ACIV Associação para o Desenvolvimento da Engenharia Civil ESTUDO DE IMPLANTAÇÃO DA INTERFACE MODAL ESTAÇÃO DA LOUSÃ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACIV Associação para o Desenvolvimento da Engenharia Civil ESTUDO DE IMPLANTAÇÃO DA INTERFACE MODAL ESTAÇÃO DA LOUSÃ"

Transcrição

1 ACIV Associação para o Desenvolvimento da Engenharia Civil Metro Mondego, s.a. ESTUDO DE IMPLANTAÇÃO DA INTERFACE MODAL ESTAÇÃO DA LOUSÃ Coimbra, Junho 2007 Professora Ana Maria César Bastos Silva (coordenação) Carla Sofia Azambuja Galvão Eduardo Jorge Marques Ribeiro

2 INTTEERFFACEE I MODALL DA LOUSSÃ EE REESSPPEECTTI IVVOSS ACEESSSSOSS 1 -- INTTRODUÇÃO I No âmbito do programa de implantação da linha de Metro Ligeiro do Mondego que se desenvolve entre Serpins e Coimbra, o presente trabalho centra-se no desenvolvimento de uma solução integrada para a interface modal a implantar na Lousã. A solução global apresentada baseia-se fortemente na solução de ordenamento desenvolvida pela Ferbritas para a mesma interface modal procurando integrá-la e adaptá-la à correspondente rede viária local envolvente. O trabalho apresentado incide particularmente na avaliação dos aspectos funcionais da solução, designadamente ao nível da circulação automóvel e pedonal. A análise baseou-se na avaliação das peças desenhadas disponibilizados pela Metro Mondego aferida por duas visitas técnicas ao local O objectivo principal do trabalho, centra-se na identificação de um conjunto de intervenções pontuais que permitam tirar partido das potencialidades da solução inicial desenvolvida, contribuindo para uma melhor integração local e funcionamento global da mesma solução. Para o efeito foi efectuado um levantamento dos equipamentos colectivos localizados nas imediações da interface (ver Des. Nº1 e 4) De forma a responder ao faseamento previsto em termos do lançamento da obra, são apresentadas duas soluções de intervenção, uma correspondente à 1ª fase (intervenção ao nível da interface, correspondentes acessos e parques de estacionamento) e a solução global que inclui a construção do novo cais e das duas passagens de nível que viabilizarão o funcionamento do tipo rotunda alongada em torno desse futuro cais PRINCÍPPI IOSS FUNCIONAISS DEE BASSEE A solução global apresentada para a interface da Lousa na rede local procura responder ao conjunto de requisitos funcionais e às valências que a interface deverá vir a possuir, designadamente: - ponto de paragem dos serviços do Metro Ligeiro, táxis e das linhas de transporte colectivo 1

3 regionais que operam nesta zona; - ponto de interface entre automóveis, Táxis, BUS e Metro A solução global desenvolvida procura salvaguardar as condições mínimas de operacionalidade exigidas pelos diferentes tipos de veículos, procurando ainda garantir o acesso à interface modal e zona de estacionamento sem demoras significativas e em boas condições de segurança. Houve ainda um particular cuidado em desenvolver uma solução integrada e de qualidade para a rede pedonal que serve a interface, designadamente a partir das zonas mais próximas. Finalmente, foram também tidos em consideração aspectos de integração urbana, de forma a que a implantação deste equipamento possa vir a contribuir para a requalificação do espaço urbano envolvente DEESSCRI IÇÃO DA SOLLUÇÃO 1ª FASE DA INTERVENÇÃO O Des. Nº 1 apresenta o enquadramento geográfico da zona onde se insere a interface, no qual é possível identificar os principais eixos de ligação rodoviária local/regional, destacando-se a sua ligação ao centro cívico da Lousã e a Miranda do Corvo/Coimbra através da EN 236. Nesse mesmo desenho são também identificados os principais eixos que deverão assegurar, na 1ª fase de intervenção, o acesso por parte dos transportes colectivos rodoviários e que previsivelmente utilizarão a interface. Finalmente são marcados os eixos pedonais necessários para o fácil acesso à interface, a partir dos espaços envolventes tendo por base a localização dos principais equipamentos e pólos de atracção pedonal previsíveis A solução apresentada para a 1ª fase de intervenção (ver Des. Nº 2 e 3) assenta, de forma geral, na solução global, para onde se remete uma descrição complementar. Contudo e pelo facto de nesta fase, não estar prevista a construção das duas passagens de nível associadas à praceta da interface, houve que desenvolver uma solução que sem prejuízo da solução global final, garantisse a sua funcionalidade numa 1ª fase de operação. A preocupação base subjacente ao desenvolvimento da solução da 1ª fase foi procurar conceber um ordenamento que garantisse boas condições de funcionamento global, quer do ponto de vista da circulação automóvel e pedonal, quer no tratamento dos circuitos dos transportes públicos. 2

4 3.3 - A solução proposta procura como tal, minimizar intervenções que na fase final tenham necessariamente de resultar em demolições. Nos locais onde a solução na 1ª e 2ª fase se revelaram incompatíveis em termos de funcionamento (formato de ilhéus, passagens de peões elevadas, etc.), recorreu-se maioritariamente à marcação horizontal, ao invés da sua materialização física, remetendo-se essa concretização para a 2º fase de intervenção na interface A não construção, na 1ª fase de intervenção das duas passagens de nível adjacentes à praça alongada inviabiliza a imposição de um funcionamento do tipo rotunda na referida praça. Tal resulta na quebra da solução em duas partes que funcionarão independentemente uma da outra e, consequentemente deverão manter os dois sentidos de circulação (ver Des. Nº 2). Em consequência, a ligação viária entre as duas partes da interface deverá ser assegurada pela passagem de nível localizada na confluência da R. de Coimbra (actual EN 236) com a Rua Prof. João Ramos. O ordenamento desenvolvido procurou dar legibilidade à solução, definindo corredores contínuos de circulação, onde foi dada a prioridade de passagem aos arruamentos onde é previsível a obtenção dos maiores volumes de tráfego. 3.5 A integração da interface na rede viária/pedonal local (ver Des. Nº 1) permite avaliar, em função da localização dos principais pólos de atracão/geração de viagens, as necessidades de mobilidade, designadamente em termos pedonais. Essa análise evidencia a importância assumida pelas Av. do Brasil e R. Prof. João Ramos como os eixos privilegiados na canalização dos peões com origem/destino no centro cívico, habitacional e no hospital da Lousã, e, por sua vez, a Rua 28 de Setembro e ainda a Av. do Brasil como eixos preferenciais no acesso ao espaço de equipamentos escolares e desportivos localizados a Sudeste da interface. Por sua vez, a zona Noroeste/Norte não dispõe actualmente de qualquer acesso directo à interface (nem mesmo pedonal), sendo a ligação rodoviária assegurada através da R. 28 de Setembro enquanto que a ligação pedonal, designadamente na sua ligação à R. D. Manuel II e R. Dr. António José de Almeida, é estabelecida directamente através da linha ferroviária. A construção dos novos eixos a Noroeste, nomeadamente ao novo traçado da EN 236, permitirá ultrapassar estes problemas potenciando ainda a sua fácil ligação às futuras zonas de expansão urbanística da Lousã. A necessidade de assegurar a continuidade dos trajectos pedonais, obrigou, em alguns casos, à revisão dos locais previsíveis para a formalização das travessias pedonais. Foi também considerado essencial salvaguardar a largura útil dos passeios em todas as secções, procurandose respeitar as linhas gerais consubstanciadas na legislação em vigor, designadamente no Dec-Lei 3

5 nº 163/2006. Tal princípio justificou uma ligeira intervenção ao nível da ilha central, de forma a melhorar as condições de circulação nos passeios que ladeiam a futura ligação à actual EN236. Também se considera relevante apostar na beneficiação da ligação pedonal entre a Av. do Brasil e a Rua Prof. João Ramos, propondo-se a aquisição de uma pequena parcela localizada entre os dois ramos, de forma a viabilizar a sua ligação pedonal de forma mais directa. Refira-se em complemento que pelo facto dessa parcela ser fisicamente delimitada através de um muro, o tratamento paisagístico proposto, tende ainda a salvaguardar uma melhoria das condições de visibilidade. Foi ainda preocupação procurar assegurar a continuidade dos passeios de acesso ao cais actual, designadamente nos 4 locais localizados junto às futuras passagens de nível. Estes 4 troços de passeios terão necessariamente que ser destruídos na fase final da intervenção. Considera-se contudo que, face ao prazo previsível de funcionamento que está subjacente à 1ª fase da intervenção, se justifica este pequeno acréscimo de investimento dados os benefícios que tais medidas oferecem ao conforto e segurança pedonal. Refira-se, em complemento, que esta delimitação física associada à construção do passeio, assume ainda melhorias ao nível da circulação automóvel, já que impede o acesso dos veículos ao espaço sem continuidade, delimitando, desta forma, a faixa efectivamente destinada à circulação A localização das travessias pedonais procurou ainda salvaguardar de forma directa e confortável o acesso às rampas de interligação entre os cais. No caso da passagem para peões localizada no encaminhamento da Rua 28 de Setembro, a concretização deste objectivo resultou na criação de uma passadeira elevada para o atravessamento do parque de estacionamento. Do lado Norte, o mesmo princípio justificou uma pequena adaptação da baia destinada aos transportes públicos de forma a salvaguardar a continuidade e a lógica do acesso pedonal ao cais. No caso do ramo correspondente à futura EN 236, optou-se por materializar apenas uma parte do ilhéu de forma a apoiar o peão, viabilizando atravessamentos em duas fases complementares. Refira-se que na sua quase totalidade, o ilhéu poderá ser mantido na fase final do ordenamento, pelo que não se considera tratar-se de um investimento perdido demasiado avultado. 3.7 A concretização da solução proposta para a 1ª fase levou à alteração (embora pouco significativa) do domínio de intervenção inicialmente proposto. Essa alteração localiza-se do lado oposto ao edifício da actual estação e justifica-se de forma a viabilizar, na 1ª fase da intervenção, a construção da via e da baia destinada ao BUS, Táxis e K&R. De sublinhar o facto dessa intervenção trazer ainda benefícios não só à integração local do ordenamento global previsto para a interface como ainda facilitar e consequentemente melhorar a 4

6 atractividade do acesso ao cais, quer via automóvel quer pedonal. Essa alteração do domínio de intervenção é marcada nos Des. Nº 2 e 3, tratando-se basicamente na diminuição da largura do actual cais em cerca de 2 metros de largura. Está ainda subjacente à solução proposta que deverá ser assegurada a compatibilização de cotas (mediante a construção de rampas, se tal se justificar) entre os espaços pedonais previstos (representados a amarelo no Des. Nº2) e o actual cais. Essa alteração do domínio de intervenção deverá ser prolongada até à futura EN 236, de modo a viabilizar a construção do passeio localizado do lado esquerdo dessa via (sentido de entrada na futura praça) e desta forma salvaguardar a continuidade pedonal até ao cais. SOLUÇÃO GLOBAL O Des. Nº 4 apresenta o enquadramento geográfico da zona onde se insere a interface, no qual é possível identificar, relativamente ao Des. Nº 1, as alterações impostas aos principais eixos de ligação rodoviária e pedonal, com a entrada em funcionamento da solução global A solução global apresentada (ver Des. Nº 5 e 6) para a interface da Lousã prevê a construção de duas passagens de nível, as quais permitirão completar o anel de circulação em torno do futuro cais. No seu conjunto é constituída uma praça alongada onde é imposto um funcionamento do tipo rotunda. A solução desenvolvida afigura-se adequada, face ao número elevado de ramos que afluem (ou se perspectiva que venham a afluir) ao espaço envolvente à interface, e às dificuldades que tal facto imporia ao desenvolvimento de uma solução que salvaguardasse os níveis mínimos de legibilidade, constituindo ainda um ordenamento global particularmente interessante do ponto de vista paisagístico e arquitectónico Em termos rodoviários, o modo de funcionamento da solução por imposição de um sentido único de circulação em torno de uma ilha central tende a assegurar bons níveis de desempenho global, salvaguardando designadamente níveis de capacidade e de fluidez elevados. Ao nível da segurança rodoviária, o facto de se apostar num modo de regulação que impõe a cedência de passagem ao nível das diferentes entradas, tenderá a contribuir para a moderação das velocidades praticadas contribuindo para a salvaguarda da segurança ligada aos diferentes utilizadores da via pública. 5

7 Afiguram-se no entanto duas considerações gerais que merecem aqui referência: a) a imposição de um funcionamento do tipo rotunda contribui significativamente para a moderação das velocidades praticadas pelos condutores. Refira-se contudo o risco dessa moderação não ser conseguida ao longo dos troços rectilíneos, devido ao facto da praça ser bastante alongada. É contudo previsível que o facto de existir um conjunto de 4 travessias pedonais no anel com atribuição formal da prioridade ao peão tenderá a atenuar este problema. Apesar da praça se situar na intersecção de algumas vias que asseguram funções de distribuição principal, sugere-se a monitorização do seu funcionamento, e na presença de conflitos de tráfego, poderá ser avaliada a aplicação de passadeiras elevadas devidamente dimensionadas e as quais, para além de induzirem à moderação das velocidades, permitem ainda proteger o peão; b) a entrada na praça a partir da futura EN 236 é extremamente directa, sendo esta situação particularmente agravada pelo facto do traçado de aproximação, desde o seu início na variante à EN 342, ser extremamente rectilíneo. Tal facto tende a incentivar à prática de velocidades elevadas e, em consequência, a um aumento da recusa de cedência do direito de passagem junto à entrada na praça da interface. Por se tratar de uma via a executar futuramente, parece ser de promover a adopção, logo em fase de projecto, de um conjunto de medidas complementares que possam contribuir para a adaptação do meio envolvente, apostando na transformação do ambiente rodoviário num ambiente urbano. Em alternativa poder-se-á recorrer a um conjunto de medidas localizadas no troço de aproximação à praça e que funcionem com portão de entrada, conseguido nomeadamente através: - de arranjos paisagísticos, ou aplicação de cortinas de árvores, ou de determinado tipo de arbustos que marquem a alteração do ambiente rodoviário; - da previsão de iluminação pública ou no caso de esta já existir ao longo do eixo, do reforço da sua intensidade; - criação de passeios, associados eventualmente a um portão de entrada; - recurso a medidas de sinalização complementares, tais como bandas cromáticas e a uma redução legal da velocidade para 50 km/h. Refira-se, em complemento, que pela importância que assume, a adopção destas medidas de segurança poderão ser promovidas logo na 1ª fase de intervenção, servindo como medidas de marcação de entrada no espaço urbano O acesso e circulação interna ao parque de estacionamento de apoio à interface manteve o sentido de circulação previsto para a solução da 1ª fase de intervenção, tendo-se a intervenção limitado ao alongamento dos extremos dos ilhéus para dificultar os movimentos de viragem que na solução final deixam de ser permitidos. Já o acesso ao espaço dirigido às paragens de curta duração (Bus; Táxis e K&R) sofreu uma inversão dos sentidos, de forma a compatibilizar a circulação neste espaço com os movimentos 6

8 giratórios impostos em torno da praça alongada A identificação dos principais trajectos pedonais, mereceu na fase final da intervenção novamente ênfase, designadamente a importância assumida pelas Av. do Brasil, R. Prof. João Ramos e a Rua 28 de Setembro. Tais constatações evidenciam a necessidade de procurar assegurar de forma directa o acesso pedonal, nomeadamente por parte dos utilizadores com mobilidade reduzida, entre estes eixos e a interface e, em particular, às rampas de ligação entre os cais. Este princípio de base justificou a necessidade de se prever a localização de 4 travessias pedonais no anel de circulação. Por razões de segurança e quando possível (designadamente face à dimensão do ilhéu), as passagens pedonais foram associadas aos ilhéus separadores (secções sujeitas a menor procura de tráfego e, por consequência, a um menor grau de conflituosidade). Procurou-se ainda localizar as travessias em locais que não interferissem directamente com o serviço da linha ferroviária. Esta última preocupação, levou à diminuição do raio de saída para a Rua Prof. João Ramos, de modo a facilitar a inserção da correspondente travessia pedonal As alterações sugeridas relativamente à solução inicial de base resultam na perda de 6 lugares de estacionamento (ver Des. Nº 6). Coimbra, Junho de 2007 A Coordenadora dos trabalhos Profª Ana Bastos Silva Colaboradores Carla Galvão Eduardo Ribeiro 7

9 PEÇAS DESENHADAS 1ª FASE

10

11

12

13 PEÇAS DESENHADAS SOLUÇÃO GLOBAL

14

15

16

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO 1. MOTIVAÇÕES E PREOCUPAÇÕES Condicionantes à Mobilidade Problemática Específica Articulação entre as decisões urbanísticas

Leia mais

Controlo da velocidade em eixos rodoviários

Controlo da velocidade em eixos rodoviários Controlo da velocidade em eixos rodoviários Definição de soluções combinadas de acalmia de tráfego Sílvia SANTOS 1 ; Ana BASTOS SILVA 2 Departamento de Engenharia Civil Universidade de Coimbra Rua Luís

Leia mais

O SISTEMA DE. Álvaro Seco SISTEMA DE MOBILIDADE DO MONDEGO

O SISTEMA DE. Álvaro Seco SISTEMA DE MOBILIDADE DO MONDEGO O Álvaro Seco ÍNDICE 1. Resenha Histórica 2. O Presente Mudança de Paradigma Breve Descrição da Rede 3. O Faseamento do Projecto 4. Os Desafios Futuros 1. RESENHA HISTÓRICA 1 RESENHA HISTÓRIA O PROBLEMA

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Prof. Francisco Caldeira Cabral Instituto Superior de Agronomia

Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Prof. Francisco Caldeira Cabral Instituto Superior de Agronomia Segurança dos utilizadores na ciclovia Acesso e circulação de veículos automóveis à ciclovia A entrada de veículos na ciclovia, quer de emergência, quer de manutenção e finalmente de trânsito local, deverá

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESPAÇO PÚBLICO ACESSIBILIDADE E CIDADANIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A AV. DR. LOURENÇO PEIXINHO FREDERICO MOURA E SÁ

SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESPAÇO PÚBLICO ACESSIBILIDADE E CIDADANIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A AV. DR. LOURENÇO PEIXINHO FREDERICO MOURA E SÁ SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESPAÇO PÚBLICO ACESSIBILIDADE E CIDADANIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A AV. DR. LOURENÇO PEIXINHO FREDERICO MOURA E SÁ 4 DE OUTUBRO DE 2011. AVEIRO EQUIPA: Câmara Municipal de Aveiro

Leia mais

Grupos Especiais de Peões. Peões de mobilidade reduzida (velocidade de marcha inferior, falta de visão e audição

Grupos Especiais de Peões. Peões de mobilidade reduzida (velocidade de marcha inferior, falta de visão e audição Tráfego Pedonal Caracterização do Tráfego Pedonal Grupos Especiais de Peões Espaço o Vital para o Peão Velocidade de Circulação dos Peões Extensão das Deslocações Pedonais Flexibilidade Grandezas Base

Leia mais

1. Conectividade. Conceito: É sair de casa e poder ir ao bairro do lado sem ter de dar grandes voltas.

1. Conectividade. Conceito: É sair de casa e poder ir ao bairro do lado sem ter de dar grandes voltas. 1. Conectividade Em que medida o ambiente urbano/pedonal dispõe de uma rede integrada que permite conectar origens e destinos, que passa, por exemplo, pela existência e continuidade de uma infra-estrutura

Leia mais

Mesa Redonda Ouvir a Cidade: as Propostas dos Cidadãos

Mesa Redonda Ouvir a Cidade: as Propostas dos Cidadãos 4.ª edição da Conferência da Mobilidade Urbana MUDE Museu do Design e da Moda Preparar a Cidade para a Mobilidade do Futuro: dos Modos Suaves à Mobilidade Eléctrica Mesa Redonda Ouvir a Cidade: as Propostas

Leia mais

TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA

TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA TEMA SELECCIONADO A CAMINHO DA ESCOLA IDENTIFICAÇÃO DAS COMPONENTES DA RUA / ESTRADA A Educação Rodoviária é um processo ao longo da vida do cidadão como

Leia mais

Município de Alvaiázere

Município de Alvaiázere Empreitada de: Requalificação urbana da envolvente à Casa do Povo de Alvaiázere, incluindo parte da rua José Augusto Martins Rangel e rua Colégio Vera Cruz Dono de Obra: Município de Alvaiázere 1 SUMÁRIO

Leia mais

OPERAÇÃO 3 - CONSTRUIR UMA CENTRALIDADE - PRAÇA DAS MINAS

OPERAÇÃO 3 - CONSTRUIR UMA CENTRALIDADE - PRAÇA DAS MINAS EIXO 2 AMBIENTE E ESPAÇO PÚBLICO OPERAÇÃO 3 - CONSTRUIR UMA CENTRALIDADE - PRAÇA DAS MINAS Intervenção de ordenamento e requalificação do centro da vida social do bairro, criando condições para o seu desenvolvimento

Leia mais

Volume 1 Medidas Individuais Aplicadas em Atravessamentos de Localidades DOCUMENTO BASE

Volume 1 Medidas Individuais Aplicadas em Atravessamentos de Localidades DOCUMENTO BASE DISPOSIÇÕES NORMATIVAS MEDIDAS DE ACALMIA DE TRÁFEGO Volume 1 Medidas Individuais Aplicadas em Atravessamentos de Localidades DOCUMENTO BASE Trabalho realizado para o InIR pela Professora Ana Bastos Silva

Leia mais

Gestão da mobilidade urbana

Gestão da mobilidade urbana Fernando Nunes da Silva Vereador da Mobilidade C. M. Lisboa Fernando Nunes da Silva OE Coimbra JAN 2013 JAN 13 Gestão da mobilidade urbana - dificuldades e soluções uma política de mobilidade para Lisboa:

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E CONDIÇÕES TÉCNICAS

MEMÓRIA DESCRITIVA E CONDIÇÕES TÉCNICAS MEMÓRIA DESCRITIVA E CONDIÇÕES TÉCNICAS 1 MEMÓRIA DESCRITIVA Legenda: 1 Introdução 2 Descrição dos Arranjos Exteriores 3 Requalificação do Espaço de Estacionamento 4 Reperfilamento e Requalificação de

Leia mais

5. Acessibilidade e Mobilidade

5. Acessibilidade e Mobilidade 5. Acessibilidade e Mobilidade O efeito de metropolização criado pela cidade de Coimbra conduz à geração de movimentos pendulares convergentes num único ponto polarizador de centros urbanos como Condeixa-a-

Leia mais

Infracções mais frequentes ao Código da Estrada, coimas e sanções Pág. 1

Infracções mais frequentes ao Código da Estrada, coimas e sanções Pág. 1 Infracções mais frequentes ao Código da Estrada, coimas e sanções Pág. 1 Infracções ÁLCOOL / ESTUPEFACIENTES Condução com uma taxa de álcool no sangue igual ou superior a 0,5 g/l e inferior a 0,8 g/l.

Leia mais

REQUALIFICAÇÃO DA PAMPILHOSA BAIXA ESTUDO PRÉVIO JUNHO 2011 DIVISÃO DE PLANEAMENTO URBANÍSTICO CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA

REQUALIFICAÇÃO DA PAMPILHOSA BAIXA ESTUDO PRÉVIO JUNHO 2011 DIVISÃO DE PLANEAMENTO URBANÍSTICO CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA ESTUDO PRÉVIO JUNHO 2011 DIVISÃO DE PLANEAMENTO URBANÍSTICO CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA FICHA TÉCNICA: Rute Sousa Peças Gráficas: Nuno Duarte - 2 - INDICE I. INTRODUÇÃO... 4 II. CARACTERIZAÇÃO... 6 A1.

Leia mais

Criança como passageiro de automóveis. Tema seleccionado.

Criança como passageiro de automóveis. Tema seleccionado. www.prp.pt A Educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica e é uma estrutura de apoio de uma educação que se vai desenvolvendo ao longo da vida. Assim, é fundamental que a Educação Rodoviária

Leia mais

Situações de emergência de incêndio na FEUP

Situações de emergência de incêndio na FEUP RELATÓRIO Situações de emergência de incêndio na FEUP MIEEC - ELE305 Hugo Ribeiro (090503141) Jorge Corujas (090503045) Mafalda Machado (090503057) Ricardo Coelho (090503084) Sérgio Moreira (090503125)

Leia mais

O Interface de Transportes

O Interface de Transportes O Interface de Transportes Tipologias de funcionamento e morfologia espacial - aplicação ao projecto Resumo Alargado Inês Isabel do Nascimento Piedade Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Arquitectura

Leia mais

Parecer e Soluções Alternativas do Automóvel Club de Portugal

Parecer e Soluções Alternativas do Automóvel Club de Portugal Proposta de Alteração do Esquema de Circulação da Rotunda do Marquês de Pombal e da Av. da Liberdade Parecer e Soluções Alternativas do Automóvel Club de Portugal Antecedentes Foi aprovada em sessão de

Leia mais

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Cálculo de Mais Valias Janeiro 2014

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Cálculo de Mais Valias Janeiro 2014 CÁLCULO DE MAIS VALIAS DO PLANO PORMENOR DA MARGEM DIREITA DA FOZ DO RIO JAMOR - OEIRAS Câmara Municipal de Oeiras 1 INTRODUÇÃO Considerando que o desenvolvimento das transformações de uso do solo resultantes

Leia mais

Concurso Público para o Projecto de Concepção Arquitectónica do Novo Edifício da Capitania dos Portos e Optimização da Zona Envolvente

Concurso Público para o Projecto de Concepção Arquitectónica do Novo Edifício da Capitania dos Portos e Optimização da Zona Envolvente Concurso Público para o Projecto de Concepção Arquitectónica do Novo Edifício da Capitania dos Portos e Optimização da Zona Envolvente I. Situação actual e características do ambiente Planta: Área de intervenção

Leia mais

A rua como elemento central da mobilidade urbana ciclável

A rua como elemento central da mobilidade urbana ciclável A rua como elemento central da mobilidade urbana ciclável 15 de Fevereiro de 2011 José M. Viegas Susana Castelo Mudança de paradigma Necessidade de : 1. Revisão do modelo de Predict & Provide, já que este

Leia mais

Contributos para a melhoria da ciclovia Entrecampos Monsanto

Contributos para a melhoria da ciclovia Entrecampos Monsanto Contributos para a melhoria da ciclovia Entrecampos Monsanto Nota inicial Genericamente, os principais problemas que encontrámos foram a proliferação de obstáculos à normal fluidez da circulação das bicicletas.

Leia mais

Fonte: CML Fonte: CML, Américo Simas Seminário Internacional sobre Serviços de Táxi Mobilidade: os novos desafios para Lisboa CML, Novembro de 2008 Carta Europeia de Segurança Rodoviária Data de adesão

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO EIXO PRIOROTÁRIO IX DESENVOLVIMENTOS DO SISTEMA URBANO NACIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO EIXO PRIOROTÁRIO IX DESENVOLVIMENTOS DO SISTEMA URBANO NACIONAL MIRANDELA XXI ACESSIBILIDADE E MOBILIDADE URBANA PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO EIXO PRIOROTÁRIO IX DESENVOLVIMENTOS DO SISTEMA URBANO NACIONAL ACÇÕES INOVADORAS PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Mobilidade Sustentável - Melhores Práticas em Lisboa

Mobilidade Sustentável - Melhores Práticas em Lisboa Mobilidade Sustentável - Melhores Práticas em Lisboa OUT. 2011 Fonte: terrasdeportugal.wikidot.com Fórum Transnacional - Projecto START Mobilidade - Câmara Municipal de Lisboa Mobilidade Sustentável Melhores

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA Resumo das principais regras rodoviárias alteradas pela Proposta de Lei n.º 131/XII

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA Resumo das principais regras rodoviárias alteradas pela Proposta de Lei n.º 131/XII 1. Foi criado o conceito de «Utilizadores vulneráveis»: Peões e velocípedes, em particular, crianças, idosos, grávidas, pessoas com mobilidade reduzida ou pessoas com deficiência. (artigo 1.º) Tendo em

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro www.regiaodeaveiro.pt PIMT de Aveiro, Aveiro TIS.PT Transportes Inovação e Sistemas, S.A. 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal

Leia mais

CONTRA-ORDENAÇÕES RODOVIÁRIAS

CONTRA-ORDENAÇÕES RODOVIÁRIAS FICHA TÉCNICA CONTRA-ORDENAÇÕES RODOVIÁRIAS Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 1 Nível Atitudinal Tema 1 Conhecimento de si próprio como Condutor; Tema 2 Atitudes e Comportamentos;

Leia mais

Estação central de coimbra

Estação central de coimbra central de coimbra N o v a i n t e r f a c e i n t e r m o d a l e P l a n o d e u r b a n i z a ç ã o ( e n t r a d a p o e n t e ) Na sua história recente tem sido muito influenciada pela localização

Leia mais

PROJECTO DE LEI Nº 581/X ALTERA AS NORMAS PARA VELOCÍPEDES SEM MOTOR DO CÓDIGO DA ESTRADA. Exposição de Motivos

PROJECTO DE LEI Nº 581/X ALTERA AS NORMAS PARA VELOCÍPEDES SEM MOTOR DO CÓDIGO DA ESTRADA. Exposição de Motivos PROJECTO DE LEI Nº 581/X ALTERA AS NORMAS PARA VELOCÍPEDES SEM MOTOR DO CÓDIGO DA ESTRADA Exposição de Motivos A invenção do motor de explosão e do automóvel particular trouxe alterações radicais à nossa

Leia mais

A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas

A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas Desenvolvimento Temático: São bem conhecidos os problemas com que

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16 Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (CIRA) decidiu desenvolver o Plano Intermunicipal de

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Uma maior segurança para os peões)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Uma maior segurança para os peões) Introdução O Decreto Lei nº176/2004, de 23 de Julho, alterou a orgânica do XV Governo Constitucional e, no âmbito do respectivo programa, consagrou uma política orientada para a continuidade da implementação

Leia mais

O papel da bicicleta na mobilidade urbana

O papel da bicicleta na mobilidade urbana O papel da bicicleta na mobilidade urbana 1870 Grand Bi James Starley França O automóvel continua a ser, na maioria das cidades portuguesas, o principal responsável pela ineficiência ambiental e pelo incumprimento

Leia mais

Eng.º José Pinto Leite

Eng.º José Pinto Leite Dia 27 de Maio Investimento e sustentabilidade Eng.º José Pinto Leite Programa Polis Congresso LIDER A 09 Sustentabilidade e o POLIS José Manuel Pinto Leite IST 27/05/2009 1 Sustentabilidade e o POLIS

Leia mais

Setembro Dia Europeu Sem Carros 22 Semana Europeia da Mobilidade 16 17 18 19 20 21 22

Setembro Dia Europeu Sem Carros 22 Semana Europeia da Mobilidade 16 17 18 19 20 21 22 Câmara Municipal: Cidade VILA NOVA DE GAIA Vila Nova de Gaia Setembro Dia Europeu Sem Carros 22 Semana Europeia da Mobilidade 16 17 18 19 20 21 22 Área da cidade 600 ha População total 30 hab. Dimensão

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 ÍNDICE Capítulo I...5 Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5 Capítulo II...5 Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRATEÚS PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU

Leia mais

DOCUMENTO BASE. MARCAS RODOVIÁRIAS Características Dimensionais Critérios de Utilização e Colocação DISPOSIÇÕES NORMATIVAS

DOCUMENTO BASE. MARCAS RODOVIÁRIAS Características Dimensionais Critérios de Utilização e Colocação DISPOSIÇÕES NORMATIVAS DISPOSIÇÕES NORMATIVAS MARCAS RODOVIÁRIAS Características Dimensionais Critérios de Utilização e Colocação DOCUMENTO BASE Trabalho realizado para o InIR pelo Eng. Carlos de Almeida Roque da empresa ACLIVE

Leia mais

NOTA TÉCNICA INSTALAÇÃO E SINALIZAÇÃO DE LOMBAS REDUTORAS DE VELOCIDADE

NOTA TÉCNICA INSTALAÇÃO E SINALIZAÇÃO DE LOMBAS REDUTORAS DE VELOCIDADE 1 - Introdução A construção de vias públicas com o objectivo primordial de maximizar o escoamento de grandes volumes de tráfego e o conforto dos ocupantes dos veículos, aliada aos progressos da industria

Leia mais

Plano de Mobilidade Sustentável de Vendas Novas. Relatório de Diagnóstico

Plano de Mobilidade Sustentável de Vendas Novas. Relatório de Diagnóstico Plano de Mobilidade Sustentável de Vendas Novas Relatório de Diagnóstico Setembro de 2007 Projecto: Projecto Mobilidade Sustentável Equipa Técnica: Av. Rovisco Pais, 1 Pav. Mecânica I, 2º andar 1049-001

Leia mais

CIRCULAÇÃO EM ROTUNDAS

CIRCULAÇÃO EM ROTUNDAS CIRCULAÇÃO EM ROTUNDAS DEFINIÇÃO Define-se como rotunda um espaço de circulação rodoviária, com forma geralmente circular, de encontro de várias vias de tráfego onde o trânsito se processa em sentido giratório,

Leia mais

Mapa de Ruído do Concelho da Figueira da Foz

Mapa de Ruído do Concelho da Figueira da Foz Mapa de Ruído do Concelho da Figueira da Foz Índice 1. INTRODUÇÃO... 1 2. JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO... 2 3. ASPECTOS METODOLÓGICOS... 3 3.1. Definição do Âmbito e Objectivos do Estudo... 3 3.2. Aquisição

Leia mais

MARCAÇÃO RODOVIÁRIA. Carlos de Almeida Roque. Engenheiro Civil

MARCAÇÃO RODOVIÁRIA. Carlos de Almeida Roque. Engenheiro Civil MARCAÇÃO RODOVIÁRIA Engenheiro Civil Março de 2005 Revisto de acordo com o CE 2005 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 1 2 MARCAS LONGITUDINAIS... 2 2.1 Descrição... 2 2.2 Características dimensionais... 3 2.3 Utilização

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Disciplina: TRANSPORTES. Sessão Prática 3 (tipo B): A Observação da Mobilidade

Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Disciplina: TRANSPORTES. Sessão Prática 3 (tipo B): A Observação da Mobilidade Mestrado Integrado em Engenharia Civil Disciplina: TRANSPORTES Prof. Responsável: José Manuel Viegas Sessão Prática 3 (tipo B): A Observação da Mobilidade Instituto Superior Técnico / Mestrado Integrado

Leia mais

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro?

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Vive-se um tempo de descrédito, generalizado, relativamente às soluções urbanísticas encontradas para o crescimento

Leia mais

A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem.

A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem. A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem. A ambulância deve: Avançar. Ceder a passagem apenas ao meu veículo. Ceder a passagem apenas ao veículo

Leia mais

Proposta: "Valorizar o património do fluxo pedonal em Lisboa "

Proposta: Valorizar o património do fluxo pedonal em Lisboa Proposta: "Valorizar o património do fluxo pedonal em Lisboa " Preâmbulo Desde os anos sessenta do século XX, as vereações do trânsito da Câmara Municipal de Lisboa (CML) sentiram necessidade de dar especial

Leia mais

o papel dos modos suaves na mobilidade urbana tendências e implicações

o papel dos modos suaves na mobilidade urbana tendências e implicações POLITICAS DE GESTÃO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO EM CENTROS URBANOS 12 de Abril de 2011 o papel dos modos suaves na mobilidade urbana tendências e implicações Ana Bastos Silva Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL Deliberação da Reunião Câmara Municipal de 29/11/2011 DIRECÇÃO MUNICIPAL DE URBANISMO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DIVISÃO

Leia mais

PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA

PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA PST. PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA (Descrição da Obra) Empreitada: descrição da empreitada Dono da Obra: identificação do dono da obra Edição / Revisão / Código: PST. Entidade Executante/Construtor:

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA Regulamento n.º S / N.ª Data de Publicação em D.R., 1.ª Série-B, n.º 124 de: 29/06/2006 (RCM n.º 81/2006) Aprovado em Assembleia Municipal

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

6. ESTRATÉGIAS DE ACÇÃO Relatório Agenda 21 - CASCAIS 2007 119 A implementação de uma estratégia no âmbito da Agenda Local 21 é apenas alcançável com a colaboração de todos os actores que actuam no Concelho,

Leia mais

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra O Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra estabelece a concepção do espaço urbano, para a área de intervenção do Plano, dispondo, designadamente,

Leia mais

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real A referenciação dos percursos como componentes da estrutura edificada (in Magalhães, Manuela; Arquitectura

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO POR CASCAIS, PARTICIPO. /opcascais www.cm-cascais.pt. escolha o seu projeto e vote por SMS grátis.

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO POR CASCAIS, PARTICIPO. /opcascais www.cm-cascais.pt. escolha o seu projeto e vote por SMS grátis. ORÇAMENTO PARTICIPATIVO POR CASCAIS, PARTICIPO. De 2 dez. a 5 de jan. 2014 escolha o seu projeto e vote por SMS grátis. Marcos Chuva Atleta Olímpico Salto em comprimento SAIBA MAIS: /opcascais www.cm-cascais.pt

Leia mais

PEÕES MANUAL DO PLANEAMENTO DE ACESSIBILIDADES E TRANSPORTES

PEÕES MANUAL DO PLANEAMENTO DE ACESSIBILIDADES E TRANSPORTES MANUAL DO PLANEAMENTO DE ACESSIBILIDADES E TRANSPORTES 08 PEÕES Álvaro Jorge da Maia Seco Professor Associado da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Joaquim Miguel Gonçalves Macedo

Leia mais

Sou obrigado a parar e a ceder a passagem ao veículo de tracção animal. a) Certo. b) Errado. c) d)

Sou obrigado a parar e a ceder a passagem ao veículo de tracção animal. a) Certo. b) Errado. c) d) 39 BA 82.60.9 Sou obrigado a parar e a ceder a passagem ao veículo de tracção animal. 38 BA 82.60.10 Nesta situação, sou obrigado a parar e a ceder a passagem ao velocípede. 40 BA 82.60.11_a Ao saír do

Leia mais

Id Serviços de Apoio

Id Serviços de Apoio Id Serviços de Apoio Cafetaria do Museu Calouste Gulbenkian e seu prolongamento no jardim. Serviços Centrais Valores em euros Encargos com pessoal 6 219 770 Despesas de funcionamento 9 606 628 Investimento

Leia mais

VOLUME 3 Tratamento das Zonas de Aproximação e Transição

VOLUME 3 Tratamento das Zonas de Aproximação e Transição VOLUME 3 Tratamento das Zonas de Aproximação e Transição DISPOSIÇÕES NORMATIVAS MEDIDAS DE ACALMIA DE TRÁFEGO Volume 3 Tratamento das Zonas de Aproximação e Transição DOCUMENTO BASE Trabalho realizado

Leia mais

Área de Reabilitação Urbana de Vila Nova de Cerveira. Proposta de Delimitação

Área de Reabilitação Urbana de Vila Nova de Cerveira. Proposta de Delimitação Área de Reabilitação Urbana de Vila Nova de Cerveira Proposta de Delimitação Fevereiro de 2015 Índice Introdução... 2 Memória Descritiva e Justificativa... 4 Critérios Subjacentes à delimitação da ARU...

Leia mais

RELATÓRIO (ESTE DOCUMENTO TEM 213 FOLHAS E CONTÉM UM CD-ROM EM ANEXO)

RELATÓRIO (ESTE DOCUMENTO TEM 213 FOLHAS E CONTÉM UM CD-ROM EM ANEXO) PLANO DE PORMENOR MARGEM DIREITA DA FOZ DO RIO JAMOR COMPONENTE MOBILIDADE E TRANSPORTES RELATÓRIO (ESTE DOCUMENTO TEM 213 FOLHAS E CONTÉM UM CD-ROM EM ANEXO) 1667/01/02 NETU (10/10/2011) Índice ÍNDICE...

Leia mais

Avaliação das anomalias construtivas e funcionais das Torres do Alto da Eira

Avaliação das anomalias construtivas e funcionais das Torres do Alto da Eira Avaliação das anomalias construtivas e funcionais das Torres do Alto da Eira Introdução Este trabalho pretende avaliar o estado de conservação dos edifícios e das anomalias funcionais dos mesmos. Foi utilizado

Leia mais

TESTE DE TEORIA DE CONDUÇ Ã O

TESTE DE TEORIA DE CONDUÇ Ã O DIRECÇ Ã O DOS SERVIÇ OS PARA OS ASSUNTOS DE TRÁ FEGO TESTE DE TEORIA DE CONDUÇ Ã O Fascículo I Sinais de Trânsito ADVERTÊNCIA Encontram-se publicadas, nestes 5 fascículos, todas as perguntas, e repectivas

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

QUADRA MARÍTIMA - CICLOVIAS Estudo prévio Locais possíveis para implementação de ciclovias

QUADRA MARÍTIMA - CICLOVIAS Estudo prévio Locais possíveis para implementação de ciclovias QUADRA MARÍTIMA - CICLOVIAS Estudo prévio Locais possíveis para implementação de ciclovias 07-07-2014 Rui Nunes Silva, Arq. Página 1 de 5 INTRODUÇÃO A sustentabilidade nos transportes urbanos e a crescente

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora GRANDES OPÇÕES DO PLANO

JUNTA DE FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora GRANDES OPÇÕES DO PLANO GRANDES OPÇÕES DO PLANO Na continuidade das opções que temos vindo a desenvolver ao longo do nosso mandato, que reflectem nas suas linhas gerais de orientação, uma constante preocupação em proporcionar

Leia mais

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines Proposta de Termos de Referência Câmara Municipal de Sines Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente OUTUBRO

Leia mais

Expansão da Plataforma Logística

Expansão da Plataforma Logística CÂMARA U1 Expansão da Plataforma Logística RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DA DISCUSSÃO PÚBLICA DA PROPOSTA DE DELIMITAÇÃO E RESPECTIVO PROGRAMA-BASE DIVISÃO DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO D EZ E M

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DE ORGANIZAÇÃO DE REDES VIÁRIAS

PRINCÍPIOS BÁSICOS DE ORGANIZAÇÃO DE REDES VIÁRIAS MANUAL DO PLANEAMENTO DE ACESSIBILIDADES E TRANSPORTES 04 PRINCÍPIOS BÁSICOS DE ORGANIZAÇÃO DE REDES VIÁRIAS Alvaro Jorge da Maia Seco Professor Associado da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade

Leia mais

CEDÊNCIA DE PASSAGEM

CEDÊNCIA DE PASSAGEM FICHA TÉCNICA CEDÊNCIA DE PASSAGEM Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 3 Nível Táctico Tema 5 Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Princípio

Leia mais

BAIRRO DA PALMEIRA. Dossier de imprensa 2.ª FASE DA REABILITAÇÃO. Continuar a investir nas pessoas IHM INVESTIMENTOS HABITACIONAIS DA MADEIRA, EPERAM

BAIRRO DA PALMEIRA. Dossier de imprensa 2.ª FASE DA REABILITAÇÃO. Continuar a investir nas pessoas IHM INVESTIMENTOS HABITACIONAIS DA MADEIRA, EPERAM Dossier de imprensa CARACTERIZAÇÃO O Bairro da Palmeira, construído no início da década de 80 para resolver situações de gravíssima carência habitacional de famílias do centro de Câmara de Lobos, sobretudo

Leia mais

REGULAMENTO DE CIRCULAÇÃO E ESTACIONAMENTO PARA A ZONA DE TRANSITO CONDICIONADO DO CENTRO DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA MADEIRA. Nota justificativa

REGULAMENTO DE CIRCULAÇÃO E ESTACIONAMENTO PARA A ZONA DE TRANSITO CONDICIONADO DO CENTRO DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA MADEIRA. Nota justificativa REGULAMENTO DE CIRCULAÇÃO E ESTACIONAMENTO PARA A ZONA DE TRANSITO CONDICIONADO DO CENTRO DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA MADEIRA Nota justificativa As recentes obras realizadas no Centro Cívico da Cidade de

Leia mais

Plano de Pormenor Margem Direita da Foz do rio Jamor

Plano de Pormenor Margem Direita da Foz do rio Jamor Plano de Pormenor Margem Direita da Foz do rio Jamor - ESTUDO DE TRÁFEGO Março 2011 ÍNDICE 1. Introdução...1 2. Caracterização do Equipamento e Enquadramento...3 3. Tráfego na Rede Viária...5 3.1 Análise

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

CONTRATO PARA PLANEAMENTO

CONTRATO PARA PLANEAMENTO CONTRATO PARA PLANEAMENTO Entre a Primeira Outorgante: Câmara Municipal do Porto, representada, neste acto, pelo seu Presidente, Dr Rui Fernando da Silva Rio, com os poderes resultantes do disposto na

Leia mais

METRO DO PORTO. Melhoria da mobilidade. Foto do site da Bombardier

METRO DO PORTO. Melhoria da mobilidade. Foto do site da Bombardier METRO DO PORTO Melhoria da mobilidade Foto do site da Bombardier Rui Site: Rodrigues www.maquinistas.org (Ver Opinião) Email rrodrigues.5@netcabo.pt Data: Público, 15 de Dezembro de 2003 METRO DO PORTO

Leia mais

A MOBILIDADE SUSTENTÁVEL EM AGLOMERADOS URBANOS DE PEQUENAS DIMENSÕES

A MOBILIDADE SUSTENTÁVEL EM AGLOMERADOS URBANOS DE PEQUENAS DIMENSÕES A MOBILIDADE SUSTENTÁVEL EM AGLOMERADOS URBANOS DE PEQUENAS DIMENSÕES 149 A MOBILIDADE SUSTENTÁVEL EM AGLOMERADOS URBANOS DE PEQUENAS DIMENSÕES Paulo Ribeiro José Fernando Gomes Mendes André Fontes Escola

Leia mais

PROJECTO DE INFRAESTRUTURAS PARA TELECOMUNICAÇÕES

PROJECTO DE INFRAESTRUTURAS PARA TELECOMUNICAÇÕES OBRA: REDE VIÁRIA FAQUÊLO ARCOS (S. PAIO) PROJECTO DE INFRAESTRUTURAS PARA TELECOMUNICAÇÕES CONSTRUÇÃO DE ARRUAMENTO DESDE A ROTUNDA DANMARIE - LÉS - LYS À AV. ENGº CASTRO CALDAS - A2 ARCOS DE VALDEVEZ

Leia mais

Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa

Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa Breve descrição do projecto Constituem-se como objectivos estratégicos do projecto do Terminal de Cruzeiros

Leia mais

PROPOSTA # 7 CICLOVIA DO CARREGADO AO TEJO

PROPOSTA # 7 CICLOVIA DO CARREGADO AO TEJO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE ALENQUER ǀ OPA 2015 CICLOVIA DO CARREGADO AO TEJO Divisão de Obras Municipais Departamento Operativo 1 DESCRIÇÃO DA PROPOSTA 2 FOTOGRAFIA AÉREA / PLANTA DE LOCALIZAÇÃO Com esta

Leia mais

Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI

Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI Luís Matas de Sousa Director do Projecto de Requalificação Urbana da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Área

Leia mais

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA Lúcia Maria Mendonça Santos S e m i n á r i o M o b i l i d a d e U r b a n a S u s t e n t á v e l : P r á t i c a s e T e n d ê n c

Leia mais

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS:

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: Bairro da Laje, freguesia de Porto Salvo: - Parque Urbano Fase IV Os Arranjos Exteriores do Parque Urbano Fase IV do bairro da Laje, inserem-se num vasto plano de reconversão

Leia mais

Dimensionamento de Rotundas DOCUMENTO BASE

Dimensionamento de Rotundas DOCUMENTO BASE DISPOSIÇÕES NORMATIVAS Dimensionamento de Rotundas Documento Síntese DOCUMENTO BASE Trabalho realizado pelos Professores Ana Maria C. Bastos Silva e Álvaro J. da Maia Seco, para a EP Estradas de Portugal,

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009 Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana Programas integrados de criação de Eco-Bairros 1. ENQUADRAMENTO GERAL A Autoridade de Gestão do Programa Operacional

Leia mais

A função das guias é tornar os limites da faixa de rodagem mais visíveis. Concorda com esta afirmação? Não. Sim.

A função das guias é tornar os limites da faixa de rodagem mais visíveis. Concorda com esta afirmação? Não. Sim. À distância a que me encontro do sinal, devo: Aumentar a velocidade, para continuar a marcha sem imobilizar o veículo. Parar. Reduzir a velocidade, com o objectivo de imobilizar o veículo perto do sinal.

Leia mais

Competição. Regras e Especificações Técnicas Classe UIP (2002/3/11)

Competição. Regras e Especificações Técnicas Classe UIP (2002/3/11) Competição Regras e Especificações Técnicas Classe UIP (2002/3/11) Índice Pág. 1. ROBOT... 1 Dimensões...1 Autonomia...1 Segurança...1 2. ÁREA DE COMPETIÇÃO... 1 2.1. Pista...1 Dimensões...1 Cores...2

Leia mais

A construir o futuro com segurança. Sede: Av. Avelino Ferreira Torres n.81 - Freixo 4630-090 Marco de Canaveses. Tel/Fax: 255 531 961

A construir o futuro com segurança. Sede: Av. Avelino Ferreira Torres n.81 - Freixo 4630-090 Marco de Canaveses. Tel/Fax: 255 531 961 A construir o futuro com segurança 2011 Sede: Av. Avelino Ferreira Torres n.81 - Freixo 4630-090 Marco de Canaveses Tel/Fax: 255 531 961 Carlos Moreira: 917 729 323 Site: www.morsa.eu E-mail: geral@morsa.eu

Leia mais

Lisboa. predominante. Constituem áreas de enquadramento e valorização dos núcleos históricos edificados. Tipologia dominante dos edifícios.

Lisboa. predominante. Constituem áreas de enquadramento e valorização dos núcleos históricos edificados. Tipologia dominante dos edifícios. Classes Subclasses Categorias Subcategoria Espaço urbano Históricas Áreas históricas habitacionais Consolidadas De estruturação De reconversão Espaços urbanos cujas características morfológicas, arquitectónicas

Leia mais

SINALIZAÇÃO de CRUZAMENTOS e de ENTRONCAMENTOS DOCUMENTO BASE

SINALIZAÇÃO de CRUZAMENTOS e de ENTRONCAMENTOS DOCUMENTO BASE DISPOSIÇÕES NORMATIVAS SINALIZAÇÃO de CRUZAMENTOS e de ENTRONCAMENTOS DOCUMENTO BASE Trabalho realizado para o InIR pelo Eng. Carlos de Almeida Roque da empresa ACLIVE projectos de engenharia civil, lda

Leia mais

UMA MAIOR SEGURANÇA PARA PEÕES

UMA MAIOR SEGURANÇA PARA PEÕES UMA MAIOR SEGURANÇA PARA PEÕES INTRODUÇÃO Nas Grandes Opções do Plano para 2005 2009 o Governo consagrou uma política orientada na redução, para metade, da sinistralidade, bem como na melhoria da segurança

Leia mais

SEGURANÇA RODOVIÁRIA DESLOCAÇÕES CASA-ESCOLA

SEGURANÇA RODOVIÁRIA DESLOCAÇÕES CASA-ESCOLA SEGURANÇA RODOVIÁRIA DESLOCAÇÕES CASA-ESCOLA Sandra Nascimento 12 Julho 2010 www.apsi.org.pt Seminário Sustentabilidade nas Deslocações Casa-Escola Castelo Branco, Julho 2011 A APSI Promover a união e

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO TÚNEL DO MARQUÊS. Análise de tráfego, da qualidade do ar e emissões

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO TÚNEL DO MARQUÊS. Análise de tráfego, da qualidade do ar e emissões ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO TÚNEL DO MARQUÊS Análise de tráfego, da qualidade do ar e emissões 1. Apesar de se reconhecer que "a construção deste túnel (irá) potenciar a alteração do sistema global

Leia mais

PARAGEM E ESTACIONAMENTO

PARAGEM E ESTACIONAMENTO FICHA TÉCNICA PARAGEM E ESTACIONAMENTO Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 3 Nível Táctico; Nível 4 Nível Operacional Tema 5 - Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 - Domínio

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais