Resultados consolidados do Banco BPI no 1.º semestre de 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resultados consolidados do Banco BPI no 1.º semestre de 2011"

Transcrição

1 BANCO BPI, S.A. - Sociedade aberta Capital Social: euros; Pessoa Colectiva n.º Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º Sede: Rua Tenente Valadim, n.º 284, Porto, Portugal Comunicado Resultados consolidados do Banco BPI no 1.º semestre de 2011 (Não auditados) Porto, 26 de Julho de 2011 Lucro líquido consolidado de 79.1 M. no 1.º semestre de 2011; queda de 20.4% relativamente aos 99.5 M. registados no 1.º semestre de 20; Contribuição extraordinária sobre o sector bancário representou um encargo de 7.6 M.., sem o qual a queda do lucro teria sido de 12.8%; Margem financeira caiu 4.7% em relação ao 1.º semestre de 20; Produto bancário aumentou 9.9% relativamente ao 1.º semestre de 20, beneficiando de um ganho de 74.2 M. na recompra de duas emissões de obrigações próprias; Realizadas dotações especiais para reformas antecipadas (40 M. ) e imparidades (c. 24 M. ); Custos caíram 2.3%, excluindo custos de 40 M. já registados com reformas antecipadas a concretizar no 2.º semestre; Recursos de Clientes no balanço aumentaram 2.2% (+ 0.7 Bi. ), em termos homólogos; Carteira de Crédito a Clientes diminuiu 4.7%, em termos homólogos; Rácio de transformação de recursos de clientes em crédito diminuiu para 1% Rácio crédito vencido a 90 dias situou-se em 2.3%; Custo do risco de crédito de 0.48% no 1.º semestre de 2011 (vs. 0.45% no semestre homólogo de 20); Responsabilidades com pensões cobertas a 4.7%; Core Tier I subiu de 8.1% para 9.1%, Tier I subiu de 8.6% para 9.6% (entre Junho de 20 e Junho de 2011); Utilização de fundos do BCE no montante de 1 Bi. em 30 de Junho de Lucro líquido de 79.1 milhões de euros O BANCO BPI (Euronext Lisboa - Reuters BBPI.LS; Bloomberg BPI PL) obteve no 1.º semestre de 2011 um lucro líquido consolidado de 79.1 milhões de euros (M. ), o que representa uma queda de 20.4% relativamente ao lucro líquido consolidado de 99.5 M. obtido no semestre homólogo de 20. O lucro líquido por acção (Basic EPS) ascendeu a 0.08, o que corresponde a um decréscimo de 20.5% relativamente ao semestre homólogo do ano anterior, ajustado pelo aumento de capital por incorporação de reservas ocorrido no 1.º semestre de A rentabilidade do capital próprio médio ascendeu a 7.2% no 1.º semestre de Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

2 Síntese consolidada Lucro líquido O BPI obteve no 1.º semestre de 2011 um lucro líquido consolidado de 79.1 milhões de euros (M. ), o que corresponde a uma diminuição de 20.4% relativamente ao lucro consolidado de 99.5 M. obtido no semestre homólogo de 20. Conta de resultados 1º T 2º T 1º S 3º T 4º T 20 1º T 11 2º T 11 1º S 11 1S / 1S11 Margem financeira (4.7%) Resultado técnico de contratos de seguros % Comissões e outros proveitos (líq.) (6.5%) Ganhos e perdas em operações financeiras % Rendimentos e encargos operacionais ( 4.5) ( 5.6) (.2) ( 1.8) ( 2.9) ( 14.9) % Produto bancário % Custos com pessoal, excluindo custos com reformas antecipadas (1.0%) Fornecimentos e serviços de terceiros (1.7%) Amortizações de imobilizado (16.3%) Custos de estrutura, excluindo custos com reformas antecipadas (2.3%) Custos com reformas antecipadas % Custos de estrutura % Resultado operacional % Recuperação de créditos vencidos (1.1%) Provisões e imparidades para crédito % Outras imparidades e provisões % Resultado antes de impostos % Impostos sobre lucros 1.9 ( 11.3) ( 9.4) 7.1 ( 3.5) ( 5.9) % Resultados de empresas reconhecidas por equivalência patrimonial % Interesses minoritários % Lucro líquido (20.4%) Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

3 Fundos próprios e requisitos de fundos próprios Em 30 de Junho de 2011, o rácio core Tier I situava-se em 9.1%, o rácio Tier I em 9.6% e o rácio de requisitos de fundos próprios em.7%, todos calculados de acordo com Basileia II 1. Os activos ponderados pelo risco diminuíram cerca de 0.9 Bi. desde o início do ano, ascendendo a 25.2 Bi. no final de Junho de Fundos próprios e requisitos de fundos próprios 30 Jun. 31 Dez. 30 Jun. 11 1) Fundos próprios de base Core capital Acções preferenciais Deduções relativas a participações em IC e seguradoras ( 121.3) ( 134.5) ( 97.6) Fundos próprios complementares e outras deduções Fundos próprios complementares, antes de deduções Deduções relativas a participações em IC e seguradoras ( 121.3) ( 134.5) ( 97.6) Outras deduções ( 3.4) ( 5.6) ( 5.8) Total de fundos próprios Requisitos de fundos próprios Activos ponderados pelo risco Rácio de requisitos de fundos próprios.8% 11.1%.7% Tier I 8.6% 9.1% 9.6% Core capital 8.1% 8.7% 9.1% 1) Considera o resultado não auditado do 1º semestre. 2) Requisitos de fundos próprios x Liquidez No final de Junho, o financiamento líquido obtido pelo BPI junto do BCE era de M.. Rating Na sequência das revisões em baixa dos ratings da República Portuguesa, as agências de rating têm procedido a revisões das notações atribuídas aos bancos portugueses. Neste contexto, em relação à República Portuguesa e ao Banco BPI, S.A., a evolução e as notações actuais da dívida de longo prazo são as que se apresentam no quadro seguinte. O BPI detém, presentemente, notações de Baa3, BBB- e BBB-, atribuídas pela Moody s, Fitch Ratings e Standard & Poor s, respectivamente. Jun Dez. 20 Abr Jul Variação 07/11 (N.º de níveis) Moody s Fitch Banco BPI A1 A2 Baa2 Baa3-5 República Portuguesa Aa2 A1 Baa1 Ba2-9 Banco BPI A+ A- BBB- BBB- -5 Ratings República Portuguesa AA A+ BBB- BBB- -7 Standard & Banco BPI A A- BBB- BBB- -4 Poor s República Portuguesa AA- A- BBB- BBB- -6 1) O BPI adoptou o método padrão para cálculo dos requisitos de fundos próprios para cobertura do risco de crédito e o método do indicador básico para cálculo de requisitos para cobertura de risco operacional. Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

4 Recursos e Crédito Os recursos de Clientes no balanço aumentaram 2.2% (+0.7 Bi. ) relativamente a Junho de 20, em termos consolidados. Na actividade doméstica os recursos subiram 2.4% (+0.6 Bi. ). Na actividade internacional, os recursos de Clientes do BFA subiram 1.3% (+0.1 Bi. ), para os 4.0 Bi.. Os recursos fora de balanço diminuíram 4% (-0.2 Bi. ) para os 5.5 Bi., no mesmo período. A carteira de crédito a Clientes consolidada diminuiu 4.7% relativamente a Junho do ano anterior fixando-se nos 29.9 Bi.. Na actividade doméstica, que representa cerca de 97% da carteira consolidada, a carteira caiu 3.8%, com reduções das carteiras de crédito a empresas, project finance e banca institucional de 6% (-0.8 Bi. ) e de crédito a empresários e negócios de.4% (-0.3 Bi. ). Na actividade internacional, a carteira de crédito, diminuiu 27% (-0.4 Bi. ) relativamente a Junho de 20. De referir que, na actividade doméstica, a redução do activo desalavancagem tomando em consideração as diminuições nas carteiras de crédito ( M. ) e de activos financeiros disponíveis para venda (- 553 M. ) ascendeu, entre Junho de 20 e Junho de 2011, a perto de 1600 milhões de euros. Proveitos e custos O produto bancário consolidado aumentou 9.9% (+54.4 M. ) em relação ao semestre homólogo de 20, muito influenciado por um ganho de 74.2 M. realizado na recompra de obrigações Tier II próprias no 1.º semestre de 2011, o qual inclui o resultado da liquidação antecipada dos derivados de cobertura. O BPI decidiu reconhecer na conta de resultados do 1.º semestre de 2011 um custo de 40 M. (antes de impostos) relativo a um programa de reformas antecipadas a concretizar até final de 2011 e um reforço de imparidades de crédito e outras imparidades no montante de cerca de 24 M.. O produto bancário consolidado, excluindo o referido ganho com recompra de obrigações próprias, diminuiu 3.6% (-19.8 M. ) em relação ao semestre homólogo de 20. Na actividade doméstica, diminui 6.4% (-25.4 M. ), enquanto na actividade internacional aumenta 3.7% (+5.6 M. ). Os custos de estrutura consolidados, excluindo custos com reformas antecipadas, diminuíram 7.9 M. (-2.3%), em relação a Junho de 20. Na actividade doméstica, os custos de estrutura, excluindo custos com reformas antecipadas, diminuíram 12.6 M. (-4.4%). O rácio de eficiência - custos de estrutura 1 em percentagem do produto bancário -, nos últimos 12 meses, foi de 61.6%. 1) Custos de estrutura, excluindo custos com reformas antecipadas, em percentagem do produto bancário. Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

5 Custo do risco de crédito No 1.º semestre de 2011 foram contabilizadas imparidades para crédito de 79.8 M. (0.54% da carteira de crédito, em termos anualizados), montante que inclui um reforço de 20 M.. Por outro lado recuperaram-se 9.5 M. de crédito e juros vencidos anteriormente abatidos ao activo (0.06% da carteira de crédito, em termos anualizados), pelo que as imparidades após dedução das recuperações acima referidas ascenderam a 70.3 M., o que representa 0.48% da carteira de crédito, em termos anualizados. Qualidade da Carteira de Crédito 30 Jun. 31 Dez. 30 Jun. 11 Imparidades na conta de resultados Em % da carteira de crédito 1) 0.39% 0.40% 0.54% Imparidades na conta de resultados, deduzidas de recuperações de crédito vencido abatido ao activo Em % da carteira de crédito 1) 0.33% 0.35% 0.48% Imparidades no período ajustadas 2) 77.1 (2) (2) 79.8 Imparidades no período ajustadas 2), deduzidas de recuperações de crédito vencido 67.4 (2) (2) 70.3 Imparidades no período ajustadas 2), deduzidas de recuperações de crédito vencido abatido ao activo em % da carteira de crédito 1) 0.45% 0.46% 0.48% Carteira de crédito bruta Crédito vencido (+90 dias) Rácio de crédito vencido (+90 dias) 1.8% 1.9% 2.3% Crédito de cobrança duvidosa Crédito vencido (+30 dias) Rácio de crédito vencido (+30 dias) 2.0% 2.0% 2.4% Imparidades de crédito (acumuladas no balanço) Imparidades de crédito (no balanço) em % da carteira de crédito bruta 1.9% 1.9% 2.1% Write offs (desde início do ano) ) Em percentagem do saldo médio da carteira de crédito produtivo, em termos anualizados. 2) Em 20, considera a dotação de imparidades para crédito (na conta de resultados) mais a utilização no período da dotação extraordinária efectuada em Dezembro de Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

6 Actividade doméstica Lucro líquido O lucro líquido na actividade doméstica ascendeu a 31.8 M. no 1.º semestre de 2011, o que corresponde a uma redução de 38.4% ( M. ) em relação ao obtido no semestre homólogo do ano anterior. No 2.º trimestre de 2011 o BPI obteve um ganho de 74.2 M. com a recompra de obrigações próprias Tier II, que foi contabilizado em lucros em operações financeiras. O lucro do semestre reflecte apenas uma pequena parte do referido ganho, dado que o BPI decidiu registar no 2º trimestre, em custos com pessoal, um custo de 40 M. relativo a um programa de reformas antecipadas a concretizar até final de 2011 e um reforço de imparidades de crédito e outras imparidades de cerca de 24 M.. A contribuição extraordinária sobre o sector bancário em Portugal, em vigor a partir de 1 de Janeiro de 2011, incide sobre os passivos, deduzidos dos fundos próprios de base e complementares nele incluídos, e sobre o valor nocional dos instrumentos financeiros derivados sem natureza de cobertura. No primeiro semestre, o Grupo BPI registou um encargo de 7.6 M. para esta contribuição. A rendibilidade dos capitais próprios médios (excluindo reservas de reavaliação) afectos à actividade doméstica (ROE), ascendeu a 3.4% no 1.º semestre de Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

7 Conta de resultados 1º T 2º T 1º S 3º T 4º T 20 1º T 11 2º T 11 1º S 11 1S / 1S11 Margem financeira (12.7%) Resultado técnico de contratos de seguros % Comissões e outros proveitos (líq.) (6.5%) Ganhos e perdas em operações financeiras % Rendimentos e encargos operacionais ( 4.3) ( 5.2) ( 9.5) ( 1.7) ( 2.6) ( 13.8) % Produto bancário % Custos com pessoal, excluindo custos com reformas antecipadas (2.6%) Fornecimentos e serviços de terceiros (4.2%) Amortizações de imobilizado (22.4%) Custos de estrutura, excluindo custos com reformas antecipadas (4.4%) Custos com reformas antecipadas % Custos de estrutura % Resultado operacional % Recuperação de créditos vencidos (6.0%) Provisões e imparidades para crédito % Outras imparidades e provisões % Resultado antes de impostos (14.8%) Impostos sobre lucros 7.3 ( 12.7) ( 5.5) 5.3 ( 5.2) ( 5.3) % Resultados de empresas reconhecidas por equivalência patrimonial % Interesses minoritários % Lucro líquido (38.4%) Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

8 Recursos e crédito Recursos Os recursos de Clientes com registo no balanço aumentaram 2.4% em termos homólogos. O agregado depósitos e obrigações colocadas em Clientes registou um aumento homólogo de 3.6% (+792 M. ), determinado pela expansão dos depósitos de Clientes em 7.3% ( M. ). Os seguros de capitalização diminuíram 4.7% (-174 M. ), em termos homólogos. A progressão dos recursos de Clientes no balanço, a par com a redução da carteira de crédito, determinou uma redução do rácio de transformação de recursos de Clientes (excluindo seguros de capitalização) em crédito de 134%, em Junho de 20, para 125%, em Junho de De referir que no consolidado o rácio de transformação de recursos em crédito situou-se em 1% em Junho de 2011 (119% em Junho de 20). Recursos de Clientes com registo no balanço 30 Jun. 31 Dez. 30 Jun. 11 Jun. / Jun.11 Recursos de Clientes no balanço Depósitos de Clientes % Obrigações colocadas em Clientes (.8%) Subtotal % Seguros de capitalização e PPR (BPI Vida) (4.7%) Recursos de Clientes no balanço % Por memória: Carteira de crédito bruta Rácio de transformação de recursos em crédito 1) 134% 131% 125% 1) Carteira de crédito bruta em % dos recursos de Clientes excluindo seguros de capitalização. Os recursos de Clientes com registo fora do balanço diminuíram 4.0% (-225 M. ), em resultado principalmente da diminuição dos fundos de investimento em 9.1% (-145 M. ) e dos PPR e PPA em 7.3% (-69 M. ). Recursos de Clientes com registo fora do balanço 30 Jun. 31 Dez. 30 Jun. 11 Jun. / Jun.11 Recursos fora do balanço Fundos de investimento (9.1%) Hedge funds % PPR e PPA (7.3%) Fundos de pensões (0.6%) Recursos fora do balanço (4.0%) 1) Fundos de pensões geridos pela BPI Pensões. Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

9 Crédito A carteira de crédito a Clientes na actividade doméstica diminuiu 3.8%, em relação a Junho de 20. A carteira de crédito à habitação regista uma variação nula relativamente a Junho de 20 (mas diminui 88 M. em relação a Dezembro de 20, ou seja, -0.7%), enquanto as carteiras de crédito a empresas, institucionais e Project Finance e de crédito a empresários e negócios registaram diminuições homólogas de 6.0% (-776 M. ) e de.4% (-253 M. ), respectivamente. Crédito a Clientes 30 Jun. 31 Dez. 30 Jun. 11 Jun. / Jun.11 Crédito a particulares, empresários e negócios (1.9%) Crédito à habitação % Outro crédito a particulares (3.9%) Empresários e negócios (.4%) Crédito a empresas e institucionais (6.0%) Outros (4.7%) Carteira de crédito (líq.) (3.8%) 1) Inclui crédito hipotecário titularizado desreconhecido do activo (860 M. em Jun., 824 M. em Dez. e 793 M. em Jun. 11). 2) Outro crédito produtivo, crédito vencido líquido de imparidades, juros e outros valores a receber / pagar. Produto bancário O produto bancário na actividade doméstica ascendeu a M. no 1.º semestre de 2011, o que corresponde a um aumento de 12.3% (+48.8 M. ) em relação ao semestre homólogo de 20. Excluindo o ganho de 74.2 M. realizado no 1.º semestre de 2011 com a recompra de obrigações Tier II próprias, o produto bancário diminui 6.4% (-25.4 M. ) em termos homólogos. A margem financeira diminuiu 12.7% (-29.2 M. ) em relação ao 1.º semestre de 20. As comissões (líquidas) diminuíram 6.5% (-8.8 M. ), em termos homólogos. As comissões de banca comercial registaram uma redução de 4.8% (-4.8 M. ), as comissões de gestão de activos diminuíram 3.8% (-1.0 M. ) e as comissões de banca de investimento diminuíram 28% (-3.1 M. ). Comissões líquidas 30 Jun. 30 Jun. 11 Var. M. Banca comercial 1) (4.8%) Gestão de activos (3.8%) Banca de investimento 1) (28.0%) Total (6.5%) 1) Excluindo comissões com fundos de investimento, fundos de pensões e de Private Banking, as quais são apresentadas, de forma agregada, na rubrica "Gestão de Activos"). Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

10 Os lucros em operações financeiras na actividade doméstica aumentaram de 35.6 M. obtidos no 1.º semestre de 20 para 2.6 M. no 1.º semestre de Relativamente às principais componentes dos lucros em operações financeiras: os resultados em operações ao justo valor ascenderam a 96.4 M., dos quais 74.2 M. são relativos a ganhos com a recompra de obrigações Tier II próprias, 6.9 M. a ganhos em produtos de taxa de juro, 4.1 M. são relativos a ganhos na negociação de acções e 3.2 M. são relativos a ganhos cambiais; os resultados em activos financeiros disponíveis para venda ascenderam a 0.2 M. ; o resultado financeiro com pensões 1 situou-se em 6.0 M. e resultou da existência de um excesso de financiamento dos fundos de pensões e de um diferencial positivo entre a taxa de rendimento esperado do fundo de pensões (5.5%) e a taxa de desconto (5.25%). A rubrica Rendimentos e Encargos Operacionais registou ganhos de 9.1 M. no 1.º semestre de 2011, quando no 1.º semestre do ano anterior havia registado perdas de 9.5 M., o que representa, portanto, um aumento de 18.6 M.. Custos de estrutura Os custos de estrutura excluindo os custos com reformas antecipadas, diminuíram 4.4% (-12.6 M. ) relativamente ao semestre homólogo de 20. Os custos com pessoal, excluindo custos com reformas antecipadas, diminuíram 2.6% (-4.4 M. ). O número médio de Colaboradores na actividade doméstica diminuiu 3.5% em termos homólogos, para no 1.º semestre de Os fornecimentos e serviços de terceiros registaram uma diminuição de 4.2% (-4.2 M. ) e as amortizações diminuíram 22.4% (-4.0 M. ). O BPI reconheceu na conta de resultados, a 30 Junho de 2011, um custo de 40 M. com um programa de reformas antecipadas a executar até final do 2º semestre. O referido programa abrange 260 Colaboradores e permitirá uma poupança anual estimada em custos com pessoal de cerca de 12 M.. Os custos tal como reportados, que incluem custos com reformas antecipadas (17.7 M. no 1º sem. 20 e 39.9 M. no 1º sem. 2011), aumentam 3.1% (+9.6 M. ) em termos homólogos. 1) O resultado financeiro com pensões corresponde ao diferencial entre o rendimento esperado dos fundos de pensões e o custo com juros das responsabilidades. 2) Exclui trabalho temporário. Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de 2011 /27

11 Custos de estrutura 30 Jun. 30 Jun. 11 Var. M. Custos com pessoal (2.6%) Fornecimentos e serviços de terceiros (4.2%) Amortizações de imobilizado próprio (22.4%) Subtotal (4.4%) Custos com reformas antecipadas Total de custos de estrutura % Custos de estrutura em % do produto bancário (nos últimos 12 meses) % 73.7% 1) Custos com pessoal excluindo custos com reformas antecipadas. 2) Custos de estrutura, excluindo custos com reformas antecipadas, em percentagem do produto bancário. No cálculo do rácio de eficiência em Junho 2011 excluiu-se do produto bancário um ganho de 74.2 M. realizado na recompra de obrigações próprias. O indicador custos de estrutura em percentagem do produto bancário, situou-se em 73.7% 1 no período de 12 meses findo em Junho de Resultados de subsidiárias reconhecidas pelo método da equivalência patrimonial Os resultados de subsidiárias reconhecidas pelo método da equivalência patrimonial, na actividade doméstica, aumentaram 6.2% (+0.7 M. ), de 11.2 M. no 1.º semestre de 20 para 11.9 M. no 1.º semestre de O contributo das empresas da área de seguros foi de 9.0 M. (7.4 M. da Allianz Portugal e 1.6 M. da Cosec), o que representou 76% do total da rubrica no 1.º semestre de Resultados de subsidiárias reconhecidas pelo equity method 30 Jun. 30 Jun. 11 Seguradoras Allianz Portugal Cosec Viacer Finangeste Unicre Outras Total ) Os custos de estrutura excluem custos com reformas antecipadas e o produto bancário exclui ganho com recompra de obrigações próprias. Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

12 Custo do risco do crédito O total de imparidades contabilizadas no 1.º semestre de 2011 ascendeu a 73.2 M. (incluindo reforço de 20 M. ), o que correspondeu a 0.52% da carteira média de crédito, em termos anualizados. As recuperações de crédito e juros vencidos anteriormente provisionados e abatidos ao activo ascenderam a 7.7 M. nesse período. As imparidades após dedução das recuperações acima referidas ascenderam a 65.5 M., o que representou 0.46% da carteira de crédito média, em termos anualizados. Qualidade da Carteira de Crédito 30 Jun. 31 Dez. 30 Jun. 11 Imparidades na conta de resultados Em % da carteira de crédito 1) 0.33% 0.35% 0.52% Imparidades na conta de resultados, deduzidas de recuperações de crédito vencido abatido ao activo Em % da carteira de crédito 1) 0.27% 0.30% 0.46% Imparidades no período ajustadas 2) 65.4 (2) (2) 73.2 Imparidades no período ajustadas 2), deduzidas de recuperações de crédito vencido 57.1 (2) (2) 65.5 Imparidades no período ajustadas 2), deduzidas de recuperações de crédito vencido abatido ao activo em % da carteira de crédito 1) 0.40% 0.41% 0.46% Carteira de crédito bruta Crédito vencido (+90 dias) Rácio de crédito vencido (+90 dias) 1.7% 1.8% 2.2% Crédito de cobrança duvidosa Crédito vencido (+30 dias) Rácio de crédito vencido (+30 dias) 1.9% 1.9% 2.2% Imparidades de crédito (acumuladas no balanço) Imparidades de crédito (no balanço) em % da carteira de crédito bruta 1.6% 1.7% 1.9% Write offs (desde início do ano) ) Em percentagem do saldo médio da carteira de crédito produtivo, em termos anualizados. 2) Em 20, considera a dotação de imparidades para crédito (na conta de resultados) mais a utilização no período da dotação extraordinária efectuada em Dezembro de Em 30 de Junho de 2011, o rácio de crédito a Clientes vencido há mais de 90 dias ascendia a 2.2%. O rácio de crédito vencido adicionado do crédito vincendo, indicador que inclui a totalidade da exposição em operações com capital ou juros em situação de vencido, era de 2.8% naquela data. O quadro seguinte discrimina o referido indicador pelos três segmentos principais de crédito: Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

13 Rácios de crédito vencido 30 Jun. 31 Dez. 30 Jun. 11 Rácios de crédito vencido (> 90 dias) 1.7% 1.8% 2.2% Banca de empresas 1.3% 1.4% 2.2% Crédito hipotecário 1.9% 1.8% 1.8% Empresários e negócios 3.9% 4.1% 4.4% Rácios de crédito vencido + vincendo (> 90 dias) 2.3% 2.4% 2.8% Banca de empresas 1.7% 2.0% 2.6% Crédito hipotecário 2.4% 2.4% 2.5% Empresários e negócios 4.6% 4.7% 5.5% Imparidades para imóveis por recuperação de crédito No cálculo das imparidades para imóveis recebidos por recuperação de crédito, o Banco BPI utiliza critérios especialmente prudentes, que a seguir se enunciam. Nos imóveis recebidos por operações de crédito à habitação, o valor da imparidade corresponde à diferença, se positiva, entre o valor bruto e o valor de avaliação depois de considerados determinados factores de desconto a este. Data de aquisição do imóvel (DA) em anos Imparidade DA 1 ano 25% 1 ano < DA 2 anos 50% 2 anos < DA 3 anos 75% DA > 3 anos, arrendados ou sem condições de venda 0% Nos restantes imóveis são considerados os seguintes valores mínimos para as imparidades, se as avaliações não determinarem o registo de imparidades mais elevadas: Antiguidade do imóvel (DA) em anos Imparidade mínima 2 anos < DA 5 anos 30% VB DA > 5 anos Sem condições de venda 50% VB 0% VB VB = Valor Bruto. Em 30 de Junho de 2011 o montante acumulado de imparidades para imóveis recebidos por recuperação de crédito ascendia 46.7 milhões de euros, correspondendo a 38% do seu valor de balanço de M.. Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

14 Imóveis de recuperação de crédito em 30 de Junho de 2011 Valor bruto Imparidade Valor líquido Valor de avaliação Habitação Outros Total Responsabilidades com pensões Em 30 de Junho de 2011 os fundos de pensões dos Colaboradores cobriam a 4.7% o valor das responsabilidades com pensões de Colaboradores. No final de Junho de 2011, o BPI tinha desvios actuariais negativos de M. que se encontravam registados dentro do corredor contabilístico de % previsto nas IAS (equivalente a M. ) e 44.3 M. fora do corredor. Financiamento das responsabilidades com pensões 30 Jun. 31 Dez. 30 Jun. 11 Responsabilidades com pensões Fundos de pensões Excesso de financiamento Financiamento das responsabilidades com pensões 5.3% 4.5% 4.7% Corredor máximo Desvios negativos registados no corredor ( 238.2) ( 238.7) ( 230.1) Margem disponível para acomodar desvios negativos Montante fora do corredor ( 29.4) ( 16.0) ( 44.3) Rendibilidade do fundo de pensões 1) -0.5% 1) 2.9% -1.9% 1) 1) Rentabilidade desde início do ano (não anualizada). No final de Junho de 2011, o BPI alterou o pressuposto de taxa de desconto de 5.25% para 5.50%, igualando-a à taxa de rendimento esperado do fundo de pensões. Esta alteração ocasionou um desvio actuarial positivo (redução das responsabilidades) de 73.8 M.. Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

15 Actividade internacional Lucro líquido O lucro líquido na actividade internacional ascendeu a 47.4 M. no 1.º semestre de 2011, o que corresponde a uma redução de 1.1% em relação ao semestre homólogo do ano anterior, o qual beneficiara de um ganho de 7.4 M. relativo a uma correcção (diminuição) à estimativa de impostos a suportar pelo BFA com respeito ao exercício de O resultado antes de impostos aumentou 6.8%. A rendibilidade dos capitais próprios médios afectos à actividade internacional (ROE), ascendeu a 30.1% no 1.º semestre de O contributo do BFA para o lucro consolidado do Grupo, que corresponde a uma apropriação de 50.1% do lucro individual do BFA, ascendeu a 44.6 M. 1 no 1.º semestre de 2011, sendo inferior em 1.0% ao contributo no semestre homólogo do ano anterior. Foram reconhecidos 47.6 M. de interesses minoritários no lucro individual do BFA (48.0 M. no 1.º semestre de 20). O contributo para o lucro da participação de 30% no BCI (Moçambique), reconhecida por equivalência patrimonial, ascendeu a 3.1 M., o que corresponde a um aumento de 11.2% em relação ao 1.º semestre de 20. Conta de resultados 1º T 2º T 1º S 3º T 4º T 20 1º T 11 2º T 11 1º S 11 1S / 1S11 Margem financeira % Resultado técnico de contratos de seguros % Comissões e outros proveitos (líq.) (6.4%) Ganhos e perdas em operações financeiras (21.0%) Rendimentos e encargos operacionais ( 0.2) ( 0.4) ( 0.6) ( 0.1) ( 0.3) ( 1.1) ( 0.1) % Produto bancário % Custos com pessoal % Fornecimentos e serviços de terceiros % Amortizações de imobilizado % Custos de estrutura % Resultado operacional % Recuperação de créditos vencidos % Provisões e imparidades para crédito (43.7%) Outras imparidades e provisões % Resultado antes de impostos % Impostos sobre lucros ( 5.4) 1.4 ( 4.0) ( 0.5) % Resultados de empresas reconhecidas por equivalência patrimonial % Interesses minoritários (1.0%) Lucro líquido (1.1%) 1) Contributo do BFA, líquido de impostos sobre dividendos. Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

16 Recursos e crédito Os recursos totais de Clientes na actividade internacional, quando expressos em euros (moeda de consolidação), registam um aumento homólogo de 1.3%, atingindo os M. no final de Junho de Os recursos totais de Clientes, medidos em dólares 1, aumentaram 19.8%, em termos homólogos. Recursos de Clientes 30 Jun. 31 Dez. 30 Jun. 11 Jun. / Jun.11 Depósitos à ordem (2.1%) Depósitos a prazo % Total % A carteira de crédito a Clientes na actividade internacional, expressa em euro, diminuiu 26.6%, de M., em Junho de 20, para M. em Junho de Quando expressa em dólares americanos, a carteira de crédito regista um decréscimo de 13.3%, em termos homólogos. Crédito a Clientes 30 Jun. 31 Dez. 30 Jun. 11 Jun. / Jun.11 Crédito produtivo (27.6%) Crédito vencido % Imparidades de crédito ( 96.4) ( 78.7) ( 80.0) (17.0%) Juros e outros (35.4%) Total (26.6%) Crédito por assinatura (33.9%) Carteira de títulos A carteira de títulos do BFA ascendia, em 30 de Junho de 2011, a M., ou seja, 37% do activo. A carteira de títulos de curto prazo, constituída por Bilhetes do Tesouro e Títulos do Banco Central, aumentou em 170 M., de 595 M. em Junho de 20 para 765 M. em Junho de 2011, enquanto a carteira de Obrigações do Tesouro diminui em 381 M., de M. em Junho de 20 para 978 M. em Junho de Clientes O número de Clientes aumentou 16%, de 726 mil, em Junho de 20, para 841 mil, em Junho de ) Quando se analisa a evolução da actividade comercial do BFA utilizam-se as variações em dólares daquelas grandezas, uma vez que estando grande parte das carteiras de recursos de Clientes e de crédito denominadas em dólares, as variações expressas naquela moeda são mais representativas da evolução do negócio em Angola. Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

17 Rede de distribuição A rede de distribuição em Angola aumentou 9%, relativamente a Junho de 20. Foram abertos, durante esse período, 8 novos balcões, 1 centro de investimento e 3 Centros de Empresas. No final de Junho de 2011, a rede de distribuição era composta por 126 Balcões, 6 Centros de Investimento e 14 Centros de Empresas, o que representava uma quota de mercado próxima de 20% em termos de balcões. O BFA tem vindo a desenvolver um programa de expansão que inclui a abertura de agências, o significativo reforço do quadro humano do Banco, a introdução de produtos e serviços inovadores no mercado e uma abordagem segmentada dos Clientes com o objectivo de dar resposta e captar a oportunidade proporcionada pelo crescimento do mercado Angolano. Cartões O BFA detém uma posição destacada nos cartões de débito e crédito, com uma quota de mercado, em Junho de 2011, de 28% em termos de cartões de débito válidos. No final de Junho de 2011, o BFA tinha 622 mil cartões de débito válidos (cartões Multicaixa) e cartões de crédito activos (cartões Gold e Classic). Canais automáticos e virtuais Relativamente aos canais automáticos e virtuais é de referir, a crescente utilização da banca electrónica (164 mil aderentes ao BFA NET em Junho de 2011, dos quais 158 mil particulares) e um extenso parque de terminais com 267 ATM e terminais de ponto venda (POS) activos na rede EMIS, o que lhe conferia, em ambos os casos, a primeira posição com quotas de mercado de 20.9% e 30.7%, respectivamente. Número de Colaboradores O quadro de Colaboradores do BFA ascendia no final de Junho de 2011 a pessoas, o que corresponde a um aumento de 217 pessoas (+12%) relativamente a Junho do ano anterior. No final de Junho de 2011 o número de Colaboradores do BFA representava cerca de 23% do quadro de Colaboradores do Grupo. Proveitos e Custos O produto bancário na actividade internacional aumentou 3.7% (+5.6 M. ), de M. no 1.º semestre de 20 para M. no 1.º semestre de A evolução do produto bancário é explicada pela expansão da margem financeira em 15.8% (+14.3 M. ), para os 4.5 M. no 1.º semestre de 2011, que compensou a redução dos lucros em operações financeira em 21% (-8.3 M. ), para os 31.2 M. no 1.º semestre de 2011, e a redução das comissões em 6.4% (-1.4 M. ), para os 21.2 M. no 1.º semestre de Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

18 Os custos de estrutura aumentaram 9.2% em relação ao 1.º semestre de 20. Os custos com pessoal aumentaram 9.9% (+2.4 M. ), em termos homólogos. O programa de investimento na expansão da presença do BFA em Angola tem sido o factor determinante desta evolução. O quadro médio de pessoal do BFA no 1.º semestre de 2011 foi de Colaboradores, sendo superior em 9.9% ao quadro médio de pessoal no semestre homólogo do ano anterior. Por sua vez, os fornecimentos e serviços de terceiros registaram um aumento de 9.9% (+2.1 M. ) e as amortizações um aumento de 3.6% (+0.2 M. ), todos comparativamente com o 1.º semestre de 20. O indicador custos de estrutura em percentagem do produto bancário situou-se nos 33.9% nos últimos 12 meses (Junho de 20 a Junho de 2011). Custo do risco de crédito Na actividade internacional, as provisões para crédito no 1.º semestre de 2011 ascenderam a 6.6 M., o que correspondeu a 1.21% do saldo médio da carteira de crédito, em termos anualizados. Por outro lado, nesse período, recuperaram-se 1.8 M. de crédito e juros vencidos anteriormente abatidos ao activo. Assim, as imparidades de crédito, deduzidas das recuperações de crédito vencido, ascenderam a 4.8 M., o que correspondeu a 0.88% da carteira média de crédito produtivo, em termos anualizados. Qualidade da Carteira de crédito 30 Jun. 31 Dez. 30 Jun. 11 Imparidades na conta de resultados Em % da carteira de crédito 1) 1.75% 1.62% 1.21% Imparidades na conta de resultados, deduzidas de recuperações de crédito vencido abatido ao activo Em % da carteira de crédito 1) 1.54% 1.46% 0.88% Carteira de crédito bruta Crédito vencido (+90 dias) Rácio de crédito vencido (+90 dias) 3.3% 3.6% 5.4% Crédito vencido (+30 dias) Rácio de crédito vencido (+30 dias) 3.6% 4.0% 5.7% Imparidades de crédito (acumuladas no balanço) Provisões em % do crédito vencido (+90 dias) 214.3% 185.5% 143.2% Write offs (desde início do ano) ) Em percentagem do saldo médio da carteira de crédito produtivo, em termos anualizados. Em 30 de Junho de 2011, o rácio de crédito a Clientes vencido há mais de 90 dias ascendia a 5.4%. Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

19 A cobertura do crédito vencido há mais de 90 dias pelas provisões totais para crédito ascendia, no final de Junho de 2011, a 143.2%. Resultados de subsidiárias reconhecidas pelo equity method Os resultados de subsidiárias reconhecidos pelo equity method, na actividade internacional, ascenderam a 3.4 M. no 1.º semestre de 2011 (+11.2% em relação ao semestre homólogo de 20) 1, e consistem na apropriação de 30% do lucro do BCI, banco comercial que desenvolve actividade em Moçambique e no qual o BPI detém uma participação de 30%. O BCI registou um crescimento de 12% do activo líquido, relativamente a Junho de 20. Os depósitos de Clientes cresceram 20%, em termos homólogos, para 815 M. no final de Junho de 2011 e a carteira de crédito a Clientes aumentou 8.5%, em termos homólogos, para 739 M.. No final de Junho de 2011 o BCI dispunha de um quadro de pessoal com Colaboradores o que corresponde a um crescimento anual de 23% e uma rede de distribuição com 5 balcões, ou seja, mais 29 balcões que um ano antes. Contacto para Analistas e Investidores Direcção de Relações com Investidores Ricardo Araújo Tel. directo: (351) Fax: directo: (351) ) O contributo do BCI para o lucro consolidado ascendeu a 2.8 M. no 1.º semestre de 20 e a 3.1 M. no 1º semestre de 2011, uma vez que, para além dos resultados reconhecidos por equivalência patrimonial, são registados impostos diferidos relacionados com os resultados distribuíveis do BCI na rubrica "Impostos sobre lucros" (0.3 M. em ambos os semestres). Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

20 Anexos Principais indicadores Actividade doméstica Actividade internacional Consolidado Jun. Jun.11 Jun. Jun.11 Jun. Jun.11 Lucro líquido (como reportado) (38.4%) (1.1%) (20.4%) Lucro líquido por acção (38.4%) (1.1%) (20.5%) Nº médio ponderado de acções 1) % % % Rácio de eficiência (últimos 12 meses) 2) 69.3% 73.7% 30.1% 33.9% 58.1% 61.6% ROE 5.7% 3.4% 37.0% 30.1% 9.6% 7.2% Activo total líquido 3) (12.7%) % (12.4%) Crédito a Clientes 4) (3.8%) (26.6%) (4.7%) Recursos de Clientes no balanço % % % Recursos de Clientes fora do balanço (4.0%) (4.0%) Recursos totais de Clientes 5) (0.9%) % (0.7%) Crédito vencido há mais de 90 dias % % % Rácio de crédito vencido 6) 1.7% 2.2% 3.3% 5.4% 1.8% 2.3% Perda líquida de crédito 7) 0.27% 0.46% 1.54% 0.88% 0.33% 0.48% Perda líquida de crédito (ajustada) 8) 0.40% 0.46% 1.54% 0.88% 0.45% 0.48% Fundos de pensões de Colaboradores (2.5%) (2.5%) Cobertura das responsabilidades 9) 5.3% 4.7% 5.3% 4.7% Situação líquida e interesses minoritários (23.1%) % (17.1%) Fundos próprios (7.3%) Activos ponderados pelo risco (6.3%) Rácio de capital.8%.7% Tier I 8.6% 9.6% Core Tier I 8.1% 9.1% Rede de distribuição ) (6.0%) % (3.9%) Nº de Colaboradores 11) (5.9%) % (2.5%) 1) N.º médio de acções emitidas deduzido de acções próprias. 2) Custos de estrutura, excluindo custos com reformas antecipadas, em % do produto bancário. No cálculo do rácio de eficiência em Junho 2011 excluiu-se do produto bancário um ganho de 74.2 M. realizado na recompra de obrigações próprias. 3) O valor do activo apresentado para os segmentos geográficos não está corrigido dos saldos resultantes de operações entre esses segmentos. 4) Inclui crédito hipotecário titularizado que foi desreconhecido do activo (860 M. em Jun. e 793 M. em Jun.11). 5) Corrigidos de duplicações de registo: aplicações dos fundos de investimento e dos fundos de pensões geridos pelo Grupo BPI em depósitos, produtos estruturados e fundos de investimento do Grupo. 6) Crédito vencido há mais de 90 dias. 7) Imparidades de crédito no período, líquidas de recuperações, em % da carteira média de crédito, em termos anualizados. 8) Em Jun. 20 considera a dotação de imparidades para crédito no semestre mais a utilização de 18.2 M. da dotação extraordinária efectuada em ) Cobertura pelo património dos fundos de pensões. ) Rede de balcões de retalho, centros de investimento, lojas habitação, centros de empresa, centros de institucionais e centro de project finance. Na actividade doméstica foram incluídos balcões da sucursal de Paris (12 balcões). 11) Inclui trabalho temporário. Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

21 Conta de Resultados Consolidada 1º T. 2º T. 1ºS. 3º T. 4º T. 20 1º T. 11 2º T. 11 1ºS. 11 1S. / 1S.11 Margem financeira estrita (4.0%) Margem bruta de unit links (0.5%) Rendimento de instrumentos de capital (57.2%) Comissões associadas ao custo amortizado (4.8%) Margem financeira (4.7%) Resultado técnico de contratos de seguros % Comissões e outros proveitos (líq.) (6.5%) Ganhos e perdas em operações financeiras % Dos quais: Resultado financeiro com pensões (15.1%) Rendimentos e encargos operacionais ( 4.5) ( 5.6) (.2) ( 1.8) ( 2.9) ( 14.9) % Produto bancário % Custos com pessoal, excluindo custos com reformas antecipadas (1.0%) Fornecimentos e serviços de terceiros (1.7%) Amortizações de imobilizado (16.3%) Custos de estrutura, excluindo custos com reformas antecipadas (2.3%) Custos com reformas antecipadas % Custos de estrutura % Resultado operacional % Recuperação de créditos vencidos (1.1%) Provisões e imparidades para crédito % Outras imparidades e provisões % Resultado antes de impostos % Impostos sobre lucros 1.9 ( 11.3) ( 9.4) 7.1 ( 3.5) ( 5.9) % Resultados de empresas reconhecidas por equivalência patrimonial % Interesses minoritários % Lucro líquido (20.4%) Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

22 Balanço consolidado 31 Dez Mar. 30 Jun. 30 Set. 31 Dez. 31 Mar Jun. 11 Jun./ Jun.11 Ac ti vo Caixa e disponibilidades em bancos centrais (7.2%) Disponibilidades em outras instituições de crédito % Aplicações em instituições de crédito (60.3%) Créditos a clientes (4.7%) Activos financeiros detidos para negociação (35.1%) Activos financeiros disponíveis para venda (20.9%) Activos financeiros detidos até à maturidade (3.4%) Derivados de cobertura (35.6%) Investimentos em associadas e filiais excluídas da consolidação (1.9%) Outros activos tangíveis (18.9%) Activos intangíveis (6.2%) Activos por impostos % Outros activos (5.8%) Total do Activo (12.4%) Passivo e capitais próprios Recursos de bancos centrais (65.8%) Recursos de outras instituições de crédito (40.5%) Recursos de clientes e outros empréstimos % Responsabilidades representados por títulos (18.6%) Provisões técnicas (1.9%) Passivos financeiros associados a activos transferidos (9.9%) Derivados de cobertura (38.4%) Provisões % Passivos por impostos (30.1%) Instrumentos representativos de capital (67.9%) Outros passivos subordinados (51.1%) Outros passivos (8.0%) Capital % Prémios de emissão e reservas (86.6%) Outros instrumentos de capital (16.9%) Acções próprias ( 23.0) ( 24.2) ( 23.6) ( 21.7) ( 21.7) ( 22.0) ( 21.9) 7.4% Resultado do exercício (20.4%) Interesses minoritários (2.1%) Capitais próprios (17.1%) Total do Passivo e Capitais Próprios (12.4%) Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

23 Conta de Resultados Actividade Doméstica 1º T. 2º T. 1ºS. 3º T. 4º T. 20 1º T. 11 2º T. 11 1ºS. 11 1S. / 1S.11 Margem financeira estrita (12.7%) Margem bruta de unit links (0.5%) Rendimento de instrumentos de capital (57.2%) Comissões associadas ao custo amortizado (4.8%) Margem financeira (12.7%) Resultado técnico de contratos de seguros % Comissões e outros proveitos (líq.) (6.5%) Ganhos e perdas em operações financeiras % Dos quais: Resultado financeiro com pensões (15.1%) Rendimentos e encargos operacionais ( 4.3) ( 5.2) ( 9.5) ( 1.7) ( 2.6) ( 13.8) % Produto bancário % Custos com pessoal, excluindo custos com reformas antecipadas (2.6%) Fornecimentos e serviços de terceiros (4.2%) Amortizações de imobilizado (22.4%) Custos de estrutura, excluindo custos com reformas antecipadas (4.4%) Custos com reformas antecipadas % Custos de estrutura % Resultado operacional % Recuperação de créditos vencidos (6.0%) Provisões e imparidades para crédito % Outras imparidades e provisões % Resultado antes de impostos (14.8%) Impostos sobre lucros 7.3 ( 12.7) ( 5.5) 5.3 ( 5.2) ( 5.3) % Resultados de empresas reconhecidas por equivalência patrimonial % Interesses minoritários % Lucro líquido (38.4%) Resultados consolidados Banco BPI no 1.º semestre de /27

Resultados consolidados do Banco BPI entre Janeiro e Setembro de 2010

Resultados consolidados do Banco BPI entre Janeiro e Setembro de 2010 www.ir.bpi.pt BANCO BPI, S.A. - Sociedade aberta Capital Social: 900 000 000 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede:

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada) INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada) (aplicável às entidades sujeitas à disciplina normativa contabilística das IAS / IFRS) BANCO BPI, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS DO BANCO BPI ENTRE JANEIRO E SETEMBRO DE 2014

RESULTADOS CONSOLIDADOS DO BANCO BPI ENTRE JANEIRO E SETEMBRO DE 2014 BANCO BPI, S.A. Sociedade aberta Capital Social: 1 293 063 324.98 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede: Rua Tenente

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS DO BANCO BPI EM 2014

RESULTADOS CONSOLIDADOS DO BANCO BPI EM 2014 BANCO BPI, S.A. Sociedade aberta Capital Social: 1 293 063 324.98 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede: Rua Tenente

Leia mais

DESEMPENHO E RESULTADOS

DESEMPENHO E RESULTADOS BANCO BPI, S.A. Sociedade aberta Capital Social: 1 293 063 324.98 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede: Rua Tenente

Leia mais

DESEMPENHO E RESULTADOS

DESEMPENHO E RESULTADOS BANCO BPI, S.A. Sociedade aberta Capital Social: 1 293 063 324.98 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede: Rua Tenente

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

1 Políticas contabilísticas a) Bases de apresentação A F&C Portugal, Gestão de Patrimónios, S.A. ( Sociedade ) é uma sociedade privada constituída a 31 de Outubro de 2001, tendo iniciado a sua actividade

Leia mais

Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011

Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011 Capa 2011 Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011 Evolução da actividade, aspectos mais relevantes e resultados obtidos pelo Banif - Grupo Financeiro no 1.º Trimestre de 2011 Os resultados líquidos

Leia mais

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO 1 Índice Volume II 5 Relatório do Conselho Geral e de Supervisão 12 Parecer do Conselho Geral e de Supervisão incluíndo declaração de conformidade 14 Relatório da Comissão para as Matérias Financeiras

Leia mais

Banco BPI, S.A. Sucursal Offshore de Macau 2013

Banco BPI, S.A. Sucursal Offshore de Macau 2013 Banco BPI, S.A. Sucursal Offshore de Macau 2013 Síntese Financeira ao abrigo da Circular No. 026/B/2012-DSB/AMCM de 16/11/2012 Síntese Financeira ao abrigo da Circular N.º 026/B/2012-DSB/AMCM de 16/11/2012

Leia mais

X FÓRUM DA BANCA BANCA, SUPERVISÃO E FINANCIAMENTO DA ECONOMIA

X FÓRUM DA BANCA BANCA, SUPERVISÃO E FINANCIAMENTO DA ECONOMIA BANCA, SUPERVISÃO E FINANCIAMENTO DA ECONOMIA ÍNDICE I. Evolução da banca na última década II. Efeitos da crise financeira 2008-2010 III. Situação actual IV. Financiamento à economia V. Principais desafios

Leia mais

COMUNICADO. O Santander Totta alcançou 271,1 milhões de euros de Resultado Líquido no final do primeiro semestre de 2007, uma subida de 28,1%.

COMUNICADO. O Santander Totta alcançou 271,1 milhões de euros de Resultado Líquido no final do primeiro semestre de 2007, uma subida de 28,1%. Santander Totta, SGPS, SA Sede: Rua do Ouro, 88 1100-061 Lisboa Capital Social: 1.508.794.421,25 Matriculado na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa Sob o n.º 14.901 Pessoa Colectiva n.º 507 096

Leia mais

27 maio 2016. Informação financeira não auditada

27 maio 2016. Informação financeira não auditada Apresentação de Resultados 1T2016 27 maio 2016 Informação financeira não auditada Agenda 1. Destaques 2. Funding e Liquidez 3. Qualidade dos Ativos 4. Capital 5. Resultados 6. Side Bank 7. Sumário Apêndice:

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 3M 2015 MAIO 2015 Disclaimer Este documento não representa uma oferta de valores mobiliários para venda nos Estados Unidos, Canadá, Austrália, Japão ou em qualquer outra jurisdição.

Leia mais

FACTO RELEVANTE INFORMAÇÃO PRÉVIA RELATIVA À ACTIVIDADE E RESULTADOS OBTIDOS PELO GRUPO BANIF NO EXERCÍCIO DE 2005

FACTO RELEVANTE INFORMAÇÃO PRÉVIA RELATIVA À ACTIVIDADE E RESULTADOS OBTIDOS PELO GRUPO BANIF NO EXERCÍCIO DE 2005 BANIF S G P S, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento do público Sede Social: Rua de João Tavira, 30 - Funchal Capital Social: 200.000.000 Euros Matrícula Nº 3658 Conservatória do Registo

Leia mais

Relatório e Contas 2012 Caixa Central

Relatório e Contas 2012 Caixa Central Relatório e Contas 2012 Caixa Central Página 1 Relatório e Contas 2012 Caixa Central Página 2 Análise Financeira Relatório e Contas 2012 Caixa Central Página 3 Análise Financeira Demonstração de Resultados

Leia mais

Comunicado de Resultados

Comunicado de Resultados Comunicado de Resultados Resultados Consolidados 30 de Junho de 2007 Sonae Distribuição S.G.P.S., SA Em destaque A Sonae Distribuição apresentou ao longo do primeiro semestre de 2007 um crescimento de

Leia mais

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.588.331.338 Euros COMUNICADO Bank Millennium na

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

FACTO RELEVANTE INFORMAÇÃO PRÉVIA RELATIVA À ACTIVIDADE E RESULTADOS OBTIDOS PELO GRUPO BANIF NO 1º SEMESTRE DE 2005

FACTO RELEVANTE INFORMAÇÃO PRÉVIA RELATIVA À ACTIVIDADE E RESULTADOS OBTIDOS PELO GRUPO BANIF NO 1º SEMESTRE DE 2005 Banif SGPS, SA Sociedade com o capital aberto ao investimento do público Sede Social: Rua de João Tavira, 30-9 000 Funchal Capital Social: 200.000.000 Euros - Pessoa Colectiva n.º 511 029 730 Matrícula

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (184 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (184 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado EUR/USD No Touch II Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (184 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira

ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira EMITENTE Grupo Visabeira SGPS, S.A. RATING DE EMITENTE Médio e Longo Prazo BB+ (BB+, com tendência estável) B

Leia mais

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões 1. Introdução A mensuração, mitigação e controlo do nível de risco assumido pelos investidores institucionais (e

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAL 2015 FEVEREIRO 2016 Conferência de imprensa Disclaimer A informação constante neste documento foi preparada de acordo com as normas internacionais de relato financeiro

Leia mais

PLANO DE CONTAS E CÁLCULO DE ÍNDICES

PLANO DE CONTAS E CÁLCULO DE ÍNDICES PLANO DE CONTAS E CÁLCULO DE ÍNDICES Introdução Em abril de 2009, a Fitch Ratings modificou a estrutura dos demonstrativos sintéticos que acompanham os relatórios dos bancos analisados, adotando um novo

Leia mais

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadora Capital Social: 169.764.398 Euros sob o número único de matrícula e de pessoa colectiva 503 219 886 COMUNICADO

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

MOTA-ENGIL, S.G.P.S., S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALARES DO 1º TRIMESTRE DE 2006

MOTA-ENGIL, S.G.P.S., S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALARES DO 1º TRIMESTRE DE 2006 MOTA-ENGIL, S.G.P.S., S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALARES DO 1º TRIMESTRE DE 2006 MOTA-ENGIL, SGPS, S.A. EDIFÍCIO MOTA TEL: 351 22 5190300 SOCIEDADE ABERTA RUA DO REGO LAMEIRO,

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 Av. Vasco da Gama, 1410 4431-956 Telefone 22-7867000 Fax 22-7867215 Registada na C.R.C. de sob o nº 500239037 Capital Social: Euro 35.000.000 Sociedade Aberta

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a NIC 7, Demonstração de Alterações na

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Montante expressos em euros) As notas que se seguem foram preparadas de acordo com as Normas Contabilísticas de Relato Financeiro

Leia mais

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Análise Financeira Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Introdução Objectivos gerais avaliar e interpretar a

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada.

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada. Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2015 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 7 de Agosto de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

ANEXO II - MODELOS DE DIVULGAÇÕES RESPEITANTES A PLANOS DE BENEFÍCIO DEFINIDO

ANEXO II - MODELOS DE DIVULGAÇÕES RESPEITANTES A PLANOS DE BENEFÍCIO DEFINIDO >> Voltar ao índice ANEXO II - MODELOS DE DIVULGAÇÕES RESPEITANTES A PLANOS DE BENEFÍCIO DEFINIDO O presente Anexo apresenta um conjunto de modelos que as instituições devem considerar no âmbito das divulgações

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO EXERCÍCIO DE 2003

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO EXERCÍCIO DE 2003 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO EXERCÍCIO DE 2003 NATUREZA E CONTEÚDO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS As Demonstrações Financeiras Consolidadas foram preparadas

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

SOFINLOC, Instituição Financeira de Crédito, S. A. Sede: Rua General Firmino Miguel, N.5-14. - 1600 LISBOA NIPC 501 370 048 / C.R.C.

SOFINLOC, Instituição Financeira de Crédito, S. A. Sede: Rua General Firmino Miguel, N.5-14. - 1600 LISBOA NIPC 501 370 048 / C.R.C. SOFINLOC, Instituição Financeira de Crédito, S. A. Sede: Rua General Firmino Miguel, N.5-14. - 1600 LISBOA NIPC 501 370 048 / C.R.C. Lisboa nº 3 053 BALANÇO EM 31.12.2006 Valores em milhares de Euros Dez-06

Leia mais

Grupo Reditus reforça crescimento em 2008

Grupo Reditus reforça crescimento em 2008 Grupo Reditus reforça crescimento em 2008 Nota Prévia Os resultados reportados oficialmente reflectem a integração do Grupo Tecnidata a 1 de Outubro de 2008, em seguimento da assinatura do contrato de

Leia mais

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC V Conferência Internacional OTOC/IDEFF/Direcção - Geral dos Impostos 8 e 9 de Outubro de 2010 Apresentado por: José Vieira dos Reis 1 1. Normalização Contabilística 2.

Leia mais

Resultados Consolidados do Millennium bcp em 31 de março de 2016

Resultados Consolidados do Millennium bcp em 31 de março de 2016 2 de maio de 2016 Resultados Consolidados do Millennium bcp em 31 de março de 2016 Rendibilidade e eficiência Reforço dos lucros recorrentes Evolução do negócio Balanço equilibrado Qualidade dos ativos

Leia mais

Ainda Mais Próximo dos Clientes. Empresas. 10 de Novembro de 2010

Ainda Mais Próximo dos Clientes. Empresas. 10 de Novembro de 2010 Ainda Mais Próximo dos Clientes O acesso ao crédito pelas Empresas 10 de Novembro de 2010 Agenda 1. Introdução 1.1. Basileia II. O que é? 1.2. Consequências para as PME s 2. Análise de Risco 2.1. Avaliação

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

EUROVIDA PPR (Proposta de Seguro)

EUROVIDA PPR (Proposta de Seguro) Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A. Sede Social: 1099-090 Lisboa Portugal CRCL / Pes. Col. 504 917 692 Capital Social 7.500.000 Euro 02.01.2013 (Proposta de Seguro) Proposta: Apólice: Cliente:

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A.

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. De acordo com o disposto no artigo 8º do Regulamento n.º 11/2000 da CMVM transcreve-se a EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João

Leia mais

IMPRESA. Resultados 2º Trimestre 2009

IMPRESA. Resultados 2º Trimestre 2009 IMPRESA Resultados 2º Trimestre 2009 IMPRESA SGPS SA Sociedade Aberta Capital Social Eur 84.000.000 Rua Ribeiro Sanches, 65 Número Fiscal 502 437 464 Conservatória do Registo Comercial de Lisboa Lisboa,

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Relatório de Gestão AS ALTA VISTA - Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundo de Investimento Imobiliário Fechado ES ALTA VISTA (CMVM nº 912) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

SOLUÇÕES IBÉRICAS PARA EMPRESAS MARÇO 2014

SOLUÇÕES IBÉRICAS PARA EMPRESAS MARÇO 2014 MARÇO 2014 EM ESPANHA, COMO EM PORTUGAL BPI e CaixaBank desenvolveram, em parceria, as Soluções Ibéricas para Empresas, uma oferta inovadora de produtos e serviços para apoiar as empresas que operam no

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

Resultados Operacionais melhoram em 73,5% e Resultados líquidos (antes de mais valias) 15%

Resultados Operacionais melhoram em 73,5% e Resultados líquidos (antes de mais valias) 15% INAPA INVESTIMENTOS, PARTICPAÇÕES E GESTÃO, SA ( Sociedade Aberta ) Sede: Rua do Salitre, n.º 142, 1269-064, Lisboa Capital social: 27 237 013 Matrícula n.º 500 137 994 (anteriormente 36 338) da Conservatória

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las PFC Valorização PSI 20 Entidade Emitente:

Leia mais

De acordo com o disposto no artigo 10.º do Regulamento n.º 5/2008 da CMVM transcreve-se o RELATÓRIO E CONTAS DO 1.º TRIMESTRE DE 2016

De acordo com o disposto no artigo 10.º do Regulamento n.º 5/2008 da CMVM transcreve-se o RELATÓRIO E CONTAS DO 1.º TRIMESTRE DE 2016 Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 2016 Relatório e Contas 1.º Trimestre De acordo com o disposto no artigo 10.º do Regulamento n.º 5/2008 da CMVM transcreve-se o RELATÓRIO

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE NO 1º SEMESTRE DE 2014/15

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE NO 1º SEMESTRE DE 2014/15 SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD Sociedade Aberta Capital Social: 67 000 000 euros Capital Próprio: (118 030 000) euros aprovado em Assembleia Geral de 01 de Outubro de 2014 Sede Social: Estádio

Leia mais

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2008 4ª MINUTA EXERCÍCIO DE 2008 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31 DE DEZEMBRO DE 2008 ÍNDICE PÁGINAS RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE 1 2 BALANÇO 3 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4984 Diário da República, 1.ª série N.º 143 24 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 220/2015 de 24 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano Contabilidade e Controlo de Gestão Ano letivo 2013/2014 Gustavo Dias 5.º Semestre Orçamento anual: instrumento de planeamento a curto prazo que permitirá à empresa quantificar os seus objectivos em termos

Leia mais

BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO

BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO Demonstrações Financeiras em 31 de Dezembro de 2010 acompanhadas do Relatório de Auditoria BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 Activo Mais-

Leia mais

Resultados Consolidados do Millennium bcp em 31 de dezembro de 2015

Resultados Consolidados do Millennium bcp em 31 de dezembro de 2015 1 de fevereiro de 2016 Resultados Consolidados do Millennium bcp em 31 de dezembro de 2015 Rendibilidade e eficiência Regresso dos lucros Lucro consolidado de 235 milhões de euros em 2015, comparando com

Leia mais

II. Situação Económico-Financeira Demonstrações Financeiras

II. Situação Económico-Financeira Demonstrações Financeiras II. Situação Económico-Financeira Demonstrações Financeiras Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do

Leia mais

Comunicado de Resultados

Comunicado de Resultados Comunicado de Resultados Resultados trimestrais consolidados a 31 de Março de 2006 4 de Maio de 2006 Highlights Volume de negócios de 646 milhões de Euros crescimento de 9% em Portugal face a período homólogo

Leia mais

Implicações da alteração da Taxa de Juro nas Provisões Matemáticas do Seguro de Vida

Implicações da alteração da Taxa de Juro nas Provisões Matemáticas do Seguro de Vida Implicações da alteração da Taxa de Juro nas Provisões Matemáticas do Seguro de Vida 1. Algumas reflexões sobre solvência e solidez financeira Para podermos compreender o que se entende por solvência,

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO BiG Alocação Fundo Autónomo: BiG Alocação Dinâmica Todos os Investimentos têm risco Entidade gestora: Real Vida Seguros, S.A. Avenida de França, 316 2º, Edifício Capitólio 4050-276 Porto Portugal Advertências

Leia mais

HEDGE FUND INVEST FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO RELATÓRIO E CONTAS REFERENTE AO SEMESTRE FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2009

HEDGE FUND INVEST FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO RELATÓRIO E CONTAS REFERENTE AO SEMESTRE FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2009 HEDGE FUND INVEST FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO RELATÓRIO E CONTAS REFERENTE AO SEMESTRE FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2009 RELATÓRIO E CONTAS REFERENTE AO SEMESTRE FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2009 CONTEÚDO PÁGINA

Leia mais

Actividade e Resultados em 2010

Actividade e Resultados em 2010 Actividade e Resultados em 2010 Ponto 1 da Ordem de Trabalhos Assembleia Geral de Accionistas 27 de Abril de 2011 I. Enquadramento II. Capital, Liquidez, Riscos III. Negócio e Reputação IV. Resultados

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2012 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

(Os números financeiros estão em Reais e baseados nas demonstrações financeiras consolidadas da Embrapar) EBITDA 464,6 354,2 527,7 13,6% 49,0%

(Os números financeiros estão em Reais e baseados nas demonstrações financeiras consolidadas da Embrapar) EBITDA 464,6 354,2 527,7 13,6% 49,0% Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 26 de abril de 2006 Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) (NYSE:EMT;BOVESPA:EBTP4, EBTP3) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II EXAME FINAL

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II EXAME FINAL CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Cristina Neto de Carvalho Gioconda Magalhães Data: 30 de Junho de 2007 Sílvia Cortês Duração: 2 horas e 30 minutos Joana Peralta Sofia Pereira Luiz Ribeiro EXAME

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Governo da Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2015 (1.ª É poca) Prestação de provas para registo como auditor de contas 30 de Maio de 2015

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA INTRODUÇÃO 1. Nos termos da legislação aplicável, apresentamos a Certificação Legal das Contas e Relatório de Auditoria sobre a informação financeira contida no Relatório de gestão

Leia mais

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas...

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... ÍNDICE PREFÁCIO... 2 NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... 6 ANÁLISE DE RESULTADOS Situação Global... 7 Conta Corrente...

Leia mais

PARTE I ESCOLHA MÚLTIPLA

PARTE I ESCOLHA MÚLTIPLA - SOLUÇÕES - 1 PARTE I ESCOLHA MÚLTIPLA 1. Considere os seguintes elementos A empresa XPTO adquiriu 80% da empresa Beta em 30.06.2003 por 300k. A empresa mãe manteve as suas reservas estáveis nos últimos

Leia mais

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos 31 de março de 2015 Contas não auditadas Agenda Resultados Balanço Liquidez Solvência Conclusões NOTA: Os valores relativos a março de 2014 são reexpressos

Leia mais

Relatório Tipo Dezembro de 20XX

Relatório Tipo Dezembro de 20XX Relatório Tipo Dezembro de 20XX Alvim & Rocha Consultoria de Gestão, Lda. Tel.: 22 831 70 05; Fax: 22 833 12 34 Rua do Monte dos Burgos, 848 Email: mail@alvimrocha.com 4250-313 Porto www.alvimrocha.com

Leia mais

Resultados Líquidos melhoram 94%

Resultados Líquidos melhoram 94% INAPA INVESTIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E GESTÃO, SA ( Sociedade aberta ) Sede: Rua do Salitre, 142, 1269 064 Lisboa Capital Social: 150 000 000 Euros Matrícula n.º 500 137 994 (anteriormente n.º 36 338) da

Leia mais

ESAF Fundos de Investimento Mobiliário RELATÓRIO E CONTAS ESPÍRITO SANTO LIQUIDEZ

ESAF Fundos de Investimento Mobiliário RELATÓRIO E CONTAS ESPÍRITO SANTO LIQUIDEZ RELATÓRIO E CONTAS ESPÍRITO SANTO LIQUIDEZ 30 de Junho de 2012 1. CARACTERIZAÇÃO DO FUNDO a) Objectivo e política de investimento O Espírito Santo Liquidez Fundo Especial de Investimento Aberto, adiante

Leia mais

turbo warrants manual /////// www warrants commerzbank com ///////////////////////////////////////////////////////////////////// Warrants Estruturados Turbo warrants Turbo Warrants Acelere os seus investimentos

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012 Contabilidade Geral Gestão do Desporto 2011/2012 OPERAÇÕES CORRENTES 1. Meios Financeiros Líquidos Esta Classe destina-se a registar os meios financeiros líquidos que incluem quer o dinheiro e depósitos

Leia mais

SOLUÇÕES MOÇAMBIQUE-EMPRESAS JULHO 2013

SOLUÇÕES MOÇAMBIQUE-EMPRESAS JULHO 2013 JULHO 2013 EM MOÇAMBIQUE, COMO EM PORTUGAL O BPI e o BCI disponibilizam as Soluções Moçambique-Empresas, um conjunto de produtos e serviços desenhados para empresas que pretendam investir ou exportar para

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS. Exercício de 2012

RELATÓRIO E CONTAS. Exercício de 2012 RELATÓRIO E CONTAS Exercício de 2012 BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71-6.º 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Fundo de Garantia do Crédito Agricola Mútuo Praça da Liberdade, 92 4001-806 PORTO

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

Demonstrações Financeiras Auditadas Banco ABC Brasil S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Auditadas Banco ABC Brasil S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Auditadas Banco ABC Brasil S.A. com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras

Leia mais

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados Norma contabilística e de relato financeiro 14 Concentrações de actividades empresariais Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 3

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS CIN CORPORAÇÃO INDUSTRIAL DO NORTE, S.A. Sociedade Aberta ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS INFORMAÇÃO SEMESTRAL ANO 2002 Nota: Por lapso não incluímos na publicação das Contas Semestrais

Leia mais

Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Mobiliário RELATÓRIO E CONTAS PARA O PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2010

Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Mobiliário RELATÓRIO E CONTAS PARA O PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2010 2010 Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Mobiliário RELATÓRIO E CONTAS PARA O PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2010 Demonstrações Financeiras Individuais Para o período findo a 30 de Junho de 2010

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IFRS 3 Concentrações

Leia mais

Assembleia Geral de Accionistas 22 de Abril de 2010 (Proposta)

Assembleia Geral de Accionistas 22 de Abril de 2010 (Proposta) Banco BPI 2009 Assembleia Geral de Accionistas 22 de Abril de 2010 (Proposta) Índice RELATÓRIO Principais indicadores 4 Apresentação do relatório 6 A identidade do BPI 10 Estrutura financeira e negócio

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 27

Norma contabilística e de relato financeiro 27 Norma contabilística e de relato financeiro 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 Instrumentos Financeiros:

Leia mais

Relatório e Contas 2012

Relatório e Contas 2012 Relatório e Contas 2012 Índice Temático Relatório de Gestão - Balanço e Contas (Balanço, Demonstração de Resultados, Demonstração de Fluxos de Caixa e Mapa de Demonstração das alterações do Capital Próprio)

Leia mais