Gestão Ambiental POLÍTICA AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão Ambiental POLÍTICA AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL"

Transcrição

1 Gestão Ambiental A área de Sistema de Gestão Ambiental da Usinas Itamarati tem iniciativas voltadas para preservar e desenvolver a natureza do entorno onde a empresa está inserida. A Usinas Itamarati assume o papel de agente transformador, sendo parceira da comunidade e investindo para que os seus empregados e as comunidades vizinhas valorizem o meio ambiente e participem do movimento de preservação, com o objetivo de trazer qualidade de vida e benefícios econômicos, sociais e ambientais. É nacionalmente reconhecida por esta atuação. Vários são os projetos desenvolvidos ou apoiados com a finalidade de preservar a fauna, a flora e reduzir a emissão de partículas na atmosfera e o consumo de água. Pelas ações desenvolvidas recebeu diversas certificações nas áreas de qualidade e responsabilidade ambiental. A empresa se orgulha por construir seu nome com base na ética, na transparência e no respeito pelo ser humano e pelo meio ambiente. preservar o meio ambiente. As ações visam também minimizar o consumo de recursos naturais e a geração de resíduos, gerar e consumir fontes renováveis de energia, estimular projetos socioambientais e realizar treinamentos de educação ambiental. POLÍTICA AMBIENTAL A Usinas Itamarati, produtora de açúcar e etanol para os mercados nacional e internacional, e cogeradora de energia elétrica, entende que o respeito ao meio ambiente é um dos fatores fundamentais para garantir retorno adequado aos acionistas e manter a competitividade do negócio. Sendo assim, conduz suas ações com base nos seguintes princípios: - A UISA deve agir com transparência, integridade e responsabilidade quanto à observância das legislações, regulamentações e requisitos ambientais acordados com os clientes e a sociedade; - É responsabilidade de todos os empregados preservarem o meio ambiente; Flor nativa na represa São Lourenço, localizada na Fazenda Guanabara (Usinas Itamarati) SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL O Sistema de Gestão Ambiental da Usinas Itamarati tem como objetivos desenvolver nas pessoas a capacidade de proteger e melhorar o meio ambiente, buscar alternativas que eliminem ou minimizem qualquer impacto ambiental causado pelo seu processo produtivo, agrícola e industrial, e desenvolver ações internas, na região e no Estado do Mato Grosso. Para a empresa, as ações direcionadas ao meio ambiente têm como foco a transparência em relação às leis e regulamentações ambientais e o comprometimento dos empregados em - O desenvolvimento dos processos e produtos utilizados deve visar à melhoria contínua do seu desempenho ambiental; - A componente ambiental deve ser incorporada às etapas de planejamento, projetos, construção e operação de empreendimentos da empresa; - O consumo de recursos naturais e a geração de efluentes e resíduos devem ser minimizados; - A geração e o consumo de fontes renováveis de energia devem ser prioridades da empresa; [ 26 ] [ 27 ]

2 - Todos os empregados devem participar de treinamentos e de ações de Educação Ambiental no que se refere às atividades da empresa; - A UISA deve estimular projetos socioambientais envolvendo empregados, comunidades vizinhas e demais interessados, na busca de soluções participativas; - A responsabilidade ambiental deve ser uma preocupação constante em todos os níveis hierárquicos da empresa e de fornecedores. AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Certificação ISO Primeira empresa do setor sucroenergético matogrossense a obter a certificação ISO A certificação atesta que a empresa está em conformidade com os princípios de sua política ambiental e que o Sistema de Gestão Ambiental (SGA) está efetivamente implantado. Tendo como prioridade a manutenção e recuperação de áreas de preservação permanente e reserva legal, a empresa possui um viveiro onde produz mudas para a recuperação de áreas degradadas e para o desenvolvimento de projetos de educação ambiental nos municípios da região. A empresa desenvolve os projetos Pensamos Verde, que consiste na doação de mudas, e Muda Mundo, que estimula a comunidade local a reurbanizar as cidades, trocando garrafas pet por mudas nativas. O Descartável e Belo visa ao recolhimento de garrafas pet pela comunidade do Assari, que são posteriormente vendidas. O valor arrecadado nesta ação é revertido para a aquisição de material esportivo, artístico e de informática para a escola do distrito. O Viveiro Florestal da Usinas Itamarati produz mudas de diferentes espécies nativas e frutíferas O projeto Educação Ambiental, desenvolvido operações e atividades que geram impactos nas escolas, além de falar sobre a coleta seletiva significativos sobre o meio ambiente, reais ou de resíduos, trata também da economia da potenciais. água e energia elétrica. Visando ao incremento Com esse objetivo, a Usinas Itamarati possui um da ictiofauna, é realizada a soltura de alevinos procedimento próprio de avaliação da qualidade de diversas espécies nativas nos rios da nossa das águas subterrâneas e superficiais nas áreas região, uma ação do projeto Doce Peixe. fertirrigadas. Para as águas superficiais do Rio Angelim, Reutilização da água No processo curso de água responsável pelo abastecimento Maria Izabel Hakime Barcelos, do SGA, ministra palestra do Projeto Educação Ambiental nas Escolas Projeto Educação Ambiental nas Escolas industrial, a Usinas Itamarati implantou um sistema de reutilização da água que industrial, o monitoramento é feito antes dele atingir as áreas da Usinas Itamarati (montante) Carlos Lugli opera em circuito fechado, o que reduziu significativamente o consumo de água captada nos rios da região e o volume de resíduos líquidos gerados. e pouco antes de deixar as áreas próprias (jusante). O nitrato é a principal forma de nitrogênio associada à contaminação das águas pelas atividades agropecuárias. Os níveis de O projeto Pensamos Verde consiste na doação de mudas Projeto Doce Peixe. À direita, Luiz Carlos Machado Filho, do SGA Monitoramento da Qualidade da Água Monitoramento das águas superficiais e subterrâneas A Usinas Itamarati realiza monitoramentos e medições periódicas de suas nitrato das águas subterrâneas dos poços monitorados pela Usinas Itamarati encontramse extremamente abaixo do valor máximo permitido para águas subterrâneas e superficiais, segundo as legislações vigentes. [ 28 ] [ 29 ]

3 Rodrigo Petterson Efluentes Líquidos Para o acompanhamento da qualidade, são efetuadas coletas de amostras dos efluentes em sistemas de tratamento de esgoto, e separadores de água e óleo para a avaliação antes da disposição final. Monitoramento do Consumo de Recursos Naturais Na Usinas Itamarati, a sustentabilidade é uma meta permanente. Dessa forma, procuramos aliar o desenvolvimento econômico com a preservação do meio ambiente. Como exemplo, temos a eletrificação da atividade de fertirrigação, que utiliza a energia gerada a partir da queima do bagaço da cana (energia limpa). Essa melhoria promoveu uma diminuição significativa do consumo de diesel. A sistematização e a expansão da fertirrigação foi responsável, de 2005 a 2011, pela eliminação de 180 km de canais a céu aberto, liberando 144 ha para o cultivo da cana-de-açúcar. A área de Gestão ambiental estabeleceu procedimentos para o uso de recursos naturais. A partir da quantificação do consumo são estabelecidas metas de redução na utilização. Torta de filtro e cinzas sendo misturados para transformação em adubo orgânico, na Central de Compostagem A água, a energia elétrica e o combustível (diesel e etanol) são recursos naturais cujo consumo é monitorado pelas áreas da empresa. Monitoramento das Emissões Atmosféricas As caldeiras, equipamentos da unidade industrial, onde acontece a combustão do bagaço da cana para a cogeração Adubação Sólida A empresa transforma de bioenergia, são dotadas de lavadores e filtros os resíduos sólidos gerados no processo Rafael Manzutti de gases. O monitoramento das emissões atmosféricas das caldeiras e os parâmetros de materiais particulados (MP) e óxidos de nitrogênio (NOx) atendem à Resolução Conama 382, de 26 de dezembro de 2006, que estabelece os limites produtivo, como a torta de filtro e as cinzas, em adubo orgânico que é aplicado no plantio e na soqueira. Ele representa a destinação ambientalmente correta dos resíduos, além de reduzir a necessidade de adubação mineral nas áreas onde é aplicado. máximos de emissão de poluentes atmosféricos para fontes fixas. Monitoramento da Emissão de Ruídos Os ruídos produzidos pela empresa são Adubação Líquida A vinhaça é um dos resíduos da fabricação do etanol. A prática da fertirrigação substitui o uso de adubos monitorados e avaliados periodicamente para que não causem desconforto às comunidades do seu entorno. minerais como fonte de potássio, reduzindo consideravelmente os custos de adubação. Monitoramento de Pragas de Solo O plano diretor da empresa prevê a expansão Um aspecto importante na racionalização do da fertirrigação, contemplando a adequação uso de inseticidas é o monitoramento de pragas do sistema a uma moderna concepção, que de solo. Através do manejo da entomofauna, se caracteriza pela eliminação de todos os presente no solo, é possível realizar o plantio canais a céu aberto. Isso será possível graças à sem utilizar inseticidas. Isso gera economia e eletrificação e/ou à pressurização de adutoras contribui para a preservação dos agentes de fixas (enterradas) e portáteis, além da eliminação controle biológico de outras pragas da cana. A eletrificação da fertirrigação na Usinas Itamarati utiliza a geração de energia a partir da biomassa e/ou revestimento dos depósitos existentes. [ 30 ] [ 31 ]

4 Rafael Manzutti realiza auditorias externas e aproveita também para avaliar outros fatores considerados relevantes para um desempenho ambiental que venha ao encontro da Política Ambiental da Usinas Itamarati. Madeira Legal A Usinas Itamarati verifica a procedência da madeira utilizada na empresa, tanto para consumo in-natura como para a madeira utilizada em móveis e paletes, através da qualificação ambiental de seus fornecedores. Controle Biológico As duas principais pragas da cultura da cana-de-açúcar são a cigarrinha das raízes (Mahanarva fimbriolata) No Laboratório de Entomologia, a vespa Cotesia Flavipes é reproduzida a partir da inoculação da broca-da-cana, seu inimigo natural e a broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis). Para combatê-las, a Usinas Itamarati adota o controle biológico. Desta forma, a empresa garante o equilíbrio ambiental e a produção de cana de maneira sustentável e eficiente, além de reduzir os custos. Sistema de Gestão Ambiental e multiplicar as informações do SGA aos empregados e terceiros, foram criados os comitês Ambientais. As gerências se responsabilizam por definir os seus líderes ambientais, empregados capacitados para ministrar treinamentos e conduzir os Embalagens de Defensivos As embalagens de defensivos são submetidas à procedimentos relativos ao SGA em seus setores. Conservação do Solo Prática Adotada: Prática de Caráter Mecânico Como medidas para minimizar os impactos decorrentes das chuvas, que acarretam o escoamento superficial, são adotadas as práticas de caráter mecânico, como, por exemplo: da cultura de cana-de-açúcar, traduzindo-se em maior produtividade. Qualificação Ambiental de Fornecedores e Prestadores de Serviço Para qualificar-se como fornecedor da Itamarati ou prestador de serviços, estes têm tríplice lavagem no campo. A água resultante da lavagem é armazenada em tanques para reaproveitamento. Todas as embalagens são inutilizadas perfurando-se o fundo, e armazenadas em locais apropriados até sua devolução às centrais de recebimento licenciadas. Patrulhas Ambientais As patrulhas ambientais são compostas por empregados do Sistema de Gestão Ambiental e dos diversos setores da empresa. Verificam se as ferramentas e os procedimentos do SGA estão sendo implementados e mantidos nas suas respectivas áreas. - Terraço embutido: esta técnica representa o tipo de terraço mais resistente em relação à erosão, e está baseada na redução do volume e da velocidade da água por meio da presença de obstáculos físicos. - Subsolagem: consiste na destruição da camada compactada do solo, melhorando a infiltração da água, minimizando, com isso, os problemas da erosão. Esta prática gera um melhor desenvolvimento do sistema radicular que responder a um questionário da empresa, denominado Questionário de Avaliação Ambiental. Caso seja identificado, no desempenho das atividades, algum aspecto que possa causar risco de impacto ambiental, são orientados a atender aos requisitos ambientais exigidos pela empresa antes da contratação. Para avaliar os itens respondidos no questionário, o Sistema de Gestão Ambiental Programa Máquina Limpa Para evitar a poluição do meio ambiente e gerar economia quanto ao consumo de óleo, a empresa criou um sistema próprio para acompanhamento e controle de gotejamentos e vazamentos de óleo em máquinas móveis. Comitê Ambiental Para identificar impactos ambientais, assegurar a realização de procedimentos e controles definidos pelo Gestão de Mudanças Antes da implantação de novos projetos que envolvam mudanças de localização, construção e ampliação de áreas, o Sistema de Gestão Ambiental avalia potenciais impactos ambientais. De acordo com as situações identificadas, os responsáveis devem definir ações a serem tomadas para evitar a geração dos impactos ambientais identificados. [ 32 ] [ 33 ]

5 Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Sepotuba O comitê tem como objetivo desenvolver e implementar os instrumentos técnicos de gestão, harmonizando conflitos e promovendo a multiplicidade do uso da água. Também desenvolve ações para a recuperação e conservação do meio ambiente e dos recursos hídricos em uma determinada bacia hidrográfica. A Usinas Itamarati participa do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Sepotuba como membro titular, representando o setor de usuários de água. Corredor Ecológico Tem por objetivo unir os remanescentes florestais possibilitando o livre trânsito de animais e a dispersão de sementes das espécies vegetais. Coleta Seletiva Todos os setores da Usinas Itamarati realizam a coleta seletiva. Os resíduos recicláveis, não recicláveis e perigosos são separados pelos empregados conforme sua caracterização. Os resíduos perigosos são encaminhados aos fabricantes ou destinados para descontaminação ou incineração em empresas licenciadas. treinamentos ambientais Represa São Lourenço, na Fazenda Guanabara (Usinas Itamarati) [ 34 ] [ 35 ]

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROGRAMA Nº - 034 Recuperação Geológica de Áreas de Risco Contenção de Encostas SUB-FUNÇÃO: 543 RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADAS Identificar áreas de risco; desenvolver projetos

Leia mais

Manejo de bacias hidrográficas e gestão de recursos hídricos em empreendimentos florestais

Manejo de bacias hidrográficas e gestão de recursos hídricos em empreendimentos florestais Manejo de bacias hidrográficas e gestão de recursos hídricos em empreendimentos florestais II Encontro Brasileiro de Silvicultura Robson Laprovitera Gerente de Planejamento Florestal Campinas, Abril de

Leia mais

Construção do Alto-Forno 3. Uma nova Coqueria. Terceira Máquina de Lingotamento Contínuo. Um terceiro Convertedor. Geração de novos empregos

Construção do Alto-Forno 3. Uma nova Coqueria. Terceira Máquina de Lingotamento Contínuo. Um terceiro Convertedor. Geração de novos empregos Construção do Alto-Forno 3 Uma nova Coqueria Um terceiro Convertedor Terceira Máquina de Lingotamento Contínuo Geração de novos empregos A CST Companhia Siderúrgica de Tubarão implantará o seu processo

Leia mais

INDICADORES DE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL GTPS

INDICADORES DE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL GTPS INDICADORES DE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL GTPS CRITÉRIOS OBRIGATÓRIOS I. Da obrigatoriedade do registro de todos os trabalhadores conforme CLT b. Há uma declaração assinada sobre o tema (modelo GTPS)? II. Das

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE UMA ESCOLA TÉCNICA AGRÍCOLA POR MEIO DE INDICADORES

AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE UMA ESCOLA TÉCNICA AGRÍCOLA POR MEIO DE INDICADORES AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE UMA ESCOLA TÉCNICA AGRÍCOLA POR MEIO DE INDICADORES Rafael José Navas da Silva. CEETEPS ETEC. Prof. Edson Galvão Itapetininga/SP. Resumo O conceito de desenvolvimento sustentável

Leia mais

GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos. VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto

GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos. VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto SECRETÁRIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE Luciana Barbosa de

Leia mais

CAPÍTULO II DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS NATURAIS E DO SANEAMENTO SEÇÃO I DO MEIO AMBIENTE

CAPÍTULO II DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS NATURAIS E DO SANEAMENTO SEÇÃO I DO MEIO AMBIENTE CAPÍTULO II DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS NATURAIS E DO SANEAMENTO SEÇÃO I DO MEIO AMBIENTE ARTIGO 242 Todos tem direito ao meio ambiente saudável e ecologicamente equilibrado, impondo-se a todos, e em

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

VALEC POLÍTICA AMBIENTAL. Título: POLÍTICA AMBIENTAL Identificador: POL 5.03.01.16-001. Proponente: DIPLAN. Folha: 1 / 12.

VALEC POLÍTICA AMBIENTAL. Título: POLÍTICA AMBIENTAL Identificador: POL 5.03.01.16-001. Proponente: DIPLAN. Folha: 1 / 12. POL 5.3.1.16-1 1 / 12 POL 5.3.1.16-1 2 / 12 POL 5.3.1.16-1 3 / 12 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. DA VALEC S.A.... 6 3. OBJETIVOS PROPOSTOS E METAS PARA O PRIMEIRO ANO... 7 4. NORMAS AMBIENTAIS PROPOSTAS...

Leia mais

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de:

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de: ES MA 04 CANTEIROS DE OBRAS, INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS E EQUIPAMENTOS EM GERAL 1. Generalidades Esta Especificação estabelece os procedimentos a serem observados na instalação e na operação dos canteiros

Leia mais

Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido

Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido Fortaleza, 16 de Abril de 2013 1. CONCEITUAÇÃO As Ações de Convivência com o Semiárido são compostas por um conjunto de práticas alternativas definidas,

Leia mais

Construçõ. Linhas de Financiamento. Brasília/DF, 24 de junho de 2010.

Construçõ. Linhas de Financiamento. Brasília/DF, 24 de junho de 2010. Seminário Construçõ ções Sustentáveis Linhas de Financiamento Brasília/DF, 24 de junho de 2010. Grandes Números Banco do Brasil 202 anos de existência Base de Clientes 53,5 milhões Funcionários 103,9 mil

Leia mais

Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC)

Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC) Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC) ÍNDICE 1. Gestão da Propriedade...03 2. Gestão Ambiental...04 3. Material Propagativo (Sementes, mudas e estacas)...05 4. Localização e Implantação de Cafezais...06

Leia mais

Gestão da Qualidade e Meio Ambiente

Gestão da Qualidade e Meio Ambiente Com o objetivo de desenvolver a consciência ambiental em nossos fornecedores, visando a propagação e a prática da política ambiental da empresa e o atendimento aos requisitos do sistema de gestão ambiental,

Leia mais

PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP

PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP Fernanda Longhini Ferreira 1 O município de Santo André,

Leia mais

Sustentabilidade em energia e o concreto. Sonia Maria Capraro Alcântara, MSc

Sustentabilidade em energia e o concreto. Sonia Maria Capraro Alcântara, MSc Sustentabilidade em energia e o concreto Sonia Maria Capraro Alcântara, MSc RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL GRI IBASE Responsabilidade Social & Sustentabilidade Empresarial 1999 2001 a 2003 2006 AÇÃO

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade

Relatório de Sustentabilidade Relatório de Sustentabilidade 2012 [ 1 ] Palavra do Presidente Saulo Haruo Ohara Em 2012, o setor sucroenergético continuou a sentir a falta de políticas governamentais que propiciem segurança e confiança

Leia mais

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Indução de reflorestamento no Rio de Janeiro: Das compensações ambientais ao desafio olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Seminário Reflorestamento da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário

9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário 171 9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Com a finalidade de alcançar os objetivos e metas estabelecidas no PMSB de Rio Pardo sugerem-se algumas ações,

Leia mais

CONTROLE AMBIENTAL NO SETOR DE CELULOSE E PAPEL NEI R. LIMA COORDENADOR DA COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE

CONTROLE AMBIENTAL NO SETOR DE CELULOSE E PAPEL NEI R. LIMA COORDENADOR DA COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE CONTROLE AMBIENTAL NO SETOR DE CELULOSE E PAPEL NEI R. LIMA COORDENADOR DA COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE ABTCP Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel é uma instituição criada para dar apoio às empresas

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS RESOLUÇÃO/CEMAAM/Nº01/08 Estabelece normas e procedimentos para regularização ambiental de TANQUES, VIVEIROS, BARRAGENS, PEQUENOS RESERVATÓRIOS, CANAIS DE IGARAPÉS E TANQUES REDE DESTINADOS PARA A AQÜICULTURA

Leia mais

1.Instituto Oksigeno... 3 Missão... 4 Visão... 4 Valores... 4

1.Instituto Oksigeno... 3 Missão... 4 Visão... 4 Valores... 4 Sumário 1.Instituto Oksigeno... 3 Missão... 4 Visão... 4 Valores... 4 2. Apresentação... 5 3. Objetivo... 6 3.1 Objetivos específicos... 6 4. Justificativa... 6 5. Educação Ambiental... 7 6. Prezo de execução...

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

Financiamentos para o Agronegócio

Financiamentos para o Agronegócio Financiamentos para o Agronegócio Banco do Brasil Maior Parceiro do Agronegócio Carteira em Dez/2012 R$ 100 bilhões Banco do Brasil Sustentabilidade e Meio Ambiente Programa ABC Em Dezembro de 2012 R$

Leia mais

Legislação ambiental 1: uso regular

Legislação ambiental 1: uso regular Os testes tribológicos foram conduzidos em um equipamento específico para este tipo de análise, porque trabalha com pequenas quantidades de materiais (peça, ferramenta e fluído de corte). Tal equipamento

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras 2010 Declaração Nós, das Empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e

Leia mais

Rev Modificação Data Autor Validação. Especialidades: Coordenadores das Especialidades CREA UF Matrícula Valido

Rev Modificação Data Autor Validação. Especialidades: Coordenadores das Especialidades CREA UF Matrícula Valido Rev Modificação Data Autor Validação Especialidades: Coordenadores das Especialidades CREA UF Matrícula Valido Especialidades: Autores do Documento CREA / UF Matrícula valido Sítio GERAL Área do sítio

Leia mais

Aprenda como reduzir custos de seu posto implementando ações sustentáveis

Aprenda como reduzir custos de seu posto implementando ações sustentáveis Aprenda como reduzir custos de seu posto implementando ações sustentáveis Sustentabilidade Equilíbrio Satisfação das necessidades da sociedade Garantia da sobrevivência humana No uso dos Recursos Naturais

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Histórico 1989 - Plataforma Ambiental Mínima para Candidatos à Presidência 1990 - Plataforma Ambiental Mínima para os Candidatos ao Governo do Estado de São Paulo 1998 - Plataforma Ambiental Mínima para

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA POTÁVEL: REUSO DE ÁGUA PARA MINIMIZAR O DESPERDICIO EM VASOS SANITÁRIOS

REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA POTÁVEL: REUSO DE ÁGUA PARA MINIMIZAR O DESPERDICIO EM VASOS SANITÁRIOS REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA POTÁVEL: REUSO DE ÁGUA PARA MINIMIZAR O DESPERDICIO EM VASOS SANITÁRIOS (Fernanda Silva de Souza 1 ; Adriana da Silva Santos 2 ; Francisco Marto de Souza 3 ; Ellen Caroline Santos

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS A MADEIRA NA CONSTRUÇÃO Ementa: Introdução ao material madeira. Potencialidades da madeira e o seu emprego na construção civil. Valor ecológico-ambiental das madeiras no ciclo do carbono. Aplicação como

Leia mais

Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas

Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas Viação Garcia Ltda. Despoluir - Motores desligados para poupar o planeta Projeto iniciado em 2009, sem previsão de encerramento Categoria 03: Responsabilidade Sócio-ambiental

Leia mais

Uso de Carvão Vegetal nos Altos Fornos da ArcelorMittal Juiz de Fora Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL. ArcelorMittal Juiz de Fora Aços Longos

Uso de Carvão Vegetal nos Altos Fornos da ArcelorMittal Juiz de Fora Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL. ArcelorMittal Juiz de Fora Aços Longos Uso de Carvão Vegetal nos Altos Fornos da ArcelorMittal Juiz de Fora Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL ArcelorMittal Juiz de Fora Aços Longos Visão Global da ArcelorMittal A M Planos Longos Inox

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2/11 Sumário 1. Conceito... 3 2. Objetivo... 3 3. Áreas de aplicação... 3 4. Diretrizes... 4 4.1 Princípios... 4 4.2 Estratégia de e Responsabilidade

Leia mais

2.7. Informar se há reserva particular na propriedade com registro em órgão ambiental (IBAMA/IPAAM/Secretaria Municipal

2.7. Informar se há reserva particular na propriedade com registro em órgão ambiental (IBAMA/IPAAM/Secretaria Municipal TERMO DE REFERÊNCIA TR PARA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL (PCA) P/ A ATIVIDADE DE AQUICULTURA (Este TR aplica-se a empreendimentos desenvolvidos em viveiros escavados a partir de 10,00 ha) O Instituto de

Leia mais

ENERGIA TÉRMICA COM BIOMASSA, UM NEGÓCIO A TODO VAPOR

ENERGIA TÉRMICA COM BIOMASSA, UM NEGÓCIO A TODO VAPOR ESPAÇO DE PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE ENERGIA TÉRMICA COM BIOMASSA, UM NEGÓCIO A TODO VAPOR santander.com.br/sustentabilidade Como parte do esforço para conter as mudanças climáticas, as companhias deverão

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 9 DE JUNHO DE 2015 (PUBLICADA NO DOU Nº 108, EM 10 DE JUNHO DE 2015, SEÇÃO 1, PÁGINAS 39 e 40)

MINISTÉRIO DAS CIDADES. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 9 DE JUNHO DE 2015 (PUBLICADA NO DOU Nº 108, EM 10 DE JUNHO DE 2015, SEÇÃO 1, PÁGINAS 39 e 40) MINISTÉRIO DAS CIDADES INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 9 DE JUNHO DE 2015 (PUBLICADA NO DOU Nº 108, EM 10 DE JUNHO DE 2015, SEÇÃO 1, PÁGINAS 39 e 40) Regulamenta a Política Socioambiental do FGTS, no âmbito

Leia mais

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo

Leia mais

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente SÍNTESE JUINA Aperfeiçoar mecanismos controle ambiental Meio Ambiente Instalação de viveiros de distribuição de mudas para o reflorestamento e matas ciliares Ampliar aceso aos programas de crédito de Capacitar

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Casa de força de Belo / vista de montante para jusante. Situação atual

Leia mais

Rede Global Hospitais Verdes e Saudáveis: Promovendo a Sustentabilidade e a Saúde Ambiental

Rede Global Hospitais Verdes e Saudáveis: Promovendo a Sustentabilidade e a Saúde Ambiental SEMINÁRIO SAÚDE SEM MERCÚRIO Abril de 2013 Rede Global Hospitais Verdes e Saudáveis: Promovendo a Sustentabilidade e a Saúde Ambiental Vital Ribeiro Projeto Hospitais Saudáveis / Healthcare Without Harm

Leia mais

A Suzano e o Fomento na Bahia

A Suzano e o Fomento na Bahia A Suzano e o Fomento na Bahia Como é a atuação da Suzano na região? Fundada há 85 anos, a Suzano começou a produzir papel em 1940 e celulose em 1950 sempre abastecendo o mercado brasileiro e os de diversos

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Plano de Gestão de Impacto Ambiental (EIMP)

Plano de Gestão de Impacto Ambiental (EIMP) Plano de Gestão de Impacto Ambiental (EIMP) RESUMO DISPONÍVEL PARA CONSULTA PÚBLICA Elaborado por: 1 PLANO DE GESTÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - RESUMO 1. APRESENTAÇÃO O presente resumo do Plano de Gestão de

Leia mais

tecnologia Engenharia Agrícola y

tecnologia Engenharia Agrícola y tecnologia Engenharia Agrícola y Caetano Barreira / olhar imagem 64 z março DE 2015 A contribuição do campo Irrigação com água tratada de esgoto diminui a retirada dos mananciais e economiza fertilizantes

Leia mais

Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações.

Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. INTRODUÇÃO SUSTENTABILIDADE,

Leia mais

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural.

Leia mais

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Conceito de Tecnologia Social aplicada a Municípios Sustentáveis: "Compreende técnicas, metodologias e experiências

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010 CONCURSO MPOG 2010 ANALISTA DE INFRA-ESTRUTURA ÁREA I Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil Aula 1 de 4 Itens constantes do edital MPOG 2010 Conhecimentos gerais

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VI DO MEIO AMBIENTE Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do

Leia mais

PROGRAMA VIDA AO MARINHEIRINHO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VOTUPORANGA-SP

PROGRAMA VIDA AO MARINHEIRINHO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VOTUPORANGA-SP PROGRAMA VIDA AO MARINHEIRINHO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VOTUPORANGA-SP Simone Neiva Rodella (1) Bióloga especializada em administração e educação ambiental é atualmente, diretora da divisão de meio

Leia mais

Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação. Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico

Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação. Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico Áreas Agrícolas Diferentes situações Aspectos que devem ser vistos em

Leia mais

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO Conciliando Biodiversidade e Agricultura DESAFIO Compatibilizar a Conservação e a Agricultura O crescimento da população global e a melhoria dos padrões de vida aumentaram

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 Dispõe de casos excepcionais no casos de utilidade pública, interesse social e de baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em áreas de preservação

Leia mais

Sustentabilidade do Setor Florestal

Sustentabilidade do Setor Florestal Sustentabilidade do Setor Florestal Quem somos o Somos o resultado da União de duas empresas brasileiras com forte presença no mercado global de produtos florestais renováveis. o Uma nova empresa com

Leia mais

Município de Capanema - PR

Município de Capanema - PR LEI Nº. 1.557, DE 20 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre a política municipal de resíduos sólidos do Município de Capanema e dá outras providências. A Câmara Municipal de Capanema, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Julho 2009 Sobre a GSS Empresa com atuação focada no desenvolvimento de projetos e prestação de consultorias

Leia mais

Associação de Florestas de Produção e Florestas Nativas

Associação de Florestas de Produção e Florestas Nativas Associação de Florestas de Produção e Florestas Nativas Proteção e Conservação Ivone Satsuki Namikawa Fier Coordenadora P&D, Qualidade e Ambiência Florestal Novembro/2008 Klabin Klabin: uma empresa líder

Leia mais

Projetos acadêmicos Economia verde

Projetos acadêmicos Economia verde Projetos acadêmicos Economia verde Entre os dias 20 e 22 de junho deste ano o Brasil sediará a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (UNCSD), chamada de Rio+20, pois vai acontecer

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS SUSTENTABILIDADE E M P R E S A R I A L Política de Sustentabilidade Empresarial das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras,

Leia mais

Assunto: Mortandade de Peixes no Rio do Sinos Solicitante: PROMOTORIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE (Sinos e Gravataí) IC nº 01393.00001/2010 IMPACTOS

Assunto: Mortandade de Peixes no Rio do Sinos Solicitante: PROMOTORIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE (Sinos e Gravataí) IC nº 01393.00001/2010 IMPACTOS 1 Assunto: Mortandade de Peixes no Rio do Sinos Solicitante: PROMOTORIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE (Sinos e Gravataí) IC nº 01393.00001/2010 IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELO LANÇAMENTOS DE ESGOTOS E

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS NA CENIBRA

PRODUÇÃO DE MUDAS NA CENIBRA PRODUÇÃO DE MUDAS NA CENIBRA FLUXOGRAMA DE PRODUÇÃO DE MUDA CLONAL JARDIM CLONAL COLHEITA DE BROTOS PLANTIO DE ESTACA CASA DE VEGETAÇÃO CASA DE SOMBRA CRESCIMENTO RUSTIFICAÇÃO/ EXPEDIÇÃO SUBIRRIGAÇÃO TRANSPORTE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA 1. OBJETIVO GERAL As instruções técnicas contidas no presente Termo de Referência objetivam estabelecer os procedimentos e os

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Postos (Revendedores e de Abastecimento) e Sistemas

Leia mais

Rua Osmane Barbosa, 937 - JK Montes Claros - MG - CEP: 39.404-006 - Brasil - Tel: (38) 3690-3626 - e- mail: sheilacivil@yahoo.com.

Rua Osmane Barbosa, 937 - JK Montes Claros - MG - CEP: 39.404-006 - Brasil - Tel: (38) 3690-3626 - e- mail: sheilacivil@yahoo.com. I-025 DIAGNÓSTICO E PROPOSTA DE LAYOUT DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO E TRANSBORDO DOS RESÍDUOS GERADOS EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NO NORTE DE MINAS GERAIS, COMO ALTERNATIVA DE DESTINAÇÃO DESSES RESÍDUOS

Leia mais

Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro

Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro O agronegócio brasileiro Setor estratégico para a economia brasileira, grande motor do seu desempenho Representa 23% do PIB brasileiro Responde por 40%

Leia mais

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Autores: Emílio Rodrigues Versiani Junior 1 Geraldo Aristides Rabelo Nuzzi Andréa Rodrigues Fróes Resumo O Projeto

Leia mais

CAPÍTULO III Do Meio Ambiente. Seção I Da Política Ambiental

CAPÍTULO III Do Meio Ambiente. Seção I Da Política Ambiental CAPÍTULO III Do Meio Ambiente Seção I Da Política Ambiental Art. 1º - São objetivos das políticas públicas para o Meio Ambiente: I - implementar as diretrizes contidas na Política Nacional do Meio Ambiente,

Leia mais

Gestão Ambiental PADRÃO DE RESPOSTA

Gestão Ambiental PADRÃO DE RESPOSTA Gestão Ambiental PADRÃO DE RESPOSTA Em termos de atendimento à proposta, espera-se que o estudante estabeleça relação entre a qualidade do serviço de esgotamento sanitário e de tratamento da água para

Leia mais

Questionário de Levantamento de Informações

Questionário de Levantamento de Informações Questionário de Levantamento de Informações Critérios para Inclusão de Empresas no Fundo Ethical 1 INTRODUÇÃO Nos últimos anos se observou um aumento significativo da preocupação das empresas com questões

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS Aspectos Técnicos e Juridicos que Impactam as Empresas. Dr. M.Sc. Engº Ricardo de Gouveia WTS ENGENHARIA

PASSIVOS AMBIENTAIS Aspectos Técnicos e Juridicos que Impactam as Empresas. Dr. M.Sc. Engº Ricardo de Gouveia WTS ENGENHARIA PASSIVOS AMBIENTAIS Aspectos Técnicos e Juridicos que Impactam as Empresas Dr. M.Sc. Engº Ricardo de Gouveia WTS ENGENHARIA Legislação O gerador é responsável a menos que a área contaminada seja adquirida.

Leia mais

RELATÓRIO SEMESTRAL PCH JARARACA JULHO A DEZEMBRO 2013

RELATÓRIO SEMESTRAL PCH JARARACA JULHO A DEZEMBRO 2013 RELATÓRIO SEMESTRAL PCH JARARACA JULHO A DEZEMBRO 2013 Porto Alegre, março de 2014 APRESENTAÇÃO Este documento visa atender a condicionante 8.5 das Licenças de Operação LO LO 7961/2012, concedida a Vêneto

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

E assume apoio continuado ao Pacto Global e renovando o compromisso vigente da empresa com iniciativa e seus princípios.

E assume apoio continuado ao Pacto Global e renovando o compromisso vigente da empresa com iniciativa e seus princípios. Palavra do presidente - Paulo Zanetti A Renuka Vale do Ivaí S/A vem apresentar em seu Balanço Socioambiental 2012 ações alinhadas ao respeito e a ética empresarial, visando proporcionar uma compreensão

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS ESTUDO LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS ESTUDO DEZEMBRO/2014 Rodrigo Hermeto Corrêa Dolabella Consultor Legislativo da Área

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado)

ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado) ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado) Considerando: 1) A importância dos mananciais e nascentes do Município para o equilíbrio e a qualidade ambiental,

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Aterro do acesso interno (próximo à nova central de britagem): Neste

Leia mais

ADUBO DE LODO DE ESGOTO DOMÉSTICO COMPOSTADO

ADUBO DE LODO DE ESGOTO DOMÉSTICO COMPOSTADO ADUBO DE LODO DE ESGOTO DOMÉSTICO COMPOSTADO Felipe Antº N. Madureira (Julho/2010) FELIPE ANTº NASCIMENTO MADUREIRA Engenheiro Civil - UFBA Gerente da Divisão de Esgotamento Sanitário Unidade Regional

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL NO AGRONEGÓCIO HORTIFRUTÍCOLA

GESTÃO AMBIENTAL NO AGRONEGÓCIO HORTIFRUTÍCOLA GESTÃO AMBIENTAL NO AGRONEGÓCIO HORTIFRUTÍCOLA Mohammad Menhaz Choudhury 1 Elenize Porfírio de Melo 2 Atualmente, o mundo está dando mais ênfase aos fatores de fundo social e econômico. As questões ambientais

Leia mais

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC 19 de Maio de 2009 National Climate Change Policy National Plan on Climate Change Climate Fund Amazon Fund Política Nacional sobre Mudança Climática 2 objetivos

Leia mais

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia 26 de novembro de 2015 10h às 17h30 Sistema FIRJAN Rio de Janeiro Outorga e Cobrança de Recursos Hídricos Cátia Siqueira - INEA Encontro Gestão Eficiente de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONECTIVIDADE DAS ÁREAS NATURAIS NA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE EM FLORESTAS PLANTADAS. Dr. Vlamir José Rocha Biólogo

A IMPORTÂNCIA DA CONECTIVIDADE DAS ÁREAS NATURAIS NA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE EM FLORESTAS PLANTADAS. Dr. Vlamir José Rocha Biólogo A IMPORTÂNCIA DA CONECTIVIDADE DAS ÁREAS NATURAIS NA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE EM FLORESTAS PLANTADAS Dr. Vlamir José Rocha Biólogo 1 PERFIL DA COMPANHIA Empresa de base florestal focada em madeira,

Leia mais

22o. Prêmio Expressão de Ecologia

22o. Prêmio Expressão de Ecologia 22o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Vista do corte raso da vegetação sob a rede anterior ao Projeto. Unidade de Conservação e formação dos corredores vegetados após implantação do Projeto. Área

Leia mais

Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental

Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental ISO 14001 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental ISO 14001 Existem duas normas bastante difundidas para orientação da implantação de um Sistema de Gestão

Leia mais

Modelos de Gestão Novas Demandas e Ambientes para o Gestor Contemporâneo

Modelos de Gestão Novas Demandas e Ambientes para o Gestor Contemporâneo Modelos de Gestão Novas Demandas e Ambientes para o Gestor Contemporâneo Modernidade trouxe vantagens e prejuízos Poluição causada pelas organizações afeta diretamente a natureza Criação de Leis para minimizar

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 1.548, DE 2015 Dispõe sobre a criação, gestão e manejo de Reserva Particular do Patrimônio Natural RPPN, e dá

Leia mais

Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser

Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser Mostra Local de: Rio Branco do Sul (Municípios de Rio Branco do Sul, Almirante Tamandaré e Itaperuçu) Categoria do

Leia mais