EDUCADORES DO CAMPO EM FORMAÇÃO: SABERES E FAZERES DOS EDUCANDOS DO PRONERA NO DEDC XIII

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCADORES DO CAMPO EM FORMAÇÃO: SABERES E FAZERES DOS EDUCANDOS DO PRONERA NO DEDC XIII"

Transcrição

1 EDUCADORES DO CAMPO EM FORMAÇÃO: SABERES E FAZERES DOS EDUCANDOS DO PRONERA NO DEDC XIII Gilsélia Macedo Cardoso Freitas 1 Virginia Mota Lages Gomes 2 Resumo: O presente artigo faz considerações sobre a formação profissional do curso Educadores do Campo em Formação/Ensino Médio- Modalidade Normal- PRONERA/UNEB, no município de Itaberaba/BA. Objetiva-se refletir, do ponto de vista epistemológico, acerca dos atravessamentos dos fundamentos curriculares da formação profissional e dos saberes dos educandos-militantes-educadores, além dos valores da terra pertinentes à vida dos jovens assentados da reforma agrária. As aproximações estão apresentadas em base a dois enfoques: a interação entre ensino e extensão na formação profissional dos Educadores do Campo e; formação profissional, paradigma indiciário e conhecimento prático do educador. Palavra-chaves: formação profissional, educação do campo, paradigma indiciário. 1. INTRODUÇÃO O presente artigo apresenta uma reflexão epistemológica sobre a formação profissional, os saberes e valores da terra no curso Educadores do Campo em Formação/Ensino Médio- Modalidade Normal do Departamento de Educação-DEDC 1 Coordenadora do PRONERA/UNEB. Graduada em Pedagogia (UNEB), especialista em Currículo (UNEB) e doutoranda da Universidade Del Mar/Chile. Compõe o Grupo de Pesquisa: Educação do Campo e Contemporaneidade/UNEB. Enderço para correspondência: Rua Tuiuti, 112, apt. 301, CEP: , Salvador/BA. 2 Professora do curso de Pedagogia da Universidade do Estado da Bahia - da UNEB Campus XIII/Itaberaba-Ba. Graduada em Filosofia (UFBA), especialista em Educação Infantil (UNEB), Mestre em Educação pela UFBA, na linha de pesquisa Filosofia, Linguagem e Práxis Pedagógica. Endereço para correspondência: Largo Dois de Julho, edf. Trieste, apt. 302, cep: , Salvador-Ba. E-

2 XIII, do Programa Nacional de Educação da Reforma Agrária- PRONERA na Univer2sidade do Estado da Bahia-UNEB. A história da educação do campo no Brasil revela que ao longo de sua trajetória, aos homens e mulheres que moram e trabalham no campo, lhes foi negado o direito a uma educação a partir de suas vivências, experiências e saberes e, conseqüentemente, do seu contexto sócio-histórico e cultural. Aos sujeitos do campo, além do ensino descontextualizado, a eles/elas eram destinados os cursos de alfabetização e no máximo, o ensino fundamental do 1º segmento (1ª a 4ª séries). A realidade é apontada através dos dados oficiais que informam que no Brasil apenas 21% das crianças que vivem no campo terminam o ensino fundamental e apenas 10% terminam o ensino médio. A luta por educação do campo passa a fazer parte das pautas de reinvidicações dos movimentos sociais de luta pela terra no final dos anos noventa, iniciando assim o movimento Por Uma Educação do Campo, com a realização do I Encontro de Educadores da Reforma Agrária- ENERA. A concepção de educação do campo assumida desde então está apoiada nas orientações do parecer do Conselho Nacional de Educação, documento resultante das reivindicações oriundas das lutas travadas pelos movimentos sociais por uma educação que rompe com, ao menos, duas dicotomias: o tom nostálgico de um passado rural de abundância e felicidade; e com a adoção do mundo urbano como parâmetro e o mundo rural como adaptação, como atraso, ou mesmo uma manifestação social tradicional a ser suplantada por uma ordem urbanocêntrica. É neste caminhar que a Universidade do Estado da Bahia, em parceria com os movimentos sociais e sindicais tem mostrado que é possível oportunizar condições para realizar um processo de ensino e de aprendizagem contemplando às especificidades do campo e mais, que não basta a inserção ao processo educativo, mas é preciso garantir a continuidade dos estudos dos assentados/acampados da Reforma Agrária via implementação de cursos nas diversas modalidades de ensino. Assim, ano de 2001 foi oferecido os Cursos Concomitantes de Ensino Médio e Ensino Normal nas regionais de Teixeira de Freitas e Bom Jesus da Lapa, vinculado aos Departamentos da UNEB DEDC X e DCHT XVII, contribuindo para o processo de construção da identidade cultural e política dos/as assentados/as. No ano de 2004, concluída a etapa de escolarização do 2º segmento do ensino fundamental 5ª a 8ª séries e, no ano subseqüente os movimentos sociais e sindicais apresentaram a demanda real para a 2

3 constituição de duas novas turmas para o Curso de Ensino Médio na Modalidade Normal, nas regionais de Teixeira de Freitas e Itaberaba, totalizando 100 educandos/as para o referido curso, oriundos de assentamentos localizados nas diferentes regiões do estado da Bahia. A formação dos educadores do campo em ensino médio foi desenvolvido numa ação coletiva e com o envolvimento dos diferentes seguimentos: movimentos sociais e sindicais, organizações governamentais e não-governamentais e a universidade. Assim a construção do Projeto Pedagógico se justificou por duas razões: 1. O curso teve como meta formar educadores/as para atender a uma demanda legítima nos assentamentos, uma vez que estes necessitam de docentes para atuar junto às crianças da Educação Infantil e das séries iniciais do Ensino Fundamental, além dos adultos analfabetos; 2. O curso assegura, na sua construção curricular, uma formação geral inerente ao ensino médio, necessária para sustentação do pensamento crítico/propositivo, além de ter validade, conforme legislação vigente, para o eventual prosseguimento dos estudos. Do ponto de vista legal o curso encontra respaldo no Art. 62 da LDB, quando se admite o nível médio na modalidade normal enquanto formação mínima para o exercício da docência. Cabe ressaltar que o curso apresenta uma especificidade, uma vez que é desenvolvido na metodologia organizada em tempo escola e tempo comunidade, que toma inspiração na Pedagogia da Alternância; trazendo ainda componentes curriculares específicos e necessários à formação do educador do campo. Neste trabalho a formação profissional tomou como princípio fundante a afirmação identitária dos valores, costumes e aprendizagens construídas no processo de luta, das histórias de vida dos adolescentes dos assentamentos envolvidos, que conformam o grupo de educandos-militantes do DEDC XIII/UNEB. Desde os saberes entrelaçados aos conhecimentos sistematizados sobre o aprender e o ensinar, rumo a construções contextualmente idiossincráticas do fazer pedagógico necessário e requerido pelos protagonistas da luta pelo campo, a proposta do curso está pensada de maneira a contemplar a aprendizagem e o ensino interpares mediatizados pelas atividades de extensão e intercambio com estudantes e professores da graduação do DEDC XIII. 3

4 2. Processos do aprender: diferentes sujeitos, diferentes saberes...princípios que norteiam o curso Esta turma se constituiu com diferentes sujeitos, oriundos de diversas comunidades de assentamentos, quilombolas e ribeirinhas do estado da Bahia, além da diversidade dos movimentos sociais e sindicais representados. Os processos de aprendizagem foram permeados pelos seguintes princípios: A compreensão do currículo enquanto fenômeno instituinte; A docência como principio articulador das atividades; A sólida formação teórica; O compromisso profissional com a realidade; O trabalho como princípio educativo; A pesquisa como princípio formativo; O compromisso com a causa da Reforma Agrária; Uma relação ética / estética de cuidado e ternura com a terra; O dialogo permanente sobre as transformações do mundo contemporâneo; A interdisciplinaridade como elemento articulador das disciplinas. Esses princípios se instauraram num movimento de constante relação entre a teoria e os fazeres dos sujeitos envolvidos, o que possibilitou que a educação praticada pelos movimentos sociais e sindicais de luta pela terra transformasse os saberes escolares do campo numa tradução fecunda de sentido da própria vida. A compreensão do conhecimento produzido no trabalho, no cotidiano e nas sociabilidades produzidas no campo compõe singularidade e ao mesmo tempo a pluralidade que dá identidade à escola do campo pensada por estes atores sociais. O trabalho realizado de forma interdisciplinar no curso é essencialmente marcado pelos hábitos criados no interior de cada movimento social ou sindical na intencionalidade de totalidade e de partilha, de quem aprende com o individual e, sobretudo no e com o coletivo. A prática interdisciplinar transcendeu os elementos que constitui os aspectos de ordem puramente pedagógica e se fundamenta numa constante troca, de interações contínuas, num envolvimento com o outro, com os seus valores, suas diferenças e nas diferentes formas de produzir o saber. 4

5 O trabalho interdisciplinar foi articulado pela coordenação da turma, dos docentes e dos educandos/as a partir dos eixos temáticos dos módulos resultando na busca de ações conjuntas e conteúdos relacionados uns com os outros e na construção da matriz interdisciplinar do Tempo Comunidade. As atividades de extensão dos núcleos de estudos e de pesquisa do Departamento de Educação e Ciências da UNEB/ Campus XIII articularam temas e pesquisas desenvolvidas pelos professores deste departamento na área de Educação e das Ciências Humanas, complementando o currículo e o programa. 3. Circulando o conhecimento na alternância dos estudos: tempo escola e tempo comunidade Tempo Escola O Tempo Escola é organizado pelos movimentos sociais e sindicais, coordenação pedagógica e pelos docentes. Cada docente elabora o seu plano de aula tomando como referência o projeto do curso. Em sua organização os educandos/as assumem e resolvem os problemas pessoais e do coletivo, garantindo assim o bom andamento das etapas do Curso. Podemos identificar três eixos em torno dos quais se aglutinaram as unidades menores do Tempo-Escola e que fazem parte do corpo do Projeto Político Pedagógico do curso: Eixo Um: Tempos ligados do desenvolvimento das disciplinas componentes da Base Curricular oficial do curso: aulas, 8 horas diárias; seminários de estudo ou de discussão temática, 2 ou 3 horas semanais; leitura individual e em grupos, numa média de 20 minutos diários; reflexão escrita, mais de 20 minutos diários e tempo de educação física, também com 20 minutos por dia e, como os demais, exceto aos domingos e feriados. Eixo Dois: Tempos ligados à gestão do curso pelas / os educandos/as e à construção de habilidades específicas: trabalho nos setores ou comissões criadas pelo coletivo de estudantes para gerir o Curso, sendo a sua duração variável em função das demandas, da oferta de mão de obra (nº de educandas / os) e da produtividade do trabalho; oficinas de capacitação nas diversas áreas de formação necessárias para a gestão do curso e para o conjunto das dimensões da formação pretendida; reuniões e assembléias das instâncias coletivas criadas, em vista da gestão e do exercício da participação democrática. 5

6 Eixo Três: Tempos ligados à formação cultural extraclasse: cultivo da mística, lazer coletivo e pessoal, busca de informações através de noticiários, vídeos; oficinas de arte, noites culturais, festas diversas, visitas de estudo, passeios em outros locais... Além dessas atividades desenvolvidas a partir da estrutura curricular prevista no Projeto Político Pedagógico do curso, os educandos/as integram na sua formação profissional ações de cunho extensionista promovidas pela Universidade e acrescentam aos significados pedagógicos a incorporação de saberes advindos dos espaços formativos promovidos pelo movimento. Como exemplo os encontros de educadores, as assembléias, reuniões, marchas, ocupações, mobilizações, entre outras Tempo Comunidade O Tempo Comunidade é planejado com vistas a atender os princípios da pesquisa exploratória, pesquisa de cunho bibliográfico e realização de oficinas pedagógicas a partir de matrizes interdisciplinares com envolvimento das diferentes áreas do conhecimento correspondentes ao módulo executado. A socialização dos resultados obtidos via pesquisa, é realizado através de seminários que tem por intencionalidade articular os saberes advindos dos estudos teóricos do TE e os saberes que circulam na comunidade durante o TC. Além da exposição oral da atividade interdisciplinar, a sistematização é feita por instrumentos de coleta e análise de dados, relatórios, fichamentos, portfólios, memórias, resumos, resenhas, entre outros textos. Essas atividades traduzem muito mais que conhecimento e revelam a materialidade cultural e política da comunidade dos/das educandos/as, caracterizando o envolvimento das pessoas imbricadas no Projeto de Nação pretendido pelos movimentos dos Sem Terra. 4. Base epistemológica para formação profissional: paradigma indiciário e conhecimento prático do educador da terra O paradigma indiciário será abordado aqui como um modelo epistemológico que vem influenciando as pesquisas nas ciências humanas e na educação, e de modo direto 6

7 ou indireto, pode estar implicado com os modelos de formação de educadores que estão ligados a um paradigma epistemológico e com a formação humana e cultural dos educadores, desde o modo como os educadores constroem o seu conhecimento até a sua prática no modo como os mesmos estimulam a aprendizagem do conhecimento entre os educandos. Enfim, esse estudo é um enfoque epistemológico da questão formação dos educadores do campo, embora não se limite a esse âmbito, já que essa questão não pode ser investigada sem levar em conta o contexto social, político e cultural dos educadores. A investigação da temática central, paradigma indiciário, será voltada para uma discussão em torno da formação de educadores do campo. A escolha do termo formação, ao invés de profissionalização dos educadores, se deve ao fato de abranger o saber individual do educador do campo que ultrapassa os muros dos espaços escolares, que está antes, durante e depois da sua formação escolar e acadêmica enquanto o termo profissionalização está diretamente ligado a um saber acadêmico. Para fundamentar essa distinção tomarei como suporte teórico alguns importantes referencias do chamado paradigma da prática reflexiva (cf. Schön, 1995; Sacristán & Pérez, 1998). A questão da formação dos educadores do campo é também emergente e está na pauta das discussões travadas entre os pesquisadores na área de educação. Dos debates sobre as novas concepções do papel do educador, do seu processo de formação e da sua atividade docente emergem novos paradigmas de formação de educadores, que estão implicados em pontos de vistas epistemológicos, ideológicos, culturais diferentes sobre a prática educativa, mostrando com isso que não é possível chegar a um conceito geral e unívoco da formação do educador, nem chegar a uma solução teórica dessa problemática distante da prática e da vida do educador do campo. Muito distante de ser resolvida esta problemática em torno da formação dos educadores do campo, com os novos meios tecnológicos de comunicação e com as mudanças sociais, econômicas e políticas vão surgindo situações novas, problemas novos particulares da nossa época que colaboram para essa questão ser retomada. Para Antonio Nóvoa (1995) essa questão é o elemento-chave para um projeto de reforma do sistema educativo. Partirei da analogia do conhecimento prático do educador na perspectiva de Donald Schön com o conhecimento, numa abordagem do paradigma indiciário, retomando um personagem da literatura moderna, um tipo ou em exemplo de conhecimento prático, o famoso detetive Sherlock Holmes do Conan Doyle. Para falar 7

8 do conhecimento indiciário que aproximamos do conhecimento prático docente, tomarei como base teórica, as considerações feitas por Carlo Ginsburg (1999) sobre Sherlock, que o mesmo o nomeou como um representante do paradigma indiciário. Ele acredita que o paradigma indiciário surgiu no final do século XIX no interior das ciências humanas como um modelo epistemológico, mas sem ser teorizado ou explicitado até então. Por outro lado, o historiador não deixa de enfatizar que suas raízes têm braços longos em direção ao passado remoto, desde os primeiros caçadores e adivinhos até a sua difusão nos diversos ramos do saber. Ginzburg (1999) apresenta o paradigma indiciário como eixo de conexão de diferentes campos do conhecimento, usando a metáfora do tapete, identificando-o como um tapete do qual alguns fios foram tecidos, mas o seu trançado, ora pelo viés da poesia e da literatura, ora recorrendo a diferentes contextos históricos ou a várias direções dos campos do conhecimento, acaba tecendo relações com as mais distintas disciplinas. Por conhecimento indiciário do educador entende-se como uma forma de saber muda, isto é, que não pode ser transmitido, nem ensinado. O que é preciso para desenvolver essa forma de saber é muito mais faro, golpe de vista, do que uma cabeça bem cheia de teorias, e no caso do educador, para falar como Donald Schön, se requer um talento artístico além dos seus saberes acadêmicos e profissionais. O caráter fundamental desse conhecimento indiciário é o seu rigor flexível não há regra geral, não só pela sua nulidade, mas pelo fato de que esse tipo de conhecimento não pode ser aprendido por meio de regras prescritas, e sim apenas pela via da experiência concreta. De modo semelhante Schön toma o rigor flexível como uma das características fundamentais dos conhecimentos adquiridos pelos educadores a partir do exercício do seu talento artístico para resolver situações únicas, incertas e conflituosas da prática cotidiana pedagógica. Destacamos algumas características do talento artístico do educador-detetive em analogia ao Holmes que são: não cair no engodo da palavra, do discurso; suspensão de juízos a priori; faro, golpe de vista; rigor flexível (não há regras pré-escritas); individualidade do método; da estratégia para cada caso; a incerteza das hipóteses e raciocínios; conflitos de valores da situação problemática. O educador-detetive do qual falamos é um outro olhar que lançamos do educador-pesquisador. Tal concepção se baseia numa interpretação da analogia de Donald Schön entre o conhecimento prático do educador e o detetive, compreendendo 8

9 esse tipo de conhecimento com base na concepção do filósofo Michael Polanyi de conhecimento tácito de caráter espontâneo, intuitivo, experimental, ou melhor, um conhecimento cotidiano. Encontramos essa comparação feita por Schön (1995) entre o educador e o detetive, no seu artigo: Formar professores como profissionais reflexivos, no qual ele ressalta que para o professor saber reconhecer o conhecimento tácito do educando, é preciso que ele seja capaz de individualizar sua ação pedagógica, focalizando-a em um educando, dentro de uma turma, para compreender melhor o seu processo de conhecimento, sendo que isto requer do/a professor/a um bom faro e golpe de vista diante das situações únicas, incertas e conflituosas do cotidiano da educação. Com isso, não estamos negando a importância do saber acadêmico, do saber profissional na formação do educador; pelo contrário, são complementares, mas a fonte deste tipo de saber prático do educador (de que Schön nos fala acima) é o sensível e o seu desenvolvimento só se dá na e através da prática. Frente às novas tecnologias da comunicação e do conhecimento, que podem ser de grande ajuda na atualização contínua de um acervo especializado, há uma grande ruptura entre o conhecimento científico e o saber popular, assim como entre a formação docente e acadêmica com conhecimento prático do educador oriundo do saber cotidiano e da experiência individual. Á frente de uma equipe formada por colaboradores, o educador do campo se torna um guia nos meandros da rede, ele canaliza, orienta, auxilia... e aprende. Estando ciente do paradigma indiciário, este educador do campo será mais ágil no seu desempenho, mais rápido no seu raciocínio, mais sábio nos seus julgamentos. Naturalmente, todo educador deve tentar proceder de uma maneira ágil, rápida e sábia (e imbuída de muitas outras qualidades, é claro), e não apenas aqueles interessados nos avanços e possibilidades das novas tecnologias, contudo as faculdades destes últimos são especialmente postas a contribuição pelo intenso fluxo de informações ao qual se expõem. 5. Considerações Finais Num balanço geral sobre a formação profissional dos educadores do campo, acreditamos que assim como em outros cursos do PRONERA, a marca deste é a construção de saberes tecidos pelos sujeitos sociais envolvidos, num diálogo permanente entre o conhecimento científico e o senso comum. O ir e vir, o TE e o TC, 9

10 as atividades de pesquisa, as leituras, as discussões, os cursos de extensão, seminários, colóquios, aulas públicas, mesas de debate, oficinas, entre tantas ações realizadas no curso, possibilitou aos educandos/as do curso Educadores do Campo em Formação / Ensino Médio Modalidade Normal vivenciar a experiência interdisciplinar com todos os seus matizes, desafios e dificuldades, próprias de um processo de aprendizagem que não se limita ao conteúdo das disciplinas, sem qualquer contexto ou significado para as pessoas do campo. Os limites impostos pela escassez de recursos financeiros, bem como o atraso na liberação dos mesmos, foram o maior percalço do curso e também o grande vilão da desistência. Por vezes o trabalho pedagógico ficou refém da liberação das parcelas e muito do que era planejado entre a coordenação regional da universidade e dos movimentos sociais e educandos/as não era executado. A formação do educador, como esfinge da construção do saber, não se apresenta inteira e explicitamente. Fugidia, inefável e intangível quase escapa por entre os dedos do docente. Os saberes do educador, do educando, do militante, do jovem, do baiano pedem por serem descobertos e feitos presença. Fazer educação do campo se traduz em atividade detetivesca do aprender e do ensinar, do contextualizar e do transcender, do conhecimento indiciário e do conhecimento docente. Acreditamos que para formar educadores na ótica do professor-reflexivo é preciso abrir espaços no meio acadêmico como os ateliês propostos por Schön para desenvolver o talento artístico do professor, ou ainda, o seu conhecimento prático que o autor qualifica como um conhecimento crítico-reflexivo que se ativa e se elabora durante sua própria intervenção nas situações únicas, incertas e conflituosas da realidade educacional. Essa compreensão do conhecimento prático do educador está fundada em bases epistemológicas do conhecimento profissional docente que se aproximam do paradigma indiciário. Por outro lado, a nova epistemologia do conhecimento profissional docente reivindicada pelos teóricos do paradigma da prática reflexiva está sustentada numa crítica à racionalização técnica da prática. Enfim, apostamos que formar educadores/detetives pode contribuir para outra percepção da pluralidade do conhecimento profissional do educador, que também pode ser visto como um tipo de conhecimento que não pode ser aprendido por meio de regras prescritas, e sim apenas pela via da experiência concreta, como também uma forma de conhecimento que não podem ser transmitida, nem ensinada por meio de esquemas objetivos. 10

11 Em relação ao papel do educador na educação do campo precisa ser aquele capaz de propor interações, um diálogo, que seja uma prática voltada para uma convivência e interação de uma multiplicidade de vozes e consciências independentes que constituem um determinado universo e marcadas pelas particularidades desse universo. Por outro lado, a universidade precisa abrir discussões sobre as questões do campo, no sentido de ser uma abertura e uma possibilidade de relatar e refletir sobre as nossas experiências pedagógicas a partir de políticas educacionais concretas que tomem como principio o fortalecimento dos movimentos sociais de reforma agrária, trilhando um caminho ainda muito novo para nós professores universitários do campus XIII/UNEB. E para concluir esta reflexão epistemológica acerca da formação do educador do campo, focamos inicialmente na descrição dos princípios norteadores desse curso e do seu projeto político pedagógico, dialogando com os estudiosos que se debruçaram sobre a importância de um saber prático, numa formação docente como nos apontou Donald Schon, ou enquanto uma forma de conhecimento milenar que ressurge no interior das ciências humanas com maior força no século XIX, como nos mostrou Carlos Ginzsburg. A experiência aqui traduzida reflete a importância de que a universidade atenda as demandas da sociedade civil organizada no sentido de oportunizar avanços para os desclassificados, excluídos e marginalizados, ao mesmo tempo instrumentaliza a própria universidade a ampliar sua função social, visando sobretudo, se aproximar do saber popular, ressignificando essas formas de saberes oriundas do campo em conhecimento cientifico. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS ANDRADE, Márcia R., DI PIERRO, Maria C., MOLINA, Mônica C. e JESUS, Sônia M. Azevedo de (Orgs.). A educação na Reforma Agrária em perspectiva: uma avaliação do Pronera. São Paulo: Ação Educativa, ARROYO, Miguel & FERNANDES, Bernardo Mançano. A educação básica e o movimento social do campo. Coleção por uma educação básica do campo. Nº 2, Brasília, Articulação nacional por uma educação básica do campo,

12 ARROYO, Miguel Gonzalez; CALDART, Roseli Salete; MOLINA, Mônica Castagna (Org.). Por uma Educação do Campo. Petrópolis: Vozes, BENJAMIN, César; CALDART, Roseli Salete. Projeto popular e escolas do campo. Coleção por uma educação básica do campo. nº 3, Brasília: Articulação Nacional Por uma Educação Básica do Campo, BRASIL. Ministério da Educação. Grupo Permanente de Trabalho de Educação do Campo. Referências para uma Política Nacional de Educação do Campo: Caderno de subsídios. Brasília, DF: Secretaria de Educação Média e Tecnológica, fev Coordenação de Marise Nogueira Ramos, Telma Maria Moreira, Clarice Aparecida dos Santos. CONFERÊNCIA NACIONAL POR UMA EDUCAÇÃO DO CAMPO, 2., 2004, Luziânia, Goiás. Por uma política pública de educação do campo: texto base. Luziânia, Sistematização de Denílson Costa et al. DOYLE, Conan. As aventuras de Sherlock Holmes. Trad.:Edna Jansen de Mello. Rio de Janeiro, ed. Francisco Alves, s.d.. Um estudo em vermelho. Trad.: Louisa Ibañez. São Paulo, ed. Victor Civita, Memórias e Sherlock Holmes. Trad.: Joaquim Machado. São Paulo, Melhoramentos, FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. RJ, Paz e Terra, Pedagogia da Esperança. RJ, Paz e Terra, Pedagogia do Oprimido. RJ, Paz e Terra,

13 LIBÂNEO, José Carlos. Democratização da escola pública: a pedagogia críticosocial dos conteúdos. SP, Loyola, GINZBURG, Carlo. Mitos, Emblemas e Sinais Morfologia e História. Trad.: Federico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, GINZBURG, Carlo. Chaves do Mistério: Morelli, Freud e Sherlock Holmes. In: SEBEOK, THOMAS A., UMIKER-SEBEOK, Jean e ECO, Umberto. O signo de três. São Paulo: Perspectiva, NÓVOA, Antônio. Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, SANTOMÉ, Jurjo. Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre, Artes Médicas, SOARES, Edla de Araújo Lira [Relatora]. Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo: Parecer nº 36/2001. Brasília, DF: Ministério da Educação, SCHÖN, Donald. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, Antônio. Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote,

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL/PET CONEXÕES EDUCAÇÃO DO CAMPO NA UFMA

O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL/PET CONEXÕES EDUCAÇÃO DO CAMPO NA UFMA O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL/PET CONEXÕES EDUCAÇÃO DO CAMPO NA UFMA DINIZ, Diana Costa 1 ; CAVALCANTI, Cacilda Rodrigues 2 ; COUTINHO, Adelaide Ferreira 3 ; MACÊDO, Marinalva Sousa 4 ; NASCIMENTO, Cristiane

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES Luciana Borges Junqueira Mestranda Educação - UFSJ Écio Portes - Orientador RESUMO

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO VIANA, Valdecir Lopes Universidade Federal de Minas Gerais Valdecir_viana@yahoo.com.br RESUMO Este texto integra as reflexões

Leia mais

A formação de professores do campo: análise do perfil e dos sentidos da docência de estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da FaE/UFMG

A formação de professores do campo: análise do perfil e dos sentidos da docência de estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da FaE/UFMG A formação de professores do campo: análise do perfil e dos sentidos da docência de estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da FaE/UFMG Introdução Aline Aparecida Angelo O debate sobre a formação

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, GT: Agência Financiadora: 1. Tema 2. Problema e metodologia 3.

PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, GT: Agência Financiadora: 1. Tema 2. Problema e metodologia 3. PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, Erineu - UFES GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: PRONERA/Ação Educativa 1. Tema O curso Pedagogia da Terra/ES

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Slides produzidos a partir do caderno: Currículo no ciclo de

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

Mestre em Educação pela UFF (Universidade Federal Fluminense) e Professora Assistente na Universidade Estadual de Santa Cruz (Ilhéus BA).

Mestre em Educação pela UFF (Universidade Federal Fluminense) e Professora Assistente na Universidade Estadual de Santa Cruz (Ilhéus BA). Aleph Formação dos Profissionais da Educação ISSN 1807-6211 A FORMAÇÃO DO PROFESSOR: POSSIBILIDADES E LIMITES NA ORGANIZAÇÃO DE UM PLANO DE TRABALHO COLETIVO NO PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO NA REFORMA

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: PROJETOS POLÍTICO-PEDAGÓGICOS (PPP) DAS ESCOLAS

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO Instituição Certificadora: FALC Faculdade da Aldeia de Carapicuíba Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001/ 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

ANÁLISE DE UM PROJETO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL GIL

ANÁLISE DE UM PROJETO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL GIL ANÁLISE DE UM PROJETO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL GIL, Thais Nogueira UFMG - thaisgil@terra.com.br- GT: Trabalho e Educação/ 09 Agência Financiadora: FUNADESP Este texto apresenta

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: AÇÕES GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ

EDUCAÇÃO DO CAMPO: AÇÕES GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ EDUCAÇÃO DO CAMPO: AÇÕES GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ Resumo SOUZA, Maria Antônia de UTP maria.antonia@pq.cnpq.br Este trabalho tem o intuito de caracterizar as ações governamentais que vêm sendo

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA,

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, Maria Jacqueline Girão Soares. jaclima@centroin.com.br GT: Educação Ambiental / n. 22 Introdução Entre professores

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES

AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES Morilo Aquino Delevati 1 Vanessa Lopes da Silva 2 Leandro Marcon Frigo 3 Resumo: A elaboração de oficinas está incorporada à formação inicial e continuada

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 8º Semanal Mensal 9 36

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 8º Semanal Mensal 9 36 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 8º Semanal Mensal 9 36 Nome da Disciplina Estágio em Gestão Educacional II Curso Pedagogia Estágio em Gestão Educacional I Orientação individual e grupal

Leia mais

A MEDIAÇÃO ARTICULADA COM USO DE TECNOLOGIAS: CONTRUÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA INCLUSÃO

A MEDIAÇÃO ARTICULADA COM USO DE TECNOLOGIAS: CONTRUÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA INCLUSÃO A MEDIAÇÃO ARTICULADA COM USO DE TECNOLOGIAS: CONTRUÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA INCLUSÃO Resumo Silvana Souza Silva Alves 1 - UnB Amaralina Miranda de Souza 2 - UnB Grupo de Trabalho Diversidade e inclusão

Leia mais

O PAPEL DAS FEIRAS DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL

O PAPEL DAS FEIRAS DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL ANAIS DA 67ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - SÃO CARLOS - SP - JULHO/2015 O PAPEL DAS FEIRAS DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL Antes de entender qual a diferença entre educação formal e não formal é preciso entender

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Edna Goya Faculdade de Artes Visuais/Universidade Federal de Goiás

Edna Goya Faculdade de Artes Visuais/Universidade Federal de Goiás O PIBID - A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS E AS ATIVIDADES DE ENSINO E PESQUISA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE GOIÂNIA SEGUNDA FASE DO ENSINO BÁSICO Edna Goya Faculdade de Artes Visuais/Universidade

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Maracaju 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Pedagogia Obs.: Para proposta

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais O Conselho Nacional de Educação baixou a Resolução nº 1, de 15 de maio de2006, publicada no Diário 0ficial da União de 16, instituindo as

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto PROJETO 7 1. Identificação do projeto Título:Cinema, vídeo e tridimensionalidade: o AVA-AV na integração do ensino presencial e a distância. Responsável:Dra. Ana Zeferina Ferreira Maio Vínculo institucional:professora

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

ROSEMARA DOS SANTOS CASAS JUDSON GONÇALVES DE LIMA O PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EDUCAÇÃO EM PARANAGUÁ

ROSEMARA DOS SANTOS CASAS JUDSON GONÇALVES DE LIMA O PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EDUCAÇÃO EM PARANAGUÁ ROSEMARA DOS SANTOS CASAS JUDSON GONÇALVES DE LIMA O PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EDUCAÇÃO EM PARANAGUÁ MATINHOS 2012 ROSEMARA DOS SANTOS CASAS JUDSON GONÇALVES DE LIMA

Leia mais

CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA

CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA O curso de Pedagogia, Licenciatura da FACECLA de acordo com as Diretrizes Curriculares de

Leia mais

Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas;

Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas; 1 COOPERATIVISMO TAMBÉM SE APRENDE DA ESCOLA Luiza Maria da Silva Rodrigues 1 Edaiana Casagrande Santin 2 Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas;

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais