AVALIAÇÃO DE DESCONTINUIDADE TIPO TRINCA DETECTADA NO VASO DE NITROGÊNIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DE DESCONTINUIDADE TIPO TRINCA DETECTADA NO VASO DE NITROGÊNIO"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DE DESCONTINUIDADE TIPO TRINCA DETECTADA NO VASO DE NITROGÊNIO Controle de revisões Rev Descrição Verificação Aprovação Data RESPONSÁVEIS TÉCNICOS Preparação e verificação Aprovação ART n 0

2 1. OBJETIVO Este relatório tem por objetivo avaliar a possibilidade de continuidade operacional do Tanque de Armazenamento de Nitrogênio, instalado no XXXX. 2. DOCUMENTOS TÉCNICOS APLICÁVEIS PR-EN-001/05 - Planejamento e realização do serviço PR-EN-003/05 - Preparação de superfície para realização de inspeção, ensaios e testes PR-EN-016/05 - Realização de Líquidos penetrantes PR-EN-017/05 - Medição de espessura por ultra som - Abaixo de 60 o C. PR-EN-009/05 - Inspeção em estruturas metálicas API Seção IX ASSESSMENT OF CRACK-LIKE FLAWS 3. IDENTIFICAÇÃO DO VASO DE PRESSÃO Nome: Tanque de Nitrogênio; Nº: XXXXX Categoria NR-13: I Data da última inspeção/evento: XXXX A Figura 1 ilustra as principais cotas do equipamento.

3 Figura 1 - Detalhe das principais cotas do Tanque de Nitrogênio 4. IDENTIFICAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA TRINCA A trinca foi detectada durante a realização da Inspeção Técnica de Segurança Periódica em 21/08/2008, conforme Figura 1. O comprimento foi definido pelo Ensaio de Partículas Magnéticas (Figura 3 e Figura 4), porém, no dimensionamento da profundidade o ultra-som não obteve sucesso, levando a cogitar a hipótese que a mesma está no máximo a 3 mm de profundidade (região onde o US é limitado) Figura 2 - Visão geral do posicionamento da trinca no vaso

4 7 mm Figura 3 - Dimensionamento do comprimento da Trinca Figura 4 - Localização da trinca do Vaso A solução de cálculo, através da API 579, foi utilizada com objetivo de permitir a parada programada do Tanque de Nitrogênio para reparo. Foi utilizada abordagem conservadora neste cálculo, utilizando profundidade máxima de 3 mm para trinca em questão, pois além desta profundidade haveria sinal na técnica de ultrassom (US). 5. METODOLOGIA DE CÁLCULO 5.1. DADOS DO EQUIPAMENTO Pressão de Projeto: 42,0 kgf/cm²) Temperatura de Projeto: 40 C Eficiência de junta: 1,0

5 Local da descontinuidade: no cordão de solda circunferencial Superfície de localização: Externa Tipo de Descontinuidade: Trinca transversal Orientação da descontinuidade: perpendicular ao cordão da solda Comprimento da solda (2c): 7 mm Profundidade da descontinuidade da superfície externa: 3,0 mm Tratamento Térmico: sim Código de Projeto: ASME Seção VIII, Div. 1 Especificação do material; SA 515 Gr. 70 Espessura do vaso: 31,5 mm Método de Inspeção para determinação do comprimento: Partículas magnéticas. Método de Inspeção para determinação da profundidade: Ultra-som 5.2. DADOS DA INSPEÇÃO Foi detectada uma descontinuidade localizada no reforço da solda circunferencial próxima na superfície externa do componente. Para efeito da avaliação considere-se somente a maior descontinuidade sendo esta a mais critica AVALIAÇÃO NÍVEL I (PARÁGRAFO 9.4.2) PASSO 1 DEFINIÇÃO DAS CONDIÇÕES DA AVALIAÇÃO Temperatura do componente no momento da pressurização, T: 25 C Pressão: 42 kgf/cm² PASSO 2 DIMENSÕES DA DESCONTINUIDADE Profundidade da descontinuidade, a: 3 mm Comprimento da descontinuidade, 2c: 7 mm

6 PASSO 3 ESCOLHA DA FIGURA PARA ACEITAÇÃO DA DESCONTINUIDADE Direção da Figura Componente Tipo de Junta Descontinuidade Escolhida Cilíndrico Circunferencial Perpendicular à junta Figura PASSO 4 ESCOLHA DA CURVA PARA AVALIAÇÃO Localização da descontinuidade: na solda Profundidade máxima: 3,0 mm Espessura do componente: 31,5 mm Profundidade máxima permitida: 6,35 mm Há evidencia de tratamento térmico pós-soldagem => Usa 1-t(linha tracejada) Curva B PASSO 5 DETERMINE A TEMPERATURA DE REFERENCIA Da tabela 3.3 para ASTM A 515 Gr.70 => Curva A 24

7 Da Figura 3.3 para t= 31,5 => T ref = 24 C PASSO 6 DETERMINAR O COMPRIMENTO MÁXIMO DA DESCONTINUIDADE Temperatura para entrada na figura 9.16, (T-Tref+55,6 C) (T-Tref+55,6) =( ,6)=56,6 C Da figura verificamos que o comprimento máximo permitido é de 10 mm.

8 PASSO 7 RESULTADOS Profundidade limitante: 6,35 mm (Atual: 3,0mm) => Aprovado Comprimento máximo permitida: 10 mm (Atual: 7,0mm) => Aprovado 5.4. AVALIAÇÃO NÍVEL II (PARÁGRAFO 9.4.3) Probabilidade de categoria de falha (p f ): 10-3 Coeficiente de variação de Carga: 0,1 Fator de Segurança Parcial Cargas: 1,5 Fator de Segurança Parcial Resistência de fratura: 1,0 Fator de Segurança Parcial Tamanho da descontinuidade: 1, PASSO 1 CONDIÇÕES PARA AVALIAÇÃO Pressão para avaliação: 42,0 kgf/cm² (597,38 psi) Temperatura para Avaliação: 40 C PASSO 2 DETERMINAR A DISTRIBUIÇÃO DAS TENSÕES Tensão Primária, P m P m =(P/E)(R/t +,06) P m =19388,79psi (1363,17 kgf/cm²) Máxima Tensão Primária, P max (Considerando teste hidrostático) Tensão admissível na temperatura de projeto(s): 20ksi (1406,14 kgf/cm²) Tensão admissível na temperatura ambiente (S a ): 20ksi (1406,14 kgf/cm²) P max = 1,5*P m (S a /S)=29083,18 psi (2044,75 kgf/cm²) Tensão residual σ r ys = (2671,66 kgf/cm²) + 10ksi (703,07 kgf/cm²) = 48ksi (3374,73 kgf/cm²)

9 σ r (x) =48 ksi (3374,73 kgf/cm²) PASSO 3 Tensão mínima de ruptura, S rupt = 70 ksi (4921,49 kgf/cm²) Tensão mínima de escoamento, S esc = 38 ksi (2671,66 kgf/cm²) T ref = 75,2 F (24 C) T=77 F (25 C) K ic =33,2+2,806exp(0,02(T-(T ref )+100))=54,69ksi in K ic =33,2+2,806exp(0,02(77-(75,2)+100))=54,69ksi in PASSO 4 - DIMENSÕES DA DESCONTINUIDADE a= 3 mm (0,118 ) 2c= 7 mm (0,276 ) => c= 3,5 mm (0,138 ) PASSO 5 T = T - T ref T = 77 75,2 = 1,8 Tabela F.6 K mean mat (sigma =1) = 1,63*54,69ksi in = 89,14 ksi in Tabela 9.2 R ky =(K mean mat/s esc )= 2,34 in a= 0,118 Para COV =0,1 e p f =10-3 => R c =1,4 R ky >R c => PSF s =1,5; PSFk=1,0; e PSFa=1,0 Assim; Pm=19388,79*1,5= 29083,18 psi Pb=0 Kmat=89,14*1=89,14 ksi in

10 a=0,118*1,0=0, PASSO 6-TENSÃO DE REFERENCIA Solução da tensão de referência (RCSCLE1 App. D parágrafo D5.10) a= 3 mm (0,118 ) 2c= 7 mm (0,276 ) => c= 3,5 mm (0,138 ) λ =(1,818*c)/ (R*a) λ =0,126 M t = 1,013 M s = 1,001 P b = 0 σ ref =29119,3 psi PASSO 7 RAZÃO DE CARGA L r =σ ref /S esc =0, PASSO 8 FATOR DE INTENSIDADE (APP.C) Para R/t=54 c/a=1,17 a/t= 0,1 Como a avaliação leva em consideração só tensão de membrana somente os dados para G 0 são necessário.

11 G0 A0=1,23637 A1=-0,86162 A2=1,551 A3=-0,41351 A4=-2,68248 A5=3, A6=-1,45956 β = 2φ/π Na base do defeito φ=90 β = 1 G 0 =1,05 Na ponta do defeito φ =0 β = 0 G0=1,236 Q=2,13 Para φ=90 K I =17,2 ksi in Para φ=0 K I =20,3 ksi in PASSO 9-TENSÃO DE REFERENCIA SECUNDÁRIA Sr σ ref =(Raiz(9*(1,001*48000)²))/3 Sr σ ref =48059,64 psi

12 PASSO 10-FATOR DE REDUÇÃO DE TENSÃO σ P ref = 29119,3 psi σ rupt =70000psi σ esc =38000psi σ f =( )/2=54000psi S srf = min[{1,0;1,4-(29119,3/54000)}} = 0, PASSO 11 K SR I K SR I na base(φ=90) =9279,15 psi in na ponta(φ=0) =10922,9 psi in PASSO 12 FATOR DE INTERAÇÃO DE PLASTICIDADE SR L r = 48059,64*0,54/38000=0,683 L p SR r =0,766 e L r =0,683=> =0,0682 e =0,335 / 0 =1,203 SR Já que (0 L r 4) =1,203 0 = PASSO 13 Assim Kr na base do defeito (φ=90)= 0,32; e nas pontas (φ=0)= 0,37 Para o material Lr(max)=1,0

13 Do diagrama FAD os dois pontos na base e nas pontas do defeito encontram-se dentro da região aceitável. Assim o defeito é aceitável. Na base do defeito, P1 (Lr,Kr)=(0,766, 0,32) Nas pontas do defeito, P2 (Lr,Kr)=(0,766, 0,37) Conclusão: O defeito de 7 mm em comprimento e 3mm em profundidade foi considerado aceitável pelo API 579 nos níveis I e II. 6. CONCLUSÃO O Tanque de Nitrogênio pode operar, nas condições máximas estabelecidas no item 5.1, com a trinca em questão. O cálculo através da API 579 indicou que as dimensões da trinca estão abaixo do limite estabelecido.

14 7. RECOMENDAÇÕES A análise contida neste relatório levou em consideração as condições previstas no item 5.1, não levando em consideração desvios operacionais, emergenciais etc. Em razão disto recomendamos a realização do reparo na próxima parada do equipamento. Até o reparo recomendamos que sejam realizados ensaio de partículas magnéticas e Ultrassom no prazo máximo de 06 meses ou quando houver situações que levem o vaso a operar acima das condições previstas no item 5.1 deste relatório. Recomendamos a realização de Ensaio de emissão acústica para verificar a existência de outras trincas, não detectadas nas técnicas tradicionais e alteração no plano de inspeção, deste equipamento, incluindo a realização de ensaio de emissão acústica nos Eventos Externos, garantindo 100% de detectabilidade de possíveis trincas.

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Pedro Feres Filho São Paulo, Brasil e-mail: pedro@pasa.com.br 1- Resumo Este trabalho teve como objetivo apresentar

Leia mais

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso Vasos de Pressão Ruy Alexandre Generoso VASOS DE PRESSÃO DEFINIÇÃO: São equipamentos que contêm fluidos sob pressão, cujo produto P x V seja superior a 8. Em que: Pressão (Kpa) Volume (m 3 ) VASOS DE PRESSÃO

Leia mais

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca 1. INSPETOR CONTROLE DE QUALIDADE- Atuar com inspeção de processos / final, ensaios de rotina, controle de qualidade e verificação de falhas na

Leia mais

Teste Hidrostático. Projeto de Dutos

Teste Hidrostático. Projeto de Dutos Teste hidrostático Definição (NBR 12712) Teste (ensaio) de pressão com água, que demonstra que um tubo ou um sistema de tubulação possui resistência mecânica compatível com suas especificações ou suas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APLICABILIDADE DO TESTE HIDROSTÁTICO EM VASOS DE PRESSÃO VISANDO A GARANTIA DA INTEGRIDADE

AVALIAÇÃO DA APLICABILIDADE DO TESTE HIDROSTÁTICO EM VASOS DE PRESSÃO VISANDO A GARANTIA DA INTEGRIDADE UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA - UNIVAP FEAU - FACULDADE DE ENGENHARIAS, ARQUITETURA E URBANISMO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ANO 2012 GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS AVALIAÇÃO DA APLICABILIDADE

Leia mais

INSPEÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO UTILIZANDO ENSAIO DE ULTRA- SOM COMPUTADORIZADO E A NORMA API RP 579.

INSPEÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO UTILIZANDO ENSAIO DE ULTRA- SOM COMPUTADORIZADO E A NORMA API RP 579. INSPEÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO UTILIZANDO ENSAIO DE ULTRA- SOM COMPUTADORIZADO E A NORMA API RP 579. Celso Mário Ferreira dos Santos PETROBRAS/UN-BA/ST/EMI. Antonio Alves Gama PETROBRAS/UN-BA/APMG/SMS. José

Leia mais

APLICAÇÕES E LIMITAÇÕES DA TÉCNICA DE ULTRA-SOM B-SCAN UMA EXPERIÊNCIA PRÁTICA

APLICAÇÕES E LIMITAÇÕES DA TÉCNICA DE ULTRA-SOM B-SCAN UMA EXPERIÊNCIA PRÁTICA APLICAÇÕES E LIMITAÇÕES DA TÉCNICA DE ULTRA-SOM B-SCAN UMA EXPERIÊNCIA PRÁTICA Mauro Duque de Araujo German Engenharia - Rua Banda, 58 Jd. do Mar São Bernardo do Campo SP - Brasil araujo@german-engenharia.com.br

Leia mais

DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS

DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS Página: 1 de 18 1. OBJETIVO Complementar a norma ABENDE NA-001, no que se refere ao estabelecimento da sistemática para Qualificação e Certificação de Pessoal em Ensaios Não Destrutivos nos setores industriais

Leia mais

MFL DE ALTA RESOLUÇÃO PARA CHAPAS DE FUNDO E TETO DE TANQUES DE ARMAZENAMENTO

MFL DE ALTA RESOLUÇÃO PARA CHAPAS DE FUNDO E TETO DE TANQUES DE ARMAZENAMENTO MFL DE ALTA RESOLUÇÃO PARA CHAPAS DE FUNDO E TETO DE TANQUES DE ARMAZENAMENTO Certificada ISO 9001:2008 1 A técnica de MFL consiste na magnetização com imãs permanentes poderosos capazes de criar um campo

Leia mais

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da Definição De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como: Técnicas utilizadas no controle da qualidade, d de materiais ou

Leia mais

Tampos Industriais 01

Tampos Industriais 01 Tampos Industriais 0 A EMPRESA Há 40 anos, a EICA tem seu foco na busca da excelência na fabricação de tampos industriais. O resultado é um amplo Know-ow gerando um contínuo aperfeiçoamento de todas as

Leia mais

José Luiz F. Freire, DEM/PUC-Rio jlfreire@puc-rio.br

José Luiz F. Freire, DEM/PUC-Rio jlfreire@puc-rio.br José Luiz F. Freire, DEM/PUC-Rio jlfreire@puc-rio.br JLFF Fórum 6-26/03/2013 O CTVP - Comitê de Tubulações e Vasos de Pressão da ABCM (Associação Brasileira de Engenharia e Ciências Mecânicas) tem como

Leia mais

A CONSERVATIVE APPROACH TO THE ACOUSTIC EMISSION TECHNIQUE APPLIED TO EQUIPMENT SUBJECT TO INTERNAL PRESSURE

A CONSERVATIVE APPROACH TO THE ACOUSTIC EMISSION TECHNIQUE APPLIED TO EQUIPMENT SUBJECT TO INTERNAL PRESSURE A CONSERVATIVE APPROACH TO THE ACOUSTIC EMISSION TECHNIQUE APPLIED TO EQUIPMENT SUBJECT TO INTERNAL PRESSURE Sergio Damasceno Soares PETROBRAS/CENPES Ilha do Fundão Quadra 7 Rio de Janeiro RJ 21949-900

Leia mais

Indicação de Ensaios Não-Destrutivos

Indicação de Ensaios Não-Destrutivos Indicação de Ensaios Não-Destrutivos Este texto apresenta regras para indicação de ensaios não destrutivos (END) e exemplos de indicações de alguns ensaios. Regras para especificação de ensaios não destrutivos

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

Sua confiança em inspeção.

Sua confiança em inspeção. , Sua confiança em inspeção. Inspeção que trás segurança. A TND Inspeções Técnicas trás a experiência de seus gestores, que atuam há mais de 10 anos no seguimento de inspeção. A capacidade técnica de sua

Leia mais

Qualificação de Procedimentos

Qualificação de Procedimentos Qualificação de Procedimentos Os equipamentos em geral são fabricados por meio de uniões de partes metálicas entre si empregando-se soldas. Há, portanto a necessidade de se garantir, nestas uniões soldadas,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAL PARA TUBOS

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAL PARA TUBOS ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAL PARA TUBOS ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAL COMPOSICÃO QUÍMICA PROCESSO DE FABRICAÇÃO PROPRIEDADES MECÂNICAS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CONTROLE DE QUALIDADE TENSÕES ADMISSÍVEIS EMPREGO

Leia mais

ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS - END Ensaios realizados em materiais, acabados ou semi acabados, para verificar a existência ou não de descontinuidades ou defeitos, através de princípios físicos definidos, sem

Leia mais

RICARDO MÜLLER HUPPES ANÁLISE DE FALHA EM UM VASO DE PRESSÃO

RICARDO MÜLLER HUPPES ANÁLISE DE FALHA EM UM VASO DE PRESSÃO RICARDO MÜLLER HUPPES ANÁLISE DE FALHA EM UM VASO DE PRESSÃO Monografia apresentada ao Departamento de Engenharia Mecânica da Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, como parte

Leia mais

Resistência dos Materiais II: Vasos de Pressão de Paredes Finas

Resistência dos Materiais II: Vasos de Pressão de Paredes Finas Resistência dos Materiais II: Vasos de Pressão de Paredes Finas Prof. Jorge A. R. Durán Enga. Mecânica UFF Volta Redonda duran@vm.uff.br June 15 1 Objetivos Desenvolvimento e aplicação das equações para

Leia mais

Tubos cladeados. Tubos resistentes à corrosão. Tubos cladeados

Tubos cladeados. Tubos resistentes à corrosão. Tubos cladeados 1 Tubos cladeados Tubos resistentes à corrosão Tubos cladeados Tubos especiais e componentes prontos para a instalação Tubulações pré-fabricadas e componentes soldados Vasos, tanques e torres Construção

Leia mais

Público alvo: Profissionais envolvidos com as tarefas de integridade estrutural e extensão de vida útil de equipamentos.

Público alvo: Profissionais envolvidos com as tarefas de integridade estrutural e extensão de vida útil de equipamentos. ISO 9001 : 2008 Integridade Estrutural de Equipamentos De 28/11/2011 a 02/12/2011 Local: Hotel a definir RJ Carga Horária: 40 horas Horário: 8h30min às 17h30min Objetivo: Apresentar critérios de avaliação

Leia mais

Curso de Vasos de Pressão, Trocadores de Calor e Agitação de Fluídos Veja como foi o Curso [Fotos do Evento]

Curso de Vasos de Pressão, Trocadores de Calor e Agitação de Fluídos Veja como foi o Curso [Fotos do Evento] Curso de Vasos de Pressão, Trocadores de Calor e Agitação de Fluídos Veja como foi o Curso [Fotos do Evento] Projetos, Fabricação e Inspeção de Vasos de Pressão e Trocadores de Calor, Conforme ASME SEÇÃO

Leia mais

Suportes de Tubulações

Suportes de Tubulações Suportes de Tubulações Classificação dos Suportes Destinados a sustentar os pesos Fixos Semimóveis Móveis (Suportes de mola e suportes de contrapeso) Destinados a limitar os movimentos dos tubos Dispositivo

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO

MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO Normas Aplicáveis - NBR 14.462 Sistemas para Distribuição de Gás Combustível para Redes Enterradas

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

ENDs ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS APLICADOS À FABRICAÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO. João Bosco Santini Pereira PETROBRAS S. A. Renato Bernardes PETROBRAS S. A.

ENDs ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS APLICADOS À FABRICAÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO. João Bosco Santini Pereira PETROBRAS S. A. Renato Bernardes PETROBRAS S. A. ENDs ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS APLICADOS À FABRICAÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO João Bosco Santini Pereira PETROBRAS S. A. Renato Bernardes PETROBRAS S. A. Trabalho apresentado na 6ª Conferência sobre Tecnologia

Leia mais

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro;

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; Critérios de falha - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; - compreensão clara do(s) mecanismo(s) de falha (modos de falha); -aspectos

Leia mais

COPINAVAL 24/10/2007. END s Aplicação no setor naval Certificação

COPINAVAL 24/10/2007. END s Aplicação no setor naval Certificação COPINAVAL 24/10/2007 END s Aplicação no setor naval Certificação O que significa END? Ensaios Não Destrutivos: Verificar a existência de descontinuidades; Verificar a propriedade de um material; Não causa

Leia mais

EMENTA PROGRAMA DETALHADO. O que são Técnicas de Inspeção e Controle de Qualidade?

EMENTA PROGRAMA DETALHADO. O que são Técnicas de Inspeção e Controle de Qualidade? CURSO: ENGENHEIRO DE CAMPO - CONSTRUÇÃO E MONTAGEM DISCIPLINA: TÉCNICAS DE INSPEÇÃO E CONTROLE DA QUALIDADE CARGA HORÁRIA TOTAL: 30 horas TEÓRICAS: 22 PRÁTICAS: _08 EMENTA Introdução. O que são as técnicas

Leia mais

Ensaios de emissão Acústica em Esferas de Gás LP atendendo as exigências da NR-13.

Ensaios de emissão Acústica em Esferas de Gás LP atendendo as exigências da NR-13. Ensaios de emissão Acústica em Esferas de Gás LP atendendo as exigências da NR-13. Categoria Produção / Infra-estrutura Utingás Armazenadora S.A. Alfredo S. L. Carvalho Marcos Messina Paulo Bratfisch Lins

Leia mais

CONEXÕES PARA ÁGUA FRIA EM PVC

CONEXÕES PARA ÁGUA FRIA EM PVC CONEXÕES PARA ÁGUA FRIA EM PVC Tubos e Conexões de PVC, para Água Fria, com Junta Soldável Norma Regulamentadora: ABNT NBR 5648 / jan 1999. Campo de Aplicação: Sistemas Prediais, condominiais e pequenas

Leia mais

Ensaios não-destrutivos

Ensaios não-destrutivos Universidade Estadual de Maringá Departamento de Engenharia Mecânica Ensaios não-destrutivos Prof. Dr. Fábio Lúcio Santos => Partículas Magnéticas => Líquidos Penetrantes Partículas Magnéticas => O ensaio

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE VII MONTAGEM ESTRUTURA METÁLICA

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE VII MONTAGEM ESTRUTURA METÁLICA MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE VII MONTAGEM ESTRUTURA METÁLICA Montagem Estrutura Metálica Em uma obra de estruturas metálicas, a montagem é considerada uma das fases mais importantes por representar uma

Leia mais

SISTEMAS DE MEDIÇÃO LTDA.

SISTEMAS DE MEDIÇÃO LTDA. 100% NACIONAL CATÁLOGO DE PRODUTOS POTE Pote Selagem, Condensado e Lama Pote Separador SISTEMAS DE MEDIÇÃO LTDA. www.flowmaster.com.br CAPT.1.0.2013 REV. 0.2013 A F.Master é uma empresa 100% nacional,

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Aula 2 Revisão: Análise de alhas Aula 2 Análise de alhas Instituto ederal de Brasília Sumário Sistemas de orças Resistência dos Materiais lambagem alhas Estáticas alhas Dinâmicas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: setembro/08 FOLHA : 1 / 6 FURAÇÃO DA CRUZETA

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO DO GLP

ENCONTRO TÉCNICO DO GLP ENCONTRO TÉCNICO DO GLP 2012 SÃO PAULO, 05 E 06 DE DEZEMBRO DE 2012 TRABALHO Utilização da Técnica de Emissão Acústica na Adequação à NR- 13 de Vasos de Pressão Enterrados e Aéreos no Armazenamento e Distribuição

Leia mais

Inspecionando Engrenagens utilizando ECA

Inspecionando Engrenagens utilizando ECA Inspecionando Engrenagens utilizando ECA em substituição aos ensaios de Líquido Penetrante e Partículas Magnéticas Rafael Ornelas Coordenador de Vendas Técnicas Representante Comercial de equipamentos

Leia mais

Portaria n.º 255, de 29 de maio de 2014.

Portaria n.º 255, de 29 de maio de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 255, de 29 de maio de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Caldeiras a Vapor São equipamentos destinados a produzir e acumular vapor sob pressão superior á atmosférica,

Leia mais

Realizando o ensaio de ultra-som

Realizando o ensaio de ultra-som Realizando o ensaio de ultra-som A UU L AL A Na aula anterior, você ficou sabendo que o ultra-som é uma onda mecânica que se propaga de uma fonte emissora até uma fonte receptora, através de um meio físico.

Leia mais

IBAPE XXII UPAV / XIII COBREAP FORTALEZA/CE ABRIL/2006.

IBAPE XXII UPAV / XIII COBREAP FORTALEZA/CE ABRIL/2006. IBAPE XXII UPAV / XIII COBREAP FORTALEZA/CE ABRIL/2006. AVALIAÇÃO DE TANQUES, VASOS E EQUIPAMENTOS DE PROCESSO INDUSTRIAL SEGUNDO CRITÉRIOS DE INTEGRIDADE E VIDA ÚTIL REMANESCENTE DO API RP 579 (FITNESS

Leia mais

Portaria n.º 248, de 28 de maio de 2014.

Portaria n.º 248, de 28 de maio de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 248, de 28 de maio de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS - GPT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS - GPT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS - GPT

Leia mais

Pré-Requisito: MECN0039 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA. Co-Requisito: MECN0055 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 2

Pré-Requisito: MECN0039 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA. Co-Requisito: MECN0055 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 2 PROGRAMA Disciplina: ENSAIOS MECÂNICOS Código: MECN0015 Carga Horária Semestral: 60 HORAS Obrigatória: sim Eletiva: Número de Créditos: TEÓRICOS: 04; PRÁTICOS: 00; TOTAL: 04 Pré-Requisito: MECN0039 MATERIAIS

Leia mais

APLICAÇÃO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS PARA DETECÇÃO, DIMENSIONAMENTO E MAPEAMENTO DE DANOS POR HIDROGÊNIO EM COLUNA LAVADORA DE CARBONO

APLICAÇÃO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS PARA DETECÇÃO, DIMENSIONAMENTO E MAPEAMENTO DE DANOS POR HIDROGÊNIO EM COLUNA LAVADORA DE CARBONO 12 a Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos COTEQ 2013 047 APLICAÇÃO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS PARA DETECÇÃO, DIMENSIONAMENTO E MAPEAMENTO DE DANOS POR HIDROGÊNIO EM COLUNA LAVADORA DE CARBONO Mauro

Leia mais

4. Programa Experimental

4. Programa Experimental 4. Programa Experimental Para a determinação das propriedades de deformabilidade e resistência dos arenitos em estudo a serem utilizados no modelo numérico, foram executados ensaios de compressão simples

Leia mais

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt ENSAIO DE MATERIAIS Profº Diógenes Bitencourt BASES TECNOLÓGICAS Diagrama Tensão-Deformação; Ensaio de Tração; Ensaio de Compressão; Ensaio de Cisalhamento; Ensaio de dureza Brinell; Ensaio de dureza Rockwell;

Leia mais

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem?

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? 1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? (a) Controle de Desempenho de Soldadores e Operadores de Soldagem.. (b) Registro da

Leia mais

PP-5EN-00062 PROCEDIMENTO DE END ULTRASSOM COMPUTADORIZADO PELA TÉCNICA TOFD INSPEÇÃO DE SOLDAS Rev.0. Anexo A ÍNDICE

PP-5EN-00062 PROCEDIMENTO DE END ULTRASSOM COMPUTADORIZADO PELA TÉCNICA TOFD INSPEÇÃO DE SOLDAS Rev.0. Anexo A ÍNDICE PP-5EN-00062 Rev.0 Anexo A ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. TERMINOLOGIA 4. MATERIAL/DIMENSÕES 5. SAÚDE E SEGURANÇA 6. MATERIAL, DIMENSIONAL, TIPO E DETALHE DE JUNTAS 7. APARELHAGEM 8.

Leia mais

Chave de Nível tipo Boia Magnética Miniatura Série CBM-MC - Boia Ø 28 mm - Prensa cabo

Chave de Nível tipo Boia Magnética Miniatura Série CBM-MC - Boia Ø 28 mm - Prensa cabo CARACTERÍSTICAS GERAIS A chave de Nível CBM-MC é um equipamento utilizado na detecção e controle de nível em tanques ou reservatórios onde são armazenados materiais líquidos como água, produtos químicos

Leia mais

MANUAL DE ENGENHARIA

MANUAL DE ENGENHARIA 02.04.2007 1/6 1. OBJETIVO Esta especificação padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas de concreto armado destinadas ao suporte

Leia mais

Podemos filtrar ou separar para aproveitar tanto a parte líquida quanto a parte sólida.

Podemos filtrar ou separar para aproveitar tanto a parte líquida quanto a parte sólida. 1. FILTRAGEM 1/6 É o processo que tem como objetivo de separar mecanicamente sólidos de líquidos ou gases. Quando a separação se faz por meio de coalescência ou centrifugação, dizemos que se trata apenas

Leia mais

Ventilação em Espaços Confinados

Ventilação em Espaços Confinados Ventilação em Espaços Confinados Objetivo: Apresentar os conceitos básicos e soluções para ventilação de espaços confinados no contexto da norma regulamentadora NR-33. Palestrante: Eng o José Maurício

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESPECIFICÇÃO TÉCNIC Título: CRUZET DE CONCRETO RMDO - LINHS DE 26 / 09 / 2011 1 de 14 1 FINLIDDE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de cruzeta de concreto

Leia mais

01/31/2012. Daniel Silva Rodrigues Denis de Mello Luciano de Rezende Silva Wilson Henrique Moraes Freire

01/31/2012. Daniel Silva Rodrigues Denis de Mello Luciano de Rezende Silva Wilson Henrique Moraes Freire Daniel Silva Rodrigues Denis de Mello Luciano de Rezende Silva Wilson Henrique Moraes Freire O Brasil tende a se tornar o maior explorador de petróleo e gás no mercado. Descobertas recentes de novas reservas

Leia mais

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR)

Leia mais

CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO. Cliente: INFRARED

CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO. Cliente: INFRARED CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO Cliente: INFRARED Data: 06 de maio de 2015 REVISÃO: 00 DATA: 06 de maio de 2015 Identificação DESCRIÇÃO: Esta análise

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

Hastes de Bombeio com Conexão Premium

Hastes de Bombeio com Conexão Premium Hastes de Bombeio com Conexão Premium hastes de Bombeio com Conexão Premium Bem vindos ao futuro. A Tenaris apresenta seu mais recente desenvolvimento, a haste de bombeio premium com uma conexão de alta

Leia mais

E-QP-EES-014 REV. 0 02/Jan/2012

E-QP-EES-014 REV. 0 02/Jan/2012 ESTANQUEIDADE PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO ENGENHARIA Procedimento Operacional Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser revisado, a proposta

Leia mais

GARRAFAS HIDRÁULICAS

GARRAFAS HIDRÁULICAS GARRAFAS HIDRÁULICAS Garrafas hidráulicas 1 - OBJETIVO Este manual visa desmistificar e esclarecer dúvidas em relação aos acumuladores de bexiga, também denominados garrafas hidráulicas, facilitando o

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 82 CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 83 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM Nas operações de soldagem, principalmente as que envolvem a fusão dos materiais, temos uma variação não uniforme e

Leia mais

INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI

INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI Programa de Formação AWS / CWI, Documentos a distribuir aos Formandos, exames AWS conteúdo e respectiva classificação para aprovação

Leia mais

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE 1. OBJETIVO Esta norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas

Leia mais

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL 1 I. ASPECTOS GERAIS CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL Conforme já foi visto, a tensão representa o efeito de um esforço sobre uma área. Até aqui tratamos de peças submetidas a esforços normais a seção

Leia mais

SOLDAGEM EM CARGA NO GASODUTO BOLÍVIA BRASIL

SOLDAGEM EM CARGA NO GASODUTO BOLÍVIA BRASIL EXPOSOL 0007_08 SOLDAGEM EM CARGA NO GASODUTO BOLÍVIA BRASIL Jesualdo P.Lobão Filho1, Wilton Servulo2,, José Alfredo B.Barbosa3 1 Engenheiro Mecânico - Engenheiro Sênior de Integridade - TBG 2 Técnico

Leia mais

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Hidráulica de Linhas pressurizadas Parte 1 - Tubulações FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Tubulações A qualidade e integridade de instalação depende: Escolha do material e do diâmetro adequado

Leia mais

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0041 CRUZETAS DE AÇO TUBULAR 1/14

Leia mais

ULTRA-SOM - SOLDA PROCEDIMENTO DE END PR 011

ULTRA-SOM - SOLDA PROCEDIMENTO DE END PR 011 Página: 1 de 29 1. OBJETIVO Este procedimento fixa as condições para a execução do ensaio por ultra-som para detecção e avaliação de descontinuidades em juntas soldadas de acordo com o Sistema Nacional

Leia mais

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Propriedades Mecânicas Definem a resposta do material à aplicação de forças (solicitação mecânica). Força (tensão) Deformação Principais

Leia mais

WIKA - Part of your business Seu parceiro na medição de pressão, temperatura e nível

WIKA - Part of your business Seu parceiro na medição de pressão, temperatura e nível WIKA - Part of your business WIKA - Part of your business Seu parceiro na medição de pressão, temperatura e nível 1 Poço de proteção WIKA: Especificações gerais e dimensionamento de poços 2 Construções

Leia mais

FILIPE JOSÉ SOARES MARTINS ENGENHEIRO METALÚRGICO

FILIPE JOSÉ SOARES MARTINS ENGENHEIRO METALÚRGICO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Escola de Engenharia Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais - PPGEM ANÁLISE DA POSSIBILIDADE DE CRESCIMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS CURSO DE ENGENHARIA METALÚRGICA PROJETO FINAL DE CURSO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS CURSO DE ENGENHARIA METALÚRGICA PROJETO FINAL DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS CURSO DE ENGENHARIA METALÚRGICA PROJETO FINAL DE CURSO AVALIAÇÃO DE SENSIBILIDADE DA TÉCNICA DE ULTRASSOM ATRAVÉS

Leia mais

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminé de tiragem natural Tem como função permitir a evacuação dos gases, produzidos por uma determinada combustão. Aplicado na extracção de gases de combustão provenientes

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 032/DAT/CBMSC) CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 032/DAT/CBMSC) CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 032/DAT/CBMSC)

Leia mais

TR Tanque Flash. 1. Termo de garantia. 2. Informações gerais de segurança. 3. Informações de segurança específicas do produto

TR Tanque Flash. 1. Termo de garantia. 2. Informações gerais de segurança. 3. Informações de segurança específicas do produto 1.753.000.080 IM-D176-01 BR Rev.00 TR Tanque Flash Manual de Instalação e Manutenção 1. Termo de garantia 2. Informações gerais de segurança 3. Informações de segurança específicas do produto 4. Informações

Leia mais

Transmissor de pressão para aplicações de refrigeração e ar-condicionado Modelo R-1, com sensor metálico thin-film hermeticamente soldado

Transmissor de pressão para aplicações de refrigeração e ar-condicionado Modelo R-1, com sensor metálico thin-film hermeticamente soldado Medição eletrônica de pressão Transmissor de pressão para aplicações de refrigeração e ar-condicionado Modelo R-1, com sensor metálico thin-film hermeticamente soldado WIKA folha de dados PE 81.45 Aplicações

Leia mais

PP-5EN-00029 Rev. B ESTANQUEIDADE PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO

PP-5EN-00029 Rev. B ESTANQUEIDADE PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece as condições necessárias para a execução do ensaio não destrutivo de estanqueidade pelas técnicas de Pressão Positiva, Pressão Negativa e Capilaridade, a ser utilizado

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - GMI

GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - GMI SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI - 16 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria n.º, de 0 de setembro de 00. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Dados Técnicos Sobre Tubos

Dados Técnicos Sobre Tubos www.swagelok.com Dados Técnicos Sobre Tubos Índice Serviço de Gás.......................... 2 Instalação.............................. 2 Tabelas de Pressão de Trabalho Sugeridas Tubos em Aço Carbono.....................

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM GERADOR DE VAPOR COM REALIMENTAÇÃO

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM GERADOR DE VAPOR COM REALIMENTAÇÃO 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM GERADOR

Leia mais

COEFICIENTES DE SEGURANÇA

COEFICIENTES DE SEGURANÇA Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS I AT-096 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br O engenheiro responsável pelo projeto de

Leia mais

todos os equipamentos enquadrados como caldeiras conforme item 13.4.1.1;

todos os equipamentos enquadrados como caldeiras conforme item 13.4.1.1; Item nº TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 13.2.1 a) todos os equipamentos enquadrados como caldeiras conforme item 13.4.1.1; todos os equipamentos enquadrados como caldeiras conforme item 13.4.1.1 e 13.4.1.2;

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 09 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO S.A. IPT CENTRO TECNOLÓGICO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO - CETAC

Leia mais

Sistemas de Medidas e Instrumentação

Sistemas de Medidas e Instrumentação Sistemas de Medidas e Instrumentação Parte 3 Prof.: Márcio Valério de Araújo 1 Medição de Nível Capítulo VII Nível é a altura do conteúdo de um reservatório Através de sua medição é possível: Avaliar o

Leia mais

Plano Básico Ambiental

Plano Básico Ambiental Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e Plano Básico Ambiental SEÇÃO VI - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO RADIOLÓGICO Projeto 4 Monitoramento Meteorológico 0 Emissão inicial 14/06/2010

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 10 DEFEITOS EM OPERAÇÕES DE SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 10 DEFEITOS EM OPERAÇÕES DE SOLDAGEM 70 CAPÍTULO 10 DEFEITOS EM OPERAÇÕES DE SOLDAGEM 71 DESCONTINUIDADES MAIS FREQÜENTES NAS OPERAÇÕES DE SOLDAGEM Podemos definir descontinuidade como sendo uma interrupção das estruturas típicas de uma junta

Leia mais

Normas para caldeiras

Normas para caldeiras Normas para caldeiras Normas de projeto e fabricação: No Brasil a norma mais adotada é o código ASME seção I da American Society of Mechanical Engineers ABNT: NB 227 Código para projeto e construção de

Leia mais

Vida Residual. Inspeção de Equipamentos. Geraldo Ferreira Pinto Junior

Vida Residual. Inspeção de Equipamentos. Geraldo Ferreira Pinto Junior Vida Residual Inspeção de Equipamentos Geraldo Ferreira Pinto Junior Niteroi, 02 de dezembro de 2014 INTRODUÇÃO Abaixo observamos a fotografia de uma indústria, onde muitos dos seus equipamentos são vasos

Leia mais

MATERIAIS PARA ENGENHARIA DE PETRÓLEO - EPET069 - Conformação dos Metais

MATERIAIS PARA ENGENHARIA DE PETRÓLEO - EPET069 - Conformação dos Metais MATERIAIS PARA ENGENHARIA DE PETRÓLEO - EPET069 - Conformação dos Metais CONFORMAÇÃO DOS METAIS Fundamentos da Conformação Plástica Diagrama Tensão x Deformação CONFORMAÇÃO DOS METAIS Fundamentos da Conformação

Leia mais

E-mail: vendas@bratal.com.br

E-mail: vendas@bratal.com.br CENTRAL DE VENDAS Consulte-nos pelo fone/fax : (19) 341.0081 E-mail: vendas@bratal.com.br 603 - Tubos 01 ESCOLHA ADEQUADA DA TUBULAÇÃO.... 1 DIAGRAMA TEÓRICO PARA CÁLCULO DE TUBULAÇÕES...........................

Leia mais

SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM

SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM Ricardo Leli dos Santos (leli@ig.com.br) Aires Gomes Sabino (agsabino@bol.com.br) Cícero Roberto Gonçalves Bezerra (fe3c_w@gmx.net) RESUMO A simbologia de soldagem é a representação

Leia mais

VariTrans A 20300. Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída.

VariTrans A 20300. Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída. Duplicadores de Sinais Convencionais Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída. A Tarefa Isolação e transmissão de sinais convencionais

Leia mais

Diagrama Tensão Deformação 0,0000 0,0005 0,0010 0,0015 0,0020 0,0025

Diagrama Tensão Deformação 0,0000 0,0005 0,0010 0,0015 0,0020 0,0025 . Os dados de um teste tensão-deformação de uma cerâmica são fornecidos na tabela. A curva é linear entre a origem e o primeiro ponto. Construir o diagrama e determinar o módulo de elasticidade e o módulo

Leia mais