MESTRADO EM GESTÃO (MBA) (2005/2006)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MESTRADO EM GESTÃO (MBA) (2005/2006)"

Transcrição

1 MESTRADO EM GESTÃO (MBA) (2005/2006) DISCIPLINA: CONTABILIDADE Docente: Professor Auxiliar Convidado do ISEG/UTL CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS (continuação) Síntese: 1. Concentração de empresas 2. Consolidação de contas: conceito, vantagens e limitações 3. Conceito de grupo: perspectiva legal e contabilística 4. Métodos de consolidação 5. Obrigatoriedade de consolidação de contas 6. Definição do perímetro da consolidação 7. Operações prévias à consolidação 8. O Método de consolidação integral 9. O Método de Consolidação proporcional 10. Equivalência patrimonial - Aplicação prática

2 ELIMINAÇÃO DAS OPERAÇÕES ENTRE EMPRESAS DO GRUPO As contas consolidadas só podem conter transacções com entidades exteriores ao grupo eliminação das operações realizadas entre empresas do grupo OPERAÇÕES QUE NÃO AFECTAM OS RESULTADOS anulação de saldos de contas recíprocas do balanço clientes / fornecedores devedores / credores, etc anulação de custos e proveitos recíprocos compras / vendas prestações de serviços / forn. serv. externos, etc OPERAÇÕES QUE AFECTAM OS RESULTADOS lucros com operações internas incluídos em existências mais-valias (menos-valias) internas distribuições de dividendos (lucros) de empresas do grupo MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 2

3 Anulação de saldos de contas recíprocas Aplicação Nas demonstrações financeiras de H e F, filial daquela, constam os seguintes saldos recíprocos, isto é, derivados de operações realizadas entre ambas as sociedades (no caso vertente, vendas a crédito de H a F): Saldos entre empresas do grupo Contas de H Contas de F Saldos de Clientes Saldos de Fornecedores Ajustamentos a introduzir no mapa de trabalho: Fornecedores Clientes Anulação de custos e proveitos recíprocos Aplicação Nas demonstrações financeiras de H e F, filial daquela, constam as seguintes operações realizadas entre ambas as empresas: a) serviços prestados por H à filial F no montante de euros, e b) venda de H a F de mercadorias no valor de euros que esta também já vendeu. Ajustamentos a introduzir no mapa de trabalho: Fornecimentos e Serviços Externos Prestações de Serviços Vendas Custo das Existências Vendidas MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 3

4 Lucros com operações internas incluídos em existências Só há lucros do grupo quando as margens obtidas nas vendas são realizadas no âmbito de operações com entidades exteriores ao grupo Se numa empresa do grupo, no final do ano, há stocks adquiridos a outra empresa do grupo, a margem registada pela empresa vendedora é um lucro interno ( escondido nas existências da compradora) que é necessário eliminar Vendas descendentes: Lucro realizado pela Empresa-mãe e stock na filial eliminar o lucro contido no stock (sem imputação a interesses minoritários) Vendas ascendentes: Lucro realizado pela filial e stock na empresa-mãe eliminar o lucro contido no stock (imputando aos interesses minoritários a correspondente parcela) MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 4

5 Aplicação Conforme anteriormente indicado H vendeu a F mercadorias no valor de euros. Verifica-se que, no entanto, no final do exercício, se mantêm em stock na filial mercadorias adquiridas a H no valor de euros. A margem de lucro de H foi de 40% sobre o preço de venda. Lucro incluído nas existências de F no final do ano: euros Como o lucro é da empresa-mãe, não há que imputar qualquer valor a interesses minoritários Ajustamentos a introduzir no mapa de trabalho Res. Líquidos (Custo Mercad Vendid) Mercadorias Se a venda tivesse sido de F para a empresa-mãe H, o lucro a eliminar nas existências desta última, por pertencer à filial, teria de ser repartido por H e por Interesses Minoritários Total H Int. Minorit. Lucro nas existências de H Ajustamentos a introduzir no mapa de trabalho Res. Líquidos (Custo Mercad Vendid) Mercadorias Resultados Líquidos Interesses Minoritários Res. Líq MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 5

6 Mais-valias (menos-valias) internas As transacções inter-grupo de imobilizações, se forem concretizadas acima/abaixo do valor líquido dos respectivos bens, geram ganhos/perdas internos contidos no valor do activo transaccionado. se os bens em causa são amortizados existe também excesso ou insuficiência de amortizações o imobilizado bruto e amortizações acumuladas do grupo também não estão adequadamente registados Mais-valias (menos-valias) do grupo: só podem ser consideradas se os activos forem transaccionados para o exterior do grupo Mais-valia/menos-valia descendente: ganho/perda realizado pela Empresa-mãe e activo transaccionado registado na filial eliminar a mais-valia/menos-valia contida no activo transaccionado sem imputação a interesses minoritários, por ter sido gerada na empresa-mãe corrigir excesso ou insuficiência de amortizações, com imputação a interesses minoritários, por estarem registadas na filial corrigir imobilizado bruto e amortizações acumuladas do grupo, tal como se não tivesse havido a transacção MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 6

7 Mais-valia/menos-valia ascendente: ganho/perda realizado pela filial e activo transaccionado registado na Empresa-mãe eliminar a mais-valia/menos-valia contida no activo transaccionado, imputando aos interesses minoritários a correspondente fracção, uma vez que foi gerada na filial corrigir excesso ou insuficiência de amortizações, sem imputação a interesses minoritários, dado estarem registadas na empresa-mãe corrigir imobilizado bruto e amortizações acumuladas do grupo, tal como se não tivesse havido a transacção Aplicação H vendeu a F por euros uma máquina adquirida há 3 anos por euros, com uma vida útil de 10 anos, tendo passado a ser amortizada por F com base numa vida útil de 7 anos Preço de compra inicial preço de venda a F vida útil em H 10 taxa de amortização em H 10,00% Amortização anual em H Anos amortizado em H 3 Amortizações acumuladas em H Valor Líquido em H Mais-valia vida útil em F 7 taxa de amortização em F 14,29% Amortização do ano em F excesso de amortização MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 7

8 Agregado (emp mãe + filial) Sem a transacção Diferença 42 Imobilizações Corpóreas 73,000 90,000 17, Amortiz. Acum. Imob. Corp. 10,429 36,000 25,571 Result Líquidos (Amortiz.exercício) 10,429 9,000-1,429 Result. Líquidos (Prov Extraord) 10, , , ,000 31,142 Ajustamentos a introduzir no mapa de trabalho Result. Líquidos (Prov extraordinários) Imobilizado Corpóreo Amortiz. Acumul Imobiliz Corpóreo Result. Líquidos (Amortizações exercício) repartição dos ajustamentos nos resultados por H e interesses minoritários Total H Int. Minorit. Proveitos Extraordinários Amortizações Ajustamentos a introduzir no mapa de trabalho Resultados Líquidos 286 Interesses Minorit. Result Líq MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 8

9 Se a venda tivesse sido de F a H: Agregado (emp mãe + filial) Sem a transacção Diferença 42 Imobilizações Corpóreas 73,000 90,000 17, Amortiz. Acum. Imob. Corp. 10,429 36,000 25,571 Result Líquidos (Amortiz.exercício) 10,429 9,000-1,429 Result. Líquidos (Prov Extraord) 10, , , ,000 31,142 Ajustamentos a introduzir no mapa de trabalho Result. Líquidos (Prov extraordinários) Imobilizado Corpóreo Amortiz. Acumul Imobiliz Corpóreo Result. Líquidos (Amortizações exercício) repartição dos ajustamentos nos resultados por H e interesses minoritários Total H Int. Minorit. Proveitos Extraordinários Amortizações Ajustamentos a introduzir no mapa de trabalho Resultados Líquidos Interesses Minorit. Result Líq MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 9

10 BALANÇO CONSOLIDADO Alternativa: participação de H em F (80%) ; preço de compra : ; Capital Próprio F: ; vendas descendentes de mercadorias e de imobilizado ACTIVO H F H + F Consolidado Diferenças Consolidação , ,000 Amort. Ac. Dif Consolid ,600-5,600 Investimentos Financeir ,000 0 Imobilizaç Corpóreas , ,777,000 Amortiz. Acum Im. Corp , ,571 Existências ,000 2,068,000 Clientes ,000 3,000,000 Disponibilidades , , ,171 6,499,829 PASSIVO + C PRÓPR H F H + F Consolidado Capital Social , ,000,000 Reservas , ,000,000 Resultados Líquidos ,486 1, ,943 Interesses Minoritários ,000-48,000 Int. Minorit Res Líquid ,286-19,886 Fornecedores , ,000 Outros Credores , ,886 69,715-6,499,829 Resultados Líquidos: RL de H + 80% RL de F 80% amortiz acréscimo edifício 100% amortiz Difª Consolidação - 100% lucro nas existências 100% mais-valia 80% amortizações em excesso Interesses Minoritários Resultados Líquidos: 20% RL de F 20% amortiz acréscimo edifício - 20% amortizações em excesso MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 10

11 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADA H F H + F Consolidado Custo Exist Vendidas Fornec Serv Ext C Pessoal Amortizações C Financeiros C Extraordinários Imposto s/ rendimento Resultado Líquido Int. minoritár. - Res Líq H F H + F Consolidado Vendas Prestações de Serviços O Prov Operacionais Prov Financeiros Prov Extraordinários MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 11

12 EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL one line consolidation Substituição no balanço da empresa-mãe (uma linha) valor da parte de capital da participada valor da proporção no capital próprio da participada Aplicação A sociedade A é participada em 30% pela sociedade H, a qual adquiriu esta participação no início do ano por euros. Sabendo que à data de aquisição o capital próprio de A era de euros e que no final do ano o resultado líquido de A foi de euros, proceda à consolidação das demonstrações financeiras de A nas de H pelo método da equivalência patrimonial Custo de Aquisição da Participação de H em A % da participação de H em A 30% Capital Social de A Reservas de A Custo de Aquisição da Participação de H em A Fracção detida por H em A Diferença de consolidação Resultados Líquidos de A fracção atribuível a H Amortização da Diferença de consolidação anos : MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 12

13 Ajustamentos a introduzir no mapa de trabalho: Investimentos Financeiros Diferenças de Consolidação Investimentos Financeiros Ganhos relat. a emp. assoc Amortizações Amort. Ac. Dif Consolid Capital Próprio de A no fim do ano 51 Capital Reservas Resultados Líquidos Fracção de H no capital de A (30%) Investimentos Financeiros nas contas de H: participação em A ( ) MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 13

14 Balanço Consolidado de H (equivalência patrimonial) Activo H Consolidado Diferenças de Consolidação 0, ,0 0, ,0 Amort. Ac. Dif Consolid. 0,0 0, , ,0 42 Imobilizações Corpóreas ,0 0,0 0, ,0 48 Amortizações Acumulad ,0 41 Investimentos Financeiros ,0 Existências ,0 Clientes ,0 Outros Devedores ,0 Disponibilidades , Capital Próprio + Passivo H Consolidado 51 Capital Reservas Resultados Líquidos Empréstimos Obtidos Fornecedores Outros Credores MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 14

15 Demonstração Consolidada dos Resultados (equivalência patrimonial) H Aumentos Diminuições Consolidado CEVC FSE C Pessoal Amortizações C Financeiros C Extraordinários Imposto s/ rendimento Resultado Líquido Diminuições Aumentos Vendas Prestações de Serviços O Prov Operacionais Ganhos relat. a emp. assoc Prov Financeiros Prov Extraordinários MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 15

16 Método de Consolidação proporcional integração no balanço e na demonstração dos resultados da empresa consolidante da parte que proporcionalmente lhe corresponde nos elementos respectivos dos balanços e demonstrações dos resultados das empresas consolidadas Integração no balanço da empresa-mãe proporção do Activo das consolidadas detida pela empresa-mãe proporção do Passivo das consolidadas detida pela empresa-mãe Capital Próprio das consolidadas fracção da empresa-mãe Participação > capital próprio filial Custo de Aquisição da Participação de H em J: euros % da participação de H em J: 50% Capital Social de J: euros Reservas de J: euros Custo de Aquisição da Participação de H em J Fracção do capital próprio de J detida por H Diferença MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 16

17 Admitindo que a diferença está relacionada em parte com o justo valor de um edifício propriedade de J que está subavaliado nas suas contas em 20,000 euros Total H Diferença imputável a activos Diferença de Consolidação Investimentos Financeiros Imobilizações Corpóreas Capital Social Reservas Diferença de Consolidação Outras Consequências amortização da diferença de consolidação e do acréscimo do imobilizado Diferença de consolidação: 5000 Anos H Amort Dif consol Amort Justo valor Resultados Líquidos Amortizações Acumulad 500 Amort. Ac. Dif Consolid MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 17

18 Resumo dos movimentos para a alternativa preço de compra euros 41 Investimentos Financeiros Imobilizações Corpóreas Capital Social Reservas Diferenças de Consolidação Amortizações Acumulad Amortiz Diferença Consolidação Amortiz Imobiliz corpóreas 500 Amort. Ac. Dif Consolid MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 18

19 BALANÇO CONSOLIDADO (consolidação proporcional antes das operações intergrupo) H J J Proporc H + J prop Consolida do Dif Consolidação Am. Ac Dif Cons Imobiliz Corpór Amortiz Acumul Invest Financeir Existências Clientes Outros Devedores Disponibilidades Capital Próprio e Passivo H J J Proporc H + J prop Consolida do 51 Capital Reservas Result Líquidos Emprést Obtidos Fornecedores Outros Credores MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 19

20 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADA (consolidação proporcional antes das operações inter-grupo) H J J Proporc H + J prop Consolidado CEVC FSE C Pessoal Amortizações C Financeiros C Extraordin Imp s/ rend Result Líquido Vendas Prest Serviços O Prov Operac Prov Financeir Prov Extraordin MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 20

21 Operações entre empresas do grupo Saldos inter-grupos H J Saldo de Clientes Saldo de Fornecedores Compras de J a M Vendas de M a J Margem 0,4 Existências em J Lucro de M em existências CEVC Fornecedores Clientes Existências CEVC Vendas Custo das Vendas MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 21

22 BALANÇO CONSOLIDADO FINAL (consolidação proporcional) H J J Proporc H + J prop Consolida do Dif Consolidação Am. Ac Dif Cons Imobiliz Corpór Amortiz Acumul Invest Financeir Existências Clientes Outros Devedores Disponibilidades Capital Próprio e Passivo H J J Proporc H + J prop Consolida do 51 Capital Reservas Result Líquidos Emprést Obtidos Fornecedores Outros Credores MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 22

23 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADA FINAL (consolidação proporcional) H J J Proporc H + J prop Consolidado CEVC FSE C Pessoal Amortizações C Financeiros C Extraordin Imp s/ rend Result Líquido H J J Proporc H + J prop Consolidado Vendas Prest Serviços O Prov Operac Prov Financeir Prov Extraordin MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 23

24 Alternativa: Diferença consolidação positiva APÊNDICE BALANÇO CONSOLIDADO (sem considerar operações inter-grupo) ACTIVO H F H + F Consolidado Diferenças Consolidação Amort. Ac. Dif Consolid Investimentos Financeiros Imobilizaç Corpóreas Amortiz. Acum. Im. Corp Existências Clientes Disponibilidades PASSIVO+C. PRÓPRIO H F H + F Consolidado Capital Reservas Resultados Líquidos Interesses Minoritários Int. Minorit Res Líquidos Fornecedores Outros Credores Resultados Líquidos: RL de H + 80% RL de F 80% amortiz acréscimo edifício 100% amortiz Difª Consolidação Interesses Minoritários Resultados Líquidos: 20% RL de F 20% amortiz acréscimo edifício MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 24

25 Aplicação prática A sociedade H alterou a sua estratégia comercial e decidiu participar no capital das três sociedades que vinham distribuindo os seus produtos. Nesse sentido, no início do ano n a sociedade H adquiriu as seguintes participações: Sociedade A: 90% do capital pelo preço de euros, Sociedade B: 30% do capital pelo preço de euros, Sociedade C: 35% do capital pelo preço de euros. No final do ano n, a sociedade H considerou ser suficiente o recurso a duas sociedades distribuidoras, pelo que decidiu alienar a participação de 30% na empresa B, tendo estabelecido de imediato os contactos necessários ao rápido desfecho do negócio. Em 31/12/n os balanços de H, A, B e C eram os seguintes: H A B C Imobilizações Corpóreas Amortizações Acumuladas Investimentos Financeiros Existências Clientes Disponibilidades Total do Activo Capital Reservas Resultados Líquidos Passivo a Médio/Longo Prazo Passivo a Curto Prazo Total Cap. Próprio + Passivo São também conhecidas as seguintes informações: - À data da compra da participação de H em A verificou-se não só que um terreno que esta empresa possui se encontrava subavaliado nas suas contas em euros, mas também que os títulos negociáveis estavam valorizados ao custo histórico por euros, quando o valor de cotação na bolsa era de euros; - Em 31/12/n encontravam-se no armazém de A mercadorias adquiridas a H no valor de euros, (a margem: 40%); - No balanço de H em 31/12/n o saldo de A como cliente era de euros; nas contas de A, o saldo de H como fornecedor era igual. - A política de amortizações seguida no grupo é a seguinte: diferenças de consolidação: 5 anos; edifícios: 20 anos; equipamentos: 5 anos. Pretende-se: MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 25

26 1. Definição do perímetro de consolidação do grupo H e indicação dos métodos de consolidação a aplicar 2. Elaboração do balanço consolidado de H em 31/12/n MBA/Contabilidade - Consolidação de contas 26

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B LEC11 CONTABILIDADE II CAPÍTULO IV CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS COMENTÁRIOS À RESOLUÇÃO DO EXERCÍCIO 1 Lançamento nº 1 - Eliminação de saldos entre empresas do grupo As empresas do Grupo efectuaram operações

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA

CONTABILIDADE AVANÇADA 1 CASOS PRÁTICOS de EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL e FUSÕES Docente: Carlos António Rosa Lopes I.P.T. - E.S.G. - - Carlos António Rosa Lopes 2 Casos Práticos Equivalência Patrimonial Nota : A resolução dos casos

Leia mais

João Carvalho das Neves

João Carvalho das Neves ANÁLISE FINANCEIRA João Carvalho das Neves Professor Associado e Director do MBA - ISEG Sócio ROC Neves, Azevedo Rodrigues e Batalha, SROC 1 Análise dos fluxos de caixa 52 1 Análise dos fluxos de caixa

Leia mais

Contabilidade II (LEC110)

Contabilidade II (LEC110) Contabilidade II (LEC110) IV. Consolidação de contas III. Consolidação de Contas 1. Perímetro de consolidação 1º ANO ANO LECTIVO 7/8 1. Perímetro de Consolidação A definição do perímetro de consolidação

Leia mais

Aequivalência patrimonial é um método

Aequivalência patrimonial é um método 32 Fiscalidade A equivalência patrimonial eosimpostos diferidos A equivalência patrimonial e o método do custo têm particularidades que é conveniente ter em conta. Na aplicação dos métodos de contabilização

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS CONTABILIDADE II CADERNO DE EXERCÍCIOS CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS Ano Lectivo 2009/2010 Maio de 2010 EXERCÍCIO N º 1C A sociedade M possui 60% de voto da sociedade A, a qual possui, por sua vez, 40% de direitos

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO / (MBA)

MESTRADO EM GESTÃO / (MBA) MESTRADO EM GESTÃO / (MBA) (2008/2009) DISCIPLINA: CONTABILIDADE FINANCEIRA FINANCIAL ACCOUNTING Docente: Professor Auxiliar Convidado do ISEG/UTL jlacunha@iseg.utl.pt Síntese 1. A contabilidade como sistema

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2012 1 - Actividade 1.1 Breve descrição das actividades da empresa ÍNDICE 2 - Bases de preparação das demonstrações financeiras e derrogações 2.1 Bases de apresentação

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Contabilidade II Licenciatura em Economia Ano Lectivo 2007/2008. Contabilidade II. CIN - Corporação Industrial do Norte, S.A. 2005

Contabilidade II Licenciatura em Economia Ano Lectivo 2007/2008. Contabilidade II. CIN - Corporação Industrial do Norte, S.A. 2005 Contabilidade II II. Demonstração dos Fluxos de Caixa Introdução CIN - Corporação Industrial do Norte, S.A. 2005 2004 2005 2004 ACTIVO AB AA AL AL CAP. PRÓPRIO E PASSIVO Imobilizado Capital próprio Imob.

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

As recentes alterações das normas contabilísticas no âmbito da concentração de actividades empresariais (SNC e IFRS)

As recentes alterações das normas contabilísticas no âmbito da concentração de actividades empresariais (SNC e IFRS) As recentes alterações das normas contabilísticas no âmbito da concentração de actividades empresariais (SNC e IFRS) Por Carlos António Rosa Lopes O IASB aprovou em 2008 alterações à IFRS 3 sobre concentração

Leia mais

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Imobilizado ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Capital Próprio Imobilizações Incorpóreas 0,00 Capital 49.879,79 49.879,79 0,00 Imobilizações

Leia mais

Fundo de Maneio, Fundo de Maneio Necessário e Tesouraria Líquida Tipos de Estruturas

Fundo de Maneio, Fundo de Maneio Necessário e Tesouraria Líquida Tipos de Estruturas Fundo de Maneio, Fundo de Maneio Necessário e Tesouraria Líquida Tipos de Estruturas FM TL Balanço Funcional Descrição + + + TL > 0 C.Perm. O FM é positivo e suficiente para financiar as necessidades de

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

Dividendos a Receber A Ações de Controladas Cia B 100.000,00

Dividendos a Receber A Ações de Controladas Cia B 100.000,00 Bom dia, caros colegas! Mais uma vez é um enorme prazer conversar com vocês sobre contabilidade avançada. Desta vez trago as questões de contabilidade avançada do concurso de Auditor Fiscal de Tributos

Leia mais

! " # $%&' (") *+)( *+)* , " # - %. " / 012 $ )"* *+)( 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6! ! " '.! " 7 . % "' *+)( $%, % " ## *++* -. - ! $ ." )+#.

!  # $%&' () *+)( *+)* ,  # - %.  / 012 $ )* *+)( 012+4 # *+)( 012 55  6! !  '.!  7 . % ' *+)( $%, %  ## *++* -. - ! $ . )+#. !! " # $%&' (") *+)( *+)*, " # %. " / 012 $ )"* *+)( 3 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6!! " '.! " 7. % "' *+)(!, $%, % " ## *++*. 7! $." )+#. *+)*!! 28" *+)(. "' $%981!5": *+)(*+);!)5) *++**++

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Polis Litoral Ria Aveiro das ACTIVO BALANÇO ANALÍTICO Dezembro 09 Dezembro 08 ACTIVO BRUTO AMORT. E AJUST. ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO IMOBILIZADO Imobilizações Incorpóreas

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Capital Próprio CAPITAL PRÓPRIO Conceitos Gerais Aplicação de resultados Valor nominal, contabilístico e de mercado Demonstração das Alterações do C.P. Aumentos de

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística (SNC)

Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Sistema de Normalização Contabilística (SNC) PARTICIPAÇÕES FINANCEIRAS E CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS Sílvia Moura silvia.andreia.moura@p2p.com.pt ÍNDICE 1. PARTICIPAÇÕES FINANCEIRAS 3 1.1 ENQUADRAMENTO GERAL

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 1/91 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÃO DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 1/91 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÃO DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 1/91 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÃO DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 Objectivo A presente directriz visa normalizar os procedimentos contabilísticos necessários para

Leia mais

PHC Consolidacão. Execute de uma forma simples e eficaz a consolidação contabilística de grupos de empresas

PHC Consolidacão. Execute de uma forma simples e eficaz a consolidação contabilística de grupos de empresas PHCConsolidacão DESCRITIVO O módulo PHC Consolidação foi desenhado para executar a consolidacão contabilística, no que diz respeito à integração de contas e respectivos ajustamentos de consolidação. PHC

Leia mais

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 27 Demonstrações

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Conheça os significados dos principais termos técnicos utilizados na IGNIOS no âmbito dos: DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Criação de Valor Valor criado pela empresa num período temporal (fonte: Demonstração

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Exercício 2010 NOTA INTRODUTÓRIA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO é uma instituição de utilidade pública, sem fins lucrativos, com sede em Lisboa na Rua Luís Derouet

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 8 de Janeiro de 2008 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas Sofia Pereira 2ª Frequência Responda a cada grupo em folha separada A Ibersol tem como

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Empresa: COFINA, SGPS, S.A. Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 Período de referência: Valores em Euros 1º Trimestre 3º Trimestre

Leia mais

PHC Consolidação CS. A execução da consolidação contabilística de grupos de empresas

PHC Consolidação CS. A execução da consolidação contabilística de grupos de empresas Descritivo PHC Consolidação CS PHC PHC Consolidação CS A execução da consolidação contabilística de grupos de empresas A consolidação contabilística no que respeita à integração de contas e respetivos

Leia mais

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO I - CARACTERIZAÇÃO DA ACTIVIDADE DA EMPRESA/EMPRESÁRIO a) 1.1. Breve resumo da actividade da Empresa/Empresário

Leia mais

Contabilidade II. I. Demonstração dos resultados. Tipos de demonstrações de resultados

Contabilidade II. I. Demonstração dos resultados. Tipos de demonstrações de resultados Contabilidade II I. Demonstração dos resultados Demonstração dos resultados A demonstração dos resultados tem como objectivo evidenciar os resultados (lucros ou prejuízos) obtidos na actividade desenvolvida

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40)

1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40) AULA 08 1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40) 3. Capital Próprio - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 Activos Fixos Intangíveis Activo intangível:

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Conforme preceitua o Decreto Lei n.º 54-A/99 de 22 de Fevereiro, com as devidas alterações, os anexos às Demonstrações Financeiras visam facultar aos órgãos autárquicos

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do exercício de 2014 (não

Leia mais

PHC Consolidacão CS. Execute de uma forma simples e eficaz a consolidação contabilística de grupos de empresas

PHC Consolidacão CS. Execute de uma forma simples e eficaz a consolidação contabilística de grupos de empresas PHCConsolidacão CS DESCRITIVO O módulo PHC Consolidação foi desenhado para executar a consolidacão contabilística, no que diz respeito à integração de contas e respectivos ajustamentos de consolidação.

Leia mais

Agenda Evolução de mapas legais Obrigado AGENDA Evolução do Normativo Contabilístico Nacional SNC Demonstrações Financeiras A nova terminologia Dificuldades de transição Siglas SNC: Sistema de Normalização

Leia mais

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro AULA 10 Capital Próprio Aumentos de capital Demonstração de fluxos de caixa Construção da DFC - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL Por incorporação de Reservas Por

Leia mais

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão FCPERJ UCAM Centro Contabilidade Empresarial DFC Prof. Mônica Brandão DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA É uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados 8.2 Notas ao balanço e à demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados

Leia mais

PHC Consolidação CS. Execute de uma forma simples e eficaz a consolidação contabilística de grupos de empresas

PHC Consolidação CS. Execute de uma forma simples e eficaz a consolidação contabilística de grupos de empresas PHC Consolidacão CS DESCRITIVO O módulo PHC Consolidação CS foi desenhado para executar a consolidação contabilística, no que diz respeito à integração de contas e respectivos ajustamentos de consolidação.

Leia mais

PHC Consolidação CS. A execução da consolidação contabilística de grupos de empresas

PHC Consolidação CS. A execução da consolidação contabilística de grupos de empresas Descritivo PHC Consolidação CS PHC PHC Consolidação CS A execução da consolidação contabilística de grupos de empresas A consolidação contabilística no que respeita à integração de contas e respectivos

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I V - CADERNO DE EXERCÍCIOS Imobilizações ANO LECTIVO 2004/2005 1º SEMESTRE Exercício 29 A empresa Sempre a dever,

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES Qual o objetivo da consolidação? O que precisa ser consolidado? Quais são as técnicas de consolidação? Como considerar a participação

Leia mais

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Introdução EXERCÍCIO DE 2009 A Empresa «ANTONIO MARQUES, CORRETOR DE SEGUROS EIRL» tem sede na Rua António José Baptista, n.º 16 2.º Dto., em Setúbal, foi

Leia mais

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2015 RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL EM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3. Demonstração

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Análise Financeira Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Introdução Objectivos gerais avaliar e interpretar a

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira INTRODUÇÃO 1 Análise Financeira Dar a conhecer a situação económico-financeira e monetária A partir de documentos de informação contabilística Situação financeira Equilíbrio Financeiro, Solvabilidade,

Leia mais

CONTABILIDADE. Docente: José Eduardo Gonçalves. Elementos Patrimoniais

CONTABILIDADE. Docente: José Eduardo Gonçalves. Elementos Patrimoniais CONTABILIDADE Docente: José Eduardo Gonçalves Ano: 2008/2009 Universidade da Madeira Elementos Patrimoniais Activo Recurso controlado pela entidade como resultado de acontecimentos passados e do qual se

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS A RENDIBILIDADE EXERCÍCIOS PARA AS AULAS

INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS A RENDIBILIDADE EXERCÍCIOS PARA AS AULAS INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS A RENDIBILIDADE EXERCÍCIOS PARA AS AULAS 2006. António Gomes Mota, Clementina Barroso, Helena Soares e Luís Laureano. (1. INTRODUÇÃO) 1. Com base na Demonstração dos Resultados de

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Prof. Walter Dominas

Prof. Walter Dominas Unidade II CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um

Leia mais

Teoria da Contabilidade I

Teoria da Contabilidade I Teoria da Contabilidade I II. A Demonstração dos Resultados Demonstração dos Resultados A demonstração de resultados tem como objectivo evidenciar os resultados (lucros ou prejuízos) obtidos na actividade

Leia mais

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório de gestão do ano de 2015 1 RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório Fim de Atividade e Contas 2015 ÍNDICE Pág. 1. Introdução 3 2. Recursos Humanos 5 3. Análise Económica e Financeira

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 28 de Março de 2007 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas e 30 minutos Gioconda Magalhães Sílvia Cortês Joana Peralta Sofia Pereira Luiz Ribeiro 1ª

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DLPA DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS A DLPA expõe as variações ocorridas, durante o exercício, na conta Lucros ou Prejuízos Acumulados. Ela pode ser incluída na DMPL Demonstração das Mutações

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

O MEP nos Investimentos em Associadas e Subsidiárias

O MEP nos Investimentos em Associadas e Subsidiárias O MEP nos Investimentos em Associadas e Subsidiárias Enquadramento em SNC Influência e Controlo Controlo exclusivo a sociedade dominante tem mais de 50% dos direitos de voto da filial; Controlo conjunto

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

05 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS DO GRUPO

05 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS DO GRUPO 05 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS DO GRUPO 1. BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CAIXA CENTRAL DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, C.R.L. Balanços em 31 de Dezembro de e 2010 2010 ACTIVO Notas Activo

Leia mais

Contabilidade. Aprimeira parte deste trabalho é dedicada. Consolidação de contas. versus fusões de empresas

Contabilidade. Aprimeira parte deste trabalho é dedicada. Consolidação de contas. versus fusões de empresas TOC Outubro 2006 #79 21 Consolidação de contas versus fusões de empresas Qual o valor por que devem ser reconhecidas as diferenças de avaliação e o goodwill? Na consolidação de contas, e de acordo com

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 14 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 14 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 14 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA 1 Introdução: A adaptação do Plano Oficial de Contabilidade à Directiva n. o 78/660/CEE (4. a Directiva do Conselho, de 25-7-78), consubstanciada

Leia mais