Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015"

Transcrição

1 Fundo Caixa Crescimento Junho de 2015

2 O que é o Capital de Risco Modalidades O Capital de Risco constitui uma forma de financiamento de longo prazo das empresas, realizado por investidores financeiros e que pressupõe a participação no capital próprio. Existem três grandes modalidades de intervenção que dependem da fase do ciclo de vida em que se encontra a empresa: Seed Capital Venture Capital Private Equity Como característica comum, para além do aporte de fundos estáveis, têm o facto de os investidores ajudarem os empreendedores / empresários na profissionalização da gestão. Seed Desenvolvimento - Expansão Introdução Produtos Start-Up Aumento Dimensão Inovação Tecnológica Alargamento Mercados Buy-Outs F&Aquisições Alteração Propriedade Substituição Gestão

3 O que é o Capital de Risco Modalidades O Seed Capital é o investimento feito na fase inicial do novo negócio. Muitas vezes, são ainda ideias ou projetos no papel, e os recursos financeiros ajudam o empreendedor a dar os primeiros passos. Na outra ponta, estão investidores que procuram altas rentabilidades e estão dispostos a correr riscos elevados. Normalmente procuram empresas inovadoras e de base tecnológica. O Venture Capital investe em empresas já estabelecidas mas de pequena dimensão e com potencial de crescimento. Os recursos financeiros permitem financiar as primeiras expansões e levar o negócio a novos patamares de mercado. Tal como no Seed Capital, o foco são empresas inovadoras, em setores de cariz tecnológico, como por exemplo, a biotecnologia. No Private Equity as empresas que recebem a aportação de fundos são empresas maduras, já estabelecidas e consolidadas e que possuem volumes de negócios de vários milhões de euros. O objetivo dos fundos é dar um impulso financeiro para lhes permitir dar saltos de crescimento e prepará-las, por exemplo, para novas modalidades de financiamento como a abertura de capital em bolsa. Acesso a novos mercados Titularidade do capital Crescimento via orgânica via aquisição Profissionalização da gestão Investimento em tecnologia e racionalização dos processos Acesso a novas modalidades de financiamento 3

4 O que é o Capital de Risco Vantagens O Capital de Risco facilita o acesso a capitais alheios, em consequência do fortalecimento da estrutura de capitais próprios da empresa e do fato do operador de Capital de Risco desempenhar um elemento de valorização da gestão, de credibilização perante o mercado e de acesso a uma vasta rede de conhecimento, podendo ser um forte elemento de criação de valor. Sendo um instrumento complementar ao financiamento bancário, apresenta, relativamente a este, algumas vantagens, designadamente: Capital de Risco Dívida Bancária Perspetiva de longo prazo. Curto prazo ou MLP Empenhamento total do investidor até ao momento do desinvestimento. Não há garantias especiais. Análise do risco e exigência de garantias patrimoniais. Objetivos de crescimento e de valorização do negócio. Quanto mais conservadora for a empresa (situação patrimonial e financeira), mais o recurso ao crédito fica facilitado. Rentabilidade/pagamento de remuneração dependentes dos resultados da empresa. Imposição de planos pré-definidos de reembolso capital e pagamento de juros. Se algo correr mal, o Capital de Risco irá trabalhar em conjunto com o seu parceiro de negócio para encontrar as melhores soluções. Se existirem sinais de problemas, os credores seniores procurarão impor garantias adicionais, renegociar condições ou exigir o reembolso antecipado da dívida para salvaguardarem a sua posição.

5 Capital de Risco no Grupo CGD CAIXA CAPITAL é o operador de capital de risco da Caixa Geral de Depósitos. CAIXA CAPITAL com ativos sob gestão de aprox. 750 milhões de euros, dispõe da mais vasta rede de parcerias com os principais investidores internacionais do sector. CAIXA CAPITAL investe através de 5 fundos de capital de risco, que asseguram uma cobertura transversal ao ciclo de vida das empresas, de todas as dimensões e na generalidade dos sectores de atividade. CAIXA CAPITAL participa em quase uma centena de empresas, integrando o seu portfolio de investimento nomeadamente as seguintes entidades: 5

6 Capital de Risco no Grupo CGD FCR Grupo CGD Participantes: CGD (86%), CaixaBI (8%) e Caixa Capital (6%) FCR Empreender + 100% detido pela CGD Constituído em 2009 Caixa Crescimento, FCR 100% detido pela CGD FCR Caixa Fundos 100% detido pela CGD Constituído em 2013 FCR Caixa TTA Ventures 100% detido pela CGD Constituído em 1995 Capital: 25M Constituído em 2013 Capital: 200M Constituído em 2015 Capital: 370M Capital Objetivo: 150M Capital: 6M 6

7 Fundo Caixa Crescimento Estratégia Política de Investimento & Critérios de Seleção Principais Vantagens PME s ou Empresas com um grau de capitalização médio ( Mid-Cap ) economicamente viáveis (capitais próprios positivos e sem endividamento insustentável) Permite às empresas obter meios financeiros estáveis para o desenvolvimento dos seus planos de negócios e simultaneamente reforçar as estruturas de capital Empresas de qualquer sector (Fundo generalista), excluídos apenas os setores Financeiro e Imobiliário Possibilita às empresas participar em processos de expansão ou consolidação mais ambiciosos Projetos de investimento com vista a reforçar a capacidade produtiva, expandir para novos mercados ou sustentar estratégias de crescimento Empresas carenciadas de meios para reforço de necessidades estruturais de fundo de maneio Empresas com equipas de gestão sólidas e situação financeira que possa alavancar oportunidades de crescimento ou consolidação Capacita as empresas para se protegerem de riscos financeiros Permite partilhar a credibilidade e a experiência profissional do parceiro financeiro Proporciona a partilha do risco de negócio 7

8 Fundo Caixa Crescimento Tipo de Operações Fundo com capital objetivo de 150M de euros Parceria de médio/longo prazo Principais Características Montante por operação até 7,5M (preferencialmente acima de 3M) Participação temporária e minoritária no capital da empresa Presença nos órgãos sociais Flexibilidade na definição do modelo de desinvestimento Subscrição de Acordo Parassocial entre acionistas Tipo de Operações Instrumentos de capital próprio ou quase capital, designadamente, valores mobiliários ou direitos convertíveis, permutáveis ou que confiram o direito à sua aquisição, ou ainda instrumentos de capital alheio em conjunto com os restantes acionistas Empresas Alvo (Preferencialmente) Capacidade de Gestão / Sede em Portugal Volume de Negócios > 10M e Dinâmica de Crescimento > 10% anual Dívida líquida / EBITDA* < 5x EBITDA / Vendas > 10% * EBITDA é igual aos resultados recorrentes antes de depreciações, gastos de financiamento e impostos 8

9 Contactos Para mais informações contactar: Pedro Cabaço Caixa Capital - Sociedade de Capital de Risco, S.A. Morada: Rua Barata Salgueiro, 33 1º Lisboa Telefone: / 08 Website: 9

CAPI CANISM TAL DE O DE C RISCO APIT AL DE RISCO

CAPI CANISM TAL DE O DE C RISCO APIT AL DE RISCO MECANISMO CAPITAL DE CAPITAL DE RISCO DE RISCO António Carvalho A Portugal Ventures InovCapital AICEP Capital Global Turismo Capital Clarificação de objectivos estratégicos e concentração de meios para

Leia mais

PORTUGAL A CRESCER TURISMO

PORTUGAL A CRESCER TURISMO PORTUGAL A CRESCER TURISMO Turismo Um setor estratégico Peso no PIB Peso no Emprego Peso nas exportações Turismo 13% Serviços (excluindo Turismo) 18% Bens 69% Unid. Milhões Euros Turismo Um setor estratégico

Leia mais

Recursos Próprios. Amigos e Familiares

Recursos Próprios. Amigos e Familiares Recursos Próprios Chamado de booststrapping, geralmente é a primeira fonte de capital utilizada pelos empreendedores. São recursos sem custos financeiros. O empreendedor tem total autonomia na tomada de

Leia mais

O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA NO PORTUGAL 2020

O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA NO PORTUGAL 2020 O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA NO PORTUGAL 2020 Albufeira, 7 de abril de 2015 www.capitalcriativo.com CAPITAL CRIATIVO QUEM SOMOS Gestora Independente A CAPITAL CRIATIVO é uma sociedade de gestão

Leia mais

Programa FINICIA Financiamento de Start up inovadoras. Universidade de Évora, 13 de Dezembro de 2007

Programa FINICIA Financiamento de Start up inovadoras. Universidade de Évora, 13 de Dezembro de 2007 Programa FINICIA Financiamento de Start up inovadoras Universidade de Évora, 13 de Dezembro de 2007 O parceiro das PME 2 Missão Visão Produtos e Serviços Facilitar e assistir as PME nas suas estratégias

Leia mais

FINICIA. Como funciona?

FINICIA. Como funciona? FINICIA O FINICIA consiste no financiamento bancário em regime bonificado para a criação de novas microempresas e para expansão de atividades de empresas já constituídas na fase inicial do seu ciclo de

Leia mais

O DESAFIO DA CAPITALIZAÇÃO E CRESCIMENTO NAS PME ENCONTROS CAIXA CAPITAL - ORDEM DOS ROC

O DESAFIO DA CAPITALIZAÇÃO E CRESCIMENTO NAS PME ENCONTROS CAIXA CAPITAL - ORDEM DOS ROC Sociedade de Capital de Risco, SA O DESAFIO DA CAPITALIZAÇÃO E CRESCIMENTO NAS PME FINANCIAMENTO MEZZANINE ENCONTROS CAIXA CAPITAL - ORDEM DOS ROC 30 ABRIL 2012 Acesso ao Financiamento das PME O modelo

Leia mais

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal Apoios às s Empresas do Sector do Turismo ÍNDICE 2 Linha de apoio à qualificação da oferta Linha de apoio à tesouraria Carência de capital Linhas PME CRESCIMENTO 2013 MECANISMOS DE APOIO AO SECTOR DO TURISMO

Leia mais

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 4º PAINEL: AS NOVAS FORMAS DE FINANCIAMENTO DA ECONOMIA - CONCLUSÕES - A CIP reconhece que a nossa economia atingiu um nível de alavancagem excessivo que

Leia mais

Agrocapital. Case study : AGROCAPITAL. O Capital de Risco na PAC pós 2013

Agrocapital. Case study : AGROCAPITAL. O Capital de Risco na PAC pós 2013 Case study : AGROCAPITAL O Capital de Risco na PAC pós 2013 TÓPICOS Noção Algumas razões para o Capital de Risco na PAC pós 2013 Actividade estruturada e regulada Dinâmica da actividade de capital de risco

Leia mais

Crescimento e novas soluções de financiamento Sumário do Focus Group e considerações gerais sobre o mercado

Crescimento e novas soluções de financiamento Sumário do Focus Group e considerações gerais sobre o mercado Crescimento e novas soluções de financiamento Sumário do Focus Group e considerações gerais sobre o mercado Amostra de 13 empresas Solidez financeira 2 Baixa Média Alta Arranque Ciclo de vida 1 Crescimento

Leia mais

Urbana. Urbana. Nuno Vitorino 19 Outubro 2011 16 Nov 2010. Nuno Vitorino

Urbana. Urbana. Nuno Vitorino 19 Outubro 2011 16 Nov 2010. Nuno Vitorino Inicia&va Iniciativa JESSICA JESSICA Financiamento Financiamento de de Projectos Projectos Sustentáveis Sustentáveis de Reabilitação de Reabilitação Nuno Vitorino Nuno Vitorino 19 Outubro 2011 JESSICA

Leia mais

Oferta Pública. Mercado de Capitais

Oferta Pública. Mercado de Capitais Oferta Pública Mercado de Capitais Oferta Pública Para ter suas ações negociadas na Bolsa, as empresas precisam abrir o capital. O primeiro procedimento para a empresa abrir o capital é entrar com o pedido

Leia mais

Posicionamento Estratégico e Fundo de Apoio ao Empreendedorismo

Posicionamento Estratégico e Fundo de Apoio ao Empreendedorismo Posicionamento Estratégico e Fundo de Apoio ao Empreendedorismo FUNDAÇÃO AEP Fomentar uma verdadeira cultura de empreendedorismo, da valorização e dignificação do papel social do empresário e da modernização

Leia mais

Apresentação a Empresas. (Sociedade registada na CMVM com o nº 340)

Apresentação a Empresas. (Sociedade registada na CMVM com o nº 340) Apresentação a Empresas (Sociedade registada na CMVM com o nº 340) AGENDA I. Equipa de Gestão II. Empresas e os desafios actuais III. Serviços especializados IV. Contactos 2 I. Equipa de Gestão Resumo

Leia mais

FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA. Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes

FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA. Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes LINHA DE APOIO à QUALIFICAÇÃO DA OFERTA e ao EMPREENDEDORISMO NO TURISMO VALORIZAR E DIVERSIFICAR O PRODUTO TURÍSTICO

Leia mais

IFD FINANCIAMENTO ÀS PME S

IFD FINANCIAMENTO ÀS PME S bizfeira 2020 oportunidades de financiamento Capitalizar para Internacionalizar IFD FINANCIAMENTO ÀS PME S INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO Europarque, S.M. Feira, 17 de Abril de 2015 Ricardo

Leia mais

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15 IAPMEI/DGAE (www.iapmei.pt / www.dgae.pt) PME Invest (Linha de Crédito com juro bonificado) Linha de Crédito PME Investe III Condições e processo de candidatura A Condições 1. Condições a observar pelas

Leia mais

INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO ÀS EMPRESAS

INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO ÀS EMPRESAS INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO ÀS EMPRESAS Porto Business School IFD O que podem esperar as empresas? INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO Ricardo Luz Administrador Executivo da IFD 16 de Junho de 2015

Leia mais

Millennium Fundo de Capitalização. Maio 2015

Millennium Fundo de Capitalização. Maio 2015 Millennium Fundo de Capitalização Maio 2015 Informação Legal DECLARAÇÕES ( DISCLOSURE ) Este documento foi elaborado pela BCP Capital, Sociedade Capital de Risco S.A., uma subsidiária do Banco Comercial

Leia mais

IFD. Conferência CIP Relançar o Investimento em Portugal. O Papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento

IFD. Conferência CIP Relançar o Investimento em Portugal. O Papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento Conferência CIP Relançar o Investimento em Portugal O Papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO José Fernando Figueiredo Presidente Executivo Lisboa,

Leia mais

FINICIA APOIO AO FINANCIAMENTO. Mar./2009. rita.seabra@iapmei.pt ana.rosas@iapmei.pt leitao.gomes@iapmei.pt www.finicia.pt

FINICIA APOIO AO FINANCIAMENTO. Mar./2009. rita.seabra@iapmei.pt ana.rosas@iapmei.pt leitao.gomes@iapmei.pt www.finicia.pt FINICIA APOIO AO FINANCIAMENTO na fase START-UP rita.seabra@iapmei.pt ana.rosas@iapmei.pt leitao.gomes@iapmei.pt www.finicia.pt Mar./2009 FINICIA Apresentação composta por duas partes: 1. Instrumentos

Leia mais

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA 2 PROGRAMA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA A Portugal Ventures, Caixa Capital e Mota-Engil Industria e Inovação celebraram um acordo para a concretização de um Programa, designado

Leia mais

UM CONJUNTO INTEGRADO DE SOLUÇÕES PARA APOIAR AS PME

UM CONJUNTO INTEGRADO DE SOLUÇÕES PARA APOIAR AS PME UM CONJUNTO INTEGRADO DE SOLUÇÕES PARA APOIAR AS PME Ana Rosas Ana.rosas@iapmei.pt FINANCIAMENTO Ciclo de Vida das Empresas FINICIA FINCRESCE FINTRANS FINANCIAMENTO FINICIA Projectos de Forte Conteúdo

Leia mais

Fóruns da Garantia Mútua, Norgarante - Investir num Mundo de Oportunidades -

Fóruns da Garantia Mútua, Norgarante - Investir num Mundo de Oportunidades - O papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento na recapitalização das empresas Fóruns da Garantia Mútua, Norgarante - Investir num Mundo de Oportunidades - Ricardo Luz Administrador Executivo Pousada

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA 2014-2020 18-11-2015 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL, IP-RAM MISSÃO Promover o desenvolvimento, a competitividade e a modernização das empresas

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Contexto: O Impulso Jovem, Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção da Empregabilidade Jovem

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 O papel do private equity na consolidação do mercado imobiliário residencial Prof. Dr. Fernando Bontorim Amato O mercado imobiliário

Leia mais

ILinhas de apoio financeiro

ILinhas de apoio financeiro ILinhas de apoio financeiro Lisboa 03 junho 2012 Direção de Investimento Carlos Abade INSTRUMENTOS DE APOIO À ATIVIDADE PRODUTIVA TURISMO Carlos Abade Faro, 2 de agosto de 2012 Turismo Um setor estratégico

Leia mais

ECONOMIA E EMPREENDEDORISMO

ECONOMIA E EMPREENDEDORISMO ECONOMIA E Rui Leão Martinho Junho 2013 O O termo empreendedor é derivado da palavra francesa entrepreneur e foi usada pela primeira vez em 1725, pelo economista irlandês Richard Cantillon, reconhecido

Leia mais

candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos

candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos A candidatura é um processo de prospecção e avaliação de projectos inovadores e tem como objectivo promover a realização de investimentos através do

Leia mais

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Working Draft Last Modified 30/01/2007 18:09:06 GMT Standard Time O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Conferência Mercado Laboral: A responsabilidade social das empresas em tempo de crise OJE

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

IFD. Debate ao almoço Associação Empresarial de Portugal

IFD. Debate ao almoço Associação Empresarial de Portugal O Papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento no apoio ao Financiamento das Empresas Portuguesas Debate ao almoço Associação Empresarial de Portugal INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO José

Leia mais

LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO

LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO 30 de dezembro de 2011 Linhas PME Investe Sector do Turismo Características Gerais e Condições de Financiamento - Linhas Específicas do Sector do Turismo - PME INVESTE

Leia mais

Qual o âmbito deste protocolo e que tipo de projectos pretende apoiar?

Qual o âmbito deste protocolo e que tipo de projectos pretende apoiar? QUESTÕES COLOCADAS PELO JORNALISTA MARC BARROS SOBRE O PROTOCOLO ENTRE A FNABA E O TURISMO DE PORTUGAL Qual o âmbito deste protocolo e que tipo de projectos pretende apoiar? Com propostas para fazer e

Leia mais

IFD FINANCIAMENTO ÀS PME S. Fórum Exportador Cedrac INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO

IFD FINANCIAMENTO ÀS PME S. Fórum Exportador Cedrac INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO Fórum Exportador Cedrac IFD FINANCIAMENTO ÀS PME S INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO Guimarães, 12 de Junho de 2015 Maria João Nunes Administradora Executiva da IFD Missão, Ambição e Enquadramento

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Instituto Português de Corporate Governance Auditório Victoria 27 de novembro 2013 Ana de Sá Leal economista Abordagem 1. Responsabilidade Social 2. Dimensão 3. Criar Valor 4. Outro

Leia mais

I N C E N T I V O S A O E M P R E E N D E D O R I S M O Page 1. Incentivos ao EMPREENDEDORISMO

I N C E N T I V O S A O E M P R E E N D E D O R I S M O Page 1. Incentivos ao EMPREENDEDORISMO I N C E N T I V O S A O E M P R E E N D E D O R I S M O Page 1 Incentivos ao EMPREENDEDORISMO Abril 2015 I N C E N T I V O S A O E M P R E E N D E D O R I S M O Pag. 2 ÍNDICE 1. Enquadramento... 3 2. Criação

Leia mais

FUNDO REVITALIZAR SUL

FUNDO REVITALIZAR SUL FUNDO REVITALIZAR SUL www.capitalcriativo.com O FUNDO REVITALIZAR SUL CAPITAL TIPO DE EMPRESAS 60m - 30m subscritos pelo FINOVA (fundo de fundos público) e 30m subscritos por 7 instituições de crédito

Leia mais

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI 2ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI Patrocinador Principal Patrocinadores Globais APDSI PME Apoios ao crescimento APDSI

Leia mais

Capacitação, conhecimento e inovação aberta Virgílio Cruz Machado

Capacitação, conhecimento e inovação aberta Virgílio Cruz Machado Capacitação, conhecimento e inovação aberta Virgílio Cruz Machado Universidade Nova de Lisboa Os caminhos da competitividade O que precisam as empresas para alicerçar o seu futuro? Redes colaborativas

Leia mais

O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA

O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA FIGUEIRA DA FOZ, 9 DE JULHO DE 2014 LUÍS COITO LINHAS DE APOIO FINANCEIRO Longo Prazo Curto / Médio Prazo Curto Prazo LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA LINHA

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

A Actividade de Capital de Risco

A Actividade de Capital de Risco E Private Equity Services A Actividade de Capital de Risco E em Portugal em 23 Abril 24 Sociedades de capital de risco mantêm ritmo de investimento em 23, e privilegiam novos projectos O investimento total

Leia mais

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA 2 PROGRAMA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA A Mota-Engil Indústria e Inovação e a Caixa Capital celebraram um acordo para a concretização de um Programa, designado Internacionalizar

Leia mais

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010 CONFERÊNCIA Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA Lisboa, 7 de Julho de 2010 Luís Sousa Santos lsantos@besinv.pt Financiamento de Centrais de Biomassa

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14 27 de fevereiro de 2015 Magazine Luiza Destaques 2014 Vendas E-commerce Despesas Operacionais EBITDA Ajustado Luizacred Lucro Líquido Ajustado Crescimento da receita

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

Seminário sobre Financiamento

Seminário sobre Financiamento ÍNDICE 1. Formas de financiamento e limitações à sua utilização 2. Evolução recente do setor bancário 3. O financiamento generalista 4. O financiamento especializado 5. Outras formas de financiamento 6.

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T15. 8 de maio de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 1T15. 8 de maio de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 8 de maio de 2015 Magazine Luiza Destaques do Vendas E-commerce Despesas Operacionais EBITDA Luizacred Lucro Líquido Ganhos de market share, principalmente em tecnologia Receita

Leia mais

Projectos Sustentáveis Sustentáveis de Reabilitação Urbana. Nuno Vitorino 13Jan2011 16 Nov 2010

Projectos Sustentáveis Sustentáveis de Reabilitação Urbana. Nuno Vitorino 13Jan2011 16 Nov 2010 Iniciativa JESSICA JESSICA Financiamento Financiamento de de Projectos Sustentáveis Sustentáveis de Reabilitação de Reabilitação 13Jan2011 Alteração do Paradigma de Financiamento > Substituição de financiamento

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação.

Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação. Exmos. Associados e parceiros, Chamamos a vossa atenção para o convite abaixo. Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação. Inscrevam-se! Convite No seguimento dos contactos mantidos

Leia mais

O PAPEL DO SISTEMA DE GARANTIA MÚTUA PORTUGUÊS NO FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS E DOS EMPREENDEDORES

O PAPEL DO SISTEMA DE GARANTIA MÚTUA PORTUGUÊS NO FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS E DOS EMPREENDEDORES O PAPEL DO SISTEMA DE GARANTIA MÚTUA PORTUGUÊS NO FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS E DOS EMPREENDEDORES 14 de Novembro de 2014 Braga Teresa Duarte Administradora Norgarante POTENCIAR MECANISMOS DE MERCADO Poupança

Leia mais

Bê-á-Bá da poupança. Depósitos a prazo. Fundos de Tesouraria em euros

Bê-á-Bá da poupança. Depósitos a prazo. Fundos de Tesouraria em euros Bê-á-Bá da poupança Há um vasto leque de escolhas para quem quer poupar, mas a análise da PROTESTE INVESTE mostra-lhe que nem todas são boas opções. No Dia Mundial da Poupança, saiba quais as alternativas.

Leia mais

Fontes de Financiamento Alternativas Sociedades de Capital de Risco, Business Angels, Crowdfunding

Fontes de Financiamento Alternativas Sociedades de Capital de Risco, Business Angels, Crowdfunding QA#011 /2º trimestre.2015 Mónica Veloso * Área Jurídica da Unidade Empreendedorismo ANJE Fontes de Financiamento Alternativas Sociedades de Capital de Risco, Business Angels, Crowdfunding Como associação

Leia mais

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03 Os Business Angels são, geralmente, os primeiros investidores que o empreendedor conhece e, por isso, o seu papel é crucial nas primeiras etapas da empresa. Este é um negócio de alto risco, já que muitas

Leia mais

Portugal Inovação Social

Portugal Inovação Social Portugal Inovação Social Inovação e Empreendedorismo Social no Portugal2020 Filipe Santos Presidente da Portugal Inovação Social II fórum de empreendedorismo social AMP2020 29 de Junho de 2015 Fundação

Leia mais

Garantia Mútua UMA NOVA ALTERNATIVA NO ACESSO AO FINANCIAMENTO PARA AS PME FCGM. Fundo de Contragarantia Mútuo

Garantia Mútua UMA NOVA ALTERNATIVA NO ACESSO AO FINANCIAMENTO PARA AS PME FCGM. Fundo de Contragarantia Mútuo Garantia Mútua UMA NOVA ALTERNATIVA NO ACESSO AO FINANCIAMENTO PARA AS PME FCGM Fundo de Contragarantia Mútuo Sessões Turismo de Portugal, Abril 2010 Apresentação Segmentos de Actuação Linhas de Oferta

Leia mais

Os instrumentos financeiros no período de programação 2014-2020

Os instrumentos financeiros no período de programação 2014-2020 O Crescimento começa nas cidades Fundo JESSICA Portugal: Balanço e Futuro 4 DE NOVEMBRO 2013 Os instrumentos financeiros no período de programação 2014-2020 Dina Ferreira Instituto Financeiro Desenvolvimento

Leia mais

LINHA DE APOIO À CONSOLIDAÇÃO FINANCEIRA EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO [Fonte: Turismo de Portugal, I.P., set 2014]

LINHA DE APOIO À CONSOLIDAÇÃO FINANCEIRA EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO [Fonte: Turismo de Portugal, I.P., set 2014] LINHA DE APOIO À CONSOLIDAÇÃO FINANCEIRA EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO [Fonte: Turismo de Portugal, I.P., set 2014] INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 OBJETO Criar as condições para a adequação dos serviços de dívida

Leia mais

Apresentação de Resultados

Apresentação de Resultados Apresentação 3T08 Apresentação de Resultados José Carlos Aguilera (Diretor Presidente e de RI) Eduardo de Come (Diretor Financeiro) Marcos Leite (Gerente de RI) Destaques do Período Contexto de crise no

Leia mais

PROGRAMA FINICIA IAPMEI IAPMEI IAPMEI IAPMEI POTENCIAR TALENTOS. Objectivos da Área de Negócio Financiamento Empresarial.

PROGRAMA FINICIA IAPMEI IAPMEI IAPMEI IAPMEI POTENCIAR TALENTOS. Objectivos da Área de Negócio Financiamento Empresarial. PROGRAMA FINICIA POTENCIAR TALENTOS O tem por missão promover a inovação e executar políticas de estímulo ao desenvolvimento empresarial, visando o reforço da competitividade e da produtividade das empresas,

Leia mais

O Financiamento Bancário no Contexto Atual

O Financiamento Bancário no Contexto Atual Seminário: Modelos de Financiamento de Operações Urbanísticas: desafios e oportunidades O Financiamento Bancário no Contexto Atual José Herculano Gonçalves IST Lisboa, 28 Janeiro 2014 Direção de Financiamento

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2T15. 31 de julho de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 2T15. 31 de julho de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 2T15 31 de julho de 2015 Magazine Luiza Destaques do 2T15 Vendas E-commerce Ganho consistente de participação de mercado Redução na receita líquida de 10,1% para R$2,1 bilhões

Leia mais

5º Workshop da Plataforma do Empreendedor

5º Workshop da Plataforma do Empreendedor 5º Workshop da Plataforma do Empreendedor Lisboa, AIP-CE 27 de Maio de 2010 EMPREENDEDORISMO Da ideia à actividade. O Montepio apoia a criação de negócios independentemente da sua dimensão e está disponível

Leia mais

Apoio à Inovação. Luciana Capanema Gerente de Inovação

Apoio à Inovação. Luciana Capanema Gerente de Inovação Apoio à Inovação Luciana Capanema Gerente de Inovação Apoio à Inovação http://www.bndes.gov.br O objetivo do BNDES é fomentar e apoiar operações associadas à formação de capacitações e ao desenvolvimento

Leia mais

JORNADAS TÉCNICAS DA CERÂMICA 15

JORNADAS TÉCNICAS DA CERÂMICA 15 JORNADAS TÉCNICAS DA CERÂMICA 15 2º Painel Incentivos à Indústria O papel do IAPMEI na Competitividade do setor Miguel Cruz 26 Novembro de 2015 Apoiar as PME nas suas estratégias de crescimento inovador

Leia mais

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI)

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Nº 03 / SAFPRI / 2009 SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI) CONSTITUIÇÃO OU REFORÇO DE FUNDOS DE CAPITAL DE RISCO (FCR) PROJECTOS FASE

Leia mais

Portugal Inovação Social

Portugal Inovação Social Portugal Inovação Social Inovação e Empreendedorismo Social no Portugal2020 Sessão de Divulgação na Região Centro: Penacova novembro de 2015 Alexandra Neves Portugal : Pioneiro na União Europeia na aposta

Leia mais

Apreciação Parlamentar n.º 130/XII

Apreciação Parlamentar n.º 130/XII Apreciação Parlamentar n.º 130/XII Decreto-Lei n.º 181-A/2014, de 24 de dezembro, que «aprova o processo de reprivatização indireta do capital social da TAP, Transportes Aéreos Portugueses, S. A.» Foi

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

PORTUGAL INOVAÇÃO SOCIAL Apoio à Inovação e Empreendedorismo Social

PORTUGAL INOVAÇÃO SOCIAL Apoio à Inovação e Empreendedorismo Social Alto Minho 2020 : Por uma nova visão territorial das políticas públicas 2014-2020 Inclusão Social & Capital Humano: Que Instrumentos de Financiamento 2014-2020? PORTUGAL INOVAÇÃO SOCIAL Apoio à Inovação

Leia mais

Produto Financeiro Complexo

Produto Financeiro Complexo Zurich Companhia de Seguros Vida, S.A. PROSPECTO SIMPLIFICADO (atualizado a 8 de fevereiro de 2013) Empresa de Seguros Entidades Comercializadoras Autoridades de supervisão Reclamações DB MULTIFUNDOS,

Leia mais

Linhas de Crédito PME INVESTE IV

Linhas de Crédito PME INVESTE IV Linhas de Crédito PME INVESTE IV SECTORES EXPORTADORES MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Linhas de Crédito Bonificado com Garantia Mútua UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Gestão Marketing

Leia mais

APOIO DE PROXIMIDADE AOS EMPREENDEDORES. Dia da Europa Lisboa, 9 de maio de 2013

APOIO DE PROXIMIDADE AOS EMPREENDEDORES. Dia da Europa Lisboa, 9 de maio de 2013 APOIO DE PROXIMIDADE AOS EMPREENDEDORES Dia da Europa Lisboa, 9 de maio de 2013 MEDIDAS NO VALORIZAR Imediatas, de resposta à conjuntura: Incentivos a microempresas do interior (SIALM) Reforço Investe

Leia mais

P R O T O C O L O B A N C Á R I O

P R O T O C O L O B A N C Á R I O PROTOCOLO BANCÁRIO Caraterização do Setor Peso no PIB Peso no Emprego Peso nas Exportações Peso dos Mercados 63% 37% Mercado Estrangeiro Mercado Nacional Unid. Milhões Euros Novo modelo de financiamento

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Condições actuais do Protocolo para Colaboradores

Condições actuais do Protocolo para Colaboradores Direcção de Parcerias Comerciais Protocolos Condições actuais do Protocolo para Colaboradores Novembro de 2009 Conta Ordenado BPI Isenção das principais despesas do dia-a-dia: Isenção das despesas de manutenção

Leia mais

Seminário BPI-Primavera

Seminário BPI-Primavera Seminário BPI-Primavera Relevância da qualidade da informação na gestão 12 de Março de 2013 ÍNDICE 1. Empresas vs. Informação 2. Como BPI acompanha o risco das Empresas 3. Consequências 2 EMPRESAS VS.

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DB Multifundos Fundo Autónomo: Multifundos DB Investimento III Empresa de Seguros: Zurich -Companhia de Seguros de Vida S.A. Sede: Rua Barata Salgueiro 41, 1269-058 Lisboa TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO!

Leia mais

Linha Específica Sectores Exportadores. Linha Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica Sectores Exportadores. Linha Micro e Pequenas Empresas Junho 2009 2 PME Investe IV Condições Específicas Breve Resumo das Condições CARACTERIZAÇÃO GERAL Linha Específica Sectores Exportadores Linha Micro e Pequenas Empresas Montante Global Até 400 milhões

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2014

Linha de Crédito PME Crescimento 2014 Linha de Crédito PME Crescimento 2014 As empresas têm à sua disposição, desde o passado dia 3 de março, uma nova linha de crédito para apoiar o financiamento da sua atividade. Trata-se da linha PME Crescimento

Leia mais

O Cluster Financeiro

O Cluster Financeiro O Cluster Financeiro Um sector financeiro promotor do crescimento Manuel Lima Bolsa de Valores de Cabo Verde 15 de Maio de 2013 WS 2.4 O Cluster Financeiro Índice Breves notas O que assinalam os números

Leia mais

Conclusão. Patrícia Olga Camargo

Conclusão. Patrícia Olga Camargo Conclusão Patrícia Olga Camargo SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros CAMARGO, PO. A evolução recente do setor bancário no Brasil [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica,

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

Ecossistemas Empreendedores

Ecossistemas Empreendedores Ecossistemas Empreendedores O caso de Cascais Paulo Andrez Administrador da DNA Cascais Vice-Presidente da EBAN (Ass.Europeia de Business Angels) 1 O papel de uma autarquia no apoio ao empreendedorismo

Leia mais

BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta COMUNICADO

BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta COMUNICADO BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Tenente Valadim, 284, Porto Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Porto sob o número único de matrícula e identificação fiscal 501 214 534 Capital

Leia mais

Programa. Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012

Programa. Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012 Programa Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012 Programa Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012 3 Hemisfério esquerdo responsável pelo pensamento lógico e pela competência

Leia mais

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012 Competitividade, Emprego e Investimento 17 de outubro de 2012 Introdução O Programa do XIX Governo estabelece a consolidação orçamental como um dos objectivos centrais da presente legislatura; Contudo,

Leia mais

Financiamento de Projectos Empresariais e Apoio ao Empreendedorismo. Auditório do Centimfe Marinha Grande

Financiamento de Projectos Empresariais e Apoio ao Empreendedorismo. Auditório do Centimfe Marinha Grande Financiamento de Projectos Empresariais e Apoio ao Empreendedorismo Auditório do Centimfe Marinha Grande 02 de Março de 2005 O que é o negócio do Capital de Risco O Capital de Risco e o Crédito Bancário

Leia mais