativos Formado por um conjunto de rotinas que oferecem serviços aos usuários, às aplicações

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

Nível 3 Sistema Operacional

Nível 3 Sistema Operacional Nível 3 Sistema Operacional Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Nível

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software; Sistemas Operacionais: Evolução; Conceitos Básicos; Tipos; Exemplos. DEINFO/UFRPE

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery Sistemas Operacionais Introdução Professora: Michelle Nery Área de Atuação do Sistema Operacional Composto de dois ou mais níveis: Tipo de Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Monotarefas Sistemas

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

Resumo. Prof. Alejandro - Introdução à Sistemas Operacionais Resumo Informativo, complemente o material assistindo as Aulas 19/08/2015 1

Resumo. Prof. Alejandro - Introdução à Sistemas Operacionais Resumo Informativo, complemente o material assistindo as Aulas 19/08/2015 1 Resumo 19/08/2015 1 1. Tipos de Software 2. Introdução aos Sistemas Operacionais 3. Os Arquivos 4. Funções do Sistema Operacional 5. Programas Utilitários do Sistema Operacional 6. Termos Básicos 7. Tipos

Leia mais

4º Semestre. Aula 15 Serviços Internet (FTP)

4º Semestre. Aula 15 Serviços Internet (FTP) Disciplina: Serviços de Rede Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 15 Serviços Internet (FTP) 2012/2 Roteiro de Aula O Protocolo FTP Funcionamento o FTP Servidor Proftpd Atividade Prática

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Introdução Um sistema operacional é um programa que atua como intermediário entre o usuário e o hardware de um computador. O propósito

Leia mais

COMPUTAÇÃO PARALELA. uma visão geral. Guilherme Galante. v.2.0

COMPUTAÇÃO PARALELA. uma visão geral. Guilherme Galante. v.2.0 COMPUTAÇÃO PARALELA uma visão geral Guilherme Galante v.2.0 Guilherme Galante Bacharel em Informática Unioeste (2003) Mestre em Ciência da Computação UFRGS (2006) Professor Assistente do curso de Informática/Ciência

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Prof. Eduardo Alchieri Sistema Computacional Hardware Software Usuários Um ou mais processadores, memória, discos, impressoras, teclado, mouse, monitor,

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 4 - CLUSTER DE COMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO Grande parte do tempo, os computadores que utilizamos encontram-se ociosos, ou seja, sem nada para processar. Isso se deve, em grande parte, pelas aplicações

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

3.1. Paralelização em CUDA (GPU-PGLIQ)

3.1. Paralelização em CUDA (GPU-PGLIQ) 44 3 3.1. Paralelização em CUDA (GPU-PGLIQ) Aplicação: Aceleração Base No algoritmo serial de PGLIQ, o maior tempo de processamento está na avaliação da função de aptidão, embora este procedimento seja

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Evolução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Componentes de um sistema computacional Conceituação Características desejáveis Organização

Leia mais

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Sistemas Operacionais Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Ementa Apresentação do curso Cap1 - Visão Geral Cap2 - Conceitos de Hardware e Software Cap3 - Concorrência Cap4 - Estrutura do Sistema Operacional

Leia mais

Noções básicas de Informática: Software

Noções básicas de Informática: Software Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Noções básicas de Informática: Software DCA0800 - Algoritmos e Lógica de Programação Heitor Medeiros 1 Sobre

Leia mais

Infra-Estrutura de Software. Introdução. (cont.)

Infra-Estrutura de Software. Introdução. (cont.) Infra-Estrutura de Software Introdução (cont.) O que vimos Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Ciência da Computação 5ª série Sistemas Operacionais A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas

Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas Jonathan Brilhante(jlgapb@cin.ufpe), Bruno Silva(bs@cin.ufpe) e Paulo Maciel(prmm@cin.ufpe) Agenda 1. 2. 3. 4. 5.

Leia mais

FlexLoadGenerator Um Framework para Apoiar o Desenvolvimento de Ferramentas Voltadas a Estudos de Avaliação de Desempenho e Dependabilidade

FlexLoadGenerator Um Framework para Apoiar o Desenvolvimento de Ferramentas Voltadas a Estudos de Avaliação de Desempenho e Dependabilidade FlexLoadGenerator Um Framework para Apoiar o Desenvolvimento de Ferramentas Voltadas a Estudos de Avaliação de Desempenho e Dependabilidade Débora Souza dsls@cin.ufpe.br Orientador: Paulo Maciel prmm@cin.ufpe.br

Leia mais

Placa de vídeo em CUDA

Placa de vídeo em CUDA Placa de vídeo em CUDA Matheus Costa Leone de Souza Krystian Aparacido Resumo Quando você tem um cálculo que possa ser grande demais para você realizar a mão, a primeira solução que lhe vem a cabeça é

Leia mais

Supercomputadores dominavam o mercado

Supercomputadores dominavam o mercado Clusters e Grids Introdução Supercomputadores dominavam o mercado Alto custo Requerem mão de obra muito especializada Desenvolvimento de microprocessadores poderosos a um baixo custo Desenvolvimento de

Leia mais

NVIDIA GeForce Experience

NVIDIA GeForce Experience NVIDIA GeForce Experience DU-05620-001_v02 outubro 8, 2012 Guia do usuário CONTEÚDO 1 NVIDIA GeForce Experience Guia do usuário... 1 Sobre o GeForce Experience... 1 Instalação e configuração do GeForce

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação Comissão de Curso e NDE do BCC Fevereiro de 2015 Situação Legal do Curso Criação: Resolução CONSU no. 43, de 04/07/2007. Autorização: Portaria

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 4 Tipos de SO Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br SO - Prof. Edilberto Silva Os Sistemas Operacionais podem ser assim classificados: SO - Prof. Edilberto Silva

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

SO Sistemas Operacionais

SO Sistemas Operacionais GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO DE APOIO A ESCOLA TÉCNICA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL REPÚBLICA SO Sistemas Operacionais Curso de Informática ETE REPÚBLICA - Rua Clarimundo de Melo, 847, Quintino

Leia mais

Introdução. O que vimos. Infraestrutura de Software. (cont.) História dos Sistemas Operacionais. O que vimos 12/03/2012. Primeira geração: 1945-1955

Introdução. O que vimos. Infraestrutura de Software. (cont.) História dos Sistemas Operacionais. O que vimos 12/03/2012. Primeira geração: 1945-1955 O que vimos Infraestrutura de Software Introdução (cont.) Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma

Leia mais

João Marcelo Uchôa de Alencar

João Marcelo Uchôa de Alencar CENAPAD-UFC João Marcelo Uchôa de Alencar Agenda Missão Serviços Projetos em Andamento Temas de Pesquisa Parque Computacional e Infraestrutura Parcerias Sobre o Passado Quem Somos Contato Missão Centro

Leia mais

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos Introdução Banco de Dados Por que usar BD? Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny 4 Por que estudar BD? Exemplo de um BD Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária

Leia mais

Multi-processamento. Arquitecturas MIMD de memória partilhada Multi-cores heterogéneos Multi-processadores

Multi-processamento. Arquitecturas MIMD de memória partilhada Multi-cores heterogéneos Multi-processadores Multi-processamento Arquitecturas MIMD de memória partilhada Multi-cores heterogéneos Multi-processadores Arquitecturas MIMD de memória distribuída Massive Parallel Computers Sistemas distribuídos Ainda

Leia mais

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede.

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Aula 2 Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Sistema Operacional de Rede Definição: Conjunto de módulos que ampliam as tarefas dos sistemas operacionais locais, complementando-os

Leia mais

Supercomputação. Simplificada.

Supercomputação. Simplificada. Supercomputação. Simplificada. INTRODUÇÃO AO WINDOWS HPC SERVER 2008 R2 SUITE O Windows HPC Server 2008 R2, solução de HPC de terceira geração da Microsoft, oferece uma solução abrangente e econômica para

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais

Introdução aos Sistemas Operacionais Introdução aos Sistemas Operacionais Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Tópicos O que é um Sistema

Leia mais

Introdução a Sistemas Operacionais Aula 04. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Introdução a Sistemas Operacionais Aula 04. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução a Sistemas Operacionais Aula 04 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Um computador sem software nada mais é que um conjunto inútil de metal (Tanembaum); É o software que viabiliza

Leia mais

Estratégia de Implantação do GridUNESP. II Brazilian LHC Computing Workshop - GridUNESP

Estratégia de Implantação do GridUNESP. II Brazilian LHC Computing Workshop - GridUNESP Estratégia de Implantação do GridUNESP II Brazilian LHC Computing Workshop - GridUNESP O que é Grid? Grid é um sistema que coordena recursos computacionais geograficamente distribuídos. Usa protocolos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE TECNOLOGIA DA BAIXADA SANTISTA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA GESTÃO DE NEGÓCIOS Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf ALEXANDRE

Leia mais

FTP Protocolo de Transferência de Arquivos

FTP Protocolo de Transferência de Arquivos FTP Protocolo de Transferência de Arquivos IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm FTP - Protocolo O protocolo FTP é o serviço padrão da Internet para

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 08 Processos Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Introdução Conceitos já vistos em aulas anteriores: Definição de Sistemas Operacionais Funções: máquina virtual

Leia mais

Profs. Deja e Andrei

Profs. Deja e Andrei Disciplina Sistemas Distribuídos e de Tempo Real Profs. Deja e Andrei Sistemas Distribuídos 1 Conceitos e Projetos de Sistemas Distribuídos Objetivos: Apresentar uma visão geral de processamento distribuído,

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

Classificação de SO (Sistemas Operacionais) Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.

Classificação de SO (Sistemas Operacionais) Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu. Classificação de SO (Sistemas Operacionais) Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.br Agenda Classificação de SO quanto a: Interface Processamento Tarefas

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

Desenvolvimento de um Cluster de Alto Desempenho com PVM

Desenvolvimento de um Cluster de Alto Desempenho com PVM Desenvolvimento de um Cluster de Alto Desempenho com PVM Daniel Cândido de Oliveira 1, Yzaac Gonçalves da Silva 1, Madianita Bogo 1 1 Centro Universitário Luterano de Palmas Universidade Luterana do Brasil

Leia mais

Centro Nacional de Processamento de Alto Desempenho em São Paulo

Centro Nacional de Processamento de Alto Desempenho em São Paulo Centro Nacional de Processamento de Alto Desempenho em São Paulo UNICAMP / MCT-FINEP Maio / 2016 2 3 Sumário Apresentação... 06 CENAPAD-SP... 07 Informações e Suporte aos Usuários... 08 Convenções adotadas...

Leia mais

Componentes de um sistema computacional moderno. DCC/FCUP Inês Dutra Sistemas de Operação 1

Componentes de um sistema computacional moderno. DCC/FCUP Inês Dutra Sistemas de Operação 1 Componentes de um sistema computacional moderno DCC/FCUP Inês Dutra Sistemas de Operação 1 O que é um Sistema de Operação? Para responder a esta questão: vamos dividir a turma em 4 partes CPU memória programas

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 VISÃO GERAL Sumário Conceito Máquina de Níveis Conceituação de SO Componentes do SO Visões do SO Conceito de Sistemas O que se espera de um sistema de computação? Execução de

Leia mais