CALÇAdA cidada. Conheça as regras para pavimentar sua calçada.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CALÇAdA cidada. Conheça as regras para pavimentar sua calçada."

Transcrição

1 CALÇAdA cidada

2 Essa publicação tem por objetivo divulgar o regramento de construção e manutenção das calçadas da cidade de Canoas.

3 Apresentação Cuidar de sua calçada é um sinal de amor à cidade e de respeito às pessoas. O projeto Calçada Cidadã é uma iniciativa da Prefeitura de Canoas, para conscientizar a população sobre a importância das calçadas da cidade, e para esclarecer o papel de cada um no processo de construção e manutenção do passeio público.

4 Canoas mais bonita e acessível. O Programa Calçada Cidadã quer contribuir para melhorar a paisagem urbana, a acessibilidade e a socialização dos espaços públicos. A conquista da acessibilidade para as pessoas com dificuldade de locomoção ou com deficiência, beneficia toda a população. Compartilhar espaços públicos de qualidade e que permitem uma circulação segura e confortável é uma conquista de toda sociedade. Responsabilidade: A pavimentação e a conservação da calçada deverão ser executadas pelo proprietário ou possuidor do imóvel. Dúvidas e orientações: Central de Atendimento ao Cidadão da Prefeitura de Canoas Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação (51)

5 Regulamentação Em abril de 2013, foi regulamentada a lei nº 5.341/2008, sobre o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano Ambiental, através do decreto nº 145 de 2013, que estabelece um novo padrão de fiscalização para as calçadas da cidade de Canoas. Para garantir maior segurança e conforto aos pedestres, a regulamentação sobre a lei estabelece parâmetros importantes: I - De acessibilidade: garantia de mobilidade e acessibilidade para todos os usuários, assegurando o acesso, principalmente, de idosos e pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida; II - De segurança: as calçadas deverão ser projetadas e implantadas de forma a não causar riscos de acidentes, minimizando-se as interferências decorrentes da instalação do mobiliário urbano, dos equipamentos de infraestrutura e do uso das edificações; III - De rotas acessíveis: as calçadas deverão possibilitar rotas acessíveis, concebidas de forma contínua e sem obstáculos, privilegiando sempre o pedestre; IV - Da utilidade: o passeio público deve ser projetado de forma a estimular sua utilização, facilitando os destinos e integrando-se às diversas formas de mobilidade urbana. V - Da padronização: observar a uniformidade e a harmonia visual da paisagem urbana em que se localizam. Veja a lei, decreto e regulamentação completos no

6 Como são as 3 faixas? Faixa de Serviço: Destinada à colocação de árvores, rampas de acesso para pessoas com deficiências e para veículos, poste de iluminação, tampas de inspeção, grelhas de exaustão, sinalização de trânsito e mobiliário urbano. Deverá ter 1,00 m (um metro) de largura, medida a partir da face externa do meio fio, ter inclinação transversal constante, não superior a 8,33% e o revestimento atenderá o zoneamento em que estiver localizado. Faixa Livre: Destinada exclusivamente à circulação de pedestres. Deve estar livre de quaisquer desníveis, obstáculos físicos, temporários ou permanentes ou vegetação. Deve atender às seguintes características: possuir superfície regular, firme, contínua e antiderrapante sob qualquer condição; possuir largura mínima de 1,50m (um metro e cinquenta centímetros); ter inclinação transversal constante, não superior a 3% (três por cento); ser contínua, sem qualquer emenda, reparo ou fissura. Em qualquer intervenção, o piso deverá ser reparado em toda a sua largura seguindo o modelo original; possuir faixa de piso tátil conforme NBR 9050/04 - Lei de Acessibilidade. Faixa de Acesso: Área em frente ao seu imóvel ou terreno, onde pode estar a vegetação, rampas, toldos, propaganda e mobiliário móvel (mesas de bar e floreiras) desde que não impeçam o acesso aos imóveis. É uma faixa de apoio à sua propriedade e sua inclinação transversal constante não pode ser superior a 8,33% (oito vírgula trinta e três por cento).

7 Zona Comercial

8 Como ficam as esquinas? A esquina precisa estar desobstruída para permitir a circulação e a permanência de pedestres. Além das especificações comuns às calçadas, as esquinas ainda devem possuir rampas de acesso às faixas de travessia de pedestres. Devem ser observadas as especificações: mobiliário de grande porte, como bancas de jornais, devem estar, no mínimo, a 10 metros das esquinas; mobiliários de médio e pequeno porte como telefones, lixeiras, entre outros, precisam ficar a 5 metros das esquinas. Detalhe Cruzamento PISO ANTIDERRAPANTE FAIXA DE ACESSO RAMPA EM CONCRETO R: 5m RUA (ASFALTO) FAIXA DE PEDESTRES PISO TÁTIL DIRECIONAL

9 10% 1,5 0,25 Detalhe Rampas de esquinas ALINHAMENTO PREDIAL PISO ANTIDERRAPANTE conforme decreto 145/13 0,15 1,41 0,25 CONCRETO PISO TÁTIL DE ALERTA 25X25cm 1,20 1,50 1,20 1,50 0,00 4,20 FAIXA DE PEDESTRES 0,50 0,50

10 VAR 1,50 1,00 1,00 Elementos que compõem a calçada FAIXA DE ACESSO VAR 2,5 1,50 TIPO DE PISO CONFORME ZONEAMENTO DEC. 145/13 PISO TÁTIL DIRECIONAL FAIXA DE SERVIÇO ACESSO VEÍCULOS ACESSO VEÍCULOS ACESSO VEÍCULOS MEIO FIO FAIXA DE SERVIÇO PISO TÁTIL DIRECIONAL 2,50 FAIXA DE ACESSO

11 Detalhe faixa livre PISO TÁTIL DIRECIONAL COR AMARELA BLOCO INTERTRAVADO COR NATURAL ALINHAMENTO PREDIAL FAIXA DE ACESSO VAR FAIXA LIVRE (CIRCULAÇÃO DE PEDESTRES) 0,50 ACESSO DE VEÍCULOS FAIXA DE SERVIÇO MOBILIÁRIO URBANO 0,85 1,50 1,00 MEIO FIO 0,15 PISO ANTIDERRAPANTE PISO TÁTIL DE ALERTA COR AMARELO

12 Que tipo de piso usar? Foram definidos 5 (cinco) tipos de piso a serem utilizados nas áreas determinadas abaixo: Áreas comerciais e mistas - faixa livre (1,5 m) bloco intertravado; basalto regular; concreto moldado in loco antiderrapante A faixa de serviço (1m a partir do meio fio) e a faixa de acesso deverão ser pavimentadas. Áreas residenciais - faixa livre (1,5 m) bloco intertravado de concreto; basalto regular; piso modular de concreto (40 x 40 cm). A faixa de serviço (1m a partir do meio fio) deverá ser uma área permeável, sem pavimentação. Áreas das Zonas Zeis (vilas populares) - Zonas Especiais de Interesse Social demarcadas para assentamentos habitacionais: bloco intertravado; basalto regular; basalto irregular; piso modular concreto (40 x40 cm); laje de grês. A faixa de serviço (1m a partir do meio fio) deverá ser uma área permeável, sem pavimentação. A faixa de acesso deverá ser pavimentada. Áreas Industriais - faixa livre (1,5 m) bloco intertravado; piso modular concreto (40 x 40 cm). A faixa de serviço (1m a partir do meio fio) deverá ser uma área permeável, sem pavimentação. A faixa de acesso deverá ser, preferencialmente, permeável se a faixa de serviço atingir 30% da área da calçada.

13 Pavimento intertravado Ecologicamente correto O piso intertravado está presente no mercado brasileiro em grande intensidade devido à sua facilidade de assentamento, melhor permeabilidade e conforto térmico em relação ao asfalto, à possibilidade de remoção e posterior reassentamento. Além de cores variadas que proporcionam diferentes designs, atende a necessidade da maior parte dos transeuntes, pois corrige desníveis entre um passeio e outro com eficiência. É antiderrapante e possui linhas especiais que auxiliam na locomoção dos portadores de deficiência visual.

14 Pisos especiais: Os pisos táteis são faixas em alto relevo, fixados ao chão, que servem para orientar pessoas com deficiência visual ou baixa visão, possibilitando autonomia para circular com segurança pela cidade. Piso tátil direcional: A função do piso tátil direcional é orientar o trajeto das pessoas com deficiência visual ou com baixa visão. Ele é instalado formando uma faixa que acompanha o sentido do deslocamento e tem a largura variando entre 25 cm a 60 cm. O piso direcional deve ser usado em calçadas largas e de grande circulação, indicando o caminho a ser percorrido. Piso tátil de alerta: É usado para sinalizar situações que envolvem risco de segurança. Esse piso deverá ser de cor contrastante com a da calçada. Alerta a presença de obstáculos tais como caixas de correio, telefones públicos, placas, entre outros. O regramento da instalação deste piso prevê, no caso de obstáculos suspensos (entre 60 cm e 210 cm) com bases menores que sua parte superior, que a calçada esteja sinalizada em um raio mínimo de 60 cm em volta do objeto.

15 Zona Residencial - detalhe piso tátil em entradas de garagem

16 A importância das árvores O plantio de árvores na calçada proporciona sombra, reduz o calor, diminui os ruídos da rua, atrai a fauna que encontra abrigo e alimento, melhora a qualidade do ar e a qualidade de vida da população. Além disso, elas embelezam e podem criar uma identidade para sua rua. Porém, não é qualquer rua que pode receber arborização: ela não é recomendada em ruas muito úmidas ou com calçadas muito estreitas (menores que 1,8m). O plantio de árvores de espécies inadequadas pode trazer prejuízos à rede elétrica, destruir o calçamento e impedir o trânsito de pedestres e automóveis. 1,0 m 1,0 m Observe se em sua calçada há postes de rede elétrica. Neste caso, não plante árvores com copas grandes. As raízes não podem ser agressivas, para que não danifiquem a pavimentação ou as redes subterrâneas. Os canteiros deverão ter, pelo menos, 1 metro quadrado e o tronco da árvores deve estar a 50 centímetros do meio-fio. Cerque seu canteiro com uma mureta de 10 centímetros de altura, feita de tijolos ou concreto, a fim de sinalizar sua existência ao deficiente visual.

17 Consulte a Secretaria Municipal do Meio Ambiente A SMMA deve ser consultada em caso de dúvidas sobre procedimentos referentes às podas e ao plantio de árvores. Não esqueça: Usar tutores para a proteção das mudas. Eles impedem que a árvore quebre ou cresça torta sobre a rua ou sobre as casas. Se as ruas tiverem circulação de ônibus e caminhões, as copas não devem interferir no trânsito. As podas são importantes, devendo acompanhar a forma das árvores e impedindo ramos na altura do rosto dos pedestres. Central de Atendimento ao Cidadão (CAC) Diretoria de Liberação e Fiscalização (DLF/ SMDUH) - (51) SMDUH: Rua Monte Castelo, 340. Bairro Nossa Senhora das Graças - Canoas/RS

18 Situações que devem ser evitadas Toco de árvore e veículo Degrau na calçada Materiais de construção Piso escorregadio

19 Legislação Específica NBR /2004 Lei /12/2000 Estabelece normas gerais e critérios básicos para promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida. Legislação Municipal Lei 3.979/ Código de Obras de Canoas. Lei 5.348/ Plano Diretor Urbano Ambiental (PDUA Canoas). Decreto 145/ Regulamenta os artigos AREs 172,173,174,175 e 176. Lei 5.341/2008

20

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e, Publicado em 29 de dezembro de 2012 DECRETO N 11295/2012 Regulamenta a Lei nº 2.624, de 29 de dezembro de 2008, no que trata dos passeios públicos do Município de Niterói, instituindo a obrigatoriedade

Leia mais

Guia de acessibilidade

Guia de acessibilidade Piso tátil Resumo do guia de calçadas de Campo Grande, para dar maior apoio e informação aos nossos clientes, sobre elaboração e execução das calçadas conforme a legislação da capital, atendendo as condições

Leia mais

DECRETO Nº 20.604 DE 20 DE AGOSTO DE 2004

DECRETO Nº 20.604 DE 20 DE AGOSTO DE 2004 Publicado no DOM de 2108/2004 DECRETO Nº 20.604 DE 20 DE AGOSTO DE 2004 EMENTA: Regulamenta a Lei nº. 16.890, de 11 de agosto de 2003, que altera a seção IV do capítulo II, título IV da Lei 16.292, de

Leia mais

Projeto realizado em disciplina no curso de Engenharia Civil da Unijuí. 2

Projeto realizado em disciplina no curso de Engenharia Civil da Unijuí. 2 ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE EM CALÇADAS E PASSEIOS NO MUNICÍPIO DE BOA VISTA DO BURICÁ 1 ANALYSIS OF ACCESSIBILITY IN FOOTWEAR AND TOURS IN THE MUNICIPALITY OF BOA VISTA DO BURICÁ Carla Letícia Hunhoff 2,

Leia mais

SUMARIO SINALIZAÇÃO TÁTIL DE PISO NORMA NBR PISO TÁTIL PISO TÁTIL DE ALERTA... 02

SUMARIO SINALIZAÇÃO TÁTIL DE PISO NORMA NBR PISO TÁTIL PISO TÁTIL DE ALERTA... 02 SUMARIO 1.0.0 SINALIZAÇÃO TÁTIL DE PISO... 02 1.1.1 NORMA NBR 9050... 02 1.2.0 PISO TÁTIL... 02 1.2.1 PISO TÁTIL DE ALERTA... 02 1.2.2 PISO TÁTIL DE DIRECIONAL... 03 1.3.0 COMPOSIÇÃO DOS PISOS TÁTEIS DE

Leia mais

MANUAL PARA CONSTRUÇÃO DE CALÇADAS

MANUAL PARA CONSTRUÇÃO DE CALÇADAS MANUAL PARA CONSTRUÇÃO DE CALÇADAS Programa ELABORAÇÃO AMAVI COPLAN - COLEGIADO DE PLANEJAMENTO TERRITORIAL PROGRAMA CALÇADAS DO ALTO VALE ATENÇÃO: ESCOLHA AS ÁRVORES QUE EVITAM PROBLEMAS DE INTERFERÊNCIAS:

Leia mais

MANUAL PARA CONSTRUÇÃO DE CALÇADAS

MANUAL PARA CONSTRUÇÃO DE CALÇADAS MANUAL PARA CONSTRUÇÃO DE CALÇADAS Programa ELABORAÇÃO AMAVI COPLAN - COLEGIADO DE PLANEJAMENTO TERRITORIAL PROGRAMA CALÇADAS DO ALTO VALE Apresentação Atualmente os pedestres que caminham pelas calçadas

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO SETEC RI nº. 1188 PARECER TÉCNICO INTERESSADA: Promotoria de Justiça de Itapevi INQUÉRITO CIVIL: nº. 25/07 ASSUNTO: Acessibilidade às pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, no local conhecido

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA M I N I S T É R I O P Ú B L I C O F E D E R A L PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADORIAS DA REPÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ações implementadas para a obtenção da acessibilidade

Leia mais

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado;

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado; LAUDO DE 3 DE JULHO DE 2013 1. CALÇADAS Não havia sinalização com piso tátil de alerta junto às entradas de alguns dos estacionamentos, em desacordo com a NBR 9050, bem como não havia sinalização sonora

Leia mais

ABNT NBR 9050/04 Reunião de revisão da Norma de Acessibilidade Item 6 Acessos e Circulação

ABNT NBR 9050/04 Reunião de revisão da Norma de Acessibilidade Item 6 Acessos e Circulação ABNT NBR 9050/04 Reunião de revisão da Norma de Acessibilidade Item 6 Acessos e Circulação Resumo Reunião dia 30/07/08 Para dar início aos trabalhos, é preciso ter em mente que a ABNT tem como objetivo

Leia mais

119/2005. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES. Seção I. Das calçadas

119/2005. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES. Seção I. Das calçadas PROJETO DE LEI Nº 174/2005 Padroniza as calçadas no Município de Foz do Iguaçu e dá outras providências. Autor:Prefeito 119/2005 Municipal mensagem nº A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná,

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE TAUÁ Administração Fazendo Acontecer

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE TAUÁ Administração Fazendo Acontecer LEI MUNICIPAL Nº 1425 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2006. ASSEGURA DIREITOS ÀS PESSOAS DEFICIENTES E IDOSOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A PREFEITA MUNICIPAL DE TAUÁ, no uso de suas atribuições legais: Lei: Faço saber

Leia mais

DAS CALÇADAS DESENHO, ACESSIBILIDADE E MOBILIDADE

DAS CALÇADAS DESENHO, ACESSIBILIDADE E MOBILIDADE DAS CALÇADAS DESENHO, ACESSIBILIDADE E MOBILIDADE NRM U-20001 15/06/2016 FINALIDADE: Regulamentar os arts. 18, 22, e o único do art. 30, da LC nº. 1.045/2016. ORIGEM: LC 1.045/2016; NBR Nº 9.050/2015;

Leia mais

PASSEIOS PÚBLICOS: CUIDADOS NA CONSTRUÇÃO E PAVIMENTAÇÃO 1

PASSEIOS PÚBLICOS: CUIDADOS NA CONSTRUÇÃO E PAVIMENTAÇÃO 1 PASSEIOS PÚBLICOS: CUIDADOS NA CONSTRUÇÃO E PAVIMENTAÇÃO 1 Júlia Regina Magni 2, Bruna Thays Uhde 3, Tarcisio Dorn De Oliveira 4. 1 Trabalho desenvolvido na disciplina de Urbanismo do curso de Engenharia

Leia mais

ACESSIBILIDADE Arq. Paula Dias

ACESSIBILIDADE Arq. Paula Dias ACESSIBILIDADE DESENHO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de uso, com segurança, autonomia e independência de edificações, espaços, mobiliários, vias públicas, equipamentos urbanos e de

Leia mais

Arquiteta Silvana Cambiaghi

Arquiteta Silvana Cambiaghi Novo ambiente regulatório nos projetos de arquitetura Revisão da NBR 9050:2015 Lei Brasileira da Inclusão nº. 13.146/2015 Arquiteta Silvana Cambiaghi ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de alcance,

Leia mais

Ambientes. Acessibilidade ao edifício

Ambientes. Acessibilidade ao edifício Acessibilidade ao edifício PROGRAMA ARQUITETÔNICO MÓDULO BÁSICO DATA Ciclo I - Ciclo II - Ensino Médio M1 - M2 - M3 - M4 - M5 - M6 Outubro/ 2008 Ambientes DIRETRIZES DE PROJETO Os aspectos de acessibilidade

Leia mais

Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a).

Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a). Anexo A 96 DIRECTIVIDADE ATRATIVIDADE CONFORTO COERÊNCIA SEGURANÇA Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a). Nível de segurança social do entorno

Leia mais

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 2.967, DE 2 DE MARÇO DE 2010.

LEI MUNICIPAL Nº 2.967, DE 2 DE MARÇO DE 2010. LEI MUNICIPAL Nº 2.967, DE 2 DE MARÇO DE 2010. Dispõe sobre a execução e manutenção de calçadas, o rebaixamento de meio-fio sinalização dos acessos de veículos, em lotes e em edificações residenciais,

Leia mais

CARAVANA DA INCLUSÃO, ACESSIBILIDADE E CIDADANIA

CARAVANA DA INCLUSÃO, ACESSIBILIDADE E CIDADANIA CARAVANA DA INCLUSÃO, ACESSIBILIDADE E CIDADANIA GUIA DE ACESSIBILIDADE EM LOCAIS DOS EVENTOS UVESP União de Vereadores do Estado de São Paulo Luiz Baggio Neto Este guia prático de Acessibilidade foi preparado

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios Normas pertinentes NBR 9077/1993-2001 (Saídas de Emergência em

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ACESSIBILIDADE ARQ. CÉSAR LUIZ BASSO

MEMORIAL DESCRITIVO ACESSIBILIDADE ARQ. CÉSAR LUIZ BASSO MEMORIAL DESCRITIVO ACESSIBILIDADE RESPONSÁVEL: ARQ. CÉSAR LUIZ BASSO CREA/CAU: A5819-0 CONTRATANTE: OBRA: CAMPUS EIRUNEPÉ LOCAL: AMAZONAS 1 CONTROLE DE REVISÕES REVISÃO DATA DESCRIÇÃO 00 26/08/2016 EMISSÃO

Leia mais

O Uso de Lombas e Plataformas como Medidas de Acalmia de Tráfego

O Uso de Lombas e Plataformas como Medidas de Acalmia de Tráfego Estoril, 5 a 7 de Abril 2006 O Uso de Lombas e Plataformas como Medidas de Acalmia de Tráfego Ana Bastos Silva, Prof. Auxiliar Dep. Engª Civil da FCTUC da Universidade de Coimbra Alvaro Seco, Prof. Associado

Leia mais

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação;

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação; RESOLUÇÃO CPA/SMPED-G/015/2008 A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua 43ª Reunião Ordinária do corrente ano, realizada em 14 de novembro de 2008, Considerando as disposições do Decreto Municipal

Leia mais

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II Prof. Dr. André L. Gamino Araçatuba Setembro - 2013 1 Acessibilidade a Edificações 1.1 Introdução A norma brasileira

Leia mais

AJARGO - ASSOCIAÇÃO JARDINS DO LAGO - QUADRA 01 NORMAS DE PROCEDIMENTO

AJARGO - ASSOCIAÇÃO JARDINS DO LAGO - QUADRA 01 NORMAS DE PROCEDIMENTO Folha 1/3 Nome do Arquivo: 1. OBJETIVOS Estabelecer sistemática de aprovação de projetos para que se enquadrem nas normas estabelecidas, dentro do Regulamento Interno e Restrições Urbanísticas (Cap. VIII

Leia mais

Aula 07 Acessibilidade

Aula 07 Acessibilidade Aula 07 Acessibilidade Sumário 1. Introdução 2. Instalações e equipamentos Portas Cozinha Copa / Refeições Sala de estar Banheiro Piso Tátil Elevadores Rampas Cadeiras Elevadoras Plataformas Elevadoras

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO 1. CALÇADA ANEXO II ROTEIRO BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO ELEMENTOS DO PROJETO DE ACESSIBILIDADE a) Faixa livre para pedestre com

Leia mais

6.2 ACESSOS - Condições gerais

6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2.1 Nas edificações e equipamentos urbanos todas as entradas devem ser acessíveis, bem como as rotas de interligação às principais funções do edifício. 6.2.2 Na adaptação

Leia mais

Guia Prático para Construção de Calçadas

Guia Prático para Construção de Calçadas Guia Prático para Construção de Calçadas Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Urbano 19 3851.7021/ 3851.7022 E-mail: : spdu-contato@mogiguacu.sp.gov.br Introdução A acessibilidade é um direito

Leia mais

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo http://www.bancodobrasil.com.br 1 DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.6 Arquitetura - Urbanismo Sumário 1. OBJETIVO... 2 2. CONDIÇÕES GERAIS... 2 3. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 2 3.1 Lado Terra...

Leia mais

GUIA PARA UMA CALÇADA LEGAL E ACESSÍVEL

GUIA PARA UMA CALÇADA LEGAL E ACESSÍVEL GUIA PARA UMA CALÇADA LEGAL E ACESSÍVEL O QUE É A AÇÃO MINHA CALÇADA? É mais uma das ações da Prefeitura, dentro do movimento Porto Alegre: Eu Curto, Eu Cuido, que tem como principal objetivo conscientizar

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 6. Métodos e procedimentos de execução...4

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Figura 01: Meio fio de concreto

MEMORIAL DESCRITIVO. Figura 01: Meio fio de concreto MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO: MELHORIAS CALÇADAS QUADRA CENTRO ADMINISTRATIVO PROPRIETÁRIO: PREFEITURA MUNICIPAL SERAFINA CORRÊA-RS LOCALIZAÇÃO: QUADRA COMPREENDIDA ENTRE RUA ORESTES ASSONI, RUA CASTELO

Leia mais

LEI N.º10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000

LEI N.º10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 LEI N.º10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências.

Leia mais

TÁTILINOX ACESSIBILIDADE

TÁTILINOX ACESSIBILIDADE A TÁTILINOX ACESSIBILIDADE situada em São Bernardo do Campo, região metropolitana de São Paulo, iniciou suas atividades no ano de 2009, atuando no desenvolvimento de produtos especialmente para pessoas

Leia mais

PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA MEMORIAL DESCRITIVO Obra: PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO RUA HUGO HARTMANN TRECHO II Local: MUNICIPIO DE CAPITAO/RS O presente memorial tem por finalidade estabelecer os materiais

Leia mais

Como NÃO construir uma calçada acessível Ter, 13 de Outubro de :54

Como NÃO construir uma calçada acessível Ter, 13 de Outubro de :54 Basta darmos uma voltinha pela cidade para sentirmos uma certa dificuldade em passarmos livremente pelas calçadas. Se você estiver com um carrinho de bebê então já começa a ficar complicado: desvia daqui

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia:

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: Projeto arquitetônico da edificação: além de observar, no que cabe, as leis de

Leia mais

Seminário de Mobilidade Urbana e Acessibilidade 23/11/2016

Seminário de Mobilidade Urbana e Acessibilidade 23/11/2016 Seminário de Mobilidade Urbana e Acessibilidade 23/11/2016 Lei de Uso e Ocupação do Solo Paulo Roberto Secretário de Planejamento Ponte Nova 31 99989-1636 23/11/2016 Mobilidade Urbana: é a condição em

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO DE PASSEIO EM CALÇADA DE CONCRETO (6.261,89 M²) DIVERSAS RUAS - CONJ. HAB. PREF. JOSÉ NEVES FLORÊNCIO

PAVIMENTAÇÃO DE PASSEIO EM CALÇADA DE CONCRETO (6.261,89 M²) DIVERSAS RUAS - CONJ. HAB. PREF. JOSÉ NEVES FLORÊNCIO PAVIMENTAÇÃO DE PASSEIO EM CALÇADA DE CONCRETO (6.261,89 M²) DIVERSAS RUAS - CONJ. HAB. PREF. JOSÉ NEVES FLORÊNCIO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS. Fabia Roberta P. Eleutério

Leia mais

Manual de implantação de Paraciclos Diretoria de Trânsito e Transportes

Manual de implantação de Paraciclos Diretoria de Trânsito e Transportes Em conformidade com a Politica Nacional de Mobilidade Urbana a Prefeitura Municipal de Bauru objetiva a criação de espaços adequados ao estacionamento de bicicletas, de modo a favorecer o transporte individual

Leia mais

DECRETO Nº 2.377, DE 16 DE AGOSTO DE 2006. Dispõe sobre o plantio e manejo de árvores no município e dá outras providências.

DECRETO Nº 2.377, DE 16 DE AGOSTO DE 2006. Dispõe sobre o plantio e manejo de árvores no município e dá outras providências. DECRETO Nº 2.377, DE 16 DE AGOSTO DE 2006. Dispõe sobre o plantio e manejo de árvores no município e dá outras providências. Itamar Borges, Prefeito da Estância Turística de Santa Fé do Sul, Estado de

Leia mais

ESTUDO DA ACESSIBILIDADE: BIBLIOTECA E RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ. Marcelo Lemos Barini 1

ESTUDO DA ACESSIBILIDADE: BIBLIOTECA E RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ. Marcelo Lemos Barini 1 ESTUDO DA ACESSIBILIDADE: BIBLIOTECA E RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ RESUMO Marcelo Lemos Barini 1 Thiago Morais de Castro 2 Fernanda Antonio Simões 3 Bruno Luiz Domingos

Leia mais

Regramento para a instalação e o uso de extensão temporária de passeio público (parklet)

Regramento para a instalação e o uso de extensão temporária de passeio público (parklet) Regramento para a instalação e o uso de extensão temporária de passeio público (parklet) Art. 1º. A instalação e o uso de extensão temporária de passeio público, denominada parklet, ficam regulamentados

Leia mais

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas RAMPAS: conceito De acordo com a Pontifícia Universidade Católica (2009), as rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação

Leia mais

ACESSIBILIDADE CIDADES

ACESSIBILIDADE CIDADES ACESSIBILIDADE CIDADES PARA AS PESSOAS ACESSIBILIDADE É o direito de ir e vir: Em locais abertos e fechados, público e privado; Com autonomia(independência) e segurança; Sozinho ou acompanhado; e Por

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DE FOZ DO IGUAÇU - PR NA PADRONIZAÇÃO DAS CALÇADAS. Engª Pricila Bevervanço Mantovani

A EXPERIÊNCIA DE FOZ DO IGUAÇU - PR NA PADRONIZAÇÃO DAS CALÇADAS. Engª Pricila Bevervanço Mantovani A EXPERIÊNCIA DE FOZ DO IGUAÇU - PR NA PADRONIZAÇÃO DAS CALÇADAS Engª Pricila Bevervanço Mantovani PROJETO CALÇADAS O PROJETO CALÇADAS do Município de Foz do Iguaçu apresenta um conceito moderno para a

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO RUA SÃO LEOPOLDO. MEMORIAL DESCRITIVO Nq 01 TRÊS DE MAIO. Anexo I. 9". p 09 _. Prefeitura Municipal de

PAVIMENTAÇÃO RUA SÃO LEOPOLDO. MEMORIAL DESCRITIVO Nq 01 TRÊS DE MAIO. Anexo I. 9. p 09 _. Prefeitura Municipal de Prefeitura Municipal de TRÊS DE MAIO Anexo I MEMORIAL DESCRITIVO Nq 01 PAVIMENTAÇÃO RUA SÃO LEOPOLDO Doe órgãos, doe sangue: Salve vidas. Rua Minas Gerais. 4g _ 9". p 09 _ Fone: (55) 3535-1tzz - raxi is{)gõïsãzs

Leia mais

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- DECRETO EXECUTIVO Nº

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- DECRETO EXECUTIVO Nº DECRETO EXECUTIVO Nº..., DE... DE JULHO DE 2011 legais, Instituiu o Programa Caminhe Legal, que trata da padronização dos Passeios Públicos no Município de Santa Maria. O PREFEITO MUNICIPAL DE SANTA MARIA,

Leia mais

MUNICÍPIO DE ERECHIM PREFEITURA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE ERECHIM PREFEITURA MUNICIPAL MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PASSEIO PÚBLICO PROPRIETÁRIO: LOCAL: RUA COMANDANTE HENRIQUE SALOMONI, CENTRO ERECHIM - RS TEMPO ESTIMADO DE EXECUÇÃO: 90 DIAS 1 Observações: A obra deverá ser entregue limpa,

Leia mais

ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS

ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS Índice Apresentação 06 O que precisa ser adaptado 07 O custo das adaptações 10 Sinalização 12 Piso 14 Sinalização do piso 16 Rampas 18 Como deve ser uma

Leia mais

COMO CONSTRUIR SUA CALÇADA

COMO CONSTRUIR SUA CALÇADA PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA HIDROMINERAL DE AMPARO COMO CONSTRUIR SUA CALÇADA Guia Prático para deixar nossa cidade ainda mais bonita e acessível ÍNDICE A Prefeitura Municipal de Amparo, vem, através

Leia mais

Bairro das Olaias. Largo Roque Laia, Lotes 1 a 6. Setembro de 2014

Bairro das Olaias. Largo Roque Laia, Lotes 1 a 6. Setembro de 2014 Bairro das Olaias Largo Roque Laia, Lotes 1 a 6 Setembro de 2014 OBJETIVO Com o objetivo de dar continuidade às ações desenvolvidas no âmbito do PIPARU - Programa de Investimento Prioritário em Ações de

Leia mais

Soluções Viárias Lombadas Quebra-Molas

Soluções Viárias Lombadas Quebra-Molas Soluções Viárias Lombadas Quebra-Molas O objetivo dessa categoria é oferecer lombadas quebra-molas visando a diminuição da velocidade média dos veículos e, assim sendo, trazer maior segurança no transito

Leia mais

Saneamento Urbano TH419

Saneamento Urbano TH419 Universidade Federal do Paraná Arquitetura e Urbanismo Saneamento Urbano TH419 Aula 06 Declividade e estruturação viária Profª Heloise G. Knapik 1 Traçado de vias e Curvas de Nível Estrada em serra francesa

Leia mais

Procedimentos. de projetos

Procedimentos. de projetos Procedimentos para aprovação de projetos 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo

Leia mais

ANEXO I AO DECRETO Nº CRITÉRIOS GERAIS DE IMPLANTAÇÃO DE ELEMENTOS DO MOBILIÁRIO URBANO

ANEXO I AO DECRETO Nº CRITÉRIOS GERAIS DE IMPLANTAÇÃO DE ELEMENTOS DO MOBILIÁRIO URBANO ANEXO I AO DECRETO Nº 14.612 1. CRITÉRIOS GERAIS DE IMPLANTAÇÃO DE ELEMENTOS DO MOBILIÁRIO URBANO 1.1. Qualquer elemento do mobiliário urbano deverá estar em harmonia com a paisagem do local, não podendo

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA BARREIRAS RIGIDAS EM CONCRETO ARMADO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA BARREIRAS RIGIDAS EM CONCRETO ARMADO 1 de 6 1. OBJETIVO 1.1. A presente especificação tem por objetivo fixar as características técnicas e condições mínimas para aceitação dos serviços na execução de barreiras rígidas, em concreto armado,

Leia mais

C A R T I L H A D A. Conserve a sua calçada. O respeito ao outro começa na porta da sua casa.

C A R T I L H A D A. Conserve a sua calçada. O respeito ao outro começa na porta da sua casa. C A R T I L H A D A Conserve a sua calçada. O respeito ao outro começa na porta da sua casa. Apresentação Olá, amigos. O direito de ir e vir começa na porta da nossa casa, na calçada. Por isso, os passeios

Leia mais

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver!

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver! APRESENTAÇÃO Planejar uma cidade também significa cuidar da circulação das pessoas, garantido segurança e igualdade. Muitas pessoas caminham somente a pé, ultrapassando 30% de todos os deslocamentos de

Leia mais

Memorial Descritivo Escola Municipal Professor Ismael Silva

Memorial Descritivo Escola Municipal Professor Ismael Silva PREFEITURA MUNICIPAL DE ILICÍNEA Estado de Minas Gerais CNPJ: 18.239.608/0001-39 Praça. Padre João Lourenço Leite, 53 Centro Ilicínea Tel (fax).: (35) 3854 1319 CEP: 37175-000 Memorial Descritivo Escola

Leia mais

Desníveis superiores a 5 mm até 15 mm devem ser tratados como chanfradura, com inclinação máxima de 1:2 (50%), conforme figura 76.

Desníveis superiores a 5 mm até 15 mm devem ser tratados como chanfradura, com inclinação máxima de 1:2 (50%), conforme figura 76. 6 Circulação e Acessos Excluído: e Circulação Neste item será estabelecido os critérios orientativos básicos de acessibilidade nos acessos e circulação para as pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida.

Leia mais

ANEXO 2 ACESSIBILIDADE INDICE

ANEXO 2 ACESSIBILIDADE INDICE INDICE 1. Objetivo...... 6 2. Conceito de acessibilidade... 6 3. Acessibilidade NA ART... 6 4. Normas e legislação... 7 5. Legislação federal 10.048/2000... 8 6. Legislação federal 10.098/2000... 8 7.

Leia mais

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas RAMPAS: CONCEITO De acordo com a Pontifícia Universidade Católica (2009), as rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação

Leia mais

Regulamentação de Estacionamento e Parada

Regulamentação de Estacionamento e Parada Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA Regulamentação de Estacionamento e Parada Idoso Critérios de Projeto Revisão 0 Volume 10 Parte 7 GPL/Normas Dezembro - 2009 Introdução Esta

Leia mais

Lei n 1.687/91 De 27 de março de 1991

Lei n 1.687/91 De 27 de março de 1991 Lei n 1.687/91 De 27 de março de 1991 Regulamenta o Art. 16 da Lei Orgânica, que diz respeito à garantia de acesso adequado aos portadores de deficiência física ou mental aos bens e serviços coletivos,

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

DECRETO N.º D E C R E T A : CAPÍTULO I SEÇÃO ÚNICA DA VILA SANTA CECÍLIA

DECRETO N.º D E C R E T A : CAPÍTULO I SEÇÃO ÚNICA DA VILA SANTA CECÍLIA DECRETO N.º 2.382 EMENTA: Subdivide em setores a Zona de Atividades e a Zona Habitacional da Vila Santa Cecília e estabelece outras providências. O Prefeito Municipal de Volta Redonda, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Artigo produzido na disciplina de Urbanismo no Curso de Graduação em Engenharia Civil da Unijuí - Santa Rosa/RS. 2

Artigo produzido na disciplina de Urbanismo no Curso de Graduação em Engenharia Civil da Unijuí - Santa Rosa/RS. 2 ESTUDO DO PASSEIO PÚBLICO PADRÃO APLICADO NO MUNICIPIO DE SANTA ROSA/RS E COMPARAÇÃO COM A LEGISLAÇÃO VIGENTE 1 STUDY OF PUBLIC PATTERN PUBLIC PATTERN APPLIED NOT MUNICIPALITY OF SANTA ROSA/RS AND COMPARISON

Leia mais

DECRETO Nº 14.060, DE 6 DE AGOSTO DE 2010

DECRETO Nº 14.060, DE 6 DE AGOSTO DE 2010 DECRETO Nº 14.060, DE 6 DE AGOSTO DE 2010 Regulamenta a Lei nº 8.616/03, que Contém o Código de Posturas do Município de Belo Horizonte. O Prefeito de Belo Horizonte, no exercício de suas atribuições legais,

Leia mais

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário PREVENÇÃO SAÍDAS DE EMERGÊNCIA Visam o abandono seguro da população, em caso de incêndio ou pânico, e permitir o acesso de bombeiros

Leia mais

Rev. Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo

Rev. Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Rev. Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Sítio Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária Escala N.A. Data ABRIL/2010 Formato A - 4 Autor CREA ARQ. MÁRCIA SOLDERA 104.438 - RS Validador

Leia mais

AGÊNCIA RIO DE JANEIRO AUTO ATENDIMENTO DAS 8H ÀS 22H

AGÊNCIA RIO DE JANEIRO AUTO ATENDIMENTO DAS 8H ÀS 22H SINLIZÇÃO 2.7 Sinalização visual e tátil noa cesso 180 mm PLC crílico ou policarbonatotransparente 6 mm adesivado pelo verso em película adesiva de vinil jateada, referência SCOTCHCL 3M BR7300-314 FIXÇÃO

Leia mais

Revisão do Plano Diretor de Belém. 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA, MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

Revisão do Plano Diretor de Belém. 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA, MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE Prefeitura Municipal de Belém Secretaria Municipal de Coordenação Geral do Planejamento e Gestão Revisão do Plano Diretor de Belém (Lei nº 7.603/93) 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA,

Leia mais

ARBORIZAÇÃO E PAISAGISMO

ARBORIZAÇÃO E PAISAGISMO INSTITUTO DEFEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS - IFAM ARBORIZAÇÃO E PAISAGISMO I ARBORIZAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS Profa: Iane Barroncas Gomes Engenheira Florestal BREVE HISTÓRICO Século

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE GUIAS REBAIXADAS NA RUA MARTIM AFONSO NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ/PR: ESTUDO DE CASO SOBRE ACESSIBILIDADE URBANA

DIAGNÓSTICO DE GUIAS REBAIXADAS NA RUA MARTIM AFONSO NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ/PR: ESTUDO DE CASO SOBRE ACESSIBILIDADE URBANA DIAGNÓSTICO DE GUIAS REBAIXADAS NA RUA MARTIM AFONSO NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ/PR: ESTUDO DE CASO SOBRE ACESSIBILIDADE URBANA Leonel Silva Rocha 1, Renan Henrique Casarim de Albuquerque 2, Bruno Luiz Domingos

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal

Acessibilidade e Desenho Universal Acessibilidade e Desenho Universal DESENHO UNIVERSAL De acordo com as definições de Ron Mace (1991), É a criação de ambientes e produtos que podem ser usados por todas as pessoas na sua máxima extensão

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Mundi - Centro de Formação Técnica Unidade Vitória da Conquista BA Professor: Philipe do Prado Santos Curso Técnico de Edificações

Leia mais

MUNiCíPIO DE GUARAPUAVA Estado do Paraná LEI N 2074/2012

MUNiCíPIO DE GUARAPUAVA Estado do Paraná LEI N 2074/2012 LEI N 2074/2012 SÚMULA: Altera o Capitulo 111,do Artigo 5, da Lei no045187, que dispõe sobre o Parcelamento do Solo para Fins Urbanos no Municipio de Guarapuava e revoga as Leis nos 1023/2001 e 1025/2001.

Leia mais

O que é calçada? PASSEIO VIA CALÇADA. O CTB Código de Trânsito Brasileiro, define calçada como:

O que é calçada? PASSEIO VIA CALÇADA. O CTB Código de Trânsito Brasileiro, define calçada como: Índice INTRODUÇÃO... 01 O QUE É CALÇADA?... 02 AS FAIXAS DA CALÇADA... 03 O PEDESTRE E A CALÇADA... 04 O QUE DIZ A LEI?... 05 CALÇADAS ATUAIS... 06 CALÇADAS IDEAIS... 07 O MEIO-FIO... 08 INCLINAÇÃO DA

Leia mais

Of. nº 679/GP. Paço dos Açorianos, 18 de setembro de 2009. Senhor Presidente:

Of. nº 679/GP. Paço dos Açorianos, 18 de setembro de 2009. Senhor Presidente: Of. nº 679/GP. Paço dos Açorianos, 18 de setembro de 2009. Senhor Presidente: Tenho a honra de submeter à apreciação dessa colenda Câmara o presente Projeto de Lei Complementar que Dispõe sobre a acessibilidade

Leia mais

PROVA DISCURSIVA. ano. Gráfico População Brasileira 1900-2050. IBGE 1940, 1950, 1960, 1970, 2000 E 2008b. Internet:<http://aplicativos.fipe.org.br>.

PROVA DISCURSIVA. ano. Gráfico População Brasileira 1900-2050. IBGE 1940, 1950, 1960, 1970, 2000 E 2008b. Internet:<http://aplicativos.fipe.org.br>. PROVA DISCURSIVA Nesta prova, faça o que se pede, usando os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para as respectivas folhas do CADERNO DE TEXTOS DEFINITIVOS

Leia mais

Saneamento Urbano I TH052

Saneamento Urbano I TH052 Universidade Federal do Paraná Arquitetura e Urbanismo Saneamento Urbano I TH052 Aula 07 Declividade e estruturação viária aplicados ao saneamento urbano Profª Heloise G. Knapik 1 Traçado de vias e Curvas

Leia mais

DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS PARA PROJETAR RENATA MELLO ARQUITETA DA DIVERSIDADE

DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS PARA PROJETAR RENATA MELLO ARQUITETA DA DIVERSIDADE DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS PARA PROJETAR ARQUITETA DA DIVERSIDADE REFLEXÃO USUÁRIOS COMO SENTEM A ARQUITETURA DE HOJE? COMO SENTEM A ARQUITETURA DE HOJE? 1.CONFORTÁVEL??? ELEMENTO: LONGO PERCURSO LAVATÓRIO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE, DE, DE 2013. Senhor Presidente, JUSTIFICATIVA:

PROJETO DE LEI Nº, DE, DE, DE 2013. Senhor Presidente, JUSTIFICATIVA: A Sua Excelência o Senhor Vereador JUARES CARLOS HOY Presidente da Câmara Municipal de Canoas PROJETO DE LEI Nº, DE, DE, DE 2013. Senhor Presidente, O Vereador Pedro Bueno, Vice-líder da Bancada do Partido

Leia mais

FIAM FAAM CENTRO UNIVERSITÁRIO ARQUITETURA E URBANISMO

FIAM FAAM CENTRO UNIVERSITÁRIO ARQUITETURA E URBANISMO FIAM FAAM CENTRO UNIVERSITÁRIO ARQUITETURA E URBANISMO PRAÇA MICHIE AKAMA DIAGNOSTICO DA ÁREA DE INTERVENÇÃO - ESCRITÓRIO MODELO JAQUELINE LEMOS PRINA RA.: 413693-4 SÃO PAULO 2011 LISTA DE IMAGENS IMAGEM

Leia mais

SECRETARIA DE PLANEJAMENTO

SECRETARIA DE PLANEJAMENTO LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE DEZEMBRO DE 2010 Regulamenta os artigos 34, 35, 36, 37, 38 e 39 da Lei Complementar nº002 de 31 de outubro de 1995, que institui o Código de Obras do Município e da outras providências.

Leia mais

Tecnologia da Construção Civil - I Fundações. Roberto dos Santos Monteiro

Tecnologia da Construção Civil - I Fundações. Roberto dos Santos Monteiro Tecnologia da Construção Civil - I Fundações Após a execução da sondagem, iremos definir qual o tipo de fundação mais adequada a ser utilizado no nosso empreendimento. As Fundações são elementos estruturais

Leia mais

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas Aços Longos Telas Soldadas Nervuradas Registro Compulsório 272/2011 Telas Soldadas Nervuradas Qualidade As Telas Soldadas Nervuradas da ArcelorMittal são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios

Leia mais

Segurança do Trabalho com Máquinas e Equipamentos. Thiago Freitas Engº Segurança do Trabalho

Segurança do Trabalho com Máquinas e Equipamentos. Thiago Freitas Engº Segurança do Trabalho Segurança do Trabalho com Máquinas e Equipamentos Thiago Freitas Engº Segurança do Trabalho Tem o objetivo de evitar que o trabalhador entre em contato com partes móveis da máquina. Definições Maquinas

Leia mais

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E DO MUCURI CAMPUS JUSCELINO KUBITSCHEK DIAMANTINA - MG PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OUTUBRO / 2013 Página 1 de 6

Leia mais

Condomínio registrado e incorporado no cartório de registo de imóveis sobre o número 28.325. Um novo conceito de construir e de se viver bem!

Condomínio registrado e incorporado no cartório de registo de imóveis sobre o número 28.325. Um novo conceito de construir e de se viver bem! Condomínio registrado e incorporado no cartório de registo de imóveis sobre o número 28.325 Um novo conceito de construir e de se viver bem! Um novo conceito de construir e de se viver bem! DOSSIÊ DE VENDAS

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS MEMORIAL DESCRITIVO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS MEMORIAL DESCRITIVO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO ADMINSTRATIVO, PRÉDIO DE SOCIABILIDADE, PRÉDIO DE LABORATÓRIOS E SALAS DE AULA E PRÉDIO DA PORTARIA DO CAMPUS

Leia mais

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas Aços Longos Telas Soldadas Nervuradas Registro Compulsório 272/2011 Telas Soldadas Nervuradas Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado ArcelorMittal são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios

Leia mais

Escadas. Profa Dra Sandra Martins

Escadas. Profa Dra Sandra Martins Escadas Profa Dra Sandra Martins Circulação Vertical A circulação vertical faz-se por meio de ESCADAS, RAMPAS e de EQUIPAMENTOS MECÂNICOS (elevador, monta carga e escada rolante). ESCADAS Para representação

Leia mais