MODELAGEM NO DOMÍNIO DO TEMPO E DA FREQÜÊNCIA DE ESTRUTURAS COM CAMADAS VISCOELÁSTICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELAGEM NO DOMÍNIO DO TEMPO E DA FREQÜÊNCIA DE ESTRUTURAS COM CAMADAS VISCOELÁSTICAS"

Transcrição

1 MODELAGEM NO DOMÍNIO DO TEMPO E DA FREQÜÊNCIA DE ESTRUTURAS COM CAMADAS VISCOELÁSTICAS BARBOSA, Fláio de Soua, D.Sc., Pesuisador, PEC-COPPE/UFRJ BATTISTA, Ronaldo Caralho, Ph.D., Professor Titular, PEC-COPPE/UFRJ ABSTRACT Among the systems used for attenuating ibrations in structures, those that use iscoelastic materials as a damping core, as for example in the sandwich systems, are focused herein. This work presents briefly a time domain formulation which has been proposed in the literature for numerical modeling of iscoelastic materials. This theoretical formulation and the implemented computational solution method are assessed by means of comparisons between the numerical results obtained from a model of a sandwich beam in bending ibrations and their experimental counterpart, demonstrating the faorable performance of the proposed mathematical-numerical model.

2 1. Introdução Sistemas passios de controle para a atenuação de ibrações em estruturas apresentam grande diersidade de concepções pois resultam de projetos criatios oltados para cada problema específico. Em geral, são mecanicamente robustos e se mostram como alternatias mais eficientes, sob o ponto de ista dinâmico estrutural, do ue as técnicas usuais e conseradoras de enrijecimento da estrutura. Dentre estes sistemas destacam-se aui aueles ue utiliam materiais iscoelásticos como núcleo amortecedor, como por exemplo os sistemas tipo sanduíche. Estes materiais têm propriedades mecânicas dependentes da temperatura e, principalmente, da freüência de ibração, traendo dificuldades adicionais às já complexas formulações teóricas do problema dinâmico no domínio do tempo. O presente trabalho apresenta de uma maneira sucinta uma formulação no domínio do tempo e da freüência proposta na literatura para a modelagem numérica dos materiais iscoelásticos. O método de solução implementado é aaliado por meio de comparações entre resultados numérico-computacionais e experimentais, demonstrando o bom desempenho do modelo matemático-numérico proposto.. Formulação de Materiais Viscoelásticos Utiliando o MEF A representação das propriedades dependentes da freüência de Materiais Viscoelásticos MVE é difícil de ser feita, especialmente no domínio do tempo. O Método de Golla-Hughes GHM [1] apresenta uma solução para este problema atraés de um modelo para módulos complexos no domínio de Laplace. Este método é bastante adeuado a formulações de elementos finitos, pois suas euações de moimento de segunda ordem têm coeficientes constantes e geram matries simétricas. O sistema de euações de moimento resultante da aplicação do MEF no GHM pode ser resolido tanto no domínio do tempo uanto no domínio da freüência. O método consiste na determinação de um sistema dinâmico, expresso no domínio do tempo euialente a um problema enolendo materiais iscoelásticos modelados no domínio de Laplace. Neste sistema euialente as matries de massa, rigide e amortecimento são aumentadas por alguns Graus de Liberdade GL adicionais, chamados de GLs de dissipação. Partindo da euação de moimento no domínio de Laplace para 1 Grau de Liberdade GL: {s M [E hs] }s fs 1 tem-se por objetio determinar sua transformada inersa e expressá-la no domínio do tempo, sendo: M a massa do sistema; a rigide do sistema normaliada com relação ao módulo de elasticidade; fs a excitação, s o GL do sistema e [E hs] o módulo de elasticidade expresso no domínio de Laplace, sendo hs uma função de dissipação escolhida. Adotando para função de dissipação a representação de Biot [1,]de maneira ue: s βs h s s βs δ onde, β e δ são constantes extraídas atraés de dados experimentais relatios ao MVE. 1

3 O GHM demonstra ue a euação de moimento no domínio de Laplace pode ser escrita no domínio do tempo na forma: / / f E M δ β δ!! 3 onde são chamadas de ariáeis de dissipação. De maneira análoga, o GHM determina às euações matriciais de moimento para um elemento finito com n GLs: f C M!! 4 onde: I M M / δ e 5 I C / δ β 6 I R R e E 7 onde: M, C e são, respectiamente, as matries de massa, amortecimento e rigide iscoelásticas do elemento analisado; o etor contendo os GLs físicos do elemento; o etor ue contém os GLs de dissipação; f o etor de forças; M e é a matri de massa do elemento finito, e a matri de rigide elástica do elemento finito normaliada com relação ao módulo de elasticidade; I é uma matri identidade e R R f L f 1/, sendo R f a matri de autoetores de e relatios aos modos de deformação do elemento exclui modos relatios a moimentos de corpo rígido e L f a matri diagonal contendo os autoalores relatios aos modos de deformação. A generaliação para uma malha de elementos finitos baseada no método GHM é imediata. Para tal basta obter as matries elásticas M e e e enolidas no problema em uestão estas matries elásticas podem ser extraídas de textos da literatura [3] e as iscoelásticas M, C e euações 5, 6 e 7, respectiamente. Em seguida, fa-se a montagem clássica dos elementos finitos, gerando as matries globais do sistema: M, e C matries de massa, amortecimento e rigide, respectiamente. Após obtidas as matries globais do sistema, a solução do problema dinâmico no domínio do tempo ou da freüência passa agora pela solução da euação: M f C!! 8

4 3. Aplicação: Viga Sanduíche A comparação dos resultados numéricos com os experimentais na dinâmica estrutural nem sempre é uma tarefa fácil, uer seja pela escasse de artigos ue relatem de maneira completa os resultados dos ensaios, uer seja pela falta de detalhes ue deixem claro uais as reais condições de contorno e ambientes dos ensaios, da instrumentação e das propriedades dos materiais, dentre outros dados releantes. Este exemplo é releante pois tem como principal objetio a comparação dos resultados numéricos obtidos atraés de simulações computacionais com as respostas experimentais obtidas em laboratório de modelos de igas sanduíche [4], o ue enriuece a análise e dá maior confiabilidade aos resultados numéricos. Cabe destacar ue as respostas experimentais usadas para comparações foram tomadas na forma de sinais já filtrados e digitaliados do registro analógico dos sensores, permitindo comparações diretas e facilitando as análises, pois são eliminados erros relatios a procedimentos extras de digitaliação dos sinais. 3.1 Descrição do Problema Trata-se da análise comparatia das respostas dinâmicas numéricas e experimentais de duas igas biapoiadas sujeitas a carga de impacto. A figura 1, mostra uma destas igas ensaiadas. Figura 1: Foto da Viga Sanduíche As igas analisadas estão mostradas na figura e descritas a seguir: - Viga 1 ou Viga Elástica - Viga biapoiada constituída de uma única lâmina de alumínio material elástico - Viga ou Viga Sanduíche - Viga biapoiada sanduíche constituída por duas lâminas de alumínio e uma película de material iscoelástico 3

5 147 mm Seção AA' Rótula Mecânica Rótula Mecânica Viga 1: Seção AA' alumínio 6,35 mm MVE Viga : Seção AA' sanduíche alumínio/mve 3,18 mm 6,35 mm,3 mm 76, mm 76, mm Figura : Detalhamento das Vigas Analisadas [4] As características físicas dos materiais enolidos no problema são: Material Alumínio: Módulo de Elasticidade: 687 Mpa Taxa de Amortecimento: 1,5 % Coeficiente de Poisson:,33 Massa específica: 69 kg/m 3 Material Viscoelástico MVE: Módulo de Elasticidade e Taxa de Amortecimento: Valores dependentes da freüência ue para a função de dissipação adotada er euação e os dados experimentais extraídos da referência [4] obtee-se: 3. Análise Experimental E 3,3 MPa, 7,6 MPa, β 4,7 x 1 7 s -1 e δ 1,6 x 1 9 s -. Coeficiente de Poisson:,5 Massa específica: 795 kg/m 3 Este item apresenta uma síntese dos procedimentos dos ensaios experimentais realiados [4], sem entrar em detalhes não pertinentes ao objetio do presente trabalho. As igas ensaiadas foram instrumentadas com três acelerômetros, conforme mostra a figura 3, sendo ue as respostas apresentadas foram relatias às acelerações erticais do acelerômetro ac. O esuema de auisição dos dados utiliado é apresentado na figura 4. As respostas foram obtidas com acelerômetros resistios e filtradas em 1 H,eliminando as freüências mais altas. 4

6 As estruturas foram excitadas atraés de impactos erticais de um martelo nas superfícies superiores de cada iga, sobre o acelerômetro ac como sugere a figura 4. Nenhum sinal temporal típico da força de excitação foi apresentado na citada referência [4] A temperatura durante os ensaios ficou entre e 5 o C, não implicando desta forma em ariações significatias das características do MVE. O MVE utiliado na estrutura sanduíche da figura 1 foi o VHB Very-High-Bond, fabricado pela empresa 3M do Brasil. 18 mm 54 mm 36 mm 147 mm ac1 ac ac3 ac1 - Acelerômetro 1 ac - Acelerômetro ac3 - Acelerômetro 3 Figura 3: Esuema de Sensoriamento da Viga martelo condicionador/ filtro acelerômetros analisador de espectros Microcomputador condicionador/ filtro Figura 4: Esuema de Auisição de Sinais 3.3 Modelagem Computacional As igas ensaiadas foram modeladas computacionalmente atraés de elementos uadriláteros de estado plano de tensão ue cujas matries iscoelásticas foram deduidas conforme euações 5, 6 e 7 As malhas de elementos finitos usadas nas modelagens computacionais estão ilustradas na figura 5. 5

7 Viga Elástica 147 mm 735 diisões... 6,35 mm 4 diisões Alumínio Viga Sanduíche 147 mm 735 diisões... 3,18 mm diisões,3 mm uma diisão Alumínio VHB 6,35 mm 4 diisões Alumínio Figura 5: Detalhes da Discretiação das Vigas As características gerais das malhas de elementos finitos são: Viga1: Elástica 368 nós, 94 elementos, 7357 GLs Viga: Sanduíche 663 nós, 5145 elementos, GLs O GL ertical escolhido para obserar as respostas coincide obiamente com a posição do acelerômetro ac, assim como o GL associado à direção da força de excitação coincide com a posição e direção dos impactos do martelo er figuras 3 e 4. A modelagem da força de excitação impacto do martelo foi feita atraés da função no tempo descrita na figura 6, isto não ter sido apresentado em [4] o sinal experimental correspondente a esta força. O alor de P max 3 N, bem como o seu tempo de aplicação igual a,1 s, ambos indicados na figura 6, foram calibrados de maneira a aproximar ao máximo a resposta numérica no domínio da freüência da iga 1 iga elástica da sua respectia resposta experimental. Este carregamento foi então mantido na análise numérica da iga iga sanduíche. f orça N P 3 N max,1 s tempo s Figura 6: Descrição da Força de Impacto Aplicada às Vigas 1 e 6

8 3.4 Respostas no Domínio da Freüência As respostas no domínio da freüência obtidas para a iga elástica e a iga sanduíche estão apresentadas nas figuras 7 e 8, respectiamente. 6 5 experimental numérico FRF [mm/s /N] Freüência rad/s Figura 7: Respostas no Domínio da Freüência para a Viga 1 Elástica 6 5 experimental numérico FRF [mm/s /N] Freüência rad/s Figura 8: Respostas no Domínio da Freüência para a Viga Sanduíche 7

9 3.5 Respostas no Domínio do Tempo As respostas no domínio do tempo obtidas para a iga elástica e a iga sanduíche estão apresentadas nas figuras 9 e 1, respectiamente. 6 4 experimental numérico Aceleração mm/s ,1,,3,4,5 Tempo s Figura 9: Respostas no Domínio do tempo para a Viga 1 Elástica 6 4 experimental numérico Aceleração mm/s ,1,,3,4,5 Tempo s Figura 1: Respostas no Domínio do tempo para a Viga Sanduíche 8

10 3.6 Análises dos Resultados Todas as conclusões relatias aos resultados das análises do exemplo da iga sanduíche são muito importantes pois este exemplo põe frente a frente resultados numéricos e experimentais. Ressalta-se a importância de comparar tais resultados, principalmente uando se objetia alidar um tipo de modelagem, como é o caso do GHM. Este exemplo mostrou ue a modelagem da iga elástica fornece uma resposta no domínio da freüências figura 7 semelhantes à obtida experimentalmente. As diferenças podem ser atribuídas aos desios dos parâmetros geométricos e físicos relatios à iga dimensões, massa específica, etc. Um outro fator ue muito contribui para as diferenças numéricas/experimentais encontradas neste exemplo é o aparelho de apoio usado no ensaio. Conforme pode ser obserado nas figuras 1 e, a iga ensaiada é acoplada a um eixo em cada uma das suas extremidades ue fixado em rolamentos fa o papel de apoio rotulado. Estes eixos possuem massa não despreíel, já ue a iga não é muito espessa, o ue redu as freüências naturais da iga, principalmente as mais altas, correspondentes aos modos com maior rotação nas extremidades. Estas peuenas diferenças entre as respostas numéricas/experimentais também se erificam uando se obsera a figura 8. As respostas numéricas e experimentais no domínio do tempo para a iga elástica figura 9 apresentam amplitudes bastante semelhantes, porém um pouco defasadas em irtude das diferenças já obseradas nas respectias respostas em freüência. As defasagens obseradas na figura 9 não se apresentaram tão significatias na figura 1. Isto se dee principalmente ao menor número de oscilações presentes na resposta dinâmica no domínio do tempo da iga sanduíche figura 1 uando comparado ao da iga elástica figura Conclusões Dependendo do grau de precisão reuerido para os resultados, pode-se dier ue houe uma boa concordância entre as respostas dinâmicas obtidas numericamente com as respectias respostas experimentais para o exemplo da iga sanduíche. Isso é um indicatio de ue a modelagem dinâmica de MVE ia GHM é eficiente e fornece bons resultados. A precisão do GHM está diretamente ligada com uma boa representação do módulo de elasticidade, isto é, dee-se ter um conjunto de parâmetros E, β e δ er euação 4 associados de forma precisa ao MVE em uestão. A determinação destes parâmetros é feito atraés de ajustes de curas experimentais []. Comparando as respostas obtidas nas figuras 7, 8, 9 e 1, fica claro o caráter amortecedor dos MVEs, o ue incentia a continuidade dos estudos sobre estruturas amortecidas por materiais iscoelásticos [5]. 6 Agradecimentos Os autores agradecem sinceramente à engenheira Renata Faísca por fornecer os registros digitaliados dos sinais dinâmicos obtidos dos ensaios experimentais realiados durante seu trabalho de mestrado [4] sob a orientação dos Prof. Ney Roitman e Carlos Magluta, dentro uma das linhas de pesuisa lideradas pelo segundo autor deste trabalho. 9

11 5 Referências Bibliográficas: [1] Golla, D. F. and Hughes, P. C.; Dynamics of Viscoelastic Structures - A Time-Domain, Finite Element Formulation ; Journal of Applied Mechanics, ol. 5, pp , [] Barbosa, F. S.; Modelagem Computacional de Estruturas com Camadas Viscoelásticas Amortecedoras ; Tese de Doutorado PEC-COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro. [3] Zienkiewic, O. C.; The Finite Element Method ; Jonh Willey & Sons, New York, 1969 [4] Faisca, R. G.; Caracteriação de Materiais Viscoelásticos como Amortecedores Estruturais ; Tese de Mestrado PEC-COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro. [5] Battista, R. C. and Pfeil, M. S.; Enhancing the Fatigue Life of Rio-Niterói Bridge s Orthotropic Steel Deck ; Proc. of IABSE 99, pp , Assoc. for Bridge and Structural Engineering, Rio de Janeiro,

5 Modelos Estruturais

5 Modelos Estruturais 5 Modelos Estruturais 5.1 Introdução Neste capítulo, os modelos estruturais utilizados para avaliação do conforto humano serão descritos segundo suas características geométricas e físicas referentes aos

Leia mais

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração.

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração. Quais são os métodos mais utilizados para controle de vibrações? Defina um absorvedor de vibração? Qual é função de um isolador de vibração? Por que um eixo rotativo sempre vibra? Qual é a fonte da força

Leia mais

Determinação dos Módulos de Armazenagem e de Perda de Materiais Viscoelásticos - Padrão ASTM

Determinação dos Módulos de Armazenagem e de Perda de Materiais Viscoelásticos - Padrão ASTM Universidade Federal de São João Del-Rei MG 6 a 8 de maio de 010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Determinação dos Módulos de Armazenagem e de Perda de Materiais Viscoelásticos

Leia mais

Efeitos dinâmicos do Vento em Edifícios Altos. Byl Farney Rodrigues da CUNHA JR¹; Frederico Martins Alves da SILVA²;

Efeitos dinâmicos do Vento em Edifícios Altos. Byl Farney Rodrigues da CUNHA JR¹; Frederico Martins Alves da SILVA²; Efeitos dinâmicos do Vento em Edifícios Altos Byl Farney Rodrigues da CUNHA JR¹; Frederico Martins Alves da SILVA²; 3 Zenón José Guzmán Nuñez DEL PRADO 1,2,3 Escola de Engenharia Civil UFG 1 farneyjr@hotmail.com,

Leia mais

SISTEMAS COM AMORTECIMENTO NÃO-PROPORCIONAL NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA

SISTEMAS COM AMORTECIMENTO NÃO-PROPORCIONAL NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA SISTEMAS COM AMORTECIMENTO NÃO-PROPORCIONAL NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA Zacarias Martin Chamberlain Pravia Professor - Faculdade de Engenharia e Arquitetura - Universidade de Passo Fundo/UFP zacarias@upf.br

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVAS E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVAS E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVAS E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO 1.1 - INTRODUÇÃO Com o aumento da demanda de serviços de tecnologia e também buscando atender às necessidades atuais do progresso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL ANÁLISE NUMÉRICO EXPERIMENTAL DE SISTEMAS PASSIVOS DE AMORTECIMENTO DE VIBRAÇÃO EM ESTRUTURAS FABRICIO

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO. Cliente: INFRARED

CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO. Cliente: INFRARED CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO Cliente: INFRARED Data: 06 de maio de 2015 REVISÃO: 00 DATA: 06 de maio de 2015 Identificação DESCRIÇÃO: Esta análise

Leia mais

MODELAGEM BIOCAD DE PRÓTESE DENTÁRIA IMPLANTO-MUCO-SUPORTADA EM MANDÍBULA

MODELAGEM BIOCAD DE PRÓTESE DENTÁRIA IMPLANTO-MUCO-SUPORTADA EM MANDÍBULA MODELAGEM BIOCAD DE PRÓTESE DENTÁRIA IMPLANTO-MUCO-SUPORTADA EM MANDÍBULA Alexandre B. Travassos 1 ; Jorge V. L. da Silva 1 ; Mônica N. Pigozzo 2 1 - Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer -

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO. Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2

ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO. Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2 ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT);

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS José Guilherme Santos da Silva, Francisco José da Cunha Pires Soeiro, Gustavo Severo Trigueiro, Marcello Augustus

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Analise de Tensões em Perfil Soldado Comparação de Resultados em Elementos Finitos Aluno: Rafael Salgado Telles Vorcaro Registro:

Leia mais

6 Conclusões e Trabalhos futuros 6.1. Conclusões

6 Conclusões e Trabalhos futuros 6.1. Conclusões 6 Conclusões e Trabalhos futuros 6.1. Conclusões Neste trabalho estudou-se o comportamento do sistema que foi denominado pendulo planar com a adição de uma roda de reação na haste do pendulo composta de

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DE TENSÕES EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS NO PROCESSO DE ENSINO NA ENGENHARIA MECÂNICA

DEMONSTRAÇÃO DO EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DE TENSÕES EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS NO PROCESSO DE ENSINO NA ENGENHARIA MECÂNICA DEMONSTRAÇÃO DO EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DE TENSÕES EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS NO PROCESSO DE ENSINO NA ENGENHARIA MECÂNICA Daniel Benítez Barrios danielbb@mackenzie.com.br Universidade Presbiteriana

Leia mais

SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA COMPUTER SIMULATION OF ONE-DIMENSIONAL BEAM BY SOFTWARE CATIA

SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA COMPUTER SIMULATION OF ONE-DIMENSIONAL BEAM BY SOFTWARE CATIA SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA Edgar Della Giustina (1) (edgar.giustina@pr.senai.br), Luis Carlos Machado (2) (luis.machado@pr.senai.br) (1) Faculdade de Tecnologia

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS Benedito Rabelo de Moura Junior 1, Denis da Silva Ponzo 2, Júlio César Moraes 3, Leandro Aparecido dos Santos 4, Vagner Luiz Silva

Leia mais

Introdução a Avaliação de Desempenho

Introdução a Avaliação de Desempenho Introdução a Avaliação de Desempenho Avaliar é pronunciar-se sobre as características de um certo sistema. Dado um sistema real qualquer, uma avaliação deste sistema pode ser caracterizada por toda e qualquer

Leia mais

Tutorial de Viga: Ansys - Beam3

Tutorial de Viga: Ansys - Beam3 Tutorial de Viga: Ansys - Beam3 Primeiramente vamos iniciar o tutorial apresentando uma visão geral do software Ansys, ao abri-lo (click em Ansys11 e Ansys) a seguinte tela é mostrada: Nesse curso focaremos

Leia mais

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 02 de setembro 2010 RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO

Leia mais

PÓLOS NA REPRESENTAÇÃO DO ESPAÇO DOS ESTADOS

PÓLOS NA REPRESENTAÇÃO DO ESPAÇO DOS ESTADOS PÓLOS NA REPRESENTAÇÃO DO ESPAÇO DOS ESTADOS. Motiação e necessidade Pólos de um sistema fornecem o comportamento dinâmico do sistema tempo de resposta, frequencia natural, coeficiente de amortecimento

Leia mais

Figura 1-1. Entrada de ar tipo NACA. 1

Figura 1-1. Entrada de ar tipo NACA. 1 1 Introdução Diversos sistemas de uma aeronave, tais como motor, ar-condicionado, ventilação e turbinas auxiliares, necessitam captar ar externo para operar. Esta captura é feita através da instalação

Leia mais

Vetores. Definição geométrica de vetores

Vetores. Definição geométrica de vetores Vetores Várias grandezas físicas, tais como por exemplo comprimento, área, olume, tempo, massa e temperatura são completamente descritas uma ez que a magnitude (intensidade) é dada. Tais grandezas são

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST Julia Rodrigues Faculdade de Engenharia Civil CEATEC julia.r1@puccamp.edu.br Nádia Cazarim da Silva Forti Tecnologia do Ambiente

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Projeto, construção e teste de um Torcímetro. Design, fabrication and testing of a Torsiometer

Projeto, construção e teste de um Torcímetro. Design, fabrication and testing of a Torsiometer ISSN 1517-7076 Revista Matéria, v. 16, n. 2, pp. 703 713, 2011 http://www.materia.coppe.ufrj.br/sarra/artigos/artigo11427 Projeto, construção e teste de um Torcímetro SANTOS, D.C.; BARBIERI, R. Programa

Leia mais

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1.

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1. ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO EDUARDO VICENTE DO PRADO 1 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ O método de análise por elementos finitos

Leia mais

Considerações de Projeto Sobre a Análise de Vibrações de Sistemas Estruturais de Pisos de Concreto Armado

Considerações de Projeto Sobre a Análise de Vibrações de Sistemas Estruturais de Pisos de Concreto Armado Considerações de Projeto Sobre a Análise de Vibrações de Sistemas Estruturais de Pisos de Concreto Armado Anderson Bastos Amorim de Amorim 1 Fernanda da Rocha de Carvalho Lopes 1 José Guilherme Santos

Leia mais

RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA

RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA Laboratório de Controle e Automação 1 ( LECI 1 ) Professor: Reinaldo Martinez Palhares Integrantes: Henrique Goseling Araújo, Hugo Montalvão

Leia mais

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Marcos Geraldo S. Diretor da MGS Jánes Landre Júnior Prof. Depto. Engenharia Mecânica, PUC-Minas 1 - Introdução O setor

Leia mais

MIEC MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL 2014/2015 PROPOSTA DE TEMAS PARA DISSERTAÇÃO RAMO DE ESPECIALIZAÇÃO/ ÁREA CIENTÍFICA: ESTRUTURAS

MIEC MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL 2014/2015 PROPOSTA DE TEMAS PARA DISSERTAÇÃO RAMO DE ESPECIALIZAÇÃO/ ÁREA CIENTÍFICA: ESTRUTURAS 1 EST1 AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE DEFORMAÇÃO DE ELEMENTOS TUBULARES EM AÇO José Miguel Castro CO Um dos passos essenciais no processo de avaliação da segurança sísmica de estruturas consiste na comparação

Leia mais

Modelos para Análise Não-Linear de Estruturas em Concreto Armado usando o Método dos Elementos Finitos

Modelos para Análise Não-Linear de Estruturas em Concreto Armado usando o Método dos Elementos Finitos Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Modelos para Análise Não-Linear de Estruturas em Concreto Armado usando

Leia mais

SISTEMA S01 - Sistema Mecânico Massa-Mola- Amortecedor montado em um carro

SISTEMA S01 - Sistema Mecânico Massa-Mola- Amortecedor montado em um carro CCI- Matemática Computacional/ 008 SISTEMA S0 - Sistema Mecânico Massa-Mola- Amortecedor montado em um carro Considere um sistema mecânico massa-mola-amortecedor montado em um carro de massa desprezíel,

Leia mais

2 Materiais e Métodos

2 Materiais e Métodos 1 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS REFORÇADAS POR ACRÉSCIMO DE CONCRETO À FACE COMPRIMIDA EM FUNÇÃO DA TAXA DE ARMADURA LONGITUDINAL TRACIONADA PRÉ-EXISTENTE Elias Rodrigues LIAH; Andréa Prado Abreu REIS

Leia mais

Soluções para Amortecimento das Vibrações sobre o Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação

Soluções para Amortecimento das Vibrações sobre o Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação Soluções para Amortecimento das Vibrações sobre o Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação Resumo O objetivo do trabalho foi desenvolver uma estrutura capaz

Leia mais

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO Eduardo M. Batista (1) ; Elaine G. Vazquez (2) ; Elaine Souza dos Santos (3) (1) Programa de Engenharia Civil, COPPE,

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil. Engenharia Mecânica Automotiva. Orientador: Dr. Rafael Antônio Comparsi Laranja Coordenador do TCC: Dr.

Universidade Luterana do Brasil. Engenharia Mecânica Automotiva. Orientador: Dr. Rafael Antônio Comparsi Laranja Coordenador do TCC: Dr. Universidade Luterana do Brasil Engenharia Mecânica Automotiva Medição de Coeficientes de Amortecimento de Amortecedores Jack Pogorelsky Jr Junho de 2005 Orientador: Dr. Rafael Antônio Comparsi Laranja

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO NODAL NA SIMULAÇÃO DE PROCESSOS TÉRMICOS

A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO NODAL NA SIMULAÇÃO DE PROCESSOS TÉRMICOS A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO NODAL NA SIMULAÇÃO DE PROCESSOS TÉRMICOS C. R. RODRIGUES VELOSO 1, R. GEDRAITE 2 1 Bolsista PIBIC FAPEMIG/UFU, discente do curso de Engenharia Química 2 Professor da Faculdade de

Leia mais

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA 1) INTRODUÇÃO Rio de Janeiro, 05 de Maio de 2015. A equipe desenvolvedora deste projeto conta com: - Prof.

Leia mais

ENSAIO DE INTEGRIDADE ESTRUTURAL

ENSAIO DE INTEGRIDADE ESTRUTURAL ENSAIO DE INTEGRIDADE ESTRUTURAL P.I.T. - PILE INTEGRITY TESTING PROCEDIMENTO DE ENSAIO - ESTACAS MOLDADAS IN LOCO Índice 1. ENSAIO P.I.T. 2 1.1 DESCRIÇÃO DO ENSAIO 3 1.2 CONDIÇÕES DE ENSAIO 5 1.3 ANÁLISE

Leia mais

Análise Dinâmica da Estrutura de um Estádio de Futebol

Análise Dinâmica da Estrutura de um Estádio de Futebol Análise Dinâmica da Estrutura de um Estádio de Futebol Débora Cardoso dos Santos 1, Sergio Hampshire C. Santos 2, Rodrigo G. Martins 3 1 Eng. Civil / Casagrande Engenharia/ PPE/UFRJ / deborac_santos@poli.ufrj.br

Leia mais

------------------------------------------------------------------------------ Laboratório de Vibrações Mecânicas. Aluno: Caio Mesquita Ayres

------------------------------------------------------------------------------ Laboratório de Vibrações Mecânicas. Aluno: Caio Mesquita Ayres Departamento de Engenharia Mecânica ------------------------------------------------------------------------------ Laboratório de Vibrações Mecânicas Aluno: Caio Mesquita Ayres Matricula: 0920636 DADOS

Leia mais

4 Análise experimental

4 Análise experimental 4 Análise experimental No estudo do comportamento de membranas de materiais hiperelásticos há a necessidade de se escolher leis constitutivas que descrevam da melhor forma possível as propriedades do material.

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs

Leia mais

A maioria dos corpos podem ser considerados rígidos, isto é, não se deformam quando sujeitos à acção de forças.

A maioria dos corpos podem ser considerados rígidos, isto é, não se deformam quando sujeitos à acção de forças. CAPÍTULO 3 CORPOS RÍGIDOS E SISTEMAS EQUIVALENTES DE FORÇAS Nem sempre é possível considerar todos os corpos como partículas. Em muitos casos, as dimensões dos corpos influenciam os resultados e deverão

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

Ricardo Santos de Almeida. Análise de Vibrações em Pontes Rodoviárias Induzidas pelo Tráfego de Veículos sobre Pavimentos Irregulares

Ricardo Santos de Almeida. Análise de Vibrações em Pontes Rodoviárias Induzidas pelo Tráfego de Veículos sobre Pavimentos Irregulares UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS FACULDADE DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Ricardo Santos de Almeida Análise de Vibrações em Pontes Rodoiárias

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO DINÂMICA DE ROTORES FLEXÍVEIS PELO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS. Luiz Fellipe Nogueirão e Flávio Yukio Watanabe

MODELAGEM E SIMULAÇÃO DINÂMICA DE ROTORES FLEXÍVEIS PELO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS. Luiz Fellipe Nogueirão e Flávio Yukio Watanabe XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 - São Carlos-SP Artigo CREEM2012 MODELAGEM E SIMULAÇÃO DINÂMICA DE ROTORES FLEXÍVEIS PELO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS Luiz

Leia mais

-Transformadores Corrente de energização - inrush

-Transformadores Corrente de energização - inrush -Transformadores Corrente de energização - inrush Definição Corrente de magnetização (corrente de inrush) durante a energização do transformador Estas correntes aparecem durante a energização do transformador,

Leia mais

Sistema de Controle e Monitoramento de uma Bancada Experimental para Amortecedor Magneto-Reológico

Sistema de Controle e Monitoramento de uma Bancada Experimental para Amortecedor Magneto-Reológico Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Sistema de Controle e Monitoramento de uma Bancada Experimental para Amortecedor

Leia mais

**Transformadores MEGA Ltda. Caixa Postal 6302 CEP 89068-970 - Blumenau - SC Fone/Fax 047 337 2000 mega@braznet.com.br

**Transformadores MEGA Ltda. Caixa Postal 6302 CEP 89068-970 - Blumenau - SC Fone/Fax 047 337 2000 mega@braznet.com.br Modelagem Estática e Dinâmica do Comportamento de Materiais Magnéticos sob Regimes Senoidais Puro e Com Harmônicos Sérgio H. L. Cabral* Thair I. Mustafa* André Carvalho** Jonas B. N. Coral** *Fundação

Leia mais

Geologia Estrutural: INTRODUÇÃO 1

Geologia Estrutural: INTRODUÇÃO 1 Geologia Estrutural: INTRODUÇÃO 1 GEOLOGIA ESTRUTURAL A geologia estrutural é uma das disciplinas com maior importância na geologia, devido seu vasto campo de aplicações, como na geotecnia, risco ambiental,

Leia mais

Desenvolvimento de ligadores eléctricos efectuando simulações computacionais baseadas no Método dos Elementos Finitos

Desenvolvimento de ligadores eléctricos efectuando simulações computacionais baseadas no Método dos Elementos Finitos Desenvolvimento de ligadores eléctricos efectuando simulações computacionais baseadas no Método dos Elementos Finitos 1. INTRODUÇÃO O objectivo deste trabal ho consiste em tentar prever, a carga de rotura

Leia mais

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 03 091 Tópico: Modelagens e Simulações COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS

Leia mais

Data de recebimento: 03/10/03. Data de aceite para publicação: 26/01/04. 1

Data de recebimento: 03/10/03. Data de aceite para publicação: 26/01/04. 1 Revista Varia Scientia v. 04, n. 07, p.179-184 ARTIGOS & ENSAIOS Elizabete Koehler 1 Reginaldo Aparecido Zara 2 ALGORITMO PARA CÁLCULO DE DISTÂNCIAS MÍNIMAS EM REDES DE ESCALA LIVRE RESUMO: Muitos sistemas

Leia mais

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 7, No. 1 (2006), 91-100. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS MÓDULOS DE ARMAZENAGEM E DE PERDA DE MATERAIS VISCOELÁSTICOS APLICANDO O MÉTODO PADRÃO ASTM

AVALIAÇÃO DOS MÓDULOS DE ARMAZENAGEM E DE PERDA DE MATERAIS VISCOELÁSTICOS APLICANDO O MÉTODO PADRÃO ASTM VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campina Grande Paraíba Brazil AVALIAÇÃO

Leia mais

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Junior, Byl F.R.C. (1), Lima, Eder C. (1), Oliveira,Janes C.A.O. (2), 1 Acadêmicos de Engenharia Civil, Universidade Católica

Leia mais

Equação de Estado de um Gás Ideal

Equação de Estado de um Gás Ideal Equação de Estado de um Gás Ideal Suponhamos que S é uma superície com a qual as moléculas colidem. alculemos a ariação, por unidade de tempo e por unidade de área, da quantidade de moimento que é transportada

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE SISTEMAS FLUTUANTES OFFSHORE

ANÁLISE ESTRUTURAL DE SISTEMAS FLUTUANTES OFFSHORE ANÁLISE ESTRUTURAL DE SISTEMAS FLUTUANTES OFFSHORE CAE NAVAL & OFFSHORE 2013 Marcos Queija de Siqueira - Pedro Yuji Kawasaki Rio de Janeiro, 13 de Junho de 2013 SUMÁRIO 1 ÁREAS DE ATUAÇÃO 2 APLICAÇÕES

Leia mais

Como escrever um bom RELATÓRIO

Como escrever um bom RELATÓRIO Como escrever um bom RELATÓRIO Mas o que é uma EXPERIÊNCIA? e um RELATÓRIO? Profa. Ewa W. Cybulska Profa. Márcia R. D. Rodrigues Experiência Relatório Pergunta à Natureza e a procura da Resposta Divulgação

Leia mais

Cristais: O Ritmo da Eletrônica

Cristais: O Ritmo da Eletrônica Cristais: O Ritmo da Eletrônica Dentro de muitos equipamentos eletrônicos, bate um coração invisível que determina com ritmo preciso o seu funcionamento. Nos relógios, cronômetros, computadores e muitos

Leia mais

ACELERÔMETRO ÓPTICO TRIAXIAL. PUC-Rio DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

ACELERÔMETRO ÓPTICO TRIAXIAL. PUC-Rio DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ACELERÔMETRO ÓPTICO TRIAXIAL Sérgio R. K. Morikawa Alexandre S. Ribeiro Rogério D. Regazzi Luiz C. Guedes Valente Arthur M. B. Braga PUC-Rio DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Trabalho apresentado na

Leia mais

SIMULAÇÃO DAS TENSÕES E DEFORMAÇÕES RESIDUAIS NO PROCESSO DE JATEAMENTO EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS

SIMULAÇÃO DAS TENSÕES E DEFORMAÇÕES RESIDUAIS NO PROCESSO DE JATEAMENTO EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS SIMULAÇÃO DAS TENSÕES E DEFORMAÇÕES RESIDUAIS NO PROCESSO DE JATEAMENTO EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS D. Benítez, Dr. Eng. Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo - SP, Brasil. danielbb@usp.br

Leia mais

Validação Experimental do Modelo Matemático de 3ª. Ordem para um Atuador Pneumático

Validação Experimental do Modelo Matemático de 3ª. Ordem para um Atuador Pneumático Trabalho apresentado no CMAC-Sul, Curitiba-PR, 2014. Validação Experimental do Modelo Matemático de 3ª. Ordem para um Atuador Pneumático Claudio da S. dos Santos, Sandra E. B. Viecelli, Antonio C. Valdiero,

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE TEÓRICA-COMPUTACIONAL DE LAJES LISAS DE CONCRETO ARMADO COM PILARES RETANGULARES Liana de Lucca Jardim Borges,1,2 1 Pesquisadora 2 Curso de Engenharia Civil, Unidade Universitária de Ciências Exatas

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais I Estruturas II. Capítulo 5 Torção

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais I Estruturas II. Capítulo 5 Torção Capítulo 5 Torção 5.1 Deformação por torção de um eixo circular Torque é um momento que tende a torcer um elemento em torno de seu eixo longitudinal. Se o ângulo de rotação for pequeno, o comprimento e

Leia mais

O AÇO ESTRUTURAL (uma parte do material desta página foi extraída do site www.gerdau.com.br) Aços CA-50 e CA-25

O AÇO ESTRUTURAL (uma parte do material desta página foi extraída do site www.gerdau.com.br) Aços CA-50 e CA-25 O AÇO ESTRUTURAL (uma parte do material desta página foi extraída do site www.gerdau.com.br) Os aços são classificados conforme sua resistência, definida pela sua composição e processo de fabricação. Assim,

Leia mais

5 A Utilização da Técnica do Espaço Nulo e dos Atributos Baseados na Escolha de Coeficientes de Autocorrelações

5 A Utilização da Técnica do Espaço Nulo e dos Atributos Baseados na Escolha de Coeficientes de Autocorrelações 5 A Utilização da Técnica do Espaço Nulo e dos Atributos Baseados na Escolha de Coeficientes de Autocorrelações Este capítulo apresenta uma nova proposta que consiste em empregar os atributos baseados

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica Tópicos Abordados Método dos Elementos Finitos. Softwares para Análise Numérica. Método do Elementos Finitos No

Leia mais

Influência do nível de deformação na formação das bandas de Lüders para chapas de aço com mesmo nível de envelhecimento

Influência do nível de deformação na formação das bandas de Lüders para chapas de aço com mesmo nível de envelhecimento Influência do nível de deformação na formação das bandas de Lüders para chapas de aço com mesmo nível de envelhecimento Guilherme Couto ANDRADE¹; Alexandre Moura GIAROLA²; Ramila Aparecida MOURA³ ¹ Aluno

Leia mais

TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA. VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares)

TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA. VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares) TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares) Nota Introdutória Este documento é um anexo ao livro Tecnologia Mecânica Tecnologia da Deformação

Leia mais

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO Davi Schmutzler Valim Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC davi_valim@puccampinas.edu.br Resumo: O trabalho trata de fazer

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL

1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL 1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL CARACTERIZAÇÃO EXPERIMENTAL DA RIGIDEZ À FLEXÃO EM MATERIAL COMPÓSITO CARBONO-EPÓXI CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI Aluno:

Leia mais

Análise experimental do efeito da fluência e retração em pilares de concreto armado

Análise experimental do efeito da fluência e retração em pilares de concreto armado Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE01 FEUP, 4-6 de outubro de 01 Análise experimental do efeito da fluência e retração em pilares de concreto armado Luciana T. Kataoka 1 Túlio N. Bittencourt RESUMO

Leia mais

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Autores : Marina PADILHA, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Engenharia de Controle e Automação - Bolsista Interno; Orientador IFC - Campus

Leia mais

Conceito de tensão Tensões normais e tensões de corte

Conceito de tensão Tensões normais e tensões de corte Escola Superior Nautica Infante D. Henrique CET Manutenção Mecânica Naval Fundamentos de Resistência de Materiais Conceito de tensão Tensões normais e tensões de corte Tradução: V. Franco Ref.: Mechanics

Leia mais

Resultados e Discussões 95

Resultados e Discussões 95 Resultados e Discussões 95 É interessante observar, que a ordem de profundidade máxima não obedece à ordem de dureza Shore A. A definição de dureza é exatamente a dificuldade de se penetrar na superfície

Leia mais

A Utilização da Argamassa na Reparação de Pilares de Concreto Armado

A Utilização da Argamassa na Reparação de Pilares de Concreto Armado A Utilização da Argamassa na Reparação de Pilares de Concreto Armado M. Margarida Corrêa (1); João Carlos Vinagre (2); Regina Helena Souza (2) (1) Mestre, Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica

Leia mais

Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max

Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max Sânia da Costa Fernandes (UFG) saninha_fernandes@hotmail.com Tatiane Albuquerque Pires (UFG) tati_albuquerque_3@hotmail.com

Leia mais

ESTUDO DO MÉTODO DE IMPEDÂNCIA ELETROMECÂNICA PARA DETECÇÃO DE DANOS INCIPIENTES EM UMA VIGA DE ALUMÍNIO

ESTUDO DO MÉTODO DE IMPEDÂNCIA ELETROMECÂNICA PARA DETECÇÃO DE DANOS INCIPIENTES EM UMA VIGA DE ALUMÍNIO 7º Simpósio do Programa de Pós-graduação em Engenharia Mecânica Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica ESTUDO DO MÉTODO DE IMPEDÂNCIA ELETROMECÂNICA PARA DETECÇÃO DE DANOS

Leia mais

Mancais e Rolamentos BRM

Mancais e Rolamentos BRM 7 - Seleção de Rolamentos O tamanho do rolamento a ser utilizado em uma determinada aplicação é selecionado a princípio com base em sua capacidade de carga em relação às cargas a serem aplicadas e as necessidades

Leia mais

Formulação de Petrov-Galerkin para solução de problema de secagem de grãos

Formulação de Petrov-Galerkin para solução de problema de secagem de grãos Anais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Formulação de Petrov-Galerkin para solução de problema de secagem de grãos Tatiane Reis do Amaral, João Francisco A. Vitor Mestrado em Modelagem Matemática e Computacional,

Leia mais

PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO E CÁLCULO APLICADO

PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO E CÁLCULO APLICADO PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO E CÁLCULO APLICADO Yuri Ivan Maggi ymaggi@unicenp.edu.br Patrícia Lizi de Oliveira Maggi plomaggi@unicenp.edu.br Centro Universitário

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

PROGRAMA VIV_STOCK - Versão 1.0 MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2011

PROGRAMA VIV_STOCK - Versão 1.0 MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2011 PROGRAMA VIV_STOCK - Versão 1.0 MANUAL DO USUÁRIO Junho de 2011 Página 1 de 19 ÍNDICE 1. VISÃO GERAL DO PROGRAMA VIV STOCK...3 2. ESTRUTURA DO PROGRAMA VIV STOCK...3 3. ENTRADA DE DADOS...4 3.1. DADOS

Leia mais

Vistas do Laboratório de Vibrações e Acústica, ao qual foram anexadas as novas instalações do Laboratório de Ruído Industrial.

Vistas do Laboratório de Vibrações e Acústica, ao qual foram anexadas as novas instalações do Laboratório de Ruído Industrial. Grupo de Vibrações e Acústica (GVA), que opera junto ao Laboratório de Vibrações e Acústica, foi formado em 1979 e compreende uma equipe permanente de professores da Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA Jefferson Bruschi da Silva (1); Cristiano Richter (2); Jean Marie Désir (3); (1) Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

I. INTRODUÇÃO. Palavras-chave Conservação de Energia, Eficiência Energética, Sistemas Industriais.

I. INTRODUÇÃO. Palavras-chave Conservação de Energia, Eficiência Energética, Sistemas Industriais. EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA EM MÉTODOS DE CONTROLE DE VAZÃO R. R. B. Aquino, Z. D. Lins, P. A. C. Rosas, L. F. A. Cordeiro, J. R. C. Ribeiro, I. A. Tavares, P. S. Amorim. Universidade Federal de Pernambuco:

Leia mais

ENSAIOS DE INTEGRIDADE ESTRUTURAL DE PLACAS ANGULARES DE FIXAÇÃO DE FRACTURAS ÓSSEAS DO FÉMUR

ENSAIOS DE INTEGRIDADE ESTRUTURAL DE PLACAS ANGULARES DE FIXAÇÃO DE FRACTURAS ÓSSEAS DO FÉMUR ENSAIOS DE INTEGRIDADE ESTRUTURAL DE PLACAS ANGULARES DE FIXAÇÃO DE FRACTURAS ÓSSEAS DO FÉMUR P. A. M. Talaia 1, C. Relvas 1, L. Almeida 2, J. Salgado 2 e J. A. Simões 1 1 Departamento de Engenharia Mecânica,

Leia mais

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência.

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência. Ano lectivo: 200-20 Medição de Tensões e Correntes Eléctricas. Leis de Ohm e de Kirchhoff. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Medição de grandezas AC e DC. Conceito de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO SOLAR

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO SOLAR ILHA SOLTEIRA XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-MN12 DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO

Leia mais

Concreto Determinação da resistência à tração na flexão de corpos de prova prismáticos

Concreto Determinação da resistência à tração na flexão de corpos de prova prismáticos Concreto Determinação da resistência à tração na flexão de corpos de prova prismáticos APRESENTAÇÃO 1) Este 1º Projeto de Revisão foi elaborado pela Comissão de Estudo de Métodos de Ensaio de Concreto

Leia mais

Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo

Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.22, p.25-32, Outubro, 2013 Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo Numerical and experimental evaluation

Leia mais

4 Montagem experimental

4 Montagem experimental 4 Montagem experimental Neste capitulo apresentamos a montagem experimental. Mostramos também os resultados obtidos ao fazer uma simulação do ímã que gera o gradiente de campo variando sua geometria e

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

Aula 08. Modelos e Simulação

Aula 08. Modelos e Simulação Modelos e Simulação 8.1 Aula 08 Modelos e Simulação Walter Antônio Bazzo e Luiz Teixeira do Vale Pereira, Introdução a Engenharia Conceitos, Ferramentas e Comportamentos, Capítulo 7: Modelos e Simulação

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais