CONSIDERAÇÕES FINAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSIDERAÇÕES FINAIS"

Transcrição

1 72 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com uma linguagem particular, os advogados, como locutores/enunciadores, gerenciaram as diversas vozes/ enunciadores existentes na petição inicial e na contestação em ação de união estável. O entrecruzamento de vozes, com o apoio da análise linguística, mais especificamente, por meio das expressões nominais, tornou possíveis a identificação e a caracterização dos tipos de pontos de vista. Com base na nossa análise de PDV, confirmamos a teoria de Rabatel: em textos argumentativos narrativos, o PDV predominante é o afirmado. Como o corpus analisado foram a petição inicial e a contestação documentos jurídicos escritos por advogados, o segundo tipo de PDV mais frequente foi o PDV afirmado e representado. Os advogados recorreram a outras vozes consoantes à sua a fim de dar maior credibilidade à própria argumentação, ao próprio PDV. Esses enunciadores, então, coenunciaram com a voz principal do locutor/enunciador; portanto, os advogados assumiram toda a responsabilidade, toda a veracidade das informações contidas na respectiva peça jurídica, intensificando, auxiliando, assim, seus pontos de vista. Pode-se dizer que, no caso em tela, houve prise en charge (PEC) e imputação por parte do locutor/enunciador. Contudo, apesar de os referidos documentos estarem cheios de vozes, de pontos de vista e de os locutores/enunciadores gerenciarem todas elas, predominam as dos advogados, responsáveis pela orientação argumentativa, mesmo escrevendo em nome de seus clientes. Esse processo é dialógico, apesar de parecer que o locutor/enunciador assume um PDV sozinho. Logo, podemos dizer, há jogo de vozes na construção do ponto de vista. Em relação ao gerenciamento de posições na petição inicial e na contestação, constatamos que esses documentos não diferem quanto aos procedimentos de representação do PDV, ou seja, quanto à relação L1/E1 com os outros enunciadores, ficou evidente no capítulo da análise que tanto o advogado da parte autora quanto o da parte contestante usaram o mesmo recurso. O embate discursivo ocorreu na contestação, porque o advogado dos requeridos refutou muitas afirmações do advogado da parte autora. Desse modo, percebemos claro diálogo, conflito de ideias, de afirmações e de PDV entre as duas peças jurídicas. Inclusive, o advogado da parte contestante inseriu a voz da requerente e a do respectivo advogado para refutar e fortalecer os seus argumentos, construir seu PDV e, consequentemente, persuadir o juiz.

2 73 Com base nos enunciadores, confirmamos, na fundamentação teórica, que houve debreagem enunciativa mínima, intermediária ou máxima. A construção do PDV por meio das expressões nominais nos levou a concluir que elas auxiliam a construir argumentos para persuadir o leitor no caso em questão, o juiz. Logo, pode-se dizer, elas têm um teor argumentativo. A especificidade do campo jurídico nos levou ao questionamento de como se constroem objetos de discurso, até mesmo contrários, edificando-se verdades discursivas sobre a mesma verdade factual. Conforme já dissemos, os recursos usados pelos advogados das duas partes em contenda foram os mesmos. A questão da mesma verdade factual é interessante. É verdade para quem? Para a parte autora? Para os réus? Daí a necessidade da argumentação, da persuasão, porque o locutor/enunciador precisa chamar a atenção do juiz para o ponto de vista em construção. Vale ressaltar que os objetos de discurso não são fixos e apriorísticos (CORTEZ, 2003, p. 95), pois são construídos com base em um ponto de vista e de uma perspectiva no discurso. Diante do jogo dos PDV, identificamos e consideramos a polifonia como relevante para o processo da argumentação. Os referentes, por sua vez, foram importantes para identificarmos as expressões nominais e, consequentemente, chegarmos ao ponto de vista. Porém, segundo Cortez (2011, p. 188), deve-se observar a perspectivação dos referentes e seu modo de apresentação, ou seja, as expressões nominais, como estratégias de referenciação, atuam na construção textual-discursiva do PDV e, consequentemente, todo objeto de discurso é perspectivado. Assim, neutro ou objetivo, o referente é perspectivado. Contudo, ainda segundo Cortez (2011, p. 190), as expressões nominais são também estratégias de representação do PDV que, ao perspectivar um referente, podem atuar em conjunto com os verbos de dizer, percepção/pensamento e ação. Em virtude da diversidade de vozes controversas na contestação, podemos dizer que aí está presente a polifonia, ou seja, ocorrem os dilemas, o embate discursivo, o que implica argumentação necessária para persuadir o juiz. Além disso, percebemos nas duas peças jurídicas o dialogismo e a heterogeneidade enunciativa. Neste trabalho, ficou evidente que a referenciação dos objetos de discurso (as expressões nominais) não é o único recurso usado para a identificação dos pontos de vista. Segundo Cortez (2011, p. 189), a análise pode dedicar-se aos recursos metalinguísticos e metadiscursivos que atuam na representação do discurso do outro. A identificação dos referentes foi de extrema relevância nesta pesquisa, para entendermos as expressões nominais e chegarmos à construção do ponto de vista.

3 74 Por fim, nossa pesquisa confirmou a teoria de Rabatel em relação ao PDV, pois a petição inicial e a contestação, por meio de enunciadores, expressaram pontos de vista gerenciados pelos locutores/enunciadores advogados, com o objetivo de persuadir o juiz em função do objetivo de cada parte.

4 75 REFERÊNCIAS BAKHTIN, M. Estética da Criação Verbal. 6. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, CAVALCANTE, M. M. Os sentidos do Texto. São Paulo: Contexto, CORTEZ, S. Referenciação e Construção do Ponto de Vista. Dissertação de Mestrado, Universidade de Campinas, A Construção textual-discursiva do ponto de vista: vozes, referenciação e formas nominais. São Paulo: Cortez, DUCROT, O. O dizer e o dito. Campinas: Pontes, EMEDIATO, W. (Org). A construção da opinião na mídia. Belo Horizonte: FALE / UFMG, Núcleo de Análise do Discurso, KOCH, I. G. V. A Coesão Textual. 18. ed. São Paulo: Contexto, Desvendando os Segredos do Texto. 4. ed. São Paulo: Cortez, Léxico e Progressão referencial. In: RIO-TORTO, G. M.; FIGUEIREDO, O. M.; SILVA, F. Estudos em Homenagem ao professor doutor Mário Vilela. Volume 1. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto, p O Texto e a Construção dos Sentidos. 9. ed. São Paulo: Contexto, Argumentação e Linguagem. 13. ed. 1. reimp. São Paulo: Cortez, KOCH, I. G. V.; ELIAS, V. M. Ler e Compreender os sentidos do texto. 2. ed. São Paulo: Contexto, Ler e Escrever - estratégias de produção textual. 2. ed. 1. reimp.. São Paulo: Editora Contexto, KOCH, I. G. V.; BENTES, A. C.; CAVALCANTE, M. M. Intertextualidade: Diálogos Possíveis. São Paulo: Cortez, KOCH, I. G. V. et al. Referenciação e Discurso. Referenciação e Orientação argumentativa. KOCH, I. G. V. A p KOCH, I. G. V.; MORATO, E. M.; BENTES, A. C. Referenciação e Discurso. Referenciação e Ponto de Vista: Constituição de instâncias discursivas para orientação argumentativa na crônica de ficção. São Paulo: Cortez, p MARCUSCHI, L. A. Produção Textual, Análise de Gêneros e Compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, PERELMAN, C.; OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da argumentação: A nova retórica. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, Lógica Jurídica. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

5 76 PLANTIN, Christian. A Argumentação: Histórias, teorias, perspectivas. São Paulo: Parábola Editorial, RABATEL, Alain. Argumenter em racontant: (Re)lire et (re)écrireles textes littéraires. Bruxelles: Éditions deboeck Université, 2004e.. Homo narrans: pour une analyse énonciative et interactionnelle du récit. Les points de vue et la logique de la narration. Tome I. Limoges: Éditions Lambert-Lucas, 2008 a. (Tome I).. Limoges: Éditions Lambert Lucas, 2008 b. (Tome II).. Prise en charge et imputation, ou la prise en chargé à responsabilité limitée, Langue Française, n. 162, 2009, p CAVALCANTE, M. M.; LIMA, S. M. C. de (Orgs.). Referenciação: teoria e prática. São Paulo: Cortez, ROCHA, J. DE A. Teoria Geral do Processo. 8. ed. 2. tiragem. São Paulo: Atlas, VADE MECUM COMPACTO. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2013, p. 380.

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru Curso 1503 / 1504 - Licenciatura em Matemática 1701 - Bacharelado em Meteorologia 3002 / 3003 - Licenciatura em Pedagogia Ênfase Identificação Disciplina 0004460A - Leitura e Produção Textual Docente(s)

Leia mais

GT Direito, Linguagem e Sociedade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral

GT Direito, Linguagem e Sociedade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral GT Direito, Linguagem e Sociedade Modalidade da apresentação: Comunicação oral RESPONSABILIDADE ENUNCIATIVA NA SEÇÃO DO MÉRITO DO GÊNERO JURÍDICO CONTESTAÇÃO Resumo: Neste artigo, propomo-nos a discutir

Leia mais

LINGÜÍSTICA TEXTUAL II - CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

LINGÜÍSTICA TEXTUAL II - CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE LETRAS CLÁSSICAS E VERNÁCULAS DISCIPLINA: LINGUÍSTICA IV CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula Nº DE CRÉDITOS: 04 (Quatro)

Leia mais

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás.

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD Plano de Ensino 2016/1 Atenção! Este Plano de Ensino é um Rascunho. Sua impressão não está liberada por se tratar de um documento

Leia mais

Mensagem do bispo : marcas de persuasão em mensagens religiosas do jornal Folha Universal

Mensagem do bispo : marcas de persuasão em mensagens religiosas do jornal Folha Universal Mensagem do bispo : marcas de persuasão em mensagens religiosas do jornal Folha Universal Pedro Henrique de Oliveira Simões 1 Universidade Federal de Pernambuco Resumo: Este trabalho tem o objetivo de

Leia mais

Introdução 1 Língua, Variação e Preconceito Linguístico 1 Linguagem 2 Língua 3 Sistema 4 Norma 5 Português brasileiro 6 Variedades linguísticas 6.

Introdução 1 Língua, Variação e Preconceito Linguístico 1 Linguagem 2 Língua 3 Sistema 4 Norma 5 Português brasileiro 6 Variedades linguísticas 6. Introdução 1 Língua, Variação e Preconceito Linguístico 1 Linguagem 2 Língua 3 Sistema 4 Norma 5 Português brasileiro 6 Variedades linguísticas 6.1 Padrão vs. não padrão 6.2 Variedades sociais 6.3 Classificação

Leia mais

INTRODUÇÃO. No século XIX, no campo da literatura, houve preocupação em se regular a informação

INTRODUÇÃO. No século XIX, no campo da literatura, houve preocupação em se regular a informação 13 INTRODUÇÃO No século XIX, no campo da literatura, houve preocupação em se regular a informação na ficção. O estudo do ponto de vista começou, então, a ser alvo de interesse e de análise. Segundo Cortez

Leia mais

Resenha. Katia Perez. Jornalista e doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Metodista

Resenha. Katia Perez. Jornalista e doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Metodista Katia Perez Jornalista e doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Metodista Resenha Ponto de Vista: a argumentatividade dos enunciadores dentro das narrações Point

Leia mais

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE:

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: PLANO DA DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira CURSO: Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: 1º Ano CARGA HORÁRIA: 100 h.r. EMENTA Estudos de Fonética e Fonologia

Leia mais

PLANO DE ENSINO SEMESTRE:

PLANO DE ENSINO SEMESTRE: PLANO DE ENSINO SEMESTRE: 2014.1 CÓDIGO DA DISCIPLINA: LLV7802 NOME DA DISCIPLINA: Leitura e Produção do Texto TURMAS: 01335 (Matutino) HORAS/AULA SEMANAL: 4h/a TOTAL DE HORAS/AULA: 60h/a PRÁTICA COMO

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO. Área de Concentração Educação. Aulas teóricas: 04 Aulas práticas: 02

PROGRAMA DE ENSINO. Área de Concentração Educação. Aulas teóricas: 04 Aulas práticas: 02 PROGRAMA DE ENSINO Disciplina Produção textual e formação docente Semestre Código Ano Letivo Área de Concentração Educação Curso: MESTRADO ( x ) DOUTORADO ( ) Número de créditos: 06 Números de turmas :

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS/PORTUGUÊS Gêneros textuais como ferramenta para o ensino de Língua Portuguesa INTRODUÇÃO De acordo com os objetivos do programa, conforme portaria 096/2013 Capes, essa proposta de

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Jardim 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru PROGRAMA DA PROVA DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA 2015 PARA O CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Tópicos: 1. Leitura e Produção Textual 2. Sociologia da Educação I 1. LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

Leia mais

REGULAMENTO DE PRÁTICA EDUCACIONAL / PROJETOS INTERDISCIPLINARES Curso de Letras Português e Inglês Licenciatura Currículo: LPI00001

REGULAMENTO DE PRÁTICA EDUCACIONAL / PROJETOS INTERDISCIPLINARES Curso de Letras Português e Inglês Licenciatura Currículo: LPI00001 REGULAMENTO DE PRÁTICA EDUCACIONAL / PROJETOS Fundamentação Legal PARECER CNE/CP 28/2001, DE 02 DE OUTUBRO DE 2001 - Dá nova redação ao Parecer CNE/CP 21/2001, que estabelece a duração e a carga horária

Leia mais

GRAMÁTICA, CONCEPÇÕES DE LÍNGUA E ARGUMENTAÇÃO: O TRABALHO COM AS CONJUNÇÕES COORDENATIVAS ADVERSATIVAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

GRAMÁTICA, CONCEPÇÕES DE LÍNGUA E ARGUMENTAÇÃO: O TRABALHO COM AS CONJUNÇÕES COORDENATIVAS ADVERSATIVAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA GRAMÁTICA, CONCEPÇÕES DE LÍNGUA E ARGUMENTAÇÃO: O TRABALHO COM AS CONJUNÇÕES COORDENATIVAS ADVERSATIVAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Marcos Antônio da Silva (UFPB/PROLING) sambiar@ig.com.br Ana Carolina

Leia mais

A ESTRUTURA COMPOSICIONAL DA SENTENÇA JUDICIAL CONDENATÓRIA: PLANOS DE TEXTOS E AS SEQUÊNCIAS TEXTUAIS

A ESTRUTURA COMPOSICIONAL DA SENTENÇA JUDICIAL CONDENATÓRIA: PLANOS DE TEXTOS E AS SEQUÊNCIAS TEXTUAIS A ESTRUTURA COMPOSICIONAL DA SENTENÇA JUDICIAL CONDENATÓRIA: PLANOS DE TEXTOS E AS SEQUÊNCIAS TEXTUAIS Cláudia Cynara Costa de Souza; Maria das Graças Soares Rodrigues Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: LINGUÍSTICA I Curso: LICENCIATURA EM LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA Período: 2 Semestre: 2015.1 Carga Horária:

Leia mais

textos: discussão e interpretação. de aula.

textos: discussão e interpretação. de aula. PLANO DE ENSINO 2013.1 ENGENHARIA CIVIL Disciplina LÍNGUA PORTUGUESA Código UPR 406 Docente Rita de Cássia Silva Tagliaferre Semestre I Carga horária 40 h 1 EMENTA A leitura e sua prática. A comunicação.

Leia mais

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana PLANO DE CURSO DISCIPLINA: LINGUAGEM JURÍDICA (CÓD. ENEX 60106) ETAPA: 1ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo aula Habilidas e Competências Textos, filmes

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA -

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA - COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA - Rio de Janeiro / 2014 0 SUMÁRIO Público-alvo p. 2 Justificativa p.2 Objetivos Gerais p. 3 Objetivos Específicos

Leia mais

Disciplinas ministradas em outros cursos

Disciplinas ministradas em outros cursos Disciplinas ministradas em outros cursos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACOMB BIBLIOTECONOMIA NOME DA DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA REDAÇÃO E EXPRESSÃO II PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira EMENTA

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira EMENTA 53 14 PLANOS DE DISCIPLINAS PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira Curso: Técnico em Agroindústria Integrado ao Ensino Médio

Leia mais

Linha D Água (Online), São Paulo, v. 29, n. 1, p , jun. 2016

Linha D Água (Online), São Paulo, v. 29, n. 1, p , jun. 2016 RESENHA / REVIEW RESENHA* 1 CARCASSONNE, Marie; CUNHA, Dóris; DONAHUE, Christiane; FRAN- ÇOIS, Frédéric; RABATEL, Alain. Points de vue sur le point de vue [Ponto de vista sobre ponto de vista], Limoges,

Leia mais

Chave de correção para a produção de texto 1ª Avaliação Diagnóstica º Ano do ensino fundamental Conto Critérios Pontuação Descritores

Chave de correção para a produção de texto 1ª Avaliação Diagnóstica º Ano do ensino fundamental Conto Critérios Pontuação Descritores 1ª Avaliação Diagnóstica 2013 2º Ano do ensino fundamental Conto O texto está apropriado ao tema estabelecido nas imagens? A situação de produção própria do texto narrativo se manifesta no texto? A organização

Leia mais

Sumário. Introdução, 1. 1 Português jurídico, 5 1 Linguagem, sistema, língua e norma, 5 2 Níveis de linguagem, 11 Exercícios, 24

Sumário. Introdução, 1. 1 Português jurídico, 5 1 Linguagem, sistema, língua e norma, 5 2 Níveis de linguagem, 11 Exercícios, 24 Sumário Introdução, 1 1 Português jurídico, 5 1 Linguagem, sistema, língua e norma, 5 2 Níveis de linguagem, 11 Exercícios, 24 2 Como a linguagem funciona, 31 1 Análise do discurso, 31 2 O estudo da linguagem,

Leia mais

Recursos Argumentativos no Discurso Jornalístico da Edição Comemorativa dos 319 anos de Curitiba 1

Recursos Argumentativos no Discurso Jornalístico da Edição Comemorativa dos 319 anos de Curitiba 1 Recursos Argumentativos no Discurso Jornalístico da Edição Comemorativa dos 319 anos de Curitiba 1 Fabiana PELINSON 2 Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte do Rio Grande

Leia mais

EBSERH E D I I T T R A

EBSERH E D I I T T R A EBSERH E D I T R A APRESENTAÇÃO...3 INTERPRETAÇÃO DE TEXTO...5 1. Informações Literais e Inferências possíveis...6 2. Ponto de Vista do Autor...7 3. Significado de Palavras e Expressões...7 4. Relações

Leia mais

Gênero Textual e Sequência Textual

Gênero Textual e Sequência Textual Gênero Textual e Sequência Textual Os gêneros textuais são os textos que circulam na sociedade e que desempenham diferentes papéis comunicativos. São tipos relativamente estáveis de enunciados produzidos

Leia mais

CRENÇAS E EXPERIÊNCIAS DE APRENDENTES DO ENGLISH CLUB

CRENÇAS E EXPERIÊNCIAS DE APRENDENTES DO ENGLISH CLUB CRENÇAS E EXPERIÊNCIAS DE APRENDENTES DO ENGLISH CLUB José Henrique de Almeida Cavalcante 1, Pedro Lucas Saraiva Freitas 2 e Kaline Girão Jamison 3 Resumo: O presente trabalho visa apresentar dados de

Leia mais

PLANO DE ENSINO DIA DA SEMANA HORÁRIO CRÉDITOS 2as feiras 18h10-21h40 04

PLANO DE ENSINO DIA DA SEMANA HORÁRIO CRÉDITOS 2as feiras 18h10-21h40 04 PLANO DE ENSINO DEPARTAMENTO: Departamento de Ciências Humanas ANO/SEMESTRE: 2013/01 CURSO: Pedagogia séries iniciais FASE: 7ª fase DISCIPLINA: Conteúdos e Metodologias do Ensino TURNO: noturno de Linguagem

Leia mais

REFERÊNCIA NOMINAL DEFINIDA E INDEFINIDA EM ARTIGOS DE OPINIÃO, EDITORIAL E NOTÍCIA

REFERÊNCIA NOMINAL DEFINIDA E INDEFINIDA EM ARTIGOS DE OPINIÃO, EDITORIAL E NOTÍCIA REFERÊNCIA NOMINAL DEFINIDA E INDEFINIDA EM ARTIGOS DE OPINIÃO, EDITORIAL E NOTÍCIA INTRODUÇÃO Ana Angélica da Silva Santiago 1 Renata Alves Rolim Ticiane Rodrigues Este trabalho tem por objetivo estudar

Leia mais

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú Catalogação: Cleide de Albuquerque Moreira Bibliotecária/CRB 1100 Revisão: Elias Januário Revisão Final: Karla Bento de Carvalho Consultor: Luís Donisete Benzi Grupioni Projeto Gráfico/Diagramação: Fernando

Leia mais

CRIARCONTEXTO: O ENSINO-APRENDIZAGEM DE GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO MÉDIO

CRIARCONTEXTO: O ENSINO-APRENDIZAGEM DE GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO MÉDIO CRIARCONTEXTO: O ENSINO-APRENDIZAGEM DE GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO MÉDIO Wellyna Késia Franca de SOUSA e Eliane Marquez da Fonseca FERNANDES Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás wellynakesiahb@bol.com.br

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Gêneros Textuais. E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais?

Gêneros Textuais. E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais? Gêneros Textuais E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais? Para começar, vamos observar as imagens abaixo, reproduções de uma receita, uma manchete de

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica O PROCESSO DE LEITURA E DA PRODUÇÃO DE TEXTOS Profª Ma. Fabiana Rocha O PROCESSO DE LEITURA Importância da Leitura Aprendizagem do ser humano; Enriquecer o vocabulário; Obter conhecimento;

Leia mais

Ciências História Inglês Espanhol Língua Portuguesa Filosofia Matemática Geografia

Ciências História Inglês Espanhol Língua Portuguesa Filosofia Matemática Geografia 9 Ano A Revolução Russa Regimes Totalitários 9 Ano B Revolução Russa Regimes Totalitários 9 Ano C Período entre Guerras 9 Ano D Período entre Guerras 9 Ano E Período entre Guerras 9 Ano F Revolução Russa

Leia mais

Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p.

Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p. Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p. Resenhado por: Adriana Sidralle Rolim O texto e a construção dos sentidos é um livro que aborda questões referentes ao

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio Série/período: 1º ano Carga

Leia mais

1. A comunicação e a argumentação em sala de aula

1. A comunicação e a argumentação em sala de aula COMUNICAÇÃO, ARGUMENTAÇÃO E A APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS Profª Drª Regina Maria Pavanello Universidade Estadual de Maringá reginapavanello@hotmail.com Resumo: Os professores mostram,

Leia mais

A INTERAÇÃO NO DISCURSO PEDAGÓGICO 1

A INTERAÇÃO NO DISCURSO PEDAGÓGICO 1 A INTERAÇÃO NO DISCURSO PEDAGÓGICO 1 Jailton Lopes Vicente A motivação para este trabalho surgiu durante o trabalho de iniciação científica realizado no projeto de pesquisa Alfabetização: A conquista de

Leia mais

D01 Reconhecer especificidades da linguagem escrita.

D01 Reconhecer especificidades da linguagem escrita. MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LÍNGUA PORTUGUESA PAEBES ALFA 1º ao 3º ano do Ensino Fundamental Tópicos Competências Descritores Níveis de Complexidade 1º ANO 2º ANO 3º ANO T1- Reconhecimento de convenções do

Leia mais

AS RELAÇÕES DIALÓGICAS E AS FORMAS DE CITAÇÃO DO DISCURSO DO OUTRO NA CRÔNICA GRIPE SUÍNA OU PORCINA?

AS RELAÇÕES DIALÓGICAS E AS FORMAS DE CITAÇÃO DO DISCURSO DO OUTRO NA CRÔNICA GRIPE SUÍNA OU PORCINA? 729 AS RELAÇÕES DIALÓGICAS E AS FORMAS DE CITAÇÃO DO DISCURSO DO OUTRO NA CRÔNICA GRIPE SUÍNA OU PORCINA? Maricília Lopes da Silva - UNIFRAN A crônica é na essência uma forma de arte, arte da palavra,

Leia mais

A ARGUMENTAÇÃO NA ESCRITA DE CRIANÇAS DE NOVE ANOS

A ARGUMENTAÇÃO NA ESCRITA DE CRIANÇAS DE NOVE ANOS A ARGUMENTAÇÃO NA ESCRITA DE CRIANÇAS DE NOVE ANOS AZEVEDO, Isabel Cristina Michelan de GT: Alfabetização, leitura e escrita/ nº 10 Agência financiadora: não contou com financiamento 1. Contextualização

Leia mais

OS SENTIDOS DO TEXTO. CAVALCANTE, Mônica Magalhães. Os sentidos do texto. 1. Ed., 1ª reimpressão. São Paulo: Contexto, 2013.

OS SENTIDOS DO TEXTO. CAVALCANTE, Mônica Magalhães. Os sentidos do texto. 1. Ed., 1ª reimpressão. São Paulo: Contexto, 2013. OS SENTIDOS DO TEXTO Cleunice Fernandes da Silva 1 Tânia Pitombo de Oliveira 2 CAVALCANTE, Mônica Magalhães. Os sentidos do texto. 1. Ed., 1ª reimpressão. São Paulo: Contexto, 2013. O livro Os sentidos

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2016

PLANEJAMENTO ANUAL 2016 PLANEJAMENTO ANUAL 2016 Professor Joabe Bernardo dos Santos Língua Portuguesa 9º ano Colégio Nossa Senhora da Piedade Referências: -SAE, 9º ano: Língua Portuguesa. Livro do professor: livro 1 / IESDE BRASIL

Leia mais

PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS

PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS Novo Código código anterior Nome da disciplina Ementa Bibliografia Pré-requisitos C/H Equivalências LEM1001 ----- Metodologia de Ensino de (Português como) Língua Estrangeira

Leia mais

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual Marly de Fátima Monitor de Oliveira Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Unesp Araraquara e-mail:

Leia mais

Sumário. Apresentação da coleção Prefácio Nota da autora Capítulo II

Sumário. Apresentação da coleção Prefácio Nota da autora Capítulo II Sumário Sumário Apresentação da coleção... 17 Prefácio... 19 Nota da autora... 21 Capítulo I Fatores importantes para produzir um texto... 23 1. A importância da leitura para produção textual... 23 2.

Leia mais

A RESPONSABILIDADE ENUNCIATIVA NO GÊNERO ARTIGO DE OPINIÃO

A RESPONSABILIDADE ENUNCIATIVA NO GÊNERO ARTIGO DE OPINIÃO A RESPONSABILIDADE ENUNCIATIVA NO GÊNERO ARTIGO DE OPINIÃO Elis Betânia Guedes da Costa (IFRN/UFRN-PPgEL) Maria das Graças Soares Rodrigues (UFRN) elis.guedes@ifrn.edu.br gracasrodrigues@gmail.com A linguagem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS NOME DA DISCIPLINA: ESTÁGIO IV TURMA E PROFESSOR RESPONSÁVEL: ISRAEL ELIAS TRINDADE CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 112 CARGA HORÁRIA SEMANAL:

Leia mais

Revista FAMECOS: mídia, cultura e tecnologia ISSN: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Revista FAMECOS: mídia, cultura e tecnologia ISSN: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Revista FAMECOS: mídia, cultura e tecnologia ISSN: 1415-0549 revistadafamecos@pucrs.br Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Brasil Boaventura, Luis Henrique; de Freitas, Ernani Cesar A

Leia mais

Raquel Cristina de Souza e Souza (Colégio Pedro II / Universidade Federal do Rio de Janeiro) Simone da Costa Lima (Colégio Pedro II / Universidade

Raquel Cristina de Souza e Souza (Colégio Pedro II / Universidade Federal do Rio de Janeiro) Simone da Costa Lima (Colégio Pedro II / Universidade Raquel Cristina de Souza e Souza (Colégio Pedro II / Universidade Federal do Rio de Janeiro) Simone da Costa Lima (Colégio Pedro II / Universidade Federal do Rio de Janeiro) Sumário Este trabalho tem por

Leia mais

7 Referências bibliográficas

7 Referências bibliográficas 7 Referências bibliográficas ABREU, A. S. A Arte de Argumentar: gerenciando razão e emoção. Cotia: Ateliê Editorial, 2009. AMARANTE, R. C. Heróis de Papel: a imagem do jornalista em notícias de guerra

Leia mais

Serviço Público Federal Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense Pró-Reitoria de Ensino RESOLUÇÃO Nº 69/2015

Serviço Público Federal Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense Pró-Reitoria de Ensino RESOLUÇÃO Nº 69/2015 RESOLUÇÃO Nº 69/2015 O Pró-Reitor de Ensino do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense, no uso de suas atribuições, considerando as decisões emanadas da reunião da Câmara

Leia mais

Gêneros Textuais: conto e publicidade institucional impressa e folheto de divulgação. Escrita Contos e Minicontos Folheto de divulgação (Fôlder)

Gêneros Textuais: conto e publicidade institucional impressa e folheto de divulgação. Escrita Contos e Minicontos Folheto de divulgação (Fôlder) COLÉGIO ESTADUAL IRMÃO GERMANO RHODEN PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2014 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSORA: ZENAIDE GOMES BILHAR 1º Bimestre Criar hipóteses interpretativas

Leia mais

Curso: Filosofia Licenciatura Grau acadêmico: Graduação Turno: Noturno Currículo: 2014

Curso: Filosofia Licenciatura Grau acadêmico: Graduação Turno: Noturno Currículo: 2014 Curso: Filosofia Licenciatura Grau acadêmico: Graduação Turno: Noturno Currículo: 2014 Unidade curricular: metodologia científica Natureza: obrigatória Unidade acadêmica: DFIME Período: primeiro Carga

Leia mais

O APRIMORAMENTO DE HABILIDADES DISCURSIVAS A PARTIR DO USO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

O APRIMORAMENTO DE HABILIDADES DISCURSIVAS A PARTIR DO USO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O APRIMORAMENTO DE HABILIDADES DISCURSIVAS A PARTIR DO USO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DIEDRICH, Marlete Sandra Universidade de Passo Fundo RS marlete@upf.br DIEDRICH, Marlei Maria Universidade

Leia mais

GÊNEROS TEXTUAIS E SUA CONTRIBUIÇÃO NO ENSINO DE LÍNGUAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Carine Camara Bizerra (UNIGRANRIO)

GÊNEROS TEXTUAIS E SUA CONTRIBUIÇÃO NO ENSINO DE LÍNGUAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Carine Camara Bizerra (UNIGRANRIO) GÊNEROS TEXTUAIS E SUA CONTRIBUIÇÃO NO ENSINO DE LÍNGUAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Carine Camara Bizerra (UNIGRANRIO) carinecamara@hotmail.com 1. Introdução É grande a diversidade conceitual em pesquisas alicerçadas

Leia mais

CURSO: Programa de Pós-Graduação em Letras: Teoria Literária e Crítica da Cultura Turno: Vespertino

CURSO: Programa de Pós-Graduação em Letras: Teoria Literária e Crítica da Cultura Turno: Vespertino CURSO: Programa de Pós-Graduação em Letras: Teoria Literária e Crítica da Cultura Turno: Vespertino INFORMAÇÕES BÁSICAS Currículo 2017 Período - Tipo OPTATIVA Unidade curricular Tópico Variável: Discurso

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DA LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL EM GUIAS TURISTÍCOS OFICIAIS DO ESTADO DA PARAÍBA

A ORGANIZAÇÃO DA LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL EM GUIAS TURISTÍCOS OFICIAIS DO ESTADO DA PARAÍBA 1085 A ORGANIZAÇÃO DA LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL EM GUIAS TURISTÍCOS OFICIAIS DO ESTADO DA PARAÍBA Indira Toscano Brandão Ana Cristina de S. Aldrigue 1. INTRODUÇÃO O primeiro estudo do discurso aparece

Leia mais

Andréa Morato A CONSTITUIÇÃO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL DESTINADA AOS EXCEPCIONAIS NO SISTEMA PÚBLICO DE ENSINO DO ESTADO DE MINAS GERAIS NA DÉCADA DE 1930

Andréa Morato A CONSTITUIÇÃO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL DESTINADA AOS EXCEPCIONAIS NO SISTEMA PÚBLICO DE ENSINO DO ESTADO DE MINAS GERAIS NA DÉCADA DE 1930 Andréa Morato A CONSTITUIÇÃO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL DESTINADA AOS EXCEPCIONAIS NO SISTEMA PÚBLICO DE ENSINO DO ESTADO DE MINAS GERAIS NA DÉCADA DE 1930 Belo Horizonte 2008 Andréa Morato A CONSTITUIÇÃO DA

Leia mais

Redação Publicitária reflexões sobre teoria e prática 1

Redação Publicitária reflexões sobre teoria e prática 1 Redação Publicitária reflexões sobre teoria e prática 1 AUTOR: MAGOGA, Bernardo CURSO: Comunicação Social Publicidade e Propaganda/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: MARTINS, Jorge S. Redação publicitária Teoria

Leia mais

A escrita que faz a diferença

A escrita que faz a diferença A escrita que faz a diferença Inclua a Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro em seu planejamento de ensino A Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro é uma iniciativa do Ministério

Leia mais

A (NÃO) ASSUNÇÃO DA RESPONSABILIDADE ENUNCIATIVA EM ARTIGOS CIENTÍFICOS PRODUZIDOS POR ESTUDANTES DE LETRAS

A (NÃO) ASSUNÇÃO DA RESPONSABILIDADE ENUNCIATIVA EM ARTIGOS CIENTÍFICOS PRODUZIDOS POR ESTUDANTES DE LETRAS NASCIMENTO, I. A. de A.; CARVALHO, J. L. Q.; BERNARDINO, R. A. dos S. A (não) assunção da responsabilidade enunciativa em artigos científicos produzidos por estudantes de Letras. Diálogo das Letras, Pau

Leia mais

Matriz de referência de LÍNGUA PORTUGUESA - SAERJINHO 5 ANO ENSINO FUNDAMENTAL

Matriz de referência de LÍNGUA PORTUGUESA - SAERJINHO 5 ANO ENSINO FUNDAMENTAL 7 5 ANO ENSINO FUNDAMENTAL H0 Ler frases. Períodos compostos. H03 Inferir uma informação em um H04 Identificar o tema Trabalhar o tema baseando-se na complexidade do texto, partindo de um texto de curta

Leia mais

Quanto aos textos de estrutura narrativa, identificam personagem, cenário e tempo.

Quanto aos textos de estrutura narrativa, identificam personagem, cenário e tempo. Língua Portuguesa - Ensino Médio SISPAE 2013 01 Abaixo do Básico 1º e 2º ano até 200 pontos Neste Padrão de Desempenho, os estudantes se limitam a realizar operações básicas de leitura, interagindo apenas

Leia mais

Infográfico como linguagem na divulgação científica estudo na perspectiva da análise dialógica do discurso (ADD) de Bakhtin

Infográfico como linguagem na divulgação científica estudo na perspectiva da análise dialógica do discurso (ADD) de Bakhtin Infográfico como linguagem na divulgação científica estudo na perspectiva da análise dialógica do discurso (ADD) de Bakhtin Elisangela S. M. Marques 1 Marcia Reami Pechula 2 O presente texto propõe uma

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Português Instrumental Código: Fisio 304 Pré-requisito: ------- Período Letivo:

Leia mais

A Responsabilidade Enunciativa no Gênero Artigo de Opinião

A Responsabilidade Enunciativa no Gênero Artigo de Opinião A Responsabilidade Enunciativa no Gênero Artigo de Opinião Elis Betânia Guedes da Costa 1, Maria das Graças Soares Rodrigues 2 1 Mestre em Estudos da Linguagem UFRN/ PPgEL. Professora de Língua Portuguesa-

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE ESPANHOL

PLANEJAMENTO ANUAL DE ESPANHOL COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE ESPANHOL SÉRIE: PROFESSORAS: Anna Cláudia

Leia mais

Marcus Araújo e Rosinda Ramos

Marcus Araújo e Rosinda Ramos SARDINHA, T. B. et al (org.). Tecnologias e mídias no ensino de inglês: o corpus nas receitas. São Paulo: Macmillan, 2012. ISBN 978-85-7418-859-1. 136p. Resenhado por Marcus de Souza Araújo Universidade

Leia mais

AS MEDIAÇÕES NO ENSINO DA LEITURA

AS MEDIAÇÕES NO ENSINO DA LEITURA 1 AS MEDIAÇÕES NO ENSINO DA LEITURA: uma breve análise do desempenho escolar nos anos seguintes ao ciclo de alfabetização Renata Araújo Jatobá de Oliveira UFPE 1. INTRODUÇÃO Neste artigo buscamos analisar

Leia mais

Gêneros Textuais Acadêmicocientíficos. 3/6/5AD836_1.jpg

Gêneros Textuais Acadêmicocientíficos.  3/6/5AD836_1.jpg Gêneros Textuais Acadêmicocientíficos http://images.quebarato.com.br/photos/thumbs/ 3/6/5AD836_1.jpg Olá, Pessoal, Vamos acompanhar mais uma aula da prof. Alessandra. Hoje falaremos sobre alguns gêneros

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Português Instrumental Código: FAR- 402 Pré-requisito: ------------ Período

Leia mais

TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO. Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG

TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO. Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG De onde vem a proposta de trabalhar com gêneros textuais? PCN de 1ª a 4ª séries

Leia mais

A RESENHA CRÍTICA COMO CONTRIBUINTE PARA A FORMAÇÃO DE UM ALUNO-AUTOR

A RESENHA CRÍTICA COMO CONTRIBUINTE PARA A FORMAÇÃO DE UM ALUNO-AUTOR A RESENHA CRÍTICA COMO CONTRIBUINTE PARA A FORMAÇÃO DE UM ALUNO-AUTOR Rosaly Lopes¹ ¹UFMG / MESTRADO PROFISSIONAL / FACULDADE DE LETRAS / rosalylopes@ufmg.br Resumo: O presente artigo é resultado satisfatório

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 Português (2.º Ciclo) Perfil de Aprendizagens Específicas

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 Português (2.º Ciclo) Perfil de Aprendizagens Específicas ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 Português (2.º Ciclo) Perfil de Aprendizagens Específicas (ponto 2 do artigo 7º do Despacho Normativo nº1-f/2016, de 5 de abril) 5.º Ano Interpretar textos orais breves.

Leia mais

LER E ESCREVER SÃO COISAS DE CRIANÇAS?

LER E ESCREVER SÃO COISAS DE CRIANÇAS? LER E ESCREVER SÃO COISAS DE CRIANÇAS? II Encontro Orientadores de Estudo PNAIC A criança no ciclo de alfabetização Mônica Correia Baptista monicacb.ufmg@gmail.com Professora Departamento de Administração

Leia mais

UMA PROPOSTA DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA NOS MOLDES DE DOLZ, SCHNEUWLY E NOVERRAZ

UMA PROPOSTA DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA NOS MOLDES DE DOLZ, SCHNEUWLY E NOVERRAZ UMA PROPOSTA DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA NOS MOLDES DE DOLZ, SCHNEUWLY E NOVERRAZ Felipe Grespan Rettore (UNIOESTE)1 Ellen Mariany da Silva Dias (Orientadora - UNIOESTE)2 Resumo: o presente trabalho tem como

Leia mais

Os contextos e os subentendidos na construção de sentido do gênero charge. Considerações iniciais. Os implícitos e os contextos

Os contextos e os subentendidos na construção de sentido do gênero charge. Considerações iniciais. Os implícitos e os contextos Os contextos e os subentendidos na construção de sentido do gênero charge Luciana de Souza Aguiar Zanardi 1 Considerações iniciais Hoje, respaldados por modernas teorias de estudos linguísticos, podemos

Leia mais

A representação de pontos de vista no artigo científico

A representação de pontos de vista no artigo científico A representação de pontos de vista no artigo científico Suzana Leite Cortez * Resumo Partindo de uma abordagem enunciativo-interacional do ponto de vista, este artigo apresenta os resultados da análise

Leia mais

Português Instrumental

Português Instrumental V.1 de Set/13 Português Instrumental Prof. Sérgio Fascina AULA 01 SEMANA 01 ASSUNTOS: APRESENTAÇÃO GERAL ESTRATÉGIAS DE LEITURA E DE ESTUDO APRESENTAÇÃO Prof. Sérgio Fascina BLOG: professorfascina.org

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS DESCRITORES D01 Distinguir letras de outros sinais gráficos. Reconhecer as convenções da escrita. D02 Reconhecer

Leia mais

Novas velhas histórias: releitura e recriação de contos na escola

Novas velhas histórias: releitura e recriação de contos na escola Novas velhas histórias: releitura e recriação de contos na escola TEIXEIRA, Juçara Moreira Centro Pedagógico EBAP/UFMG Resumo: Este trabalho consiste na apresentação de livros de contos produzidos por

Leia mais

SEMÂNTICA FORMAL ANA LÚCIA MÜLLER ET AL.

SEMÂNTICA FORMAL ANA LÚCIA MÜLLER ET AL. O TEMPO DOS VERBOS NO PORTUGUÊS, REFERENCIAÇÃO E DISCURSO, SEMÂNTICA FORMAL, Ronaldo de Oliveira Batista O TEMPO DOS VERBOS NO PORTUGUÊS MARIA LUISA MONTEIRO SALES CORÔA REFERENCIAÇÃO E DISCURSO INGEDORE

Leia mais

O ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA/PB

O ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA/PB O ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA/PB Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais (PPGAV) Universidade Federal da Paraíba (UFPB) / Universidade Federal de Pernambuco

Leia mais

AS FÁBULAS E OS PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO DO CAMPO: UMA ANÁLISE DO LIVRO DIDÁTICO

AS FÁBULAS E OS PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO DO CAMPO: UMA ANÁLISE DO LIVRO DIDÁTICO AS FÁBULAS E OS PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO DO CAMPO: UMA ANÁLISE DO LIVRO DIDÁTICO Jefferson Geovane da Silva (jefferson.geovane@hotmail.com) Ana Paula Bezerra Carneiro (paulinha.caolly@gmail.com) Cinthya

Leia mais

5 Comentários. 5.1 O Problema do Predicativo do Sujeito

5 Comentários. 5.1 O Problema do Predicativo do Sujeito 5 Comentários 5.1 O Problema do Predicativo do Sujeito Considerar o predicativo do sujeito um actante (como fazem Brito e Bechara) implica incluir os tradicionalmente chamados verbos de ligação ou copulativos

Leia mais

ESTUDOS DE LINGUAGEM I Período 1º Semestre. Eixo de Formação Eixo de Formação Fundamental

ESTUDOS DE LINGUAGEM I Período 1º Semestre. Eixo de Formação Eixo de Formação Fundamental Disciplina Curso Graduação DE GRADUACÃO Curso Semestral ESTUDOS DE LINGUAGEM I Período 1º Semestre Eixo de Formação Eixo de Formação Fundamental Turma (s) A, B e D Código 136 Carga Horária 48 horas-aula

Leia mais

O TRABALHO COM O GÊNERO TEXTO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

O TRABALHO COM O GÊNERO TEXTO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL O TRABALHO COM O GÊNERO TEXTO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Flávia Simões de Moura Luzia Bueno Universidade São Francisco flaviamoura1587@yahoo.com.br Resumo: Este trabalho pretende

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG A NOÇÃO DE LOCAL NOS JORNAIS DIÁRIOS DE TERESINA: OS DISCURSOS SOBRE RELIGIÃO E ESPORTE Hodercine Helane Barros de Melo (Bolsista do ICV), Paulo Fernando de Carvalho Lopes (Orientador, Departamentoto de

Leia mais

INTERTEXTUALIDADE NAS MÚSICAS DE BEZERRA DA SILVA

INTERTEXTUALIDADE NAS MÚSICAS DE BEZERRA DA SILVA INTERTEXTUALIDADE NAS MÚSICAS DE BEZERRA DA SILVA Isabela Fernanda Macedo Rangel Universidade Estadual da Paraíba isabelafcandido@gmail.com INTRODUÇÃO Dentre os sete critérios essenciais na compreensão

Leia mais

PARÁFRASE COMO RECURSO DISCURSIVO NO ENSINO DE CIÊNCIAS. Margarethe Steinberger Elias e Francisco das Chagas Pereira

PARÁFRASE COMO RECURSO DISCURSIVO NO ENSINO DE CIÊNCIAS. Margarethe Steinberger Elias e Francisco das Chagas Pereira PARÁFRASE COMO RECURSO DISCURSIVO NO ENSINO DE CIÊNCIAS Margarethe Steinberger Elias e Francisco das Chagas Pereira Universidade Federal do ABC (UFABC) Modalidade: Comunicação científica Resumo O uso de

Leia mais

PAULIUKONIS, Maria Aparecida Lino; SANTOS, Leonor Werneck (Org.). Estratégias de Leitura: Texto e Ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, p.

PAULIUKONIS, Maria Aparecida Lino; SANTOS, Leonor Werneck (Org.). Estratégias de Leitura: Texto e Ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, p. PAULIUKONIS, Maria Aparecida Lino; SANTOS, Leonor Werneck (Org.). Estratégias de Leitura: Texto e Ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2006. 192p. Fernanda Pizarro de Magalhães* Universidade Católica de Pelotas

Leia mais

O SENTIDO DE INDISCIPLINA NO DISCURSO DA COMUNIDADE ESCOLAR

O SENTIDO DE INDISCIPLINA NO DISCURSO DA COMUNIDADE ESCOLAR O SENTIDO DE INDISCIPLINA NO DISCURSO DA COMUNIDADE ESCOLAR Solange Almeida de Medeiros (PG UEMS) Marlon Leal Rodrigues (UEMS) RESUMO: O presente artigo se baseia em um projeto de pesquisa, em desenvolvimento,

Leia mais

Português Instrumental

Português Instrumental UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E EXATAS CAMPUS VI - PINTO DE MONTEIRO Português Instrumental Período: 2014.2 Carga Horária: 60h Prof. Paulo Aldemir Delfino Lopes pauloaldemir@gmail.com

Leia mais

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO Fernanda Félix da Costa Batista 1 INTRODUÇÃO O trabalho com gêneros textuais é um grande desafio que a escola tenta vencer, para isso os livros

Leia mais