SUBSÍDIOS PARA O RESGATE DA HISTÓRIA DA PROPAGANDA EM PERNAMBUCO: UM OLHAR ATRAVÉS DA IMPRENSA RECIFENSE-DÉCADAS DE 30 A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUBSÍDIOS PARA O RESGATE DA HISTÓRIA DA PROPAGANDA EM PERNAMBUCO: UM OLHAR ATRAVÉS DA IMPRENSA RECIFENSE-DÉCADAS DE 30 A"

Transcrição

1 SUBSÍDIOS PARA O RESGATE DA HISTÓRIA DA PROPAGANDA EM PERNAMBUCO: UM OLHAR ATRAVÉS DA IMPRENSA RECIFENSE-DÉCADAS DE 30 A Autor: Eneus Trindade Graduado em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda pela UFPE Mestrando CRP-ECA-USP 1.INTRODUÇÃO Ao que se sabe, existem muitas publicações sobre a história da propaganda no Brasil. A maioria delas, são relatos de como a atividade publicitária surgiu no país, primeiros cases, primeiros anúncios, descrevendo o processo de desenvolvimento deste setor no mercado brasileiro. No entando, sobre a publicidade em Pernambuco, existem poucas publicações como por exemplo, a obra de Gilberto Freyre que trata sobre a influência do escravo nos anúncios dos jornais do século XIX 2. As demais obras fazem menção à formação do mercado publicitário em Pernambuco, encontram-se distribuídas em pequenos capítulos de livros que falam sobre a publicidade no Brasil, ou espalhados nos diversos volumes publicados sobre a história da imprensa pernambucana 3. O que se tem em específico sobre a história da publicidade no Recife, e ainda, sobre sua presença na mídia local, são estudos produzidos por alunos do Curso de Comunicação Social da Universidade Federal de Pernambuco, para a disciplina de Método de Pesquisa em Comunicação, ministrada pela Profa. Maria Luiza Nóbrega de 1 Monografia para conclusão do Curso de Comunicação Social da UFPE, relalizada em 1995, Orientada pela Profa. Maria Luíza Nóbrega de Morais e Co-orientada pela Profa. Maria Isabel Duarte. Localização: Hemeroteca do Curso de Comunicação Social da UFPE. 2 FREYRE, Gilberto. O Escravo nos Anúncios dos Jornais do Século XIX no Recife. Imprensa Universitária p 3 NASCIMENTO, Luís. História da imprensa em Pernambuco de : História dos diários do Recife-Diário de Pernambuco. v.1. Recife: Imprensa Universitária NASCIMENTO, Luís. História da imprensa em Pernambuco de : História dos diários do Recife de v.2. Recife: Imprensa Universitária

2 Morais, que desenvolve um projeto de resgate da memória das experiências locais em comunicação 4. Neste estudo foram trabalhados os dados referentes a três destes inventários que tratam sobre a evolução da publicidade veiculada na imprensa recifense nas décadas de 30 e 70 partindo da observação sistemática e análise das informações que estavam explicitadas nos anúncios coletados em alguns jornais do Recife. 2. DESCRIÇÃO DA PESQUISA O trabalho consiste no levantamento de informações referentes à formação do mercado publicitário recifense, na observação sistemática, na análise da evolução técnica e dos aspectos da construção sígnica das publicidades veiculadas em alguns jornais durante os anos 30 a 70, traçando-se um perfil de algumas características dos anúncios veículados, que foi integrado a uma reconstituição da conjuntura sócio-política, econômica, cultural e tecnológica, na qual a atividade e a produção publicitária estavam inseridas em cada década. Assim, procurou-se observar como se deu e qual foi o papel da publicidade neste processo, estabelecendo-se um paralelo entre os acontecimentos mais significativos nos grandes centros do país e em Pernambuco. Ao final da contextualização dos períodos e da descrição das publicidades em cada década, foi feita uma seleção de alguns anúncios dos gêneros mais freqüentes de cada período e a partir deles, analisou-se os processos de siginificação nas publicidades, com base nos métodos da semiologia-estrutural, a fim de detectar as regras que orientam a construção deste tipo de mensagem e o nível de complexidade da produção de significação nesse setor, ao longo dos 50 anos estudados. 4 GUSMÃO, Gustavo; MORAES, Roberta. A evolução da propaganda na imprensa local - década de 70. Recife. Jul LEÃO, André; NICOLE, Paola; REBOUÇAS, Maritza. A propaganda na imprensa em Recife - década de 60. Recife. Nov MEGALE, Carmen Lúcia; PESSOA, Giovanna; PONTUAL, Andréa. Et al. A evolução da propaganda na imprensa em Recife - décadas de 30 a 50. Recife

3 O estudo abordou as diversas transformações que ocorreram na sociedade, como estas repercutiram nos processos de comunicação, e num caso mais específico, na publicidade, que funciona como uma espécie de espelho desta mesma sociedade, ora acompanhando as mudanças, ora antecipando-se a elas, substituindo valores morais e culturais, determinando novos padrões estéticos, mudando e/ou reforçando os costumes. 3. METODOLOGIA A metodologia desenvolvida para este trabalho compreendeu duas etapas. Uma que durou aproximadamente três anos e correspondeu à coleta e ao registro de 2109 anúncios, referentes à amostra total 5 das cinco décadas (30 a 70), sendo o processo de coleta dos anúncios, orientado pelos critérios da semana composta, na qual se consultou apenas os exemplares de jornal de uma semana de cada mês, representante de cada ano, dos meses de julho ou agosto, por serem meses de certa neutralidade promocional, em que o consumo não é estimulado por algum evento. Nesta primeira etapa, devido à semelhança dos tipos e quantidades dos anúncios nos jornais locais, ficou decidido que seriam registrados os anúncios publicados no Jornal do Comércio e no Diário de Pernambuco por serem os dois jornais de maior circulação e os mais tradicionais. Os dados dos anúncios das décadas de 30 a 50, foram extraídos do Diário de Pernambuco e os dos anos 60 a 70 do Jornal do Comércio. A coleta deste material é atribuída aos colegas do curso de Comunicação Social da UFPE, em atividades exigidas para as disciplinas de Método de Pesquisa em Comunicação I e II. A segunda etapa diz respeito à realização deste trabalho, a qual consistiu na sistematização dos dados coletados (tabulações e montagens de tabelas e gráficos) e na realização dos ajustes metodológicos necessários para proporcionar homogeneidade no 5 O número de anúncios coletados por década foi: década de publicidades; década de publicidades; década de publicidades; década de publicidades; década de publicidades. A amostra dos anos 30 diferenciou-se das demais, devido ao fato dos exemplares de julho e agosto, desta década, fazerem inúmeras 3

4 tratamento das informações de cinco décadas distintas. Acrescentando-se, ainda, o relato referente à análise semiológica das publicidades e a ampliação do referencial teórico, necessários ao esclarecimento de algumas informações. Os dados contidos nos inventários indicavam as seguintes informações - características - sobre as publicidades: tipos de gêneros mais anunciados (medicamentos, eletrodomésticos, serviços, etc.) em cada década, tipos de letras mais freqüentes, uso ou não de cores, ilustrações, fotografias, identificação das agências que assinavam seus anúncios e dos principais anunciantes de cada período. Para a análise semiológica das publicidades, foram utilizados os autores: Umberto Eco 6 e Barthes 7, que auxiliaram na percepção da mensagem publicitária enquanto sintagma composto por vários paradigmas. Sob outro aspecto, a publicidade enquanto ato verbal, seus slogans, textos e diálogos estão sujeitos às seis funções da linguagem 8, presentes em qualquer discurso (funções conativa, emotiva, fática, referencial, metalingüística e poética/estética). Assim, estabeleceu-se os seguintes critérios para a análise semiológica das publicidades: seleção e identificação dos elementos paradigmáticos presentes no sintagma publicitário; análise dos paradigmas na mensagem publicitária; identificação das associações entre os elementos sígnicos, se são por contigüidade ou similaridade de forma ou conteúdo; análise e identificação das funções da linguagem presentes no discurso das publicidades selecionadas. O total de anúncios retirados da amostra para compor o material desta análise foi de 70 publicidades distribuídos da seguinte forma: década de 30 - dez anúncios de referências aos acontecimentos do período, ou não estavam disponíveis para consulta, ou simplesmente não traziam anúncios publicitários. 6 ECO, Umberto. A Estrutura Ausente. Cap. 5, onde o autor propõe um modelo de análise semiótica da publicidade a partir do mapeamento das articulações entre os diversos sistemas sígnicos que compõem o anúncio. 7 Ver ROLAND, Barthers. Elementos da Semiologia, capítulo onde o autor define os conceitos de paradigma e sintagma. 4

5 medicamentos; década de 40 - dez anúncios de medicamentos; década de 50 - vinte anúncios (dez de serviços e dez de eletrodomésticos); Década de 70 - dez anúncios de serviços. Nos anos 50 e 60 forma analisados mais anúncios, pelo fato destas duas décadas marcarem o processo de reorganização do mercado de consumo brasileiro. 4. ANÁLISE DOS RESULTADOS Décadas de 30 e 40 Embora estas duas décadas tenham sido estudadas separadamente, observa-se que elas concluem uma longa etapa da evolução do mercado brasileiro, possuindo características de consumo e de produção publicitária muito semelhantes. Desde o período colonial até os anos vinte, o que se tinha no Brasil era uma sociedade constituída em função de uma economia agrária, que no começo do século XX começa a ingressar no processo de desenvolvimento urbano-industrial, com pequenos focos de uma produção cultural em massa (alguns jornais, revistas e primeiras experiências de radiofusão). Mesmo a partir dos anos 30 e 40 com o processo de industrialização já iniciado e com uma indústria cultural também em fase de implantação, o nosso mercado possuía características de uma sociedade agrária com necessidades de consumo básico 9, consumindo produtos de saúde, alimentação, vestuário, higiene e entretenimento básico. Nestes períodos a maioria dos anúncios registrados eram do gênero medicamentos, correspondendo a cerca de 36% do total de anúncios da amostra nos anos 30 e 46% nos anos 40, seguidos em menor quantidade por anúncios de produtos de higiene. Esta não era apenas uma circunstância particular do mercado recifense, mas era um fato que acontecia em todo o país JAKOBSON, apud REBOUL. In O Slogan 1975, P GIACOMINI FILHO, Gino.Consumidor Versus Propaganda. São Paulo: Summus P

6 Apesar de o processo de desenvolvimento das atividades em comunicação e da indústria cultural no Brasil ter sido muito mais forte no Rio de Janeiro e São Paulo, Pernambuco teve uma situação diferente das demais regiões do país, por causa da sua favorável situação econômica durante esses períodos. Desde os anos 20 Recife já possuía uma emissora de rádio, a Rádio Clube, e embora os primeiros registros de agência de propaganda atuando no mercado local fosse da empresa inglesa The Propagandist, responsável pela conta da Cia. Tramway de energia em meados dos anos 20, pode-se afirmar que a primeira agência genuinamente pernambucana surgiu na década de 30, Organização Norte-Brasileiro de Carlos Leite Maia, seguida da implantação do escritório da agência de atuação nacional, Standard. Na década de 40, com a consolidação do rádio, a atividade publicitária dá um grande salto. É a época do uso da música na publicidade, surgimento dos spots e jingles. Em Pernambuco, a necessidade das emissoras de rádio que se viam obrigadas a gerar suas fontes de renda, faz com que a parte comercial destes veículos seja estimulada, levando muitos profissionais do rádio a abrirem agências, como foi o caso dos radialistas José Renato - Agência Norte Limitada, e Mário Leão Ramos com a Abaeté, além da existência dos diversos corretores de anúncios que eram maioria no mercado. Depois da Rádio Clube, foi fundada, ainda nesta década (40), a Rádio Jornal do Commercio que possibilitava mais uma opção para as agências e o anunciantes. A publicidade veiculada no jornal nestas duas décadas possuía basicamente o mesmo tipo de discurso e a mesma estética. Nos textos, a maioria longos, tinha-se uma descrição exaustiva das caracterísitcas, dos efeitos e propriedades do produto anunciado, caracterizando o predomínio da função referencial da linguagem, uma vez que a prioridade da mensagem era o objeto - produto - apresentado. A segunda função mais observada foi a conotativa. O compre, use, que são antigos elementos do discurso 10 Ver RAMOS apud BRANCO. In História da Propaganda No Brasil. Rio de Janeiro: Ibraco P. 04 6

7 dos pregões, foram incorporados à publicidade deste período. Apenas em um anúncio identifica-se a presença da função metalingüística. Outro aspecto percebido foi a frequência do uso da figura de retórica da hipérbole, o mais, o melhor, o grande, eram expressões bastante utilizadas. Em menor frequência observou-se o uso de paranomásias e metáforas. Nas ilustrações, a maioria em desenhos, observou-se que sempre eram apresentadas as embalagens dos produtos. Na década de 40 nota-se um sensível cuidado com a qualidade do traçado das ilustrações e a utilização do elemento humano passa a acontecer com frequência maior que no período anterior. A fotografia era pouco utilizada e quando aparecia, estava geralmente associada a algum desenho. Percebeu-se muito a articulação e a combinação dos signos destas publicidades através das associações por contigüidade, ou seja, idéias próximas, principalmente na associação das propriedades do produto e seus efeitos. Já as associações por similariedade, foram pouco observadas e quando eram identificadas, certamente, ocorriam através da associação de sons semelhantes, registrando o uso de rimas. Nestes anúncios pode-se constatar que havia um certo equilíbrio entre o uso das letras tipo bold e light, e a utilização de letras com ornamento correspondeu a 25% dos anúncios da década de 30 e cerca de 50% na década de 40. O xarope Bromil, Instantina e Tônico Bayer, Biotônico Fontoura, Creme Dental Kolynos, entre outros, foram as grandes vedetes destes períodos. As publicidades, em termos técnicos, ficavam muito limitadas às condições de impressão do jornal, ao linotipo, o que deixava este anúncio num nível semiológico bastante elementar, restringindo o campo semântico dos signos empregados, dando-lhes um sentido fortemente voltado ao campo denotativo, já que os anúncios tinham um argumento direto e objetivo. Mas a investigação destas publicidades também fornecem elementos para 7

8 identificação dos valores morais e do papel dos indivíduos na sociedade destas décadas, através da observação do tratamento dado a este aspecto. Década de 50 A partir desta década o Brasil entra no estágio conhecido como sociedade afluente, situação classificada por Galbraith como sendo o estágio atual dos mercados de consumo, que se caracteriza por uma sociedade constituída de um número considerável de indivíduos com suas necessidades básicas satisfeitas, canalizando recursos para atender outros desejos afluentes 11. É um período que abre novas perspectivas. Surge a televisão com a fundação da TV Tupi, que vive nesta época sua fase experimental. Mas o rádio ainda continuava sendo o grande líder na preferência da população e o segundo nos investimentos publicitários, só perdendo para o jornal. 12 As mudanças no mercado foram facilmente constatadas, a primeira delas foi o aumento substancial do número de anúncios no jornal que passou de 224 nos anos 40, para 368 nesta década. Havia uma maior diversificação na oferta de produtos e serviços. Neste período os medicamentos continuam sendo o gênero mais anunciado (18,78% do total de anúncios), contudo registrou-se ascensão dos serviços que representaram 12,55% do total de anúncios. Eram casas comerciais, companhias aéreas, bancos, clínicas, veículos de comunicação (rádio e revistas) e alguns profissionais liberais prestadores de serviços. Com a chegada dos eletrodomésticos, surgem os primeiros registros de anúncios de varejo que ocupavam páginas inteiras do jornal, fato este, que não teve registro em décadas anteriores. Registram-se, ainda, algumas propagandas eleitorais. 11 GALBRAITH apud GIACOMINI FILHO. In Consumidor Versus Propaganda P BRANCO; Et al; História da Propaganda no Brasil

9 Nas ilustrações, o uso do desenho ainda predomina, e as fotografias aparecem um pouco mais que nas outras décadas. Quanto as letras, notou-se uma maior utilização de letras tipo ligth (cerca de 80%) e 60% tipo bold. As letras com ornamento estiveram presentes em 50% das publicidades. Na análise das propagandas, observa-se claramente que o período reflete um momento de transição. As publicidades de medicamentos guardam em sua maioria características das décadas anteriores. Já os anúncios de serviços apresentavam uma nova estética, um cuidado maior com as ilustrações, textos concisos e linguagem mais objetiva registrando a predominância da função referencial no discurso destas publicidades, a função conotiva continua presente, mas de forma atenuada. Ainda se observam poucos registros do uso das funções fática e poética, e praticamente nenhum registro de publicidades faz valer - se do uso das funções emotiva e metalingüística. As hipérboles continuam presentes, além da identificação da presença de metáforas e paranomásias. As associações por contigüidade entre os signos se estabelecem através da relação do serviço e suas vantagens e as associações por similaridade ocorreram ou pela semelhança de sons (rimas) ou, em poucos casos por analogia de conteúdo, geralmente em metáforas. O jornal continuava sendo impresso no linotipo e os limites técnicos permaneciam, mas a publicidade parecia ser mais bem planejada, embora seu fazer técnico e o campo semântico não permitisse muitas conotações. Em Pernambuco, além das agências fundadas nas décadas anteriores, encontravam-se em funcionamento os escritórios das agências nacionais e estrangeiras: Thompsom, MacCan Erickison, Norton e Denison, que possivelmente poderiam ter implantado seus escritórios desde a década anterior. Surgiam no mercado inúmeros corretores de anúncios, o que indica que a praça pernambucana tinha potencial de mercado e começava a ser explorada. Não se tem o registro, mas se supõem que até o 9

10 final da década deveriam existir cerca de vinte agências, sendo a MMS Publicidade, uma das últimas a serem fundadas neste período. Década de 60 Este período finaliza o processo de formação do mercado de bens de consumo (materiais e simbólicos) no Brasil. A nova dimensão conquistada por este mercado estava intimamente associada ao contexto sócio-político e econômico que o país passava. O Golpe Militar de 64, reorienta todo o plano de desenvolvimento econômico do país, inserindo-o no processo de internacionalização da economia. A ditadura acelerou a modernização, trazendo consequências imediatas, já que fortalecia os parques industriais dos bens materiais e culturais, favorecendo estes mercados e à atividade publicitária, que tinha a função de difundir a ideologia do Estado e informar a respeito da utilidade e qualidade dos produtos e serviços oferecidos. A televisão rompe com todas as dificuldades do período passado e se consolida como grande veículo de comunicação e de destinação de verbas publicitárias, forçando os outros meios a redimensionarem seu posicionamento enquanto veículos de publicidade, informação e entretenimento. Em Recife, são fundadas: a TV Rádio Clube; TV Universitária e TV Jornal do Comércio. E já existiam desde as décadas anteriores as rádios Clube, Jornal do Commercio, Tamandaré, Olinda e Continental. Neste painel, em que a publicidade local era dominada pelos corretores de anúncios, chegava-se uma dimensão tão complexa, que estes corretores não podiam mais atender às necessidades de seus grandes clientes sozinhos. Só as agências é que tinham condições e estrutura para exercer tal papel. Desta forma, muitos agenciadores se reúnem para constituir suas próprias agências, como foi o caso de Luís Geraldo - que fundou a Aliança, Carol Fernandes a Itaity, Castelão e Fernando Ramos, que abriram suas agências 10

11 com seus próprios nomes. Os anos 60 marcam uma reorganização do mercado publicitário recifense que só se consolida na década seguinte. Neste novo contexto, tem-se os serviços como o gênero que mais anunciavam (29,73% das publicidades), seguido dos eletrodomésticos/móveis e utilidades do lar (25,50% das publicidades). Os serviços eram principalmetente estabelecimentos comerciais, veículos de comunicação, bancos, instituições de crédito e financeiras. E em menores proporções, agências de viagens, profissionais liberias e clínicas. Observa-se uma grande diversificação e aumento na qualidade de anúncios (787). O aumento do número de publicidades de serviços e eletrodomésticos seguiu uma tendência apresentada na década de 50, atribuída a explosão de consumo da classe média brasileira, que estava com seu poder aquisitivo elevado. A propaganda assumia uma nova estética, onde mesmo os anúncios mais simples tinham uma certa preocupação com escolha das tipografias, da disposição dos elementos nos seus layouts, uso de contrastes com retículas do preto ou cinza, letras vazadas, maior uso de fotografias embora o predomínio ainda fosse das ilustrações desenhadas. Alguns, ou melhor, pouquíssimos anúncios traziam no máximo três cores. O varejão de páginas inteiras de produtos eletrodomésticos, já era uma constância. A mensagem torno-se muito mais objetiva e concisa, a função da linguagem predominante nos anúncios foi a referencial, mas se observa a presença da função metalingüísitca e conativa. As hipérboles foram presenças constantes em expressões como novíssimo, máximo, entre outras. As associações por contigüidades e similaridade são mais bem elaboradas graças ao melhor tratamento dado ao texto e suas relações com as imagens nas publicidades. Mas, embora já se utilizasse a impressão do tipo off-set, o jornal ainda era impresso no linotipo e, portanto, permaneciam os limites técnicos da criação publicitária para o jornal. 11

12 Foram identificadas 73 agências atuando no mercado recifense nesta década, destacando-se a atuação das seguintes agências locais: Abaeté, Organização Norte- Brasileiro, Aliança, Castelão Publicidade, Fernando Ramos Publicidade e Itaity. Observa-se um aumento do número de anunciantes locais, o que não quer dizer que os grandes anunciantes tivessem desaparecido do mercado local. Mas agora, os estabelecimentos locais de venda a varejo ao consumidor, passaram a anunciar os produtos das grandes marcas. Por exemplo, o ar condicionado Philco vendido na loja Morais & Gatis. A maioria destes anunciantes, teve registro de seus anúncios uma ou duas vezes e os maiores anunciantes desta década foram: Rádio Jornal do Comércio, Mesbla, Brahma, BNN, Cidar, GE, Varig, Cia. Kastrup, Oscar Amorim Com Ltda, SOCIC, TV Jornal do Commercio, Souto Calçados, Lutz Ferrando e Lojas Remillet. Foram identificados 508 anunciantes entre os 787 anúncios referentes a este período. Década de 70 A Condição instaurada pela ditadura militar com o Golpe de 1964, manteve toda sua estruturta política, ideológica, econômica e cultural durante a década de 70. Este período, caracteriza-se pelos efeitos do fenômeno do Milagre Econômico, que aumentou o poder de consumo da classe média, devido à grande circulação de capital no país com os investimentos dos grupos estrangeiros. Os serviços continuam a ser o gênero que mais veiculou anúncios no jornal com cerca de 50% das publicidades desta década. E os anúncios eram principalmente instituições de crédito e financeiras, isso graças à circulação de capital proporcionada pelo milagre econômico. Cerca de 25% dos anúncios de serviços eram de veículos de comunicação, principalmente das emissoras de TV. Com o advento da televisão em rede nacional, que viabilizava a integração de todo território nacional através da transmissão de programação das grandes emissoras, os escritórios regionais de grandes empresas de publicidade internacionais e nacionais, 12

13 tornavam-se desnecessários, uma vez que o plano da mídia podia ser feito em função da programação da rede. Vale ressaltar que este procedimento já vinha sendo realizado desde a década passada. E agora se constituía numa realidade. O que não quer dizer que estas agências tivessem abandonado o mercado e a mídia pernambucana. A saída das grandes agências possibilitou uma nova fase para o mercado publicitário local. Foram criadas três agências bastante pertinentes ao contexto da atividade publicitária no Recife na atualidade, são elas: A Ítalo Bianchi; o Gruponove e a Ampla Propaganda. Dentre os 633 anúncios desta década, foram identificadas 57 agências das quais, destacam-se as já citadas Abaeté, a Itaity, a Aliança e a Castelão Publicidade. Os anunciantes, da mesma forma que no período passado, em sua maioria tiveram seus anúncios registrados uma ou duas vezes, sendo os mais freqüentes desta década a TV Jornal do Commercio, as Casas José Araújo, o Banco Banorte, o Jornal do Commercio, a TV Globo, F. Genes Detetizações, Icopervil, Lutz Ferrando, Rede Bandeirantes e a Rádio Jornal do Commercio. As publicidades possuíam a mesma linguagem concisa dos anos 60 e um cuidado com sua imagem, mesmo nos anúncios mais simples. Observa-se também, o uso de grafismos, de fotografias em cerca de 25% das publicidades mas a ilustração ainda predominava, como continuava a predominar também, a função referencial no discurso, pois o produtos ou serviço anunciado era o principal elemento abordado na mensagem. A função conativa também foi registrada, e em menor proporção, observou-se a presença da função metalingüísitca em alguns anúncios. Algumas publicidades apresentavam uma construção sígnica complexa com associação por similaridade ou analogias de conteúdos, devido ao uso de metáforas. As associações por contigüidade continuavam a acontecer através da relação produto ou serviço e seus efeitos e/ou vantagens. As hipérboles estavam sempre presentes. 13

14 A impressão do jornal ainda era no linotipo, e poucos anúncios eram impressos em tricromia, ou seja, com três cores. Nota-se que a partir desta década o anúncio é muito mais trabalhado para causar impacto visual e sua estética possui caracterísitcas bem próximas da estética atual. 5. CONCLUSÃO O grande número de categorias dos gêneros registrados teve como objetivo acompanhar o crescimento do mercado e observar a participação de cada categoria durante as cinco décadas. Os serviços foram o gênero que registraram a maior quantidade de anúncios nos 50 anos de estudo, sendo também a categoria que teve o maior crescimento. Nos anos 50 esta categoria dá um salto na sua participação total na amostra, passando dos 2% para 13% nos anos 70. E se fossem levadas em consideração as publicidades de outros gêneros como eletrodomésticos, imóveis e outros, em que sua maioria os anunciantes eram estabelecimentos comerciais, que por sua vez também são prestadores de serviços, este número aumentaria muito mais. Mas por razões metodológicas, optou-se pela classificação destes estabelecimentos de acordo com os produtos que anunciavam. Os medicamentos, foram os produtos mais anunciados durante as três primeiras décadas, mas depararam-se com o crescimento do mercado e diversificação dos produtos nos anos 50, tendo uma participação na amostra, a partir da década seguinte, de 1%. As demais categorias não ultrapassaram a casa dos 2% de participação no total das amostras de cada década. Durante os 50 anos estudados a impressão do jornal foi feita em linotipo, embora se saiba que nas décadas de 60 e 70 já se utilizava a impressão off-set. A ilustração em desenho predominou em 60, 59% das publicidades, a fotografia esteve presente em 14

15 23,24% dos anúncios, enquanto que o uso exclusivo de texto correspondeu a 23,47% das publicidades. O uso da cor foi pouco registrado, só nas décadas de 60 e 70 e a observação dos tipos de letras tornou-se desnecessária devido a complexidade para estabelecer parâmetros de análise, pois a cada período surgiam novas tipografias. Até os anos 50 pode-se dizer que a maioria dos anunciantes de jornal eram as grandes empresas multinacionais e nacionais de medicamentos. Já nos anos 60 e 70, observa-se o aumento do número dos anunciantes locais. Um dos principais anunciantes eram os meios de comunicação, por serem novidades (caso das emissoras de TV) que precisavam se fazer conhecer perante o público. Com relação ao mercado publicitário, pôde-se observar que até a década de 60 os corretores dominaram o setor, quando a partir de então, eles próprios começaram a se reunir e montar suas agências. Algumas, entre as agências mencionadas, tiveram e ainda têm, no caso de agências fundadas nos anos 60 e 70, importância no contexto atual. São elas: a MMS Publicidade (1959); Itaity Publicidade (anos 60); Aliança Propaganda (anos 60); Ítalo Bianchi; Gruponove; Ampla (todas da década de 70). Quanto ao fechamento dos escritórios das grandes agências pode ser atribuído a dois fatores: o advento da rede de televisão e ao declínio da economia local. Por outro lado, tal fato beneficiou o crescimento de um mercado publicitário regional, o qual atende às necessidades de anunciantes regionais e assim, pode-se supor a criação de um universo particular à produção simbólica da publicidade, regional. Sob este aspecto, este estudo pode ser considerado como ponto de partida para pesquisas mais profundas, no que compete à análise da produção simbólica na propaganda para o mercado regional. Do ponto de vista semiológico pode-se dizer que as mensagens publicitárias eram pouco complexas, tendo as limitações técnicas para a produção do anúncio em jornal. Estas mensagens assumem uma postura similar a função do veículo, que é o de informar 15

16 sobre os acontecimentos na medida que oferece informações a respeito do que está sendo anunciado. Talvez por isso, tenha-se registrado o predomínio da função referencial da linguagem, no discurso deste tipo de mensagem, já que esta função prioriza o objeto falado. Para concluir, considera-se e reforça-se a idéia de que este trabalho, resultou numa grande e criteriosa sistematização de informações que gerou um rico material que subsidia estudos posteriores mais aprofundados, tanto no que se refere ao resgate da história da publicidade recifense, quanto na evolução dos discurso publicitário e do nível de complexidade da produção de significação nesse setor. BIBLIOGRAFIA BARTHES, Roland. Elementos da semiologia. 3 ed. São Paulo: Cultrix BISPO, Ronaldo. Guia de leitura semiótica de comunicação de massa: manual para estudantes de comunicação social. Jul. Recife p. Monografia para conclusão do Curso de Comunicação Social da UFPE. BRANCO, Renato; MARTENSE, Rodolfo; REIS, Fernando. História da Propaganda no Brasil. Rio de Janeiro: IBRACO, p. DUARTE, Adriano. Introdução a semiótica. Lisboa: Presença p. DUTRA, Giovanna; FERREIRA, Fabiana; RODRIGUES, Andréa ; et al. O surgimento das agências de propaganda em Pernambuco. Recife p. Relatório de Pesquisa do curso de Comunicação Social da UFPE. ECO, Umberto. A Estrutura Ausente. 3 ed.são paulo: Perspectiva p. ECO, Umberto. Tratado Geral da Semiótica. São Paulo: Perspectiva p. FREYRE,Gilberto. O Escravo nos anúncios dos jornais do século XIX. Recife : Imprensa Universitária p. GIACOMINI,Gino. Consumidor Versus Propaganda. São Paulo: Summus p. GUSMÃO,Gustavo; MORAES, Roberta. A evolução da propaganda na imprensa local - década de 70. Recife. Jul Relatório de Pesquisa do curso de Comunicação Social da UFPE. LEÃO, André; NICOLE, Paola; REBOUÇAS, Maritza. A Propaganda na imprensa em Recife- década 60. Recife. Nov Relatório de Pesquisa do curso de Comunicação Social da UFPE. MARANHÃO FILHO, Luís. Memórias do rádio. Recife: Janga, p. MEGALE, Carmem Lúcia ; PESSOA, Giovanna; PONTUAL, Andréa. Et al. A evolução da propaganda na imprensa em Recife - décadas de 30 a50. Recife Relatório de Pesquisa do curso de Comunicação Social da UFPE. NASCIMENTO, Luís. História da imprensa em Pernambuco de : História dos diários do Recife - Diário de Pernambuco. v.1. Recife: Imprensa Universitária NASCIMENTO, Luís. História da imprensa em Pernambucode : História dos diários do Recife de v.2. Recife: Imprensa Universitária NASCIMENTO, Luís. História da imprensa em Pernambuco: História dos diários do Recife de v.3.recife: Imprensa Universitária ORTIZ, Renato. A moderna tradição brasileira: cultura brasileira e Indústria cultural.são Paulo: Brasiliense p. RAMOS, Ricardo. Do relclame à comunicação : uma pequena história da publicidade no Brasil. São Paulo: Ática REBOUL,Oliver. O slogan. São Paulo: Cultrix p. SAUSSURE, Ferdinand. Por BALLY, Charles; SECHEHAYE, Albert. Curso Geral de Lingüística 5ed. São Paulo : Cultrix. 16

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

Fundamentos da Propaganda TV e Cinema. Prof. Adriano Portela

Fundamentos da Propaganda TV e Cinema. Prof. Adriano Portela Fundamentos da Propaganda TV e Cinema Prof. Adriano Portela Brasil, 1950. A chegada da televisão revoluciona a vida dos brasileiros. Os Anos de Chumbo, como foram chamados os 20 anos de ditadura, marcaram

Leia mais

Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva

Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva Existem inúmeras teorias da comunicação. Perguntas preliminares: o que é língua? O que é fala? O que é linguagem? Língua Sons e ruídos combinados

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos QUADRO CURSO D PUBLICIDAD PROPAGANDA QUADRO ANTRIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGNT NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos DISCIPLINA A DISCIPLINA B CÓDIGO DISCIPLINA - 2008 C/H CUR -SO DISCIPLINA C/H CÓDIGO

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

Relatório - Plano de Ensino

Relatório - Plano de Ensino Página: 1/6 Disciplina: CCA0321 - PROJETO EXPERIMENTAL - PROMO. DE VENDAS E MERCHA. DESCRIÇÃO DO PLANO DE ENSINO PROJETO EXPERIMENTAL - PROMOÇÃO DE VENDAS E MERCHANDISING PERFIL DO DOCENTE Graduado em

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Manual de Identidade Visual Universidade do Algarve

Manual de Identidade Visual Universidade do Algarve Manual de Identidade Visual Universidade do Algarve 1 índice 4 6 8 10 12 14 16 22 26 28 30 32 33 33 34 42 58 62 64 66 apresentação identidade verbal identidade visual tipografia logotipo / símbolo / marca

Leia mais

Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação da Campanha

Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação da Campanha XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda

introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda professor Rafael Ho mann Campanha Conjunto de peças com o mesmo objetivo, conjunto de peças publicitárias

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Piracicaba, 2000 Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Este trabalho se destina a avaliação da disciplina de Teoria da Comunicação Piracicaba,

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

História da propaganda brasileira: dos fatos à linguagem

História da propaganda brasileira: dos fatos à linguagem História da propaganda brasileira: dos fatos à linguagem A trajetória A cada período da trajetória, em cada contexto social em que se inseriu, a publicidade encontrou a sua maneira de dizer, dialogando

Leia mais

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados 5. CONCLUSÃO 5.1 Resumo dos Resultados O presente trabalho se propôs a entender os significados atribuídos pelo público feminino de baixa renda no consumo dos produtos do mercado HPPC, especificamente

Leia mais

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br Desde 2008 Mídia Kit 2015 encontrasãopaulo www.encontrasaopaulo.com.br Introdução O Mídia Kit 2015 do guia online Encontra São Paulo tem o objetivo de contextualizar a atuação do site no segmento de buscas

Leia mais

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade Rubens de Souza Designer gráfico O designer gráfico desenvolve projetos ou planejamentos a partir de elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade específica de atingir

Leia mais

Livraria Cultura para ver, ouvir e sentir 1

Livraria Cultura para ver, ouvir e sentir 1 Livraria Cultura para ver, ouvir e sentir 1 Larissa OLIVEIRA 2 Júlia MARTINS 3 Aline LEONARDI 4 Regiane OLIVEIRA 5 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP RESUMO A Livraria Cultura

Leia mais

ENADE Publicidade e propaganda: uma análise da tipologia de questões dos ciclos 2006, 2009 e 2012 1.

ENADE Publicidade e propaganda: uma análise da tipologia de questões dos ciclos 2006, 2009 e 2012 1. ENADE Publicidade e propaganda: uma análise da tipologia de questões dos ciclos 2006, 2009 e 2012 1. Profa Dra Nanci Maziero Trevisan 2 Professora e pesquisadora da Universidade Anhanguera de Santo André

Leia mais

Campanha ONG Animais 1

Campanha ONG Animais 1 Campanha ONG Animais 1 Bruna CARVALHO 2 Carlos VALÉRIO 3 Mayara BARBOSA 4 Rafaela ALVES 5 Renan MADEIRA 6 Romulo SOUZA 7 Marcelo PRADA 8 Paulo César D ELBOUX 9 Faculdade Anhanguera Santa Bárbara, Santa

Leia mais

O processo de significação nas capas da Revista Elle Brasil em maio e junho de 2015 1

O processo de significação nas capas da Revista Elle Brasil em maio e junho de 2015 1 O processo de significação nas capas da Revista Elle Brasil em maio e junho de 2015 1 Pierre Míchel 2 Luãn Chagas 3 Faculdade Campo Real, Guarapuava, PR Resumo A partir dos estudos semióticos serão analisadas

Leia mais

Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1

Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1 Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1 Amanda DIAS 2 Ana Carolina SACCOMANN 3 Beatriz REBELO 4 Bruna CLARA 5 Isabela SANTOS 6 Nathalia COBRA 7 Antonio

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 04035356 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA DESIGN GRÁFICO EM PUBLICIDADE ETAPA 3 Período

Leia mais

EXAMES ÉPOCA ESPECIAL

EXAMES ÉPOCA ESPECIAL EXAMES ÉPOCA ESPECIAL ANO LETIVO 2014/2015 LICENCIATURAS MESTRADOS PÓS-GRADUAÇÃO EXAMES ÉPOCA ESPECIAL 2014/2015 LICENCIATURA // AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA 4º Semestre 1º Semestre Teorias da Comunicação

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

Planejamento de Campanha de Propaganda. Aula 5. Contextualização. Instrumentalização. Meios e Veículos. Mídia Conceito. Profa.

Planejamento de Campanha de Propaganda. Aula 5. Contextualização. Instrumentalização. Meios e Veículos. Mídia Conceito. Profa. Planejamento de Campanha de Propaganda Aula 5 Contextualização Profa. Karin Villatore Esta aula tem como objetivo mostrar quais são as principais mídias que podem ser usadas em campanhas de publicidade

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

Publicidade. Monitoramento: Percepções sobre Publicidade. Relatório de Monitoramento de Marcas e Conversações

Publicidade. Monitoramento: Percepções sobre Publicidade. Relatório de Monitoramento de Marcas e Conversações Crédito da imagem: ronnestam.com Anúncio Upex Publicidade Relatório de Monitoramento de Marcas e Conversações Introdução Foram realizadas buscas na mídia social Twitter, através de ferramenta de monitoramento

Leia mais

Daniel COELHO 3 Faculdade Internacional de Curitiba, Curitiba, PR

Daniel COELHO 3 Faculdade Internacional de Curitiba, Curitiba, PR Gago 1 Vivian Corrêa MORTEAN 2 Daniel COELHO 3 Faculdade Internacional de Curitiba, Curitiba, PR RESUMO O rádio como meio de comunicação efetivo no Brasil desde a década de 50, atinge o receptor de forma

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO EDITAL As Faculdades Integradas Barros Melo vêm tornar público aos alunos regularmente matriculados nos Cursos de Jornalismo,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Coordenador do Curso: Prof. Dirceu Tavares de Carvalho Lima Filho IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Cartaz Hiper Cap 1 RESUMO

Cartaz Hiper Cap 1 RESUMO Cartaz Hiper Cap 1 Alana de FREITAS 2 Danizieli de OLIVEIRA 3 Diego de OLIVEIRA 4 Hugo CEREZER 5 Jéssica TESOTO 6 Renata Cristina FORNAZIERO 7 Rafaela ALVES 8 Renata Luis SOUZA 9 Thaís Roberta CASAGRANDE

Leia mais

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES 7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES Autor(es) CHRISTINE BARBOSA BETTY Orientador(es) BRUNO PUCCI 1.

Leia mais

Rock Vinil: a nostalgia dos vinis 1

Rock Vinil: a nostalgia dos vinis 1 Rock Vinil: a nostalgia dos vinis 1 Nádia MOCCELIN 2 Caio César BUDEL 3 Isabela Leticia LESSAK Janete Regina Sirichuki CARVALHO Kryssia KOSMOS Letícia Olher FERRARI Naiara Namma Perdigão PERSEGONA Paula

Leia mais

DESIGN. 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

DESIGN. 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos DESIGN 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado HABILITAÇÃO: Projeto do Produto PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO Objetivo: Proporcionar

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

Publicidade e Animação

Publicidade e Animação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA JOSEFA DE ÓBIDOS CURSOS DE EMPREENDEDORISMO VOCACIONAL ATIVIDADE VOCACIONAL 2 ÁREA TÉCNICA Publicidade e Animação 2014/2015

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS CURSO DE JORNALISMO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS 1 1 ÁREAS TEMÁTICAS Respeitada a disponibilidade de carga horária dos professores orientadores e a escolha dos alunos,

Leia mais

ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DE IMAGENS VISUAIS E RELAÇÕES INTERSEMIÓTICAS. Reinaldo dos Santos Cordeiro

ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DE IMAGENS VISUAIS E RELAÇÕES INTERSEMIÓTICAS. Reinaldo dos Santos Cordeiro ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DE IMAGENS VISUAIS E RELAÇÕES INTERSEMIÓTICAS. Reinaldo dos Santos Cordeiro Resumo O objetivo deste artigo é resgatar alguns dos modelos de análise do anúncio, protótipo da publicidade

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

RECURSOS DA FUNÇÃO POÉTICO-ESTÉTICA NA PUBLICIDADE. FEDRIZZI, Giulia; VASCONCELLOS, Nathália e CASTRO, Renata 1

RECURSOS DA FUNÇÃO POÉTICO-ESTÉTICA NA PUBLICIDADE. FEDRIZZI, Giulia; VASCONCELLOS, Nathália e CASTRO, Renata 1 RECURSOS DA FUNÇÃO POÉTICO-ESTÉTICA NA PUBLICIDADE FEDRIZZI, Giulia; VASCONCELLOS, Nathália e CASTRO, Renata 1 Resumo: O artigo constrói um paralelo entre a renovação da publicidade realizada pelos literatos,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2013

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2013 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2013 CONVÊNIO UCDB-ACICG 20/09/2013 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2013 CONVÊNIO UCDB-ACICG Professores

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e

Leia mais

Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão. Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes

Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão. Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes Liberdade de Expressão! Para quem? Marco internacional

Leia mais

MANUAL DE APLICAÇÃO DE MARCA

MANUAL DE APLICAÇÃO DE MARCA MANUAL DE APLICAÇÃO DE MARCA Este manual foi desenvolvido através de estudos e pesquisas visando orientar de forma coerente e objetiva a correta utilização da Marca USE. Você verá, detalhadamente, todos

Leia mais

ENTREGAS SEGMENTADAS

ENTREGAS SEGMENTADAS ENTREGAS SEGMENTADAS No Jornal A TARDE, o anunciante pode segmentar a sua comunicação direcionando sua mensagem para um público específico; Possibilidade de escolher características e o perfil de assinantes

Leia mais

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Jacqueline Calisto Costa Raquel de Paula Pinto Soares RESUMO A abordagem semiótica entende o texto como uma unidade de sentido, independente da linguagem.

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

Informações Gerais. 34 parceiros de mídia e publicidade. 220 expositores. + de 500 marcas. + de 20 mil m 2. 35 mil visitantes

Informações Gerais. 34 parceiros de mídia e publicidade. 220 expositores. + de 500 marcas. + de 20 mil m 2. 35 mil visitantes O Evento A PHOTOIMAGE BRASIL, maior feira de imagem da América Latina, reuniu mais de 35 mil participantes ligados ao segmento e provou nesta sua 22ª edição que soube se adaptar às rápidas mudanças do

Leia mais

Fabiana BAGDONAS.. 2 João Paulo MARTIN 3 Myllena DE PONTES 4 Cintia dos Reis Barreto 5 Universidade Potiguar UnP, Natal/RN

Fabiana BAGDONAS.. 2 João Paulo MARTIN 3 Myllena DE PONTES 4 Cintia dos Reis Barreto 5 Universidade Potiguar UnP, Natal/RN Plano de Comunicação: Uma proposta de implantação de um setor de Comunicação na Cirne Motos Natal/RN 1 Fabiana BAGDONAS.. 2 João Paulo MARTIN 3 Myllena DE PONTES 4 Cintia dos Reis Barreto 5 Universidade

Leia mais

As adivinhas são jogos de linguagem em que a relação entre fatos semânticos

As adivinhas são jogos de linguagem em que a relação entre fatos semânticos As adivinhas na relação ilustração-texto na literatura infantil 73 Kassandra da Silva Muniz * Resumo: Esta pesquisa se insere no projeto A organização textual interativa das adivinhações, coordenado pela

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA. NÍVEL VII e VIII-MANHÃ; NÍVEL IX e X-NOITE

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA. NÍVEL VII e VIII-MANHÃ; NÍVEL IX e X-NOITE CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA NÍVEL VII e VIII-MANHÃ; NÍVEL IX e X-NOITE PROFESSORES - ORIENTADORES PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO Adriana S. Kurtz Mídia e cultura de massa Cinema

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Doar é Uma Arte 1. André SALGADO 2 Maitê BARRETO 3 Rodrigo DINIZ 4 Ítalo MEDEIROS 5 Liandro ROGER 6. Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE

Doar é Uma Arte 1. André SALGADO 2 Maitê BARRETO 3 Rodrigo DINIZ 4 Ítalo MEDEIROS 5 Liandro ROGER 6. Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE Doar é Uma Arte 1 André SALGADO 2 Maitê BARRETO 3 Rodrigo DINIZ 4 Ítalo MEDEIROS 5 Liandro ROGER 6 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE RESUMO O trabalho foi uma atividade acadêmica proposta pelo professor

Leia mais

Manual de uso da marca do Governo Federal. SECOM / PR Janeiro de 2015

Manual de uso da marca do Governo Federal. SECOM / PR Janeiro de 2015 Manual de uso da marca do Governo Federal SECOM / PR Manual de uso da marca do Governo Federal 1.1 Introdução 3 1.2 Logomarca do Governo Federal 4 1.3 Proporções e medições 5 1.4 Zona de eclusão 6 1.5

Leia mais

Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1

Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1 Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1 Juliana Pereira DULTRA 2 Cintia MOLETA 3 Larissa Kiefer de SEQUEIRA 4 Roberto Corrêa SCIENZA 5 Fernanda

Leia mais

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos referentes

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

SSOA - SERVIÇO DE SELEÇÃO, ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO

SSOA - SERVIÇO DE SELEÇÃO, ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO Caro(a) Aluno(a) A prova da 2ª fase da UFBA exige, além dos pré-requisitos da primeira fase(conhecimento do conteúdo programático aliado a habilidades de analisar, comparar, julgar, fazer generalizações,

Leia mais

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Joaozinho, o repórter 1 Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN. RESUMO O documentário Joãozinho,

Leia mais

É Natural Educar Assim 1

É Natural Educar Assim 1 É Natural Educar Assim 1 Luana da Silva de ANDRADE 2 Larissa Santos de ASSIS 3 Luana Cristina KNOD 4 Rafaela Ritz dos SANTOS 5 Simone Cristina KAUFMANN 6 Tamires Lopes SILVA 7 YhevelinSerrano GUERIN 8

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Publicidade de bebidas alcoólicas - Novos rumos perante legislação Cássio Zill Henke * As discussões envolvendo a modificação do conceito de bebidas alcoólicas previsto no artigo

Leia mais

Congresso Nacional de Negras e Negros do Brasil Construindo um Projeto Político do Povo Negro para o País

Congresso Nacional de Negras e Negros do Brasil Construindo um Projeto Político do Povo Negro para o País PLANO DE COM UNICAÇÃO, MÍDIA E DIVULGAÇÃO Elaboração: Ebomy Conceição Reis d' Ógùm- Instituto Nacional da Tradição e Cultura Afro- Brasileira Marcio Alexandre Martins Gualberto Coletivo de Entidades Negras

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

Mídia Digital Indoor Proposta Comercial

Mídia Digital Indoor Proposta Comercial Mídia Digital Indoor Proposta Comercial Oferecemos aos anunciantes a veiculação de publicidade digital estratégica em painéis de LCD no interior de estabelecimentos variados em Goiânia GO. Índex Mídias

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/senai-cetiqt/educacao/2014/07/1,40917/cursos-de-extensao-presencial.

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/senai-cetiqt/educacao/2014/07/1,40917/cursos-de-extensao-presencial. www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/senai-cetiqt/educacao/2014/07/1,40917/cursos-de-extensao-presencial.html Cursos de extensão presencial A Extensão é a ação

Leia mais

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi)

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) XI Colóquio Internacional de Comunicação para o Desenvolvimento Regional (9,10,11

Leia mais

Formação Profissional em Comunicação Social nas Regiões Norte e Nordeste

Formação Profissional em Comunicação Social nas Regiões Norte e Nordeste Formação Profissional em Comunicação Social nas Regiões Norte e Nordeste Maria Luiza Nóbrega de Morais 1 O Núcleo de Pesquisa do Mercado de Trabalho de Comunicações e Artes (ECA- USP) coordenou recentemente

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste

Leia mais

Lucas Corazzini. Análise Semiótica da Propaganda Eleitoral

Lucas Corazzini. Análise Semiótica da Propaganda Eleitoral Lucas Corazzini Análise Semiótica da Propaganda Eleitoral UNICAMP Campinas 2010 1 Resumo: O trabalho a seguir foca-se inicialmente na conceituação da propaganda eleitoral quanto sua construção de significados,

Leia mais

DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS

DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS VITÓRIA 2004 Dicas de como participar de feiras Introdução As feiras são eventos ricos em oportunidades de negócios. São ambientes privilegiados para o incremento das

Leia mais

(In)visibilidades fotográficas do mundo do trabalho: representações visuais e lacunas do visível nas imagens da Revista do Globo.

(In)visibilidades fotográficas do mundo do trabalho: representações visuais e lacunas do visível nas imagens da Revista do Globo. Mesa 24 (In)visibilidades fotográficas do mundo do trabalho: representações visuais e lacunas do visível nas imagens da Revista do Globo. Cláudio de Sá Machado Júnior Dentre as várias tipologias fotográficas

Leia mais

EMENTAS E OBJETIVOS HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1º PERÍODO

EMENTAS E OBJETIVOS HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1º PERÍODO S E S HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1º PERÍODO Nome da Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA: INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE TEXTO E LEITURA Linguagem, língua e texto. As diversas normas e a adequação discursiva.

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

Painel 2 O BUSINESS JORNAL E O POSICIONAMENTO MULTIPLATAFORMA

Painel 2 O BUSINESS JORNAL E O POSICIONAMENTO MULTIPLATAFORMA 29. 09. 2014 Geral Nome da pesquisa Painel 2 O BUSINESS JORNAL E O POSICIONAMENTO Autor 2 Apêndice: Pesquisa Painel 2 O BUSINESS JORNAL E O POSICIONAMENTO A reunião na agência foi muito positiva. Márcio

Leia mais

Os Caminhos do Festival Música Nova

Os Caminhos do Festival Música Nova Os Caminhos do Festival Música Nova por Antônio Eduardo Santos RESUMO Um movimento por uma música revolucionária, nova, em oposição ao academismo dominante, teve nascimento em São Paulo, no começo dos

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo

Arquitetura e Urbanismo Arquitetura e Urbanismo Arquitetura e Urbanismo CARREIRA EM ARQUITETURA E URBANISMO Os arquitetos recebem uma formação geral que lhes permite trabalhar em diversos campos: em projetos de construções, de

Leia mais

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM Vinheta Sala de Cinema 1 Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM RESUMO Esse trabalho surgiu a partir das atividades de um projeto de extensão (Pibex)

Leia mais

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010 Regional Julho de 2010 Pesquisa de Avaliação Campanha Brasil 2010 - Regional No período entre 28 de junho e 02 de julho de 2010 foram realizados os Grupos Focais

Leia mais

Introdução à Semiótica

Introdução à Semiótica Introdução à Semiótica Prof. Ecivaldo Matos Dept. de Ciência da Computação Colégio Pedro II Pesquisador LEAH - UERJ Março/2008 Síntese dos principais tópicos O que a Semiótica estuda Signos, significação

Leia mais

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE 2006. O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP, no uso de suas atribuições, tendo em vista a Lei nº 10.861,

Leia mais

SUPERMERCADO & VAREJO

SUPERMERCADO & VAREJO JORNAL DO COMMERCIO 2015 ALMANAQUE PUBLICITÁRIO JC SUPERMERCADO & VAREJO APRESENTAÇÃO O Jornal do Commercio faz parte do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação, empresa do grupo JCPM, que atua também

Leia mais

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Referência Ficha Técnica Plano de comunicação Resolução n 1.025, de 30 de outubro de 29 Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Elaboração Projeto ART e Acervo Técnico - Equipe

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

A INTERATIVIDADE: ALGO MAIS NA SEDUÇÃO PUBLICITÁRIA

A INTERATIVIDADE: ALGO MAIS NA SEDUÇÃO PUBLICITÁRIA A INTERATIVIDADE: ALGO MAIS NA SEDUÇÃO PUBLICITÁRIA Vera Maria Ramos Pinto (PG - UEL / GP Leitura e Ensino- CLCA- UENP/CJ) Anúncios interativos são aqueles criados com a finalidade de levar o leitor a

Leia mais