CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO. Cliente: INFRARED

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO. Cliente: INFRARED"

Transcrição

1 CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO Cliente: INFRARED Data: 06 de maio de 2015 REVISÃO: 00

2 DATA: 06 de maio de 2015 Identificação DESCRIÇÃO: Esta análise destina-se a avaliar o comportamento estrutural da janela de inspeção obtendo comparativo entre estrutura de painel elétrico sem janela e com janela. ELABORAÇÃO: Eduardo de Medeiros Analista Rafael C. Santana Engenheiro VERIFICAÇÃO: Hélio de Sousa Teixeira Júnior Responsável Técnico APROVAÇÃO: Hélio de Sousa Teixeira Júnior Responsável Técnico Folha de revisão REVISÃO: DESCRIÇÃO: DATA: ELABORAÇÃO: VERIFICAÇÃO: APROVAÇÃO: ii

3 Índice Conteúdo Página 1 Objetivo: Descrição: Resultados Análise estática linear Análise não linear Comentários: Conclusões: Desenvolvimento: Referências Bibliográficas: iii

4 Índice de figuras Figura Página Fig.2.1 Estrutura de porta considerada para análise Fig.2.2 Estrutura de porta com janela de inspeção Fig.2.3 Detalhe em corte da estrutura da janela de inspeção Fig.2.4 Detalhe da aplicação das cargas no modelo de elementos finitos Fig.2.5 Detalhe da aplicação das cargas no modelo de elementos finitos Fig.2.6 Modelo de elementos finitos sem janela vista isométrica Fig.2.7 Modelo de elementos finitos com janela vista isométrica Fig.2.8 Modelo de elementos finitos com janela detalhe da janela vista isométrica e vista rotacionada Fig.2.9 Representação dos parafusos da tampa Fig.2.10 Modelo de elementos finitos detalhe das faces em contato entre a tampa e o silicone Fig.2.11 Modelo de elementos finitos detalhe das faces em contato entre a porta e o fixador Fig.2.12 Modelo de elementos finitos detalhe das faces em contato entre a porta e o silicone Fig.2.13 Modelo de elementos finitos detalhe das faces em contato entre a porta e a estrutura de alumínio Fig.3.1 Gráfico de aplicação de carga (fator de carga x tempo [s]) Fig.3.2 Gráfico tensão x deformação Fig.2.14 Condições de contorno nos pontos de fixação da porta modelo sem janela Fig.2.15 Condições de contorno nos pontos de fixação da porta modelo com janela Fig.3.1 Deslocamentos resultantes [mm] modelo sem janela Fig.3.2 Deslocamentos resultantes [mm] configuração deformada modelo sem janela Fig.3.3 Deslocamentos resultantes [mm] modelo com janela Fig.3.4 Deslocamentos resultantes [mm] configuração deformada modelo com janela Fig.3.5 Tensões (Von Mises) [MPa] limitadas no escoamento do material modelo sem janela Fig.3.6 Tensões (Von Mises) [MPa] limitadas no escoamento do material modelo com janela Fig.3.7 Tensões (Von Mises) [MPa] limitadas no escoamento do material janela lado interno Fig.3.8 Tensões (Von Mises) [MPa] limitadas no escoamento do material janela lado externo Fig.3.9 Deslocamentos resultantes [mm] modelo sem janela Fig.3.10 Deslocamentos resultantes [mm] configuração deformada modelo sem janela Fig.3.11 Deslocamentos resultantes [mm] modelo com janela Fig.3.12 Deslocamentos resultantes [mm] configuração deformada modelo com janela Fig.3.13 Tensões (Von Mises) [MPa] limitadas no escoamento do material modelo sem janela Fig.3.14 Tensões (Von Mises) [MPa] limitadas no escoamento do material modelo com janela Fig.3.15 Tensões (Von Mises) [MPa] limitadas no escoamento do material janela lado interno Fig.3.16 Tensões (Von Mises) [MPa] limitadas no escoamento do material janela lado externo iv

5 1 Objetivo: Esta análise destina-se a avaliar o comportamento estrutural da janela de inspeção obtendo comparativo entre estrutura de painel elétrico sem janela e com janela. 2 Descrição: Esta análise contempla a estrutura da porta de painel elétrico e estrutura da janela de inspeção (fornecida pela INFRARED), separando-se em dois casos: estrutura da porta sem janela e com janela. A carga considerada é a pressão equivalente à expansão do ar interno provocada por arco elétrico. A análise estrutural é executada através do método dos elementos finitos com o programa SOLIDWORKS. As configurações avaliadas podem ser visualizadas nas figuras abaixo: Fig.2.1 Estrutura de porta considerada para análise. 1

6 Fig.2.2 Estrutura de porta com janela de inspeção. Fig.2.3 Estrutura da janela de inspeção. 2

7 Fig.2.4 Detalhe em corte da estrutura da janela de inspeção. As principais características dos materiais empregados são as seguintes: AÇO AISI 1010: Módulo de elasticidade: E GPa Coeficiente de Poisson: ν... 0,29 Densidade: ρ kg/m 3 Tensão de escoamento: σ y MPa Tensão de ruptura: σ rup MPa Tensão admissível segundo norma AISC: Cargas eventuais: σ adm = σ y x 0,8 = 180 x 0,8 = 144,0 MPa ALUMÍNIO 1100-H14: Módulo de elasticidade: E GPa Coeficiente de Poisson: ν... 0,33 Densidade: ρ kg/m 3 Tensão de escoamento: σ y MPa Tensão de ruptura: σ rup MPa Tensão admissível segundo norma AISC: Cargas eventuais: σ adm = σ y x 0,8 = 95 x 0,8 = 76 MPa 3

8 SILICONE: Módulo de elasticidade: E MPa Coeficiente de Poisson: ν... 0,49 Densidade: ρ kg/m 3 Tensão de escoamento: σ y... 7 MPa Resistência à tração:... 5,5 MPa Resistência à compressão: MPa Cálculo da amplitude da onda de pressão: O cálculo da amplitude da onda de pressão gerada pelo arco elétrico é apresentado a seguir: Onde: A = Amplitude da onde de pressão [kn/m²] d = distância do painel para o arco [m] I = corrente do arco [A] t = tempo de duração do arco [s] Valores considerados para o cálculo: d = 1 m I = 700 A t = 0,01 s A = [1,5 x (700 x 0,01)]/1 = 10,5 kn/m² Com exceção da distância (d) os valores e o cálculo da amplitude da onda de pressão foram obtidos através de artigos contidos nas referências 7.3 e

9 Carregamentos considerados: Para a análise realizada foi considerado o carregamento descrito a seguir: Modelo sem janela LC1: Pressão devido ao arco elétrico. P = N/m² Área que recebe a pressão = 1,743 m² Carga devido à pressão = 18301,5 N A aplicação de carga no modelo de elementos finitos pode ser visualizada na figura a seguir: Fig.2.5 Detalhe da aplicação das cargas no modelo de elementos finitos. 5

10 Modelo com janela LC1: Pressão devido ao arco elétrico. P = N/m² Área que recebe a pressão = 1,754 m² Carga devido à pressão = 18417,0 N A aplicação de carga no modelo de elementos finitos pode ser visualizada na figura a seguir: Fig.2.6 Detalhe da aplicação das cargas no modelo de elementos finitos. 6

11 O modelo de elementos finitos, faces consideradas em contato e conectores de parafusos considerados no modelo podem ser visualizados nas figuras a seguir: Fig.2.7 Modelo de elementos finitos sem janela vista isométrica. Fig.2.8 Modelo de elementos finitos com janela vista isométrica. 7

12 Fig.2.9 Modelo de elementos finitos com janela detalhe da janela vista isométrica e vista rotacionada em 180. Fig.2.10 Representação dos parafusos da tampa. 8

13 Fig.2.11 Modelo de elementos finitos detalhe das faces em contato entre a tampa e o silicone. Fig.2.12 Modelo de elementos finitos detalhe das faces em contato entre a porta e o fixador. 9

14 Fig.2.13 Modelo de elementos finitos detalhe das faces em contato entre a porta e o silicone. Fig.2.14 Modelo de elementos finitos detalhe das faces em contato entre a porta e a estrutura de alumínio. 10

15 Parâmetros da análise não linear Para a elaboração das análises não lineares são utilizados os seguintes parâmetros: Lei de endurecimento: von Mises Isotrópico; Formulação dos elementos para grandes deslocamentos e deformações; Método de iteração do cálculo: Newton-Raphson; Técnica de controle: método das forças; Aplicação da carga estaticamente, ao longo do tempo. Onde a figura a seguir ilustra a curva de aplicação de carga ao longo do tempo (fator de carga x tempo [s]): Fig.2.15 Gráfico de aplicação de carga (fator de carga x tempo [s]) Como se pode observar na Figura 2.15, no eixo vertical está o fator aplicado à carga, com variação de 0 a 1 (o valor 1 corresponde à carga do carregamento descrito anteriormente). No eixo horizontal está o tempo de aplicação da carga. σ esc = E x ε esc 180 X 10 6 = 200 X 10 9 X ε esc ε esc = 0,0009 (Deformação no regime elástico) Módulo tangente considerado (Etan) = 10% de E = 20 x

16 Fig.2.16 Gráfico tensão x deformação Condições de contorno: As condições de contorno são restrições translacionais e rotacionais nas faces internas dos furos onde a porta é fixada. Fig.2.17 Condições de contorno nos pontos de fixação da porta modelo sem janela. 12

17 Fig.2.18 Condições de contorno nos pontos de fixação da porta modelo com janela. 13

18 3 Resultados 3.1 Análise estática linear Os principais resultados de tensões e deslocamentos para o caso de carga considerado podem ser visualizados a seguir. Tabela Deslocamento resultante [m]. Modelo Local Deslocamento máximo [m] s/ janela Folha da porta 0,076 c/ janela Folha da porta 0,059 c/ janela Região da janela 0,050 Tabela Tensões máximas [MPa]. Tensão máxima Tensão adm. Tensão de Modelo Local [MPa] [MPa] ruptura [MPa] s/ janela Fixação >σ esc s/ janela Folha da porta >σ esc c/ janela Fixação >σ esc c/ janela Folha da porta >σ esc c/ janela Região da janela >σ esc c/ janela Janela >σ esc Os resultados obtidos para o caso de carga considerado podem ser visualizados nas figuras a seguir: Fig.3.1 Deslocamentos resultantes [mm] modelo sem janela. 14

19 Fig.3.2 Deslocamentos resultantes [mm] configuração deformada modelo sem janela. Fig.3.3 Deslocamentos resultantes [mm] modelo com janela. 15

20 Fig.3.4 Deslocamentos resultantes [mm] configuração deformada modelo com janela. Fig.3.5 Tensões (Von Mises) [MPa] limitadas no escoamento do material modelo sem janela. 16

21 Fig.3.6 Tensões (Von Mises) [MPa] limitadas no escoamento do material modelo com janela. Fig.3.7 Tensões (Von Mises) [MPa] limitadas no escoamento do material janela lado interno. 17

22 Fig.3.8 Tensões (Von Mises) [MPa] limitadas no escoamento do material janela lado externo. 18

23 3.2 Análise não linear Os principais resultados de tensões e deslocamentos para o caso de carga considerado podem ser visualizados a seguir. Tabela Deslocamento resultante [m]. Modelo Local Deslocamento máximo [m] s/ janela Folha da porta 0,024 c/ janela Folha da porta 0,018 c/ janela Região da janela 0,017 Tabela Tensões máximas [MPa]. Tensão máxima Tensão adm. Tensão de Modelo Local [MPa] [MPa] ruptura [MPa] s/ janela Fixação 446,0** s/ janela Folha da porta 90, c/ janela Fixação 436,8** c/ janela Folha da porta 137, c/ janela Região da janela 179, c/ janela Janela 110,0* *Valores acima do escoamento do material. **Valores acima da ruptura do material. Os resultados obtidos para o caso de carga considerado podem ser visualizados nas figuras a seguir: Fig.3.9 Deslocamentos resultantes [mm] modelo sem janela. 19

24 Fig.3.10 Deslocamentos resultantes [mm] configuração deformada modelo sem janela. Fig.3.11 Deslocamentos resultantes [mm] modelo com janela. 20

25 Fig.3.12 Deslocamentos resultantes [mm] configuração deformada modelo com janela. Fig.3.13 Tensões (Von Mises) [MPa] limitadas no escoamento do material modelo sem janela. 21

26 Fig.3.14 Tensões (Von Mises) [MPa] limitadas no escoamento do material modelo com janela. Fig.3.15 Tensões (Von Mises) [MPa] limitadas na ruptura do material modelo com janela. 22

27 Fig.3.16 Tensões (Von Mises) [MPa] limitadas no escoamento do material janela lado interno. Fig.3.17 Tensões (Von Mises) [MPa] limitadas no escoamento do material janela lado externo. 23

28 Fig.3.18 Tensões (Von Mises) [MPa] limitadas na ruptura do material janela lado interno. 24

29 4 Comentários: 4.1 O modelo de elementos finitos foi gerado a partir de desenhos 2D fornecidos pela Infrared e modelo 3D de porta de painel elétrico. 4.2 A carga distribuída considerada é definida pelo cálculo da amplitude de onda de pressão devida ao arco elétrico conforme referências 7.3 e É considerada uma distância de 1m entre a porta e a origem da carga. Para maiores distâncias ocorre redução linear deste valor. 4.4 O modelo de elementos finitos considera que todos os componentes estão montados de acordo com o desenho fornecido. Possíveis erros de montagem e desalinhamento de componentes no processo de fabricação não são considerados nesta análise. 25

30 5 Conclusões: 5.1 Considerando a distância de 1 metro entre a formação do arco elétrico e a porta do painel são obtidos valores de tensões superiores ao limite de escoamento do aço da porta. Quando é inserida a janela, também ocorrem tensões superiores ao limite de escoamento na mesma. Em ambas as situações são obtidas tensões na porta superiores até mesmo ao limite de ruptura nas proximidades da região das condições de contorno. 5.2 As tensões na porta devem ser inferiores às obtidas em virtude da utilização de valor conservativo do módulo tangente. Assim, não se pode afirmar se ocorrerá ruptura nas portas para a carga aplicada. 5.3 A partir dos resultados obtidos para tensões e deslocamentos pode ser observado que a inserção da janela de inspeção não tem efeito significativo no comportamento estrutural de uma porta de painel elétrico para deslocamentos e tensões fora da região da janela. 5.4 Após a inserção da janela, as tensões na porta em suas adjacências sofrem acréscimo, mas com valores máximos inferiores ao escoamento do material. 5.5 Na presente análise não foram considerados efeitos de plastificação do material para a estrutura da janela, e são encontradas tensões acima do limite de escoamento. 5.6 Recomenda-se nova verificação da janela considerando efeitos de plastificação do alumínio de forma a permitir melhor quantificação destas tensões e a consideração correta da curva tensão x deformação do aço para identificação de eventuais fraturas nas portas. 26

31 6 Desenvolvimento: No modelo principal executado são utilizados elementos sólidos tetraédricos (TETRA10) com 3 graus de liberdade por nó. Modelo sem janela Número de elementos: Número de nós: Modelo com janela Número de elementos: Número de nós: Referências Bibliográficas: 7.1 COSMOS/M Manuals, Norma AISC 7.3 RÔMULO, Alan; SENGER, Eduardo; MORAES, Cícero. Capítulo VI Painéis resistentes a arco elétrico jun. de Disponível em: < p6.pdf>. Acesso em: 19 jan RÔMULO, Alan; SENGER, Eduardo. Capítulo IV A NFPA 70E e os métodos para cálculo de energia incidente abr. de Disponível em: < p4.pdf>. Acesso em: 19 jan

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro;

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; Critérios de falha - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; - compreensão clara do(s) mecanismo(s) de falha (modos de falha); -aspectos

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

Relações entre tensões e deformações

Relações entre tensões e deformações 3 de dezembro de 0 As relações entre tensões e deformações são estabelecidas a partir de ensaios experimentais simples que envolvem apenas uma componente do tensor de tensões. Ensaios complexos com tensões

Leia mais

BT 0001 BOLETIM TÉCNICO - WEDGE-BOLT

BT 0001 BOLETIM TÉCNICO - WEDGE-BOLT BT 0001 BOLETIM TÉCNICO - WEDGE-BOLT Elaborador: Verificadores: Aprovador: DIEGO RAFAEL CAMERA DANILO P. P. DE ALMEIDA DIEGO RAFAEL CAMERA WEDGE-BOLT Chumbador mecânico, tipo parafuso. Descrição Wedge-Bolt

Leia mais

MATERIAIS METÁLICOS AULA 5

MATERIAIS METÁLICOS AULA 5 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I E (TEC 156) MATERIAIS METÁLICOS AULA 5 Profª. Cintia Maria Ariani Fontes 1 Ensaio

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO. Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2

ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO. Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2 ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT);

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio. CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio. CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I Profa. Elisa Sotelino Prof. Luiz Fernando Martha Propriedades de Materiais sob Tração Objetivos

Leia mais

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode. Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.com/blog/ Referência Bibliográfica Hibbeler, R. C. Resistência de materiais.

Leia mais

MANUAL DE ENGENHARIA

MANUAL DE ENGENHARIA 02.04.2007 1/6 1. OBJETIVO Esta especificação padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas de concreto armado destinadas ao suporte

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES CLIENTE: FOLHA 1 de 17 PROGRAMA: FUNDAÇÕES AREA: ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ RESP: SILIO LIMA CREA: 2146/D-RJ Nº GEOINFRA ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E / OU FOLHAS ATINGIDAS Emissão inicial DATA

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

ENSAIOS DE INTEGRIDADE ESTRUTURAL DE PLACAS ANGULARES DE FIXAÇÃO DE FRACTURAS ÓSSEAS DO FÉMUR

ENSAIOS DE INTEGRIDADE ESTRUTURAL DE PLACAS ANGULARES DE FIXAÇÃO DE FRACTURAS ÓSSEAS DO FÉMUR ENSAIOS DE INTEGRIDADE ESTRUTURAL DE PLACAS ANGULARES DE FIXAÇÃO DE FRACTURAS ÓSSEAS DO FÉMUR P. A. M. Talaia 1, C. Relvas 1, L. Almeida 2, J. Salgado 2 e J. A. Simões 1 1 Departamento de Engenharia Mecânica,

Leia mais

PPMEC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PROCESSO SELETIVO DO SEGUNDO SEMESTRE DE 2014

PPMEC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PROCESSO SELETIVO DO SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PPMEC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PROCESSO SELETIVO DO SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 PROVA DE SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS

Leia mais

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 1 MENEGAZZO Projeto e Consultoria Ltda / carlos.menegazzo@gmail.com 2 IFSC

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Nº 99 922-205. Ensaios de caracterização de argamassa para revestimento CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA

RELATÓRIO TÉCNICO Nº 99 922-205. Ensaios de caracterização de argamassa para revestimento CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA RELATÓRIO TÉCNICO Nº 99 922-205 Ensaios de caracterização de argamassa para revestimento CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA Laboratório de Materiais de Construção Civil Cliente: Usina Fortaleza

Leia mais

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE 1. OBJETIVO Esta norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Analise de Tensões em Perfil Soldado Comparação de Resultados em Elementos Finitos Aluno: Rafael Salgado Telles Vorcaro Registro:

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO Curso de Engenharia Civil Universidade Estadual de Maringá Centro de ecnologia Departamento de Engenharia Civil CPÍULO 6: ORÇÃO Revisão de Momento orçor Convenção de Sinais: : Revisão de Momento orçor

Leia mais

1. Determinar a tensão normal nos pontos das seções S 1 e S 2 da barra da figura.

1. Determinar a tensão normal nos pontos das seções S 1 e S 2 da barra da figura. 16 10 mm 10 mm 1. eterminar a tensão normal nos pontos das seções S 1 e S 2 da barra da figura. S1 S1 20 kn 300 mm 160 mm 50 mm 80 mm S 1 40MPa S 2 3,98MPa 2. Para a barra da figura, determinar a variação

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

TENSÕES MECÂNICAS ADMISSÍVEIS PARA ELABORAÇÃO E/OU VERIFICAÇÃO DE PROJETOS DE TRAVESSIAS AÉREAS UTILIZANDO CABOS SINGELOS DE ALUMÍNIO COM ALMA DE AÇO

TENSÕES MECÂNICAS ADMISSÍVEIS PARA ELABORAÇÃO E/OU VERIFICAÇÃO DE PROJETOS DE TRAVESSIAS AÉREAS UTILIZANDO CABOS SINGELOS DE ALUMÍNIO COM ALMA DE AÇO RT 2.002 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer parâmetros técnicos para subsidiar a padronização dos critérios para adoção de tensões mecânicas de projeto quando da utilização de cabos singelos de alumínio

Leia mais

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação 34 Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação Por Alan Rômulo e Eduardo Senger* No artigo anterior foram abordados os métodos previstos na NFPA

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Idade do concreto. Verificação da resistência. Módulo de

Leia mais

MIEC MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL 2014/2015 PROPOSTA DE TEMAS PARA DISSERTAÇÃO RAMO DE ESPECIALIZAÇÃO/ ÁREA CIENTÍFICA: ESTRUTURAS

MIEC MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL 2014/2015 PROPOSTA DE TEMAS PARA DISSERTAÇÃO RAMO DE ESPECIALIZAÇÃO/ ÁREA CIENTÍFICA: ESTRUTURAS 1 EST1 AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE DEFORMAÇÃO DE ELEMENTOS TUBULARES EM AÇO José Miguel Castro CO Um dos passos essenciais no processo de avaliação da segurança sísmica de estruturas consiste na comparação

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DA UNIDADE CONSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBONATO INDIVIDUAL E COLETIVO

PADRÃO DE ENTRADA DA UNIDADE CONSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBONATO INDIVIDUAL E COLETIVO CSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBATO INDIVIDUAL E COLETIVO 1. OBJETIVO Padronizar entrada da unidade consumidora com a caixa tipo modular, fabricado em policarbonato e tampa transparente, para medição

Leia mais

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2.

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CÂMPUS DE CHAPADÃO DO SUL DISCIPLINA: CONSTRUÇÕES RURAIS LISTA DE EXERCICIOS I RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS PROFESSOR: PAULO CARTERI CORADI 1) Calcule a deformação

Leia mais

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Tensão Propriedades Mecânicas: Tensão e Deformação Deformação Elástica Comportamento tensão-deformação O grau com o qual a estrutura cristalina

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: setembro/08 FOLHA : 1 / 6 FURAÇÃO DA CRUZETA

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO

RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Siglas e Abreviaturas

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS

PROPRIEDADES MECÂNICAS Elementos de Máquinas Elementos de Fixação Revisão sobre esforços mecânicos Prof. Geraldo Sales dos Reis Curso Técnico em Mecânica Módulo VI PROPRIEDADES MECÂNICAS POR QUÊ ESTUDAR? A determinação e/ou

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Tópicos Abordados Relatório de Projeto. Técnicas de Estruturação para uma boa Avaliação. Elaboração do Relatório

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica Tópicos Abordados Método dos Elementos Finitos. Softwares para Análise Numérica. Método do Elementos Finitos No

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 4 5. Medições

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO FERRAMENTA NA DEFINIÇÃO DO PERFIL PARA TREM DE POUSO POLIMÉRICO

UTILIZAÇÃO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO FERRAMENTA NA DEFINIÇÃO DO PERFIL PARA TREM DE POUSO POLIMÉRICO UTILIZAÇÃO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO FERRAMENTA NA DEFINIÇÃO DO PERFIL PARA TREM DE POUSO POLIMÉRICO Leonardo José Lottermann (FAHOR) ll001211@fahor.com.br Djone Rafael Viana (FAHOR) dv001140@fahor.com.br

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário: 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 3 5. Medições

Leia mais

Instruções para Implementadores

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Curitiba, Brazil Instruções para Implementadores Data Grupo Edição Pág. 10.2011 95 01 1( 8 ) Características Construtivas Cabina e Chassi VM BRA50589 89034684 Portuguese/Brazil

Leia mais

Ensaio de tração: cálculo da tensão

Ensaio de tração: cálculo da tensão Ensaio de tração: cálculo da tensão A UU L AL A Você com certeza já andou de elevador, já observou uma carga sendo elevada por um guindaste ou viu, na sua empresa, uma ponte rolante transportando grandes

Leia mais

Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo

Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.22, p.25-32, Outubro, 2013 Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo Numerical and experimental evaluation

Leia mais

Estruturas Mistas de Aço e Concreto

Estruturas Mistas de Aço e Concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas Mistas de Aço e Concreto Prof. Fernanda Calenzani Programa Detalhado Estruturas Mistas Aço e Concreto 1. Informações Básicas 1.1 Materiais 1.2 Propriedades

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

Tutorial de Viga: Ansys - Beam3

Tutorial de Viga: Ansys - Beam3 Tutorial de Viga: Ansys - Beam3 Primeiramente vamos iniciar o tutorial apresentando uma visão geral do software Ansys, ao abri-lo (click em Ansys11 e Ansys) a seguinte tela é mostrada: Nesse curso focaremos

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO MARCOS FACULDADE DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE I MÓDULO 2 POTENCIÔMETRO PARTE TEÓRICA

UNIVERSIDADE SÃO MARCOS FACULDADE DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE I MÓDULO 2 POTENCIÔMETRO PARTE TEÓRICA 1. OBJETIVOS UNIVERSIDADE SÃO MARCOS FACULDADE DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE I MÓDULO 2 POTENCIÔMETRO PARTE TEÓRICA Uma vez completado este módulo, deveremos estar capacitados

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA FACULDADE DE ENGENHARIA INDUSTRAL MECÂNICA MACA ESPECIAL PARA MASSAGEM EM GESTANTES Discentes: Bruno Zuccolo Machado Fábio dos Santos Medeiros Rafael Lopes Aurélio Thiago Pinto

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

Mecânica dos Materiais

Mecânica dos Materiais Mecânica dos Materiais Esforços axiais Tensões e Deformações Esforços multiaxiais Lei de Hooke generalizada 2 Tradução e adaptação: Victor Franco Correia (versão 1/2013) Ref.: Mechanics of Materials, Beer,

Leia mais

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. DESENVONVIMENTO DE EQUIPAMENTOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

5 Modelos Estruturais

5 Modelos Estruturais 5 Modelos Estruturais 5.1 Introdução Neste capítulo, os modelos estruturais utilizados para avaliação do conforto humano serão descritos segundo suas características geométricas e físicas referentes aos

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais Análise de Circuitos LEE 2006/07 Guia de Laboratório Trabalho 2 Amplificadores Operacionais INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Paulo Flores 1 Objectivos

Leia mais

Simples, resistente e fácil de montar.

Simples, resistente e fácil de montar. Simples, resistente e fácil de montar. Economia e resistência são as principais qualidades da telha Vogatex. Possui peso reduzido e simplicidade estrutural, exigindo o mínimo de mão-de-obra e madeiramento

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO PROCESSO DE FABRICAÇÃO NA PERFORMANCE ESTRUTURAL DE COMPONENTES FUNDIDOS OTIMIZADOS. Valmir Fleischmann valmir@virtualcae.com.

A INFLUÊNCIA DO PROCESSO DE FABRICAÇÃO NA PERFORMANCE ESTRUTURAL DE COMPONENTES FUNDIDOS OTIMIZADOS. Valmir Fleischmann valmir@virtualcae.com. A INFLUÊNCIA DO PROCESSO DE FABRICAÇÃO NA PERFORMANCE ESTRUTURAL DE COMPONENTES FUNDIDOS OTIMIZADOS Valmir Fleischmann valmir@virtualcae.com.br 2 Sumário 1. Introdução 2. Metodologia 3. Configuração da

Leia mais

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO MANUAL TÉCNICO SUMÁRIO Introdução 03 Descrição da plataforma 04 Instruções de montagem 08 Informações de segurança 12 INTRODUÇÃO O ANDAIME SUSPENSO ELÉTRICO JIRAU é recomendado para trabalhos em altura

Leia mais

CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES

CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES CÓDIGO ESP-I-GPC-01/13 VERSÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA R0 20/05/2013 CONTROLE DE REVISÃO

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2004 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior, a mistura em proporção adequada

Leia mais

Conceito de tensão Tensões normais e tensões de corte

Conceito de tensão Tensões normais e tensões de corte Escola Superior Nautica Infante D. Henrique CET Manutenção Mecânica Naval Fundamentos de Resistência de Materiais Conceito de tensão Tensões normais e tensões de corte Tradução: V. Franco Ref.: Mechanics

Leia mais

Análise não-linear com elementos de interface de alvenaria de blocos de concreto à compressão

Análise não-linear com elementos de interface de alvenaria de blocos de concreto à compressão BE Encontro Nacional Betão Estrutural Guimarães 5,, 7 de Novembro de Análise não-linear com elementos de interface de alvenaria de blocos de concreto à compressão Gihad Mohamad 1 Paulo Brandão Lourenço

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0 PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 FABRICANTE: Metalúrgica Rodolfo Glaus Ltda ENDEREÇO: Av. Torquato Severo, 262 Bairro Anchieta 90200 210

Leia mais

Tensões Admissíveis e Tensões Últimas; Coeficiente de Segurança

Tensões Admissíveis e Tensões Últimas; Coeficiente de Segurança - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Tensões Admissíveis e Tensões

Leia mais

Módulo de Elasticidade do Concreto Como Analisar e Especificar. Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18

Módulo de Elasticidade do Concreto Como Analisar e Especificar. Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Módulo de Elasticidade do Concreto Como Analisar e Especificar Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Módulo de Elasticidade Conceituação Matemático inglês Robert Hooke (1635-1703):

Leia mais

4 Montagem experimental

4 Montagem experimental 4 Montagem experimental Neste capitulo apresentamos a montagem experimental. Mostramos também os resultados obtidos ao fazer uma simulação do ímã que gera o gradiente de campo variando sua geometria e

Leia mais

VariTrans A 20300. Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída.

VariTrans A 20300. Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída. Duplicadores de Sinais Convencionais Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída. A Tarefa Isolação e transmissão de sinais convencionais

Leia mais

Ficha Técnica. Lajes Mistas com Perfil Colaborante PC 65. Características dos materiais: Perfil Colaborante PC65 : Dimensões: Chapa: Betão: 0,75* 8,40

Ficha Técnica. Lajes Mistas com Perfil Colaborante PC 65. Características dos materiais: Perfil Colaborante PC65 : Dimensões: Chapa: Betão: 0,75* 8,40 Ficha Técnica Lajes Mistas com Perfil Colaborante PC 65 Perfil Colaborante PC65 : Espessura [mm] Massa [kg/m2] 0,75* 8,40 *Material standard, disponível em galvanizado. Outros materiais sob consulta. Dimensões:

Leia mais

Comando e Sinalização 3SB6. Catálogo resumido. www.siemens.com.br/botoes

Comando e Sinalização 3SB6. Catálogo resumido. www.siemens.com.br/botoes Comando e Sinalização 3SB6 Catálogo resumido www.siemens.com.br/botoes Abril 2012 SIRIUS dispositivos de comando e sinalização O crescente aumento da complexidade de máquinas e processos, promovem riscos

Leia mais

TRABALHO 3 Circuitos RLC resposta nos domínios do tempo e da frequência

TRABALHO 3 Circuitos RLC resposta nos domínios do tempo e da frequência GUIA DE LABORATÓRIO Análise de Circuitos - LEE TRABALHO 3 Circuitos RLC resposta nos domínios do tempo e da frequência INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Leia mais

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Marcos Geraldo S. Diretor da MGS Jánes Landre Júnior Prof. Depto. Engenharia Mecânica, PUC-Minas 1 - Introdução O setor

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS 3 Solicitações de cálculo

ESTRUTURAS METÁLICAS 3 Solicitações de cálculo PUC Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Civil ESTRUTURAS METÁLICAS 3 Solicitações de cálculo Professor Juliano Geraldo Ribeiro Neto, MSc. Goiânia, março de 2014. 3.1 PROJETO

Leia mais

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Alexandre Gil Batista Medeiros e Renato Pinto da Cunha Departamento de Engenharia

Leia mais

O AÇO ESTRUTURAL (uma parte do material desta página foi extraída do site www.gerdau.com.br) Aços CA-50 e CA-25

O AÇO ESTRUTURAL (uma parte do material desta página foi extraída do site www.gerdau.com.br) Aços CA-50 e CA-25 O AÇO ESTRUTURAL (uma parte do material desta página foi extraída do site www.gerdau.com.br) Os aços são classificados conforme sua resistência, definida pela sua composição e processo de fabricação. Assim,

Leia mais

1. Noção de tensão e de deformação

1. Noção de tensão e de deformação Capítulo 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MECÂNIC 1. Noção de tensão e de deformação Tensão: = F - Tensão (N/m 2 ou Pa) F força (N) Área (m 2 ) Estado interno gerado num corpo para equilibrar a força F aplicada

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais LEI DE OHM Conceitos fundamentais Ao adquirir energia cinética suficiente, um elétron se transforma em um elétron livre e se desloca até colidir com um átomo. Com a colisão, ele perde parte ou toda energia

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO. Prof. Rubens Caram

COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO. Prof. Rubens Caram COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO Prof. Rubens Caram 1 TENSÃO X DEFORMAÇÃO O EFEITO DE TENSÕES NA ESTRUTURA DE METAIS PODE SER OBSERVADO NA FORMA DE DEFORMAÇÕES: EM ESTRUTURAS DE ENGENHARIA, ONDE

Leia mais

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Junior, Byl F.R.C. (1), Lima, Eder C. (1), Oliveira,Janes C.A.O. (2), 1 Acadêmicos de Engenharia Civil, Universidade Católica

Leia mais

RELATORIO DE ENSAIO ECC/149.701/08 TELA DE PROTEÇÃO CONTRA-QUEDAS ENSAIOS DIVERSOS. Rua 14, 1126 - Centro 14620-000 Orlândia SP.

RELATORIO DE ENSAIO ECC/149.701/08 TELA DE PROTEÇÃO CONTRA-QUEDAS ENSAIOS DIVERSOS. Rua 14, 1126 - Centro 14620-000 Orlândia SP. Fl.: 1/7 RELATORIO DE ENSAIO ECC/149.701/08 TELA DE PROTEÇÃO CONTRA-QUEDAS ENSAIOS DIVERSOS Interessado: MORLAN S/A. Rua 14, 1126 - Centro 14620-000 Orlândia SP. (38.187) 1. MATERIAL ENSAIADO: Tela de

Leia mais

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS PARA O CONTROLE TECNOLÓGICO E DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Engº.. Roberto José Falcão Bauer JUNHO / 2006 SUMÁRIO 1. DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 2. PREMISSAS VISANDO

Leia mais

Barramento Elétrico Blindado KSL70

Barramento Elétrico Blindado KSL70 Barramento Elétrico Blindado KSL70 PG: 2 / 19 ÍNDICE PÁG. 1.0 DADOS TÉCNICOS 03 2.0 - MÓDULO 04 3.0 SUSPENSÃO DESLIZANTE 05 4.0 TRAVESSA DE SUSTENTAÇÃO 06 5.0 EMENDA DOS CONDUTORES E DOS MÓDULOS 07 6.0

Leia mais

Tutorial para utilização do COSMOSXpress - SW2007

Tutorial para utilização do COSMOSXpress - SW2007 Tutorial para utilização do COSMOSXpress - SW2007 O COSMOSXpress é parte integrante da plataforma paramétrica para projetos SolidWorks CAD 3D. É uma poderosa ferramenta que permite proceder a uma análise

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO FIXADOR ASTM A325 TIPO 1

BOLETIM TÉCNICO FIXADOR ASTM A325 TIPO 1 BOLETIM TÉCNICO FIXADOR ASTM A325 TIPO 1 Elaborador: Verificadores: Aprovador: RAMON PINHEIRO GARCIA DIEGO CAMERA RAMON PINHEIRO GARCIA 1 FIXADORES ASTM A325 TIPO1 Fixador de alta resistência para montagem

Leia mais

SENSOR INFRAVERMELHO ATIVO DUPLO FEIXE

SENSOR INFRAVERMELHO ATIVO DUPLO FEIXE SENSOR INFRAVERMELHO ATIVO DUPLO FEIXE duoiva-3010 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO Esta página foi intencionalmente deixada em branco. INTRODUÇÃO

Leia mais

Tensão de Cisalhamento

Tensão de Cisalhamento - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Tensão de Cisalhamento

Leia mais

POLICARBONATO CHAPAS ALVEOLARES. Estilo com Tecnologia. Alveolar - Compacto - Telhas - Acessórios de Instalação

POLICARBONATO CHAPAS ALVEOLARES. Estilo com Tecnologia. Alveolar - Compacto - Telhas - Acessórios de Instalação POLICARBONATO CHAPAS ALVEOLARES Estilo com Tecnologia Alveolar - Compacto - Telhas - Acessórios de Instalação CHAPAS ALVEOLARES Chapas em policarbonato alveolar, com tratamento em um dos lados contra ataque

Leia mais

Propriedades dos Materiais CAP 3

Propriedades dos Materiais CAP 3 Universidade Federal do Ceará Resistência dos Materiais I Propriedades dos Materiais CAP 3 Profa. Tereza Denyse de Araújo Março/2010 Roteiro de aula Ensaio de Cisalhamento Ensaio de Torção Falhas de Materiais

Leia mais

Caixa de Comando Sincronizada FRAMAR. Manual do Proprietário e Instruções de Instalação. www.framar.ind.br

Caixa de Comando Sincronizada FRAMAR. Manual do Proprietário e Instruções de Instalação. www.framar.ind.br Caixa de Comando Sincronizada FRAMAR Manual do Proprietário e Instruções de Instalação www.framar.ind.br 1. Introdução A caixa de comando sincronizada Framar é produzida para ser prática e funcional, uma

Leia mais

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7 Pág. 1 de 7 Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi 1. Descrição: Produto bicomponente, pré-dosado, à base de epóxi, isento de estireno e não retrátil, disposto em bisnaga com câmaras independentes,

Leia mais

Hastes de Bombeio com Conexão Premium

Hastes de Bombeio com Conexão Premium Hastes de Bombeio com Conexão Premium hastes de Bombeio com Conexão Premium Bem vindos ao futuro. A Tenaris apresenta seu mais recente desenvolvimento, a haste de bombeio premium com uma conexão de alta

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água UFF Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Química e de Petróleo Integração I Prof.: Rogério Fernandes Lacerda Curso: Engenharia de Petróleo Alunos: Bárbara Vieira

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 3 2 DIRETRIZES DE CÁLCULO 3 3 MATERIAIS 3 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3 5 GERADOR DE IMPULSO E DIVISOR DE TENSÃO DE 6,4 MV 4

1 INTRODUÇÃO 3 2 DIRETRIZES DE CÁLCULO 3 3 MATERIAIS 3 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3 5 GERADOR DE IMPULSO E DIVISOR DE TENSÃO DE 6,4 MV 4 Documento: Cliente: MEMÓRIA DE CÁLCULO CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS LDIST-ST-A4-002-0 Pag: 1 of 32 Título: EQUIPAMENTOS E FUNDAÇÕES PARA PÓRTICOS TECHNIP ENGENHARIA

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DA UNIDADE CONSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBONATO INDIVIDUAL E COLETIVO

PADRÃO DE ENTRADA DA UNIDADE CONSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBONATO INDIVIDUAL E COLETIVO CSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBATO INDIVIDUAL E COLETIVO 1. OBJETIVO Padronizar entrada da unidade consumidora com a caixa tipo modular, fabricado em policarbonato e tampa transparente, para medição

Leia mais

Manual do Usuário. Antena Painel Outdoor 65-806 a 960MHz - 17 dbi Downtilt Ajustável ANT040009

Manual do Usuário. Antena Painel Outdoor 65-806 a 960MHz - 17 dbi Downtilt Ajustável ANT040009 Manual do Usuário Antena Painel Outdoor 65-806 a 960MHz - 17 i Downtilt Ajustável ANT040009 Este Manual Aplica- se Somente ao Produto que o Acompanha Índice Pag. 1 - Informações Gerais...2 1.1 - Apresentação...2

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESPECIFICÇÃO TÉCNIC Título: CRUZET DE CONCRETO RMDO - LINHS DE 26 / 09 / 2011 1 de 14 1 FINLIDDE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de cruzeta de concreto

Leia mais

Verano. guarda-sóis manual de troca de corda

Verano. guarda-sóis manual de troca de corda Verano guarda-sóis manual de troca de corda Verano guarda-sóis manual de troca de corda Instruções gerais e de segurança Leia as instruções de montagem Apesar dos produtos Stobag serem de fácil montagem,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESCONTINUIDADE TIPO TRINCA DETECTADA NO VASO DE NITROGÊNIO

AVALIAÇÃO DE DESCONTINUIDADE TIPO TRINCA DETECTADA NO VASO DE NITROGÊNIO AVALIAÇÃO DE DESCONTINUIDADE TIPO TRINCA DETECTADA NO VASO DE NITROGÊNIO Controle de revisões 3 2 1 0 Rev Descrição Verificação Aprovação Data RESPONSÁVEIS TÉCNICOS Preparação e verificação Aprovação ART

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM E MED TECNOLOGIA MÉDICA PAINEL VERTICAL

MANUAL DE MONTAGEM E MED TECNOLOGIA MÉDICA PAINEL VERTICAL MANUAL DE MONTAGEM E MANUTENÇÃO PAINEL VERTICAL ÍNDICE INTRODUÇÃO...01 APRESENTAÇÃO... 01 COMPONENTES... 02 INSTALAÇÃO... 03 POSICIONAMENTO... 04 FIXAÇÃO SUPORTE DAS BARRAS... 05 FIXAÇÃO DO PAINEL... 06

Leia mais

TRABALHO DE GRADUAÇÃO. Projeto. Curso de Engenharia Mecânica ( ) Integral (X) Noturno. Aluno: xxxxxxx n

TRABALHO DE GRADUAÇÃO. Projeto. Curso de Engenharia Mecânica ( ) Integral (X) Noturno. Aluno: xxxxxxx n TRABALHO DE GRADUAÇÃO Projeto Curso de Engenharia Mecânica ( ) Integral (X) Noturno Aluno: xxxxxxx n Orientador: Marcelo Augusto Santos Torres Início do Trabalho: março de 2010 1. Tema: Mecânica da Fratura

Leia mais

Teoria Princípio do Capacitor

Teoria Princípio do Capacitor Teoria Princípio do Capacitor Um capacitor consiste de dois pratos eletrodos isolados de cada lado por um dielétrico médio. As características de um capacitor são dependentes da capacitância e da tensão.

Leia mais

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que A UU L AL A Ensaio de torção Diz o ditado popular: É de pequenino que se torce o pepino! E quanto aos metais e outros materiais tão usados no nosso dia-a-dia: o que dizer sobre seu comportamento quando

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais