Os Bancos nos Próximos 20 anos. Jose Luiz de Cerqueira César

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os Bancos nos Próximos 20 anos. Jose Luiz de Cerqueira César"

Transcrição

1 s Bancos nos Próximos 20 anos Jose Luiz de erqueira ésar

2 Fato s custos decrescentes de processamento, armazenamento e telecomunicação permitirão a conexão de quase todas as máquinas. m breve teremos mais equipamentos on-line do que pessoas. As pessoas, empresas e as nações necessitarão enfrentar o desafio de substituir a vantagem competitiva pela vantagem coletiva. maior valor estará na combinação de competências Visão

3 Visão Global ontextualização Transformações em Produtos, Serviços e Processos Desafio das mpresas Desafio Dos Governos Desafio Dos Bancos

4 ontextualização Lei de Moore: A capacidade de processamento de um chip dobra a cada 18 meses. omputadores tornam-se mais poderosos e mais baratos;.. Previsão: ste ritmo de crescimento poderá ser mantido pelo menos até 2020.

5 ontextualização Lei de Metcalfe: valor de um sistema de comunicações cresce com o quadrado do número de seus usuários..... Lei de Gilder: A largura de banda cresce pelo menos três vezes mais rápido que a capacidade de processamento.

6 ontextualização Múltiplos Devices Aparelhos e equipamentos passam a ganhar características híbridas, agregando.. capacidade de processamento, armazenamento e comunicação às suas funcionalidades tradicionais. Serviços Distribuídos Banda de omunicação Ilimitada rescente descentralização do processamento de serviços. Um serviços pode.. ser construído on demand a partir de componentes oriundos de diferentes servidores. uso de redes de fibra ótica oferece capacidade de transmissão de dados.. virtualmente ilimitada. Mobilidade Plena Dispositivos móveis permitem o acesso a serviços disponíveis a qualquer hora e.. em qualquer lugar. Ubiquitous omputing Presença dos computadores, em suas diversas formas, em todos os ambientes.. e situações do cotidiano, tornando-se invisível.

7 Transformações.. Realidade Virtual - s aumentos da capacidade de processamento,armazenamento e da largura da banda de comunicação possibilitarão a troca de vídeos de alta resolução, o uso intensivo de multimídia, viabilizando o compartilhamento de ocasiões virtualmente..... A consolidação do omércio letrônico- ovos formatos e Modelos de omercialização colocarão definitivamente em cheque o antigo modelo de comercialização da indústria de bens,serviços e conteúdos..... Bancos -Transações financeiras serão realizadas com segurança e performance por meio de múltiplos objetos e dispositivos móveis, em qualquer lugar, a qualquer hora com fortes efeitos na bancarização da população, na integração com as cadeias de valor e com os governos(e-gov) TeleMedicina- Por meio de um colete médico computadorizado, um paciente poderá... ser monitorado e tratado 24 x 7 sem a presença física de um médico. A indústria. médica deverá ser transformada de processos periódicos para serviços contínuos.

8 Transformações.. asas High Tec As casas do futuro terão todos os equipamentos domésticos interligados, controle central de comando de climatização, segurança, consumo de energia, sensores de presença, entretenimento. onsolidação dos Ambientes de Teletrabalho.. bjetos Inteligentes- Minúsculos microcomputadores serão incorporados no corpo, na roupa, nos veículos, nas residências, nos robôs, nos escritórios interferindo em nosso cotidiano..... quipamento de bolso - Terá funções de computador, telefone celular, televisor, câmera digital, tradutor, GPS, gravador multimídia e capacidade de armazenamento de centenas de gigabytes. Hiperescola A nova Infra estrutura disponibilizará bancos de imagens, documentários, espetáculos virtuais de artes. Programas educativos interativos com.. TV Digital

9 Desafio das mpresas lock-in perde força, ganham aqueles que melhor combinam competências e não os que chegam primeiro. s consumidores receberão serviços construídos por uma rede de empresas, maximizando seu benefício. s aplicativos e a infra-estrutura serão amorfos A vantagem não é mais competitiva, e sim coletiva. s arranjos empresariais devem buscar o equilíbrio colaborativo. A colaboração aumenta o bem-estar global (John ash)

10 Desafio das mpresas conceito de estratégia será ampliado da empresa para a empresa + parceiros + clientes em Modelos peracionais rgânicos. stratificada rgânica..

11 Desafio das mpresas As empresas buscarão o seu posicionamento na cadeia de valor num ponto que maximize suas habilidades e potencialize as ações de parceiros. A cadeia de valor passa a ser móvel, acompanhando a nova dinâmica do ambiente, dessa forma, as empresas farão uso de diversos modelos de negócio. adeia de Valor Mix lient rganization onsortium Mix Joint Venture utsourcing Joint Venture lient rganization onsortium.. F F M M Forn. Serviços Investimento Acordo peracional Participação

12 .. Desafio dos Governos s Governos necessitarão traçar suas estratégias nessa nova fronteira de tecnologia. A ação livre dos agentes possibilitará a criação de arranjos empresariais estratégicos, mas dificilmente permeará todos os agentes da economia. A postura passiva dos governos aumentará a entropia do sistema. M M F F M M F F Postura Passiva Postura Ativa

13 Desafio dos Governos A Sociedade da Informação trouxe mudanças mais profundas que a Revolução Industrial, produzindo novas relações entre cidadãos, instituições e governos. starão disponíveis os habilitadores necessários para a inclusão de todas as pessoas. A sociedade cidadãos, instituições e governos decidirá o uso que será dado aos habilitadores e o nível de distribuição dos benefícios.

14 Desafio dos Governos Habilitadores tecnológicos oferecerão grande potencial de transformação das nações. - abe à sociedade decidir o uso que fará deles. A inclusão de todos na rede cidadão-governo-instituições será uma exigência inevitável do terceiro milênio. novo contexto é de informação máxima e transparência máxima.

15 Desafio dos Governos cliente-cidadão exigirá alto nível de serviços do estado assim como das empresas. Governo e empresas devem se associar para atender ao cliente-cidadão. As várias instâncias do governo deverão estar integrados em rede cliente-cidadão deverá ser conhecido de forma integral e individual. - Diferentes indivíduos têrão diferentes necessidades e demandam diferentes serviços. Mais uma vez, o caminho é a colaboração das competências.

16 Desafios dos Governos idadania Políticas Públicas Fundos de financiamento Governo-e ducação Inclusão Digital Integração olaboração Habilitadores tecnológicos

17 A onvergência Digital Acessos Rede IP Aplicações

18 A onvergência Digital

19 A onvergência Digital WA MA LA PA BA 3G WDMA GPRS DG WiMAX Broadband Wi-Fi UWB and Bluetooth RFID

20 A onvergência Digital THR ets Broadcast UMTS/GSM et Fixed et In-ar network Broadcast ets Broadcast thernet Broadcast Home network ffice network Body-area networks

21 A Arena dos Bancos omo enfrentar este novo ontexto?

22 A onfiguração Futura dos Bancos q Mega onglomerados com atuação Global ou Blocos econômicos específicos; q Bancos de icho com foco em pontos de alto valor agregado da cadeia de valor; q Bancos especializados em elos da cadeia de valor; q Associações de clientes como estratégia de substituição na prestação de serviços bancários. cossistemas Financeiros Fechados e autônomos.

23 A onfiguração Futura dos Bancos q A formação e aprofundamento de Blocos afetará a dinâmica competitiva da industria bancária; q processo de consolidação está em fase inicial; q Mega onglomerados Financeiros.

24 As Mudanças e Impactos Pervasividade e Mobilidade

25 As Mudanças e Impactos s produtos e serviços q s Bancos não poderão se restringir apenas a produtos e serviços bancários: As Dimensões das Transformações Trabalho Lazer Modo de Vida Indivíduo rganizações Sociedade qa diversificação de produtos e serviços serviços contribuirão para a fidelização e redução de riscos;

26 As Mudanças e Impactos A sustentabilidade q s produtos e serviços bancários tradicionais não conseguirão dar sustentabilidadepara os Bancos; qas ofertas mais diversificadas irão ao encontro do que os clientes realmente necessitarão: q Assistência diversificada; q Programas de Treinamento e onteúdos; q Suporte e apoio ao seu Trabalho; q Suporte e apoio ao seu lazer; q Suporte e apoio a seu modo de vida; q Suporte e Apoio as adeias e omunidades Virtuais de seu interesse q A adeia de Valor do Sistema Financeiro será reinventada e integrada organicamente com os objetos, pessoas, empresas e governos

27 As Mudanças e Impactos rédito q A demanda e oferta de crédito serão pervasivas e ubíquas; q A análise e gestão de riscos serão executadas em tempo real, de forma distribuída e será possível atribuir riscos e limites sem conhecer previamente o cliente ou o o usuário, em função das bases de dados pessoais portáteis; q conceito de garantias reais será totalmente reformulado, bem como os instrumentos utilizados em função dos novos modelos de organização da economia digital;

28 As Mudanças e Impactos desenvolvimento da arteira de lientes q ecessidade de imersão orgânica dos Bancos na vida local das Redes Sociais e Virtuais; q Fortalecimento da onfiança entre a Instituição Bancária e os participantes das adeias, Redes e omunidades conômicas e Sociais; q Acesso ás informações invisíveis; q Redução da assimetria de informação.

29 As Mudanças e Impactos A Fungibilidade q s produtos e serviços financeiros terão uma natureza fluída e dinâmica. Servirão as necessidades dos indivíduos, empresas e comunidades ; q xistirá um processo de fusão entre os produtos bancários e os bens, serviços e conteúdos que estarão sendo consumidos ou produzidos;

30 As Mudanças e Impactos Integração de adeias Produtivas 3. Portais Verticais: 1. A Integração do Varejo: Integração de grandes redes de varejo para oferta de serviços de financiamento ao consumidor. 2. Portais Horizontais: Ambiente web para oferta de serviços bancários e disponibilização de marketplace para integração de diversas empresas. onstruído em torno de um grupo empresarial, reunindo seus fornecedores e clientes, oferecendo serviços já existentes e outros que venham a ser criados ou ajustados

31 As Mudanças e Impactos As stratégias de Portal orporativo stágio 01: mpresa competindo contra mpresa stágio 02: adeia de Valor competindo contra adeia de Valor Hoje: adeia de Valor competindo contra adeia de Valor e-markets stágio 03: e-marketplaces de alto valor para o cliente

32 As Mudanças e Impactos ova Arquitetura de Portal

33 omo poderíamos preparar Um caminho para o futuro?

34 Banco Minuto Fábrica de Produtos e Serviços P F P J lientes Micro PM orporate adeias anal Dispositivo Self Service Telefone Fixo elular Atm & ash Dispositivo GPS Totem onsulta stação P XX Integração B - B RP etwork B A P A L A F I X Front ffice FP Transacional FP Multimidia Portal olaborativo I T G R A Ç Ã Produtos & Serviços Banking oncierge omércio letrônico Bens omércio letrônico Serviços omércio letrônico onteúdo entral acional de Monitoração I T G R A Ç Ã Gestão RM BI Billing peração Riscos Provedores Bens, Serviços e onteúdo I T G R A Ç Ã Provedor XX Provedor XX Provedor XX Provedor XX Provedor XX I T R & B A L Ã Agencia Pab Lojas orrespondente Redes AA XX entral B XX Agente Movel xx all enter Área Gestão XX peração & Gestão stação aixa stação egócio stação Gestão XX stação B XX stação Venda XX M A W A I T R T M V L Transporte Malote Financeiro Malote ão Financeiro Valores Tesouraria Processamento $$$ ustodia $$$ Fornecimento $$$ Logística & Back ffice B B B Recepção Digitalização Recepção onferencia Digitalização Digitação onferencia Preparação Preparação Despacho Despacho B B entralizadoras entralizadoras B B B Digitação Processamento & Armazenamento Processamento & Armazenamento B B B B ustodia heques ustodia heques ustodia Documentos ustodia ustodia Documentos $$$ ustodia $$$ Provedor XX Provedor XX Provedor XX Provedor XX Provedor XX

35 STRUTURA PRAIAL - BA MIUT Bancos Bancos Bancos mpresas Varejo Bancos mpresas orporate USUÁRIS FIAIS lientes PF lientes PJ adeias de Valor lientes PJ lientes PF onsultoria Pré- Vendas Marketing & omercial F R D R S G S T Ã A T I V S scritório de Projetos Tecnologia & Processos Administrativo & Financeiro ngenharia de Produtos & Serviços entral acional de peração e Monitoração Data enter entral all enter D I S T R I B U I Ç Ã entralizadoras entralizadora 01 entralizadora 02 entralizadora 03 entralizadora xx orrespondentes Agencia Pab Lojas orrespondente Redes AA XX entral B XX Agente Movel xx all enter Área Gestão XX Redes de Autoatendimento

36 BRIGAD!

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

O Impacto Sócio-Econômico da Banda Larga

O Impacto Sócio-Econômico da Banda Larga Instituto de Inovação com TIC O Impacto Sócio-Econômico da Banda Larga [ Flávia Fernandes Julho/2010] Banda Larga Internet A Internet supera a produtividade combinada do telefone, transporte e eletricidade

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Anexo II: Especificações da Chamada de Propostas de Pesquisa.

Anexo II: Especificações da Chamada de Propostas de Pesquisa. Anexo II: Especificações da Chamada de Propostas de Pesquisa. Os temas de interesse da Fapesp e da Telesp e que serão objeto de Chamadas de Propostas de Pesquisa para projetos de pesquisa cooperativa entre

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

A REVOLUÇÃO DOS CANAIS DE ENTREGA: POSSIBILIDADES E PERSPECTIVAS DO M-BANKING. Mauricio Ghetler - 20/10/2004 ghetler@uol.com.br

A REVOLUÇÃO DOS CANAIS DE ENTREGA: POSSIBILIDADES E PERSPECTIVAS DO M-BANKING. Mauricio Ghetler - 20/10/2004 ghetler@uol.com.br A REVOLUÇÃO DOS CANAIS DE ENTREGA: POSSIBILIDADES E PERSPECTIVAS DO M-BANKING Mauricio Ghetler - 20/10/2004 ghetler@uol.com.br Agenda As Primeiras iniciativas de M-Banking Os grandes inimigos do M-Banking

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Nori Lermen Quer Revolução no ATM

Nori Lermen Quer Revolução no ATM Nori Lermen Quer Revolução no ATM Em entrevista exclusiva à Relatório Bancário, o novo presidente da ATP, Nori Lermen, revelou as intenções da empresa brasiliense em ir além do fornecimento de serviços

Leia mais

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1 Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais slide 1 Nexon Games: o comércio eletrônico torna-se social Problema: concorrência com outras empresas de jogos on-line e off-line; aumentar

Leia mais

Comércio Eletrônico AULA 18. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis

Comércio Eletrônico AULA 18. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis Comércio Eletrônico AULA 18 Professora Ms Karen Reis 2011 Sistemas para Internet 1 REFLEXÃO Faça uma busca na internet por certificados digitais. Escreva quatro ou cinco parágrafos sobre como usar os certificados

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Fonte: TAKAHASHI, 2000; VEJA ONLINE, 2006 Definições de comércio eletrônico/e-business E - BUSINESS, acrônimo do termo em

Leia mais

QUEM SOMOS NOSSO NEGÓCIO

QUEM SOMOS NOSSO NEGÓCIO QUEM SOMOS Somos uma empresa brasileira dedicada a construir e prover soluções que empregam tecnologias inovadoras, combinadas com a identificação por rádio frequência (RFID), análise de imagens (imagens

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade I Principais tecnologias da rede digital Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP Sistemas de informação

Leia mais

NUOVA COMUNICAÇÃO. Inteligência em design, conteúdo e tecnologia

NUOVA COMUNICAÇÃO. Inteligência em design, conteúdo e tecnologia NUOVA COMUNICAÇÃO Inteligência em design, conteúdo e tecnologia Não brigue com o problema. Resolva-o. Thomas Marshall sobre a nuova Somos uma agência digital apaixonada por tecnologia, design e comunicação,

Leia mais

Convergência tecnológica em sistemas de informação

Convergência tecnológica em sistemas de informação OUT. NOV. DEZ. l 2006 l ANO XII, Nº 47 l 333-338 INTEGRAÇÃO 333 Convergência tecnológica em sistemas de informação ANA PAULA GONÇALVES SERRA* Resumo l Atualmente vivemos em uma sociedade na qual o foco

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Abertos Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Caracterização de Sistemas Distribuídos Coulouris, Dollimore and Kindberg. Distributed Systems: Concepts and

Leia mais

Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números

Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do

Leia mais

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim O Panorama da TV Digital no Brasil Leandro Miller Leonardo Jardim Tópicos Abordados TV Aberta no Brasil Vantagens da TV Digital Padrões de TV Digital Sistema Brasileiro de TV Digital Oportunidades na TV

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS. Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011

COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS. Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011 COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011 UM BANHO DE LOJA NOS SITES DA GAP Problema: Concorrência pesada, site difícil de usar (excesso

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet

Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet Oferecemos ao mercado nossa experiência e metodologia amplamente desenvolvidas ao longo de 15 anos de experiência

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações Universidade Estácio de Sá Informática e Telecomunicações A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

Acessórios Assistência Técnica Smartphones Tablets Informática. Serviços Empresariais Telecomunicações Sites Redes Informáticas Vídeo Vigilância

Acessórios Assistência Técnica Smartphones Tablets Informática. Serviços Empresariais Telecomunicações Sites Redes Informáticas Vídeo Vigilância Acessórios Assistência Técnica Smartphones Tablets Informática Serviços Empresariais Telecomunicações Sites Redes Informáticas Vídeo Vigilância geral@mobiletech.pt www.mobiletech.pt Apresentação da Empresa

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

Projeto: GUGST 2015 Relevância de Temas. Fevereiro 2015

Projeto: GUGST 2015 Relevância de Temas. Fevereiro 2015 Projeto: GUGST 2015 Relevância de Temas Fevereiro 2015 O GUGST Grupo de Usuários de Gestão de Serviços de Terceiros foi idealizado no ano de 2009 como um fórum aberto e gratuito, para discussão e troca

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações

A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações 24 de Março de 2011 As exigências de infraestrutura de TIC para a Copa do Mundo e Olimpíada no Brasil Desafios e Oportunidades na construção do IBC. A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Secretaria para Assuntos Estratégicos

Secretaria para Assuntos Estratégicos Secretaria para Assuntos Estratégicos DO DESAFIO A REALIDADE Nosso desafio: 399 municípios conectados por uma internet rápida, que oportuniza a aproximação da gestão pública com o cidadão. O projeto Rede399

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA 1. TENDÊNCIAS EM SISTEMAS DE MICROCOMPUTADORES Existem várias categorias principais de sistemas de computadores com uma diversidade de características e capacidades. Consequentemente, os

Leia mais

apresentação de serviços

apresentação de serviços apresentação de serviços Nos últimos 50 anos a humanidade gerou mais informações do que em toda sua história anterior. No mercado corporativo, o bom gerenciamento de informações é sinônimo de resultados.

Leia mais

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo Comércio Eletrônico 1 A evolução do sistema mercadológico tem exigido das organizações grande esforço para a assimilação e utilização das tecnologias de informação referentes a comércio eletrônico, em

Leia mais

Introdução ao Sistema de Informação

Introdução ao Sistema de Informação Introdução ao Sistema de Informação Prof.: Luiz Mandelli Neto Conhecer sistemas de informação é essencial para os administradores. Sobreviver Prosperar O sistema de informação auxilia as empresas: Estender

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro. Tania Regina Tronco

Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro. Tania Regina Tronco Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro Tania Regina Tronco Data: 15/04/2009 Motivadores A evolução da Internet causará um forte impacto

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

Ameaças e Segurança da Informação para dispositivos Móveis. gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br

Ameaças e Segurança da Informação para dispositivos Móveis. gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br Ameaças e Segurança da Informação para dispositivos Móveis gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br Ameaças e Vulnerabilidades em Dispositivos Móveis gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br

Leia mais

* Dados referentes ao PIB estimado para o ano de 2014

* Dados referentes ao PIB estimado para o ano de 2014 A Cielo é uma credenciadora de pagamentos eletrônicos. Talvez você a conheça pelas suas máquinas de cartão, presentes no comércio de Norte a Sul do Brasil. Essa é mesmo a função primordial da companhia:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 2 INTRODUÇÃO/HISTÓRIA - Séc. XVIII Grandes Sistemas Mecânicos - Séc. XIX Máquinas à vapor

Leia mais

Tradição, pioneirismo e credibilidade.

Tradição, pioneirismo e credibilidade. Tradição, pioneirismo e credibilidade. A Converge Comunicações desenvolve serviços convergentes com foco em novas tecnologias, soluções e tendências. Nosso portfólio inclui a organização de feiras, congressos

Leia mais

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME Java para Dispositivos Móveis Desenvolvendo Aplicações com J2ME Thienne M. Johnson Novatec Capítulo 1 Introdução à computação móvel 1.1 Computação móvel definições Computação móvel está na moda. Operadoras

Leia mais

Cidades Digitais. Desmistificando a Tecnologia. Bruno Soares Henriques. www.inatel.br

Cidades Digitais. Desmistificando a Tecnologia. Bruno Soares Henriques. www.inatel.br Cidades Digitais Desmistificando a Tecnologia INATEL Competence Center Av. João de Camargo, 510 Santa Rita do Sapucai MG Tel: (35) 3471 9330 Bruno Soares Henriques O que é Cidade Digital City Cloud, Digital

Leia mais

TIC Empresas 2007 DESTAQUES 2007

TIC Empresas 2007 DESTAQUES 2007 TIC Empresas DESTAQUES Os computadores estão presentes em 95% das empresas, sendo que a informatização aumenta de acordo com o porte. Entre as que utilizam computadores, o acesso à Internet é quase integral:

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

CORRESPONDENTES. Uma Inovação Brasileira

CORRESPONDENTES. Uma Inovação Brasileira CORRESPONDENTES Uma Inovação Brasileira JUNHO - 2007 Brasil Desafio das dimensões continentais ÁREA Brasil Desafio das dimensões continentais DENSIDADE DEMOGRÁFICA Brasil Desafio das dimensões continentais

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

PROCERGS O Uso Estratégico de TIC para suporte aos Objetivos do Governo RS

PROCERGS O Uso Estratégico de TIC para suporte aos Objetivos do Governo RS PROCERGS O Uso Estratégico de TIC para suporte aos Objetivos do Governo RS Antônio Ramos Gomes Diretor Presidente Agosto 2015 Agenda........... 1. Quem somos? 2. Governo Eletrônico e Governo Integrado

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Você conectado ao mundo com liberdade APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL > ÍNDICE Sobre a TESA 3 Telefonia IP com a TESA 5 Portfólio de produtos/serviços 6 Outsourcing 6 Telefonia 7 Web

Leia mais

Painel TELEBRASIL Virtualização de redes: implicações estratégicas e regulatórias

Painel TELEBRASIL Virtualização de redes: implicações estratégicas e regulatórias Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Competição Gerência de Monitoramento das Relações entre Prestadoras Painel TELEBRASIL Virtualização de redes: implicações estratégicas e regulatórias

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

1. Contexto. Página 1 de 5

1. Contexto. Página 1 de 5 REFERENCIAL REDES DE NOVA GERAÇÃO OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO E DE CONHECIMENTO SI INOVAÇÃO Nº 14 / SI / 2009 SI I&DT Nº 15 / SI / 2009 1. Contexto A Resolução do Conselho de Ministros n.º 120/2008, de 30

Leia mais

TDC 2011 - T-Commerce e T-Banking- Aplicações Seguras. Julho de 2011 Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos TOTVS TQTVD

TDC 2011 - T-Commerce e T-Banking- Aplicações Seguras. Julho de 2011 Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos TOTVS TQTVD TDC 2011 - T-Commerce e T-Banking- Aplicações Seguras Julho de 2011 Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos TOTVS TQTVD TDC 2011 AGENDA I. Cadeia de valor da TV Digital Interativa II. O Ginga e

Leia mais

Este é o NOSSO TEMPO. Desfrutar. Aprender. Criar. Compartilhar Novos relacionamentos

Este é o NOSSO TEMPO. Desfrutar. Aprender. Criar. Compartilhar Novos relacionamentos BEM-VINDOS Este é o NOSSO TEMPO Desfrutar Aprender Criar Compartilhar Novos relacionamentos vamos então começar Plataforma ArcGIS: transformando e inovando a tomada de decisão com o uso da Inteligência

Leia mais

1.A HUGHES. 2.Visão geral comunicação por satélite. 3.Aplicações

1.A HUGHES. 2.Visão geral comunicação por satélite. 3.Aplicações COMUNICAÇÃO SATELITAL COMO ALAVANCA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA FÁBIO RICCETTO DIRETOR DE VENDAS HUGHES Agenda 1.A HUGHES 2.Visão geral comunicação por satélite 3.Aplicações A HUGHES Nosso Fundador

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

Crédito ao Consumo. Principais Produtos CORRENTISTAS NÃO CORRENTISTAS CRÉDITO PESSOAL CHEQUE ESPECIAL CRÉDITO IMOBILIÁRIO FINANCIAMENTOS DE VEÍCULOS

Crédito ao Consumo. Principais Produtos CORRENTISTAS NÃO CORRENTISTAS CRÉDITO PESSOAL CHEQUE ESPECIAL CRÉDITO IMOBILIÁRIO FINANCIAMENTOS DE VEÍCULOS 1 Crédito ao Consumo Principais Produtos CRÉDITO PESSOAL CHEQUE ESPECIAL CRÉDITO IMOBILIÁRIO CORRENTISTAS NÃO CORRENTISTAS FINANCIAMENTOS DE VEÍCULOS CARTÕES DE CRÉDITO CRÉDITO CONSIGNADO 2 2 Crédito ao

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 Um relatório para o Governo do Estado do Rio Grande Sul (AGDI) e

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Mobile Device Management MDM. SAP Forum, Fev2014.

Mobile Device Management MDM. SAP Forum, Fev2014. Mobile Device Management MDM SAP Forum, Fev2014. A EMBRATEL ENTREGA Porque é a mais completa operadora de Telecomunicações e TI Referência e líder na oferta de serviços de telecomunicações em toda a América

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel BGAN Transmissão global de voz e dados em banda larga Banda larga para um planeta móvel Broadband Global Area Network (BGAN) O firm das distâncias O serviço da Rede Global de Banda Larga da Inmarsat (BGAN)

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Mobile Payment como facilitar a vida do consumidor e vender mais

Mobile Payment como facilitar a vida do consumidor e vender mais VAREJO Outubro - 2012 Mobile Payment como facilitar a vida do consumidor e vender mais O que é Mobile Payment? Mobile Payment ou Pagamento Móvel, também conhecido como Dinheiro Móvel ( Mobile Money ) ou

Leia mais

tendências MOBILIDADE CORPORATIVA Setembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 03 Introdução Cenário atual Tendências Vantagens Riscos

tendências MOBILIDADE CORPORATIVA Setembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 03 Introdução Cenário atual Tendências Vantagens Riscos tendências EDIÇÃO 03 Setembro/2012 MOBILIDADE CORPORATIVA Introdução Cenário atual Tendências Vantagens Riscos Recomendações para adoção de estratégia de mobilidade 02 03 04 06 07 08 A mobilidade corporativa

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 6 Pág. 167 Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem

Leia mais

Atualmente, as organizações de saúde estão reavaliando seus modelos de negócios tendo em vista as regulamentações governamentais, pressões das fontes

Atualmente, as organizações de saúde estão reavaliando seus modelos de negócios tendo em vista as regulamentações governamentais, pressões das fontes Atualmente, as organizações de saúde estão reavaliando seus modelos de negócios tendo em vista as regulamentações governamentais, pressões das fontes pagadoras e a exigência dos pacientes por serviços

Leia mais

Especialização em Marketing Digital - NOVO

Especialização em Marketing Digital - NOVO Especialização em Marketing Digital - NOVO Apresentação Previsão de Início Agosto/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O ambiente de negócios tem sido modificado pelas Novas Tecnologias da

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

Rua Serra dos Carajás, 84, Indaiatuba, SP Celular: 19-9.9269-7334 Email: heverson.gomes@hcconsys.com.br www.hcconsys.com.br skype: heverson.

Rua Serra dos Carajás, 84, Indaiatuba, SP Celular: 19-9.9269-7334 Email: heverson.gomes@hcconsys.com.br www.hcconsys.com.br skype: heverson. Rua Serra dos Carajás, 84, Indaiatuba, SP Celular: 19-9.9269-7334 Email: heverson.gomes@hcconsys.com.br www.hcconsys.com.br skype: heverson.gomes Apresenta!!! 1. A Empresa A HCCONSYS com o intuito de ser

Leia mais

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Data:17 de Julho de 2009 Índice 01 Evolução da Internet - História (comercialização dos Backbones)

Leia mais

Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Componentes da infraestrutura Hardware Software Tecnologia de gerenciamento de dados Tecnologia

Leia mais

Valor Inovação Gestão de Negócios

Valor Inovação Gestão de Negócios Valor Inovação Gestão de Negócios Valor Inovação Definição de Negócios Assessorar o empresariado brasileiro para o desenvolvimento dos setores comercial, industrial e de serviços. Ser um agente eficiente

Leia mais

MOBILE STRATEGIES CORPORATE. 2ª Edição. 27 de Maio de 2014 HB Hotels Ninety - São Paulo

MOBILE STRATEGIES CORPORATE. 2ª Edição. 27 de Maio de 2014 HB Hotels Ninety - São Paulo MOBILE STRATEGIES CORPORATE 2ª Edição 27 de Maio de 2014 HB Hotels Ninety - São Paulo Patrocínio Gold Apoio Realização Perfil dos Participantes Gestores de TI, Gerentes e Profissionais das áreas de Desenvolvimento

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Sobre 4YouSee. Já imaginou seu conteúdo digital publicado em 1 minuto? Digital Signage, uma tendência. Versatilidade

Sobre 4YouSee. Já imaginou seu conteúdo digital publicado em 1 minuto? Digital Signage, uma tendência. Versatilidade Sobre 4YouSee Conhecendo os recursos de mídia, bem como as necessidades do mercado publicitário, a F6 Sistemas desenvolveu 4YouSee, um software capaz de reunir rentabilidade, eficiência e rapidez no gerenciamento

Leia mais

Itaú Unibanco Banco Digital Pedro Donati

Itaú Unibanco Banco Digital Pedro Donati Itaú Unibanco Banco Digital Pedro Donati Agenda Evolução digital Construindo um banco digital Evolução digital 90% dos dados de hoje foram criados apenas nos dois últimos anos 10% de todas as fotos do

Leia mais

Mobilidade para o negócio Utilização Eficaz de MOBILIDADE. Ago 2006

Mobilidade para o negócio Utilização Eficaz de MOBILIDADE. Ago 2006 Mobilidade para o negócio Utilização Eficaz de MOBILIDADE Ago 2006 conteúdo vínculo mensagens tendências Buscar ferramentas de mobilidade que transformem nosso negócio, possibilitando aumento de produtividade

Leia mais

Comércio Eletrônico AULA 06. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis

Comércio Eletrônico AULA 06. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis Comércio Eletrônico AULA 06 Professora Ms Karen Reis 2011 Sistemas para Internet 1 APRESENTAÇÃO ESTUDOS DE ESTUDOS DE CASOS B2B B2C B2G G2C G2G C2C 2 Os emarketplaces podem ser classificados em verticais

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DE EMPRESAS DE PETRÓLEO & GÁS

ÊNFASE EM GESTÃO DE EMPRESAS DE PETRÓLEO & GÁS MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DE EMPRESAS DE PETRÓLEO & GÁS O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico

Leia mais

HÁ 130 ANOS A FURUKAWA PARTICIPA ATIVAMENTE NA VIDA DAS PESSOAS, ATRAVÉS DA CONTÍNUA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA.

HÁ 130 ANOS A FURUKAWA PARTICIPA ATIVAMENTE NA VIDA DAS PESSOAS, ATRAVÉS DA CONTÍNUA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. HÁ 130 ANOS A FURUKAWA PARTICIPA ATIVAMENTE NA VIDA DAS PESSOAS, ATRAVÉS DA CONTÍNUA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. CRIANDO SOLUÇÕES COMPLETAS PARA EMPRESAS E PESSOAS DATA CENTER SOLUÇÃO ITMAX ENTERPRISE REDES

Leia mais

e-business (Negócio Eletrônico): Conceitos e Estratégia

e-business (Negócio Eletrônico): Conceitos e Estratégia e-business (Negócio Eletrônico): Conceitos e Estratégia DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos DAS Departamento de Automação e Sistemas UFSC Universidade Federal de Santa Catarina SUMÁRIO Conceitos

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

A Itautec continuará direcionando esforços no lançamento de produtos inovadores, e no crescimento das operações no mercado externo.

A Itautec continuará direcionando esforços no lançamento de produtos inovadores, e no crescimento das operações no mercado externo. NEGÓCIOS : : Operações Internacionais : : Soluções e Automações : : Informática : : Serviços A Itautec continuará direcionando esforços no lançamento de produtos inovadores, e no crescimento das operações

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais