1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL"

Transcrição

1 1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL CARACTERIZAÇÃO EXPERIMENTAL DA RIGIDEZ À FLEXÃO EM MATERIAL COMPÓSITO CARBONO-EPÓXI CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI Aluno: Gabriel Prosofsky de Araujo (2) Orientadora: Profa. Dra. Gigliola Salerno (1) Departamento de Engenharia de Materiais (1) Departamento de Engenharia Mecânica (2)

2 SUMÁRIO Introdução Objetivos Fundamentação teórica Comprimento crítico Regra da mistura Propagação de trincas Materiais e métodos Resultados experimentais e discussão Porcentagem em massa de fibras Corte a jato d água e montagem Ensaios Fractografia Microscopia Eletrônica por Varredura Conclusões

3 INTRODUÇÃO Materiais compósitos Aplicações Indústrias automobilística, artigos esportivos, aeronáutica e naval; Resistência e rigidez específicas altas, reduzindo a quantidade de material empregado; Fragilidade quanto ao carregamento flexão

4 OBJETIVO Estudar a influência das orientações dos tecidos nas propriedades mecânicas de um material compósito laminado carbono-epóxi frente ao carregamento flexão, em duas configurações distintas, em micro, meso e macro-escalas. Lâminas 0 /90 Lâminas 0 /90 /45 /-45

5 OBJETIVO Estudar a influência das orientações dos tecidos nas propriedades mecânicas de um material compósito laminado carbono-epóxi frente ao carregamento flexão, em duas configurações distintas, em micro, meso e macro-escalas. Micro-escala Meso-escala Macro-escala

6 Tipos de materiais compósitos FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Fonte: CALLISTER, 2012

7 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Influência do comprimento e orientação da fibra Fonte: ROESLER, 2007

8 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Fonte: CALLISTER, 2012

9 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Regra da mistura Determinação do módulo de elasticidade Fonte: CALLISTER, 2012

10 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Regra da mistura Determinação do módulo de elasticidade compósitos tracionados longitudinalmente Fonte: BAKER, 2004

11 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Regra da mistura Determinação do módulo de elasticidade compósitos tracionados transversalmente Fonte: ROESLER, 2007

12 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Regra da mistura Determinação do módulo de elasticidade Fonte: BAKER, % 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% % Volume de fibras x Processamento hand layup vacuum bag resin infusion autoclave Fonte: NASSEH (SAMPE Bridge Contest), 2015.

13 Propagação das trincas FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Descolamento da resina ao longo da fibra Fonte: ROESLER, 2007

14 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Processamento de três tipos de corpos de prova, de características distintas Corpos de prova Configuração Cura A 0 /90 24h temp. ambiente B 0 /90 1h 120 C C 0 /90 /45 /-45 1h 120 C *Corpos A apresentaram defeito de laminação. Corpos de prova Dimensões [mm] Quantidade No de lâminas Relação span -espessura A 210 x 60 x B 240 x 50 x C 240 x 50 x

15 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Corte dos tecidos Montagem e cura Corte a jato d`água % massa de fibras e resina Ensaios Microscopia Eletrônica de Varredura

16 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Corte dos tecidos Montagem e cura Corte a jato d`água % massa de fibras e resina Ensaios Microscopia Eletrônica de Varredura

17 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Corte dos tecidos Montagem e cura Corte a jato d`água % massa de fibras e resina Ensaios Microscopia Eletrônica de Varredura

18 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Corte dos tecidos Montagem e cura Corte a jato d`água % massa de fibras e resina Ensaios Microscopia Eletrônica de Varredura

19 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Corte dos tecidos Montagem e cura Corte a jato d`água % massa de fibras e resina Ensaios Microscopia Eletrônica de Varredura

20 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Corte dos tecidos Montagem e cura Corte a jato d`água % massa de fibras e resina Ensaios Microscopia Eletrônica de Varredura

21 RESULTADOS E DISCUSSÃO Macro-escala dos corpos de prova Corpos de prova A Corpos de prova B Corpos de prova C

22 RESULTADOS E DISCUSSÃO Ensaios de flexão Comparativo dos resultados Corpos de prova A (0 /90 ) Corpos de prova B (0 /90 ) Corpos de prova C (0 /90 /45 /-45 )

23 RESULTADOS E DISCUSSÃO Tensão-deformação degraus dos corpos 0 /90 /45 /-45. Grupo C

24 RESULTADOS E DISCUSSÃO Ensaios de flexão Comparativo dos resultados Corpos de prova A Regime elástico E [GPa] Regime plástico Média 33, , , ,29 Desvio padrão ± 0,7 ± 10 ± 0,03 ± 25 ± 0,11 ± 47 ± 0,09 Corpos de prova B Regime elástico E [GPa] Regime plástico Média 34, , , ,32 Desvio padrão ± 3,6 ± 36 ± 0,07 ± 57 ± 0,17 ± 61 ± 0,24 Corpos de prova Regime elástico Regime plástico C E [GPa] Média 24, , , ,46 Desvio padrão ± 1,0 ± 17 ± 0,05 ± 14 ± 0,08 ± 11 ± 0,18

25 RESULTADOS E DISCUSSÃO Ensaios de flexão Comparativo dos resultados Corpos de prova A [MPa] [MPa] Média 302 9,4 Desvio padrão ± 25 ± 0,8 Corpos de prova B [MPa] [MPa] Média 266 6,7 Desvio padrão ± 57 ± 1,4 Corpos de prova C [MPa] [MPa] Média 275 6,9 Desvio padrão ± 14 ± 0,4

26 RESULTADOS E DISCUSSÃO Macro-escala dos corpos de prova Densidade, %mássica e volumétrica de fibras. A B C Densidade 1,23 g/cm³ 1,30 g/cm³ 1,29 g/cm³ % mássica de fibras 51,15 %M 59,46 %M 58,27 %M % volumétrica de fibras 39,99 %V 47,27 %V 46,04 %V Módulo de elasticidade médio 33,6 GPa 34,2 GPa 24,0 GPa Fonte: BAKER, 2004

27 RESULTADOS E DISCUSSÃO Modos de falha dos compósitos CP-2 CP-20 CP-8 Todos os corpos de prova C apresentaram o mesmo modo de falha

28 RESULTADOS E DISCUSSÃO MEV Microscopia Eletrônica de Varredura

29 RESULTADOS E DISCUSSÃO MEV Microscopia Eletrônica de Varredura. Grupo A. Análise por MEV, entrelaçamento e ruptura por tração do CP-1

30 RESULTADOS E DISCUSSÃO MEV Microscopia Eletrônica de Varredura. Grupo A. Análise por MEV, pull-out e presença de volume de vazio interno no CP-1

31 RESULTADOS E DISCUSSÃO MEV Microscopia Eletrônica de Varredura. Grupo A. Análise por MEV, pull-out, presença de bolha e delaminação no CP-1 Fonte: ROESLER, 2007

32 RESULTADOS E DISCUSSÃO MEV Microscopia Eletrônica de Varredura. Grupo A. Análise por MEV, ruptura por tração, delaminação e bolhas no CP-1.

33 RESULTADOS E DISCUSSÃO MEV Microscopia Eletrônica de Varredura. Grupo B. Análise por MEV, pull-out e propagação de trinca na resina no CP-8

34 RESULTADOS E DISCUSSÃO MEV Microscopia Eletrônica de Varredura. Grupo B. Análise por MEV, propagação de trinca no CP-8 Fonte: ROESLER, 2007

35 RESULTADOS E DISCUSSÃO MEV Microscopia Eletrônica de Varredura. Grupo C. Análise por MEV, bolhas, delaminação e trinca no CP-17 Fonte: ROESLER, 2007

36 RESULTADOS E DISCUSSÃO MEV Microscopia Eletrônica de Varredura. Grupo C. Análise por MEV, lâmina 45 /-45 não rompida por tração CP-17.

37 CONCLUSÕES Foi possível verificar o ensaio de flexão de três pontos: Corte à jato d água apresentou ótimo acabamento superficial apesar da espessura ser considerável. Após o corte, não foram encontradas fibras soltas nas superfícies dos corpos de prova. Os corpos de prova A, B e C falharam predominantemente devido à tração por apresentarem valores altos de relação span-espessura e, consequentemente, apresentaram valores baixos de tensão cisalhante interlaminar. A rigidez dos corpos de prova de orientação 0 /90 é cerca de 42,5% maior, em média, que a rigidez de corpos de prova de orientação 0 /90 /±45 enquanto que a resistência permanece a mesma.

38 CONCLUSÕES Corpos de prova C (0 /90 /±45 ) apresentaram falha em degraus. O processamento manual é deficiente e deve ser tratado com muito cuidado ao ser aplicado à construção de estruturas de elevada responsabilidade, pois durante as etapas do processo, como preparação da e mistura da resina com o endurecedor e laminação há o surgimento ou aprisionamento de pequenas bolhas de ar, bolhas estas que caso não sejam retiradas com o processo de cura sob vácuo, podem formar trincas e fragilizar o material.

39 AGRADECIMENTOS À Professora Dra. Gigliola Salerno. Ao Centro Universitário da FEI e aos técnicos do laboratório de materiais da FEI. À minha família e à Flávia Fagundes pelo apoio. À Deus pela oportunidade.

40 1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL CARACTERIZAÇÃO EXPERIMENTAL DA RIGIDEZ À FLEXÃO EM MATERIAL COMPÓSITO CARBONO-EPÓXI CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI Aluno: Gabriel Prosofsky de Araujo (2) Orientadora: Profa. Dra. Gigliola Salerno (1) Departamento de Engenharia de Materiais (1) Departamento de Engenharia Mecânica (2) OBRIGADO!

Presença da TEXIGLASS no mundo

Presença da TEXIGLASS no mundo Presença da TEXIGLASS no mundo 2 O que são os PLÁSTICOS? São polímeros que apresentam Baixa resistência à tração Baixa resistência à flexão Baixa resistência à compressão O que fazem as FIBRAS? Aumentam

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica Neste capítulo são apresentados trabalhos relacionados ao comprimento de ancoragem e a resistência de aderência do CFC-substrato de concreto. São mostradas de forma resumida as

Leia mais

MATERIAIS METÁLICOS AULA 5

MATERIAIS METÁLICOS AULA 5 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I E (TEC 156) MATERIAIS METÁLICOS AULA 5 Profª. Cintia Maria Ariani Fontes 1 Ensaio

Leia mais

INDÚSTRIA DO PETRÓLEO E GÁS

INDÚSTRIA DO PETRÓLEO E GÁS APLICAÇÕES DE PERFIS PULTRUDADOS INDÚSTRIA DO PETRÓLEO E GÁS Palestrante : Carlos Viegas Apoio O QUE É UM COMPÓSITO ROVING CONTÍNUO RESINA POLIESTER VINIL ESTER FENOLICA EPOXI MANTA DE FIBRA DE VIDRO VÉU

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Nº 99 922-205. Ensaios de caracterização de argamassa para revestimento CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA

RELATÓRIO TÉCNICO Nº 99 922-205. Ensaios de caracterização de argamassa para revestimento CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA RELATÓRIO TÉCNICO Nº 99 922-205 Ensaios de caracterização de argamassa para revestimento CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA Laboratório de Materiais de Construção Civil Cliente: Usina Fortaleza

Leia mais

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph À prova de fogo Reparos externos e reabilitação estrutural para infraestruturas

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2.1. Introdução Os materiais estruturais podem ser divididos em quatro grupos: metálicos, cerâmicos, poliméricos e compósitos (Gibson, 1993). Em

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO Nº 03 PVC

BOLETIM TÉCNICO Nº 03 PVC A tabela a seguir lista valores típicos de algumas propriedades físicas, mecânicas, térmicas e elétricas de compostos de PVC rígidos e flexíveis. Os valores são simplesmente de caráter informativo e são

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

CONGRESSO SAMPE-2015 FIBRAS DE CARBONO HISTÓRICO E APLICAÇÕES PRÁTICAS

CONGRESSO SAMPE-2015 FIBRAS DE CARBONO HISTÓRICO E APLICAÇÕES PRÁTICAS CONGRESSO SAMPE-2015 FIBRAS DE CARBONO HISTÓRICO E APLICAÇÕES PRÁTICAS O QUE É A FIBRA DE CARBONO? É um polímero carbonizado! Precursores da Fibra de carbono Poliacrilonitrila Teor de carbono fixo: 40-45%

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio. CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio. CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I Profa. Elisa Sotelino Prof. Luiz Fernando Martha Propriedades de Materiais sob Tração Objetivos

Leia mais

Resultados e Discussões 95

Resultados e Discussões 95 Resultados e Discussões 95 É interessante observar, que a ordem de profundidade máxima não obedece à ordem de dureza Shore A. A definição de dureza é exatamente a dificuldade de se penetrar na superfície

Leia mais

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Tensão Propriedades Mecânicas: Tensão e Deformação Deformação Elástica Comportamento tensão-deformação O grau com o qual a estrutura cristalina

Leia mais

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA FREIRE EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM OSASCO 2011 2 MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Propriedades do Concreto Referência desta aula Agosto - 2008 1 Propriedades

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais

2 Materiais e Métodos

2 Materiais e Métodos 1 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS REFORÇADAS POR ACRÉSCIMO DE CONCRETO À FACE COMPRIMIDA EM FUNÇÃO DA TAXA DE ARMADURA LONGITUDINAL TRACIONADA PRÉ-EXISTENTE Elias Rodrigues LIAH; Andréa Prado Abreu REIS

Leia mais

Propriedades dos Materiais CAP 3

Propriedades dos Materiais CAP 3 Universidade Federal do Ceará Resistência dos Materiais I Propriedades dos Materiais CAP 3 Profa. Tereza Denyse de Araújo Março/2010 Roteiro de aula Ensaio de Cisalhamento Ensaio de Torção Falhas de Materiais

Leia mais

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho MATERIAIS COMPÓSITOS Histórico Adobes reforçados com palha Egito 5000 anos. Concreto reforçado com barras de metal século XIX. Fibras de vidro 1970 Conceito São materiais formados por dois ou mais constituintes

Leia mais

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial.

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial. INFLUÊNCIA DO MATERIAL DE CAPEAMENTO NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DOS CORPOS-DE-PROVA DE CONCRETO E ARGAMASSAS: COMPARAÇÃO ENTRE ENXOFRE, PASTA DE CIMENTO E PASTA DE GESSO Rodrigo Boesing (1); Rogério A.

Leia mais

Painel Náutico FEIPLAR-2014

Painel Náutico FEIPLAR-2014 Painel Náutico FEIPLAR-2014 Presença da TEXIGLASS no mundo 4 Tipos de Reforços Os reforços podem Fibra Picada (spray up) Na Forma de Mantas Na Forma de TECIDOS Outras - Por que usar TECIDOS? - Usam-se

Leia mais

LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO

LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO 1. Uma mola, com comprimento de repouso (inicial) igual a 30 mm, foi submetida a um ensaio de compressão. Sabe-se

Leia mais

Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono

Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono Roberta Aparecida Tomaz, Flavia Lopes Soares, Paulo Henrique Maciel Barbosa Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix / roberta.tomaz2013@gmail.com

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO Jéssica Spricigo da Rocha Bonifácio (1), Daiane dos Santos da Silva Godinho (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

ENSAIO DE FRATURA EM CONCRETO: PARTE 2

ENSAIO DE FRATURA EM CONCRETO: PARTE 2 JORNADAS SAM/ CONAMET/ SIMPOSIO MATERIA 2003 07-03B ENSAIO DE FRATURA EM CONCRETO: PARTE 2 Effting 1, C.; Bressan 2, J.D. 1 Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC),Caixa Postal 631, Joinville,

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

CPIC BRASIL. CPIC/Fiberglass Presentation. Uma Nova Marca no Mercado do Brasil com 20 Anos de Experiência

CPIC BRASIL. CPIC/Fiberglass Presentation. Uma Nova Marca no Mercado do Brasil com 20 Anos de Experiência CPIC BRASIL CPIC/Fiberglass Presentation Uma Nova Marca no Mercado do Brasil com 20 Anos de Experiência Histórico CPIC Fiberglass 2011 Planta CPIC BRASIL 2010 Capacidade 520.000T 2009 Vidro TM Alto Módulo

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

Relações entre tensões e deformações

Relações entre tensões e deformações 3 de dezembro de 0 As relações entre tensões e deformações são estabelecidas a partir de ensaios experimentais simples que envolvem apenas uma componente do tensor de tensões. Ensaios complexos com tensões

Leia mais

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto.

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto. Ficha de Produto Edição 02/09/2010 Identificação n 02 04 01 04 001 0 000001 Sikadur 30 Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação Características / Vantagens Testes Sikadur

Leia mais

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO CURSO PRÁTICO DE DIAGNOSTICO, REPARO, PROTEÇÃO E REFORÇO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO PROF. FERNANDO JOSÉ RELVAS frelvas@exataweb.com.br

Leia mais

Apresentação Geral Propriedades Mecânicas Dimensões de Laminados Tabela de Preços

Apresentação Geral Propriedades Mecânicas Dimensões de Laminados Tabela de Preços Apresentação Geral Propriedades Mecânicas Dimensões de Laminados Tabela de Preços 1 Apresentação Geral Produto: Laminado de carbono - epoxy obtido por pultrusão Aplicações: Reforço e reparação de estruturas

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA ANISOTRÓPICA NO COMPORTAMENTO EM FADIGA DA LIGA DE ALUMÍNIO 7010-T74 FORJADA, DE APLICAÇAO AERONÁUTICA

INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA ANISOTRÓPICA NO COMPORTAMENTO EM FADIGA DA LIGA DE ALUMÍNIO 7010-T74 FORJADA, DE APLICAÇAO AERONÁUTICA Jornadas SAM 2000 - IV Coloquio Latinoamericano de Fractura y Fatiga, Agosto de 2000, 703-710 INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA ANISOTRÓPICA NO COMPORTAMENTO EM FADIGA DA LIGA DE ALUMÍNIO 7010-T74 FORJADA,

Leia mais

Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons

Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons Maria Cecília Evora, Delmo Nishitsuji, Dr.Gerson Marinucci Dr. Leonardo Gondim de Andrade e Silva Objetivo Pesquisar e desenvolver

Leia mais

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt ENSAIO DE MATERIAIS Profº Diógenes Bitencourt BASES TECNOLÓGICAS Diagrama Tensão-Deformação; Ensaio de Tração; Ensaio de Compressão; Ensaio de Cisalhamento; Ensaio de dureza Brinell; Ensaio de dureza Rockwell;

Leia mais

PLÁSTICO BOLHA DATASHEET

PLÁSTICO BOLHA DATASHEET Pág.1/5 Produzido em Filme de Polietileno de Baixa Densidade, com bolhas de ar, o Plástico Bolha é um produto que proporciona excelente proteção nos materiais nele embalados. Outra aplicação largamente

Leia mais

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK.

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. Mario Henrique de Cerqueira Engenheiro de Desenvolvimento Ambiental - Tetra Pak 1. Introdução

Leia mais

Ensaio de tração: cálculo da tensão

Ensaio de tração: cálculo da tensão Ensaio de tração: cálculo da tensão A UU L AL A Você com certeza já andou de elevador, já observou uma carga sendo elevada por um guindaste ou viu, na sua empresa, uma ponte rolante transportando grandes

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

4 Resultados e discussões

4 Resultados e discussões 4 Resultados e discussões 4.1. Tratamentos preservativos Foram realizados seis métodos de tratamento preservativo para diferentes colmos de bambu. Quatro destes métodos foram aplicados em bambus que já

Leia mais

BT 0011 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 26_ENDURECEDOR G 226_ CARGA EF 35/P

BT 0011 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 26_ENDURECEDOR G 226_ CARGA EF 35/P BT 0011 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 26_ENDURECEDOR G 226_ CARGA EF 35/P Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina PC 26_Endurecedor G 226_Carga EF 35/P Resina

Leia mais

Em aços trabalhados mecanicamente, é usual a presença de uma

Em aços trabalhados mecanicamente, é usual a presença de uma Figura 2.13: Amostra do aço SAF 2205 envelhecida a 850ºC por 30 minutos. Ferrita (escura), austenita (cinza) e sigma (sem ataque). Nota-se morfologia lamelar de sigma e austenita, no centro da micrografia.

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

Análise não-linear com elementos de interface de alvenaria de blocos de concreto à compressão

Análise não-linear com elementos de interface de alvenaria de blocos de concreto à compressão BE Encontro Nacional Betão Estrutural Guimarães 5,, 7 de Novembro de Análise não-linear com elementos de interface de alvenaria de blocos de concreto à compressão Gihad Mohamad 1 Paulo Brandão Lourenço

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA Alessandra L. de Castro; Rafael F. C. dos Santos; Givani Soares de Araújo 54º Congresso Brasileiro do Concreto

Leia mais

POLÍMEROS REFORÇADOS COM FIBRA (PRF) Um dos maiores desafios para a indústria da construção civil e para a sociedade em

POLÍMEROS REFORÇADOS COM FIBRA (PRF) Um dos maiores desafios para a indústria da construção civil e para a sociedade em POLÍMEROS REFORÇADOS COM FIBRA (PRF) AUTORES: Correia, M.M. (manuel.correia@stin-eng.com) Gonilha, J.A. (jose.gonilha@stin-eng.com) Nunes, F. (francisco.nunes@stin-eng.com) 1. INTRODUÇÃO Um dos maiores

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA Juliano Fiorelli (1); Antonio Alves Dias (2) (1) Aluno de mestrado Escola de Engenharia de São Carlos EESC USP, e-mail: fiorelli@sc.usp.br (2) Professor

Leia mais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais HOLCIM (BRASIL) S/A Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais Eng. JOSÉ VANDERLEI DE ABREU Patologias Comuns em Pisos Patologias pisos industriais com problemas superficiais

Leia mais

ENSAIOS DE STUTTGART REPRODUÇÃO EM LABORATÓRIO

ENSAIOS DE STUTTGART REPRODUÇÃO EM LABORATÓRIO ENSAIOS DE STUTTGART RERODUÇÃO EM LABORATÓRIO Andrea Corrêa Rocha (1); Maria das Graças Duarte Oliveira (1); aulo Sérgio Oliveira Resende (1); Alberto Vilela Chaer (2) (1) Acadêmicos de Engenharia Civil,

Leia mais

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode. Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.com/blog/ Referência Bibliográfica Hibbeler, R. C. Resistência de materiais.

Leia mais

Identificação DAHER Tecnologia

Identificação DAHER Tecnologia 1 Interessado: Jacson Polese dos Santos - ME. Rua Bandeirantes, 976. - Sítio Cercado. CEP 81.900-490. Curitiba Paraná. 1 de 6 Curitiba, 19 de setembro de 2006. 2 Referência: Avaliação de Triângulos pac

Leia mais

Concretos de retração controlada e de pós reativos: características, aplicações e desafios.

Concretos de retração controlada e de pós reativos: características, aplicações e desafios. e de pós reativos: características, aplicações e desafios. Wellington L. Repette, Prof. Dr., Eng. Civil (Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC) Retração! Fissuras 1 Estruturas novas Reparo H2O

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO. Prof. Rubens Caram

COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO. Prof. Rubens Caram COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO Prof. Rubens Caram 1 TENSÃO X DEFORMAÇÃO O EFEITO DE TENSÕES NA ESTRUTURA DE METAIS PODE SER OBSERVADO NA FORMA DE DEFORMAÇÕES: EM ESTRUTURAS DE ENGENHARIA, ONDE

Leia mais

Ficha Técnica de Produto

Ficha Técnica de Produto Ficha Técnica de Produto GLENIUM 3400 NV Aditivo hiperplastificante. GLENIUM 3400 NV é um aditivo com alto índice de redução de água, pronto para o uso. O GLENIUM 3400 NV é uma nova geração de aditivos

Leia mais

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho CONCEITOS Materiais e Processos de Produção ESTRUTURA DA MATÉRIA ÁTOMOS PRÓTONS NÊUTRONS ELÉTRONS MOLÉCULAS ESTADOS DA MATÉRIA TIPO DE LIGAÇÃO ESTRUTURA (ARRANJO) IÔNICA COVALENTE METÁLICA CRISTALINO AMORFO

Leia mais

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO Engº Rubens Curti DOSAGEM DEFINIÇÃO DOSAGEM é o proporcionamento adequado e mais econômico de materiais: cimento, água, agregados, adições e aditivos 2 DOSAGEM

Leia mais

Broad Base. Best Solutions. SIGRAFIL Fibras de carbono contínuas

Broad Base. Best Solutions. SIGRAFIL Fibras de carbono contínuas Broad Base. Best Solutions. CARBON FIBERS and COMPOSITE MATERIALS SIGRAFIL Fibras de carbono contínuas 2 Fibras de carbono e materiais compósitos fabricados pelo SGL Group. Q Amplo portfólio de produtos

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Joaquim Carneiro

RELATÓRIO TÉCNICO. Joaquim Carneiro Escola de Ciências RELATÓRIO TÉCNICO ANÁLISE DE CHAPAS REVESTIDAS Cliente AMT COATINGS Engenharia e Tratamento de Superfícies, Lda. CACE-Ruas das Novas Empresas, Fontiscos PT-4780-511 Santo Tirso PORTUGAL

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO. Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2

ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO. Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2 ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT);

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA Jefferson Bruschi da Silva (1); Cristiano Richter (2); Jean Marie Désir (3); (1) Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Ensaio de Compressão de Corpos de Prova Resistência do Concreto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

Nome Fantasia : Actos Actos Com. Imp. e Exp. Ltda. Ficha empresa

Nome Fantasia : Actos Actos Com. Imp. e Exp. Ltda. Ficha empresa Nome Fantasia : Actos Actos Com. Imp. e Exp. Ltda. Produto: Chapas de Policarbonato Compactas Actos Chapas de policarbonato compactas para coberturas. Ver tabela. Ver tabela. Produtos Chapa compacta TABELA

Leia mais

Conceitos de Projeto e Execução

Conceitos de Projeto e Execução Pisos Industriais: Conceitos de Projeto e Execução Públio Penna Firme Rodrigues A Importância do Pavimento Industrial Conceituação Piso - Pavimento Quanto à fundação Fundação direta (sobre solo ou isolamento

Leia mais

SAMPE BRIDGE CONTEST REGRAS. Elaborado por: Rodrigo Cesar Berardine

SAMPE BRIDGE CONTEST REGRAS. Elaborado por: Rodrigo Cesar Berardine SAMPE BRIDGE CONTEST REGRAS Elaborado por: Rodrigo Cesar Berardine Conteúdo -Instruções para cadastro e envio dos projetos -Regras do Desafio -Premiação -Sessão de Perguntas e Respostas 1. Cadastro http://www.sampe.com.br/desafio-insc.html

Leia mais

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU VIVIANE DA COSTA CORREIA 1, JOSÉ DAFICO ALVES 2, CÍRIO JOSÉ COSTA 3 1 Bolsista PBIC/UEG, acadêmico do curso de Engenharia Agrícola da UnUCET - UEG

Leia mais

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência Thiago Catoia 1, Bruna Catoia 2, Tobias Azevedo

Leia mais

aplicação em cimento Cem FIL

aplicação em cimento Cem FIL Fibra de vidro com resistência alcalina para aplicação em cimento Cem FIL Daniela Gomes de Araújo Novembro de 2010 Conteúdo Introdução à Argamassa Reforçada com Fibra de Vidro (GRC) Vantagens Aplicações

Leia mais

Tecidos Especiais Reforçando o seu Negócio na Direção Certa. Por: Sinésio Baccan

Tecidos Especiais Reforçando o seu Negócio na Direção Certa. Por: Sinésio Baccan Tecidos Especiais Reforçando o seu Negócio na Direção Certa Por: Sinésio Baccan Localização Rio Claro SP - Brasil RC SP Características Principais Início de atividades em 03 Nov de 2008 Área construída

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Propriedades Mecânicas Definem a resposta do material à aplicação de forças (solicitação mecânica). Força (tensão) Deformação Principais

Leia mais

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Ensaios de Stuttgart Reprodução em Laboratório Consorte, Anna Karlla G. Oliveira,

Leia mais

Curso de Engenharia Industrial Mecânica ENSAIOS DOS MATERIAIS

Curso de Engenharia Industrial Mecânica ENSAIOS DOS MATERIAIS Curso de Engenharia Industrial Mecânica ENSAIOS DOS MATERIAIS Santo Ângelo, Janeiro de 2007 Ensaios dos Materiais Acadêmica: Gabrieli Bortoli Dalcin Santo Ângelo, Janeiro de 2007 Sumário 1.ENSAIO DE TRAÇÃO...

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Nº 113 437-205. Ensaios de caracterização de concreto fluido de alta resistência (graute)

RELATÓRIO TÉCNICO Nº 113 437-205. Ensaios de caracterização de concreto fluido de alta resistência (graute) RELATÓRIO TÉCNICO Nº 113 437-205 Ensaios de caracterização de concreto fluido de alta resistência (graute) CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRAESTRUTURA Laboratório de Materiais de Construção Civil Cliente:

Leia mais

A Utilização da Argamassa na Reparação de Pilares de Concreto Armado

A Utilização da Argamassa na Reparação de Pilares de Concreto Armado A Utilização da Argamassa na Reparação de Pilares de Concreto Armado M. Margarida Corrêa (1); João Carlos Vinagre (2); Regina Helena Souza (2) (1) Mestre, Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA

UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Urbanismo FEAU Curso de Engenharia de Materiais Trabalho de Conclusão de Curso BRUNA CAROLINA SOARES DE LIMA MARCELO GONÇALVES A INFLUÊNCIA

Leia mais

ÁREA DE ENSAIOS ALVENARIA ESTRUTURAL RELATÓRIO DE ENSAIO N O 36555

ÁREA DE ENSAIOS ALVENARIA ESTRUTURAL RELATÓRIO DE ENSAIO N O 36555 LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL ENDEREÇO: Cidade Universitária Camobi, Santa Maria (RS) CEP 97105 900 TELEFONE: (55) 3220 8608 (Fax) Direção 3220 8313 Secretaria E-MAIL: lmcc@ct.ufsm.br 1/5

Leia mais

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira.

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira. Conjunto de processos: Corte, Dobramento/curvamento (calandragem), Embutimento (estamp. profunda), Cunhagem, Perfilamento, Repuxamento. Processo a frio, Produto acabado, Matéria prima laminada, Forma volumétrica,

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO A madeira é um material excepcional como material de construção além de ter qualidades muito grandes como matéria prima para outros produtos industrializados, e que

Leia mais

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro;

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; Critérios de falha - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; - compreensão clara do(s) mecanismo(s) de falha (modos de falha); -aspectos

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

Análise Estrutural de Cilindros Revestidos de Compósitos para Armazenamento de GNV. Autor: Fernando F. M. Corrêa de Guamá Abril - 2013

Análise Estrutural de Cilindros Revestidos de Compósitos para Armazenamento de GNV. Autor: Fernando F. M. Corrêa de Guamá Abril - 2013 Análise Estrutural de Cilindros Revestidos de Compósitos para Armazenamento de GNV. Autor: Fernando F. M. Corrêa de Guamá Abril - 2013 Projeto final de Graduação apresentado a banca do corpo docente do

Leia mais

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO Eduardo M. Batista (1) ; Elaine G. Vazquez (2) ; Elaine Souza dos Santos (3) (1) Programa de Engenharia Civil, COPPE,

Leia mais

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição Introdução Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil PGECIV - Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ Disciplina: Tópicos Especiais em Estruturas (Chapa Dobrada) Professor: Luciano Rodrigues

Leia mais

Tratamento de Superfície de Pisos de Concreto. Públio Penna Firme Rodrigues

Tratamento de Superfície de Pisos de Concreto. Públio Penna Firme Rodrigues Tratamento de Superfície de Pisos de Concreto Públio Penna Firme Rodrigues Públio Penna Firme Rodrigues Graduado em Engenharia Civil pela Escola de Engenharia Mauá, Mestre em Engenharia pela EPUSP (Escola

Leia mais

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 02 de setembro 2010 RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO

Leia mais

TENDÊNCIAS, CONQUISTAS, DESAFIOS DO CONCRETO AUTOADENSÁVEL

TENDÊNCIAS, CONQUISTAS, DESAFIOS DO CONCRETO AUTOADENSÁVEL TENDÊNCIAS, CONQUISTAS, DESAFIOS DO CONCRETO AUTOADENSÁVEL Prof. Bernardo F Tutikian btutikian@terra.com.br bftutikian@unisinos.br O CAA deve possuir: FLUIDEZ HABILIDADE DE PASSAR POR OBSTÁCULOS RESISTÊNCIA

Leia mais

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE Curso: Disciplina: Aula 1 PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS POR QUÊ ESTUDAR? A determinação e/ou conhecimento das propriedades mecânicas é muito importante

Leia mais

O que são os tecidos de reforço? Os tecidos para reforço de materiais plásticos são efetivamente tecidos que são fabricados com 2 fios, chamados de

O que são os tecidos de reforço? Os tecidos para reforço de materiais plásticos são efetivamente tecidos que são fabricados com 2 fios, chamados de 1 2 O que são os tecidos de reforço? Os tecidos para reforço de materiais plásticos são efetivamente tecidos que são fabricados com 2 fios, chamados de Urdume e Trama 3 Trama Ourela Urdume Os fios que

Leia mais

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 O núcleo central de inércia é o lugar geométrico da seção transversal

Leia mais

2 Projeto de Vigas de Concreto Armado Submetidas à Força Cortante e à Flexão

2 Projeto de Vigas de Concreto Armado Submetidas à Força Cortante e à Flexão 2 Projeto de Vigas de Concreto Armado Submetidas à Força Cortante e à Flexão 2.1. Projeto de Vigas de Concreto Armado Submetidas à Força Cortante Em vigas as tensões principais de tração e de compressão

Leia mais

Excelente aderência quando aplicado sobre superfícies de concreto ou argamassa;

Excelente aderência quando aplicado sobre superfícies de concreto ou argamassa; VIAPLUS 7000-FIBRAS 1. Descrição Impermeabilizante à base de resinas termoplásticas e cimentos com aditivos e incorporação de fibras sintéticas (polipropileno). Essa composição resulta em uma membrana

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS - PGCEM

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS - PGCEM UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS - PGCEM CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica 2.1. Introdução Nesse capitulo são apresentados alguns estudos sobre o comportamento do reforço com CFC em elementos estruturais, de modo a salientar a importância da aderência

Leia mais

COLAGEM APLICADA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA.

COLAGEM APLICADA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA. COLAGEM APLICADA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA. Alunos: Antonio Rodrigues e Vitor Antoniazzi. Orientador: Ivani de S. Bott. Co-Orientador: José Roberto D Almeida. Introdução A ideia de se unir corpos sólidos

Leia mais

ENSAIOS DE APLICAÇÃO RESISTÊNCIA À TRAÇÃO

ENSAIOS DE APLICAÇÃO RESISTÊNCIA À TRAÇÃO ENSAIOS DE APLICAÇÃO RESISTÊNCIA À TRAÇÃO 1. OBJETIVO Determinar as propriedades de tração de plásticos reforçados e não reforçados, em forma de corpos de prova normalizados e ensaiados, sob condições

Leia mais