ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL"

Transcrição

1 ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL Djanira Aparecida da Luz Veronez 1 INTRODUÇÃO O complexo bucomaxilofacial se localiza na face, sendo formado por elementos anatômicos do esqueleto cefálico, articulação temporomandibular, boca, cavidade bucal, dentes, língua, glândulas salivares e musculatura da face. ESQUELETO CEFÁLICO O esqueleto cefálico corresponde ao esqueleto da cabeça (ou crânio). Exceto a mandíbula, os demais ossos do crânio são articulados entre si por meio de articulações do tipo suturas, formadas pela presença de tecido conjuntivo fibroso entre os ossos e sincondrose esfenoccipital, constituída por tecido cartilaginoso entre os ossos do indivíduo jovem. O crânio é subdividido em duas importantes regiões: uma parte superior, que envolve a cavidade do crânio contendo o encéfalo (neurocrânio); e uma parte inferior, o esqueleto da face (viscerocrânio). Os ossos que formam o neurocrânio são: osso frontal (01); ossos parietais (02); ossos temporais (02); osso esfenoide (01); osso etmoide (01); osso occipital (01). 1 Biomédica. Doutora em Ciências Médicas área de concentração Neurociências pela Universidade Estadual de Campinas. Professora do departamento de anatomia da Universidade Federal do Paraná. 1

2 O neurocrânio apresenta um teto constituído por uma cúpula, a calvária ou calota craniana, e um soalho ou base do crânio. Os ossos que formam a calota craniana são principalmente ossos planos (osso frontal, ossos parietais e o osso occipital), formados por ossificação intramembranosa mesenquimal da crista neural. Os ossos que constituem a base do crânio são principalmente ossos irregulares (osso esfenoide e ossos temporais) formados por ossificação endocondral da cartilagem. O osso etmoide é um osso irregular que apresenta uma contribuição relativamente menor na formação do neurocrânio, sendo essencialmente parte do viscerocrânio. A Os ossos da calota craniana se articulam por meio de suturas fibrosas, porém, durante a infância, alguns ossos como o esfenoide e occipital se apresentam unidos por cartilagem hialina. No neurocrânio se encontram o encéfalo (formado pelo cérebro, cerebelo e tronco encefálico) e suas coberturas membranosas encefálicas, as meninges cranianas dura-máter, aracnoide e pia-máter. Contém também partes proximais dos nervos cranianos e os vasos sanguíneos encefálicos. A medula espinhal apresenta-se contínua com o tronco do encéfalo através do forame magno, uma grande abertura na base do crânio. Os ossos que formam o esqueleto da face, viscerocrânio, são: ossos nasais (02); ossos palatinos (02); ossos lacrimais (02); ossos zigomáticos (02); ossos conchas nasais inferiores (02); ossos maxilares (02); osso etmoide (01); osso vômer (02); mandíbula (01). O viscerocrânio abriga principalmente as vísceras envolvidas com a visão, formação do esqueleto do nariz e sua cavidade nasal e limites da cavidade bucal. As órbitas são cavidades que alojam os olhos, pequenos músculos, vasos e nervos. A parede superior (teto) da órbita é constituída pela parte orbital do osso frontal. A parede medial é formada pelo processo maxilar do osso frontal, pelos ossos lacrimais e lâmina orbital do osso etmoide. A parede lateral da órbita é constituída pelo osso zigomático e por parte da asa maior do osso esfenoide. A parede inferior (soalho) da órbita é formada pelo osso maxilar e osso esfenoide. 2

3 As cavidades nasais participam das partes superiores do trato respiratório, sendo encontradas medialmente às órbitas. Tem paredes, assoalhos e tetos, compostos predominantemente por ossos e cartilagens. As aberturas anteriores das cavidades nasais são as narinas, sendo as aberturas posteriores as coanas (aberturas nasais posteriores). Continuamente com as cavidades nasais há extensões preenchidas por ar - que se projetam lateralmente, superiormente e posteriormente aos ossos ao seu redor, denominados de seios paranasais. Os seios paranasais são cavidades existentes no osso frontal, osso etmoide, osso esfenoide e ossos maxilares. Os seios paranasais, seio frontal, seios maxilares, seio esfenoidal e células etmoidais têm como função dar leveza à face, atuar como câmaras de ressonância de som e contribuir com o aquecimento do ar inspirado. O volume total dos espaços aéreos nos seios paranasais aumenta com a idade. A cavidade oral apresenta, como limites ósseos, os processos palatinos dos ossos maxilares; e lâmina transversal dos ossos palatinos como limite ósseo superior, e a mandíbula como limite ósseo inferior. Tanto nos ossos maxilares, como na mandíbula se encontram os alvéolos dentários, com o objetivo de fornecer a base e os ossos de sustentação dos dentes das arcadas dentárias superiores e inferiores. DESCRIÇÃO DA VISTA ANTERIOR DOS OSSOS DA FACE A fronte, ou região frontal, consiste no território do osso frontal, que também forma a parte superior da margem de cada órbita, a margem supra-orbital. Imediatamente superior á órbita, a cada lado, se encontra os salientes arcos superciliares. Estes são mais pronunciados nos homens que nas mulheres. Entre estes arcos, há uma pequena depressão, a glabela. Na parte medial da margem supra-orbital se encontra o forame supra-orbital ou a incisura supra-orbital. 3

4 O osso frontal projeta-se medialmente e inferiormente, formando uma parte da margem medial de cada órbita. Lateralmente, o processo zigomático do osso frontal projeta-se inferiormente formando a margem lateral superior de cada órbita. O osso frontal também se articula com o lacrimal, etmoidal e esfenoides; uma porção horizontal do osso auxilia na formação do teto das órbitas e parte do assoalho da parte anterior da cavidade craniana. Os ossos zigomáticos são ossos classificados como planos. Têm forma quadrangular, apresentando duas faces, quatro bordas e quatro ângulos. Formam parte da parede lateral de cada órbita. Um pequeno forame zigomático facial perfura a face lateral de cada osso zigomático. Os ossos zigomáticos se articulam com o osso frontal, esfenoide e temporal e as maxilas. Está situado superiormente e lateralmente na face. Forma a proeminência da bochecha, parte da parede lateral e assoalho da órbita, e partes das fossas temporais e infratemporal. Localizada inferiormente aos ossos nasais, a abertura piriforme corresponde à abertura nasal anterior no crânio. Na vista interna da abertura piriforme se encontra o septo nasal ósseo, dividindo a cavidade nasal em duas fossas nasais, direita e esquerda. Na parede lateral de cada fossa nasal se encontram projeções curvas das placas ósseas, as chamadas conchas nasais superiores, médias e inferiores. A parte do viscerocrânio na face, entre a órbita e os dentes da arcada dentária superior, é formada pelo par de ossos maxilares. Superiormente, cada osso maxilar contribui para a formação das margens inferior e medial das órbitas. Lateralmente, o processo zigomático de cada osso maxilar se articula com o osso zigomático e, medialmente, o processo frontal de cada osso maxilar se articula com o osso frontal. Na superfície anterior do corpo da maxila, imediatamente abaixo da margem infraorbital, localiza-se o forame infra-orbital. Inferiormente, cada osso maxilar termina como processos alveolares e alvéolos dentários que contem os dentes da arcada dentária superior. 4

5 As maxilas estão unidas pela sutura intermaxilar no plano mediano. As maxilas contornam a maior parte da abertura piriforme e formam a margem infra-orbital média. Eles têm uma conexão ampla com os ossos zigomáticos lateralmente e um forame infra-orbital inferior para a passagem do nervo infra-orbital e vasos sanguíneos. Na vista anterior do crânio (Figura 1), a mandíbula é a estrutura óssea com forma de ferradura mais inferior. Consiste em corpo da mandíbula anteriormente e ramo da mandíbula, posteriormente. Estes se unem posteriormente, no ângulo da mandíbula. O corpo da mandíbula é dividido em duas partes: a parte inferior, base da mandíbula; e a parte superior, parte alveolar da mandíbula. A parte alveolar da mandíbula contém os dentes da arcada dentária inferior. A base da mandíbula tem uma protuberância, a protuberância mental em sua superfície anterior, onde os dois lados da mandíbula se unem. Imediatamente lateral à protuberância mental, a cada lado, identificam-se protuberâncias mais pronunciadas, os tubérculos mentais. Lateralmente aos tubérculos mentais, se encontram os forames mentais, entre a margem superior da parte alveolar da mandíbula e a margem inferior da base da mandíbula. DESCRIÇÃO DA VISTA LATERAL DO VISCEROCRÂNIO Os ossos da face observados em uma vista lateral do crânio incluem os ossos nasais, os ossos maxilares e os ossos zigomáticos. Os ossos nasais se apresentam como pequenos ossos classificados como laminares (planos), encontrados dispostos superiormente à abertura piriforme. Os ossos maxilares apresentam inferiormente os processos alveolares e alvélodentários que contêm os dentes. Superiormente, contribui para a formação das margens inferior e medial das órbitas. Medialmente, os processos frontais dos ossos maxilares se articulam com o osso frontal. Lateralmente, os processos zigomáticos dos ossos maxilares se articulam com o osso zigomático. 5

6 Os ossos zigomáticos apresentam forma irregular, contendo a superfície lateral arredondada para formar a proeminência da face. Medialmente, auxilia na formação da margem inferior das órbitas por meio de sua articulação com o processo zigomático do osso maxilar. Superiormente, os processos frontais dos ossos zigomáticos se articulam com os processos zigomáticos dos ossos frontais, auxiliando na formação da margem lateral da órbita. Lateralmente, os processos temporais dos ossos zigomáticos projetam-se posteriormente para se articular com o processo zigomático do osso temporal e, assim, formar o arco zigomático. O arco zigomático é formado pela união do processo temporal do osso zigomático e o processo zigomático do osso temporal. Outra importante estrutura do viscerocrânio é a fossa infratemporal. A fossa infratemporal apresenta-se como um espaço irregular e profundo inferior ao arco zigomático e a mandíbula e posterior à maxila. 6

7 Figura 1. Vista anterior do crânio MANDÍBULA A estrutura óssea inferior e final na vista lateral do crânio é a mandíbula. Inferiormente, identificam-se o corpo da mandíbula (anterior), um ramo da mandíbula 7

8 (posterior) e o ângulo da mandíbula - onde a margem inferior do corpo da mandíbula se encontra com a margem posterior do ramo da mandíbula. Os dentes da arcada dentária inferior se encontram na parede alveolar do corpo da mandíbula. O forame mental encontra-se na superfície lateral do corpo na mandíbula e, na parte superior do ramo, os processos condilar e coronoide estendem-se superiormente. O processo condilar apresenta-se envolvido na articulação formada entre a mandíbula e o osso temporal (Figura 2). Figura 2. Vista lateral do crânio DESCRIÇÃO DA BASE DO CRÂNIO 8

9 Denomina-se base do crânio a porção inferior do esqueleto cefálico formado pelo soalho da cavidade craniana do neurocrânio e pela parte inferior do viscerocrânio, exceto a mandíbula. Na vista externa e inferior da base do crânio identificam-se os ossos maxilares, ossos palatinos, o osso vômer, parte do osso esfenoide, osso temporal e o osso occipital. Na margem anterolateral do teto da cavidade oral localizam-se os processos alveolares e alvéolos dentários que abrigam a arcada dentária superior. O teto da cavidade oral, constituído pelo palato ósseo (palato duro), é formado pelos processos palatinos dos ossos maxilares, localizados anteriormente às placas horizontais dos ossos palatinos, posteriormente. No término do palato duro, posteriormente, identificam-se duas aberturas denominadas de coanas ou abertura nasal posterior. Na face inferior do crânio, o osso temporal apresenta os tubérculos articulares e as fossas mandibulares, onde os côndilos mandibulares se juntam para constituir a articulação temporomandibular. Na face inferior do crânio (Figura 3), o osso occipital apresenta um grande orifício denominado de forame magno. O forame magno serve como passagem para a medula espinhal, radículas nervosas dos nervos espinhais e meninges. Lateralmente ao forame magno do osso occipital encontram-se duas protuberâncias ósseas, chamadas de côndilos occipitais, que se articulam com a primeira vértebra cervical, atlas. 9

10 Figura 3. Vista inferior da base do crânio ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR A articulação temporomandibular (ATM) é uma articulação que se encontra entre a parte escamosa do osso temporal e o processo condilar da mandíbula. Esta compreende dois tipos de articulação sinoviais classificadas como dobradiça e 10

11 deslizamento. É formada pelo disco articular, processo condilar da mandíbula, ligamentos e a parte escamosa do osso temporal (Figura 4). Figura 4. Articulação temporomandibular Na parte escamosa do temporal, há uma superfície avascular composta de tecido conectivo fibroso em vez de cartilagem hialina. As principais áreas de suporte de 11

12 carga localizam-se na vista lateral da parte escamosa, a cabeça da mandíbula e o disco articular. O denso tecido conectivo fibroso é mais espesso nas áreas de suporte de carga. Anteriormente, a parte escamosa do temporal se relaciona com a eminência articular, tornando-se o tubérculo articular; numa parte intermediária, com a fossa mandibular e posteriormente a parte timpânica, que se afila na direção do tubérculo articular. A eminência articular é uma proeminência óssea na base do processo zigomático. O tubérculo articular está localizado na parte lateral da eminência articular e fornece fixação para a cápsula articular e para o ligamento lateral. A fossa mandibular é uma depressão na qual se localiza o processo condilar da mandíbula. Superiormente a esta fina lâmina de osso encontra-se a fossa média do crânio. Parte timpânica é uma lâmina vertical localizada anteriormente ao meato acústico externo. O tubérculo articular posterior é uma extensão inferior da parte escamosa do temporal; forma a face posterior da fossa mandibular e fornece fixação para a cápsula articular. O disco articular apresenta-se vascularizado e inervado nas áreas periféricas, sendo que na parte central é avascular e aneural. Ele está dividido em três porções, anterior - espessa porção se localiza anteriormente ao processo condilar da mandíbula com a boca fechada; intermédiaria, está localizada ao longo do tubérculo articular com a boca fechada; posterior, localizada superiormente ao processo condilar da mandíbula com a boca fechada. O disco articular divide a ATM em compartimentos superior e inferior. A superfície interna dos dois compartimentos forma um revestimento sinovial que produz um líquido sinovial, tornando a ATM uma articulação sinovial. O líquido sinovial atua como um lubrificante e também fornece as necessidades metabólicas para as superfícies articulares da articulação temporomandibular. A cápsula articular circunda completamente a superfície articular do osso temporal e do processo condilar da mandíbula. Composta por tecido conjuntivo fibroso e 12

13 reforçada ao longo das faces medial e lateral por ligamentos. Revestida por uma membrana sinovial altamente vascularizada. Os ligamentos colaterais são o ligamento colateral medial e ligamento colateral lateral. O ligamento colateral medial conecta a face medial do disco articular ao polo medial do processo condilar da mandíbula. O Ligamento colateral lateral conecta a face lateral do disco articular ao polo lateral do processo condilar. Os dois são compostos por tecido conectivo colagenoso. O ligamento lateral apresenta-se espesso na face lateral da cápsula articular e impede o deslocamento lateral e posterior do processo condilar da mandíbula. É composto por duas porções separadas, a parte oblíqua externa e a parte horizontal interna. A parte oblíqua externa é a maior porção; presa ao tubérculo articular, cursa póstero-inferiormente para se fixar em uma região imediatamente inferior ao processo condilar da mandíbula. Isto limita a abertura da mandíbula. A parte horizontal interna é a menor porção; está presa ao tubérculo articular cursando horizontalmente para se fixar à parte lateral do processo condilar da mandíbula e disco articular. Isto limita o movimento posterior do disco articular e do processo condilar. O ligamento estilomandibular é composto por um espessamento da fáscia cervical profunda. Estende-se do processo estiloide para a margem posterior do ângulo e ramo da mandíbula. Auxilia a limitar a protusão anterior da mandíbula. O ligamento esfenomandibular estende-se da espinha do osso esfenoide até a língua da mandíbula. A zona bilaminar localiza-se posteriormente ao disco articular. É composta pela lâmina posterior, que contém fibras elásticas e ancora a face superior da porção posterior do disco articular à cápsula articular e ao osso temporal, no tubérculo articular posterior e parte timpânica. O coxim retrodiscal corresponde à porção altamente vascularizada e inervada da ATM, formado por colágeno, fibras elásticas, tecido adiposo, nervos e vasos sanguíneos. 13

14 BOCA E CAVIDADE BUCAL A boca é a primeira porção do canal alimentar, comunicando-se anteriormente com o meio externo por meio de uma abertura na forma de uma fenda transversal mediana limitada pelos lábios superior e inferior e a rima bucal (Figura 5). Figura 5. Boca A cavidade da boca (cavidade oral ou bucal) é uma cavidade com forma semi-oval, delimitada lateralmente pelos dentes e bochechas, superiormente pelos palatos duro e mole, inferiormente pela língua e posteriormente pelo istmo das fauces (ou istmo da garganta). 14

15 A cavidade bucal apresenta-se dividida em dois compartimentos, um externo e outro interno. A parte externa, menor, corresponde ao vestíbulo bucal, e a outra interna, maior, é a cavidade bucal propriamente dita. O vestíbulo é um espaço em forma de fenda, cujo limite externo é feito pelos lábios e bochechas e internamente pelas gengivas e dentes. A cavidade bucal propriamente dita possui seu teto formado pelos palatos duro e mole, seu assoalho formado pela língua e sua parede anterolateral pelas arcadas dentárias, superior e inferior. Os lábios correspondem a duas pregas carnosas ao redor da abertura da boca. São revestidos externamente pela pele e internamente por mucosa. Assim como as bochechas, os lábios auxiliam na manutenção do alimento entre os dentes superiores e inferiores. O palato separa a cavidade nasal da cavidade oral (Figura 6). É formado pelo palato duro, constituído por parte uma dos ossos maxilares e ossos palatinos, e pelo palato mole formado por tecido muscular. Do palato mole, no plano mediano, projeta-se uma saliência cônica denominada úvula palatina. Posteriormente ao palato mole, a cavidade bucal comunica-se com a parte oral da faringe por meio de uma abertura chamada de istmo das fauces (ou istmo da garganta). Lateralmente a úvula ocorre à projeção de pregas musculomembranosas revestidas por mucosa chamadas de prega palatoglosso e prega palatofaríngea. Entre estas se identificam as fossas tonsilares preenchidas pelas tonsilas palatinas. 15

16 Figura 6. Boca e cavidade bucal. As bochechas encontram-se constituindo as paredes laterais da cavidade bucal, sendo revestidas por epitélio pavimentoso estratificado. São formadas por alguns músculos acessórios da mastigação, entre os quais se destacam os músculos bucinadores, que impedem o alimento de escapar da ação trituradora dos dentes. Dentes Para que o alimento sólido seja reduzido a pequenas partículas, anteriormente à ação das enzimas digestivas liberadas junto ao processo de insalivação, os dentes promovem essa função através do processo da mastigação. 16

17 Os dentes são estruturas acessórias do sistema digestório. São elementos rijos, esbranquiçados, implantados em cavidades da maxila e da mandíbula denominados de alvéolos dentários. Em cada dente distinguem-se três partes, a coroa, que corresponde à parte exposta livre; a raiz, que consiste de uma a três projeções implantadas no alvéolo e o colo, zona estreitada circundada pela gengiva. Durante a vida do indivíduo surgem duas dentições, a decídua, ou temporária, e a permanente. A dentição decídua, existente principalmente na primeira década de vida, é constituída por 20 dentes, sendo 08 incisivos, 04 caninos e 08 molares. A substituição dos dentes decíduos pelos dentes permanentes ocorre a partir de seis ou sete anos de idade, podendo se estender até 25 anos de idade. Na dentição permanente do indivíduo adulto há trinta e dois dentes, sendo oito incisivos, quatro caninos, oito pré-molares e doze molares. Os seres humanos possuem diferentes dentes que desempenham diferentes funções. Os incisivos são destinados a cortar os alimentos, por terem uma forma de bisel. Os caninos situados posteriormente aos incisivos possuem uma superfície pontiaguda favorável para lacerar e rasgar o alimento. Os dentes pré-molares e molares apresentam classicamente duas e três cúspides, respectivamente, para triturar e esmagar o alimento. Língua 17

18 Figura 7. Língua. A língua é uma estrutura muscular revestida por mucosa situada no assoalho da boca. É o principal órgão gustativo, além de auxiliar na mastigação, deglutição dos alimentos e na articulação da fala. É uma estrutura acessória do sistema digestório, composta de músculos estriados esqueléticos divididos em dois grupos (Figura 7), músculos intrínsecos da língua (formando a língua propriamente dita) e os músculos extrínsecos (constituintes do assoalho da mandíbula). Entre os músculos intrínsecos e extrínsecos da língua encontra-se o frênulo da língua, caracterizado como uma prega de túnica mucosa localizada na face inferior e mediana da língua. É responsável pelo limite dos movimentos da língua no sentido posterior. Na face superior e nas margens anterolaterais da língua são encontradas projeções denominadas de papilas linguais. Atuam como receptores para o paladar doce, salgado, azedo e amargo. 18

19 A língua contribui para a mistura da saliva com o alimento, mantém o bolo alimentar pressionado entre os dentes para a mastigação e auxilia no mecanismo de deglutição. Glândulas Salivares As glândulas salivares são responsáveis pela secreção de um líquido denominado saliva. O mecanismo de salivação apresenta-se totalmente controlado pelo sistema nervoso. O alimento, sentido pelo olfato ou pelo paladar quando ingerido, estimula as glândulas salivares a secretarem intensamente. Ou mesmo quando pensado, impulsos parassimpáticos aumentam a secreção da saliva. As glândulas salivares são divididas em glândulas maiores e menores. Sua função é a produção e secreção de saliva para a cavidade bucal, auxiliando na digestão. O corpo humano possui seis glândulas maiores, três de cada lado da face e pescoço. São elas, glândula parótida, glândula submandibular e glândula sublingual. As glândulas menores, normalmente entre seiscentas e mil, são distribuídas aleatoriamente dentro da cavidade oral. Glândula parótida É a maior glândula salivar (Figura 8). Localiza-se anteriormente à orelha e atrás do ramo da mandíbula, pesa 14 g a 28 g, sendo intimamente associada aos ramos periféricos do nervo facial (VII). Seu ducto dirige-se anteriormente sobre o músculo masseter e atravessa a bochecha, podendo ser facilmente palpado com o dedo no interior da boca, quando ela está entreaberta. O ducto internaliza-se e se abre na cavidade oral na papila parotídea próximo ao segundo molar superior. 19

20 Figura 8. Glândula parótida. Glândula submandibular É a segunda glândula em tamanho (Figura 9). Situada na porção posterior do assoalho da boca, dobra-se contra a face medial da mandíbula e pesa, em média, entre 10g e 15 g, apresentando um ducto excretor que se abre na boca, abaixo da 20

21 língua, através de um pequeno orifício lateral ao frênulo lingual. Contém tanto células serosas, quanto células mucosas. Figura 9. Glândula submandibular. Glândula sublingual A glândula sublingual, em forma de amêndoa, é a menor dos três pares de glândulas salivares maiores, pesando cerca de 2 g e estando situada no assoalho da boca, entre a porção lateral da língua e os dentes. Sua secreção é eliminada para o meio 21

22 bucal por meio de um número variável de pequenos ductos que se abrem numa elevação da prega sublingual. Frequentemente, porções das glândulas sublinguais e submandibulares humanas misturam-se para formar um complexo sublingual-submandibular. Glândula salivar menor São numerosas glândulas salivares menores; existem como pequenas massas discretas que ocupam a submucosa na maior parte da cavidade oral. Os únicos locais onde elas não se encontram são a gengiva aderida, face dorsal do terço anterior da língua e a porção do terço anterior do palato duro. GRUPAMENTOS MUSCULARES DA FACE Os principais grupos musculares na face incluem: Músculos da face (determinam a expressão facial); Músculos da mastigação (movimentam a mandíbula relacionam-se com a articulação temporomandibular); Músculos do palato mole (elevam e deprimem o palato); Músculos da língua (movimentam e alteram a forma da língua). Os principais músculos da face são: músculo occipitofrontal (ou músculo do epicrânio), músculo prócero, músculo nasal, músculo orbicular do olho, músculo orbicular da boca, músculo levantador do lábio superior e da asa do nariz, músculo levantador do lábio superior, músculo zigomático maior, músculo zigomático menor, músculo risório, músculo bucinador, músculo depressor do ângulo da boca, músculo depressor do lábio inferior e músculo mental. 22

23 Os músculos da mastigação são: músculo masseter, músculo temporal, músculo pterigoideo medial e músculo pterigoideo lateral. Os músculos do palato mole são: músculo da úvula, músculo levantador do véu palatino, músculo palatoglosso e músculo palatofaríngeo. Os músculos da língua são: músculo longitudinal superior, músculo vertical da língua e músculo longitudinal inferior. Referências: 1. DÂNGELO, J. G.; FATTINI, C. A. Anatomia Humana Sistêmica e Segmentar. 2ª ed. Rio de Janeiro: Livraria Atheneu, ELIS, H., LOGAN, B., DIXON, A. Anatomia Seccional Humana. São Paulo, Editora Santos, FLECKENSTEIN, P.; TRANUM-JENSEN, J. Anatomia em Diagnóstico por Imagens. 2ª ed. São Paulo: Manole, GUYTON AC, Hall JE. Tratado de Fisiologia Médica. 11ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; Gray, Tratado de Anatomia Humana. 36ª Edição, Guanabara Koogan, MOORE, K. L., DALLEY, A. F. Anatomia Orientada para a Clínica. 5ª Edição. Editora Guanabara Koogan NETTER, F. Atlas de Anatomia Humana. Editora Artmed SOBOTTA. Atlas de Anatomia Humana. Rio de Janeiro: Guanabara- Koogan, SPENCE, A. P. Anatomia Humana Básica. 2ª ed. São Paulo: Manole,

24 10. ROHEN, J. W. Y., YOKOCHI, C. Atlas Fotográfico de Anatomia Humana. Editora Manole Van de Graaff KM. Anatomia Humana. 6ª ed. São Paulo: Manole, WEIR, J.; ABRAHAMS, P.H. Atlas de Anatomia Humana em Imagens. 2ª ed. São Paulo: Manole, WOLF-HEIDEGGER, G. Atlas de Anatomia Humana. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL ESQUELETO AXIAL Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. Vamos estudar o esqueleto que forma o eixo do corpo iniciando o estudo da CABEÇA óssea que se divide em

Leia mais

APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA. TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: http://estudandoanatomia.blogspot.

APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA. TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: http://estudandoanatomia.blogspot. APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: Daniel Moreira Monitor Virtual de Anatomia http://estudandoanatomia.blogspot.com APOSTILAS, JOGOS,

Leia mais

OSSOS DA CABEÇA CRÂNIO COMO UM TODO

OSSOS DA CABEÇA CRÂNIO COMO UM TODO OSSOS DA CABEÇA O crânio é o esqueleto da cabeça; vários ossos formam suas duas partes: o Neurocrânio e o Esqueleto da Face. O neurocrânio fornece o invólucro para o cérebro e as meninges encefálicas,

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos ANATOMIA HUMANA I Acidentes Ósseos Prof. Me. Fabio Milioni Características Anatômicas de Superfície dos Ossos As superfícies dos ossos possuem várias características estruturais adaptadas a funções específicas.

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA DIGESTÓRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Sistema Digestório... 04 Boca... 05 Características

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO SISTEMA DIGESTÓRIO Universidade Federal do Ceará Departamento de Morfologia Prof. Erivan Façanha SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO Órgãos que no conjunto cumprem a função de tornar os alimentos solúveis, sofrendo

Leia mais

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Módulo: Morfológicas I Disciplina: Histologia Curso: Odontologia Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Vista de embrião com 22 dias Primeiro Arco

Leia mais

DESCRIÇÃO ANATÔMICA E RADIOGRÁFICA DAS ESTRUTURAS OBSERVADAS EM RADIOGRAFIAS INTRA E EXTRABUCAIS DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL

DESCRIÇÃO ANATÔMICA E RADIOGRÁFICA DAS ESTRUTURAS OBSERVADAS EM RADIOGRAFIAS INTRA E EXTRABUCAIS DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL ANATOMIA RADIOGRÁFICA DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL: UMA ABORDAGEM INTERATIVA NA WEB III Programa de Bolsas de Iniciação Científica AUTORA: Renata Vasconcelos Pavan CO-AUTORAS: Paula Ribeiro Borges Vanessa

Leia mais

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo:

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: SISTEMA RESPIRATÓRIO Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: Respiração é definida como a absorção do oxigênio pelo organismo, com liberação subseqüente de energia para o trabalho, calor e a

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema responsável pelo processamento (transformações químicas) de nutrientes, para que possam

Leia mais

ANATOMIA. Sistema Respiratório. Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI

ANATOMIA. Sistema Respiratório. Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI ANATOMIA HUMANA Sistema Respiratório Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI mussejereissati@hotmail.com website: www.mussejereissati.com Feito com Apple Keynote AGORA, NÃO! 3 Organização e Funções

Leia mais

BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! CURSO ASB UNIODONTO DRA. NANCI CATANDI PERRONE OSSOS DA FACE MAXILA Forma o maxilar Limite inferior da cavidade orbitária Separa através do processo palatino a cavidade bucal

Leia mais

Ossos, músculos e ligamentos da cabeça e do pescoço

Ossos, músculos e ligamentos da cabeça e do pescoço Ossos, músculos e ligamentos da cabeça e do pescoço Prof. Dr. Caio Maximino Marabá Maio/2015 Cabeça é composta por crânio, face, escalpo, dentes, encéfalo, nervos cranianos, meninges, órgãos dos sentidos

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO: DIVISÃO DO SISTEMA DIGESTÓRIO 05/10/2013

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO: DIVISÃO DO SISTEMA DIGESTÓRIO 05/10/2013 CONCEITO: SISTEMA DIGESTÓRIO Conjunto de órgãos responsáveis pela preensão, mastigação, transformação química e absorção dos alimentos, e a expulsão dos resíduos, eliminados sob a forma de fezes. Prof.Msc.MoisésMendes

Leia mais

Anatomo-Histo-Fisiologia I 2008-2009 Cristina Teixeira

Anatomo-Histo-Fisiologia I 2008-2009 Cristina Teixeira 1 SISTEMA OSTEOARTICULAR III ESQUELETO AXIAL CABEÇA ÓSSEA SUMÁRIO I DIVISÕES DA CABEÇA ÓSSEA Crânio: calote e base Face II - OSSOS DO CRÂNIO 1 Parietal Faces interna e externa Bordos superior ou sagital,

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Introdução O termo respiração pode ser entendido como a união do oxigênio com o alimento (substâncias dissolvidas) nas células e a liberação de energia, calor, gás carbônico e água.

Leia mais

Aparelho Respiratório

Aparelho Respiratório Aparelho Respiratório Organização Geral Pulmões: órgãos de troca gasosa. Órgão auxiliares: apenas passagem de ar. o Nariz: nariz externo, cavidade nasal e seios paranasais. o Faringe (nasofaringe) o Laringe

Leia mais

Fraturas do Terço Médio da Face

Fraturas do Terço Médio da Face Fraturas do Terço Médio da Face Epidemiologia: Pico de incidência entre 15 e 30 anos Homens correspondem a 60-80% As principais causas são acidente automobilístico, agressão, esportes radicais e quedas

Leia mais

Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias de crânio e face são realizadas

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório A função do sistema respiratório é facultar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações

Leia mais

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Anestesias Locais 1. Periférica, tópica ou de superfície 2. Infiltrativa terminal 3. Troncular, regional ou bloqueio de condução Aula de cirurgia Anestesia

Leia mais

ODONTOLOGIA/CIRURGIA BUCO-MAXILO-FACIAL

ODONTOLOGIA/CIRURGIA BUCO-MAXILO-FACIAL UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO ODONTOLOGIA/CIRURGIA BUCO-MAXILO-FACIAL Parte I: MÚLTIPLA ESCOLHA 01 Podemos considerar como

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO Curso: Biomedicina (17) Ano: 2013 Semestre: 2 Período: 2 Disciplina: Anatomia Humana (Human Anatomy) Carga Horária Total: 90 Teórica: 60 Atividade Prática: 30 Prática Pedagógica: 0 Aulas Compl. Tutorial:

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006

ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006 ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006 PÁLPEBRAS - 1 Pálpebras Formações musculomembranosas -finas -móveis -adaptadas à parte anterior dos olhos Função protecção contra agressões externas,

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO:

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: CONJUNTO DE ÓRGÃOS FORMANDO UM CANAL ALIMENTAR COM A FINALIDADE DE NUTRIÇÃO DO ORGANISMO. FUNÇÕES: Sistema Digestório INSERÇÃO MASTIGAÇÃO DEGLUTIÇÃO DIGESTÃO ABSORÇÃO EXCREÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO Curso: Nutrição (04) Ano: 2013 Semestre: 1 Período: 1 Disciplina: Anatomia Humana (Human Anatomy) Carga Horária Total: 90 Teórica: 60 Atividade Prática: 30 Prática Pedagógica: 0 Aulas Compl. Tutorial:

Leia mais

ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA RESPIRATÓRIO

ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA RESPIRATÓRIO ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA RESPIRATÓRIO Djanira Aparecida da Luz Veronez 1 INTRODUÇÃO O sistema respiratório é responsável pelo mecanismo de troca gasosa (hematose) com o ar atmosférico para garantir

Leia mais

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL INTRODUÇÃO A Anatomia da região cervical, divide-se em duas partes, coluna vertebral segmento cervical e ou pescoço. Esta região pode ser bem estudada pelos métodos

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL

Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL Juiz de Fora / MG - 2009 Autoras PROFª. MARIA ELIZABETH M.N. MARTINS PROFª. MARIA CHRISTINA M.N. CASTAÑON Juiz de Fora/MG

Leia mais

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes PROFESSORA NAIANE Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes dos alimentos, chegam às células do

Leia mais

Prof Thiago Scaquetti de Souza

Prof Thiago Scaquetti de Souza Prof Thiago Scaquetti de Souza SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO Funções e anatomia O sistema respiratório humano possui a função de realizar as trocas gasosas (HEMATOSE). Esse sistema é composto pelas seguintes

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Tecido Nervoso Compreende basicamente dois tipos celulares Neurônios unidade estrutural e funcional

Leia mais

Radiografias Extra-Orais

Radiografias Extra-Orais Unidade Clínica I Radiografias Extra-Orais 25.10.2012 1 Introdução Nos exames radiográficos extra-orais, quer a fonte de raio-x, quer o receptor de imagem (película ou sensores electrónicos) estão colocados

Leia mais

ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA

ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA ESTUDO RADIOLOGICA DA CABEÇA INTRODUÇÃO Na interpretação de qualquer imagem radiológica, sendo ela adquirida em qualquer método, o bom entendimento do profissional realizador é essencial para manter um

Leia mais

ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS

ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD PhD Especialista e Mestre em CTBMF - UFPel-RS Doutor (PhD) em CTBMF - University of London Professor Adjunto da UFMG e da PUC-Minas

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR ASSOCIAÇÃO PESTALOZZI DE NITERÓI CURSO TÉCNICO ALMIR MADEIRA Estrada Caetano Monteiro, 857 Pendotiba. Niterói- RJ Tel: 21994400/21.26202173 (Centro) CURSO: DISCIPLINA: Anatomia e Fisiologia Humana DOCENTE:

Leia mais

Módulo 6: Anatomia da Cabeça 2012 / 2013. Escola Europeia de Ensino Profissional Manuel Rodríguez Suárez. Nº3814; Maria José Costa Pereira

Módulo 6: Anatomia da Cabeça 2012 / 2013. Escola Europeia de Ensino Profissional Manuel Rodríguez Suárez. Nº3814; Maria José Costa Pereira Módulo 6: Anatomia da Cabeça Escola Europeia de Ensino Profissional Manuel Rodríguez Suárez 2012 / 2013 Nº3814; Maria José Costa Pereira Módulo 6: Anatomia da Cabeça Escola Europeia de Ensino Profissional

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO INTRODUCÃO NARIZ

SISTEMA RESPIRATÓRIO INTRODUCÃO NARIZ INTRODUCÃO Nossas células necessitam, para exercerem suas funções, de um suprimento contínuo de oxigênio para que, num processo químico de respiração celular, possam gerar a energia necessária para seu

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução A função do sistema respiratório é facilitar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações metabólicas,

Leia mais

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO I COLUNA VERTEBRAL 1 Os constituintes da coluna vertebral: 7 vértebras cervicais, 12 vértebras torácicas, 5 vértebras

Leia mais

HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO. Profa MARIA ELISA CARNEIRO

HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO. Profa MARIA ELISA CARNEIRO HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO Profa MARIA ELISA CARNEIRO INTRODUÇÃO Função: - Obter nutrientes necessários para manutenção, crescimento e demandas energéticas do organismo. Composição: - Cavidade oral

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

Esqueleto axial. http://www.imagingonline.com.br/

Esqueleto axial. http://www.imagingonline.com.br/ 2010 Esqueleto axial http://www.imagingonline.com.br/ Esse capítulo descreve sucintamente os ossos do esqueleto axial. No final do capítulo, encontras-se um mini-atlas e exercícios de memorização a partir

Leia mais

BOM DIA. Sejam bem vindas e boa aula!!!!!!!!!!!!!

BOM DIA. Sejam bem vindas e boa aula!!!!!!!!!!!!! BOM DIA Sejam bem vindas e boa aula!!!!!!!!!!!!! CURSO ASB DRA. NANCI CATANDI PERRONE Saúde Bucal X Saúde Geral DEFINIÇÕES ANATOMIA Estudo cientifico da forma e estrutura do corpo. FISIOLOGIA Estudo cientifico

Leia mais

COLÉGIO TÉCNICO SÃO BENTO

COLÉGIO TÉCNICO SÃO BENTO Anatomia de Superfície O estudo da anatomia se inicia com a divisão da superfície da cabeça e do pescoço em regiões, nas quais se encontram determinados pontos anatômicos de referência que devem ser bem

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação ANATOMIA HUMANA I Sistema Digestório Prof. Me. Fabio Milioni Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação Sistema Digestório 1 Órgãos Canal alimentar: - Cavidade oral

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE O órgão dentário, um dos elementos do aparelho mastigatório, é constituído por tecidos especificamente dentais (esmalte, dentina, polpa) e por tecidos periodontais

Leia mais

Roteiro de aulas teórico-práticas

Roteiro de aulas teórico-práticas Roteiro de aulas teórico-práticas Sistema digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. Apresenta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Educação para Saúde SUBFUNÇÃO OU COMPONENTE CURRICULAR: ANATOMIA

Leia mais

ÍNDICE 3. CRESCIMENTO PRÉ-NATAL DOS OSSOS MAXILARES 3.1 FORMAÇÃO ÓSSEA INTRAMEMBRANOSA 3.2 FORMAÇÃO ÓSSEA ENDOCONDRAL 3.3 TIPOS DE CRESCIMENTO

ÍNDICE 3. CRESCIMENTO PRÉ-NATAL DOS OSSOS MAXILARES 3.1 FORMAÇÃO ÓSSEA INTRAMEMBRANOSA 3.2 FORMAÇÃO ÓSSEA ENDOCONDRAL 3.3 TIPOS DE CRESCIMENTO 1. INTRODUÇÃO ÍNDICE 2. TEORIAS DO CRESCIMENTO 3. CRESCIMENTO PRÉ-NATAL DOS OSSOS MAXILARES 3.1 FORMAÇÃO ÓSSEA INTRAMEMBRANOSA 3.2 FORMAÇÃO ÓSSEA ENDOCONDRAL 3.3 TIPOS DE CRESCIMENTO 4. CRESCIMENTO PÓS-NATAL

Leia mais

Sinonímia Alterações Herdadas e Congênitas Defeitos de Desenvolvimento da Região Maxilofacial e Oral

Sinonímia Alterações Herdadas e Congênitas Defeitos de Desenvolvimento da Região Maxilofacial e Oral Sinonímia Alterações Herdadas e Congênitas Defeitos de Desenvolvimento da Região Maxilofacial e Oral Doença Hereditária: é um desvio da normalidade transmitidos por genes e que podem estar presentes ou

Leia mais

Prof. Dr. José Gomes Pereira

Prof. Dr. José Gomes Pereira Prof. Dr. José Gomes Pereira 1. Considerações preliminares Série: órgãos tubulares e glandulares 1.1. Funções estruturas modificadas e especializadas Ingestão Mastigação Deglutição Digestão Absorção Eliminação

Leia mais

METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO. Vista Ventral

METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO. Vista Ventral METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO Vista Ventral 7 0 9 8 7. Côndilo do occipital;. Forame Magno;. Processo Paracondilar;. Temporal;. Forame Supraorbital;. Bula Timpânica; 7. Vômer; 8. Zigomático; 9. Asa do

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL BARÃO DO RIO BRANCO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO SISTEMA SENSORIAL

COLÉGIO ESTADUAL BARÃO DO RIO BRANCO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO SISTEMA SENSORIAL COLÉGIO ESTADUAL BARÃO DO RIO BRANCO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO SISTEMA SENSORIAL MICHEL FELIPE PRASNIEVSKI ROSIMAR RODRIGUES VINICIUS ARAUJO 2013 Sistemas Sensoriais É o sistema constituído

Leia mais

CURSO ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 P L A N O D E C U R S O

CURSO ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 P L A N O D E C U R S O FACULDADE INDEPENDENE DO NORDESE CURSO ODONOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: HISOLOGIA BUCO-DENAL Código:ODO

Leia mais

Aparelho respiratório

Aparelho respiratório Sistema respiratório Aparelho respiratório Divisão do aparelho respiratório: Porção condutora Constituído de dois pulmões e de estruturas ocas com a função de proporcionar a troca gasosa. Fossas nasais,

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

Desenvolvimento do SISTEMA NERVOSO

Desenvolvimento do SISTEMA NERVOSO Desenvolvimento do SISTEMA NERVOSO INTRODUÇÃO divisões do sistema nervoso DIVISÕES DO SISTEMA NEVOSO Sistema Nervoso Central (SNC): DERIVADO DO TUBO NEURAL consiste em encéfalo e medula espinhal Sistema

Leia mais

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar 1 PUCPR, ORTODONTIA GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO MUDANÇAS REGIONAIS DA FACE Camargo ES, Maruo H, Guariza-Filho O, Tanaka O. As mudanças de crescimento podem ser descritas, para melhor compreensão, como regiões

Leia mais

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089)

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) Músculos e Trígonos do Pescoço Platisma Lâmina de músculo fina e larga, situada no tecido subcutâneo do pescoço. Recobre a face anterolateral do pescoço.

Leia mais

Princípios de OCLUSÃO

Princípios de OCLUSÃO Aperfeiçoamento em Prótese Convencional e sobre Implantes Bibliografia Recomendada HOBO, S. et al. Osseointegração e Reabilitação Oclusal. 1 ed. São Paulo: Quintessence, 1997. Princípios de OCLUSÃO Princípios

Leia mais

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Biologia FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA NERVOSO Tem por função receber, associar, armazenar ou emitir informações garantindo assim

Leia mais

ESTUDO DO CRÂNIO DE MABUYA AGILIS (RADDI, 1823) (LACERTILIA, SCINCIDAE)

ESTUDO DO CRÂNIO DE MABUYA AGILIS (RADDI, 1823) (LACERTILIA, SCINCIDAE) ESTUDO DO CRÂNIO DE MABUYA AGILIS (RADDI, 1823) (LACERTILIA, SCINCIDAE) Palavras-chave: Osteologia. Crânio. Mabuya. FERREIRA JR., Julio Cesar 1 SOARES, Marcelo de Araújo 2 Introdução A mais complicada

Leia mais

Envoltórios do SNC e Circulação Liquórica

Envoltórios do SNC e Circulação Liquórica FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Envoltórios do SNC e Circulação Liquórica Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria MEC nº 131 de 13.01.11, DOU de 17.01.11

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria MEC nº 131 de 13.01.11, DOU de 17.01.11 Componente Curricular: HISTOLOGIA BUCO-DENTAL Código: ODO-007 Pré-Requisito: HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA HUMANA Período Letivo: 2013.1 CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria MEC nº 131 de 13.01.11,

Leia mais

ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DOS ÓRGÃOS SENSORIAIS DA AUDIÇÃO E VISÃO

ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DOS ÓRGÃOS SENSORIAIS DA AUDIÇÃO E VISÃO ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DOS ÓRGÃOS SENSORIAIS DA AUDIÇÃO E VISÃO Djanira Aparecida da Luz Veronez 1 ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DA ORELHA INTRODUÇÃO A orelha é o órgão responsável por detectar ondas sonoras.

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA CARACTERÍSTICAS GERAIS: - Unem e sustentam outros tecidos - Não apresentam células justapostas - Possuem vários tipos de células - Possuem matriz intercelular material gelatinoso

Leia mais

ANATOMIA DO PERIODONTO

ANATOMIA DO PERIODONTO INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA ANATOMIA DO PERIODONTO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2012 PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO Ligamento

Leia mais

LINK CATÁLOGO DE EXAMES

LINK CATÁLOGO DE EXAMES Porque pedir um exame radiográfico? LINK CATÁLOGO DE EXAMES O exame radiográfico é solicitado para a visualização clinica das estruturas ósseas da cavidade bucal. Para isso, existem as mais diversas técnicas

Leia mais

Palato duro. Palato, SOE. Palato, lesão sobreposta do

Palato duro. Palato, SOE. Palato, lesão sobreposta do C00 C000 C001 C002 C003 C004 C005 C006 C008 C009 C01 C019 C02 C020 C021 C022 C023 C024 C028 C029 C03 C030 C031 C039 C04 C040 C041 C048 C049 C05 C050 C051 C052 C058 C059 C06 C060 C061 C062 C068 C069 C07

Leia mais

Níveis de. Organização do. Corpo Humano

Níveis de. Organização do. Corpo Humano Níveis de Organização do Corpo Humano No corpo humano existem vários grupos de células semelhantes entre si. Cada grupo constitui um TECIDO Semelhança de forma: todas destinam-se a uma função específica.

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO O sistema Nervoso é um todo. Sua divisão em partes tem um significado exclusivamente didático, pois as várias partes estão intimamente

Leia mais

Apostila de Anatomia e Fisiologia humana Sistema Digestório-Prof. Raphael Garcia. Sistema Digestório

Apostila de Anatomia e Fisiologia humana Sistema Digestório-Prof. Raphael Garcia. Sistema Digestório Introdução Apostila de Anatomia e Fisiologia humana Sistema Digestório-Prof. Raphael Garcia Sistema Digestório O sistema digestório se resume em um longo tubo muscular que tem início nos lábios e termina

Leia mais

Tema 05: Sistema Digestório

Tema 05: Sistema Digestório Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Tópicos Especiais para Biotecnologia Tema 05: Sistema Digestório Constituição Boca, esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso,

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA

ANATOMIA E FISIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA SITEMA DIGESTÓRIO Enfª Renata Loretti Ribeiro 2 3 SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução O trato digestório e os órgãos anexos constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo

Leia mais

substância intercelular sólida, dura e resistente.

substância intercelular sólida, dura e resistente. Tecido ósseo É um dos tecidos que formam o esqueleto de nosso corpo, tendo como função principal a sustentação. Além disso: serve de suporte para partes moles; protege órgão vitais; aloja e protege a medula

Leia mais

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO SAÚDE BUCAL Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO ANATOMIA BUCAL ANATOMIA DENTAL TIPOS DE DENTES

Leia mais

Aula 4: Sistema digestório

Aula 4: Sistema digestório Aula 4: Sistema digestório Sistema digestório As proteínas, lípideos e a maioria dos carboidratos contidos nos alimentos são formados por moléculas grandes demais para passar pela membrana plasmática e

Leia mais

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais.

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. Histologia Animal - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. - Tecidos: Grupamento de células harmonizadas e diferenciadas que realizam uma determinada função. - Principais

Leia mais

Categorias de Músculos

Categorias de Músculos URI Curso de Psicologia Prof. Claudio Alfredo Konrat Aparelho Locomotor: ossos, junturas e músculos Os músculos constituem os elementos ativos do movimento Os ossos constituem os elementos passivos do

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA SUBCUTÂNEA BASEADA NA OBSERVAÇÃO DE PEÇAS ANATÔMICAS DISSECADAS 1

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA SUBCUTÂNEA BASEADA NA OBSERVAÇÃO DE PEÇAS ANATÔMICAS DISSECADAS 1 DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA SUBCUTÂNEA BASEADA NA OBSERVAÇÃO DE PEÇAS ANATÔMICAS DISSECADAS 1 CAMPOS, Adriana 1 ; SANTOS, Danillo Luiz 2 ; ARAÚJO, Patrick Correia de Souza 3 ; LUIZ, Carlos Rosemberg 4 ; BENETTI,

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório SISTEMA RESPIRATÓRIO O sistema respiratório humano é constituído por um par de pulmões e por vários órgãos

Leia mais

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo www.bioloja.com EMBRIOGÊNESE DO SN DIVISÃO DO SN O SISTEMA NERVOSO O SNC recebe, analisa e integra informações. É o local onde ocorre a tomada de decisões e o envio

Leia mais

ODONTOLOGIA ANATOMIA HUMANA GERAL 1º Período / Carga Horária: 90 horas

ODONTOLOGIA ANATOMIA HUMANA GERAL 1º Período / Carga Horária: 90 horas ODONTOLOGIA ANATOMIA HUMANA GERAL 1º Período / Carga Horária: 90 horas 1. PRÉ-REQUISITO: Não há Pré-Requisitos 2. EMENTA: Conceito de Anatomia com as diversas formas de seu estudo. Conceito de normal,

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

DISTÚRBIOS DA ATM. Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo

DISTÚRBIOS DA ATM. Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo SINAIS E SINTOMAS 3 SINAIS CARDINAIS DA DTM: DOR OROFACIAL BARULHOS NA ATM RESTRIÇÃO FC. MANDIBULAR OUTROS SINTOMAS CEFALÉIA

Leia mais

VARIAÇÕES ANATÔMICAS DA NORMALIDADE E DEFEITOS DO DESENVOLVIMENTO

VARIAÇÕES ANATÔMICAS DA NORMALIDADE E DEFEITOS DO DESENVOLVIMENTO Disciplina: Estomatologia VARIAÇÕES ANATÔMICAS DA NORMALIDADE E DEFEITOS DO DESENVOLVIMENTO http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 ANOMALIAS DE DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO

Leia mais

PROPEDÊUTICA DO DIAGNÓSTICO TRAUMATOLÓGICO

PROPEDÊUTICA DO DIAGNÓSTICO TRAUMATOLÓGICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROPEDÊUTICA DO DIAGNÓSTICO TRAUMATOLÓGICO PROFa.Dra. CLÁUDIA JORDÃO SILVA 2006 1 ETIOLOGIA Na literatura estrangeira são encontrados diversos

Leia mais

POSICIONAMENTO RADIOLOGIA CONVENCIONAL II. Prof. Marcio Ap. dos S. Major

POSICIONAMENTO RADIOLOGIA CONVENCIONAL II. Prof. Marcio Ap. dos S. Major POSICIONAMENTO RADIOLOGIA CONVENCIONAL II Prof. Marcio Ap. dos S. Major ANATOMIA RADIOGRÁFICA DO CRÂNIO O crânio, ou esqueleto ósseo da cabeça, é formando por oito ossos, quatro dos quais ímpares: frontal,

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

RECEPTORES QUÍMICOS E OLFATÓRIOS

RECEPTORES QUÍMICOS E OLFATÓRIOS SISTEMA SENSORIAL PEIXES A visão dos vertebrados terrestres depende de lentes planas e flexíveis; Os vertebrados aquáticos dependem de lentes esféricas, menos flexíveis, com um alto poder de refração.

Leia mais

PUCPR - O.R.T.O.D.O.N.T.I.A - GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO F I C H A C L Í N I C A Nome do/a Paciente: Número: 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE 1.1 Nome: 1.2 Data de Nascimento: Sexo: F M Idade: 1.3 Peso: Kg

Leia mais

UND 1 R$ 8.850,000 R$ 8.850,00 23402.002009/2010-16 MICROLLAGOS MICROSCOPIA CIENTIFICA LTDA 3B 3B

UND 1 R$ 8.850,000 R$ 8.850,00 23402.002009/2010-16 MICROLLAGOS MICROSCOPIA CIENTIFICA LTDA 3B 3B FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO SECRETÁRIA DE GESTÃO E ORÇAMENTO Visando a aquisição de equipamentos para laboratório - Pregão 56/2010 Processo nº 23402.001770/2010-22 Empenho Entrega

Leia mais