COLÉGIO OFÉLIA FONSECA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COLÉGIO OFÉLIA FONSECA"

Transcrição

1 COLÉGIO OFÉLIA FONSECA A RELEVÂNCIA DO ENGAJAMENTO POLÍTICO E SOCIAL NA DANÇA CONTEMPORÂNEA Luisa Biella São Paulo 2014

2 Luisa Biella A RELEVÂNCIA DO ENGAJAMENTO POLÍTICO E SOCIAL NA DANÇA CONTEMPORÂNEA Trabalho realizado e apresentado sob a orientação da Professor Cristiane Bastos, da disciplina de Literatura.

3 Agradecimentos Gostaria de expor minha forte gratidão, primeiramente à professora Cristiane, que sempre me incentivou, ajudou e deu as diretrizes certas para a realização de um bom trabalho, reflexivo, artístico e fundamentado. Em segundo lugar quero agradecer a minha mãe e irmã que sempre me incentivaram na escrita do trabalho, tendo paciência e escuta durante todo o período em que estive envolvida com ele. Não poderia deixar de citar minhas professoras Sandra Gomes e Miriam Matsuda, que me ajudaram, direta e indiretamente, na formação de um pensamento crítico em dança e a entender a história da própria. Ao Colégio Ofélia Fonseca, também, sua coordenação e direção, que permitiram a realização deste trabalho, que embora tenha sido bastante árduo, foi um passo muito importante na minha carreira em dança e como pessoa. Por fim, não poderia deixar de agradecer a toda a minha família por sempre me apoiar em minhas escolhas pessoais e ao Universo que nunca deixou de atuar na construção deste trabalho e até mesmo na redação destas linhas.

4 RESUMO Esta tese discorre a respeito da dança contemporânea na atualidade e sua relação com o engajamento político e social que a envolve. Para tal, há uma contextualização da história da dança em geral, a partir do surgimento do balé clássico com Luís XIV, problematizando seu surgimento e pensamento, de modo que ao chegar à dança moderna, a discussão já está mais fundamentada, e se desenvolvem outras questões acerca desta técnica. Ao chegarmos à dança contemporânea, há um pequeno panorama de seu surgimento, mas logo a questão desta tese é colocada diretamente em pauta, se discutindo o porquê é importante que haja engajamento, político, histórico, social, cultural, econômico do intérprete/criador e artista da dança contemporânea, para que possa criar, compor e fazer em dança de modo consciente e inteligente nos dias atuais.

5 Nele[tempo], a dança ocorre como um fenômeno peninsular, não insular, que jamais prescinde da ligação com o continente ao qual pertence. Que se faz em teia e, portanto, pede conhecimentos plurais para ser investigada. A dança é o que impede o movimento de morrer chichê Helena Katz.

6 Sumário 1. Introdução Desenvolvimento História da dança Surgimento da dança contemporânea Dança contemporânea no Brasil Dança contemporânea como engajamento político e social no Brasil Conclusão Anexos: Bibliografia...46

7 1. Introdução Dança. Afinal, o que realmente pode se definir como tal? Por muito tempo, e na realidade até os dias atuais, a dança é interpretada e enunciada como a linguagem artística que usa do corpo para expressar. Essa definição não é, em si, tão descartável, de modo que o didático básico para se definir esta linguagem das tantas outras que fazem parte da nossa arte humanamente diversa é exatamente este. Entretanto, como, aliás, tudo neste mundo, não é apenas através de uma reles e ligeira descrição como esta que se pode entender o que é a dança, com tudo o que ela tem à oferecer. É como em um alimento, ela seria a essência, pois ao senti-la já se sabe do que se trata, entretanto ainda não tem o prazer e realização de apreciá-lo e degustá-lo, com todos os seus detalhes, por inteiro. A dança carrega, cria e gera diversos signos que são explicados apenas pela análise minuciosa de um processo, podendo este ser histórico, ideológico, fisiológico, entre outros. A diretora artística, coreógrafa, bailarina e professora de ballet no Espaço Cultural ArtMobile, Ana Lígia Trindade encontrou uma definição muito interessante sobre esta linguagem - dança: Como manifestação artística, a dança é viva, tridimensional, singular e efêmera, acontece uma única vez. Parece, por um instante, que tudo é ao mesmo tempo transitório e eterno, no sentido de que cada ação sempre leva a uma nova possibilidade, mas nunca retorna ao que foi realizado. (TRINDADE, 2009, p.15). A partir desta interpretação é interessante olhar, principalmente, para um detalhe colocado. Que a dança é única. Cada forma de se mover, cada gesto, é o que foi e não será mais repetido com exatamente as mesmas dimensões que já foi. Sendo assim, a dança, tal como suas movimentações e signos estão sempre se criando e se recriando, se renovando. O que se foi não é simplesmente negado, mas sim aproveitado e reutilizado para se transformar em algo maior. Com isso, pode-se ao menos introduzir o fato de que a criação da dança não é algo que se deu de modo gratuito, também. Mesmo que se aceite que foi espontâneo, é muita pretensão se 8

8 dizer que surgiu do nada. A espontaneidade pode se valer de referências culturais, audiovisuais, ou até experiências práticas que culminariam na dança e suas diversas variações. Dessa forma, fica claro que a dança, em si, quando se trata de novas composições, assim como suas criações, em princípio, necessita intrinsecamente de um pensar, o qual pode tomar um caráter mínimo, ou ser fortemente potencializado. Entretanto, sempre se caracterizará como reflexiva e mesmo que inconscientemente, fundamentada. Isso se afirma, pois essencialmente, para se criar é preciso que se submeta à própria memória, e no caso da dança, à memória visual, intelectual e corporal de vocabulário de movimentos de cada indivíduo, e essa ação necessita de um pensamento. Da mesma forma, se a criação for baseada na improvisação a partir da sensação gerada por uma ideia ou tema inicial, também é necessário a partir da citada bagagem corporal pré-existente, um olhar interno e subjetivo para que se possa formar aquilo que se pretende a partir do que provoca em si mesmo, no qual o inconsciente foi formado por diversas situações que envolveram um pensar, mesmo que não propositalmente. A partir disso, é possível perceber o que foi afirmado sobre o pensar mínimo e o potencializado estarem sempre presentes na dança, tanto em seu criar como em seu realizar. Agora, associando essa informação à realidade prática, em que se vive, é possível notar este pensar em organizações mais sólidas representadas em meio a essa arte. É o caso dos estilos e linguagens da dança, dos quais se destacam principalmente o ballet clássico, a dança moderna e a dança contemporânea. Eles necessitaram em seu surgimento e ainda necessitam em suas transformações uma relação direta com o pensamento. Nesse caso, direcionando as organizações gerais supracitadas para ações concretas, chega-se ao fato de que as rupturas que os padrões e o modo de ver e fazer dança sofreram ao longo do seu percurso histórico, e que em alguns casos, ainda sofrem, têm relação direta, também, com o pensar. Essas mudanças, porém, não são fruto de meros quereres, preferências ou até de afinidades corporais e/ou intelectuais, mas sim de uma necessidade de expressão do corpo e da mente que não consegue ser preenchida por aquilo que existe no momento. E é assim que ocorrem as quebras de paradigma. Há uma falta sentida pelos indivíduos que está vinculada à uma 9

9 necessidade visceral de mudar aquilo que está definido como padrão, porque este já não basta para expressar tudo aquilo que se quer comunicar. A partir disso, inserindo-nos no campo que será discutido neste trabalho, a questão das rupturas dos estilos de dança ao longo de seu período histórico será estudada mais profundamente de modo a serem apresentados os motivos e as necessidades que foram surgindo e que acabaram por levar a novos jeitos de dançar. A professora, bióloga, formada em dança, e comunicação e linguagens Patrícia Pereira Borges explicita bem este pensamento fazendo um breve paralelo com o processo histórico em sua tese Videodança: entre a linguagem audiovisual e a arte performática a partir dos anos 1960 (2013), ao afirmar que: No caso da dança, existe uma significação especial dentro das mudanças de padrões da arte, como o fato do surgimento de novos conceitos espaciais que rompem com o palco italiano e a busca de novos espaços teatrais, em que ao mesmo tempo, verifica-se o rápido desenvolvimento da mídia visual que influenciava outras linguagens artísticas, constituindo assim, passos importantes para a mistura das artes. (BORGES, 2013, p.3). Assim, tendo um olhar mais aprofundado sobre o tema Borges usa de maneira responsável os termos rompem e desenvolvimento, pois é através de um desenvolvimento, realmente, de pensamento da época, que os velhos padrões se mudam e surgirem novos. Por tal motivo, o foco desta tese se voltará à um olhar especificamente para a dança contemporânea. Esta, refletindo o cotidiano habitual em que se insere, influindo ainda mais no pensar, criar e compor sobre si mesma necessita demasiado de um pensar, o qual não é apenas para estudo, mas reflexivo. Além disso, ela busca englobar de forma variada a tudo e a todos, tomando como pauta os corpos, as técnicas de dança já existentes, o ambiente, acontecimentos atuais e até reflexões momentâneas, bebendo, portanto, em várias fontes. Para especificar esta opinião tem-se como exemplo a citação de Wosniak, sobre o assunto: A pluralidade de caminhos, estilos e tendências da dança contemporânea, dos dias de hoje, deve muito às inovações, conceitos e diálogos entre as artes (WOSNIAK, 2006, p. 53). 10

10 Interessa-nos focarmo-nos no pensar, pois já que a dança aceita as mais diversas influências, interferências e formas de manifestação, ela agrega diferentes modos de executar este pensar, e não só no sentido de o que é a dança, mas das várias formas de expressá-la e de fazer com que ela aconteça. E assim, com essa ideia trabalhar o quão forte o pensamento crítico, reflexivo e fundamentado está inserido na mesma, também. A dança, em si, não precisa agregar apenas temas fechados em questões próprias, pode incluir muito mais. Além disso, a dança contemporânea já incorpora também diversas outras linguagens artísticas, outra forma de tentar englobar, cada vez mais, as várias formas de expressão, que podem incluir variáveis opiniões a respeito de um mesmo tema ou variantes formas de expressão acerca uma mesma ideia. Dessa forma, o uso do teatro e/ou dança teatro, música, fala, literatura, artes plásticas e visuais em um mesmo espetáculo ou performance cênica é cada vez mais comum. A partir disso é possível questionar-se sobre um aspecto que rondará a tese toda. Por que então, a dança também não pode englobar temas que sejam referentes à vida político/social do indivíduo na sociedade? Tanto pode, como o faz e cada vez mais. Por ser um estilo que reflete a sociedade, se baseia também nos conflitos que existem em meio a esta. Deste modo, a frase da coreógrafa, bailarina e criadora de sua própria técnica de dança moderna, Martha Graham, cabe bem em nossa explicação. "A dança revela o espírito do país em que se enraíza. Tanto que se não o fizer, ele perde sua integridade e significado" (GRAHAM, 1937) Ou seja, por refletir a alma, reflete o sentimento do ser humano, o que se passa de marcante naquele momento da vida e dessa forma, a dança atual, abrange muito mais que temas superficiais, mas sim, reflexivos e questionáveis. Da mesma forma, já insere em sua fala questões de cunho político, de modo a já iniciar uma discussão sobre o assunto. E esta questão reflete bem as companhias atuais de dança contemporânea, que trazem cada vez mais, problemáticas sobre temas socioculturais, os quais muitas vezes, não são utilizados com o intuito apenas de propor soluções, mas também explicitando os problemas e fazendo os expectadores, lendo e interpretando, à sua maneira, a mensagem discutida através do corpo e movimentação dos intérpretes/criadores, refletirem sobre estas questões abordadas em suas composições coreográficas. A colocação do bailarino e coreógrafo Lakka, pode complementar esta afirmação: 11

11 A formação em dança reflete, em grande medida, a organização da sociedade e seus preceitos de aproximação entre corpo e espaço (LAKKA, 2011, p.3). Por questões de preferência, praticidade em relação à localização e aspectos técnicos e jurídicos, o foco desta pesquisa se dará no ambiente urbano e atual da cidade de São Paulo. Este é, além dos outros aspectos citados, um ambiente que reflete fortemente nas ações da dança contemporânea, é um lugar onde se fervem ideias, questionamentos, contradições e apontamentos muito interessantes para a vida em si, mas que podem ser utilizados na dança, também. Isso porque esse fervilhar de pensares traz não apenas novas inspirações para o criar, compor e o fazer dança, mas exercita a reflexão no ensino e na organização da dança. Assim, através de fontes bibliográficas, tais como sites de companhias, grupos, associações e pessoas inseridas no contexto da dança como engajamento político e social; teses, artigos e livros que se fundamentem em explicar, abordar ou apenas discorrer sobre o tema discutido; entrevistas recentes e com o foco nesta questão; assim como a nossa própria impressão, reflexiva e embasada, minha e de críticos sobre o assunto, a partir de composições, performances e espetáculos. Nosso objetivo é traçar uma análise completa de como a dança se insere no contexto atual, relacionada com seu pensar e reflexão. Isso é muito importante para poder se ter uma noção do por que certos fenômenos acontecem: como a dança reflete no público e é recebida por ele, já que, de uma maneira geral, este carrega o papel de representar a nossa sociedade contemporânea, tão turbulenta e complexa. Além disso, buscaremos apontar para onde a dança contemporânea está caminhando. 12

12 2. Desenvolvimento 2.2. História da dança A partir da colocação dos motivos para fazermos tal trabalho e incitando você, leitor, a continuar a leitura sobre o mesmo, começaremos agora a tecer um pequeno histórico da dança que, apesar de não se estender tanto, tentará abordar com fundamentos e profundidade certos aspectos que nos ajudarão a entender um pouco mais o tema sobre o qual se busca refletir. Ao mesmo tempo que Émile Durkheim afirma que as mais destacadas formas de arte pareciam ter nascido da religião (DURKHEIM, 1996), pode-se dizer que a dança sempre foi vinculada a uma espécie de expressão de poder, originalmente utilizada para expressar adoração aos deuses como forma de mostrar-lhes o poder do homem sobre o próprio corpo, como um tipo de comunicação com eles. O filósofo Paul Bourcier diz: A origem da dança está no rito, esta aspiração de todos os tempos à imortalidade. No início, o rito nasceu do desejo de entrar em contato com os seres que poderiam conceder a imortalidade ao homem(...) (BOURCIER, 2006, p.276). Com base nisso, chegamos à conclusão de que a dança em si foi sempre um expressão do que acontecia no meio econômico, político e social da época em que se vivia. Se avançarmos historicamente até chegarmos ao início do ballet clássico, é possível elucidarmos essa questão. A primeira aparição deste tipo de representação dançada ocorreu em 1489, quando foi organizado um bailado na festa de casamento do Duque Sforza com Isabel de Aragón, na Itália. A dança, na realidade, chamava-se intermezzo, mas acontecia entre as fases do banquete servido na cerimônia. Com o passar do tempo, o Renascimento trouxe maior abertura e incentivo às artes de modo que os balés da corte tornaram-se muito mais frequentes como forma de entretenimento nos seus grandiosos salões dos castelos italianos. Ao mesmo tempo, a dança foi se alastrando cada vez mais pela Europa, sendo em 1626 apresentado em Paris o primeiro ballet à entréé, no qual, embora ainda houvesse a inquestionável presença do rei e de sua corte, em determinado momento, bailarinos especializados passaram a substituir os nobres em certas partes da coreografia. Esse próprio ballet criado já tomava novas conotações, substituindo aquele feito com máscaras e que era 13

13 mais uma representação da autoridade e do poder dos nobres para uma dança que era criada com o único objetivo de agradar aqueles a que a ela assistiam. Esse foi o caminho para a profissionalização do bailarino. Com a morte de Luís XIII, o balé ficou um tempo sem ser incentivado, voltando à França, apenas no reinado Luís XIV( ). Levado para esse país pela Rainha Catarina de Médicis, o rei, que se identificava e se interessava muito pela dança clássica criada, criou a Academia Real de Ballet, tornando, agora, a dança uma arte essencialmente profissional. Dessa forma, Luís XIV passou a estrelar os balés de corte que eram dançados, ficando famoso pela sua encenação no Ballet de La nuit, de Jean-Baptiste de Lully, no qual representava o rei Sol. A partir de então, uma mudança significativa ocorreu com o público e com a técnica. A plateia começou a ser cobrada para assistir aos espetáculos, tornando o ballet uma forma de entretenimento não apenas privado (para a nobreza), mas também taxado. Já a técnica começou a se aperfeiçoar cada vez mais, buscando, nesse momento, elementos da elevação. A busca por alcance do divino levou àqueles que praticavam a dança uma intensa repetição de movimentos de elevação e também a um ritmo e frequência de prática que fizesse com que os bailarinos atingissem uma alta perfeição técnica na execução dos movimentos. Com a assunção de Jean George Noverre como maitre de ballet da Academia Real, a noção de dança passou a perpassar outros campos da arte corporal. Noverre começou a se preocupar com a expressividade dos bailarinos que, até então, dançavam em função de sua técnica mecânica. O bailado tem que ser concebido como um espetáculo independente, apoiado num enredo e no qual o movimento e a ação coincidem completamente. O ballet deve ser um drama dançado, que corresponda em tudo ao drama falado ou cantado e, como este, deverá seguir a teoria poética de Aristóteles ter exposição, desenvolvimento e solução. Os outros preceitos são a divisão do ballet em atos e cenas, e personagens de contornos firmes participando de cenas contrastantes. A cada movimento de dança deverá corresponder um movimento de espírito. Os momentos importantes devem ter para o espectador a força plástica de uma pintura. As mãos dos bailarinos devem dizer alguma coisa; se os músculos do rosto carecem de expressão e os olhos não declamam, o resultado será falho e a impressão, falsa. É preciso arrancar as máscaras 14

14 horrendas, queimar as ridículas perucas, suprimir os vestidos incômodos, banir as anquinhas mais incômodas ainda e substituir a tendência à rotina... (CAMINDA, 1999, p.123) Ou seja, Noverre acredita que o movimento não poderia estar separado de sua expressividade, que cada bailarino deveria unir a técnica ao enredo da dança para, consequentemente, deixar seu movimentos completos e enraizados na proposta do espetáculo, com a expressão facial e corpórea do bailarino. Essa forma ver a dança caracteriza o ballet romântico que se inicia na França, também chamado e originado pelo balé de ação. A ênfase sobre o indivíduo, mais do que sobre um arquétipo social, acarreta a rejeição das regras impostas pela sociedade do século XVII: a sensibilidade tem primazia sobre a razão; o coração e a imaginação assumem o poder, sem o controle de uma autocensura. (BOURCIER, 1987, p.199) Dessa maneira, já podemos dizer que houve um grande crescimento na forma de ver a dança. E isso pode ser relacionado com o que abordamos neste trabalho, a questão de como o meio em que se vive reflete na dança e, ao mesmo tempo, como a expressão e o pensamento são importantes para ela. O que se torna mais marcante é que, mesmo na técnica clássica, a utilização do sentimento e da expressão do bailarino já se tornam evidentes. Assim, seguir o enredo de forma tão representativa para o próprio Noverre em seu século, mostra-nos uma preocupação com o a significação dos movimentos, não apenas com o movimento pelo movimento em si. Essa ideia não deixa de representar o período em que se vive, já que é característica essencial do período romântico, momento em que as preocupações com os indivíduos ganham força. Posteriormente, quem revoluciona mais uma vez o ballet é Marius Petipa 1, que dessa vez acaba por unir as escolas francesa, italiana e russa em únicas coreografias, de modo a seguir 1 Marius Ivanovich Petipa( ), nascido em Marselha na França, foi bailarino, professor e coreógrafo e influente na escola russa e é considerado o "pai do ballet clássico". Seus principais trabalhos foram "A Bela Adormecida" (1890); "Raymonda" (1898); "La Bayadére" (1877); "O Lago dos Cisnes" (1985); "Dom Quixote" (1869); "Giselle". Petipa queria bailarinos com forte técnica e dramaticidade. De sua escola saíram grandes bailarinos como Nijinsky, Ana Pavlova e Michel Fokine. 15

15 uma linha de divertimento do público e, também, atribuindo às apresentações caráter de grandes espetáculos. Assim, no fim do século XIX entra em cena Sergei Diaghilev 2, que rompe com os padrões de antes, revitalizando o ballet clássico e fazendo intermédio com diversas outras áreas, como música e pintura, tendo até mesmo convidado Picasso e Matisse para criarem para seus balés. Diaghilev acreditava que em um espetáculo, cada uma dessas vertentes artísticas tinham a mesma importância na cena, de modo a nenhuma requerer melhor ou pior função. Com isso, fica fácil notar a questão que começa a nascer nesse momento e que perduraria até os dias atuais: a integração das artes, não com preconceito e segregação, mas sim como forma de composição artística, na qual uma ajuda na composição da outra. Além disso, ao criar seu Balé Russo, Diaghilev uniu a qualidade técnica dos russos às inovações vindas de Paris, reconfigurando a dança de modo a dar ao ballet clássico um novo caráter de arte viva e produtiva.um de seus coreógrafos principais foi Michel Fokine, o qual foi responsável por diversas peças de balé da época. Entretanto, mergulhando ainda mais na história, em um contexto de pré-primeira Guerra Mundial, Diaghilev fez diversas inimizades com Czares e burocratas russos, de modo a ser obrigado a fugir de seu país, levando com ele uma boa parte de seus bailarinos. Nesse momento, houve um grande incentivo às artes, principalmente na América, fazendo emergir nomes como George Balanchine, principal difusor e criador do estilo de dança neoclássico. Este é estilo coreográfico tem origem básica o ballet clássico, suas posições básicas, exercícios, aula; entretanto há uma maior liberdade de expressão e expansão dos movimentos, as coreografias são mais explosivas o limite corporal imposto pelo retângulo corporal e verticalidade que há no clássico, é rompido, de modo que os quadris dos bailarinos podem ter maior mobilidade, ainda que dentro dos limites impostos pela técnica de dança que ainda é a clássica. (SILVA, 2013) 2 Sergei Diaghilev ( ) era crítico, compositor, dançarino de balé, coreógrafo, Jornalista e era um visionário artístico, fundador do The Ballets Russes, que moldaram profundamente o curso do mundo da dança/performance. Também considerado um dos maiores produtores de ballet do mundo, mesmo conservando certas tradições clássicas, absorvia com facilidade todas as novas correntes da arte. Além disso, revelou ao mundo no campo da dança, da música, da cenografia, da pintura, da poesia, grandes nomes como o de Vaslav Nijinski, Anna Pavlova, Serge Lifar, Léonide Massine, Stravinski, Benois, George Balanchine, Debussy, Ravel, Satie, Prokofieff, Matisse, Picasso, Cocteau e muitos outros. 16

16 Com o passar do tempo, a civilização industrial começou a crescer e em larga escala e a arte teve que acompanhar essa mudança, negando os antigos modelos clássicos e aceitando e incentivando a criação e estruturação de novos paradigmas, com temáticas mais atuais que abrangessem temas da época. A partir disso, o envolvimento com o contexto histórico em que cada etapa da dança se insere fica muito mais visível, tanto porque o surgimento de variadas técnicas começa a se justificar em seu período temporal. É depois da Revolução Industrial que o Modernismo e a dança moderna ganham espaço, ao perceberem como essa nova sociedade capitalista/industrial está se inserindo de fato no cotidiano das pessoas. As estruturas da vida social são alteradas e a arte reflete essa mudança, entrando em cena diversas vanguardas artísticas que buscam revolucionar os paradigmas das mais diversas linguagens artísticas. Com isso, o jeito de se movimentar e os enredos nos quais se baseavam os balés clássicos já não suportavam a gama de acontecimentos que estavam ocorrendo na época. Tratando especificamente da Europa, onde as artes em geral se desenvolviam e fervilhavam de ideias, o contexto de guerras não aguentava representar os balés românticos do século anterior. Isso ocorreu de forma tão intensa que não apenas a dança moderna foi se criando, mas também o ballet clássico passou por grandes transformações. Um dos propulsores destes acontecimentos foi Émile Jaques-Dalcroze. Este, mesmo sendo professor de música, a partir do desenvolvimento de uma sensibilização musical, a euritmia, desenvolvia também uma maneira dos ritmos se reverberarem em movimentos. Sua didática se ateve em peso à pedagogia de cada gesto. Tal estudo, ensinado para diversos alunos, recebeu alta divagação por um específico, Rudolf Von Laban, que se destacou a partir do começo do século XX, embora negasse diversos aspectos teóricos de Dalcroze, pois considerava que a dramaturgia e poesia estavam por si só no movimento, sem precisar de nada que falasse por ele. Laban nos ensinou que por meio do corpo adquirimos conhecimento. Ele, já na sua época, dizia que não é possível separar conceitos abstratos, ideias e /ou pensamentos, da experiência corporal. Ela é a base primeira do que podemos dizer, pensar, saber e comunicar. A noção de que corpo e mente fazem parte de 17

17 uma mesma realidade é a base da Arte de Movimento de Rudolf Laban (RANGEL, 2003, p.13). Laban, além de nomear os quatro componentes essenciais do movimento (o espaço, o tempo, o peso e a fluência), também formulou o espaço tridimensional, afirmando que o dançarino poderia se mover livremente no espaço, sem precisar de certas e determinadas direções ou padrões. Sendo assim o corpo iria se movimentar na chamada é a kinesfera, a qual se traduz pelos limites de extensão corporal, dos membros, do espaço. Definiu duas formas básicas do movimento, o de recolher (centrípeto) e o de expandir (centrífugo). Dessa forma, ele se definia não por fazer demonstrações de movimentos gratuitos, mas sim de movimentos que mesmo sem seguir um enredo tinham uma proposta clara a ser seguida: descobrir seu próprio corpo dentro dos novos conceitos propostos e desenvolvidos. Uma de suas seguidoras foi Mary Wigman, a qual, acabou negando-o em alguns aspectos, permaneceu apenas com a síntese de que tudo aquilo que é movimento. Para ela este nada mais é que a própria revelação do que há dentro de cada indivíduo. Assim, Wigman se liga à arte dramática e expressiva, afirmando que, para dançar, o bailarino deve ter entrega total aos sentimentos, colocando nestes total responsabilidade sobre os movimentos. Seus movimentos são marcados pelo uso do peso, da queda e também pelo uso de pés descalços. Um de seus colegas que seguiu a mesma linha de pensamento dramático foi Kurt Jooss, o qual se rotulava pela frase - a emoção profunda deve modular os movimentos. (BOURCIER, 1987) Como a dança moderna não estava ligada a um espaço físico, mas sim ao tempo social e cronológico que era vigente, nos Estados Unidos desponta uma das mais famosas bailarinas e coreógrafas da era moderna, Isadora Duncan. Tornando-se professora aos quatorze anos, Duncan começa a refletir sobre o ballet clássico, questionando-o e criando uma maneira mais orgânica e própria de dançar. Afirmava que o homem, ao ser tratado como um boneco articulado capaz de produzir movimento, mas mecânico e artificial não é digno da alma (DUNCAN, 1996). Dessa maneira, Isadora se baseia em elementos da natureza para compor sua dança. Deixando a música clássica como base para coreografar, volta-se para modelos da Antiguidade Clássica, como a estética grega, apresentando-se com uma única túnica, descalça e com um echarpe. 18

18 O que mais impressiona é a atualidade com que Duncan fala dos movimentos já em seu tempo. Aborda-os relacionando-os com a vida cotidiana, comentando claramente a representação do que há no meio em que o individuo se insere (em seu caso, buscando o que há de mais bruto, a natureza) no movimento. Paralelamente ao seu sucesso, cresce também a Denishawnschool, uma escola de dança moderna que rompe completamente com a dança tradicional, indo buscar suas fontes em danças orientais para se estruturar. Criada em Los Angeles por Ruth Saint-Denis e Ted Shaw, o que se ensinava era que a dança pode colocar o dançarino em contato com as divindades de modo que a concentração fosse o mote principal da escola, buscando movimentos que saíssem do tronco, reforçando impulsões para o plexo solar 3. Nesta escola também eram ensinadas disciplinas como anatomia, música, cultura geral e treinamento corporal, de modo a se poder entender claramente que a ligação explícita do meio com a dança começa a se colocar em foco. É nessa escola que surge Martha Graham, um dos principais nomes da dança moderna. Negando diversos aspectos que lhes foram apresentados, principalmente aqueles apregoados por Isadora Duncan e pela própria escola onde estudou, buscou expressar a problemática de seu país (E.U.A.) durante a década de 20, especialmente a questão da interferência do uso das máquinas no comportamento humano e a percepção de como uma guerra que estava a eclodir frisava essa mudança também. Para tanto, voltou sua técnica para o uso da respiração e dos movimentos de tension e release, os quais significam contrair e relaxar, aumentando a expressividade dos gestos. Dessa forma, crê no plexo solar como fonte de energia para o movimento, o qual se inicia do centro do corpo para as extremidades e se estrutura pela região pélvica, que representaria o centro da vida e, por extensão, a sexualidade. A partir disso, a intensidade do gesto passa a ocorrer de acordo com a intensidade da emoção, a qual se condiciona pelo ritmo do inspirar e expirar. Graham influenciou uma série de precursores da dança pós-moderna e contemporânea, dos quais viremos a tratar no próximo capítulo. Essa pequena linha cronológica do que houve na dança desde seus primórdios até a dança moderna nos faz entender ainda mais as mudanças que ocasionaram diversas rupturas de 3 O plexo solar é uma rede complexa de neurônios que está localizada, no corpo humano, atrás do estômago e embaixo do diafragma na cavidade abdominal a nível da primeira vértebra lombar 19

19 estilos e técnicas de dança. E isso se traduz na velha história contada no início deste trabalho: as revoluções que ocorreram na dança não existem por si só, mas são ocasionadas por uma síntese entre as novas ideias e as antigas. O que também é importante destacar é o como o contexto se molda nessas rupturas e reinserções, pois elas começam a formar além de expressão e reflexão, formas de questionamento social, político e econômico de cada sociedade em que se inserem. 20

20 2.2. Surgimento da dança contemporânea Para que esta tese consiga se fazer entender é necessário que expliquemos o que é e como surgiu a técnica de dança que é nossa base de discussão. Dança contemporânea, afinal qual a diferença que tem para as diversas outras que existem? A resposta para esta pergunta é certamente ambígua, pois há várias diferenças e ao mesmo tempo, nenhuma. Isso se sucede porque primeiro, obviamente, a dança contemporânea traz quebras e rupturas, tanto com relação à dança clássica quanto à dança moderna, mas em paralelo, ela surge pelo mesmo conceito que fizeram-se existir todas as outras que é a necessidade de uma nova forma de arte/dança que represente a organização social do período histórico em que se insere. A questão da guerra mundial, guerra fria, surgimento das correntes ideológicas fascistas, nazistas, socialistas, comunistas e anarquistas fez com que diversos questionamentos sobre a sociedade da época fossem feitos. Da mesma maneira, a partir do momento em que a dança começa à ter caráter questionativo e reflexivo, ela reflete aquilo que a sociedade debate, também, o que de certa forma faz com que o século XX não seja apenas um período de transição entre o clássico para o moderno, mas também destas duas técnicas para a contemporânea. Tanto que diversos coreógrafos que deram o start inicial da dança contemporânea foram, em sua maioria, alunos de escolas modernas. Como exemplo essencial, e que não pode ser deixado nunca de lado quando se fala de dança em geral é Pina Bausch. A bailarina e coreógrafa contemporânea começou seus estudos em 1955 na Folkwang School em Essen, escola de Kurt Jooss, um dos revolucionários da dança moderna, se formando de Dança e Pedagogia da Dança três anos depois. Ou seja, a dança Expressionista, que é caracterizada pela vontade de distanciar essa nova forma de arte que surgia para com o ballet clássico e que se originou com Laban, passando posteriormente para Wigman e Jooss, também tomou conta do universo de Pina Bausch, mas que pelo fato dito no inicio deste capítulo, os tempos estavam se transformando tão rapidamente que a forma de quebra do balé já não era a mesma de seu professor e diretor. Evelyn Costa, bacharel e licenciada em Dança pela Universidade Federal de Viçosa explica de forma completa e sucinta como Pina organizava seu estilo coreográfico: 21

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA:

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: CRESCENDO PESSOAL E PROFISSIONALMENTE. 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Onde você estiver que haja LUZ. Ana Rique A responsabilidade por um ambiente

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens A obra salesiana teve início em Turim, na Itália, onde Dom Bosco colocou em prática seus ideais de educação associados ao desenvolvimento

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes Aluno (a): 5º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Prezado(a)

Leia mais

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social O Projeto Social Luminando O LUMINANDO O Luminando surgiu como uma ferramenta de combate à exclusão social de crianças e adolescentes de comunidades

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Prof. Alexandre kikuti Np2. Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP)

Prof. Alexandre kikuti Np2. Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP) Prof. Alexandre kikuti Np2 Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP) Questão 01 A Dança como ARTE é uma atividade humana que resulta de uma elaboração dentro de uma determinada cultura e estabelece íntima

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio Currículo Referência em Teatro Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas Investigar, analisar e contextualizar a história do Teatro compreendendo criticamente valores, significados

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS.

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. Amanda Cristina de Sousa amandita_badiana@hotmail.com E.M. Freitas Azevedo Comunicação Relato de Experiência Resumo: O presente relato trata da

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Palavras-chave: aulas coletivas; motivação; execução musical; flauta transversal; prática interpretativa.

Palavras-chave: aulas coletivas; motivação; execução musical; flauta transversal; prática interpretativa. 794 AULAS COLETIVAS DE INSTRUMENTO COMO FATOR DE MOTIVAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EXECUÇÃO MUSICAL DE FLAUTISTAS EM CURSOS DE GRADUAÇÃO. José Benedito Viana Gomes Universidade Federal do Estado do Rio

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: O marketing verde já não é tendência. Ele se tornou uma realidade e as empresas o enxergam como uma oportunidade para atrair

Leia mais

35 anos. Raça Cia de Dança. Venha fazer parte da nossa história!

35 anos. Raça Cia de Dança. Venha fazer parte da nossa história! 35 anos Raça Cia de Dança Venha fazer parte da nossa história! Sua empresa já pensou em reverter parte do valor pago ao Imposto de Renda em um projeto cultural? Incentivar uma iniciativa que envolve cultura,

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado.

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Projeto: Música na Escola O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Justificativa De acordo com as diretrizes curriculares, o som é a matériaprima da música;

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

Recomendação Inicial

Recomendação Inicial Recomendação Inicial Este estudo tem a ver com a primeira família da Terra, e que lições nós podemos tirar disto. Todos nós temos uma relação familiar, e todos pertencemos a uma família. E isto é o ponto

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Profa. Me. Michele Costa

ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Profa. Me. Michele Costa ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES Profa. Me. Michele Costa CONVERSAREMOS SOBRE Formação de Professores Continuação do diálogo sobre o professor de educação infantil.

Leia mais

O QUE É ECONOMIA VERDE? Sessão de Design Thinking sobre Economia Verde

O QUE É ECONOMIA VERDE? Sessão de Design Thinking sobre Economia Verde O QUE É ECONOMIA VERDE? Sessão de Design Thinking sobre Economia Verde Florianópolis SC Junho/2012 2 SUMÁRIO Resumo do Caso...3 Natureza do Caso e Ambiente Externo...3 Problemas e Oportunidades...4 Diagnóstico:

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Habilidades: - Conhecer e distinguir diferentes momentos

Leia mais

Teorias de Media e Comunicação

Teorias de Media e Comunicação Teorias de Media e Comunicação (4) Teóricos Contemporâneos Rita Espanha Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação 1º Semestre 2012/2013 terça-feira, 20 de Novembro de 2012 Página 2 Jürgen

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades?

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades? A Estação Pilh@ também traz uma entrevista com Rodrigo Teaser, cover do Michael Jackson reconhecido pela Sony Music. A seguir, você encontra os ingredientes da longa história marcada por grandes shows,

Leia mais

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano)

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano) Arte Ensino Fundamental Fase Final (6º a 9º ano) 2012 APRESENTAÇÃO Caro(a) professor(a), (...) Protege-me das incursões obrigatórias que sufocam o prazer da descoberta e com o silêncio ( intimamente sábio

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Mediunidade (Consciência, Desenvolvimento e Educação) Palestrante: Vania de Sá Earp Rio de Janeiro 16/06/2000 Organizadores da palestra:

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação Beatrice Rossotti rossottibeatrice@gmail.com Instituto de História, 9º período

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL 1 Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro I - Introdução O teatro, como todas as artes, está em permanente

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO Roberta Ortiz Furian Palavra-chave: ecologia, ambiente, desenvolvimento Este trabalho tem como objetivo destacar a teoria Ecologia do Desenvolvimento

Leia mais

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes > Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), inicialmente, tinha como objetivo avaliar o desempenho

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

LUME E O TEATRO FÍSICO?

LUME E O TEATRO FÍSICO? 7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná LUME E O TEATRO FÍSICO? Anais Eletrônicos Alana Saiss Albinati 171 Faculdade de Artes do Paraná RESUMO Este trabalho é parte de uma pesquisa

Leia mais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais Os desafios do Bradesco nas redes sociais Atual gerente de redes sociais do Bradesco, Marcelo Salgado, de 31 anos, começou sua carreira no banco como operador de telemarketing em 2000. Ele foi um dos responsáveis

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social

Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social instituto fonte... Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social e a arte de neles intervir. Buscamos potencializar a atuação de iniciativas sociais,

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais