Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Noroeste

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Noroeste"

Transcrição

1 Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Noroeste

2 Sebrae em Goiás Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente Wanderson Portugal Lemos Diretor Técnico Regional Noroeste Renato Jayme Gerente Unidade de Gestão de Estratégias Camilla Carvalho Costa Gerente Vinícios José Araújo Coordenador da área de Estudos e Pesquisas Renan dos Santos Silva Equipe da área de Estudos e Pesquisas Luciana Jaime Albernaz Diretora de Administração e Finanças Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas em Goiás Sebrae em Goiás Perfil Socioeconômico Regional Noroeste. Goiânia: Sebrae em Goiás Dezembro/2014.

3 Sumário Apresentação Dados Socioeconômicos Municípios Área e População Aspectos Sócio-culturais PIB Empreendedores Individuais Nº de Empresas e Empregos Empregos Empresas Dados Municipais... 23

4 Dados Regionais

5 Apresentação Informação é o elemento-chave para o planejamento estratégico. Com o objetivo de contribuir com a tomada de decisão das Regionais do Sebrae em Goiás, a Unidade de Gestão de Estratégias elaborou uma edição de dados socioeconômicos de Goiás. Foram organizados dados referentes aos seguintes temas: área geográfica; população; densidade demográfica; índice Gini; IDH; Taxa de alfabetização; PIB por setor de atividade e ano; número de empreendedores individuais; número de empresas por setor de atividade; número de empregados; Os dados estão disponibilizados de forma agregada. Espera-se que o material produzido possa auxiliar as atividades rotineiras do estado, bem como, demandar novos estudos para auxiliar o processo de gestão.

6 Dados Socioeconômicos A Regional Noroeste é composta por 26 municípios, entre os quais 16 possuem a Lei Geral regulamentada. Considerando os limites territoriais da Regional Noroeste, são mais de 23 mil km 2 de área geográfica e de habitantes, conforme população estimada para O índice Gini, que mede a desigualdade social, é de 0,53. Já o IDH da Regional é 0,781. São empresas (Receita Federal CSE, 2012) e Empreendedores Individuais (Portal do micro empreendedor Individual, dezembro, 2014). O número de empregados é de pessoas, conforme dados do RAIS/MTE, Existem micro empresas, pequenas empresas, totalizando 87,4% das empresas existentes na regional, e 415 médias e grandes empresas nos municípios pertencentes à Regional.

7 Dados Socioeconômicos O setor econômico predominante entre as empresas é o setor de comércio. São empresas, seguido pelo setor de serviços (3.605 empresas) e industrial (1.451 empresas). Analisando a quantidade de empresas, segundo dados da Receita Federal/2012, por classificação nacional de atividades econômicas (CNAE), as atividades com maior representatividade no estado são as do Comércio Varejista, com empresas (43,02% do total), seguido pela atividade de Confecção de artigos do vestuário e acessórios, com 803 empresas e 7,97% do total. A vocação para os setores de comércio e serviços é confirmada pelo PIB setorial dos municípios que compõe a Regional. O PIB do setor de serviços (que contempla as atividades comerciais) soma R$ 1,9 bilhão, o equivalente a 50,4% do PIB da Regional. A seguir, estão disponibilizados os dados consolidados da regional.

8 Municípios Número total de Municípios 26 Fonte: IBGE Municípios com Lei Geral Aprovada 16 Fonte: Sebrae em Goiás, Outubro/2014.

9 Lei Geral Municípios Lei Geral Barro Alto - Campos Verdes X Carmo do Rio Verde - Ceres X Crixás X Goianésia X Guarinos X Hidrolina - Ipiranga de Goiás X Itapaci X Jaraguá X Morro Agudo de Goiás Nova América X Nova Glória - Pilar de Goiás - X Municípios Rialma Rianápolis Rubiataba Lei Geral Santa Isabel - Santa Rita do Novo Destino Santa Terezinha de Goiás São Luiz do Norte - São Patrício - Uirapuru Uruana Vila Propício - X X X - X X X Fonte: Sebrae em Goiás, outubro/2014.

10 Área e População Fonte: IBGE, Crescimento populacional (-5,4%) (+9,8%) DENSIDADE DEMOGRAFICA (hab/km²) Área (km²) Pop. Projetada 2014 Densidade , , (-1,0%) (+3,7%) (+5,9%) (+6,0%) Fonte: IBGE, população projetada Densidade Demográfica 2014.

11 Aspectos Sócio-Culturais Índice GINI* Regional Noroeste 0,53 Fonte: IBGE/PNUD, 2010 * Índice Gini consiste em um número entre 0 e 1, onde 0 corresponde à completa igualdade de renda e 1 corresponde à completa desigualdade. Forma de cálculo: Pop. 2010/Σ(Pop. Mun * Gini Mun. 2010) Índice de Desenvolvimento Humano (IDH)* Regional Noroeste 0,781 Fonte: IBGE/PNUD, 2010 * O IDH consiste em um número entre 0 e 1, onde 0 corresponde à baixo desenvolvimento humano e 1 alto desenvolvimento humano. Forma de cálculo: Pop. 2010/Σ(Pop. Mun * IDH Mun. 2010) Taxa de Alfabetização* Regional Noroeste 89,5% Fonte: IBGE/PNUD, 2010 * É o percentual das pessoas acima de 10 anos de idade que são alfabetizadas, ou seja, que sabem ler e escrever pelo menos um bilhete simples. Forma de cálculo: Pop. 2010/Σ(Pop. Mun * Tx. Alf. Mun. 2010)

12 Aspectos Sócio-Culturais Comparativo: Gini x IDH x Alfabetização (2010) 0,781 89,5% Comparativo: Série Histórica ( ) 85,3% 89,5% 0,53 78,3% 0,78 ÍNDICE DE GINI IDH 0,54 0,57 0,53 TAXA DE ALFABETIZAÇÃO 0,56 ÍNDICE GINI IDH Nível de Alfabetização Fonte: IBGE/PNUD, , Fonte: IBGE/PNUD, 2010

13 PIB Agropecuária Indústria Produto Interno Bruto Serviços Impostos PIB PIB per capita ,13 Fonte: Segplan/IMB, 2014 Distribuição do PIB por Setores 9,0% 19,0% 50,4% 21,6% Agropecuária Indústria Serviços Impostos

14 PIB Crescimento do PIB Produto Interno Bruto Fonte: Segplan-GO/IMB,

15 Empreendedores Individuais Empreendedor Individual dez/13 dez/14 % Aumento ,4% dez/14 nov/14 out/ set/ ago/14 jul/ jun/ mai/ abr/ mar/ dez/13 dez/14 fev/14 jan/ Fonte: Total de Optantes Simples por Município em 31/12/2014 pelo portal empreendedor / Receita Federal

16 Empreendedores Individuais Taxa de Crescimento de Empreendedores Individuais (mensal) 2,9% 2,7% 2,9% 2,7% 2,3% 2,1% 2,0% 1,8% 1,6% 2,0% 1,5% 0,6% jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14 ago/14 set/14 out/14 nov/14 dez/14 Fonte: Total de Optantes Simples por Município em 31/12/2014 pelo portal empreendedor / Receita Federal

17 Nº de Empresas e Empregos Fonte: Receita Federal/CSE, 2012 Número de Empresas EMPRESAS Porte Número de empresas % Micro ,9% Pequenas ,5% Médias 216 2,1% Grandes 199 2,0% Não Informado 855 8,5% Total ,0% Número de pessoas empregadas Fonte: Rais/MTE, 2012

18 Empregos Empregados por Setor de Atividade Distribuição por Pequenos Setores Distribuição por Grandes Setores Extrativa mineral 11,2% 5,8% Indústria Indústria de transformação Servicos industriais de utilidade pública Construção Civil Comércio 24,0% 22,9% 2,3% 0,5% 11,2% 24,0% 31,0% Serviços Comércio Serviços 16,0% 17,2% 17,2% 16,6% Agropecuária Administração Pública Agropecuária, extração vegetal, caça e pesca Administração Pública Fonte: Rais/MTE, 2012

19 Empresas Empresas por Setor de Atividade AGROPECUÁRIA Micro Pequena Média Grande Não Informado Total COMÉRCIO Micro Pequena Média Grande Não Informado Total AGROPECUÁRIA COMÉRCIO INDÚSTRIA SERVIÇOS 35,8% 0,4% 49,3% INDÚSTRIA Micro Pequena Média Grande Não Informado Total ,4% SERVIÇOS Micro Pequena Média Grande Não Informado Total Fonte: Receita Federal/CSE, 2012

20 Empresas Quantidade de empresas por classificação CNAE CNAE Comércio varejista Confecção de artigos do vestuário e acessórios 803 Transporte terrestre 704 Atividades de organizações associativas 682 Comércio e reparação de veículos automotores e motocicletas 624 Alimentação 327 Fabricação de produtos alimentícios 301 Atividades de atenção à saúde humana 259 Serviços de escritório, de apoio administrativo e outros serviços prestados às empresas 197 Educação 185 Aluguéis não-imobiliários e gestão de ativos intangíveis não-financeiros 147 Alojamento 115 Administração pública, defesa e seguridade social 115 Outras atividades de serviços pessoais 103 Atividades jurídicas, de contabilidade e de auditoria 96 Atividades esportivas e de recreação e lazer 89 Fabricação de produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos 79 Atividades de serviços financeiros 78 Fabricação de produtos de minerais não-metálicos 74 Total Fonte: Receita Federal/CSE, 2012

21 Empresas Quantidade de empresas por classificação CNAE CNAE Total Outras atividades profissionais, científicas e técnicas 55 Armazenamento e atividades auxiliares dos transportes 53 Serviços de arquitetura e engenharia; testes e análises técnicas 51 Fabricação de bebidas 46 Atividades imobiliárias 34 Correio e outras atividades de entrega 33 Atividades de atenção à saúde humana integradas com assistência social, prestadas em residências coletivas e particulares 33 Atividades de sedes de empresas e de consultoria em gestão empresarial 33 Edição e edição integrada à impressão 31 Atividades dos serviços de tecnologia da informação 30 Impressão e reprodução de gravações 27 Publicidade e pesquisa de mercado 27 Fabricação de produtos têxteis 27 Serviços para edifícios e atividades paisagísticas 26 Preparação de couros e fabricação de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados 25 Reparação e manutenção de equipamentos de informática e comunicação e de objetos pessoais e domésticos 21 Serviços de assistência social sem alojamento 20 Construção de edifícios 18 Atividades artísticas, criativas e de espetáculos 17 Telecomunicações 16 Fonte: Receita Federal/CSE, 2012

22 Empresas Quantidade de empresas por classificação CNAE CNAE Total Manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos 16 Fabricação de produtos de borracha e de material plástico 16 Atividades de vigilância, segurança e investigação 14 Agências de viagens, operadores turísticos e serviços de reservas 13 Atividades auxiliares dos serviços financeiros, seguros, previdência complementar e planos de saúde 13 Atividades de prestação de serviços de informação 13 Fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias 7 Fabricação de produtos químicos 6 Fabricação de máquinas e equipamentos 6 Fabricação de outros equipamentos de transporte, exceto veículos automotores 5 Seguros, resseguros, previdência complementar e planos de saúde 4 Seleção, agenciamento e locação de mão-de-obra 3 Atividades veterinárias 3 Fabricação de produtos diversos 3 Fabricação de máquinas, aparelhos e materiais elétricos 3 Fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos 3 Atividades cinematográficas, produção de vídeos e de programas de televisão; gravação de som e edição de música 2 Fabricação de produtos do fumo 2 Atividades ligadas ao patrimônio cultural e ambiental 2 Fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos 1 Transporte aéreo 1 Serviços domésticos 1 TOTAL Fonte: Receita Federal/CSE, 2012

23 Dados Municipais

24 Densidade Demográfica Municípios DENSIDADE DEMOGRAFICA (hab/km²) Área (km²) Pop Densidade Barro Alto 1.093, ,98 Campos Verdes 441, ,32 Carmo do Rio Verde 418, ,87 Ceres 214, ,63 Crixás 4.661, ,56 Goianésia 1.547, ,92 Guarinos 595, ,65 Hidrolina 580, ,83 Ipiranga de Goiás 241, ,16 Itapaci 956, ,50 Jaraguá 1.849, ,90 Morro Agudo de Goiás 282, ,41 Nova América 212, ,08 Municípios DENSIDADE DEMOGRAFICA (hab/km²) Área (km²) Pop Densidade Nova Glória 412, ,84 Pilar de Goiás 906, ,93 Rialma 268, ,73 Rianápolis 159, ,94 Rubiataba 748, ,39 Santa Isabel 807, ,74 Santa Rita do Novo Destino Santa Terezinha de Goiás 956, , , ,32 São Luiz do Norte 586, ,42 São Patrício 171, ,97 Uirapuru 1.153, ,58 Uruana 522, ,15 Vila Propício 2.181, ,53 TOTAL , ,98 Fonte: IBGE, 2013

25 População Municípios POPULAÇÃO Barro Alto Campos Verdes Carmo do Rio Verde Ceres Crixás Goianésia Guarinos Hidrolina Ipiranga de Goiás Itapaci Jaraguá Morro Agudo de Goiás Nova América Nova Glória Pilar de Goiás Rialma Rianápolis Rubiataba Santa Isabel Santa Rita do Novo Destino Santa Terezinha de Goiás São Luiz do Norte São Patrício Uirapuru Uruana Vila Propício TOTAL Fonte: IBGE, 2014

26 Índice GINI, IDH e Nível de Alfabetização Municípios ÍNDICE GINI IDH Nível de Alfabetização Barro Alto 0,44 0,742 88,6% Campos Verdes 0,45 0,654 82,6% Carmo do Rio Verde 0,44 0,713 90,0% Ceres 0,53 0,775 93,1% Crixás 0,55 0,708 89,2% Goianésia 0,47 0,727 90,9% Guarinos 0,43 0,652 87,2% Hidrolina 0,42 0,677 89,8% Ipiranga de Goiás 0,42 0,696 88,6% Itapaci 0,56 0,725 88,3% Jaraguá 0,45 0,699 91,2% Morro Agudo de Goiás 0,42 0,695 87,8% Nova América 0,37 0,678 85,2% Nova Glória 0,47 0,681 86,0% Pilar de Goiás 0,54 0,684 88,7% Rialma 0,44 0,727 92,5% Rianápolis 0,41 0,693 86,1% Rubiataba 0,43 0,719 91,0% Santa Isabel 0,40 0,683 87,1% Santa Rita do Novo Destino 0,44 0,634 78,8% Santa Terezinha de Goiás 0,50 0,701 86,9% São Luiz do Norte 0,39 0,669 85,0% São Patrício 0,45 0,693 89,1% Uirapuru 0,44 0,670 84,0% Uruana 0,46 0,703 88,3% Vila Propício 0,47 0,634 82,5% TOTAL 0,53 0,781 89,5% Fonte: PNUD, 2010

27 Fonte: Segplan-GO/IMB, 2014 Goiás PIB Produto Interno Bruto Municípios Barro Alto Campos Verdes Carmo do Rio Verde Ceres Crixás Goianésia Guarinos Hidrolina Ipiranga de Goiás Itapaci Jaraguá Morro Agudo de Goiás Nova América Nova Glória Pilar de Goiás Rialma Rianápolis Rubiataba Santa Isabel Santa Rita do Novo Destino Santa Terezinha de Goiás São Luiz do Norte São Patrício Uirapuru Uruana Vila Propício TOTAL

28 Fonte: Segplan-GO/IMB, 2014 Goiás PIB Produto Interno Bruto Municípios Agropecuária Indústria Serviços Impostos PIB PIB per capita (R$) Barro Alto ,62 Campos Verdes ,47 Carmo do Rio Verde ,68 Ceres ,46 Crixás ,96 Goianésia ,04 Guarinos ,34 Hidrolina ,07 Ipiranga de Goiás ,89 Itapaci ,20 Jaraguá ,28 Morro Agudo de Goiás ,41 Nova América ,94 Nova Glória ,52 Pilar de Goiás ,82 Rialma ,27 Rianápolis ,14 Rubiataba ,08 Santa Isabel ,95 Santa Rita do Novo Destino ,17 Santa Terezinha de Goiás ,04 São Luiz do Norte ,41 São Patrício ,70 Uirapuru ,29 Uruana ,36 Vila Propício ,17 TOTAL ,13

29 Quantidade de Empregados Setores Municípios Extrativa mineral Indústria de transformação Servicos industriais de utilidade pública Construção Civil Comércio Serviços Administração Pública Agropecuária, extração vegetal, caça e pesca Total Barro Alto Campos Verdes Carmo do Rio Verde Ceres Crixás Goianésia Guarinos Hidrolina Ipiranga de Goiás Itapaci Jaraguá Morro Agudo de Goiás Nova América Nova Glória Fonte: Rais/MTE, 2013

30 Quantidade de Empregados Setores Municípios Extrativa mineral Indústria de transformação Servicos industriais de utilidade pública Construção Civil Comércio Serviços Administração Pública Agropecuária, extração vegetal, caça e pesca Total Pilar de Goiás Rialma Rianápolis Rubiataba Santa Isabel Santa Rita do Novo Destino Santa Terezinha de Goiás São Luiz do Norte São Patrício Uirapuru Uruana Vila Propício TOTAL Fonte: Rais/MTE, 2013

31 Empreendedores Individuais Municípios EMPREENDEDOR INDIVIDUAL 2013 jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14 ago/14 set/14 out/14 nov/14 Dez/14 Barro Alto Campos Verdes Carmo do Rio Verde Ceres Crixás Goianésia Guarinos Hidrolina Ipiranga de Goiás Itapaci Jaraguá Morro Agudo de Goiás Nova América Nova Glória Pilar de Goiás Rialma Rianápolis Fonte: Total de Optantes Simples por Município em 31/12/2014 pelo portal empreendedor / Receita Federal

32 Empreendedores Individuais (cont.) Municípios Dez/ jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14 ago/14 set/14 out/14 nov/14 Dez/14 Rubiataba Santa Isabel Santa Rita do Novo Destino Santa Terezinha de Goiás São Luiz do Norte São Patrício Uirapuru Uruana Vila Propício TOTAL Fonte: Total de Optantes Simples por Município em 31/12/2014 pelo portal empreendedor / Receita Federal

33 Quantidade de Empresas Municípios EMPRESAS Micro Pequena Média Grande Não Informado Total Barro Alto Campos Verdes Carmo do Rio Verde Ceres Crixás Goianésia Guarinos Hidrolina Ipiranga de Goiás Itapaci Jaraguá Morro Agudo de Goiás Nova América Nova Glória Pilar de Goiás Rialma Rianápolis Rubiataba Santa Isabel Santa Rita do Novo Destino Santa Terezinha de Goiás São Luiz do Norte São Patrício Uirapuru Uruana Vila Propício TOTAL Fonte: Receita Federal/ CSE, 2012

34 Quantidade de Empresas Municípios AGROPECUÁRIA Micro Pequena Média Grande Não Informado Total Barro Alto Campos Verdes Carmo do Rio Verde Ceres Crixás Goianésia Guarinos Hidrolina Ipiranga de Goiás Itapaci Jaraguá Morro Agudo de Goiás Nova América Nova Glória Pilar de Goiás Rialma Rianápolis Rubiataba Santa Isabel Santa Rita do Novo Destino Santa Terezinha de Goiás São Luiz do Norte São Patrício Uirapuru Uruana Vila Propício TOTAL Fonte: Receita Federal/ CSE, 2012

35 Quantidade de Empresas Municípios COMÉRCIO Micro Pequena Média Grande Não Informado Total Barro Alto Campos Verdes Carmo do Rio Verde Ceres Crixás Goianésia Guarinos Hidrolina Ipiranga de Goiás Itapaci Jaraguá Morro Agudo de Goiás Nova América Nova Glória Pilar de Goiás Rialma Rianápolis Rubiataba Santa Isabel Santa Rita do Novo Destino Santa Terezinha de Goiás São Luiz do Norte São Patrício Uirapuru Uruana Vila Propício TOTAL Fonte: Receita Federal/ CSE, 2012

36 Quantidade de Empresas Municípios INDÚSTRIA Micro Pequena Média Grande Não Informado Total Barro Alto Campos Verdes Carmo do Rio Verde Ceres Crixás Goianésia Guarinos Hidrolina Ipiranga de Goiás Itapaci Jaraguá Morro Agudo de Goiás Nova América Nova Glória Pilar de Goiás Rialma Rianápolis Rubiataba Santa Isabel Santa Rita do Novo Destino Santa Terezinha de Goiás São Luiz do Norte São Patrício Uirapuru Uruana Vila Propício TOTAL Fonte: Receita Federal/ CSE, 2012

37 Quantidade de Empresas Municípios SERVIÇOS Micro Pequena Média Grande Não Informado Total Barro Alto Campos Verdes Carmo do Rio Verde Ceres Crixás Goianésia Guarinos Hidrolina Ipiranga de Goiás Itapaci Jaraguá Morro Agudo de Goiás Nova América Nova Glória Pilar de Goiás Rialma Rianápolis Rubiataba Santa Isabel Santa Rita do Novo Destino Santa Terezinha de Goiás São Luiz do Norte São Patrício Uirapuru Uruana Vila Propício TOTAL Fonte: Receita Federal/ CSE, 2012

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Centro Sebrae em Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente Wanderson

Leia mais

AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS

AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS O setor de serviços é, tradicionalmente, a principal porta de entrada no mercado de trabalho. Responsável por aproximadamente 60% do produto interno

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Entorno do DF

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Entorno do DF Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Entorno do DF Sebrae em Goiás Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente

Leia mais

Cenários. Perfil Socioeconômico. Regional Sudoeste

Cenários. Perfil Socioeconômico. Regional Sudoeste Cenários Perfil Socioeconômico Regional Sudoeste Sumário Apresentação... 03 Dados Socioeconômicos... 04 Municípios... 06 Área e População... 08 Aspectos Socioculturais... 09 PIB... 11 Negócios Empresariais...

Leia mais

Quadro 1 - Intercâmbio Comercial de Serviços por Setor CNAE - Brasil e Argentina

Quadro 1 - Intercâmbio Comercial de Serviços por Setor CNAE - Brasil e Argentina Ficha 02 - Estatísticas de Comércio Exterior de - Argentina Quadro 1 - Intercâmbio Comercial de por Setor CNAE - e Argentina CORRENTE DE COMÉRCIO ENTRE O BRASIL E A ARGENTINA SALDO Argentina Argentina

Leia mais

Cenários. Perfil Socioeconômico. Regional Metropolitana Aparecida

Cenários. Perfil Socioeconômico. Regional Metropolitana Aparecida Cenários Perfil Socioeconômico Regional Metropolitana Aparecida Sumário Apresentação... 03 Dados Socioeconômicos... 04 Municípios... 06 Área e População... 08 Aspectos Socioculturais... 09 PIB... 11 Negócios

Leia mais

Cenários. Perfil Socioeconômico. Regional Metropolitana do DF

Cenários. Perfil Socioeconômico. Regional Metropolitana do DF Cenários Perfil Socioeconômico Regional Metropolitana do DF Sumário Apresentação... 03 Dados Socioeconômicos... 04 Municípios... 06 Área e População... 08 Aspectos Socioculturais... 09 PIB... 11 Negócios

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

Boletim Informativo Emprego em Guarulhos: Panorama de 2014. Análise de Dezembro de 2014

Boletim Informativo Emprego em Guarulhos: Panorama de 2014. Análise de Dezembro de 2014 Boletim Informativo Emprego em Guarulhos: Panorama de 2014. Análise de Dezembro de 2014 2 Boletim Informativo - Emprego em Dezembro de 2014 Janeiro de 201 Análise e Redação Dr. Devanido Damião Suporte

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Resultados do 1º trimestre de 2012 DEREX Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular Maio de 2012 1.

Leia mais

Cenários. Perfil Socioeconômico. Regional Oeste

Cenários. Perfil Socioeconômico. Regional Oeste Cenários Perfil Socioeconômico Regional Oeste Sumário Apresentação... 03 Dados Socioeconômicos... 04 Municípios... 06 Área e População... 08 Aspectos Socioculturais... 09 PIB... 11 Negócios Empresariais...

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego 1º semestre de 2015 - Brasil. Dieese. Subseção Força Sindical. Elaboração: 21/07/2015

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego 1º semestre de 2015 - Brasil. Dieese. Subseção Força Sindical. Elaboração: 21/07/2015 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego 1º semestre de 2015 - Brasil Dieese. Subseção Força Sindical Elaboração: 21/07/2015 De acordo com os dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 25 número 07 agosto 2010 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Julho de 2010 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

PURP 62 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO SETOR DE HABITAÇÕES COLETIVAS SUDOESTE - QUADRAS MISTAS QMSW E CENTRO COMERCIAL - CCSW

PURP 62 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO SETOR DE HABITAÇÕES COLETIVAS SUDOESTE - QUADRAS MISTAS QMSW E CENTRO COMERCIAL - CCSW Folha 1 / 19 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO Folha 2 / 19 DISPOSITIVOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO VALOR PATRIMONIAL PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO A ATRIBUTOS

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Regional Entorno do DF

Unidade de Gestão Estratégica. Regional Entorno do DF Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Entorno do DF Sebrae em Goiás Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente Diretoria Executiva Manoel Xavier Ferreira Filho Diretor

Leia mais

EVOLUÇÃO DO EMPREGO POR SUBSETORES DE ATIVIDADES ECONÔMICAS ESPÍRITO SANTO - SALDO DE EMPREGOS

EVOLUÇÃO DO EMPREGO POR SUBSETORES DE ATIVIDADES ECONÔMICAS ESPÍRITO SANTO - SALDO DE EMPREGOS EVOLUÇÃO DO EMPREGO POR SUBSETORES DE ATIVIDADES ECONÔMICAS ESPÍRITO SANTO - SALDO DE EMPREGOS O Ministério do Trabalho e Emprego divulgou o saldo de empregos dos principais setores da economia, através

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Regional Metropolitana

Unidade de Gestão Estratégica. Regional Metropolitana Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Metropolitana Sebrae em Goiás Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente Diretoria Executiva Manoel Xavier Ferreira Filho Diretor

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal novembro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

EMPRESAS DO BRASIL E NORDESTE Ano IV N O 20

EMPRESAS DO BRASIL E NORDESTE Ano IV N O 20 O nosso negócio é o desenvolvimento EMPRESAS DO BRASIL E NORDESTE Ano IV N O 20 ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE Superintendente José Narciso Sobrinho Ambiente de Estudos, Pesquisas

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego Rio de Janeiro, 28 de janeiro de 2016. PME Retrospectiva 2003-2015 13 anos Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento 1 (IBGE / DPE / COREN) 1 Rio de Janeiro,

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamento Estimativa de Renúncia e Metodologia de Cálculo.

Desoneração da Folha de Pagamento Estimativa de Renúncia e Metodologia de Cálculo. SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Carlos Alberto Freitas Barreto CHEFE DO CENTRO DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS E ADUANEIROS Claudemir Rodrigues Malaquias COORDENADOR DE PREVISÃO E ANÁLISE Raimundo Eloi

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2011 1 1 Rio de Janeiro, 26/05/2011 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro O Janeiro

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal maio 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

Boletim Informativo - Emprego em junho de 2015 EXPEDIENTE

Boletim Informativo - Emprego em junho de 2015 EXPEDIENTE Boletim Informativo Emprego em Guarulhos Mês de referência: junho/2015 Boletim Informativo - Emprego em junho de 2015 DIRETORIA PRESIDENTE Aarão Ruben de Oliveira VICE-PRESIDENTE Jorge Alberto Taiar SECRETÁRIO

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

RESULTADOS DOS INDICADORES EMPRESARIAS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PESQUISA DA ATIVIDADE ECONÔMICA PAULISTA PAEP/2001

RESULTADOS DOS INDICADORES EMPRESARIAS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PESQUISA DA ATIVIDADE ECONÔMICA PAULISTA PAEP/2001 RESULTADOS DOS INDICADORES EMPRESARIAS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PESQUISA DA ATIVIDADE ECONÔMICA PAULISTA PAEP/2001 Indicadores Setoriais de Inovação Indústria A Paep 2001 pesquisou um universo de 41

Leia mais

Investimentos estrangeiros totalizaram US$ 48,3 bi até outubro

Investimentos estrangeiros totalizaram US$ 48,3 bi até outubro São Paulo, 04 de novembro de 2015 OUTUBRO DE 2015 Investimentos estrangeiros totalizaram US$ 48,3 bi até outubro Entre janeiro e outubro de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil

Leia mais

TAXA DE CÂMBIO EFETIVA REAL Nota Metodológica

TAXA DE CÂMBIO EFETIVA REAL Nota Metodológica TAXA DE CÂMBIO EFETIVA REAL Nota Metodológica (Atualizada em março de 2015) Foram construídas quarenta e três taxas de câmbio efetivas reais, sendo trinta e seis taxas de exportação e sete taxas de importação.

Leia mais

ANEXO V-D Usos e Atividades. Enquadramento das atividades nos usos do solo, obedecendo a Legislação Federal, Estadual e Municipal pertinente

ANEXO V-D Usos e Atividades. Enquadramento das atividades nos usos do solo, obedecendo a Legislação Federal, Estadual e Municipal pertinente ANEXO V-D Usos e Atividades Quadro Enquadramento das atividades nos usos do solo, obedecendo a Legislação Federal, Estadual e Municipal pertinente Usos CORRESPONDÊNCIA COM A CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE Instalações

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal julho 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Indústria do Turismo. Aumento da renda do brasileiro alavancou mercado de passagens aéreas nos últimos anos

Indústria do Turismo. Aumento da renda do brasileiro alavancou mercado de passagens aéreas nos últimos anos Indústria do Turismo Aumento da renda do brasileiro alavancou mercado de passagens aéreas nos últimos anos Abril 2011 Aumento da renda do brasileiro alavancou mercado de passagens aéreas nos últimos anos

Leia mais

Produção Industrial Setembro de 2014

Produção Industrial Setembro de 2014 Produção Industrial Setembro de 2014 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - SETEMBRO/14 Conforme esperado, o segundo semestre está sendo melhor do que o primeiro. Estamos no terceiro mês consecutivo de

Leia mais

Análise dos resultados Panorama geral

Análise dos resultados Panorama geral Análise dos resultados Panorama geral Durante o período de 2005 a 2008, o Produto Interno Bruto - PIB brasileiro passou de cerca de R$ 2,2 trilhões para R$ 3,0 trilhões, a valores correntes, com uma taxa

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

BOLETIM MENSAL Julho/2011

BOLETIM MENSAL Julho/2011 Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho BOLETIM MENSAL Julho/2011 DADOS: CAGED (MTE) Mês/Ano RAIS (MTE) 2010 Este número do Boletim do Observatório do Emprego e do Trabalho da Secretaria do Emprego

Leia mais

Cinco setores industriais mais importantes nos municípios que compõem o Fórum da Baixada

Cinco setores industriais mais importantes nos municípios que compõem o Fórum da Baixada Cinco setores industriais mais importantes nos municípios que compõem o Fórum da Baixada # Divisão de Atividade Econômica, segundo classificação CNAE - versão 2.0 Fórum da Baixada - Total de Atividades

Leia mais

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES 4º Trimestre 2012 02 maio de 2013 Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes No 4º trimestre de 2012, os residentes efetuaram

Leia mais

UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. 31 de agosto de 2015. Sindirações

UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. 31 de agosto de 2015. Sindirações UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO 31 de agosto de 2015 Sindirações 1 1. Cenário macroeconômico 2. Economia Implicações Brasileira para empresas 3. Um roteiro estratégico para o agronegócio

Leia mais

ATIVIDADES IMPEDITIVAS AO SIMPLES NACIONAL

ATIVIDADES IMPEDITIVAS AO SIMPLES NACIONAL CNAE ATIVIDADES IMPEDITIVAS AO Para verificar se a ME ou EPP atende aos requisitos pertinentes quando da opção ao Simples Nacional, serão utilizados os códigos de atividades econômicas previstos na Classificação

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Atratividade do Brasil: avanços e desafios Fórum de Atratividade BRAiN Brasil São Paulo, 03 de junho de 2011 Luciano Coutinho Presidente O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

COMENTÁRIOS. Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo

COMENTÁRIOS. Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo COMENTÁRIOS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo consecutivo, levando a uma

Leia mais

Atenciosamente, Mário Fernando Maia Queiroz Vice-Presidente da Diretoria Executiva

Atenciosamente, Mário Fernando Maia Queiroz Vice-Presidente da Diretoria Executiva Para facilitar o acompanhamento do cenário econômico do Estado do Maranhão, apresentamos este artigo com os exames da atividade bancária, suas fontes de recursos e respectivas aplicações no período de

Leia mais

TRANSPARÊNCIA NO ATENDIMENTO

TRANSPARÊNCIA NO ATENDIMENTO TRANSPARÊNCIA NO ATENDIMENTO Dados sobre o Atendimento ao Contribuinte na Receita Federal Julho/2013 Brasília Presidente da República Federativa do Brasil Dilma Rousseff Ministro da Fazenda Guido Mantega

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013

Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Subclasse CNAE 2.0 DENOMINAÇÃO

Subclasse CNAE 2.0 DENOMINAÇÃO Anexo I da Resolução CGSN nº 6, de 18 de junho de 2007 - Códigos previstos na CNAE impeditivos ao Simples Nacional (Vigência a partir de 1º de dezembro de 2010) Subclasse CNAE 2.0 DENOMINAÇÃO 0910-6/00

Leia mais

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo.

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo. ANO 4 NÚMERO 31 OUTUBRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1-CONSIDERAÇÕES INICIAIS O gerenciamento financeiro do governo, analisado de forma imparcial, se constitui numa das

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS DEZEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

COMENTÁRIOS TABELA 1 INDICADORES DE RECEITA NOMINAL DO SETOR DE SERVIÇOS, SEGUNDO GRUPOS DE ATIVIDADES BRASIL - JANEIRO 2015

COMENTÁRIOS TABELA 1 INDICADORES DE RECEITA NOMINAL DO SETOR DE SERVIÇOS, SEGUNDO GRUPOS DE ATIVIDADES BRASIL - JANEIRO 2015 COMENTÁRIOS No mês de janeiro de 2015, o setor de serviços registrou no Brasil um crescimento nominal de 1,6%, na comparação com igual mês do ano anterior, inferior às taxas dezembro (4,0% revisada) e

Leia mais

CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados julho/15 21 de agosto de 2015 Secretaria de Política Econômica CRIAÇÃO LÍQUIDA DE POSTOS DE TRABALHO (variação mensal absoluta do emprego*) Critério

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços.

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. Construção Civil Construção Civil Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. edificações residenciais; edificações

Leia mais

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS NOVEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Primeiro semestre registra retração no IED

Primeiro semestre registra retração no IED JUNHO DE 2015 Primeiro semestre registra retração no IED São Paulo, 29 de julho de 2015 No primeiro semestre de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil registraram um total de

Leia mais

Fluxos de IED apresentam retração de 26,5% em 2015

Fluxos de IED apresentam retração de 26,5% em 2015 São Paulo, 30 de março de 2015 Fevereiro de 2015 Fluxos de IED apresentam retração de 26,5% em 2015 Entre os meses de janeiro e fevereiro de 2015, o ingresso acumulado de investimentos estrangeiros diretos

Leia mais

Deslocações turísticas de residentes aumentaram

Deslocações turísticas de residentes aumentaram PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES 2º Trimestre 2013 31 de outubro de 2013 Deslocações turísticas de residentes aumentaram Entre abril e junho de 2013, os residentes em Portugal efetuaram 3,9 milhões de

Leia mais

LAJES PINTADAS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

LAJES PINTADAS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 31/12/1958 - Distância da capital: 128 km - Área: 130 Km 2 - Localização Mesorregião: Agreste Potiguar Microrregião: Borborema Potiguar - População: 4.217 (IBGE/2007)

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL 3 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo, no

Leia mais

Notas sobre a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) JUNHO/2010

Notas sobre a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) JUNHO/2010 Notas sobre a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) JUNHO/2010 Dados divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego para junho de 2010 confirmam a recuperação do emprego

Leia mais

INVESTIMENTOS GOVERNAMENTAIS EM C,T&I NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

INVESTIMENTOS GOVERNAMENTAIS EM C,T&I NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Coordenação Geral de Inovação Tecnológica INVESTIMENTOS GOVERNAMENTAIS EM C,T&I NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS

Leia mais

Palavras de Saudação

Palavras de Saudação ESTUDOS E PESQUISAS Nº 327 Palavras de Saudação Luciano Coutinho* Fórum Especial 2009 - Na Crise Esperança e Oportunidade, Desenvolvimento como Sonho Brasileiro, Oportunidade para as Favelas 17 e 18 de

Leia mais

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Este boxe apresenta a estrutura da economia paulista e sua evolução nos últimos dez anos, comparando-as com a do país. Gráfico 1 PIB Variação real

Leia mais

A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais

A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais 10 set 2007 Nº 36 A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais Por Fernando Puga Economista da SAE País tem maior difersificação em vendas externas em nações onde predominam recursos naturais

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 19/03/2015 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Leia mais

Portugal As exportações no primeiro trimestre de 2016

Portugal As exportações no primeiro trimestre de 2016 Portugal As exportações no primeiro trimestre de 2016 Na análise dos dados do comércio internacional importa ter presentes dois factores: o primeiro, que estes estão sujeitos a revisões consideráveis ao

Leia mais

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS CAPÍTULO 5 Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS Apresentação Neste capítulo, avaliam-se a importância e o crescimento, ao longo do período 2003 a 2010, das atividades

Leia mais

Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação cai abaixo de zero

Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação cai abaixo de zero COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 4 outubro/dezembro de 2013 www.cni.org.br Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação

Leia mais

População, PIB e Emprego na Amazônia Legal: Evolução no Período 2000 a 2012.

População, PIB e Emprego na Amazônia Legal: Evolução no Período 2000 a 2012. Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia SUDAM Assessoria Técnica da Superintendência População, PIB e Emprego na Amazônia Legal: Evolução no Período 2000 a 2012. Dr. Djalma Melo Superintendente

Leia mais

IMPA P C A T C O T O D O CUST S O T O BRA

IMPA P C A T C O T O D O CUST S O T O BRA IMPACTO DO CUSTO BRASIL E DO CÂMBIO NA INDÚSTRIA BRASILEIRA (2004/2010) Janeiro/2011 IMPACTO DO CUSTO BRASIL E DO CÂMBIO E NA INDÚSTRIA BRASILEIRA (2004/2010) O CUSTO BRASIL E O CÂMBIO Custo Brasil Indústria

Leia mais

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Período 2004/2008 INFORME TÉCNICO PREPARADO POR: Departamento de Estudos Energéticos e Mercado, da Eletrobrás

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Comitê Temático Investimento e Financiamento Diretoria de Micro e Pequenas Empresas setembro/2008 Agenda Atuação do BB no Segmento MPE Evolução

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Franca 4 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Grupo de Estudos sobre capacitação das Micro e Pequenas Empresas. Programa PRIME. Depto Apoio à Empresa Nascente DAEN DRIN ASC FINEP maio de 2010

Grupo de Estudos sobre capacitação das Micro e Pequenas Empresas. Programa PRIME. Depto Apoio à Empresa Nascente DAEN DRIN ASC FINEP maio de 2010 Grupo de Estudos sobre capacitação das Micro e Pequenas Empresas Programa PRIME Depto Apoio à Empresa Nascente DAEN DRIN ASC FINEP maio de 2010 FOMENTO DA FINEP CONFORME ESTÁGIOS DE DESENVOLVIMENTO DAS

Leia mais

Melhoria do grau de escolaridade (MGE)

Melhoria do grau de escolaridade (MGE) Melhoria do grau de escolaridade (MGE) Participantes: Nathalia Cordeiro Laurias Nos últimos dez anos o Brasil tem vivenciado o aumento significativo nos índices relacionados ao grau de escolaridade da

Leia mais

Date 5 may 2015. SISTEMA S - Brasil. Dionisio Parise. SENAI Departamento Regional do Parana

Date 5 may 2015. SISTEMA S - Brasil. Dionisio Parise. SENAI Departamento Regional do Parana Date 5 may 2015 SISTEMA S - Brasil Dionisio Parise SENAI Departamento Regional do Parana AGRICULTURA INDÚSTRIA COMÉRCIO SISTEMA S EMPREENDEDORISMO COOPERATIVISMO TRANSPORTE CNA Confederação da Agricultura

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Currículo Novo - 2006/01 Reconhecido pela Portaria Ministerial Nº. 4.327, de 22/12/2004 Duração: 180 créditos 2.700h, acrescidas de 300 h de atividades complementares, totalizando

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e EMPREGO FORMAL Sorocaba 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Especial. Fev / 2014 28 PESQUISA SALARIAL TRIBUNA IMPRESSA

Especial. Fev / 2014 28 PESQUISA SALARIAL TRIBUNA IMPRESSA Fev / 2014 28 4 Especial PESQUISA SALARIAL TRIBUNA IMPRESSA (ARARAQUA E REGIÃO) Janeiro / 2013 METODOLOGIA Para garantir a confidencialidade e sigilo das informações fornecidas pelas empresas participantes

Leia mais

Manhã Técnica. Mercados Florestais

Manhã Técnica. Mercados Florestais Manhã Técnica Mercados Florestais APFC Associação de Produtores Florestais de Coruche 27. 03. 2015 2 Enquadramento Tx Câmbio EURO/USD 3 Tendência de diminuição desde o 2.ª T 2014 que favorece as nossas

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJECTO

APRESENTAÇÃO DO PROJECTO APRESENTAÇÃO DO PROJECTO ENQUADRAMENTO OBJETIVO DO PROJETO ENTIDADES PROMOTORAS DESTINATÁRIOS ATIVIDADES INDICADORES DE RESULTADOS METAS A ATINGIR CRONOGRAMA CONTACTOS ENQUADRAMENTO ALENTEJO 2020 - Programa

Leia mais

Relatório da Receita Tributária do Estado de São Paulo

Relatório da Receita Tributária do Estado de São Paulo Relatório da Receita Tributária do Estado de São Paulo Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Coordenadoria da Administração Tributária - CAT janeiro-2015 APRESENTAÇÃO E NOTAS ANÁLISE DA RECEITA

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MODALIDADE A DISTÂNCIA CRONOGRAMA ACADÊMICO 2011 MBA EM ADMINISTRAÇÃO E MARKETING TURMAS 2011

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MODALIDADE A DISTÂNCIA CRONOGRAMA ACADÊMICO 2011 MBA EM ADMINISTRAÇÃO E MARKETING TURMAS 2011 2 3 4 5 6 7 8 9 0 2 3 4 5 6 7 8 9 20 22 Aula Data Evento 7/0 a 22/0 Período para solicitação de provas de 2ª chamada 23 24 25 26 27 28 29 26/jan Entrada de novos alunos + AVA (OFERTA JANEIRO 20) 30 3 3/0

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

Calendário Pós-graduação 2014 - Educação Infantil

Calendário Pós-graduação 2014 - Educação Infantil Calendário Pós-graduação 2014 - Educação Infantil Disciplina Data Início Data fim Atividade acadêmica ENTRADA 1 10/03/2014 20/12/2014 17/03/2014 24/03/2014 Gestão criativa e inovadora nas instituições

Leia mais

Atualizado em 03/07/2014

Atualizado em 03/07/2014 Nº do Contrato Atualizado em 03/07/2014 Contratado Objeto Início Fim Valor Global do Contrato 011/2012 IPTEC - Instituto de Pesquisas Técnicas e Científicas CNPJ: 74.050.360/0001-34 objetivo selecionar

Leia mais

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Estrutura e Distribuição Geográfica Estrutura Estatutária A GEAP GEAP é administrada por por um um Conselho Deliberativo responsável pela pela definição da da

Leia mais

GRÁFICOS E TABELAS DO ESTUDO

GRÁFICOS E TABELAS DO ESTUDO GRÁFICOS E TABELAS DO ESTUDO TABELAS 1) ARRECADAÇÃO MENSAL DOS TRIBUTOS (2006): Em R$ Bilhões TRIBUTOS JAN FEV MAR IMPOSTO SOBRE IMPORTAÇÃO 0,82 0,66 0,79 IPI 2,25 2,05 2,04 IMPOSTO SOBRE A RENDA 10,89

Leia mais

0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami

0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami Tel.: +55 11 3848 588o Rua Major Quedinho 90 Fax: + 55 11 3045 7363 Consolação São Paulo, SP - Brasil www.bdobrazil.com.br 01050-030 0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011 PwC 1 PwC 2 2.7 2.5 Setor automotivo Fumo Multiplicador 2.3 Couros Borracha e Plástico 1.9 Metalurgia e Siderurgia

Leia mais

Econ. Paulo Zoldan SEF/Dior

Econ. Paulo Zoldan SEF/Dior Econ. Paulo Zoldan SEF/Dior Estrutura da Apresentação População - distribuição e estrutura Produção (PIB) distribuição e evolução Agricultura Industria Serviços Emprego - distribuição e evolução Balança

Leia mais