GESTÃO FINANCEIRA I LICENCIATURA EM INFORMÁTICA E GESTÃO DE EMPRESAS CAPÍTULO 3 ANÁLISE DA INFORMAÇÃO FINANCEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO FINANCEIRA I LICENCIATURA EM INFORMÁTICA E GESTÃO DE EMPRESAS CAPÍTULO 3 ANÁLISE DA INFORMAÇÃO FINANCEIRA"

Transcrição

1 GESTÃO FINANCEIRA I LICENCIATURA EM INFORMÁTICA E GESTÃO DE EMPRESAS CAPÍTULO 3 ANÁLISE DA INFORMAÇÃO FINANCEIRA 1) Estime o valor médio do Fundo de Maneio Necessário para uma empresa cuja actividade é exclusivamente comercial, considerando os seguintes dados: Vendas diárias: 50,000 unidades; Preço de venda unitário: 1; Preço de compra unitário: 0.8; Prazo médio de recebimentos: 90 dias; Prazo médio de pagamentos: 60 dias; e Prazo médio de armazenagem de mercadorias: 30 dias. Resolução: Empresa com actividade comercial Descrição un. valor Vendas diárias em unidades unidades 50,000 Preço de venda unitário 1.00 Preço de compra unitário 0.80 Prazo médio de recebimentos dias 90 Prazo médio de pagamentos dias 60 Prazo médio de armazenagem de mercadorias dias 30 Cálculo do Fundo de Maneio Necessário Crédito a Clientes 4,500,000 Existências de Mercadorias 1,200,000 Total Aplicações 5,700,000 Crédito de Fornecedores 2,400,000 Total Origens 2,400,000 FUNDO DE MANEIO NECESSÁRIO 3,300,000 2) Admita agora que está perante uma empresa que para além da actividade comercial também possui actividade industrial (fabricação de produtos). Os dados relativos à actividade desta empresa são os seguintes: Vendas diárias: 50,000 unidades; Preço de venda: 1; Custo de Produção unitário: 0.75; Custo das matérias incorporadas na produção: 0.3; Prazo médio de recebimentos: 90 dias; 1

2 Prazo médio de pagamentos de matérias-primas: 60 dias; Prazo médio de armazenagem de matérias-primas: 30 dias; Prazo médio de armazenagem de produtos acabados: 45 dias (as existências de produtos acabados são valorizadas pelo custo de produção unitário) Calcule o valor do Fundo de Maneio Necessário desta empresa e comente, comparativamente com a empresa do exercício anterior, os resultados obtidos. Resolução: Empresa com actividade comercial e industrial Descrição un. valor Vendas diárias em unidades unidades 50,000 Preço de venda unitário 1.00 Custo de Produção unitário 0.75 Custo das matérias incorporadas na produção 0.30 Prazo médio de recebimentos dias 90 Prazo médio de pagamentos de matérias primas dias 60 Prazo médio de armazenagem de matérias primas dias 30 Prazo médio de armazenagem de produtos acabados dias 45 Cálculo do Fundo de Maneio Necessário Crédito a Clientes 4,500,000 Existências de Matérias Primas 450,000 Existências de Produtos Acabados 1,687,500 Total Aplicações 6,637,500 Crédito de Fornecedores 900,000 Total Origens 900,000 FUNDO DE MANEIO NECESSÁRIO 5,737,500 3) A empresa AMF, SA pretende dedicar-se à produção e comercialização de máquinas para a construção civil. De acordo com o estudo de mercado elaborado para o efeito, estimaram-se as seguintes vendas anuais (quantidades) para os 5 anos do projecto: Vendas Descrição Ano1 Ano2 Ano3 e seg. Vendas O preço unitário de venda de cada máquina será de 3,000 Euros. A estrutura de custos deste projecto é a seguinte: Estrutura de Custos Descrição Dados IVA Matérias primas/máquina 1,500 17% FSE (% vendas) 10% 17% Custos com Pessoal Ano 1 100,000 Ano 2 e seguintes 160,000 2

3 Outros Custos (inclui Amortizações) i Ano 1 119,000 Ano 2 e 3 129,000 Ano 4 e 5 124,000 Os encargos com o pessoal estão sujeitos a Segurança Social por conta do trabalhador à taxa de 11% e por conta da empresa à taxa de 23.75% (já incluídos nos custos com o pessoal); A taxa média de retenção na fonte de IRS é de 14%; Relativamente ao ciclo de exploração prevêem-se os seguintes parâmetros: Ciclo de Exploração Descrição Meses Prazo de recebimentos 2 Duração Matérias-Primas 1 Prazo de Pagamentos (MP e FSE) 1.5 Prazo de Pagamentos (IVA) 2 Prazo de Pagamentos (SS) 1 Prazo de Pagamentos (IRS) 1 Sabendo que a taxa de imposto sobre lucros a que a empresa se encontra sujeita é de 40%, calcule o valor do Fundo de Maneio Necessário em cada ano de vida do projecto. Resolução: Demonstração de Resultados Anos Vendas 180, ,000 1,200,000 1,200,000 1,200,000 Custos Variáveis 108, , , , ,000 CMVMC (Matérias Primas) 90, , , , ,000 FSE 18,000 90, , , ,000 Custos com Pessoal 100, , , , ,000 Outros Custos Fixos 119, , , , ,000 Resultado de Exploração (147,000) 71, , , ,000 Imposto sobre Lucros ,000 78,400 78,400 Resultado Líquido (147,000) 71, , , ,600 Reporte de prejuízos (147,000) (76,000) Compras de Matérias Primas Anos CMVMC 90, , , , ,000 Existências Finais 7,500 37,500 50,000 50,000 50,000 Existências Iniciais - 7,500 37,500 50,000 50,000 Compras de Matérias Primas 97, , , , ,000 i As amortizações do exercício correspondem a 99,000 Euros nos anos 1,2 e 3 e a 94,000 nos anos 4 e 5 3

4 EOEP (IVA) Anos IVA Liquidado 30, , , , ,000 IVA Dedutível 19,635 96, , , ,400 IVA a Pagar 10,965 56,100 79,475 81,600 81,600 Saldo IVA em Dívida 1,828 9,350 13,246 13,600 13,600 EOEP (IRS e SS) Anos Remunerações 80, , , , ,293 SS Trabalhador 8,889 14,222 14,222 14,222 14,222 SS Empresa 19,192 30,707 30,707 30,707 30,707 Saldo SS em Dívida 2,006 3,209 3,209 3,209 3,209 IRS Retenção na Fonte 11,313 18,101 18,101 18,101 18,101 Saldo IRS em Dívida 808 1,293 1,293 1,293 1,293 Nota: Considera-se que o IRC é pago logo no ano a que respeita Fundo de Maneio Necessário Anos Necessidades Financeiras Existências (Matérias Primas) 7,500 37,500 50,000 50,000 50,000 Clientes c/ IVA 35, , , , ,000 Recursos Financeiros Fornecedores c/iva 16,892 83, , , ,300 EOEP(SS+IRS+IVA) 4,641 13,852 17,748 18,102 18,102 FMN 21, , , , ,598 FMN 21,067 94,719 43,339 1,474-4

5 4) A empresa DEF, SA em determinado ano económico apresentou contas a receber de clientes (crédito concedido a clientes) com um prazo médio de 30 dias e contas a pagar a fornecedores (crédito obtido dos fornecedores) com um prazo médio de 90 dias. O prazo médio de stockagem das existências foi de 73 dias. a) Calcule o ciclo de conversão de caixa e o número de vezes que as existências rodaram no ano. Comente o valor obtido para o ciclo de conversão de caixa e refira-se às suas consequências na tesouraria da empresa, caso o mesmo persista. Sugira medidas que possam minimizar os efeitos negativos de tais consequências. b) Admita que o volume de vendas anual da DEF, S.A., foi de Euros. Determine as necessidades financeiras de exploração resultantes do crédito concedido aos clientes. Suponha que a margem total relativa sobre os custos variáveis (em percentagem das vendas) foi de 20% e que as existências iniciais totalizaram Euros, enquanto que as existências finais totalizaram Euros. Determine os recursos financeiros de exploração resultantes do crédito obtido dos fornecedores e as necessidades financeiras de exploração resultantes da aplicação de fundos em existências. c) Admitindo que os saldos obtidos em b) são representativos dos saldos médios verificados ao longo do ano para as rubricas referidas, determine o fundo de maneio necessário (FMN). Sabendo que o fundo de maneio líquido (FM) representa apenas 50% do fundo maneio necessário, sugira medidas conducentes ao equilíbrio financeiro ou equilíbrio da situação de tesouraria. Caso o FM correspondesse ao dobro do FMN, que medidas sugeriria? Resolução: a) Sabendo que Ciclo de Conversão de Caixa (CCC) é dado pela expressão: CCC = PMS + PMR PMP Onde: PMS = Prazo médio de Stokagem, em dias PMR = Prazo médio de recebimentos PMP: = Prazo médio de Pagamentos Então: CCC = = 13 dias Quanto à rotação das existências, sabemos que: PMS = 73 dias ou seja, em média as existências ficam 73 dias em armazém antes de serem vendidas, então num ano, elas rodam 365 dias/73 dias = 5 vezes. 5

6 O que se pode inferir destes valores? A empresa apenas poderá intervir ao nível da sua gestão de existências visto que em relação aos outros indicadores dificilmente conseguirá melhorar as condições. Com efeito, a empresa está a receber a 30 dias e só paga aos seus fornecedores a 90 dias, situação que se apresenta muito vantajosa. Assim, deverá preocupar-se com a Gestão de Stocks com o objectivo de diminuir o seu PMS e assim aumentar a Rotação de Existências para que as suas necessidades financeiras de exploração diminuam. b) As Necessidades Financeiras de Exploração (NFE) são originadas pela necessidade das empresas darem crédito aos seus clientes e aos outros devedores decorrentes da sua actividade operacional e da necessidade de constituir stocks de existências, normalmente NFE = Existências + Clientes + Adiant. Fornec,+ E.O.E.P. + Outros Devedores Clientes = ( x 30) / 365 = ,726 = PMR = ( Clientes/Vendas) x 365 Para o cálculo das Existências necessitamos de saber qual o custo das mercadorias vendidas e das matérias consumidas (CMVMC) mas, como sabemos que a Margem Total é de 20% das vendas então, o CMVMC será de 80% das vendas então: CMVMC = x 0.8 = Existências = ( x 73 ) / 365 = PMS = (Existências / CMVMC) x 365 NFE = Existências + Clientes = Quanto aos recursos financeiros de exploração, traduzem, normalmente, os saldos das seguintes rubricas RFE = Fornecedores + E.O.E.P + Adiant.clientes + Outros Credores Para o cálculo do saldo de fornecedores através do PMP, temos que saber qual o valor das compras visto que, PMP = ( Fornecedores / Compras ) x 365 CMVMC = Compras + Existências Iniciais - Existências Finais Compras = CMVMC Existências Iniciais + Existências Finais =

7 = donde, PMP = ( Fornecedores / Compras ) x 365 Fornecedores = ( x 60 ) / 365 = RFE = Fornecedores = c) Sabendo que: i) Se o FM = 1/2 FMN então, FMN= NFE RFE = = FM = /2 = Pela regra do equilíbrio financeiro mínimo ou equilíbrio da situação de tesouraria sabemos que FML. FMN = 0 Neste caso, TL = = (29 476) ou seja, existem problemas ao nível da Tesouraria da empresa traduzidos por um elevado risco financeiro. Assim, será necessário reforçar os Capitais Permanentes neste valor, Euros, ficando estes fundos sob a forma de disponibilidades ou de aplicações de tesouraria. ii) Se o FML. = 2 x FMN = 2 x = TL = = Neste caso, a empresa apresenta uma Tesouraria superavitária, traduzida por um excesso de Capitais Permanentes num total de Euros. Esta situação poder-se-á reflectir em rendibilidadess muito baixas muito embora o risco financeiro de curto prazo seja também muito reduzido. Para minimizar os efeitos desta situação de fraca rendibilidade, a empresa poderá, por exemplo tomar alguma(s) das seguintes medidas: - Proceder à liquidação antecipada de empréstimos; - Distribuir ou aumentar os dividendos; - Adquirir Imobilizado com usando fundos em excesso; 7

8 - Tentar reduzir o PMP se os descontos oferecidos forem interessantes; - Desenvolver estratégias comerciais mais agressivas, oferecendo, por exemplo, melhores condições de pagamento aos seus clientes e constituindo, para o efeito, stocks de segurança mais significativos. 8

9 5) Considere o Balanço Patrimonial e a seguinte informação anexa: BALANÇO 000 Activo Imobilizado: Imobilizações Incorpóreas Imobilizações Corpóreas 4,230 4,540 5,046 Investimentos Financeiros Amortizações Acumuladas (1,274) (1,503) (1,514) Circulante: Existências 3,564 4,404 4,964 Dívidas de terceiros - Médio e longo Prazo Dívidas de terceiros - Curto Prazo: Clientes, c/c 2,546 2,622 2,784 Clientes - Títulos a receber Clientes de cobrança duvidosa Outros accionistas (sócios) Adiantamentos a fornecedores Adiantamentos a fornecedores de imobilizado Estado e outros entes públicos Subscritores de capital Provisões para cobranças duvidosas (185) (230) (249) Outros devedores Títulos negociáveis Depósitos bancários e caixa Acréscimos e Diferimentos: ACTIVO TOTAL 15,091 16,639 17,878 Capital Próprio e Passivo Capital Próprio: Capital 2,000 2,000 2,000 Prestações suplementares Reservas de reavaliação Reservas: Resultados transitados 1,254 1,361 1,916 Resultado líquido do exercício TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO 5,258 5,388 6,026 Passivo: Dívidas a terceiros - Médio e longo prazo Empréstimos por obrigações: 3,568 3,445 3,180 Fornecedores de imobilizado, c/c 1,746 1,770 2,053 Dívidas a terceiros - Curto prazo: Dívidas a instituições de crédito 903 1,840 2,113 Fornecedores c/c 1,142 1,313 1,631 Fornecedores - Títulos a pagar Outros accionistas (sócios) Adiantamentos de clientes Fornecedores de imobilizado, c/c Estado e outros entes públicos Acréscimos e diferimentos: TOTAL DO PASSIVO 9,833 11,251 11,852 CAPITAL PRÓPRIO+PASSIVO TOTAL 15,091 16,639 17,878 As provisões para cobranças duvidosas dizem respeito exclusivamente a dívidas de clientes; 9

10 Os valores registados na conta "Outros devedores" não se referem à actividade de exploração da empresa; Os acréscimos e diferimentos no Activo são relativos à actividade de exploração da empresa, e têm um carácter cíclico ou renovável; Os acréscimos e diferimentos no Passivo são relativos à actividade de exploração da empresa, com excepção dos seguintes montantes: ano -2: 100,000 Euros; ano -1: 80,000 Euros; ano 0: 50,000 Euros. a) Prepare um Balanço Funcional e comente os resultados à luz do princípio renovado do equilíbrio financeiro. b) Reformule o Balanço Funcional, bem como as suas conclusões, com base na seguinte informação adicional: a empresa tem vindo a aproveitar condições de compra excepcionais, no final dos exercícios correspondentes aos anos -1 e 0, conduzindo ao aumento temporário das existências nos montantes de 800,000 Euros e 1,300,000 Euros, respectivamente. Resolução: a) Balanço Funcional BALANÇO FUNCIONAL Anos Capital Próprio 5,258 5,388 6,026 Passivo de Médio/Longo Prazo 5,314 5,215 5,233 CAPITAIS PERMANENTES 10,572 10,603 11,259 ACTIVO FIXO 5,114 5,348 6,130 FUNDO DE MANEIO 5,458 5,255 5,129 Clientes 2,902 3,018 3,279 Existências 3,564 4,404 4,964 Adiantamentos a Fornecedores Estado e Outros Entes Públicos (a receber) Outros Devedores de Exploração APLICAÇÕES CÍCLICAS 7,856 8,991 9,935 Fornecedores 1,274 1,451 1,801 Adiantamentos de Clientes Estado e Outros Entes Públicos (a pagar) Outros Credores de Exploração ORIGENS CÍCLICAS 2,438 2,940 3,517 FUNDO DE MANEIO NECESSÁRIO 5,418 6,051 6,418 TESOURARIA LÍQUIDA 40 (796) (1,289) De acordo com a abordagem renovada da análise estática do equilíbrio financeiro, no ano -2 a empresa apresenta uma situação financeira equilibrada. Contudo, durante o período em análise, o Fundo de Maneio apresenta uma tendência decrescente em virtude do aumento do activo fixo sem o adequado acompanhamento em termos de reforço dos capitais permanentes. Paralelamente, o crescimento apresentado pelo Fundo de Maneio Necessário contribui para uma evolução desfavorável da situação financeira da empresa que, em consequência, tem vindo a degradar-se. 10

11 b) Reformulação do Balanço Funcional BALANÇO FUNCIONAL (Reformulado) Descrição Capital Próprio 5,258 5,388 6,026 Passivo de Médio/Longo Prazo 5,314 5,215 5,233 CAPITAIS PERMANENTES 10,572 10,603 11,259 ACTIVO FIXO 5,114 5,348 6,130 FUNDO DE MANEIO 5,458 5,255 5,129 Clientes 2,902 3,018 3,279 Existências 3,564 3,604 3,664 Adiantamentos a Fornecedores Estado e Outros Entes Públicos (a receber) Outros Devedores de Exploração APLICAÇÕES CÍCLICAS 7,856 8,191 8,635 Fornecedores 1,274 1,451 1,801 Adiantamentos de Clientes Estado e Outros Entes Públicos (a pagar) Outros Credores de Exploração ORIGENS CÍCLICAS 2,438 2,940 3,517 FUNDO DE MANEIO NECESSÁRIO 5,418 5,251 5,118 TESOURARIA LÍQUIDA Após ajustamento do Balanço Funcional, constata-se uma inversão da tendência de evolução do Fundo de Maneio Necessário, a qual resulta numa evolução mais favorável do equilíbrio financeiro da empresa já que as rubricas alteradas não constituem situações estruturais, ou endémicas, da exploração da empresa. 11

