A DANÇA MACABRA COMO LINGUAGEM CORPORAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A DANÇA MACABRA COMO LINGUAGEM CORPORAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA"

Transcrição

1 1 A DANÇA MACABRA COMO LINGUAGEM CORPORAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA MACHADO, Simone Borges (SEED PDE) Introdução As mudanças ocorridas na disciplina Educação Física, dentro do espaço escolar, nos últimos anos, tanto no âmbito estadual, quanto no nacional vieram contribuir para a diversificação na aplicabilidade de seus conteúdos. Estas mudanças levaram o professor da disciplina a uma busca constante de novas possibilidades de ensino e assim, a estudos mais aprofundados dos conceitos científicos que envolvem a Cultura Corporal. Esses estudos voltam-se, desta forma, aos elementos presentes nas manifestações corporais de nossa cultura. O homem, seu corpo e a forma como interage com os demais, são elementos a serem estudados para uma melhor compreensão das relações humanas. Desta forma, a Dança, inserida como conteúdo estruturante da disciplina Educação Física no Estado do Paraná, conforme proposto pelas Diretrizes da Educação Física (PARANÁ, 2008) contribui para essa compreensão, pois abrange um grande leque de possibilidades no que se refere ao trabalho corporal. Por meio de sua efetiva prática pedagógica, o professor com ela comprometido, se sente estimulado a buscar informações em diferentes áreas do conhecimento humano. Entre as diversas áreas do conhecimento humano, encontra-se a Cultura Corporal, que abrange o conhecimento produzido e acumulado em relação ao corpo, considerando-o enquanto unidade (MAYER, 2005, p.01). O trabalho com o corpo, elemento de estudo da Educação Física, dentro desta perspectiva, envolve conhecimento, contextualização e principalmente linguagem, já que é um importante meio de comunicação entre os homens. Strazzacappa justifica a importância desta afirmativa no parágrafo abaixo: O indivíduo age no mundo através de seu corpo, mais especificamente através do movimento. É o movimento corporal que possibilita às pessoas se 1

2 2 comunicarem, trabalharem, aprenderem, sentirem o mundo e serem sentidos (STRAZZACAPPA, 2001, p.01). O professor de Educação Física, ao buscar conhecimentos relacionados ao corpo e ao movimento corporal pode encontrar elementos importantes da História e da Arte para a efetiva aplicabilidade deste conteúdo. Com isso, os educandos, cientes desses conceitos, podem fazer uso dos conhecimentos contidos nessas áreas, que são importantes para a formação do ser humano como integrante da sociedade. Ao relacionar a História com a Dança, como conteúdo da Educação Física, o professor leva seus alunos a apreender conhecimentos acerca de outras épocas, para com isso conhecerem outras culturas, outros valores e costumes. Ora, a obra de uma sociedade que remodela, segundo suas necessidades, o solo em que vive é, todos intuem isso, um fato eminentemente histórico. Assim como as vicissitudes de um poderoso núcleo de trocas. Através de um exemplo bem característico da topografia do saber, eis portanto, de um lado, um ponto de sobreposição onde a aliança de duas disciplinas revela-se indispensável a qualquer tentativa de explicação [...] (BLOCH, 2002, p.54). A pintura e o teatro também são elementos artísticos que contribuem com essa proposta educacional, quando expressam em suas obras, manifestações corporais. Portanto, fazer relações de acontecimentos sociais entre uma época distante e a nossa, por meio da História e da Dança, pode tornar-se um importante meio para a transmissão de conhecimentos, quando trabalhado com propriedade científica. O tema a ser abordado tem como objetivo evidenciar que a transmissão de mensagens corporais influenciava no comportamento de pessoas integrantes da sociedade de uma época remota. Essas pessoas tinham sentimentos que ainda estão presentes na população da sociedade atual. Nessa perspectiva, a Dança Macabra, manifestação corporal ocorrida no século XIV, pode favorecer o enriquecimento cultural e corporal do educando, envolvendo elementos educacionais relevantes, dentro do espaço escolar. Desta forma, possibilita mostrar à população discente a capacidade que a Dança tem de comunicar. 2

3 3 Educação Física e História: Diferentes ciências para um estudo sobre a Dança Por meio da história o homem consegue adquirir conhecimentos acerca de fatos e acontecimentos passados que podem ser relacionados com o presente. Independente da época em que ocorreu, um acontecimento passado pode exercer influência sobre a humanidade atual. Caracteriza-se como um movimento dialético em que o passado e o presente se relacionam. O historiador Le Goff, no livro O ofício do Historiador, explica esta relação: O presente bem referenciado e definido dá início ao processo fundamental do ofício do historiador: compreender o presente pelo passado e, correlativamente, compreender o passado pelo presente (LE GOFF in BLOCH, 2002, p. 25). Por meio de buscas históricas, a Dança na escola, como meio de expressividade e linguagem corporal pode estabelecer relações com o passado, como também se tornar um instrumento de transmissão do conhecimento. Dentro deste princípio, a história contribui para o desenvolvimento do homem, principalmente do educador. Mas, o processo de aprendizagem deve estar voltado para a realidade, contextualizado de forma que o educando consiga apreender o conhecimento histórico e relacioná-lo com acontecimentos do presente. Cardoso & Vainfas (1997) esclarecem esta capacidade de estabelecer relações, quando afirmam que a teoria marxista envolve uma relação epistemológica dialética entre presente e passado, ou seja, um olhar crítico quanto aos acontecimentos passados e presentes e como os mesmos se relacionam. É de grande importância esse processo dialético no meio educacional, já que a escola é, neste contexto, um ambiente adequado à transmissão dos conhecimentos que os homens construíram na história. Essa importância é reforçada por estes autores, quando afirmam: Vivemos com um pé num mundo ainda presente mas em vias de superação (o das primeiras revoluções industriais, com suas concentrações fabris e urbanas, com sua ênfase na palavra escrita, com suas lutas sociais específicas e conhecidas) e outro pé num mundo que ainda está nascendo ( no qual o computador, ao generalizar-se em conjunto com elementos tecnológicos de informação e a robótica, poderá perfeitamente tornar anacrônicas as concentrações fabris e urbanas; em que a primazia da palavra escrita vê-se contestada; em que as lutas sociais mudam de forma e de objetivos) ( CARDOSO & VAINFAS, 1997, p. 13). 3

4 4 Portanto, o mundo atual está sujeitoàs inúmeras transformações e necessita de suportes históricos bem pautados para que os sujeitos que nele estão inseridos, não se tornem anacrônicos. Considerando as afirmações de Cardoso e Vainfas, quanto ao uso do computador e o avanço da tecnologia de informação, esse fator contribui de forma importante com as buscas históricas, possibilitando pesquisas com informações precisas e maior rapidez. Porém, esses avanços não tornam anacrônicos certos valores indispensáveis na formação da sociedade. Cada sociedade tem sua característica peculiar formada por meio dos acontecimentos nela ocorridos. E com isso, resulta-se a heterogeneidade nas relações, derivadas de diferentes objetivos de vida. Da mesma forma, a escola se instaura como um ambiente em que alunos, oriundos de diferentes meios se encontram e interagem. E nela, necessitam expressar-se como forma de comunicação de seus sentimentos como emoções, prazeres e anseios. A Dança Macabra como manifestação da linguagem corporal Conforme Portinari (1989) o período chamado Idade Média, que se estendeu desde os anos de 476 até 1453, foi marcado por guerras, invasões e outros acontecimentos que prejudicaram as relações humanas. Coube aos humanistas do Renascimento descrever esses dez séculos como uma idade de trevas, contrastando com o florescimento intelectual e artístico que se seguiu. Na verdade, as trevas predominaram nos primeiros séculos, durante os quais a pax romana ruiu sob o impacto de invasões e guerras contínuas. As cidades se despovoaram, o medo e a ignorância reinaram, e o legado greco-romano tornou-se privilégio de uns poucos letrados que o reinterpretaram segundo o código cristão (PORTINARI, 1989, p. 51). É observada então, na Idade Média, principalmente nos primeiros séculos, uma grande instabilidade que causou mudanças significativas em toda a sociedade. Aconteceram grandes transformações, inclusive a mudança de poder, que então passou a ser da Igreja. Nesse clima de instabilidade, a autoridade civil foi substituída pela eclesiástica. Todos os setores da vida pública conheceram a interferência do cristianismo triunfante (PORTINARI, 1989, p. 51). Esse período foi marcado por muito sofrimento provocado pelas guerras, pela peste e pela fome. Havia segundo Huizinga (1978) um clima de tensão e violência. 4

5 5 O autor descreve claramente este período: Mau governo, extorsões, cobiça e violência dos grandes, guerras, assaltos, escassez, miséria e peste a isto se reduz, quase, a história da época aos olhos do povo. O sentimento geral de insegurança causado pelas guerras, pela ameaça das campanhas dos malfeitores, pela falta de confiança na justiça, era ainda por cima agravado pela obsessão da proximidade do fim do mundo, pelo medo do inferno, das bruxas e dos demônios. O pano de fundo de todos os modos de vida parecia negro. Por toda a parte as chamas do ódio se alteiam e a injustiça reina. Satã cobre com as suas asas sombrias a Terra triste. Em vão a Igreja militante combate e os pregadores fazem sermões; o mundo permanece inconvertido (HUIZINGA, 1978, p. 30). Por meio desta afirmativa, é possível perceber no povo medieval, o sentimento de medo, muito marcado principalmente no século XIV. Ele foi representado por meio da arte, sob forma de imagens e pelo teatro religioso, presente naquele período. Francastel (1982) define o poder que a arte exerce sobre o homem da seguinte forma: A arte é um instrumento de propaganda tanto nas mãos dos fracos como dos poderosos [...] O artista dá forma aos objetos e às idéias. Ele cria os mitos ou, mais exatamente, é ele que lhes dá uma figura de carne. Ora, não creio, de minha parte, na existência das idéias, independentemente de toda forma. A idéia não existe a não ser quando se exprime; escrita, palavra, imagem. A linguagem figurativa tem um papel incalculável na manifestação das mentalidades coletivas (FRANCASTEL, 1982, p.29). Na sociedade da Idade Média, a arte exercia sua função de forma bem definida, como afirma Huizinga (1978): Naqueles tempos, a arte revestia-se de vida. A sua função era a de encher de beleza as formas que a vida tomava. [...] A tarefa da arte era adornar todos estes conceitos de encanto e colorido; [...] para embelezar a vida. (p. 222). A arte também foi uma forma de expressão dos sentimentos, inclusive por meio da dança, que apesar das proibições impostas pelo clero, não deixou de existir. Em meio às crises de ordem econômica, militar, e eclesiástica, a Guerra dos Cem anos, para Boucier (1987), foi cenário dessas manifestações, a partir de 1337 até Em 1346 a epidemia da peste negra estoura e dizima um terço da população, aumentando com isso a violência das guerras. Surge então, uma forma diferente de expressar a arte. Neste contexto, não é surpreendente que os intelectuais e artistas atinjam os extremos: pesquisa de uma beleza puramente formal os grandes retóricos em literatura, o estilo gótico na arquitetura -; gosto pelo paroxismo de trágico os chorosos de Borgonha, as estátuas-cadáveres de Ligier Richier.A música 5

6 6 completa sua revolução técnica decisiva; torna-se uma arte inteiramente independente.a dança não é uma exceção nas grandes tendências da época: extremo refinamento da forma, sentido da morte em sua realidade mais brutal (BOURCIER, p. 56). A população se expressava por meio da Dança Macabra, que revelava seus temores em relação à morte. Ela era manifestada não pela sua beleza e plasticidade, mas pelo seu real significado. O sentimento negativo em relação à morte durante os últimos séculos da Idade Média é definido segundo Huizinga (1978) como Macabro, algo horrível e funesto que tem a sua origem na estratificação psicológica do medo e que foi induzida pela Igreja, ou seja, pelo pensamento religioso, como um caminho para a exortação moral. A população manifestava seu temor provocado pela representação que ainda para o mesmo autor, significava o ponto central de concepções associadas, onde a arte se apoderava desse sugestivo tema. Na literatura histórica, foram encontradas várias representações da Dança Macabra. Na representação encontrada na literatura francesa do século XIII em diante, três jovens vivos se deparam subitamente com três mortos que os avisam de seu fim próximo. Segundo Elmerich (1987), a Igreja passava a mensagem de que a morte era inevitável. Assim, as Danças Macabras, realizadas nos cemitérios obedeciam a um cortejo representado por: Adão e Eva, o anjo que os expulsou do paraíso, um esqueleto representado pela morte empunhando uma enorme foice, um cardeal, um rei ou um imperador, um burguês, um mendigo, um judeu e um pagão. Boucier (1987) ainda acrescenta que a Dança Macabra era a representação da Carola, dança de origem camponesa, que era executada para festejar colheitas. Tomada de um novo sentido, não significava mais uma manifestação de alegria. Representava então a morte, como um meio para se preservar os preceitos cristãos. Portinari (1989) afirma que a Dança Macabra foi representa pelo teatro religioso medieval, no intuito de submeter o homem aos desígnios divinos, por meio de mistérios, autos e milagres: Levadas em praças públicas ou em recintos pertencentes às igrejas, as peças misturavam passado e presente com objetivo de transmitir mensagem moralista. Assim a dança macabra teve o seu lugar nesse tipo de teatro. Simbolizava a insanidade causada pelo pecado, o flagelo da peste enviado por Deus para que os homens se arrependessem. Por vezes integrando o enredo e freqüentemente como um interlúdio, a dança era executada diante da boca do inferno que constituía o elemento mais engenhoso e realista do 6

7 7 cenário. Enquanto as labaredas crepitavam, um ator com máscara de caveira dançava de foice em punho, assustando a platéia (PORTINARI, 1989, p. 53). A descrição da Dança Macabra feita por Huizinga (1978), é de uma personagem dançante que volta quarenta vezes para conduzir os vivos, ou seja, um homem representando a morte. E que de acordo com as investigações do monsenhor Gédéon Huet, as pessoas mortas vindas do túmulo, tomavam o seu lugar na dança que assumia o formato de uma roda. Esse exemplo é representado no Totentanz retomado por Huet, onde o dançarino é o homem vivo em sua forma futura que caracteriza um duplo horrendo de sua pessoa. Por volta do fim do século XIV, a figura do dançarino passa a ser um esqueleto, na pintura de Holbein. Esta manifestação representou também uma forma de nivelar as várias profissões e categorias sociais. Nas figuras representadas pela Dança Macabra é bem evidente a diferença social dos elementos presentes nas pinturas ilustradas com figuras de ricos e pobres, reis, mendigos, mulheres, enfim, todos eram levados pela morte. Enquanto lembra aos espectadores a fragilidade e a vaidade das coisas terrenas, a dança da morte ao mesmo tempo prega a igualdade social tal como era compreendida na Idade Média, a morte nivelando as várias categorias sociais e profissões (HUIZINGA, 1978, p. 135). Mesmo a muitos séculos de distância, a arte da dança conseguiu transmitir uma mensagem de medo e, segundo Huizinga (1978), também de igualdade social para a população daquela época. A Dança assim atuou como linguagem, comunicando mensagens que foram traduzidas para a sociedade do século XIV. Hoje, a Dança, como elemento educativo na escola, estabelece sua função por meio da expressão corporal como linguagem. Favorece o educando na sua interação com a sociedade. Promove valores relevantes para a formação do homem ou para um repensar de suas ações em relação à convivência com o próximo. Assim, de uma forma bastante clara, a retomada histórica da Dança Macabra se apresenta no cenário educacional como elemento importante da linguagem corporal, que foi uma manifestação presente na realidade humana. Implementação A aplicação do conteúdo Dança Macabra foi ministrado no decorrer das aulas de Educação Física, voltadas ao público Jovem e Adulto, do Ensino Médio. As aulas foram 7

8 8 organizadas com a transmissão de conteúdos práticos e teóricos, já que a escola é responsável pela apropriação de saberes científicos. Relacionados com conteúdos da disciplina Educação Física, esses conteúdos mesclaram-se entre atividades que envolvem movimentações corporais, pesquisas acerca da Dança e abordagens históricas voltadas à Dança Macabra. Assim, as aulas aconteceram na escola e foram abertas a participações, inclusive de outros professores, pois ao possuírem conhecimentos oriundos de áreas diferentes puderam enriquecer o trabalho. Essa proposta teve como princípio construir outro olhar para a disciplina Educação Física, tecendo relações necessárias à transmissão do conhecimento universal. Na apresentação da proposta aos alunos, foi disponibilizado um Pôster com imagens e informações a respeito da Dança Macabra. Desta forma, eles puderam visualizar o tema e também serem estimulados para futuros estudos. Por se tratar de um tema diferente, os alunos se interessaram em conhecer a história expressa na Dança. No decorrer das aulas, foram levantadas questões reflexivas a respeito da capacidade de comunicação exercida pela Dança, tanto na Idade Média, como nos dias atuais, com o feito de conseguirem reportar o conteúdo histórico à realidade que os cercam. As indagações foram realizadas da seguinte forma: - A Dança transmite sentimentos a quem assiste? - Quando vocês assistem a uma Dança percebem a expressão de alegria ou de tristeza em quem a executa? - O que é expressão corporal? De que forma ela se apresenta na Dança? Ao serem questionados, os alunos sentiram a necessidade de responder e, conseqüentemente se interessaram por conhecer o assunto. Nas aulas ocorreram debates, conversas e exposições de experiências com a Dança, se já assistiram alguma apresentação e até mesmo se quando dançaram foram tomados de sentimentos e os transmitiram corporalmente. A partir desse recurso pedagógico foram apresentadas atividades de leitura e discussões de textos a respeito da Dança Macabra, com referenciais teóricos oriundos de historiadores e pesquisadores da Dança, como Maribel Portinari e Jaques Le Goff. Esse momento pedagógico foi importante para vincular a ação às interpretações históricas já postas e consagradas sobre os fatos. Em seguida, os alunos participaram de dinâmicas corporais. 8

9 9 Primeiramente num processo de desinibição, pois não é comum à realidade deles a exposição de movimentos corporais. Para o trabalho da prática corporal, inicialmente foi solicitado que os alunos prestassem atenção aos sons de diferentes ritmos musicais. Em seguida, eles deveriam dizer qual o sentimento transmitido pela música apresentada. Posteriormente, eles se submeteram a movimentações corporais, pelas quais a transmissão dos sentimentos remetidos pela música deveria estar expressa. A ação foi executada com sucesso, apesar da inibição inicial. Todos participaram e conseguiram sentir, ao expressarem-se corporalmente, as diferentes sensações transmitidas pela música. Logo após a dinâmica, foi necessário um comentário a respeito da atividade executada e sua relação com o tema da proposta pedagógica. Desta forma, foi esclarecido que por meio da expressão corporal a comunicação entre as pessoas é exercida e a Dança Macabra - manifestação corporal exercida no século XIV - marcou a história justamente por sua capacidade de comunicação e expressão corporal. As atividades voltadas ao desenvolvimento da expressão corporal são, a nosso ver, importantes para que os alunos conheçam e sintam como ela se processa corporalmente e qual a sua capacidade de comunicação. Portanto, diferentes formas de abordagens com relação a expressão corporal foram aplicadas ao grupo e sempre, ao final das atividades, acompanhadas de comparações com a Dança Macabra. Ao iniciar cada aula, foi feita uma retomada do conteúdo anterior, para que os alunos se inteirassem a respeito da continuidade da proposta. Então questionamentos como: Por que a Dança Macabra marcou fortemente a população do século XIV? foram relevantes no andamento do trabalho, pois é necessário ressaltar que a Dança, mesmo em um período remoto, teve a capacidade de comunicação e influenciou a população daquele tempo histórico. Foi realizada uma visita ao Laboratório de Informática da escola, como uma das estratégias utilizadas para a efetivação do trabalho. Assim, os mesmos foram encaminhados para navegações em sites relacionados ao tema. Por meio desse recurso tecnológico, eles puderam ler informações a respeito da manifestação em questão, visualizar imagens da Dança Macabra, bem como se apropriarem de comentários oferecidos on line por pesquisadores do tema e também se familiarizarem com uma ferramenta tecnológica oferecida pela escola. O deslocamento do ambiente comum às aulas, bem como a utilização de computadores são recursos interessantes para os alunos, pois além da obtenção de novas 9

10 10 fontes informativas a respeito do tema de trabalho, podem socializar, entre os colegas do grupo, os endereços de ambientes on line, que tratam do assunto. Com isso, a resposta dos alunos foi positiva com relação ao enriquecimento pedagógico e a variação na mediação do conteúdo. Essa iniciativa foi importante, pois os próprios alunos perceberam que ao manterem contato com essa nova ferramenta, o rol de conhecimentos acerca do tema proposto aumentou, bem como a curiosidade pela manifestação corporal estudada. Além disso, o grupo sentiu-se valorizado por ser capaz de pesquisar um conteúdo histórico e com grande relevância para seu aprimoramento educacional. Por meio da Televisão Multimídia, os alunos tiveram a oportunidade de assistir uma apresentação da música Dança Macabra Opus 40 que diferente da manifestação da Dança Macabra, ocorrida no século XIV, foi composta já no século XIX e é muito utilizada em trilhas sonoras para o cinema. Foi observado pelos alunos que a música transmite o mesmo sentimento proposto pela manifestação da Dança. Assim, após a apresentação executaram movimentações corporais ao som da música, com o intuito de expressarem o sentimento que a composição Dança Macabra opus 40 remeteu a eles. Ainda com a utilização do mesmo recurso, foi apresentada uma contextualização do período que se remete ao final do século XIV, sob forma de Power Point e ainda Imagens da Dança Macabra que, com o auxílio da professora da disciplina Arte, foi realizada a análise e leitura das imagens apresentadas. Essa abordagem é muito importante para a compreensão do significado da Dança Macabra, pois toda manifestação artística e corporal acontece como reflexo da sociedade em que a mesma está inserida. Desta forma, o conhecimento do período é relevante. Os alunos assistiram ao filme O Sétimo Selo, do diretor Ingmar Bergman. Por meio dele é possível uma visualização, mesmo que na visão do autor, do ambiente que permeava o século XIV e como as pessoas, daquele período, pensavam, principalmente, em relação ao medo da morte. Por meio de algumas passagens do filme, é possível observar um pintor trabalhando algumas imagens relacionadas à Dança Macabra, o modo de vida do homem medieval e ao final, nas últimas cenas, uma representação dela. Antes de iniciar a exibição, foi informado aos alunos que por se tratar de um filme clássico e antigo, não apresenta certos efeitos cinematográficos observados em filmes recentes. É justamente isso que transmite uma idéia mais realista do ambiente. O grupo achou 10

11 11 interessante poder visualizar o período e assim concretizar as informações a respeito do século XIV, mesmo não sendo um filme com ricos recursos tecnológicos. Ainda no decorrer das aulas, foi apresentado, por meio da Televisão Multimídia, um videoclipe do cantor e compositor Gabriel O Pensador, com a música Palavras Repetidas. Neste vídeo foi possível a visualização da expressividade do artista, que, de forma muito evidente, transmitiu corporalmente a mensagem contida na música. Alguns alunos do grupo, os mais desinibidos, após a apresentação, a dramatizaram, utilizando-se de toda expressividade corporal de que foram capazes naquele momento. Essa dinâmica foi muito importante para evidenciar o conhecimento das capacidades corporais, presente e peculiar em cada indivíduo. Ao final da dinâmica, foi observada a importância de nos expressarmos e de nos comunicarmos imbuídos de conhecimentos para, conseqüentemente, vivermos e nos relacionarmos melhor na sociedade. A avaliação da proposta foi realizada ao final do cronograma de implementação. Foi solicitado aos alunos que relatassem, por escrito e oralmente, o que acharam da proposta, como meio de enriquecimento educacional, pois para a efetivação do trabalho proposto é relevante que o aluno tenha consciência da abordagem da Dança na escola, da importância de ter acesso a acontecimentos históricos e da função exercida pela expressão corporal, presente nesse conteúdo. Desta forma, ao relatar seus apontamentos acerca da implementação, os alunos abordaram a importância de ter acesso a acontecimentos históricos. Muitos não conheciam a manifestação corporal Dança Macabra e a função que exercia na sociedade da época. Por meio da busca histórica foi possível aos alunos fazerem relações com manifestações artísticas e corporais presentes em nosso meio. Apontaram a diversidade de recursos pedagógicos apresentados no decorrer das aulas e com isso, uma maior aproximação na apreensão dos conhecimentos. Para eles, essa iniciativa os motiva a aprender, já que são propostas diferenciadas. Assim, as apresentações na Televisão Multimídia, a visita ao Laboratório de Informática, a exibição do filme e as dinâmicas em sala de aula tornaram as aulas atrativas. O grupo observou que a exibição do filme O Sétimo Selo propiciou a visão do ambiente em que acontecia a Dança Macabra e de como era o pensamento do homem da Idade Média. Muitos se intimidaram para executar as dinâmicas corporais, porém essa dificuldade foi superada, gradativamente, no decorrer do processo. Nos depoimentos e discussões, após as 11

12 12 execuções das dinâmicas, foi observado o envolvimento e a descoberta de novas possibilidades corporais, relacionadas às movimentações com ênfase na expressão corporal. Nas observações apresentadas pelos alunos, a forma de abordagem do conteúdo Dança Macabra na disciplina Educação Física foi inovadora. Para a maioria, a disciplina era vista apenas sob o aspecto da esportivização e de conteúdos sem contextualizações históricas. Assim, foi visível a valorização da disciplina, que também é construída por meio de conhecimentos científicos e sociais. Conclusão Diante dos estudos realizados, acreditamos que a dança como arte, como expressão corporal e constituindo-se como linguagem corporal na escola, pode contribuir na educação do indivíduo. Isso porque ao dançar, o homem carrega não somente movimentos mecânicos nesse ato, mas também sentimentos repletos de significados e mensagens que proporcionem o estímulo de debates. A dança, como outras formas de manifestações artísticas, possui significados sociais presentes nas relações humanas. Desta forma, a disciplina Educação Física, ao enfocar o conteúdo Dança pode pautar-se na história a fim de contextualizar acontecimentos marcantes da humanidade. Acreditamos que ao relacionar a Educação Física com a História, o aluno teve a oportunidade de apreender saberes culturais e compreender a linguagem corporal como meio de interação com a sociedade. Referências BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício de historiador. Rio de Janeiro: Zahar Ed., p. BOUCIER, Paul. História da dança no ocidente. São Paulo: Martins Fontes, p. CARDOSO & VAINFAS, Ronaldo. Domínios da história ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Editora Campos, p. ELMERICH, Luis. História da dança. São Paulo: Editora Nacional, p. 12

13 13 FRANCASTEL, Pierre. A realidade figurativa: elementos estruturais de sociologia da arte. São Paulo: Ed. Perspectiva S.A, p. HUIZINGA, Johan. O declínio da idade média. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, p. MAYER, Alice Maru Monteiro. Dança em transição e ferramenta educacional. Revista Virtú ICH UFJF ISSN Rio de Janeiro. Segunda edição - Segundo Semestre de Disponível em:< >. Acesso em: 23 julho PARANÁ, Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares da Educação Física para os anos finais do Ensino Fundamental e para o Ensino Médio. Curitiba: PORTINARI, Maribel. História da dança. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, p. STRAZZACAPPA, M. A educação e a fábrica de corpos: a dança na escola. Cad. CEDES. Campinas, São Paulo, n. 53, V.21, abr Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php>. Acesso em 15 outubro

UM ESTUDO DA DANÇA MACABRA POR MEIO DE IMAGENS DANCE EDUCATION IN LOWER-MIDDLE AGES: A STUDY OF THE DANCE MACABRE BY IMAGES

UM ESTUDO DA DANÇA MACABRA POR MEIO DE IMAGENS DANCE EDUCATION IN LOWER-MIDDLE AGES: A STUDY OF THE DANCE MACABRE BY IMAGES UM ESTUDO DA DANÇA MACABRA POR MEIO DE IMAGENS DANCE EDUCATION IN LOWER-MIDDLE AGES: A STUDY OF THE DANCE MACABRE BY IMAGES Pereira, Jacqueline da Silva Nunes jacqueline@cesumar.br 1 Terezinha Oliveira

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI.

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. BORTOLI, Bruno de (PIC/UEM) MARQUIOTO, Juliana Dias (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL Alex Silva Costa 1 Resumo O artigo procura analisar o desenvolvimento do ensino da disciplina de História na educação brasileira,

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO TRABALHADO "A peça". 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Em um dia de verão, os brinquedos aproveitam o sol

Leia mais

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1 Nos últimos anos, a educação a distância via telemática ganhou uma nova dimensão,

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV)

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV) 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Decadência do feudalismo. Estruturação do modo de produção capitalista. Transformações básicas: auto-suficiência para economia de mercado; novo grupo social: burguesia; formação

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX Neoclassicismo ou Academicismo: * Últimas décadas do século XVIII e primeiras do XIX; * Retoma os princípios da arte da Antiguidade grecoromana; * A

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA Gabriela Arcas de Oliveira¹; Joice Gomes de Souza²; Giana Amaral Yamin³. UEMS- CEP, 79804970- Dourados-MS, ¹Bolsista

Leia mais

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Léa Pintor Martins de Arruda Maria Angela de Souza Lima Rizzi O trabalho realizado com os educadores, pela equipe da Associação Arte Despertar no

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA"

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DIREITO E CINEMA Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA" Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Cornélio

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

DEVOÇÃO MARIANA NA IDADE MÉDIA ATRAVÉS DA ARTE DE GIOTTO: ADORAÇÃO DOS REIS MAGOS E EPIFANIA

DEVOÇÃO MARIANA NA IDADE MÉDIA ATRAVÉS DA ARTE DE GIOTTO: ADORAÇÃO DOS REIS MAGOS E EPIFANIA DEVOÇÃO MARIANA NA IDADE MÉDIA ATRAVÉS DA ARTE DE GIOTTO: ADORAÇÃO DOS REIS MAGOS E EPIFANIA ANTONIO, Jacqueline Rodrigues (UEL) VISALLI, Angelita Marques (UEL) INTRODUÇÃO: Este trabalho traz uma análise

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades: OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL V - 2012 A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

Leia mais

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE Série Número de aulas semanais 4ª 2 Apresentação da Disciplina Considerando a necessidade de repensar o ensino da arte, faz-se necessário refletir sobre este ensino em sua

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 Fernanda de Assis Oliveira 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Resumo: Este relato descreve

Leia mais

5 201 O LI Ó RTF PO 1

5 201 O LI Ó RTF PO 1 1 PORTFÓLIO 2015 Um pouco da trajetória do Colégio Ação1 QUANDO TUDO COMEÇOU 1993 Experientes profissionais fundaram, no bairro do Méier, a primeira unidade da rede Ação1. O foco do trabalho era a preparação

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA CARDOSO NETO, Odorico Ferreira i ; CAMPOS, Cleanil Fátima Araújo Bastos ii ; FREITAS, Cleyson Santana de iii ; CABRAL, Cristiano Apolucena iv ; ADAMS,

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

Antropocentrismo (do grego anthropos, "humano"; e kentron, "centro") é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do

Antropocentrismo (do grego anthropos, humano; e kentron, centro) é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do ARTE GÓTICA A Arte Gótica se desenvolveu na Europa entre os séculos XII e XV e foi uma das mais importantes da Idade Média, junto com a Arte Românica. Ela teve grande influencia do forte Teocentrismo (O

Leia mais

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE RESUMO Este texto é uma reflexão sobre o brincar nas aulas de educação física escolar do primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental,

Leia mais

Brincadeira é Jogo Sério. Resumo. Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2

Brincadeira é Jogo Sério. Resumo. Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2 Brincadeira é Jogo Sério Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2 Resumo A infância é fascinante, durante a vida é neste período que exteriorizamos nossos sentimentos, nossas experiências e

Leia mais

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ---- 1. Procure e marque, no diagrama de letras, as palavras em destaque no texto.

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ---- 1. Procure e marque, no diagrama de letras, as palavras em destaque no texto. Valores eternos. TD Recuperação ALUNO(A) MATÉRIA História PROFESSOR(A) Magela ANO SEMESTRE DATA 7º 1º Julho/2013 TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS ---- ---- 1. Procure e marque, no diagrama de letras, as

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA EJA - Ensino Fundamental 2º Segmento GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA Fase/Ano: 4ª Fase -6º e 7º Ano Ano Letivo: 2014 Componente Curricular: História Professores do Estúdio: Cláudio

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador Workshop da FAEL aborda direitos humanos e papel do educador No 15 workshop da Faculdade Educacional da Lapa - FAEL, os acadêmicos do curso de pedagogia tiveram a oportunidade de aprender e praticar os

Leia mais

AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES

AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES Morilo Aquino Delevati 1 Vanessa Lopes da Silva 2 Leandro Marcon Frigo 3 Resumo: A elaboração de oficinas está incorporada à formação inicial e continuada

Leia mais

Os Diálogos entre o Regime Nazista e o cinema de Leni Riefensthal Resumo: . Palavras-chave: Cinema, nazismo, história Introdução

Os Diálogos entre o Regime Nazista e o cinema de Leni Riefensthal Resumo: . Palavras-chave: Cinema, nazismo, história Introdução Os Diálogos entre o Regime Nazista e o cinema de Leni Riefensthal Krystila Andressa Costa da Silva Resumo: O presente artigo tem como objetivo refletir sobre o papel do cinema em um dos momentos históricos

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

a. Na Idade Média, a principal riqueza que um homem poderia possuir era a terra. No texto, identifique

a. Na Idade Média, a principal riqueza que um homem poderia possuir era a terra. No texto, identifique Atividade extra Vivendo a vida do seu jeito Questão 1 A agricultura para consumo era, no feudalismo, a atividade principal. O comércio, muito reduzido. As terras não tinham valor de troca, de mercado,

Leia mais

Planificação Anual ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS TEMA(S) / CONTEÚDOS AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO

Planificação Anual ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS TEMA(S) / CONTEÚDOS AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO ANO LECTIVO - 010/ 011 ÁREA DISCIPLINAR DE HISTÓRIA HISTÓRIA 7º ANO COMPETÊNCIAS GERAIS 1. Tratamento de informação; utilização de fontes;. Compreensão histórica:.1. Temporalidade.. Espacialidade.3. Contextualização

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE COLINA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E.M.E.F. CEL. JOSÉ VENÂNCIO DIAS EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Ninguém educa ninguém. Ninguém se educa sozinho. Os homens se educam em

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL Educador: Luciola Santos C. Curricular: História Data: / /2013 Estudante: 7 Ano Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL 7º Ano Cap 1e 2 Feudalismo e Francos Cap 6 Mudanças no feudalismo Cap 7 Fortalecimento

Leia mais

19º CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICODRAMA. A Humanidade no século 21

19º CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICODRAMA. A Humanidade no século 21 19º CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICODRAMA A Humanidade no século 21 DIRETORA NATÁLIA GIRO EGOS AUXILIARES MAHER HASSAN MUSLEH E WENDY PRADO Introdução: Relacionar-se com o outro é uma condição essencial para

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

A importância da leitura na fase infantil.

A importância da leitura na fase infantil. EDIÇÃO II VOLUME 3 01/04/2011 A importância da leitura na fase infantil. O desenvolvimento de interesses e hábitos permanentes de leitura é um processo constante, que principia no lar, aperfeiçoa-se sistematicamente

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

IGREJA NA BAIXA IDADE MÉDIA

IGREJA NA BAIXA IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA -Características: *Grandes transformações no sistema feudal; *aumento da produção agrícola; *aparecimento da burguesia; *crise de poder da nobreza feudal. IGREJA NA

Leia mais

Palavras-chave: Música caipira. Literatura. Valores. Imaginário. Cultura.

Palavras-chave: Música caipira. Literatura. Valores. Imaginário. Cultura. A MÚSICA CAIPIRA E A LITERATURA: do imaginário à representação cultural Meire Lisboa Santos Gonçalves Resumo: As manifestações sobre a tradição e cultura caipira e o seu reconhecimento são temáticas muito

Leia mais

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS CTCH Centro de Teologia e Ciências Humanas CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS Cíntia dos Santos Gomes, 1 Rosália Maria Duarte. 2 Departamento de Educação PUC-RIO 2007 1 Aluno de Graduação

Leia mais

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características:

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características: 14. HISTÓRIA DAS UNIVERSIDADES Um universitário de hoje talvez imagine que a ciência sempre foi parte integrante dessas instituições, mas a ciência chega relativamente tarde à comunidade universitária,

Leia mais

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011 PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES 1 Diretrizes para o ensino de Arte 2011 1 Arte e legislação educacional: A inclusão da Arte no currículo escolar foi

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

Os Impressionistas. Episódio: Vincent Van Gogh. Palavras-chave Pintura, biografia, Van Gogh, impressionismo, França

Os Impressionistas. Episódio: Vincent Van Gogh. Palavras-chave Pintura, biografia, Van Gogh, impressionismo, França Os Impressionistas Episódio: Vincent Van Gogh Resumo Este vídeo, da série Os impressionistas, aborda a vida e obra do artista holandês Vincent Van Gogh. Autodidata, Van Gogh é um dos mais aclamados e mitificados

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

Ensino religioso História Geografia

Ensino religioso História Geografia TEMA As diferenças podem incomodar AUTOR Loridane Gondim de Souza e-mail: loridanesouza@zipmail.com.br SÉRIE II etapa do 1º ciclo, 2ª série EIXOS Ensino religioso História Geografia Alteridade História

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE CURSO A DISTÂNCIA ENTRE USP E UNIVERSIDADE DO TENNESSEE APLICADA AO ENSINO DE ENGENHARIA MECÂNICA

EXPERIÊNCIA DE CURSO A DISTÂNCIA ENTRE USP E UNIVERSIDADE DO TENNESSEE APLICADA AO ENSINO DE ENGENHARIA MECÂNICA EXPERIÊNCIA DE CURSO A DISTÂNCIA ENTRE USP E UNIVERSIDADE DO TENNESSEE APLICADA AO ENSINO DE ENGENHARIA MECÂNICA Silmara A. S. Vicente 1, Márcia M. Maru 2, Rui G. T. de Almeida 3, Linilson R. Padovese

Leia mais

XIII Congresso Estadual das APAEs

XIII Congresso Estadual das APAEs XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL A IMPORTÂNCIA E SIGNIFICÂNCIA DO TRABALHO EM EQUIPE INTERDISCIPLINAR

Leia mais

O GRUPO DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO

O GRUPO DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO O GRUPO DOM BOSCO Este é o momento de dar espaço à curiosidade, de fazer novas descobertas e formar suas próprias ideias. SEDE HORTO - Berçário - Educação Infantil - 1º Ano

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

PRÉ-ESCOLAR PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES. Vale Mourão 2014 / 2015 PROJETO: CHUVA DE CORES

PRÉ-ESCOLAR PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES. Vale Mourão 2014 / 2015 PROJETO: CHUVA DE CORES COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ-ESCOLAR PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES Vale Mourão 2014 / 2015 PROJETO: CHUVA DE CORES INTRODUÇÃO «Será a emergência do sentido e conteúdo curricular que permitirá

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

INTERPRETAR O PATRIMÔNIO LOCAL: PROJETO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL PARA PROFESSORES

INTERPRETAR O PATRIMÔNIO LOCAL: PROJETO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL PARA PROFESSORES DOI: 10.4025/4cih.pphuem.268 INTERPRETAR O PATRIMÔNIO LOCAL: PROJETO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL PARA PROFESSORES Simone Aparecida Pinheiro de Almeida i INTRODUÇÃO Pensar os conteúdos significa refletir acerca

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

O ENSINO DE LITERATURA BRASILEIRA ATRAVÉS DA MÚSICA

O ENSINO DE LITERATURA BRASILEIRA ATRAVÉS DA MÚSICA 1 O ENSINO DE LITERATURA BRASILEIRA ATRAVÉS DA MÚSICA José Ozildo dos SANTOS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba Rosélia Maria de Sousa SANTOS Instituto Federal de Educação,

Leia mais

A leitura, um bem essencial

A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura é uma competência básica que todas as pessoas devem adquirir para conseguirem lidar de forma natural com a palavra escrita. Mas aprender

Leia mais

Web site Espia Amazonas 1

Web site Espia Amazonas 1 1 Web site Espia Amazonas 1 Lidiane CUNHA 2 Adália CORDEIRO 3 Breno CABRAL 4 Iara RODRIGUES 5 Marcela MORAES 7 Gabrielle NASCIMENTO 8 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM RESUMO O web site Espia Amazonas foi

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II Músicas infantis. Danças, músicas e personagens folclóricos. Conhecer textos e melodias folclóricos; Entoar músicas do folclore brasileiro; Dançar músicas folclóricas; Imitar

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA: EMENTAS DAS DISCIPLINAS NÍVEL I

CURSO DE HISTÓRIA: EMENTAS DAS DISCIPLINAS NÍVEL I CURSO DE HISTÓRIA: EMENTAS DAS DISCIPLINAS NÍVEL I 15201-04 Introdução ao Estudo da História Introdução ao estudo da constituição da História como campo de conhecimento, ao longo dos séculos XIX e XX,

Leia mais

A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA.

A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA. A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA. Francisca Fabiana Ferreira da Silva 1 fabiana.igor@hotmail.com Francisca Mônica Paz de Sousa Dantas 2 monnyka@hotmail.com

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA E O ENSINO DA DANÇA: CONSTRUINDO UMA AÇÃO PEDAGÓGICA POSSÍVEL

PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA E O ENSINO DA DANÇA: CONSTRUINDO UMA AÇÃO PEDAGÓGICA POSSÍVEL PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA E O ENSINO DA DANÇA: CONSTRUINDO UMA AÇÃO PEDAGÓGICA POSSÍVEL Regiane Ávila 1 RESUMO: Este trabalho buscou traçar relações do ensino da dança na perspectiva da pedagogia histórico-crítica.

Leia mais

A Prática do Inglês nas Escolas Públicas Brasileiras

A Prática do Inglês nas Escolas Públicas Brasileiras A Prática do Inglês nas Escolas Públicas Brasileiras Luciana Virgília Amorim de Souza¹ RESUMO O trabalho busca questionar os métodos ensinados para praticar a Língua Inglesa nas escolas. O inglês, no Brasil,

Leia mais

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema Luciana Ferreira Pinto 1 1.Introdução Desde o início da Escola dos Anais, na França, os objetos de estudo da História vêm se modificando, exigindo

Leia mais

JOGO ENERGIA NA MEMÓRIA: UMA ALTERNATIVA PEDAGÓGICA

JOGO ENERGIA NA MEMÓRIA: UMA ALTERNATIVA PEDAGÓGICA JOGO ENERGIA NA MEMÓRIA: UMA ALTERNATIVA PEDAGÓGICA Natale Figueiredo (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia IFRJ), Ana Carolina Cunha (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

O PAPEL DOS OS ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ESCOLARES NO DESENOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS PRÁTICAS DE LEITURA

O PAPEL DOS OS ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ESCOLARES NO DESENOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS PRÁTICAS DE LEITURA O PAPEL DOS OS ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ESCOLARES NO DESENOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS PRÁTICAS DE LEITURA Resumo SAMPAIO, Wany Bernardete de Araujo 1 - UNIR Grupo de Trabalho Práticas e Estágios nas Licenciaturas

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais