Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail."

Transcrição

1 Implementação de bancos de dados georeferenciados das Viagens Filosóficas Portuguesas ( ) e a criação de um material didático com o uso do Google Earth. Camila Franco 1 Ermelinda Moutinho Pataca 2 INTRODUÇÃO O final do século XVIII teve grande importância para Portugal, com a clara intenção de intensificar a exploração colonial, visando explorar e investigar a natureza, de caráter predominantemente cientifico. As Viagens Filosóficas foram compostas por filósofos, matemáticos, desenhistas, engenheiros e naturalistas, que partiam às colônias e, também, pelo trabalho de magistrados, médicos, religiosos, ministros, governadores, vice-reis, naturalistas e desenhistas que, muitas vezes, ficavam no Reino e não realizavam viagens, mas trabalhavam na preparação (pré-campo), no financiamento e no trabalho com as coleções (pós-campo). A construção da rede de informações em uma plataforma virtual permite o contato entre saberes distintos e a reformulação contínua e facilitada das análises realizadas. Assim, se viu necessário o georeferenciamento dos dados acerca do deslocamento e permanência dos viajantes entre Brasil e Portugal. Utilizaremos programas computacionais como instrumentos para a representação de dados espacialmente referenciados, podendo ser utilizados de maneira interdisciplinar, interligando aspectos sociais e naturais. Para isso, serão atribuídas informações em pontos específicos, coincidentes com os verdadeiros locais de visitas portuguesas, com ajuda do programa Google Earth, amplamente usado em diversos ramos da pesquisa. OBJETIVOS 1 Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: 2 Professora Doutora da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Contato:

2 O projeto idealizou a criação de material didático virtual, voltado para acesso público de estudantes, professores e quem desejar obter informações acerca das viagens filosóficas durante os anos de , período que compreende os últimos anos da colonização portuguesa. A necessidade da democratização dessas informações se dá pela escassez de materiais didáticos sobre esse importante período da historia do Brasil. Os viajantes como exploradores tinham como missão recolher e aprontar produtos das localidades que visitavam e também fazer observações filosóficas e políticas sobre todos os objetos da viagem. Pretendemos reproduzir a mobilidade, a permanência, relações e experiências dos viajantes e naturalistas, através de mapas atuais que mostrem os locais que eles transitaram. O georreferenciamento, nesse caso, se faz extremamente importante, visando a valorização do lugar para os estudos em história natural, dentro do contexto em que se inseriam as viagens portuguesas na época. METODOLOGIA Elaboração de micronarrativas biográficas Compreendemos que a avaliação geral sobre a dinâmica das viagens deve ser realizada de forma gradual, numa avaliação do processo de institucionalização das ciências em Portugal e no Brasil. O processo de institucionalização não se restringe apenas a criação de instituições científicas, mas ao desenvolvimento de práticas, técnicas e representações científicas que envolvem a formação e a consolidação da comunidade científica (FIGUEIRÔA, 1997). Aprofundaremos a análise sobre as questões relativas às três fases distintas das viagens o pré-campo, o campo e o pós-campo, assim como todo o material resultante do processo. Para tal, analisaremos as dimensões políticas e administrativas destacando as diretrizes e o comando das viagens; o perfil, a formação e a atuação dos personagens; o cotidiano e as práticas dos viajantes no gabinete e no campo; as dimensões geográficas e geológicas na definição dos percursos, os produtos

3 investigados e, por fim, as representações resultantes destas viagens, que compreende imagens, textos e coleções. Posteriormente criaremos micronarrativas biográficas sobre os viajantes envolvidos nas Viagens Filosóficas. No Dicionário Biobibliográfico de Governadores, naturalistas, desenhistas e engenheiros envolvidos nas expedições científicas portuguesas, anexo à tese de doutorado de Ermelinda Pataca (2006), já temos várias descrições sobre a vida dos viajantes, organizados em etiquetas (descritores). A construção dos verbetes será realizada em grupos sobre a atuação dos personagens envolvidos nas viagens, como mostra o esquema a seguir (Figura 1): Figura 1. Esquema das micronarrativas. Fonte: Elaborado pelo autor. Para atingirmos os objetivos de mapeamento das viagens filosóficas, selecionaremos alguns parâmetros de análise, construiremos quadros conceituais para cada temática, e ao final buscaremos possibilidades de articulações multidimensionais

4 na busca de um entendimento geral sobre as viagens. As temáticas dos mapeamentos serão as seguintes: Institucional representação das situações física e simbólica dos viajantes na esfera de poder do mundo português, materializadas na filiação institucional. Criaremos quadros conceituais que mostrem as instituições envolvidas nas viagens e qual a importância política no período. Destacaremos aqui a formação dos viajantes e as relações entre os mestres e aprendizes em cada momento histórico; Percursos das viagens mapeamento dos locais por onde os viajantes passaram para compreensão do processo de mobilidade e fixidez dos naturalistas e de como isso influenciou a criação de referenciais, a implementação de novas instituições, o desenvolvimento de práticas, o estabelecimento de conexões entre diversas regiões do Império Português (Figura 2); Redes de correspondência entre os naturalistas compreender as relações entre os naturalistas no Mundo Português para avaliarmos sua atuação na dinâmica das viagens. Analisaremos especialmente a troca de correspondências entre os viajantes. Figura 2 Mapa da Nova Lusitânia, adaptado com as informações das viagens. Fonte: Elaborado pelo autor

5 Durante as viagens, as descrições minuciosas das paisagens tinham o objetivo de dominação geográfica e serviam como aparelhos discursivos mediante os quais os estados definem e representam o território (PATACA, 2011, p. 5). A utilização de imagens de satélite atuais serve, a principio, para a compreensão de como, quando e por quê tal região foi explorada, quais foram as potencialidades já descobertas no período da colonização, como se configurou a expansão da mancha urbana e se os viajantes tiveram influência nesse processo. Pouco estudado e explorado, o acervo iconográfico das Viagens Filosóficas serve principalmente como registro da natureza que os portugueses investigavam. A inserção dessas informações no meio digital possibilita a compreensão das estratégias políticas de exploração colonial através da apreensão dos produtos investigados em cada local. As descrições geográficas escritas nos diários e textos da Viagem seriam complementares às observações zoológicas, botânicas e mineralógicas, assim como às coleções de história natural que deviam ser enviadas ao reino, pois na época a ciência já considerava uma associação entre a localização geográfica e a distribuição das espécies, conferindo a estes desenhos um caráter geográfico implícito. Portanto, as observações de história natural deviam sempre ser acompanhadas de descrições geográficas. (PATACA, 2001). Georreferenciamento das informações A escolha do programa para o georreferenciamento dos dados se deu após uma extensa pesquisa sobre as possibilidades que cada um deles fornecia. Os programas pagos, como o ArcGis, foi considerado inicialmente, pela facilidade na execução e elaboração de informações através de sua plataforma. Porém, por não ser um programa de cunho livre, foi desconsiderado, pois a aquisição do mesmo seria inviável para o projeto. Assim, buscamos como alternativa o programa Google Earth, um software

6 gratuito de imagens de satélite de boa resolução para obter as coordenadas dos trajetos dos viajantes. A possibilidade de utilizar o Google Earth para a finalidade de material didático se mostrou atraente devido à facilidade de acesso que os usuários de internet tem a essa plataforma. Possui interface simples, rápida e de fácil manipulação, e é considerado um programa promissor nos estudos de cartografia e outras áreas da ciência geográfica. O Google Earth dispõe de ferramentas de edição de vetores em formatos de pontos, linhas e polígonos, permitindo o mapeamento de feições e representação cartográfica de elementos identificados através das imagens de satélite. (LIMA, 2012) Utilizando como base o Dicionário Biobibliográfico, estruturamos uma lista de localidades por onde os viajantes passaram e os produtos que eles obtiveram nesses locais. Com essas informações, o próximo passo foi inserir os locais, utilizando pontos e polígonos, que identificassem o mais próximo da região que os viajantes estiveram. Algumas localizações são mais precisas, mas muitas delas carecem de informações oficiais sobre os reais trajetos que foram percorridos. Nesses pontos, inserimos as informações principais sobre a obra do viajante citado, dentro de uma tabela de atributos, disponível nas ferramentas do programa. Com isso, conseguimos aperfeiçoar essas informações, transformando os pontos e trajetos em objetos dinâmicos permitindo a apreensão espacial local e apresentam as peculiaridades que os viajantes encontraram ali (Figura 3).

7 Figura 3 - Descrição das atividades do viajante, representada no Google Earth. RESULTADOS PRELIMINARES Fonte: Elaborado pelo autor A compreensão do conjunto de resultados das viagens filosóficas realizadas no Império Português no final do século XVIII ainda não foi suficientemente abordada na bibliografia. Tal apreensão deve ser realizada através de estratégias de visualização dos dados em várias escalas com as relações espaço-temporal, o desenvolvimento científico e a criação de representações artísticas das viagens. Para atingirmos tal objetivo, torna-se necessário um debate interdisciplinar envolvendo geógrafos, historiadores, linguistas e cientistas para o tratamento das informações em conjunto, esforço que estamos desenvolvendo na Faculdade de Educação no projeto em andamento para a criação de estratégias de visualização do conjunto das viagens. O georreferenciamento das informações permite a compreensão do esforço português de exploração natural e geográfica em diversas escalas, do global ao local,

8 revelando as relações entre os viajantes, assim como os resultados das viagens expressos na elaboração de textos, imagens e coleções. Os resultados alcançados até o momento permitem a visualização do conjunto das viagens que percorreram a América Portuguesa durante as administrações de D. Rodrigo de Souza Coutinho. Por outro lado, já é possível visualizarmos detalhes das biografias de viajantes expressos em suas percepções e experiências vivenciados em cada local. O desenvolvimento de estratégias de divulgação dos resultados das viagens de forma interativa está ocorrendo de forma concomitante à análise dos dados. Os desafios apresentados até o momento são de criação de uma interface interativa e dinâmica que possibilitem a apreensão da complexidade de fatores envolvidos nas viagens. BIBLIOGRAFIA FIGUEIRÔA, Sílvia Fernanda de Mendonça. As ciências geológicas no Brasil: uma história social e institucional, São Paulo: HUCITEC, GOOGLE EARTH. Imagens de Minas Gerais, Diamantina, MG. Disponível em: < Acesso em: 20 de março de LIMA, Raphael Nunes de Souza. Google Earth aplicado à pesquisa e ensino da geomorfologia. Revista de Ensino de Geografia, Uberlândia, v. 3, n. 5, p , jul./dez PATACA, Ermelinda Moutinho. Arte, Ciência e Técnica na Viagem Philosophica de Alexandre Rodrigues Ferreira: A confecção e utilização de imagens históricogeográficas na Capitania do Grão-Pará, entre Setembro de 1783 a Outubro de Dissertação (mestrado) UNICAMP, São Paulo, PATACA, Ermelinda Moutinho. Terra, água e ar nas Viagens Científicas Portuguesas ( ). Tese (doutorado) UNICAMP, São Paulo, PATACA, Ermelinda Moutinho. Congruências entre cartografia e pintura no prospecto da Vila de Cametá (1784) de José Joaquim Freire. Anais do 1º Simpósio Brasileiro de Cartografia Histórica. Belo Horizonte - MG, p

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP e-mail: vi.unicamp2010@gmail.com ANÁLISE DOS CONFLITOS ENTRE ÁREAS DE USO E OCUPAÇÃO DOS SOLOS E ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA (SP). Viviane

Leia mais

Palavras chave: Expansão Urbana;Sensoriamento Remoto; SIG e Supressão da vegetação.

Palavras chave: Expansão Urbana;Sensoriamento Remoto; SIG e Supressão da vegetação. SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADOS NA ANÁLISE DA EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO SUDOESTE DA CIDADE DE MONTES CLAROS MG E A SUPRESSÃO DA VEGETAÇÃO NOS ANOS DE 2000 Á 2011 OLIVEIRA, Gustavo Henrique Gomes de

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

O Uso de Tecnologias de Informação Geográficas no Ensino de Geografia

O Uso de Tecnologias de Informação Geográficas no Ensino de Geografia Samira Franqui Fanti Christian Junior Licheski Díaz Clayton Luiz da Silva Marcos Aurélio Pelegrina UNICENTRO - Universidade Estadual do Centro Oeste (samira_ff@hotmail.com), (licheski.diaz@gmail.com),

Leia mais

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA SANTOS, Jéssica Paula. UFG/REGIONAL/CATALÃO jessica-g-ts@hotmail.com SANTOS, Marina da Silva. UFG/REGIONAL/CATALÃO marinaavlis@hotmail.com Orientador: Dr.ª

Leia mais

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais. Deise Regina Lazzarotto

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais. Deise Regina Lazzarotto SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS APLICADO AOS DADOS DO GRUPO DE PESQUISA BIODIVERSIDADE E SUSTENTABILIDADE DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS DE IRATI PR. Deise Regina Lazzarotto Departamento de Engenharia Florestal

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br]

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Componentes de um SIG Exemplos de aplicações Conceitos Geoprocessamento

Leia mais

ARTE E GEOGRAFIA: TRABALHANDO A ORIENTAÇÃO CARTOGRAFICA UMA EXPERIENCIA DOS PIBIDIANOS DE GEOGRAFIA DO COLÉGIO PROFESSOR IVAN FERREIRA O (CEPIF).

ARTE E GEOGRAFIA: TRABALHANDO A ORIENTAÇÃO CARTOGRAFICA UMA EXPERIENCIA DOS PIBIDIANOS DE GEOGRAFIA DO COLÉGIO PROFESSOR IVAN FERREIRA O (CEPIF). ARTE E GEOGRAFIA: TRABALHANDO A ORIENTAÇÃO CARTOGRAFICA UMA EXPERIENCIA DOS PIBIDIANOS DE GEOGRAFIA DO COLÉGIO PROFESSOR IVAN FERREIRA O (CEPIF). Wilson Lázaro Pereira da Silva 1 wilsonlazarosilva2010@hotmail.com

Leia mais

Por que Geoprocessamento?

Por que Geoprocessamento? Um pouco sobre a NOSSA VISÃO Processamento Digital é um endereço da Web criado pelo geógrafo Jorge Santos com objetivo de compartilhar dicas sobre Geoprocessamento e Software Livre. A idéia surgiu no ano

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos POR QUE ESTUDAR COMPUTAÇÃO GRÁFICA? Quem quiser trabalhar em áreas afins: Entretenimento Jogos e filmes Visualização Simulação de fenômenos físicos Arte computadorizada Educação e treinamento Processamento

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG

Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG Este relatório tem como objetivo apresentar as atividades executadas pelo grupo de pesquisa da Faculdade

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DAS ILUSTRAÇÕES: TABELAS, GRÁFICOS E FIGURAS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DAS ILUSTRAÇÕES: TABELAS, GRÁFICOS E FIGURAS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DAS ILUSTRAÇÕES: TABELAS, GRÁFICOS E FIGURAS Foz do Iguaçu - 2014 Elaboração: Francielle Amaral da Silva Nilson Carlos Vieira Júnior Coordenação: Mara Lucia Magalhães Capa: Alexandre

Leia mais

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática Michel da Silva Machado e-mail: michel_nick25@hotmail.com Isaque Rodrigues e-mail: isaque.max@hotmail.com Márcia Marinho do Nascimento Mello e-mail:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Laboratório de Ensino, Pesquisa e Projetos em Análise Espacial TUTORIAL DE SPRING Alexandro Medeiros

Leia mais

Escola Secundária com 2.º e 3.º ciclos Anselmo de Andrade. Critérios de Avaliação / Planificação 6.º Ano - HGP Grupo 400 História Ano Letivo 2014/15

Escola Secundária com 2.º e 3.º ciclos Anselmo de Andrade. Critérios de Avaliação / Planificação 6.º Ano - HGP Grupo 400 História Ano Letivo 2014/15 Domínio/ Tema/unidade História de Portugal Subdomínio/ conteúdos Compreensão da espacialidade Temporalidade Metas de aprendizagem intermédias Meta 1 O aluno traça, em diferentes representações cartográficas,

Leia mais

Mapa índice digital na CPRM: recurso a serviço da disseminação da informação cartográfica

Mapa índice digital na CPRM: recurso a serviço da disseminação da informação cartográfica Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Mapa índice digital na CPRM: recurso a serviço da disseminação da informação cartográfica Isabel Angela dos Santos Matos (CPRM) - isabel.matos@cprm.gov.br Resumo: Este

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos GEOPROCESSAMENTO INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Prof. Esp. André Aparecido da Silva Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Conceitos básicos Componentes de um SIG Entrada de Dados em Geoprocessamento

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

O USO DE CARTAS TOPOGRÁFICAS E IMAGENS DO GOOGLE EARTH EM ESTUDOS DE IDENTIFICAÇÃO DE TURFAS NOS MUNICIPIOS DE GUARAPUAVA E PINHÃO-PR

O USO DE CARTAS TOPOGRÁFICAS E IMAGENS DO GOOGLE EARTH EM ESTUDOS DE IDENTIFICAÇÃO DE TURFAS NOS MUNICIPIOS DE GUARAPUAVA E PINHÃO-PR O USO DE CARTAS TOPOGRÁFICAS E IMAGENS DO GOOGLE EARTH EM ESTUDOS DE IDENTIFICAÇÃO DE TURFAS NOS MUNICIPIOS DE GUARAPUAVA E PINHÃO-PR Machado, F. (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE - UNICENTRO) ; Pelegrina,

Leia mais

APOIO TÉCNICO LABORATÓRIOS CARTOGRAFIA E EDITORAÇÃO

APOIO TÉCNICO LABORATÓRIOS CARTOGRAFIA E EDITORAÇÃO LABORATÓRIOS CARTOGRAFIA E EDITORAÇÃO CPRM - SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL NESTE CAPÍTULO são apresentados os resultados obtidos em 2005 na área de apoio técnico, que inclui os laboratórios, as bases cartográficas

Leia mais

A GEOGRAFIA NA PRÁTICA: CORRIDA DE ORIENTAÇÃO, JOGOS E EXPERIMENTOS COMO RECURSOS DIDÁTICOS NO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS, CAMPUS/VALPARAÍSO

A GEOGRAFIA NA PRÁTICA: CORRIDA DE ORIENTAÇÃO, JOGOS E EXPERIMENTOS COMO RECURSOS DIDÁTICOS NO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS, CAMPUS/VALPARAÍSO A GEOGRAFIA NA PRÁTICA: CORRIDA DE ORIENTAÇÃO, JOGOS E EXPERIMENTOS COMO RECURSOS DIDÁTICOS NO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS, CAMPUS/VALPARAÍSO Resumo Danielle Pereira da Costa Doutora em Geografia - Professora

Leia mais

I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA Soluções Integradas para uma Gestão Compartilhada

I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA Soluções Integradas para uma Gestão Compartilhada I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA Soluções Integradas para uma Gestão Compartilhada OS ATLAS ELETRÔNICOS E O DESENVOLVIMENTO DO APLICATIVO PARA A PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL TerraViewWeb

Leia mais

Grandes Exploradores

Grandes Exploradores Obras de referência para toda Grandes Exploradores A ousadia, a determinação e o espírito de aventura das figuras que marcam a descoberta e a exploração do Planeta. Do fundo do mar aos polos, do coração

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA Autora: Regina Coelli Gomes Nascimento - Professora do curso de História

Leia mais

EXPLORANDO O SOFTWARE GOOGLE EARTH NAS AULAS DE GEOGRAFIA NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II

EXPLORANDO O SOFTWARE GOOGLE EARTH NAS AULAS DE GEOGRAFIA NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II EXPLORANDO O SOFTWARE GOOGLE EARTH NAS AULAS DE GEOGRAFIA NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II Karine de Freitas Amaral Mestranda em Geografia UNESP Rio Claro karine.geografia@outlook.com Resumo Este estudo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Laboratório de Ensino, Pesquisa e Projetos em Análise Espacial TUTORIAL DE SPRING Alexandro Medeiros

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA : GEOGRAFIA - PROFESSOR: GERSON HUCHAK SÉRIE: 7ª

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Autor/apresentador Eng. José Maria Viillac Pinheiro Currículo Sócio

Leia mais

Por que Geoprocessamento?

Por que Geoprocessamento? Um pouco sobre a NOSSA VISÃO Processamento Digital é um endereço da Web criado pelo geógrafo Jorge Santos com objetivo de compartilhar dicas sobre Geoprocessamento e Software Livre. A idéia surgiu no ano

Leia mais

VI IBERCARTO Madrid 23 e 24 de Outubro de 2014

VI IBERCARTO Madrid 23 e 24 de Outubro de 2014 Madrid 23 e 24 de Outubro de 2014 DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS CARTOGRÁFICOS DA BIBLIOTECA NACIONAL DE PORTUGAL GÉNESE, EVOLUÇÃO E CONTEXTOS Maria Joaquina Feijão Helena Patrício DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS

Leia mais

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL José Euriques de Vasconcelos Neto (UFCG); Dennis Cláudio Ferreira (UFCG) Resumo O atual sistema educacional tem buscado

Leia mais

COMUNICADO Nº 001/2010 ESTIMATIVA DE DEMANDA PARA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS DE TREINAMENTO DE SOFTWARES AUTODESK TERMO DE REFERÊNCIA

COMUNICADO Nº 001/2010 ESTIMATIVA DE DEMANDA PARA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS DE TREINAMENTO DE SOFTWARES AUTODESK TERMO DE REFERÊNCIA COMUNICADO Nº 001/2010 ESTIMATIVA DE DEMANDA PARA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS DE TREINAMENTO DE SOFTWARES AUTODESK ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA Aquisição de CURSOS DE SOFTWARE AUTODESK,

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Manifestações da cultura no corpo através do eixo Inventário no Corpo do BPI

Manifestações da cultura no corpo através do eixo Inventário no Corpo do BPI Manifestações da cultura no corpo através do eixo Inventário no Corpo do BPI Ana Carolina Lopes Melchert Unicamp Mestre Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Artes do IA-Unicamp Docente do Curso de

Leia mais

AS TIRAS DA MAFALDA: CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA NA LINGUAGEM DE QUADRINHOS

AS TIRAS DA MAFALDA: CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA NA LINGUAGEM DE QUADRINHOS AS TIRAS DA MAFALDA: CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA NA LINGUAGEM DE QUADRINHOS Anderson Iury Nunes BARROS andersoniury@yahoo.com.br Instituto de Estudos Sócio-Ambientais IESA/UFG Bolsista Prolicen Camila Porto

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

MAPAS URBANOS INTELIGENTES CAPÍTULO 04 RESULTADOS E ANÁLISES

MAPAS URBANOS INTELIGENTES CAPÍTULO 04 RESULTADOS E ANÁLISES CAPÍTULO 04 RESULTADOS E ANÁLISES Neste capítulo serão abordados os resultados e as análises decorrentes da aplicação do método proposto no desenvolvimento deste trabalho. a) Integração dos Dados Raster/Vector

Leia mais

Centro de Trabalho Indigenista CTI

Centro de Trabalho Indigenista CTI Centro de Trabalho Indigenista CTI Termo de Referência para Contratação de Consultoria Técnica Junho de 2015 Projeto Proteção Etnoambiental de Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato na Amazônia

Leia mais

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC)

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Rosana Rodrigues da Silva 1 GD5 História da Matemática e Cultura

Leia mais

PRINCIPAIS FUNCIONALIDADES DO SOFTWARE GLOBAL MAPPER

PRINCIPAIS FUNCIONALIDADES DO SOFTWARE GLOBAL MAPPER PRINCIPAIS FUNCIONALIDADES DO SOFTWARE GLOBAL MAPPER Além das novas implementações na versão 15, ressaltamos a seguir as principais funções que fazem do Global Mapper um dos melhores softwares para a visualização

Leia mais

Ensino Médio Regular e EJA

Ensino Médio Regular e EJA MATRIZ DE REFERÊNCIA DE Ciências Humanas Ensino Médio Regular e EJA Elementos que compõem a Matriz domínio/tópico/ tema DOMÍNIO I Memória e RepresenTAções D01 (H) D02 (H) Agrupam por afinidade D03 (H)

Leia mais

DECRETO Nº 25974. de 15 de dezembro de 2008.

DECRETO Nº 25974. de 15 de dezembro de 2008. DECRETO Nº 25974 de 15 de dezembro de 2008. Institui o GEOPARQUE CICLO DO OURO DE GUARULHOS e dá diretrizes para sua estruturação com o objetivo de implantação e forma de gestão. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

SIG VOLTADO PARA A FISCALIZAÇÃO DA ATIVIDADE PROFISSIONAL DE ARQUITETO E URBANISTA

SIG VOLTADO PARA A FISCALIZAÇÃO DA ATIVIDADE PROFISSIONAL DE ARQUITETO E URBANISTA www.caubr.gov.br SIG VOLTADO PARA A FISCALIZAÇÃO DA ATIVIDADE PROFISSIONAL DE ARQUITETO E URBANISTA Máximo Miqueles Coordenador de Geotecnologia CAU/BR São Paulo, SP 07 de maio de 2014 SISTEMA IGEO OBJETIVO

Leia mais

Secretaria do Meio Ambiente. Fundação Florestal

Secretaria do Meio Ambiente. Fundação Florestal Secretaria do Meio Ambiente Fundação Florestal Governo do Estado de São Paulo Sistema Ambiental Paulista Projeto DataGEO Implantação de uma Infraestrutura de Dados Espaciais Ambientais do Estado de São

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.9 Especificações do Sistema de Monitoramento da Frota PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 OBJETIVOS... 2 2 ESPECIFICAÇÃO BÁSICA... 2 2.1 Aquisição de Dados Monitorados do Veículo...

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É?

COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É? COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É? Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA SUMÁRIO O que é COMPUTAÇÃO GRÁFICA Áreas relacionadas

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL

ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL 1 ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL Profa. Dra. Carla C. R. G. de Sena * carla@ourinhos.unesp.br MsC. Waldirene R. do Carmo ** walcarmo@usp.br Resumo: Este trabalho apresenta

Leia mais

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN Adeline M. Maciel, Luana D. Chagas, Cláubio L. L. Bandeira Mestrado em Ciência da Computação (MCC) Universidade do Estado do

Leia mais

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população!

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população! Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 17 Sistema de Informação de Usuários Michel Costa da Silva (*) No Brasil, o crescimento demográfico das grandes capitais, o apoio governamental

Leia mais

ENTRE A PALAVRA E O CHAO: MEMÓRIA TOPONÍMICA DA ESTRADA REAL, DESCRIÇÃO, HISTÓRIA E MUDANÇAS LINGUÍSTICAS

ENTRE A PALAVRA E O CHAO: MEMÓRIA TOPONÍMICA DA ESTRADA REAL, DESCRIÇÃO, HISTÓRIA E MUDANÇAS LINGUÍSTICAS ENTRE A PALAVRA E O CHAO: MEMÓRIA TOPONÍMICA DA ESTRADA REAL, DESCRIÇÃO, HISTÓRIA E MUDANÇAS LINGUÍSTICAS Francisco de Assis CARVALHO 1 Desde que o homem existe é que ele nomeia os lugares e os espaços.

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Astronomia, Metodologia, Ensino, Software livre

PALAVRAS-CHAVE: Astronomia, Metodologia, Ensino, Software livre DESENVOLVIMENTO DE UMA METODOLOGIA DE ENSINO DE ASTRONOMIA COM O USO DE SOFTWARE LIVRE FILHO, Valdinei Bueno Lima 1, PRADO, Valdiglei Borges 2, SOARES, Fabrízzio Alphonsus A. M. N. 3, MARTINS, Alessandro

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA III Congresso Internacional III Congresso Internacional, I Simpósio Ibero-Americano e VIII Encontro Nacional de Riscos Guimarães EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES

Leia mais

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM 32 3 OOHDM e SHDM Com a disseminação em massa, desde a década de 80, de ambientes hipertexto e hipermídia, principalmente a Web, foi identificada a necessidade de elaborar métodos que estruturassem de

Leia mais

O QUE É O FIBERDOC FIBERDOC

O QUE É O FIBERDOC FIBERDOC Solução para documentação de redes ópticas O QUE É O FIBERDOC FIBERDOC O FIBERDOC, desenvolvido pela Visium/Arcitech, é um sistema de documentação de redes ópticas que através de uma interface gráfica

Leia mais

Palavras chaves: Formação de professores; Educação ambiental; Trabalhos de campo; Sensoriamento remoto, cidadania.

Palavras chaves: Formação de professores; Educação ambiental; Trabalhos de campo; Sensoriamento remoto, cidadania. FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS ESCOLARES DE EDUCAÇÃO SÓCIO AMBIENTAL COM O USO INTEGRADO DE MAPAS, FOTOS AÉREAS, IMAGENS DE SATÉLITE E TRABALHOS DE CAMPO DOS SANTOS,VÂNIA MARIA NUNES

Leia mais

O projeto do alvará de 13 de maio de 1803:

O projeto do alvará de 13 de maio de 1803: O projeto do alvará de 13 de maio de 1803: uma tentativa ilustrada de reforma das minas do Brasil Angélica Ricci Camargo * Introdução Este texto tem o objetivo de servir como uma breve apresentação ao

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA MULTIMIDIA PARA O ENSINO DEDINÂMICA DE MÚLTIPLOS CORPOS

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA MULTIMIDIA PARA O ENSINO DEDINÂMICA DE MÚLTIPLOS CORPOS DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA MULTIMIDIA PARA O ENSINO DEDINÂMICA DE MÚLTIPLOS CORPOS Ilmar Ferreira Santos Rodrigo Fernandes de Carvalho UNICAMP - Faculdade de Engenharia Mecânica Departamento de Projeto

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO (SIG) DOS SERVIÇOS TURÍSTICOS DO CENTRO DE PELOTAS-RS

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO (SIG) DOS SERVIÇOS TURÍSTICOS DO CENTRO DE PELOTAS-RS SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO (SIG) DOS SERVIÇOS TURÍSTICOS DO CENTRO DE PELOTAS-RS Autor(es): Apresentador: Orientador: Revisor 1: Revisor 2: Instituição: SCHMIDT, Kelly Raquel; RAMOS, Maria da Graça

Leia mais

Jonathan J. Campos, Jefferson de Faria, William de O. Sant Ana

Jonathan J. Campos, Jefferson de Faria, William de O. Sant Ana APLICAÇÕES GEOGRÁFICAS NA WEB PARA INTEGRACÃO DE DADOS DO MONITORAMENTO AMBIENTAL DE ÁREAS DEGRADADAS PELA MINERAÇÃO DE CARVÃO NA BACIA CARBONÍFERA DO SUL DO ESTADO DE SANTA CATARINA Jonathan J. Campos,

Leia mais

Setor Sucroenergético: GIS Corporativo e Inovações no Grupo Noble CASE NOBLE GROUP. Herbert Del Petri Gerente Técnico Agrícola

Setor Sucroenergético: GIS Corporativo e Inovações no Grupo Noble CASE NOBLE GROUP. Herbert Del Petri Gerente Técnico Agrícola Gerente Técnico Agrícola Introdução O Noble Bioenergia ao longo da sua história no Brasil vem desenvolvendo o uso das informações espacializadas no dia-a-dia das operações e planejamento agrícola através

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE ESTUDOS SÓCIOAMBIENTAIS LABORATÓRIO DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS E GEOPROCESSAMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE ESTUDOS SÓCIOAMBIENTAIS LABORATÓRIO DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS E GEOPROCESSAMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE ESTUDOS SÓCIOAMBIENTAIS LABORATÓRIO DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS E GEOPROCESSAMENTO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PÁGINA WEB DO LAPIG WANESSA CAMPOS SILVA Goiânia Junho

Leia mais

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS A Biblioteca possui atenção especial dos dirigentes da UCSal, por constituirse em um instrumento de apoio valioso aos programas de ensino, pesquisa e extensão. O foco

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DAS UNIDADES DIDÁTICAS DO MANUAL (8º ano Turmas A B e C)

PLANIFICAÇÃO DAS UNIDADES DIDÁTICAS DO MANUAL (8º ano Turmas A B e C) ESCOLA E.B. 2,3/S DE VILA FLOR Disciplina: Tecnologias da Informação e Comunicação PLANIFICAÇÃO DAS UNIDADES DIDÁTICAS DO MANUAL (8º ano Turmas A B e C) UNIDADES OBJETIVOS GERAIS CONTEÚDOS DESCRITORES

Leia mais

www.unioeste.br/portaldainformacao

www.unioeste.br/portaldainformacao PORTAL DA INFORMAÇÃO DA UNIOESTE Página de acesso livre ao conhecimento. www.unioeste.br/portaldainformacao PORTAL DA INFORMAÇÃO DA UNIOESTE A P R E S E N T A Ç Ã O O Portal da Informação da Unioeste é

Leia mais

FORMAÇÃO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEL FASE II ELABORAÇÃO DE PLANOS DE RPFGC

FORMAÇÃO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEL FASE II ELABORAÇÃO DE PLANOS DE RPFGC FORMAÇÃO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEL FASE II ELABORAÇÃO DE PLANOS DE RPFGC Tecnologias SIG Sistemas de Informação Geográfica Centro de Operações e Técnicas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa (MG) jugurta@dpi.ufv.br Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Tópicos

Leia mais

Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP

Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP Willian Henrique Martins Faculdade de Ciência e Tecnologia UNESP Email: ehowill@hotmail.com

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE EDUCACIONAL EM REDE COMO INSTRUMENTO DE ENSINO/APRENDIZAGEM

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE EDUCACIONAL EM REDE COMO INSTRUMENTO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE EDUCACIONAL EM REDE COMO INSTRUMENTO DE ENSINO/APRENDIZAGEM Edilson Arlindo Rudolf Junior 1 ; Casemiro José Mota 2 ; Eduardo da Silva 3 1 Aluno do Curso Técnico de Informática

Leia mais

INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES

INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES P R O POS T A A INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES SOBRE NÓS Quem Somos A mantenedora do Seu Professor atua há mais de 18 anos no segmento educacional, com escolas de Ensino Fundamental, Médio, cursos técnicos,

Leia mais

O USO DO SIG NA ADMINISTRAÇÃO E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS DA COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA TERRACAP

O USO DO SIG NA ADMINISTRAÇÃO E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS DA COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA TERRACAP O USO DO SIG NA ADMINISTRAÇÃO E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS DA COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA TERRACAP Thais Borges Sanches Lima e Bruno Tamm Rabello Setembro/2012 Introdução 1. Experiência de um grupo de

Leia mais

Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP

Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP Willian Henrique Martins Faculdade de Ciência e Tecnologia UNESP Email: willteenspirit@hotmail.com

Leia mais

O processamento digital de imagens e a descrição de documentos iconográficos na Brasiliana Digital

O processamento digital de imagens e a descrição de documentos iconográficos na Brasiliana Digital Universidade de São Paulo Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária Projeto Aprender com Cultura e Extensão Projeto O processamento digital de imagens e a descrição de documentos iconográficos na

Leia mais

CTGEO ESCOLA. Abaixo algumas respostas das principais dúvidas do SIG CTGEO ESCOLA. E entre elas,

CTGEO ESCOLA. Abaixo algumas respostas das principais dúvidas do SIG CTGEO ESCOLA. E entre elas, CTGEO ESCOLA Abaixo algumas respostas das principais dúvidas do SIG CTGEO ESCOLA. E entre elas, algumas imagens ressaltando um pouco do que ele pode oferecer. 1) O que é Geoprocessamento? É o relacionamento

Leia mais

A ASTRONOMIA EM EXAMES VESTIBULARES E NO ENEM: UMA ANÁLISE DAS QUESTÕES QUANTO À TEMÁTICA E A PROBLEMATIZAÇÃO

A ASTRONOMIA EM EXAMES VESTIBULARES E NO ENEM: UMA ANÁLISE DAS QUESTÕES QUANTO À TEMÁTICA E A PROBLEMATIZAÇÃO I Simpósio Nacional de Educação em Astronomia Rio de Janeiro - 2011 1 A ASTRONOMIA EM EXAMES VESTIBULARES E NO ENEM: UMA ANÁLISE DAS QUESTÕES QUANTO À TEMÁTICA E A PROBLEMATIZAÇÃO Andreza Concheti 1, Valéria

Leia mais

NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO. Módulo 3

NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO. Módulo 3 NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO Módulo 3 Sistema Metropolitano de Informações Georreferenciadas MetroGeo Curso Noções de Geoprocessamento Módulo 3 Oscar Ricardo M. Schmeiske Programação Curso Noções de Geoprocessamento

Leia mais

DGD. Documento de Game Design SPACE WAR. Game FACULDADE SENAC GO. Prof.: Lucília Ribeiro. Alunos: kqgames

DGD. Documento de Game Design SPACE WAR. Game FACULDADE SENAC GO. Prof.: Lucília Ribeiro. Alunos: kqgames DGD Documento de Game Design Game SPACE WAR FACULDADE SENAC GO Prof.: Lucília Ribeiro Alunos: kqgames Ricardo Dias de Melo Henrique Dias de melo Pedro Augusto Villain de Miranda Matheus Conti Azevedo HIGH

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ROGER TORLAY 1 ; OSVALDO T. OSHIRO 2 N 10502 RESUMO O sensoriamento remoto e o geoprocessamento trouxeram importantes avanços

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA Hogana Sibilla Soares Póvoas Bolsista do PET Solos Universidade Estadual de Santa Cruz hogana_sibila@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Universidade

Leia mais

O mercado imobiliário em São José do Rio Preto e Presidente Prudente SP: análise comparativa dos processos de estruturação intra-urbano recentes.

O mercado imobiliário em São José do Rio Preto e Presidente Prudente SP: análise comparativa dos processos de estruturação intra-urbano recentes. O mercado imobiliário em São José do Rio Preto e Presidente Prudente SP: análise comparativa dos processos de estruturação intra-urbano recentes. Bruno Pereira Reis 1 ; Everaldo Santos Melazzo 2 Universidade

Leia mais

CONHECENDO O SCRATCH E SUAS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS

CONHECENDO O SCRATCH E SUAS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS CONHECENDO O SCRATCH E SUAS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS ANDREA DA SILVA MARQUES RIBEIRO andrea.marques@gmail.com INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA (CAP-UERJ) FERNANDO DE BARROS VASCONCELOS

Leia mais

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs.

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Geociências Departamento de Geografia Sistemas de Informações Geográficas I GEO 01007 Professora: Eliana Lima da Fonseca Site da disciplina: https://moodleinstitucional.ufrgs.br

Leia mais

A importância institucional da cartografia de solos e a sua evolução do analógico ao digital. António Perdigão -DGADR

A importância institucional da cartografia de solos e a sua evolução do analógico ao digital. António Perdigão -DGADR A importância institucional da cartografia de solos e a sua evolução do analógico ao digital António Perdigão -DGADR Responsabilidades da DGADR, no contexto do Despacho nº 13434/2012 de 15 de Outubro de

Leia mais

Ágatha Francesconi Gatti

Ágatha Francesconi Gatti Ágatha Francesconi Gatti contato: agatha_gatti@yahoo.com.br link para o currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/3170048013948376 FORMAÇÃO ACADÊMICA / TITULAÇÃO Graduação em História (fev.2001-dez.2005):

Leia mais

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail.

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail. GERAÇÃO DE MAPA DE USO E COBERTURA DE SOLO UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 8 PARA O SUPORTE AO PLANEJAMENTO MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ. Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³ 1 Universidade

Leia mais

Projeto de Redesenho Curricular

Projeto de Redesenho Curricular AÇÕES DAS ESCOLAS PARTICIPANTES DO ProEMI COM TI Equipamentos midiáticos e tecnológicos adquiridos pelo PROEMI EE DONA ELISA DE COMPOS LIMA NOVELLI - DER ITARARÉ Objetivos Projeto de Redesenho Curricular

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PENA, Fernanda Santos, UFU 1 SAMPAIO, Adriany de Ávila Melo, UFU 2 Resumo: O presente trabalho apresenta o projeto de pesquisa

Leia mais

Boas vindas!!! Webinar 10 Mitos Geo Resultados da Pesquisa 16 de julho de 2014

Boas vindas!!! Webinar 10 Mitos Geo Resultados da Pesquisa 16 de julho de 2014 Boas vindas!!! Webinar 10 Mitos Geo Resultados da Pesquisa 16 de julho de 2014 Dinâmica Webinar 10 Mitos Geo Resultados da Pesquisa 16 de julho de 2014 Arquivos & Certificados Webinar 10 Mitos Geo Resultados

Leia mais

Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor

Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor e conservação de água mediante adequação ambiental em propriedades rurais na Região Metropolitana

Leia mais

Introdução ao Geoprocessamento

Introdução ao Geoprocessamento Sistema de Informação Geográfica SIG Introdução ao Geoprocessamento Professor: Daniel Luis Nithack e Silva O processo de urbanização marcha em um ritmo mais acelerado do que as possibilidades de planejar

Leia mais

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs O objetivo deste documento é fazer uma revisão bibliográfica para elucidar as principais diferenças entre os SGBDs, apontando

Leia mais

ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO 1895-2009

ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO 1895-2009 ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO 1895-2009 Pedro de Brito de Soares Diretor de Conservação de Documentos Ana Souza Diretora de Arquivos Permanentes Márcia Alkmim Técnica em Documentação de Arquivo 1 ÁREAS DE GUARDA

Leia mais

Modelagem da paisagem urbana com apoio do aplicativo City Engine:

Modelagem da paisagem urbana com apoio do aplicativo City Engine: Modelagem da paisagem urbana com apoio do aplicativo City Engine: potencialização da comunicação espacial em simulação da morfologia de ocupação e parâmetros urbanísticos Profa Ana Clara Mourão Moura Laboratório

Leia mais

Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade. Laboratório de Agricultura de Precisão II

Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade. Laboratório de Agricultura de Precisão II Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade Laboratório de Agricultura de Precisão II A implantação de um sistema de Agricultura de Precisão implica em um ciclo fechado de tarefas Os usuários e pesquisadores

Leia mais