SUBSÍDIOS PARA O RESGATE DA HISTÓRIA DA PROPAGANDA EM PERNAMBUCO: UM OLHAR ATRAVÉS DA IMPRENSA RECIFENSE-DÉCADAS DE 30 A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUBSÍDIOS PARA O RESGATE DA HISTÓRIA DA PROPAGANDA EM PERNAMBUCO: UM OLHAR ATRAVÉS DA IMPRENSA RECIFENSE-DÉCADAS DE 30 A"

Transcrição

1 SUBSÍDIOS PARA O RESGATE DA HISTÓRIA DA PROPAGANDA EM PERNAMBUCO: UM OLHAR ATRAVÉS DA IMPRENSA RECIFENSE-DÉCADAS DE 30 A Autor: Eneus Trindade Graduado em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda pela UFPE Mestrando CRP-ECA-USP 1.INTRODUÇÃO Ao que se sabe, existem muitas publicações sobre a história da propaganda no Brasil. A maioria delas, são relatos de como a atividade publicitária surgiu no país, primeiros cases, primeiros anúncios, descrevendo o processo de desenvolvimento deste setor no mercado brasileiro. No entando, sobre a publicidade em Pernambuco, existem poucas publicações como por exemplo, a obra de Gilberto Freyre que trata sobre a influência do escravo nos anúncios dos jornais do século XIX 2. As demais obras fazem menção à formação do mercado publicitário em Pernambuco, encontram-se distribuídas em pequenos capítulos de livros que falam sobre a publicidade no Brasil, ou espalhados nos diversos volumes publicados sobre a história da imprensa pernambucana 3. O que se tem em específico sobre a história da publicidade no Recife, e ainda, sobre sua presença na mídia local, são estudos produzidos por alunos do Curso de Comunicação Social da Universidade Federal de Pernambuco, para a disciplina de Método de Pesquisa em Comunicação, ministrada pela Profa. Maria Luiza Nóbrega de 1 Monografia para conclusão do Curso de Comunicação Social da UFPE, relalizada em 1995, Orientada pela Profa. Maria Luíza Nóbrega de Morais e Co-orientada pela Profa. Maria Isabel Duarte. Localização: Hemeroteca do Curso de Comunicação Social da UFPE. 2 FREYRE, Gilberto. O Escravo nos Anúncios dos Jornais do Século XIX no Recife. Imprensa Universitária p 3 NASCIMENTO, Luís. História da imprensa em Pernambuco de : História dos diários do Recife-Diário de Pernambuco. v.1. Recife: Imprensa Universitária NASCIMENTO, Luís. História da imprensa em Pernambuco de : História dos diários do Recife de v.2. Recife: Imprensa Universitária

2 Morais, que desenvolve um projeto de resgate da memória das experiências locais em comunicação 4. Neste estudo foram trabalhados os dados referentes a três destes inventários que tratam sobre a evolução da publicidade veiculada na imprensa recifense nas décadas de 30 e 70 partindo da observação sistemática e análise das informações que estavam explicitadas nos anúncios coletados em alguns jornais do Recife. 2. DESCRIÇÃO DA PESQUISA O trabalho consiste no levantamento de informações referentes à formação do mercado publicitário recifense, na observação sistemática, na análise da evolução técnica e dos aspectos da construção sígnica das publicidades veiculadas em alguns jornais durante os anos 30 a 70, traçando-se um perfil de algumas características dos anúncios veículados, que foi integrado a uma reconstituição da conjuntura sócio-política, econômica, cultural e tecnológica, na qual a atividade e a produção publicitária estavam inseridas em cada década. Assim, procurou-se observar como se deu e qual foi o papel da publicidade neste processo, estabelecendo-se um paralelo entre os acontecimentos mais significativos nos grandes centros do país e em Pernambuco. Ao final da contextualização dos períodos e da descrição das publicidades em cada década, foi feita uma seleção de alguns anúncios dos gêneros mais freqüentes de cada período e a partir deles, analisou-se os processos de siginificação nas publicidades, com base nos métodos da semiologia-estrutural, a fim de detectar as regras que orientam a construção deste tipo de mensagem e o nível de complexidade da produção de significação nesse setor, ao longo dos 50 anos estudados. 4 GUSMÃO, Gustavo; MORAES, Roberta. A evolução da propaganda na imprensa local - década de 70. Recife. Jul LEÃO, André; NICOLE, Paola; REBOUÇAS, Maritza. A propaganda na imprensa em Recife - década de 60. Recife. Nov MEGALE, Carmen Lúcia; PESSOA, Giovanna; PONTUAL, Andréa. Et al. A evolução da propaganda na imprensa em Recife - décadas de 30 a 50. Recife

3 O estudo abordou as diversas transformações que ocorreram na sociedade, como estas repercutiram nos processos de comunicação, e num caso mais específico, na publicidade, que funciona como uma espécie de espelho desta mesma sociedade, ora acompanhando as mudanças, ora antecipando-se a elas, substituindo valores morais e culturais, determinando novos padrões estéticos, mudando e/ou reforçando os costumes. 3. METODOLOGIA A metodologia desenvolvida para este trabalho compreendeu duas etapas. Uma que durou aproximadamente três anos e correspondeu à coleta e ao registro de 2109 anúncios, referentes à amostra total 5 das cinco décadas (30 a 70), sendo o processo de coleta dos anúncios, orientado pelos critérios da semana composta, na qual se consultou apenas os exemplares de jornal de uma semana de cada mês, representante de cada ano, dos meses de julho ou agosto, por serem meses de certa neutralidade promocional, em que o consumo não é estimulado por algum evento. Nesta primeira etapa, devido à semelhança dos tipos e quantidades dos anúncios nos jornais locais, ficou decidido que seriam registrados os anúncios publicados no Jornal do Comércio e no Diário de Pernambuco por serem os dois jornais de maior circulação e os mais tradicionais. Os dados dos anúncios das décadas de 30 a 50, foram extraídos do Diário de Pernambuco e os dos anos 60 a 70 do Jornal do Comércio. A coleta deste material é atribuída aos colegas do curso de Comunicação Social da UFPE, em atividades exigidas para as disciplinas de Método de Pesquisa em Comunicação I e II. A segunda etapa diz respeito à realização deste trabalho, a qual consistiu na sistematização dos dados coletados (tabulações e montagens de tabelas e gráficos) e na realização dos ajustes metodológicos necessários para proporcionar homogeneidade no 5 O número de anúncios coletados por década foi: década de publicidades; década de publicidades; década de publicidades; década de publicidades; década de publicidades. A amostra dos anos 30 diferenciou-se das demais, devido ao fato dos exemplares de julho e agosto, desta década, fazerem inúmeras 3

4 tratamento das informações de cinco décadas distintas. Acrescentando-se, ainda, o relato referente à análise semiológica das publicidades e a ampliação do referencial teórico, necessários ao esclarecimento de algumas informações. Os dados contidos nos inventários indicavam as seguintes informações - características - sobre as publicidades: tipos de gêneros mais anunciados (medicamentos, eletrodomésticos, serviços, etc.) em cada década, tipos de letras mais freqüentes, uso ou não de cores, ilustrações, fotografias, identificação das agências que assinavam seus anúncios e dos principais anunciantes de cada período. Para a análise semiológica das publicidades, foram utilizados os autores: Umberto Eco 6 e Barthes 7, que auxiliaram na percepção da mensagem publicitária enquanto sintagma composto por vários paradigmas. Sob outro aspecto, a publicidade enquanto ato verbal, seus slogans, textos e diálogos estão sujeitos às seis funções da linguagem 8, presentes em qualquer discurso (funções conativa, emotiva, fática, referencial, metalingüística e poética/estética). Assim, estabeleceu-se os seguintes critérios para a análise semiológica das publicidades: seleção e identificação dos elementos paradigmáticos presentes no sintagma publicitário; análise dos paradigmas na mensagem publicitária; identificação das associações entre os elementos sígnicos, se são por contigüidade ou similaridade de forma ou conteúdo; análise e identificação das funções da linguagem presentes no discurso das publicidades selecionadas. O total de anúncios retirados da amostra para compor o material desta análise foi de 70 publicidades distribuídos da seguinte forma: década de 30 - dez anúncios de referências aos acontecimentos do período, ou não estavam disponíveis para consulta, ou simplesmente não traziam anúncios publicitários. 6 ECO, Umberto. A Estrutura Ausente. Cap. 5, onde o autor propõe um modelo de análise semiótica da publicidade a partir do mapeamento das articulações entre os diversos sistemas sígnicos que compõem o anúncio. 7 Ver ROLAND, Barthers. Elementos da Semiologia, capítulo onde o autor define os conceitos de paradigma e sintagma. 4

5 medicamentos; década de 40 - dez anúncios de medicamentos; década de 50 - vinte anúncios (dez de serviços e dez de eletrodomésticos); Década de 70 - dez anúncios de serviços. Nos anos 50 e 60 forma analisados mais anúncios, pelo fato destas duas décadas marcarem o processo de reorganização do mercado de consumo brasileiro. 4. ANÁLISE DOS RESULTADOS Décadas de 30 e 40 Embora estas duas décadas tenham sido estudadas separadamente, observa-se que elas concluem uma longa etapa da evolução do mercado brasileiro, possuindo características de consumo e de produção publicitária muito semelhantes. Desde o período colonial até os anos vinte, o que se tinha no Brasil era uma sociedade constituída em função de uma economia agrária, que no começo do século XX começa a ingressar no processo de desenvolvimento urbano-industrial, com pequenos focos de uma produção cultural em massa (alguns jornais, revistas e primeiras experiências de radiofusão). Mesmo a partir dos anos 30 e 40 com o processo de industrialização já iniciado e com uma indústria cultural também em fase de implantação, o nosso mercado possuía características de uma sociedade agrária com necessidades de consumo básico 9, consumindo produtos de saúde, alimentação, vestuário, higiene e entretenimento básico. Nestes períodos a maioria dos anúncios registrados eram do gênero medicamentos, correspondendo a cerca de 36% do total de anúncios da amostra nos anos 30 e 46% nos anos 40, seguidos em menor quantidade por anúncios de produtos de higiene. Esta não era apenas uma circunstância particular do mercado recifense, mas era um fato que acontecia em todo o país JAKOBSON, apud REBOUL. In O Slogan 1975, P GIACOMINI FILHO, Gino.Consumidor Versus Propaganda. São Paulo: Summus P

6 Apesar de o processo de desenvolvimento das atividades em comunicação e da indústria cultural no Brasil ter sido muito mais forte no Rio de Janeiro e São Paulo, Pernambuco teve uma situação diferente das demais regiões do país, por causa da sua favorável situação econômica durante esses períodos. Desde os anos 20 Recife já possuía uma emissora de rádio, a Rádio Clube, e embora os primeiros registros de agência de propaganda atuando no mercado local fosse da empresa inglesa The Propagandist, responsável pela conta da Cia. Tramway de energia em meados dos anos 20, pode-se afirmar que a primeira agência genuinamente pernambucana surgiu na década de 30, Organização Norte-Brasileiro de Carlos Leite Maia, seguida da implantação do escritório da agência de atuação nacional, Standard. Na década de 40, com a consolidação do rádio, a atividade publicitária dá um grande salto. É a época do uso da música na publicidade, surgimento dos spots e jingles. Em Pernambuco, a necessidade das emissoras de rádio que se viam obrigadas a gerar suas fontes de renda, faz com que a parte comercial destes veículos seja estimulada, levando muitos profissionais do rádio a abrirem agências, como foi o caso dos radialistas José Renato - Agência Norte Limitada, e Mário Leão Ramos com a Abaeté, além da existência dos diversos corretores de anúncios que eram maioria no mercado. Depois da Rádio Clube, foi fundada, ainda nesta década (40), a Rádio Jornal do Commercio que possibilitava mais uma opção para as agências e o anunciantes. A publicidade veiculada no jornal nestas duas décadas possuía basicamente o mesmo tipo de discurso e a mesma estética. Nos textos, a maioria longos, tinha-se uma descrição exaustiva das caracterísitcas, dos efeitos e propriedades do produto anunciado, caracterizando o predomínio da função referencial da linguagem, uma vez que a prioridade da mensagem era o objeto - produto - apresentado. A segunda função mais observada foi a conotativa. O compre, use, que são antigos elementos do discurso 10 Ver RAMOS apud BRANCO. In História da Propaganda No Brasil. Rio de Janeiro: Ibraco P. 04 6

7 dos pregões, foram incorporados à publicidade deste período. Apenas em um anúncio identifica-se a presença da função metalingüística. Outro aspecto percebido foi a frequência do uso da figura de retórica da hipérbole, o mais, o melhor, o grande, eram expressões bastante utilizadas. Em menor frequência observou-se o uso de paranomásias e metáforas. Nas ilustrações, a maioria em desenhos, observou-se que sempre eram apresentadas as embalagens dos produtos. Na década de 40 nota-se um sensível cuidado com a qualidade do traçado das ilustrações e a utilização do elemento humano passa a acontecer com frequência maior que no período anterior. A fotografia era pouco utilizada e quando aparecia, estava geralmente associada a algum desenho. Percebeu-se muito a articulação e a combinação dos signos destas publicidades através das associações por contigüidade, ou seja, idéias próximas, principalmente na associação das propriedades do produto e seus efeitos. Já as associações por similariedade, foram pouco observadas e quando eram identificadas, certamente, ocorriam através da associação de sons semelhantes, registrando o uso de rimas. Nestes anúncios pode-se constatar que havia um certo equilíbrio entre o uso das letras tipo bold e light, e a utilização de letras com ornamento correspondeu a 25% dos anúncios da década de 30 e cerca de 50% na década de 40. O xarope Bromil, Instantina e Tônico Bayer, Biotônico Fontoura, Creme Dental Kolynos, entre outros, foram as grandes vedetes destes períodos. As publicidades, em termos técnicos, ficavam muito limitadas às condições de impressão do jornal, ao linotipo, o que deixava este anúncio num nível semiológico bastante elementar, restringindo o campo semântico dos signos empregados, dando-lhes um sentido fortemente voltado ao campo denotativo, já que os anúncios tinham um argumento direto e objetivo. Mas a investigação destas publicidades também fornecem elementos para 7

8 identificação dos valores morais e do papel dos indivíduos na sociedade destas décadas, através da observação do tratamento dado a este aspecto. Década de 50 A partir desta década o Brasil entra no estágio conhecido como sociedade afluente, situação classificada por Galbraith como sendo o estágio atual dos mercados de consumo, que se caracteriza por uma sociedade constituída de um número considerável de indivíduos com suas necessidades básicas satisfeitas, canalizando recursos para atender outros desejos afluentes 11. É um período que abre novas perspectivas. Surge a televisão com a fundação da TV Tupi, que vive nesta época sua fase experimental. Mas o rádio ainda continuava sendo o grande líder na preferência da população e o segundo nos investimentos publicitários, só perdendo para o jornal. 12 As mudanças no mercado foram facilmente constatadas, a primeira delas foi o aumento substancial do número de anúncios no jornal que passou de 224 nos anos 40, para 368 nesta década. Havia uma maior diversificação na oferta de produtos e serviços. Neste período os medicamentos continuam sendo o gênero mais anunciado (18,78% do total de anúncios), contudo registrou-se ascensão dos serviços que representaram 12,55% do total de anúncios. Eram casas comerciais, companhias aéreas, bancos, clínicas, veículos de comunicação (rádio e revistas) e alguns profissionais liberais prestadores de serviços. Com a chegada dos eletrodomésticos, surgem os primeiros registros de anúncios de varejo que ocupavam páginas inteiras do jornal, fato este, que não teve registro em décadas anteriores. Registram-se, ainda, algumas propagandas eleitorais. 11 GALBRAITH apud GIACOMINI FILHO. In Consumidor Versus Propaganda P BRANCO; Et al; História da Propaganda no Brasil

9 Nas ilustrações, o uso do desenho ainda predomina, e as fotografias aparecem um pouco mais que nas outras décadas. Quanto as letras, notou-se uma maior utilização de letras tipo ligth (cerca de 80%) e 60% tipo bold. As letras com ornamento estiveram presentes em 50% das publicidades. Na análise das propagandas, observa-se claramente que o período reflete um momento de transição. As publicidades de medicamentos guardam em sua maioria características das décadas anteriores. Já os anúncios de serviços apresentavam uma nova estética, um cuidado maior com as ilustrações, textos concisos e linguagem mais objetiva registrando a predominância da função referencial no discurso destas publicidades, a função conotiva continua presente, mas de forma atenuada. Ainda se observam poucos registros do uso das funções fática e poética, e praticamente nenhum registro de publicidades faz valer - se do uso das funções emotiva e metalingüística. As hipérboles continuam presentes, além da identificação da presença de metáforas e paranomásias. As associações por contigüidade entre os signos se estabelecem através da relação do serviço e suas vantagens e as associações por similaridade ocorreram ou pela semelhança de sons (rimas) ou, em poucos casos por analogia de conteúdo, geralmente em metáforas. O jornal continuava sendo impresso no linotipo e os limites técnicos permaneciam, mas a publicidade parecia ser mais bem planejada, embora seu fazer técnico e o campo semântico não permitisse muitas conotações. Em Pernambuco, além das agências fundadas nas décadas anteriores, encontravam-se em funcionamento os escritórios das agências nacionais e estrangeiras: Thompsom, MacCan Erickison, Norton e Denison, que possivelmente poderiam ter implantado seus escritórios desde a década anterior. Surgiam no mercado inúmeros corretores de anúncios, o que indica que a praça pernambucana tinha potencial de mercado e começava a ser explorada. Não se tem o registro, mas se supõem que até o 9

10 final da década deveriam existir cerca de vinte agências, sendo a MMS Publicidade, uma das últimas a serem fundadas neste período. Década de 60 Este período finaliza o processo de formação do mercado de bens de consumo (materiais e simbólicos) no Brasil. A nova dimensão conquistada por este mercado estava intimamente associada ao contexto sócio-político e econômico que o país passava. O Golpe Militar de 64, reorienta todo o plano de desenvolvimento econômico do país, inserindo-o no processo de internacionalização da economia. A ditadura acelerou a modernização, trazendo consequências imediatas, já que fortalecia os parques industriais dos bens materiais e culturais, favorecendo estes mercados e à atividade publicitária, que tinha a função de difundir a ideologia do Estado e informar a respeito da utilidade e qualidade dos produtos e serviços oferecidos. A televisão rompe com todas as dificuldades do período passado e se consolida como grande veículo de comunicação e de destinação de verbas publicitárias, forçando os outros meios a redimensionarem seu posicionamento enquanto veículos de publicidade, informação e entretenimento. Em Recife, são fundadas: a TV Rádio Clube; TV Universitária e TV Jornal do Comércio. E já existiam desde as décadas anteriores as rádios Clube, Jornal do Commercio, Tamandaré, Olinda e Continental. Neste painel, em que a publicidade local era dominada pelos corretores de anúncios, chegava-se uma dimensão tão complexa, que estes corretores não podiam mais atender às necessidades de seus grandes clientes sozinhos. Só as agências é que tinham condições e estrutura para exercer tal papel. Desta forma, muitos agenciadores se reúnem para constituir suas próprias agências, como foi o caso de Luís Geraldo - que fundou a Aliança, Carol Fernandes a Itaity, Castelão e Fernando Ramos, que abriram suas agências 10

11 com seus próprios nomes. Os anos 60 marcam uma reorganização do mercado publicitário recifense que só se consolida na década seguinte. Neste novo contexto, tem-se os serviços como o gênero que mais anunciavam (29,73% das publicidades), seguido dos eletrodomésticos/móveis e utilidades do lar (25,50% das publicidades). Os serviços eram principalmetente estabelecimentos comerciais, veículos de comunicação, bancos, instituições de crédito e financeiras. E em menores proporções, agências de viagens, profissionais liberias e clínicas. Observa-se uma grande diversificação e aumento na qualidade de anúncios (787). O aumento do número de publicidades de serviços e eletrodomésticos seguiu uma tendência apresentada na década de 50, atribuída a explosão de consumo da classe média brasileira, que estava com seu poder aquisitivo elevado. A propaganda assumia uma nova estética, onde mesmo os anúncios mais simples tinham uma certa preocupação com escolha das tipografias, da disposição dos elementos nos seus layouts, uso de contrastes com retículas do preto ou cinza, letras vazadas, maior uso de fotografias embora o predomínio ainda fosse das ilustrações desenhadas. Alguns, ou melhor, pouquíssimos anúncios traziam no máximo três cores. O varejão de páginas inteiras de produtos eletrodomésticos, já era uma constância. A mensagem torno-se muito mais objetiva e concisa, a função da linguagem predominante nos anúncios foi a referencial, mas se observa a presença da função metalingüísitca e conativa. As hipérboles foram presenças constantes em expressões como novíssimo, máximo, entre outras. As associações por contigüidades e similaridade são mais bem elaboradas graças ao melhor tratamento dado ao texto e suas relações com as imagens nas publicidades. Mas, embora já se utilizasse a impressão do tipo off-set, o jornal ainda era impresso no linotipo e, portanto, permaneciam os limites técnicos da criação publicitária para o jornal. 11

12 Foram identificadas 73 agências atuando no mercado recifense nesta década, destacando-se a atuação das seguintes agências locais: Abaeté, Organização Norte- Brasileiro, Aliança, Castelão Publicidade, Fernando Ramos Publicidade e Itaity. Observa-se um aumento do número de anunciantes locais, o que não quer dizer que os grandes anunciantes tivessem desaparecido do mercado local. Mas agora, os estabelecimentos locais de venda a varejo ao consumidor, passaram a anunciar os produtos das grandes marcas. Por exemplo, o ar condicionado Philco vendido na loja Morais & Gatis. A maioria destes anunciantes, teve registro de seus anúncios uma ou duas vezes e os maiores anunciantes desta década foram: Rádio Jornal do Comércio, Mesbla, Brahma, BNN, Cidar, GE, Varig, Cia. Kastrup, Oscar Amorim Com Ltda, SOCIC, TV Jornal do Commercio, Souto Calçados, Lutz Ferrando e Lojas Remillet. Foram identificados 508 anunciantes entre os 787 anúncios referentes a este período. Década de 70 A Condição instaurada pela ditadura militar com o Golpe de 1964, manteve toda sua estruturta política, ideológica, econômica e cultural durante a década de 70. Este período, caracteriza-se pelos efeitos do fenômeno do Milagre Econômico, que aumentou o poder de consumo da classe média, devido à grande circulação de capital no país com os investimentos dos grupos estrangeiros. Os serviços continuam a ser o gênero que mais veiculou anúncios no jornal com cerca de 50% das publicidades desta década. E os anúncios eram principalmente instituições de crédito e financeiras, isso graças à circulação de capital proporcionada pelo milagre econômico. Cerca de 25% dos anúncios de serviços eram de veículos de comunicação, principalmente das emissoras de TV. Com o advento da televisão em rede nacional, que viabilizava a integração de todo território nacional através da transmissão de programação das grandes emissoras, os escritórios regionais de grandes empresas de publicidade internacionais e nacionais, 12

13 tornavam-se desnecessários, uma vez que o plano da mídia podia ser feito em função da programação da rede. Vale ressaltar que este procedimento já vinha sendo realizado desde a década passada. E agora se constituía numa realidade. O que não quer dizer que estas agências tivessem abandonado o mercado e a mídia pernambucana. A saída das grandes agências possibilitou uma nova fase para o mercado publicitário local. Foram criadas três agências bastante pertinentes ao contexto da atividade publicitária no Recife na atualidade, são elas: A Ítalo Bianchi; o Gruponove e a Ampla Propaganda. Dentre os 633 anúncios desta década, foram identificadas 57 agências das quais, destacam-se as já citadas Abaeté, a Itaity, a Aliança e a Castelão Publicidade. Os anunciantes, da mesma forma que no período passado, em sua maioria tiveram seus anúncios registrados uma ou duas vezes, sendo os mais freqüentes desta década a TV Jornal do Commercio, as Casas José Araújo, o Banco Banorte, o Jornal do Commercio, a TV Globo, F. Genes Detetizações, Icopervil, Lutz Ferrando, Rede Bandeirantes e a Rádio Jornal do Commercio. As publicidades possuíam a mesma linguagem concisa dos anos 60 e um cuidado com sua imagem, mesmo nos anúncios mais simples. Observa-se também, o uso de grafismos, de fotografias em cerca de 25% das publicidades mas a ilustração ainda predominava, como continuava a predominar também, a função referencial no discurso, pois o produtos ou serviço anunciado era o principal elemento abordado na mensagem. A função conativa também foi registrada, e em menor proporção, observou-se a presença da função metalingüísitca em alguns anúncios. Algumas publicidades apresentavam uma construção sígnica complexa com associação por similaridade ou analogias de conteúdos, devido ao uso de metáforas. As associações por contigüidade continuavam a acontecer através da relação produto ou serviço e seus efeitos e/ou vantagens. As hipérboles estavam sempre presentes. 13

14 A impressão do jornal ainda era no linotipo, e poucos anúncios eram impressos em tricromia, ou seja, com três cores. Nota-se que a partir desta década o anúncio é muito mais trabalhado para causar impacto visual e sua estética possui caracterísitcas bem próximas da estética atual. 5. CONCLUSÃO O grande número de categorias dos gêneros registrados teve como objetivo acompanhar o crescimento do mercado e observar a participação de cada categoria durante as cinco décadas. Os serviços foram o gênero que registraram a maior quantidade de anúncios nos 50 anos de estudo, sendo também a categoria que teve o maior crescimento. Nos anos 50 esta categoria dá um salto na sua participação total na amostra, passando dos 2% para 13% nos anos 70. E se fossem levadas em consideração as publicidades de outros gêneros como eletrodomésticos, imóveis e outros, em que sua maioria os anunciantes eram estabelecimentos comerciais, que por sua vez também são prestadores de serviços, este número aumentaria muito mais. Mas por razões metodológicas, optou-se pela classificação destes estabelecimentos de acordo com os produtos que anunciavam. Os medicamentos, foram os produtos mais anunciados durante as três primeiras décadas, mas depararam-se com o crescimento do mercado e diversificação dos produtos nos anos 50, tendo uma participação na amostra, a partir da década seguinte, de 1%. As demais categorias não ultrapassaram a casa dos 2% de participação no total das amostras de cada década. Durante os 50 anos estudados a impressão do jornal foi feita em linotipo, embora se saiba que nas décadas de 60 e 70 já se utilizava a impressão off-set. A ilustração em desenho predominou em 60, 59% das publicidades, a fotografia esteve presente em 14

15 23,24% dos anúncios, enquanto que o uso exclusivo de texto correspondeu a 23,47% das publicidades. O uso da cor foi pouco registrado, só nas décadas de 60 e 70 e a observação dos tipos de letras tornou-se desnecessária devido a complexidade para estabelecer parâmetros de análise, pois a cada período surgiam novas tipografias. Até os anos 50 pode-se dizer que a maioria dos anunciantes de jornal eram as grandes empresas multinacionais e nacionais de medicamentos. Já nos anos 60 e 70, observa-se o aumento do número dos anunciantes locais. Um dos principais anunciantes eram os meios de comunicação, por serem novidades (caso das emissoras de TV) que precisavam se fazer conhecer perante o público. Com relação ao mercado publicitário, pôde-se observar que até a década de 60 os corretores dominaram o setor, quando a partir de então, eles próprios começaram a se reunir e montar suas agências. Algumas, entre as agências mencionadas, tiveram e ainda têm, no caso de agências fundadas nos anos 60 e 70, importância no contexto atual. São elas: a MMS Publicidade (1959); Itaity Publicidade (anos 60); Aliança Propaganda (anos 60); Ítalo Bianchi; Gruponove; Ampla (todas da década de 70). Quanto ao fechamento dos escritórios das grandes agências pode ser atribuído a dois fatores: o advento da rede de televisão e ao declínio da economia local. Por outro lado, tal fato beneficiou o crescimento de um mercado publicitário regional, o qual atende às necessidades de anunciantes regionais e assim, pode-se supor a criação de um universo particular à produção simbólica da publicidade, regional. Sob este aspecto, este estudo pode ser considerado como ponto de partida para pesquisas mais profundas, no que compete à análise da produção simbólica na propaganda para o mercado regional. Do ponto de vista semiológico pode-se dizer que as mensagens publicitárias eram pouco complexas, tendo as limitações técnicas para a produção do anúncio em jornal. Estas mensagens assumem uma postura similar a função do veículo, que é o de informar 15

16 sobre os acontecimentos na medida que oferece informações a respeito do que está sendo anunciado. Talvez por isso, tenha-se registrado o predomínio da função referencial da linguagem, no discurso deste tipo de mensagem, já que esta função prioriza o objeto falado. Para concluir, considera-se e reforça-se a idéia de que este trabalho, resultou numa grande e criteriosa sistematização de informações que gerou um rico material que subsidia estudos posteriores mais aprofundados, tanto no que se refere ao resgate da história da publicidade recifense, quanto na evolução dos discurso publicitário e do nível de complexidade da produção de significação nesse setor. BIBLIOGRAFIA BARTHES, Roland. Elementos da semiologia. 3 ed. São Paulo: Cultrix BISPO, Ronaldo. Guia de leitura semiótica de comunicação de massa: manual para estudantes de comunicação social. Jul. Recife p. Monografia para conclusão do Curso de Comunicação Social da UFPE. BRANCO, Renato; MARTENSE, Rodolfo; REIS, Fernando. História da Propaganda no Brasil. Rio de Janeiro: IBRACO, p. DUARTE, Adriano. Introdução a semiótica. Lisboa: Presença p. DUTRA, Giovanna; FERREIRA, Fabiana; RODRIGUES, Andréa ; et al. O surgimento das agências de propaganda em Pernambuco. Recife p. Relatório de Pesquisa do curso de Comunicação Social da UFPE. ECO, Umberto. A Estrutura Ausente. 3 ed.são paulo: Perspectiva p. ECO, Umberto. Tratado Geral da Semiótica. São Paulo: Perspectiva p. FREYRE,Gilberto. O Escravo nos anúncios dos jornais do século XIX. Recife : Imprensa Universitária p. GIACOMINI,Gino. Consumidor Versus Propaganda. São Paulo: Summus p. GUSMÃO,Gustavo; MORAES, Roberta. A evolução da propaganda na imprensa local - década de 70. Recife. Jul Relatório de Pesquisa do curso de Comunicação Social da UFPE. LEÃO, André; NICOLE, Paola; REBOUÇAS, Maritza. A Propaganda na imprensa em Recife- década 60. Recife. Nov Relatório de Pesquisa do curso de Comunicação Social da UFPE. MARANHÃO FILHO, Luís. Memórias do rádio. Recife: Janga, p. MEGALE, Carmem Lúcia ; PESSOA, Giovanna; PONTUAL, Andréa. Et al. A evolução da propaganda na imprensa em Recife - décadas de 30 a50. Recife Relatório de Pesquisa do curso de Comunicação Social da UFPE. NASCIMENTO, Luís. História da imprensa em Pernambuco de : História dos diários do Recife - Diário de Pernambuco. v.1. Recife: Imprensa Universitária NASCIMENTO, Luís. História da imprensa em Pernambucode : História dos diários do Recife de v.2. Recife: Imprensa Universitária NASCIMENTO, Luís. História da imprensa em Pernambuco: História dos diários do Recife de v.3.recife: Imprensa Universitária ORTIZ, Renato. A moderna tradição brasileira: cultura brasileira e Indústria cultural.são Paulo: Brasiliense p. RAMOS, Ricardo. Do relclame à comunicação : uma pequena história da publicidade no Brasil. São Paulo: Ática REBOUL,Oliver. O slogan. São Paulo: Cultrix p. SAUSSURE, Ferdinand. Por BALLY, Charles; SECHEHAYE, Albert. Curso Geral de Lingüística 5ed. São Paulo : Cultrix. 16

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Fundamentos da Propaganda TV e Cinema. Prof. Adriano Portela

Fundamentos da Propaganda TV e Cinema. Prof. Adriano Portela Fundamentos da Propaganda TV e Cinema Prof. Adriano Portela Brasil, 1950. A chegada da televisão revoluciona a vida dos brasileiros. Os Anos de Chumbo, como foram chamados os 20 anos de ditadura, marcaram

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

História da propaganda brasileira: dos fatos à linguagem

História da propaganda brasileira: dos fatos à linguagem História da propaganda brasileira: dos fatos à linguagem A trajetória A cada período da trajetória, em cada contexto social em que se inseriu, a publicidade encontrou a sua maneira de dizer, dialogando

Leia mais

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br Desde 2008 Mídia Kit 2015 encontrasãopaulo www.encontrasaopaulo.com.br Introdução O Mídia Kit 2015 do guia online Encontra São Paulo tem o objetivo de contextualizar a atuação do site no segmento de buscas

Leia mais

Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação da Campanha

Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação da Campanha XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda

introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda professor Rafael Ho mann Campanha Conjunto de peças com o mesmo objetivo, conjunto de peças publicitárias

Leia mais

O Amarelinho mantém liderança

O Amarelinho mantém liderança Mídia Kit O CAMPEÃO DAS BANCAS! O melhor jornal de empregos mídia exclusiva Empregos, estágios, cursos e concursos Páginas 6, 7 e 8 perfil do leitor Instituto define quem é o leitor do Amarelinho Página

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos QUADRO CURSO D PUBLICIDAD PROPAGANDA QUADRO ANTRIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGNT NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos DISCIPLINA A DISCIPLINA B CÓDIGO DISCIPLINA - 2008 C/H CUR -SO DISCIPLINA C/H CÓDIGO

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

Campanha ONG Animais 1

Campanha ONG Animais 1 Campanha ONG Animais 1 Bruna CARVALHO 2 Carlos VALÉRIO 3 Mayara BARBOSA 4 Rafaela ALVES 5 Renan MADEIRA 6 Romulo SOUZA 7 Marcelo PRADA 8 Paulo César D ELBOUX 9 Faculdade Anhanguera Santa Bárbara, Santa

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

BREVE APRESENTACAO, ~

BREVE APRESENTACAO, ~ BREVE APRESENTACAO, ~ Jornal era considerado mídia obrigatória O principal diferencial costumava ser o volume de circulação, principalmente se o jornal era auditado pelo IVC. Os jornais eram procurados

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

O novo projeto do Diario de Pernambuco

O novo projeto do Diario de Pernambuco O novo projeto do Diario de Pernambuco Na mais radical mudança de sua história, jornal faz reforma gráfica, unifica redações, lança novo site, cria blogs e se renova para o futuro. O Diario de Pernambuco

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 04035356 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA DESIGN GRÁFICO EM PUBLICIDADE ETAPA 3 Período

Leia mais

DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS

DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS VITÓRIA 2004 Dicas de como participar de feiras Introdução As feiras são eventos ricos em oportunidades de negócios. São ambientes privilegiados para o incremento das

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi)

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) XI Colóquio Internacional de Comunicação para o Desenvolvimento Regional (9,10,11

Leia mais

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO -

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - A estrutura a seguir foi desenvolvida com base no escopo da disciplina de Planejamento Estratégico de Comunicação,

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva

Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva Existem inúmeras teorias da comunicação. Perguntas preliminares: o que é língua? O que é fala? O que é linguagem? Língua Sons e ruídos combinados

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

Outdoor de Lançamento do CD da Dupla Johny e Junior 1

Outdoor de Lançamento do CD da Dupla Johny e Junior 1 Outdoor de Lançamento do CD da Dupla Johny e Junior 1 Danizieli de OLIVEIRA 2 Diego de OLIVEIRA 3 Renata Cristina FORNAZIERO 4 Thaís Roberta CASAGRANDE 5 Wolnei MENEGASSI 6 Paulo César D ELBOUX 7 Faculdade

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e

Leia mais

CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Coordenador do Curso: Prof. Dirceu Tavares de Carvalho Lima Filho IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.

Leia mais

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente:

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente: Resumo Com a criação do Ministério do Turismo em 2003, o Brasil passa a ter, pela primeira vez em sua história, um ministério voltado exclusivamente para a atividade turística. A partir de então a Embratur

Leia mais

Da Prancheta ao Computador...

Da Prancheta ao Computador... Da Prancheta ao Computador... Introdução Como necessidade básica de se localizar ou mesmo para detalhar projetos de quaisquer obras, ao longo do tempo inúmeras formas de representar paisagens e idéias

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

O que é globalização

O que é globalização O que é globalização - Fase atual de expansão do capitalismo, fruto do avanço tecnológico em diversos setores da economia e da modernização dos sistemas de comunicação e transportes. - É responsável pela

Leia mais

Realização: Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UFSC, em convênio com a Federação Nacional dos Jornalistas FENAJ

Realização: Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UFSC, em convênio com a Federação Nacional dos Jornalistas FENAJ Realização: Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UFSC, em convênio com a Federação Nacional dos Jornalistas FENAJ Apoio: Fórum Nacional de Professores de Jornalismo FNPJ Associação Brasileira

Leia mais

2 METODOLOGIA DA PESQUISA

2 METODOLOGIA DA PESQUISA 2 METODOLOGIA DA PESQUISA A pesquisa, como toda atividade racional e sistemática, exige que as ações desenvolvidas ao longo de seu processo sejam efetivamente planejadas. Para Gil (1991), o conhecimento

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA AVENIDA GUARARAPES RECIFE/PE Vista panorâmica da avenida Guararapes em 1950. Fonte : MORAES, José 2004. Recife MAIO/ 2010. FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA INTRODUÇÃO A Avenida Guararapes, objeto de

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

JORNAL DO COMMERCIO 2014. Almanaque Publicitário JC FINANÇAS

JORNAL DO COMMERCIO 2014. Almanaque Publicitário JC FINANÇAS FINANÇAS APRESENTAÇÃO O Jornal do Commercio faz parte do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação, empresa do grupo JCPM, que atua também nos setores de shoppings centers e empreendimentos imobiliários.

Leia mais

Empresa já nasceu grande: maior contrato de concessão de mobiliários urbanos do mundo! Concessão por 25 anos: manutenção e substituição de abrigos

Empresa já nasceu grande: maior contrato de concessão de mobiliários urbanos do mundo! Concessão por 25 anos: manutenção e substituição de abrigos Empresa já nasceu grande: maior contrato de concessão de mobiliários urbanos do mundo! Concessão por 25 anos: manutenção e substituição de abrigos Criada em 2010, a Odebrecht TransPort Participações S.A.

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 Cultura, história e gastronomia: análise de enquadramento do jornalismo gastronômico 1 RESUMO Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 O texto parte de uma pesquisa que tem como proposta realizar

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática

Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática Valéria Grace Costa ***, Antônio Cláudio Moreira Lima e Moreira, Suzana Pasternak, Maria de Lourdes Zuquim, Simone Cotic Clarissa Souza, Letícia

Leia mais

Manoel Reinaldo Silva Rego 1

Manoel Reinaldo Silva Rego 1 161 CAMPOS, Pedro Henrique Pedreira. Estranhas Catedrais: as empreiteiras brasileiras e a ditadura civil-militar, 1964-1988. Rio de Janeiro: EDUFF, 2014. 444 p. PASSAGEM DESBOTADA NA MEMÓRIA A RELAÇÃO

Leia mais

Painel 2 O BUSINESS JORNAL E O POSICIONAMENTO MULTIPLATAFORMA

Painel 2 O BUSINESS JORNAL E O POSICIONAMENTO MULTIPLATAFORMA 29. 09. 2014 Geral Nome da pesquisa Painel 2 O BUSINESS JORNAL E O POSICIONAMENTO Autor 2 Apêndice: Pesquisa Painel 2 O BUSINESS JORNAL E O POSICIONAMENTO A reunião na agência foi muito positiva. Márcio

Leia mais

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação)

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Resenha Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Renata Escarião PARENTE 1 Parte do resultado da tese de doutoramento

Leia mais

CASE PRÊMIO ANSP 2005

CASE PRÊMIO ANSP 2005 CASE PRÊMIO ANSP 2005 1 BVP HAND: Mobilidade para fazer cotações através de dispositivos portáteis. Índice...2 Resumo Executivo...3 Clientes no Brasil...4 1. Sinopse...5 2. Problema...6 3. Solução...7

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

SUPERMERCADO & VAREJO

SUPERMERCADO & VAREJO JORNAL DO COMMERCIO 2015 ALMANAQUE PUBLICITÁRIO JC SUPERMERCADO & VAREJO APRESENTAÇÃO O Jornal do Commercio faz parte do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação, empresa do grupo JCPM, que atua também

Leia mais

ORÇAMENTO FAMILIAR E CONSUMO EM MORADIAS POPULARES DO GRANDE RECIFE

ORÇAMENTO FAMILIAR E CONSUMO EM MORADIAS POPULARES DO GRANDE RECIFE ORÇAMENTO FAMILIAR E CONSUMO EM MORADIAS POPULARES DO GRANDE RECIFE Marília do Nascimento Silva (UFRPE) mariliadonascimentosilva@hotmail.com INTRODUÇÃO Consumir, seja para fins de satisfação de necessidades

Leia mais

Mudança de direção RODRIGO MENEZES - CATEGORIA MARKETERS

Mudança de direção RODRIGO MENEZES - CATEGORIA MARKETERS RODRIGO MENEZES - CATEGORIA MARKETERS Mudança de direção Até maio de 2013 todo o mercado de TV por assinatura adotava uma postura comercial tradicional no mercado digital, composta por um empacotamento

Leia mais

MOTIVAÇÕES PARA A INTERNACIONALlZAÇÃO

MOTIVAÇÕES PARA A INTERNACIONALlZAÇÃO Internacionalização de empresas brasileiras: em busca da competitividade Luis Afonso Lima Pedro Augusto Godeguez da Silva Revista Brasileira do Comércio Exterior Outubro/Dezembro 2011 MOTIVAÇÕES PARA A

Leia mais

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural Marcos Santos Figueiredo* Introdução A presença dos sindicatos de trabalhadores

Leia mais

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior.

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior. Resenha Crítica CARA MILINE Soares é arquiteta e doutora em Design pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo na Universidade de São Paulo (FAU-USP). É autora do ensaio já publicado: Móveis Brasileiros

Leia mais

Pesquisa Mercadológica. Prof. Renato Resende Borges

Pesquisa Mercadológica. Prof. Renato Resende Borges Pesquisa Mercadológica Prof. Renato Resende Borges Definição de Pesquisa de Marketing É a identificação, coleta, análise e disseminação de informações de forma sistemática e objetiva e o uso de informações

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROJETO MPF - ARQ. A atuação do arqueólogo no licenciamento ambiental os normativos do IPHAN

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROJETO MPF - ARQ. A atuação do arqueólogo no licenciamento ambiental os normativos do IPHAN MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROJETO MPF - ARQ A atuação do arqueólogo no licenciamento ambiental os normativos do IPHAN Esse texto pretende ofertar breve noção sobre a atuação do arqueólogo no licenciamento

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Tristes Olhos 1. Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Tristes Olhos 1. Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN Tristes Olhos 1 Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO O presente trabalho trata-se de um registro fotográfico realizado

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões. O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em

A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões. O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em Propaganda Eleitoral 6.05.200 A. Introdução A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em + - 998 O tema esquentou

Leia mais

Oficina de Inclusão Tecnológica

Oficina de Inclusão Tecnológica 1 Oficina de Inclusão Tecnológica Ementa: O curso LinkedIn apresenta, de forma geral, como desenvolver seu networking através desta rede social. Demonstra como fazer parte dela (inscrição), montagem do

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

Quem ainda não tem um, provavelmente já pensou ou está pensando em ter, seja para fins pessoais ou profissionais.

Quem ainda não tem um, provavelmente já pensou ou está pensando em ter, seja para fins pessoais ou profissionais. Você sabia que o Whatsapp está presente em quase 50% dos smartphones no Brasil? O aplicativo virou febre rapidamente, seguindo a tendência de crescimento anual das vendas de smartphones no país. Quem ainda

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Nome dos autores: Gislaine Biddio Rangel¹; Ana Beatriz Araujo Velasques². 1 Aluna do Curso

Leia mais

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas.

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas. COMERCIAIS MARCANTES Açucena Vieira de Morais, Daniella Zarro Teixeira Silva Pinto, James da Silva Costa, Ariane Fernanda da Silva Costa, Silene Fernandes Bicudo Univap Universidade do Vale do Paraíba/FCSAC

Leia mais

Conhecendo uma Agência de Publicidade¹

Conhecendo uma Agência de Publicidade¹ Conhecendo uma Agência de Publicidade¹ Anthony Andrade NOBRE² Edmilson da Silva GUSMÃO³ Marla Eglaea da Silva FREIRE 4 Rakel de Araripe Bastos CAMINHA 5 Rodolfo Carlos MARQUES 6 Claúdia Adriane SOUZA 7

Leia mais

Da propaganda ao marketing ao Visual Merchandising, como nasceu o seu interesse pelo Visual Merchandising?

Da propaganda ao marketing ao Visual Merchandising, como nasceu o seu interesse pelo Visual Merchandising? A experiência no ambiente de loja é essencial para a relação entre o consumidor e a marca. Não é mais simplesmente uma questão de produtos, é preciso tornar a própria loja interessante e aconchegante para

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

Do Jornalismo aos Media

Do Jornalismo aos Media Do Jornalismo aos Media Estudos sobre a realidade portuguesa Rogério Santos Universidade Católica Editora Índice Introdução 7 Parte I Elementos para a história dos media em Portugal Jornalismo português

Leia mais

JORNAL DO COMMERCIO 2015 ALMANAQUE PUBLICITÁRIO JC TELEFONIA

JORNAL DO COMMERCIO 2015 ALMANAQUE PUBLICITÁRIO JC TELEFONIA JORNAL DO COMMERCIO 2015 ALMANAQUE PUBLICITÁRIO JC APRESENTAÇÃO O Jornal do Commercio faz parte do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação, empresa do grupo JCPM, que atua também nos setores de shoppings

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

O que é educação a distância (*)

O que é educação a distância (*) O que é educação a distância (*) José Manuel Moran Professor da Universidade Bandeirante e das Faculdades Sumaré-SP Assessor do Ministério de Educação para avaliação de cursos a distância jmmoran@usp.br

Leia mais

Como IDENTIFICAr AS oportunidades E CoNqUISTAr o ClIENTE

Como IDENTIFICAr AS oportunidades E CoNqUISTAr o ClIENTE Como IDENTIFICAr AS oportunidades E CoNqUISTAr o ClIENTE A abertura de empresas tem uma grande importância na sociedade em que vivemos, pois gera diversos benefícios, como empregos e riquezas para o país.

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais