O Uso de Lombas e Plataformas como Medidas de Acalmia de Tráfego

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Uso de Lombas e Plataformas como Medidas de Acalmia de Tráfego"

Transcrição

1 Estoril, 5 a 7 de Abril 2006 O Uso de Lombas e Plataformas como Medidas de Acalmia de Tráfego Ana Bastos Silva, Prof. Auxiliar Dep. Engª Civil da FCTUC da Universidade de Coimbra Alvaro Seco, Prof. Associado Dep. Engª Civil da FCTUC da Universidade de Coimbra

2 Acalmia de Tráfego As medidas de acalmia As soluções de acalmia de tráfego, apostam na compatibilização das condições de circulação entre os diferentes modos de transporte; Para viabilizar essa compatibilização, a acalmia de tráfego assenta na necessidade de aproximar as velocidades dos veículos motorizados às praticadas pelos veículos não motorizados, nomeadamente à dos peões e ciclistas;.mediante a imposição de alterações físicas à infra-estrutura: - alterações aos alinhamentos horizontais; - alterações aos alinhamentos verticais

3 Definição as lombas e as plataformas são dispositivos de aviso que se destinam a alertar o condutor para a possibilidade de este ter de alterar o seu comportamento; consistem na elevação da cota da superfície do pavimento numa faixa colocada transversalmente à via com o objectivo de produzir um impacto físico e visual no condutor e, dessa forma, obrigá-lo a reduzir a sua velocidade de circulação. podem ser utilizadas isoladamente, ou combinadas. 30

4 Condições Gerais de Aplicabilidade Funções a assegurar pela via - O seu domínio preferencial de aplicação são as vias distribuidoras locais, ou de acesso local integradas em zonas residenciais e centrais; Velocidades - os locais estejam associados a níveis de procura muito reduzida e sujeitos a velocidades inferiores a 40km/h, excepcionalmente 50km/h ; Fluxos níveis de procura inferior aos 3000 veículos de TMDA (no conjunto dos dois sentidos). As passadeiras elevadas podem ser construídas em vias distribuidoras locais, ou de acesso local, sujeitas a TMDA inferior a veículos Rotas de emergência deve ser evitada ou encarada com muita precaução, sempre que a via seja muito utilizada por veículos de emergência..

5 Tipos e Caracterização lombas (nas suas diferentes formas) passadeiras elevadas passadeiras elevadas (lomba trapezoidal associada a uma travessia de peões formal)

6 Tipos e Caracterização intersecções elevadas (elevação da cota do pavimento associada a toda a área da intersecção)

7 Dimensionamento o princípio de dimensionamento transposição de forma confortável, pelos veículos que adoptam velocidades inferiores às pré-definidas e causarem desconforto aos veículos que a ultrapassam a suavidade associada à sua transposição (e, por consequência, a velocidade de projecto) depende directamente do seu comprimento

8 Tipo de lombas e aspectos dimensionais lombas circulares compatíveis com velocidades entre 20 e 50 km/h devem ter 3,7m de comprimento e alturas compreendidas entre 7,5 e os 10cm, no seu ponto central Fonte: despacho nº109/2004 da DGV

9 Tipo de lombas e aspectos dimensionais Lombas sinusoidais y 2πx = 3,75(1 cos ) L Onde: Y acréscimo em termos de cota (relativamente à situação inicial) medida ao nível da directriz da estrada (cm); X distância segundo o eixo da estrada, medida desde o extremo inicial da lomba (cm); L comprimento total da lomba (cm) y L x Fonte: despacho nº109/2004 da DGV

10 Tipo de lombas e aspectos dimensionais Lombas trapezoidais Fonte: despacho nº109/2004 da DGV o dimensionamento deve depender da velocidade base Velocidade base (km/h) Altura (cm) 7,5 7,5 7, L1 (m) 6,7 6,1 5,5 6,1 5,5 4,9 L2 (m) Base da rampa L3 (m) 1,8 1,5 1,2 1,5 1,2 0,9 Espaçamento (m) L3 L2 L3 L1

11 Aspectos dimensionais passadeiras elevadas Velocidade base 20 a 50 km/ km/h Altura equivalente à dos passeios Largura do topo superior à da passadeira O dimensionamento das rampas deve ser feito de acordo com a tabela anterior.

12 Aspectos dimensionais Cruzamentos elevados subida da cota e do revestimento superficial do pavimento

13 Soluções particulares de apoio ao transporte publico de apoio ao ciclista

14 Efeitos previsíveis lombas a velocidade reduz em média 10 (lomba do tipo Watts ) a 13 km/h (lomba do tipo Seminole County ). um maior respeito pela sinalização local; os volumes de tráfego diminuem em média entre 12% (lomba do tipo Watts ) e 18% (lomba do tipo Seminole County ); os acidentes diminuem em 40 a 50%, sendo certo um aumento considerável do sentimento de segurança real e induzido; a transposição da lomba acarreta um incremento do ruído, contudo e a diminuição da velocidade dos veículos acarreta uma diminuição do ruído. os atrasos impostos aos veículos (em particular aos de emergência) se situem entre os 1 e 10 segundos.

15 Efeitos previsíveis Passadeiras elevadas a velocidade reduz em média 10 km/h; os volumes de tráfego diminuem em média12%; melhoria da visibilidade entre peões e veículos; aumento do respeito pelo peão. Num arruamento em Cambridge, o número de veículos que param perante a existência de peões junto à passadeira aumentou de 10% para 55% após a elevação da passadeira os atrasos impostos aos veículos (em particular aos de emergência) podem atingir os 10 segundos.

16 Sinalização Aplicável sinalização horizontal das lombas e plataformas assenta na utilização de uma fila de quadrados alternados e desencontrados, devendo ser utilizada a barra de paragem quando esta está associada a uma passadeira elevada. 30 2,0 m 40 50,0 m 50 m 30 sinalização vertical (sinal A2a lomba -eventualmente associado a um painel adicional modelo 1 indicador de distância e o sinal H6 indicador da velocidade máxima recomendável para a transposição da lomba).

NOTA TÉCNICA INSTALAÇÃO E SINALIZAÇÃO DE LOMBAS REDUTORAS DE VELOCIDADE

NOTA TÉCNICA INSTALAÇÃO E SINALIZAÇÃO DE LOMBAS REDUTORAS DE VELOCIDADE 1 - Introdução A construção de vias públicas com o objectivo primordial de maximizar o escoamento de grandes volumes de tráfego e o conforto dos ocupantes dos veículos, aliada aos progressos da industria

Leia mais

Medidas de Apoio ao Uso da Bicicleta

Medidas de Apoio ao Uso da Bicicleta Estoril, 5 a 7 de Abril 2006 Medidas de Apoio ao Uso da Bicicleta Ana Bastos Silva, Dep. Engª Civil da FCTUC da Universidade de Coimbra João Pedro Silva, Dep. Engª Civil da ESTG, Instituto Politécnico

Leia mais

Dimensionamento de Rotundas Procedimentos Normativos

Dimensionamento de Rotundas Procedimentos Normativos Estoril, 5 a 7 de Abril 2006 Dimensionamento de Rotundas Procedimentos Normativos Ana Bastos Silva, Prof. Auxiliar Dep. Engª Civil da FCTUC da Universidade de Coimbra Alvaro Seco, Prof. Associado Dep.

Leia mais

NOTA TÉCNICA INSTALAÇÃO E SINALIZAÇÃO DE LOMBAS REDUTORAS DE VELOCIDADE

NOTA TÉCNICA INSTALAÇÃO E SINALIZAÇÃO DE LOMBAS REDUTORAS DE VELOCIDADE 1 - Introdução A construção de vias públicas com o objectivo primordial de maximizar o escoamento de grandes volumes de tráfego e o conforto dos ocupantes dos veículos, aliada aos progressos da industria

Leia mais

Lisboa. uma cidade de bairros

Lisboa. uma cidade de bairros Lisboa uma cidade de bairros Fonte: Relatório do PDM Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa, Setembro 2010 No PDM de Lisboa, foram identificadas Zonas de Moderação da circulação automóvel, que podem ser concretizadas

Leia mais

EQUIPAMENTO DE SEGURANÇA EQUIPAMENTO DE INFORMAÇÃO ATIVADO PELOS VEÍCULOS

EQUIPAMENTO DE SEGURANÇA EQUIPAMENTO DE INFORMAÇÃO ATIVADO PELOS VEÍCULOS A. Âmbito da Nota Técnica A presente Nota Técnica pretende estabelecer o enquadramento do Equipamento de Segurança: Equipamento de Informação Ativado pelos Veículos. O referido equipamento poderá ser instalado

Leia mais

Perfil Longitudinal. A sua definição deve ter em conta:

Perfil Longitudinal. A sua definição deve ter em conta: Perfil Longitudinal A sua definição deve ter em conta: Rasante Topografia Traçado em planta Distâncias de visibilidade Segurança Drenagem Integração no meio ambiente Custos de construção Custos de exploração

Leia mais

CALÇAdA cidada. Conheça as regras para pavimentar sua calçada.

CALÇAdA cidada. Conheça as regras para pavimentar sua calçada. CALÇAdA cidada Essa publicação tem por objetivo divulgar o regramento de construção e manutenção das calçadas da cidade de Canoas. Apresentação Cuidar de sua calçada é um sinal de amor à cidade e de respeito

Leia mais

1. Objectivo Âmbito Definições Legislação e Procedimentos/Normas Aplicáveis Caracterização dos Trabalhos...

1. Objectivo Âmbito Definições Legislação e Procedimentos/Normas Aplicáveis Caracterização dos Trabalhos... Índice 1. Objectivo... 3 2. Âmbito... 3 3. Definições... 4 4. Legislação e Procedimentos/Normas Aplicáveis... 4 5. Caracterização dos Trabalhos... 4 6. Princípios Gerais... 4 6.1. Domínio de Implantação...

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 638/X AFIRMA OS DIREITOS DOS CICLISTAS E PEÕES NO CÓDIGO DA ESTRADA

PROJECTO DE LEI N.º 638/X AFIRMA OS DIREITOS DOS CICLISTAS E PEÕES NO CÓDIGO DA ESTRADA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 638/X AFIRMA OS DIREITOS DOS CICLISTAS E PEÕES NO CÓDIGO DA ESTRADA Exposição de motivos: Portugal assistiu nas últimas décadas a um crescimento significativo das

Leia mais

ANEXO 1 QUADRO II Sinais de cedência de passagem Sinais B1 B2 B3 e B4 B5 B6 B7 a B9 Forma Triângulo equilátero invertido. Octógono regular. Quadrada. Circular. Quadrada. Triângulo equilátero. Características

Leia mais

-ESTRUTURA VIÁRIA TT048 SUPERELEVAÇÃO

-ESTRUTURA VIÁRIA TT048 SUPERELEVAÇÃO INFRAINFRA -ESTRUTURA VIÁRIA TT048 SUPERELEVAÇÃO Profa. Daniane Franciesca Vicentini Prof. Djalma Pereira Prof. Eduardo Ratton Profa. Márcia de Andrade Pereira DEFINIÇÕES CORPO ESTRADAL: forma assumida

Leia mais

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e, Publicado em 29 de dezembro de 2012 DECRETO N 11295/2012 Regulamenta a Lei nº 2.624, de 29 de dezembro de 2008, no que trata dos passeios públicos do Município de Niterói, instituindo a obrigatoriedade

Leia mais

CÃMARA MUNICIPAL DE ÍLHAVO

CÃMARA MUNICIPAL DE ÍLHAVO MARCAÇÕES RODOVIÁRIAS NA GAFANHA DA NAZARÉ - 2016 MEMORIA DESCRITIVA DOIA Divisão de Obras, Investimentos e Ambiente ÍNDICE Memória Descritiva Introdução Projeto Caraterização DOIA Divisão de Obras, Investimentos

Leia mais

Teste n.º 3 Tema V. Vias de trânsito, condições ambientais adversas

Teste n.º 3 Tema V. Vias de trânsito, condições ambientais adversas Teste n.º 3 Tema V Vias de trânsito, condições ambientais adversas 1 O que se entende por via de trânsito? Via de comunicação terrestre do domínio privado aberta ao trânsito público. Via de tráfego resultante

Leia mais

Manual de Boas Práticas em Sinalização Urbana

Manual de Boas Práticas em Sinalização Urbana www.prp.pt Manual de Boas Práticas em Sinalização Urbana Carlos de Almeida Roque Engenheiro Civil Estrada 2006 IV CONGRESSO RODOVIÁRIO PORTUGUÊS Estoril, 5 a 7 Abril 2006 1 Manual BPSU - Índice Introdução

Leia mais

Elementos e Classificação das Rodovias Brasileiras

Elementos e Classificação das Rodovias Brasileiras Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Estradas I Elementos e Classificação das Rodovias Brasileiras Renato de Oliveira Fernandes

Leia mais

電 動 車 輛 充 電 設 施 安 全 技 術 指 引

電 動 車 輛 充 電 設 施 安 全 技 術 指 引 電 動 車 輛 充 電 設 施 安 全 技 術 指 引 Directrizes Técnicas de Segurança de Instalações de Carregamento de Veículos Eléctricos 第 一 條 Artigo 1.º 標 的 Objecto 本 指 引 為 訂 定 安 裝 電 動 車 輛 充 電 設 施 應 遵 守 的 安 全 技 術 條 件 As presentes

Leia mais

Normas de circulação

Normas de circulação Normas de circulação A bicicleta é um veículo, e por este motivo o espaço de circulação debe estar dentro do leito veicular e nunca sobre as calçadas. Os ciclistas deven circular no mesmo sentido que os

Leia mais

CÃMARA MUNICIPAL DE ÍLHAVO

CÃMARA MUNICIPAL DE ÍLHAVO DOIA Divisão de Obras, Investimentos e Ambiente MEMORIA DESCRITIVA ÍNDICE Memória Descritiva Introdução Projeto Caraterização DOIA Divisão de Obras, Investimentos e Ambiente 1 INTRODUÇÃO O número de veículos

Leia mais

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra WORKSHOP Combustíveis e veículos alternativos Práticas correntes e futuras linhas de orientação política para o transporte de passageiros (Projecto Alter-Motive) Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Leia mais

ACALMIA DE TRÁFEGO MANUAL DO PLANEAMENTO DE ACESSIBILIDADES E TRANSPORTES

ACALMIA DE TRÁFEGO MANUAL DO PLANEAMENTO DE ACESSIBILIDADES E TRANSPORTES MANUAL DO PLANEAMENTO DE ACESSIBILIDADES E TRANSPORTES 10 ACALMIA DE TRÁFEGO Álvaro Jorge da Maia Seco Professor Associado da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Anabela Salgueiro

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA M I N I S T É R I O P Ú B L I C O F E D E R A L PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADORIAS DA REPÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ações implementadas para a obtenção da acessibilidade

Leia mais

ANEXO II. Normas para aplicação de pavimentos táteis em espaços públicos

ANEXO II. Normas para aplicação de pavimentos táteis em espaços públicos I Normas Gerais ANEXO II Normas para aplicação de pavimentos táteis em espaços públicos 1 Para efeito das presentes normas entende -se por pavimento tátil os pavimentos que utilizam cumulativamente cor

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 5 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA TRABALHOS PRÓXIMOS DE INSTALAÇÕES EM TENSÃO 2 DESCRIÇÃO Nas tarefas de exploração, construção e manutenção das instalações eléctricas são susceptíveis

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DA ESTRADA. Respostas para as suas dúvidas sobre as novas regras do Código da Estrada

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DA ESTRADA. Respostas para as suas dúvidas sobre as novas regras do Código da Estrada 01 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DA ESTRADA Respostas para as suas dúvidas sobre as novas regras do Código da Estrada Índice Introdução 4 Bicicletas 5/6 Transporte de Crianças 7 Documentos 8 Pagamentos de Coimas

Leia mais

A partir da sinalização vertical posso inverter o sentido de marcha? Não. Sim.

A partir da sinalização vertical posso inverter o sentido de marcha? Não. Sim. A partir da sinalização vertical posso inverter o sentido de marcha? Não. Sim. A velocidade a que devo circular neste local é: 40 Km/h. 50 Km/h. A que for mais aconselhável perante estas condições. A velocidade

Leia mais

Prof. J. R. Setti Depto. de Engenharia de Transportes Escola de Engenharia de São Carlos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Sinalização de trânsito

Prof. J. R. Setti Depto. de Engenharia de Transportes Escola de Engenharia de São Carlos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Sinalização de trânsito Prof. J. R. Setti Depto. de Engenharia de Transportes Escola de Engenharia de São Carlos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Sinalização de trânsito Sinalização de trânsito: objetivos Organizar a circulação de veículos

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OBRAS E INFRA-ESTRUTURAS FICHA TÉCNICA

DEPARTAMENTO DE OBRAS E INFRA-ESTRUTURAS FICHA TÉCNICA FICHA TÉCNICA 1. IDENTIFICAÇÃO Reconstrução de Muros de Suporte / 2010. 2. LOCALIZAÇÃO A obra desenvolveu-se em vários locais do Concelho de Coimbra, distribuídos pelas freguesias de Ceira, Eiras e Santa

Leia mais

DADOS QUANTITATIVOS ÁREA TOTAL A LOTEAR - oitenta e nove mil cento e dezanove metros quadrados (89119 m²); NÚMERO DE LOTES - 30 numerados de 1 a 40;

DADOS QUANTITATIVOS ÁREA TOTAL A LOTEAR - oitenta e nove mil cento e dezanove metros quadrados (89119 m²); NÚMERO DE LOTES - 30 numerados de 1 a 40; ALTERAÇÃO AO LOTEAMENTO URBANO DA ÁREA DA CERÂMICA DE MORTÁGUA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA A proposta de alteração ao Loteamento que se apresenta surge na sequência da modificação das condições

Leia mais

F a força aplicada pelo rapaz.

F a força aplicada pelo rapaz. E s c o l a S e c u n d á r i a d e A l c á c e r d o S a l Ano letivo 2011/2012 Física e Química A Bloco II Teste Sumativo 3A 14/02/2012 1. Um rapaz empurra, com velocidade constante, um bloco de massa

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 6. Métodos e procedimentos de execução...4

Leia mais

PROMOVER O INVESTIMENTO E O CRESCIMENTO

PROMOVER O INVESTIMENTO E O CRESCIMENTO PROMOVER O INVESTIMENTO E O CRESCIMENTO António Laranjo Presidente do Conselho de Administração Famalicão 24 de julho de 2017 ÍNDICE 01 PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DAS ÁREAS EMPRESARIAIS 02 REQUALIFICAÇÃO

Leia mais

Tecnologias de Acesso Plataforma Elevatória por Cremalheira Engº Rafael Thalheimer

Tecnologias de Acesso Plataforma Elevatória por Cremalheira Engº Rafael Thalheimer Tecnologias de Acesso Plataforma Elevatória por Cremalheira Engº Rafael Thalheimer 1) DESCRIÇÃO DO EQUIPAMENTO A plataforma elevatória por cremalheira está baseada no princípio de transmissão através de

Leia mais

Câmara Municipal de Mortágua

Câmara Municipal de Mortágua Câmara Municipal de Mortágua Regulamento de Ordenamento de Trânsito do Concelho de Mortágua A postura de trânsito em vigor no concelho de Mortágua, datada de 1 de Abril de 1962, no tempo da sua entrada

Leia mais

MUNICÍPIO DE CASTELO BRANCO ÁREA DE ESTUDO

MUNICÍPIO DE CASTELO BRANCO ÁREA DE ESTUDO MUNICÍPIO DE CASTELO BRANCO ÁREA DE ESTUDO Castelo Branco Em 2001: População concelho: 55 708 População Sede concelho: 30 449 (55%) Área: 1438,2 km2 Freguesias: 25 Cidade de Castelo Branco População actual:

Leia mais

Notas de aula de Estradas (parte 13)

Notas de aula de Estradas (parte 13) 1 Notas de aula de Estradas (parte 13) Hélio Marcos Fernandes Viana Conteúdo da aula 1 Alinhamento horizontal 2 Alinhamento vertical 3 Faixas auxiliares para veículos lentos em rampa 4 Coordenação (ou

Leia mais

DINÂMICA. 2- O bloco B pesa 435 N e repousa sobre um plano horizontal; os coeficientes de atrito entre bloco e plano são μ E = 0,27 e μ C = 0,21.

DINÂMICA. 2- O bloco B pesa 435 N e repousa sobre um plano horizontal; os coeficientes de atrito entre bloco e plano são μ E = 0,27 e μ C = 0,21. DINÂMICA 1- Uma partícula com massa de 30 kg, no espaço, está sujeito à ação de duas forças que fazem um ângulo de 30º entre si, a força F1 com uma intensidade de 20 N e a força F2 com uma intensidade

Leia mais

A partir deste sinal de perigo é proibido inverter o sentido de marcha. Certo. Errado.

A partir deste sinal de perigo é proibido inverter o sentido de marcha. Certo. Errado. A partir deste sinal de perigo é proibido inverter o sentido de marcha. Certo. Errado. A que distância vou encontrar o perigo indicado pelo sinal? Entre 150m a 300m do sinal. Entre 25m a 50m do sinal.

Leia mais

Inspecção de Marcas Rodoviárias, com equipamento estático e dinâmico

Inspecção de Marcas Rodoviárias, com equipamento estático e dinâmico , com equipamento estático e dinâmico SAFETRAFFIC / AFESP Coordenador da SC2 / CT 155 As Marcas desempenham um papel fundamental no guiamento dos condutores. Delimitam vias de circulação Separam sentidos

Leia mais

Projeto Geométrico de Rodovias. Estudo de Traçado

Projeto Geométrico de Rodovias. Estudo de Traçado Projeto Geométrico de Rodovias Estudo de Traçado Estudos para a construção de uma estrada Estudos de Tráfego Estudos geológicos e geotécnicos Estudos Hidrológicos Estudos Topográficos Projeto Geométrico

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE TAUÁ Administração Fazendo Acontecer

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE TAUÁ Administração Fazendo Acontecer LEI MUNICIPAL Nº 1425 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2006. ASSEGURA DIREITOS ÀS PESSOAS DEFICIENTES E IDOSOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A PREFEITA MUNICIPAL DE TAUÁ, no uso de suas atribuições legais: Lei: Faço saber

Leia mais

Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a).

Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a). Anexo A 96 DIRECTIVIDADE ATRATIVIDADE CONFORTO COERÊNCIA SEGURANÇA Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a). Nível de segurança social do entorno

Leia mais

Urbanismo,Transportes

Urbanismo,Transportes Urbanismo,s Vias de Comunicação Area de Especialização DEC-FCTUC ÁREAS TEMÁTICAS Ordenamento do Território Urbanismo Vias de Comunicação Tráfego e s Sistemas de Gestão de Cidades e Infraestruturas 2 1

Leia mais

Disciplina: Vias de Comunicação. Parte I - Traçado em Planta (1/2)

Disciplina: Vias de Comunicação. Parte I - Traçado em Planta (1/2) Licenciatura em Engenharia Civil e em Engenharia do Território Disciplina: Vias de Comunicação Prof. Responsável: Prof. Paulino Pereira Parte I - Traçado em Planta (1/2) Instituto Superior Técnico / Licenciaturas

Leia mais

ISF 221: PROJETO DE PASSAGEM EM NÍVEL. O projeto de passagem em nível será desenvolvido em duas fases:

ISF 221: PROJETO DE PASSAGEM EM NÍVEL. O projeto de passagem em nível será desenvolvido em duas fases: ISF 221: PROJETO DE PASSAGEM EM NÍVEL 1. OBJETIVO Definir os requisitos de projeto na área de abrangência da travessia, no mesmo plano horizontal, da via férrea com a via rodoviária, bem como promover

Leia mais

Antes do sinal vertical, posso ultrapassar? Não. Sim.

Antes do sinal vertical, posso ultrapassar? Não. Sim. Antes do sinal vertical, posso ultrapassar? Não. Sim. Ao efectuar a ultrapassagem, devo estar especialmente atento: À sinalização existente. Às características do meu veículo e à largura da faixa de rodagem.

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE ROTUNDAS

SINALIZAÇÃO DE ROTUNDAS SINALIZAÇÃO DE ROTUNDAS Introdução O recurso cada vez mais frequente à construção de rotundas e a recente definição de novas regras de circulação nestas intersecções, que impõem o dever de ceder passagem

Leia mais

Dados Técnicos e Equipamentos. Golf Cabrio

Dados Técnicos e Equipamentos. Golf Cabrio Dados Técnicos e Equipamentos Golf Cabrio Os motores 1.2 TSI (105cv) 1.4 TSI (160cv) 1.6 TDI (105cv) BlueMotion Technology BlueMotion Technology Motor, Tipo de motor 4 cilindros, Gasolina 4 cilindros,

Leia mais

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação;

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação; RESOLUÇÃO CPA/SMPED-G/015/2008 A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua 43ª Reunião Ordinária do corrente ano, realizada em 14 de novembro de 2008, Considerando as disposições do Decreto Municipal

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Norma Rodoviária DNER-PRO 176/94 Procedimento Página 1 de 23

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Norma Rodoviária DNER-PRO 176/94 Procedimento Página 1 de 23 Procedimento Página 1 de 23 RESUMO Este documento, que é uma norma técnica, fixa as condições que devem ser obedecidas no projeto e na execução de barreiras de segurança. ABSTRACT This document presents

Leia mais

Tecnologia da Construção Civil - I Fundações. Roberto dos Santos Monteiro

Tecnologia da Construção Civil - I Fundações. Roberto dos Santos Monteiro Tecnologia da Construção Civil - I Fundações Após a execução da sondagem, iremos definir qual o tipo de fundação mais adequada a ser utilizado no nosso empreendimento. As Fundações são elementos estruturais

Leia mais

Os simuladores na formação em dinâmica da condução para condutores. Sua aplicacão com vista à redução da sinistralidade rodoviária

Os simuladores na formação em dinâmica da condução para condutores. Sua aplicacão com vista à redução da sinistralidade rodoviária Os simuladores na formação em dinâmica da condução para condutores Sua aplicacão com vista à redução da sinistralidade rodoviária 1 I Enquadramento e âmbito De acordo com os objectivos do regulamento do

Leia mais

Mobilidade Sustentável. Mário Alves Bernardo Pereira André Fernandes

Mobilidade Sustentável. Mário Alves Bernardo Pereira André Fernandes Mobilidade Sustentável Mário Alves Bernardo Pereira André Fernandes Estrutura da Apresentação Parte I O Indicador 18 Mobilidade Sustentável Parte II Principais alterações Parte I A B C D E Promoção dos

Leia mais

PROJETO DE ESTRADAS Pr P of o. D r D. An A d n e d r e so s n o n Man a zo n l zo i

PROJETO DE ESTRADAS Pr P of o. D r D. An A d n e d r e so s n o n Man a zo n l zo i PROJETO DE ESTRADAS Prof. Dr. Anderson Manzoli CONCEITOS: Seção (Perfil) Transversal é a representação geométrica, no plano vertical, de alguns elementos dispostos transversalmente, em determinado ponto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2012

RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2012 RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2012 Estabelece os padrões e critérios para a instalação de ondulações transversais (lombadas físicas) em vias públicas, disciplinadas pelo Parágrafo único do art. 94 do Código de

Leia mais

CONDIÇÕES DE EDIFICABILIDADE...

CONDIÇÕES DE EDIFICABILIDADE... 1 OBJECTIVOS... 3 2 CONDIÇÕES DE EDIFICABILIDADE... 3 2.1 ASPECTOS PARTICULARES E GERAIS COMUNS A TODOS OS LOTES... 3 2.1.1 DADOS QUANTITATIVOS E ÍNDICES DE CONSTRUÇÃO... 4 2.1.2 MUROS E VEDAÇÕES... 4

Leia mais

built build to FORMAS SISTEMAS TREPANTES CONTRA-TERRA APLICAÇÕES ESPECIAIS

built build to FORMAS SISTEMAS TREPANTES CONTRA-TERRA APLICAÇÕES ESPECIAIS uilt build to FORMAS FORMAS SISTEMAS TREPANTES CONTRA-TERRA APLICAÇÕES ESPECIAIS Empresa Projetos Produtos sistemas trepantes SUPORTES DE PLATAFORMA TREPANTES para concretagem em alturas elevadas, sem

Leia mais

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS 11 PROJETO E CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS PROJETO EOMÉTRICO DE VIAS 2 - CURVAS HORIZONTAIS SIMPLES 2.1 - INTRODUÇÃO O traçado em planta de uma estrada deve ser composto de trechos retos concordados com curvas

Leia mais

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências CARGO AGENTE DE MANUTENÇÃO DE SINALIZAÇÃO 1. São procedimentos ao se abastecer um equipamento de pintura de sinalização horizontal: 1) a

Leia mais

AULA 11 ESTRADAS I 11/11/2010 CONCORDÂNCIA VERTICAL CONCORDÂNCIA VERTICAL CONCORDÂNCIA VERTICAL

AULA 11 ESTRADAS I 11/11/2010 CONCORDÂNCIA VERTICAL CONCORDÂNCIA VERTICAL CONCORDÂNCIA VERTICAL AULA 11 ESTRADAS I PROF. Msc. ROBISON NEGRI O projeto de uma estrada em perfil é constituído de greides retos, concordados dois a dois por curvas verticais. Os greides retos são definidos pela sua declividade,

Leia mais

GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES

GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES Medidas Propostas Impacto no Município Plano de mobilidade sustentável para os funcionários da autarquia Formação em eco-condução para os gestores de frotas, motoristas

Leia mais

É o perfil transversal que vai. dar volume à estrada, projectada como uma linha. sversais. rfis Trans. TE III Pe PART

É o perfil transversal que vai. dar volume à estrada, projectada como uma linha. sversais. rfis Trans. TE III Pe PART Perfis Tran É o perfil transversal que vai dar volume à estrada projectada como uma linha. Instituto Superior Técnico / Licenciaturas Engª Civil & Engª Território - Vias de Comunicação 11 min 020 Perfis

Leia mais

São Paulo, 06 de Novembro de Ao: Departamento de Planejamento Cicloviário - CET/SMT-SP Ref: Projeto Cicloviário de Moema

São Paulo, 06 de Novembro de Ao: Departamento de Planejamento Cicloviário - CET/SMT-SP Ref: Projeto Cicloviário de Moema São Paulo, 06 de Novembro de 2011 Ao: Departamento de Planejamento Cicloviário - CET/SMT-SP Ref: Projeto Cicloviário de Moema A Ciclocidade - Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo, entidade fundada

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA INSTALAÇÃO UNIDADE DE MEDIÇÃO DE ÁGUA (U.M.A.) (DN 20 - Hidrômetro de 1,5 m3/h e 3,0 m3/h)

ORIENTAÇÃO PARA INSTALAÇÃO UNIDADE DE MEDIÇÃO DE ÁGUA (U.M.A.) (DN 20 - Hidrômetro de 1,5 m3/h e 3,0 m3/h) ORIENTAÇÃO PARA INSTALAÇÃO UNIDADE DE MEDIÇÃO DE ÁGUA (U.M.A.) (DN 20 - Hidrômetro de 1,5 m3/h e 3,0 m3/h) A presente orientação indica configurações de instalação da Unidade de Medição de Água (U.M.A.)

Leia mais

ACESSIBILIDADE CIDADES

ACESSIBILIDADE CIDADES ACESSIBILIDADE CIDADES PARA AS PESSOAS ACESSIBILIDADE É o direito de ir e vir: Em locais abertos e fechados, público e privado; Com autonomia(independência) e segurança; Sozinho ou acompanhado; e Por

Leia mais

PROJETO DE ESTRADAS Prof o. f D r D. An A de rson on Ma M nzo zo i

PROJETO DE ESTRADAS Prof o. f D r D. An A de rson on Ma M nzo zo i PROJETO DE ESTRADAS Prof. Dr. Anderson Manzoli CONCEITOS: O projeto de uma estrada em perfil é constituído de greides retos, concordados dois a dois por curvas verticais. Os greides retos são definidos

Leia mais

Circulação. Automóveis ligeiros, motociclos. Contra-Ordenação. Até 20 km/h 60 a 300 euros Leve. 20 a 40 km/h 120 a 600 euros Grave

Circulação. Automóveis ligeiros, motociclos. Contra-Ordenação. Até 20 km/h 60 a 300 euros Leve. 20 a 40 km/h 120 a 600 euros Grave Circulação VELOCIDADE - A velocidade mínima nas auto-estradas passa de 40 para 50 km/h. - Sanções em caso de excesso de velocidade: (ver quadro) Automóveis ligeiros, motociclos Excesso de velocidade Coima

Leia mais

Sinalização de segurança aplicada aos equipamentos e sistemas de proteção ativa

Sinalização de segurança aplicada aos equipamentos e sistemas de proteção ativa Sinalização de segurança aplicada aos equipamentos e sistemas de proteção ativa Extintores 2,1m 3 Os extintores devem ser convenientemente distribuídos, sinalizados sempre que necessário e instalados em

Leia mais

ELEMENTOS ESTRUTURAIS

ELEMENTOS ESTRUTURAIS ELEMENTOS ESTRUTURAIS Fundações Superficiais (diretas): blocos e sapatas Profundas: estacas e tubulões Pilares Pequena altura: maciços ou formados por fustes ligados por vigas transversais Grande altura:

Leia mais

ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS

ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS Ao final da aula deveremos... Reconhecer os elementos geométricos axiais e transversais; Conhecer e saber calcular azimutes, rumos e deflexões; Conhecer os tipos de curva

Leia mais

geometric justification

geometric justification Oct. >> Dec. Jan. >> Apr. Apr. >> Sep. 10 Ergonomic Validation geometric justification ) ) 25º 60º 280 mm 420 mm 280 mm 1 DIMENSIONAR O PAINEL SMAP...134 1.1 AS DIMENSÕES ANTROPOMÉTRICAS CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CELULARES DE CONCRETO Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-010/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros

Leia mais

Disciplina: Física Ano: 2º Ensino Médio Professora: Daniele Santos Lista de Exercícios 04 Cinemática Vetorial e Composição de Movimentos

Disciplina: Física Ano: 2º Ensino Médio Professora: Daniele Santos Lista de Exercícios 04 Cinemática Vetorial e Composição de Movimentos INSTITUTO GAY-LUSSAC Disciplina: Física Ano: 2º Ensino Médio Professora: Daniele Santos Lista de Exercícios 04 Cinemática Vetorial e Composição de Movimentos Questão 1. Um automóvel percorre 6,0km para

Leia mais

Objectivos do Plano de Semaforização

Objectivos do Plano de Semaforização Objectivos do Plano de Semaforização Assegurar condições de escoamento seguro dos fluxos motorizados e pedonais tempos de espera aceitáveis para veículos e peões Evitar Formação de filas de espera que

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL 2 MOVIMENTO PAULISTA DE SEGURANÇA NO TRÂNSITO O Movimento Paulista de Segurança no Trânsito é um programa do Governo do Estado de São Paulo que tem como objetivo reduzir as

Leia mais

PROJECTO DE EXECUÇÃO EN ARQUITECTURA

PROJECTO DE EXECUÇÃO EN ARQUITECTURA 1. Introdução O presente projecto de execução diz respeito à acção de requalificação, ao nível da arquitectura, do troço final da EN 202, na entrada da Vila de Arcos de Valdevez, compreendido entre a nova

Leia mais

Auditoria de Segurança Rodoviária e Revisão de Projectos de Estradas

Auditoria de Segurança Rodoviária e Revisão de Projectos de Estradas 4º Congresso Rodoviário Português Auditoria de Segurança Rodoviária e Revisão de Projectos de Estradas Eng. João Lourenço Cardoso Laboratório Nacional de Engenharia Civil Estrutura Oportunidades para melhoria

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA PARTAMENTO OBRAS E GESTÃO FICHA TÉCNICA 1. INTIFICAÇÃO Concepção/ Construção da Nova Ponte da Longra. 2. LOCALIZAÇÃO Localizada na ex-en 110-2, na ligação entre Ceira e Vendas de Ceira, sobre o Rio Ceira.

Leia mais

A cor verde do sinal à minha direita indica-me que circulo: A distância indicada no sinal de aproximação de saída é relativa:

A cor verde do sinal à minha direita indica-me que circulo: A distância indicada no sinal de aproximação de saída é relativa: Teste n.º 1 Tema I Sinais de Indicação 1 cor verde do sinal à minha direita indica-me que circulo: Num itinerário principal. Numa autoestrada. Numa estrada nacional. 2 distância indicada no sinal de aproximação

Leia mais

Estrada de Rodagem Curvas Concordância Vertical

Estrada de Rodagem Curvas Concordância Vertical Estrada de Rodagem Curvas Concordância Vertical Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (7) 9941-3300 1 Greide O greide consiste na representação do eixo da rodovia segundo o

Leia mais

Noções de Sinalização e Segurança Rodoviária

Noções de Sinalização e Segurança Rodoviária Noções de Sinalização e Segurança a Rodoviária Abordaremos... Vias Sinalização de Trânsito Horizontal Vertical Dispositivos auxiliares 2 Engenharia de Trânsito Objetivo Segurança Fluidez Conforto Significado

Leia mais

Empreitada n.º Execução das Redes de Saneamento de Benavente Rua Alexandre Herculano Samora Correia

Empreitada n.º Execução das Redes de Saneamento de Benavente Rua Alexandre Herculano Samora Correia Dono de Obra Entidade Executante AR Águas do Ribatejo, EM, S.A. PROTECNIL - Sociedade Técnica de Construções, S.A. PROJECTO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NA EMPREITADA Empreitada

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA REDE DE COLETA DE ESGOTO E DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE AGUA DA RUA SETE DE SETEMBRO

CONSTRUÇÃO DA REDE DE COLETA DE ESGOTO E DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE AGUA DA RUA SETE DE SETEMBRO MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DA REDE DE COLETA DE ESGOTO E DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE AGUA DA RUA SETE DE SETEMBRO Rede de água 1-DETERMINAÇÕES CONSTRUTIVAS A Empresa responsável pela execução das redes

Leia mais

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO TRABALHO PRÁTICO MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO Objectivo - Este trabalho tem como objectivo a familiarização com alguns dos equipamentos e técnicas de medida

Leia mais

NORMAS ELEVADORES E DE ACESSIBILIDADE

NORMAS ELEVADORES E DE ACESSIBILIDADE ELEVADORES E S DE ACESSIBILIDADE Arquitetos e profissionais da construção civil tendem a começar suas pesquisas sobre acessibilidade buscando informações na 9050 ABNT NBR 9050:2015 Acessibilidade a edificações,

Leia mais

INTERSEÇÕES PROJETO GEOMÉTRICO

INTERSEÇÕES PROJETO GEOMÉTRICO 1 Conceitos básicos (SATCC) Umaintersecção éumaparteimportantede umaredede estradas, porque a segurança, a velocidade e o custo da operação de veículos na rede são altamente influenciados pela eficácia

Leia mais

A manobra de inversão do sentido de marcha é permitida neste local?

A manobra de inversão do sentido de marcha é permitida neste local? A manobra de inversão do sentido de marcha é permitida neste local? Não, a sinalização existente na via não me permite efectuar a manobra. Sim, a sinalização existente na via permite-me efectuar a manobra.

Leia mais

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Workshop Regional U.M. BRAGA 10 ABRIL 2012 SUMÁRIO Compromissos Estudos e avaliação Intervenções Financiamento e Cooperação Institucional Desafios para Municípios COMPROMISSOS A

Leia mais

2. Uma escada apoiada em uma parede forma, com ela, um ângulo de 30 o. Determine o comprimento da escada, sabendo que a mesma esta a 3 m da parede:

2. Uma escada apoiada em uma parede forma, com ela, um ângulo de 30 o. Determine o comprimento da escada, sabendo que a mesma esta a 3 m da parede: 1. Um ciclista partindo de um ponto A, percorre 21 km para o norte; a seguir, fazendo um ângulo de 90, percorre mais 28 km para leste, chegando ao ponto B. Qual a distância, em linha reta, do ponto B ao

Leia mais

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1 PEÇAS ESCRITAS: ÍNDICE 6.1 - INTRODUÇÃO... 1 6.2.1 BARREIRAS ACÚSTICAS... 2 6.2-1.1 LOCALIZAÇÃO... 2 6.2-1.2 CARACTERÍSTICAS ACÚSTICAS... 2 6.2-2.1.1 BARREIRA B1- BARREIRA REFLECTORA... 2 6.2-1.3 CONDIÇÕES

Leia mais

Regras de trânsito do Japão para pedestres e ciclistas

Regras de trânsito do Japão para pedestres e ciclistas Regras de trânsito do Japão para pedestres e ciclistas Regras básicas de trânsito Regras básicas para pedestres Regras básicas para ciclistas Tem ocorrido frequentes acidentes de trânsito em Aichi e também

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DO TROÇO IP 3 MORTÁGUA EN228 / RAIVA IC6 RESUMO NÃO TÉCNICO

PLANO DE ACÇÃO DO TROÇO IP 3 MORTÁGUA EN228 / RAIVA IC6 RESUMO NÃO TÉCNICO PLANO DE ACÇÃO DO TROÇO IP 3 MORTÁGUA EN228 / RAIVA IC6 RESUMO NÃO TÉCNICO Abril de 2013 IP 3 - Mortágua (EN 228) / Raiva (IC 6). Resumo do Plano de Acção ÍNDICE DE TEXTO Pág. 1 - CONSIDERAÇÕES GERAIS...

Leia mais

FERRAMENTAS DE MARKETING

FERRAMENTAS DE MARKETING FERRAMENTAS DE MARKETING 1 EXTERIOR Passadeira Exterior Entrada Principal 4 4 INTERIOR Check-In de Acesso à feira Roll-Up Colunas Foyer Colunas Redondas Planta da Feira Prisma Central Display Digital Alcatifa

Leia mais

Exame - tipo Parte Teórica

Exame - tipo Parte Teórica 1/7 duração: 60 minutos NOME: Nº aluno: Sem consulta e sem calculadora 1 - (4,0) Complete, no enunciado, as frases, usando uma das sugestões entre parêntesis (um erro pode descontar se a frase deixar de

Leia mais

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas RAMPAS: conceito De acordo com a Pontifícia Universidade Católica (2009), as rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação

Leia mais

Quebra- molas de borracha

Quebra- molas de borracha Quebra- molas de borracha DH-SP-28 Bordas redondas em ambas as extremidades dos redutores de velocidade. O material pré- colorido (preto/ amarelo) oferece coloração permanente não havendo necessidade de

Leia mais

A Importância das Medidas de Acalmia de Tráfego na Redução da Sinistralidade Rodoviária

A Importância das Medidas de Acalmia de Tráfego na Redução da Sinistralidade Rodoviária UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Engenharia A Importância das Medidas de Acalmia de Tráfego na Redução da Sinistralidade Rodoviária André Vicente Alexandre Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em

Leia mais

Bicicleta nas cidades. Carsten Wass

Bicicleta nas cidades. Carsten Wass Bicicleta nas cidades Carsten Wass AGOSTO - 2014 Experiência da Dinamarca Bicicletas na Dinamarca Percentual de viagens de bicicleta Bicicleta Outros EUA 1 99 Dinamarca 18 82 Holanda 27 73 Cultura ciclista

Leia mais