MUNICÍPIO DE VISEU. Prestação de Contas Consolidadas 31 de Dezembro de 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MUNICÍPIO DE VISEU. Prestação de Contas Consolidadas 31 de Dezembro de 2013"

Transcrição

1 MUNICÍPIO DE VISEU Prestação de Contas Consolidadas 31 de Dezembro de 2013

2 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO

3 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO O Município de Viseu apresenta as demonstrações financeiras consolidadas, de acordo com o Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais, relativas ao de 2013, reportado a 31 de Dezembro. As demonstrações financeiras consolidadas do grupo municipal foram efectuadas, pela primeira vez, segundo as normas previstas na Lei n.º 73/2013, de 3 de Setembro, que estabelece um conjunto de princípios que devem estar subjacentes à consolidação de contas. Os procedimentos, métodos e documentos contabilísticos para a consolidação dos municípios são os definidos na Portaria n.º 474/2010, de 15 de Junho, através da qual é aprovada a orientação n.º1/2010. A adopção da referida Lei tem um impacto significativo nas contas consolidadas do Grupo Municipal, dado que alarga o perímetro de consolidação para entidades cujo controlo não é detida a 100% pela Município de Viseu. No anexo às demonstrações financeiras consolidadas encontram-se discriminadas as entidades consolidantes, bem como o método de consolidação utilizado. PERÍMETRO DE CONSOLIDAÇÃO O Grupo Municipal é constituído pelas seguintes entidades: Denominação Município de Viseu Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Viseu Habisolvis Empresa Municipal de Habitação Social de Viseu, EM Viseu Novo - Sociedade de Reabilitação Urbana de Viseu, S.A. Expovis Promoção e Eventos, Lda. Viseupolis,Soc. Desenvolvimento do Programa Polis em Viseu, S.A. GestinViseu Parques Empresariais de Viseu, S.A. Sede Praça da República Viseu Rua Conselheiro Afonso de Melo VISEU Rua João Mendes nº 51, R/C Esq Viseu Casa do Miradouro - Largo António José Pereira Viseu Espaço Multiusos Rua Padre Costa Viseu Rua de Andrade, Solar dos Condes de Prime Viseu Zona Industrial Coimbrões Edif. Expobeiras - loja VISEU Percentagem de Capital Detido Empresa Mãe Agregação a 100% Método de consolidação Simples agregação 100,00% Integral 55,00% Integral 51,00% Integral 40,00% Integral 32,41% Equivalência Patrimonial

4 ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA De seguida apresenta-se a contribuição e respectivo peso de cada uma das empresas do Grupo, no Balanço consolidado: Município de Viseu SMAS Viseu Habisolvis Viseu Novo Expovis Viseupolis Total Ajustamentos Total Consolidado Activo fixo Activo circulante Total do Activo Peso no Total 65% 20% 0% 0% 0% 14% 100% Património Líquido Provisões Passivo de médio/longo prazo Passivo de curto prazo Acréscimos e diferimentos Total do Passivo Peso no Total 65% 20% 0% 0% 0% 14% 100% Como se pode verificar, as Contas individuais do Município de Viseu são responsáveis por cerca de 65% do activo e passivo do Grupo Municipal, que juntamente com os SMAS Viseu, com 20% e a Viseupolis, com 14%, perfazem a quase totalidade do activo. As restantes empresas do grupo têm um impacto pouco significativo no Balanço Consolidado. Em termos comparativos com as Contas Consolidadas de 2012, a alteração do perímetro de consolidação teve um impacto significativo no Total do Activo, tendo sofrido um aumento de quase 17% Variação 2012 Activo fixo Activo circulante Total do Activo Património Líquido Provisões Passivo de médio/longo prazo Passivo de curto prazo Acréscimos e diferimentos Total do Passivo Este aumento é essencialmente explicado pela integração da empresa Viseupolis, com um activo líquido de cerca de 51 milhões de euros.

5 O desempenho financeiro durante o de 2013 das entidades integradas no perímetro de consolidado foi o seguinte: Município de Viseu SMAS Viseu Habisolvis Viseu Novo Expovis Viseupolis Total Ajustamentos Total Consolidado CMVMC FSE + Pessoal Transf. e subsídios Amortizações e Provisões Outros Custos e Perdas Custos e perdas financeiras Custos e perdas extraordinárias Total dos Custos Peso no Total 76% 17% 0% 4% 2% 0% 100% Vendas e prestações de serviços Impostos e taxas Variação da produção Trabalhos para a própria entidade Proveitos suplementares Transf. e subsídios Outros proveitos e ganhos Proveitos e ganhos financeiros Prov. e ganhos extraordinários Total dos Proveitos Peso no Total 76% 18% 0% 3% 2% 0% 100% Resultado Líquido do Exercício Peso no Total 82% 35% 0% -11% -6% 0% 100% Como se pode verificar, as Contas individuais do Município de Viseu são responsáveis por cerca de 76% dos custos e proveitos e 82% do Resultado líquido do. Os SMAS de Viseu representam 17% dos custos do Grupo e 18% dos Proveitos, mas o seu peso no Resultado líquido do consolidado é de 35%. É de realçar no entanto que nas contas individuais do SMAS encontram-se registados proveitos que são anulados para efeitos do consolidado, dado que são referentes a transferências do Município de Viseu (cerca de 2,2 milhões de euros).

6 Em termos comparativos com as Contas Consolidadas de 2012, verificamos no quadro seguinte que o Resultado líquido consolidado reduziu cerca de 8 milhões de euros, sendo que as rubricas de FSE, Custos com o Pessoal e Custos e perdas extraordinárias tiveram aumentos significativos. Estes aumentos decorreram da normal actividade das empresas do Grupo e não consequência do aumento do perímetro de consolidação Variação 2012 CMVMC FSE + Pessoal Transf. e subsídios Amortizações e Provisões Outros Custos e Perdas Custos e perdas financeiras Custos e perdas extraordinárias Total dos Custos Vendas e prestações de serviços Impostos e taxas Variação da produção Trabalhos para a própria entidade Proveitos suplementares Transf. e subsídios Outros proveitos e ganhos Proveitos e ganhos financeiros Prov. e ganhos extraordinários Total dos Proveitos Resultado Líquido do Exercício

7 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

8 BALANÇO CONSOLIDADO Exercícios Código das Contas ACTIVO POCAL AB AP AL AL Bens de Domínio Público 451 Terrenos e recursos naturais Edifícios Outras construções e infra-estruturas Bens do património histórico, artístico e cultural Outros bens de domínio público Imobilizações em curso Adiantamentos por conta de bens de domínio público Imobilizações incorpóreas 431 Despesas de instalação Despesas de investigação e desenvolvimento Propriedade industrial e outros direitos Imobilizações em curso Adiantamentos por conta de imobilizações incorpóreas Imobilizações Corpóreas 421 Terrenos e recursos naturais Edifícios e outras construções Equipamento básico Equipamento de transporte Ferramentas e utensílios Equipamento administrativo Taras e vasilhame Outras imobilizações corpóreas Imobilizações em curso Adiantamentos por conta de imobilizações corpóreas Investimentos Financeiros 411 Partes de capital Obrigações e títulos de participação Investimentos em imóveis Existências 36 Matérias-primas, subsidiárias e de consumo Mercadorias Dívidas de terceiros - Curto prazo 28 Empréstimos concedidos Clientes, c/c Contribuintes, c/c Utentes, c/c Clientes, contribuintes e utentes de cobrança duvidosa Adiantamentos a fornecedores Estado e outros entes públicos Administração autárquica Outros devedores Depósitos em instituições financeiras e caixa 12 Depósitos em instituições financeiras Caixa Acréscimos e diferimentos 271 Acréscimos de proveitos Custos diferidos TOTAL DO ACTIVO

9 Código das Contas POCAL CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO Fundos Próprios 51 Património Reservas legais Reservas livres Subsídios Doações Resultados transitados Resultado líquido do período Capital próprio atribuível ao grupo Interesses minoritários Total do capital próprio Passivo 292 Provisões para riscos e encargos Dívidas a terceiros - Médio e longo prazo (a) 2312 Dívidas a instituições de crédito Administração Autarquica Dívidas a fornecedores de imobilizado Outros Credores Dívidas a terceiros - Curto prazo 2311 Empréstimos de curto prazo Adiantamentos por conta de vendas Fornecedores, c/c Fornecedores - Facturas em recepção e conferência Credores pela execução do orçamento Clientes e utentes c/ cauções Adiantamentos de clientes, contribuintes e utentes Fornecedores de imobilizado, c/c Estado e outros entes públicos Administração autárquica Outros credores Fornecedores Vendas a dinheiro Fornecedores de Imobilizado - Outros Fornecedores de Imobilizado - Fact. em recepção e conferência Acréscimos e diferimentos 273 Acréscimos de custos Proveitos diferidos TOTAL DO PASSIVO TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO

10 DEMONSTRAÇÃO CONSOLIDADA DOS RESULTADOS POR NATUREZA Código das Contas POCAL RENDIMENTOS E GASTOS Custos e Perdas Custos das mercadorias vendidas e das matérias consumidas: Mercadorias Matérias Fornecimentos e serviços externos Custos com o pessoal: Remunerações a 648 Encargos sociais Transf. e subsídios correntes concedidos e prestações sociais Amortizações do Provisões do Outros custos e perdas operacionais (A) Custos e perdas financeiras (C) Custos e perdas extraordinárias (E) Resultado líquido do Atribuível ao Grupo Público Atribuível a interesses não controlados pelo Grupo Proveitos e Ganhos Vendas e prestações de serviços: 7111 Vendas de mercadorias Vendas de produtos Prestações de serviços Venda de bens diversos Impostos e taxas Variação da produção Trabalhos para a própria entidade Proveitos suplementares Transferências e subsídios obtidos Outros proveitos e ganhos operacionais (B) Proveitos e ganhos financeiros (D) Proveitos e ganhos extraordinários (F) Resumo: Resultados operacionais: (B) - (A) Resultados financeiros: (D - B) - (C - A) Resultados correntes: (D) - (C) Resultados líquido do : (F) - (E)

11 MAPA DE FLUXOS DE CAIXA CONSOLIDADOS DE OPERAÇÕES ORÇAMENTAIS Recebimentos Saldo da Gerência Anterior Execução Orçamental Operações de Tesouraria Total das Receitas Orçamentais Receitas Correntes Receitas Capital Receitas Outras Operações de Tesouraria Pagamentos Total Total das Despesas Orçamentais Despesas Correntes Despesas Capital Operações de Tesouraria Saldo para a Gerência Seguinte Execução Orçamental Operações de Tesouraria Total Provisões Outras aplicações Financeiras Balanço Consolidado

12 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS O Município de Viseu apresenta as demonstrações financeiras consolidadas, de acordo com o Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais, relativas ao de 2013, reportado a 31 de Dezembro. As demonstrações financeiras consolidadas do grupo municipal foram efectuadas segundo as normas previstas na Lei n.º 73/2013, de 3 de Setembro, que estabelece um conjunto de princípios que devem estar subjacentes à consolidação de contas. Os procedimentos, métodos e documentos contabilísticos para a consolidação dos municípios são os definidos na Portaria n.º 474/2010, de 15 de Junho, através da qual é aprovada a orientação n.º1/2010. No que se refere ao Perímetro de Consolidação, o Grupo Autárquico é composto pelo Município de Viseu, os Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Viseu e as entidades controladas, de forma directa ou indirecta. De acordo com a Lei nº 73/2013, de 3 de Setembro, considera-se que o controlo corresponde ao poder de gerir as políticas financeiras e operacionais de uma outra entidade a fim de beneficiar das suas actividades. As demonstrações financeiras consolidadas do Munícipio de Viseu de 2013 adoptam pela primeira vez o conjunto de princípios definidos na Lei n.º 73/ Informações relativas às entidades incluídas no perímetro de consolidação e a outras entidades participadas 1.1. Entidades incluídas no perímetro de consolidação As empresas do Grupo incluídas na consolidação pelo método integral ou simples agregação são as seguintes: Denominação Sede Percentagem de Capital Detido Município de Viseu Praça da República Empresa Mãe Viseu Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Viseu Rua Conselheiro Afonso de Melo Agregação a 100% VISEU Habisolvis Empresa Municipal de Rua João Mendes nº 51, R/C 100,00% Habitação Social de Viseu, EM Esq Viseu Viseu Novo - Sociedade de Reabilitação Casa do Miradouro - Largo 55,00% Urbana de Viseu, S.A. António José Pereira Viseu Expovis Promoção e Eventos, Lda. Espaço Multiusos Rua 51,00% Padre Costa Viseu Viseupolis,Soc. Desenvolvimento do Rua de Andrade, Solar dos 40,00%

13 Programa Polis em Viseu, S.A. (1) Condes de Prime Viseu (1) Foi decidido incluir no perímetro de consolidação, através do método de consolidação integral, a participação na Viseupolis, dado que o Município de Viseu detém o controlo da sociedade e dos seus activos. Adicionalmente e tendo consideração o exposto no contrato do Programa Polis, prevê-se a passagem de todos os activos da empresa Viseupolis, aquando da sua liquidação, para o Município de Viseu. O passivo será absorvido por cada um dos accionistas de acordo com a sua participação Entidades incluídas na consolidação pelo método de equivalência patrimonial As empresas incluídas na consolidação pelo método de equivalência patrimonial são as seguintes: Denominação GestinViseu Parques Empresariais de Viseu, S.A. Sede Zona Industrial Coimbrões Edif. Expobeiras - loja VISEU Percentagem de Capital Detido 32,41% 1.3. Entidades excluídas da consolidação As empresas excluídas da consolidação são as seguintes: Denominação Sede Percentagem de Capital Detido Clube Académico de Futebol (1) Não disponível 26,67% MUNICÍPIA Empresa de Cartografia e Taguspark - Edificio Ciencia Ii 2,16% Sistemas de Informação, E.M., S.A - N 11-3 Piso B Porto Salvo WRC Web para a Região Centro, Curia Tecnoparque 2,06% Agência de Desenvolv. Regional, S.A Mateviseu - Matadouro Regional de Viseu S.A Beiragás - Companhia de Gás das Beiras, SA Tamengos Parque Leilão de Gado São João de Lourosa VISEU Urbanização Quinta do Bosque, Lts 147/ VISEU 1,00% 0,04% (1) A participação no Clube Académico de Futebol consta do património do Município de Viseu, apesar de a entidade ter sido declarada insolvente, dado que a insolvência ainda não foi concretizada.

14 1.4. Número médio de trabalhadores durante o Colaboradores Dirigentes intermédios 13 Técnico Superiores 88 Técnico Superiores Informática 9 Assistentes Técnicos 156 Assistentes Operacionais 623 Bombeiros 38 Polícia Municipal 11 Outros Imagem verdadeira e apropriada 2.1. Descrição dos casos em que a aplicação das normas de consolidação não seja suficiente para que as demonstrações financeiras consolidadas dêem uma imagem verdadeira e apropriada da posição financeira e dos resultados do conjunto das entidades incluídas na consolidação. Não aplicável Identificação das situações relacionadas com o afastamento da aplicação das normas de consolidação, efectuadas para se obter a necessária imagem verdadeira e apropriada, com indicação das respectivas razões e dos seus efeitos no Balanço e na Demonstração de Resultados consolidados. Não aplicável Indicação das alterações ocorridas, no decurso do, na composição do conjunto das entidades incluídas no perímetro de consolidação, com fundamentação do facto de se tratar ou não de uma alteração significativa. Não aplicável. 3. Informações de procedimentos de consolidação Para garantir uma uniformização da informação das diversas entidades incluídas no perímetro de consolidação foram convertidos para o POCAL, através de reclassificações e ajustamentos que se revelam necessários, os documentos de prestação de contas das entidades consolidantes, uma vez que são concebidos em SNC Sistema de Normalização Contabilística. Em seguida procedeu-se à homogeneização e à eliminação das operações internas das entidades que integram o grupo municipal. Depois desse processo, procedeu-se à agregação dos dados, o que permitiu obter uma imagem verdadeira, fiel e apropriada da posição financeira, dos resultados e da execução orçamental do grupo. O município de Viseu utiliza os seguintes métodos de consolidação, tais como definidos pela Orientação n.º1/2010:

15 3.1. Método da simples agregação Aplica-se quando na ausência de qualquer participação no capital das entidades consolidadas, se verifica um efectivo controlo administrativo por parte da entidade consolidante. Este método traduz-se na soma algébrica dos balanços, das demonstrações dos resultados e dos mapas de execução orçamental das entidades pertencentes ao grupo Método da consolidação integral Aplica-se quando a entidade detém uma participação superior a 50% dos direitos de voto dos titulares do capital da entidade controlada ou detém o controlo e consiste na integração no balanço, na demonstração de resultados e nos mapas de execução orçamental das entidades consolidadas, evidenciando os direitos de terceiros, designados para este efeito como interesses minoritários. Presume-se a existência de controlo quando se verifique, relativamente a outra entidade, pelo menos um dos seguintes indicadores de poder ou resultado: a. A faculdade de vetar os orçamentos, b. A possibilidade de vetar, derrogar ou modificar as decisões dos órgãos de gestão, c. A detenção da titularidade dos activos líquidos com direito de livre acesso a estes, d. A capacidade de conseguir a sua cooperação na realização dos objectivos próprios, e. A assunção da responsabilidade subsidiária pelos passivos da outra entidade Método de equivalência patrimonial Aplica-se quando uma entidade pertencente ao grupo exerça influência significativa sobre a gestão operacional e financeira de uma entidade não incluída no grupo ou quando não seja aplicável qualquer dos métodos referidos nas alíneas anteriores. Este método consiste na substituição no balanço da entidade consolidante do valor contabilístico das partes de capital por ela detida pelo valor que proporcionalmente lhe corresponde nos capitais próprios da entidade participada.

16 3.4. Movimentos extra-contabilísticos efectuados para efeitos de consolidação a. Contas de Balanço Código das Contas POCAL ACTIVO Total Contas Ind Ajustamentos de Consolidação Saldos Intragrupo Part. Financeiras Consolidado Outros 2013 Bens de Domínio Público 451 Terrenos e recursos naturais Edifícios Outras construções e infra-estruturas Bens do património histórico, artístico e cultural Outros bens de domínio público Imobilizações em curso Adiantamentos por conta de bens de domínio público Imobilizações incorpóreas 431 Despesas de instalação Despesas de investigação e desenvolvimento Propriedade industrial e outros direitos Imobilizações em curso Adiantamentos por conta de imobilizações incorpóreas Imobilizações Corpóreas 421 Terrenos e recursos naturais Edifícios e outras construções Equipamento básico Equipamento de transporte Ferramentas e utensílios Equipamento administrativo Taras e vasilhame Outras imobilizações corpóreas Imobilizações em curso Adiantamentos por conta de imobilizações corpóreas Investimentos Financeiros 411 Partes de capital Obrigações e títulos de participação Investimentos em imóveis Existências 36 Matérias-primas, subsidiárias e de consumo Mercadorias Dívidas de terceiros - Curto prazo 28 Empréstimos concedidos (2) Clientes, c/c Contribuintes, c/c Utentes, c/c Clientes, contribuintes e utentes de cobrança duvidosa Devedores pela execução do orçamento Adiantamentos a fornecedores Adiantamentos a fornecedores de imobilizado Estado e outros entes públicos Administração autárquica Outros devedores Depósitos em instituições financeiras e caixa 12 Depósitos em instituições financeiras Caixa Acréscimos e diferimentos 271 Acréscimos de proveitos Custos diferidos TOTAL DO ACTIVO

17 Código das Contas POCAL CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO Total Contas Ind Ajustamentos Consolidação Consolidado Saldos Part. Outros 2013 Intragrupo Financeiras Fundos Próprios 51 Património (1) Prestações Suplementares (2) Reservas legais Reservas livres Subsídios Doações Resultados transitados (3) Outras variação no CP (5) 0 88 Resultado líquido do período (4) Capital próprio atribuível ao grupo Interesses minoritários Total do capital próprio Passivo 292 Provisões para riscos e encargos Dívidas a terceiros - Médio e longo prazo (a) 2312 Dívidas a instituições de crédito Administração Autarquica Dívidas a fornecedores de imobilizado Outros Credores Dívidas a terceiros - Curto prazo 2311 Empréstimos de curto prazo Adiantamentos por conta de vendas Fornecedores, c/c Fornecedores - Facturas em recepção e conferência Credores pela execução do orçamento Clientes e utentes c/ cauções Adiantamentos de clientes, contribuintes e utentes Fornecedores de imobilizado, c/c Estado e outros entes públicos Administração autárquica Outros credores Fornecedores Vendas a dinheiro Fornecedores de Imobilizado - Outros Fornecedores de Imobilizado - Fact. em recepção e conferência Acréscimos e diferimentos 273 Acréscimos de custos Proveitos diferidos (5) TOTAL DO PASSIVO TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO (1) Reconhecimento em Património (conta #51) de parte dos Proveitos Diferidos registados no SMAS Viseu, provenientes das contas do Município de Viseu. Valor de euros. (2) Eliminação das prestações suplementares registadas nas contas individuais da Viseupolis. Do valor anulado, euros corresponde a dotações efectuadas pelo outro accionista, pelo que foram registados em Interesses Minoritários. O restante, euros corresponde ao valor transferido pelo Município de Viseu, encontrando-se registado na conta de empréstimos concedidos nas contas individuais do Município de Viseu, pelo que o saldo foi anulado.

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS

CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS MUNICIPIO DE ALMEIDA CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS DO ANO ECONÓMICO DE 2010 APROVAÇÕES CÂMARA ASSEMBLEIA MUNICIPAL Em / / 2011 Em / / 2011 M U N I C Í P I O D E A L M E I DA 6350-130 Almeida Tef: 271570020 /

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados 8.2 Notas ao balanço e à demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2014. Reunião de Câmara Municipal de 12/06/2015

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2014. Reunião de Câmara Municipal de 12/06/2015 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2014 Reunião de Câmara Municipal de 12/06/2015 Sessão da Assembleia Municipal de 22/06/2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 5 2. PERÍMETRO DE CONSOLIDAÇÃO... 6 3. MÉTODO DE CONSOLIDAÇÃO...

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO MUNICÍPIO DO PORTO SANTO ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS As notas apresentadas neste documento, estão conforme o preconizado no art.º 46º da Lei n.º 2/2007, de 15 de janeiro,

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Nota introdutória As demonstrações financeiras relativas ao exercício, foram preparadas de acordo com os princípios contabilísticos geralmente aceites previstos

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO MUNICÍPIO DO PORTO SANTO Ponto 8 do POCAL ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS As notas apresenta neste documento correspondem à numeração no POCAL. Aquelas cuja numeração se omite, não são aplicáveis ao

Leia mais

Existências. Provisões para cobrança duvidosa

Existências. Provisões para cobrança duvidosa 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório de gestão do ano de 2015 1 RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório Fim de Atividade e Contas 2015 ÍNDICE Pág. 1. Introdução 3 2. Recursos Humanos 5 3. Análise Económica e Financeira

Leia mais

Ano financeiro de 2014

Ano financeiro de 2014 9. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 9.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

13 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados

13 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados 13 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados Câmara Municipal de Cascais 31-12-2011 Divisão de Contabilidade e Gestão de Disponibilidades DMAS/DGF Cascais, Fevereiro de 2012 Nota Introdutória As

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados (ponto 8.2 e 8.3 do Dec-Lei 54-A/99 de 22 de fevereiro) 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais e devidamente fundamentados

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Conforme preceitua o Decreto Lei n.º 54-A/99 de 22 de Fevereiro, com as devidas alterações, os anexos às Demonstrações Financeiras visam facultar aos órgãos autárquicos

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 Imobilizado: Bens de domínio público 451 Terrenos e recursos naturais 1.437.193,54 1.437.193,54 1.424.390,02 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

Fluxos de Caixa Instituto de Higiene e Medicina Tropical - Universidade Nova de Lisboa Gerência de 01-01-2012 a 31-12-2012 Class. Económica Recebimentos Saldo da gerência anterior Execução orçamental -

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados Município da Lourinhã

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados Município da Lourinhã 2. Notas ao Balanço e Demonstrações de Resultados 2.1 - As contas do município derrogaram o ponto 2.8.3 do POCAL que institui a obrigatoriedade da utilização da contabilidade de custos. Tal facto ficou

Leia mais

O Activo Imobilizado e aumentos patrimoniais contabilizados no exercício de 2012 foram valorizados ao custo de aquisição ou produção.

O Activo Imobilizado e aumentos patrimoniais contabilizados no exercício de 2012 foram valorizados ao custo de aquisição ou produção. 8 ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (Mapa n.º 13 do Tribunal de Contas Código Pocal 8.2) 82.1 Indicação e justificação de disposições do POCAL derrogadas

Leia mais

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012 Balanço - Activo Dados atuais 23.04.2014 13:48:11 Organismo: 1012 ADSE Página: 1 Exercício:2013 Emissão:23.04.2014 13:48:17 Balanço - Activo Activo Imobilizado Bens de domínio público: 451 Terrenos e recursos

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2012 1 - Actividade 1.1 Breve descrição das actividades da empresa ÍNDICE 2 - Bases de preparação das demonstrações financeiras e derrogações 2.1 Bases de apresentação

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde

Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde ! " # $ % & '(# ) * + (, -& -*.- & - (+ * - ) /////////////////////////////////////////////////////////////////////// 01.")

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Exercício 2010 NOTA INTRODUTÓRIA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO é uma instituição de utilidade pública, sem fins lucrativos, com sede em Lisboa na Rua Luís Derouet

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados e sem prejuízo do legalmente estabelecido,

Leia mais

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 VIZELA Câmara Municipal VIZELA INDÍCE MENSAGEM DO PRESIDENTE 1 BALANÇO (PONTO 5 DO POCAL) - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Polis Litoral Ria Aveiro das ACTIVO BALANÇO ANALÍTICO Dezembro 09 Dezembro 08 ACTIVO BRUTO AMORT. E AJUST. ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO IMOBILIZADO Imobilizações Incorpóreas

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 NOTA INTRODUTÓRIA A RUMO 2020, E.M. é uma empresa pública de âmbito municipal constituída em 16 de Outubro de 2006. Tem a sua

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2012 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO Classe 0 Contas do controlo orçamental e de ordem* 01 Orçamento Exercício corrente* 02 Despesas 021 Dotações iniciais* 022 Modificações orçamentais* 0221 Transferências de dotações 02211 Reforços* 02212

Leia mais

ÍNDICE. 2.1.1. PROVEITOS 6 2.1.1.1. Estrutura de proveitos 6 2.1.1.2. Evolução dos proveitos 7

ÍNDICE. 2.1.1. PROVEITOS 6 2.1.1.1. Estrutura de proveitos 6 2.1.1.2. Evolução dos proveitos 7 ÍNDICE I. RELATÓRIO GESTÃO CONSOLIDADO 3 1. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL 4 1.1. REGRAS DA CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS 4 1.2. ELEMENTOS DA CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS 5 2. ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA 6 2.1. ANÁLISE ECONÓMICA

Leia mais

8.2.1 Disposições do POCAL derrogadas e seus efeitos no Balanço e Demonstração de Resultados

8.2.1 Disposições do POCAL derrogadas e seus efeitos no Balanço e Demonstração de Resultados 8.2 O Balanço e a Demonstração de Resultados encontram-se elaborados de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL) e demais legislação

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

MUNICÍPIO DE MÊDA Plano de Contas Consolidado para o Ano Económico de 2012

MUNICÍPIO DE MÊDA Plano de Contas Consolidado para o Ano Económico de 2012 Plano de s Consolidado para o Ano Económico de 2012 1 Disponibilidades 11 Caixa 111 Caixa Principal 118 Fundo Maneio 119 Transferências de caixa 12 Depósitos em instituições financeiras 1201 Caixa Geral

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados e sem prejuízo do legalmente estabelecido,

Leia mais

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 índice Índice (numeração conforme a indicação no POCAL) índice... 2 5 - Balanço... 3 6 Demonstração de Resultados... 9 7 Mapas de Execução Orçamental...

Leia mais

Prestação de Contas 2011 MUNICÍPIO DE ODIVELAS MUNICÍPIO DE ODIVELAS. Prestação de Contas 2013. estação de Contas

Prestação de Contas 2011 MUNICÍPIO DE ODIVELAS MUNICÍPIO DE ODIVELAS. Prestação de Contas 2013. estação de Contas Prestação de Contas 2011 MUNICÍPIO DE ODIVELAS Prestação de Contas 2011 MUNICÍPIO DE ODIVELAS Prestação de Contas 2013 MUNICÍPIO DE ODIVELAS estação de Contas prestação de contas 2013 08.2 NOTAS AO BALANÇO

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EXERCÍCIO 2010

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EXERCÍCIO 2010 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EXERCÍCIO 2010 Introdução As Notas que se seguem respeitam a numeração definida no Plano Oficial de Contabilidade para as Federações Desportivas, Associações

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Introdução EXERCÍCIO DE 2009 A Empresa «ANTONIO MARQUES, CORRETOR DE SEGUROS EIRL» tem sede na Rua António José Baptista, n.º 16 2.º Dto., em Setúbal, foi

Leia mais

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Imobilizado ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Capital Próprio Imobilizações Incorpóreas 0,00 Capital 49.879,79 49.879,79 0,00 Imobilizações

Leia mais

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 1 Identificação da Entidade A Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira é uma instituição sem fins lucrativos, constituída sob

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

08.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

08.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 1 RELATÓRIO DE GESTÃO 08.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As notas que se seguem respeitam a numeração sequencial definida no POCAL Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais.

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

Câmara Municipal de Alenquer

Câmara Municipal de Alenquer Código das Contas POCAL Imobilizado Câmara Municipal de Alenquer BALANÇO ANO : 2008 Exercícios ACTIVO 2008 200 AB AP AL AL Bens de domínio público 45 452 Terrenos e recursos naturais 28.942,4 28.942,4

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

ÍNDICE RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO... 5 BALANÇO CONSOLIDADO... 23 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADA... 26

ÍNDICE RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO... 5 BALANÇO CONSOLIDADO... 23 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADA... 26 1 2 ÍNDICE RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO... 5 BALANÇO CONSOLIDADO... 23 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADA... 26 ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS... 28 I. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS

Leia mais

! " # $%&' (") *+)( *+)* , " # - %. " / 012 $ )"* *+)( 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6! ! " '.! " 7 . % "' *+)( $%, % " ## *++* -. - ! $ ." )+#.

!  # $%&' () *+)( *+)* ,  # - %.  / 012 $ )* *+)( 012+4 # *+)( 012 55  6! !  '.!  7 . % ' *+)( $%, %  ## *++* -. - ! $ . )+#. !! " # $%&' (") *+)( *+)*, " # %. " / 012 $ )"* *+)( 3 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6!! " '.! " 7. % "' *+)(!, $%, % " ## *++*. 7! $." )+#. *+)*!! 28" *+)(. "' $%981!5": *+)(*+);!)5) *++**++

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014 Notas às Demonstrações Financeiras Individuais 31 De Dezembro de 2014 1. Identificação da Entidade ASSOCIAÇÃO BOA HORA, IPSS, é uma instituição particular de solidariedade social, com sede na Rua do Cemitério,

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O EXERCÍCIO DE 2010 1

INSTRUÇÕES PARA O EXERCÍCIO DE 2010 1 INSTRUÇÕES PARA O EXERCÍCIO DE 2010 1 1. Enquadramento Na Lei das Finanças Locais 2 prevê-se, no artigo 46.º, a obrigatoriedade de os Municípios elaborarem, em determinadas circunstâncias, contas consolidadas,

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

6 RELATÓRIO E CONTAS 2012 7 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Nº Mulheres 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 N = 53 Masculino Feminino 29 A SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA ANOS PROCURA INTERNA 1 EXPORTAÇÕES (FOB)

Leia mais

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B LEC11 CONTABILIDADE II CAPÍTULO IV CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS COMENTÁRIOS À RESOLUÇÃO DO EXERCÍCIO 1 Lançamento nº 1 - Eliminação de saldos entre empresas do grupo As empresas do Grupo efectuaram operações

Leia mais

8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31-12-2011

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31-12-2011 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da entidade A (FPPM), fundada em 19 de Dezembro de 1949, é uma pessoa colectiva de direito privado,

Leia mais

08.2.2 COMPARABILIDADE

08.2.2 COMPARABILIDADE 08.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇAO DE RESULTADOS As notas que se seguem respeitam a numeração sequencial definida no POCAL Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais. Entidade: Câmara Municipal

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 quer sejam de sua propriedade, quer estejam em regime de locação financeira. Compreende os investimentos financeiros, as propriedades de investimento,

Leia mais