12 6) Considere os balanços das empresas A, B, C e D que constam da tabela seguinte: Balanço 000 Empresas Descrição A B C D Activo Fixo Líquido 350, , , ,000 Existências 50,000 50,000 50,000 50,000 Clientes 80,000 80,000 80,000 80,000 Outros Devedores de Exploração 15,000 15,000 15,000 15,000 Estado e Outros Entes Públicos 5,000 5,000 5,000 5,000 Disponibilidades 5,000 5,000 5,000 20,000 Total Activo Circulante 155, , , ,000 Total do Activo 505, , , ,000 Capital Próprio 140, , , ,000 Passivo a médio e longo prazo 140, , , ,000 Dívidas a Instituições de Crédito 125,000 25,000 5,000 0 Fornecedores 75,000 75,000 75,000 75,000 Outros credores de exploraç. 15,000 15,000 15,000 15,000 Estado e Outros Entes Públicos 10,000 10,000 10,000 10,000 Total Passivo Circulante 225, , , ,000 Total Capital Próprio e do Passivo 505, , , ,000 a) Determine as necessidades de fundo de maneio para cada uma das empresas e a situação de tesouraria (ou tesouraria líquida). Tendo em conta a abordagem renovada do equilíbrio financeiro, diga quais as empresas que se encontram financeiramente equilibradas. b) Represente esquematicamente a estratégia de financiamento seguida por cada uma das empresas e identifique as vantagens e inconvenientes de cada uma delas. c) Em virtude das diferenças na composição do fundo de maneio, espera-se que as vendas anuais e estrutura de custos para as quatro empresas, dentro de contextos económicos diferentes, variem como se indica a seguir: Demonstração de Resultados 000 Cenários de Crescimento Económico Volume de Vendas (VV) A B C D C1 Crescimento Acentuado 1,200,000 1,205,000 1,210,000 1,215,000 C2 Crescimento Moderado 1,000,000 1,010,000 1,020,000 1,030,000 C3 Recessão 900, , , ,000 Estrutura de Custos Custos Variáveis x VV x VV x VV x VV Custos Fixos 250, , , ,000 12

13 Sabe-se ainda que a taxa de juro anual das dívidas de curto prazo a instituições de crédito é de 10%, enquanto que a taxa de juro do passivo a médio e longo prazo é de 12%. As disponibilidades não são remuneradas e a taxa de imposto sobre o rendimento do exercício é de 40%. Elabore Demonstrações de Resultados por Funções para cada uma das empresas, nos três cenários económicos. d) Compare o a do capital próprio com a do activo total para as quatro empresas. Qual é a empresa que apresenta a melhor performance económica nos diferentes cenários económicos? Resolução: Situação de Tesouraria 000 A B C D Activo Circulante 155, , , ,000 Passivo Circulante 225, , , ,000 (1) Fundo Maneio -70,000 30,000 50,000 70,000 NFE 150, , , ,000 RFE 100, , , ,000 (2) Fundo Maneio Necessário 50,000 50,000 50,000 50,000 (3) Tesouraria Líquida = (1)-(2) -120,000-20, ,000 Situação de Tesouraria Deficitária Deficitária Equilibrada Superavitária b) Sabendo que a regra do equilíbrio financeiro nos diz que: Tesouraria Líquida (ou Situação de Tesouraria) 0 Então, as empresas que estão nesta situação são as empresas C e D mas a que está mais equilibrada é a empresa C visto que está numa situação em que não tem excedentes de capitais permanentes, está de acordo com a regra de equilíbrio mínimo. A empresa A tem uma Situação de Tesouraria < 0 ou seja, os capitais permanentes não chegam para cobrir os activos fixos líquidos. Podemos então dizer que estamos perante uma estratégia agressiva e relativamente arriscada A empresa B, apesar de ter uma Situação de Tesouraria < 0, verifica-se que os capitais permanentes conseguem cobrir a totalidades dos activos fixos líquidos e uma parte das necessidades de fundo de maneio. Então estamos perante uma estratégia agressiva, mas menos arriscada do que a anterior. c) Pretende-se a constituição de cenários, face a diferentes estados da economia, de forma a se identificar qual a melhor empresa em cada um deles, sendo que cada uma delas tem diferentes actuações de gestão de fundo de maneio. Seguindo o modelo proposto para a demonstração de resultados e para os três cenários temos: 13

14 C1: Crescimento Acentuado 000 Volume de Vendas 1,200,000 1,205,000 1,210,000 1,215,000 Custos Variáveis 840, , , ,275 Custos Fixos 250, , , ,000 Resultado Operacional 110, , , ,725 Encargos Financeiros 29,300 25,300 24,500 25,200 Dívida de M/L Prazo 16,800 22,800 24,000 25,200 Dívida de Curto Prazo 12,500 2, RAI 80,700 87,225 90,600 92,525 Impostos 32,280 34,890 36,240 37,010 Resultado Líquido 48,420 52,335 54,360 55,515 C2: Crescimento Moderado 000 Volume de Vendas 1,000,000 1,010,000 1,020,000 1,030,000 Custos Variáveis 700, , , ,550 Custos Fixos 250, , , ,000 Resultado Operacional 50,000 53,050 56,200 59,450 Encargos Financeiros 29,300 25,300 24,500 25,200 Dívida de M/L Prazo 16,800 22,800 24,000 25,200 Dívida de Curto Prazo 12,500 2, RAI 20,700 27,750 31,700 34,250 Impostos 8,280 11,100 12,680 13,700 Resultado Líquido 12,420 16,650 19,020 20,550 C3: Recessão 000 Volume de Vendas 900, , , ,000 Custos Variáveis 630, , , ,325 Custos Fixos 250, , , ,000 Resultado Operacional 20,000 24,075 28,300 32,675 Encargos Financeiros 29,300 25,300 24,500 25,200 Dívida de M/L Prazo 16,800 22,800 24,000 25,200 Dívida de Curto Prazo 12,500 2, RAI -9,300-1,225 3,800 7,475 Impostos 0 0 1,520 2,990 Resultado Líquido -9,300-1,225 2,280 4,485 d) No cenário de Crescimento Acentuado, as empresas que revelam um melhor comportamento são aquelas que utilizam uma estratégia arriscada e agressiva de gestão de fundo de maneio. Com efeito, os dois indicadores que são indicadores de performance económica são superiores para estas empresas. Numa situação de recessão económica, a empresa com melhor desempenho é a que utiliza uma política conservadora de gestão de fundo de maneio. 14

15 Cálculo do ROE = RL/CPróprio C1: Crescimento Acentuado 34.59% 27.54% 27.18% 26.44% C2: Crescimento Moderado 8.87% 8.76% 9.51% 9.79% C2: Recessão -6.64% -0.64% 1.14% 2.14% Cálculo do RAT = RE/Activo Líquido Total C1: Crescimento Acentuado 21.78% 22.28% 22.79% 22.64% C2: Crescimento Moderado 9.90% 10.50% 11.13% 11.43% C2: Recessão 3.96% 4.77% 5.60% 6.28% 15

16 7) Considere o seguinte Balanço Patrimonial (em anexo) tendo em atenção que: As provisões para cobranças duvidosas respeitam exclusivamente a dívidas de clientes; Os acréscimos e diferimentos dizem respeito à actividade de exploração da empresa, na sua totalidade; As dívidas de terceiros de longo prazo resultam da alienação de terrenos não afectos à exploração e de outros investimentos financeiros; As dívidas a fornecedores de imobilizado correspondem ao capital em dívida de financiamentos à aquisição de imobilizado por leasing. a) Prepare um quadro que apresente a evolução dos seguintes rácios: Prazo médio de recebimentos; Prazo médio de armazenagem de matérias-primas, produtos em curso e produtos acabados; Prazo médio de pagamentos; Rotação do Activo Económico; Liquidez Geral; Endividamento; Rendibilidade do Activo Económico; Remuneração do Capital total; Remuneração do Capital Próprio. b) Considere ainda os seguintes comentários: Taxa média de IVA dos proveitos: 10%; Margem percentual estimada entre as vendas e o custo de produção: 25%; Taxa média de IVA das compras de matérias-primas: 10%; Taxa marginal de IRC: 40%. Prepare um quadro com a decomposição do rácio do Activo Económico e do Capital Próprio e comente, de forma sintética, a evolução da empresa nas vertentes económica e financeira, à luz dos resultados obtidos. 16

17 ANEXO: BALANÇO 000 Activo Imobilizado: Imobilizações Incorpóreas Imobilizações Corpóreas 4,230 4,540 5,046 Investimentos Financeiros Amortizações Acumuladas (1,274) (1,503) (1,514) Circulante: Existências: Matérias primas, subsidiárias e de consumo ,203 Produtos e trabalhos em curso 1,188 1,325 1,450 Produtos acabados e intermédios 1,586 2,084 2,311 Dívidas de terceiros - Médio e longo Prazo Dívidas de terceiros - Curto Prazo: Clientes, c/c 2,546 2,622 2,784 Clientes - Títulos a receber Clientes de cobrança duvidosa Outros accionistas (sócios) Adiantamentos a fornecedores Adiantamentos a fornecedores de imobilizado Estado e outros entes públicos Subscritores de capital Provisões para cobranças duvidosas (185) (230) (249) Outros devedores Títulos negociáveis Depósitos bancários e caixa Acréscimos e Diferimentos: ACTIVO TOTAL 15,091 16,639 17,878 Capital Próprio e Passivo Capital Próprio: Capital 2,000 2,000 2,000 Prestações suplementares Reservas de reavaliação Reservas: Resultados transitados 1,254 1,361 1,916 Resultado líquido do exercício TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO 5,258 5,388 6,026 Passivo: Dívidas a terceiros - Médio e longo prazo Empréstimos por obrigações: 3,568 3,445 3,180 Fornecedores de imobilizado, c/c 1,746 1,770 2,053 Dívidas a terceiros - Curto prazo: Dívidas a instituições de crédito 903 1,840 2,113 Fornecedores c/c 1,142 1,313 1,631 Fornecedores - Títulos a pagar Outros accionistas (sócios) Adiantamentos de clientes Fornecedores de imobilizado, c/c Estado e outros entes públicos Acréscimos e diferimentos: TOTAL DO PASSIVO 9,833 11,251 11,852 CAPITAL PRÓPRIO+PASSIVO TOTAL 15,091 16,639 17,878 17

18 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 000 Custos e Perdas Custo das mercadorias vendidas e das matérias consumidas Mercadorias Matérias 9,295 12,124 15,343 Fornecimentos e serviços externos 6,021 7,989 9,915 Custos com Pessoal 4,535 6,172 7,554 Amortizações ,071 Provisões Outros custos e perdas operacionais 1,621 1,421 1,824 Juros e custos similares Custos e perdas extraordinárias Imposto sobre o rendimento do exercício Resultado líquido do exercício TOTAL 24,683 31,429 38,808 Proveitos e Ganhos Vendas Mercadorias Produtos 23,250 28,998 35,840 Prestações de Serviços 1,423 1,843 2,701 Variação da Produção (121) Juros e proveitos similares Proveitos e ganhos extraordinários TOTAL 24,683 31,429 38,808 RESULTADO OPERACIONAL 1,980 2,243 2,666 RESULTADOS FINANCEIROS (380) (425) (438) RESULTADOS CORRENTES 1,600 1,818 2,228 RESULTADOS ANTES DE IMPOSTOS 1,375 1,406 1,532 RESULTADO LÍQUIDO

19 Resolução: a) BALANÇO ECONÓMICO 000 Activo Activo Fixo de Exploração 3,614 3,813 4,335 Fundo de Maneio Necessário 5,318 5,971 6,368 Outros Activos de Exploração ACTIVO ECONÓMICO 9,167 10,064 11,018 Activo Extra-Exploração 3,386 3,555 3,293 ACTIVO TOTAL 12,553 13,619 14,311 Capital Próprio 5,258 5,388 6,026 Passivo Financeiro 7,295 8,231 8,285 CAPITAL TOTAL 12,553 13,619 14,311 FUNDO DE MANEIO NECESSÁRIO NECESSIDADES CÍCLICAS 7,856 8,991 9,935 Existências 3,564 4,404 4,964 Clientes 2,902 3,018 3,279 Adiantamento a Fornecedores EOEP Acréscimos e Diferimentos RECURSOS CÍCLICOS 2,538 3,020 3,567 Fornecedores 1,274 1,451 1,801 Adiantamento de Clientes EOEP Acréscimos e Diferimentos FUNDO DE MANEIO NECESSÁRIO 5,318 5,971 6,368 QUADRO DE RÁCIOS 000 Rácios de Rotação Prazo médio de recebimentos Prazo médio de armazenagem de matérias primas Prazo médio de armazenagem de produtos acabados Prazo médio de armazenagem de produtos em curso Prazo médio de pagamentos Rotação do Activo Económico Rácios de Liquidez Líquidez Geral Rácios de Endividamento Rácio de endividamento 58% 60% 58% Cobertura dos encargos financeiros Rácios de Rentabilidade Rentabilidade do Activo Económico 11.8% 12.1% 13.1% Remuneração do Capital Total 8.0% 7.7% 7.7% Remuneração do Capital Próprio 14.3% 14.2% 13.7% 19

20 c) Decomposição do rácio de do Activo Económico e do Capital Próprio: RAE Anos 11.8% % % 0 RAE antes de IRC (1- Taxa média de IRC ) 21.5% 45.2% 22.6% 45.5% 24.3% 46.0% ROP Vendas Vendas Activo Econ. 8.0% % % ( CMVMC Vendas Amortizacão Vendas Out.Custos Vendas ) Vendas Activo Fixo Vendas FMN Vendas Out.Act.Exp. 37.7% 3.1% 51.2% % 3.2% 50.3% % 2.8% 50.5% DECOMPOSIÇÃO DO RÁCIO DE RENDIBILIDADE DO CAPITAL PRÓPRIO RCP 14.3% 14.2% 13.7% RCT + ( RCT - Jurosx(1-Tc) Pass Fin ) x Pass Fin Cap Próprio 8.0% 8.0% 3.4% % 7.7% 3.4% % 7.7% 3.4% 1.4 Comentários i) Quanto à situação financeira: A empresa apresenta uma situação financeira estável, mantendo o rácio de endividamento em torno de 60%. O elevado peso do passivo financeiro que resulta deste rácio recomenda 20

21 investigação adicional, designadamente uma comparação com outras empresas do mesmo sector. ii) Quanto à situação económica: A rentabilidade do Activo Económico apresenta uma tendência crescente. A decomposição deste rácio sugere que, apesar da redução da rentabilidade operacional das vendas, o aumento da rotação do activo económico teve um impacto determinante para o aumento da rentabilidade do Activo Económico. iii) Importa referir que, ainda no âmbito da decomposição do rácio de rentabilidade do Activo Económico, a redução da rentabilidade operacional das vendas se deve a um aumento do peso do custo das matérias consumidas nos proveitos totais. A razão para este aumento deve ser identificada solicitando esclarecimentos aos responsáveis da empresa. Aparentemente, o aumento da rotação do Fundo de Maneio Necessário deve-se a à diminuição do prazo médio de recebimentos. Apesar do aumento da rentabilidade do Activo Económico a remuneração do Capital Total e do Capital Próprio apresenta alguma oscilação. Tal deve-se aos resultados extraordinários, e no caso específico da rentabilidade do Capital Próprio, às variações da estrutura de capital e do grau de alavanca financeira. 8) Considere os seguintes elementos das empresas Alfa, Delta e Gama: Alfa Delta Gama Activo Total Líquido Total Imobilizado Líquido 18 16,2 34,2 Activo Circulante de Exploração 6 5,15 11,15 Autonomia Financeira 34% 35% 42% Passivo a Longo Prazo 7,1 6,55 10,65 Passivo de Exploração 4,5 5,4 12,9 Rotação do Activo Económico 1,25 1,25 1,25 Resultados Brutos 26,25 17,1 23 Resultados Operacionais 6,3 4,0 6,2 Taxa de ISRE 40% 40% 40% As unidades dos elementos anteriores (naqueles que se aplicam), com excepção da rotação do activo económico, são em milhões de Euros. a) Determine a situação estrutural de tesouraria e, numa perspectiva de equilíbrio financeiro, comente os indicadores de cada uma das empresas. b) Para a empresa Alfa determine o montante de juros anuais que pode suportar, tomando como referência a estrutura financeira actual, de forma a obter uma rendibilidade do capital próprio de 12,5%. Resolução: 21

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA. Objectivo

ANÁLISE FINANCEIRA. Objectivo ISEG/UTL ANÁLISE FINANCEIRA MÓDULO III Objectivo Teoria tradicional do Equilíbrio Financeiro Fundo de Maneio Funcional e as NFM Tesouraria Líquida Estratégias de Financiamento face ao Risco EQUILÍBRIO

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO IV Objectivo Teoria tradicional do Equilíbrio Financeiro O Fundo de Maneio Funcional e as NFM A Tesouraria Líquida Estratégias de Financiamento face ao Risco ISEG/UTL Teoria Tradicional

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

Fundo de Maneio, Fundo de Maneio Necessário e Tesouraria Líquida Tipos de Estruturas

Fundo de Maneio, Fundo de Maneio Necessário e Tesouraria Líquida Tipos de Estruturas Fundo de Maneio, Fundo de Maneio Necessário e Tesouraria Líquida Tipos de Estruturas FM TL Balanço Funcional Descrição + + + TL > 0 C.Perm. O FM é positivo e suficiente para financiar as necessidades de

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA ESTGV-IPV

INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA ESTGV-IPV INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA ESTGV-IPV Gestão financeira Ciclo de exploração Gestão Ciclo de investimento Financeira Ciclo de financiamento 2 Fluxos nas entidades Fluxos reais Fluxos reais Fornecedores

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA 3º Ano 1º Semestre Caderno de exercícios Gestão Financeira de curto prazo Ano letivo 2015/2016 1 1 - A Gestão Financeira de Curto

Leia mais

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Imobilizado ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Capital Próprio Imobilizações Incorpóreas 0,00 Capital 49.879,79 49.879,79 0,00 Imobilizações

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Polis Litoral Ria Aveiro das ACTIVO BALANÇO ANALÍTICO Dezembro 09 Dezembro 08 ACTIVO BRUTO AMORT. E AJUST. ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO IMOBILIZADO Imobilizações Incorpóreas

Leia mais

O PLANEAMENTO FINANCEIRO A CURTO PRAZO (CP)

O PLANEAMENTO FINANCEIRO A CURTO PRAZO (CP) O PLANEAMENTO FINANCEIRO A CURTO PRAZO (CP) INTRODUÇÃO O DINAMISMO DO FUNDO DE MANEIO NECESSÁRIO DE EXPLORAÇÃO O ORÇAMENTO ANUAL DE TESOURARIA O BALANÇO PREVISIONAL AS POLÍTICAS FINANCEIRAS DE CP O CONTROLO

Leia mais

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B LEC11 CONTABILIDADE II CAPÍTULO IV CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS COMENTÁRIOS À RESOLUÇÃO DO EXERCÍCIO 1 Lançamento nº 1 - Eliminação de saldos entre empresas do grupo As empresas do Grupo efectuaram operações

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA 3º Ano 1º Semestre Caderno de exercícios Planeamento Financeiro de ML/ Prazo Ano letivo 2015/2016 1 Planeamento Financeiro de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO I - CARACTERIZAÇÃO DA ACTIVIDADE DA EMPRESA/EMPRESÁRIO a) 1.1. Breve resumo da actividade da Empresa/Empresário

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA ESTGV-IPV

GESTÃO FINANCEIRA ESTGV-IPV GESTÃO FINANCEIRA ESTGV-IPV Gestão financeira Ciclo de exploração Gestão Ciclo de investimento Financeira Ciclo de financiamento 2 Necessidades de C e M/L Prazo As aplicações devem ser financiadas por

Leia mais

QUADRO DE INDICADORES ECONÓMICO-FINANCEIROS

QUADRO DE INDICADORES ECONÓMICO-FINANCEIROS QUADRO DE INDICADORES ECONÓMICO-FINANCEIROS FUNDO DE MANEIO E EQUILÍBRIO FINANCEIRO 1. LIQUIDEZ GERAL Activo Circulante / Passivo Circulante (1) 2. LIQUIDEZ REDUZIDA (Activo Circulante - E) / Passivo Circulante

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004

Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004 Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004 A Empresarialização dos Hospitais 28.06.2005 Índice 1. Introdução 2. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 Rede SA 3. Produção Hospitalar

Leia mais

INVESTIMENTOS. Pretende-se: Análise da viabilidade económica do projecto (a preços constantes).

INVESTIMENTOS. Pretende-se: Análise da viabilidade económica do projecto (a preços constantes). Caso 1 A empresa FMS pretende dedicar-se à produção e comercialização de equipamentos para a indústria automóvel. De acordo com o estudo de mercado elaborado para o efeito, estimaram-se as seguintes quantidades

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

BLOCO 12. ASSUNTOS: O estudo de caso de uma empresa agro-industrial PROBLEMAS: PROBLEMA 1

BLOCO 12. ASSUNTOS: O estudo de caso de uma empresa agro-industrial PROBLEMAS: PROBLEMA 1 BLOCO 12 ASSUNTOS: O estudo de caso de uma empresa agro-industrial PROBLEMAS: PROBLEMA 1 A SILOS, SA é uma sociedade anónima agro-industrial que se dedica ao fabrico e à venda de rações para animais. A

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira INTRODUÇÃO 1 Análise Financeira Dar a conhecer a situação económico-financeira e monetária A partir de documentos de informação contabilística Situação financeira Equilíbrio Financeiro, Solvabilidade,

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

EXEMPLO. Prática Financeira II Gestão Financeira

EXEMPLO. Prática Financeira II Gestão Financeira EXEMPLO Tendo em conta as operações realizadas pela empresa CACILHAS, LDA., pretende-se a elaboração da Demonstração de fluxos de caixa, admitindo que o saldo de caixa e seus equivalentes, no início de

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

Gestão Financeira. Parte I

Gestão Financeira. Parte I MESTRADO EM GESTÃO E ESTRATÉGIA INDUSTRIAL 1 Parte I Conceitos Fundamentais de Análise e 2 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste em estudos e tarefas de preparação, execução e controlo

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO V Objectivo Análise do Risco Operacional e Financeiro Grau de Alavanca Operacional Grau de Alavanca Financeiro Grau de Alavanca Combinado O Efeito Alavanca Financeiro RISCO E ANÁLISE

Leia mais

TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS

TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS Ao olharmos só para uma árvore podemos ignorar a floresta OBJECTIVOS Distinguir e caracterizar cada um dos diferentes tipos de avaliação de projectos Enquadrar cada tipo

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

ANÁLISE ECONOMICO-FINANCEIRA DA PORTUGAL TELECOM

ANÁLISE ECONOMICO-FINANCEIRA DA PORTUGAL TELECOM Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5.º ANO 1.º SEMESTRE ECÓNOMIA E GESTÃO 2001/2001 2.º TRABALHO ANÁLISE ECONOMICO-FINANCEIRA

Leia mais

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório de gestão do ano de 2015 1 RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório Fim de Atividade e Contas 2015 ÍNDICE Pág. 1. Introdução 3 2. Recursos Humanos 5 3. Análise Económica e Financeira

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Demonstração de Fluxos de Caixa

GESTÃO FINANCEIRA. Demonstração de Fluxos de Caixa GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO VIII Objectivo Comparação com a Demonstração de Resultados Métodos de Cálculo Rácios baseados nos fluxos de caixa Documento que mostra a variação das disponibilidades entre dois

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

Gestão Financeira Método de analise com recurso a rácios IESF Licenciatura Gestão Financeira Fiscal 2008/2009 Trabalho Wikipedia Rita Pinto Turma: A

Gestão Financeira Método de analise com recurso a rácios IESF Licenciatura Gestão Financeira Fiscal 2008/2009 Trabalho Wikipedia Rita Pinto Turma: A Gestão Financeira Método de analise com recurso a rácios IESF Licenciatura Gestão Financeira Fiscal 2008/2009 Trabalho Wikipedia Rita Pinto Turma: A Índice Índice...2 Introdução...3 Tipos de rácios...4

Leia mais

João Carvalho das Neves

João Carvalho das Neves ANÁLISE FINANCEIRA João Carvalho das Neves Professor Associado e Director do MBA - ISEG Sócio ROC Neves, Azevedo Rodrigues e Batalha, SROC 1 Análise dos fluxos de caixa 52 1 Análise dos fluxos de caixa

Leia mais

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012 Balanço - Activo Dados atuais 23.04.2014 13:48:11 Organismo: 1012 ADSE Página: 1 Exercício:2013 Emissão:23.04.2014 13:48:17 Balanço - Activo Activo Imobilizado Bens de domínio público: 451 Terrenos e recursos

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Conheça os significados dos principais termos técnicos utilizados na IGNIOS no âmbito dos: DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Criação de Valor Valor criado pela empresa num período temporal (fonte: Demonstração

Leia mais

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Análise Financeira Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Introdução Objectivos gerais avaliar e interpretar a

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde

Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde ! " # $ % & '(# ) * + (, -& -*.- & - (+ * - ) /////////////////////////////////////////////////////////////////////// 01.")

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA Pág. 1 Índice 1. BALANCETE... 3 2. BALANÇO... 5 3. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS... 10 4. RESUMO... 12 Pág. 2 1. BALANCETE O balancete é um documento contabilístico

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 28 de Março de 2007 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas e 30 minutos Gioconda Magalhães Sílvia Cortês Joana Peralta Sofia Pereira Luiz Ribeiro 1ª

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

Regras de utilização. Principais regras de utilização:

Regras de utilização. Principais regras de utilização: Regras de utilização Para a melhor utilização do presente modelo o empreendedor deverá dominar conceitos básicos de análise económica e financeira ou, não sendo esse o caso, deve explorar as potencialidades

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO III Objectivo Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE ASPECTOS A NÃO ESQUECER o todo não é igual à soma das

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS A RENDIBILIDADE EXERCÍCIOS PARA AS AULAS

INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS A RENDIBILIDADE EXERCÍCIOS PARA AS AULAS INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS A RENDIBILIDADE EXERCÍCIOS PARA AS AULAS 2006. António Gomes Mota, Clementina Barroso, Helena Soares e Luís Laureano. (1. INTRODUÇÃO) 1. Com base na Demonstração dos Resultados de

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2012 1 - Actividade 1.1 Breve descrição das actividades da empresa ÍNDICE 2 - Bases de preparação das demonstrações financeiras e derrogações 2.1 Bases de apresentação

Leia mais

Existências. Provisões para cobrança duvidosa

Existências. Provisões para cobrança duvidosa 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

Finanças Empresariais 1º semestre

Finanças Empresariais 1º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS Finanças Empresariais 1º semestre Caderno de exercícios Luís Fernandes Rodrigues Manuel F Almeida 5º 6º edição 1 Caso 1.1

Leia mais

DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE

DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE CONTA DE GERÊNCIA DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE 2014 UNIVERSIDADE DOS AÇORES Relatório de contas Ponta Delgada, Abril de 2015 I INTRODUÇÃO O presente capítulo incide sobre a análise da execução

Leia mais

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 Imobilizado: Bens de domínio público 451 Terrenos e recursos naturais 1.437.193,54 1.437.193,54 1.424.390,02 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2015 RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL EM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3. Demonstração

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Encontro Técnico Pegaso Painel Temático: Gestão Económica da Cultura. A Rentabilização Económica e Financeira dos Recursos Culturais.

Encontro Técnico Pegaso Painel Temático: Gestão Económica da Cultura. A Rentabilização Económica e Financeira dos Recursos Culturais. Painel Temático: Gestão Económica da Cultura A Rentabilização Económica e Financeira dos Recursos Culturais. Pedro Frouco Marques Golegã, 27.07.2007 Objectivos Fomentar apetências e habilidades, que permitam

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Capital Próprio CAPITAL PRÓPRIO Conceitos Gerais Aplicação de resultados Valor nominal, contabilístico e de mercado Demonstração das Alterações do C.P. Aumentos de

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados 8.2 Notas ao balanço e à demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS Sistemas de Informação Contabilística e Financeira CASO 5 PARTE 1 e 2 (enunciado e resolução) 2007/2008 CASO 5 Enunciado (PARTE 1) Questão 1 Alínea a) Sabendo que a sociedade

Leia mais

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO Título do projecto: Nome do responsável: Contacto telefónico Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características inovadoras (Descreva

Leia mais

As empresas agrícolas similares, consideradas de referência, apresentam em média os seguintes indicadores financeiros, que

As empresas agrícolas similares, consideradas de referência, apresentam em média os seguintes indicadores financeiros, que BLOCO 10 ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Balanço e Conta de Exploração PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Os Balanços sucessivos dos anos n-2, n-1 e n referem-se a outra exploração agrícola

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

Gestão de Empresas Seguradoras

Gestão de Empresas Seguradoras Instituto Superior de Economia e Gestão Universidade Técnica de Lisboa Mestrado em Ciências Actuariais Gestão de Empresas Seguradoras Recursos Financeiros Carlos Manuel Pereira da Silva Professor Catedrático

Leia mais

O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo

O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo João Carvalho das Neves Professor catedrático, Finanças e Controlo, ISEG Professor convidado, Accounting & Control, HEC Paris Email: Página Web:

Leia mais

Manual Prático de Controlo de Gestão >

Manual Prático de Controlo de Gestão > Manual Prático de Controlo de Gestão > > Manual Prático de Controlo de Gestão > Índice 1 2 2.1 3 3.1 3.2 4 4.1 4.1.1 4.1.2 4.1.3 4.2 4.2.1 4.2.2 4.2.3 5 5.1 5.2 6 Enquadramento... 3 A Metodologia Utilizada

Leia mais