Terceiro Ciclo de Revisões Tarifárias das Concessionárias de Distribuição de Energia Elétrica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Terceiro Ciclo de Revisões Tarifárias das Concessionárias de Distribuição de Energia Elétrica"

Transcrição

1 Terceiro Ciclo de Revisões Tarifárias das Concessionárias de Distribuição de Energia Elétrica Contribuição da EDP para a 2ª fase da Audiência Pública ANEEL AP 040/2010 CUSTO DE CAPITAL 03 de Junho de 2011

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO ESTRUTURA DE CAPITAL (D/E) INCENTIVO FISCAL NA REGIÃO DA SUDAM/SUDENE RISCO REGULATÓRIO RISCO DE CRÉDITO CONSIDERAÇÕES FINAIS

3 1. INTRODUÇÃO A EDP Energias do Brasil, empresa que detém o controle acionário integral das concessionárias de distribuição de energia elétrica Bandeirante Energia S.A. e Espírito Santo Centrais Elétricas S.A. ESCELSA, entende relevante enfatizar, de início, seu reconhecimento pelo esforço que vem sendo promovido pela ANEEL para o aperfeiçoamento do arcabouço regulatório a ser aplicado no Terceiro Ciclo de Revisão Tarifária Periódica ( 3CRTP ) das concessionárias de distribuição de energia elétrica. Nessa perspectiva, visando colher subsídios para aperfeiçoar a metodologia, a ANEEL reabriu o processo de Audiência Pública nº 040/2010 ( AP") e submeteu para apreciação dos Agentes do Setor e da Sociedade em geral a Nota Técnica nº 095/2011-SRE/ANEEL, de 13 de abril de 2011 ( NT ). Nesta nova NT a ANEEL incorpora contribuições obtidas a partir das manifestações apresentadas pelos agentes na 1ª etapa dessa AP quando disponibilizou a Nota Técnica nº 262-SRE/ANEEL, propondo a metodologia e critérios para definição da ESTRUTURA E DO CUSTO DE CAPITAL REGULATÓRIOS a ser aplicada no 3CRTP. Propõe a ANEEL desta feita alterar o método de determinação da estrutura de capital, e passa a utilizar como (i) Ativo, a base de remuneração líquida do segundo ciclo atualizada para dezembro de 2009, baseando-se nas movimentações contábeis; e para o (ii) Capital de Terceiros, o passivo oneroso de curto e longo prazo, ambos deduzidos do saldo da conta de Reserva Geral para Reversão ( RGR ). 3

4 O custo de capital é baseado no Custo Médio ponderado do Capital (Weighted Average Cost of Capital WACC), adotado em conjunto com CAPM (Capital Asset Pricing Model) para o cálculo do custo do capital próprio e de terceiros. Para o cálculo do CAPM foram considerados dados do mercado norte americano referentes à taxa livre de risco, parâmetro beta e risco de mercado. Por conta da dificuldade prática da estimação com dados do mercado brasileiro enquanto não se acumule histórico estatisticamente representativo, a saída propugnada pelo Regulador foi a de adicionar um componente de Risco País para ajustar às especificidades do mercado brasileiro. Diferentemente do segundo ciclo de revisões tarifárias, a ANEEL desconsiderou os componentes de riscos do regime regulatório (Price-Cap e Rate of Return) e cambial. O custo de capital das empresas de distribuição de energia elétrica deve ser entendido como uma taxa de retorno, que reconhece o risco do setor em que estão inseridas, de forma a garantir a atratividade adequada aos investidores, conferindo estímulos para alocação de capital na atividade. Esta atratividade torna possível a provisão de um serviço público de qualidade e que se expande adequadamente, condicionante essencial para um crescimento econômico sustentado. Um custo de capital regulatório abaixo do custo de oportunidade pode inviabilizar economicamente novos investimentos no setor, acarretando uma redução de investimentos para níveis sub-ótimos e, consequentemente, em uma piora na qualidade do serviço. Acarretará também em distorções dos sinais de preços, tanto para consumidores quanto para investidores, o que progressivamente limitará a expansão dos serviços com implicações negativas para o bem estar da sociedade hoje e no futuro. 4

5 2. ESTRUTURA DE CAPITAL (D/E) Proposta da ANEEL Para a determinação da estrutura ótima de capital do 3CRTP a ANEEL partiu de dados empíricos das empresas de distribução de energia elétrica no Brasil nos anos mais recentes. A NT, incorporando as contribuições recebidas na 1ª etapa desta AP040, propõe a utilização do passivo oneroso de curto e longo prazo ao invés do passivo exigível total. Em relação ao capital próprio, propõe que seja cálculado pela diferença entre o ativo (base de remuneração Líquida do segundo ciclo atualizada para dezembro de 2009) e o passivo oneroso de curto e longo prazo, ambos deduzidos do saldo da RGR. Considerações Consideramos que a utilização da base de remuneração líquida como ativo é um aprimoramento, em relação ao proposto na 1 a etapa da AP, que adotava o patrimônio líquido como a participação do capital próprio. Isto porque os ativos estão em valores históricos, ou seja, não refletem seus valores reais, ocasionando uma subestimação de sua participação na estrutura de capital regulatória o que, em contra partida, provoca uma elevação na participação do capital de terceiros. No entanto, entendemos que pode ainda haver aprimoramentos, somando-se à base de remuneração líquida, os investimentos ainda em curso, obtendo-se com isso um valor de ativo que representa a realidade para as empresas. Cabe lembrar que os recursos para esses investimentos em curso também integram o passivo oneroso de curto e longo prazo. 5

6 Sendo assim, o não reconhecimento desses investimentos na base de remuneração líquida estará reduzindo a participação do capital próprio no ativo e elevando a participação do capital de terceiros. Entendemos também que a proposta da NT de reconhecer o passivo oneroso de curto e longo prazo como proxy para o capital de terceiro é coerente, pois são sobre esses passivos que são geradas as despesas financeiras. A exemplo do que comentamos sobre a formação do valor para o Ativo, também entendemos que também para o caso do valor para o passivo oneroso pode haver aprimoramentos. Entendemos que se for utilizado o conceito de passivo oneroso líquido, a ser obtido com a dedução do valor das disponibilidades (recursos financeiros em caixa e aplicações financeiras) e dos financiamentos de débitos de consumidores, estaremos mais próximos do endividamento real das empresas. Contribuições da EDP Diante do exposto, a EDP entende e sugere que i) para composição do valor do Capital Próprio, devam ser considerados os valores da base de remuneração regulatória líquida acrescida dos investimentos em curso e para ii) composição do Capital de Terceiros, deva ser considerado o valor do passivo oneroso deduzido do valor das disponibilidades. 3. INCENTIVO FISCAL NA REGIÃO DA SUDAM/SUDENE Proposta da ANEEL Na 1ª etapa da AP, a ANEEL, propôs que fosse considerado o percentual de 6,25% do IRPJ no cálculo do custo de capital, repassando a diminuição da carga tributária das distribuidoras localizadas na área de atuação da SUDAM e da SUDENE às tarifas de energia elétrica. 6

7 Nesta 2ª etapa da AP, abstendo-se das questões jurídicas, a ANEEL modifica o tratamento inicial, e propõe que os investimentos, realizados a partir dos recusos financeiros adquiridos pelo incentivo fiscal, tenham o mesmo tratamento dado aos investimentos feitos com participação de terceiros (Obrigações Especiais). Para tanto, a NT propõe que o valor contabilizado do incentivo fiscal SUDAM/SUDENE desde a data da segunda revisão tarifária seja atualizado e deduzido do Ativo Imobilizado em Serviço. Considerações O incentivo fiscal é um regime especial de tributação por meio de isenção ou redução da base tributável ou alíquotas. A utilização desse instrumento visa compensar falhas de mercado ou promover o desenvolvimento de áreas ou regiões menos favorecidas, com vistas a estimular investimentos privados. Os incentivos fiscais concedidos pelo poder público abarcam inúmeros estudos específicos e discussões políticas, desde a sua previsão constitucional até a publicação da ampla gama de atos normativos, entre Leis Complementares, Leis Ordinárias, Decretos regulamentadores, Portarias Ministeriais e Interministeriais, Instruções Normativas, Despachos, Atos Declaratórios executivos e interpretativos. Somente após passar por esse árduo caminho, os incentivos fiscais se inserem no sistema jurídico tributário brasileiro e passam a vigorar em sua plenitude. Como a própria terminologia indica, incentivos tem um alvo certo, um propósito firme e bem delimitado, um objetivo específico, e frise-se que este objetivo nunca foi promover o aumento do lucro das empresas ou favorecer a distribuição de dividendos em qualquer setor (isonomicamente), mas o de promover uma ação em linha com as responsabilidades do governo, e no interesse da sociedade 7

8 O incentivo busca promover a geração de empregos, a integração e o desenvolvimento social por meio de estímulos ao desenvolvimento da infraestrutura e atração de investimentos para regiões economicamente menos favorecidas, naturalmente menos competitivas e que não tem condições de concorrer com as regiões mais ricas, com maiores índices de renda per capita e com melhor infra-estrutura. Anular o incentivo fiscal na região da SUDAM/SUDENE teria a mesma conotação de anular o incentivo à Cultura, ao Desporto, ao Audiovisual, ao PAT, pois são todos incentivos baseados, da mesma forma, nas normas do Imposto de Renda e da Contribuição Social. Anular o incentivo à região da SUDAM/SUDENE, destruiria a isonomia entre os investimentos: por hipótese, um mesmo capital, ao invés de investido no setor elétrico, poderia gerar um resultado melhor se aplicado, por exemplo, em outros tipos de indústrias que continuariam a usufruir normalmente dos incentivos fiscais, minando o interesse do capital para investimentos na infra-estrutura do setor elétrico (contrário inclusive ao próprio papel da ANEEL). Uma vez definido o que seja efetivamente "lucro", na forma da lei, nasce uma relação entre o seu proprietário e a Receita, vastamente regulada na matéria federal. Após a passagem do lucro pelas intrincadas normas de tributação do Imposto de Renda (IR) e da Contribuição Social (CS) 1, o que resta, é matéria do que pode ser distribuído ou reinvestido, a critério de seus administradores (inclusive realizar doações para apoiar programas como cultura e audiovisual, etc). O poder regulador da ANEEL interfere na formação do Ativo, Passivo, Receitas, Custos e Despesas, até a formação do Lucro na medida do equilíbrio econômico necessário para cobrir os custos de operação da concessão e gerar margem suficiente para atração do Capital (interesse dos investidores). 1 Segundo a legislação nacional o IR e o CS são encargos devidos pelas empresas em razão de seu patrimônio e de sua renda. 8

9 De modo prático, o incentivo ao desenvolvimento das regiões abrangidas pela SUDAM e SUDENE, trata-se de um mecanismo isonomicamente concedido a qualquer investidor (e não apenas ao do setor elétrico), que deve se comprometer, basicamente, a: i) aplicar seu capital na região incentivada; e ii) não distribuir o incentivo. Dessa forma, quando a ANEEL projeta distribuir o incentivo, ocorrem vários desequilíbrios que poderiam ensejar a recomposição do valor por parte do acionista: além de perder um incentivo sobre o seu investimento, pela distribuição ao consumidor, deveria ter um novo desembolso da mesma ordem para recompor a matéria que não deveria ter sido distribuída, ensejando ações de repetição, e outras de diversas ordens. Em última análise, o setor elétrico perderia em competitividade na busca de capitais de investimento. Contribuições da EDP Diante do exposto, a EDP entende e propôe que o benefício é um estímulo econômico, e como tal, não deva ser capturado para fins de modicidade tarifária. O procedimento proposto pela ANEEL geraria um efeito contrário ao esperado pelo incentivo, dado que esse benefício adquirido deverá ser reinvestido na própria região. 9

10 4. RISCO REGULATÓRIO Proposta ANEEL No segundo ciclo, a ANEEL, reconhecendo um risco adicional entre os diferentes modelos de regimes regulatórios (Price Cap e Rate of Return), incorporou no cálculo do CAPM o componente Risco Regulatório. A inclusão do risco regulatório no modelo visa capturar esse efeito, em termos de risco da mudança de regime regulatório, com a premissa de que EUA e Grã-Bretenha são países com mesmo risco, pois se trata de mercados já desenvolvidos. Logo, a diferença entre os betas desalavancados do negócio de energia elétrica deve, neste caso, refletir tão somente o risco do regime regulatório adotado por cada país. No terceiro ciclo de revisão tarifária, a ANEEL propõe desconsiderar este componente de risco de regime regulatório sob a justificativa de que não é possível afirmar a existência de regimes regulatórios puros. Menciona que nos EUA existem estados que adotam instrumentos de incentivos relacionados ao regime price-cap, que parte das empresas americanas do setor elétrico são verticalizadas e que no Brasil há parcelas da receita que contém mecanismos de mitigação de riscos. Ademais, assume que para considerar este risco seria necessário calcular a exata diferença provocada pelas instituições regulatórias e que tal risco já estaria considerado no risco país que engloba a qualidade institucional do país. Considerações Conforme o item 56 da seção II.3.5., a ANEEL reconhece haver um risco regulatório provocado pela diferença entre os modelos de regimes regulatórios (Price Cap e Rate of Return), mas pondera que para considerá-lo como componente da metodologia, seria necessário calcular a diferença exata entre os riscos considerando ou não a intervenção das Agências Reguladoras. 10

11 O regime regulatório Price Cap, vertente da regulação por incentivos, não contempla a remuneração das empresas pelo custo do serviço que é característico da regulação por taxa de retorno. No Price cap, as tarifas deixam de ser baseadas nos custos incorridos pelos concessionários e passam a ser apoiadas na determinação de custos eficientes, que podem se distanciar daqueles efetivamente verificados pela empresa regulada. Neste sentido, há no regime Price Cap o risco de não se recuperar o capital investido pela concessionária, afetando diretamente a remuneração do capital esperado pela empresa. A NT, menciona que há mecanismos de mitigação de risco, mas que na verdade, como reconhece a própria a ANEEL, estão relacionados com a parcela não gerenciável pela concessionária. Não há nenhum mecanismo de mitigação dos riscos referentes as glosas que possam ocorrer pelo não reconhecimento de investimentos e por custos operacionais não cobertos mesmo que associados ao serviço de distribuição, obrigações e exigências regulatórias. Portanto, no parâmetro beta, componente do CAPM, apenas certas ações do regulador estão capturadas, como multas, penalidades, alterações metodológicas e índices tarifários. Somos de opinião que outras ações regulatórias, como o não reconhecimento da totalidade dos investimentos e dos custos operacionais, definitivamente não estão refletidas nos valores das ações e por consequência no beta. Isto porque, para o cálculo do beta, utilizou-se uma versão referenciada no mercado norte americano, que possui mercados, instituições e procedimentos regulatórios maduros com regras claras e bem definidas, que sofrem poucas alterações. 11

12 Por outro lado, tanto o mercado quanto as instituições e os procedimentos regulatórios no Brasil encontram-se em fase de amadurecimento. Com isso, as regras ainda não estão bem definidas e sofrem alterações significativas ao longo do tempo. Este risco de intervenção regulatória eleva o risco das empresas do setor de distribuição e deve ser reconhecido no cálculo do custo de capital regulatório. Contribuições da EDP Diante do exposto, a EDP considera indispensável a incorporação do risco regulatório na metodologia de cálculo do custo de capital, uma vez que nem o beta e nem o risco país incorporam totalmente a diferença de atuação do Regulador nos EUA e no Brasil. Uma alternativa seria incorporar a variação entre o IBOVESPA e S&P 500, critério já utilizado pela Agência Reguladora da área de saneamento no Brasil, com o intuito de garantir o melhor ajuste do beta à realidade brasileira. 5. RISCO DE CRÉDITO Proposta ANEEL Para o prêmio de Risco de Crédito, a ANEEL nesta NT optou por adotar o spread sobre a taxa livre de risco que pagam as empresas com a mesma classificação de risco das distribuidoras de energia elétrica brasileiras. A ANEEL apresentou na tabela abaixo os ratings em janeiro de 2011 das distribuidoras de energia elétrica do Brasil que possuem classificação na agência de risco Moody s. 12

13 Ratings de Empresas Distribuidoras de Energia Elétrica* Fonte: Lista de Ratings da Moody s Para o Brasil 1º de janeiro de 2011 *Escala Global Moeda Local Como se constata o melhor rating das empresas brasileiras é Baa3 e foi adotado como referência para o risco de crédito das empresas de distribuição. Considerações O risco de crédito reflete a probabilidade de redução do valor econômico dos ativos da empresa em comparação com suas dívidas, indicando que os fluxos de caixa esperados não são suficientes para liquidar as obrigações assumidas. A ANEEL, ao usar a melhor classificação de Rating das empresas de distribuição para o cálculo do custo da dívida, adota abordagem que destoa dos critérios aplicados aos outros componentes da metodologia de Custo de Capital. 13

14 Na definição do custo de capital próprio, quando define o beta das empresas norte americanas, o Regulador adota uma média de desempenhos de 29 empresas e não um beta de empresa específica ou das mais eficientes. O prêmio do mercado acionário é calculado também em relação a uma amostra do mercado acionário (S&P 500) e não para as empresas com menor ou maior risco. Quando avalia a estrutura ótima de capital novamente, a ANEEL observa um valor médio para o conjunto das principais empresas distribuidoras no país e não para aquelas mais eficientes. Na NT, a ANEEL contrapõe os argumentos apresentados acima indicando que: a metodologia proposta para o custo de capital regulatório não tem como objetivo estabelecer parâmetros médios de eficiência. Não se pode desvincular, entretanto, a lógica do custo de capital daquela da eficiência como almeja o Regulador. As próprias agências de risco avaliam indicadores financeiros e de eficiência para a definção dos ratings. Este aspecto fica evidenciado nos informes da Moodys (Rating Action) que tratam tanto dos fundamentos financeiros como também do ambiente operacional e de eficiência da empresa analisada. Esta vinculação pode ser vista, por exemplo, na análise feita pela agência Moodys do Banco Itau BBA International, editada em 17/05/2011, transcrita abaixo: RATINGS RATIONALE DOWNGRADE OF IBBA INTERNATIONAL'S BFSR Moody's downgrade of IBBA International's standalone BFSR was based on a combination of the following factors: (i) Concerns on the long-term sustainability of the bank's business model and its capacity to compete with bigger players in the corporate banking business and with more specialised banks in the private banking business (ii) Credit-risk concentration remains at very high levels (iii) The bank's worse-than-average profitability and efficiency indicators posted recently. The corporate and investment banking business recorded modest profitability in 2010 and the private banking business was loss making (partly as result of the operating costs associated with launch of a private banking subsidiary in Switzerland) (iv) Structural reliance on wholesale funding exposing the bank to a potential longer-term shut-down of these markets. Not with standing, we note that interbank 14

15 funding has been available for IBBA International during the crisis Moody s Investors Service Global Credit Research Rating Action 17/05/2011. O texto demonstra que na análise dos ratings se agrupam elementos relativos a eficiência e a análise financeira das empresas. Logo, o rating tem relação com a eficiência das empresas analisadas. Sendo assim, da mesma forma que a ANEEL define o beta, o prêmio de mercado e a estrutura de capital a partir de uma média de uma amostra de empresas e não com dados do mais eficiente, a utilização do rating médio para as empresas de distribuição de energia elétrica é a abordagem mais consistente. Esta abordagem está igualmente em linha com a avaliação dos custos operacionais eficientes que é baseada no nível médio de eficiência das empresas como evidenciado na passagem abaixo: V. CONCLUSÃO Fls 45 da NT265/ A metodologia a ser considerada para definição dos custos operacionais regulatórios no 3CRTP traz aprimoramentos relevantes com relação às ferramentas a serem empregadas. Se por um lado as ferramentas são aprimoradas, por outro, preservam-se os conceitos e princípios utilizados pela ANEEL na definição dos custos operacionais no 2CRTP, como os incentivos à eficiência, a consideração do nível médio de eficiência, a transparência, reprodutibilidade dos resultados, estabilidade regulatória, preocupação com a assimetria de informação, a modicidade tarifária, dentre outros Contribuições da EDP Diante do exposto, a EDP propõe que a ANEEL passe a considerar a média dos spreads das diversas classificações de risco das empresas do setor de distribuição, preservando um mesmo padrão de critérios para compomentes do WACC e dos custos operacionais regulatórios. 15

16 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS Por fim, é importante ressaltar que, após essa manifestação formal e durante o curso do processo do 3CRTP as distribuidoras do Grupo EDP se reservam o direito de, tempestivamente, reavaliar conceitos e valores propostos complementando e/ou retificando toda ou parcialmente a argumentação aqui contida, quando julgar cabível. 16

Contribuição AES BRASIL 1

Contribuição AES BRASIL 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL Nº 002/2014 Contribuição da AES Brasil à Audiência Pública ANEEL n⁰ 002/2014, a qual tem o objetivo obter subsídios para o aprimoramento da metodologia de cálculo de custo de capital

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 2: Revisão Tarifária Periódica das Concessionárias de Distribuição

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 2: Revisão Tarifária Periódica das Concessionárias de Distribuição A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 2: Revisão Tarifária Periódica das Concessionárias de Distribuição S u b m ó d u l o 2. 4 C U S T O D E C A P I T A L Revisão 1.0

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 2 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica n o 250/2007 SRE/ANEEL Em 2 de agosto de 2007. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Título Custo de capital regulatório e investimentos em energia Veículo Valor Econômico Data 22 janeiro 2015 Autores Claudio J. D. Sales, Richard Lee

Título Custo de capital regulatório e investimentos em energia Veículo Valor Econômico Data 22 janeiro 2015 Autores Claudio J. D. Sales, Richard Lee Título Custo de capital regulatório e investimentos em energia Veículo Valor Econômico Data 22 janeiro 2015 Autores Claudio J. D. Sales, Richard Lee Hochstetler e Eduardo Müller Monteiro A distribuição

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Metodologia para o Terceiro Ciclo de Revisão Tarifária

Metodologia para o Terceiro Ciclo de Revisão Tarifária AP040/2010 Metodologia para o Terceiro Ciclo de Revisão Tarifária Claudio Sales - Presidente Dezembro/2010 Avaliação da proposta metodológica A contribuição do Instituto Acende Brasil aborda dois componentes

Leia mais

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º COMPLEMENTO AO Anexo I da Nota Técnica n o Nota Técnica no 077/2015-SRM-SRD-SRG-SGT-SFF-SCG/ANEEL de 08/05/2015 (Análise de contribuições que não constaram do RAC Minuta de Resolução, Anexo I da NT 08/05/2015)

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D (Em milhões de reais, exceto se indicado de outra forma) --------- Lucro do Período A Cemig Distribuição apresentou, no exercício de 2008, um lucro líquido de R$709

Leia mais

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por:

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por: A Tarifa de Energia O que é a tarifa de energia? Simplificadamente, a tarifa de energia é o preço cobrado por unidade de energia (R$/kWh). Em essência, é de se esperar que o preço da energia elétrica seja

Leia mais

CUSTO DE CAPITAL AUDIÊNCIA PÚBLICA 123/2013

CUSTO DE CAPITAL AUDIÊNCIA PÚBLICA 123/2013 Sumário Modelo CAPM... 2 Risco Cambial... 3 Risco Regulatório... 4 Tamanho das Séries Históricas... 5 Modelo CAPM Embora exista certa diversidade de metodologias para o cálculo do risco de capital, o modelo

Leia mais

ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento

ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento TAX ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento Ativo diferido de imposto de renda da pessoa jurídica e de contribuição social sobre o lucro líquido aspectos fiscais e contábeis Outubro de 2014 1. Noções

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 9: Concessionárias de Transmissão. S u b m ó d u l o 9. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 9: Concessionárias de Transmissão. S u b m ó d u l o 9. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 9: Concessionárias de Transmissão S u b m ó d u l o 9. 8 M e t o d o l o g i a d e c á l c u l o de p r e ç o t e t o d a R e c e

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL

METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL (ARTIGO 13(6) DO REGULAMENTO 347/2013 1 ) Setembro 2015 1 Regulamento (UE) N.º 347/2013

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 12: Concessionárias de Geração. S u b m ó d u l o 12. 3

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 12: Concessionárias de Geração. S u b m ó d u l o 12. 3 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 12: Concessionárias de Geração S u b m ó d u l o 12. 3 C U S T O D E C A P I T A L DA G E R A Ç Ã O Revisão Motivo da revisão Instrumento

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2014 NOTA TÉCNICA 353/2014 SFF/ANEEL

CONTRIBUIÇÕES À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2014 NOTA TÉCNICA 353/2014 SFF/ANEEL CONTRIBUIÇÕES À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2014 NOTA TÉCNICA 353/2014 SFF/ANEEL INSTITUIÇÃO DE INDICADORES PÚBLICOS DE SUSTENTABILIDADE PARA A FISCALIZAÇÃO DO EQUILÍBRIO ECONÔMICO E FINANCEIRO DAS DISTRIBUIDORAS

Leia mais

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 006/2015

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 006/2015 ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 006/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado de Pernambuco AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Audiência

Leia mais

3 Regulação sobre a taxa de retorno 3.1. Taxa de retorno em setores regulados

3 Regulação sobre a taxa de retorno 3.1. Taxa de retorno em setores regulados 3 Regulação sobre a taxa de retorno 3.1. Taxa de retorno em setores regulados Os setores que representam a prestação dos serviços públicos no Brasil e em boa parte das economias do mundo ocidental estão

Leia mais

Medida Provisória 627/13 Giancarlo Matarazzo

Medida Provisória 627/13 Giancarlo Matarazzo Medida Provisória 627/13 Giancarlo Matarazzo 2 de Dezembro de 2013 1 Evolução Histórica Introdução no Brasil de regras contábeis compatíveis com os padrões internacionais de contabilidade IFRS Essência

Leia mais

ULHÔA CANTO, REZENDE E GUERRA - ADVOGADOS. Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 052/2007 Aprimoramento da Resolução Normativa ANEEL nº 234/2006

ULHÔA CANTO, REZENDE E GUERRA - ADVOGADOS. Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 052/2007 Aprimoramento da Resolução Normativa ANEEL nº 234/2006 ULHÔA CANTO, REZENDE E GUERRA - ADVOGADOS AV. BRIGADEIRO FARIA LIMA, 1847 - TEL.:(55-11)3066-3066 - FAX: (55-11)3081-5804 - E-mail: ucrgsp@ucrg.com.br - CEP 01451-001 - SÃO PAULO - SP AV. PRES. ANTONIO

Leia mais

Serviço de Gás Canalizado. Nota Técnica da Revisão Tarifária 2006

Serviço de Gás Canalizado. Nota Técnica da Revisão Tarifária 2006 Serviço de Gás Canalizado Nota Técnica da Revisão Tarifária 2006 Apresenta-se abaixo as considerações realizadas por esta Agência quanto ao Pleito Tarifário apresentado pela ALGÁS. ALGÁS: PLEITO TARIFÁRIO

Leia mais

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final NOTA TÉCNICA Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final Aplicação: Distribuidoras de Gás do Estado de São Paulo Fevereiro 2012

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS DEZEMBRO 2013 Exercícios findos em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Valores expressos em milhares de reais. SUMÁRIO Demonstrações Financeiras Regulatórias Balanços Patrimoniais

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais SUMÁRIO Demonstrações Contábeis Regulatórias Balanços Patrimoniais Regulatórios...3

Leia mais

Contabilização do ativo financeiro, intangível e imobilizado na visão do regulador

Contabilização do ativo financeiro, intangível e imobilizado na visão do regulador Contabilização do ativo financeiro, intangível e imobilizado na visão do regulador Antonio Araújo da Silva Superintendente de Fiscalização Econômica e Financeira São Paulo SP 15 de março de 2012 AGENDA

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08 Reconhecimento de Determinados Ativos ou Passivos nos relatórios Contábil-Financeiros de Propósito Geral das Distribuidoras de Energia Elétrica

Leia mais

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador XVIII ENCONSEL Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador Canela-RS Novembro de 2002 José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Aspectos Econômico-financeiros do Setor Elétrico Visão

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 José Félix de Souza Júnior Objetivo e Alcance Deve ser aplicado na contabilização e na divulgação de subvenção governamental

Leia mais

Light Serviços de Eletricidade S.A. Demonstrações contábeis regulatórias referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013

Light Serviços de Eletricidade S.A. Demonstrações contábeis regulatórias referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 Light Serviços de Eletricidade S.A. Demonstrações contábeis regulatórias referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 Balanços Patrimoniais Regulatório e Societário Nota Societário Ajustes CPCs

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia - MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 33/COGEN/SEAE/MF Brasília, 14 de outubro de 2011. Assunto: Audiência

Leia mais

Reestruturação Societária Grupo Telesp. Criando Valor

Reestruturação Societária Grupo Telesp. Criando Valor Reestruturação Societária Grupo Criando Valor Novembro, 1999 Índice 8 Visão Geral da Reestruturação 2 8 Passos da Reestruturação 3 8 Benefícios da Reestruturação 4 8 Bases da Reestruturação 5 8 As Relações

Leia mais

Audiência Pública nº 006/2015

Audiência Pública nº 006/2015 Audiência Pública nº 006/2015 Aprimoramento do sistema de Bandeiras Tarifárias e da regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifária Contribuições do Grupo Energisa Rio de Janeiro,

Leia mais

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Apresentação da Teleconferência 06 de agosto de 2015 Para informações adicionais, favor ler cuidadosamente o aviso ao final desta apresentação. Divulgação

Leia mais

ELETROBRÁS PARTICIPAÇÕES S/A - ELETROPAR BALANÇO EM 31 DE MARÇO 2009 E 2008 (Em milhares de Reais)

ELETROBRÁS PARTICIPAÇÕES S/A - ELETROPAR BALANÇO EM 31 DE MARÇO 2009 E 2008 (Em milhares de Reais) ATIVO ELETROBRÁS PARTICIPAÇÕES S/A - ELETROPAR CIRCULANTE Disponibilidades Aplicação Financeira 27.880 14.201 Caixa e Bancos 18 65 27.898 14.266 Contas a Receber Eletronet 59.145 59.145 Empresas Cedentes

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

TÍTULO: O BENEFÍCIO DA SUBSTITUIÇÃO DE DIVIDENDOS E DA REMUNERAÇÃO DO TRABALHO DE SÓCIOS DIRIGENTES PELOS JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO - JCP

TÍTULO: O BENEFÍCIO DA SUBSTITUIÇÃO DE DIVIDENDOS E DA REMUNERAÇÃO DO TRABALHO DE SÓCIOS DIRIGENTES PELOS JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO - JCP IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: O BENEFÍCIO DA SUBSTITUIÇÃO DE DIVIDENDOS E DA REMUNERAÇÃO DO TRABALHO DE SÓCIOS DIRIGENTES PELOS JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO - JCP AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA CATEGORIA

Leia mais

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira APIMEC RIO Resultados do 1T12 Diretoria Econômico-Financeira e de Relações com Investidores Aviso Esta apresentação pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

Revisão da Resolução 180/2011

Revisão da Resolução 180/2011 Revisão da Resolução 180/2011 Proposta de resolução que dispõe sobre o modelo de regulação tarifária, reajusta os tetos das tarifas aeroportuárias, estabelece regras para arrecadação e recolhimento e revoga

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 012/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: CRELUZ COOPERATIVA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 012/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: CRELUZ COOPERATIVA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 012/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: CRELUZ COOPERATIVA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL EMENTA: obter

Leia mais

Prezado(a) Concurseiro(a),

Prezado(a) Concurseiro(a), Prezado(a) Concurseiro(a), A prova do TCM/RJ foi realizada no último final de semana e vou aproveitar para resolver as questões de Contabilidade Geral de forma simplificada e objetiva (nos cursos online,

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

Incorporação do efeito da deseconomia de escala do Programa Luz para Todos. Cristine Juste cristine@cataguazes.com.br

Incorporação do efeito da deseconomia de escala do Programa Luz para Todos. Cristine Juste cristine@cataguazes.com.br Incorporação do efeito da deseconomia de escala do Programa Luz para Todos no cálculo c do fator Xe Cristine Juste cristine@cataguazes.com.br Universalização/Programa Luz para Todos Lei nº 10.438/2002:

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras do exercício

Leia mais

11 Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública

11 Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública TREINAMENTO: ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DOS CONTRATOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO REGULADA ACR E AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE - ACL PROGRAMA 1 Aspectos dos Contratos da

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Aspectos Tributários dos Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente de Contratação Regulada ACR e Ambiente de Contratação Livre - ACL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 Aspectos dos Contratos da

Leia mais

2 Revisão da Literatura

2 Revisão da Literatura 12 2 Revisão da Literatura 2.1. Avaliações de Projetos de Investimentos 2.1.1. Avaliações pelo Método do Fluxo de Caixa Descontado O método do fluxo de caixa descontado diz respeito ao conceito do valor

Leia mais

Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas

Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas São Paulo, 28 de julho de 2006 À Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Regulação Econômica SRE BRASILIA - DF Ref.: Audiência Pública 008/2006 Processo 48500.001208/2006-37 Assunto:

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE CONTRATOS DE CONCESSÕES E PPPS MARÇO 2015

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE CONTRATOS DE CONCESSÕES E PPPS MARÇO 2015 PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE CONTRATOS DE CONCESSÕES E PPPS MARÇO 2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) OU TAXA

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

O desempenho financeiro das distribuidoras de energia elétrica e o processo de revisão tarifária periódica

O desempenho financeiro das distribuidoras de energia elétrica e o processo de revisão tarifária periódica 56 Capítulo IV O desempenho financeiro das distribuidoras de energia elétrica e o processo de revisão tarifária periódica Por Nivalde J. de Castro, Roberto Brandão e Luiz Ozório* O processo de revisão

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À CONSULTA PÚBLICA Nº 012/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO:

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À CONSULTA PÚBLICA Nº 012/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À CONSULTA PÚBLICA Nº 012/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GRANDES CONSUMIDORES INDUSTRIAIS DE ENERGIA E DE CONSUMIDORES LIVRES ABRACE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA

Leia mais

JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO

JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO Alunos: Gleidiane Lacerda de Souza Raichelle Piol Professor: Aldimar Rossi RESUMO: O presente trabalho tem a finalidade de falar de Juros sobre capital próprio (JSCP) é uma

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: CELG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: NOTA TÉCNICA

Leia mais

unidades consumidoras com o mesmo CGC, independentemente de sua localização, desde que integrante do SIN

unidades consumidoras com o mesmo CGC, independentemente de sua localização, desde que integrante do SIN Campinas/SP, 08 de abril de 2004 Ao senhor José Mario Miranda Abdo M.D. Diretor Geral da Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL Ref.: Aviso de Audiência Pública nº 011/2004 Senhor Diretor Geral,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

Tributação em bases universais: pessoas jurídicas

Tributação em bases universais: pessoas jurídicas Tributação em bases universais: pessoas jurídicas A MP 627, na linha adotada pelo STF na ADI 2.588, previu a tributação automática no Brasil somente dos lucros auferidos no exterior por controladas ou

Leia mais

PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS

PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS 1) FUNDAMENTO LEGAL: Objetivando expressar nosso Parecer Técnico sobre a legislação que fundamenta o programa de incentivo fiscal (Programa de Apoio à Inclusão e

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 Outubro/2006 Página 1 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006...1 1 OBJETIVO...3 2 REALIZAÇÃO DO INVESTIMENTO

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 em 31 de dezembro de 2013 e 2012. em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de superávit

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 9 Mutações do Patrimônio Líquido

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 9 Mutações do Patrimônio Líquido 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Mutações do Patrimônio Líquido Tópicos do Estudo Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados nos moldes da Lei das

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Assunto: Reajuste das Tarifas de uso dos sistemas de distribuição da empresa Boa Vista Energia S/A - Boa Vista. I DO OBJETIVO Esta nota técnica

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DLPA DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS A DLPA expõe as variações ocorridas, durante o exercício, na conta Lucros ou Prejuízos Acumulados. Ela pode ser incluída na DMPL Demonstração das Mutações

Leia mais

Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013

Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013 LEGISLAÇÃO COMERCIAL Assunto: Homologa o resultado da sexta Revisão Tarifária Periódica RTP da Escelsa. Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56

BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56 BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56 Medida Provisória nº 627/13 Imposto de Renda da Pessoa Jurídica - Tributação em Bases Universais Com o advento da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995, teve

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 pela IN 1.515/14 Julio Chamarelli Sócio de Consultoria Tributária da KPMG jcepeda@kpmg.com.br Sergio André Rocha Professor Adjunto de Direito Financeiro

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias Contribuição da AES Brasil à AP 006/2015, relativa à Conta Centralizadora dos Recursos de

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL A equivalência patrimonial é o método que consiste em atualizar o valor contábil do investimento ao valor equivalente à participação societária da sociedade investidora no patrimônio

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

ESCLARECIMENTO SOBRE INCENTIVO FISCAL VIA LEI DA OSCIP

ESCLARECIMENTO SOBRE INCENTIVO FISCAL VIA LEI DA OSCIP ESCLARECIMENTO SOBRE INCENTIVO FISCAL VIA LEI DA OSCIP O que é uma OSCIP Uma OSCIP está situada no Terceiro Setor (considerando-se que o Primeiro Setor é formado pelo Estado e o Segundo Setor pelo Mercado,

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº XX, DE XX DE XX DE 2015

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº XX, DE XX DE XX DE 2015 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº XX, DE XX DE XX DE 2015 Estabelece os procedimentos e a metodologia de cálculo das tarifas a serem observados pelos prestadores dos serviços públicos de abastecimento de água e de

Leia mais