E SUA MÃE TAMBÉM : NOTAS SOBRE RECORRÊNCIA DE ABUSO SEXUAL ENTRE DIFERENTES GERAÇÕES DA MESMA FAMÍLIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E SUA MÃE TAMBÉM : NOTAS SOBRE RECORRÊNCIA DE ABUSO SEXUAL ENTRE DIFERENTES GERAÇÕES DA MESMA FAMÍLIA"

Transcrição

1 E SUA MÃE TAMBÉM : NOTAS SOBRE RECORRÊNCIA DE ABUSO SEXUAL ENTRE DIFERENTES GERAÇÕES DA MESMA FAMÍLIA Raquel Wiggers 1 Isabelle Brambilla Honorato 2 Natã Souza Lima 3 Resumo: Um fenômeno tem sido observado nos órgãos de atendimento às crianças e adolescentes que sofreram abuso sexual em Manaus: a recorrência de abuso também em gerações anteriores da criança para quem se procura atendimento. Os profissionais são unanimes em afirmar que é um fato comum a mãe ou pai da criança que sofreu abuso sexual também ter sido abusada(o) na infância. Vozes silenciadas há muitos anos compõem discursos que constroem o trágico evento do passado, a partir do evento presente do abuso sexual. O abuso sofrido pela filha(o) abre lugar para mãe revelar e construir seu discurso de vítima. A partir da percepção desta recorrência os profissionais de atendimento constroem uma explicação de herança maldita, certa fragilidade que é passada à criança favorecendo situações de abuso sexual. Essa explicação torna a vítima responsável pelo abuso sofrido. Coloca sobre o/a responsável pelo cuidado com a criança peso triplo: foi abusada(o) na infância, não foi cuidadoso(a) o suficiente com a criança, e passou para esta criança uma fragilidade psicológica que atrai o autor(a) do abuso sexual. Nossa análise questiona essa explicação da herança maldita, provocando a discussão a partir de gênero, poder e masculinidade. Palavras-chave: Abuso Sexual. Família. Gênero. Gerações. Introdução Vimos trabalhando no Centro de Referencia Especializado em Assistência Social de Manaus - CREAS 4, desde 2010, quando iniciamos nossas atividades com um projeto de extensão universitária que visava propor contribuições antropológicas ao atendimento dos casos de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. Desde então nossas relações têm se estreitado e rendido bons frutos acadêmicos e profissionais. O contato com o Creas nos possibilitou também, o acesso a outros órgãos da rede de proteção à criança e ao adolescente, como a Delegacia Especializada de Proteção a Criança e ao Adolescente (DEPCA), Serviço de Atendimento às Vítimas de Violência Sexual (Savvis), entre outros. E é no acompanhamento destes que apresentamos os dados e formulamos nossos argumentos aqui apresentados. 1 Professora Dra. do Departamento de Antropologia da Universidade Federal do Amazonas. 2 Discente do Curso de Ciências Sociais da Universidade Federal do Amazonas. 3 Discente do Curso de Ciências Sociais da Universidade Federal do Amazonas. 4 Até o ano de 2012 o CREAS do Bairro Nossa Senhora das Graças era o único de Manaus, tendo sido criado o segundo CREAS do Município em novembro de 2012 na Cidade Nova, bairro da Zona Leste de Manaus. Assim, quando nos referimos ao CREAS que trabalhamos é este do bairro Nossa Senhora das Graças. 1

2 Um fenômeno tem sido observado nos órgãos de atendimento às crianças e adolescentes que sofreram abuso sexual em Manaus: a recorrência de abuso também em gerações anteriores da criança para quem se procura atendimento. Os casos de recorrência do abuso sexual em diferentes gerações da mesma família, mais especialmente de mãe e filha, chama atenção de profissionais que atuam na rede de proteção à criança e ao adolescente. Geralmente se diz que quando acontece o abuso sexual com uma criança cuja a mãe também sofreu abuso sexual, a filha é herdeira de uma herança maldita. O que querem dizer com isso é que a mãe abusada passa para a criança certas fragilidades, das quais as crianças ficam mais suscetíveis ao abuso sexual do que outras que não tem mães abusadas. É sobre esta questão que vamos nos debruçar neste texto. Abuso em gerações anteriores Ainda que soubéssemos, a partir de alguns casos acompanhados, acerca da recorrência de abuso sexual entre gerações, algumas vezes fomos abordados por profissionais que, livremente, contaram-nos sobre esses casos, buscando explicações para o fenômeno. A coordenadora do Creas estava muito agitada por causa de um atendimento ocorrido pela manhã quando um pai chegou desesperado porque seu filho sofreu abuso sexual. Ela contou que o homem estava transtornado porque com o abuso do filho ele reviveu o ato de violência sexual que sofreu na infância e que foi silenciado por anos. Todos os profissionais do órgão se mobilizaram para atender o homem e encaminhar para atendimento médico, uma vez que ele estava transtornado e precisou de medicamentos para acalmar-se. Demonstrando certa angústia, a psicóloga procurava uma explicação para tal recorrência indagando-nos mas o que será isso meu Deus! Parece, assim, uma herança maldita. Assim, a psicóloga apresentou-nos o conceito utilizado pelas profissionais do Creas. É comum ouvirmos falas de assistentes sociais, psicólogas e advogadas defendendo a ideia de uma herança maldita nos casos em que a mãe sofreu violência sexual na infância ou adolescência, e agora procura atendimento para o filho ou filha que passaram pela mesma violência. Este é um fato para o qual não há dados estatísticos. No entanto, é muito comum ouvir das profissionais dos órgãos da rede de proteção de crianças e adolescentes, sobre a recorrência de casos de crianças ou adolescentes vítimas de abuso sexual, onde pelo menos um de seus pais, também sofreu abuso sexual na infância. Alguns casos são revelados às profissionais, e comovem os psicólogos logo no primeiro atendimento. Outros apenas são descobertos no decorrer do atendimento familiar às vítimas de abuso sexual. A mãe ou pai mantém a criança no atendimento psicossocial, e no decorrer dos atendimentos, revela-se o abuso sofrido também pelo pai, e mais recorrentemente pela mãe. Não há 2

3 nas fichas de atendimento espaço para duas pessoas. Assim, quando o pai ou mãe revelam ao psicólogo (a) que foram vítimas de abuso sexual quando crianças ou adolescentes, as informações sobre seu acompanhamento psicossocial são colocadas na mesma ficha de seu filho (a), da criança ou adolescente atendido. É feita uma anotação na ficha de atendimento da criança, em forma de observação: Mãe contou que também foi abusada quando tinha a mesma idade da filha. Isso indica que o tipo de tratamento 5 daquela criança abrange o pai ou mãe que também sofreu abuso. Não há um procedimento específico para os pais de crianças ou adolescentes vítimas de abuso sexual serem atendidos nos casos em que são detectadas recorrências. Assim, o atendimento prestado à mãe ou pai, não é registrado como um atendimento à vítima de abuso sexual, mas aparece como atendimento prestado à família da criança. Este dado é para compor o atendimento da criança. Esses casos, frequentemente, ficam apenas no conhecimento das profissionais que os atendem, não existindo um procedimento padrão indicado. Muitas vezes só podemos conhecê-los se conversarmos com essas psicólogas ou assistentes sociais. O conhecimento da recorrência de abuso sexual na geração anterior é encarado apenas como um dado para dar subsídios para o atendimento da criança. Este é um movimento institucionalizado de silenciamento de abuso sexual, dentre tantos outros pelos quais passam as vítimas. Quando se sabe desta recorrência no atendimento psicossocial percebe-se uma maior fragilidade, não apenas da criança, mas de toda família. Quando se sabe da herança maldita o tratamento passa a ser voltado para capacidade protetiva, não apenas da criança, mas também da mãe ou responsável por ela. E sua mãe também Durante o ano de 2012 acompanhamos 6 dois casos exemplares que apresentamos a seguir: Léia tem 13 anos e sofreu recorrentes abusos sexuais de seu padrasto. A mãe levou-a ao Creas para receber atendimento psicossocial. Durante os atendimentos a mãe de Léia 5 O tratamento oferecido no Creas é um atendimento psicossocial (atendimento intermediário, que visa o acompanhamento multidisciplinar, são feitos acompanhamentos dos familiares até que se possa envia-los a tratamento clinico, se for o caso, ou a programas sócio-assistenciais), não sendo, deste modo um tratamento clínico. Caso a psicóloga considere necessário tratamento clínico, ela encaminhará para parceiros, como clínicas particulares que atendem gratuitamente pacientes encaminhados pelo Creas, clínicas de universidades e ONGs. Esses tipos de encaminhamento são feitos na amizade, pois não há por parte do governo um suporte para atendimentos continuados. Com isso as profissionais precisam usar das amizades que fazem nos diversos órgãos em que já trabalharam ou conhecem colegas de profissão que podem receber as pessoas que necessitam de atendimento continuado. 6 Conhecemos esses casos a partir da pesquisa de iniciação científica de Isabelle Brambilla Honorato, acerca das relações de conflito e poder na família a partir dos casos atendidos no Creas-Manaus,

4 revelou que também sofria de abusos recorrentes por parte de seus tios, quando tinha 14 anos. A explicação, comumente dada a casos como o de Léia é o de uma herança maldita. A partir da percepção desta recorrência os profissionais de atendimento constroem uma explicação de certa fragilidade que é passada à criança favorecendo situações de abuso sexual. Essa explicação torna a vítima e sua cuidadora responsável pelo abuso sofrido. Coloca-se sobre o/a responsável pelo cuidado com a criança peso triplo: foi abusada(o) na infância, não foi cuidadoso(a) o suficiente com a criança, e passou para esta criança uma fragilidade psicológica que atrai o autor(a) do abuso sexual. No segundo caso estudado, Sheila tem seis anos, foi abusada sexualmente pelo professor da escolinha de reforço em que estudava. A mãe de Sheila levou-a ao Creas para atendimento psicossocial. Entre um atendimento e outro a mãe de Sheila revela que também sofreu abuso sexual por parte do padrasto de seu pai, quando tinha a mesma idade que Sheila. O caso de Sheila é exemplar de muitos outros casos que seguem, mais ou menos, o mesmo roteiro ou ritual de revelação da violência sofrida e silenciada durante anos. A mãe ou pai de uma criança abusada busca atendimento no Creas, e durante as diversas idas e vindas revela que também sofreu abuso. O ato de elaboração da narrativa nestes casos é algo que só foi possível construir a partir da violência sofrida pelos seus filhos. O não-falar ou falar de outros dramas pode evidenciar que a narrativa, não é algo que se revele num movimento linear e preciso. É, antes, um texto rabiscado, reescrito diversas vezes (Das, 1999). A mãe que sofreu abuso na infância, e a própria criança, compõem o conjunto de vozes que são silenciadas nesses debates. Um conceito logicamente inconsistente Nossa análise questiona e coloca em xeque as explicações do abuso sexual como uma herança maldita. De acordo com esse argumento, elaborado pelas profissionais, um cuidador que foi vítima de abuso sexual tem sua capacidade protetiva fragilizada. Assim, a capacidade protetiva da criança abusada é construída com falhas, há uma incapacidade de proteção, um cuidado fragilizador, transmitido entre as gerações. Santos (2007:43) afirma que a experiência de conviver com a violência faz dela algo percebido como natural e esperado nas relações familiares, mantendo o ciclo de violência na família, como resultado de processos de socialização e subjetivação. 4

5 No entanto, se é verdade que crianças que crescem em ambiente violento e hostil necessariamente tornam-se adultos violentos, nos casos de abuso sexual em gerações subsequentes essa explicação é logicamente inconsistente. As mães entrevistadas por Santos (2007), que sofreram violência sexual na infância ou adolescência, e que agora tiveram seus filhos abusados, são unânimes em afirmar que tiveram muito cuidado com suas crianças, e estavam atentas a qualquer situação que denotasse possibilidade de abuso sexual. Tanto isso é verdade que temos observado que as mães que procuram a rede de proteção de crianças em Manaus, e que continuam levando seus filhos aos atendimentos psicossociais são principalmente aquelas mães que sofreram abuso sexual. A explicação da herança maldita é logicamente inconsistente porque a vítima nunca é culpada do abuso sofrido, não há nada no comportamento da menina ou do menino que favoreça ou atraia a violência sexual. Quem estupra é o estuprador, a vítima não é culpada do abuso que sofreu. Apesar da certeza de que a vítima não é culpada, há um discurso social de culpabilização da vítima de abuso sexual. As crianças em nossos estudos revelam que sofrem quando a mãe joga na cara que provocaram o abuso. Do mesmo modo o autor do abuso recorre a uma noção compartilhada na sociedade de que há direitos tidos como masculinos que justificam a violência cometida. Tais discursos são tão fortes que até mesmo as profissionais que lidam com casos de abuso sexual, buscam nessa matriz de pensamento, explicações e formulações conceituais para elaborar o atendimento. Em nossa sociedade partilhamos concepções de honra (PITT-RIVERS, 1979) que servem de orientação para ações sociais de homens e mulheres no campo da sexualidade. A masculinidade violenta e impositiva é valorizada no padrão da masculinidade hegemônica de nossa sociedade ocidental (CONNEL, 1995). Enfatizar a agência do abusador significa necessariamente problematizar este padrão de masculinidade, que oprime e agride. Existem diversos não ditos em meio a essas discussões políticas ruidosas. Debater masculinidades violentas e abuso sexual a partir do autor do abuso é uma questão construída como "tabu", e procura-se na vítima o que facilitou a violência sexual. Fica implícito o papel abusador na história, e se busca um culpado na relação entre criança e cuidador(a), onde não há culpados, encontraremos apenas vítimas. Temos que ser explícitos neste quesito: nos casos de violência sexual a agência é do abusador. 5

6 As relações intergeracionais são marcadas por relações de poder, em que poder consiste em impor a vontade dentro de uma relação social, mesmo que contra resistência dos outros (Arendt, 2004) Quais são as controvérsias que precisam ser apagadas? E quais desigualdades são (re)produzidas nesse processo? Vozes silenciadas há muitos anos compõem discursos que constroem o trágico evento do passado, a partir do evento presente do abuso sexual. O abuso sofrido pela filha(o) abre lugar para mãe revelar e construir seu discurso de vítima. As mães que continuam levando seus filhos aos atendimentos psicossociais são principalmente aquelas mães que sabem as consequências de um abuso sexual calado durante anos. Mães e pais que sofreram abuso sexual sabem o peso que é calar, e os efeitos dos não ditos até a vida adulta. Referências ARENDT, H. Da Violência. (1969/1970), CONNELL, Robert W. Políticas Da Masculinidade. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre, UFRGS, v. 20, n. 2, p , DAS, V. Fronteiras, violência e o trabalho do tempo: alguns temas wittgensteinianos. Revista Brasileira de Ciências Sociais (RBCS), Vol. 14, n o 40, Junho de PITT-RIVERS, J. A Antropología Del Honor o Política de los Sexos. Ensayos de Antropología Mediterránea. Barcelona: Editorial Crítica: SANTOS, S. S. Mães de meninas que sofreram abuso sexual intrafamiliar: relações maternas e multigeracionalidade. Dissertação Mestrado, Psicologia do Desenvolvimento, UFRGS, WIGGERS, R.; HONORATO, I.B.; SOUZA LIMA, N. Abuso sexual e conflitos familiares em Manaus. Anais do III Encontro da Região Norte da Sociedade Brasileira de Sociologia, GT06: Democracia Violência e conflitos sociais, Manaus, And your mother too : notes on recurrence of sexual abuse among different generations of the same family Abstract: A phenomenon has been observed in the institutions that care for the rights of children and adolescents who have suffered sexual abuse in Manaus: the recurrence of abuse in the children previous generations. The professionals are unanimous in asserting that it is a common fact the mother or father of a child who has suffered sexual abuse also have been abused in childhood. Voices silenced many years ago compose discourses that construct the tragic event of the past from the present event of sexual abuse. The abuse suffered by her child result as an opportunity for the mother to reveal and build her speech as "victim." From the perception of recurrence care professionals construct an explanation of "cursed legacy," some "fragility" that is "passed to" favoring child sexual abuse. This explanation makes the victim responsible for the abuse. Put on the person responsible for the abused child triple guilt: was abused in childhood; was not careful 6

7 enough with the child, and passed to the child a psychological "weakness" that attracts the author of sexual abuse. Our analysis questions the explanation of the "cursed legacy," provoking discussion from gender, power and masculinity. Keywords: Sexual Abuse. Family. Gender. Generations. 7

3º Encontro da Região Norte da Sociedade Brasileira de Sociologia: Amazônia e Sociologia: fronteiras do século XXI

3º Encontro da Região Norte da Sociedade Brasileira de Sociologia: Amazônia e Sociologia: fronteiras do século XXI 3º Encontro da Região Norte da Sociedade Brasileira de Sociologia: Amazônia e Sociologia: fronteiras do século XXI GT6 - Democracia, Violência e Conflitos Sociais Abuso Sexual e conflitos familiares em

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: a experiência do II Conselho Tutelar de Niterói. Paloma Rodrigues Carvalho 1 1.

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: a experiência do II Conselho Tutelar de Niterói. Paloma Rodrigues Carvalho 1 1. VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: a experiência do II Conselho Tutelar de Niterói Paloma Rodrigues Carvalho 1 RESUMO Este trabalho é produto do Projeto Violência Silenciada - Criança e Adolescente

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Coordenação: Profª Vera Rodrigues

Coordenação: Profª Vera Rodrigues III Oficina Técnica da Chamada CNPq/MDS - 24/2013 Seminário de Intercâmbio de pesquisas em Políticas Sociais, Combate à Fome e à Miséria no Brasil Projeto E agora falamos nós: mulheres beneficiárias do

Leia mais

Projeto Novos Horizontes: Grupo Reflexivo Para Homens Autores de Violência de Gênero

Projeto Novos Horizontes: Grupo Reflexivo Para Homens Autores de Violência de Gênero Projeto Novos Horizontes: Grupo Reflexivo Para Homens Autores de Violência de Gênero Mostra Local de: Apucarana (Municípios do Vale do Ivaí) Categoria do projeto: II Projetos em implantação (projetos que

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

The present study discusses the legacy of the last 30 years of the Special Education's

The present study discusses the legacy of the last 30 years of the Special Education's A educação inclusiva e a universidade brasileira Enicéia Gonçalves Mendes 1 egmendes@power.ufscar.br RESUMO O presente artigo aborda o legado de 30 anos da história da institucionalização da Educação Especial

Leia mais

4. Mulheres, drogas e tratamento

4. Mulheres, drogas e tratamento 4. Mulheres, drogas e tratamento Apesar do consumo de drogas por mulheres vir aumentando nos últimos anos, dados do I Levantamento Domiciliar Sobre o Uso de Drogas Psicotrópicas no Brasil realizado por

Leia mais

MISSÃO VISÃO. Lidamos com o contexto social em permanente mudança, procurando soluções inovadoras e criativas.

MISSÃO VISÃO. Lidamos com o contexto social em permanente mudança, procurando soluções inovadoras e criativas. MISSÃO Promover o desenvolvimento integral de cada pessoa, família, grupo ou organização, oferecendo um serviço de qualidade e contribuindo para gerar mudanças que proporcionem um maior nível de bem-estar.

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta *

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * ARTIGOS A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * Raquel Moreira Pádova ** Introdução A questão que analiso neste trabalho, se refere à atuação do psicólogo nos grupos de pré-consulta

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares.

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares. APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI: POSSÍVEIS ENCONTROS COM A APRENDIZAGEM DIALÓGICA NOS CADERNOS DE PESQUISA 1 Adrielle Fernandes Dias 2 Vanessa Gabassa 3 Pôster - Diálogos Abertos

Leia mais

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO TELLES, Edna de Oliveira - USP GE: Gênero, Sexualidade e Educação / n.23 Agência Financiadora: Não contou com financiamento.

Leia mais

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro O QUE É VIOLÊNCIA SEXUAL Todos os anos, estima-se que 500.000 70% Mulheres das vítimas sejam vítimas de estupro no Brasil, e que outros tantos milhões sofram com abusos e violências sexuais. de estupro

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília Anexo VI 25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres Carta de Brasília Na véspera do Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres nós, trabalhadoras dos

Leia mais

O PERFIL DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA REDE DENÚNCIA E ATENDIMENTO EM FEIRA DE SANTANA 2003 A 2006.

O PERFIL DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA REDE DENÚNCIA E ATENDIMENTO EM FEIRA DE SANTANA 2003 A 2006. 274 O PERFIL DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA REDE DENÚNCIA E ATENDIMENTO EM FEIRA DE SANTANA 2003 A 2006. Thyana Cordeiro Lopes ; Rosely Cabral de Carvalho 2 ; Maria Conceição Oliveira

Leia mais

Abuso Sexual Contra Crianças e Adolescentes

Abuso Sexual Contra Crianças e Adolescentes Abuso Sexual Contra Crianças e Adolescentes Direitos Sexuais de Crianças e Adolescentes Direitos sexuais são direitos humanos universais; Baseiam-se no direito à liberdade, à dignidade e à igualdade para

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 134 138 RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ PORTO, Adriana Vianna Costa 1

Leia mais

PRÁTICAS DA PSICOLOGIA EM SITUAÇÕES DE VIOLAÇÃO DE DIREITOS NO CREAS

PRÁTICAS DA PSICOLOGIA EM SITUAÇÕES DE VIOLAÇÃO DE DIREITOS NO CREAS PRÁTICAS DA PSICOLOGIA EM SITUAÇÕES DE VIOLAÇÃO DE DIREITOS NO CREAS Marcelo Gomes Pereira Júnior Mestrando em Psicologia pela Puc-Minas Psicólogo do CREAS de Nova Lima Psicólogo Clínico 23/04/13 Objetivos

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

Acadêmica do curso de Psicologia da Faculdade Luciano Feijão (FLF). E-mail: gilsianemarques@gmail.com 2

Acadêmica do curso de Psicologia da Faculdade Luciano Feijão (FLF). E-mail: gilsianemarques@gmail.com 2 PSICOLOGIA E ABUSO SEXUAL INFANTIL: UMA DELICADA E INTRODUÇÃO ESSENCIAL INTERVENÇÃO GILSIANE MARIA VASCONCELOS MARQUES 1 MAYARA SOARES BRITO TELES 2 GEORGIA MARIA MELO FEIJÃO 3 Na atualidade o abuso sexual

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR NASCIMENTO, Edinalva Neves Docente do Curso de Formação de Psicologia da ACEG/FASU-Garça/SP ediquata@gmail.com OLIVEIRA, Linda Marques Pedagoga e acadêmica do Curso de Formação

Leia mais

Cartilha de Prevenção Orientações para o combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Cartilha de Prevenção Orientações para o combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Art. 5º Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão,

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPB0178 QUEBRA DO SIGILO PROFISSIONAL EM CASOS DE PEDOFILIA GABRIELE

Leia mais

Pedofilia: Em Defesa de um Corpo em Desenvolvimento Pesquisa Ação Contra o Abuso Sexual de Crianças

Pedofilia: Em Defesa de um Corpo em Desenvolvimento Pesquisa Ação Contra o Abuso Sexual de Crianças Pedofilia: Em Defesa de um Corpo em Desenvolvimento Pesquisa Ação Contra o Abuso Sexual de Arnaldo Risman Risman@risman.psc.br Gabriela Medeiros Vieira gabrielam_vieira@yahoo.com.br Franciane Cesar Motta

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Relatório sobre a palestra Ética na Antropologia realizada no Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Saúde Pública da USP

Relatório sobre a palestra Ética na Antropologia realizada no Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Saúde Pública da USP Relatório sobre a palestra Ética na Antropologia realizada no Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Saúde Pública da USP Data: 4 de outubro de 2005 Introdução A partir de um programa do CNPq de qualificação

Leia mais

A SituAção da 2015 PAternidAde no Mundo: resumo e recomendações

A SituAção da 2015 PAternidAde no Mundo: resumo e recomendações Situação a 2015 aternidade o Mundo: esumo e ecomendações ais são importantes. As relações pai-filho/a, em todas as comunidades e em todas as fases da vida de uma criança, têm impactos profundos e abrangentes

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO*

CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO* CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO* Maria Benedita Lima Pardo Tatiana Cardoso Andrade Ilka Thiziane Teixeira

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

UM ESTUDO DA OCORRÊNCIA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA RELACIONADA A CASOS DE ATENDIMENTO À FAMÍLIA NO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA DA PUC-RIO

UM ESTUDO DA OCORRÊNCIA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA RELACIONADA A CASOS DE ATENDIMENTO À FAMÍLIA NO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA DA PUC-RIO UM ESTUDO DA OCORRÊNCIA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA RELACIONADA A CASOS DE ATENDIMENTO À FAMÍLIA NO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA DA PUC-RIO Aluna: Janaína da Guia Santos Panisset Orientadora: Ilda Lopes Rodrigues

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS 1 Introdução O presente estudo se insere no contexto do sistema penitenciário feminino e, empiricamente, tem como tema as

Leia mais

A 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia - Estatísticas e Cases

A 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia - Estatísticas e Cases A 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia - Estatísticas e Cases Dra.Ancilla-Dei Vega Dias Baptista Giaconi Maio/2014 0 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia Criada em 23 de Novembro

Leia mais

As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica?

As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica? As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica? Categories : Copa Pública Date : 18 de setembro de 2012 Maria Aparecida Menezes Vieira, a Cida, de 46 anos, há mais de 20 anos faz ponto na rua Afonso

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

Psicólogo: o seu fazer nos interessa!

Psicólogo: o seu fazer nos interessa! Serviço de Enfrentamento à Violência, Abuso e Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes Pesquisa Online Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas Psicólogo: o seu fazer nos

Leia mais

ENTENDENDO A. A adolescência é a fase da vida onde acontecem as maiores modificações no corpo, nos sentimentos e na forma de perceber as coisas.

ENTENDENDO A. A adolescência é a fase da vida onde acontecem as maiores modificações no corpo, nos sentimentos e na forma de perceber as coisas. ENTENDENDO A ADOLESCÊNCIA A adolescência é a fase da vida onde acontecem as maiores modificações no corpo, nos sentimentos e na forma de perceber as coisas. Ao mesmo tempo, aumentam as responsabilidades

Leia mais

BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS

BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ GISELE APARECIDA DE ARAÚJO METER BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS CURITIBA 2104 GISELE APARECIDA DE ARAÚJO METER

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Curso de Capacitação em Bullying

Curso de Capacitação em Bullying Curso de Capacitação em Bullying Segundo pesquisa do Instituto Cidadania e da Fundação Perseu Abramo, a violência é o tema que mais preocupa os brasileiros entre 15 e 24 anos (55% do total), à frente de

Leia mais

2014 Agosto Ed. 15 1

2014 Agosto Ed. 15 1 2014 Agosto Ed. 15 1 2 2014 Agosto Ed. 15 Editorial Caros assinantes, Como sinalizamos na edição de julho, esta edição fala sobre Felicidade. Começar a construir uma edição abordando um tema tão profundo

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL RESUMO AMORIM 1, Tâmara Ramalho de Sousa SIMÕES 2, Poliana

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA

RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA Caro (a) Chesfiano (a), Você está recebendo uma série de publicações intitulada Para Viver Melhor, com informações atualizadas sobre temas diversos no campo da saúde física

Leia mais

Palavras-chave: adolescente, risco pessoal, prática profissional

Palavras-chave: adolescente, risco pessoal, prática profissional PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL E ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL NA CASA SANTA LUIZA DE MARILLAC. SOMER, Diana Galone (estagio I), e-mail: dianassomer@gmail.com BOMFATI, Adriana (supervisor), e-mail:

Leia mais

ALIENAÇÃO PARENTAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS

ALIENAÇÃO PARENTAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS ALIENAÇÃO PARENTAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS Maria Berenice Dias www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br www.direitohomoafetivo.com.br Grande parte das separações produz efeitos traumáticos que vêm acompanhados

Leia mais

VIOLÊNCIA SEXUAL INTRAFAMILIAR CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE: UMA QUESTÃO DE GÊNERO OU UMA MERA COINCIDÊNCIA?

VIOLÊNCIA SEXUAL INTRAFAMILIAR CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE: UMA QUESTÃO DE GÊNERO OU UMA MERA COINCIDÊNCIA? VIOLÊNCIA SEXUAL INTRAFAMILIAR CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE: UMA QUESTÃO DE GÊNERO OU UMA MERA COINCIDÊNCIA? Paloma Rodrigues Carvalho 1 Andréia Lopes 2 Prof. Dra. Nivia Valença Barros 3 INTRODUÇÃO

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

ENTREVISTA COM A CRIANÇA / ADOLESCENTE E A FAMÍLIA

ENTREVISTA COM A CRIANÇA / ADOLESCENTE E A FAMÍLIA ENTREVISTA COM A CRIANÇA / ADOLESCENTE E A FAMÍLIA Se possível, a criança deve ser entrevistada separadamente. O entrevistador deve ser sensível aos possíveis temores e apreensões da criança quando discutir

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 65 Discurso na solenidade do Dia

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

Boa Saúde. crianças, como lidam com suas dificuldades e decepções?

Boa Saúde. crianças, como lidam com suas dificuldades e decepções? Amigos do Zippy Boa Saúde Nós cuidamos muito da saúde física das nossas crianças - cuidamos para que comam bem, estejam agasalhadas no tempo do frio, as motivamos para a prática de esportes e para se

Leia mais

Violência Sexual PIBID -Temas Transversais Unipampa campus Uruguaiana

Violência Sexual PIBID -Temas Transversais Unipampa campus Uruguaiana Violência Sexual PIBID -Temas Transversais Unipampa campus Uruguaiana Termos Utilizados Abuso Sexual; Violência Sexual doméstica; Prostituição; Tráfico para fins sexuais (interno e externo); Pornografia

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIAS DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NOS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS

FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIAS DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NOS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIAS DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NOS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Cleide Lavoratti (Coordenadora

Leia mais

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Proposta para Implementação de Serviço de Responsabilização e Educação de Agressores Grupo Paz em Casa

Leia mais

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F.

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. dos Santos A aids é ainda uma doença ameaçadora. Apesar de todos os avanços no

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

A discussão da igualdade nas relações de gênero pelo curso de serviço social através do projeto de extensão unigênero

A discussão da igualdade nas relações de gênero pelo curso de serviço social através do projeto de extensão unigênero A discussão da igualdade nas relações de gênero pelo curso de serviço social através do projeto de extensão unigênero Michelle Rabelo de Souza * Mirella Cristina Xavier Gomes da Silva Lauschner Resumo:

Leia mais

ENCONTRO 2: ESTABELECENDO LIMITES AOS FILHOS 11 DE FEVEREIRO DE 2015

ENCONTRO 2: ESTABELECENDO LIMITES AOS FILHOS 11 DE FEVEREIRO DE 2015 Serviço de Atendimento Psicopedagógico Silvany Brasil Serviço Socioeducacional Divaneid Araújo ENCONTRO 2: ESTABELECENDO LIMITES AOS FILHOS 11 DE FEVEREIRO DE 2015 Datas JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO

Leia mais

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA Por: DANIELA NASCIMENTO AUGUSTO (Técnica em Gerontologia e Terapeuta Ocupacional) DIEGO MIGUEL (Artista Plástico, Técnico em Gerontologia e Coordenador do NCI Jova

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

IZAAC AZEVEDO DOS SANTOS. NARRATIVAS DE UM ADOLESCENTE HOMOERÓTICO Conflitos do eu na rede de relações sociais da infância à adolescência

IZAAC AZEVEDO DOS SANTOS. NARRATIVAS DE UM ADOLESCENTE HOMOERÓTICO Conflitos do eu na rede de relações sociais da infância à adolescência IZAAC AZEVEDO DOS SANTOS NARRATIVAS DE UM ADOLESCENTE HOMOERÓTICO Conflitos do eu na rede de relações sociais da infância à adolescência Dissertação de Mestrado Dissertação de Mestrado apresentada como

Leia mais

Mentiras, roubos e pichações (Transtorno de conduta)

Mentiras, roubos e pichações (Transtorno de conduta) Mentiras, roubos e pichações (Transtorno de conduta) Leila Maria Amaral Ribeiro 1, Marina Janzen Kassab 2, Samantha Lemos Ferreira da Silva 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Psiquiatria.

Leia mais

O Serviço Social na educação: possibilidades de intervenção frente a situações de exclusão social, poder e violência.

O Serviço Social na educação: possibilidades de intervenção frente a situações de exclusão social, poder e violência. Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 O Serviço Social na educação: possibilidades de intervenção frente a situações de exclusão social, poder e violência.

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

Homens, cuidado, sexuais e reprodutivos

Homens, cuidado, sexuais e reprodutivos Homens, cuidado, saúde e direitos sexuais e reprodutivos Inclusão do homem para mudanças no paradigma de gênero Muitos dos problemas relacionados às sexualidade dos jovens estão ancorados na prática do

Leia mais