COLÉGIO TÉCNICO SÃO BENTO TÉCNICO EM ESTÉTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COLÉGIO TÉCNICO SÃO BENTO TÉCNICO EM ESTÉTICA"

Transcrição

1 TÉCNICO EM ESTÉTICA COLÉGIO TÉCNICO MÓDULO PROFISSIONAL ll ANO: 2012

2 Caro Aluno (a) COLÉGIO TÉCNICO O Colégio Técnico São Bento está no mercado de trabalho desde 1996, tendo como objetivo promover a formação integral do aluno. Parabéns pela decisão em continuar seus estudos procurando um curso Técnico Profissionalizante. Colocamos nossa equipe a inteira disposição para atendê-lo da melhor maneira possível. É importante o uso da apostila nas aulas, facilitando assim seu aprendizado, assim se sentirá preparado para executar a prática de laboratório e posteriormente o estágio supervisionado. Todos os direitos do conteúdo da apostila são reservados ao Colégio Técnico São Bento Ltda. Nenhuma parte desta edição pode ser utilizada ou reproduzida em qualquer meio ou forma, seja mecânica, eletrônica, fotocópia, gravação etc., nem apropriada em sistema de banco de dados sem expressa autorização. Mantenedores Suzi Rybachi Cabral Marcelo Teixeira Cabral Nome do aluno (a): Endereço: Cidade: Telefone: Residencial Celular: 2

3 Manhã: 08:00 às 12:00Tarde:14:00 às 18:00 horário Noite: 19:00 às 22:00 horário Horário de atendimento ao público (Secretaria) - 08:00 às 21:00 hs. Os professores do Colégio Técnico São Bento são profissionais da mais alta competência nas suas respectivas especialidades. Você terá aulas teóricas e práticas (a mesma em laboratório específico do curso), onde disponibilizamos aos professores vídeos, DVDs, transparências, com o intuito de que o aprendizado seja completo, abrangendo a todos de forma nivelar. Disponibilizamos aos alunos do Colégio técnico São Bento sala de internet, de uso gratuito para pesquisa, o uso é liberado fora do horário de aula para a realização de trabalhos, pesquisas e currículos. Temos um acervo de livros para pesquisa, para utilizá-los basta solicitar na secretaria. Lembrete: Os boletos serão emitidos mensalmente e deverão ser retirados na secretaria antes do vencimento do mesmo. Caso não receba até 24hs antes do vencimento favor entrar em contato com a secretaria. CONTROLE DE ACOMPANHAMENTO DE NOTAS - MÓDULO PROFISSIONAL I Disciplinas Avaliação Escrita Trabalho Avaliação Escrita Avaliação Prática Avaliação Substitutiva Recuperação Média Final Faltas 1. Anatomia Facial, / /, / /, / / NADA CONSTA, / /, / /, / / / / 2. Biossegurança, / /, / /, / /, / /, / /, / /, / / / / 3. Técnica de Tratamento Facial, / /, / /, / /, / /, / /, / /, / / / / 4. Maquilagem, / /, / /, / / NADA CONSTA, / /, / /, / / / / 5. Eletroterapia Facial, / /_ f:, / /, / / NADA CONSTA, / /, / /, / / N / / 6. Cosmetologia I, / /, / /, / / NADA CONSTA, / /, / /, / / _/ /_ 3

4 ANATOMIA FACIAL 4

5 Sumário Anatomia de Superfície...01 Ossos...07 Sistema Muscular...12 Músculo da Face...13 Anatomia da Articulação Temporomandubular...23 Sistema Vascular Sanguíneo...26 Glândulas...30 Sistema Nervoso...33 Nervos Cranianos...37 Sistema Linfático...41 Bibliografia e Agradecimentos

6 Anatomia de Superfície O estudo da anatomia se inicia com a divisão da superfície da cabeça e do pescoço em regiões, nas quais se encontram determinados pontos anatômicos de referência que devem ser bem observados a fim de se desenvolver a habilidade de encontrá-los no exame do paciente e ou cliente. Regiões da cabeça As regiões da cabeça incluem as regiões frontal, parietal, occipital, temporal, orbital, nasal, infra-orbital, zigomática, da bochecha, oral e mentual. Cabeça 8 região frontal 9 região pariental 10 região occipital 11 região temporal 12 região infratemporal Face 14 região nasal 15 região oral 16 região mentoniana 17 região orbital 18 região infraorbitária 19 região bucal 20 região zigomática 21 região parotideomassetérica 6

7 Região Frontal Pescoço 23 região cervial anterior 24 trígono submandibular 25 trígono carotídeo 26 região esternocleidomastoideia 27 pequena fossa supraclavicular 28 região cervical lateral 29 fossa supraclavicular maior 30 região cervial posterior A região frontal da cabeça inclui a fronte e a área localizada acima do olho. Imediatamente abaixo dos supercílios, encontra-se a margem supra-orbital e superciliar. A área lisa e elevada entre os supercílios é a glabela, que se apresenta plana na criança e em adultos do sexo feminino, sendo proeminente e arredondada em adultos do sexo masculino. A proeminência da fronte, o túber frontal (conhecida como testa ) também é evidente. Região Parietal e Occipital São revestidas pelo couro cabeludo, que consiste de camadas de tecidos mole sobrepostas aos ossos da calvária. Região Temporal A principal estrutura da região temporal é a orelha externa, formada pela orelha e pelo meato cústico externo. A margem livre superior e posterior da orelha é denominada hélice, que termina inferiormente no lóbulo da orelha, uma protuberância de consistência mole. O ápice superior da hélice está 7

8 situado em um nível correspondente aos supercílios da glabela, e o lóbulo, aproximadamente no nível do ápice do nariz. Na parte anterior à abertura do meato, encontra-se uma pequena elevação, o trago, que também é maleável à palpação, por ser constituído de cartilagem elástica. A elevação cartilaginosa oposta ao trago é denominada antítrago. Entre o trago e o antítrago há uma incisura intertrágica. Região Orbital Na região orbital, o bulbo do olho e suas estruturas auxiliares estão contidas em uma cavidade óssea, a órbita. Os olhos estão localizados aproximadamente no ponto médio do comprimento vertical da face. Duas estruturas móveis, as pálpebras superior e inferior, cobrem e protegem cada bulbo do olho. 8

9 Região Nasal A principal estrutura da região nasal é o nariz, cuja raiz se situa entre os olhos. Inferiormente à glabela, encontra-se o násio, um ponto mediano que corresponde à união entre os ossos nasais; estes formam uma parte do nariz denominado dorso do nariz. A ponta ou ápice do nariz é uma região flexível devido a sua consistência cartilaginosa 9

10 As narinas são duas aberturas do nariz que são separadas por uma parede mediana, o septo nasal, e limitadas lateralmente por estruturas cartilaginosas em forma de asa, as asas do nariz. A largura entre as asas deve corresponder aproximadamente à mesma largura do olho ou espaço situado entre os olhos. Região Infra-Orbital, Zigomática e da bochecha A região infra-orbital é inferior à região orbital lateral à região nasal. Mais lateralmente, encontra-se a região zigomática que corresponde ao osso zigomático e ao arco zigomático, situado logo abaixo da margem inferior da órbita e estendendo-se para a parte superior da orelha. De situação inferior ao arco zigomático e imediatamente anterior à orelha encontra-se a articulação temporomandibular, local onde a mandíbula se une à base do crânio. 10

11 A região da bochecha está formada por estruturas moles que constituem as paredes laterais da cavidade oral, conhecidas como bochechas. A bochecha é uma área ampla e plana situada entre o nariz, a boca e a orelha. A maior parte dessa região é maleável, formada por uma massa de tecido adiposo e músculos. Região Oral É formada principalmente por estruturas internas, sendo constituída pelos lábios, cavidade oral, palato, língua, soalho da cavidade oral e fauces (garganta). Os lábios constituem a porta de entrada para a cavidade oral. Cada lábio apresenta uma zona vermelha que lhes conferem uma aparência mais escura e separada da pele circunjacente pela margem vermelha. A largura dos lábios em repouso deve corresponder aproximadamente à distância entre as íris. Na linha mediana do lábio superior, inferiormente ao septo do nariz, há um sulco vertical de trajeto inferior denominado filtro, que termina em uma estrutura espessa, o tubérculo do lábio superior. Os lábios se unem no ângulo da boca, onde se observa uma pequena depressão, a comissura dos lábios. O sulco que se estende desde a comissura dos lábios até a asa do nariz é o sulco nasolabiale o sulco que separa o lábio inferior da região mentual é denominado sulco labiomentual. 11

12 Região Mentual O mento (queixo) é a principal estrutura da região mentual. O mento apresenta uma proeminência, a protuberância mentual, que geralmente é mais desenvolvida em indivíduos do sexo masculino, mas que pode ser visualizada e palpada em indivíduos do sexo feminino. O sulco labiomentual, uma depressão transversal entre o lábio inferior e o mento. Regiões Cervicais O pescoço se estende desde o crânio e a mandíbula, até as clavículas e o esterno. As regiões cervicais podem ser divididas em diferentes áreas triangulares baseadas nos ossos e músculos aí existentes. 12

13 Uma longa fita muscular, o músculo esternocleidomastóideo divide de forma diagonal cada lado do pescoço nas regiões cervical lateral e posterior. A região cervical anterior, ou trígono anterior, está subdividida em outros quatro trígonos cervicais, dois dos quais próximos à linha mediana. Situada posteriormente ao músculo esternocleidomastóideo, está à região cervical lateral, também denominada trígono cervical lateral. Na linha mediana, a cartilagem tireóidea da laringe forma uma saliência, a proeminência laríngea, conhecida como pomo de Adão, mais desenvolvida nos indivíduos do sexo masculino. As pregas vocais são ligamentos inseridos na face posterior da cartilagem tireóidea. O osso hióide também está situado na linha mediana, superiormente à cartilagem tireóidea. Diversos músculos se inserem n o osso hióide e controlam o posicionamento da raiz da língua. O osso hióide pode ser palpado inferior e medialmente aos ângulos da mandíbula. Nessa manobra não se deve confundir o osso hióide com a cartilagem tireóidea inferiormente situada. Como já mencionado, o trígono cervical anterior pode ser subdividido em trígonos menores por músculos não tão proeminentes como o músculo esternocleidomastóideo. Desta forma, a região superior de cada trígono anterior é demarcada por partes do músculo digástrico e pela mandíbula, delimitando o trígono submandibular. A região inferior pode ser subdividida, pela presença do músculo omo-hióideo, nos trígonoscarótico acima e muscular, abaixo. O trígonosubmentual apresenta situação mediana e é delimitado pelos ventres anteriores dos músculos digástricos e pelo osso hióide. O trígono cervical lateral também pode ser subdividiso em pequenas regiões triangulares. Assim, o músculo omo-hióideo separa o trígono occipital de situação superior, do trígonoomoclavicular, inferiormente situado. 13

14 Ossos 14

15 Ossos da Face Esses ossos determinam as feições da face e servem como base para as dentições. Os ossos da face incluem os ossos ímpares mandíbula e vômer e os ossos pares lacrimais, nasais, conchas nasais inferiores, zigomáticos, maxilas e palatinos. Vários ossos da face estão encobertos por partes moles de duas ou mais regiões da face. Como exemplo pode-se citar o osso frontal, que forma a fronte e uma área ao redor dos olhos. Desta forma é importante que se considere tais situações, uma vez uma anomalia em um determinado osso da face pode freqüentemente envolver tecidos moles de natureza diferente. Vômer 15

16 O vômer é um osso ímpar e mediano que forma a parte posterior do septo nasal. Articula-se pela sua margem ântero-superior com o osso etmóide, com a cartilagem do septo anteriormente, com os ossos palatinos e as maxilas inferiormente e com o osso esfenóide através de sua margem póstero-superior. O vômer não apresenta inserção muscular. Ossos Lacrimais, Nasais e Conchas nasais inferiores Os ossos lacrimais são delgadas lâminas irregulares que formam uma pequena parte da parede ântero- mediais da órbita. O osso lacrimal se articula com o etmóide, a maxila e o frontal. O ducto lacrimo nasal está formado pela união do osso lacrimal com a maxila. A lágrima drena para esse ducto que desemboca no meato inferior da cavidade nasal. Os ossos nasais formam o dorso do nariz e se articulam na linha mediana, acima da abertura piriforme. As conchas nasais inferiores são ossos isolados pertencentes à face e se projetam a partir das maxilas para constituírem aparede lateral da cavidade nasal. Ossos Zigomáticos Formam a proeminência mais saliente da face e se articulam com as maxilas, o frontal, o temporal e o esfenóide. 16

17 Ossos Palatinos São ossos pares constituídos pelas lâminas perpendiculares e horizontais. Lâmina dos ossos palatinos A lâmina horizontal forma a parte posterior do palato ósseo. A lâmina perpendicular contribui para formar parte da parede lateral da cavidade nasal e uma parte do ápice da órbita. Suturas do osso palatino Os ossos palatinos atuam como uma ponte entre as maxilas e o osso esfenóide. AS lâminas horizontais se articulam na parte posterior da sutura palatina mediana. 17

18 Forames dos ossos palatinos Existem dois forames importantes nos ossos palatinos por onde passam nervos e vasos sanguíneos para a região do palato. Forame palatino maior Forame palatino menor Maxilas São unidas entre si na linha mediana e se articulam com os ossos frontal, lacrimais, nasais, conchas nasais inferiores, vômer, esfenóide, palatinos e zigomáticos. Mandíbula É um osso ímpar da face e o único osso do crânio que goza de grande mobilidade, sendo considerado ainda o maior e mais robusto osso da face. A mandíbula se articula com os ossos temporais formando a articulação temporomandibular. 18

19 Seios Paranasais São cavidades pneumáticas pares, forradas por mucosas localizadas nos ossos frontais, esfenóide, etmóide e maxila e que se comunicam com a cavidade nasal através de pequenas aberturas em sua parede lateral. Os seios diminuem o peso dos ossos do crânio e atuam como caixas de ressonância do som emitido pela laringe. A membrana mucosa dos seios torna-se inflamada e congestionada como na sinusite primária, que pode ocorrer devido a processos alérgicos ou infecciosos nos seios. A inflamação dos seios originada em outro local, como uma infecção de um dente adjacente ao seio determi a sinusite secundária. 19

20 Seios frontais Estão localizados no osso frontal logo acima da cavidade nasal, sempre separado por um septo mediano. Cada seio frontal se comunica com a cavidade nasal através de um canal estreito chamado de ducto frontonasal. Seios esfenoidais Estão localizados no corpo do osso esfenóide, se comunicam com a cavidade nasal através de uma abertura situada superiormente à concha nasal superior, o recesso esfenoetmoidal. 20

21 Seios etmoidais São variáveis em número e situadas nas massas laterais do osso etmóide. Seio maxilar Localiza-se no corpo da maxila, imediatamente posterior aos caninos e pré-molares. Seu tamanho varia de acordo com o indivíduo e com a idade. Sistema Muscular Os músculos da face, responsáveis pela expressão facial, estão situados na fáscia superficial da face, se originam em um osso e se inserem na pele, onde determinam rugas dispostas em ângulos retos à linha de ação muscular. No sorriso, você utiliza somente 17 músculos, enquanto para determinar uma expressão carrancuda, seus músculos (43 exatamente) desempenham esforço extra. A utilização de um espelho é de grande valia para se observar a ação desses músculos nas diversas expressões faciais. Ação 21

22 Durante a expressão facial, todos os músculos agem em diversas combinações, variando a aparência da face. A incapacidade de se realizar expressões faciais de um dos lados da face pode ser o primeiro sinal de lesão no nervo destinado a esses músculos. Inervação Todos os músculos da face são inervados pelo sétimo par de nervos craniano, o nervo facial. Lesões neste nervo resultam em paralisia facial do lado envolvido. O nervo facial pode apresentar uma lesão permanente ou temporária. Músculos da Face Músculos da Face relacionados com as respectivas expressões faciais 22

23 Músculo Ventre anterior do M. Occipito frontal Orbicular da boca Levantador do lábio superior Bucinador Orbicular do olho Nasal Mentual Platisma Supraciliar Orbicular das Pálpebras Zigomático Maior Zigomático Menor Risorius Masseter: Elevador do Lábio Superior e Asa do Nariz; Elevador do Lábio Superior; Elevador do Ângulo da Boca; Depressor do Ângulo da Boca; Ação principal Eleva os supercílios e a pele da testa Compressão e movimentos dos lábios Eleva o lábio, dilata a narina e eleva o ângulo da boca Comprime a bochecha contra os dentes molares, puxa a boca para um lado quando atingido unilateralmente Fecha as pálpebras Leva a asa do nariz em direcção ao septo nasal Eleva e protrai o lábio inferior Baixa a mandíbula e estende a pele da parte inferior da face e a do pescoço Puxa para baixo a extremidade medial do supercílio e enruga a pele do nariz Oclusão Palpebral Sorriso Choro Estira as Comissuras Labiais no plano horizontal e faz o sorriso enigmático Levanta a Mandíbula para ocluir os dentes Separam os lábios 23

24 MÚSCULOS DA FACE RELACIONADOS COM AS RESPECTIVAS EXPRESSÕES FACIAIS MÚSCULOS Occipitofrontal Orbicular do olho Corrugador do supercílio Orbicular da boca Bucinador Risório Levantador do lábio superior Levantador do lábio superior e asa do nariz Zigomático maior Zigomático menor Levantador do ângulo da boca Abaixador do ângulo da boca Abaixador do lábio inferior Mentual Platisma EXPRESSÃO FACIAL Surpresa Gargalhada, choro Aspecto carrancudo, ira Raiva, ira Sorriso Sorriso, riso Riso, menosprezo Aversão, desaprovação Sorriso, riso Riso, gargalhada Riso Tristeza, dor Choro, desprezo Desprezo Repugnância Músculo do Couro Cabeludo Músculo Occipitofrontal O músculo occipitofrontal, parte do músculo epicrânio, é o músculo da face situado na região do couro cabeludo. Ação: O músculo epicrânio eleva a pele da fronte e do supercílio, como numa expressão de surpresa. Músculos das pálpebras e do supercílio 24

25 Incluem o músculo orbicular do olho e o músculo corrugador do supercílio. Músculo orbicular do olho O músculo orbicular do olho circunda a órbita. Ação: O músculo orbicular do olho fecha as pálpebras. A contração de todas as fibras determina o aparecimento de rugas na pele da parte lateral da órbita (pés-de-galinha). Músculo corrugador do supercílio O músculo corrugador do supercílio está situado profundamente à parte superior do músculo orbicular do olho. Ação: Traciona a pele do supercílio medial e inferiormente, em direção ao nariz. Este movimento determina rugas verticais na fronte, como quando se franze as sobrancelhas. Músculos dos lábios e da boca Pertencem a esse grupo os músculos orbiculares da boca, bucinador, risório, levantador do lábio superior e da asa do nariz, zigomático maior, zigomático menor, levantador do ângulo da boca, abaixador do ângulo da boca, abaixador do lábio inferior, mentual e platisma. Músculo orbicular da boca O músculo orbicular da boca é um importante músculo da face da região oral. Ação: Fecha a boca e quando se contrai firmemente, comprime os lábios. Músculo bucinador O músculo bucinador forma a bochecha, ou parede lateral da cavidade oral. 25

26 Ação: O músculo bucinador puxa lateral e posteriormente o ângulo da boca e encurta a parede lateral da cavidade oral. Esta ação permite que o músculo comprima a bochecha contra os dentes, como acontece quando se mastiga. Por colocar o alimento na posição correta durante a mastigação, o músculo bucinador é considerado um músculo auxiliar dos músculos da mastigação. Músculo risório O músculo risório é um delgado músculo da face, situado na região oral. Ação: O músculo risório retrai o ângulo da boca, como se observa num sorriso. Músculo levantador do lábio superior O músculo levantador do lábio superior é um músculo largo e plano. Ação: Eleva o lábio superior. Músculo levantador do lábio superior e da asa do nariz É um músculo da região dos lábios. Ação: Eleva o lábio superior e a asa do nariz, dilatando as narinas como numa expressão de aversão ou desaprovação. Músculo zigomático maior O músculo zigomático maior é um músculo da face situado na região oral. Ação: Eleva e retrai o ângulo da boca. Músculo zigomático menor 26

27 O músculo zigomático menor é um músculo da região oral situado medialmente ao músculo zigomático maior. Ação: Eleva o lábio superior. Músculo levantador do ângulo da boca O músculo levantador do ângulo da boca é um músculo triangular da região do lábio inferior. Ação: Abaixa o ângulo da boca como numa expressão de tristeza ou desaprovação. Músculo abaixador do lábio inferior O músculo abaixador do lábio inferior é outro músculo da face situado na região dos lábios. Ação: Abaixa o lábio inferior, expondo os dentes incisivos inferiores. Músculo mentual O músculo mentual é um músculo da face curto e espesso situado superior e medialmente ao nervo mentual. Músculo platisma O músculo platisma é um dos músculos da face que se estende do pescoço à boca, recobrindo o trígono anterior do pescoço. Ação: O músculo platisma enruga a pele do pescoço e traciona inferiormente o ângulo da boca, como numa expressão de repugnância. Músculos da mastigação Os músculos masseter, temporal, pterigoideo medial e pterigoideo lateral são os músculos pares que se inserem na mandíbula e que são denominados músculos da mastigação. 27

28 Ação: Os músculos da mastigação agem na articulação temporomandibular e são os responsáveis pelo fechamento da boca, deslizamento da mandíbula para frente ou para trás, e desvio lateral da mandíbula. Inervação: Todos os músculos da mastigação são inervados pelo nervo mandibular, ramo do nervo trigêmeo ou quinto par de nervos craniano. Músculo masseter 28

29 O mais potente dos músculos da mastigação é o músculo masseter, que devido à sua situação superficial, é também o mais evidente. Para se observar esse músculo, deve-se pedir ao paciente ou cliente para que cerre os dentes. O músculo masseter é um músculo largo, espesso e retangular situado de cada lado da face, anteriormente à glândula parótida, e possui uma parte superficial e uma parte profunda. O músculo masseter pode hipertrofiar-se em pessoas que apresentam o hábito de ranger ou cerrar os dentes e também naqueles que mascam chiclete constantemente. Ação: a contração bilateral do músculo masseter eleva a mandíbula, realçando o mento. A elevação da mandíbula ocorre durante o fechamento da boca. Músculo temporal O músculo temporal é um músculo largo em forma de leque situado na fossa temporal, superiormente ao arco zigomático. Ação: Se o músculo se contrai como um todo, sua ação principal é elevar a mandíbula, quando se fecha a boca. Se somente suas fibras posteriores se contraem, o músculo temporal realiza a retrusão da mandíbula, que é acompanhada pelo fechamento da boca. Músculo pterigoideo medial O músculo pterigoideo medial está situado profundamente, e possui formato que o torna semelhante ao músculo masseter. Ação: A ação do músculo pterigoideo medial é de elevar a mandíbula, sendo menos potente que o masseter nessa ação. Músculo pterigoideo lateral 29

30 O último músculo da mastigação a ser considerado é o músculo pterigoideo lateral. Ele apresenta uma cabeça superior e uma cabeça inferior, separadas por um discreto espaço anterior; posteriormente, as duas cabeças se fusionam. O músculo pterigoideo lateral está situado na fossa infratemporal. Ação: a cabeça inferior realiza uma discreta depressão da mandíbula, quando se abre a boca. A ação principal, quando se realiza a contração bilateral, é a protusão da mandíbula, que ocorre freqüentemente quando a boca é aberta. Ocorre-se a contração unilateral do músculo, a mandíbula é deslocada para o lado oposto, ocorrendo o movimento de lateralidade da mandíbula. Músculos do Pescoço Os dois Músculos do pescoço considerados neste texto são superficiais e facilmente palpáveis: o esternocleidomastóideo e o trapézio. 30

31 Vista lateral 31

32 32

33 MÚSCULOS DA MASTIGAÇÃO E MOVIMENTOS MANDIBULARES MÚSCULOS MOVIMENTOS MANDIBULARES Masseter Elevação da mandíbula (fecha a boca) temporal Elevação da mandíbula (fecha a boca) e retrusão da mandíbula (traciona para trás) Pterigóideo Medial Elevação da mandíbula (fecha a boca) Pterigóideo Lateral Cabeça inferior: depressão discreta da mandíbula (durante a abertura da boca). Lateralidade da mandíbula (desloca o mento para o lado oposto) quando um músculo age sozinho. Protusão da mandíbula (a mandíbula desliza para frente) na ação simultânea dos dois músculos. 33

34 Músculo esternocleidomastóideo Um dos maiores e mais superficiais músculos do pescoço, o esternocleidomastóideo (ECM) é espesso e utilizado como um ponto de referência anatômica importante do pescoço durante a palpação. O ECM é palpado quando se move a cabeça para um dos lados e divide o pescoço nos trígonos anterior e posterior do pescoço. Ação: A contração unilateral do ECM inclina a cabeça e o pescoço para um lado e roda a face para o lado oposto. A contração bilateral fixa e flete a cabeça. Músculo Trapézio Outro importante músculo superficial do pescoço é o músculo trapézio, que reveste as superfícies laterais e posteriores do pescoço. É um músculo largo, plano e de formato triangular. Ação: Elevação, depressão, rotação e adução da escápula. Anatomia da articulação temporomandubular Uma articulação é o local de união entre dois ou mais ossos. A articulação temporomandibular (ATM) é uma articulação bilateral que permite os movimentos da mandíbula durante a fala e a mastigação. A (ATM) é inervada pelo nervo mandibular, ramo do nervo trigêmeo, e a irrigação é feita por ramos da artéria carótida externa. 34

35 Ossos A ATM envolve de cada lado da cabeça, dois ossos: o temporal e a cabeça da mandíbula, parte do processo condilar da mandíbula. Ambas as superfícies ósseas são recobertas por fibrocartilagem. Osso Temporal O osso temporal é um dos ossos do crânio e que se articula com a mandíbula na ATM. A região do temporal que participa da articulação está situada em sua face inferior e inclui o tubérculo articular e a fossa mandibular. O tubérculo articular, uma margem lisa e arredondada, está situada anteriormente à fossa mandibular. 35

36 A fossa mandibular, uma depressão no osso temporal, é posterior ao tubérculo articular e posterior e medial ao processo zigomático do osso temporal. Posteriormente à fossa, encontrase uma margem pontiaguda, o processo retroarticular. Mandíbula A mandíbula é um dos ossos da face que se articula com o osso temporal através da cabeça da mandíbula. Movimentos da mandíbula e músculos relacionados A ATM permite os movimentos da mandíbula durante a fala e a mastigação. Existem dois tipos básicos de movimentos realizados na articulação pelos seus respectivos músculos: o movimento de deslizamento e o de rotação. O movimento de deslizamento da ATM ocorre principalmente entre o disco e o tubérculo articular do temporal no compartimento superior da cavidade articular, com o disco e a cabeça da mandíbula se deslocando para frente e para baixo. O deslizamento para frente envolve a protrusão da mandíbula e o deslizamento para trás envolve a retrusão da mandíbula. A rotação da ATM ocorre principalmente entre o disco articular e a cabeça da mandíbula, no compartimento inferior da articulação. O eixo de rotação do disco e da cabeça da mandíbula é transversal e os movimentos efetuados são a depressão e a elevação da mandíbula. A depressão da mandíbula significa o seu abaixamento, sendo o movimento oposto denominado elevação da mandíbula. 36

37 Com esses dois movimentos, o deslizamento e a rotação e as duas articulações atuando em conjunto, movimentos como a abertura e o fechamento da boca e a lateralidade da mandíbula podem ser efetuados pela ATM. A abertura da boca durante a fala e a mastigação envolve a depressão e a protrusão da mandíbula. Quando se fecha a boca, são executados os movimentos de elevação e retrusão da mandíbula. Desta forma, a abertura e o fechamento da boca envolvem uma combinação de movimentos de deslizamento e de rotação das duas articulações e respectivas cavidades articulares. Os músculos da mastigação envolvidos no movimento de fechamento da boca são o masseter, o temporal e o pterigoideo medial, bilateralmente. Os músculos supra-hióideos estão envolvidos na depressão da mandíbula durante a abertura da boca; enquanto eles se contraem bilateralmente, o osso hióide está estabilizado por outros músculos hioideos. A lateralidade da mandíbula ou excursão lateral da mandíbula ocorre durante a mastigação. A lateralidade da mandíbula envolve os movimentos de deslizamento e de rotação das ATMs opostas e suas respectivas cavidades articulares. Durante a lateralidade, uma das cabeças da mandíbula e seu côndilo deslizam anterior e medialmente sobre o tubérculo articular no compartimento superior, enquanto que a outra cabeça e seu disco permanecem relativamente estáveis no interior da fossa mandibular. Isto proporciona uma rotação ao redor de um processo condilar mais estável. A contração de um dos músculos pterigóideos laterais ocorre durante o movimento de lateralidade. Quando a mandíbula é desviada para a esquerda, ocorre a contração do músculo pterigóideo lateral do lado direito tracionando a cabeça da mandíbula para frente enquanto que a do lado oposto permanece em posição, ocorrendo o movimento da mandíbula para o lado esquerdo. A situação oposta ocorre quando a mandíbula é levada para o lado diretio. 37

38 Durante a mastigação, quando os dentes trituram o alimento, ocorre um movimento da posição lateral para a linha mediana. Se o alimento está ao lado direito, a mandíbula é desviada para este lado pelo músculo pterigóideo lateral esquerdo. O ato de triturar retorna a mandíbula para o centro e o movimento se inicia para o lado esquerdo, e inclui a retrusão para o lado esquerdo, realizada pela parte posterior do músculo temporal esquerdo. Ao mesmo tempo, todos os músculos mastigadores do lado direito se contraem para triturar o alimento. A situação oposta ocorre quando o alimento se encontra do lado esquerdo. Sistema vascular sanguíneo 38

39 O sistema vascular sanguíneo da cabeça e do pescoço, bem como do restante do corpo, consiste de um suprimento arterial, de uma rede de capilares e de uma drenagem venosa. Os vasos sanguíneos são menos numerosos que os vasos linfáticos, mesmo com a parte venosa situada preferencialmente paralela a eles. As artérias são os componentes do sistema vascular sanguíneo que se originam no coração e que conduzem o sangue para fora do coração. As artérias se iniciam como vasos de grande calibre que se ramificam em vasos de menor calibre, ou arteríolas. Cada arteríola se ramifica em vasos menores, formando redes de capilares, responsáveis pelo suprimento sanguíneo de uma ampla área de tecido. As veias representam o outro componente do sistema vascular sanguíneo que, ao contrário das artérias, levam o sangue para o coração. As válvulas venosas, freqüentemente estão ausentes nas veias da cabeça e do pescoço diferentemente do que ocorre com as veias do restante do corpo. Esta característica permite o fluxo sanguíneo em dois sentidos, determinado por mudanças ma pressão local, sendo esta a razão pela qual infecções faciais ou dentárias podem levar a graves complicações. Após as pequenas veias ou vênulas drenarem os capilares de uma determinada região, elas se unem para formarem veias que vão aumentando em diâmetro, terminando em veias de grande calibre. As veias são mais calibrosas e muito mais numerosas que as artérias e se anastomosam livremente. Apresentam também uma grande variabilidade quanto à localização, quando comparadas às artérias. As veias superficiais são aquelas encontradas imediatamente abaixo da pele e as veias profundas normalmente acompanham as artérias, que estão situadas em locais protegidos no interior dos tecidos. As veias formam ainda diversos tipos de redes venosas espalhadas pelo corpo. Um seio venoso é definido como um espaço delimitado por duas lâminas de tecido e 39

40 preenchido por sangue. Todas essas redes venosas estão conectadas entre si, por amplas anastomoses. 40

41 Origem das artérias da cabeça e do pescoço As artérias carótida comum e subclávia do lado esquerdo se originam diretamente da artéria aorta; do lado direito, essas artérias são ramos do tronco braquiocefálico, que é o ramo que se origina da artéria aorta. A artéria carótida comum tem um trajeto ascendente pelo pescoço lateralmente à traquéia e à laringe, envolta por uma bainha situada abaixo do músculo esternocleidomastóideo que contém também a veia jugular interna e o nervo vago. A artéria carótida comum se divide em artérias carótidas interna e externa. Imediatamente antes da sua bifurcação, a artéria carótida comum apresenta uma dilatação denominada seio carótico. Quando a artéria carótida comum é palpada contra a laringe, o mais 41

42 seguro pulso do corpo pode ser monitorado. Se a margem anterior do músculo esternocleidomastóideo, no nível da cartilagem tireóidea ( pomo de Adão ), for tracionada posteriormente, o pulso carótico pode ser tomado no sulco produzido por essa manobra. Este pulso é o mais seguro, pois a artéria carótida comum é a principal artéria que irriga o encéfalo e, desta forma, em uma situação de emergência (ressuscitação cardiopulmonar), permanece palpável quando as artérias periféricas já não o são, como é o caso da artéria radial. A artéria subclávia tem sua origem lateralmente à artéria carótida comum. Seus ramos irrigam estruturas intra e extra cranianas, mas o principal território de irrigação dessa artéria é o membro superior. Drenagem venosa da cabeça e do pescoço 42

43 As veias da cabeça e do pescoço se iniciam como vênulas e vão aumentando seu calibre à medida que se aproximam da base do pescoço, em seu trajeto para o coração. De uma maneira geral, as veias da cabeça e da parte superior do pescoço são simétricas quanto à posição, apresentando, porém uma grande variação em relação às artérias. As veias se anastomosam livremente e normalmente são mais calibrosas e mais numerosas que as artérias de uma mesma área. A veia jugular interna drena o encéfalo e a maioria das estruturas da e do pescoço, enquanto que a veia jugular externa é responsável pela drenagem de somente uma pequena parte das estruturas extra cranianas. Todavia, as duas veias apresentam diversas anastomoses. Glândulas São consideradas glândulas da cabeça e do pescoço as glândulas lacrimais, as glândulas salivares, a tireóide, as paratireóides e o timo. Uma glândula é uma estrutura que produz uma secreção química necessária ao funcionamento normal do organismo. Uma glândula exócrina é aquela que apresenta um ducto a ela associado e que pode ser definido como uma via de escoamento que permite que a secreção possa ser lançada diretamente no local onde ela deverá ser utilizada. Uma glândula endócrina não apresenta ducto e sua secreção é lançada diretamente na corrente sanguínea que se encarrega de transportá-la à região onde deverá atuar. Nervos motores associados a ambos os tipos de glândulas auxiliam na regulação do fluxo da secreção. Nervos sensitivos também são encontrados nas glândulas. 43

44 Glândulas lacrimais É glândulas exócrinas pares cujo produto de secreção é a lágrima. A lágrima é um fluido aquoso que lubrifica a conjuntiva que reveste a face interna das pálpebras e a superfície anterior do bulbo do olho. A lágrima deixa a glândula através de 8 a 12 ductos excretores e, após banhar a superfície do olho, é drenada através de um pequeno orifício em cada pálpebra. Estes orifícios drenam para o saco lacrimal, uma estrutura de paredes delgada e localizada posteriormente ao ângulo medial do olho. Do saco lacrimal, a lágrima flui para o ducto lacrimo nasal, que desemboca no meato inferior da cavidade nasal. Essa conexão explica por que ocorre um corrimento no nariz quando se chora. Glândulas salivares As glândulas salivares são responsáveis pela produção da saliva, que participa da digestão e promove a limpeza e a lubrificação da cavidade da boca. As glândulas salivares são classificadas em glândulas salivares maiores e glândulas salivares menores, de acordo com seu tamanho. Tanto as glândulas salivares maiores como as menores são glândulas exócrinas, 44

45 apresentando, portanto um ducto associado, por onde a saliva é levada à cavidade oral, onde será utilizada. As glândulas salivares podem aumentar de tamanho ou tornarem-se moles ou enrijecidas devido a diversos processos patológicos. Glândula tireóide A glândula tireóide é a maior das glândulas endócrinas e produz a tireoxina, um hormônio que participa do controle da atividade metabólica. Está formada pelos lobos direito e esquerdo, unidos anteriormente por um istmo e, embora possa ser palpada na pessoa sadia, ela não é 45

46 visível externamente. Em condições normais, a glândula tireóide e toda a laringe se movimentam para cima durante a deglutição. Em processos patológicos que envolvem a glândula, ela pode aumentar sensivelmente e tornar-se visível durante a visualização externa. Essa hipertrofia é conhecida como bócio que tende a se apresentar fixo e de consistência mole, com alguns pontos sólidos. Desta forma, a glândula pode perder a sua mobilidade e não se mover para cima quando a pessoa deglute. A glândula pode também ser parcial ou completamente removida cirurgicamente devido a diversas doenças. Glândulas paratireóides As glândulas paratireóides são quatro pequenas glândulas endócrinas, duas de cada lado, que produzem o hormônio paratireóideo, lançado diretamente na corrente sanguínea e responsável pela regulação dos níveis de cálcio e fósforo. Elas não são visíveis ou palpáveis. Porém, 46

47 quando acometidas por processos patológicos, as glândulas paratireóides podem alterar a glândula tireóide. Timo O timo é uma glândula endócrina e faz parte do sistema imunológico, o qual luta contra as doenças. Os linfócitos T são glóbulos brancos do sangue que amadurecem no timo em resposta a estímulos produzidos pelos hormônios tímicos. A glândula cresce em tamanho do nascimento à puberdade, enquanto realiza sua função. Após a puberdade, o timo cessa o seu desenvolvimento e começa a sofrer atrofia. Na fase adulta, a glândula quase desaparece, consistindo nessa fase de dois lobos laterais muito próximos à linha mediana. Por esse motivo, o timo é considerado uma estrutura temporária. O timo não é facilmente palpável, porém o seu envolvimento em diversos processos patológicos pode alterar o tratamento do paciente. Indivíduos idosos podem ter sidos submetidos à radioterapia da glândula na infância para diminuir o seu tamanho a fim de prevenir uma morte súbita nessa fase da vida. 47

48 Um timo volumoso na criança não está relacionado à sufocação e morte súbita na infância, porém, os níveis de radiação utilizados em pacientes no passado podem resultar em câncer da tireóide. Sistema nervoso O sistema nervoso determina a contração dos músculos, resultando em expressões faciais e movimentos articulares envolvidos na mastigação e fala. Além de estimular a secreção glandular e regular diversos sistemas do corpo, como o sistema circulatório, o sistema nervoso também permite tornar consciente as sensações de dor e tato. O sistema nervoso apresenta duas partes principais, a central e a periférica que interagem constantemente. O neurônio é o componente celular do sistema nervoso e está composto por corpo e processos neuronais. Um nervo é um feixe de processos que pertence á parte periférica do sistema nervoso. Uma sinapse é o local de união entre dois neurônios ou entre um neurônio e um órgão efetor, onde os impulsos nervosos são transmitidos. Para funcionar em um organismo, os órgãos e tecidos possuem uma inervação, ou seja, um suprimento nervoso, que permite que informações sejam levadas para o encéfalo (o centro das informações) e deste para periferia do corpo. Um acúmulo de corpos neuronais na parte periférica do sistema nervoso constitui um gânglio. Existem dois tipos básicos de nervos, os aferentes e os eferentes, também denominados, respectivamente, sensitivos e motores. Um nervo aferente conduz informações da periferia do corpo para o encéfalo (ou para a medula espinal). Assim, um nervo aferente leva para o encéfalo informações sensorial como 48

49 tato, dor, gustação ou propriocepção, que é um tipo de informação referente às posições e movimentos do corpo. Essas informações que chegam ao encéfalo são analisadas, modificadas, associadas com outras informações e guardadas como memória. Um nervo eferente conduz informações do encéfalo para a periferia do corpo, ou seja, conduz impulsos para os músculos, ativando-os, como resposta a uma informação recebida pelo encéfalo através dos nervos aferentes. Um neurônio eferente com suas ramificações pode controlar centenas de fibras musculares. A membrana celular de um neurônio, como a das demais células, apresenta uma distribuição desigual de íons e cargas elétricas entre os seus dois lados (externo e interno). O fluido do lado externo possui carga positiva ao passo que o do lado interno, possui carga negativa. A diferença entre as cargas é o potencial de repouso e é medida em milivolts. O potencial de repouso é resultado de parte das diferenças na distribuição de íons carregados positivamente (sódio e potássio) e de íons carregados negativamente no citoplasma e fluido extracelular. A rápida despolarização da membrana celular, denominada potencial de ação, resulta na propagação do impulso nervoso ao longo da membrana. Um potencial de ação é uma reversão temporária do potencial elétrico ao longo da membrana por um breve período. Para que o impulso atravesse a sinapse em direção a outra célula é necessária a ação de agentes químicos, ou neurotransmissores do neurônio, que são liberados com a chegada do potencial de ação. Os neurotransmissores liberados difundem-se através da sinapse e ligam-se aos receptores sobre a membrana de outra célula. 49

50 Sistema nervoso central A parte central do sistema nervoso (SNC) está formada pelo encéfalo e pela medula espinal. Está envolvida por ossos, do crânio ou da coluna vertebral, protegida por um líquido e membranas de tecido conjuntivo. As partes do encéfalo são o telencéfalo, o diencéfalo, o cerebelo e o tranco encefálico. O telencéfalo é a parte mais desenvolvida do encéfalo e consiste de dois hemisférios cerebrais. Ele coordena as informações sensitivas e as funções motoras e governa diversos aspectos da inteligência e da razão, aprendizado e memória. O cerebelo é a parte do encéfalo que atua na coordenação dos músculos estriados esqueléticos, mantendo em seu tônus normal, a postura e o equilíbrio. O tronco encefálico apresenta três partes: o bulbo, a ponte e o mesencéfalo. O bulbo continua-se com a medula espinal e está relacionada com a regulação do ritmo cardíaco, 50

51 respiração, vaso constrição, sendo ainda o centro dos reflexos do vômito, tosse, espirro, deglutição e soluço. Os corpos celulares dos neurônios motores para a língua estão situados no bulbo. A ponte conecta o bulbo com o cerebelo e os centros encefálicos superiores. Os corpos celulares dos nervos cranianos V e VII estão situados na ponte. O mesencéfalo apresenta estações (relés) para as vias auditiva, visual e motora. O diencéfalo está situado superiormente ao mesencéfalo e consiste principalmente do tálamo e do hipotálamo. O tálamo atua como um relé para os impulsos aferentes ao SNC e o hipotálamo regula a homeostase. A medula espinal conecta o encéfalo ao resto do corpo e está contida em um canal ao longo da coluna vertebral. 51

52 Sistema nervoso periférico A parte periférica do sistema nervoso (SNP) está constituída por nervos que se estendem entre o SNC e os receptores, músculos e glândulas do corpo. O SNP é dividido em uma parte sensitiva ou aferente, que carrega informação dos receptores para o encéfalo ou medula espinal e uma parte motora ou eferente, que transporta a informação do encéfalo ou medula espinal para os músculos ou glândulas. A parte motora ou eferente do SNP apresenta, didaticamente, as divisões somáticas e autônomas. Divisão somática do sistema nervoso A divisão somática do sistema nervoso inclui todos os nervos que controlam os músculos e receptores sensitivos. Os órgãos dos sentidos são receptores enquanto as fibras musculares e glândulas são efetores. Divisão Autônoma do sistema nervoso A divisão autônoma do sistema nervoso (SNA) age sem o controle consciente, como um vigia do corpo. Suas fibras eferentes estão arranjadas em uma cadeia composta por dois neurônios. A divisão autônoma do sistema nervoso apresenta as partes simpáticas e parassimpáticas. As partes simpáticas e parassimpáticas geralmente trabalham de forma antagônica: uma estimula um órgão enquanto a outra o inibe. A parte simpática do sistema nervoso autônomo determina reações como à interrupção da secreção salivar, deixando a boca seca. A parte parassimpática do sistema nervoso autônomo determina reações como o estímulo da secreção salivar, que atua na digestão. 52

53 Nervos cranianos Os nervos cranianos constituem um componente importante da parte periférica do sistema nervoso. Existem 12 pares de nervos cranianos, sendo que estão todos conectados á base do encéfalo e atravessam o crânio por fissuras e forames. Alguns dos nervos cranianos são aferentes ou eferentes e outros apresentam ambos os componentes, sendo considerados nervos mistos. 53

54 Nervo craniano I = Nervo olfatório Conduz impulsos olfatórios originados na cavidade nasal, sendo, portanto um nervo aferente. Nervo craniano II = Nervo óptico É um nervo aferente e conduz impulsos de visão oriundos da retina. Nervo craniano III = Nervo oculomotor É um nervo eferente para alguns dos músculos extrínsecos do olho. Nervo craniano IV = Nervo troclear É também um nervo eferente para um dos músculos extrínsecos do olho. Nervo craniano V = Nervo trigêmeo Apresenta componentes eferentes para os músculos da mastigação e alguns outros músculos e componentes aferentes que conduzem impulsos originados nos dentes, língua e cavidade oral, bem como na pele da face e da fronte. O nervo trigêmeo possui duas raízes, sendo uma sensitiva e outra motora. A raiz sensitiva do nervo trigêmeo apresenta três ramos: oftálmico, maxilar e mandibular. O ramo oftálmico é o responsável pela sensibilidade da parte superior da face e da fronte; os ramos maxilares e mandibulares são responsáveis, respectivamente, pela sensibilidade das partes média e inferior da face. A raiz motora do nervo trigêmeo acompanha a divisão mandibular da raiz sensitiva, deixando o crânio através do forame oval do osso esfenóide. Nervo craniano VI = Nervo abducente 54

55 É um nervo eferente, pois é o responsável, como o vervo troclear e o nervo oculomotor, pela inervação de um dos músculos extrínsecos do olho. Nervo craniano VII = Nervo facial Apresenta componente eferente e aferente. O nervo facial conduz impulsos motores para os músculos da face e fibras parassimpáticas pré-ganglionares destinadas à glândula lacrimal e glândulas submandubular e sublingual. O componente aferente é responsável pela sensibilidade de uma pequena região da pele situada posteriormente à orelha externa, e pelos impulsos gustativos provenientes dos 2/3 anteriores da língua. Nervo craniano VIII = Nervo vestibulococlear É um nervo aferente, que conduz impulsos de sudição e equilíbrio originados na orelha interna, localizada no interior do osso temporal. Nervo craniano X = Nervo vago Apresenta um grande contingente de fibras eferentes que se destina aos músculos da faringe e da laringe, e aos vários órgãos do tórax e do abdome, como o coração e o estômago, através do seu componente eferente parassimpático. Nervo craniano XI = Nervo acessório É um nervo eferente para os músculos trapézio e esternocleidomastóideo, bem como para os músculos do palato mole e da faringe. Nervo craniano XII = Nervo hipoglosso Também é um nervo eferente, responsável pela inervação dos músculos extrínsecos e intrínsecos da língua. 55

56 Lesões dos nervos da cabeça e do pescoço Essas lesões são a paralisia facial, paralisia de Bell e a neuralgia do trigêmeo. A paralisia facial significa a perda da ação dos músculos da face. Pode ocorrer indiretamente, devido a uma lesão no encéfalo determinada por um derrame (acidente vascular encefálico), com músculos da cabeça e do pescoço conseqüentemente acometidos, ou por lesão direta do nervo facial. A paralisia facial pode ser uni ou bilateral, dependendo da natureza da lesão nervosa. Os traumas são comuns, pois os ramos do nervo facial estão superficialmente situados e desta forma, mais susceptíveis a esse tipo de lesão. Os músculos da face do lado afetado perdem o tônus. Clinicamente, o paciente com paralisia facial apresenta uma queda da região dos supercílios, da pálpebra e da comissura do lábio, com gotejamento de saliva. Ocorre ainda uma incapacidade de realizar as diversas expressões faciais. Como resultado, pode se desenvolver uma infecção no olho do lado envolvido. A fala e a mastigação também são comprometidas. A paralisia de Bell compreende a paralisia facial uni ou bilateral de causa desconhecida, na qual ocorre a perda da excitabilidade do nervo facial envolvido. A paralisia se instala de um modo repentino e uma das teorias de sua causa é a de que o nervo facial se torna inflamado no interior do osso temporal. Não existe um tratamento específico, porém, injeções de antiinflamatórios ou sessões de fisioterapia podem ser úteis. A neuralgia do trigêmeo também é uma lesão de causa desconhecida que envolve os componentes aferentes do nervo trigêmeo. Uma teoria é que essa condição seja determinada por pressão sobre a raiz sensitiva do nervo, no nível do gânglio trigeminal, através dos vasos sanguíneos da área. 56

57 Sistema linfático O sistema linfático é parte do sistema imune a atua nos mecanismos de defesa do organismo, sendo também o responsável pelo retorno do excesso de líquido intersticial e proteínas plasmáticas para a corrente sanguínea. Consiste de uma rede de capilares linfáticos, que são mais calibrosos que os capilares sanguíneos, e vasos linfáticos que interconectam linfonodos espalhados pelo corpo. Vasos linfáticos Os vasos linfáticos são um sistema de canais que ocorrem paralelamente às veias, porém são mais numerosos que as mesmas. O líquido intersticial é drenado desde a periferia até o interior dos vasos linfáticos, configurando a linfa. Linfonodos 57

58 Os linfonodos são estruturas em forma de feijão, que se aglomeram ao longo dos vasos linfáticos, aos quais estão conectados. Os linfonodos estão posicionados de forma a filtrar produtos tóxicos presentes na linfa que circula pelos vasos linfáticos, impedindo a entrada dessas substâncias estranhas na corrente sanguínea. Em indivíduos saudáveis, os linfonodos normalmente são pequenos, moles e livres ou móveis em relação aos tecidos adjacentes. Podem se situar superficialmente, relacionados às veias superficiais, ou profundamente, relacionados aos vasos profundos. Em condições normais, os linfonodos não podem ser observados ou palpados externamente. 58

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL ESQUELETO AXIAL Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. Vamos estudar o esqueleto que forma o eixo do corpo iniciando o estudo da CABEÇA óssea que se divide em

Leia mais

ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL

ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL Djanira Aparecida da Luz Veronez 1 INTRODUÇÃO O complexo bucomaxilofacial se localiza na face, sendo formado por elementos anatômicos do esqueleto cefálico, articulação temporomandibular,

Leia mais

COLÉGIO TÉCNICO SÃO BENTO

COLÉGIO TÉCNICO SÃO BENTO Anatomia de Superfície O estudo da anatomia se inicia com a divisão da superfície da cabeça e do pescoço em regiões, nas quais se encontram determinados pontos anatômicos de referência que devem ser bem

Leia mais

Exame Neurológico dos Nervos Cranianos Prof.ª Viviane Marques

Exame Neurológico dos Nervos Cranianos Prof.ª Viviane Marques Exame Neurológico dos Nervos Cranianos Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Chefe da Empresa FONOVIM Fonoaudiologia Neurológica Ltda Coordenadora da Pós-graduação

Leia mais

Nervos Cranianos. M.Sc. Profª Viviane Marques

Nervos Cranianos. M.Sc. Profª Viviane Marques Nervos Cranianos M.Sc. Profª Viviane Marques Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar UVA Docente do mestrado de HIV/AIDS e Hepatites Virais UNIRIO Tutora da Residência Multiprofissional

Leia mais

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Módulo: Morfológicas I Disciplina: Histologia Curso: Odontologia Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Vista de embrião com 22 dias Primeiro Arco

Leia mais

Aparelho Respiratório

Aparelho Respiratório Função Permite que o oxigénio do ar entre para o sangue nos pulmões; Permite a passagem do dióxido de carbono do sangue para o ar. Associação Trabalha em conjunto com o Sistema Cardiovascular Fornecer

Leia mais

OSSOS DA CABEÇA CRÂNIO COMO UM TODO

OSSOS DA CABEÇA CRÂNIO COMO UM TODO OSSOS DA CABEÇA O crânio é o esqueleto da cabeça; vários ossos formam suas duas partes: o Neurocrânio e o Esqueleto da Face. O neurocrânio fornece o invólucro para o cérebro e as meninges encefálicas,

Leia mais

componentes Sistema digestório Pré-diafragmáticos: boca, língua, dentes, faringe, esôfago

componentes Sistema digestório Pré-diafragmáticos: boca, língua, dentes, faringe, esôfago Mecanismos para Obtenção de Alimentos Ingestão de Grandes Quantidades de Alimento Absorção de nutrientes diretamente do meio Parasitas do sangue Adaptações mais interessantes Aquelas evoluíram p/ obtenção

Leia mais

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Entender a morfologia dos músculos estriados esqueléticos;

Leia mais

Sistema Nervoso Central (SNC)

Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico Sistema Endócrino O Sistema Nervoso é composto por: Sistema Nervoso Central (SNC) CENTROS NERVOSOS Sistema Nervoso Periférico (SNP) Nervos cranianos Constituição

Leia mais

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo www.bioloja.com EMBRIOGÊNESE DO SN DIVISÃO DO SN O SISTEMA NERVOSO O SNC recebe, analisa e integra informações. É o local onde ocorre a tomada de decisões e o envio

Leia mais

Anatomia do Sistema Estomatognático

Anatomia do Sistema Estomatognático Anatomia do Sistema Estomatognático Carla Patrícia Hernandez Alves Ribeiro CÉSAR Para a atuação fonoaudiológica em motricidade orofacial, o profissional precisa conhecer os aspectos anatomofisiológicos

Leia mais

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089)

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) Músculos e Trígonos do Pescoço Platisma Lâmina de músculo fina e larga, situada no tecido subcutâneo do pescoço. Recobre a face anterolateral do pescoço.

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO O sistema Nervoso é um todo. Sua divisão em partes tem um significado exclusivamente didático, pois as várias partes estão intimamente

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Tecido Nervoso Compreende basicamente dois tipos celulares Neurônios unidade estrutural e funcional

Leia mais

APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA. TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: http://estudandoanatomia.blogspot.

APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA. TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: http://estudandoanatomia.blogspot. APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: Daniel Moreira Monitor Virtual de Anatomia http://estudandoanatomia.blogspot.com APOSTILAS, JOGOS,

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos ANATOMIA HUMANA I Acidentes Ósseos Prof. Me. Fabio Milioni Características Anatômicas de Superfície dos Ossos As superfícies dos ossos possuem várias características estruturais adaptadas a funções específicas.

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa

Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa Sangue Nesta lâmina observa-se um esfregaço de sangue, que constitui um tipo de tecido conjuntivo fluído constituído por células emersas em matriz extracelular plasma. O plasma é uma solução aquosa de

Leia mais

ANATOMIA I Profª Ingrid Frederico Barreto ICA 1 ESTUDO DIRIGIDO: OSSOS. Objetivo: Ajudar o estudante a rever os conteúdos de forma aplicada.

ANATOMIA I Profª Ingrid Frederico Barreto ICA 1 ESTUDO DIRIGIDO: OSSOS. Objetivo: Ajudar o estudante a rever os conteúdos de forma aplicada. ANATOMIA I Profª Ingrid Frederico Barreto ICA 1 ESTUDO DIRIGIDO: OSSOS Objetivo: Ajudar o estudante a rever os conteúdos de forma aplicada. 1. Liste todos os ossos do esqueleto axial. 2. Liste todos os

Leia mais

Paralisia Facial M.Sc. Prof.ª Viviane Marques

Paralisia Facial M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Paralisia Facial M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar Chefe da Equipe de Fonoaudiologia do

Leia mais

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL INTRODUÇÃO A Anatomia da região cervical, divide-se em duas partes, coluna vertebral segmento cervical e ou pescoço. Esta região pode ser bem estudada pelos métodos

Leia mais

O Nosso Corpo Volume XV Sistema Linfático

O Nosso Corpo Volume XV Sistema Linfático O Nosso Corpo Volume XV um Guia de O Portal Saúde Novembro de 2009 O Portal Saúde Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright O Portal Saúde, todos os direitos

Leia mais

CAVIDADE BUCAL. Anatomia Aplicada à Odontologia. Prof. Peter Reher, CD, CD, MSc, MSc, PhD PhD

CAVIDADE BUCAL. Anatomia Aplicada à Odontologia. Prof. Peter Reher, CD, CD, MSc, MSc, PhD PhD CAVIDADE BUCAL Anatomia Aplicada à Odontologia CAVIDADE BUCAL Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD PhD Especialista e Mestre em Cirurgia Bucomaxilofacial - UFPel-RS Doutor (PhD) em Cirurgia Maxilofacial -

Leia mais

Sistema Circulatório

Sistema Circulatório Sistema Circulatório O coração Localização: O coração está situado na cavidade torácica, entre a 2ª e 5ª costelas, entre os pulmões, com 2/3 para a esquerda, ápice para baixo e para esquerda e base para

Leia mais

Músculos da Face CINESIOTERAPIA

Músculos da Face CINESIOTERAPIA Músculos da Face Os músculos da face ou músculos da expressão facial são subcutâneos. Eles movem a pele e mudam as expressões da face para transmitir ânimo, disposição. Estes músculos estão nas partes

Leia mais

OCLUSÃO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO ODONTOLOGIA COMPLETA ODONTOLOGIA COMPLETA SISTEMA MASTIGATÓRIO ANATOMIA FUNCIONAL 22/03/2009

OCLUSÃO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO ODONTOLOGIA COMPLETA ODONTOLOGIA COMPLETA SISTEMA MASTIGATÓRIO ANATOMIA FUNCIONAL 22/03/2009 SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO OCLUSÃO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO É uma entidade fisiológica e funcional perfeitamente definida e integrada por um conjunto heterogêneo de órgãos e tecidos cuja biologia e fisiopatologia

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 ANATOMIA E FISIOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira 2 DEFINIÇÕES Anatomia é a ciência que estuda, macro e microscopicamente, a constituição e o desenvolvimento

Leia mais

VIAS EFERENTES (DESCENDENTES)

VIAS EFERENTES (DESCENDENTES) VIAS EFERENTES (DESCENDENTES) Colocam em comunicação os centros supra-segmentares com os órgãos efetuadores: 1- Vias eferentes viscerais (vida vegetativa) : Alvos = vísceras e vasos > função dos órgãos

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

Introdução a Neurofisiologia I.

Introdução a Neurofisiologia I. Introdução a Neurofisiologia I. Obs: O texto abaixo apresenta caráter introdutório, dessa forma, não substitui à bibliografia básica indicada. O tecido nervoso acha-se distribuído pelo organismo, interligando-se

Leia mais

Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Esqueleto axial. Sistema Esquelético Humano.

Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Esqueleto axial. Sistema Esquelético Humano. Anatomia Humana Sistema Esquelético Ed. Física Prof. Cláudio Costa Osteologia: É o estudo dos ossos. Composição do Sistema Ósseo: 206 peças duras, resistentes e flexíveis chamadas ossos, pelas cartilagens

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006

ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006 ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006 PÁLPEBRAS - 1 Pálpebras Formações musculomembranosas -finas -móveis -adaptadas à parte anterior dos olhos Função protecção contra agressões externas,

Leia mais

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular Introdução Sistema Muscular Os músculos representam cerca de 50 a 60% do peso do corpo, quando eles se contraem afetam o movimento de todo o corpo, do sangue, do alimento e da respiração por exemplo. Existem

Leia mais

SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Enf. Thais Domingues

SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Enf. Thais Domingues SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Enf. Thais Domingues SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Composto de ossos, músculos, cartilagem, ligamentos e fáscia, proporcionando ao corpo, com sua armação estrutural uma caixa

Leia mais

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006-1 - SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO SUMÁRIO

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista

Assessoria ao Cirurgião Dentista Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição V setembro de 2014 Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Curso de Fonoaudiologia PARALISIA FACIAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Curso de Fonoaudiologia PARALISIA FACIAL FONOAUDIOLOGIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Curso de Fonoaudiologia PARALISIA FACIAL FN405 Motricidade Orofacial II Área de concentração: Motricidade Orofacial Docente

Leia mais

Teórica: Aula expositiva dialogada com projeção de imagens e manipulação do esqueleto de resina, articulado.

Teórica: Aula expositiva dialogada com projeção de imagens e manipulação do esqueleto de resina, articulado. Aulas 2 e 3 Tema: Sistema esquelético Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Identificar a estrutura geral do Esqueleto Humano; Identificar

Leia mais

SISTEMA LOCOMOTOR 15/02/2011. Crânio. Composição óssea CABEÇA E PESCOÇO

SISTEMA LOCOMOTOR 15/02/2011. Crânio. Composição óssea CABEÇA E PESCOÇO SISTEMA LOCOMOTOR CABEÇA E PESCOÇO Crânio O crânio forma uma caixa óssea que tem a função primordial de abrigar e proteger o encéfalo. Outras funções importantes como: possui cavidades para órgãos da sensibilidade

Leia mais

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br Anatomia da pele Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira marcos.oliveira@fadergs.edu.br SISTEMA TEGUMENTAR: PELE E FÁSCIA Funções: proteção regulação térmica sensibilidade Sua espessura varia de 0.5mm nas

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 14 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ACREDITE EM VOCÊ Profª Elaine Terroso Esse material foi elaborado

Leia mais

8 páginas 1. Formam a cavidade do crânio que. Repousa no topo da coluna vertebral. 22 ossos

8 páginas 1. Formam a cavidade do crânio que. Repousa no topo da coluna vertebral. 22 ossos Ossos do crânio ou neurocrânio (Somente texto) CRÂNIO E OSSO HIÓIDE Formam a cavidade do crânio que encerra e protege o cérebro. Repousa no topo da coluna vertebral 22 ossos Ossos do crânio câ o(8) Ossos

Leia mais

Divisão anatômica 15/09/2014. Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Função. Sistema Nervoso Estrutura. Cérebro Cerebelo Tronco encefálico ENCÉFALO

Divisão anatômica 15/09/2014. Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Função. Sistema Nervoso Estrutura. Cérebro Cerebelo Tronco encefálico ENCÉFALO Função o sistema nervoso é responsável pelo controle do ambiente interno e seu relacionamento com o ambiente externo (função sensorial), pela programação dos reflexos na medula espinhal, pela assimilação

Leia mais

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO Profª Ana Cláudia Reis Pedroso AUDIÇÃO O ÓRGÃO DA AUDIÇÃO: A ORELHA O órgão responsável pela audição é a orelha (antigamente denominado ouvido), também chamada órgão vestíbulo-coclear

Leia mais

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso SISTEMA NERVOSO Nos organismos menos complexos as funções de comunicação entre as várias

Leia mais

Aparelho Circulatório

Aparelho Circulatório Visão geral das funções dos Vasos Sanguíneos Os vasos sanguíneos formam um sistema tubular fechado que transporta o sangue do coração (artérias), aos tecidos do corpo (arteríolas, capilares e vénulas),

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema Circulatório A função básica do sistema circulatório é a de levar material nutritivo e

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA URINÁRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Rins... 04 Localização... 04 Anatomia macroscópica...

Leia mais

Categorias de Músculos

Categorias de Músculos URI Curso de Psicologia Prof. Claudio Alfredo Konrat Aparelho Locomotor: ossos, junturas e músculos Os músculos constituem os elementos ativos do movimento Os ossos constituem os elementos passivos do

Leia mais

DESCRIÇÃO ANATÔMICA E RADIOGRÁFICA DAS ESTRUTURAS OBSERVADAS EM RADIOGRAFIAS INTRA E EXTRABUCAIS DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL

DESCRIÇÃO ANATÔMICA E RADIOGRÁFICA DAS ESTRUTURAS OBSERVADAS EM RADIOGRAFIAS INTRA E EXTRABUCAIS DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL ANATOMIA RADIOGRÁFICA DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL: UMA ABORDAGEM INTERATIVA NA WEB III Programa de Bolsas de Iniciação Científica AUTORA: Renata Vasconcelos Pavan CO-AUTORAS: Paula Ribeiro Borges Vanessa

Leia mais

Sistema Vestíbulo-Coclear. Matheus Lordelo Camila Paula Graduandos em Medicina pela EBMSP

Sistema Vestíbulo-Coclear. Matheus Lordelo Camila Paula Graduandos em Medicina pela EBMSP Sistema Vestíbulo-Coclear Matheus Lordelo Camila Paula Graduandos em Medicina pela EBMSP Salvador BA 27 de março de 2012 Componentes Orelha Externa Pavilhão Auditivo Meato Acústico Externo até a membrana

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006 OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03

Leia mais

Ossos, músculos e ligamentos da cabeça e do pescoço

Ossos, músculos e ligamentos da cabeça e do pescoço Ossos, músculos e ligamentos da cabeça e do pescoço Prof. Dr. Caio Maximino Marabá Maio/2015 Cabeça é composta por crânio, face, escalpo, dentes, encéfalo, nervos cranianos, meninges, órgãos dos sentidos

Leia mais

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional V juliana.pinheiro@kroton.com.br O sistema nervoso é um sistema complexo de comunicação e controle no corpo animal.

Leia mais

Prof Thiago Scaquetti de Souza

Prof Thiago Scaquetti de Souza Prof Thiago Scaquetti de Souza SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO Funções e anatomia O sistema respiratório humano possui a função de realizar as trocas gasosas (HEMATOSE). Esse sistema é composto pelas seguintes

Leia mais

BIOLOGIA SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO

BIOLOGIA SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO BIOLOGIA Prof. Helder SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO 1. Anatomia do Sistema Respiratório O oxigênio do ar deve chegar aos alvéolos e passar para o sangue, fazendo o gás carbônico o caminho inverso. O caminho

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema Urinário Conceito As atividades metabólicas resultam na decomposição de proteínas, lipídeos e carboidratos.

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO SISTEMA DIGESTÓRIO Universidade Federal do Ceará Departamento de Morfologia Prof. Erivan Façanha SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO Órgãos que no conjunto cumprem a função de tornar os alimentos solúveis, sofrendo

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Introdução O termo respiração pode ser entendido como a união do oxigênio com o alimento (substâncias dissolvidas) nas células e a liberação de energia, calor, gás carbônico e água.

Leia mais

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Anestesias Locais 1. Periférica, tópica ou de superfície 2. Infiltrativa terminal 3. Troncular, regional ou bloqueio de condução Aula de cirurgia Anestesia

Leia mais

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo:

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: SISTEMA RESPIRATÓRIO Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: Respiração é definida como a absorção do oxigênio pelo organismo, com liberação subseqüente de energia para o trabalho, calor e a

Leia mais

Estudo Morfofuncional do Sistema Urinário Unidade III Material de Apoio

Estudo Morfofuncional do Sistema Urinário Unidade III Material de Apoio Estudo Morfofuncional do Sistema Urinário Unidade III Material de Apoio 1 Generalidades As células corporais quando desempenham suas funções: Consome O 2 e nutrientes, Bem como produzem substâncias como

Leia mais

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Osteologia Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Ossos Ossos são orgãos esbranquiçados, muito duros, que unindo-se aos outros por meio de junturas ou articulações, constituem o esqueleto.

Leia mais

OPEN ACCESS ATLAS OF OTOLARYNGOLOGY, HEAD & NECK OPERATIVE SURGERY

OPEN ACCESS ATLAS OF OTOLARYNGOLOGY, HEAD & NECK OPERATIVE SURGERY OPEN ACCESS ATLAS OF OTOLARYNGOLOGY, HEAD & NECK OPERATIVE SURGERY SIALADENECTOMIA SUBMANDIBULAR A exérese da glândula salivar submandibular (GSM) pode ser indicada por sialadenite crónica, sialectasia,

Leia mais

Órgãos dos Sentidos. web.educom.pt. Prof. CRISTINO RÊGO 8º ANO Ensino Fundamental

Órgãos dos Sentidos. web.educom.pt. Prof. CRISTINO RÊGO 8º ANO Ensino Fundamental Órgãos dos Sentidos web.educom.pt Prof. CRISTINO RÊGO 8º ANO Ensino Fundamental TATO dicas-enfermagem.blogspot.com br A pele é o órgão do tato. Nela encontram-se os receptores sensoriais contendo fibras

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas Lab. Regulação Central do Sistema Cardiovascular Prof. Hélder Mauad FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Aula 01 Organização

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA III

FISIOLOGIA HUMANA III FISIOLOGIA HUMANA III UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO Profª Drª Silvia Aparecida Pieta Interação dos sistemas nervoso e endócrino Os sistemas nervoso e

Leia mais

SISTEMA VESTIBULAR E MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO

SISTEMA VESTIBULAR E MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO SISTEMA VESTIBULAR E MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO Prof. Hélder Mauad APARELHO VESTIBULAR Órgão sensorial que detecta as sensações de equilíbrio. Constituído por labirinto ósseo e por dentro dele há o labirinto

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia. Reflexos Medulares. Elio waichert

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia. Reflexos Medulares. Elio waichert Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia Reflexos Medulares Elio waichert # Objetivos Apresentar as características da medula espinhal; Classificar os receptores sensoriais

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a:

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: SISTEMA NERVOSO Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: perceber as variações do meio (interno e externo), a difundir as modificações que essas variações produzem executar as respostas

Leia mais

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES Deteta informação sensorial Processa e responde à informação sensorial (integração) Mantém a homeostasia Centro das atividades mentais Controla os movimentos do corpo através dos

Leia mais

FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS AULA 2 ANOTAÇÕES DE AULA FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO

FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS AULA 2 ANOTAÇÕES DE AULA FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS AULA 2 ANOTAÇÕES DE AULA 1 FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO INTRODUÇÃO Compreende a absorção de O 2 e a eliminação de CO 2 pelos pulmões (respiração externa), o transporte de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso Funções: Coordena o funcionamento dos outros sistemas. Controla os movimentos (voluntários e involuntários). É responsável pela recepção de estímulos externos e pela resposta

Leia mais

Organismo. Sistemas. Órgãos. Tecidos. Células

Organismo. Sistemas. Órgãos. Tecidos. Células Organismo Sistemas Órgãos Tecidos Células Histologia animal O ramo da ciência que estuda os tecidos é a Histologia (histo= tecido; logia=estudo). A célula-ovo contém toda a informação genética do futuro

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

3.2 A coluna vertebral

3.2 A coluna vertebral 73 3.2 A coluna vertebral De acordo com COUTO (1995), o corpo é dividido em cabeça, tronco e membros; unindo porção superior e a porção inferior do corpo temos o tronco, e no tronco, a única estrutura

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Características Gerais Funções: Condução e troca de gases Funções protetoras - ar seco umidificado por secreções glandulares e material particulado Fonação Olfação Regulação da temperatura

Leia mais

Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA

Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA MUSCULO CARDÍACO (MIOCÁRDIO) Músculo cardíaco possui anatomia própria, diferindo anatômica e funcionalmente dos outros tipos musculares. MÚSCULO LISO O músculo liso

Leia mais

P R O G R A M A PRIMEIRA FASE

P R O G R A M A PRIMEIRA FASE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE - CEFID DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - DEF CURSO: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA CURRÍCULO: 2008/2 P R O G

Leia mais

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso Aula Programada Biologia Tema: Sistema Nervoso 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas,

Leia mais

Acupuntura Escalpeana Craniopuntura de Yamamoto. Escola Chinesa Escola Japonesa. Professora Tânia Mara Flores Email: taniamaraflores@gmail.

Acupuntura Escalpeana Craniopuntura de Yamamoto. Escola Chinesa Escola Japonesa. Professora Tânia Mara Flores Email: taniamaraflores@gmail. Acupuntura Escalpeana Craniopuntura de Yamamoto Escola Chinesa Escola Japonesa Professora Tânia Mara Flores Email: taniamaraflores@gmail.com A craniopuntura divide-se em duas escolas: Chinesa e Japonesa

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro SISTEMA NERVOSO. Enfermagem. Sistema Nervoso. Prof. Me. Fabio Milioni 17/09/2015

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro SISTEMA NERVOSO. Enfermagem. Sistema Nervoso. Prof. Me. Fabio Milioni 17/09/2015 ANATOMIA HUMANA II Enfermagem Sistema Nervoso Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro SISTEMA NERVOSO Conceito Função Divisão Sistema Nervoso Central Tecido Nervoso Cerebelo Diencéfalo Telencéfalo Meninges Líquor

Leia mais

Histologia Animal. multicelularidade. tecido. parazoários eumetazoários. conjunto de células afins que atuam no desempenho de uma determinada função.

Histologia Animal. multicelularidade. tecido. parazoários eumetazoários. conjunto de células afins que atuam no desempenho de uma determinada função. Histologia Animal multicelularidade parazoários eumetazoários tecido conjunto de células afins que atuam no desempenho de uma determinada função. Histologia Animal Nos vertebrados, quatro tipos principais:

Leia mais

Sistema Esquelético CAPÍTULO OBJETIVOS

Sistema Esquelético CAPÍTULO OBJETIVOS CAPÍTULO 2 Sistema Esquelético OBJETIVOS Conceituar osso do ponto de vista de sua constituição, discriminando os elementos formadores Conceituar osso desde o ponto de vista biomecânico, sem deixar de se

Leia mais

CONTROLE DA MOTRICIDADE SOMÁTICA

CONTROLE DA MOTRICIDADE SOMÁTICA CONTROLE DA MOTRICIDADE SOMÁTICA Medula, Tronco Encefálico & Córtex Motor Cerebelo e Núcleos da Base Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia Padrões Básicos de Movimentos do Corpo Movimento de

Leia mais

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Biologia FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA NERVOSO Tem por função receber, associar, armazenar ou emitir informações garantindo assim

Leia mais

Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br O SISTEMA DIGESTÓRIO

Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br O SISTEMA DIGESTÓRIO Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br O SISTEMA DIGESTÓRIO O SISTEMA DIGESTÓRIO A DIGESTÃO A digestão é o conjunto das transformações, mecânicos e químicos, que os alimentos orgânicos sofrem ao

Leia mais

fibras musculares ou miócitos

fibras musculares ou miócitos Os tecidos musculares são de origem mesodérmica e relacionam-se com a locomoção e outros movimentos do corpo, como a contração dos órgãos do tubo digestório, do coração e das artérias. As células dos tecidos

Leia mais

Miologia anatomia e fisiologia dos músculos

Miologia anatomia e fisiologia dos músculos ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS Miologia anatomia e fisiologia dos músculos Valdirene Zabot valdirene@unochapeco.edu.br Tipos de tecido O tecido muscular e, consequentemente, os músculos, são classificados,

Leia mais

CLASSES DE MOVIMENTOS

CLASSES DE MOVIMENTOS CLASSES DE MOVIMENTOS ATOS REFLEXOS - considerados involuntários, simples (poucos músculos), estereotipados, em geral ocorrem automaticamente em resposta a um estímulo sensorial. Ex. resposta ao toque

Leia mais

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente.

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo 1 LOCALIZAÇÃO: SISTEMA NERVOSO - CORPOS CELULARES:

Leia mais

Sexta-feira, 18 de novembro de 2005. Introdução ao estudo do Sistema Nervoso. Conceitos. Sistema nervoso. O que é?

Sexta-feira, 18 de novembro de 2005. Introdução ao estudo do Sistema Nervoso. Conceitos. Sistema nervoso. O que é? Sexta-feira, 18 de novembro de 2005. Introdução ao estudo do Sistema Nervoso Conceitos Sistema nervoso. O que é? Um ser vivo passa boa parte de sua vida mantendo: Homeostasia: Refere-se ao estado de saúde:

Leia mais

Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo. Prof. Mauro. Quanto ao formato da célula:

Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo. Prof. Mauro. Quanto ao formato da célula: TECIDO EPITELIAL Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo Característica principal: Células justapostas, permitindo a existência de pouco material

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 13 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Vai e avisa a todo mundo que encontrar que ainda existe um sonho

Leia mais

Sistema ósseo. Funções

Sistema ósseo. Funções Anatomia comparada INTRODUÇÃO Conceito:Anatomia é o ramo da ciência que trata da forma e estrutura dos organismos. Etmologicamente,, Anatomia significa cortar separando ou dissociando as partes do corpo.

Leia mais

OS SENTIDOS: O TATO, O PALADAR, O OLFATO, A AUDIÇÃO E A VISÃO PROF. ANA CLÁUDIA PEDROSO

OS SENTIDOS: O TATO, O PALADAR, O OLFATO, A AUDIÇÃO E A VISÃO PROF. ANA CLÁUDIA PEDROSO OS SENTIDOS: O TATO, O PALADAR, O OLFATO, A AUDIÇÃO E A VISÃO PROF. ANA CLÁUDIA PEDROSO ATRAVÉS DOS SENTIDOS TEMOS A CAPACIDADE DE PERCEBER O AMBIENTE EXTERNO AO NOSSO ORGANISMO. ISSO É POSSÍVEL DEVIDO

Leia mais