Assembleia Geral de Accionistas 29 de Abril de 2015 (Proposta)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Assembleia Geral de Accionistas 29 de Abril de 2015 (Proposta)"

Transcrição

1 Banco BPI 2014 Assembleia Geral de Accionistas 29 de Abril de 2015 (Proposta)

2

3 Índice RELATÓRIO Principais indicadores 4 Apresentação do relatório 7 Principais acontecimentos em Estrutura financeira e negócio 16 Recursos humanos 17 Canais de distribuição 18 Banca digital 20 A Marca BPI 22 Responsabilidade social 25 Enquadramento da actividade 31 Banca Comercial doméstica 41 Banca-Seguros 52 Gestão de activos 53 Banca de Investimento 55 Actividade internacional 58 Análise financeira 64 Gestão dos riscos 99 Acção Banco BPI 126 Rating 128 Proposta de aplicação dos resultados 129 Referências finais 130 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E NOTAS Demonstrações financeiras consolidadas 131 Notas às demonstrações financeiras consolidadas 137 Declaração do Conselho de Administração 324 Certificação legal das contas e relatório de auditoria 325 Relatório e parecer do Conselho Fiscal 327 RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DO GRUPO BPI Parte I. Informação sobre Estrutura Accionista, Organização e Governo da Sociedade 337 A. Estrutura Accionista 337 B. Órgãos Sociais e Comissões 340 C. Organização Interna 364 D. Remuneração 369 E. Transacções com Partes Relacionadas 386 Parte II. Avaliação do Governo Societário Identificação do Código de Governo das Sociedades adoptado Análise de cumprimento do Código de Governo das Sociedades adoptado Outras informações 393 Anexo 402

4 Principais indicadores (Montantes consolidados em M., excepto quando indicado de outra forma) Activo total líquido Activos financeiros de terceiros sob gestão Crédito a Clientes (bruto) e garantias Depósitos de Clientes Recursos totais de Clientes Volume de negócios Volume de negócios 3 por Colaborador (milhares de euros) Rácio de transformação de depósitos em crédito 4,5 122% 109% 106% 96% 84% Produto bancário Produto bancário por Colaborador (milhares de euros) Custos de estrutura / produto bancário % 67.2% 48.1% 62.1% 78.3% Custos de estrutura / produto bancário, excluindo impactos não recorrentes % 64.4% 62.1% 69.4% 61.6% Lucro líquido (284.9) (163.6) Rentabilidade do activo total médio (ROA) 0.6% (0.4%) 0.8% 0.4% (0.1%) Rentabilidade dos capitais próprios (ROE) 8 8.9% (13.5%) 13.1% 2.9% (7.3%) Valores por acção ajustados (euros) 9 Lucro líquido por acção (0.284) (0.115) Valor contabilístico N.º médio ponderado de acções (em milhões) Crédito em risco / crédito a Clientes 5 2.7% 3.2% 4.2% 5.1% 5.4% Cobertura do crédito em risco por imparidades 10 72% 70% 71% 77% 82% Perda líquida de crédito % % 0.92% 0.96% 0.70% Responsabilidades com pensões de Colaboradores Financiamento das responsabilidades com pensões % 100% 105% 105% 98% Situação líquida e interesses minoritários Rácio de capital Core Tier 1 (Banco de Portugal) 5 8.7% 9.2% 15.0% 16.5% - Rácio Common Equity Tier 1 (CRD IV / CRR aplicáveis em 2014) 15.6% 10.2% 14 Rácio Common Equity Tier 1 (CRD IV / CRR fully implemented) 11.2% 8.6% 14 Cotação de fecho (euros) Capitalização bolsista em final do ano Rede de distribuição (n.º) Colaboradores do Grupo BPI (número) ) Valores não corrigidos de duplicações de registo (aplicações de produtos financeiros noutros produtos financeiros). Inclui fundos de investimento, Quadro 1 planos poupança reforma e planos poupança acções, seguros de capitalização, obrigações risco limitado / capital seguro, activos de Clientes de Private Banking e de Clientes institucionais sob gestão discricionária e aconselhamento e activos dos fundos de pensões sob gestão (incluindo os fundos de pensões dos Colaboradores do Grupo BPI). 2) Recursos de Clientes com registos no balanço (depósitos, obrigações colocadas em Clientes e seguros de capitalização) e recursos de Clientes com registo fora do balanço (fundos de investimento mobiliário e imobiliário, planos poupança acções e planos poupança reforma). Valores corrigidos de duplicações de registo. 3) Crédito, garantias e recursos totais de Clientes. 4) Depósitos em percentagem do crédito líquido. 5) Calculado de acordo com a Instrução 16 / 2004 do Banco de Portugal. 6) Custos de estrutura em percentagem do produto bancário. 7) Excluindo impactos não recorrentes quer nos custos quer nos proveitos. 8) Na determinação do ROE, considerou-se o capital próprio antes de abater a reserva de justo valor (negativa) relativa à carteira de activos financeiros disponíveis para venda. 9) Valores ajustados pelos aumentos de capital por incorporação de reservas em Maio de 2011 e por entrada de dinheiro em Agosto de ) Cobertura por imparidades para crédito e garantias acumuladas no balanço e sem considerar a cobertura por garantias associadas a esses créditos. 11) Imparidades de crédito no exercício, deduzidas de recuperações de crédito vencido abatido ao activo (conta de resultados) / crédito a Clientes. 12) Em 2010 foi adicionada às imparidades do exercício a dotação extraordinária de 33.2 M. efectuada em 2009, pelo facto daquela dotação extraordinária ter sido utilizada. 13) Inclui contribuições para o fundo de pensões efectuadas no início do exercício seguinte. 14) Valores proforma considerando a adesão ao regime especial aplicável aos impostos diferidos activos (DTA, do inglês Deferred Tax Assets) e a alteração dos ponderadores de risco aplicados à exposição indirecta do Banco BPI ao Estado Angolano e ao BNA. 15) Inclui rede de balcões tradicionais e de centros de investimento em Portugal, em França (sucursal de Paris) e em Angola (BFA), e rede vocacionada para servir empresas de grande e média dimensão, centro de project finance e centros de institucionais em Portugal, centro de empresas em Madrid (sucursal de Madrid) e centros de empresas em Angola. 16) Exclui trabalho temporário Banco BPI Relatório e Contas 2014

5 Lucro líquido Capital próprio ROE M. m.m. % Lucro líquido por acção (euro) 0.18 (0.28) (0.12) Capital próprio antes de abater a reserva de justo valor (negativa) Capital próprio Rácio Common Equity Tier 1 31 de Dezembro de 2014 % Valor contabilístico por acção Capitalização bolsista m.m Regras 2014 Fully implemented Activo total Crédito e recursos de Clientes no balanço Perda líquida de crédito m.m. m.m. % % 59% 55% 49% 58% Activo total Activo ponderado pelo risco Crédito a Clientes Recursos de Clientes no balanço Figura 1 Relatório Principais indicadores 5

6 SIGLAS E ABREVIATURAS Entidades do Grupo BPI algumas designações adoptadas Grupo BPI / BPI *: Grupo financeiro com a configuração definida nas página 16. Banco BPI (S.A.) / BPI ou o Banco *: Entidade de topo do Grupo e responsável pela condução do negócio de banca de retalho e comercial; cotado em bolsa. Banco Português de Investimento (S.A.), Banco de Investimento *: Banco de investimento do Grupo. Banco de Fomento Angola (SARL), BFA *: Banco de direito angolano, detido a 50.1% pelo BPI, desenvolve negócio de banca comercial e de retalho do Grupo BPI em Angola. BCI / Banco Comercial e de Investimentos : Banco de comercial de direito moçambicano, no qual o BPI detém uma participação de 30%. Unidades euros US$ dólares Americanos m. milhares de euros M., M.US$, M.AKZ milhões de euros, milhões de dólares Americanos, milhões de Kuanzas Angolanos m.m., m.m.us$, m.akz Mil milhões de euros, mil milhões de dólares Americanos, mil milhões de Kuanzas Angolanos p.b. pontos base p.p. pontos percentuais * Se o contexto o permitir. 6 Banco BPI Relatório e Contas 2014

7 Apresentação do relatório NOVOS DESAFIOS O reembolso do capital público O BPI cumpriu, como previsto e com três anos de antecedência, o principal objectivo de gestão que tinha anunciado para o exercício de 2014: o reembolso integral do capital contingente subscrito pelo Estado português em Entre Junho de 2012 e Junho de 2014, o BPI pagou ao Estado por esta operação um total de 167 milhões de euros em juros, correspondentes a uma taxa média de 8.6%. O Estado, que se financiou para este efeito através de uma linha prevista no Programa de Assistência Económica e Financeira, com uma taxa de 3.3%,obteve, no mesmo período, uma margem média de 5.3%, traduzida num ganho de 102 milhões de euros, que reverteu a favor dos contribuintes portugueses. Cumpridas foram também, com um ano de antecedência, todas as metas do programa de reestruturação determinado pela Direcção Geral da Concorrência da Comissão Europeia, em consequência da adopção do plano de capitalização pública. Concluídos estes dois processos, o Banco libertou-se de qualquer condicionalidade excepcional sobre os seus actos de gestão. Presidente do Conselho de Administração Artur Santos Silva Os testes de esforço Num outro domínio fundamental, igualmente inscrito na agenda anunciada para 2014, o BPI foi sujeito, com outros 129 bancos europeus, a um processo de Avaliação Completa (Compreensive Assessment) conduzido pelo Banco Central Europeu, em cooperação com as autoridades nacionais de supervisão. A avaliação completa envolveu dois pilares: a Revisão da Qualidade dos Activos (AQR Asset Quality Review), cobrindo os riscos de crédito e de mercado, com análise de imparidades, colaterais e qualidade da informação; e um teste de esforço (stress test), desenvolvido com o apoio da Autoridade Bancária Europeia, que incluía um cenário base e um cenário adverso, para simular a capacidade de resistência das instituições a condições especialmente difíceis. Os resultados, anunciados a 26 de Outubro, permitiram situar o BPI como o melhor banco ibérico no AQR e no cenário base do teste de esforço e o segundo melhor no cenário adverso. Considerando o universo de todas as instituições analisadas, o Banco classificou-se, respectivamente, em 31.º e 36.º nos cenários normal e adverso do teste de esforço. A exposição a Angola A 16 de Dezembro de 2014, o BPI comunicou ao mercado que a República de Angola não tinha sido incluída pela Comissão Europeia na restrita lista de 17 Estados ou territórios aos quais seria reconhecida equivalência quanto à supervisão das instituições financeiras, que passou para a responsabilidade directa do Banco Central Europeu a partir de 4 de Novembro de 2014, numa alteração que corresponde à concretização da primeira fase da União Bancária. Relatório Apresentação do relatório 7

8 Em consequência, a partir de 1 de Janeiro de 2015, a exposição indirecta em kuanzas do Banco BPI ao Estado Angolano e ao Banco Nacional de Angola, deixaria de ser considerada pelo Banco Central Europeu, para efeitos dos indicadores de capital, através dos ponderadores regulamentares angolanos, passando a seguir os critérios previstos pela regulação europeia (CRR, CRD IV). Isto significa que a referida exposição indirecta do BPI deixaria de pesar zero ou 20%, consoante os casos, para ponderar, sem excepção, a 100%. Aplicando os novos ponderadores de risco, o rácio de Capital Core Tier 1 do BPI baixaria um ponto percentual, para 8.6%, em 2014, com as regras totalmente implementadas (fully implemented). Este rácio, calculado em valores proforma considerando a adesão ao regime especial de impostos diferidos (DTA), aprovada em Assembleia Geral do Banco a 17 de Outubro de 2014, está acima do mínimo exigido, que é de 7%. Como segundo efeito do novo normativo, a exposição indirecta do Banco BPI ao Estado Angolano e ao BNA deixaria de estar isenta da aplicação do limite dos grandes riscos previsto na regulamentação europeia (CRR), que seria excedido em cerca de três mil milhões de euros. É entendimento do BPI, transmitido às autoridades europeias, que a perda máxima total que poderia ter de suportar em Angola é o valor que nas suas contas tem a exposição ao BFA, ou seja, 394 milhões de euros, montante inferior ao limite dos grandes riscos estabelecido para o Banco, em base consolidada. Com esta fundamentação, foi solicitada ao Banco Central Europeu a aplicação ao BFA, para efeitos prudenciais, do método de consolidação por equivalência patrimonial, que permitiria acomodar o impacto do novo enquadramento regulamentar, em termos adequados ao que, no entendimento do BPI, constitui o risco máximo potencial da sua exposição a Angola. Uma vez que este entendimento não foi validado pelo Banco Central Europeu, a definição de soluções alternativas para ultrapassar a situação sumariamente descrita constitui uma das principais prioridades da gestão do Banco para o exercício de O Novo Banco Num plano totalmente distinto, mas ainda no quadro dos impactos exógenos à actividade do Banco, é importante referir como facto de importância primordial para o sistema financeiro português o processo de resolução aplicado ao Banco Espírito Santo pelas autoridades de supervisão, que conduziu, em Agosto de 2014, à criação do Novo Banco, uma instituição de transição, que deverá ser obrigatoriamente vendida no prazo máximo de dois anos. A criação do Novo Banco foi suportada por uma contribuição de capital no valor de 4.9 mil milhões de euros, financiada pelo Fundo de Resolução Bancária. O Fundo, administrado pelo Banco de Portugal e pelo Ministério das Finanças, é constituído por contribuições de todas as instituições do sistema, em montantes proporcionais ao seu peso relativo, tendo a participação do BPI subido de 8 para 10%, por efeito do desaparecimento do BES. A 16 de Dezembro de 2014 o Conselho de Administração do BPI, decidiu apresentar uma manifestação de interesse, não vinculativa, no âmbito da primeira fase do processo de alienação do Novo Banco. 8 Banco BPI Relatório e Contas 2014

9 Os Resultados O BPI apresentou em 2014 um resultado líquido negativo de milhões de euros em termos consolidados, que reflecte a combinação de um dos melhores contributos de sempre da actividade internacional 126 milhões de euros com um prejuízo de milhões de euros na actividade doméstica. O desempenho negativo da actividade doméstica corresponde em mais de 90% a resultados não recorrentes, com as seguintes origens, contabilizadas após impostos: menos valias de milhões de euros realizadas com a venda de dívida pública de médio e longo prazo de Portugal e Itália; custos de 20.5 milhões de euros com o pagamento de juros das obrigações de conversão contingente; custos de 23.1 milhões de euros com reformas antecipadas; anulação de 50.9 milhões de euros de impostos diferidos relativos a 2011; anulação de 23.3 milhões de euros de impostos diferidos por alteração da taxa de IRC; outros custos diversos, igualmente ocasionais, no valor de 40.5 milhões de euros. Sem estes impactos, o resultado consolidado teria sido positivo em milhões de euros e o prejuízo da actividade doméstica reduzir-se-ia para 25.5 milhões de euros, valor ligeiramente melhor do que os 28.3 milhões de euros negativos registados em A actividade doméstica O resultado da actividade doméstica do BPI reflecte, como em todas as instituições financeiras a operar em Portugal, uma persistente conjuntura negativa interna, que se foi agravando a partir de 2007, com o início da crise financeira internacional. A combinação da anemia económica com taxas de juro e de inflação próximas de zero, tem afectado severamente a conta de exploração dos bancos, atingidos simultaneamente por um elevado nível de imparidades e pela permanente pressão sobre a margem financeira, num contexto de forte desalavancagem. A recuperação progressiva da rentabilidade da actividade em Portugal, através de uma combinação virtuosa de contributos diversos, provenientes quer dos custos, quer das receitas, constitui a primeira prioridade da gestão do Banco para os anos próximos. A evolução das imparidades, o ajustamento dos preços do crédito e recursos, o redimensionamento da capacidade instalada e os ganhos de eficiência operativa, acompanhados por uma previsível estabilização da conjuntura económica, ajudarão a sustentar essa recuperação gradual, com efeitos visíveis já em A carteira de crédito doméstica caiu 5.9% em termos homólogos, com descidas em todos os segmentos, sobretudo no sector público e nas grandes empresas, mas com claros sinais de abrandamento e recuperação no período final do ano, acompanhando a melhoria das expectativas e a confirmação dos sinais de uma tímida retoma do crescimento. E, apesar de o BPI prosseguir uma política de remuneração de depósitos mais conservadora do que a média do mercado, os recursos totais de Clientes subiram 7.6%, correspondentes a dois mil milhões de euros. Relatório Apresentação do relatório 9

10 O Produto Bancário do BPI na actividade doméstica caiu cerca de 40% em 2014, evolução que se explica na quase totalidade pela redução dos Lucros em Operações Financeiras, resultantes das menos-valias realizadas com a venda de 50% da exposição a títulos de dívida pública portuguesa e italiana de médio e longo prazo, decisão estratégica que permitiu reduzir para 2.7 mil milhões de euros a exposição do balanço do Banco ao risco soberano, que representava no final do exercício apenas um terço do volume registado em Junho de 2012, quando se tornou imperativo o recurso à capitalização contingente. A este impacto veio adicionar-se o comportamento negativo das principais componentes recorrentes do Produto Bancário: as comissões líquidas caíram 4%, sobretudo por consequência da redução da actividade de crédito e a margem financeira recuou 2.4%, influenciada por quatro factores principais: o efeito volume resultante da queda da carteira de crédito, acompanhado pela redução de spreads no segmento de empresas; a persistência de um elevado custo relativo dos depósitos a prazo, que evidenciaram uma margem negativa de 1.39% no 4.º trimestre do exercício, apesar de tudo melhor do que o nível de 1.75% registado no trimestre homólogo de 2013; a redução de 55 milhões de euros nos proveitos com juros das carteiras de Bilhetes do Tesouro e de Obrigações do Tesouro, que anulou metade do custo cessante que resultou do reembolso do capital contingente; a contracção para valores próximo de zero da margem média dos depósitos à ordem, reflexo dos níveis mínimos atingidos pelas taxas Euribor. A actividade internacional O resultado líquido da actividade internacional atingiu 126 milhões de euros, o segundo melhor de sempre e o melhor desde que o BPI alienou, em 2008, uma posição de 49.9% no Banco de Fomento Angola. O contributo da participação de 30% no capital do BCI, em Moçambique, reconhecida por equivalência patrimonial, foi de 10.6 milhões de euros, que representam um acréscimo de 7%; o contributo do BFA, que corresponde à apropriação de 50.1% do seu lucro individual, subiu 33% e atingiu 117 milhões de euros, reflectindo o melhor resultado da instituição desde a sua criação em 2002: 246 milhões de euros. O BFA fechou o exercício de 2014 com indicadores que demonstram a sua força comercial e financeira: 1.3 milhões de Clientes, 186 espaços comerciais, Colaboradores, activo total de 8.4 mil milhões de euros, liquidez total superior a 5 mil milhões de euros, rentabilidade dos capitais próprios (ROE) de 35%, rácio de solvabilidade de 24% e uma relação crédito / depósitos de 25%. Outros indicadores, como a cobertura a 142% do crédito vencido a mais de 90 dias ou o rácio de eficiência, medido através do quociente custos de estrutura / produto bancário, que caiu cinco pontos percentuais para 34.7%, evidenciam por outro lado, um balanço prudente e uma sólida organização, fundamentais para enfrentar serenamente a nova conjuntura interna, resultante da queda do preço do petróleo. 10 Banco BPI Relatório e Contas 2014

11 A Liquidez, o Risco e os Custos Em consequência da evolução do crédito e dos recursos, o rácio de transformação desceu de 118 para 106% na actividade doméstica e de 96 para 84% em termos consolidados. Independentemente de outros efeitos, em boa parte negativos, a redução adicional deste diferencial reforça a confortável posição do Banco no que respeita à gestão da sua liquidez, bem evidenciada no reembolso antecipado de 2.9 mil milhões de euros ao BCE, perante o qual mantinha no final de 2014 uma exposição de 1.5 mil milhões de euros, a mais baixa do sistema financeiro português, dispondo ainda de um total de 6.4 mil milhões de activos elegíveis para novas operações. Ainda neste domínio, é relevante notar que até 2018 as necessidades líquidas de refinanciamento e médio e longo prazo são apenas de 276 milhões de euros. O rácio de crédito em risco do BPI atingia em Dezembro de 2014 o mesmo valor de 5.4% nos planos doméstico e consolidado, o melhor dos bancos a operar em Portugal e um dos dois melhores da península ibérica, representando, em ambos os casos, cerca de metade da média de cada um dos mercados. O volume de imparidades desceu mais de um terço nos níveis doméstico e consolidado e o custo do risco de crédito, medido através do peso na carteira de crédito das imparidades líquidas de recuperações desceu de 0.98 para 0.66% e de 0.96 para 0.70%, respectivamente nos planos doméstico e consolidado. Os custos de estrutura, incluindo o efeito não recorrente de reformas antecipadas, registam um aumento homólogo de 3.2% no consolidado e de 2.2% a nível doméstico; medidos em relação ao produto bancário, os custos recorrentes descem porém de 69 para 62%. Entre 2008 e 2014, os custos de estrutura desceram 89 milhões de euros em valor absoluto, um recuo de 15%, com uma inflação acumulada de 8%. Como não poderia deixar de ser, dado o seu peso relativo, os custos com pessoal, excluindo reformas antecipadas, contribuíram em cerca de 50% para esta evolução. No período identificado, o número total de Colaboradores passou de para 5 962, uma quebra de 23%, acompanhada pelo encerramento de 171 unidades das redes comerciais, correspondente a uma redução de 21%. Em Junho e Dezembro, foram alterados os pressupostos actuariais do Fundo de Pensões para ajustar às condições de mercado a taxa de desconto, a taxa de crescimento dos salários e a taxa de crescimento das pensões, o que implicou um desvio actuarial negativo de milhões de euros em 2014, parcialmente compensado por desvios positivos, entre os quais avulta a rendibilidade do próprio Fundo, que evidenciava no final do exercício um défice de 77 milhões de euros. Uma contribuição de 47 milhões, efectuada no início de 2015 permitiu reduzir para 30 milhões o saldo negativo e assegurar a cobertura a 100 e a 95% das responsabilidades com reformados e activos, respectivamente. O rendimento efectivo do Fundo de Pensões desde a sua criação, em 1991 até ao final de 2014, atingiu uma média anual de 9.3%. Nos últimos dez, cinco e três anos, o rendimento anual efectivo foi, pela mesma ordem, de 7.1, 7.8 e 15.1%. A Qualidade e o Reconhecimento O biénio foi o melhor da história do BPI no que respeita aos indicadores de qualidade de serviço e ao reconhecimento público. Relatório Apresentação do relatório 11

12 No primeiro trimestre de 2014, o Banco atingiu o máximo histórico no seu próprio Indicador de Qualidade de Serviço (IQS), baseado num inquérito periódico a 15 mil Clientes, e no segundo semestre conseguiu o seu melhor resultado no Cliente Mistério, uma avaliação independente do serviço prestado nos balcões de todos os bancos a operar em Portugal, situando o BPI claramente acima da média do mercado e de todos os seus concorrentes principais, igualmente superados em dois estudos de referência sobre a satisfação dos Clientes bancários, o Basef, publicado pela Marktest, e o ECSI, Índice Nacional de Satisfação do Cliente, um indicador europeu aplicado em Portugal por uma parceria entre a Associação Portuguesa da Qualidade, o Instituto da Qualidade e a Universidade Nova de Lisboa. No plano da reputação e reconhecimento público, o BPI foi designado pela Revista Exame o melhor grande banco em 2013 e 2014, com base num conjunto de onze indicadores de gestão auditados; foi considerado em 2014 pelas revistas The Banker e Euromoney o melhor Private Bank e o melhor Local Private Bank, respectivamente; pelo segundo ano consecutivo, foi eleito Marca de Confiança na Banca em inquérito organizado pelas Selecções do Reader s Digest; integrou pela primeira vez em 2014 a lista Superbrand-Marcas de Excelência em Portugal e repetiu inúmeras distinções nas áreas da banca de investimento e mercado de capitais. Um nível de reconhecimento comparável tem sido conseguido pelo BFA, que pelo segundo ano consecutivo foi distinguido como o melhor banco nas principais classificações nacionais e internacionais que acompanham o mercado angolano. A difícil conjuntura interna e o profundo processo de ajustamento a que o Banco tem sido sujeito não impediram que confirmasse uma vez mais, em 2014, os pontos essenciais do seu programa de responsabilidade social, que envolveu globalmente mais de 4.5 milhões de euros dirigidos a iniciativas no âmbito da Cultura, Solidariedade Social, Educação e Inovação, sendo merecedores de menção especial os Prémios BPI Capacitar e BPI Seniores, que em conjunto permitiram apoiar 40 mil pessoas em todo o País nos últimos cinco anos, através de contribuições financeiras para projectos de mais de cem instituições, dedicadas a melhorar as condições de vida de cidadãos idosos ou afectados por deficiência física. Apostila A 17 de Fevereiro de 2015, vinte dias depois de apresentadas publicamente as contas do exercício de 2014, a instituição CaixaBank, que detém 44.1% do capital do BPI, tornou público o lançamento de uma oferta pública geral e voluntária sobre a totalidade do capital do Banco, com a contrapartida de euros por acção e duas condições: i) a eliminação de qualquer limite à contagem dos votos de qualquer accionista, em assembleia geral, actualmente consagrada no artigo 12.º, n.º 4, dos Estatutos; e ii) a aquisição de um mínimo de 5.9% das acções, de modo a poder deter mais de 50% do capital social. 12 Banco BPI Relatório e Contas 2014

13 A 5 de Março de 2015, o Conselho de Administração do BPI pronunciou-se sobre a Oferta em relatório público e considerou a contrapartida insuficiente, não recomendando por isso aos accionistas a sua aceitação. Segundo o Conselho, o preço que reflecte o valor actual do BPI é de 2.04 euros por acção, 1.12 euros correspondentes à actividade doméstica e 0.92 euros à actividade internacional, devendo ser adicionados a este somatório 0.22 euros, que resultam da atribuição aos restantes accionistas de metade das sinergias anunciadas pelo Oferente. Comissão Executiva do Conselho de Administração João Pedro Oliveira e Costa, Manuel Ferreira da Silva, Pedro Barreto, José Pena do Amaral (de pé) António Domingues (Vice-Presidente), Fernando Ulrich (Presidente), Maria Celeste Hagatong (sentados) Relatório Apresentação do relatório 13

14 Principais acontecimentos em Janeiro 8 No âmbito da 4.ª edição do Prémio BPI Capacitar, o BPI entrega 500 mil euros a 19 instituições que apresentaram projectos com o objectivo de integrar a diferença e contribuir para a melhoria da qualidade de vida de pessoas com deficiência ou incapacidade permanente. 26 O BPI é eleito, pela primeira vez em 14 anos, Marca de Confiança dos portugueses no sector bancário de acordo com o estudo Marcas de Confiança que as Selecções do Readers Digest realizam em 10 países. 30 Divulgação dos resultados consolidados do exercício de 2013: o lucro líquido ascende a 66.8 M. e o ROE a 2.9%. Março 19 O Banco BPI recompra 500 M. de obrigações subordinadas de conversão contingente, reduzindo o montante de CoCo na titularidade do Estado Português de 920 M. para 420 M.. Abril 23 Divulgação dos resultados consolidados relativos ao primeiro trimestre de 2014: o resultado líquido consolidado negativo ascende a M. e o ROE a -5.2%. 23 Os Accionistas aprovam, na Assembleia Geral Anual, o relatório e contas, a proposta de aplicação de resultados de 2013 e as restantes propostas submetidas pelos Órgãos Sociais, nomeadamente a eleição dos membros dos Órgãos Sociais para o triénio e um Aumento de Capital no quadro da projectada Oferta Pública de Troca de dívida por acções. Junho 12 Oferta pública de troca de dívida subordinada e acções preferenciais por acções ordinárias lançada pelo Banco BPI é aceite pelos titulares de Valores Mobiliários de montante equivalente a 91% daqueles que foram objecto da Oferta. Verifica-se um reforço dos fundos próprios Common Equity Tier 1 (CET1) em 113 M. e um reforço dos Rácios Common Equity Tier 1 em Março 2014, proforma, após OPT: CRD IV / CRR integralmente implementadas (Fully loaded) de 9.7% para 10.4%; CRD IV / CRR em vigor em 2014 (Phasing-in) de 13.2% para 13.7%. 25 O Banco BPI conclui, 3 anos antes do prazo limite, e com um último pagamento de 420 M., o reembolso da totalidade da operação de recapitalização, no valor de M. realizada em Junho de 2012, quando o Estado Português subscreveu milhões de euros de CoCo. Julho 4 Nos Investor Relations & Governance Awards, evento promovido pela Deloitte e Diário Económico, com vista a premiar a excelência da comunicação financeira pelas entidades cotadas na Euronext Lisboa, o BPI é distinguido com o prémio de Melhor Relatório e Contas do Sistema Financeiro pela décima sexta vez nos últimos 27 anos. O BPI é também distinguido como Melhor Casa de Research em Portugal pela nona vez em onze edições e ganha o prémio de melhor analista de mercado. 24 Divulgação dos resultados consolidados relativos ao primeiro semestre de 2014: o resultado líquido consolidado negativo ascende a M.. Setembro 12 / 13 O Banco Português de Investimento realiza, em Cascais, a décima primeira conferência ibérica de small and mid caps, contando com a participação de mais de 100 investidores institucionais e 44 empresas ibéricas. 14 Banco BPI Relatório e Contas 2014

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E NOTAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E NOTAS Banco BPI 2014 Relatório Índice RELATÓRIO Principais indicadores 4 Apresentação do relatório 7 Principais acontecimentos em 2014 14 Estrutura financeira e negócio 16 Recursos humanos 17 Canais de distribuição

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS DO BANCO BPI EM 2014

RESULTADOS CONSOLIDADOS DO BANCO BPI EM 2014 BANCO BPI, S.A. Sociedade aberta Capital Social: 1 293 063 324.98 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede: Rua Tenente

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS DO BANCO BPI ENTRE JANEIRO E SETEMBRO DE 2014

RESULTADOS CONSOLIDADOS DO BANCO BPI ENTRE JANEIRO E SETEMBRO DE 2014 BANCO BPI, S.A. Sociedade aberta Capital Social: 1 293 063 324.98 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede: Rua Tenente

Leia mais

DESEMPENHO E RESULTADOS

DESEMPENHO E RESULTADOS BANCO BPI, S.A. Sociedade aberta Capital Social: 1 293 063 324.98 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede: Rua Tenente

Leia mais

Resultados consolidados do Banco BPI no 1.º semestre de 2011

Resultados consolidados do Banco BPI no 1.º semestre de 2011 www.ir.bpi.pt BANCO BPI, S.A. - Sociedade aberta Capital Social: 990 000 000 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede:

Leia mais

DESEMPENHO E RESULTADOS

DESEMPENHO E RESULTADOS BANCO BPI, S.A. Sociedade aberta Capital Social: 1 293 063 324.98 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede: Rua Tenente

Leia mais

Resultados consolidados do Banco BPI entre Janeiro e Setembro de 2010

Resultados consolidados do Banco BPI entre Janeiro e Setembro de 2010 www.ir.bpi.pt BANCO BPI, S.A. - Sociedade aberta Capital Social: 900 000 000 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede:

Leia mais

Assembleia Geral de Accionistas 23 de Abril de 2014 (Proposta)

Assembleia Geral de Accionistas 23 de Abril de 2014 (Proposta) Banco BPI 2013 Assembleia Geral de Accionistas 23 de Abril de 2014 (Proposta) Esta página foi intencionalmente deixada em branco. Índice RELATÓRIO Principais indicadores 4 Apresentação do relatório 7 Principais

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada) INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada) (aplicável às entidades sujeitas à disciplina normativa contabilística das IAS / IFRS) BANCO BPI, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento

Leia mais

Assembleia Geral de Accionistas 22 de Abril de 2010 (Proposta)

Assembleia Geral de Accionistas 22 de Abril de 2010 (Proposta) Banco BPI 2009 Assembleia Geral de Accionistas 22 de Abril de 2010 (Proposta) Índice RELATÓRIO Principais indicadores 4 Apresentação do relatório 6 A identidade do BPI 10 Estrutura financeira e negócio

Leia mais

Esta página foi intencionalmente deixada em branco.

Esta página foi intencionalmente deixada em branco. Banco BPI 2010 Esta página foi intencionalmente deixada em branco. Índice RELATÓRIO Principais indicadores 4 Apresentação do relatório 5 A identidade do BPI 11 Estrutura financeira e negócio 12 Canais

Leia mais

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada.

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada. Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2015 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 7 de Agosto de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

Esta página foi intencionalmente deixada em branco.

Esta página foi intencionalmente deixada em branco. Banco BPI 2012 Relatório Esta página foi intencionalmente deixada em branco. Índice RELATÓRIO Principais indicadores 4 Apresentação do relatório 5 Estrutura financeira e negócio 11 Canais de distribuição

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS 2012 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 8 de Fevereiro de 2013 A presente informação anual não foi sujeita a auditoria. Processo de Recapitalização A 31 de Dezembro de 2012 foi anunciada a aprovação por parte

Leia mais

SOLUÇÕES IBÉRICAS PARA EMPRESAS MARÇO 2014

SOLUÇÕES IBÉRICAS PARA EMPRESAS MARÇO 2014 MARÇO 2014 EM ESPANHA, COMO EM PORTUGAL BPI e CaixaBank desenvolveram, em parceria, as Soluções Ibéricas para Empresas, uma oferta inovadora de produtos e serviços para apoiar as empresas que operam no

Leia mais

PME S QREN OPORTUNIDADE E DESAFIO

PME S QREN OPORTUNIDADE E DESAFIO PME S QREN OPORTUNIDADE E DESAFIO 1. Objectivo Estratégico : 1º. Banco das melhores PME Porto, 20 de Outubro de 2008 Luís Rego Direcção de Empresas Norte 1 2 Segmentação de Empresas Clientes e Redes Clientes

Leia mais

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos 31 de março de 2015 Contas não auditadas Agenda Resultados Balanço Liquidez Solvência Conclusões NOTA: Os valores relativos a março de 2014 são reexpressos

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAL 2015 FEVEREIRO 2016 Conferência de imprensa Disclaimer A informação constante neste documento foi preparada de acordo com as normas internacionais de relato financeiro

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2014 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 28 de Fevereiro de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011 Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses Julho Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado ao nível da União

Leia mais

ACTIVOS POR IMPOSTOS DIFERIDOS. 2015 8 de Maio

ACTIVOS POR IMPOSTOS DIFERIDOS. 2015 8 de Maio O QUE SÃO E PORQUE SURGEM NOS BALANÇOS DOS BANCOS? Os impostos diferidos têm origem, fundamentalmente, nas diferenças existentes entre o resultado contabilístico e o resultado apurado de acordo com as

Leia mais

O Sector Bancário Angolano. Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012

O Sector Bancário Angolano. Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012 O Sector Bancário Angolano Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012 1 Julho de 2012 The big picture... 23 (2011) 47% (Abril 2012) 7 Bancos (#) Quota depósitos a ordem 21% Bancos Angolanos no Top

Leia mais

Apoio à Internacionalização das Empresas

Apoio à Internacionalização das Empresas Apoio à Internacionalização das Empresas 26 de Novembro de 2009 Apoio à internacionalização das empresas Moçambique: Dados Gerais O Sector Financeiro em Moçambique O Grupo Caixa Geral de Depósitos Soluções

Leia mais

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas)

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) 31 agosto 2015 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial, e as suas

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.588.331.338 Euros COMUNICADO Bank Millennium na

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Contabilidade das sociedades e fundos de capital de risco A alteração do Decreto-Lei n.º 319/2002, de 28 de Dezembro, pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E NOTAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E NOTAS Banco BPI 2009 Relatório Índice RELATÓRIO Principais indicadores 4 Apresentação do relatório 6 A identidade do BPI 10 Estrutura financeira e negócio 11 Canais de distribuição 14 A Marca BPI 15 Responsabilidade

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

27 maio 2016. Informação financeira não auditada

27 maio 2016. Informação financeira não auditada Apresentação de Resultados 1T2016 27 maio 2016 Informação financeira não auditada Agenda 1. Destaques 2. Funding e Liquidez 3. Qualidade dos Ativos 4. Capital 5. Resultados 6. Side Bank 7. Sumário Apêndice:

Leia mais

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA Prof Braga de Macedo Agosto de 2011 José Fernando Figueiredo Presidente da SPGM, das SGM e da Associação Europeia do sector AGENDA 1. NECESSIDADES DAS EMPRESAS PORTUGUESAS

Leia mais

APRESENTAÇÃO RESULTADOS 1º Trimestre 2015

APRESENTAÇÃO RESULTADOS 1º Trimestre 2015 Grupo Caixa Económica Montepio Geral APRESENTAÇÃO RESULTADOS 1º Trimestre 2015 Atividade Consolidada (Informação financeira não auditada) 12 de maio 2015 CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL A CEMG NO PERÍODO

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Auxílio estatal N 80/2010 Portugal Prorrogação do regime de recapitalização português

Auxílio estatal N 80/2010 Portugal Prorrogação do regime de recapitalização português COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.3.2010 C(2010)1733 final Assunto: Auxílio estatal N 80/2010 Portugal Prorrogação do regime de recapitalização português Excelência, I. ASPECTOS PROCESSUAIS 1. Em 20 de Maio

Leia mais

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Apresentação ao mercado do modelo de adopção plena das IAS/IFRS e outras matérias inerentes ao processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector bancário nacional DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro Lusoflora 2015 Crédito Agrícola Santarém, 27 de Fevereiro Agenda 1. Quem somos 2. Proposta Valor 3. Soluções Crédito Agrícola para EMPRESAS/ ENI 4. CA Seguros 2 Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 9M 2015 NOVEMBRO 2015 Disclaimer A informação constante neste documento foi preparada de acordo com as normas internacionais de relato financeiro ( IFRS ) do Grupo BCP no âmbito

Leia mais

A criação da União Bancária Europeia e o sistema bancário português. Carlos da Silva Costa Governador São Paulo, 28 abril 2014

A criação da União Bancária Europeia e o sistema bancário português. Carlos da Silva Costa Governador São Paulo, 28 abril 2014 A criação da União Bancária Europeia e o sistema bancário português Carlos da Silva Costa Governador São Paulo, 28 abril 2014 A criação da União Bancária Europeia e o sistema bancário português Estrutura

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA December 2011 Espírito Santo Investment Bank Somos: A unidade de Banca de Investimento do Grupo Banco Espírito Santo O Banco de Investimento de

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 3M 2015 MAIO 2015 Disclaimer Este documento não representa uma oferta de valores mobiliários para venda nos Estados Unidos, Canadá, Austrália, Japão ou em qualquer outra jurisdição.

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Fundos de Pensões Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações com os Consumidores

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Mestrado EM bolsa e mercados financeiros

Mestrado EM bolsa e mercados financeiros Mestrado EM bolsa e mercados financeiros FORMEDIA Instituto Europeu de Empresários e Gestores FORMEDIA e INSTITUTO EUROPEO DE POSGRADO FORMEDIA - Instituto Europeu de Empresários e Gestores A FORMEDIA

Leia mais

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO 1 Índice Volume II 5 Relatório do Conselho Geral e de Supervisão 12 Parecer do Conselho Geral e de Supervisão incluíndo declaração de conformidade 14 Relatório da Comissão para as Matérias Financeiras

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 4 RESULTADOS PARA PORTUGAL I. Apreciação Geral De um modo geral, no último trimestre de 3, os critérios e condições de aprovação de crédito a

Leia mais

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 AS DIVIDAS DAS EMPRESAS À SEGURANÇA SOCIAL DISPARAM COM O GOVERNO DE SÓCRATES: - só em 2006 a Segurança Social perdeu

Leia mais

MESTRADO EM ASSESSORIA FINANCEIRA

MESTRADO EM ASSESSORIA FINANCEIRA MESTRADO EM ASSESSORIA FINANCEIRA FORMEDIA Instituto Europeu de Empresários e Gestores FORMEDIA e INSTITUTO EUROPEO DE POSGRADO FORMEDIA - Instituto Europeu de Empresários e Gestores A FORMEDIA Instituto

Leia mais

. INFORMAÇÃO E EMITENTES MOBILIÁRIOS

. INFORMAÇÃO E EMITENTES MOBILIÁRIOS . INFORMAÇÃO 4.. I E EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS 4. Informação e Emitentes de Valores Mobiliários O QUE É PRECISO SABER PARA INVESTIR EM VALORES MOBILIÁRIOS? A informação desempenha um papel fundamental

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 65.01 Informação actualizada a: 04/04/2011 Designação Comercial: Fidelity Poupança Data de início de Comercialização: 01/02/2007 Empresa de Seguros Entidade Comercializadora Autoridades de

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa sobre a decisão de aplicação de uma medida de resolução ao Banco Espírito Santo, S.A.

Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa sobre a decisão de aplicação de uma medida de resolução ao Banco Espírito Santo, S.A. 1 de 5 04-08-2014 8:34 www.bportugal.pt O Banco e o Eurosistema > Intervenções públicas Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa sobre a decisão de aplicação de uma medida de resolução ao Banco

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

Esta página foi intencionalmente deixada em branco.

Esta página foi intencionalmente deixada em branco. Banco BPI 2011 Esta página foi intencionalmente deixada em branco. Relatório Esta página foi intencionalmente deixada em branco. Índice RELATÓRIO Principais indicadores 4 Apresentação do relatório 5 Estrutura

Leia mais

Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011

Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011 Capa 2011 Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011 Evolução da actividade, aspectos mais relevantes e resultados obtidos pelo Banif - Grupo Financeiro no 1.º Trimestre de 2011 Os resultados líquidos

Leia mais

Mudanças a fundo Directiva dos GFIA

Mudanças a fundo Directiva dos GFIA www.pwc.com/pt/tax/ma Mudanças a fundo Directiva dos GFIA O que vai mudar nos Fundos de Investimento Alternativos? Junho 2011 Introdução A Proposta de Directiva o que é? Em resposta à crise que afectou

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Lucros do Grupo Santander Portugal crescem 27% em 2000

Lucros do Grupo Santander Portugal crescem 27% em 2000 BANCO TOTTA & AÇORES, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Áurea, 88 1100-060 LISBOA Capital Social: 105.000.000.000$00 Matriculado na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa sob o nº 1/881011 Contribuinte

Leia mais

O Millenniumbcp e O Novo Mundo em que estamos

O Millenniumbcp e O Novo Mundo em que estamos O Millenniumbcp e O Novo Mundo em que estamos 1985- Desde a fundação 2005 2010 1985-1995 Crescimento orgânico para alcançar posição relevante 1995-2000 Consolidação para atingir dimensão crítica 2000-2004

Leia mais

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem.

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Advertências ao Investidor Os riscos do, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Risco de perda total ou parcial do capital investido

Leia mais

PROJECTO ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES EMITIDAS PELA FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD

PROJECTO ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES EMITIDAS PELA FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD PROJECTO ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES EMITIDAS PELA FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD Na sequência da divulgação do anúncio preliminar em 2 de Outubro

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Documento de Divulgação. Introdução

Documento de Divulgação. Introdução Abbott Laboratórios, Lda. Estrada de Alf ragide, 67 Alf rapark Edif icio D 2610-008 Amadora Portugal Contribuinte nº 500 006 148 Reg. C.R.C. Amadora Capital Social: 3.396.850 Tel. (351) 214 727 100 Fax.

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo REFORMAS E PENSÕES EM PORTUGAL PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo 20 de Fevereiro de 2014 Quem Somos > Os Nossos Valores > Ativos Sob Gestão

Leia mais

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Notas 1. Portugal tem uma estrutura legal e regulatória muito evoluída, apesar da reduzida dimensão do seu

Leia mais

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico João Fonseca Luanda, EPIC Sana 2 de Junho de 212 Agenda 1. Investimento estrangeiro de bancos

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A.

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. De acordo com o disposto no artigo 8º do Regulamento n.º 11/2000 da CMVM transcreve-se a EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João

Leia mais

/ Warrants: uma definição /

/ Warrants: uma definição / Warrants www.warrants.commerzbank.com Warrants: uma definição Os warrants são valores mobiliários associados a activos como acções, índices ou taxas de câmbio que amplificam os movimentos DE preço dos

Leia mais

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 91-60 Informação actualizada a: 19/04/2011 Designação Comercial: Operação de Capitalização T- 1ª Série (ICAE- Não Normalizado) Período de Comercialização: de17/12/2008 a 17/12/20 Empresa de

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO 1. Objectivos da Política de Remuneração dos órgãos de administração e fiscalização da Companhia de Seguros Açoreana, SA (

Leia mais

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE 64 CAPA ENTREVISTA AMÍLCAR SILVA, PRESIDENTE, E NÍRIA ORAMALU, COORDENADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS DA ABANC O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE Na sede da Associação Angolana

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Governo da Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2014 (1.ª É poca) Prestação de provas para registo como auditor de contas 24 de Maio de 2014

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS PORTUGAL A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS Maria Celeste Hagatong Comissão Executiva do Banco BPI Lisboa, 3 de Junho

Leia mais

Impossibilidade de reembolso antecipado, quer pelo emitente quer pelo investidor.

Impossibilidade de reembolso antecipado, quer pelo emitente quer pelo investidor. Documento Informativo Montepio Top Europa - Março 2011/2015 Produto Financeiro Complexo ao abrigo do Programa de Emissão de Obrigações de Caixa de 3 000 000 000 Advertências ao investidor: Impossibilidade

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2008 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, tendo atingido um valor

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula:

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula: 1.Tipo e Duração 2.Entidade Gestora 3.Consultores de Fundo de Capital Garantido Aberto, constituído em Portugal. A sua constituição foi autorizada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, em 12/

Leia mais