PAINEL REGIONAL RIO DE JANEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PAINEL REGIONAL RIO DE JANEIRO"

Transcrição

1 PAINEL REGIOL N O R T E RIO DE JANEIRO

2

3 PAINEL REGIOL NORTE RIO DE JANEIRO 2013

4 SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro Rua Santa Luzia, 685 6º, 7º e 9º andares Centro Rio de Janeiro RJ CEP: Presidente do Conselho Deliberativo Estadual Jésus Mendes Costa Diretor Superintendente Cezar Vasquez Diretores Armando Clemente Evandro Peçanha Alves Gerente da Unidade de Conhecimento e Competitividade Cezar Kirszenblatt Observatório das Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio de Janeiro Equipe Técnica de Estudos e Pesquisas Responsável: Bernardo Pereira Monzo Juliana Cristina Carlos de Oliveira Norma Suely Cerqueira Mesquita Patrícia Reis Pereira Roberta Mendes Igor Thiers Leve Equipe do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade - IETS Adriana Fontes Jully Ponte Raphael Veríssimo Fabrícia Guimarães Samuel Franco Valéria Pero (IE-UFRJ) Elaboração de Conteúdo Projeto Gráfico e Diagramação: Maria Clara Thedim

5 APRESENTAÇÃO DO OBSERVATÓRIO O Observatório Sebrae/RJ é uma iniciativa em parceria com o IETS (Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade) baseada na sistematização, no monitoramento, na análise e na disseminação de informações ligadas ao ambiente dos pequenos negócios do Estado. Por meio de estudos e pesquisas setoriais e regionais, o Observatório busca ser um difusor de informações e de diagnósticos relevantes para a estratégia do Sebrae/RJ e para a tomada de decisões dos empresários e empreendedores. Análises detalhadas de dados oficiais e parcerias com outras entidades e especialistas proporcionam resultados cada vez mais apurados sobre as dimensões do desenvolvimento do Rio de Janeiro com ênfase nos pequenos negócios. Geração de conhecimento que auxilia na gestão e elaboração de projetos e programas, reafirmando nosso compromisso com o estímulo à competitividade e ao desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios do Estado. SUMÁRIO PAINÉIS REGIOIS, O QUE SÃO? INDICADORES SOCIOECONÔMICOS MERCADO DE TRABALHO CARACTERÍSTICAS DAS E PEQUES EMPRESAS DESENVOLVIMENTO INSTITUCIOL DAS E PEQUES EMPRESAS 15

6

7 OBSERVATÓRIO DAS E PEQUES EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PAINEL REGIOL NORTE PAINÉIS REGIOIS, O QUE SÃO? Os painéis regionais visam dar um panorama socioeconômico e acompanhar a situação das micro e pequenas empresas (MPE) nas regiões do Estado do Rio de Janeiro. O objetivo é lançar um olhar mais detalhado sobre as características destas regiões e dos municípios que as compõem. A estrutura do painel regional é formada por quatro blocos de indicadores divididos em: (1) Indicadores Socioeconômicos, (2) Mercado de Trabalho, (3) Características das Micro e Pequenas Empresas e (4) Desenvolvimento Institucional das Micro e Pequenas Empresas. 1. INDICADORES SOCIOECONÔMICOS INDICADORES SOCIOECONÔMICOS: NORTE E ESTADO DO RIO DE JANEIRO, 2010 INDICADORES NORTE Estado RJ População total (6%) % Pop. Urbana 88,8 96,7 % Pop. Feminina 51,1 52,3 % Pop. Jovens (15 a 24anos) 17,1 16,1 Taxa média de crescimento anual populacional Renda domiciliar per capita (em R$ por mês de julho de 2010) 2,7 1, Porcentagem de pobres* 32,4 26,0 Coeficiente de Gini** 0,572 0,612 PIB preços correntes (1000 R$)*** Taxa média de crescimento anual PIB (12,7%) ,6 3,5 Fontes: IETS com base nos dados do Censo/IBGE (2010), PIB dos municípios/ibge (2010), IPEA Notas: *A linha de pobreza utilizada foi de metade do salário mínimo de 2010 (R$255) ** O coeficiente de Gini mede a desigualdade de renda e varia entre zero (igualdade perfeita) a um (desigualdade total) ***Dados sujeitos à revisão. Dez municípios compõem a região Norte, que representa 6% da população total do Estado do Rio de Janeiro (ERJ), percentual inferior ao Médio Paraíba (7%), Leste Fluminense (12%), Baixada Fluminense (22,5%) e Rio de Janeiro (39,5%). O percentual da população urbana (88,8%) é inferior ao do Estado (96,7%), porém o percentual de jovens (17,1%) é ligeiramente superior (16,1%). Possui a 5ª maior renda domiciliar per capita (R$ 752) entre as regiões do ERJ, inferior à do Médio Paraíba (R$ 771), Serrana II (R$ 839), Leste Fluminense (R$ 972) e Rio de Janeiro (R$ 1.414). Porém, tem o segundo maior percentual de pobres (32,4%) entre as regiões do Estado, inferior apenas ao da Baixada Fluminense. A taxa média de crescimento populacional entre 2000 e 2010 (2,7%) é a segunda maior do Estado, inferior apenas à da Baixada Litorânea (3,4%). A região Norte apresenta o terceiro maior percentual do PIB estadual (12,7%), abaixo do percentual da Baixada Fluminense (14,4%) e da cidade do Rio de Janeiro (46,7%). A dinâmica econômica da região é fortemente influenciada pelo setor de óleo e gás. Além disso, possui a maior taxa de crescimento anual do PIB, que é de 9,6%. IETS / SEBRAE/RJ OBSERVATÓRIO DAS E PEQUES EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 5

8 PAINEL REGIOL INDICADORES SOCIOECONÔMICOS POR MUNICÍPIOS: NORTE, 2010 POPULAÇÃO DISTRI- BUIÇÃO DA POPULAÇÃO NO ESTADO (%) RENDA DOMICI- LIAR PER CAPITA (EM R$ POR MÊS DE JULHO DE 2010) RANKING ESTADUAL RENDA (ORDEM DECR.) % DE POBRES RANKING ESTADUAL % POBRES (ORD. CRESC.) COEFI- CIENTE DE GINI RANKING ESTADUAL GINI (ORD. DECR.) PIB PREÇOS CORREN- TES (1000 R$) RANKING ESTADUAL PIB 2010 (ORD. DECR.) TAXA MÉDIA DE CRESC. ANUAL PIB Campos dos Goytacazes , ,3 78 0, ,4 Carapebus , ,6 25 0, ,6 Cardoso Moreira Conceição de Macabu , ,7 84 0, , , ,3 36 0, ,2 Macaé , ,3 5 0, ,0 Quissamã , ,1 68 0, ,3 Rio das Ostras , ,1 4 0, ,3 São Fidélis , ,0 54 0, ,5 São Francisco de Itabapoana São João da Barra , ,5 92 0, , , ,0 75 0, ,0 Fonte: IETS com base nos dados do Censo/IBGE(2010), PIB dos municípios/ibge(2009), IPEA Notas: A linha de pobreza utilizada foi de metade do salário mínimo de 2010 (R$255). O coeficiente de Gini mede a desigualdade de renda e varia entre zero (igualdade perfeita) a um (desigualdade total). Os dados do PIB de 2010 estão sujeitos à revisão. Na região Norte, destacam-se os municípios de Campos dos Goycatazes, Macaé e Rio das Ostras por apresentarem população superior a habitantes e os maiores valores de renda domiciliar per capita e do PIB. Campos dos Goytacazes possui a maior população e o maior PIB da região, sendo o 3º maior PIB do Estado. Sua renda domiciliar per capita (R$ 651) é a terceira maior da região. Por outro lado, possui a maior desigualdade de renda, indicada pelo coeficiente da Gini mais elevado. Macaé e Rio das Ostras apresentam os maiores valores de renda domiciliar per capita, respectivamente R$ e R$ Macaé possui o 2º maior PIB da região e ocupa a 4ª posição no ranking estadual e é seguido por Rio das Ostras, que possui o 13º maior PIB do Estado. Ao contrário de Campos dos Goytacazes, que apresenta 38,3% dos pobres (78ª posição entre os municípios do Estado), Rio das Ostras possui 19,1% de pobres e Macaé, 20,3%, ocupando, respectivamente, a 4ª e 5ª posições no ranking estadual. Em São Francisco de Itabapoana, está a mais baixa renda domiciliar per capita de todo o Estado, apenas R$ 353 e, por conta disso, mais da metade de sua população (55,5%) é considerada pobre, sendo o mais alto percentual do Rio de Janeiro. Os menores municípios em termos populacionais são Carapebus e Cardoso Moreira. O primeiro possui o menor coeficiente de Gini da região (0,442) e o 4º menor no Estado. Cardoso Moreira, por sua vez, apresenta não só a 2ª mais baixa renda domiciliar per capita (R$ 445) como também o menor PIB da região (R$ ). Em relação à taxa média de crescimento anual do PIB, a maior da região encontra-se em São João da Barra (19%), seguida de Rio das Ostras (12,3%) e Macaé (10%). A taxa de crescimento de São João da Barra é a segunda maior do Estado, inferior apenas à de Porto Real (24,2%), no Médio Paraíba. A região é composta por municípios na lista dos mais ricos, como Macaé, que tem a 3ª maior renda per capita, e dos mais pobres, como São Francisco de Itabapoana, que apresenta a menor renda per capita e o maior percentual de pobres do Estado. 6 OBSERVATÓRIO DAS E PEQUES EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO IETS / SEBRAE/RJ

9 NORTE TAXA MÉDIA DE CRESCIMENTO ANUAL POPULACIOL ENTRE 2000 E 2010 (%): NORTE Fonte: IETS com base nos dados do Censo/IBGE (2000 e 2010). A taxa média de crescimento populacional entre 2000 e 2010 na região Norte (2,7%) é superior à taxa média do Estado do Rio de Janeiro (1,1%) e é a segunda maior do ERJ, inferior apenas à da Baixada Litorânea (3,4%). Cardoso Moreira obteve uma taxa de crescimento populacional nula. São Fidélis e São Francisco de Itabapoana também apresentaram taxas de crescimento inferiores a 1%. Rio das Ostras apresenta a maior taxa média de crescimento anual populacional (11,2%) em todo o Estado. Além deste município, as maiores taxas de crescimento estão em Macaé (4,6%), Carapebus (4,4%) e Quissamã (4%). IETS / SEBRAE/RJ OBSERVATÓRIO DAS E PEQUES EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 7

10 PAINEL REGIOL 2. MERCADO DE TRABALHO INDICADORES DE MERCADO DE TRABALHO: ESTADO DO RIO DE JANEIRO, NORTE E MUNICÍPIOS, 2010 TAXA DE DESEMPREGO (%) RANKING ESTADUAL TAXA DE DESEMPREGO (ORDEM CRESC.) RENDA MÉDIA DO TRABALHO (R$) RANKING ESTADUAL RENDA MÉDIA TEMPO MÉDIO DE DESLOCAMENTO CASA-TRABALHO (MINUTOS) OCUPADOS QUE TRABALHAM NO MESMO MUNICÍPIO DO DOMICÍLIO (%) ERJ 8, ,3 82,2 Norte 9, ,8 89,4 Campos dos Goytacazes 10, ,4 93,1 Carapebus 12, ,2 59,3 Cardoso Moreira 9, ,3 83,0 Conceição de Macabu 9, ,8 64,7 Macaé 8, ,6 97,4 Quissamã 12, ,4 83,5 Rio das Ostras 8, ,6 70,3 São Fidélis 5, ,7 86,2 São Francisco de Itabapoana 10, ,3 90,5 São João da Barra 8, ,7 88,2 Fonte: IETS com base nos dados do Censo/IBGE (2010) Nota: Renda em julho/2010. A taxa de desemprego da região Norte (9,6%) é inferior à da Baixada Litorânea (10,4%) e da Baixada Fluminense (11,1%), além de ser praticamente igual à taxa do Leste Fluminense (9,5%). A região apresenta a 3ª maior renda média do trabalho (R$ 1.334) no Estado, perdendo para o Leste Fluminense (R$ 1.474) e Rio de Janeiro (R$ 1.982). Entre os municípios, Carapebus (12,7%) e Quissamã (12%) possuem as maiores taxas de desemprego da região, enquanto São Fidélis apresenta a menor taxa (5,2%). Em relação à renda média do trabalho, a mais alta é encontrada em Macaé (R$1.764), seguida de Rio das Ostras (R$ 1.663) e Campos dos Goytacazes (R$ 1.180). São Francisco de Itabapoana (R$ 712) possui a menor renda média do trabalho da região. O tempo médio de deslocamento entre a casa e o trabalho na região é relativamente baixo, sendo que em Rio das Ostras (35,6 minutos), Carapebus (35,2 minutos) e Conceição de Macabu (32,8 minutos) este tempo é maior que a média da região. Aliás, esses três municípios com maiores tempo de deslocamento são exatamente aqueles com menor percentual de pessoas que trabalham no mesmo município de residência. Em Macaé, 97,4% dos ocupados trabalham e moram no município, seguido de Campos dos Goytacazes (93,1%), enquanto Carapebus tem menor percentual (59,3%). 8 OBSERVATÓRIO DAS E PEQUES EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO IETS / SEBRAE/RJ

11 NORTE PERCENTUAL DE OCUPADOS SEGUNDO A POSIÇÃO OCUPAÇÃO: ESTADO DO RIO DE JANEIRO, NORTE E MUNICÍPIOS, 2010 Fonte: IETS com base nos dados do Censo/IBGE(2010). O percentual de empregados com carteira assinada na região Norte (50,5%) é inferior ao da Baixada Fluminense (52,2%), do Leste Fluminense (52,7%), do Rio de Janeiro (55,6%) e do Médio Paraíba (56,8%). Além disso, apresenta um baixo percentual de empregadores (1,5%), sendo superior apenas ao da Baixada Fluminense (1%). Macaé é o município com maior percentual de empregados com carteira assinada (62,3%), enquanto São Francisco de Itabapoana possui o menor percentual de empregados com carteira (21,8%) e o maior percentual de empregados sem carteira assinada (39,7%). Este município também apresenta o maior percentual de trabalhadores por conta própria (27,3%) na região. O maior percentual de empregadores está em Rio das Ostras (2,5%). Em Conceição de Macabu e Cardoso Moreira, encontramos o maior percentual de funcionários públicos, sendo 9,9% em ambos. IETS / SEBRAE/RJ OBSERVATÓRIO DAS E PEQUES EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 9

12 PAINEL REGIOL PERCENTUAL DE EMPREGADORES NO TOTAL DE EMPREENDEDORES: NORTE, 2010 Fonte: IETS com base nos dados do Censo/IBGE (2010). A região Norte possui a 2ª menor taxa de sucesso de empreendedorismo (6,6%), medida pelo percentual de empregadores no total de empreendedores (conta própria mais empregadores), superior apenas à da Baixada Fluminense (4,5%). A maior taxa de sucesso da região está em Rio das Ostras (9,2%), seguida de Conceição de Macabu (7,4%). Já as menores taxas estão em Carapebus (3,2%) e São Fidélis (3,4%). 10 OBSERVATÓRIO DAS E PEQUES EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO IETS / SEBRAE/RJ

13 NORTE RENDA MÉDIA DOS OCUPADOS SEGUNDO A POSIÇÃO OCUPAÇÃO: ESTADO DO RIO DE JANEIRO, NORTE E MUNICÍPIOS, 2010 EMPREGADOS COM CARTEIRA ASSIDA EMPREGADOS SEM CARTEIRA ASSIDA FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS E MILITARES CONTA PRÓPRIA EMPREGADORES ERJ Norte Campos dos Goytacazes Carapebus Cardoso Moreira Conceição de Macabu Macaé Quissamã Rio das Ostras São Fidélis São Francisco de Itabapoana São João da Barra Fonte: IETS com base nos dados do Censo/IBGE (2010) Nota: Renda em julho/2010. A renda média dos ocupados na região Norte é inferior à média do Estado em todas as posições na ocupação, exceto em relação aos empregados com carteira assinada, com um valor ligeiramente superior. Macaé, Rio das Ostras e Campos dos Goytacazes são os municípios com os maiores valores de renda média dos ocupados. Macaé apresenta a maior renda média da região entre os empregados sem carteira assinada (R$ 915), os trabalhadores por conta própria (R$ 1.722) e os empregadores (R$ 5.557). Além disso, possui a 2ª maior renda média entre os empregados com carteira assinada (R$ 1.857) e funcionários públicos e militares (R$ 2.312). A maior renda média entre os empregados com carteira assinada está em Rio das Ostras (R$ 1.956), que também possui a 2ª maior renda média entre os empregados sem carteira (R$ 781). Campos dos Goytacazes possui a maior renda média entre funcionários públicos e militares (R$ 2.411) e a 2ª maior entre os empregadores (R$ 4.513). Quissamã se destaca como o município com a 2ª maior renda média entre os trabalhadores por conta própria (R$ 1.611). São Francisco de Itabapoana apresenta os valores mais baixos de renda média entre os empregados com carteira assinada (R$ 772), os empregados sem carteira (R$ 487) e funcionários públicos e militares (R$ 1.057). Entre os trabalhadores por conta própria, os valores mais baixos estão em São Fidélis (R$ 731) e São João da Barra (R$ 762). Em relação aos empregadores, Carapebus (R$ 1.804) e São João da Barra (R$ 2.063) apresentam os menores valores de renda média. IETS / SEBRAE/RJ OBSERVATÓRIO DAS E PEQUES EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 11

14 PAINEL REGIOL 3. CARACTERÍSTICAS DAS E PEQUES EMPRESAS NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS POR SETOR E TAMANHO DA EMPRESA: ESTADO DO RIO DE JANEIRO, NORTE E MUNICÍPIOS, 2011 TOTAL INDÚSTRIA CONSTRUÇÃO COMÉRCIO SERVIÇOS* AGROPECUÁRIA ERJ Norte C. dos Goytacazes Carapebus C. Moreira C. de Macabu Macaé Quissamã Rio das Ostras São Fidélis S. Fco. de Itabapoana S. J. da Barra Fonte: IETS com base nos dados da RAIS/MTE * Excluindo setores de Administração Pública e Serviços Domésticos Notas: Os dados não incluem a RAIS Negativa, cuja declaração é obrigatória para o estabelecimento que não possuiu empregados ou manteve suas atividades paralisadas durante o ano-base. O total de estabelecimentos da região Norte com a RAIS Negativa é , o que corresponde a 5,5% do total do ERJ, também com a RAIS Negativa. A classificação de tamanho de empresa obedece aos critérios estabelecidos pelo Sebrae. O setor de agropecuária possui a mesma classificação de comércio e serviços. PERCENTUAL DE ESTABELECIMENTOS POR TAMANHO: NORTE A região Norte possui empresas, o que corresponde a 6% do total do Estado. Entre as empresas da região, 97,3% são micro e pequenas empresas, percentual superior à média do Estado (96,7%). O município com menor percentual de MPE é Macaé com 94,7%. A composição setorial das MPE na região Norte é diferente da média do ERJ. Enquanto no ERJ a maioria das empresas está no setor de serviços (48,5%), na região Norte a maioria delas está localizada no setor de comércio (45%). O setor de agropecuária possui 8% do total de empresas da região Norte, enquanto no ERJ este percentual é de 3%. A indústria tem participação menor no Norte, enquanto a da construção civil é maior. As empresas da região estão concentradas em Campos dos Goytacazes (48%), Macaé (27%) e Rio das Ostras (11%). Fonte: IETS com base nos dados RAIS/MTE. São Francisco de Itabapoana possui o maior percentual de microempresas (94,4%), sendo que 31% delas são do setor agropecuário. Conceição de Macabu não possui médias e grandes empresas e 36% de suas empresas também são do setor agropecuário, o que representa o maior percentual da região neste setor. 12 OBSERVATÓRIO DAS E PEQUES EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO IETS / SEBRAE/RJ

15 NORTE TOTAL DE EMPREGOS FORMAIS POR SETOR E TAMANHO DA EMPRESA: ESTADO DO RIO DE JANEIRO, NORTE E MUNICÍPIOS, 2011 TOTAL INDÚSTRIA CONSTRUÇÃO COMÉRCIO SERVIÇOS* AGROPECUÁRIA ERJ Norte C. dos Goytacazes Carapebus C. Moreira C. de Macabu Macaé Quissamã Rio das Ostras São Fidélis S. Fco. de Itabapoana S. J. da Barra Fonte: IETS com base nos dados da RAIS/MTE * Excluindo setores de Administração Pública e Serviços Domésticos. Nota: A classificação de tamanho de empresa obedece aos critérios estabelecidos pelo Sebrae. O setor de agropecuária possui a mesma classificação de comércio e serviços. A região Norte apresenta empregos formais, o que corresponde a 6% do total de empregos da região. Os maiores percentuais de empregos da região estão no setor de serviços (39,5%) e da indústria (25,6%). Macaé e Campos dos Goytacazes concentram 87% dos empregos formais. Em Macaé, o maior número de empregos está na média e grande empresa dos setores de serviços (37.709) e da indústria (37.621). Em Campos dos Goytacazes, destaca-se a média e grande empresa de serviços, com empregos formais e a micro (9.068) e pequena (9.314) empresa do setor de comércio. PARTICIPAÇÃO DAS MPE NO TOTAL DE EMPREGOS FORMAIS E MASSA SALARIAL: NORTE, 2011 Fonte: IETS com base nos dados da RAIS/MTE. A participação das MPE no total de empregos formais do Norte (43%) é bem próxima do ERJ (45%). No entanto, em relação à massa salarial, as MPE da região Norte (19%) contribuem bem menos do que as MPE do ERJ (30%) para o total. Conceição de Macabu não possui médias e grandes empresas, o que faz a participação das MPE atingir 100%. São Francisco de Itabapoana, Quissamã e Cardoso Moreira possuem participação das MPE tanto em empregos quanto em massa salarial superiores a 90%. Macaé possui a menor participação de MPE em relação a empregos formais e massa salarial. IETS / SEBRAE/RJ OBSERVATÓRIO DAS E PEQUES EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 13

16 PAINEL REGIOL REMUNERAÇÃO MÉDIA POR SETOR E TAMANHO DE EMPRESA: ESTADO DO RIO DE JANEIRO, NORTE E MUNICÍPIOS, 2011 TOTAL INDÚSTRIA CONSTRUÇÃO COMÉRCIO SERVIÇOS* AGROPECUÁRIA ERJ Norte C. dos Goytacazes Carapebus C. Moreira C. de Macabu Macaé Quissamã Rio das Ostras São Fidélis S. Fco de Itabapoana S. J. da Barra Fonte: IETS com base nos dados da RAIS/MTE * Excluindo setores de Administração Pública e Serviços Domésticos Nota: A classificação de tamanho de empresa obedece aos critérios estabelecidos pelo Sebrae. O setor de agropecuária possui a mesma classificação de comércio e serviços. A remuneração média dos trabalhadores formais da região Norte (R$ 2.807) é superior à do ERJ (R$ 1.831). A média e grande empresa da região possui remuneração média mais elevada do que a do ERJ em todos os setores, com exceção do de agropecuária. A pequena indústria da região também apresenta remuneração superior à média do Estado. Macaé apresenta a maior remuneração média no setor industrial e agropecuário, independente do porte da empresa. No setor de construção civil, as micro e pequenas empresas de São João da Barra possuem a maior remuneração média da região, respectivamente, R$ e R$ No setor de comércio, a maior remuneração das micro (R$ 986) e médias e grandes (R$ 2.450) empresas está em Macaé, enquanto as pequenas com maior remuneração encontram-se em Conceição de Macabu (R$ 1.907). No setor de serviços, Carapebus possui a remuneração mais alta entre as microempresas (R$ 1.259), Macaé entre as pequenas (R$ 1.702) e Rio das Ostras entre as grandes (R$ 4.227). O interessante a se destacar é que em todos os municípios o maior valor de remuneração média encontrado por porte e setor superou a média do ERJ. 14 OBSERVATÓRIO DAS E PEQUES EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO IETS / SEBRAE/RJ

17 NORTE 4. DESENVOLVIMENTO INSTITUCIOL DAS E PEQUES EMPRESAS ESTÁGIOS DE IMPLEMENTAÇÃO DA LEI GERAL DE ACORDO COM INDICADORES GLOBAIS DO SEBRAE: NORTE, 2012 USO DO PODER DE COMPRA DESBUROCRATIZAÇÃO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL AGENTE DE DESENVOLVIMENTO LEI IMPLEMENTADA C. dos Goytacazes Inicial Inicial Inicial Inicial N Carapebus* Inicial Inicial Inicial Inicial N Cardoso Moreira* Inicial Básico Inicial Inicial N Conceição de Macabu Inicial Inicial Inicial Inicial N Macaé Intermediário Intermediário Intermediário Intermediário N Quissamã Básico Intermediário Intermediário Intermediário N Rio das Ostras Intermediário Avançado Avançado Intermediário S São Fidélis Avançado Avançado Intermediário Inicial N S. Fco. de Itabapoana* Inicial Inicial Inicial Inicial N São João da Barra Básico Básico Básico Inicial N Fonte: IETS com base nos dados do Sebrae Nacional, disponível em <http://app.pr.sebrae.com.br/leigeralnacional/home.do>. Dados de 6/12/2012 Notas: 1) Nos estágios inicial e básico, a Lei Geral não foi implementada. Nos estágios intermediário e avançado, a Lei Geral foi implementada * Municípios não monitorados pelo Sebrae/RJ. O monitoramento da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, que é o novo Estatuto da MPE e foi aprovado em 2006, é coordenado pelo Sebrae Nacional. Entre os vários benefícios estabelecidos na Lei Geral, o Sebrae elegeu quatro itens para serem focalizados. O acompanhamento das iniciativas municipais é feito através do sistema de monitoramento, que atribui notas aos municípios de acordo com os questionários obtidos. Na região, apenas Rio das Ostras possui a Lei Geral das MPE implementada de acordo com o monitoramento realizado pelo Sebrae. Em São Fidélis, falta implementar o item Agente de desenvolvimento, e em Quissamã falta o item Uso do poder de compra. Embora em Macaé todos os itens estejam no nível intermediário, a Lei Geral não é considerada implementada porque em dois itens (Uso do poder de compra e Empreendedor individual) o resultado da pergunta-chave não foi atendido. IETS / SEBRAE/RJ OBSERVATÓRIO DAS E PEQUES EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 15

18 PAINEL REGIOL EMPRESAS OPTANTES DO MEI E TAXAS DE CRESCIMENTO: ESTADO DO RIO DE JANEIRO, NORTE E MUNICÍPIOS EMPRESAS OPTANTES DO MEI TAXA DE CRESCIMENTO % ERJ ,49 36,41 Norte ,85 26,82 C. dos Goytacazes ,23 25,23 Carapebus ,42 0,00 Cardoso Moreira ,00 28,71 Conceição de Macabu ,95 21,15 Macaé ,54 22,07 Quissamã ,34 50,36 Rio das Ostras ,50 32,71 São Fidélis ,82 37,50 O Microempreendedor Individual (MEI) foi criado pela Lei Complementar nº 128/2008 e passou a vigorar a partir de julho de A taxa de crescimento de optantes do MEI no Norte, em , foi a 3ª maior entre as regiões, ficando atrás do Leste Fluminense (147,23%) e Serrana II (135,57%). Porém, no período seguinte, a região Norte obteve a taxa mais baixa do Estado. Em , Rio das Ostras (140,5%) e Macaé (139,54%) obtiveram as maiores taxas de crescimento. Em , a maior taxa de crescimento foi encontrada em Quissamã (50,36%). São Fidélis apresentou a menor taxa de crescimento em , e no período seguinte a menor taxa estava em Carapebus, que obteve crescimento nulo. S. Fco. de Itabapoana ,56 35,17 São João da Barra ,30 33,13 Fonte: IETS com base nos dados do Portal do Empreendedor, disponível em TRABALHADORES POR CONTA PRÓPRIA, OPTANTES DO MEI E PERCENTUAL DE OPTANTES DO MEI EM RELAÇÃO AOS TRABA- LHADORES POR CONTA PRÓPRIA: ESTADO DO RIO DE JANEIRO, NORTE E MUNICÍPIOS CONTA PRÓPRIA (2010) MEI (2012) %MEI/ CONTA PRÓPRIA ERJ ,8 Norte ,0 C. dos Goytacazes ,8 Carapebus ,5 A região Norte apresenta um percentual de MEI em relação aos trabalhadores por conta própria bem próximo do percentual do ERJ (23%). Em termos percentuais de MEI no total de conta própria, Rio das Ostras (31,3%), Conceição de Macabu (30,4%), Macaé (28,8%) e Quissamã (27,4%) apresentam valores superiores à média da região. Carapebus apresenta menor percentual de MEI em relação ao total de trabalhadores por conta própria (8,5%), seguido de Cardoso Moreira (11%) e São Fidélis (12%). Cardoso Moreira ,0 Conceição de Macabu ,4 Macaé ,8 Quissamã ,4 Rio das Ostras ,3 São Fidélis ,0 S. Fco. de Itabapoana ,6 São João da Barra ,6 Fonte: IETS com base nos dados do Censo/IBGE (2010) e Portal do Empreendedor, disponível em 16 OBSERVATÓRIO DAS E PEQUES EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO IETS / SEBRAE/RJ

19 NORTE NÚMERO DE OPTANTES DO SIMPLES CIOL E TAXA DE CRESCIMENTO: ESTADO DO RIO DE JANEIRO, NORTE E MUNICÍPIOS OPTANTES DO SIMPLES CIOL TAXA DE CRESCIMENTO % / / / /2012 ERJ ,8 62,6 41,9 30,4 Norte ,6 60,2 41,4 26,1 Campos dos Goytacazes ,2 52,6 38,0 23,8 Carapebus ,9 28,1 70,2 32,5 Cardoso Moreira ,6 41,4 24,5 16,5 Conceição de Macabu ,7 110,9 37,5 22,6 Macaé ,6 65,9 46,9 25,0 Quissamã ,0 65,5 33,3 35,0 Rio das Ostras ,1 75,4 51,1 34,0 São Fidélis ,8 45,3 21,6 21,6 São Fco. de Itabapoana ,5 56,7 33,1 26,1 São João da Barra ,9 76,2 41,8 29,6 Fonte: IETS com base nos dados da Receita Federal, disponível em Sinac.app/Default.aspx. Durante o período analisado, o percentual de optantes do Simples Nacional na região Norte corresponde, em geral, a 7% do total de optantes no ERJ. As taxas de crescimento da região Norte são inferiores às do ERJ, embora estejam bastante próximas em 2008/2009 e 2010/2011. O período com maior taxa de crescimento nos municípios da região foi 2009/2010, com exceção de Carapebus, que obteve sua maior taxa de crescimento em 2010/2011. Conceição de Macabu se destaca por ser o único município a alcançar uma taxa de crescimento superior a 100%. IETS / SEBRAE/RJ OBSERVATÓRIO DAS E PEQUES EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 17

20 PAINEL REGIOL TAXA DE CRESCIMENTO DA ARRECADAÇÃO DO ISS DAS EMPRESAS INSCRITAS NO SIMPLES CIOL: ESTADO DO RIO DE JANEIRO, NORTE E MUNICÍPIOS 2008/ / / /2012 ERJ 14,9 35,1 41,2 17,2 Norte 23,4 46,8 35,4 23,9 Campos dos Goytacazes 26,4 33,4 22,7 27,8 Carapebus -22,2-48,1 386,4-0,2 Cardoso Moreira -37,1 73,5 120,7-41,8 Conceição de Macabu 156,4 78,1 80,9 8,5 Macaé 18,4 58,1 37,9 21,0 Quissamã -14,6 17,4 54,7 48,1 Rio das Ostras 59,3 28,0 63,3 33,0 São Fidélis -12,6 76,3 124,3 23,3 São Fco. de Itabapoana -10,8 149,9-25,6-57,1 São João da Barra 41,8 109,6 17,5 30,5 Fonte: IETS com base nos dados da Receita Federal, disponível em A taxa de crescimento da arrecadação do Imposto sobre Serviços (ISS) das empresas da região Norte foi inferior à do ERJ apenas no período 2010/2011. A taxa sofreu grandes variações não apenas entre as cidades da região, mas também na comparação dos períodos em cada município. Campos dos Goytacazes, Conceição de Macabu, Macaé, Rio das Ostras e São João da Barra apresentaram taxas positivas em todo período. Os outros municípios apresentam taxas negativas em algum ou alguns anos. São Francisco de Itabapoana, por exemplo, registrou taxas negativas em quase todos os períodos analisados, apresentando uma alta taxa, 149,9%, em 2009/ OBSERVATÓRIO DAS E PEQUES EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO IETS / SEBRAE/RJ

PAINEL REGIONAL RIO DE JANEIRO

PAINEL REGIONAL RIO DE JANEIRO PAINEL REGIOL M É D I O P A R A Í B A RIO DE JANEIRO PAINEL REGIOL MÉDIO PARAÍBA RIO DE JANEIRO 2013 SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro Rua Santa Luzia,

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, NOVEMBRO DE 2012 17 2012

Leia mais

COMO ANDA O ESTUDO ESTRATÉGICO DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO? Nº 04 AGOSTO DE 2013 RIO DE JANEIRO

COMO ANDA O ESTUDO ESTRATÉGICO DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO? Nº 04 AGOSTO DE 2013 RIO DE JANEIRO COMO ANDA O DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO? ESTUDO ESTRATÉGICO Nº 04 AGOSTO DE 2013 RIO DE JANEIRO SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro Rua Santa

Leia mais

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco Estudo Estratégico n o 4 Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco PANORAMA GERAL ERJ receberá investimentos recordes da ordem

Leia mais

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, DEZEMBRO DE 2012 18 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

RENDA, TRABALHO E EMPREENDEDORISMO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

RENDA, TRABALHO E EMPREENDEDORISMO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RENDA, TRABALHO E EMPREENDEDORISMO NOTA CONJUNTURAL Nº35 2015 NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL Nº35 2015 PANORAMA GERAL O ano de 2015 se inicia com grandes incertezas com relação à economia

Leia mais

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011 Geração de Emprego Formal no RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 211 1 211 O crescimento da economia fluminense nos últimos

Leia mais

TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás

TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás O presente informe técnico tem o objetivo de mostrar a importância da micro e pequena empresa para o Estado de Goiás, em termos de geração de emprego

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

PAINEL REGIONAL SERRANA II

PAINEL REGIONAL SERRANA II S R R A N A II PAINL RGIONAL SRRANA II SBRA/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas mpresas do stado do Rio do Janeiro Rua Santa Luzia, 685 6º, 7º e 9º andares Centro Rio de Janeiro RJ CP: 20030-041 Presidente

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Centro Sebrae em Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente Wanderson

Leia mais

Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS

Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS Proposta para SEBRAE/RJ Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS Maio de 2011 Introdução As boas perspectivas de desenvolvimento para o Estado do Rio de Janeiro, com grandes

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

Implantação do Observatório Ambiental da Macrorregião Ambiental N ọ 5 do Estado do Rio de Janeiro (Observatório Ambiental da MRA-5)

Implantação do Observatório Ambiental da Macrorregião Ambiental N ọ 5 do Estado do Rio de Janeiro (Observatório Ambiental da MRA-5) Implantação do Observatório Ambiental da Macrorregião Ambiental N ọ 5 do Estado do Rio de Janeiro (Observatório Ambiental da MRA-5) Pedro Henrique Oliveira Rocha Palavras-chave: Observatório Ambiental.

Leia mais

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 PANORAMA GERAL Os movimentos de transição da população ocupada entre as

Leia mais

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 SEBRAE (Org.) Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 São Paulo, 2013 SEBRAE (Org.) S492a Anuário

Leia mais

Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil

Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IPEA) Samuel Franco (IPEA) Rosane Mendonça (UFF) Brasília, agosto de 2006 Entre 2001 e 2004 a

Leia mais

A Importância dos Royalties na Economia dos Municípios do Estado do Rio de Janeiro

A Importância dos Royalties na Economia dos Municípios do Estado do Rio de Janeiro A Importância dos Royalties na Economia dos Municípios do Estado do Rio de Janeiro Deputado Glauco Lopes Presidente da Comissão de Minas e Energia da Assembleia Legislativa Os royalties e o Pré-Sal Royalties

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CURITIBA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CURITIBA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CURITIBA Relatório Especial sobre a Mulher no Mercado de Trabalho de Curitiba-PR Contrato de Prestação de Serviços Nº. 17731/2007 - PMC / DIEESE MARÇO DE 2010 EXPEDIENTE DA

Leia mais

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário Boletim Econômico Federação Nacional dos Portuários Agosto de 2014 Sumário Indicadores de desenvolvimento brasileiro... 2 Emprego... 2 Reajuste dos salários e do salário mínimo... 3 Desigualdade Social

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Noroeste

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Noroeste Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Noroeste Sebrae em Goiás Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS NOS SETORES DE COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS NA CONURBAÇÃO CRAJUBAR NO PERÍODO DE 1995 A 2005

EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS NOS SETORES DE COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS NA CONURBAÇÃO CRAJUBAR NO PERÍODO DE 1995 A 2005 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS NOS SETORES DE COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS NA CONURBAÇÃO CRAJUBAR NO PERÍODO DE 1995 A 2005 Nara dos Santos Ferreira 1, Maria

Leia mais

Municípios em Dados. SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO Cláudia Uchôa Cavalcanti

Municípios em Dados. SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO Cláudia Uchôa Cavalcanti Municípios em Dados SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO Cláudia Uchôa Cavalcanti Equipe da Dimensão Territorial do Planejamento: Haidine da Silva Barros Duarte Francisco Filomeno Abreu Neto Paulo Cesar Figueredo

Leia mais

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI Roland Anton Zottele 1, Friedhilde M. K. Manulescu 2 1, 2 Faculdade de Ciências

Leia mais

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010 Apresentação O Mapa de Exclusão Social do Pará elaborado pelo Instituto do Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará IDESP e pela Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Construindo as Metas Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Região: Sudeste; UF: Mesorregião: Município: Angra dos Reis; Aperibé; Araruama; Areal; Armação dos Búzios; Arraial do Cabo;

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: uma análise a partir do rendimento domiciliar per capita no período 2001-2006 Juliana Carolina Frigo

Leia mais

de 1,000 (um) for o IDH, melhor a qualidade de vida de sua população.

de 1,000 (um) for o IDH, melhor a qualidade de vida de sua população. RESULTADOS O Espírito Santo que se deseja em 2015 é um Estado referência para o País, na geração de emprego e renda na sua indústria, com conseqüente eliminação das desigualdades entre os municípios capixabas.

Leia mais

OS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E SEUS EFEITOS SOBRE AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS:

OS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E SEUS EFEITOS SOBRE AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: OS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E SEUS EFEITOS SOBRE AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: PROPOSTA DE METODOLOGIA Renata Lèbre La Rovere e Julia Paranhos IE/UFRJ Introdução > Recuperação da economia

Leia mais

III Painel Microempreendedorismo, população de baixa renda e inclusão financeira: caminhos e oportunidades

III Painel Microempreendedorismo, população de baixa renda e inclusão financeira: caminhos e oportunidades III Painel Microempreendedorismo, população de baixa renda e inclusão financeira: caminhos e oportunidades Rodrigo Santos Nogueira Diretor Setorial de Responsabilidade Social e Sustentabilidade FEBRABAN

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO POR MEIO DO SiSU NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016 O Reitor da Universidade

Leia mais

O Programa. O escopo do Programa é trabalhar, junto a esses negócios, a temática da inovação, desde sua desmistificação até a sua sistematização;

O Programa. O escopo do Programa é trabalhar, junto a esses negócios, a temática da inovação, desde sua desmistificação até a sua sistematização; O Programa Programa de âmbito nacional criado pelo SEBRAE para atuar junto aos pequenos negócios, os orientando, acompanhando e criando fidelização pelo relacionamento; O trabalho é realizado através do

Leia mais

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 BRASIL Série Estudos e Pesquisas A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE 2009 A 2012 Junho/2014 Estudos e Pesquisas

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

Tópico: RBC e o Trabalho (questões éticas, políticas e empíricas relacionadas aos mercados laborais formais e informais).

Tópico: RBC e o Trabalho (questões éticas, políticas e empíricas relacionadas aos mercados laborais formais e informais). Tópico: RBC e o Trabalho (questões éticas, políticas e empíricas relacionadas aos mercados laborais formais e informais). Título: MERCADO DE TRABALHO NO BRASIL: EVOLUÇÃO RECENTE, DESAFIOS E COMBATE À POBREZA

Leia mais

Abrangência. Niterói Petrópolis Teresópolis Nova Friburgo Armação dos Búzios Cabo Frio Arraial do Cabo Rio das Ostras Macaé Casimiro de Abreu

Abrangência. Niterói Petrópolis Teresópolis Nova Friburgo Armação dos Búzios Cabo Frio Arraial do Cabo Rio das Ostras Macaé Casimiro de Abreu Apresentação: Lançado pelo SEBRAE RJ, é um roteiro turístico composto por 10 municípios do Estado do Rio de Janeiro; 3 Regiões turísticas: Metropolitana, Serra Verde Imperial, Costa do Sol - integradas

Leia mais

Anuário das MULHERES. Empreendedoras. e Trabalhadoras em Micro e. Pequenas Empresas

Anuário das MULHERES. Empreendedoras. e Trabalhadoras em Micro e. Pequenas Empresas Anuário das MULHERES Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2014 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto

Leia mais

O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010

O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 Documento preliminar Coordenação: Luiz Cesar Ribeiro Responsável: Érica Tavares da Silva Colaboração: Juciano Rodrigues e Arthur Molina 1 P á g i n a Introdução

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina A 5ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO. Brasília março 2011

DO DESENVOLVIMENTO. Brasília março 2011 OS PEQUENOS NEGÓCIOS NANA LIDERANÇA OS PEQUENOS NEGÓCIOS LIDERANÇA DO DESENVOLVIMENTO DO DESENVOLVIMENTO Brasília março 2011 Servi«o Brasileiro de Apoio s Micro e Pequenas Empresas Miss o Institucional

Leia mais

MOBILIDADE URBANA E MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO ESTUDO ESTRATÉGICO Nº 06 SETEMBRO DE 2013 RIO DE JANEIRO

MOBILIDADE URBANA E MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO ESTUDO ESTRATÉGICO Nº 06 SETEMBRO DE 2013 RIO DE JANEIRO MOBILIDADE URBANA E MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO ESTUDO ESTRATÉGICO Nº 06 SETEMBRO DE 2013 RIO DE JANEIRO SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: GRANDES CIDADES

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: GRANDES CIDADES Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria Grandes Cidades CATEGORIA: GRANDES CIDADES Município de Cuiabá MT Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor

Leia mais

Relatório de Gestão 2013. Relatório de Gestão do SEBRAE/RJ 2013

Relatório de Gestão 2013. Relatório de Gestão do SEBRAE/RJ 2013 Relatório de Gestão 2013 Relatório de Gestão do SEBRAE/RJ 2013 1 Relatório de Gestão 2013 SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SEBRAE/RJ Vinculado ao MINISTÉRIO

Leia mais

Relatório de Gestão 2014. Relatório de Gestão do SEBRAE/RJ 2014

Relatório de Gestão 2014. Relatório de Gestão do SEBRAE/RJ 2014 Relatório de Gestão do SEBRAE/RJ 2014 1 SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SEBRAE/RJ Vinculado ao MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR

Leia mais

SÉRIE 2013, Nº 02 - MESORREGIÃO NORTE CATARINENSE

SÉRIE 2013, Nº 02 - MESORREGIÃO NORTE CATARINENSE SÉRIE 2013, Nº 02 - MESORREGIÃO NORTE CATARINENSE GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE SISTEMA NACIONAL

Leia mais

namicro e Pequena Anuário do Trabalho Empresa

namicro e Pequena Anuário do Trabalho Empresa Anuário do Trabalho namicro e Pequena Empresa 2014 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Robson Braga de Andrade Diretor-Presidente Luiz

Leia mais

Publicação Semestral n o 4. Perfil e dinâmica dos pequenos negócios em territórios do Rio de Janeiro com UPP

Publicação Semestral n o 4. Perfil e dinâmica dos pequenos negócios em territórios do Rio de Janeiro com UPP Publicação Semestral n o 4 Perfil e dinâmica dos pequenos negócios em territórios do Rio de Janeiro com UPP ESTRUTURA Apresentação - Cézar Vasquez e Carla Teixeira Perfil e dinâmica dos empreendedores

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL CANDIDATOS A PREFEITOS E PREFEITAS MUNICIPAIS Pleito Eleitoral 2012 PROPOSTAS DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A PROMOÇÃO

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: GRANDES CIDADES

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: GRANDES CIDADES Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria Grandes Cidades CATEGORIA: GRANDES CIDADES Município de Feira de Santana BA Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito

Leia mais

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena 2010 / 2011. Empresa

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena 2010 / 2011. Empresa ANUÁRIO DO TRABALHO namicro e Pequena Empresa 2010 / 2011 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Diretor-Presidente

Leia mais

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena. Empresa

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena. Empresa ANUÁRIO DO TRABALHO namicro e Pequena Empresa 2013 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Diretor-Presidente Luiz

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Participação. Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira REGIÃO CENTRO-OESTE

Participação. Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira REGIÃO CENTRO-OESTE Elaboração de Estudo sobre a Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Nacional e nas Unidades da Federação Sebrae Nacional Participação Dezembro de 2014 das Micro e Pequenas Empresas na Economia

Leia mais

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 4 As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil Você já pensou em como as desigualdades raciais muitas vezes

Leia mais

II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS

II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS Painel 3 A Importância da Integração das Estatísticas Oficiais Paulo de Martino Jannuzzi IDH Data: 14 e 15 de abril de 2014. 1 Limitações

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE Estudo Temático: Micro e Pequenas empresas e Empreendedores Individuais em Porto Alegre Termo de Contrato Nº. 48918/2012 Secretaria Municipal de Trabalho e Emprego

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL

O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL Abril/2014 2014 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MARÇO DE 2009 DIVULGAÇÃO DIVULGAÇÃO N o 292 N o 266 Desemprego cresce, mas indústria e serviços param de demitir Demissões no Comércio

Leia mais

ECONOMIA CRIATIVA DO RIO DE JANEIRO E AS MPE

ECONOMIA CRIATIVA DO RIO DE JANEIRO E AS MPE ECONOMIA CRIATIVA DO RIO DE JANEIRO E AS MPE BOLETIM QUADRIMESTRAL NOVEMBRO 2012 SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro Rua Santa Luzia, 685 6º, 7º e 9º andares

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes?

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? Apresentação - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? 2 Importância dos Pequenos Negócios 52% dos empregos formais 40% da massa salarial 62%

Leia mais

INTRODUÇÃO... 02. 5. Dinâmica da Renda... 21. 6. Dinâmica dos Incentivos Fiscais... 25

INTRODUÇÃO... 02. 5. Dinâmica da Renda... 21. 6. Dinâmica dos Incentivos Fiscais... 25 Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia SUDAM Assessoria Técnica da Superintendência População, PIB, Emprego e Renda no Estado do Acre: Evolução no Período 2000 a 2013. Dr. Paulo Roberto Correia

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO ISSN 119-968 INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número Março de APRESENTAÇÃO O Boletim apresenta uma síntese do documento Panorama Social de América Latina -1, uma publicação da Comissão Especial para a América

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SISU 1ª EDIÇÃO DE 2016 COMUNICADO OFICIAL Nº 4

PROCESSO SELETIVO SISU 1ª EDIÇÃO DE 2016 COMUNICADO OFICIAL Nº 4 UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PROGRAD PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DAE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR COSEAC COORDENAÇÃO DE SELEÇÃO ACADÊMICA PROCESSO SELETIVO SISU 1ª EDIÇÃO DE 2016 COMUNICADO

Leia mais

Estudo Estratégico n o 6. Mobilidade urbana e mercado de trabalho na Região Metropolitana do Rio de Janeiro Danielle Carusi Machado e Vitor Mihessen

Estudo Estratégico n o 6. Mobilidade urbana e mercado de trabalho na Região Metropolitana do Rio de Janeiro Danielle Carusi Machado e Vitor Mihessen Estudo Estratégico n o 6 Mobilidade urbana e mercado de trabalho na Região Metropolitana do Rio de Janeiro Danielle Carusi Machado e Vitor Mihessen PANORAMA GERAL Processo de urbanização: expansão territorial

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TRATAMENTO DIFERENCIADO

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TRATAMENTO DIFERENCIADO Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria Tratamento diferenciado CATEGORIA: TRATAMENTO DIFERENCIADO Município de Pelotas RS Vencedores do 4º Prêmio Sebrae

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED Março DE 2014 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 352 Em movimento típico para o período, cresce a taxa de desemprego Nível de ocupação se reduz na Indústria

Leia mais

Resolução Normativa RN 259

Resolução Normativa RN 259 Resolução Normativa RN 259 (Publicada em 17/06/11, alterada pela RN 268 de 20/10/11 e complementada pela IN/DIPRO nº n 37 de 07/12/11) Gerência de Regulação 27 de janeiro de 2012 Apresentação da Norma

Leia mais

O Desempenho Socioeconômico Recente dos Municípios Cearenses e seus Principais Desafios. Flávio Ataliba Barreto Diretor Geral - IPECE

O Desempenho Socioeconômico Recente dos Municípios Cearenses e seus Principais Desafios. Flávio Ataliba Barreto Diretor Geral - IPECE O Desempenho Socioeconômico Recente dos Municípios Cearenses e seus Principais Desafios Flávio Ataliba Barreto Diretor Geral - IPECE 30 de Agosto de 2013 Dados Recentes sobre o Ceará Gráfico 1: Taxa de

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

Convertendo a Pequena Empresa Moderna em Pilar do Desenvolvimento Brasileiro

Convertendo a Pequena Empresa Moderna em Pilar do Desenvolvimento Brasileiro ESTUDOS E PESQUISAS Nº 488 Convertendo a Pequena Empresa Moderna em Pilar do Desenvolvimento Brasileiro Carlos Alberto dos Santos * XXV Fórum Nacional (Jubileu de Prata 1988/2013) O Brasil de Amanhã. Transformar

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TRATAMENTO DIFERENCIADO

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TRATAMENTO DIFERENCIADO Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria Tratamento diferenciado CATEGORIA: TRATAMENTO DIFERENCIADO Município de Itapecuru Mirim MA Vencedores do 4º Prêmio

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014 Janeiro-2014 / Sebrae - GO Sebrae em Goiás Elaboração e Coordenação Técnica Ficha Técnica Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente

Leia mais

Pesquisa / Estudo (Análise de Dados)

Pesquisa / Estudo (Análise de Dados) SUBPROJETO I DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA DE ANÁLISE DE MERCADO DE TRABALHO MUNICIPAL E QUALIFICAÇÃO SOCIAL PARA APOIO À GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Pesquisa / Estudo (Análise

Leia mais

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década João Saboia 1 1) Introdução A década de noventa foi marcada por grandes flutuações na economia brasileira. Iniciou sob forte recessão no governo

Leia mais

Perfil das Micros e Pequenas Empresas no Município de Manaus. Termo de Contrato Nº. 005/2011 SEMTRAD e DIEESE

Perfil das Micros e Pequenas Empresas no Município de Manaus. Termo de Contrato Nº. 005/2011 SEMTRAD e DIEESE Perfil das Micros e Pequenas Empresas no Município de Manaus Termo de Contrato Nº. 005/2011 SEMTRAD e DIEESE NOVEMBRO DE 2011 SECRETARIA MUNICIPAL DE TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL - SEMTRAD Prefeito

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE Brasília, 18 de maio de 2010. MPE? Conceituação Brasil REPRESENTATIVIDADE

Leia mais