Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004"

Transcrição

1 Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004 A Empresarialização dos Hospitais

2 Índice 1. Introdução 2. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 Rede SA 3. Produção Hospitalar em 2003 e 2004 Rede SA 4. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 por Hospital SA 5. Produção Hospitalar em 2003 e 2004 por Hospital SA 6. Tableau de Bord de Dezembro de

3 1. Introdução Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 e 2004 Este documento tem como objectivo apresentar de uma forma resumida a evolução dos Hospitais SA no respeitante à sua performance económico-financeira e patrimonial, bem como a sua actividade produtiva em termos globais. Não dispensa uma leitura mais atenta dos Relatórios e Contas de cada uma das unidades disponíveis no site da Unidade de Missão em No ponto dois são apresentados os dados económicos e financeiros para toda a Rede SA, Demonstração de Resultados - Custos e Proveitos, e Balanço Analítico Activo, Passivo e Capitais Próprios. Os valores apresentados foram extraídos dos Relatórios e Contas de 2004 de cada Hospital SA. No ponto quatro apresentam-se os dados por Hospital SA. Os valores de 2003 são finais, uma vez que foram aprovados em Assembleias Gerais de Accionistas e previamente analisados pela Inspecção Geral de Finanças. Relativamente a 2004, encontram-se ainda a decorrer algumas Assembleias Gerais de Accionistas para aprovação de contas. As Assembleias Gerais apenas se realizam após uma análise prévia por parte da Inspecção Geral de Finanças às contas apresentadas por cada um dos Hospitais SA. A Unidade de Missão está a disponibilizar no seu site os respectivos Relatórios e Contas, à medida que as Assembleias Gerais de Accionistas procedem à sua aprovação. Cumpre no entanto referir, que todas as contas se encontram certificadas pelos competentes Revisores Oficiais de Contas. Sobre os valores apresentados salientam-se alguns aspectos relevantes, nomeadamente: Em Agosto de 2004 o Hospital do Barlavento Algarvio e o Hospital de Lagos deram origem ao Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio. Assim, no ano de 2003 os valores apresentados referem-se unicamente ao Hospital do Barlavento Algarvio, e no ano de 2004 ao Centro Hospitalar; 2

4 1. Introdução Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 e 2004 Em Agosto de 2004 o Hospital de Beja e o Hospital de Serpa deram origem ao Centro Hospitalar do. Assim, no ano de 2003 os valores apresentados referem-se unicamente ao Hospital de Beja, e no ano de 2004 ao Centro Hospitalar; No ponto três é apresentada a evolução da actividade produtiva no respeitante a internamento, intervenções cirúrgicas, consultas externas, urgências e hospital de dia. Estes valores foram obtidos junto de cada Hospital SA. No ponto cinco apresentam-se os dados por Hospital SA. É a partir destes dados, de produção, económico-financeiros e também de recursos humanos e de capacidade instalada de cada unidade, que são processados um conjunto de indicadores de gestão agrupados no Tableau de Bord (ponto seis). A criação de um instrumento de aferição mensal de desempenho relativo e da evolução verificada nos Hospitais SA Tableau de Bord, é decisiva para o acompanhamento e avaliação do desempenho destas unidades. É igualmente um instrumento essencial à gestão individual dos Hospitais SA, uma vez que a comparação entre Hospitais permite identificar áreas de actuação prioritárias. Também este documento se encontra disponível no site da Unidade de Missão. 3

5 Índice 1. Introdução 2. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 Rede SA 3. Produção Hospitalar em 2003 e 2004 Rede SA 4. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 por Hospital SA 5. Produção Hospitalar em 2003 e 2004 por Hospital SA 6. Tableau de Bord de Dezembro de

6 2. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 Rede SA As contas de 2004 revelam uma diminuição do défice de exploração Resultados Líquidos - 27,5% Proveitos +8,9% ,9 Valores em milhões de euro. -91,1 Custos +6,6% Um Um crescimento crescimento mais mais acentuado acentuado nos nos proveitos proveitos que que nos nos custos, custos, permitiu permitiu a a diminuição diminuição do do défice défice de de exploração exploração dos dos Hospitais Hospitais SA SA em em 27% 27% 5

7 2. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 Rede SA a par de uma alteração marginal na estrutura de capitais Capitais Próprios Activo ,9% + 1,4% Passivo ,6% Activo ,9 % 48,1% + 2,5% 48,4% Valores em milhões de euro Não Não se se verificou verificou uma uma alteração alteração substancial substancial na na estrutura estrutura de de capital capital agregada agregada dos dos Hospitais Hospitais SA SA 6

8 2. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 Rede SA O défice de exploração realizado apresentou um desvio de 3,3% comparativamente às estimativas divulgadas pela UM no 2º semestre de Estimativas vs Realização Resultado Líquido Agregado Estimativa da Unidade de Missão para o final do ano, com dados de Junho de Realizado a 31 de Dezembro de Valores em milhões de euro 7

9 2. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 Rede SA Demonstração de Resultados Rede SA Variação * 2004/2003 Proveitos Vendas ,5% Prestações de Serviços ,3% Proveitos Suplementares ,0% Subsídios à exploração ,5% Trabalhos para a própria instituição ,1% Outros proveitos operacionais ,8% Proveitos e Ganhos Financeiros ,9% Proveitos e Ganhos Extraordinários ,7% Total de Proveitos ,9% Custos CMVMC ,2% FSEs ,4% Impostos ,3% Custos com o pessoal ,9% Outros custos operacionais ,1% Amortizações do exercício ,1% Provisões do exercício ,1% Custos e perdas financeiras ,7% Custos e perdas extraordinárias ,2% IRC ,3% Total de Custos ,6% Resultado Líquido *A partir de 23 de Agosto de 2004, inclui o Hospital de Serpa que foi integrado, juntamente com Beja no C.H. do. A partir de 28 de Agosto de 2004, inclui o Hospital de Lagos que foi integrado, juntamente com Portimão, no C.H. do Barlavento Algarvio. 8

10 2. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 Rede SA Balanço Analítico Rede SA ACTIVO ACTIVO BRUTO AMORTIZ. PROV. ACTIVO LÍQUIDO ACTIVO LÍQUIDO IMOBILIZADO: IMOBILIZAÇÕES INCORPÓREAS , , , ,84 IMOBILIZAÇÕES CORPÓREAS , , , , , , , ,15 CIRCULANTE: EXISTÊNCIAS MERCADORIAS , , , , , , , ,92 DÍVIDAS DE TERCEIROS - MÉDIO E LONGO PRAZO CLIENTES - ESTADO , , , ,72 CLIENTES DE COBRANÇA DUVIDOSA , , , , , , , ,45 DÍVIDAS DE TERCEIROS - CURTO PRAZO CLIENTES, C/C , , , ,73 CLIENTES DE COBRANÇA DUVIDOSA , , , ,67 ADIANTAMENTOS A FORNECEDORES ,82 0, , ,72 ESTADO E OUTROS ENTES PÚBLICOS ,16 0, , ,02 OUTROS DEVEDORES , , , ,72 SUBSCRITORES DE CAPITAL ,00 0, , , , , , ,86 DEPÓSITOS BANCÁRIOS E CAIXA: DEPÓSITOS BANCÁRIOS ,98 0, , ,05 CAIXA ,66 0, , , ,64 0, , ,88 ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS: ACRÉSCIMOS DE PROVEITOS , , ,21 CUSTOS DIFERIDOS , , , , , ,84 TOTAL DE AMORTIZAÇÕES ,81 TOTAL DE PROVISÕES ,35 TOTAL DO ACTIVO , , , ,10 9

11 2. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 Rede SA Balanço Analítico Rede SA CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO CAPITAL PRÓPRIO CAPITAL , ,00 RESERVAS , ,62 RESULTADOS TRANSITADOS , ,46 RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO * , ,56 TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO , ,60 PASSIVO PROVISÕES PARA RISCOS E ENCARGOS: PROVISÕES PARA PENSÕES 0,00 0,00 PROVISÕES PARA IMPOSTOS 0,00 0,00 OUTRAS PROVISÕES PARA RISCOS E ENCARGOS , , , ,30 DIVIDAS A TERCEIROS - MÉDIO E LONGO PRAZO FORNECEDORES DE IMOBILIZADO C/C , ,10 DÍVIDAS A INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ,00 0, , ,10 DIVIDAS A TERCEIROS - CURTO PRAZO DÍVIDAS A INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ,00 0,00 FORNECEDORES, C/C , ,88 FORNECEDORES - FACTURAS EM RECEPÇÃO E CONFERÊNCIA , ,19 ADIANTAMENTO DE CLIENTES , ,13 FORNECEDORES DE IMOBILIZADO, C/C , ,93 ESTADO E OUTROS ENTES PÚBLICOS , ,75 OUTROS CREDORES , , , ,32 ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS ACRÉSCIMOS DE CUSTOS , ,60 PROVEITOS DIFERIDOS , , , ,78 TOTAL DO PASSIVO , ,50 TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO , ,10 * Como é evidente não contempla o valor dos resultado de 1 de Janeiro a 23 de Agosto do Hospital de Beja nem o resultado de 1 de Janeiro a 28 de Agosto do Hospital de Portimão. 10

12 Índice 1. Introdução 2. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 Rede SA 3. Produção Hospitalar em 2003 e 2004 Rede SA 4. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 por Hospital SA 5. Produção Hospitalar em 2003 e 2004 por Hospital SA 6. Tableau de Bord de Dezembro de

13 Doentes saídos de internamento 3. Produção Hospitalar em 2003 e 2004 Rede SA A actividade hospitalar cresceu, embora a ritmo inferior que no ano anterior. +4,3% +0,04% TACC* ,1% Número de intervenções cirúrgicas ,9% ,9% ,3% Número de consultas externas ,6% +7,4% ,4% +2,0% -2,3% Episódios de urgência -0,1% Sessões de hospital de dia ,6% +25,9% ,2% * Taxa anual composta 12

14 Índice 1. Introdução 2. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 Rede SA 3. Produção Hospitalar em 2003 e 2004 Rede SA 4. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 por Hospital SA 5. Produção Hospitalar em 2003 e 2004 por Hospital SA 6. Tableau de Bord de Dezembro de

15 Demonstração de Resultados Vila Real e P.R. Variação /2003 Proveitos Vendas % Prestações de Serviços % Proveitos Suplementares % Subsídios à exploração % Trabalhos para a própria instituição 0 Outros proveitos operacionais % Proveitos e Ganhos Financeiros % Proveitos e Ganhos Extraordinários % Total de Proveitos % Custos CMVMC % FSEs % Impostos 0 0 Custos com o pessoal % Outros custos operacionais % Amortizações do exercício % Provisões do exercício Custos e perdas financeiras % Custos e perdas extraordinárias % IRC % Total de Custos % Resultado Líquido

16 Balanço Analítico Vila Real e P.R ACTIVO ACTIVO BRUTO AMORTIZ. PROV. ACTIVO LÍQUIDO ACTIVO LÍQUIDO IMOBILIZADO: IMOBILIZAÇÕES INCORPÓREAS 0,00 0,00 0,00 0,00 IMOBILIZAÇÕES CORPÓREAS , , , , , , , ,91 CIRCULANTE: EXISTÊNCIAS MERCADORIAS ,14 0, , , ,14 0, , ,55 DÍVIDAS DE TERCEIROS - MÉDIO E LONGO PRAZO CLIENTES - ESTADO 0,00 0,00 0,00 0,00 CLIENTES DE COBRANÇA DUVIDOSA , ,00 0,00 0, , ,00 0,00 0,00 DÍVIDAS DE TERCEIROS - CURTO PRAZO CLIENTES, C/C ,74 0, , ,39 CLIENTES DE COBRANÇA DUVIDOSA 0,00 0,00 0,00 0,00 ADIANTAMENTOS A FORNECEDORES 0,00 0,00 0,00 0,00 ESTADO E OUTROS ENTES PÚBLICOS ,86 0, , ,19 OUTROS DEVEDORES ,46 0, , ,07 SUBSCRITORES DE CAPITAL 0,00 0,00 0,00 0, ,06 0, , ,65 DEPÓSITOS BANCÁRIOS E CAIXA: DEPÓSITOS BANCÁRIOS ,39 0, , ,47 CAIXA 1.060,84 0, , , ,23 0, , ,37 ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS: ACRÉSCIMOS DE PROVEITOS , , ,30 CUSTOS DIFERIDOS , , , , , ,55 TOTAL DE AMORTIZAÇÕES ,62 TOTAL DE PROVISÕES ,00 TOTAL DO ACTIVO , , , ,03 15

17 Balanço Analítico CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO Vila Real e P.R. CAPITAL PRÓPRIO CAPITAL , ,00 RESERVAS , ,92 RESULTADOS TRANSITADOS , ,14 RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO , ,08 TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO , ,70 PASSIVO PROVISÕES PARA RISCOS E ENCARGOS: PROVISÕES PARA PENSÕES 0,00 0,00 PROVISÕES PARA IMPOSTOS 0,00 0,00 OUTRAS PROVISÕES PARA RISCOS E ENCARGOS , , , ,13 DIVIDAS A TERCEIROS - MÉDIO E LONGO PRAZO FORNECEDORES DE IMOBILIZADO C/C 0,00 0,00 DÍVIDAS A INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO 0,00 0,00 0,00 0,00 DIVIDAS A TERCEIROS - CURTO PRAZO DÍVIDAS A INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ,00 0,00 FORNECEDORES, C/C , ,23 FORNECEDORES - FACTURAS EM RECEPÇÃO E CONFERÊNCIA , ,98 ADIANTAMENTO DE CLIENTES , ,93 FORNECEDORES DE IMOBILIZADO, C/C , ,08 ESTADO E OUTROS ENTES PÚBLICOS 2.907, ,07 OUTROS CREDORES , , , ,23 ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS ACRÉSCIMOS DE CUSTOS , ,25 PROVEITOS DIFERIDOS , , , ,97 TOTAL DO PASSIVO , ,33 TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO , ,03 16

18 Demonstração de Resultados Vila Real e P.R. Variação /2003 Proveitos Vendas % Prestações de Serviços % Proveitos Suplementares Subsídios à exploração % Trabalhos para a própria instituição 0 Outros proveitos operacionais % Proveitos e Ganhos Financeiros % Proveitos e Ganhos Extraordinários % Total de Proveitos % Custos CMVMC % FSEs % Impostos % Custos com o pessoal % Outros custos operacionais % Amortizações do exercício % Provisões do exercício Custos e perdas financeiras % Custos e perdas extraordinárias % IRC Total de Custos % Resultado Líquido

19 Balanço Analítico Vila Real e P.R ACTIVO ACTIVO BRUTO AMORTIZ. PROV. ACTIVO LÍQUIDO ACTIVO LÍQUIDO IMOBILIZADO: IMOBILIZAÇÕES INCORPÓREAS , ,28 0,00 0,00 IMOBILIZAÇÕES CORPÓREAS , , , , , , , ,26 CIRCULANTE: EXISTÊNCIAS MERCADORIAS ,03 0, , , ,03 0, , ,66 DÍVIDAS DE TERCEIROS - MÉDIO E LONGO PRAZO CLIENTES - ESTADO 0,00 0,00 0,00 0,00 CLIENTES DE COBRANÇA DUVIDOSA 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 DÍVIDAS DE TERCEIROS - CURTO PRAZO CLIENTES, C/C ,31 0, , ,74 CLIENTES DE COBRANÇA DUVIDOSA , , , ,80 ADIANTAMENTOS A FORNECEDORES ,73 0, , ,55 ESTADO E OUTROS ENTES PÚBLICOS ,26 0, , ,28 OUTROS DEVEDORES ,49 0, ,49 495,10 SUBSCRITORES DE CAPITAL 0,00 0,00 0,00 0, , , , ,47 DEPÓSITOS BANCÁRIOS E CAIXA: DEPÓSITOS BANCÁRIOS ,41 0, , ,36 CAIXA 0,00 0,00 0,00 0, ,41 0, , ,36 ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS: ACRÉSCIMOS DE PROVEITOS , , ,05 CUSTOS DIFERIDOS 0,00 0, , , , ,37 TOTAL DE AMORTIZAÇÕES ,67 TOTAL DE PROVISÕES ,52 TOTAL DO ACTIVO , , , ,12 18

20 Balanço Analítico CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO Vila Real e P.R. CAPITAL PRÓPRIO CAPITAL , ,00 RESERVAS , ,53 RESULTADOS TRANSITADOS , ,49 RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO , ,95 TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO , ,99 PASSIVO PROVISÕES PARA RISCOS E ENCARGOS: PROVISÕES PARA PENSÕES 0,00 0,00 PROVISÕES PARA IMPOSTOS 0,00 0,00 OUTRAS PROVISÕES PARA RISCOS E ENCARGOS ,96 0, ,96 0,00 DIVIDAS A TERCEIROS - MÉDIO E LONGO PRAZO FORNECEDORES DE IMOBILIZADO C/C 0,00 0,00 DÍVIDAS A INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO 0,00 0,00 0,00 0,00 DIVIDAS A TERCEIROS - CURTO PRAZO DÍVIDAS A INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO 0,00 0,00 FORNECEDORES, C/C , ,56 FORNECEDORES - FACTURAS EM RECEPÇÃO E CONFERÊNCIA 0,00 0,00 ADIANTAMENTO DE CLIENTES , ,24 FORNECEDORES DE IMOBILIZADO, C/C , ,05 ESTADO E OUTROS ENTES PÚBLICOS ,48 393,69 OUTROS CREDORES , , , ,40 ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS ACRÉSCIMOS DE CUSTOS , ,80 PROVEITOS DIFERIDOS , , , ,73 TOTAL DO PASSIVO , ,13 TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO , ,12 19

21 Sto António - Demonstração de Resultados Vila Real e P.R. Variação /2003 Proveitos Vendas 0 0 Prestações de Serviços % Proveitos Suplementares % Subsídios à exploração % Trabalhos para a própria instituição 0 0 Outros proveitos operacionais % Proveitos e Ganhos Financeiros % Proveitos e Ganhos Extraordinários % Total de Proveitos % Custos CMVMC % FSEs % Impostos % Custos com o pessoal % Outros custos operacionais % Amortizações do exercício % Provisões do exercício % Custos e perdas financeiras % Custos e perdas extraordinárias % IRC Total de Custos % Resultado Líquido

22 Sto António Balanço Analítico Vila Real e P.R ACTIVO ACTIVO BRUTO AMORTIZ. PROV. ACTIVO LÍQUIDO ACTIVO LÍQUIDO IMOBILIZADO: IMOBILIZAÇÕES INCORPÓREAS 0,00 0,00 0,00 0,00 IMOBILIZAÇÕES CORPÓREAS , , , , , , , ,73 CIRCULANTE: EXISTÊNCIAS MERCADORIAS ,89 0, , , ,89 0, , ,79 DÍVIDAS DE TERCEIROS - MÉDIO E LONGO PRAZO CLIENTES - ESTADO 0,00 0,00 0,00 0,00 CLIENTES DE COBRANÇA DUVIDOSA 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 DÍVIDAS DE TERCEIROS - CURTO PRAZO CLIENTES, C/C ,79 0, , ,17 CLIENTES DE COBRANÇA DUVIDOSA , ,77 0,00 0,00 ADIANTAMENTOS A FORNECEDORES 1.296,55 0, ,55 0,00 ESTADO E OUTROS ENTES PÚBLICOS ,24 0, , ,37 OUTROS DEVEDORES ,69 0, , ,53 SUBSCRITORES DE CAPITAL 0,00 0,00 0,00 0, , , , ,07 DEPÓSITOS BANCÁRIOS E CAIXA: DEPÓSITOS BANCÁRIOS ,32 0, , ,80 CAIXA 4.909,21 0, , , ,53 0, , ,66 ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS: ACRÉSCIMOS DE PROVEITOS , , ,50 CUSTOS DIFERIDOS , , , , , ,60 TOTAL DE AMORTIZAÇÕES ,13 TOTAL DE PROVISÕES ,77 TOTAL DO ACTIVO , , , ,85 21

23 Sto António Balanço Analítico CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO Vila Real e P.R. CAPITAL PRÓPRIO CAPITAL , ,00 RESERVAS , ,24 RESULTADOS TRANSITADOS , ,55 RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO , ,43 TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO , ,26 PASSIVO PROVISÕES PARA RISCOS E ENCARGOS: PROVISÕES PARA PENSÕES 0,00 0,00 PROVISÕES PARA IMPOSTOS 0,00 0,00 OUTRAS PROVISÕES PARA RISCOS E ENCARGOS , , , ,64 DIVIDAS A TERCEIROS - MÉDIO E LONGO PRAZO FORNECEDORES DE IMOBILIZADO C/C ,26 0,00 DÍVIDAS A INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO 0,00 0, ,26 0,00 DIVIDAS A TERCEIROS - CURTO PRAZO DÍVIDAS A INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO 0,00 0,00 FORNECEDORES, C/C , ,49 FORNECEDORES - FACTURAS EM RECEPÇÃO E CONFERÊNCIA 0,00 0,00 ADIANTAMENTO DE CLIENTES 0,00 0,00 FORNECEDORES DE IMOBILIZADO, C/C , ,94 ESTADO E OUTROS ENTES PÚBLICOS , ,51 OUTROS CREDORES , , , ,05 ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS ACRÉSCIMOS DE CUSTOS , ,28 PROVEITOS DIFERIDOS , , , ,90 TOTAL DO PASSIVO , ,59 TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO , ,85 22

24 Demonstração de Resultados Vila Real e P.R. Variação /2003 Proveitos Vendas % Prestações de Serviços % Proveitos Suplementares % Subsídios à exploração % Trabalhos para a própria instituição 0 Outros proveitos operacionais % Proveitos e Ganhos Financeiros % Proveitos e Ganhos Extraordinários % Total de Proveitos % Custos CMVMC % FSEs % Impostos 0 0 Custos com o pessoal % Outros custos operacionais % Amortizações do exercício % Provisões do exercício % Custos e perdas financeiras % Custos e perdas extraordinárias % IRC Total de Custos % Resultado Líquido

25 Balanço Analítico Vila Real e P.R ACTIVO ACTIVO BRUTO AMORTIZ. PROV. ACTIVO LÍQUIDO ACTIVO LÍQUIDO IMOBILIZADO: IMOBILIZAÇÕES INCORPÓREAS , , , ,75 IMOBILIZAÇÕES CORPÓREAS , , , , , , , ,68 CIRCULANTE: EXISTÊNCIAS MERCADORIAS ,85 0, , , ,85 0, , ,16 DÍVIDAS DE TERCEIROS - MÉDIO E LONGO PRAZO CLIENTES - ESTADO 0,00 0,00 0,00 0,00 CLIENTES DE COBRANÇA DUVIDOSA 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 DÍVIDAS DE TERCEIROS - CURTO PRAZO CLIENTES, C/C ,76 0, , ,98 CLIENTES DE COBRANÇA DUVIDOSA , , , ,82 ADIANTAMENTOS A FORNECEDORES ,37 0, ,37 0,00 ESTADO E OUTROS ENTES PÚBLICOS ,08 0, , ,54 OUTROS DEVEDORES ,41 0, , ,91 SUBSCRITORES DE CAPITAL 0,00 0,00 0,00 0, , , , ,25 DEPÓSITOS BANCÁRIOS E CAIXA: DEPÓSITOS BANCÁRIOS ,41 0, , ,58 CAIXA ,09 0, , , ,50 0, , ,56 ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS: ACRÉSCIMOS DE PROVEITOS , , ,19 CUSTOS DIFERIDOS 0,00 0,00 0, , , ,19 TOTAL DE AMORTIZAÇÕES ,55 TOTAL DE PROVISÕES ,04 TOTAL DO ACTIVO , , , ,84 24

26 Balanço Analítico CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO Vila Real e P.R. CAPITAL PRÓPRIO CAPITAL , ,00 RESERVAS , ,34 RESULTADOS TRANSITADOS , ,22 RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO , ,28 TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO , ,40 PASSIVO PROVISÕES PARA RISCOS E ENCARGOS: PROVISÕES PARA PENSÕES 0,00 0,00 PROVISÕES PARA IMPOSTOS 0,00 0,00 OUTRAS PROVISÕES PARA RISCOS E ENCARGOS ,06 0, ,06 0,00 DIVIDAS A TERCEIROS - MÉDIO E LONGO PRAZO FORNECEDORES DE IMOBILIZADO C/C 0,00 0,00 DÍVIDAS A INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO 0,00 0,00 0,00 0,00 DIVIDAS A TERCEIROS - CURTO PRAZO DÍVIDAS A INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO 0,00 0,00 FORNECEDORES, C/C , ,35 FORNECEDORES - FACTURAS EM RECEPÇÃO E CONFERÊNCIA 0,00 0,00 ADIANTAMENTO DE CLIENTES , ,69 FORNECEDORES DE IMOBILIZADO, C/C , ,36 ESTADO E OUTROS ENTES PÚBLICOS 5.014, ,55 OUTROS CREDORES , , , ,34 ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS ACRÉSCIMOS DE CUSTOS , ,45 PROVEITOS DIFERIDOS , , , ,10 TOTAL DO PASSIVO , ,44 TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO , ,84 25

27 Demonstração de Resultados Vila Real e P.R. Variação /2003 Proveitos Vendas % Prestações de Serviços % Proveitos Suplementares % Subsídios à exploração % Trabalhos para a própria instituição 0 0 Outros proveitos operacionais % Proveitos e Ganhos Financeiros % Proveitos e Ganhos Extraordinários % Total de Proveitos % Custos CMVMC % FSEs % Impostos 0 0 Custos com o pessoal % Outros custos operacionais % Amortizações do exercício % Provisões do exercício % Custos e perdas financeiras % Custos e perdas extraordinárias % IRC Total de Custos % Resultado Líquido

28 Balanço Analítico Vila Real e P.R ACTIVO ACTIVO BRUTO AMORTIZ. PROV. ACTIVO LÍQUIDO ACTIVO LÍQUIDO IMOBILIZADO: IMOBILIZAÇÕES INCORPÓREAS , , ,66 0,00 IMOBILIZAÇÕES CORPÓREAS , , , , , , , ,65 CIRCULANTE: EXISTÊNCIAS MERCADORIAS , , , , , , , ,90 DÍVIDAS DE TERCEIROS - MÉDIO E LONGO PRAZO CLIENTES - ESTADO 0,00 0,00 0,00 0,00 CLIENTES DE COBRANÇA DUVIDOSA 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 DÍVIDAS DE TERCEIROS - CURTO PRAZO CLIENTES, C/C , , , ,57 CLIENTES DE COBRANÇA DUVIDOSA 1.594,00 0, , ,36 ADIANTAMENTOS A FORNECEDORES 385,05 0,00 385, ,11 ESTADO E OUTROS ENTES PÚBLICOS ,21 0, ,21 0,00 OUTROS DEVEDORES ,19 0, , ,40 SUBSCRITORES DE CAPITAL 0,00 0,00 0,00 0, , , , ,44 DEPÓSITOS BANCÁRIOS E CAIXA: DEPÓSITOS BANCÁRIOS ,78 0, , ,79 CAIXA 350,00 0,00 350,00 156, ,78 0, , ,34 ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS: ACRÉSCIMOS DE PROVEITOS , , ,67 CUSTOS DIFERIDOS 0,00 0,00 0, , , ,67 TOTAL DE AMORTIZAÇÕES ,14 TOTAL DE PROVISÕES ,86 TOTAL DO ACTIVO , , , ,00 27

29 Balanço Analítico CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO Vila Real e P.R. CAPITAL PRÓPRIO CAPITAL , ,00 RESERVAS , ,80 RESULTADOS TRANSITADOS , ,40 RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO , ,92 TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO , ,32 PASSIVO PROVISÕES PARA RISCOS E ENCARGOS: PROVISÕES PARA PENSÕES 0,00 0,00 PROVISÕES PARA IMPOSTOS 0,00 0,00 OUTRAS PROVISÕES PARA RISCOS E ENCARGOS 0,00 0,00 0,00 0,00 DIVIDAS A TERCEIROS - MÉDIO E LONGO PRAZO FORNECEDORES DE IMOBILIZADO C/C 0,00 0,00 DÍVIDAS A INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO 0,00 0,00 0,00 0,00 DIVIDAS A TERCEIROS - CURTO PRAZO DÍVIDAS A INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO 0,00 0,00 FORNECEDORES, C/C , ,52 FORNECEDORES - FACTURAS EM RECEPÇÃO E CONFERÊNCIA 0,00 0,00 ADIANTAMENTO DE CLIENTES , ,73 FORNECEDORES DE IMOBILIZADO, C/C , ,94 ESTADO E OUTROS ENTES PÚBLICOS , ,00 OUTROS CREDORES , , , ,30 ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS ACRÉSCIMOS DE CUSTOS , ,88 PROVEITOS DIFERIDOS , , , ,38 TOTAL DO PASSIVO , ,68 TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO , ,00 28

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Polis Litoral Ria Aveiro das ACTIVO BALANÇO ANALÍTICO Dezembro 09 Dezembro 08 ACTIVO BRUTO AMORT. E AJUST. ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO IMOBILIZADO Imobilizações Incorpóreas

Leia mais

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Imobilizado ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Capital Próprio Imobilizações Incorpóreas 0,00 Capital 49.879,79 49.879,79 0,00 Imobilizações

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde

Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde ! " # $ % & '(# ) * + (, -& -*.- & - (+ * - ) /////////////////////////////////////////////////////////////////////// 01.")

Leia mais

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012 Balanço - Activo Dados atuais 23.04.2014 13:48:11 Organismo: 1012 ADSE Página: 1 Exercício:2013 Emissão:23.04.2014 13:48:17 Balanço - Activo Activo Imobilizado Bens de domínio público: 451 Terrenos e recursos

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 Imobilizado: Bens de domínio público 451 Terrenos e recursos naturais 1.437.193,54 1.437.193,54 1.424.390,02 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

I B 1:) CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS. Introdução

I B 1:) CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS. Introdução Relatório e Contas do Exercício de 2013 10, I B 1:) Te[: +351 217 990 420 Av. da República, 50-1Q Fax: +351 217990439 1069-211 Lisboa www. bdo. pt CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS Introdução 1. Examinámos

Leia mais

Anexo à Instrução 11/96

Anexo à Instrução 11/96 Anexo à Instrução 11/96 SOCIEDADES CORRETORAS Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL 12 - DISPONIBILIDADES SOBRE

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Balanço IMOBILIZADO: ACTIVO BALANÇO ANALITICO E X E R C I C I O S ACTIVO BRUTO AMORT / PROV ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO Imobilizações Incorpóreas: 431 Despesas de Instalação

Leia mais

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Conheça os significados dos principais termos técnicos utilizados na IGNIOS no âmbito dos: DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Criação de Valor Valor criado pela empresa num período temporal (fonte: Demonstração

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B LEC11 CONTABILIDADE II CAPÍTULO IV CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS COMENTÁRIOS À RESOLUÇÃO DO EXERCÍCIO 1 Lançamento nº 1 - Eliminação de saldos entre empresas do grupo As empresas do Grupo efectuaram operações

Leia mais

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório de gestão do ano de 2015 1 RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório Fim de Atividade e Contas 2015 ÍNDICE Pág. 1. Introdução 3 2. Recursos Humanos 5 3. Análise Económica e Financeira

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2012 1 - Actividade 1.1 Breve descrição das actividades da empresa ÍNDICE 2 - Bases de preparação das demonstrações financeiras e derrogações 2.1 Bases de apresentação

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

João Carvalho das Neves

João Carvalho das Neves ANÁLISE FINANCEIRA João Carvalho das Neves Professor Associado e Director do MBA - ISEG Sócio ROC Neves, Azevedo Rodrigues e Batalha, SROC 1 Análise dos fluxos de caixa 52 1 Análise dos fluxos de caixa

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados 1. Relativo às contas individuais do exercício de dois mil e sete, do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público

Leia mais

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo CASA DO POVO DA ALAGOA Demonstrações Financeiras e Anexo em 31 de Dezembro de 2014 BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 RUBRICAS ACTIVO Euros DATAS 31-12-2014 31-12-2013 Activo não corrente Activos fixos

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos...

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 2012 ORÇAMENTO Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 11 1 Orçamento 2012 1. Enquadramento 1.1. Objectivos O presente

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento...

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 2012 Orçamento Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 8 1 Plano Estratégico 2011-2013 1. Enquadramento O presente documento

Leia mais

AJUSTAMENTOS REFERENTES A 2007 E 2008 A REPERCUTIR NAS TARIFAS DE 2009

AJUSTAMENTOS REFERENTES A 2007 E 2008 A REPERCUTIR NAS TARIFAS DE 2009 AJUSTAMENTOS REFERENTES A 2007 E 2008 A REPERCUTIR NAS TARIFAS DE 2009 Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00

Leia mais

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade. INTERPRETAÇÃO DAS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2011 Nota Introdutória: A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011 BALANÇO INDIVIDUAL ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 5 52.063,72 63.250,06 Propriedades de investimento... Goodwill... Activos intangíveis. Activos biológicos.. Participações financeiras

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PLANO FINANCEIRO VÍTOR GONÇALVES PROJECTO-EMPREENDEDORISMO ESCS_AULA_4 SLIDE 1

EMPREENDEDORISMO PLANO FINANCEIRO VÍTOR GONÇALVES PROJECTO-EMPREENDEDORISMO ESCS_AULA_4 SLIDE 1 EMPREENDEDORISMO PLANO FINANCEIRO SLIDE 1 Sistemas de Informação na Gestão CONTABILIDADE FINANCEIRA Os sistemas de informação fornecem um conjunto de dados sobre a empresa, que se destina essencialmente

Leia mais

D&B Relatório de Negócios

D&B Relatório de Negócios D&B Relatório de Negócios Relatório Visualizado 10 Out 2007 Sua Referência V/ PEDIDO Identificação & Sumário HELDER & PEDRO SOUSA, LDA Avaliação de Risco Indicador de Risco 1 2 3 4 - Capacidade Financeira

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Exercício 2010 NOTA INTRODUTÓRIA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO é uma instituição de utilidade pública, sem fins lucrativos, com sede em Lisboa na Rua Luís Derouet

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2014. Reunião de Câmara Municipal de 12/06/2015

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2014. Reunião de Câmara Municipal de 12/06/2015 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2014 Reunião de Câmara Municipal de 12/06/2015 Sessão da Assembleia Municipal de 22/06/2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 5 2. PERÍMETRO DE CONSOLIDAÇÃO... 6 3. MÉTODO DE CONSOLIDAÇÃO...

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO

CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014 Índice Balanço... 3 Demonstração dos Resultados por Naturezas... 4 Demonstração dos Fluxos de Caixa...

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Valores a receber e a pagar, Acréscimos e Diferimentos e Provisões Valores a receber e a pagar, Acréscimos e Diferimentos e Provisões Contas a receber e a pagar Acréscimos

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA I LICENCIATURA EM INFORMÁTICA E GESTÃO DE EMPRESAS CAPÍTULO 3 ANÁLISE DA INFORMAÇÃO FINANCEIRA

GESTÃO FINANCEIRA I LICENCIATURA EM INFORMÁTICA E GESTÃO DE EMPRESAS CAPÍTULO 3 ANÁLISE DA INFORMAÇÃO FINANCEIRA GESTÃO FINANCEIRA I LICENCIATURA EM INFORMÁTICA E GESTÃO DE EMPRESAS CAPÍTULO 3 ANÁLISE DA INFORMAÇÃO FINANCEIRA 1) Estime o valor médio do Fundo de Maneio Necessário para uma empresa cuja actividade é

Leia mais

MAPAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANALÍTICA EXERCICIOS 2009 2008. Custos e perdas

MAPAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANALÍTICA EXERCICIOS 2009 2008. Custos e perdas MAPAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANALÍTICA Contas POC Descricao Custos e perdas EXERCICIOS 2009 2008 Custo mercadorias vendidas mater.consu 611+612 Mercadorias 62,08 31,56 616a619 Materias 62,08

Leia mais

Interhotel Sociedade Internacional de Hotéis, S.A.

Interhotel Sociedade Internacional de Hotéis, S.A. Interhotel Sociedade Internacional de Hotéis, S.A. Sociedade Aberta Rua Misericórdia, 12 a 20, Piso 3, Esc. 7 1200-273 Lisboa Capital Social: 34.719.990,86 Euros Registada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

Município de Mesão Frio

Município de Mesão Frio Relatório Anual 2014 Execução do Plano de Saneamento Financeiro (n.º7, do artigo 40.º, da Lei das Finanças Locais) ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 3 2 EMPRÉSTIMO A MÉDIO E LONGO PRAZO 4 3 ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA

Leia mais

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira Relatório de Gestão INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA Audite Exercício de 2014 11-03-2015 Linda-a Velha, 11 de Março de 2015 Estimado cliente, O presente relatório pretende dar-lhe um flash da

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do exercício de 2014 (não

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

1192 Diário da República, 1. a série N. o 34 16 de Fevereiro de 2007 MINISTÉRIOS DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

1192 Diário da República, 1. a série N. o 34 16 de Fevereiro de 2007 MINISTÉRIOS DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO 9 Diário da República a série N o 34 6 de Fevereiro de 007 MINISTÉRIOS DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Portaria n o 07/007 de 6 de Fevereiro O Decreto-Lei n o 550/99 de 5 de Dezembro

Leia mais

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO Título do projecto: Nome do responsável: Contacto telefónico Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características inovadoras (Descreva

Leia mais

Contabilidade Geral I

Contabilidade Geral I Contabilidade Geral I Licenciatura(s) : GESTÃO; MAEG; FINANÇAS Ano/semestre/regime : 1º ano/2º semestre/tempo integral (Gestão) (recomendado) : 3º ano/1º semestre/tempo integral (MAEG) : 2º ano/1º semestre/tempo

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Demonstração de Fluxos de Caixa

GESTÃO FINANCEIRA. Demonstração de Fluxos de Caixa GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO VIII Objectivo Comparação com a Demonstração de Resultados Métodos de Cálculo Rácios baseados nos fluxos de caixa Documento que mostra a variação das disponibilidades entre dois

Leia mais

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas C O M P I L A Ç Ã O D E M A T E R I A I S Conteúdo programático Código das contas Meios Financeiros Líquidos Contas a receber e a pagar

Leia mais

!"#!$%& '(!)*+,*!-!.& / ##0*+(#0*+1#0*& 2 *-!)$%3!4!'!& 5 %0'#3!3& 6!%-!'4! 0-!*-!!#!'!& #$!#! *!& / *-!)*-!!*& /1 " / 89 /'*!(!):* / 0**;0%!

!#!$%& '(!)*+,*!-!.& / ##0*+(#0*+1#0*& 2 *-!)$%3!4!'!& 5 %0'#3!3& 6!%-!'4! 0-!*-!!#!'!& #$!#! *!& / *-!)*-!!*& /1  / 89 /'*!(!):* / 0**;0%! !"#!$% '(!)*+,*!-!. / ##0*+(#0*+1#0* 2 *-!)$%3!4!'! 5 %0'#3!3 6!%-!'4! 0-!*-!!#!'! 7 '3-#!*03 #$!#! *! / *-!)*-!!* /1 " / 89 /'*!(!):* / 0**;0%!'* //*#$0(=!)>? @7" ! " # $! % " ' "

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística Sistema de Normalização Contabilística A MUDANÇA PARA UM NOVO AMBIENTE CONTABILISTICO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO 2009 1 Sistema de Normalização Contabilística Trata-se de uma mudança de grande

Leia mais

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES... 1 CLASSE 2 - TERCEIROS*... 2 CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS*... 4 CLASSE 4 - IMOBILIZAÇÕES*... 5 CLASSE 5 - CAPITAL, RESERVAS E RESULTADOS TRANSITADOS...

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2014 Identificação da Declaração: Data da recepção: 29/06/2015 1. Identificação da Instituição Nome: ASSOCIAÇÃO SOCIAL CULTURAL ESPIRITUALISTA Morada:

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 1 ANÁLISE DO BALANÇO O Balanço e o Sistema Contabilístico adequam-se ao previsto no Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), espelhando a situação

Leia mais

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 índice Índice (numeração conforme a indicação no POCAL) índice... 2 5 - Balanço... 3 6 Demonstração de Resultados... 9 7 Mapas de Execução Orçamental...

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

RESOLUÇÃO EXAME CONTABILIDADE FINANCEIRA I

RESOLUÇÃO EXAME CONTABILIDADE FINANCEIRA I RESOLUÇÃO EXAME CONTABILIDADE FINANCEIRA I 1 1 Elaboração da Reconciliação Bancária (Anexo I) Reconciliação Bancária 3112N Saldo da Empresa 4.102,50 Saldo do Banco 4.102,50 2911N Emp. Bancário C/Prazo

Leia mais

Auditoria Tribunal de Contas

Auditoria Tribunal de Contas Auditoria Tribunal de Contas Situação económico Financeira do SNS 2006 www.acss.min-saude.pt Lisboa, 26 de Novembro de 2007 Auditoria Tribunal de contas nota prévia O Relatório do Tribunal de Contas (RTC)

Leia mais

MUNICÍPIO DE VISEU. Prestação de Contas Consolidadas 31 de Dezembro de 2013

MUNICÍPIO DE VISEU. Prestação de Contas Consolidadas 31 de Dezembro de 2013 MUNICÍPIO DE VISEU Prestação de Contas Consolidadas 31 de Dezembro de 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO O Município de Viseu apresenta as demonstrações financeiras consolidadas,

Leia mais

1 - Identificação da entidade

1 - Identificação da entidade ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2014 ATAS Apartamentos Turísticos Amorim Santos, Lda 1 - Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade: Apartamentos Turísticos Amorim

Leia mais

1. Do Plano Plurianual de Investimentos. 1.1.- Introdução

1. Do Plano Plurianual de Investimentos. 1.1.- Introdução Página 1 de 16 1. Do Plano Plurianual de Investimentos 1.1.- Introdução Pretende-se com o presente relatório complementar os documentos que constituem a Conta de Gerência relativa ao ano de 2006, elaborada

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 NOTA INTRODUTÓRIA A RUMO 2020, E.M. é uma empresa pública de âmbito municipal constituída em 16 de Outubro de 2006. Tem a sua

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA Pág. 1 Índice 1. BALANCETE... 3 2. BALANÇO... 5 3. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS... 10 4. RESUMO... 12 Pág. 2 1. BALANCETE O balancete é um documento contabilístico

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 VIZELA Câmara Municipal VIZELA INDÍCE MENSAGEM DO PRESIDENTE 1 BALANÇO (PONTO 5 DO POCAL) - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC.

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC. 1 ANEXO III - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 MODELOS E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS SÃO AS EXTRAÍDAS DOS LIVROS, REGISTROS E

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Empresa: COFINA, SGPS, S.A. Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 Período de referência: Valores em Euros 1º Trimestre 3º Trimestre

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO MUNICÍPIO DO PORTO SANTO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO EXERCÍCIO DO ANO 2011 INTRODUÇÃO A crescente utilização pelos municípios de formas organizacionais de diversa natureza (nomeadamente empresarial),

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

Relatório Trimestral 1º Trimestre 2008 (1/Jan a 31/Mar) 1º Trimestre 2008

Relatório Trimestral 1º Trimestre 2008 (1/Jan a 31/Mar) 1º Trimestre 2008 Relatório Trimestral 1º Trimestre 2008 (1/Jan a 31/Mar) 1º Trimestre 2008 O presente relatório analisa a actividade desenvolvida pelo OPART no primeiro trimestre de 2008 e enquadrada na temporada 2007/08.

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

Financiamento. Financiamento

Financiamento. Financiamento É preciso ter em conta o valor de: Imobilizações corpóreas Imobilizações incorpóreas Juros durante a fase de investimento Capital circulante permanente 1 O capital circulante tem que financiar o ciclo

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS A RENDIBILIDADE EXERCÍCIOS PARA AS AULAS

INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS A RENDIBILIDADE EXERCÍCIOS PARA AS AULAS INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS A RENDIBILIDADE EXERCÍCIOS PARA AS AULAS 2006. António Gomes Mota, Clementina Barroso, Helena Soares e Luís Laureano. (1. INTRODUÇÃO) 1. Com base na Demonstração dos Resultados de

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2011 Identificação da Declaração: Data da recepção: 27/06/2012 1. Identificação da Instituição Nome: AMU - COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE LUSÓFONA POR UM MUNDO

Leia mais

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL Balanço e Demonstração de Resultados Data 26-6-215 SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º, 125-44 LISBOA TEL.: 213 5 3 FAX: 214 276 41 ana.figueiredo@ama.pt

Leia mais

6 RELATÓRIO E CONTAS 2012 7 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Nº Mulheres 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 N = 53 Masculino Feminino 29 A SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA ANOS PROCURA INTERNA 1 EXPORTAÇÕES (FOB)

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO V Objectivo Análise do Risco Operacional e Financeiro Grau de Alavanca Operacional Grau de Alavanca Financeiro Grau de Alavanca Combinado O Efeito Alavanca Financeiro RISCO E ANÁLISE

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2012 ÍNDICE 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 3 2. PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS 2012-2014... 6 3. PLANO DE GESTÃO PREVISIONAL 2012... 7 3.1. PLANO DE TESOURARIA... 8 3.2.

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais