ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO III ENCONTRO DO OBSERVATÓRIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO III ENCONTRO DO OBSERVATÓRIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL"

Transcrição

1 ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO III ENCONTRO DO OBSERVATÓRIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL DAVID DOS SANTOS CALHEIROS (PPGEEs/UFSCar) 1 ENICÉIA GONÇALVES MENDES (PPGEEs/UFSCar) 2 Agências de Fomento: CAPES e CNPQ INTRODUÇÃO Muito embora se perceba, em nível nacional, determinado aumento no índice de matrículas de educandos que possuem deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação, é importante ressaltar que a escolarização deste público da Educação Especial ainda se mantém fragilizada. No caso do processo de ensino-aprendizagem, fatores como: inoperância dos órgãos diretivos, preconceitos, barreiras arquitetônicas e de comunicação, ausência e/ou precariedade de formação docente, em seus diferentes níveis de ensino, prejudicam significativamente a participação com sucesso no cenário escolar (CAPELLINE; RODRIGUES, 2009; CHACON, 2004; MONTEIRO; MANZINI, 2008; SANTOS, 2011;). No intuito de contribuir para a minimização dessas problemáticas, as quais podem gerar uma situação de exclusão educacional, e aumentar a qualidade do apoio oferecido e necessário para a educação do público alvo da educação especial, foi publicado o Decreto nº 7.611/2011 (BRASIL, 2011), que dispõe sobre o Atendimento Educacional Especializado (AEE), o qual é definido como um conjunto de atividades, recursos de acessibilidade e pedagógicos organizados institucional e continuamente, prestado de forma complementar ou suplementar à formação dos educandos (BRASIL, 2011, 1). Ainda de acordo com o Decreto 7.611/2011, o AEE deverá ser oferecido preferencialmente em salas de recursos multifuncionais, por um profissional que possua formação inicial em um curso de licenciatura e uma pós-graduação na área da Educação Especial, no contra-turno escolar do educando. Não obstante os critérios mínimos exigidos para atuar como professor(a) do AEE assinale para uma formação docente e especializada na área da Educação Especial, não se pode considerar que esse(a) profissional que atua nessa modalidade de ensino esteja, de fato, preparado(a) para o exercício da sua profissão. Soma-se a esta questão as escassas oportunidades de formação em educação especial no Brasil (MENDES, 2011) e a complexidade do papel atribuído a esse(a) profissional no desempenho de 1 Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, São Carlos, SP, Brasil. 2 Pós-Doutorado SORBONNE- UNIVERSITE PARIS V- RENE DESCARTES. Doutora em Psicologia pela USP (Universidade São Paulo). Professora adjunta da Universidade Federal de São Carlos UFSCar, São Carlos, SP, Brasil

2 múltiplas funções, vinculadas a várias áreas do saber, sendo que, muitas delas, não são contempladas em sua formação inicial. São por exemplo, atribuições do(a) professor(a) do AEE: Desenvolver atividades do AEE, de acordo com as necessidades educacionais específicas dos alunos, tais como: ensino da Língua Brasileira de Sinais Libras; ensino da Língua Portuguesa como segunda língua para alunos com deficiência auditiva ou surdez; ensino da Informática acessível; ensino do sistema Braille; ensino do uso do soroban; ensino das técnicas para a orientação e mobilidade; ensino da Comunicação Aumentativa e Alternativa - CAA; ensino do uso dos recursos de Tecnologia Assistiva - TA; atividades de vida autônoma e social; atividades de enriquecimento curricular para as altas habilidades/superdotação; e atividades para o desenvolvimento das funções mentais superiores (BRASIL, 2010, p. 05). Assim, o(a) professor(a) do AEE deve ter conhecimentos muito amplos e diversificados para a realização da sua atividade profissional, o que nos permite considerar que, de uma maneira geral, a formação acadêmica desse(a) profissional está muito aquém e dificulta a efetivação do que é preconizado para o AEE. Muito embora se tenha clareza sobre a importância de um serviço de apoio ao processo de escolarização do público-alvo da Educação Especial, ainda nos faltam dados de como este serviço do AEE tem funcionado na prática em todo o território nacional, sobretudo daqueles relacionados à prática profissional (MILANESI, 2012). Dessa forma, estudar a formação de professores constitui-se um aspecto de grande relevância para o cenário da Educação Especial. Por esta razão, objetivou-se nesta pesquisa analisar a produção científica sobre a formação de professores publicada no III Encontro do Observatório Nacional de Educação Especial 3. MATERIAL E MÉTODO Para analisar a produção científica sobre a formação de professores publicada no III Encontro do Observatório Nacional de Educação Especial, realizado no ano de 2013 pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) em parceria com a Universidade de São Paulo (USP), utilizou-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa cujo delineamento foi o de revisão sistemática da literatura (BARBOSA, 2013). Como critério para esta revisão, utilizou-se os seguintes aspectos norteadores de inclusão e exclusão da pesquisa: 1) Critérios de inclusão: todos os artigos que continham a expressão (ou as expressões) sobre formação de professor no título, resumo ou palavra-chave, e os que abordassem o tema da formação de professores no corpo do artigo; 3 Trata-se de um encontro científico que faz parte da agenda do Observatório Nacional de Educação Especial, que é uma rede formada por pesquisadores, provenientes de diversos estados e instituições de ensino superior de todo o Brasil, que desenvolvem um estudo em rede nacional sobre as Salas de Recursos Multifuncionais nas escolas comuns, com coordenação nacional da Profª. Drª. Enicéia Gonçalves Mendes. 2404

3 2) Critérios de exclusão: todos os artigos que não usavam a pesquisa colaborativa e a técnica de grupo focal na metodologia, os que tratavam de populações específicas (tipos de deficiência) ou os que direcionavam a formação de professores para a utilização de recursos de apoio a escolarização (tecnologia assistiva e comunicação alternativa). Após seguir os aspectos supracitados, o procedimento de análise dos artigos consistiu em realizar a leitura completa dos textos e registrar os dados obtidos em um protocolo de análise, o qual foi elaborado para este fim de pesquisa. Em seguida, estes resultados foram tratados por meio da análise de conteúdo, especificadamente a temática (BARDIN, 2011). RESULTADOS E DISCUSSÃO Após a análise dos 56 artigos publicados no III EONEESP, verificou-se que 26 deles atendiam aos parâmetros previamente estabelecidos e, por isso, constituem o corpus de análise desta pesquisa. Convém reiterar que por não se enquadrar nos critérios, as demais produções não compuseram esta investigação científica. Dos 25 artigos publicados sobre formação de professores no III EONEESP, pode-se verificar que uma parte expressiva concentrava-se nas regiões do Sudeste e do Nordeste brasileiro, com 10 e 08 produções, respectivamente. Convém ainda pontuar que a Universidade Federal de Alagoas, a Universidade Federal de Goiás e a Universidade Federal do Rio de Janeiro obtiveram os maiores índices de produções cientificas sobre a temática em questão. Tabela 1. Identificação da produção científica por instituição de ensino superior e por região brasileira. Região do Produção por Total por Instituição de Ensino Superior (IES) Brasil IES região Norte Universidade do Estado do Pará 1 Universidade Federal de Rondônia 1 2 Universidade Federal de Alagoas 3 Universidade Federal da Bahia 1 Nordeste Universidade Federal Recôncavo da Bahia 1 Universidade Federal do Ceará 1 8 Universidade Estadual de Feira de Santana 1 Universidade Federal de Sergipe 1 Centro-Oeste Universidade Federal de Goiás 3 Universidade Federal da Grande Dourados 1 4 Universidade Federal do Espírito Santo 2 Sudeste Universidade Estadual Paulista Júlio de 1 10 Mesquita Filho Campus Araraquara Universidade Estadual Paulista Júlio de

4 Mesquita Filho Campus Bauru Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro 1 Universidade Federal do Rio de Janeiro 3 * Universidade Federal Fluminense Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro Universidade Federal de São Carlos 1 Universidade do Estado do Rio de Janeiro 1 Sul Universidade Estadual de Santa Catarina 1 Universidade do Vale do Itajaí 1 2 Ao analisar o teor desses artigos que trataram sobre a formação de professores, nota-se que, de uma maneira geral, a produção científica apresenta uma continência de criticidade, isto é, os(as) pesquisadores(as) fundamentaram-se na literatura científica da área da Educação Especial e de outras áreas afins, assumindo-se como autores(as) com posicionamentos ideológicos próprios. Esta assertiva corrobora com a compreensão de Hayashi (2011, p. 08), que ao analisar a produção científica do campo da Educação Especial, concluiu que a qualidade do conhecimento produzido em educação especial em relação à criticidade, ao posicionamento assumido pelos autores, aos procedimentos metodológicos adotados e à efetividade dos resultados pode ser considerada de bom nível. Outro aspecto que merece destaque diz respeito à concepção de deficiência assumida pelos autores(as) das pesquisas, que adotaram em sua totalidade o modelo psico-educacional. De acordo com Enumo (1985) o modelo psico-educacional fundamenta-se em teorias psicológicas de aprendizagem e de desenvolvimento humano na sua relação com o processo de ensino-aprendizagem, de avaliação e de outros aspectos didático-pedagógicos do ensino especial propriamente dito. Esta informação é relevante, pois por muito tempo o modelo médico de deficiência predominou na sociedade e estabelecia que todo o atendimento às pessoas com deficiência, mesmo quando envolvia a área educacional, deveria ser estabelecido pelo viés terapêutico (GLAT et al, 2006). Pode-se também perceber nessas produções do III EONEESP que os(as) autores(as) utilizaram referenciais teóricos divergentes para fundamentar sua compreensão sobre a área da Educação, da Educação Especial e da Formação de Professores. Entretanto, esta informação não é válida para os referenciais metodológicos, uma vez que se verificou similaridade na literatura utilizada para fundamentar o desenho metodológico. Para se ter uma ideia precisa desta situação, disponibilizamos a seguir um quadro dos referenciais teóricos e metodológicos utilizados com maior frequência nos artigos. * A Universidade Federal do Rio do Janeiro desenvolveu 2 artigos em parceria com a Universidade Federal Fluminense e 1 com a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Por esta razão, a soma de artigos da região sudeste é menor que a do número de artigos por IES. 2406

5 Quadro 1. Relação dos Referencias Teóricos e metodológicos. Região Referencial Teórico Referencial Metodológico Norte Mendes (2010) Milanese (2012) Gatti (2005) Ibiapina e Ferreira (2005) Ibiapina (2008) Nordeste Barros (2010) Cadau (1996) Terra e Gomes (2013) Centro-Oeste Mendes (2010) Valadão (2010) Garcia (2006) Sudeste Gonçalves (2010) Prieto (2008) Sul Ball e Mainardes (2011 Kuhnen (2011) Luria (1986) Machado (2009) Mainardes (2006) Mendes (2010) Pletsch (2010) Vigotsky (2008) Barbour (2009): Flick (2009) Gatti (2005) Ibiapina (2008) Ibiapina (2008) Ibiapina (2008) Powell e Single (1996) Barbour (2009) Franco (2005) Gatti (2005) Como se pode averiguar, as literaturas científicas mais citadas nas regiões brasileiras referem-se à de Ibiapina (2008) e Mendes (2010). De um modo específico, a primeira obra foi utilizada para fundamentar o método da pesquisa colaborativa, procedimento este que era critério de inclusão para seleção dos artigos do III EONEESP. Em relação à obra de Mendes (2010), constatamos que a mesma foi aproveitada para discutir a má administração política de inclusão escolar nacional, as poucas e insuficientes oportunidades de formação docente para atuar numa perspectiva da inclusão escolar, além da sobrecarga de atribuições que é delegada ao professor de atendimento educacional especializado pelas orientações legais do Ministério da Educação. Essas temáticas discutidas por Mendes (2010) são consonantes aos resultados alcançados com as pesquisas do III EONEESP, as quais apontam dados semelhantes em âmbito nacional e que, de certo modo, desperta a preocupação dos(as) pesquisadores(as) envolvidos(as) com esta temática de estudo por ver a precariedade da formação docente que atua no serviço de AEE, a incerteza quanto ao profissional apto para o designo da função de professor do AEE, a inexpressiva contribuição dos cursos de formação continuada, sobretudo aqueles financiados pelas Secretarias de Educação e pelo Ministério da Educação. 2407

6 Quanto à fragilidade na formação docente, os estudos do III EONEESP indicam que mesmo quando os professores atendem aos critérios mínimos exigidos para atuar no AEE, estes ainda não possuem formação adequada para atender a complexidade das demandas de um professor polivalente, que atue nos diferentes níveis de ensino, que saiba utilizar diferentes recursos de tecnologia assistiva (TA) e que atenda as diferentes necessidades educacionais dos educandos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades superdotação. Para ratificar esta informação apresentamos os excertos a seguir: A formação inicial dessas professoras é de ensino superior, divididas entre os cursos de Pedagogia Licenciatura, Educação Física, e Letras Português/Espanhol, sendo que a maior parte era em Pedagogia (75%). [...] Outra questão apontada unanimemente pelos professores foi o fato de não se sentirem aptos para oferecer o AEE em sala de recursos para alunos de qualquer nível, como também, para qualquer tipo de aluno (diversas deficiências) (ANJOS; CARVALHO, 2013, p. 12). Aponta-se a dificuldade em garantir a formação de um professor polivalente, com conhecimentos sobre todas as necessidades educacionais especiais e os diferentes níveis de educação, e a estrutura física para o funcionamento dessas salas, o desconhecimento dos recursos de TA e as condições e a valorização do trabalho das professares (TARTUCI et al, 2013, p. 01). A formação inicial foi uma questão problematizada pelas professoras, segundo elas as licenciaturas e mesmo o curso de pedagogia não ofereceram subsídios teórico-metodológicos para auxiliá-las no trabalho dos alunos com necessidades educacionais especiais (SILVA; TARTUCI, 2013, p. 07). Como se pode observar, as delegações do professor de AEE são inúmeras e estes não estão conseguindo atendê-las, até porque durante a formação inicial eles não obtiveram conhecimentos tão amplos e diversificados que pudessem sustentar com efetividade a prática profissional do atendimento educacional especializado. Muito pelo contrário, o que se verifica é que no decorrer dos cursos de graduação não há a oferta por parte das instituições de ensino superiores brasileiras de saberes relativos ao processo educativo de pessoas com deficiência, mesmo quando esta oferta é prioritária e recomendada pela Portaria 1793/1994 para os cursos de Pedagogia, Psicologia e em todas as licenciaturas (CHACON, 2004). Cabe destacar, que as Secretarias de Educação e o Ministério da Educação têm procurado resolver essa problemática da formação docente e o procedimento utilizado, em maior escala, tem sido o da formação continuada, oferecida nas modalidades presencial e à distância (BRASIL, 2011). Porém, os resultados dessas formações têm causado poucas mudanças na prática pedagógica do professor, pois se encontram longe e em desarticulação com a real necessidade profissional e cotidiana do serviço de atendimento educacional especializado, é o que mostra as pesquisas de Anjos e Carvalho (2013), Barbosa, Mercado e Fumes (2013), Damasceno, Pereira, e Andrade (2013), Fumes et al (2013), Milanese (2013), Oliveira (2013), Rabelo et al (2013), Santos et al (2013) Silva e Pereira (2013), Silva, Santos e Fumes (2013), Silva e Tartuci (2013), Tartuci et al (2013). 2408

7 Na tentativa de melhorar essa condição da formação continuada, determinados autores(as) sugerem modificações na organização e na execução desses cursos, conforme se pode observar nos fragmentos seguintes: As professoras participantes consideravam que as ações de formação continuada, oferecidas pelas Secretarias de Educação (do seu Estado e do seu Município) deveriam ter um caráter mais prático, com discussões pautadas em estudos de casos, pesquisa de campo e com a valorização da atividade profissional como momento de (re)construção (SILVA; SANTOS; FUMES, 2013, p. 08). Sobre a formação continuada relacionada à preparação para atender a todos os alunos que são encaminhados à SRM, houve uma inquietação diante da questão e unanimemente concordaram que não estão preparados para lidar com a complexidade das demandas apresentadas pelos estudantes. A necessidade de uma formação continuada partindo de estudos de casos com outros colegas que também fazem AEE, ou seja, a formação continuada perpassando pela auto-formação foi também um ponto comentado (SANTOS et al, 2013, p. 07) Além disso, os processos de formação continuada têm que considerar as diferentes etapas do desenvolvimento profissional, pois as necessidades e desafios do professor, que está iniciando sua carreira docente, não são iguais às do professor que já está na prática em sala de aula e também não são iguais às do professor que já está se encaminhando para o final de carreira docente (ANJOS; CARVALHO, 2013, p. 11). Nota-se nesses recortes supracitados que a formação continuada deverá estar atenta às diferentes etapas do desenvolvimento profissional, direcionada para situações práticas e que possibilite um espaço favorável para o diálogo sobre as práticas e experiências pedagógicas com outros professores que atuam no AEE, oportunizando assim um ambiente propício para a colaboração entre pares. CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao analisar a formação de professores de salas de recursos multifuncionais a partir das publicações do III EONEESP, pôde-se compreender que a literatura científica nacional demonstra um cenário de preocupação pelo despreparo docente que atua no serviço de atendimento educacional especializado e pela inexpressiva contribuição dos cursos de formação continuada para minimizar esta condição. Ademais, os resultados permitem concluir que se deve haver uma mudança na Política de Atendimento educacional Especializado que atribui ao professor, personagem responsável pela execução desse serviço, inúmeras e impossíveis atribuições pedagógicas. Todavia, isso não invalida a urgente necessidade de uma reestruturação nos modelos de formação continuada no atendimento do público-alvo da Educação Especial e de uma reflexão quanto ao profissional que deve atuar no desígnio desse serviço especializado, já que as pesquisas apontam, na opinião dos próprios docentes, que os cursos de licenciaturas não estão conseguindo atender com efetividade as demandas que são exigidas pela prática profissional do atendimento educacional especializado. 2409

8 REFERÊNCIAS ANJOS, I. R. S.; CARVALHO, T. S. S. Observatório de educação especial em Sergipe. In: III ENCONTRO DO OBSERVATÓRIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL. São Paulo: UFSCar/USP, BALL, S.J. MAINARDES. J. Políticas Educacionais: Questões e dilemas. São Paulo: Cortez, BARBOSA, F. T. Introdução a revisão sistemática: a pesquisa do Futuro. 1. ed. Maceió: Fabiano, BARBOSA, M. O.Ç MERCADO, E. L. O.; FUMES, N. L. F. Formação continuada ofertada pelo lócus da pesquisa: inquietações da relação teoria e prática. In: III ENCONTRO DO OBSERVATÓRIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL. São Paulo: UFSCar/USP, BARBOUR, R. Grupos focais. Porto Alegre: Artmed, BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, BARROS, J. L.V. A formação continuada de professores na perspectiva da educação inclusiva no município de Maceió f. Dissertação (Mestrado em Educação Brasileira), Centro de Educação, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, BRASIL. Ministério da Educação. Nota Técnica - SEESP/GAB/Nº 11/2010. Brasília: MEC, Ministério da Educação. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de Brasília: MEC, Ministério da Educação. Programa de Formação Continuada de Professores na Educação Especial - Modalidade a Distância. Brasília: MEC, 2011c. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=14188%3 programaformacao-continuada-de-professores-na-educacao-especial-modalidade distancia&catid=192%3aseesp-esducacao-especial&itemid=826>. Acesso em: 29 nov CANDAU, V. M. Formação continuada de professores: tendências atuais. In: CANDAU, V. M. (org) Magistério: construção cotidiana. Petrópolis: vozes, CAPELLINI,V. L. M. F; RODRIGUES, O. M. P. R. Concepções de professores acerca dos fatores que dificultam o processo da Educação Inclusiva. Educação (PUCRS. Impresso), v. 32, p ,

9 CHACON, M.C.M. Formação de Recursos Humanos em Educação Especial: resposta das universidades à recomendação da Portaria Ministerial n.º Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 10, n. 3, p , DAMASCENO, A. R. PEREIRA, A. S. ANDRADE, P. F. Formação docente: para quê? As experiências de professores de salas de recursos multifuncionais de Nova Iguaçu/RJ. In: III ENCONTRO DO OBSERVATÓRIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL. São Paulo: UFSCar/USP, 2013 ENUMO, S. A. A formação universitária em Educação Especial deficiência mental no Estado de São Paulo: suas características administrativas, curriculares e teóricas Dissertação (Mestrado em Educação Especial). Programa de Pós-Graduação em Educação Especial, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2009, p 405. FRANCO. M. L. P. B. Análise de Conteúdo. Brasília, 2ª edição; Líber Livros Editora, 2005 FUMES, N. L. F.; CALHEIROS, D. S.; MERCADO, E. L. O.; SILVA, F. K. R.; BARBOSA, M. O.; SANTOS, S. D. G. A implantação das salas de recursos multifuncionais no município de Maceió/Alagoas: sintetizando os resultados. In: III ENCONTRO DO OBSERVATÓRIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL. São Paulo: UFSCar/USP, GARCIA, R. M. C. Políticas para a educação especial e as formas organizativas do trabalho pedagógico. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v.12, n.3, p , GATTI, B. A. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Líber Livro, GLAT, R.; FERNANDES, E. M.; PONTES, M. L.; ORRICO, H. F. Educação e Saúde no atendimento integral e promoção da qualidade de vida de pessoas com deficiências. Linhas (UDESC), Florianópolis, v. 7, n.2, p. 1-18, GONÇALVES, A.F.S.G. Formação continuada em contexto: possibilidades de instituir novas práticas educacionais inclusivas e políticas educacionais no Estado do Espírito Santo. Relatório de estágio de Pós-Doutorado. Universidade Federal de São Carlos, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, HAYASHI, M C. P. I. Múltiplos olhares sobre a produção do conhecimento em educação especial. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 11, n. 32, p ,

10 IBIAPINA, I. M. L. M. Pesquisa colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimentos. Brasília: Líber Livro, IBIAPINA, I. M. L. M.; FERREIRA, M. S. A pesquisa colaborativa na perspectiva sóciohistórica. Revista Linguagens, Educação e Sociedade, Teresina, n. 2, p , KUHNEN, R. T. A organização da rede municipal de Ensino de Florianópolis para atender os sujeitos da Educação Especial na Educação Infantil. IN: VI SEMINÁRIO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL. Nova Almeida, LURIA, R. A. Pensamento e Linguagem: As últimas conferências de Luria. trad. [de] Diana Myrian Lichtenstein [e]mário Corso; supervisão de trad. De Sergio Spritzer-Porto Alegre: Artes Medicas, MACHADO, R. Educação especial na escola inclusiva: políticas, paradigmas e práticas. 1. ed. São Paulo: Cortez, MAINARDES, Jefferson. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educ. Soc., Campinas, v. 27, n. 94, abr., p , Disponível em: Acesso em: 19 set MENDES, E. G. A formação do Professor e a Política Nacional de Educação Especial no Brasil. In: CAIADO, K. R. M.; JESUS, D. M.; BAPTISTA, C. R.. (Org.). Professores e educação especial: formação em foco. Porto Alegre: Mediação, 2011, v. 2, p MENDES. E. G. Observatório Nacional de Educação Especial: estudo em rede nacional sobre as salas de recursos multifuncionais nas escolas comuns. Projeto de Pesquisa Observatório da Educação, edital Nº 38/2010 CAPES/INEP. Brasília, MILANESE, J. B. A organização e o funcionamento das salas de recursos multifuncionais em um município paulista f. Dissertação (Mestrado em Educação Especial). Programa de Pós-Graduação em Educação Especial, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, MILANESE, J. B. As salas de recursos multifuncionais em Rio Claro/SP. In: III ENCONTRO DO OBSERVATÓRIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL. São Paulo: UFSCar/USP, MONTEIRO, A. P. H. MANZINI. Mudanças nas concepções do professor do ensino fundamental em relação à inclusão após a entrada de alunos com deficiência em sua classe. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, vol.14 n.1, p ,

11 OLIVEIRA, T. C. B. O.; SANTOS, F. R.; COSTA, D. B.; SANTOS, E.; CONCEIÇÃO, M. B.; SILVA, N. S.; CAMPOS, T. S. Formação de professores para a inclusão escolar. In: III ENCONTRO DO OBSERVATÓRIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL. São Paulo: UFSCar/USP, PLETSCH, M. D. Repensando a inclusão escolar: diretrizes políticas, práticas curriculares e deficiência intelectual. 1ª. ed. Rio de Janeiro: Editora EDUR e Editora NAU, 2010 POWELL, R.A.; SINGLE, H.M. Focus groups. International Journal of Quality in Health Care, Oxford, vol. 8, n. 5, pp , PRIETO, R. G. Política de educação especial no Brasil: evolução das garantias legais. In. XI SEMINÁRIO CAPIXABA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Vitória: UFES, RABELO, L. C. C.; OLIVEIRA, I. A. Observatório de educação especial: a implantação, organização e funcionamento das salas de recursos multifuncionais em Marabá-PA. In: III ENCONTRO DO OBSERVATÓRIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL. São Paulo: UFSCar/USP, SANTOS, M. C.; SOUZA, L. R.; ALMEIDA, I. C. A. SOUZA, Z. F. J. O olhar sobre a formação de professores das salas de recursos multifuncionais (SRMs) no município de Feira de Santana. In: III ENCONTRO DO OBSERVATÓRIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL. São Paulo: UFSCar/USP, SANTOS, S. D. G. Autoconfrontação e o processo de inclusão: (re)vendo a atividade docente na educação superior f. Dissertação (Mestrado em Educação Brasileira), Centro de Educação, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, SILVA, A. M. C. S.; PEREIRA, R. M. F. As políticas públicas de educação especial e o processo civilizador. In: III ENCONTRO DO OBSERVATÓRIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL. São Paulo: UFSCar/USP, SILVA, F. K. R.; SANTOS, S. D. G.; FUMES, N. L. F. Concepção de formação continuada na perspectiva das professoras do AEE na cidade de Maceió-AL. In: III ENCONTRO DO OBSERVATÓRIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL. São Paulo: UFSCar/USP, SILVA, M. R. TARTUCI, D. Formação dos professores do atendimento educacional especializado do sudeste goiano. In: III ENCONTRO DO OBSERVATÓRIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL. São Paulo: UFSCar/USP, TARTUCI, D.; BERGAMASCHI, E. M. M.; FLORES, M. M. L. CARDOSO, C. R. Salas de recursos multifuncionais em Goiás: formação docente, organização do trabalho pedagógico e 2413

12 tecnologia assistiva. In: III ENCONTRO DO OBSERVATÓRIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL. São Paulo: UFSCar/USP, TERRA, R; GOMES, C. Inclusão Escolar: carências e desafios da formação e atuação profissional. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 26, n. 45, p , VALADÃO, T. G. Planejamento Educacional Individualizado na Educação Especial: Propostas oficiais da Itália, Estados Unidos, França e Alemanha Dissertação (Mestrado em Educação Especial). Programa de Pós-Graduação em Educação Especial, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, VIGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. Tradução: Jefferson Luiz Camargo; revisão técnica: José Cipolla Neto. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes,

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NAS REDES DE ENSINO DA BAIXADA FLUMINENSE: UM DIÁLOGO EM CONSTRUÇÃO

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NAS REDES DE ENSINO DA BAIXADA FLUMINENSE: UM DIÁLOGO EM CONSTRUÇÃO O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NAS REDES DE ENSINO DA BAIXADA FLUMINENSE: UM DIÁLOGO EM CONSTRUÇÃO MARIANA CORRÊA PITANGA DE OLIVEIRA pitanga.mariana@yahoo.com.br UFRRJ MÁRCIA DENISE PLETSCH marciadenisepletsch@gmail.com

Leia mais

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP Material das Palestras II Encontro MPSP e MEC Educação Inclusiva MARCOS LEGAIS CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Art. 208. O dever do Estado com a educação

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FORMAÇÃO DE PROFESSORES E O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: A REALIDADE DE RIO CLARO/SP

Leia mais

A Sala de Recurso Multifuncional na voz dos professores da Sala Comum

A Sala de Recurso Multifuncional na voz dos professores da Sala Comum A Sala de Recurso Multifuncional na voz dos professores da Sala Comum Prefeitura Municipal de Joinville 152.andreia@gmail.com Introdução e Fundamentação Teórica Nos últimos anos, as Salas de Recursos Multifuncionais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO AEE 2009/2010 I. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO -AEE SALAS MULTIFUNCIONAIS LEGISLAÇÃO Considerando o Decreto 6949/2009 que promulga a convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência, assegurando um

Leia mais

NOME DO CURSO: Atendimento Educacional Especializado na Perspectiva da Educação Inclusiva Nível: Especialização Modalidade: A distância

NOME DO CURSO: Atendimento Educacional Especializado na Perspectiva da Educação Inclusiva Nível: Especialização Modalidade: A distância NOME DO CURSO: Especializado na Perspectiva da Educação Inclusiva Nível: Especialização Modalidade: A distância Parte 1 Código / Área Temática Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Nível

Leia mais

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: DA POLITICA À PRATICA NA ESCOLARIZAÇÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: DA POLITICA À PRATICA NA ESCOLARIZAÇÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: DA POLITICA À PRATICA NA ESCOLARIZAÇÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS Tamara França de Almeida; Roberta Pires Corrêa; Márcia Denise Pletsch Universidade Federal Rural

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial

Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial DIRETRIZES OPERACIONAIS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL PARA O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NA EDUCAÇÃO BÁSICA O Ministério da Educação, por intermédio

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DE INCLUSÃO NO ENSINO SUPERIOR: IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA INCLUIR NA UFRRJ

A EXPERIÊNCIA DE INCLUSÃO NO ENSINO SUPERIOR: IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA INCLUIR NA UFRRJ A EXPERIÊNCIA DE INCLUSÃO NO ENSINO SUPERIOR: IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA INCLUIR NA UFRRJ SAIONARA PUSSENTE saionara.pussente@gmail.com UFRRJ/IM ÉRICA VLIESE ericavliese@hotmail.com UFRRJ/IM MARCIA PLETSCH

Leia mais

Especialização em Atendimento Educacional Especializado

Especialização em Atendimento Educacional Especializado Especialização em Atendimento Educacional Especializado 400 horas Escola Superior de Tecnologia e Educação de Rio Claro ASSER Rio Claro Objetivos do curso: De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases, especialmente

Leia mais

Data: 10/05/2013 Assunto: Orientação à atuação dos Centros de AEE, na perspectiva da educação inclusiva

Data: 10/05/2013 Assunto: Orientação à atuação dos Centros de AEE, na perspectiva da educação inclusiva MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Esplanada dos Ministérios, Bloco L, Anexo I, 4º andar, sala 412

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE SALA DE RECURSOS E A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM MATO GROSSO: CONTEXTO E PERCURSO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE SALA DE RECURSOS E A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM MATO GROSSO: CONTEXTO E PERCURSO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE SALA DE RECURSOS E A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM MATO GROSSO: CONTEXTO E PERCURSO SILVA, Sérgio Carlos da - SEDUC/MT- SMEC/V.Grande sergioscs@hotmail.com MONTEIRO, Filomena Maria de

Leia mais

SERVIÇOS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL EM GOIÁS: O QUE DIZEM AS DIRETRIZES POLÍTICAS DE INCLUSÃO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DE SEUS PROFESSORES

SERVIÇOS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL EM GOIÁS: O QUE DIZEM AS DIRETRIZES POLÍTICAS DE INCLUSÃO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DE SEUS PROFESSORES SERVIÇOS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL EM GOIÁS: O QUE DIZEM AS DIRETRIZES POLÍTICAS DE INCLUSÃO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DE SEUS PROFESSORES DULCÉRIA TARTUCI 1 CAMILA ROCHA CARDOSO 2 ADRIANA DE OLIVEIRA FREITAS 3

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Inclusão A concepção da inclusão educacional expressa o conceito

Leia mais

PRÁTICA PEDAGÓGICA NAS SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ENUNCIADOS DE PROFESSORES EM BLOGS

PRÁTICA PEDAGÓGICA NAS SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ENUNCIADOS DE PROFESSORES EM BLOGS 962 PRÁTICA PEDAGÓGICA NAS SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ENUNCIADOS DE PROFESSORES EM BLOGS Gabriela Alias Rios PPGEEs, UFSCar, bihalias@gmail.com Enicéia Gonçalves Mendes PPGEEs, UFSCar, egmendes@ufscar.br

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE:

EDUCAÇÃO ESPECIAL II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE: EDUCAÇÃO ESPECIAL I - META 4 DO PNE: Universalizar, para a população de 4 a 17 anos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, o acesso à educação básica

Leia mais

NOTA TÉCNICA SEESP/GAB/Nº 11/2010

NOTA TÉCNICA SEESP/GAB/Nº 11/2010 Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial Esplanada dos Ministérios, Bloco L 6º andar - Gabinete -CEP: 70047-900 Fone: (61) 2022 7635 FAX: (61) 2022 7667 NOTA TÉCNICA SEESP/GAB/Nº 11/2010

Leia mais

Política Nacional de Educação Especial, na perspectiva da Educação Inclusiva (2008)

Política Nacional de Educação Especial, na perspectiva da Educação Inclusiva (2008) Política Nacional de Educação Especial, na perspectiva da Educação Inclusiva (2008) Público-alvo da Educação Especial Alunos com: surdez deficiência física, intelectual cegueira, baixa visão, surdocegueira

Leia mais

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA REGIÃO SUDESTE, ÁREA 46 DA CAPES, SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA. Osmair Benedito da Silva (Departamento de Química, Universidade

Leia mais

Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.com.br

Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.com.br Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.com.br Ofício Nº 002/10 EXMA PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Sra. Clélia Brandão Alvarenga Craveiro Porto Alegre, 10 de março de 2010 O Conselho

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO Secretaria de Educação Especial/ MEC Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Objetivo Orientar os sistemas

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DOS CURSOS DE LICENCIATURAS NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DOS CURSOS DE LICENCIATURAS NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DOS CURSOS DE LICENCIATURAS NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA ANNIE GOMES REDIG: Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Eixo temático: Formação de professores em Educação

Leia mais

Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais

Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais Fonte: MEC/SEE - Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva O que é a Educação

Leia mais

ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL

ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL 1003 ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL Cristina Angélica Aquino de Carvalho Mascaro Carla Fernanda Siqueira Vanessa Cabral Amanda Carlou Andrade Santos Fundação

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Convenção Sobre os Direitos it das Pessoas com Deficiência(ONU

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Constituição Federal/88 Artigo 208, III - atendimento preferencialmente

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE APOIO À INCLUSÃO EM GOIÁS: UMA ANÁLISE DA LEGISLAÇÃO

A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE APOIO À INCLUSÃO EM GOIÁS: UMA ANÁLISE DA LEGISLAÇÃO A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE APOIO À INCLUSÃO EM GOIÁS: UMA ANÁLISE DA LEGISLAÇÃO DULCÉRIA TARTUCI 1 MÁRCIA RODRIGUES DA SILVA 2 ADRIANA

Leia mais

VIII ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Londrina de 05 a 07 novembro de 2013 - ISSN 2175-960X

VIII ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Londrina de 05 a 07 novembro de 2013 - ISSN 2175-960X A INCLUSÃO DA CRIANÇA PÚBLICO-ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL E OS SERVIÇOS DE APOIO: ASPECTOS SOBRE AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA PROMOVER A SUA APRENDIZAGEM E GARANTIR A SUA INFÂNCIA. INTRODUÇÃO

Leia mais

Redes de apoio para inclusão escolar: caminhos de um Núcleo de Estudos na Fundação de Apoio à Escola Técnica

Redes de apoio para inclusão escolar: caminhos de um Núcleo de Estudos na Fundação de Apoio à Escola Técnica Redes de apoio para inclusão escolar: caminhos de um Núcleo de Estudos na Fundação de Apoio à Escola Técnica Cristina Angélica Aquino de Carvalho Mascaro 1 Lívia Vitorino da Rocha 2 Cássia Amaral 3 Elizabeth

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PENA, Fernanda Santos, UFU 1 SAMPAIO, Adriany de Ávila Melo, UFU 2 Resumo: O presente trabalho apresenta o projeto de pesquisa

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS EM SÃO BERNARDO DO CAMPO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS EM SÃO BERNARDO DO CAMPO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS EM SÃO BERNARDO DO CAMPO Elaine Cristina Paixão da Silva (USP) Cássia Geciauskas Sofiato (USP) Palavras- chave: Atendimento

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES Rodrigo Barretto Vila 1 Aline Cezário Coutinho 2 Cristiane Tenuta Cabral

Leia mais

O PAPEL DA TECNOLOGIA ASSISTIVA NO ENSINO SUPERIOR: UM OLHAR ÀS POSSIBILIDADES E DIFICULDADES

O PAPEL DA TECNOLOGIA ASSISTIVA NO ENSINO SUPERIOR: UM OLHAR ÀS POSSIBILIDADES E DIFICULDADES O PAPEL DA TECNOLOGIA ASSISTIVA NO ENSINO SUPERIOR: UM OLHAR ÀS POSSIBILIDADES E DIFICULDADES ANDREZA APARECIDA POLIA 1 MARIA DA CONCEIÇÃO NARKHIRA PEREIRA 2 LEILANE BENTO DE ARAÚJO MENESES 3 KARL MARX

Leia mais

Educação Especial. 5. O que é a Sala de Recursos Multifuncionais?

Educação Especial. 5. O que é a Sala de Recursos Multifuncionais? Educação Especial 1. Qual a definição de pessoa com deficiência? De acordo com a ONU, pessoa com deficiência é aquela que tem impedimentos de natureza física, intelectual ou sensorial, os quais, em interação

Leia mais

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

ISSN: 1981-3031 A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA EQUIPE TÉCNICA DA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL DA SEMED/ MACEIÓ/AL

ISSN: 1981-3031 A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA EQUIPE TÉCNICA DA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL DA SEMED/ MACEIÓ/AL A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA EQUIPE TÉCNICA DA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL DA SEMED/ MACEIÓ/AL Layana Ribeiro Araujo layanaribeiroaraujo@outlook.com Neiza de Lourdes Frederico Fumes neizaf@yahoo.com RESUMO

Leia mais

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade 1. Educação Especial: histórico, funcionamento e legislação Para suprir a demanda da Educação Especial e

Leia mais

DOCENTE INTERLOCUTOR DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DE UMA NOVA FUNÇÃO

DOCENTE INTERLOCUTOR DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DE UMA NOVA FUNÇÃO 1 DOCENTE INTERLOCUTOR DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DE UMA NOVA FUNÇÃO Mara Aparecida de Castilho Lopes 1 Ida Lichtig 2 Universidade de São Paulo - USP Resumo:

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE)

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) Aleksandra Debom Garcia 1 Fatima Gomes Nogueira Daguiel 2 Fernanda Pereira Santana Francisco 3 O atendimento educacional especializado foi criado para dar um

Leia mais

1 - EDUCAÇÃO PROPOSTAS APROVADAS

1 - EDUCAÇÃO PROPOSTAS APROVADAS 1 - EDUCAÇÃO PROPOSTAS APROVADAS 01) Ampliar e implantar nas universidades públicas e privadas o curso de graduação Letras Libras/ Língua Portuguesa, Curso de Pedagogia Bilíngue na perspectiva da educação

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS

DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS A Educação Especial da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis/SC visa garantir as condições de o aluno, com deficiência

Leia mais

A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL EM TEMPOS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL EM TEMPOS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL EM TEMPOS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MARIANA CORRÊA PITANGA DE OLIVEIRA pitanga.mariana@yahoo.com.br UFRRJ MÁRCIA DENISE PLETSCH marciadenisepletsch@gmail.com

Leia mais

Assunto: Orientações para a Organização de Centros de Atendimento Educacional Especializado

Assunto: Orientações para a Organização de Centros de Atendimento Educacional Especializado Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial Esplanada dos Ministérios, Bloco L 6º andar - Gabinete -CEP: 70047-900 Fone: (61) 2022 7635 FAX: (61) 2022 7667 NOTA TÉCNICA SEESP/GAB/Nº 9/2010 Data:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

BIDOCÊNCIA: INCLUSÃO OU EXCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS?

BIDOCÊNCIA: INCLUSÃO OU EXCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS? BIDOCÊNCIA: INCLUSÃO OU EXCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS? Resumo CUNHA, Cinara Marli da FURB cinarte@hotmail.com SIEBERT, Emanuele Cristina FURB artemanuele@ibest.com.br Área Temática: Diversidade

Leia mais

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA Autor - Juliana ALVES - IFTM 1 Coautor - Andriza ASSUNÇÃO IFTM 2 Coautor - Aparecida Maria VALLE IFTM 3 Coautor - Carla Alessandra NASCIMENTO

Leia mais

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais.

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais. 4CCHLADAVPEX01 O ENSINO DE ARTES VISUAIS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALHANDRA: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL Cláudia Oliveira de Jesus (1); Adeílson França (1);

Leia mais

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Atendimento Educacional Especializado (AEE) O Atendimento Educacional Especializado (AEE) é um serviço da Educação Especial que organiza atividades, recursos pedagógicos

Leia mais

20 EDUCAÇÃO ESPECIAL

20 EDUCAÇÃO ESPECIAL EDUCAÇÃO ESPECIAL 20 21 EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA INCLUSIVA A Educação Especial, de acordo com a legislação brasileira, é uma modalidade de ensino transversal, que perpassa todos os níveis de ensino

Leia mais

Atendimento Educacional Especializado - AEE

Atendimento Educacional Especializado - AEE Atendimento Educacional Especializado - AEE Segundo o texto da Política de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC; 01/2008 Educação Especial É uma modalidade de ensino que perpassa todos

Leia mais

II Jornadas Internacionales Sociedades Contemporáneas, Subjetividad y Educación. 9, 10 y 11 de abril de 2014 ISBN 978-987-3617-11-9

II Jornadas Internacionales Sociedades Contemporáneas, Subjetividad y Educación. 9, 10 y 11 de abril de 2014 ISBN 978-987-3617-11-9 A PERCEPÇÃO DO GESTOR SOBRE OS PROFISSIONAIS DAS SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS DOURADOS/MS. PERCEPCIÓN DEL GESTOR DE LOS PROFESIONALES DE LAS CLASES RECURSOS MULTIFUNCIONALES EN DOURADOS/MS. Autores:

Leia mais

13. EDUCAÇÃO ESPECIAL

13. EDUCAÇÃO ESPECIAL 13. EDUCAÇÃO ESPECIAL 13.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL 13.1.1 Objetivos gerais. Política de integração da educação especial na educação infantil, no ensino fundamental e no ensino médio A educação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOCOCA ESTADO DE SÃO PAULO Departamento de Educação

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOCOCA ESTADO DE SÃO PAULO Departamento de Educação RESOLUÇÃO Nº 001, de 10 de setembro de 2012 do Departamento de Educação da Prefeitura Municipal de Mococa. Regulamenta a inclusão de alunos especiais nas classes regulares da Rede Municipal de Ensino de

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL RESOLUÇÃO CME/THE N 003 de 15 de abril 2010 Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Municipal de Ensino de Teresina e revoga a Resolução CME/THE Nº 003, de 06 de abril de 2006.

Leia mais

O CENTRO DE PROMOÇÃO PARA A INCLUSÃO DIGITAL, ESCOLAR E SOCIAL DE ESTUDANTES PÚBLICO-ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

O CENTRO DE PROMOÇÃO PARA A INCLUSÃO DIGITAL, ESCOLAR E SOCIAL DE ESTUDANTES PÚBLICO-ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL 1056 O CENTRO DE PROMOÇÃO PARA A INCLUSÃO DIGITAL, ESCOLAR E SOCIAL DE ESTUDANTES PÚBLICO-ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Ana Mayra Samuel Silva 1, José Eduardo de Oliveira Evangelista Lanuti 2, Ana Virginia

Leia mais

Atendimento Educacional Especializado AEE. Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC (2008)

Atendimento Educacional Especializado AEE. Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC (2008) Atendimento Educacional Especializado AEE Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC (2008) Conceito O Atendimento Educacional Especializado - AEE É um serviço

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ANÁLISES DE UM PROCESSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM UM CURSO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NA MODALIDADE

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO GOVERNO LULA: APROXIMAÇÕES INICIAIS Ana Paula Lima Barbosa Cardoso UECE Agência Financiadora: CAPES

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO GOVERNO LULA: APROXIMAÇÕES INICIAIS Ana Paula Lima Barbosa Cardoso UECE Agência Financiadora: CAPES POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO GOVERNO LULA: APROXIMAÇÕES INICIAIS Ana Paula Lima Barbosa Cardoso UECE Agência Financiadora: CAPES O presente texto apresenta resultados parciais de uma dissertação

Leia mais

FORMAÇÃO DO PROFESSOR ESPECIALISTA PARA ATUAR NAS REDES DE APOIO: UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

FORMAÇÃO DO PROFESSOR ESPECIALISTA PARA ATUAR NAS REDES DE APOIO: UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO INCLUSIVA FORMAÇÃO DO PROFESSOR ESPECIALISTA PARA ATUAR NAS REDES DE APOIO: UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO INCLUSIVA Annie Gomes Redig Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ. E-mail: annieredig@yahoo.com.br RESUMO:

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Andréa Tonini José Luiz Padilha Damilano Vera Lucia Marostega Universidade Federal de Santa Maria RS RESUMO A UFSM vem ofertando Cursos de Formação

Leia mais

NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE

NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE PEDAGÓGICO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA, TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO E ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO VANESSA PINHEIRO profvanessapinheiro@gmail.com

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 436/2012

RESOLUÇÃO Nº 436/2012 RESOLUÇÃO Nº 436/2012 Fixa normas para a Educação Especial e para o Atendimento Educacional Especializado AEE - dos alunos com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento TGD, Altas Habilidades/Superdotação

Leia mais

ANÁLISE DA POLÍTICA DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL POR INTERMÉDIO DOS SERVIÇOS: O VELHO TRAVESTIDO DE NOVO?

ANÁLISE DA POLÍTICA DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL POR INTERMÉDIO DOS SERVIÇOS: O VELHO TRAVESTIDO DE NOVO? Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Educação Congresso da Educação Básica COEB - 2013 ANÁLISE DA POLÍTICA DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL POR INTERMÉDIO DOS

Leia mais

Palavras chave: Formação de Professores, Tecnologias Assistivas, Deficiência.

Palavras chave: Formação de Professores, Tecnologias Assistivas, Deficiência. FORMAÇÃO CONTINUADA ONLINE DE PROFESSORES PARA ATUAÇÃO COM ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIAS Gislaine Coimbra Budel PUC PR Elaine Cristina Nascimento PUC PR Agência Financiadora: CAPES Resumo Este artigo apresenta

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

A INCLUSÃO EDUCACIONAL DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A INCLUSÃO EDUCACIONAL DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A INCLUSÃO EDUCACIONAL DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo Ana Flávia Hansel 1 - UNICENTRO Angélica Gonçalves 2 - UNICENTRO Grupo de Trabalho Educação da Infância

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A INSERÇÃO DA DISCIPLINA LIBRAS NA FORMAÇÃO INICIAL DO PEDAGOGO Gabriela Geovana Pinho, Claudia

Leia mais

TECNOLOGIAS DIGITAIS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO E O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA PESSOAS COM PARALISIA CEREBRAL

TECNOLOGIAS DIGITAIS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO E O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA PESSOAS COM PARALISIA CEREBRAL 1316 TECNOLOGIAS DIGITAIS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO E O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA PESSOAS COM PARALISIA CEREBRAL Denner Dias Barros 1, Danielle Aparecida do Nascimento Santos 2, Ana Mayra Samuel Silva

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

4º.Fórum Nacional Extraordinário UNDIME

4º.Fórum Nacional Extraordinário UNDIME 4º.Fórum Nacional Extraordinário UNDIME Mata de São João Bahia 02 de setembro de 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Diretoria

Leia mais

AS RELAÇÕES DO PROFESSOR DE SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS PRÉ-ESCOLAR: A ESCOLA, O PROFESSOR DA CLASSE COMUM E AS INSTITUIÇÕES ESPECIALIZADAS.

AS RELAÇÕES DO PROFESSOR DE SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS PRÉ-ESCOLAR: A ESCOLA, O PROFESSOR DA CLASSE COMUM E AS INSTITUIÇÕES ESPECIALIZADAS. AS RELAÇÕES DO PROFESSOR DE SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS PRÉ-ESCOLAR: A ESCOLA, O PROFESSOR DA CLASSE COMUM E AS INSTITUIÇÕES ESPECIALIZADAS. ROBERTA KAROLINE GONÇALVES RODRIGUES 1 ; FABIANA CIA (Licenciatura

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Nota Técnica: Política Nacional de Educação Especial Com objetivo de esclarecer sobre a elaboração da nova Política Nacional de Educação Especial,

Leia mais

Dra. Cristina Maria Carvalho Delou Psicóloga Coordenadora do PAAAH/SD

Dra. Cristina Maria Carvalho Delou Psicóloga Coordenadora do PAAAH/SD Dra. Cristina Maria Carvalho Delou Psicóloga Coordenadora do PAAAH/SD 1992 PROJETO NÃO-FORMAL oferecia apenas orientação psicopedagógica gratuita para alunos com AH/SD, com base na Lei 4119/62, Art. 13

Leia mais

Resolução 048/Reitoria/Univates Lajeado, 02 de maio de 2012

Resolução 048/Reitoria/Univates Lajeado, 02 de maio de 2012 Resolução 048/Reitoria/Univates Lajeado, 02 de maio de 2012 Aprova a Política de Inclusão de Discentes com Necessidades Educacionais Especiais do Centro Universitário UNIVATES O Reitor do Centro Universitário

Leia mais

Educar na diversidade do MEC - Um projeto em dois Municípios do Brasil

Educar na diversidade do MEC - Um projeto em dois Municípios do Brasil Educar na diversidade do MEC - Um projeto em dois Municípios do Brasil Windyz B. Ferreira, Mércia Chavier e Alessandra Mendes Neste artigo apresentam-se experiências desenvolvidas por dois municípios brasileiros

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

O TRABALHO PEDAGÓGICO NUMA PERSPECTIVA INCLUSIVA: A IMPLANTAÇÃO DAS SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS

O TRABALHO PEDAGÓGICO NUMA PERSPECTIVA INCLUSIVA: A IMPLANTAÇÃO DAS SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS O TRABALHO PEDAGÓGICO NUMA PERSPECTIVA INCLUSIVA: A IMPLANTAÇÃO DAS SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS Maria Emanoele Desidério Diógenes Discente do Curso de Pedagogia. Universidade do Estado do Rio Grande

Leia mais

POLÍTICA PÚBLICA E A PRÁTICA NO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NA EDUCAÇÃO MUNICIPAL DE MANAUS

POLÍTICA PÚBLICA E A PRÁTICA NO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NA EDUCAÇÃO MUNICIPAL DE MANAUS POLÍTICA PÚBLICA E A PRÁTICA NO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NA EDUCAÇÃO MUNICIPAL DE MANAUS Luzia Mara dos Santos - UFAM Maria Almerinda de Souza Matos - UFAM Agência Financiadora: CAPES Resumo:

Leia mais

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Aline Alcalá; Amanda Fernandes Dayrell; Danielle Martins Rezende; Gabriela Camacho; Renata Carmo-Oliveira O processo de inclusão de pessoas com necessidades

Leia mais

PERSPECTIVAS DE GESTORES SOBRE INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

PERSPECTIVAS DE GESTORES SOBRE INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PERSPECTIVAS DE GESTORES SOBRE INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Amanda Carlou Rosana Glat Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ Programa de Pós - Graduação em Educação PROPED Rio de Janeiro Eixo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Diretoria de Políticas de Educação Especial

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Diretoria de Políticas de Educação Especial MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Coordenação Geral de Políticas Pedagógicas de Educação Especial

Leia mais

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA PERSPECTIVA DOS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA PERSPECTIVA DOS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA PERSPECTIVA DOS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL Resumo MICHELS, Lísia Regina Ferreira 1 - UFFS Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA NA PERSPECTIVA DA REVISTA NOVA ESCOLA: O ESTADO DA ARTE

A EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA NA PERSPECTIVA DA REVISTA NOVA ESCOLA: O ESTADO DA ARTE A EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA NA PERSPECTIVA DA REVISTA NOVA ESCOLA: O ESTADO DA ARTE ANNIE GOMES REDIG 1 : Universidade do Estado do Rio de Janeiro THYENE DA SILVA BÜRKLE 2 : Universidade do Estado

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

VIII ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Londrina de 05 a 07 novembro de 2013 - ISSN 2175-960X

VIII ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Londrina de 05 a 07 novembro de 2013 - ISSN 2175-960X ESTUDO SOBRE AVALIAÇÃO PARA IDENTIFICAÇÃO DOS ALUNOS PÚBLICOS ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL DO MUNICÍPIO DE PETRÓPOLIS, NA PROPOSTA DAS SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS 1 ALEXANDRE, Nara Costa UERJ 2 BARROS,

Leia mais

Aprendendo o Braille: um exercício de cidadania

Aprendendo o Braille: um exercício de cidadania 1 Aprendendo o Braille: um exercício de cidadania Outubro/2006 Solange Cristina da Silva Universidade do Estado de Santa Catarina/UDESC- psolangesil@yahoo.com.br GT3 Elaboração de Material Didático Palavras-Chave:

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO E TECNOLOGIA ASSISTIVA: FORMAÇÃO DO PROFESSOR

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO E TECNOLOGIA ASSISTIVA: FORMAÇÃO DO PROFESSOR O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO E TECNOLOGIA ASSISTIVA: FORMAÇÃO DO PROFESSOR SHEILA VENANCIA DA SILVA VIEIRA sheilavenancia@gmail.com FAETEC/RJ RESUMO A formação dos professores para atuar numa

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA): RELATO DEE EXPERIÊNCIA

EDUCAÇÃO ESPECIAL NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA): RELATO DEE EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO ESPECIAL NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA): RELATO DEE EXPERIÊNCIA Resumo Julia Jost Beras 1 - UFSM César Augusto Robaina Filho 2 UFSM Grupo de Trabalho Diversidade e Inclusão

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA REGULAR: UM ESTUDO SOBRE A VISAO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

Art. 1º A presente Resolução dispõe sobre a educação especial na educação básica no Estado de Minas Gerais e dá outras providências.

Art. 1º A presente Resolução dispõe sobre a educação especial na educação básica no Estado de Minas Gerais e dá outras providências. RESOLUÇÃO CEE Nº 460, de 12 de dezembro de 2013 Consolida normas sobre a Educação Especial na Educação Básica, no Sistema Estadual de Ensino de Minas Gerais, e dá outras providências O Presidente do Conselho

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais