EXEMPLO. Prática Financeira II Gestão Financeira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXEMPLO. Prática Financeira II Gestão Financeira"

Transcrição

1 EXEMPLO Tendo em conta as operações realizadas pela empresa CACILHAS, LDA., pretende-se a elaboração da Demonstração de fluxos de caixa, admitindo que o saldo de caixa e seus equivalentes, no início de 2010, era de 3.600,00 euros: Operações: 1. Reembolso de prestações suplementares aos sócios no valor de 300,00 euros 2. Pagamento de honorários ao advogado no valor de 500,00 euros 3. Pagamento de despesas com o aumento de capital no valor de 350,00 euros 4. Aquisição de 300 obrigações por 2.500,00 euros. A compra das obrigações visou a aplicação de excedentes de tesouraria, pretendendo-se ter em carteira as obrigações durante oito meses 5. Cobrança de dívidas a clientes: 300,00 euros 6. Desconto bancário de uma letra: Vn = 800,00 euros. E.B: 50,00 euros A Demonstração dos fluxos de caixa seria: Actividades operacionais Recebimentos 300,00 Pagamentos 3.000,00 (1) Fluxo das actividades operacionais 2.700,00 Actividades de investimento Pagamentos 350,00 (2) Fluxo das actividades de investimento 350,00 Actividades de financiamento Recebimentos 750,00 Pagamentos 300,00 (3) Fluxo das actividades de financiamento 450,00 Variação de caixa (4) = ,00 Caixa no início de ,00 Caixa no final de ,00 A variação das disponibilidades (caixa, bancos e equivalentes) entre duas datas, também designado por cash-flow ( 2.600,00 euros), dá ao gestor algumas informações de como foram geradas essas disponibilidades. 16

2 Gestão Financeira a Curto Prazo CAP I EXEMPLO Consideremos os seguintes dados referentes à sociedade EXTREMOZ, LDA: Aplicações Balanços funcionais Variação Activo fixo Activos fixos tangíveis 2.706, , ,18 Activos fixos intangíveis 444,63 444, , , ,81 Necessidades cíclicas Inventários , , ,13 Dívidas de exploração c/prazo 3.485, ,80 Outras 359, ,00 640, , , ,82 Tesouraria activa Dívidas a receber extra-exploração 3.673, ,49 Disponibilidades 1.005, , ,96 TOTAL , , ,10 Origens Capitais permanentes Capitais próprios , ,38 Variação ,08 Recursos cíclicos Fornecedores 3.286, ,84 Dívidas de exploração c/prazo 2.266, , , , ,50 Tesouraria passiva Dívidas a pagar extra-exploração , , ,48 Total , , ,10 O conceito simples de cash-flow está relacionado com a variação das disponibilidades. No caso anterior é de ,96 euros. Como se pode verificar na Demonstração de fluxos de caixa apresentada na página seguinte. Contudo, este valor não nos dá informações sobre o modo como essas disponibilidades foram geradas. É preciso apurar o contributo de cada actividade, operacional, de investimento e de financiamento. Daí a necessidade de elaborar a Demonstração dos fluxos de caixa que explique a variação das disponibilidades e de apurar o cash-flow da empresa ao longo do ciclo financeiro. 17

3 Aplicações Financeiras CAP II EXERCÍCIO O Director financeiro da sociedade, Jorge Gomes, analisou as diversas aplicações financeiras de curto prazo. São várias as alternativas de financiamento num prazo de 3 meses para o excedente de tesouraria. 1 Bilhetes do tesouro a 3 meses, à taxa de 4,9%, com valor nominal de ,00 euros e emitidos a desconto por dentro. 2 Depósito a prazo, à taxa Euribor a 1 mês: 4,8%. Spread de 0,3%. 3 Desconto a pp de fornecedores. PMP: 45 dias. Os fornecedores estão a conceder um desconto de pp de 0,3% para uma liquidação de facturas, até 10 dias após a data da factura. 4 Fundo de tesouraria GALIS, com uma taxa de rendibilidade nominal anual de 5,7%. 5 Depósito no MMI (Mercado Monetário Interbancário) à taxa Euribor a 3 meses, 4,8%, deduzida de um spread de 0,5%. Resolução 99

4 Análise da Rendibilidade 1 Bilhetes do tesouro , R = ( 1 ) ,00 90 R = 0,0506 ou seja 5,06% 2 Depósito a prazo 0, R = [(1 + ) 90/30 1] R = 0,0457 ou seja 4,57% 3 Desconto de pp 0, R = [(1 + ) 90/35 1] 1 0, R = 0,0314 ou seja 3,14% 4 Fundos de tesouraria 0, R = [(1 + ) 90 1] O fundo de tesouraria é capitalizado diariamente. R = 0,05739, ou seja, 5,73% 5 Depósito no MMI (Mercado monetário interbancário) R = 4,8% 0,5% R = 4,3% Análise da Liquidez A liquidez está relacionada com a transformação dos valores investidos em disponibilidades: Se os Bilhetes do tesouro forem levantados antes do prazo há penalizações. Dentro dos produtos em estudo, são dos que apresentam uma liquidez mais baixa. No Fundo de tesouraria, se for respeitado o prazo de pré-aviso, não há penalização. Elevada Liquidez. No Depósito a prazo só há penalização se for desmobilizado no 1º mês. Boa liquidez. No desconto de pp, o período mínimo é de 35 dias. Não há possibilidade de desmobilização durante este período. Baixa liquidez. Depósito no MMI tem uma elevada liquidez. 100

5 Em que: A Valor do empréstimo i Taxa de juro n Prazo t varia de 1 a n Isa Taxa de imposto de selo na abertura do crédito Isj Taxa de imposto de selo sobre os juros EXEMPLO Empréstimo bancário em euros: Valor: euros Taxa de juro fixa de 5,5% Período de carência: 1 semestre Imposto de selo de abertura de crédito: 0,5% ou seja ,5% = 4725 euros Imposto de selo sobre juros: 4% IRC: 35% 5 prestações constantes Apuramento do All in Cost: Semestres Dívida inicial , , , ,16 Amortização Juros Prestação , , , , , , , , , , , , , , , ,41 Efeito fiscal de juros Imposto de selo 1.039, , ,50 842, ,54 640,54 432, ,06 219,33 Efeito fiscal imposto de juros 727,65 519,14 228,24 Efeito fiscal imposto de selo abertura de crédito 551,25 551,25 551,25 Outflow , , , , , ,19 a 5 12,75% = [1 (1 + 2,75%)5] 2,75% = 4, = C 4, C = ,41 euros 128

6 EXEMPLO Empréstimo obrigacionista em euros, por um prazo de três anos: Valor nominal: euros Valor de emissão: 125% Despesas de emissão: 1% Prémio de reembolso: 20% Taxa de juro fixa de 5,75%. Taxa de juro nominal com capitalizações semestrais Reembolso de capital em partes iguais no 2.º ano e no 3.º ano Pagamento dos juros de 6 em 6 meses IRC=35% Apuramento do All in Cost: Semestres Dívida inicial Amortização (1) Juros (2) Efeito fiscal de juros (3) , , , , , , , , , , ,06 Efeito Efeito fiscal fiscal das de prémios despesas de emissão de emissão (5) (4) 1.102, , , , , ,50 Prémio de reembolso (6) , ,00 Efeito fiscal do prémio de reembolso (7) , , ,00 Outflow , , , , , ,31 Outflow = Em que: Valor de emissão: euros ( %) Taxa efectiva semestral: 5,75% 2 = 2,875% Despesas de emissão: % = euros Prémio de reembolso: % = euros Prémio de emissão: % = euros Efeito fiscal de prémios de emissão: ( %) 3 = ,50 euros 130

7 Planeamento Financeiro a Curto Prazo CAP IV EXERCÍCIO Orçamento de Tesouraria do 1.º semestre de 2011 da empresa VILA REAL: Descrição Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Recebimentos 9.400, , , , , ,00 Pagamentos 9.700, , , , , ,00 Saldo 300,00 800, , , , ,00 Saldo (início) 500,00 200,00 600, ,00 500,00 600,00 Saldo do mês 300,00 800, , , , ,00 Saldo (fim do mês) 200,00 600, ,00 500,00 600, ,00 A empresa tem descobertos de tesouraria em Fevereiro, Março e Abril. A empresa vai calcular os montantes financeiros necessários à cobertura dos descobertos periódicos e, ao mesmo tempo, constituir disponibilidades mínimas (300,00 euros a partir de Fevereiro). Pelo que terá de estudar as formas de financiamento mais convenientes, quer em valor quer em prazos. Na elaboração do orçamento financeiro para o primeiro semestre consideremos a taxa de juro de 20%. Teríamos de financiar: Em Fevereiro: Descoberto bancário (600,00 euros) e disponibilidades mínimas (300,00 euros); Em Março: Descoberto bancário (1.600,00 euros) e disponibilidades mínimas (300,00 euros); Em Abril: Descoberto bancário (500,00 euros) e disponibilidades mínimas (300,00 euros). Numa primeira aproximação, podíamos considerar os seguintes financiamentos: um financiamento de 950,00 euros em Fevereiro com a amortização de 40% em Maio e outra de 60% em Junho; um financiamento de 1.100,00 euros em Março a amortizar em Junho. Orçamento financeiro 1.ª aproximação: Descrição Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Saldo (início) 500,00 200,00 293,00 338, , ,00 Saldo do mês 300,00 800, , , , ,00 Saldo (fim do mês) 200,00 600,00 707, , , ,00 Empréstimos 950, ,00 200,00 350,00 393, , , ,00 Juros 57,00 55,00 Amortizações 380, ,00 Saldo final 200,00 293,00 338, , , ,00 241

8 EXERCÍCIO O Hotel Ponderosa localizado no Alentejo considerou os seguintes dados para a elaboração dos orçamentos para 2011: Folha de cálculo: Dados 318

9 Aplicações em EXCEL CAP VI 321

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA 3º Ano 1º Semestre Caderno de exercícios Gestão Financeira de curto prazo Ano letivo 2015/2016 1 1 - A Gestão Financeira de Curto

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à ordem 19.1. Depósitos à ordem 17.2. Depósitos a prazo 19.2. Depósitos a prazo

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO - EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor:

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO - EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO - EUROPA, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 1-jul-15 O Preçário completo do Banco Privado Atlântico Europa, S.A., contém o Folheto

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

EXERCÍCIOS DE SUPORTE ÀS SESSÕES SOBRE UTILIZAÇÃO DE CALCULADORAS FINANCEIRAS

EXERCÍCIOS DE SUPORTE ÀS SESSÕES SOBRE UTILIZAÇÃO DE CALCULADORAS FINANCEIRAS EXERCÍCIOS DE SUPORTE ÀS (versão 2006/2007) Rogério Matias EXERCÍCIOS DE SUPORTE ÀS 1ª SESSÃO (Numeração dos exercícios do livro Cálculo Financeiro Teoria e Prática, excepto exercício designado por Extra

Leia mais

HYPOSWISS PRIVATE BANK GENEVE, SA - SUCURSAL EM PORTUGAL

HYPOSWISS PRIVATE BANK GENEVE, SA - SUCURSAL EM PORTUGAL FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.2. Depósitos a prazo 19.2. Depósitos a prazo 18 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 20 OPERAÇÕES DE CRÉDITO

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

1- Abra o Microsoft Excel e num livro em branco execute os seguintes pedidos, utilizando principalmente as funções financeiras.

1- Abra o Microsoft Excel e num livro em branco execute os seguintes pedidos, utilizando principalmente as funções financeiras. Exercício nº 30 Objectivo: Funções financeiras Nome do documento: Funções financeiras Pedidos: 1- Abra o Microsoft Excel e num livro em branco execute os seguintes pedidos, utilizando principalmente as

Leia mais

ST. GALLER KANTONALBANK AG - SUCURSAL EM PORTUGAL

ST. GALLER KANTONALBANK AG - SUCURSAL EM PORTUGAL FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.2. Depósitos a prazo 19.2. Depósitos a prazo 18 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 20 OPERAÇÕES DE CRÉDITO

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à ordem 19.1. Depósitos à ordem 17.2. Depósitos a prazo 19.2. Depósitos a prazo

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

Financiamento a Longo Prazo DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre

Financiamento a Longo Prazo DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO GESTÃO FINANCEIRA 3º Ano 1º Semestre Caderno de exercícios Financiamento a Longo Prazo Ano letivo 2015/2016 Docentes: António Almeida

Leia mais

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO I - CARACTERIZAÇÃO DA ACTIVIDADE DA EMPRESA/EMPRESÁRIO a) 1.1. Breve resumo da actividade da Empresa/Empresário

Leia mais

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Conheça os significados dos principais termos técnicos utilizados na IGNIOS no âmbito dos: DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Criação de Valor Valor criado pela empresa num período temporal (fonte: Demonstração

Leia mais

Relatório Tipo Dezembro de 20XX

Relatório Tipo Dezembro de 20XX Relatório Tipo Dezembro de 20XX Alvim & Rocha Consultoria de Gestão, Lda. Tel.: 22 831 70 05; Fax: 22 833 12 34 Rua do Monte dos Burgos, 848 Email: mail@alvimrocha.com 4250-313 Porto www.alvimrocha.com

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à Ordem 19.1. Depósitos à Ordem 17.2. Depósitos a Prazo 19.2. Depósitos a Prazo

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

Considere as seguintes informações acerca da actividade da empresa agrícola Monte da Ribeira.

Considere as seguintes informações acerca da actividade da empresa agrícola Monte da Ribeira. BLOCO 7 ASSUNTOS: Orçamentos globais Orçamento financeiro PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Considere as seguintes informações acerca da actividade da empresa agrícola Monte da Ribeira. Recebimentos das vendas da

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 2 de Outubro 2015

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 2 de Outubro 2015 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 2 de Outubro 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO

RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO MONTEPIO TAXA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO DE OBRIGAÇÕES DE TAXA FIXA 30.06.2015 1. Política de Investimentos O Património do

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Demonstração de Fluxos de Caixa

GESTÃO FINANCEIRA. Demonstração de Fluxos de Caixa GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO VIII Objectivo Comparação com a Demonstração de Resultados Métodos de Cálculo Rácios baseados nos fluxos de caixa Documento que mostra a variação das disponibilidades entre dois

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA I LICENCIATURA EM INFORMÁTICA E GESTÃO DE EMPRESAS CAPÍTULO 3 ANÁLISE DA INFORMAÇÃO FINANCEIRA

GESTÃO FINANCEIRA I LICENCIATURA EM INFORMÁTICA E GESTÃO DE EMPRESAS CAPÍTULO 3 ANÁLISE DA INFORMAÇÃO FINANCEIRA GESTÃO FINANCEIRA I LICENCIATURA EM INFORMÁTICA E GESTÃO DE EMPRESAS CAPÍTULO 3 ANÁLISE DA INFORMAÇÃO FINANCEIRA 1) Estime o valor médio do Fundo de Maneio Necessário para uma empresa cuja actividade é

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO PESSOAL

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO PESSOAL ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO PESSOAL Índice Finalidades do crédito pessoal Ficha de Informação Normalizada (FIN) Montante e prazo Modalidades de reembolso Garantias Custos do crédito Taxa

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2008/09 Data: 19 de Junho de 2009 Início: 12h30m Duração: 2h00m Cotação e tempo esperado de resolução:

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA 3º Ano 1º Semestre Caderno de exercícios Planeamento Financeiro de ML/ Prazo Ano letivo 2015/2016 1 Planeamento Financeiro de

Leia mais

Preçário IBERCAJA BANCO, S.A. - SUCURSAL EM PORTUGAL SUCURSAL. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 11-06-2015

Preçário IBERCAJA BANCO, S.A. - SUCURSAL EM PORTUGAL SUCURSAL. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 11-06-2015 Preçário IBERCAJA BANCO, S.A. - SUCURSAL EM PORTUGAL SUCURSAL Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 11-06-2015 Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos

Leia mais

LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO

LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO 30 de dezembro de 2011 Linhas PME Investe Sector do Turismo Características Gerais e Condições de Financiamento - Linhas Específicas do Sector do Turismo - PME INVESTE

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA EXERCÍCIOS CALCULO FINANCEIRO MIGUEL MATIAS

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA EXERCÍCIOS CALCULO FINANCEIRO MIGUEL MATIAS INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA EXERCÍCIOS CALCULO FINANCEIRO MIGUEL MATIAS Ano letivo 2015/2016 INDICE Introdução ao cálculo financeiro... 3 Instrumentos financeiros de curto prazo... 7 Rendas... 9 Amortização

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

Linhas de Crédito PME INVESTE IV

Linhas de Crédito PME INVESTE IV Linhas de Crédito PME INVESTE IV SECTORES EXPORTADORES MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Linhas de Crédito Bonificado com Garantia Mútua UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Gestão Marketing

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011 BALANÇO INDIVIDUAL ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 5 52.063,72 63.250,06 Propriedades de investimento... Goodwill... Activos intangíveis. Activos biológicos.. Participações financeiras

Leia mais

1. O Fluxo de Caixa para á Análise Financeira

1. O Fluxo de Caixa para á Análise Financeira ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ESTGV-IPV Mestrado em Finanças Empresariais 1. O Fluxo de Caixa para á Análise Financeira A análise baseada nos fluxos visa ultrapassar algumas das limitações

Leia mais

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro AULA 10 Capital Próprio Aumentos de capital Demonstração de fluxos de caixa Construção da DFC - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL Por incorporação de Reservas Por

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Capital Próprio CAPITAL PRÓPRIO Conceitos Gerais Aplicação de resultados Valor nominal, contabilístico e de mercado Demonstração das Alterações do C.P. Aumentos de

Leia mais

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática 1. Se 35 m de um tecido custam R$ 140, quanto se pagará 12 m? 2. Se 20 tratores levaram 6 dias para realizar um

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira para Auditor Fiscal da Receita Municipal Pref. Municipal de Angra dos Reis, organizada pela FGV. A prova foi realizada no dia 02/05/2010.

Leia mais

Preçário. Caixa Central de Crédito Agricola Mútuo e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo

Preçário. Caixa Central de Crédito Agricola Mútuo e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo Preçário CAIXA CENTRAL - CAIXA CENTRAL DE CRÉDITO AGRICOLA MÚTUO, CRL E CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DO SISTEMA INTEGRADO DO CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO Caixa Central de Crédito Agricola Mútuo e Caixas

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento...

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 2012 Orçamento Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 8 1 Plano Estratégico 2011-2013 1. Enquadramento O presente documento

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo CASA DO POVO DA ALAGOA Demonstrações Financeiras e Anexo em 31 de Dezembro de 2014 BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 RUBRICAS ACTIVO Euros DATAS 31-12-2014 31-12-2013 Activo não corrente Activos fixos

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO Índice Finalidades do crédito à habitação Avaliação da capacidade financeira Ficha de Informação Normalizada (FIN) Prazo Modalidades de reembolso

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 26 de Outubro de 2015

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 26 de Outubro de 2015 Anexo II Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional Entrada em vigor: 26 de Outubro de 2015 Preçário pode ser consultado nas Agências e locais de atendimento ao público do Banco Keve

Leia mais

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade. INTERPRETAÇÃO DAS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2011 Nota Introdutória: A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais de Atendimento ao público do Banco de Negócios Internacional ou em www.bni.

O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais de Atendimento ao público do Banco de Negócios Internacional ou em www.bni. Instituição Financeira Bancária Preçário das Operações ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 01 de Outubro de 2015 O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

FIN - FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA

FIN - FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA FIN - FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA PARTE I - CONDIÇÕES FINANCEIRAS DO CRÉDITO À HABITAÇÃO A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO E OBSERVAÇÕES 1. Identificação da Instituição Denominação Caixa Geral de Depósitos,

Leia mais

Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 11-09-2014

Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 11-09-2014 Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 11-09-2014 Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 03-08-2015 O Preçário

Leia mais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais 1. Calcule o Valor Presente Líquido do fluxo de caixa que segue, para as taxas de desconto de 8% a.a., 10% a.a.

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

18. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

18. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 18.1. Crédito à habitação e contratos conexos CH e associados Taxa Indexada - Euribor 12m Multiopções associados Taxa Indexada - Euribor 12m Euribor 12m + Spread 1,95% a 5,80% Euribor 12m + Spread 2,95%

Leia mais

ZON MULTIMÉDIA SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES E MULTIMÉDIA, SGPS, S.A.

ZON MULTIMÉDIA SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES E MULTIMÉDIA, SGPS, S.A. ZON MULTIMÉDIA SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES E MULTIMÉDIA, SGPS, S.A. Assembleia Geral de Obrigacionistas de 21 de fevereiro de 2013 Emissão de 3.150 Obrigações Escriturais, ao portador, com valor nominal

Leia mais

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004.

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. CIRCULAR N.º 11/ORÇ/2003 (PROVISÓRIA) A todos os serviços da administração pública regional ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. O Decreto Regulamentar Regional n.º ---/---M, de --de --,

Leia mais

Documentação Comercial Controlo de Tesouraria

Documentação Comercial Controlo de Tesouraria Documentação Comercial Controlo de Tesouraria 1.Introdução A tesouraria surgiu da necessidade das entidades possuíssem um órgão que efectua-se a cobrança das receitas e os pagamentos de despesas. Tendo

Leia mais

Preçário DE LAGE LANDEN INTERNATIONAL, B.V. - SUCURSAL EM PORTUGAL SUCURSAL

Preçário DE LAGE LANDEN INTERNATIONAL, B.V. - SUCURSAL EM PORTUGAL SUCURSAL Preçário DE LAGE LANDEN INTERNATIONAL, B.V. - SUCURSAL EM PORTUGAL SUCURSAL Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 19-Jan-2015 O Preçário

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

5º Workshop da Plataforma do Empreendedor

5º Workshop da Plataforma do Empreendedor 5º Workshop da Plataforma do Empreendedor Lisboa, AIP-CE 27 de Maio de 2010 EMPREENDEDORISMO Da ideia à actividade. O Montepio apoia a criação de negócios independentemente da sua dimensão e está disponível

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO Índice Componentes do custo do crédito Taxa de juro Comissões Despesas Seguros Medidas agregadas do custo do crédito: TAE e TAEG Taxas máximas no crédito

Leia mais

Banif SA - Pag. 1 de 13

Banif SA - Pag. 1 de 13 FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA - CRÉDITO À HABITAÇÃO E DE CRÉDITO CONEXO PARTE I - CONDIÇÕES FINANCEIRAS DO CRÉDITO À HABITAÇÃO A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO E OBSERVAÇÕES 1. Identificação da Instituição

Leia mais

Fundamentos do Cálculo Financeiro. 1. Introdução: o valor temporal do dinheiro 27

Fundamentos do Cálculo Financeiro. 1. Introdução: o valor temporal do dinheiro 27 Índice Índice de casos propostos 13 Prefácio 17 Apresentação 19 Considerações e abreviaturas 23 Capítulo 1 Fundamentos do Cálculo Financeiro 1. Introdução: o valor temporal do dinheiro 27 2. Conceitos

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à ordem 19.1. Depósitos à ordem 17.2. Depósitos a prazo 18 OPERAÇÕES DE CRÉDITO

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E INSTRUMENTOS DE GESTÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA E INSTRUMENTOS DE GESTÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA E INSTRUMENTOS DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO [LGE103] EXERCÍCIOS #2 [Matemática Financeira] 2007-2008 FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO Exercício 1 Uma taxa de juro anual nominal

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

Soluções de Financiamento BES. 21 de Janeiro de 2014

Soluções de Financiamento BES. 21 de Janeiro de 2014 Soluções de Financiamento BES 21 de Janeiro de 2014 Agenda I. Enquadramento II. III. IV. Soluções de Financiamento para «Começar» Soluções de Financiamento para «Crescer e Consolidar» Soluções de Financiamento

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40)

1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40) AULA 08 1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40) 3. Capital Próprio - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 Activos Fixos Intangíveis Activo intangível:

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual A. Elementos de Identificação 1. Identificação da instituição de crédito Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral Informação pré-contratual

Leia mais

Financiamento. Financiamento

Financiamento. Financiamento É preciso ter em conta o valor de: Imobilizações corpóreas Imobilizações incorpóreas Juros durante a fase de investimento Capital circulante permanente 1 O capital circulante tem que financiar o ciclo

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Casos práticos

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Casos práticos Casos práticos Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online O presente documento compreende a informação correspondente aos casos práticos da Comunicação de Operações com o Exterior (COPE)

Leia mais

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano Contabilidade e Controlo de Gestão Ano letivo 2013/2014 Gustavo Dias 5.º Semestre Orçamento anual: instrumento de planeamento a curto prazo que permitirá à empresa quantificar os seus objectivos em termos

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro

Tabela de Taxas de Juro Preçário Banco Angolano de Investimentos, S.A. (Instituição Financeira Bancária) ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 26 DE MARÇO DE 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões

Leia mais

Série 351 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-15

Série 351 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-15 31-jan-15 a - Saldo atual dos CRI Seniors (41.549.888,87) c - Saldo devedor total da carteira, encargos e valores a processar 41.531.091,58 d - Fundo de Reserva (c/c + aplicação) 322.489,08 f - Excedente

Leia mais

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Tipo de Propriedade 1ª Habitação Residência habitual do agregado familiar (habitação própria permanente). 2ª Habitação Residência não habitual do agregado familiar

Leia mais

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação:

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação: 1. A aplicação do princípio da prudência está exclusivamente relacionada com o registo de perdas de imparidade em activos e provisões : a) Verdadeira; b) Falsa 2. Regra geral, o IVA não dedutível deve

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO IV Objectivo Teoria tradicional do Equilíbrio Financeiro O Fundo de Maneio Funcional e as NFM A Tesouraria Líquida Estratégias de Financiamento face ao Risco ISEG/UTL Teoria Tradicional

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

Finanças Para Não Financeiros

Finanças Para Não Financeiros Finanças Para Não Financeiros PROGRAMA 1- Estrutura Patrimonial 1.1 - Balanço 1.2 Demonstração de Resultados 1.3 Rácios Financeiros 1.4 - Casos Práticos 2 Planeamento Financeiro de Médio/ Longo Prazo 2.1

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BANCO PRIMUS, SA, contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais