PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA"

Transcrição

1 . PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA (COM CONTRATO DE AUTONOMIA 14/10/2013) RELATÓRIO FINAL Canidelo julho 2014

2 ÍNDICE 2

3 INTRODUÇÃO EIXOS METAS - BALANÇO 4 6 EIXO 1 APOIO À MELHORIA DAS APRENDIZAGENS EMIP S UP ESPAÇOS EDUCATIVOS REFORÇOS PEDAGÓGICOS DISCIPLINAS DE OFERTA DE ESCOLA AÇÃO TUTORIAL PORTUGUÊS EM AÇÃO MATEMÁTICA EM AÇÃO OLIMPÍADAS EDUCAÇÃO ESPECIAL CRIATIVOS KRANIUS OFICINAS PEDAGÓGICAS BIBLIOTECA 89 EIXO 2 PREVENÇÃO DO ABANDONO, ABSENTISMO E INDISCIPLINA GABINETE DE APOIO E INFORMAÇÃO AO ALUNO E À FAMÍLIA (GAIAF ) PROGRAMA DE COMBATE À INDISCIPLINA (PCI) PÕE- TE A MEXER EQUIPA DE SAÚDE ESCOLAR/EDUCAÇÃO SEXUAL SEGURANÇA NA ESCOLA CERTIFICA- TE PARA O FUTURO CLUBES ESPAÇO MIMO MAIS INTEGRAÇÃO, MELHORES OPORTUNIDADES VISITAS DE ESTUDO ANIMA- TE EM FAMÍLIA ENVOLVIMENTO PARENTAL AGIR SOLIDÁRIO 196 EIXO 3 GESTÃO E ORGANIZAÇÃO MONITORIZAÇÃO AVALIAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO TEIP COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA (CAI) ASSOCIAÇÃO DE PAIS (APESCA) E ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES E ESCOLA DE PAIS ESIC EM COMUNICAÇÃO MUSEUESIC CONCELHO EM REDE 235 3

4 INTRODUÇÃO Mais oportuno do que qualquer texto introdutório será lembrar os momentos relevantes da ESIC ao longo de : Data Momentos relevantes da ESIC setembro de 2013 Acesso ao ensino superior 1ª fase / 1ª preferência: 62 alunos; 2 alunos entraram em Medicina e 2 em Arquitetura. setembro de 2013 Estudantes de referência reconhecidos no Rotary Club de Vila Nova de Gaia 2 alunos da ESIC receberam o devido reconhecimento com a média de 20 valores. 18 de dezembro de Ano Internacional da Matemática e do Planeta Terra Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto atribuição do 1º prémio a 3 alunos do projeto Kranius. dezembro de 2013 Entrega dos diplomas de méritos a 78 alunos da ESIC. janeiro de 2014 Estudo desenvolvido pela Faculdade de Psicologia do Porto, no âmbito da Ciências da Educação, que considerou como amostra os resultados nacionais de escolas que nunca integraram o Programa TEIP, oito escolas TEIP e ainda a ESIC, estabelecendo uma comparação de resultados obtidos na avaliação interna e nos exames nacionais. É com grande regozijo que se verifica a superioridade quase omnipresente da ESIC ao conseguir superar os resultados nacionais destacando-se das oito escolas que integram o Programa TEIP. janeiro de 2014 Entrega de diplomas aos 55 alunos voluntários - Missão Sorriso fruto da parceria estabelecida com a Cruz Vermelha de Vila Nova de Gaia, após assinatura do respetivo protocolo. fevereiro de 2014 Desporto Escolar ESIC - Campeã Regional de Atletismo. abril de 2014 Final Nacional das Olimpíadas da CriAtividade 2014 (classe sénior) 1º prémio (Plano de ação em Sketch) e 2º prémio (modalidade Resolução de Assuntos Globais). 4

5 março de 2014 Relatório Final PEE/TEIP Desporto Escolar ESIC A melhor escola de Gaia na modalidade de Atividades Rítmicas Expressivas. março de 2014 Desporto Escolar Corta Mato Regional Porto 1º lugar / abril de 2014 abril de 2014 abril de 2014 maio de 2014 maio de 2014 junho de 2014 Feminino/ Júnior e 3º lugar Masculino / Júnior. Convite formulado pela Universidade Católica do Porto: apresentação oral das Estratégias de Diferenciação Pedagógica e Trabalho Colaborativo no âmbito do Português. Desporto Escolar Campeões de Futsal Feminino / Juvenis. Selo de Escola Voluntária atribuído pelo MEC. Convite formulado pela Universidade Católica do Porto: apresentação oral de Práticas de Disciplinação e Implicação dos Alunos Projeto: Programa de Combate à Indisciplina (PCI). Parlamento dos Jovens Sessãonacionalna Assembleia da Republica Quadro de Honra energia com vida, escolas solidárias EDP Gás Julho de

6 Eixos/Ações/Metas - Balanço EIXO 1 - APOIO À MELHORIA DAS APRENDIZAGENS RUMO AO SUCESSO 1 - RESULTADOS ESCOLARES : Resultados Testes intermédios Ensino Básico: Ano Disciplina Média interna Média nacional 9.º Português 52,3 57,3-5,0 9.º Matemática 35,1 45,8-10,7 Ensino Secundário: Ano Disciplina Média interna Média nacional 11.º Matemática A 9,6 9,5 + 0,1 11.º Física e Química A 9,3 9,4-0,1 11.º Biologia e Geologia 10,0 10,1-0,1 12.º Português 12,0 11,3 + 0,7 12.º Matemática A 11,1 11,6-0,5 12.º Matemática A 7,3 8,9-1,6 6

7 Domínio 2 Sucesso escolar na Avaliação Interna 3º Ciclo do Ensino Básico/Metas a atingir Submeta A: Baixar a taxa de insucesso escolar de 20,53% para 15,53%, isto é, 84,47%de sucesso escolar. Meta alcançada em 97,27% Sucesso escolar no 3 º ciclo avaliação interna/ meta alcançada em 97,53% 2.1- Sucesso escolar 3º ciclo - últimos 3 anos letivos: Ano letivo % Sucesso escolar % Insucesso 2010/11 80,57% 19,43% 2011/12 75,7% 24,30% 2012/13 82,15% 17,85% 2013/14 82,17% 17,83% 7

8 Submeta B: Aumentar a percentagem de alunos com níveis positivos a todas as disciplinas de 36,68% para 40,68% Meta alcançada em 100% Meta a alngir no 3º ciclo: 267 alunos com níveis posilvos a todas as disciplinas Meta alcançada em 100% (279 alunos com níveis posilvos a todas as disciplinas) Alunos do terceiro ciclo com níveis positivos a todas as disciplinas/ meta alcançada em 100% Alunos sem níveis negativos 3º ciclo últimos dois anos: Ano letivo Alunos avaliados Alunos sem níveis negativos % de alunos sem negativas 2011/ ,04% 2012/ ,31% 2013/ (PIEF e CEF) ,45% 8

9 Domínio 2 Sucesso escolar na Avaliação Interna Ensino Secundário Cursos Científico- Humanísticos Submeta A: Baixar a taxa de insucesso escolar de 17,81% para 12,81%, isto é, 87,19% de sucesso escolar Meta alcançada em 93,03 % Sucesso escolar no 3 º ciclo avaliação interna/ meta alcançada em % 2.3- Ensino Secundário últimos 3 anos letivos: Ano letivo % Sucesso escolar % Insucesso 2010/11 79,33% 20,67% 2011/12 78,85% 21,15% 2012/13 88,38% 11,62% 2013/14 81,12% 18,88% 9

10 Submeta B: Aumentar a percentagem de alunos com níveis positivos a todas as disciplinas de 62,96% para 66,96% Meta alcançada em 99% Meta a alngir no ensino secundário: 210 alunos com classificação posilva a todas as disciplinas Meta alcançada em 99% (208 alunos com classificação posilva a todas as disciplinas) Alunos do terceiro ciclo com níveis positivos a todas as disciplinas/ meta alcançada em 99% Alunos sem classificações negativas Ensino Secundário últimos três anos: Ano letivo Alunos avaliados Alunos sem níveis negativos % de alunos sem negativas 2011/ ,29% 2012/ ,62% 2013/14 Al inscritos a todas as disciplinas ,66% 10

11 EIXO 2 - PREVENÇÃO DO ABANDONO, ABSENTISMO E INDISCIPLINA AÇÕES - VALORIZA- TE PELA ESCOLA Domínio 4- Indisciplina: Meta alcançada em 100% Em 2012/2013, 34 alunos foram sujetos a medidas disciplinares Indisciplina:nº de medidas disciplinares por aluno Em, 38 alunos foram sujetos a medidas disciplinares Meta alcançada em 100% Nº total de Medidas Ano letivo Nº de alunos Medidas disciplinares por inscritos disciplinares aluno (MDA) 2011/ , / , / ,03 11

12 Eixo I Apoio à melhoria das Aprendizagens Eixo II Prevenção do Abandono, Absenusmo e Indisciplina Eixo III Gestão e Organização Rumo ao Sucesso 1.1 EMIP s Valoriza- te pela Escola 2.1 Gabinete de Apoio e Informação ao Aluno e à Família - GAIAF Avaliando o Projeto UP 1.3Espaços EducaLvos 1.4 Reforços Pedagógicos 1.5 Disciplinas de Oferta de Escola 1.6 Ação Tutorial 2.2 Programa de Combate à Indisciplina (PCI) 2.3 Põe- te a Mexer 2.4 Equipa de saúde Escolar/ Educação Sexual 2.5 Segurança na Escola 3.1 Monitorização e Avaliação do Projeto EducaLvo TEIP 3.2 Comissão de Avaliação Interna 1.7 Português em Ação 1.8 MatemáLca em Ação 2.6 CarLfica- te para o futuro 2.7 Clubes 3.3 Associiação de Pais, Associação de Estudantes e Escola de Pais 1.9 Olimpíadas 1.10 Educação Especial 1.11 CriALvos 2.8 Espaço MIMO 2.9 Visitas de Estudo 3.4 ESIC em Comunicação 1.12 Krânius 2.10 Anima- te em Família 3.5 Museu ESIC 1.13 Oficinas Pedagógicas 2.11 Envolvimento Parental 1.14 Biblioteca 2.12 Agir solidário 3.6 Concelho em Rede PEE/ respeitando as orientações da avaliação externa de dezembro de

13 13

14 APOIO À MELHORIA DAS APRENDIZAGENS AÇÃO RUMO AO SUCESSO Domínio 1 Sucesso escolar na Avaliação Externa Pontos a atingir: 4 (1 por prova) 3º Ciclo do Ensino Básico/Metas a atingir EIXO 1 Examesnacionais- Língua Portuguesa (91)e Matemática (92)-9º ano: É necessário cumprir as submetas A ou B: Examesnacionais- Língua Portuguesa e Matemática 9º ano Submeta A Taxa de sucessodaesic mais próxima do valor nacional. Submeta B Classificação Média da ESIC mais próxima do valor nacional. Ensino Secundário - Cursos Científico- Humanísticos Metas a atingir Examesnacionais - Português (639) e Matemática A (635)-12ºano: É necessário cumprir as submetas A e B: Exames nacionais Português e Matemática A - 12º ano Submeta A Manter a Taxa de sucesso da ESIC em relação ao valor nacional. Submeta B Manter a Classificação Média da ESIC em relação do valor nacional. 14

15 Domínio 2 Sucesso escolar na Avaliação Interna Pontos a atingir: 2 (1 por ciclo) 3º Ciclo do Ensino Básico/ Ensino Secundário - Cursos Científico- Humanísticos Metas a atingir: 3º Ciclo e Ensino Secundário Baixar a taxa de insucesso escolar; ou Aumentar a percentagem de alunos com classificação positiva em todas as disciplinas. 15

16 COORDENADORAS Relatório Final PEE/TEIP Dr.ª Maria João Pereira Dr.ª Cristina Sousa OBJETIVOS Promover o sucesso educativo; Estimular as aprendizagens dos alunos com capacidades excecionais; Estimular os alunos para uma cultura de sucesso; Consolidar a sequencialidade pedagógica na transição do 2º para o 3º ciclo e deste para o ensino secundário; Fomentar a supervisão da prática letiva, em sala de aula, enquanto processo de partilha e troca de experiências pedagógicas inovadoras; Consolidar o trabalho colaborativo entre os vários agentes da comunidade. 16

17 Ação 1 - Rumo ao Sucesso EMIP S Responsável: Dr.ª Ana Barbosa (Educadora Social) n DIAGNÓSTICO/FUNDAMENTAÇÃO As Equipas Multidisciplinares de Intervenção Pedagógica EMIP s - são grupos de trabalho constituídos pelo Diretor de Turma, pelos Técnicos dos Serviços Técnico- Pedagógicos, o Coordenador e/ou Subcoordenador dos Diretores de Turma do 3º ciclo que analisam os casos dos alunos do 8ºano com necessidade de acompanhamento a nível académico, disciplinar, social e psicológico,definindo o programa de intervenção específico para cada aluno. n OBJETIVOS( enunciados no relatório semestral) n OPERACIONALIZAÇÃO A Equipa Multidisciplinar de Intervenção Pedagógica EMIP reuniu vinte e quatro vezes durante o ano letivo com o Diretor de Turmae com o Coordenador e/ou Subcoordenador dos Diretores de Turma do 3º ciclo com o intuito de avaliar/sinalizar situações problemáticas que justifiquem uma atuação técnicadefinindo a intervenção a adoptar com os alunos sinalizados. Para além das EMIP`S, os Técnicos estiveram presentes nos conselhos de turma intercalares na perspectiva de prestar informações e obter outras junto dos docentes, o que permite agilizar futuras intervenções. 17

18 - Recursos humanos mobilizados Recursos humanos mobilizados Docentes Técnicos Função 1 Coordenador DT s 1 Subcoordenador DT s 8 Diretores de Turma 1 Educação Especial Educadora Social Psicólogos (nº) (Tempos 50 /semanais) Total

19 - Alunos Sinalizados nas EMIP`S Turma Nº de Alunos Sinalizados 8º A 5 8º B 6 8º C 1 8º D 4 8º E 9 1º SEMESTRE 2º SEMESTRE Intervenção / Técnicos Educadora Social Psicóloga Tutoria Educadora Social Resultados da Intervenção Em fase inicial Alta Melhorou Em fase inicial Estratégias a aplicar no 2º semestre Mantém acompanhamento Mantém tutoria Mantém acompanhamento Nº de Alunos Sinalizados 5 Intervenção / Técnicos Educadora Social Psicóloga Tutoria Educadora Social Psicólogo Psicóloga Psicóloga Psicólogo Tutoria Psicólogo Tutoria Psicóloga Melhorou A aguardar atendimento Alta E.E. não autorizou acompanhamento Em fase inicial Mantém Em fase inicial Mantém acompanhamento Não se aplica Não se aplica Mantém acompanhamento Mantém acompanhamento Mantem acompanhamento 6 Psicóloga Psicólogo Psicóloga Tutoria Sem alteração Mantém tutoria Tutoria Tutoria Começou c/ vigilância Agravou Piorou Reforço intervenção externa à escola Proposto(a) p/ tutoria Sessão com Educadora Social Tutoria Resultados da Intervenção Melhorou Melhorou Melhorou Melhorou Melhorou Melhorou Sem alteração Melhorou Sugestões para o ano letivo 2014/2015 Manter sob vigilância Manter sob vigilância Não se aplica** Manter sob vigilância Manter acompanhamento Manter sob vigilância Manter sob vigilância 1 Tutoria Melhorou Manter vigilância Psicóloga Psicóloga Alta Em fase inicial Mantém acompanhamento Psicóloga Manteve Psicóloga A aguardar atendimento 4 Psicóloga Manteve Psicóloga Alta Educadora Mantém Educadora Em fase inicial Social acompanhamento Social Manteve Sem alteração Mantém tutoria Tutoria Tutoria Melhorou A aguardar Psicóloga Psicóloga Alta atendimento Psicóloga Melhorou Mantém acompanhamento Educadora Social Tutoria Psicóloga Psicólogo Em fase inicial Em fase inicial Em fase inicial Melhorou Mantém acompanhamento Mantém acompanhamento Mantém acompanhamento Mantém apoio até ser chamado(a) p/ Pedopsiquiatria 10 Manter acompanhamento Manter acompanhamento Manter acompanhamento Psicóloga Alta Educadora Social Psicólogo Tutoria Psicóloga Psicólogo Manteve Alta Melhorou Alta Manter vigilância * ** 19

20 8º F 4 Educadora Social Psicóloga Psicóloga Psicóloga Melhorou Melhorou Melhorou Em fase inicial Mantém acompanhamento Mantém acompanhamento Mantém acompanhamento Mantém acompanhamento Educadora Social Psicóloga E. Especial Educadora Social Psicóloga Psicóloga Melhorou Melhorou Em fase inicial Melhorou Melhorou A aguardar atendimento Vigilância Mantém acompanhamento Não se aplica Vigilância Mantém acompanhamento 5 Educadora Social Psicóloga Alta Alta Psicóloga Alta Psicóloga Alta Educadora Social**** Educadora Social Psicóloga E. Especial Educadora Social Melhorou Melhorou Melhorou Melhorou Manter acompanhamento Psicóloga Melhorou Manter vigilância Psicóloga***** 8ºG 10 8º H 2 Tutoria Melhorou Mantém Tutoria Tutoria Psicóloga Educadora Social Educadora Social Psicóloga Educação Especial Psicóloga Tutoria Psicóloga Educadora Social Educadora Social Psicóloga Sem alteração Melhorou Em fase inicial Melhorou Melhorou Melhorou Melhorou Em fase inicial Sem alteração Melhorou Em fase inicial Melhorou Mantém Tutoria Mantém acompanhamento Mantém acompanhamento Vigilância Mantém acompanhamento Apoio Pedagógico Personalizado Ad. Curriculares Individuais Ad. no processo de avaliação Mantém acompanhamento Mantém acompanhamento Vigilância Mantém acompanhamento Mantém acompanhamento 11 Tutoria Educadora Social Alta Alta Psicóloga Alta Educadora Social Educadora Social Psicóloga Educação Especial Psicóloga Tutoria Manteve Manteve Alta Manteve Alta Melhorou Manter vigilância Apoio Pedagógico Personalizado Ad. Curriculares Individuais Ad. no processo de avaliação Psicóloga Alta Educadora Social Psicóloga Tutoria***** Assistente Social Educação Especial Em fase inicial Melhorou Mantém acompanhamento Apoio Pedagógico Personalizado Ad. no processo de avaliação 2 Alta Alta Tutoria Melhorou Psicóloga Alta Educadora Social Educação Especial Alta Manteve Apoio Pedagógico Personalizado Ad. no processo de avaliação Total O Técnico acompanhou a transferência de escola do aluno, por decisão do E.E. ** Intervenção exterior à escola. *** Processo encaminhado para serviços exteriores à escola (Hospital de Vila Nova de Gaia) **** Aluna encontra-se fora do país ***** E.E. não autorizou acompanhamento 20

21 n AVALIAÇÃO As sinalizações efectuadas nas EMIP`S pelos diretores de turma e/ou pelos Técnicos foram encaminhadas e distribuídas (consoante as problemáticas) para os diferentes serviços que a escola dispõe. Alguns destes alunos foram encaminhados para Tutoria, bem como para as Atividades de Acompanhamento ao Estudo para aquisição de competências de estudo e melhoria de eventuais défices de aprendizagem. As turmas do 8ºano de escolaridade abrangem um total de 191 alunos, tendo no primeiro semestre sido contabilizados 41 alunos com processo aberto e no segundo semestre 44 alunos. No entanto é de salientar que apesar do número total de alunos ter aumentado no segundo semestre, podemos verificar, segundo tabela supracitada, que 18 alunos tiveram alta. Estes alunos apesar de terem alta, nas reuniões houve uma continuidade na discussão da sua evolução, assim sendo podemos contabilizar 26 alunos com efectivo acompanhamento. - Avaliação do processo Aos DT s das oito turmas envolvidas nas EMIP s foram passados questionários de avaliação sobre o trabalho efetuado pelos técnicos do STP. Destes, foram respondidossete, tendo sido reconhecido o valor do acompanhamento dado aos alunos e às respectivas famílias conforme o quadro que se apresenta. - Grau de satisfação EMIP`s por parte dos Diretores de Turma do 8º ano Parâmetros de Avaliação Nível médio de satisfação Disponibilidade dos Técnicos: Na colaboração para a resolução de problemas 5 Acompanhamento nas situações de falta de assiduidade / abandono escolar 5 Na apresentação/discussão de diferentes estratégias a adotar 5 No atendimento a alunos 5 No atendimento a pais /E.E. e D.T. 5 Para a realização de visitas domiciliárias 5 No apoio para a orientação escolar e profissional e/ou para outras atividades 5 que motivem os alunos No maior acompanhamento dos alunos no seu percurso escolar 5 Na colaboração/articulação entre as várias entidades (Ex.: CPCJ, Segurança 5 21

22 Social, outros Técnicos) Outros aspetos: Número de Técnicos da Escola 4 Importância da existência na Escola de uma equipa de Técnicos 5 multidisciplinar (Educador Social e Psicólogos) Comunicação/articulação das E.M.I.P. s e o Conselho de Turma 5 Informação junto dos D.T. s sobre o funcionamento das E.M.I.P. s 5 Informação prévia ao D.T. sobre as características dos alunos sinalizados 4 (1 - Muito Fraco; 2 - Fraco; 3 - Razoável; 4 - Bom; 5 Muito Bom) Indicadores Junho de 2011 Junho de 2012 Junho de 2013 Junho de alunos sinalizados (92 reuniões) 254 alunos sinalizados (81 reuniões) 225 alunos sinalizados (57 reuniões) 44 alunos sinalizados (24 Reuniões) Metas atingidas: Dar resposta às sinalizações de alunos e pedidos de intervenção; Realizar pelo menos 3 reuniões EMIP por turma de 8º ano ao longo do ano letivo. 22

23 Ação 1 - Rumo ao Sucesso UP (mais sucesso, menos indisciplina) Responsáveis: Dr.ª Manuela Carvalho Subdiretora e Dr.ª Maria João Pereira Representante do Conselho de Supervisão Pedagógica n DIAGNÓSTICO/FUNDAMENTAÇÃO O início de um novo ano letivo é sempre um desafio para alunos, professores e pais. Em particular paraos discentes que vão iniciar um novo ciclo de estudos, numa nova escola, esse desafio toma outrasproporções. É natural que haja receios, insegurança, curiosidade e outros sentimentos transversais atodos os intervenientes. É também o momento ideal para agarrar e motivar todos aqueles que duranteo ano letivo vão trabalhar de forma muito próxima. É nessa direção que segue o projeto7up. Em Setembro, chegam à escola, alunos provenientes de outras escolas, com outras regras, com outros hábitos, com conhecimentos e aprendizagens melhor ou pior realizadas. Estão no entanto todos prontos a iniciar noutro ciclo, um novo ano, o 7º ano. É então com estes novos alunos que se inicia o desafio de desenvolver um trabalho que se pretende bem sucedido. n OBJETIVOS( enunciados no relatório semestral) Operacionalização: 23

24 Com base nos princípios de uma boa relação pedagógica, o contexto de sala de aula serve de cenáriopara uma aprendizagem ativa e estimulante onde se relacionam os conteúdos escolares com a vida diária dos alunos. No período de preparação do novo ano letivo, as diferentes áreas disciplinares definiram o perfilde conhecimentos do aluno que inicia o sétimo ano de escolaridade. Ainda nesse período prévio e numa estreita articulação entre a Direção, as Coordenadoras de Departamento e os docentes responsáveis pelas várias áreas disciplinares foram selecionados professores para a constituição de equipas pedagógicas que semanalmente reuniram em conselhos de coordenação pedagógica e acompanharam os projetos das várias turmas com base na definição de estratégias onde haja lugar à interdisciplinaridade. Os critérios de seleção dos docentes foram: aexperiência de lecionação do sétimo ano de escolaridade e a recetividade em trabalhar com este níveletário de alunos. De entre os elementos que constituem cada equipa pedagógica foi nomeado o Diretor de Turma que está diretamente envolvido na promoção da aproximação da família à escola, de forma atornar esse envolvimento parental mais eficaz, através de um contacto regular com os encarregados deeducação. Paralelamente, para cada equipa pedagógica foi igualmente nomeado um coordenador do projeto turmaque liderará, em parceria com o diretor de turma, as reuniões semanais de coordenação pedagógica. A interdisciplinaridade orienta o trabalho pedagógico desses conselhos de turma numa periodicidadesemanal e a planificação das atividades a realizar em sala de aula tem como base a resolução deproblemas partindo das experiências dos alunos e das aprendizagens a promover. No início do ano letivo foi realizado, tal como foi dito anteriormente, o diagnóstico das aprendizagens que forneceu uma informação relevante para a definição da intervenção a realizar nos novos percursos de aprendizagem. Com o intuito de melhorar o desempenho no domínio da língua materna dos alunos foi desenvolvida uma formação específica dirigida aos diretores de turma dos sétimos anos, orientada por uma docente especializada do quadro de escola através de duas sessões formativas com a duração de seis horas. Este trabalho foi alargado aos vários conselhos de turma com o auxílio dos professores de português que integram os mesmos e que produziram material didático específico. 24

25 Recursos humanos mobilizados Recursos humanos mobilizados Nº de Equipas Pedagógicas (nº de Docentes) Alunos envolvidos (Coordenadoras pedagógicas) Equipa pedagógica turmas: 7º A e 7º B Dr.ª Gabriela Reis Equipa pedagógica turmas: 7º C e 7º H Equipa pedagógica turmas: 7º D e 7º E Equipa pedagógica turmas: 7º F e 7º G Dr.ª Filomena Pinto Dr.ª Ana Félix Dr.ª Dulce Peixoto Total n AVALIAÇÃO Avaliação do processo: Resultados dos alunos do 7 UP/ análise comparativa : 100,00% 90,00% 80,00% 70,00% 60,00% 50,00% 40,00% 30,00% 20,00% 10,00% 0,00% C.F.Qu ímica Resultados escolares - 7º ano 2012/ /14 (UP) C. Natura is E. Física E. Visual Francê s Geogr afia Históri a Inglês Mate Portug málca uês 2012/13 76,42% 76,86% 97,38% 94,32% 78,60% 82,10% 77,73% 72,05% 46,29% 57,64% 94,76% 2013/14 (UP) 71,65% 76,29% 97,94% 87,11% 82,99% 79,38% 67,53% 71,65% 57,22% 68,56% 96,91% TIC 25

26 Disciplinas com % de melhoria Português MatemáLca Francês Educação Física 0,00% 2,00% 4,00% 6,00% 8,00% 10,00% 12,00% Educação Física Francês MatemáLca Português % de melhoria 0,56% 4,39% 10,93% 10,92% Sucesso escolar - 7ºano 2013/14 (UP) 2012/13 % de sucesso 77,65% 77,93% 26

27 Metas atingidas: Aumentar o sucesso escolar -META NÃO ALCANÇADA- a todas as disciplinas; Constituíram-se equipas pedagógicas de acordo com a metodologia do projeto 7 UP; Reduzir as ocorrências de natureza disciplinar; Maior envolvimento dos encarregados de educação dos alunos; Aumentar o número de alunos apadrinhados, pelos alunos mais velhos, no âmbito do ASF META NÃO ALCANÇADA; Aumentar os alunos envolvidos no projeto ASF META NÃO ALCANÇADA. 27

28 1.3- Espaços Educativos Ação 1 - Rumo ao Sucesso Responsáveis: Dr.ª Inês Sousa e Dr.ª Natália Cunha Docentes Atividades de Acompanhamento ao Estudo n DIAGNÓSTICO/FUNDAMENTAÇÃO No intuito de apoiar de forma regular os alunos do ensino básico para promover o sucesso escolar, deu-se continuidade às Atividades de Acompanhamento ao Estudo, tendo-se procedido a algumas adaptações no seu formato. Deste modo, este apoio desenvolve-se, semanalmente, na sala de cada turma, durante dois tempos letivos de cinquenta minutos, implicando a presença de dois professores de áreas distintas e estando a atividade integrada no horário da turma. No sétimo ano, todos os alunos frequentam as AAE, de acordo com o estipulado no Projeto Sete Up. No oitavo ano e no nono ano, só os alunos com insucesso frequentam obrigatoriamente estas actividades. n OBJETIVOS (enunciados no relatório semestral) n OPERACIONALIZAÇÃO Ao longo do ano, cada turma usufruiu de dois tempos letivos semanais destinados às Atividades de Apoio ao Estudo. Esse tempo semanal min foi integrado no horário da turma, tendo os alunos permanecido na sua sala de aula, acompanhados por dois docentes, de áreas distintas letras e ciências. A maioria dos docentes afetos a este serviço lecionava a turma. Cada turma foi dividida em dois grupos, frequentando cada grupo 50 minutos por semana. Os alunos envolvidos neste projeto foram avaliados qualitativamente no final de cada período, de acordo com uma grelha de avaliação disponibilizada aos respetivos docentes. As estratégias utilizadas foram diversificadas de acordo com as especificidades de cada grupo e as suas necessidades. Para além disso, foi solicitada a colaboração do conselho de turma no sentido de uma adequação efetiva das estratégias a implementar para promover o sucesso. 28

29 - Recursos humanos mobilizados Recursos humanos mobilizados (tempos de (Código) 50 /semana) Coordenadoras 300/ Professores Total 98 - Alunos Envolvidos (destinatários) Ano de Escolaridade Nº de Alunos Envolvidos 7º ano 199 8º ano 132 9º ano 150 Total 481 Ao longo do ano, verificou-se um aumento do número de alunos envolvidos, sendo residual o número de alunos que em cada turma não participou nestas atividades. Com efeito, 81% dos alunos do terceiro ciclo do ensino básico usufruíram deste apoio. n AVALIAÇÃO - Avaliação do processo 29

30 A monitorização destas atividades passou pela aplicação de questionários que apuraram o grau de satisfação dos agentes educativos envolvidos alunos; professores e encarregados de educação. Seguem-se os gráficos ilustrativos das respostas obtidas. - Alunos A amostragem foi de 298 alunos em 481alunos envolvidos 62% Considera que a sua atitude (empenho, comportamento, material,...) durante estas atividades foi geralmente correta % nem sempre correta % pouco correta. 12 4% Considera que o apoio prestado pelos professores nestas atividades correspondeu globalmente às suas necessidades % correspondeu parcialmente às suas necessidades % não correspondeu às suas necessidades % Considera que o contributo das AAE para a melhoria do seu aproveitamento escolar foi bom % suficiente % insuficiente % Em termos gerais, considera que as AAE funcionaram de modo bastante satisfatório % satisfatório % pouco satisfatório % - Professores A amostragem foi de 100%, uma vez que todos os professores responderam. 30

31 Dos obstáculos abaixo discriminados, qual considera que foi o maior impedimento ao bom funcionamento das AAE Desinteresse dos alunos Comportamento inadequado Falta de material para a realização das atividades 68% 18% 14% As AAE contribuíram para a evolução na aprendizagem de a maioria dos alunos. alguns alunos. poucos alunos. 9% 61% 30% O conselho de turma participou nestas atividades (enviando materiais, indicando as dificuldades dos alunos, solicitando a realização de tarefas,...) Sim. Por vezes. Não 9% 65% 26% Em termos gerais, considera que as AAE funcionaram de modo pouco satisfatório. satisfatório. bastante satisfatório. 39% 52% 9% - Encarregados de Educação A auscultação dos encarregados de educação foi efetuada por via eletrónica, tendo sido enviado um através dos diretores de turma aos encarregados de educação dos alunos envolvidos. Todavia, uma vez que só se obtiveram 21 respostas, os dados obtidos constituem apenas um indicador da avaliação dos encarregados de educação. 31

32 Na sua opinião, as AAE constituíram um benefício para a aprendizagem do seu educando Sim 18 86% Não 3 14% Na sua opinião, as AAE constituíram uma sobrecarga desnecessária no horário semanal do seu educando Sim 5 24% Não 16 76% Considera que o contributo das AAE para a melhoria do seu aproveitamento do seu educando foi Muito relevante 5 24% Relevante 13 62% Irrelevante 3 14% Em síntese, de um modo geral, na perspetiva tanto dos professores como dos alunos, as atividades têm funcionado de modo satisfatório e têm contribuído para a progressão na aprendizagem, embora o desinteresse dos alunos seja apontado como o principal obstáculo na obtenção de melhores resultados. No entanto, é de salientar que o balanço dos alunos relativamente as estas atividades é claramente mais favorável do que o dos professores.com efeito, 77% dos alunos considerou o contributo das AAE para a sua aprendizagem como bom/suficiente e 79% entenderam que o funcionamento global desta atividade foi satisfatório/bastante satisfatório. Já no que diz respeito aos professores apenas 61% consideraram o funcionamento global desta atividade satisfatório/bastante satisfatório. Porém, para os encarregados de educação, as AAE foram claramente benéficas para os 32

33 seus educandos, o que os leva mesmo a solicitar um reforço do tempo semanal atribuído, ou a propor a frequência dos dois tempos semanais pelos alunos com mais dificuldades. n PROPOSTAS/REAJUSTES Embora, globalmente, os diferentes intervenientes tenham avaliado estas atividades de forma satisfatória, continua a ser necessário desenvolver um trabalho de consciencialização, especialmente ao nível dos discentes, alertando-os para a necessidade de encararem estas atividades com a seriedade desejável e de assumirem uma postura adequada. Neste sentido, a colaboração dos encarregados de educação, que manifestaram ao longo deste ano letivo reconhecer o valor deste projeto, poderá constituir um importante apoio. Por último, é de destacar que se verificou neste ano letivo uma maior participação por parte do conselho de turma nas AAE, tendo-se minorado um dos problemas detetados no passado ano. Sala de estudo n DIAGNÓSTICO/FUNDAMENTAÇÃO A Sala de Estudo é um espaço fundamental na ESIC e está instituída como um espaço pedagógico privilegiado para os discentes estudarem. Aqui podem encontrar um conjunto de meios materiais e humanos, que os pode ajudar a ultrapassar as dificuldades que, por vezes, não conseguem resolver na sala de aula. Este espaço destina-se prioritariamente aos alunos do ensino secundário, uma vez que os alunos do ensino básico dispõem de apoio semanal em sala de aula. No presente ano letivo, a Sala de Estudo manteve-se junto da Biblioteca e adquiriu uma nova valência que foi assegurar, em parceria com este espaço, as atividades de substituição por motivo de ausência imprevista do professor. n OBJETIVOS (enunciados no relatório semestral) 33

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA RELATÓRIO FINAL

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA RELATÓRIO FINAL PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA RELATÓRIO FINAL Acolher, Formar e Preparar para a Vida 2012-2013 Canidelo Junho de 2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 PROJETO/AÇÕES/ METAS... 4 PROJETO EDUCATIVO TEIP QUADRO RESUMO..11

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE RECUPERAÇÃO / DESENVOLVIMENTO / ACOMPANHAMENTO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE RECUPERAÇÃO / DESENVOLVIMENTO / ACOMPANHAMENTO 15.9.7/9 Relatório Planos 8-9. Canas de Senhorim Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim (Cód. 161755) Escola EB 2,3/S Engº Dionísio A. Cunha (Cód. 345842) Canas

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013 Grupo Disciplinar de Filosofia Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina de Filosofia Ano letivo de 2012/2013 A Coordenadora de Grupo Disciplinar: Maria João Pires

Leia mais

Relatório de auto avaliação

Relatório de auto avaliação Relatório de auto avaliação 2011/2012 Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 1 Documento para reflexão Índice 1- Resultados escolares 2- Relatório de Indisciplina 3- Apoios Educativos 4- Atividades

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz Plano de Ações de Melhoria Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz 2012/2014 i INDICE INTRODUÇÃO... 1 2. PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA... 3 2.1 IDENTIFICAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS... 3 2.2 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia Relatório Anual de Progresso Contrato de Autonomia 1- INTRODUÇÃO Tendo em conta o artigo 8º da Portaria nº 265/2012 de 30 de agosto, a escola/agrupamento com contrato de autonomia deve produzir um relatório

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Programa de Apoio Educativo. Escola Básica Integrada da Praia da Vitória

Programa de Apoio Educativo. Escola Básica Integrada da Praia da Vitória Programa de Apoio Educativo Escola Básica Integrada da Praia da Vitória Ano Letivo 2013/2014 Índice 1- Fundamentação Legal 2 2- Definição de Programa de Apoio Educativo 2 3- Finalidades. 2 4- Destinatários.

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1 DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123 Plano de Melhoria Página 1 Introdução... 3 Identificação das áreas de melhoria... 3 Visão geral do Plano de Melhoria...

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 0/0 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 ÍNDICE - Introdução...

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 JULHO 2015 1 Preâmbulo O presente documento estabelece orientações para a organização do ano letivo 2015-2016 no que concerne a horários, constituição de turmas e distribuição

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA A Escola Secundária Quinta das Palmeiras Covilhã celebrou com o Ministério da Educação e Ciência (MEC)

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO Ano Letivo 2015-2016 ÍNDICE ÍNDICE 2 CAPÍTULO I 3 (Introdução) 3 CAPÍTULO II 3 (Objetivos) 3 CAPÍTULO III 4 (Destinatários) 4 CAPÍTULO IV

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

Agrupamento de Escolas D. Sancho I Vila Nova de Famalicão. Relatório de Avaliação do Projeto Educativo do Agrupamento 2013/2014

Agrupamento de Escolas D. Sancho I Vila Nova de Famalicão. Relatório de Avaliação do Projeto Educativo do Agrupamento 2013/2014 Agrupamento de Escolas D. Sancho I Vila Nova de Famalicão Relatório de Avaliação do Projeto Educativo do Agrupamento 2013/2014 PAR Índice Introdução 4 1. Avaliação Final do Sucesso Académico 5 1.1. Ensino

Leia mais

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela. Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.pt Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação 15 de fevereiro de

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA COM CONTRATO DE AUTONOMIA 14/10/2013 Acolher, Formar e Preparar para a Vida PLANO PLURIANUAL DE MELHORIA 2014 2017 Canidelo abril 2015 2 Índice Parte I Que Escola Somos 4 1.

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Relatório de atividades do Conselho Geral

Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Uma Educação de Qualidade para Construir o Futuro 2009/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO CONSELHO GERAL (2009-2011)

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS 1. INTRODUÇÃO Este documento tem por objetivo estabelecer o Sistema de Gestão da Qualidade das Atividades Pedagógicas da ESTBarreiro/IPS

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA Regulamento geral de avaliação dos alunos Outubro / 2014 Índice I PRINCÍPIOS... 3 II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 III- IMPLEMENTAÇÃO... 4 IV - COMPETÊNCIAS A AVALIAR

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Diário da República, 1.ª série N.º 14 26 de Julho de 2007 4785 Artigo 2.º Entrada em vigor O presente decreto -lei entra em vigor no 1.º dia do mês seguinte ao da sua publicação. Visto e aprovado em Conselho

Leia mais

Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14

Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14 Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14 (Aprovados após o parecer favorável do Conselho Pedagógico, de acordo com o Decreto-Lei nº 75/2008, de 22 de abril) Pré-escolar As principais

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 É pela vivência diária que cada um de nós aprende a conhecer-se e a respeitar-se, conhecendo e respeitando os outros, intervindo, transformando e tentando melhorar

Leia mais

PROJECTO CURRICULAR 1

PROJECTO CURRICULAR 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI GONÇALO DE AZEVEDO PROJECTO CURRICULAR 1 Documento de orientação e organização pedagógica para o ano letivo 2013/14 Aprovado em Conselho Pedagógico 3 Julho 2013 1 O Projecto

Leia mais

PEA PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura.

PEA PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura. PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura. 1. Nota Introdutória Este documento agora apresentado, resulta da avaliação efetuada

Leia mais

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18 PLANO DE MELHORIA 2014/15 2017/18 1 - Introdução O Plano de Melhoria (PM) integra um conjunto de procedimentos e estratégias, planificadas e organizadas, a implementar com o objetivo de promover a melhoria

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015 Orientações da SADD 2014/15 Aprovadas no C.P. 14 janeiro 2015 Pág. 1 / 11 \FUNDAMENTAÇÃO Avaliação: Docentes em regime de contrato de trabalho a termo resolutivo Avaliação: Docentes integrados na carreira

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alfena. Plano de Melhoria. 2013/2014 a 2014/2015

Agrupamento de Escolas de Alfena. Plano de Melhoria. 2013/2014 a 2014/2015 Agrupamento de Escolas de Alfena Plano de Melhoria a 2014/2015 outubro 2013 Índice Introdução...3 Resultados da Avaliação Externa...4 Principais Áreas de Melhoria...6 Plano de Ação...7 Considerações Finais...14

Leia mais

P R O G R A M A E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 P L A N O D E I N T E R V E N Ç Ã O 2 0 1 1 / 2 0 1 2

P R O G R A M A E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 P L A N O D E I N T E R V E N Ç Ã O 2 0 1 1 / 2 0 1 2 P R O G R A M A E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 P L A N O D E I N T E R V E N Ç Ã O 2 0 1 1 / 2 0 1 2 Através do Programa Educação 2015, o Ministério da Educação lançou um desafio às escolas no sentido de cada

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

Aumentar o sucesso educativo Taxa de sucesso 7º ano 79% 8º ano 80% 9º Ano 66% Melhorar a qualidade do sucesso

Aumentar o sucesso educativo Taxa de sucesso 7º ano 79% 8º ano 80% 9º Ano 66% Melhorar a qualidade do sucesso ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA PLANO TEIP 2014-2015 AÇÕES (a vermelho, ações propostas, mas que, por motivos de vária ordem, não é possível dinamizar, na totalidade ou nos s ou turmas referidos)

Leia mais

P r o j e t o d e A p o i o E d u c a t i v o

P r o j e t o d e A p o i o E d u c a t i v o P r o j e t o d e A p o i o E d u c a t i v o Dando cumprimento ao estipulado nos Artigos 33º e seguintes do Regulamento da Gestão Administrativa e Pedagógica de Alunos anexo à Portaria nº 60/2012 de 29

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento Avaliação Interna e monitorização do Projeto Educativo do Agrupamento 2014-2015 0 1. INTRODUÇÃO No ano letivo (2012/13), no nosso agrupamento, concluiu-se um processo de autoavaliação iniciado em 2009/10,

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) (Anexo à ata nº 4, da reunião de 07-03-2014) A. LEITURA GLOBAL DOS

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS 2015-2016 1 INTRODUÇÃO No início do ano letivo, compete ao conselho pedagógico do agrupamento definir os critérios de avaliação para cada ciclo e

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ABRIL DE 2014 Índice 1. Introdução

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE

QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ROSA RAMALHO, BARCELINHOS BARCELOS - Cód. 150940 Tel. 253 831090 / 253 831971 Fax 253 821115 Rua Professor Celestino Costa 4755-058 Barcelinhos SECÇÃO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DA TALHA LOURES RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO A equipa de avaliação externa apreciou o contraditório apresentado

Leia mais

Colégio da Imaculada Conceição

Colégio da Imaculada Conceição AVALIAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO 2014/15 Resultados da avaliação (taxas de não transição/ não conclusão, em percentagem) Proposta do PDC Ano 09/10* 10/11* 11/12* 12/13 13/14 14/15 5.º

Leia mais

PROJETO DE APOIO EDUCATIVO

PROJETO DE APOIO EDUCATIVO PROJETO DE APOIO EDUCATIVO 1- INTRODUÇÃO: No âmbito da organização do ano escolar de 2014/2015 aprovou o Conselho Executivo (CE), após parecer favorável do Conselho Pedagógico (CP), o projeto de apoio

Leia mais

PARTE C EDUCAÇÃO. 18966-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 114 16 de junho de 2016

PARTE C EDUCAÇÃO. 18966-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 114 16 de junho de 2016 18966-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 114 16 de junho de 2016 PARTE C EDUCAÇÃO Gabinetes da Secretária de Estado Adjunta e da Educação e do Secretário de Estado da Educação Despacho normativo n.º

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE

RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE ANEXO IV RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE GRUPO ANO LETIVO 2013/2014 I.- CARATERIZAÇÃO DO GRUPO DISCIPLINAR Coordenadora do grupo disciplinar de Francês e Espanhol: Ana Cristina Bernardes Tavares Fazem

Leia mais

Escola Secundária do Padrão da Légua. Gabinete de Inclusão Escolar Ano Lectivo 2010/2011

Escola Secundária do Padrão da Légua. Gabinete de Inclusão Escolar Ano Lectivo 2010/2011 Escola Secundária do Padrão da Légua Gabinete de Inclusão Escolar Ano Lectivo / Relatório trimestral º Período Dando cumprimento ao estipulado no ponto. do º artigo do Regulamento Interno, o Gabinete de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA a Luisa Maria Ferreira Garcia e Costa Madeira Diretora O Plano de Ação Estratégica foi aprovado pelo Conselho Pedagógico, em 11 de outubro de 2012, e recebeu parecer favorável

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita Ano Letivo 2011/2012

Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita Ano Letivo 2011/2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo Ano letivo 2011/2012 Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita

Leia mais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais ANEXO I Regulamento Cursos Vocacionais Março de 2014 1 REGULAMENTO do ENSINO VOCACIONAL Conteúdo Âmbito e definição... 3 Artigo 2º... 3 Destinatários e acesso... 3 Artigo 3º... 3 Organização curricular...

Leia mais

Plano de Formação. do Agrupamento

Plano de Formação. do Agrupamento Plano de Formação do Agrupamento Ano letivo 2014/2015 1/8 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Caracterização do Agrupamento... 3 3. Identificação das necessidades de 4 4. Objetivos gerais a atingir com o Plano

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO Esta escola também é minha 2013/14 2015/16 I - INTRODUÇÃO Uma das missões da escola, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências

Leia mais

Cursos Vocacionais Regulamento

Cursos Vocacionais Regulamento Cursos Vocacionais Regulamento Índice Capítulo I Funcionamento Geral... 1 Artigo 1º- Contextualização... 3 Artigo 2º -Matrícula e Renovação de Matrícula... 3 Artigo 3º- Constituição de Turmas... 3 Artigo

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves REGULAMENTO DOS CURSOS EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS NÍVEL SECUNDÁRIO Anexo ao Regulamento Interno Aprovado em Conselho Geral a 26 de março de 2014 1 de 10 Índice

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E B E N A V E N T E INTRODUÇÃO Tendo por base os normativos legais

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO 2015/2016 ÍNDICE I INTRODUÇÃO... 3 II ENQUADRAMENTO DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013

Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013 Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013 O apoio educativo abrange todos os ciclos, níveis de ensino e cursos do Agrupamento. No 1.º e 2.º ciclos o apoio educativo é

Leia mais

Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período -

Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO 2014-2015 Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período - Índice 1 Introdução... 3 2 Cumprimento das atividades propostas... 4 3 Proponentes e destinatários das atividades...

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3. PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.º CICLOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2017 O Projeto Plurianual de Atividades do Agrupamento de Escolas Sophia de Mello

Leia mais

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 RELATÓRIO FINAL ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

Plano de Formação de Colaboradores 2014

Plano de Formação de Colaboradores 2014 2014 Plano de Formação de Colaboradores 2014 Avaliação Nível I/II Avaliação da Satisfação e Aprendizagem A avaliação do valor acrescentado pela formação ao desempenho dos colaboradores é cada vez mais

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular ACORDO DE COLABORAÇÃO Programa Atividades de Enriquecimento Curricular Primeiro: Município de Cascais titular do cartão de identificação de pessoa coletivo número 505187531, com sede na Praça 5 de Outubro,

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA Aferição e análise dos resultados, propostas e medidas a implementar

AVALIAÇÃO INTERNA Aferição e análise dos resultados, propostas e medidas a implementar AVALIAÇÃO INTERNA Aferição e análise dos resultados, propostas e medidas a implementar A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e A r a d a s A n o s l e c t i v o s 2 0 0 7 / 2 0 0 8 2 0 0 8 / 2 0 0

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES Plano de Monitorização para a Melhoria das Aprendizagens GUIMARÃES INDICE Introdução 03 Objetivos 05 Áreas/Domínios de Monitorização 06 1. Ocupação Plena dos Tempos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 1-Introdução Atendendo ao estipulado no despacho normativo n.º7/2013 de 11

Leia mais

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE Introdução 2 1. Objecto 2 2. Destinatários 2 3. Percursos Formativos 3 4. Organização

Leia mais

REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR:

REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR: REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR: Ponto de partida 2006/ 2007 Convite para integrar o Programa TEIP Territórios Educativos de Intervenção Prioritária Insucesso Escolar Violência e indisciplina Agrupamento

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto do CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz Uma ação educativa de abertura para a comunidade Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução

Leia mais

2011/2012 RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO. Comissão de Avaliação Interna do Agrupamento DOMÍNIOS. Prestação do Serviço Educativo

2011/2012 RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO. Comissão de Avaliação Interna do Agrupamento DOMÍNIOS. Prestação do Serviço Educativo 2011/2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DOMÍNIOS Prestação do Serviço Educativo Organização e Gestão Escolar Comissão de Avaliação Interna do Agrupamento julho, 2012

Leia mais

Secção I Educação Especial

Secção I Educação Especial Secção I Educação Especial Artigo 1.º Educação Especial e Apoios Educativos O conselho da Educação Especial e dos Apoios educativos é composto pelos professores dos grupos 910, 920 e 930 colocados em funções

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL-

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL- DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL PLANO DE MELHORIA

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DA ESCOLA. Relatório intermédio

AUTOAVALIAÇÃO DA ESCOLA. Relatório intermédio AUTOAVALIAÇÃO DA ESCOLA Relatório intermédio Fevereiro de 2013 1 I. Introdução A Escola prossegue, no corrente ano letivo, o seu processo de autoavaliação. Com ele, pretende se proporcionar uma reflexão

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MURALHAS DO MINHO, VALENÇA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO Ano Letivo 2013/2014 Equipa de auto-avaliação 10-07-2014 (Critério 9 Desempenho-Chave) INDÍCE INTRODUÇÃO... 3 EVOLUÇÃO

Leia mais