AS RELAÇÕES DIALÓGICAS E AS FORMAS DE CITAÇÃO DO DISCURSO DO OUTRO NA CRÔNICA GRIPE SUÍNA OU PORCINA?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS RELAÇÕES DIALÓGICAS E AS FORMAS DE CITAÇÃO DO DISCURSO DO OUTRO NA CRÔNICA GRIPE SUÍNA OU PORCINA?"

Transcrição

1 729 AS RELAÇÕES DIALÓGICAS E AS FORMAS DE CITAÇÃO DO DISCURSO DO OUTRO NA CRÔNICA GRIPE SUÍNA OU PORCINA? Maricília Lopes da Silva - UNIFRAN A crônica é na essência uma forma de arte, arte da palavra, a que se liga forte dose de lirismo. Afrânio Coutinho Este estudo apresenta uma abordagem sobre em que consiste o Dialogismo bakhtiniano e quais as contribuições desse conceito para os estudos de gramática e de literatura; as relações dialógicas e as formas de citação do discurso do outro na crônica referida. Segundo o filósofo russo, viver é responder, assumir, participar do diálogo inconcluso que constitui a vida humana. A dialogia é, portanto, fundante do nosso ser no mundo e na nossa própria consciência. Em FIORIN, 2006, Bakhtin afirma ser a língua, em sua totalidade concreta, viva, em seu uso real, tem a propriedade de ser dialógica. Desta forma, as relações dialógicas apresentam enunciados em seu processo de comunicação. Estes enunciados são dialógicos, independentemente de sua dimensão; o dialogismo são as relações de sentido que se estabelecem entre dois enunciados. Bakhtin pensou numa ciência além da lingüística, examinando o funcionamento real da linguagem em sua unicidade. Ele propõe a translinguística, que tem como objeto de estudo os enunciados, ou as relações dialógicas entre eles. As unidades da língua (sons, palavras, orações) não são dialógicas; são completas, porém não permitem respostas e também não são dirigidas a ninguém. Já os enunciados admitem respostas e têm um destinatário. As unidades da língua são neutras e os enunciados contêm emoções, juízos, paixões. A palavra está sempre carregada de um conteúdo ou de um sentido ideológico ou vivencial: toda palavra dialoga com outras palavras, constitui-se a partir de outras palavras, está rodeada de outras palavras (FIORIN, 2006 p.19), ou seja, as palavras, isoladamente, não têm autor, mas estão para serem usadas nos

2 730 enunciados. Estes, por sua vez, têm autoria, revelando, assim, um posicionamento de quem os pronunciou. A enunciação é de natureza social. O locutor serve-se da língua para suas necessidades enunciativas concretas: os enunciados têm sentido, que é sempre de ordem dialógica (FIORIN, 2006 p.23), assim, são sempre históricos. Historicidade está imbuída no próprio movimento lingüístico de sua constituição. É na relação dialógica que se compreende a História que perpassa o discurso. A História é interior ao sentido, que é histórico e se constitui ideologicamente. Todo discurso é inevitavelmente ocupado, atravessado, pelo discurso alheio (FIORIN, 2006 p.19). O estudioso disse que não tiramos o verbo da gramática e as palavras do dicionário: tiramos dos lábios dos outros, ou seja, a gramática tem que estar sempre a serviço do texto e não isoladamente, como é aplicada. Isto é, no enunciado proposto faz-se a análise do sentido ou dos sentidos possíveis. O filósofo faz crítica ao teorismo a separação abstrata entre o mundo do conhecimento e o mundo da vida, e sua defesa de necessidade de reconstruir a unidade perdida. No texto tomado como corpus, a crônica publicada em O jornal de Batatais Caderno Light em 09/05/2009 pelo professor Juscelino Pernambuco, intitulada Gripe Suína ou Porcina?, observa-se citações discursivas de outrem. O enunciador emprega o recurso ao discurso do outro e utiliza-se de mecanismos enunciativos por meio da introdução do discurso de outrem como também pela intertextualidade. A crônica tem sua origem na palavra cronos (tempo) e é um gênero com linguagem e estilo diferenciados. Há uma polêmica na questão relacionada ao gênero, pois alguns a consideram como jornalístico e outros como literário. Não faremos aqui uma discussão sobre o discurso jornalístico nem o papel da crônica no contexto midiático, visto que ainda hoje existe essa divisão até entre os próprios cronistas. Afrânio Coutinho atribuiu à crônica a classificação de natureza híbrida por causa de sua efemeridade. Alguns recortes foram utilizados para serem o mote da análise. Tais dizeres e palavras selecionadas servirão para exemplicar como a palavra se relaciona e se constitui a partir de outras palavras; o cronista faz uso de marcas lingüísticodiscursivas empregadas por outros (já-dito) e estabelece pelas relações dialógicas a interação entre ele mesmo, que aqui chamamos de locutor e o interlocutor (quem faz a leitura textual), ambos apoiados pela memória discursiva.

3 731 Diante dessa leitura discursiva, apresentamos algumas ilustrações desses mecanismos enunciativos produzidos pelo enunciador: De bem com a Língua, de bem com a vida observa-se que o enunciador responde uma voz em oposição ao dito, ou seja, quem não está de bem com a língua, não está de bem com a vida; palavras estas que estão intimamente ligadas já que a língua segundo o enunciador é uma língua viva em contradição com a voz social do já-dito; retoma o dito e o reformula. Considerando que a crônica tem como relevância na sua constituição o elemento humor e que tiramos dos lábios dos outros os dizeres, vimos que na expressão dada pelo autor: E nós, palmeirenses, muito menos, o enunciador usa de ironia enfatizando que a gripe denominada suína nada tem a ver com o porco (animal) e muito menos com o torcedor do time do Palmeiras. O autor dialoga com o discurso científico quando explica a origem da palavra suína e ainda com a própria linguagem quando refere-se à variedade da língua:... é bom saber, veio diretamente do latim do povo. Mais uma razão para evitar a intolerância lingüística com a norma popular. Aqui responde à outra voz, a voz do purista que prioriza o português padrão; o enunciador emprega citação própria. O autor dialoga também com o discurso midiático ao reportar-se à viúva Porcina para exemplificar a opção da terminologia: por = porcino, não muito usual, porque o usual é utilizar suíno, aqui no Brasil. Isso mostra a oportunidade de escolhas que o falante tem da própria língua. Além disso, ficou explícito aqui que através de várias vozes sociais, o professor fez revelações da própria voz (citações próprias), para explicar o discurso da variação lingüística. Na releitura da entrevista do poeta Carlos Drummond de Andrade, o cronista expõe o que se chama de segundo conceito de Dialogismo, ou seja, incorporação pelo enunciador da voz ou das vozes de outro(s) no enunciado. No trecho:...e ele responde: _ Eu vivia (...) liberdade, reconhecemos o discurso alheio demarcado pelo discurso direto do outro. O uso desse recurso traz sustentação à fala do enunciador, pois emprega a citação do outro literalmente. Quando o autor relata que O poeta diz com sinceridade e sabedoria: fica subentendida uma voz que reconhece e afirma a idoneidade do poeta Drummond. Aqui o enunciador evidencia a fala do poeta confirmando a integração de pontos de vista, o seu e o dele.

4 732 Na expressão dada pelo autor em Vejam que resposta deliciosa! o enunciador expõe, segundo a própria cosmovisão a inocência que lhe é peculiar, empregando uma citação própria. O cronista recorre a uma evocação à Machado de Assis ao dizer: Meus caros leitores... em que ele, autor, surpreende e faz alertas ao leitor da crônica, a começar pela saudação típica do estilo machadiano: Bons dias!. Dos resultados obtidos, tem-se que quando o enunciador remete ao já-dito ele estabelece uma relação dialógica com o discurso do outro através de uma atitude responsiva ativa, ou seja, mesmo que não haja um diálogo pré-estabelecido, há uma manifestação dialógica que permite credibilidade à sua fala, pois traz fatos e informações com os quais o autor se relaciona dialogicamente de forma a garantirlhe sustentação opinativa. Conforme a concepção bakhtiniana, a estratégia discursiva de se reportar a palavra do outro, ou seja, o emprego da citação do discurso do outro, está sempre sujeita à resignificação. Toma-se os discursos bakhtinianos como base para outros discursos, afinal, dito por ele mesmo, um texto sempre traz respostas ou antecipa outros textos.

5 ANEXO 733

6 734 REFERÊNCIAS BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, (VOLOCHINOV) (1929). Marxismo e Filosofia da Linguagem. 9.ed. São Paulo: Hucitec, BOCH, F. & GROSSMANN, F. Referir-se ao discurso do outro: alguns elementos de comparação entre especialistas e principiantes. In: Revista Scripta, v. 6, n.11. Belo Horizonte: PUC Minas, COUTINHO, A. Introdução à literatura no Brasil. 9.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, FIORIN, José Luiz. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Ática, 2006.

Infográfico como linguagem na divulgação científica estudo na perspectiva da análise dialógica do discurso (ADD) de Bakhtin

Infográfico como linguagem na divulgação científica estudo na perspectiva da análise dialógica do discurso (ADD) de Bakhtin Infográfico como linguagem na divulgação científica estudo na perspectiva da análise dialógica do discurso (ADD) de Bakhtin Elisangela S. M. Marques 1 Marcia Reami Pechula 2 O presente texto propõe uma

Leia mais

Rebak 1 : A alteridade pelo viés dialógico e a prática de escrita do aluno

Rebak 1 : A alteridade pelo viés dialógico e a prática de escrita do aluno Rebak 1 : A alteridade pelo viés dialógico e a prática de escrita do aluno Viviane Letícia Silva Carrijo 2 O eu pode realizar-se verbalmente apenas sobre a base do nós. BAKHTIN/VOLOSHINOV (1926) Bakhtin

Leia mais

Contribuições dos Estudos Bakhtinianos aos Estudos Neurolinguísticos

Contribuições dos Estudos Bakhtinianos aos Estudos Neurolinguísticos Contribuições dos Estudos Bakhtinianos aos Estudos Neurolinguísticos Thalita Cristina Souza Cruz Neste ensaio, apresentarei brevemente alguns conceitos bakhtinianos relacionadas à discussão sobre a significação

Leia mais

O TRABALHO COM TEXTOS NUMA TURMA DE CINCO ANOS

O TRABALHO COM TEXTOS NUMA TURMA DE CINCO ANOS O TRABALHO COM TEXTOS NUMA TURMA DE CINCO ANOS Mônica Cristina Medici da Costa 1 Introdução O presente texto traz um recorte da nossa pesquisa que teve como objetivo analisar as práticas de uma professora

Leia mais

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem (Anotações de leitura por Eliana Gagliardi) Geraldi, em seu livro Portos de Passagem, São Paulo, Martins Fontes, 1991, coloca-nos que o ensino de Português

Leia mais

Introdução 1 Língua, Variação e Preconceito Linguístico 1 Linguagem 2 Língua 3 Sistema 4 Norma 5 Português brasileiro 6 Variedades linguísticas 6.

Introdução 1 Língua, Variação e Preconceito Linguístico 1 Linguagem 2 Língua 3 Sistema 4 Norma 5 Português brasileiro 6 Variedades linguísticas 6. Introdução 1 Língua, Variação e Preconceito Linguístico 1 Linguagem 2 Língua 3 Sistema 4 Norma 5 Português brasileiro 6 Variedades linguísticas 6.1 Padrão vs. não padrão 6.2 Variedades sociais 6.3 Classificação

Leia mais

Dialogismo e interação em Bakhtin: fundamentos para a prática em sala de aula

Dialogismo e interação em Bakhtin: fundamentos para a prática em sala de aula Dialogismo e interação em Bakhtin: fundamentos para a prática em sala de aula Janayna Bertollo Cozer Casotti 1 O dialogismo, no conjunto da obra de Bakhtin (1999), constitui característica essencial da

Leia mais

DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji

DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso cfernandes@utfpr.edu.br Profa. Dr. Carolina Mandaji Formação discursiva, Formação ideológica Formações ideológicas Conjunto de valores e crenças a partir dos

Leia mais

DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji

DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso cfernandes@utfpr.edu.br Profa. Dr. Carolina Mandaji Análise do Discurso Fernanda Mussalim Condições de produção do discurso Formação discursiva, formação ideológica

Leia mais

Instrumento. COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de Gêneros Textuais. Belo Horizonte: Autêntica, Mariângela Maia de Oliveira *

Instrumento. COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de Gêneros Textuais. Belo Horizonte: Autêntica, Mariângela Maia de Oliveira * Resenha Instrumento COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de Gêneros Textuais. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. Mariângela Maia de Oliveira * Tomando por base os novos conceitos subjacentes ao processo de

Leia mais

Alteridade e responsividade em Bakhtin

Alteridade e responsividade em Bakhtin Alteridade e responsividade em Bakhtin Sebastiana Almeida Souza (UFMT/MeEL) 1 Sérgio Henrique de Souza Almeida (UFMT/MeEL) 2 Introdução Este artigo pretende trabalhar a noção de alteridade e responsividade

Leia mais

PRIMEIRA VERSÃO ISSN lathé biosa 36

PRIMEIRA VERSÃO ISSN lathé biosa 36 UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA (UFRO) CENTRO DE HERMENÊUTICA DO PRESENTE PRIMEIRA VERSÃO ANO I, Nº36 - JANEIRO - PORTO VELHO, 2002 PRIMEIRA VERSÃO ISSN 1517-5421 lathé biosa 36 ISSN 1517-5421 EDITOR

Leia mais

Descrição da Escala Língua Portuguesa - 5 o ano EF

Descrição da Escala Língua Portuguesa - 5 o ano EF Os alunos do 5º ano do Ensino Fundamental < 125 identificam o sentido de expressão típica da fala coloquial utilizada em segmento de história em quadrinhos; e o local em que se desenrola o enredo, em anedota.

Leia mais

A PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTIR DOS GÊNEROS JORNALÍSTICOS 1

A PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTIR DOS GÊNEROS JORNALÍSTICOS 1 A PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTIR DOS GÊNEROS JORNALÍSTICOS 1 SCARABEL, Juceléia (PIBID/ CAPES - LÍNGUA PORTUGUESA- jmikelyscarabel@bol.com.br LOPES,

Leia mais

RESENHA - ANÁLISE DO DISCURSO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS REVIEW - DISCOURSE ANALYSIS: PRINCIPLES AND PROCEDURES

RESENHA - ANÁLISE DO DISCURSO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS REVIEW - DISCOURSE ANALYSIS: PRINCIPLES AND PROCEDURES RESENHA - ANÁLISE DO DISCURSO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS 200 REVIEW - DISCOURSE ANALYSIS: PRINCIPLES AND PROCEDURES Elizete Beatriz Azambuja Doutoranda em Linguística UEG Unidade de São Luís de Montes

Leia mais

Livros didáticos de língua portuguesa para o ensino básico

Livros didáticos de língua portuguesa para o ensino básico Livros didáticos de língua portuguesa para o ensino básico Maria Inês Batista Campos maricamp@usp.br 24/09/2013 Universidade Estadual de Santa Cruz/UESC Ilhéus-Bahia Objetivos Compreender o livro didático

Leia mais

DO TEMA E SIGNIFICAÇÃO APLICADOS À LÍNGUA ESPACIAL: CUTUCANDO BAKHTIN. Por Anderson Simão DUARTE

DO TEMA E SIGNIFICAÇÃO APLICADOS À LÍNGUA ESPACIAL: CUTUCANDO BAKHTIN. Por Anderson Simão DUARTE S (...) a palavra nova significa uma relação estabelecida entre um objeto e outro, e essa relação, dada a experiência, está sempre presente na origem de cada palavra. E ainda nenhuma palavra surge por

Leia mais

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira COMUNICAÇÃO LINGUAGEM LÍNGUA FALA ESCRITA DISCURSO Forma de linguagem escrita (texto) ou falada (conversação no seu contexto social, político ou cultural).

Leia mais

1 Mestranda em Estudos de Linguagens (CEFET-MG). Belo Horizonte. Correio Eletrônico:

1 Mestranda em Estudos de Linguagens (CEFET-MG). Belo Horizonte. Correio Eletrônico: 165 Suelen MARTINS RESENHA SOBRAL, Adail. Do dialogismo ao gênero: as bases do pensamento do círculo de Bakhtin. Campinas: Mercado das Letras, 2009. Série Ideias sobre linguagem. Suelen MARTINS 1 Palavras-chave:

Leia mais

A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Manassés Morais Xavier Universidade Federal de Campina Grande manassesmxavier@yahoo.com.br Maria de Fátima Almeida Universidade Federal

Leia mais

H003 Compreender a importância de se sentir inserido na cultura escrita, possibilitando usufruir de seus benefícios.

H003 Compreender a importância de se sentir inserido na cultura escrita, possibilitando usufruir de seus benefícios. 2ª Língua Portuguesa 5º Ano E.F. Objeto de Estudo Usos e funções: código oral e código escrito Usos e funções: código oral e código escrito Usos e funções: norma-padrão e variedades linguísticas. Usos

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS DESCRITORES D01 Distinguir letras de outros sinais gráficos. Reconhecer as convenções da escrita. D02 Reconhecer

Leia mais

Aula6 MATERIALIDADE LINGUÍSTICA E MATERIALIDADE DISCURSIVA. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula6 MATERIALIDADE LINGUÍSTICA E MATERIALIDADE DISCURSIVA. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula6 MATERIALIDADE LINGUÍSTICA E MATERIALIDADE DISCURSIVA META Discutir língua e texto para a Análise do Discurso. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Entender a língua como não linear e que

Leia mais

LEITURA, MÍDIA E ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: REFLEXÕES TEÓRICAS

LEITURA, MÍDIA E ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: REFLEXÕES TEÓRICAS LEITURA, MÍDIA E ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: REFLEXÕES TEÓRICAS Diana Barbosa de Freitas (UFCG) dianabarbosa146@gmail.com Manassés Morais Xavier (Orientador UFCG) manassesmxavier@yahoo.com.br 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPOS 3e4

GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPOS 3e4 GRUPO 1 GRUPO GRUPOS 3e UFG/CS RESPOSTAS ESPERADAS OFICIAIS GRUPO I ADEQUAÇÃO A-ao tema = 0 a pontos B-à leitura da coletânea = 0 a pontos C-ao gênero textual = 0 a pontos D-à modalidade = 0 a pontos CRITÉRIOS

Leia mais

MESA REDONDA - O ENSINO DA LITERATURA NA ESCOLA E O LETRAMENTO LITERÁRIO: QUAIS OS DESAFIOS DO PROFESSOR?

MESA REDONDA - O ENSINO DA LITERATURA NA ESCOLA E O LETRAMENTO LITERÁRIO: QUAIS OS DESAFIOS DO PROFESSOR? MESA REDONDA - O ENSINO DA LITERATURA NA ESCOLA E O LETRAMENTO LITERÁRIO: QUAIS OS DESAFIOS DO PROFESSOR? LETRAMENTO LITERÁRIO: POR QUE E COMO ENSINAR LITERATURA NA ESCOLA? SAMUEL LIRA DE OLIVEIRA Os estudos

Leia mais

Contribuições do pensamento de Bakhtin para a alfabetização

Contribuições do pensamento de Bakhtin para a alfabetização Contribuições do pensamento de Bakhtin para a alfabetização Vania Grim Thies 1 O objetivo do presente texto é pensar as questões relativas à linguagem e a educação com as contribuições do pensamento bakhtiniano,

Leia mais

Descrição da Escala Língua Portuguesa - 7 o ano EF

Descrição da Escala Língua Portuguesa - 7 o ano EF Os alunos do 7º ano do Ensino Fundamental 150 identificam a finalidade de produção do texto, com auxílio de elementos não verbais e das informações explícitas presentes em seu título, em cartaz de propaganda

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E SUA APLICAÇÃO EM SALA DE AULA: A APRENDIZAGEM EM FOCO.

LÍNGUA PORTUGUESA E SUA APLICAÇÃO EM SALA DE AULA: A APRENDIZAGEM EM FOCO. 1 UMA ANÁLISE ENUNCIATIVO-DISCURSIVA DE MATERIAL DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA E SUA APLICAÇÃO EM SALA DE AULA: A APRENDIZAGEM EM FOCO. Rosenil Gonçalina dos Reis e SILVA MeEL/UFMT 1 Orientadora: Prof.

Leia mais

CLASSIFICADOS DE JORNAIS: DIVERSIDADE DE VOZES E CONSTITUIÇÃO DE SUBJETIVIDADE

CLASSIFICADOS DE JORNAIS: DIVERSIDADE DE VOZES E CONSTITUIÇÃO DE SUBJETIVIDADE CLASSIFICADOS DE JORNAIS: DIVERSIDADE DE VOZES E CONSTITUIÇÃO DE SUBJETIVIDADE Introdução Kelli da Rosa Ribeiro 1 O presente trabalho apresenta reflexões iniciais referentes a um projeto de pesquisa em

Leia mais

Comunicação e discurso

Comunicação e discurso Retrospectiva Comunicação e discurso FIGARO, R (Org.). Comunicação e Análise do Discurso. 1. ed., 1ª reimpressão. São Paulo: Contexto, 2013. Vicentônio Regis do Nascimento Silva * Daniele Trevelin Donato

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: UMA REFLEXÃO A PARTIR DE TEORIAS ENUNCIATIVAS

LEITURA E ESCRITA: UMA REFLEXÃO A PARTIR DE TEORIAS ENUNCIATIVAS - SEPesq LEITURA E ESCRITA: UMA REFLEXÃO A PARTIR DE TEORIAS ENUNCIATIVAS Ana Paula Sahagoff Doutoranda UniRitter anasahagoff@gmail.com Resumo: O presente artigo decorre de um estudo que resultará em um

Leia mais

ANÁLISE DE TEXTO: UM OLHAR DE SEMANTICISTA. Sheila Elias de Oliveira 1

ANÁLISE DE TEXTO: UM OLHAR DE SEMANTICISTA. Sheila Elias de Oliveira 1 ANÁLISE DE TEXTO: UM OLHAR DE SEMANTICISTA Sheila Elias de Oliveira 1 Eduardo Guimarães 2 tem se dedicado desde a década de 1980 à reflexão sobre o sentido na linguagem e nas línguas de um ponto de vista

Leia mais

A contribuição da concepção de linguagem bakhtiniana para a discussão sobre a escrita para o outro, por crianças, no processo inicial de alfabetização

A contribuição da concepção de linguagem bakhtiniana para a discussão sobre a escrita para o outro, por crianças, no processo inicial de alfabetização A contribuição da concepção de linguagem bakhtiniana para a discussão sobre a escrita para o outro, por crianças, no processo inicial de alfabetização Dania Monteiro Vieira Costa Considerações iniciais

Leia mais

Sumário. Introdução, 1. 1 Português jurídico, 5 1 Linguagem, sistema, língua e norma, 5 2 Níveis de linguagem, 11 Exercícios, 24

Sumário. Introdução, 1. 1 Português jurídico, 5 1 Linguagem, sistema, língua e norma, 5 2 Níveis de linguagem, 11 Exercícios, 24 Sumário Introdução, 1 1 Português jurídico, 5 1 Linguagem, sistema, língua e norma, 5 2 Níveis de linguagem, 11 Exercícios, 24 2 Como a linguagem funciona, 31 1 Análise do discurso, 31 2 O estudo da linguagem,

Leia mais

VOZES ALHEIAS MATERIALIZADAS EM CADERNOS ESCOLARES: COMO COMPREENDÊ-LAS?

VOZES ALHEIAS MATERIALIZADAS EM CADERNOS ESCOLARES: COMO COMPREENDÊ-LAS? 1 VOZES ALHEIAS MATERIALIZADAS EM CADERNOS ESCOLARES: COMO COMPREENDÊ-LAS? BECALLI, Fernanda Zanetti IFES/PPGE/UFES nandazbn@gmail.com SCHWARTZ, Cleonara Maria CE/PPGE/UFES cleonara@terra.com.br Resumo:

Leia mais

CRIARCONTEXTO: O ENSINO-APRENDIZAGEM DE GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO MÉDIO

CRIARCONTEXTO: O ENSINO-APRENDIZAGEM DE GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO MÉDIO CRIARCONTEXTO: O ENSINO-APRENDIZAGEM DE GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO MÉDIO Wellyna Késia Franca de SOUSA e Eliane Marquez da Fonseca FERNANDES Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás wellynakesiahb@bol.com.br

Leia mais

Suely Aparecida da Silva

Suely Aparecida da Silva Estética da criação verbal SOBRAL, Adail. Estética da criação verbal. In: BRAIT, Beth. Bakhtin, dialogismo e polifonia. São Paulo: contexto, 2009. p. 167-187. Suely Aparecida da Silva Graduada em Normal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE DISCIPLINA: Análise do Discurso CARGA HORÁRIA: 45 horas PROFESSORA: Dra. Laura Maria Silva Araújo

Leia mais

PRÁTICAS DE LINGUAGEM E A EDUCAÇÃO

PRÁTICAS DE LINGUAGEM E A EDUCAÇÃO PRÁTICAS DE LINGUAGEM E A EDUCAÇÃO 1 Introdução Erineu Foerste 1 Laura Maria Bassani Muri Paixão 2 Walkyria Barcelos Sperandio 3 A participação em eventos em que vozes e consciências equipolentes se combinam

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO GÊNERO RESENHA PARA A FORMAÇÃO DO LEITOR CRÍTICO

A IMPORTÂNCIA DO GÊNERO RESENHA PARA A FORMAÇÃO DO LEITOR CRÍTICO A IMPORTÂNCIA DO GÊNERO RESENHA PARA A FORMAÇÃO DO LEITOR CRÍTICO Luiz Antonio Xavier Dias (GP Leitura e Ensino - CLCA UENP/CJ) 1 Introdução Este trabalho, que tem caráter bibliográfico, tem como objetivo

Leia mais

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso Língua e Produção 3º ano Francisco Análise do discurso Elementos básicos da comunicação; Texto e discurso/ a intenção no discurso; As funções intrínsecas do texto. ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO Emissor emite,

Leia mais

Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas

Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas Análise Estética (formal) Análise Estilística (figuras de linguagem) Análise Gramatical (morfossintática) Análise Semântica (de significado) Análise

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Géneros textuais e tipos textuais Armando Jorge Lopes

Géneros textuais e tipos textuais Armando Jorge Lopes Géneros textuais e tipos textuais [texto de apoio para o curso de doutoramento em ciências da linguagem aplicadas ao ensino de línguas/universidade Pedagógica, Maputo, Outubro de 2015] Armando Jorge Lopes

Leia mais

ANÁLISE DO ESTILO DA TIRA HAGAR CONFORME CONCEPÇÃO BAKHTINIANA

ANÁLISE DO ESTILO DA TIRA HAGAR CONFORME CONCEPÇÃO BAKHTINIANA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO ESTILO DA TIRA HAGAR CONFORME CONCEPÇÃO BAKHTINIANA Tatiane Henrique Sousa Machado 1 RESUMO: O presente estudo visa analisar o conceito de estilo

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 8.º ANO DE PORTUGUÊS 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 8.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes graus de formalidade, finalidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DISPONÍVEIS/2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DISPONÍVEIS/2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DISPONÍVEIS/015 I ADEQUAÇÃO A- ao tema = 0 a pontos B- à leitura da coletânea =

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira EMENTA

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira EMENTA 53 14 PLANOS DE DISCIPLINAS PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira Curso: Técnico em Agroindústria Integrado ao Ensino Médio

Leia mais

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE:

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: PLANO DA DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira CURSO: Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: 1º Ano CARGA HORÁRIA: 100 h.r. EMENTA Estudos de Fonética e Fonologia

Leia mais

Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. (...)

Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. (...) Podemos tratar a dêixis como o modo mais óbvio de efetivação do elo entre a produção linguística dos falantes e os contextos situacionais em que tal produção ocorre. Ela permite marcar no enunciado as

Leia mais

GÊNERO CHARGE: DO PAPEL AOS BYTES

GÊNERO CHARGE: DO PAPEL AOS BYTES GÊNERO CHARGE: DO PAPEL AOS BYTES Anderson Menezes da Silva Willame Santos de Sales Orientadora: Dra. Maria da Penha Casado Alves Departamento de Letras UFRN RESUMO A charge é um gênero recorrente nos

Leia mais

CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS. I ADEQUAÇÃO Adequação ao tema

CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS. I ADEQUAÇÃO Adequação ao tema UFG/CS PS/011-1 RESPOSTAS ESPERADAS OFICIAIS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS I ADEQUAÇÃO (SERÁ CONSIDERADO O USO DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO SEGUNDA LÍNGUA) A- ao tema

Leia mais

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão Maria Cecilia Bonato Brandalize 2015 1º Semestre O que é gênero? São as características peculiares a cada tipo de texto ou fala, ou seja, a maneira como

Leia mais

BAKHTIN E A PÓS-MODERNIDADE: ABERTURA DAS NOÇÕES DE DIALOGISMO E POLIFONIA PARA O PENSAMENTO PÓS- MODERNO

BAKHTIN E A PÓS-MODERNIDADE: ABERTURA DAS NOÇÕES DE DIALOGISMO E POLIFONIA PARA O PENSAMENTO PÓS- MODERNO Publicado na 11 Edição (Novembro e Dezembro de 2009) da Revista Linguasagem www.letras.ufscar.br/linguasagem BAKHTIN E A PÓS-MODERNIDADE: ABERTURA DAS NOÇÕES DE DIALOGISMO E POLIFONIA PARA O PENSAMENTO

Leia mais

LISTAGEM DOS COMPONENTES CURRICULARES COMPLEMENTARES (ELETIVOS)

LISTAGEM DOS COMPONENTES CURRICULARES COMPLEMENTARES (ELETIVOS) LISTAGEM DOS COMPONENTES CURRICULARES COMPLEMENTARES (ELETIVOS) Componente Curricular Complementar Total Teórica Prática EAD 1 Pré-requisitos 1. Alfabetização e Letramento BA000492 2. Análise de Livros

Leia mais

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual Marly de Fátima Monitor de Oliveira Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Unesp Araraquara e-mail:

Leia mais

Há várias maneiras de sonhar: os gêneros do discurso na sala de aula

Há várias maneiras de sonhar: os gêneros do discurso na sala de aula POLIFONIA CUIABÁ EdUFMT nº 04 p. 83-89 2002 ISSN 0104-687X Há várias maneiras de sonhar: os gêneros do discurso na sala de aula Cláudia Graziano Paes de Barros (UFMT) Há várias maneiras de sonhar. (...)

Leia mais

BOXE INFORMATIVO NO LIVRO DIDÁTICO: UM SUPORTE PARA OS DIVERSOS FINS

BOXE INFORMATIVO NO LIVRO DIDÁTICO: UM SUPORTE PARA OS DIVERSOS FINS BOXE INFORMATIVO NO LIVRO DIDÁTICO: UM SUPORTE PARA OS DIVERSOS FINS Erica Poliana Nunes de Souza Cunha (UFRN) 1 ericapolianan.s.c@hotmail.com Orientadora: Profa. Dra. Maria da Penha Casado Alves (UFRN)

Leia mais

Linguagem, Leitura e Construção de Sentidos Luciana Cidrim Programa de pós-graduação em Ciências da Linguagem UNICAP

Linguagem, Leitura e Construção de Sentidos Luciana Cidrim Programa de pós-graduação em Ciências da Linguagem UNICAP Linguagem, Leitura e Construção de Sentidos Luciana Cidrim Programa de pós-graduação em Ciências da Linguagem UNICAP A leitura, enquanto experiência social com a linguagem, pode desencadear diferentes

Leia mais

SUBSÍDIOS DE LÍNGUA MATERNA NA PRODUÇÃO ESCRITA EM PORTUGUÊS LÍNGUA ADICIONAL

SUBSÍDIOS DE LÍNGUA MATERNA NA PRODUÇÃO ESCRITA EM PORTUGUÊS LÍNGUA ADICIONAL SUBSÍDIOS DE LÍNGUA MATERNA NA PRODUÇÃO ESCRITA EM PORTUGUÊS LÍNGUA ADICIONAL Silvana Maria Mamani 1 1 Universidade Federal de Minas Gerais/ Faculdade de Letras/ Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos/

Leia mais

META Retomar os caminhos da Linguística, segundo a visão de Saussure e os contrapor à visão de Bakhtin.

META Retomar os caminhos da Linguística, segundo a visão de Saussure e os contrapor à visão de Bakhtin. SAUSSURE E BAKHTIN: OS (DES)CAMINHOS DA LINGÜÍSTICA META Retomar os caminhos da Linguística, segundo a visão de Saussure e os contrapor à visão de Bakhtin. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

NOTAS SOBRE O ESTUDO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS NA TEORIA BAKTINIANA

NOTAS SOBRE O ESTUDO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS NA TEORIA BAKTINIANA NOTAS SOBRE O ESTUDO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS NA TEORIA BAKTINIANA Ananias Agostinho da SILVA (UERN) 1 Débora Caruline Pereira SILVA (UERN) 2 Ilderlândio Assis de Andrade NASCIMENTO (UFPB) 3 Resumo: Baseados

Leia mais

PROVA DE SELEÇÃO DOUTORADO 2017/01

PROVA DE SELEÇÃO DOUTORADO 2017/01 PROVA DE SELEÇÃO DOUTORADO 2017/01 Esta prova visa a classificar candidatos com as seguintes características: capacidade de reflexão teórica; capacidade para resolução de problemas; capacidade para exposição

Leia mais

Chave de correção para a produção de texto 1ª Avaliação Diagnóstica º Ano do ensino fundamental Conto Critérios Pontuação Descritores

Chave de correção para a produção de texto 1ª Avaliação Diagnóstica º Ano do ensino fundamental Conto Critérios Pontuação Descritores 1ª Avaliação Diagnóstica 2013 2º Ano do ensino fundamental Conto O texto está apropriado ao tema estabelecido nas imagens? A situação de produção própria do texto narrativo se manifesta no texto? A organização

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS º ANO A Ano Letivo: 204 / 205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

Linguagem e Ideologia

Linguagem e Ideologia Linguagem e Ideologia Isabela Cristina dos Santos Basaia Graduanda Normal Superior FUPAC E-mail: isabelabasaia@hotmail.com Fone: (32)3372-4059 Data da recepção: 19/08/2009 Data da aprovação: 31/08/2011

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio Série/período: 1º ano Carga

Leia mais

VOZES DO OUTRO NA MATERIALIDADE DO TEXTO ACADÊMICO: UM ESTUDO SOBRE AS FUNÇÕES DO DISCURSO CITADO

VOZES DO OUTRO NA MATERIALIDADE DO TEXTO ACADÊMICO: UM ESTUDO SOBRE AS FUNÇÕES DO DISCURSO CITADO VOZES DO OUTRO NA MATERIALIDADE DO TEXTO ACADÊMICO: UM ESTUDO SOBRE AS FUNÇÕES DO DISCURSO CITADO Ilderlandio Assis de Andrade Nascimento Bolsista PIBIC/CNPq Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Leia mais

Do lugar de cada um, o saber de todos nós 5 a - edição COMISSÃO JULGADORA orientações para o participante

Do lugar de cada um, o saber de todos nós 5 a - edição COMISSÃO JULGADORA orientações para o participante Do lugar de cada um, o saber de todos nós 5 a - edição - 2016 COMISSÃO JULGADORA orientações para o participante Caro(a) participante da Comissão Julgadora da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo

Leia mais

MAIS RESENHA: UMA PROPOSTA PARA FORMAÇÃO DO LEITOR CRÍTICO NA ESCOLA

MAIS RESENHA: UMA PROPOSTA PARA FORMAÇÃO DO LEITOR CRÍTICO NA ESCOLA MAIS RESENHA: UMA PROPOSTA PARA FORMAÇÃO DO LEITOR CRÍTICO NA ESCOLA Adriana Letícia Torres da Rosa adrianarosa100@gmail.com Cristina Lúcia de Almeida krisluci@yahoo.com.br José Batista de Barros Instituto

Leia mais

COMPETÊNCIAS INSTRUMENTOS / PROCESSOS PESOS / % DOMÍNIO COGNITIVO. Compreensão/Expressão oral

COMPETÊNCIAS INSTRUMENTOS / PROCESSOS PESOS / % DOMÍNIO COGNITIVO. Compreensão/Expressão oral Agrupamento de Escolas Poeta António Aleixo Escola Secundária Poeta António Aleixo CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2016 / 2017 Departamento de Línguas - Grupo 300 Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

Cursos Científico-humanísticos de Ciências e Tecnologias e de Línguas e Humanidades. PORTUGUÊS 11.º Ano Matriz do teste Comum

Cursos Científico-humanísticos de Ciências e Tecnologias e de Línguas e Humanidades. PORTUGUÊS 11.º Ano Matriz do teste Comum Direção de Serviços da Região Norte Cursos Científico-humanísticos de Ciências e Tecnologias e de Línguas e Humanidades PORTUGUÊS 11.º Ano Matriz do teste Comum 1. Informação O presente documento visa

Leia mais

O filósofo Mikhail Bakhtin foi uma figura marginal no cenário intelectual

O filósofo Mikhail Bakhtin foi uma figura marginal no cenário intelectual ESTUDO SOBRE ALGUNS CONCEITOS CONSIDERADOS FUNDAMENTAIS PARA A COMPREENSÃO DA TEORIA SÓCIO- HISTÓRICA DO FILÓSOFO RUSSO MIKHAIL BAKHTIN: UMA INVESTIGAÇÃO TEÓRICA STUDY ABOUT SOME CONCEPTS CONSIDERED IMPORTANT

Leia mais

4 PERSPECTIVAS BAKHTINIANAS

4 PERSPECTIVAS BAKHTINIANAS 40 4 PERSPECTIVAS BAKHTINIANAS A vida conhece dois centros de valores que são fundamentais e essencialmente diferentes, e ainda assim correlacionados um com o outro: eu mesmo e o outro; e é em torno desses

Leia mais

Processos formativos no encontro com o outro 1

Processos formativos no encontro com o outro 1 Processos formativos no encontro com o outro 1 Renata Rocha Grola Lovatti 2 * Valéria Menassa Zucolotto 3 Valdete Côco 4 Iniciando diálogos Na busca de abordar a formação de professores, ancoradas no referencial

Leia mais

Expectativas de Aprendizagem dos Cursos oferecidos pelo INCO

Expectativas de Aprendizagem dos Cursos oferecidos pelo INCO Level 1 Ao final do Nível 1, você será capaz de: Usar linguagem de sala de aula Apresentar-se em diferentes registros Formular e responder perguntas de forma simples Compreender e usar expressões do dia-a-dia

Leia mais

O TWITTER COMO FERRAMENTA PARA A SALA DE AULA: UMA FERRAMENTA INCLUSIVA

O TWITTER COMO FERRAMENTA PARA A SALA DE AULA: UMA FERRAMENTA INCLUSIVA O TWITTER COMO FERRAMENTA PARA A SALA DE AULA: UMA FERRAMENTA INCLUSIVA MAMEDES, Rosilene Felix (1); Kátia Nara C. de Medeiros (2); NASCIMENTO, SOUSA, Maria Leni Pessoa de. (3); SILVA, Maria Zilda Medeiros

Leia mais

EMENTA: O discurso enquanto prática social em diferentes situações de uso. Práticas discursivas (oralidade, leitura e escrita) e análise lingüística.

EMENTA: O discurso enquanto prática social em diferentes situações de uso. Práticas discursivas (oralidade, leitura e escrita) e análise lingüística. 17. LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA Carga horária total: 360 h/a - 300h EMENTA: O discurso enquanto prática social em diferentes situações de uso. Práticas discursivas (oralidade, leitura e escrita) e análise

Leia mais

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana PLANO DE CURSO DISCIPLINA: LINGUAGEM JURÍDICA (CÓD. ENEX 60106) ETAPA: 1ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo aula Habilidas e Competências Textos, filmes

Leia mais

PRODUÇÃO DE TEXTO RECUPERAÇÃO ROTEIRO E TRABALHO

PRODUÇÃO DE TEXTO RECUPERAÇÃO ROTEIRO E TRABALHO PRODUÇÃO DE TEXTO RECUPERAÇÃO ROTEIRO E TRABALHO ANO: 9º TURMAS: A B C D E ETAPA: 1ª DATA: /05/2017 PROFESSORAS: RAQUEL MARIA VALOR: 3,0 PONTOS ALUNO(A): Nº: NOTA: I INTRODUÇÃO Este roteiro tem como objetivo

Leia mais

TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO. Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG

TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO. Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG De onde vem a proposta de trabalhar com gêneros textuais? PCN de 1ª a 4ª séries

Leia mais

CELM. Linguagem, discurso e texto. Professora Corina de Sá Leitão Amorim. Natal, 29 de janeiro de 2010

CELM. Linguagem, discurso e texto. Professora Corina de Sá Leitão Amorim. Natal, 29 de janeiro de 2010 CELM Linguagem, discurso e texto Professora Corina de Sá Leitão Amorim Natal, 29 de janeiro de 2010 A LINGUAGEM Você já deve ter percebido que a linguagem está presente em todas as atividades do nosso

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 Índice 1. Significado...3 1.1. Contexto... 3 1.2. Intertextualidade... 3 1.2.1. Tipos de intertextualidade... 3 1.3. Sentido... 4 1.4. Tipos de Significado... 4 1.4.1. Significado

Leia mais

Alteridade, cultura e mídia digital: a constituição dos sujeitos no Facebook

Alteridade, cultura e mídia digital: a constituição dos sujeitos no Facebook Alteridade, cultura e mídia digital: a constituição dos sujeitos no Facebook Carolina Reis 1 O trabalho visa à discussão e à reflexão dos conceitos de sujeito, alteridade, diálogo e ideologia no Círculo

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO. Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO. Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe Sumário Introdução 2 PONTOS DE PARTIDA: Currículo Nacional do Ensino Básico publicado em 2001. O Programa

Leia mais

3 A perspectiva sociodiscursiva de linguagem

3 A perspectiva sociodiscursiva de linguagem 3 A perspectiva sociodiscursiva de linguagem Embarcar na corrente do pensamento de Bakhtin requer, assim, nos seus próprios termos, uma forma de pensar incontestavelmente dialógica. (Jobim e Souza, 2000,

Leia mais

LÍNGUA, LINGUAGEM E VARIAÇÃO. Professor Marlos Pires Gonçalves

LÍNGUA, LINGUAGEM E VARIAÇÃO. Professor Marlos Pires Gonçalves LÍNGUA, LINGUAGEM E VARIAÇÃO Professor Marlos Pires Gonçalves 1 É O TIPO DE CÓDIGO FORMADO POR PALAVRAS E LEIS COMBINATÓRIAS POR MEIO DO QUAL AS PESSOAS SE COMUNICAM E INTERAGEM ENTRE SI. É A REPRESENTAÇÃO

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Edilva Bandeira 1 Maria Celinei de Sousa Hernandes 2 RESUMO As atividades de leitura e escrita devem ser desenvolvidas com textos completos

Leia mais

AS VOZES SOCIAIS NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DOCENTE

AS VOZES SOCIAIS NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DOCENTE AS VOZES SOCIAIS NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DOCENTE THIVES, Patrícia Ferreira- FURB pthives@brturbo.com.br Eixo: Currículo e Saberes Agência Financiadora: sem financiamento Resumo O presente artigo

Leia mais

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO Fernanda Félix da Costa Batista 1 INTRODUÇÃO O trabalho com gêneros textuais é um grande desafio que a escola tenta vencer, para isso os livros

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015) ANÁLISE DO DISCURSO 68 h/a 1753/I Vertentes da Análise do Discurso. Discurso e efeito de sentido. Condições de

Leia mais

Dialogismo e polifonia: as vozes na/da educação do campo a partir da carta da professora Maria de Vila Pavão ES

Dialogismo e polifonia: as vozes na/da educação do campo a partir da carta da professora Maria de Vila Pavão ES Dialogismo e polifonia: as vozes na/da educação do campo a partir da carta da professora Maria de Vila Pavão ES Maria Madalena Poleto Oliveira 1 Este artigo trata sobre os termos dialogismo e polifonia

Leia mais

Língua Portuguesa 7º ano

Língua Portuguesa 7º ano Escutar para Aprender e Construir Conhecimento Audição orientada. Ouvinte. Discurso; universo de discurso (assunto). Língua Portuguesa 7º ano Conteúdos 1º Período Comunicação Oral Falar para Construir

Leia mais

O ENEM E AS FIGURAS DE LINGUAGEM (ENEM 2006)

O ENEM E AS FIGURAS DE LINGUAGEM (ENEM 2006) O ENEM E AS FIGURAS DE LINGUAGEM (ENEM 2006) Aula de Português A linguagem na ponta da língua tão fácil de falar e de entender. A linguagem na superfície estrelada de letras, sabe lá o que quer dizer?

Leia mais

Uma discussão sobre a produção de sentidos na leitura: entre Bakhtin e Vygostsky

Uma discussão sobre a produção de sentidos na leitura: entre Bakhtin e Vygostsky Uma discussão sobre a produção de sentidos na leitura: entre Bakhtin e Vygostsky A discussion on the meaning production in reading: between Bakhtin and Vygotsky Juliana Ormastroni Carvalho Santos 1 Resumo:

Leia mais

O trabalho com o gênero no livro didático: um exemplo da dificuldade do tratamento discursivo da linguagem. Karina Giacomelli (UFPEL)

O trabalho com o gênero no livro didático: um exemplo da dificuldade do tratamento discursivo da linguagem. Karina Giacomelli (UFPEL) O trabalho com o gênero no livro didático: um exemplo da dificuldade do tratamento discursivo da linguagem. Karina Giacomelli (UFPEL) 1 Introdução Os livros didáticos de português, atualmente, têm organizado

Leia mais

ENUNCIADO/ENUNCIAÇÃO. (Mikhail Bakhtin) INTRODUÇÃO

ENUNCIADO/ENUNCIAÇÃO. (Mikhail Bakhtin) INTRODUÇÃO 20 ENUNCIADO/ENUNCIAÇÃO COSTA, Dania Monteiro Vieira dania_vieira@ig.com.br FREITAS, Sumika Soares de sumikafreitas@oi.com.br GOMES, Silvia Cunha MIRANDA, Marina Todo enunciado desde a breve réplica (monolexemática)

Leia mais

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 3º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 3º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA Processo de Admissão de Novos Estudantes 2017 Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no 3º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA HABILIDADES CONTEÚDOS Identificar padrões numéricos ou princípios

Leia mais

Sequência Didática e o Ensino do Gênero Artigo de Opinião. Ana Luiza M. Garcia

Sequência Didática e o Ensino do Gênero Artigo de Opinião. Ana Luiza M. Garcia Sequência Didática e o Ensino do Gênero Artigo de Opinião Ana Luiza M. Garcia Organização do Encontro O TRABALHO COM SD A SD DO GÊNERO ARTIGO DE OPINIÃO JOGOS (VIRTUAIS e QP BRASIL ) Questões-chave O que

Leia mais