1. (PT) - Jornal de Notícias, 29/05/2012, Nova urgência já abriu com área duplicada 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. (PT) - Jornal de Notícias, 29/05/2012, Nova urgência já abriu com área duplicada 1"

Transcrição

1

2 Revista de Imprensa (PT) - Jornal de Notícias, 29/05/2012, Nova urgência já abriu com área duplicada 1 2. (PT) - Diário do Minho, 29/05/2012, Misericórdia espera abrir cuidados continuados até (PT) - Destak, 29/05/2012, Geração 21 à lupa dos investigadores 4 4. (PT) - i, 29/05/2012, Maternidade antes dos 30 anos caiu para quase metade numa década 7 5. (PT) - Público, 29/05/2012, Ficheiros da Saúde já têm menos 2,5 milhões 9 6. (PT) - Público, 29/05/2012, Hospitais bivalentes (PT) - Diário de Notícias, 29/05/2012, Hospitais atrasam entrega de medicamentos a doentes crónicos (PT) - Jornal de Notícias, 29/05/2012, Despesas nas farmácias e hospitais baixou em abril (PT) - Público, 29/05/2012, Despesa dos cidadãos com remédios começou a diminuir (PT) - Diário de Notícias, 29/05/2012, PS contra política de encerramentos (PT) - Correio da Manhã, 29/05/2012, 250 mil venceram o cancro em Portugal (PT) - Diário de Notícias, 29/05/2012, Sobreviventes de cancro isentos (PT) - i, 29/05/2012, Conculstas de despiste de cancro isentas de taxas (PT) - Jornal de Notícias, 29/05/2012, Sobrevivem ao camcro, mas fica-lhes o "estigma" (PT) - Correio da Manhã, 29/05/2012, Biópsia ajuda a resolver infertilidade (PT) - Diário de Notícias, 29/05/2012, A dificuldade do regresso a casa após transplante (PT) - Público, 29/05/2012, Vasos sanguíneos humanos a três dimensões criados em laboratório 26

3 A1 ID: Tiragem: Pág: 22 Área: 4,27 x 7,38 cm² Corte: 1 de 1 Página 1

4 Tiragem: 8500 Pág: 14 A2 ID: Âmbito: Regional Santa Casa de Barcelos aguarda negociações sobre Hospital Misericórdia espera abrir cuidados continuados até 2014 Misericórdia espera alargar ação na área da saúde, apesar das restrições orçamentais do Estado JOSÉ CARLOS LIMA A Santa Casa da Misericórdia de Barcelos vai promover nos próximos dias 11 e 12 de junho as II Jornadas da Saúde (texto junto), uma iniciativa que vai reunir especialistas em várias áreas de intervenção e que visa também capacitar a instituição para vir a assumir maiores responsabilidades nesta área. O provedor António Pedras realçou que a Misericórdia espera avançar, até ao final do ano, com a construção da unidade de cuidados continuados e aguarda pelas DM negociações sobre a possibilidade de voltar a gerir o atual Hospital. O responsável da Santa Casa barcelense explicou que, neste momento, espera apenas pela «garantia formal de apoio» da Administração Regional de Saúde à implantação dos cuidados continuados inte- grados, para que o projeto avance, depois de «um compasso de espera» sobre a definição do Governo acerca da rede de cuidados continuados. Barcelos tem uma área de intervenção de cerca de 150 mil habitantes, tendo atualmente apenas uma unidade privada, com 29 camas em Tregosa, que «não é suficiente», considera o provedor, que espera a abertura da futura unidade «até meados de 2014». Paralelamente, António Pedras refere que a União das Misericórdias «está à espera do avanço das negociações com o Governo para a devolução da gestão dos vários hospitais», depois de, em 21 de novembro, o primeiro ministro ter anunciado essa intenção até ao final do primeiro trimestres deste ano. «É um processo que está Área: 24,08 x 21,53 cm² Corte: 1 de 2 Segundas Jornadas de Saúde pretendem capacitar instituição para assumir novas responsabilidades um pouco atrasado, mas estamos prontos a negociar, pois temos o objetivo de voltar a gerir o Hospital, que construímos ao longo de 450 anos», afirmou o provedor, notando que «é um procedimento exigente e complexo de negociação». As Misericórdias não estão, contudo, interessadas em reaver os hospitais de qualquer forma», pois não poderão herdar «as gorduras e desperdícios do Estado», tendo, à partido como baliza negocial «as condições que estão estabelecidas com as parcerias público-privada», adiantou António Pedras. Este responsável pensa, no entanto, que «é do interesse do Estado negociar rapidamente a gestão dos hospitais, por forma a resolver o enorme défice da saúde em Portugal», notando que as Misericórdias (como Vila Verde e Riba de Ave) já demonstraram que conseguem prestar serviços de qualidade a preços mais baixos do que estes custam atualmente ao Estado». Página 2

5 ID: Tiragem: 8500 Âmbito: Regional Pág: 1 Área: 4,76 x 4,46 cm² Corte: 2 de 2 Misericórdia de Barcelos espera abrir cuidados continuados até 2014 REGIÃO PÁGINA 14 Página 3

6 A4 ID: Tiragem: Pág: 2 Área: 28,62 x 34,01 cm² Corte: 1 de 3 Apresentação na Fundação Gulbenkian, dia 1 de Junho Os resultados serão apresentados e discutidos no Auditório 3, da Fundação Gulbenkian, na sexta-feira, Dia Mundial da Criança, das 9h às 13h. A entrada e livre e o debate contará com investigadores e especialistas nestas áreas. Ana Cristina Sousa Coordena o estudo de 8647 crianças nascidas de Abril de 2005 a Agosto de 2006 nos hospitais públicos do Grande Porto, que vão sendo avaliadas ao longo do tempo. Aos 4 anos eram assim... Geração 21 à lupa dos investigadores ISABEL STILWELL e CARLA MARINA MENDES O que é uma coorte? Coorte é um grupo de indivíduos com certa(s) característica(s) comum(s), constituído com o objectivo de ser acompanhado durante um estudo epidemiológico. O objectivo principal é observar este grupo de indivíduos, seguindo- -os ao longo do tempo. Com que objectivo? Este tipo de projecto permite obter informações cientificamente relevantes e sobretudo assegurar um conhecimento da realidade local, indispensável para definir estratégias de intervenção sanitária. Acreditamos que com este projecto será possível criar um laboratório para monitorização da evolução dos mais variados parâmetros sociais, comportamentais, organizacionais e biológicos de saúde, e pôr rapidamente à prova, no nosso meio, novas hipóteses que surjam para a explicação de problemas de saúde, ou identificar alterações na frequência de factores de risco de doença. Que características tem? É um grupo de 8647 crianças recrutadas entre Abril de 2005 e Agosto de 2006 aquando do seu nascimento nos cinco hospitais públicos com maternidade do Grande Porto. Era critério de recrutamento as crianças viverem num dos seis concelhos do Grande Porto: Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Valongo e Vila Nova de Gaia. Demos-lhe o nome de Geração 21 nascer e crescer no início do milénio. De quantos em quantos anos são avaliados? A primeira avaliação aconteceu na altura do parto, subamostras (cerca de 1000) foram avaliados aos seis meses de idade, 15 e 24 meses. A totalidade da coorte foi convidada a partici- A coorte Geração 21 é coordenada pelo Serviço de Epidemiologia Clinica, Medicina Preditiva e Saúde Pública da Faculdade de Medicina do Porto e pelo Instituo de Saúde Pública da Universidade do Porto. O Investigador Responsável é o Professor Henrique Barros e a coordenação executiva está a cargo da Professora Ana Cristina Santos, contando com uma equipa grande de investigadores, cada um com os seus objectivos específicos. par numa avaliação aos quatro anos de idade das crianças, e começámos a avaliação dos sete anos. As avaliações são decididas de acordo com períodos da vida das crianças que acreditamos sejam importantes em modificações, que podem ser alterações mais biológicas ou de carácter social. Estamos muito contentes com a participação na avaliação dos quatro anos, cerca de 86% da coorte voltou a colaborar connosco! As mães também são avaliadas? Foram no nascimento e quatro anos após o parto. «Permite pôr à prova novas hipóteses para explicar problemas de saúde, e perceber se aumenta a frequência de factores de risco» Quando é que o estudo acaba? O objectivo será acompanhar este grupo de pessoas até à sua vida adulta, não estando por isso prevista a data de término do projecto. Se por hipótese encontram alguém em risco, tratam? Se detectamos algum problema de saúde quer na criança quer na mãe, são obviamente informadas sobre a situação e é dada a indicação que deverá consultar o seu médico de família, que seguramente orientará o processo a seguir. Mas não é nosso papel aconselhar. É possível extrapolar os resultados para todas as crianças portuguesas? Apesar de a representatividade não ser garantida para Portugal Continental, acreditamos que para a maior parte dos resultados a situação em relação às crianças portuguesas em geral deve ser muito similar. DR O RETRATO DAS NOSSAS CRIANÇAS AOS QUATRO ANOS 35,6% dos partos acontece por cesariana A maioria destes bebés pesava, à nascença, 3,19 kg, mas 9,3% nasceram com baixo peso, sendo que nascer com baixo peso aconteceu com mais frequência nas meninas. A prevalência de macrossomia que significa os recém-nascidos considerados grandes nesta amostra foi de 3,5%, sendo mais frequente nos rapazes. 9,6% das crianças foram classificadas como sendo de pré-termo Legenda xjxjxjxjx xjxjxjxj xjxjxjxjx xjxjxjxj xjxjxjxjx. Crianças que ficam em casa brincam mais 2,5 h a ver televisão ou em jogos electrónicos aos sábados e domingos As brincadeiras ocupam pouco tempo na vida das crianças 123RF As crianças Geração 21 nasceram com uma mediana de 39 semanas de idade gestacional e 9,6% foram classificadas como sendo de pré-termo, ou seja, nasceram antes do tempo. Quanto à forma como aconteceu o nascimento, 50,4% dos partos foram normais (vaginal eutócito), 35,6% dos nascimentos feitos por cesariana e 14% por parto vaginal instrumental (que implica o recurso a fórceps e/ou ventosa). O número de cesarianas é muito superior ao recomendado pela OMS, e um dos objectivos era perceber se a proporção desta intervenção variava de acordo com os hospitais incluídos, já que, como explica ao Destak Ana Cristina Santos, «poderiam ser explicadas por diferenças em relação às utentes de cada hospital (por exemplo em relação às complicações da gravidez ou a idade materna)». No entanto, concluíram que não foram totalmente explicadas por estas características maternas, o que significa que provavelmente existem diferenças nos protocolos do seguimento de trabalho de parto em cada hospital. Aos quatro anos, em média, as crianças durante os dias da semana passam cerca de duas horas em brincadeiras activas e 1,5 horas a ver televisão e/ou a jogar jogos electrónicos, revela o estudo. Este tempo aumenta, como era esperado, aos fins- -de-semana, ou seja, em média, passam 3,5 horas/dia em brincadeiras activas e 2,5 horas diárias a ver televisão e/ou a jogar jogos electrónicos. Em relação aos dias da semana, os investigadores verificaram que as crianças que estão em casa, quando comparadas com as que vão para o jardim-de-infância, vêem em médias mais televisão/jogam jogos electrónicos, mas também passam mais tempo em brincadeiras activas. Durante o fim-de-semana não foram encontradas diferenças neste tipo de actividades em relação às crianças que ficam em casa, quando comparadas com os que vão para o jardim-de-infância. Quanto ao desporto, 68,1% das crianças Geração 21 referiram fazer algum tipo de actividade desportiva, que em média tinha a duração de duas horas por semana. Dests cerca de 70% frequenta aulas de Educação Física, em contexto escolar, seguindo-se a natação com 35% de adeptos, a dança com 18%. Logo abaixo, mas com uma percentagem de apenas 8%, vêm as artes marciais. Curiosamente o futebol/futsal só é opção para cerca de 3%. Página 4

7 ID: Tiragem: Pág: 3 Área: 28,61 x 34,39 cm² Corte: 2 de 3 Henrique Barros lidera investigação Henrique Barros, investigador responsável pelo estudo, é professor e director do Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. A obesidade é mais frequente nas raparigas 13,8% destas crianças já têm excesso de peso, e os riscos associados Nesta amostra de crianças portuguesas de 4/5 anos de idade, a prevalência de obesidade, de acordo com os critérios da International Obesity Task Force (IOTF), foi de 7,3%. A estas juntam-se 13,8% que apresentavam excesso de peso e que, tal como acontece com a obesidade, eram tendencialmente do sexo feminino. Mas o mais grave, nota a professora Ana Cristina Santos, que investiga esta área em concreto, «é que nestas crianças observou-se que, mesmo numa idade tão precoce, a obesidade já está associada com níveis mais elevados de pressão arterial, de lipídios sanguíneos, de glicose e de insulina. O que poderá indicar que esta agregação de tradicionais factores de risco cardiovasculares acontece em crianças tão jovens.» Constatou-se, também, que a obesidade estava associada às medidas que os bebés tinham ao nascer, ou seja, as crianças obesas eram aquelas que nasceram mais pesadas, mais compridas e com maior perímetro cefálico. São difíceis comparações com coortes anteriores, porque a prevalência de excesso de peso e obesidade, principalmente em crianças, está extremamente dependente dos critérios utilizados, que para serem comparáveis precisavam de ser os mesmos, e aplicados a cobaias da mesma idade. Apesar disso, a equipa tinha dados que levavam a acreditar que a proporção de obesidade nas crianças portuguesas seria alta, o que se confirmou. Ainda passam 11 horas com a almofada, viva! Aos 4/5 anos estas crianças dormiam, em média, cerca de 11 horas por dia, sendo que 12,5% tinham uma duração de sono nocturno igual ou inferior a nove horas. Quanto aos que dormem menos, não existe informação sobre os motivos, mas o estudo revelou que, em regra, a menor duração do sono 29% demora mais de 20 minutos a adormecer e 15% acorda à noite Legenda xjxjxjxjx xjxjxjxj xjxjxjxjx xjxjxjxj xjxjxjxjx. nocturno está associada à visualização de televisão ou meios electrónicos por mais de duas horas diárias, à realização de sestas durante a tarde e à necessidade da presença de um familiar para adormecer. Em relação às perturbações de sono, foi observado que a dificuldade em adormecer (demorar mais de 20 minutos) e os despertares nocturnos (acordar todos os dias, pelo menos uma vez por noite) foram os problemas de sono mais frequentes, sendo reportados em cerca de 28,8% e 15,1% das crianças. 90% já apanhados pelo monstro do açúcar... É muito difícil definir uma dieta-tipo. De qualquer forma, aqui ficam alguns dados sobre as frequências de certos tipos de alimentos nestas coorte de crianças. Aos quatro anos, as crianças consumiam preferencialmente leite meio gordo ou magro (consumo diário 88% vs. 8% de leite gordo). O consumo diário de iogurtes foi de 81% e de queijo 23%; a carne é mais consumida diariamente (42%) do que o peixe (9%) e a maioria das crianças (98%) consumia pelo menos uma vez por dia massa, arroz ou batata, sendo que 88,4% comia pão. A sopa de legumes e a fruta eram consumidas diariamente por cerca de 92% e 86% das crianças, respectivamente. Por sua vez, menos de metade consumia diariamente vegetais no prato (36%). Considerando o consumo total de fruta e vegetais (incluindo a sopa), 55% das crianças consumia 5 ou mais porções diariamente. Aos quatro anos, bebidas com cafeína como café e chá preto ou verde e as colas eram consumidos semanalmente por 16%, 15% e 20% das crianças, respectivamente. Quase um quinto consumia diariamente ice-tea, sendo este o tipo de refrigerante mais consumido. Nas crianças Geração 21, com informação alimentar simultânea aos 2 e 4 anos, o consumo de alimentos como snacks (batatas fritas, pizza e hamburger), bolos (com e sem creme), refrigerantes e doces (chocolates e guloseimas) mostrou-se elevado. A proporção de crianças que aos 2 anos consumia mais de 3 vezes por semana refrigerantes e doces foi de 21,3% e 28,3%. Aos 4 anos essas percentagens aumentaram para 72,0% e 91,5%. Aquelas com peso normal antes da gravidez, mas que se imaginavam magras, engordaram menos Quatro anos depois as mães engordaram... Antes da gravidez, 43% das mulheres diziam-se satisfeitas com a sua imagem corporal, 7,1% percepcionavam-se abaixo da sua silhueta ideal e 49,9% acima da mesma. Quatro anos após o parto, as com peso normal antes da gravidez e que se percepcionaram abaixo da sua imagem 58% das mulheres tinha excesso de peso ou sofria de obesidade 123RF corporal ideal apresentaram uma menor prevalência de excesso de peso e obesidade, enquanto que aquelas que se achavam acima do seu ideal apresentaram mais frequentemente excesso de peso ou obesidade. Em suma, a insatisfação no sentido de se percepcionar como maior do que a sua imagem corporal ideal associou-se, paradoxalmente, a ganho ainda maior de peso. Quatro anos após o parto, 31,4% das mães tinham excesso de peso, 21,3% eram obesas e 31,8% possuíam obesidade abdominal. Página 5

8 ID: Tiragem: Pág: 1 Área: 27,94 x 7,09 cm² Corte: 3 de 3 ACTUALIDADE PÁGINAS 02 E 03 Monstro do açúcar já apanhou 90% das crianças com quatro anos O retrato das crianças nascidas no Porto, feito por um grupo de investigadores da Invicta, mostra que desde cedo são incapazes de resistir aos doces. Dados são apresentados esta sexta-feira, num encontro na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. Página 6

9 A7 ID: Tiragem: Pág: 25 Área: 24,27 x 30,75 cm² Corte: 1 de 2 Página 7

10 ID: Tiragem: Pág: 1 Área: 4,49 x 7,13 cm² Corte: 2 de 2 Página 8

11 A9 ID: Ficheiros da Saúde já têm menos 2,5 milhões Tiragem: Pág: 10 Área: 5,95 x 30,90 cm² Corte: 1 de 2 Centros de saúde João d Espiney O número de utilizadores dos centros de saúde era de 4,3 milhões no final do primeiro trimestre deste ano, o que representa uma quebra de 2,5 milhões em relação a Agosto de 2011, o primeiro mês em que a Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) começou a divulgar os dados da monitorização mensal dos hospitais e centros de saúde. Este é o resultado do início do processo de limpeza de ficheiros levada a cabo pelo Ministério da Saúde, e que ainda está longe de estar concluído. De acordo com os dados da ACSS relativos ao mês de Março, só nos centros da área de influência da Administração Regional do Norte o número de utilizadores baixou , para 1,4 milhões no período em análise. A ARS de Lisboa e Vale do Tejo surge a seguir com menos utilizadores (em Março eram 1,3 milhões). Para esta redução contribuiu um projecto-piloto no Agrupamento de Centros de Saúde da Grande Lisboa II Lisboa Oriental que expurgou da lista de utentes sem médico de família todas as (51 mil) pessoas que não recorreram aos cinco centros de saúde deste agrupamento nos últimos três anos. Esta experiência, que vai ser alargada a toda a área da ARS de Lisboa até meados do Verão e, posteriormente, ao resto do país. Entre os centros integrados em Unidades Locais de Saúde (ULS), a maior descida (30.643) ocorreu na do Baixo Alentejo, seguido pela da Guarda com No final de Março estavam inscritos 11,2 milhões de utentes nos cuidados de saúde primários, ou seja, menos 1,1 milhões do que em Agosto. Os dados da ACSS indicam ainda que no final de Março, o número de utentes inscritos sem médico de família era de , o que significa uma redução de relativamente a Agosto do ano passado. A respectiva taxa baixou de 12,4% para 8,1% neste período. A análise do PÚBLICO permitiu concluir que o número de utentes sem médico de família baixou em todas as ULS e ARS, exceptuando a do Algarve, que passou a ter mais 8259 pessoas nesta situação ( no total). A taxa subiu de 28,75% para 30,45%, a mais elevada entre todas as regiões. Página 9

12 ID: Ficheiros da Saúde já têm menos 2,5 milhões de utentes Processo de limpeza dos ficheiros já retirou 2,5 milhões das listas p10 Tiragem: Pág: 48 Cores: Preto e Branco Área: 5,10 x 3,89 cm² Corte: 2 de 2 Página 10

13 A11 ID: Hospitais bivalentes Tiragem: Pág: 47 Área: 6,73 x 30,68 cm² Corte: 1 de 1 Debate Sector da saúde José Manuel Pavão Falta ainda algum tempo para que Paulo Macedo cumpra o seu primeiro ano como ministro da Saúde neste Governo de centro-direita derreado com as dificuldades que já se faziam prever, mas que tem sabido enfrentar com bastante coragem e alguma lucidez a tempestade financeira e suas demolidoras consequências. Quadro destacado da banca portuguesa, discreto, aparentemente rigoroso e alheio às pressões do costume, estava eu no Parlamento quando se levantou um mar de borbulhas multiformes em muitos sectores da política, face à sua tão determinada quanto impiedosa acção como zelador da colecta fiscal, que parece ter melhorado substancialmente para bem de todos nós. Todos compreendemos a ondulação, sons estridentes e até justificados sentimentos contra o propósito de traçar o futuro da Maternidade Alfredo da Costa, mas a verdade exige que nos debrucemos na presente realidade que nos oprime sem piedade, e decidamos a favor do interesse colectivo e dum futuro melhor. De resto, os debates que temos visto na TV sobre o assunto mostram como o aproveitamento político foge à realidade explorando sentimentos e afectos que, sendo respeitáveis, pouco contam para rumar no porvir. Alargar um pouco mais a proibição do tabaco?! Claro que sim, mas explique primeiro e mostre aos contribuintes os bonitos e delicados pulmões ou a frágil mas preciosa laringe, e se isso não resultar diga a que preço fica o tratamento dos estragos corporais provocados por cigarros, cigarrilhas, cachimbos e insolentes charutos! Regular o consumo de álcool? Pois claro, mas avise os eleitores quais os prejuízos no físico e na mente pelos abusos e excessos do seu consumo, pois não sabem dos estigmas que transmitem aos seus descendentes. Hospitais monovalentes? Claro que não têm razão de existir, por razões já gastas de tantas vezes serem ditas e repetidas! E os hospitais bivalentes, maternoinfantis? Têm razão de existir? Ora aqui está uma boa oportunidade para V. Exa. descer à praça pública e vir até nós explicar o bom uso dos financiamentos atribuídos ao seu ministério, já que a factura afinal vai ser paga por todos. E, já agora, se tiver tempo, preste atenção às administrações que nomeou para os hospitais e que pautam a sua acção pela frivolidade e falta de urbanidade. Podem ter o direito de existir, mas não deviam poder exercer! Médico, ex-director do Hospital Maria Pia Página 11

14 A12 ID: Tiragem: Pág: 4 Área: 26,65 x 33,57 cm² Corte: 1 de 3 Página 12

15 ID: Tiragem: Pág: 5 Área: 26,19 x 32,70 cm² Corte: 2 de 3 Página 13

16 ID: Tiragem: Pág: 1 Área: 5,61 x 5,03 cm² Corte: 3 de 3 Página 14

17 A15 ID: Tiragem: Pág: 5 Área: 4,85 x 24,17 cm² Corte: 1 de 1 Página 15

18 A16 ID: Tiragem: Pág: 10 Área: 15,87 x 30,82 cm² Corte: 1 de 1 FERNANDO VELUDO/NFACTOS Factura paga pelos portugueses nas farmácias começou finalmente a diminuir Despesa dos cidadãos com remédios começou a diminuir Saúde Alexandra Campos Estado deve gastar este ano menos 87 milhões de euros com medicamentos vendidos nas farmácias, prevê o Infarmed A descida dos preços dos medicamentos está finalmente a provocar uma inversão da tendência que se verificava desde o ano passado e que penalizava os portugueses: os encargos dos cidadãos com remédios baixaram pela primeira vez entre Janeiro e Março, face ao mesmo período de 2011, uma quebra de 1,8%, segundo dados da Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) ontem divulgados. Um movimento contrário ao verificado durante todo o ano passado e nos dois primeiros meses deste ano, como o PÚBLICO noticiou na semana passada, com base nos dados do anterior relatório do Infarmed. A diminuição da factura paga pelos portugueses nas farmácias acontece numa altura em que se verifica de novo um aumento, ainda que ligeiro, do consumo de remédios: entre Janeiro e Abril venderam-se mais 1,4 milhões embalagens de medicamentos, um acréscimo de 1,9% em comparação com o período homólogo do ano passado. Se os utentes começam agora a lucrar com a diminuição de preços (que decorre da alteração das margens de comercialização determina- da em Janeiro mas que demorou a surtir efeito devido ao prazo dado para escoamento das embalagens), o Serviço Nacional de Saúde (SNS) continua a poupar nas comparticipações, à semelhança do que acontecera em Este último relatório do Infarmed avança, aliás, já com previsões para a evolução da despesa com comparticipações estatais até ao final de As estimativas apontam para uma redução de cerca de 6,5% na despesa, que deverá ascender a 1239 milhões de euros contra os 1326 milhões de euros contabilizados no ano passado. Ou seja, prevê-se que o Estado gaste este ano menos 87 Quebra da despesa hospitalar é inferior Na semana passada, a Associação Nacional de Farmácias (ANF) sublinhou que a redução da despesa com medicamentos no ambulatório [farmácias] é superior à que se verificou nos hospitais. A ANF citou dados da Health Market Research (que não coincidem com os do Infarmed) para destacar que o mercado de medicamentos nas farmácias registou uma quebra de 10,3% em Abril, face ao mesmo mês de 2011, e que a quebra que se reflectiu também no consumo, com menos 0,9% de embalagens vendidas. milhões de euros com fármacos do que em De acordo com a Análise do Mercado de Medicamentos em Ambulatório do Infarmed, que inclui dados de Abril, no primeiro trimestre de 2012 o SNS gastou cerca de 317 milhões de euros com medicamentos, enquanto os cidadãos suportaram perto de 185 milhões de euros, uma descida de 2,5% e 1,8%, respectivamente, face ao mesmo período de Em Fevereiro deste ano, apesar de os fármacos estarem cada vez mais baratos, os utentes ainda tinham visto a sua despesa crescer 0,6%, como tinha acontecido ao logo de todo o ano de 2011, em resultado da diminuição das comparticipações decididas pelo anterior Governo. Seja como for, a taxa média de comparticipação estatal, apesar de ter subido ligeiramente em comparação com Fevereiro (era de 63,18% em Março), continua a ser a mais baixa dos últimos anos, a crer nos dados do Infarmed. Outro dado destacado na análise é o do crescimento da quota de medicamentos genéricos em volume, que em Abril era já 24,2%. No relatório acentua-se, mesmo assim, que existe ainda um grande potencial para a evolução deste mercado, uma vez que a quota de genéricos no seu mercado concorrencial (conjunto de substâncias activas que têm medicamentos genéricos comercializados) é de 40,63%. A sinvastatina (para a redução do colesterol) é a substância activa mais vendida, tanto em embalagens como em valor. Página 16

19 A17 ID: Tiragem: Pág: 11 Área: 5,48 x 8,47 cm² Corte: 1 de 1 Página 17

20 A18 ID: Tiragem: Pág: 8 Área: 26,77 x 35,68 cm² Corte: 1 de 3 Página 18

21 ID: Tiragem: Pág: 9 Área: 26,96 x 34,59 cm² Corte: 2 de 3 Página 19

22 ID: Tiragem: Pág: 1 Área: 26,65 x 2,04 cm² Corte: 3 de 3 Página 20

23 A21 ID: Tiragem: Pág: 21 Área: 15,26 x 10,95 cm² Corte: 1 de 1 Página 21

24 A22 ID: Tiragem: Pág: 4 Área: 4,95 x 29,66 cm² Corte: 1 de 1 Página 22

25 A23 ID: Tiragem: Pág: 5 Área: 21,92 x 24,17 cm² Corte: 1 de 1 Página 23

26 A24 ID: Tiragem: Pág: 20 Cores: Preto e Branco Área: 5,24 x 22,67 cm² Corte: 1 de 1 Página 24

27 A25 ID: Tiragem: Pág: 14 Área: 21,17 x 24,90 cm² Corte: 1 de 1 Página 25

28 Tiragem: Pág: 26 A26 ID: Área: 27,28 x 31,82 cm² Corte: 1 de 2 Vasos sanguíneos humanos a três dimensões criados em laboratório Pela primeira vez, cientistas fabricaram vasos sanguíneos num molde tridimensional. Mais: o sangue fluiu no seu interior. Com estes vasos podem testar-se novos medicamentos Bioengenharia Nicolau Ferreira YING ZHENG/UNIVERSIDADE DE WASHINGTON O sistema circulatório estende-se por todo o corpo, com o sangue a movimentar-se numa rede de veias, artérias, capilares. Leva oxigénio e nutrientes às células, transporta moléculas tóxicas que têm de ser expelidas e serve de meio de comunicação hormonal. É uma rede tridimensional que não pode falhar, mas que ainda não se compreende totalmente como funciona. Uma equipa de cientistas conseguiu agora criar uma rede de capilares humanos num suporte tridimensional, com sangue a fluir. Além de permitir estudar estes processos, os vasos podem servir para testar novas terapias. Podemos dissecar realmente o que acontece na ligação entre o sangue e o tecido, e olhar como é que as doenças [do sangue] começam a progredir e desenvolver terapias eficientes, disse Ying Zheng, uma das autoras do trabalho, da Universidade de Washington, nos EUA. O trabalho, publicado ontem na revista norte-americana Proceedings of the National Academy of Sciences, começa por explicar que os capilares os vasos mais pequenos de transporte circulatório são um órgão extenso que medeia as interacções entre os tecidos e o sangue. Antes, já se tinha produzido este sistema vascular numa estrutura bidimensional, mas esse modelo está longe da estrutura tridimensional e complexa que existe nos organismos vivos. Ying Zheng e colegas tentaram, por isso, produzir um sistema tridimensional de capilares sanguíneos com a espessura de um fio de cabelo. Para tal, a equipa utilizou um molde de colagénio, uma proteína que existe na matriz extracelular de muitos tecidos, como a cartilagem e os tendões. Nos espaços dentro desta matriz, foram introduzidas células humanas endoteliais, que formam a parede interna dos vasos sanguíneos. Ao fim de duas semanas, estas células organizaram-se e criaram uma rede de canais da espessura de um fio de cabelo (100 micrómetros) no molde rectangular. No corpo, os capilares estendemse até ao extremo dos tecidos. As células endoteliais que formam a parede destes vasos têm ligações Microvasos sanguíneos formados num molde em que se tinham colocado células endoteliais humanas (a vermelho). Em baixo, o aspecto tridimensional dos vasos por onde correu sangue especiais entre elas, que permitem manter a estrutura do tubo, mas também deixam que o oxigénio e outras moléculas atravessem as paredes. Este fenómeno é necessário para que haja comunicação entre os tecidos e o sangue. Os cientistas verificaram que nos vasos sanguíneos, produzidos in vitro, as ligações entre as células endoteliais eram equivalentes às que existem no corpo humano. Mais, conseguiram promover a formação de novos vasos, injectando no colagénio células nervosas que produzem substâncias que promovem este crescimento. Quando colocaram sangue dentro dos vasos, verificaram que as células sanguíneas eram transportadas sem entraves, até pelos cantos da estrutura de colagénio. Testaram ainda compostos inflamatórios, produzidos quando há ferimentos, e viram que o sangue in vitro entra num processo de coagulação, tal como no corpo. Com este sistema podemos dissecar cada componente ou colocar todos os componentes da circulação juntos. É uma coisa boa, pois permite isolar os componentes biofísicos, bioquímicos e celulares. Como é que as células endoteliais respondem ao fluxo de sangue ou a diferentes químicos? Como é que interagem com os tecidos envolventes e como é que esta interacção afecta a barreira que as células endoteliais formam?, questiona Ying Zheng. A investigação também é importante para o estudo do cancro. Um dos passos fundamentais para um tumor se alastrar envolve a circulação. À medida que o tumor aumenta, promove o crescimento de vasos que trazem sangue e nutrientes, que alimentam o cancro. Mas que também possibilitam que células cancerosas entrem na circulação e se alojem noutros locais do corpo, provocando metástases. A equipa injectou no molde proteínas que os tumores produzem e verificou que a parede dos capilares se tornou mais permeável, como ocorre nos cancros. Além do estudo de doenças e do teste de fármacos, este modelo pode vir ainda a ser desenvolvido para produzir transplantes médicos do sistema circulatório. Página 26

ANÁLISE DOS INQUÉRITOS SOBRE OS HÁBITOS ALIMENTARES

ANÁLISE DOS INQUÉRITOS SOBRE OS HÁBITOS ALIMENTARES ANÁLISE DOS INQUÉRITOS SOBRE OS HÁBITOS ALIMENTARES Os inquéritos foram realizados junto de alunos do 6º ano da Escola EB 2,3 de Matosinhos, durante o mês de Novembro de 24. Responderam ao inquérito 63

Leia mais

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças FACTORES DE RISCO Factores de risco de doença cardiovascular são condições cuja presença num dado indivíduo aumentam a possibilidade do seu aparecimento. Os mais importantes são o tabaco, a hipertensão

Leia mais

1. (PT) - Jornal de Notícias, 07/05/2014, Passos dá CMIN como exemplo de sucesso 1

1. (PT) - Jornal de Notícias, 07/05/2014, Passos dá CMIN como exemplo de sucesso 1 07-05-2014 Revista de Imprensa 07-05-2014 1. (PT) - Jornal de Notícias, 07/05/2014, Passos dá CMIN como exemplo de sucesso 1 2. (PT) - Jornal de Notícias, 07/05/2014, Hospital de Viana não vai perder valências

Leia mais

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Ministério da Saúde Lisboa, 19 de Setembro de 2011 0 1. Enquadramento A denominada prescrição electrónica de medicamentos

Leia mais

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ALTO COMISSARIADO DA SAÚDE 05 Determinantes e Estilos de Vida 076 05. Determinantes e Estilos de Vida Atlas do Plano Nacional de Saúde Determinantes e Estilos de Vida Considerações

Leia mais

1. (PT) - Jornal de Notícias, 27/09/2012, Linha Saúde 24 passa para a PT mas mantém funcionários 1

1. (PT) - Jornal de Notícias, 27/09/2012, Linha Saúde 24 passa para a PT mas mantém funcionários 1 27-09-2012 Revista de Imprensa 27-09-2012 1. (PT) - Jornal de Notícias, 27/09/2012, Linha Saúde 24 passa para a PT mas mantém funcionários 1 2. (PT) - Primeiro de Janeiro, 27/09/2012, Seminário de dispositivos

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

1. (PT) - i, 08/07/2015, Zoom // Um check-up à saúde dos portugueses 1

1. (PT) - i, 08/07/2015, Zoom // Um check-up à saúde dos portugueses 1 08-07-2015 Revista de Imprensa 08-07-2015 1. (PT) - i, 08/07/2015, Zoom // Um check-up à saúde dos portugueses 1 2. (PT) - Jornal de Notícias, 08/07/2015, Pagamentos do bolso um terço da nossa saúde 6

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 86/X/1 CONSAGRA A INTEGRAÇÃO DA MEDICINA DENTÁRIA NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE E A CARREIRA DOS MÉDICOS DENTISTAS

PROJECTO DE LEI N.º 86/X/1 CONSAGRA A INTEGRAÇÃO DA MEDICINA DENTÁRIA NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE E A CARREIRA DOS MÉDICOS DENTISTAS PROJECTO DE LEI N.º 86/X/1 CONSAGRA A INTEGRAÇÃO DA MEDICINA DENTÁRIA NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE E A CARREIRA DOS MÉDICOS DENTISTAS Exposição de motivos O presente projecto de lei consagra a integração

Leia mais

Obesidade Infantil. O que é a obesidade

Obesidade Infantil. O que é a obesidade Obesidade Infantil O que é a obesidade A obesidade é definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma doença em que o excesso de gordura corporal acumulada pode atingir graus capazes de afectar

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

2. (PT) - Expresso - Economia, 03/08/2013, A importância de Paulo na saúde 2

2. (PT) - Expresso - Economia, 03/08/2013, A importância de Paulo na saúde 2 05-08-2013 Revista de Imprensa 05-08-2013 1. (PT) - Diário Económico, 05/08/2013, Ministério da Saúde responde ao Tribunal de Contas e realça melhorias no SNS 1 2. (PT) - Expresso - Economia, 03/08/2013,

Leia mais

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conferência de abertura Medicina Genómica: Impacto na Eficácia e Segurança dos Medicamentos O cada vez mais reduzido número de novos medicamentos

Leia mais

Por outro lado, não há o envolvimento do INFARMED, a entidade reguladora do sector do medicamento, nesta análise especializada.

Por outro lado, não há o envolvimento do INFARMED, a entidade reguladora do sector do medicamento, nesta análise especializada. Análise especializada Política do medicamento, dispositivos médicos e avaliação de tecnologias em saúde Exmos. Senhores, O processo de elaboração do Plano Nacional de Saúde pode ser considerado um bom

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º /XI/2ª

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º /XI/2ª Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º /XI/2ª Altera o regime legal da prescrição de medicamentos, no sentido de generalizar a prescrição por Denominação Comum Internacional (DCI), nos termos do artigo

Leia mais

Alimentação Saudável. 2008 Teresa Bilhastre - CSCR

Alimentação Saudável. 2008 Teresa Bilhastre - CSCR Ministério da Saúde O Programa de Saúde Escolar insere-se no Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Pretende: Reforçar as acções de promoção da saúde e prevenção da doença em ambiente escolar. Ministério da

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

A PESSOA COM DIABETES

A PESSOA COM DIABETES A PESSOA COM DIABETES A diabetes mellitus é uma doença crónica com elevados custos humanos, sociais e económicos, em rápida expansão por todo o mundo. Calcula-se que Portugal terá, na segunda década deste

Leia mais

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro?

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? José Carlos Caiado 26 de Outubro de 2011 Introdução Elaboração do orçamento da saúde Monitorização e divulgação de informação Melhoria do desempenho

Leia mais

1. (PT) - Jornal de Notícias, 22/05/2014, Portugal eleito para comité efetivo da OMS 1

1. (PT) - Jornal de Notícias, 22/05/2014, Portugal eleito para comité efetivo da OMS 1 22-05-2014 Revista de Imprensa 22-05-2014 1. (PT) - Jornal de Notícias, 22/05/2014, Portugal eleito para comité efetivo da OMS 1 2. (PT) - i, 22/05/2014, Portugal desafia OMS a regular melhor inovação

Leia mais

Unidade 4 Funções da nutrição

Unidade 4 Funções da nutrição Sugestões de atividades Unidade 4 Funções da nutrição 8 CIÊNCIAS Nutrição. As proteínas, encontradas em alimentos como leite, ovos, carne, soja e feijão, são fundamentais para nossa saúde. Justifique essa

Leia mais

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, e da Saúde, representado pelo Ministro da

Leia mais

1. (PT) - Jornal de Notícias, 28/06/2012, Autarca exorta câmaras a contestarem saída do "heli" 1

1. (PT) - Jornal de Notícias, 28/06/2012, Autarca exorta câmaras a contestarem saída do heli 1 28-06-2012 Revista de Imprensa 28-06-2012 1. (PT) - Jornal de Notícias, 28/06/2012, Autarca exorta câmaras a contestarem saída do "heli" 1 2. (PT) - Jornal de Notícias, 28/06/2012, Enfermeiros contra fim

Leia mais

Coração Saudável! melhor dele?

Coração Saudável! melhor dele? As doenças cardiovasculares (DCV s) - incluem as doenças coronarianas e o acidente vascular cerebral (AVC) também conhecido como derrame afetam pessoas de todas as idades, até mesmo mulheres e crianças.

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

A política do medicamento: passado, presente e futuro

A política do medicamento: passado, presente e futuro A política do medicamento: passado, presente e futuro Barcelos, 27 de março de 2015 Ricardo Ramos (Direção de Avaliação Económica e Observação do Mercado) INFARMED - Autoridade Nacional do Medicamento

Leia mais

Teresa Branco COMO VENCER A FOME EMOCIONAL

Teresa Branco COMO VENCER A FOME EMOCIONAL Teresa Branco COMO VENCER A FOME EMOCIONAL CONTEÚDOS INTRODUÇÃO 7 COMO LER ESTE LIVRO 13 PRIMEIRA PARTE :: FOME EMOCIONAL E O AUMENTO DO PESO > Capítulo 1 :: PORQUE AUMENTAMOS DE PESO? 17 SEGUNDA PARTE

Leia mais

PROGRAMA ESPECÍFICO PARA MELHORIA DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE Documento de Suporte à Contratualização

PROGRAMA ESPECÍFICO PARA MELHORIA DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE Documento de Suporte à Contratualização 2009 Documento de Suporte à Contratualização do Programa Específico para melhoria do ACSS DGS PROGRAMA ESPECÍFICO PARA MELHORIA DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE Documento de Suporte

Leia mais

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO?

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? Como preparar um orçamento da saúde que o cidadão contribuinte entenda? Os Medicamentos e o Orçamento José A. Aranda da Silva Auditório da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

vivem cada vez mais tempo,

vivem cada vez mais tempo, Portuguesas vivem cada vez mais tempo, mas com menos saúde Têm uma esperança de vida que é das maiores do mundo, mas desfrutam de muito menos anos saudáveis do que as mulheres dos países mais bem classificados

Leia mais

Manual de Rotulagem de Alimentos

Manual de Rotulagem de Alimentos Manual de Rotulagem de Alimentos Agosto 2013 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para

Leia mais

PROJETO: HÁBITOS ALIMENTARES EM NOSSA ESCOLA

PROJETO: HÁBITOS ALIMENTARES EM NOSSA ESCOLA PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ESCOLA CORONEL ARAÚJO CHAVES PROJETO: HÁBITOS ALIMENTARES EM NOSSA ESCOLA Prof. Francisco Junielison Correia Lopes (Educação Física) Colaboração: Prof. Gleidson Mendes Melo

Leia mais

Projecto Educação Para a Saúde

Projecto Educação Para a Saúde AGRUPAMENTO VERTICAL FERNANDO CASIMIRO Escola Básica Integrada Fernando Casimiro Introdução Projecto Educação Para a Saúde No seguimento do Ofício-Circular nº 69 de 20 de Outubro de 2006 procedente do

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

MELHORE A SUA VIDA CUIDE DO SEU CORAÇÃO!

MELHORE A SUA VIDA CUIDE DO SEU CORAÇÃO! MAIO, MÊS DO CORAÇÃO MELHORE A SUA VIDA CUIDE DO SEU CORAÇÃO! 12 A 31 DE MAIO DE 2008 EXPOSIÇÃO ELABORADA PELA EQUIPA DO SERVIÇO DE CARDIOLOGIA, COORDENADA PELA ENFERMEIRA MARIA JOÃO PINHEIRO. B A R R

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008 Oficina de Promoção da Alimentação Saudável para Agentes Comunitários de Saúde III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Brasília,

Leia mais

Diabetes e doença cardiovascular

Diabetes e doença cardiovascular Diabetes e doença cardiovascular A diabetes implica um risco aumentado de doença cardiovascular? Sim! As pessoas com diabetes têm um risco aumentado de doenças cardiovasculares, tais como a doença coronária

Leia mais

Inovação pode poupar. dinneiro

Inovação pode poupar. dinneiro Textos ANA SOFIA SANTOS Fotos PAULO VAZ HENRIQUES novação disruptiva é "aquela que permite tornar bens e serviços complexos e caros em bens e serviços simples e baratos". Marta Temido, presidente da presidente

Leia mais

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte À PROCURA DE UM INSTRUMENTO PARA A AVALIAÇÃO DO IMPACTO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE NA SAÚDE Grupo de Trabalho da Avaliação do Impacto dos Serviços de Saúde na

Leia mais

(124) Planeamento urbano para a integração de imigrantes

(124) Planeamento urbano para a integração de imigrantes A análise dos grupos profissionais da população activa portuguesa e estrangeira residente na Área Metropolitana do Porto, de acordo com o concelho é a seguinte: Figura 25. Repartição da população activa

Leia mais

Dicas Para Emagrecer com Saúde

Dicas Para Emagrecer com Saúde 2011 www.blog.vivaplenamente.com Página 1 DIREITOS DE DISTRIBUIÇÃO Você pode distribuir este e-book livremente, assim como presenteá-lo a través do seu site ou blog aos seus visitantes e clientes. A única

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Avaliação de indicadores. Maio de 2010

Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Avaliação de indicadores. Maio de 2010 Plano Nacional de Saúde -2010 Avaliação de indicadores Maio de 2010 0 das Regiões (NUT II do D.L. de 1999) em relação ao do... 2 Evolução dos indicadores em relação à Meta para 2010... 9 1 das Regiões

Leia mais

O REGIME DA FRUTA ESCOLAR EM PORTUGAL Uma Estratégia Europeia de promoção do consumo de frutos e Hortícolas

O REGIME DA FRUTA ESCOLAR EM PORTUGAL Uma Estratégia Europeia de promoção do consumo de frutos e Hortícolas O REGIME DA FRUTA ESCOLAR EM PORTUGAL Uma Estratégia Europeia de promoção do consumo de frutos e Hortícolas De forma simples, o que é o RFE? Meio de distribuição gratuita de hortofrutícolas a todos os

Leia mais

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO ANO DE 2006 Após

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

Programa 5 ao Dia. Um Alimentação Saudável está nas nossas mãos.

Programa 5 ao Dia. Um Alimentação Saudável está nas nossas mãos. Programa 5 ao Dia Um Alimentação Saudável está nas nossas mãos. O que é o Programa 5 ao Dia? Enquadramento Conceito Objectivos e Destinatários Associação 5 ao Dia Desenvolvimento Enquadramento Mudança

Leia mais

Aprender Ciências a Brincar

Aprender Ciências a Brincar Aprender Ciências a Brincar Os conhecimentos serão transmitidos recorrendo à exploração do meio e através de experiências simples, com materiais de uso corrente. A realização de experiências permitirá

Leia mais

Prevalência e Incidência do Excesso de Peso e Obesidade e suas Determinantes nos alunos do EJAF

Prevalência e Incidência do Excesso de Peso e Obesidade e suas Determinantes nos alunos do EJAF EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Comemoração do Dia Mundial de Alimentação Chás de Honra para Pais e Filhos Prevalência e Incidência do Excesso de Peso e Obesidade e suas Determinantes nos alunos do EJAF Arruda

Leia mais

Privatização dos CTT arranca com reestruturação da rede em fase final

Privatização dos CTT arranca com reestruturação da rede em fase final A1 Privatização dos CTT arranca com reestruturação da rede em fase final Tipo Meio: Internet Data Publicação: 11-06-2013 Meio: URL: Sábado Online http://www.sabado.pt/ultima-hora/dinheiro/privatizacao-dos-ctt-arranca-com-reestruturacao-da.aspx

Leia mais

Crianças e Jovens: A sua relação com as Tecnologias e os Meios de Comunicação

Crianças e Jovens: A sua relação com as Tecnologias e os Meios de Comunicação Crianças e Jovens: A sua relação com as Tecnologias e os Meios de Comunicação O projecto O CIES-ISCTE (Centro de Investigação e Estudos de Sociologia), em colaboração com a PT. COM Comunicações Interactivas,

Leia mais

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, da Saúde, representado pelo Ministro

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl

O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso organismo. Ele está presente em alimentos de origem animal

Leia mais

Sistemas de gestão em confronto no SNS Pág. 1

Sistemas de gestão em confronto no SNS Pág. 1 Sistemas de gestão em confronto no SNS Pág. 1 OS QUATRO SISTEMAS DE GESTÃO ACTUALMENTE EM CONFRONTO NO ÂMBITO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE (SNS) E O PROGRAMA DO PS PARA A SAÚDE RESUMO DESTE ESTUDO Neste momento

Leia mais

O QUE É COLESTEROL? TIPOS

O QUE É COLESTEROL? TIPOS O QUE É COLESTEROL? O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso organismo. Ele está presente em alimentos de origem animal (carne, leite integral, ovos etc.). Em nosso

Leia mais

HOSPITAL DA LUZ 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS

HOSPITAL DA LUZ 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS RADIOEMBOLIZAÇÃO 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS 1 RADIOEMBOLIZAÇÃO A radioembolização é uma radioterapia selectiva administrada por via intra-arterial

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013

Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013 ISSN: 2183-0762 Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013 Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo www.dgs.pt Portugal. Direção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de

Leia mais

ISSN: 2183-0673. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Respiratórias. www.dgs.pt

ISSN: 2183-0673. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Respiratórias. www.dgs.pt ISSN: 2183-0673 Portugal em números 2013 Programa Nacional para as www.dgs.pt Portugal. Direcção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e Análise Portugal em números 2013 ISSN: 2183-0673 Periodicidade:

Leia mais

APOGOM. Compromissos da indústria alimentar sobre Alimentação, Actividade Física e Saúde

APOGOM. Compromissos da indústria alimentar sobre Alimentação, Actividade Física e Saúde APOGOM Compromissos da indústria alimentar sobre Alimentação, Actividade Física e Saúde É hoje amplamente reconhecido que o aumento significativo de certas doenças não transmissíveis (tais como as doenças

Leia mais

POR UM SISTEMA DE SAÚDE MAIS EFICIENTE

POR UM SISTEMA DE SAÚDE MAIS EFICIENTE CAD 80 27/09/07 17:26 Page 9 POR UM SISTEMA DE SAÚDE MAIS EFICIENTE ANTÓNIO CORREIA DE CAMPOS MINISTRO DA SAÚDE Numa perspectiva estratégica, há que sublinhar que a finalidade da política de saúde é a

Leia mais

Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 28/XI/1ª. Exposição de Motivos

Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 28/XI/1ª. Exposição de Motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 28/XI/1ª Recomenda ao Governo que adopte medidas urgentes que diminuam os tempos de espera para consulta e cirurgia oncológica e que melhorem a qualidade e o

Leia mais

Revista de Imprensa 27-08-2014. 1. SIC Notícias - Jornal das 2, 26-08-2014, Dinheiro das multas para carros novos 1

Revista de Imprensa 27-08-2014. 1. SIC Notícias - Jornal das 2, 26-08-2014, Dinheiro das multas para carros novos 1 Tv's_26_Agosto_2014 Revista de Imprensa 27-08-2014 1. SIC Notícias - Jornal das 2, 26-08-2014, Dinheiro das multas para carros novos 1 2. TVI 24 - Notícias, 26-08-2014, Greve de enfermeiros em Lisboa 2

Leia mais

SINDICATO DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES. 10 de 0utubro - DIA MUNDIAL DA SAÚDE MENTAL Portugal um país à Beira do abismo

SINDICATO DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES. 10 de 0utubro - DIA MUNDIAL DA SAÚDE MENTAL Portugal um país à Beira do abismo SINDICATO DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES SEDE: Av. 24 de Jul ho, 132-1350-346 Li sboa - Tel ef.: 213920350 - Fax: 213968202 Geral: E- mail: sede @sep. pt - sit e: www.sep. org. pt - CDI: E- mail: cdi @sep.

Leia mais

detecção do cancro do cólon

detecção do cancro do cólon Um guia sobre a detecção do cancro do cólon Por que motivo devo fazer o exame de rastreio?...because...porque I have todos a eles lot dependem of cooking to do. de mim....because...porque I have as minhas

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?article=322084&visual=26&tema=1

http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?article=322084&visual=26&tema=1 Página Web 1 de 2 http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?article=322084&visual=26&tema=1 24-01-2008 Nacional Sono: "Deitar cedo e cedo erguer" é uma máxima cada vez mais válida para uma vida saudável - investigador

Leia mais

1 - Actual Sintra, 29-10-2010, Figuras públicas apoiam promoção de alimentação saudável. 2 - Time Out, 20-10-2010, Feiras

1 - Actual Sintra, 29-10-2010, Figuras públicas apoiam promoção de alimentação saudável. 2 - Time Out, 20-10-2010, Feiras Revista de Imprensa 08-11-2010 Agenda 21 1 - Actual Sintra, 29-10-2010, Figuras públicas apoiam promoção de alimentação saudável 2 - Time Out, 20-10-2010, Feiras 3 - Planeta Azul.pt, 19-10-2010, Começa

Leia mais

RELATÓRIO PROJECTO DA TESE DE DOUTORAMENTO EM PSICOLOGIA CLÍNICA O TRABALHO PSICOTERAPÊUTICO NOS CUIDADOS PRIMÁRIOS VIVÊNCIAS DOS UTENTES

RELATÓRIO PROJECTO DA TESE DE DOUTORAMENTO EM PSICOLOGIA CLÍNICA O TRABALHO PSICOTERAPÊUTICO NOS CUIDADOS PRIMÁRIOS VIVÊNCIAS DOS UTENTES RELATÓRIO PROJECTO DA TESE DE DOUTORAMENTO EM PSICOLOGIA CLÍNICA O TRABALHO PSICOTERAPÊUTICO NOS CUIDADOS PRIMÁRIOS VIVÊNCIAS DOS UTENTES Doutoranda: Cecília Rodrigues Medeiros Orientador: Prof. Dr. Rui

Leia mais

1. (PT) - Diário de Notícias, 19/04/2011, Vacina do cancro do colo do útero custa menos 60% 1

1. (PT) - Diário de Notícias, 19/04/2011, Vacina do cancro do colo do útero custa menos 60% 1 19-04-2011 Revista de Imprensa 19-04-2011 1. (PT) - Diário de Notícias, 19/04/2011, Vacina do cancro do colo do útero custa menos 60% 1 2. (PT) - Diário do Minho, 19/04/2011, Misericórdia de Vizela abre

Leia mais

Fumar na Gravidez. Trabalho elaborado por:

Fumar na Gravidez. Trabalho elaborado por: Escola E. B. 2º e 3º ciclos do Paul Fumar na Gravidez Trabalho elaborado por: Ana Bonifácio nº1 8ºB Débora Mendes nº8 8ºB Diana Vicente nº9-8ºb Inês Delgado nº10 8º B Viviana Gonçalves nº16 8ºB Introdução

Leia mais

1. (PT) - Jornal de Notícias, 01/08/2014, Viaturas médicas mais disponíveis para acidentes 1

1. (PT) - Jornal de Notícias, 01/08/2014, Viaturas médicas mais disponíveis para acidentes 1 01-08-2014 Revista de Imprensa 01-08-2014 1. (PT) - Jornal de Notícias, 01/08/2014, Viaturas médicas mais disponíveis para acidentes 1 2. (PT) - Diário de Notícias, 01/08/2014, 1,3 milhões de utentes sem

Leia mais

Identificação da Empresa. Missão. Visão

Identificação da Empresa. Missão. Visão Identificação da Empresa Designação social: Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Sede: Rua José António Serrano, 1150-199 - Lisboa Natureza jurídica: Entidade Pública Empresarial Início de actividade:

Leia mais

Hipert r en e são ã A rteri r a i l

Hipert r en e são ã A rteri r a i l Hipertensão Arterial O que é a Pressão Arterial? Coração Bombeia sangue Orgãos do corpo O sangue é levado pelas artérias Fornece oxigénio e nutrientes Quando o sangue é bombeado gera uma pressão nas paredes

Leia mais

ID 0 1. Questionário da Mãe aos 4 Anos. (passar à pergunta 2)

ID 0 1. Questionário da Mãe aos 4 Anos. (passar à pergunta 2) ID 0 1 INQUIRIDOR DATA DE PREENCHIMENTO - - HORA DE INÍCIO : Questionário da Mãe aos 4 Anos 1. Qual seu estado marital actual? Casada "União de facto" Solteira Viúva (passar à pergunta 2) Separada Divorciada

Leia mais

Cancro: Uma Prioridade para os Portugueses

Cancro: Uma Prioridade para os Portugueses Cancro: Uma Prioridade para os Portugueses Managing Director _ Executive Researcher_ António Gomes [antonio.gomes@gfk.com] João Costa [joao.costa@gfk.com] Contexto O estudo foi desenvolvido no âmbito do

Leia mais

QUAL O POTENCIAL DE PHARMAFOODS EM PORTUGAL?

QUAL O POTENCIAL DE PHARMAFOODS EM PORTUGAL? QUAL O POTENCIAL DE PHARMAFOODS EM PORTUGAL? SUMÁRIO EXECUTIVO PORTUGALFOODS AGENDA 1. O Shopper e as suas Motivações Como e onde compra?... 3 2. Como está a Saúde em Portugal? Um Retrato sobre a Saúde

Leia mais

Avaliação Económica e Financeira do Setor das Farmácias

Avaliação Económica e Financeira do Setor das Farmácias Avaliação Económica e Financeira do Setor das Farmácias Análise económica e financeira realizada às Farmácias Comunitárias em Portugal, com base em informação histórica relativa a 2010 e informação prospetiva

Leia mais

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Quantitativa Consumo de Frutas e Hortaliças Elaborado por CONNECTION RESEARCH Maio 2011 2 Objetivos da pesquisa. Estudar os hábitos alimentares da população

Leia mais

Nutrição Infantil. Paula Veloso / Nutricionista

Nutrição Infantil. Paula Veloso / Nutricionista Nutrição Infantil Paula Veloso / Nutricionista Relação alimentação/saúde é para toda a vida! A mulher grávida preocupa-se com a alimentação. Relação alimentação/saúde é para toda a vida! Os pais preocupam-se

Leia mais

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado 17-03-2006 13:11:00. Fonte LUSA. Notícia SIR-7829164 Temas: economia portugal finanças sociedade LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado DATA:. ASSUNTO: Conferência

Leia mais

Amamentação. Factos e Mitos. Juntos pela sua saúde! Elaborado em Julho de 2011. USF Terras de Santa Maria

Amamentação. Factos e Mitos. Juntos pela sua saúde! Elaborado em Julho de 2011. USF Terras de Santa Maria Elaborado em Julho de 2011 USF Terras de Santa Maria Rua Professor Egas Moniz, nº7 4520-909 Santa Maria da Feira Telefone: 256 371 455/56 Telefax: 256 371 459 usf _terrassantamaria@csfeira.min-saude.pt

Leia mais

Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto

Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto Evolução da Alfabetização em PORTUGAL Portugal tem 650 mil analfabetos 9% não sabe ler Estima se que existam em Portugal cerca 658 mil

Leia mais

Trabalho elaborado por: 5/29/2007 USF Valongo. Enf. Anabela Queirós

Trabalho elaborado por: 5/29/2007 USF Valongo. Enf. Anabela Queirós Trabalho elaborado por: Enf. Anabela Queirós O que é a diabetes? Uma doença que dura toda vida Provocada pela ausência ou perda de eficácia da insulina; Provoca a subida de açúcar no sangue A diabetes

Leia mais

Seminário> Família: realidades e desafios. Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004

Seminário> Família: realidades e desafios. Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004 Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004 1 PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL Caracterização com base no Inquérito aos Orçamentos Familiares de 2000 >Rute

Leia mais

"Retrato social" de Portugal na década de 90

Retrato social de Portugal na década de 90 "Retrato social" de Portugal na década de 9 Apresentam-se alguns tópicos da informação contida em cada um dos capítulos da publicação Portugal Social 1991-21, editada pelo INE em Setembro de 23. Capítulo

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO:

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: Diagnóstico e Classificação da Diabetes Mellitus Diabetes ; Diagnóstico Médicos e Enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde Departamento

Leia mais

Alimentação e Desporto. Samuel Amorim Centro Hospitalar Tondela-Viseu Viseu, 30 Novembro 2011

Alimentação e Desporto. Samuel Amorim Centro Hospitalar Tondela-Viseu Viseu, 30 Novembro 2011 Alimentação e Desporto Samuel Amorim Centro Hospitalar Tondela-Viseu Viseu, 30 Novembro 2011 Panorama nacional Apesar dos números relativos à obesidade infantil estarem continuamente acrescer O número

Leia mais

Campanha da Rede Asbran alerta este mês sobre consumo de açúcar

Campanha da Rede Asbran alerta este mês sobre consumo de açúcar Campanha da Rede Asbran alerta este mês sobre consumo de açúcar A Rede Asbran e Filiadas lança nesta sexta-feira, dia 31, mais uma ação da campanha nacional pela redução no consumo do sal e do açúcar,

Leia mais

Investigador português premiado nos EUA

Investigador português premiado nos EUA Investigador português premiado nos EUA DOENÇA DE CROHN O INVESTIGADOR Henrique Veiga-Femandes, que estuda o papel de células na defesa contra infeções intestinais, recebeu o prémio Sénior Research Award,

Leia mais

Resultados Mediáticos

Resultados Mediáticos Mediáticos 2014 > Globais Mais de 90 minutos de presença em Televisão Mais de 28 minutos de presença em Rádio Chamadas de capa em 9 jornais Audiência total superior a 20 milhões Globais 135 Total de notícias

Leia mais

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Projeto Novos Talentos Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Oficina: Comer bem, para viver melhor! Cristiane da Cunha Alves Tatiane Garcez Bianca Maria de Lima Danielle Costa INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA

Leia mais

Inquérito Multi-Objectivo Contínuo

Inquérito Multi-Objectivo Contínuo Inquérito Multi-Objectivo Contínuo Modúlo Práticas Familiares Apresentação dos Resultados Praia, 09 de Maio de 2013 PLANO DE APRESENTAÇÃO I- INTRODUÇÂO II- METODOLOGIA III- PRINCIPAIS RESULTADOS AGREGADOS

Leia mais

Portugal Alimentação Saudável em números 2013

Portugal Alimentação Saudável em números 2013 ISSN: 2183-0738 Portugal Alimentação Saudável em números 2013 Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável www.dgs.pt Portugal. Direcção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e

Leia mais

Coisas que deve saber sobre a pré-eclâmpsia

Coisas que deve saber sobre a pré-eclâmpsia Coisas que deve saber sobre a pré-eclâmpsia A pré-eclâmpsia é muito mais comum do que a maior parte das pessoas pensa na realidade ela é a mais comum das complicações graves da gravidez. A pré-eclâmpsia

Leia mais

CLÍNICA UPTIME TRATAMENTO DA DOR E PROBLEMAS EMOCIONAIS OBESIDADE A ESCOLHA DE ALIMENTOS COMO MANTER O CORPO. (segunda parte) A ESCOLHA

CLÍNICA UPTIME TRATAMENTO DA DOR E PROBLEMAS EMOCIONAIS OBESIDADE A ESCOLHA DE ALIMENTOS COMO MANTER O CORPO. (segunda parte) A ESCOLHA OBESIDADE A ESCOLHA DE ALIMENTOS COMO MANTER O CORPO (segunda parte) A ESCOLHA Responda à seguinte pergunta: Você gosta de carro? Se você gosta, vamos em frente. Escolha o carro de seus sonhos: Mercedes,

Leia mais

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini As maiores médias de consumo diário per capita ocorreram para Feijão (182,9 g/ dia), arroz (160,3 g/ dia), carne bovina

Leia mais