Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica"

Transcrição

1 Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Analise de Tensões em Perfil Soldado Comparação de Resultados em Elementos Finitos Aluno: Rafael Salgado Telles Vorcaro Registro: Professor: Estevam B. Las Casas Disciplina: Elementos Finitos

2 Introdução Normalmente em Engenharia, nos deparamos com problemas complexos e que não apresentam formulações analíticas suficientes para implementarmos cálculos de dimensionamento e verificação. Uma área muito comum de acontecer é a área de Estruturas. Desenvolver cálculos analíticos para determinar tensões e deslocamentos em pórticos tridimensionais complexos, peças com geometria irregular e assimétrica, ligações entre chapas dentre outras, torna a Análise Estrutural e a Resistência dos Materiais muito sensíveis a este tipo de problema. É a partir daí que a Engenharia aliada ao cálculo numérico computacional entra em ação, com os softwares de Elementos Finitos. A teoria dos elementos finitos já e bastante antiga. Utilizando o método da discretização por nós e através de matrizes de rigidez, das equações da elasticidade e da aplicação das condições de contorno, resolvem o problema nó a nó através da solução de sistemas lineares. O método já é antigo, mas foi com o advento da computação que a solução de extensas matrizes e equações tornaram-se possíveis. Por isso a análise de estruturas via método de elementos finitos deu um grande salto a partir da década de 70, juntamente com a computação. O salto veio com o desenvolvimento de vários softwares, que apresentam um setor de modelagem, que é a parte de desenho, outra parte que transcreve a modelagem em matrizes de rigidez juntamente com aplicação das condições de contorno. É nesta parte que ocorre a solução das matrizes e se encontram os deslocamentos nodais. Por fim, uma parte gráfica que possibilita a visualização dos resultados em meio uma interface que possibilita encontrar o perfil de tensões, deslocamentos de forma qualitativa e quantitativa. Vários programas estão disponíveis no mercado, podendo ser citados ANSYS, COSMOS, ABAQUS, NASTRAN, ALGOR como os mais disseminados.

3 Objetivos Neste trabalho vamos realizar uma comparação dos resultados de tensões e deslocamentos gerados em uma viga CVS 300. Serão utilizado 2 programas distintos de elementos finitos, abordando diferentes tipos de elementos e formas de modelagem. Este perfil estará em balanço, engastado em uma de suas extremidades e com uma carga de 1 tonelada na outra. Possui 5 metros de comprimento e é feito de aço AISI A36. Este perfil foi escolhido pelo fato de ser bastante encontrado em construções metálicas em geral e de ser possível calcular facilmente de fórmula analítica as tensões e deslocamentos, para assim comparar os resultados. As análises de tensões serão realizadas das seguintes formas: Cálculo Analítico através das equações de Resistência dos Materiais; Elemento de Casca no ANSYS; Elemento de Linha no ANSYS; Elemento Sólido no ANSYS; Elemento Sólido no COSMOS. Através deste trabalho pretendo analisar os resultados encontrados e de uma forma crítica comparar os modelos, tipos de elementos, malhas, tempos computacionais e principalmente aproximação dos resultados.

4 Descrição do Problema Através da figura abaixo podemos visualizar a seção transversal do perfil com o local da aplicação da carga: Figura 1 Seção Transversal e Aplicação da Carga.

5 Figura 2 Condições de Apoio do Perfil. Através das figuras acima, podemos calcular as propriedades geométricas da seção transversal e modelar o problema com base nas equações da Análise Estrutural e Resistência dos Materiais. O cálculo analítico será apresentado na próxima seção.

6 Cálculo Analítico da Tensão Máxima no Perfil Soldado No nosso caso, temos um perfil soldado da série CVS 300x57. Este perfil possui 5 metros de comprimento e se encontra engastado em uma de suas extremidades.ou seja, é engastado livre. Na extremidade oposta do engaste temos uma carga concentrada de 1 tonelada, na linha de centro do perfil. Sabemos da Resistência dos Materiais que a tensão máxima devido á flexão ocorre no engaste da viga. Tensões de tração na mesa superior e tensões de compressão na mesa inferior. Vamos efetuar o cálculo do momento fletor e assim proceder para as tensões.para melhorar nosso resultado, vamos considerar o peso próprio da viga como sendo uma carga concentrada no centro. Força Aplicada P := 1000kgf Comprimento da Viga L := 5000mm Densidade Linear da Viga ρ := 56.5 kgf m Peso da Viga P viga := ρ L P viga = 282.5kgf Momento Fletor Reação de Apoio no Engaste L M:= P L+ P viga 2 M = N m V := P+ P viga V = kgf Para o cálculo das tensões e deslocamentos, necessitamos de dados inerentes ao perfil da seção transversal e do material da viga. Material Aço ASTM A36 E := kgf mm 2

7 Momento de Inércia da Seçao Transversal I x 11730cm 4 := Distância do Centro do Perfil ao topo c := 150mm Tensão de Flexão σ := M c I x σ = kgf mm 2 Deflexão Máxima do Perfil (Linha Elástica) y max := V L 3 3 E I x y max = mm

8 Análise em Elemento de Casca, software ANSYS A primeira analise computacional realizada foi em elemento de casca, no programa ANSYS. Esta análise consistiu em modelar o CVS em 5 áreas, sendo 2 para cada mesa e uma área para a alma. Após a modelagem foram atribuídas as constantes reais da mesa e da alma. O elemento utilizado neste caso foi o SHELL 63, que possui propriedades de membrana e flexão simultaneamente. Figura 3 Modelo em casca da viga. O material atribuído para todas as áreas e constantes reais foi o aço ASTM A36. As características dadas foram: densidade, módulo de elasticidade e coeficiente de Poisson deste material, que é isotrópico e linear. A partir daí foram atribuídas as constantes reais para cada uma das 2 áreas. Como estamos modelando um elemento de casca, a constante real de cada área é sua espessura. Através da tabela abaixo podemos observar as constantes reais atribuídas:

9 Cor da Área Número da Constante Real Espessura Verde CR 1 12,5 mm Roxa CR 2 8 mm A partir daí o modelo foi malhado. Utilizamos a ferramenta Mesh Tool do ANSYS e malhamos todo o sistema com um set global de 20. O modelo consiste em 9036 nós e 8750 elementos. Figura 4 Modelo malhado.

10 Figura 5 Detalhe da uniformidade dos elementos na viga.

11 Assim, aplicamos as restrições e os carregamentos. As linhas do perfil de uma das extremidades foram restringidas em todas as direções e rotações, simulando o engaste. A gravidade foi aplicada simulando o peso próprio da viga. E o carregamento de 1000 kgf foi aplicado no nó central da mesa da extremidade livre, na parte superior. Através da figura abaixo podemos observar as condições em que o Load Case foi criado: Figura 6 Condições de engaste e carregamento. A partir do caso de carregamento criado, podemos executar a solução do problema, que irá montar as matrizes de rigidez e resolver a equação do sistema e plotar os resultados no pós-processador.

12 O computador gastou 92 segundos para calcular a solução e encontrou os seguintes resultados para tensão e deslocamento no perfil: Figura 7 Resultado de tensões na viga (Critério de Von Misses SEQV). Tensão máxima localizada no engaste, na parte superior e inferior das mesas representando as tensões de tração e de compressão.o resultado da tensão máxima encontrada foi de 8,049 kgf/mm².

13 Figura 8 Resultado de deslocamento vertical na viga. O deslocamento máximo encontrado foi de 18,598 mm na direção oposta de y, ou seja, para baixo, na extremidade livre condizendo assim com o esperado. É bastante relevante para nossa análise plotar aqui o valor das reações de apoio encontradas pelo problema para validarmos nossa modelagem e assim poder comparar resultados. Reação de Apoio Vertical (MEF) Reação de Apoio Vertical (Analítico) 1286,6 kgf 1282 kgf

14 Análise em Elemento de Viga, software ANSYS A análise de elemento de viga no ANSYS foi em termos de modelagem, a mais rápida. Foram criados 2 keypoints e assim uma linha com o comprimento do perfil. Foi utilizado o elemento tridimensional BEAM 4 para simular a viga. O material atribuído foi o aço (linear e isotrópico) com as mesmas características do modelo em casca. Figura 9 Modelo em linha do CVS. Neste caso, a constante real atribuída à linha consiste em várias propriedades geométricas da seção tranversal. Para este modelo temos apenas uma seção transversal, portanto uma constante real. As propriedades geométricas foram encontradas na tabela disposta de perfis soldados, disposta em ANEXO.

15 Número Área(cm²) Momento Momento Momento Espessura Espessura da C.R Inércia Inércia Inércia em Z(mm) em Z(mm) em X(cm^4) em Y(cm^4) em Z(cm^4) , A partir daí o modelo foi malhado. Utilizamos a ferramenta Mesh Tool do ANSYS e malhamos toda a linha com um set global de 20. O modelo consiste em 251 nós e 250 elementos. Figura 10 Modelo malhado.

16 Assim, aplicamos as restrições e os carregamentos. O nó da extremidade engastada foi restringido em todas as direções e rotações (engaste). O carregamento de 1000 kgf foi aplicado no nó oposto, na extremidade livre. A gravidade foi aplicada na direção de y analogamente á situação do modelo em casca. Observe a figura: Figura 11 Condições de engaste e carregamento. A partir do caso de carregamento criado, podemos executar a solução do problema, que irá montar as matrizes de rigidez e resolver a equação do sistema e plotar os resultados no pós-processador.

17 O computador cerca de 8 segundos para calcular a solução e encontrou os seguintes resultados para tensão e deslocamento no modelo: Figura 12 Resultado de tensões no perfil (Critério de Von Misses SEQV). Tensão máxima localizada no engaste, resultado de 7,298 kgf/mm².

18 Figura 13 Resultado de deslocamento vertical no perfil. O deslocamento máximo encontrado foi de 18,564 mm na direção oposta de y, ou seja, para baixo, na extremidade livre condizendo assim com o esperado. As reações de apoio no engaste neste caso foram: Reação de Apoio Vertical (MEF) Reação de Apoio Vertical (Analítico) 1282,7 kgf 1282 kgf

19 Análise em Elemento Sólido, software ANSYS Para finalizar as análises no ANSYS, o perfil foi modelado em elemento sólido. Em termos de modelagem, demandou aproximadamente o mesmo tempo do modelo em casca. O elemento sólido utilizado foi o SOLID 45, que é um elemento utilizado para modelos tridimensionais, com 8 nós tendo 3 graus de liberdade em cada nó. Figura 14 Viga modelada em elemento sólido. O material atribuído para o volume foi o aço ASTM A36. As características dadas foram as mesmas de sempre: densidade, módulo de elasticidade e coeficiente de Poisson deste material, que é isotrópico e linear. Como estamos modelando um elemento sólido não precisamos atribuir constantes reais ao volume, já que as características geométricas são inerentes do modelo tridimensional.

20 A partir daí o modelo foi malhado. Utilizamos a ferramenta Mesh Tool do ANSYS e malhamos todo o sistema com um set global de 20, para que o modelo seja equivalente aos outros analisados. Porém como elemento SOLID 45 possui maior número de nós, para o mesmo set de tamanho, o modelo apresentou número maior de nós e elementos, além de possuir geometria triangular. O modelo consiste em nós e elementos. Figura 15 Modelo Malhado.

21 Figura 16 Detalhe dos elementos.

22 Assim, aplicamos as restrições e os carregamentos. A área de uma das extremidades foi restringida em todas as direções e rotações, simulando o engaste. A gravidade foi aplicada simulando o peso próprio da viga. E o carregamento de 1000 kgf foi aplicado no nó central da mesa da extremidade livre, na parte superior. Através da figura abaixo podemos observar as condições em que o Load Case foi criado: Figura 17 Condições de Engaste e Carregamento. A partir do caso de carregamento criado, podemos executar a solução do problema, que irá montar as matrizes de rigidez e resolver a equação do sistema e plotar os resultados no pós-processador.

23 O computador gastou aproximadamente 300 segundos para calcular a solução e encontrou os seguintes resultados para tensão e deslocamento no perfil: Figura 18 Resultado de Tensões na Viga (Critério de Von Misses SEQV). Tensão máxima localizada no engaste, na parte superior e inferior das mesas representando as tensões de tração e de compressão.o resultado da tensão máxima encontrada foi de 7,521 kgf/mm².

24 Figura 19 Resultado de Deslocamento Vertical na Viga. O deslocamento máximo encontrado foi de 18,817 mm na direção oposta de y, ou seja, para baixo, na extremidade livre condizendo assim com o esperado. Reações de apoio encontradas: Reação de Apoio Vertical (MEF) Reação de Apoio Vertical (Analítico) 1282,7 kgf 1282 kgf

25 Análise em Elemento Sólido, software COSMOS WORKS Alternativamente às analises do ANSYS, foi modelado a mesma viga no software Solid Works e esta foi analisada no programa de elementos finitos que opera dentro da própria interface gráfica do programa. O Solid Works trabalha apenas com modelos tridimensionais sólidos, por isso a única analise que podemos analisar é a de elementos sólidos. Figura 20 Viga modelada no Solid Works. O material atribuído para o volume foi o aço SAE 1020, que está disponível na biblioteca do programa e é semelhante ao ASTM A36 quanto às suas propriedades mecânicas. Como estamos modelando um elemento sólido não precisamos atribuir constantes reais ao volume, já que as características geométricas são inerentes do modelo tridimensional.

26 Após desenhar todo a viga no software iniciamos o funcionamento do Cosmos Works. Podemos perceber que o programa é bem limitado, não permite que o usuário selecione o tipo de elemento sólido utilizado. Além disso, não nos permite visualização da malha, resolvendo o problema diretamente. As restrições e forças aplicadas apenas podem ser impostas nas áreas. Assim sendo, a área do engaste foi restringida em todas as direções e criamos uma pequena área de 64 mm² na extremidade livre da viga, centrada com a alma. Esta área serve para que a força de 1000 kgf seja aplicada, simulando o local de aplicação da força, já que aqui as restrições não são aplicadas em linhas, vértices ou nós. A gravidade novamente aplicada e a simulação iniciada. A malha foi determinada do mesmo tamanho que no ANSYS, set de 20, sendo, portanto uma malha bastante fina. O computador gastou cerca de 20 minutos para resolver as equações e plotar os resultados. Figura 21 Resultado de Tensões na Viga (Critério de Von Misses)

27 Figura 22 Detalhe da Tensão Máxima Podemos observar que neste caso, a tensão máxima encontrada foi de 1,358E+8 Pa (equivalente a 13,85 kgf/mm²). Porém esta tensão fica localiza no ponto de aplicação da força, que como neste modelo consiste em uma pequena área, explica a concentração de tensão. Como este resultado não nos interessa, porque não é valido esse ponto de concentração de tensão, vamos analisar as tensões no local onde analisamos os outros modelos, ou seja, nas mesas na região do engaste. Nesta região, podemos observar que a tensão se apresenta numa escala de verde e que a legenda indica uma tensão no valor de aproximadamente 7,9E+7 Pa (equivalente a 8,05 kgf/mm²). Desta forma temos resultados indicados para comparar os modelos.

28 Figura 23 Resultado dos Deslocamentos O deslocamento máximo encontrado foi de 20,8 mm na direção oposta de y, ou seja, para baixo, na extremidade livre condizendo assim com o esperado. Porém o perfil apresentou uma espécie de torção lateral, colocando assim o modelo em uma situação irreal, já que a força é aplicada exatamente no centro da alma do perfil.

29 Sumário das Análises e Conclusões Para facilitar a análise vamos colocar todos os resultados em uma tabela: Cálculo Analítico (Real) Modelo em Casca (ANSYS) Modelo em Linha (ANSYS) Modelo Sólido (ANSYS) Modelo Sólido (COSMOS) Tensão Máxima Deslocamento Tempo Máximo Computacional 7,3 kgf/mm² 21,6 mm - 8,1 kgf/mm² 18,6 mm 92 segundos 7,3 kgf/mm² 18,6 mm 8 segundos 7,5 kgf/mm² 18,8 mm 300 segundos 8,1 kgf/mm² 20,8 mm segundos

30 Análise das Tensões Comparação de Tensões Tensões(kgf/mm²) 9 8,5 8 7,5 7 6,5 6 5,5 5 4,5 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1 Modelos Cálculo Analítico (Real) Modelo em Linha (ANSYS) Modelo Sólido (ANSYS) Modelo em Casca (ANSYS) Modelo Sólido (COSMOS) Podemos observar que o modelo que mais se aproximou da solução exata do problema para o valor das tensões foi o modelo em linha do ANSYS. A aproximação foi praticamente exata, apresentando diferença apenas na terceira casa decimal. Além disso, o tempo computacional foi o menor de todos, durando cerca de 8 segundos. Isso explica o motivo do elemento de viga ser sempre utilizado na análise de pórticos envolvendo perfis conhecidos e com propriedades geométricas definidas. O sucesso deste elemento para este caso é devido sua própria formulação matemática no programa, que utiliza as equações de rigidez de perfis estruturais apoiado nas propriedades da seção transversal que atribuímos. Em suma, o programa realizou os mesmos cálculos que nós realizamos analiticamente, porém discretizando uma linha da viga em vários nós. É interessante observamos que os valores dos deslocamentos diferem do valor real devido aos erros de aproximação da rigidez e da consideração de peso próprio que fizemos nos cálculos analíticos, considerando-o como uma carga centrada com o valor do peso da viga.

31 É interessante observar que todos os valores de deslocamento nos cálculos de elementos finitos se aproximam bastante uns dos outros. Assim, podemos considerar como um valor mais próximo do real, já que a simplificação neste caso foi feita centrando a carga de peso próprio na viga, ainda nos cálculos analíticos. O modelo sólido no ANSYS apresentou o segundo melhor resultado de tensões aliado à um elevado tempo computacional. A boa aproximação do resultado se dá pelo fato do elemento sólido simular um objeto tridimensional como a viga realmente é, e leva em conta ainda as deformações dos elementos. A malha utilizada foi escolhida com o mesmo tamanho de elemento, para todos os casos. Porém, como o modelo sólido simula um objeto, a malha é feita de elementos tridimensionais e, portanto, configura em um alto número de elementos e nós. Assim, as matrizes ficaram extensas e o tempo computacional foi alto. Podemos concluir que elementos sólidos são utilizados quando temos objetos com geometria irregular, como peças fundidas e usinadas, simulando assim muito bem as irregularidades geométricas e construtivas. Os modelos em casca no ANSYS e sólido no COSMOS WORKS apresentaram praticamente os mesmos valores de tensão na região critica, porém foram os valores mais distantes do real. O modelo em casca do ANSYS teve um tempo computacional mediano quando comparado aos outros, mas o resultado não foi tão bom. Isso ocorre devido às considerações que este modelo faz, por exemplo, a expansão da espessura para ambos os lados, resultando assim em reações de apoio maiores que o esperado devido à superposição de massas. Este fato faz com que o peso próprio seja maior e assim a tensão também. Por este fato, os elementos de casca são bastante utilizados e apresentam bons resultados quando temos ligações entre chapas soldadas em geometria complexa e extensa. Assim, as tensões de membrana possuem boas aproximações aliados a um tempo computacional menor que a dos elementos sólidos. O modelo sólido do COSMOS WORKS pode ser praticamente descartado, apesar do resultado próximo no local analisado. O programa demonstrou ser bastante limitado quanto à geometria da malha, em que não podemos interferir nem no tamanho nem nos elementos, assim ficou difícil compará-los com os

32 outros. Houve concentração de tensão na pequena área criada para aplicação de força, e esta concentração provocou deformação dos elementos e assim uma torção do perfil, o que é irreal. Além disso, o tempo computacional foi altíssimo quando comparado aos outros modelos devido ao alto grau de detalhes do modelo e do próprio programa. Assim sendo, o programa não foi satisfatório quanto a seus objetivos de análise, apresentando diversas desvantagens quando comparado ao ANSYS. Análise dos Deslocamentos Comparação de Deslocamentos 24 Deslocamento(mm) Cálculo Analítico (Real) Modelo Sólido (COSMOS) Modelo Sólido (ANSYS) Modelo em Linha (ANSYS) Modelo em Casca (ANSYS) 0 Modelos Os resultados de deslocamento apresentaram valores bastante próximos dos analíticos, cerca de 15% de erro máximo. Podemos observar que o modelo sólido do COSMOS WORKS obteve o resultado mais próximo do real. Porém, este resultado pode ser descartado pelas irregularidades apresentadas na solução, como a torção do perfil e a concentração de tensão. Todos os modelos do ANSYS apresentaram resultados muito próximos e menores que o analítico e isso pode ser explicado simplesmente pelo fato do método ser um método de aproximação através de elementos discretos. A

33 proximidade dos erros se dá ao fato de todos os modelos terem o mesmo número de nós na direção da viga, ou seja, o tamanho da malha é idêntico para todos. Porém o numero de nós e elementos são diferentes pelo fato de cada elemento apresentar geometrias e disposição distintas dos nós. Através da diminuição do tamanho da malha podemos alcançar resultados de deslocamento mais satisfatórios. Considerações Finais Podemos concluir com este trabalho toda a importância e validade do método de elementos finitos. Desenvolver, projetar e dimensionar peças com geometrias complexas e poder obter resultados satisfatórios é uma ferramenta muito poderosa que o Engenheiro precisa ter domínio. A física aliada à matemática muitas vezes não consegue descrever um problema de formas simples, exata e analítica e nós, temos que lançar mão da ferramenta computador aliado ao método da discretização que é o MEF. Não basta apenas modelar e ler resultados para garantir o domínio do método, precisa haver interpretação lógica, aliado ao sempre bom senso que todo Engenheiro necessita e preza. Saber como modelar, quais elementos utilizar, onde aplicar forças, tudo isso é necessário para se obter o sucesso com os programas computacionais, além de claro sempre realizar a análise crítica de resultados. No nosso caso, podemos garantir nosso modelo tanto qualitativamente quanto quantitativamente. Os valores calculados analiticamente coincidem com os encontrados pelo método com uma aproximação praticamente exata (no nosso caso, elemento de viga). A parte qualitativa demonstrou melhor ainda a teoria. Podemos observar nas figuras que as tensões aumentam linearmente tanto com o comprimento, quanto com a distância de centro a borda do perfil, validando assim a teoria linear do momento e das tensões de flexão. É através de resultados desta ordem que a ciência se torna cada vez mais importante ao ser humano, que a cada dia busca e cria soluções de problemas cada vez de ordem mais complexa, construindo assim o futuro da sociedade moderna, seja

34 garantindo simplesmente a comodidade do ser humano ou conquistando o universo. Esta é a definição da palavra Engenharia.

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS Benedito Rabelo de Moura Junior 1, Denis da Silva Ponzo 2, Júlio César Moraes 3, Leandro Aparecido dos Santos 4, Vagner Luiz Silva

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS José Guilherme Santos da Silva, Francisco José da Cunha Pires Soeiro, Gustavo Severo Trigueiro, Marcello Augustus

Leia mais

Tutorial de Viga: Ansys - Beam3

Tutorial de Viga: Ansys - Beam3 Tutorial de Viga: Ansys - Beam3 Primeiramente vamos iniciar o tutorial apresentando uma visão geral do software Ansys, ao abri-lo (click em Ansys11 e Ansys) a seguinte tela é mostrada: Nesse curso focaremos

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Junior, Byl F.R.C. (1), Lima, Eder C. (1), Oliveira,Janes C.A.O. (2), 1 Acadêmicos de Engenharia Civil, Universidade Católica

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica Tópicos Abordados Método dos Elementos Finitos. Softwares para Análise Numérica. Método do Elementos Finitos No

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMPUTER AIDED ENGINEERING - CAE FABIANO RAMOS DOS SANTOS SERGIO DA COSTA FERREIRA

Leia mais

CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO. Cliente: INFRARED

CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO. Cliente: INFRARED CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO Cliente: INFRARED Data: 06 de maio de 2015 REVISÃO: 00 DATA: 06 de maio de 2015 Identificação DESCRIÇÃO: Esta análise

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T Hevânio D. de Almeida a b, Rafael A. Guillou a,, Cleilson F. Bernardino

Leia mais

Método dos Elementos Finitos Aplicado à Engenharia de Estruturas Página 1

Método dos Elementos Finitos Aplicado à Engenharia de Estruturas Página 1 Método dos Elementos Finitos Aplicado à Engenharia de Estruturas Página 1 ANÁLISE DE UMA LAJE CONSIDERANDO TRÊS TIPOS DE APOIO: ENGASTADA, SIMPLESMENTE APOIADA E COM VIGA DE BORDO INTRODUÇÃO Entre os muitos

Leia mais

Caso (2) X 2 isolado no SP

Caso (2) X 2 isolado no SP Luiz Fernando artha étodo das Forças 6 5.5. Exemplos de solução pelo étodo das Forças Exemplo Determine pelo étodo das Forças o diagrama de momentos fletores do quadro hiperestático ao lado. Somente considere

Leia mais

MDF: Conceitos Básicos e algumas Aplicações na Engenharia Estrutural

MDF: Conceitos Básicos e algumas Aplicações na Engenharia Estrutural Universidade Federal de São João Del-Rei MG 6 a 8 de maio de 00 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia MDF: Conceitos Básicos e algumas Aplicações na Engenharia Estrutural L. R.

Leia mais

Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo

Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.22, p.25-32, Outubro, 2013 Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo Numerical and experimental evaluation

Leia mais

Elementos Finitos. Professor: Evandro Parente Jr. Período: 2009/1

Elementos Finitos. Professor: Evandro Parente Jr. Período: 2009/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ESTRUTURAL E CONSTRUÇÃO CIVIL MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL: ESTRUTURAS E CONSTRUÇÃO CIVIL Elementos Finitos Professor: Evandro

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

Análise numérica e analítica da deformação de grades de tomada d água de usinas hidrelétricas para desenvolvimento de sistema de monitoramento

Análise numérica e analítica da deformação de grades de tomada d água de usinas hidrelétricas para desenvolvimento de sistema de monitoramento Análise numérica e analítica da deformação de grades de tomada d água de usinas hidrelétricas para desenvolvimento de sistema de monitoramento Erlon Vagner da Silva 1, Luciano Zanoni 1, Luiz Dambros 1,

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO Curso de Engenharia Civil Universidade Estadual de Maringá Centro de ecnologia Departamento de Engenharia Civil CPÍULO 6: ORÇÃO Revisão de Momento orçor Convenção de Sinais: : Revisão de Momento orçor

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO ANALISANDO A RIGIDEZ DO ENGASTAMENTO ENTRE VIGAS E PILARES E UTILIZANDO

Leia mais

PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA

PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA Como visto, existem os mais variados tipos de plataformas, cada uma com seus requisitos de projetos. Neste capítulo será abordada

Leia mais

Software Educacional Livre para Análise Não-Linear e Dimensionamento de Pórtico Plano em Estruturas Metálicas

Software Educacional Livre para Análise Não-Linear e Dimensionamento de Pórtico Plano em Estruturas Metálicas Software Educacional Livre para Análise Não-Linear e Dimensionamento de Pórtico Plano em Estruturas Metálicas Autor : Paulo Cavalcante Ormonde Orientador: Alex Sander Clemente de Souza São Paulo, 14 de

Leia mais

Uma estrutura pode estar em equilíbrio ou movimento.

Uma estrutura pode estar em equilíbrio ou movimento. 1. INTRODUÇÃO Uma estrutura pode estar em equilíbrio ou movimento. Existem estruturas que são dimensionadas para estarem em equilíbrio (edifícios, pontes, pórticos, etc.) e as que são dimensionadas para

Leia mais

COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DE CÁLCULO ANALÍTICOS E APROXIMADOS DE LAJES BI-DIMENSIONAIS

COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DE CÁLCULO ANALÍTICOS E APROXIMADOS DE LAJES BI-DIMENSIONAIS UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ CENTRO TECNOLÓGICO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DE CÁLCULO ANALÍTICOS E APROXIMADOS DE LAJES BI-DIMENSIONAIS Paulo Roberto Simon Chapecó

Leia mais

Teoria das Estruturas

Teoria das Estruturas Teoria das Estruturas Aula 02 Morfologia das Estruturas Professor Eng. Felix Silva Barreto ago-15 Q que vamos discutir hoje: Morfologia das estruturas Fatores Morfogênicos Funcionais Fatores Morfogênicos

Leia mais

Efeitos dinâmicos do Vento em Edifícios Altos. Byl Farney Rodrigues da CUNHA JR¹; Frederico Martins Alves da SILVA²;

Efeitos dinâmicos do Vento em Edifícios Altos. Byl Farney Rodrigues da CUNHA JR¹; Frederico Martins Alves da SILVA²; Efeitos dinâmicos do Vento em Edifícios Altos Byl Farney Rodrigues da CUNHA JR¹; Frederico Martins Alves da SILVA²; 3 Zenón José Guzmán Nuñez DEL PRADO 1,2,3 Escola de Engenharia Civil UFG 1 farneyjr@hotmail.com,

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES 1 INDICE CAPÍTULO 5 DIMENSIONAMENTO BARRAS PRISMÁTICAS À FLEXÃO... 1 1 INTRODUÇÃO... 1 2 CONCEITOS GERAIS... 1 2.1 Comportamento da seção transversal

Leia mais

Fundamentos do Método dos Elementos Finitos

Fundamentos do Método dos Elementos Finitos Orgãos de Máquinas Fundamentos do Método dos Elementos Finitos Conceitos básicos para a utilização do M.E.F. no âmbito de um sistema de CAD/CAE Licenciatura em Engenharia de Máquinas Marítimas ENIDH -

Leia mais

SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA COMPUTER SIMULATION OF ONE-DIMENSIONAL BEAM BY SOFTWARE CATIA

SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA COMPUTER SIMULATION OF ONE-DIMENSIONAL BEAM BY SOFTWARE CATIA SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA Edgar Della Giustina (1) (edgar.giustina@pr.senai.br), Luis Carlos Machado (2) (luis.machado@pr.senai.br) (1) Faculdade de Tecnologia

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Fábio Sumara Custódio (1), Marcio Vito (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

FUNÇÃO DO SISTEMA DE MASSA MOLA = ATENUAR VIBRAÇÕES

FUNÇÃO DO SISTEMA DE MASSA MOLA = ATENUAR VIBRAÇÕES Análise do comportamento estrutural das lajes de concreto armado dos Aparelhos de Mudança de Via (AMV), com sistema de amortecimento de vibrações, oriundas dos tráfegos dos trens, da Linha 2 - Verde, do

Leia mais

UNESP - UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ FÁBIO DE OLIVEIRA ROZZANTI

UNESP - UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ FÁBIO DE OLIVEIRA ROZZANTI UNESP - UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ FÁBIO DE OLIVEIRA ROZZANTI ESTUDO DE UMA PONTE ROLANTE COMERCIAL NO TRANSPORTE DE BOBINA DE AÇO DE 12 TONELADAS Guaratinguetá

Leia mais

MIEC MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL 2014/2015 PROPOSTA DE TEMAS PARA DISSERTAÇÃO RAMO DE ESPECIALIZAÇÃO/ ÁREA CIENTÍFICA: ESTRUTURAS

MIEC MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL 2014/2015 PROPOSTA DE TEMAS PARA DISSERTAÇÃO RAMO DE ESPECIALIZAÇÃO/ ÁREA CIENTÍFICA: ESTRUTURAS 1 EST1 AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE DEFORMAÇÃO DE ELEMENTOS TUBULARES EM AÇO José Miguel Castro CO Um dos passos essenciais no processo de avaliação da segurança sísmica de estruturas consiste na comparação

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

1.1. Breve histórico sobre a Engenharia Estrutural

1.1. Breve histórico sobre a Engenharia Estrutural 1. INTRODUÇÃO O projeto e a construção de estruturas é uma área da Engenharia Civil na qual muitos engenheiros civis se especializam. Estes são os chamados engenheiros estruturais. A Engenharia Estrutural

Leia mais

1. Definição dos Elementos Estruturais

1. Definição dos Elementos Estruturais A Engenharia e a Arquitetura não devem ser vistas como duas profissões distintas, separadas, independentes uma da outra. Na verdade elas devem trabalhar como uma coisa única. Um Sistema Estrutural definido

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Engenharia. Departamento de Engenharia de Estruturas DISCIPLINA. Profa. Jacqueline Maria Flor

Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Engenharia. Departamento de Engenharia de Estruturas DISCIPLINA. Profa. Jacqueline Maria Flor Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia de Estruturas CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA EES 023 - ANÁLISE ESTRUTURAL I APOSTILA DO PROGRAMA

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0 PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 FABRICANTE: Metalúrgica Rodolfo Glaus Ltda ENDEREÇO: Av. Torquato Severo, 262 Bairro Anchieta 90200 210

Leia mais

Alguns aspectos relevantes na elaboração de Projetos Estruturais Informatizados

Alguns aspectos relevantes na elaboração de Projetos Estruturais Informatizados Alguns aspectos relevantes na elaboração de Projetos Estruturais Informatizados Nelson Covas TQS Informática Ltda. Introdução Figura 1 Desenho 3D de edificação Pode-se constatar que as edificações comerciais,

Leia mais

Tutorial para utilização do COSMOSXpress - SW2007

Tutorial para utilização do COSMOSXpress - SW2007 Tutorial para utilização do COSMOSXpress - SW2007 O COSMOSXpress é parte integrante da plataforma paramétrica para projetos SolidWorks CAD 3D. É uma poderosa ferramenta que permite proceder a uma análise

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

Funções & Especificações

Funções & Especificações Funções & Especificações A linha de produto do Autodesk Inventor oferece um amplo e integrado conjunto de aplicações de projeto e ferramentas de transição 2D para ajudar as empresas de fabricação a evoluir

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO FERRAMENTA NA DEFINIÇÃO DO PERFIL PARA TREM DE POUSO POLIMÉRICO

UTILIZAÇÃO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO FERRAMENTA NA DEFINIÇÃO DO PERFIL PARA TREM DE POUSO POLIMÉRICO UTILIZAÇÃO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO FERRAMENTA NA DEFINIÇÃO DO PERFIL PARA TREM DE POUSO POLIMÉRICO Leonardo José Lottermann (FAHOR) ll001211@fahor.com.br Djone Rafael Viana (FAHOR) dv001140@fahor.com.br

Leia mais

Doutoranda, PPGEC/ UFRGS, p.manica.lazzari@gmail.com 2,3

Doutoranda, PPGEC/ UFRGS, p.manica.lazzari@gmail.com 2,3 Análise Estrutural Não Linear de Vigas em Concreto Armado Utilizando o ANSYS 14.5 Paula Manica Lazzari 1, Américo Campos Filho 2, Francisco de Paula Simões Lopes Gastal 3 Resumo 1 Doutoranda, PPGEC/ UFRGS,

Leia mais

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição Introdução Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil PGECIV - Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ Disciplina: Tópicos Especiais em Estruturas (Chapa Dobrada) Professor: Luciano Rodrigues

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

Resistência dos Materiais. Prof. Carmos Antônio Gandra, M. Sc.

Resistência dos Materiais. Prof. Carmos Antônio Gandra, M. Sc. Resistência dos Materiais Prof. Carmos Antônio Gandra, M. Sc. Unidade 01 Conceitos Fundamentais Objetivo da unidade Estabelecer um embasamento conceitual, de modo que o aluno possa prosseguir ao longo

Leia mais

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO Eduardo M. Batista (1) ; Elaine G. Vazquez (2) ; Elaine Souza dos Santos (3) (1) Programa de Engenharia Civil, COPPE,

Leia mais

DETALHAMENTO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO PELO MÉTODO DAS BIELAS E DOS TIRANTES

DETALHAMENTO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO PELO MÉTODO DAS BIELAS E DOS TIRANTES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL CADERNO DE ENGENHARIA DETALHAMENTO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO PELO MÉTODO DAS BIELAS E DOS TIRANTES

Leia mais

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode. Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.com/blog/ Referência Bibliográfica Hibbeler, R. C. Resistência de materiais.

Leia mais

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 02 de setembro 2010 RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO

Leia mais

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes SUPRSTRUTUR s estruturas dos edifícios, sejam eles de um ou vários pavimentos, são constituídas por diversos elementos cuja finalidade é suportar e distribuir as cargas, permanentes e acidentais, atuantes

Leia mais

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 1 MENEGAZZO Projeto e Consultoria Ltda / carlos.menegazzo@gmail.com 2 IFSC

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO. Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2

ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO. Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2 ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT);

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO RESUMO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Diego de Medeiros Machado (1), Marcio Vito (2); UNESC

Leia mais

A distribuição de um momento aplicado em um nó de um pórtico por parcelas de momentos fletores equilibrantes nas barras adjacentes (Seção 8.2).

A distribuição de um momento aplicado em um nó de um pórtico por parcelas de momentos fletores equilibrantes nas barras adjacentes (Seção 8.2). 8. PROCESSO DE CROSS O Processo de Cross, ou Método da Distribuição de Momentos (White et al. 976), é um método relativamente simples para o cálculo de momentos fletores em vigas contínuas, pórticos planos,

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

Análise De Uma Viga Solicitada Estaticamente. Método dos Elementos Finitos Introdução ao ANSYS

Análise De Uma Viga Solicitada Estaticamente. Método dos Elementos Finitos Introdução ao ANSYS Análise De Uma Viga Solicitada Estaticamente Método dos Elementos Finitos Introdução ao ANSYS Luís Mesquita 02 de Maio de 2002 O objectivo deste documento, é o de analisar uma viga solicitada, com o carregamento

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES CLIENTE: FOLHA 1 de 17 PROGRAMA: FUNDAÇÕES AREA: ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ RESP: SILIO LIMA CREA: 2146/D-RJ Nº GEOINFRA ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E / OU FOLHAS ATINGIDAS Emissão inicial DATA

Leia mais

LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO

LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO 1. Uma mola, com comprimento de repouso (inicial) igual a 30 mm, foi submetida a um ensaio de compressão. Sabe-se

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE SISTEMAS FLUTUANTES OFFSHORE

ANÁLISE ESTRUTURAL DE SISTEMAS FLUTUANTES OFFSHORE ANÁLISE ESTRUTURAL DE SISTEMAS FLUTUANTES OFFSHORE CAE NAVAL & OFFSHORE 2013 Marcos Queija de Siqueira - Pedro Yuji Kawasaki Rio de Janeiro, 13 de Junho de 2013 SUMÁRIO 1 ÁREAS DE ATUAÇÃO 2 APLICAÇÕES

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

PROGRAMA AUTOTRUSS 2.0

PROGRAMA AUTOTRUSS 2.0 PROGRAMA AUTOTRUSS 2.0 Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Departamento de Estruturas LabMeC Autores: Prof. Dr. João Alberto Venegas Requena requena@fec.unicamp.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas ANÁLISE DE LAJES RETANGULARES À FLEXÃO CONSIDERANDO O ACRÉSCIMO DE ARMADURA

Leia mais

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Universidade Federal de Viçosa - Av. P.H. Rolfs s/n - Viçosa MG - 36.570-000

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO DO ELEVADOR DE CREMALHEIRA (LM 1.5) CAPACIDADE DE 1.500 KGF. CLIENTE:

MEMORIAL DE CÁLCULO DO ELEVADOR DE CREMALHEIRA (LM 1.5) CAPACIDADE DE 1.500 KGF. CLIENTE: MEMORIAL DE CÁLCULO DO ELEVADOR DE CREMALHEIRA (LM 1.5) CAPACIDADE DE 1.500 KGF. CLIENTE: MEMORIAL DE CÁLCULO REFERÊNCIAS: 1 ASTM A193:2003 2 V. Dobrovolsk- Elementos de Máquinas, Ed. MIR, Moscou 7 Joseph

Leia mais

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Alexandre Gil Batista Medeiros e Renato Pinto da Cunha Departamento de Engenharia

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

MODELAGEM BIOCAD DE PRÓTESE DENTÁRIA IMPLANTO-MUCO-SUPORTADA EM MANDÍBULA

MODELAGEM BIOCAD DE PRÓTESE DENTÁRIA IMPLANTO-MUCO-SUPORTADA EM MANDÍBULA MODELAGEM BIOCAD DE PRÓTESE DENTÁRIA IMPLANTO-MUCO-SUPORTADA EM MANDÍBULA Alexandre B. Travassos 1 ; Jorge V. L. da Silva 1 ; Mônica N. Pigozzo 2 1 - Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer -

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

Modelos para Análise Não-Linear de Estruturas em Concreto Armado usando o Método dos Elementos Finitos

Modelos para Análise Não-Linear de Estruturas em Concreto Armado usando o Método dos Elementos Finitos Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Modelos para Análise Não-Linear de Estruturas em Concreto Armado usando

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO O presente trabalho refere-se à análise estrutural de placas de concreto para piso elevado, fornecidos a uma construtora para estacionamento

Leia mais

Elementos Finitos na Análise Estrutural

Elementos Finitos na Análise Estrutural Capítulo 2 Elementos Finitos na Análise Estrutural Trata-se neste capítulo, de apresentar de uma forma simples o método dos deslocamentos e sua aplicação na análise estrutural. Aborda-se inicialmente de

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO Marcos Alberto Ferreira da Silva (1) ; Jasson Rodrigues de Figueiredo Filho () ; Roberto Chust Carvalho ()

Leia mais

Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado

Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado BE8 Encontro Nacional Betão Estrutural 8 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 8 Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado Bruna Catoia 1, Carlos A.T. Justo,

Leia mais

Palavras-chave Concreto Armado; Análise e Dimensionamento Estrutural; Vigas; Aplicativo Android.

Palavras-chave Concreto Armado; Análise e Dimensionamento Estrutural; Vigas; Aplicativo Android. Desenvolvimento de um Aplicativo Android de Auxílio no Dimensionamento de Vigas de Concreto Armado Jonathas Iohanathan Felipe de Oliveira 1, Eric Mateus Fernandes Bezerra 2, Raimundo Gomes de Amorim Neto

Leia mais

Lista 2 - Modelos determinísticos

Lista 2 - Modelos determinísticos EA044 - Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Lista 2 - Modelos determinísticos Exercício 1 A Companhia Ferroviária do Brasil (CFB) está planejando a alocação de vagões a 5 regiões do país para

Leia mais

Disciplinas: Mecânica dos Materiais 2 6º Período E Dinâmica e Projeto de Máquinas 2-10º Período

Disciplinas: Mecânica dos Materiais 2 6º Período E Dinâmica e Projeto de Máquinas 2-10º Período UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO POLITÉCNICO Graduação em Engenharia Mecânica Disciplinas: Mecânica dos Materiais 2 6º Período E Dinâmica e Projeto de Máquinas 2-10º Período Professor:

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE TEÓRICA-COMPUTACIONAL DE LAJES LISAS DE CONCRETO ARMADO COM PILARES RETANGULARES Liana de Lucca Jardim Borges,1,2 1 Pesquisadora 2 Curso de Engenharia Civil, Unidade Universitária de Ciências Exatas

Leia mais

Geotécnica, ppimenta@usp.br

Geotécnica, ppimenta@usp.br Dimensionamento de Regiões D Através do Método dos Elementos Finitos e o Método de Bielas e Tirantes Henrique Towata Sato 1, Paulo de Mattos Pimenta 2 1 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo,

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS B. C. S. Lopes 1, R. K. Q. Souza, T. R. Ferreira 3, R. G. Delalibera 4 Engenharia Civil Campus Catalão 1. bcs_90@hotmail.com;. rhuankarlo_@hotmail.com;

Leia mais

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL 1 I. ASPECTOS GERAIS CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL Conforme já foi visto, a tensão representa o efeito de um esforço sobre uma área. Até aqui tratamos de peças submetidas a esforços normais a seção

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 1 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Prof.: J. E. Guimarães Revisão 7 20/01/08 2 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Revisão de Matemática Faremos aqui uma pequena revisão de matemática necessária à nossa matéria, e sem

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DA INTERAÇÃO SOLO-ESTRUTURA SOBRE A RESPOSTA ESTRUTURAL DE EDIFÍCIOS MISTOS (AÇO- CONCRETO)

AVALIAÇÃO DO EFEITO DA INTERAÇÃO SOLO-ESTRUTURA SOBRE A RESPOSTA ESTRUTURAL DE EDIFÍCIOS MISTOS (AÇO- CONCRETO) Congresso de Métodos Numéricos em Engenharia 2015 Lisboa, 29 de Junho a 2 de Julho, 2015 APMTAC, Portugal, 2015 AVALIAÇÃO DO EFEITO DA INTERAÇÃO SOLO-ESTRUTURA SOBRE A RESPOSTA ESTRUTURAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST Julia Rodrigues Faculdade de Engenharia Civil CEATEC julia.r1@puccamp.edu.br Nádia Cazarim da Silva Forti Tecnologia do Ambiente

Leia mais

Resistência. dos Materiais II

Resistência. dos Materiais II Resistência Prof. MSc Eng Halley Dias dos Materiais II Material elaborado pelo Prof. MSc Eng Halley Dias Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Aplicado ao Curso Técnico de

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DOIS SOFTWARES COMERCIAIS PARA DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO.

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DOIS SOFTWARES COMERCIAIS PARA DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO. Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DOIS SOFTWARES COMERCIAIS PARA DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO. Marcos Roberto de Souza (1), Alexandre

Leia mais

SISTEMA CUSTOMIZADO PARA ANÁLISE ESTRUTURAL DE LANÇA DE GUINDASTE COM DANOS NOS MEMBROS

SISTEMA CUSTOMIZADO PARA ANÁLISE ESTRUTURAL DE LANÇA DE GUINDASTE COM DANOS NOS MEMBROS SISTEMA CUSTOMIZADO PARA ANÁLISE ESTRUTURAL DE LANÇA DE GUINDASTE COM DANOS NOS MEMBROS Fátima Maria Nogueira de Souza SOFTEC Software Technology Ltda. Alexandre Hansen UFRJ Universidade Federal do Rio

Leia mais

Efeito do comportamento reológico do concreto

Efeito do comportamento reológico do concreto Efeito do comportamento reológico do concreto FLECHAS E ELEENTOS DE CONCRETO ARADO 1 - INTRODUÇÃO Todo o cálculo das deformações de barras, devidas à fleão, tem por base a clássica equação diferencial

Leia mais

PROVAESCRITA CARGO: ENGENHARIA CIVIL I

PROVAESCRITA CARGO: ENGENHARIA CIVIL I MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO QUADRO EFETIVO EDITAL

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA ACADÊMICA NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UERJ A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DO PROGRAMA ANSYS

UMA EXPERIÊNCIA ACADÊMICA NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UERJ A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DO PROGRAMA ANSYS UMA EXPERIÊNCIA ACADÊMICA NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UERJ A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DO PROGRAMA ANSYS José Guilherme Santos da Silva, Francisco José da Cunha Pires Soeiro, Pedro

Leia mais

CALDsoft7 - Software de planificação em caldeiraria

CALDsoft7 - Software de planificação em caldeiraria CALDsoft7 - Software de planificação em caldeiraria Calculando uma peça com o CALDsoft7 É muito simples calcular uma peça com o CALDsoft7, basta seguir os passos apresentados abaixo: - Escolher a peça

Leia mais

Lajes de Edifícios de Concreto Armado

Lajes de Edifícios de Concreto Armado Lajes de Edifícios de Concreto Armado 1 - Introdução As lajes são elementos planos horizontais que suportam as cargas verticais atuantes no pavimento. Elas podem ser maciças, nervuradas, mistas ou pré-moldadas.

Leia mais

5 Modelos Estruturais

5 Modelos Estruturais 5 Modelos Estruturais 5.1 Introdução Neste capítulo, os modelos estruturais utilizados para avaliação do conforto humano serão descritos segundo suas características geométricas e físicas referentes aos

Leia mais

Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto. Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos

Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto. Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos Fundamento da mecânica dos pavimentos e da ciência dos pavimentos rígidos Projetar uma estrutura que dê conforto,

Leia mais