Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS"

Transcrição

1 Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Profª Adriana Valente Rio de Janeiro, 2º semestre de Rua 1º de Março, 33 Centro Rio de Janeiro/RJ Cep: Telefone: (21) e

2 2 1 ESTRUTURA DO CURSO 1.1 Objetivos Transmitir aos participantes os conhecimentos básicos necessários à Analise das Demonstrações Contábeis. 1.2 Carga Horária 15 h/a. 1.3 Metodologia Exposição teórica com aplicação de exercícios práticos. 1.4 Programa PROGRAMA 1. Objetivo da Análise das Demonstrações Contábeis 2. Análise Horizontal e Vertical 3. Análise da Liquidez 4. Análise da Rentabilidade e Rotação 5. Análise do Endividamento 6. Análise do Capital de Giro e a Necessidade de Capital de Giro 7. Ciclo Operacional e Financeiro 8. Giro do Ativo, Retorno sobre o Ativo e Retorno sobre o Patrimônio Líquido 9. Insolvência 2

3 3 2 INTRODUÇÃO FINALIDADE Estudar a situação patrimonial da entidade através da decomposição, comparação e interpretação do conteúdo das demonstrações contábeis, visando obter informações analíticas e precisas sobre a situação patrimonial da empresa. OBJETIVO Visa relatar, com base nas informações contábeis fornecidas pelas empresas, a posição econômica financeira atual, as causas que determinaram a evolução apresentada e as tendências futuras. Pela análise extraem-se informações sobre a posição passada, presente e futura (projetada) de uma empresa. PROCESSO PREPARATÓRIO Para conclusões e decisões acerca da análise das demonstrações financeiras é fundamentalmente importante à qualidade das informações (exatidão dos valores registrados, rigor nos lançamentos e princípios contábeis adotados etc.) e do volume de informações disponíveis ao analista. COMPARAÇÕES É importante acrescentar, ainda, que a análise de balanços é fundamentalmente comparativa. Ou seja, determinado índice, quando avaliado isoladamente, não produz informações suficientes para uma 3

4 4 correta conclusão. É indispensável que se conheça como evoluiu esse resultado nos últimos anos e em que nível ele se situa em relação aos concorrentes e aos padrões de mercado. EMPRESA E O MERCADO Uma preocupação essencial do analista deve ser a de conhecer mais detalhadamente a empresa e seu mercado de atuação, de maneira a melhor avaliar as decisões financeiras (investimentos e financiamentos) tomadas. A análise torna-se bem mais consistente quando interpretada dentro das características do setor de atividade da empresa. No estudo do setor de atividade em que uma empresa encontra-se inserida devem ser avaliados o potencial, atual e futuro do mercado consumidor, o nível e o tamanho da concorrência, a dependência tecnológica, os fornecedores, a política de preços adotada para o setor, etc. Iudícibus Pode-se partilhar a ideia de que a análise de balanços é uma arte, pois, apesar das técnicas desenvolvidas, não há nenhum critério ou metodologia formal de análise válidos nas diferentes situações e aceitos pelos analistas. Dessa maneira, é impossível sugerir-se uma sequência metodológica ou um instrumental cientifico capazes de fornecer diagnósticos sempre precisos das empresas. 4

5 5 A maneira com que os indicadores de análise são utilizados é particular de quem faz a análise, sobressaindo-se, além do conhecimento técnico, a experiência e a própria intuição do analista. Dois analistas podem chegar a uma conclusão bem diferente sobre uma empresa, mesmo tendo eles trabalhados com as mesmas informações e utilizado iguais técnicas de análise. Segmentação do risco empresarial Risco operacional sazonalidade Risco financeiro endividamento ALGUNS AJUSTES NO NAS DEMOSNTRAÇÕES PARA ANÁLISE Despesas pagas Antecipadamente Por não representar mais entrada de recursos, geralmente é reclassificada para o Patrimônio Líquido. As participações de empregados e dos diretores no resultado da empresa, geralmente determinadas sobre o lucro após o IR e CSLL, são melhores representadas como despesas operacionais, pois poderão ser avaliadas como despesa de pessoal, devendo, por conseguinte onerar o resultado operacional da empresa. Ações em Tesouraria em alguns casos pode representar mais efetivamente uma aplicação financeira, sendo, portanto classificada no ativo. Dado o caráter controvertido ela é geralmente mantida no PL. 5

6 6 3 ANÁLISE HORIZONTAL E VERTICAL De evolução, horizontal ou de crescimento. De estrutura, vertical ou de composição. Análise Horizontal Tem por objetivo avaliar o aumento ou a diminuição dos valores que expressam os elementos patrimoniais ou do resultado, numa determinada série histórica de exercícios. Análise Vertical Tem por objetivo medir percentualmente cada componente em relação ao todo do qual faz parte e fazer as comparações caso existam dois ou mais períodos. CONTAS 2014 AV 2013 AV AH Caixa e Equivalentes a Caixa Clientes Estoques Imobilizado Liquido TOTAL ATIVO Fornecedores Salário a Pagar Encargos Sociais Dividendos Empréstimo Patrimônio Líquido TOTAL DO PASSIVO

7 7 Contas 2014 AV 2013 AV AH Vendas Líquidas CMV (29.000) (30.000) Lucro Bruto Despesas Administrativas (21.000) (28.000) Lucro Operacional IR/CSLL (600) (200) Lucro Líquido Exercícios 1. Julgue os itens em certos ou errados. a) A análise das demonstrações financeiras visa fundamentalmente ao estudo do desempenho econômico-financeira de uma empresa em um período anterior, para diagnosticar sua posição atual e produzir resultados que subsidiem a previsão de tendências futuras. b) Para fornecer elementos suficientes a um diagnóstico preciso de uma determinada empresa, o processo de análise econômico-financeira deve ser complementado com uma comparação temporal evolução nos últimos anos e setorial principais concorrentes e média do mercado do setor dos indicadores levantados. c) É obrigatória a reclassificação contábil no balanço patrimonial da conta fornecedores classificado no passivo circulante, quando se referir a uma empresa controlada. d) Na reclassificação do balanço para análise, é comum reduzir o imobilizado do patrimônio líquido. e) O ativo realizável a longo prazo é normalmente transferido para o ativo circulante, visando uma classificação conservadora. 7

8 8 2. Análise as informações da Cia. Nunes S.A num determinado exercício social: Elementos do resultado 31/dez/ /dez/2004 Vendas Líquidas de Mercadorias 1.000, ,00 Custo das Mercadorias Vendidas 620,00 860,00 Despesas Operacionais 200,00 383,00 Na análise horizontal, o percentual da variação ocorrida no lucro bruto da Cia, Nunes, em 2004, foi: a) 90,0% b) 158,20% c) 165,00% d) 190,00% b) e) 265,00% 3. Considerando o Balanço Patrimonial abaixo, julgue os itens em certos ou errados. ativo 31/12/01 movimento 1º trimestre balanço patrimonial (em R$) 31/03/02 passivo 31/12/01 movimento 1º trimestre 31/03/02 circulante circulante disponibilidades fornecedores contas a receber de vendas pessoal e encargos a pagar estoque de mercadorias tributos a pagar despesas do período seguinte aluguéis e seguros a pagar realizável a longo prazo dividendos (11.000) 0 empréstimos empréstimos permanente patrimônio líquido investimentos capital social imobilizado reservas de capital diferido (200) reservas de lucros lucros acumulados total total Julgue os itens a seguir em certos ou errados, considerando os elementos do balanço patrimonial apresentado no quadro acima: a) Pela análise horizontal, pode-se concluir que os recursos próprios cresceram no primeiro trimestre em valor absoluto mais que os de terceiros. 8

9 9 b) Pela análise vertical, pode-se observar que, nos dois balanços, a empresa opera com capital fixo em proporção superior àquela do circulante. c) Caso essa empresa tivesse aplicado mais capital no ativo fixo no primeiro trimestre, teria de diminuir o ativo circulante ou aumentar uma das fontes no passivo. d) Pelo movimento do ativos e passivos no primeiro trimestre, podese concluir que a empresa operou com lucro no período. 9

10 10 4 INDICES Liquidez Avalia a capacidade da empresa, para satisfazer compromissos de pagamentos com terceiros. Rentabilidade Avalia o rendimento, a lucratividade da empresa obtida em determinado período. Rotação Determina o giro (velocidade) dos valores aplicados. Endividamento Avalia o grau de endividamento da empresa. Rentabilidade e Lucratividade Avalia o rendimento obtido pela empresa em determinado período. 10

11 11 5 ÍNDICES DE LIQUIDEZ Avalia a capacidade da empresa para honrar compromissos assumidos. O índice quanto maior melhor. Liquidez Fórmula Exemplo Imediata ou absoluta *Disponível Passivo Circulante * Caixa e Bancos = 0,96 ou 96% Corrente Ativo Circulante Passivo Circulante = 1,40 ou 140% Seca Ativo Circulante ( Estoques + *DA) Passivo Circulante *DA (despesas pagas antecipadamente) = 1,15 ou 115% Geral Ativo Circulante + Realizável Longo Prazo Passivo Circulante + Exigível Longo Prazo = 1,08 ou 108% Exercícios de Fixação 11

12 12 1. Dados extraídos do balanço da Cia. Gama em X0: Ativo Circulante (R$) Disponibilidades ,00 Clientes ,00 Estoques , ,00 Ativo Não Circulante Realizável a LP ,00 Imobilizado ,00 Intangível , ,00 TOTAL DO ATIVO ,00 Passivo Circulante Fornecedores ,00 Outras Obrigações , ,00 Passivo Não Circulante Financiamentos , ,00 Patrimônio Líquido Capital ,00 Reservas , ,00 TOTAL DO PASSIVO ,00 É correto afirmar que o índice de a) Liquidez imediata é igual a 0,15. b) Liquidez geral é igual a 1,2. c) Liquidez corrente é igual a 1. d) Liquidez seca é igual a 1,6. e) Endividamento total é igual a 0,

13 13 Ativo R$ Passivo R$ Ativo Circulante Passivo Circulante Dusponibilidades Fornecedores Contas a receber Salários e encargos a pagar 800 Estoques Tributos a recolher Despesas do período seguinte 120 Provisões para conting. Fiscais Adiantamentos 700 Outras contas a pagar Outros valores a receber 500 a) A liquidez corrente da empresa é de 1,99, indicando uma excelente situação financeira. b) As disponibilidades, representando 7,3% do total do ativo circulante, não estão adequadas, pois o mais correto seria a manutenção de um caixa mais elevado, permanentemente, mesmo considerando que o mercado financeiro garante uma rentabilidade inferior à aplicação no negócio da companhia. c) A companhia dá preferência ao pagamento à vista ou antecipado das suas compras, mesmo sem desconto, para manter um giro rápido das suas contas a pagar, medida esta julgada acertada. 3. Em 31 de dezembro de 2001, a firma Leo, Lea & Cia. Tinha um patrimônio composto dos seguintes elementos, com respectivos valores, em milhares de reais: O balanço decorrente do patrimônio acima foi submetido ao programa de análise contábil da empresa, tendo revelado, em termos percentuais, os seguintes quocientes de liquidez: 13

14 14 a) Liquidez Geral 175,00 % b) Liquidez Corrente 150,00 % c) Liquidez Comum 112,50 % d) Liquidez Seca 100,00 % e) Liquidez Imediata 44,12 % 4. Observe as informações abaixo, sobre as Empresas Alfa e Beta. Liquidez corrente da Empresa Alfa 2,0000 Liquidez Corrente da Empresa Beta 3,0000 Sabendo-se que a Alfa compra mercadorias com vencimento de curto prazo e que a Beta paga uma dívida com vencimento de curto prazo, pode-se concluir que a liquidez corrente: (A) manteve-se inalterada nas duas empresas. (B) aumentou na Empresa Alfa e diminuiu na Empresa Beta. (C) aumentou nas duas empresas. (D) diminuiu nas duas empresas. (E) diminuiu na Empresa Alfa e aumentou na Empresa Beta. 5. O que ocorrerá se uma empresa apresentar um índice de liquidez corrente igual a 0,80? a) Terá muita dificuldade para honrar compromissos de curto prazo. b) Deverá providenciar, uma redução simultânea e do mesmo valor, no Ativo e no Passivo Circulante. c) Estará praticamente falida. d) Em condições normais, não poderá pagar suas obrigações de curto prazo. e) Em condições normais, não poderá pagar suas dívidas de longo prazo. 6. A Cia. Sobral apresentou a seguinte estrutura Patrimonial, em reais, em 31/12/2004: 14

15 15 Ativo Ativo Circulante 5.000,00 Realizável LP 2.000,00 Imobilizado 1.000,00 Total 8.000,00 Passivo Passivo Circulante 5.500,00 Exigível LP 1.500,00 Patrimônio Líquido 1.000,00 Total 8.000,00 O pagamento de fornecedores com cheque no valor de R$ 500,00: a) não modifica os índices de liquidez corrente e geral. b) melhora o índice de liquidez corrente, mas não altera o índice de liquidez geral. c) melhora os índices de liquidez corrente e geral. d) piora os índices de liquidez corrente e geral. e) piora o índice de liquidez corrente, mas não altera o índice de liquidez geral. 6 ÍNDICES DE RENTABILIDADE Avalia o rendimento, a lucratividade da empresa obtida em determinado período. 15

16 16 O índice quanto maior melhor. Índices Fórmula Exemplo Margem Bruta Lucro Bruto Receita Líquida = 0,20 ou 20% Margem Operacional Lucro Operacional Receita Líquida = 0,06 ou 6% Margem Líquida Lucro Líquido após o IR Receita Líquida = 0,05 ou 5% Exercícios 1. 16

17 17 Com base na demonstração de resultado apresentada acima, julgue os itens a seguir em certo ou errado. I. A empresa está operando com resultado positivo e a sua margem líquida é superior a 6% sobra as vendas líquidas. II. A margem bruta sobre a receita líquida é menor que 47%. III. A margem operacional situa-se em torno de 10% da receita líquida. 2. A Demonstração do Resultado do Exercício da Empresa Óleos & Lubrificantes apresenta as seguintes contas e saldos, em reais: Receitas de Vendas ,00 ICMS sobre Vendas 7.500,00 Devolução de Vendas 1.100,00 Despesas com Vendas 2.800,00 Resultado Negativo de Equivalência Patrimonial 1.500,00 Provisão para Imposto de Renda 2.250,00 Despesas Financeiras 1.700,00 Custo das Mercadorias Vendidas ,00 Com base nos dados apresentados, a Margem Operacional Líquida da empresa será, em reais, de: a) 0,35 b) 0,40 c) 0,50 d) 0,70 e) 0,75 17

18 18 7 CICLO OPERACIONAL Fases operacionais existentes no interior da empresa, que vão desde a aquisição de materiais para a produção até o recebimento das vendas efetuadas. 18

19 19 Fases operacionais de uma indústria Aquisição de Matéria Prima - MP Prazo Médio de Estocagem da MP - PME Prazo Médio de Fabricação - PMF Prazo Médio de Estocagem do Produto Acabado (PA) - PME Prazo Médio de Vendas - PMV Prazo Médio de Recebimento das Vendas PMRV Prazo Médio de Pagamento aos Fornecedores - PMPF Fases operacionais de um comércio Aquisição de mercadorias para revenda Prazo Médio de Estocagem - PME Prazo Médio de Vendas - PMV Prazo Médio de Recebimento das Vendas PMRV Prazo Médio de Pagamento aos Fornecedores - PMPF Ciclo Operacional Comercial PME + PMRV 20 dias + 16 dias = 36 dias Quanto mais longo se apresentar o ciclo operacional, mais elevado serão às necessidades de investimento em giro. Índices Fórmula Formulas Prazo Médio de Estocagem Estoque Médio x 360 CMV 360 CMV 19

20 20 Estoque médio Prazo Médio de pagamento Fornecedores Média x 360 Compras anuais a prazo ou média 360 Fornecedores Duplicatas a pagar ou média Prazo Médio Recebimento Clientes Média x 360 Vendas anuais a prazo ou vendas anuais 360 Clientes Vendas anuais a prazo ou média Rotação Estoques 360 Prazo Médio Estocagem Rotação Pagamentos Fornecedores Rotação Recebimento Vendas 360 Prazo Médio de Pagamento 360 Prazo Médio de Recebimento Exercícios 1. 20

21 21 Ativo R$ Passivo R$ Ativo Circulante Passivo Circulante Dusponibilidades Fornecedores Contas a receber Salários e encargos a pagar 800 Estoques Tributos a recolher Despesas do período seguinte 120 Provisões para conting. Fiscais Adiantamentos 700 Outras contas a pagar Outros valores a receber 500 Considerando o demonstrativo acima, que contém o ativo e o passivo circulantes de uma companhia em uma determinada data, e ainda, os princípios de administração financeira aplicáveis, julgue os itens abaixo: a) As vendas anuais da companhia, no valor de R$ , indicam que o giro de contas a receber é muito lento, tomando por base a mediana do setor em que ela atua, a qual corresponde a um prazo médio de recebimento de vendas de 60 dias. b) Considerando que a mediana do prazo médio de renovação dos estoques que se verifica entre as empresas do setor em que atua a companhia seja de 30 dias, é correto afirmar que ela apresenta um giro muito lento para os seus estoques, considerando que o custo das mercadorias vendidas no período foi de R$ Julgue os itens em Certo ou Errado a) O prazo médio de recebimento de vendas de um ano de R$ , para um contas a receber médio, líquido da provisão para devedores duvidosos, de R$ , estará em torno de 30 dias. b) O aumento do prazo de renovação de estoques, com a elevação de vendas e do custo das mercadorias vendidas, não requererá, necessariamente, capital para o financiamento desse ativo acrescido

22 22 ativo 31/12/01 movimento 1º trimestre balanço patrimonial (em R$) 31/03/02 passivo 31/12/01 movimento 1º trimestre 31/03/02 circulante circulante disponibilidades fornecedores contas a receber de vendas pessoal e encargos a pagar estoque de mercadorias tributos a pagar despesas do período seguinte aluguéis e seguros a pagar realizável a longo prazo dividendos (11.000) 0 empréstimos empréstimos permanente patrimônio líquido investimentos capital social imobilizado reservas de capital diferido (200) reservas de lucros lucros acumulados total total Julgue os itens subsequentes, observando os elementos dos balanços apresentados nos quadros I e II, que se referem à mesma empresa e ao mesmo período. a) Pelos números apresentados, o prazo médio de renovação de estoques de mercadorias é superior a 30 dias. b) O prazo médio de recebimento de contas de clientes é inferior a 40 dias. c) O prazo médio de pagamento de fornecedores é superior a 60 dias, considerando que as compras do primeiro trimestre foram de R$ d) A partir da análise do fluxo de caixa, observa-se que a empresa está aplicando capitais no crescimento da sua atividade e na compra de ativo fixo, sem contar com capitais de terceiros. e) A margem bruta sobre vendas líquidas da empresa é de 48%. 22

23 23 4. Considere os dados abaixo, com valores em reais, extraídos da contabilidade da Cia. Gama, referentes ao exercício de 2004: Estoque inicial de mercadorias ,00 Estoque final de mercadorias 9.400,00 Compra de mercadorias ,00 Considerando-se que o ano comercial tem 360 dias, o prazo médio de rotação dos estoques da Cia. Gama, no exercício de 2004, em dias, é: a) 25 b) 50 c) 75 d) 100 e) Analisando as demonstrações contábeis de uma companhia comercial, elaboradas no exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2011, foram apurados os seguintes prazos (índices) de atividade: Prazo Médio de Pagamento das Compras (PMPC) = 26 dias Prazo Médio de Recebimento das Vendas (PMRV) = 30 dias Prazo Médio de Renovação do Estoque (PMRE) = 20 dias Considerando-se exclusivamente as informações recebidas, a boa técnica de análise das demonstrações contábeis e a correspondente interpretação dos índices apurados, o prazo médio que essa companhia leva para vender suas mercadorias estocadas, em dias, é (A) 20 (B) 24 (C) 26 (D) 30 (E) A Indústria Califórnia, efetuando um estudo com relação ao seu ciclo financeiro, verificou que o prazo médio de estocagem de suas matérias-primas é de 45 dias, sendo que os fornecedores dão um prazo de 30 dias para pagamento das duplicatas. A produção demanda, normalmente, um prazo de 30 dias, permanecendo os produtos fabricados estocados durante 15 dias à espera de ser vendidos. A política de vendas da empresa é a de adotar um prazo de recebimento de 60 dias. Com base nesses dados, de quantas vezes é o giro de caixa da empresa? (A) 3,43 (B) 3,00 (C) 2,57 (D) 2,40 (E) 2,00 ANÁLISE CICLO OPERACIONAL E FINANCEIRO 23

24 24 Ciclo Operacional A soma dos prazos, PMRE + PMRV, representa o Ciclo Operacional, ou seja, o tempo decorrido entre a compra e o recebimento das vendas de mercadorias. Ciclo Financeiro É o tempo decorrido entre o momento em que a empresa paga aos fornecedores e o recebimento das vendas (clientes). Exemplo: Empresa BIG XI X2 X3 PMRE = 74 dias PMRE = 114 dias PMRE = 112 dias PMRV = 63 dias PMRV = 67 dias PMRV = 70 dias PMPC = 85 dias PMPC = 83 dias PMPC = 73 dias Mercado X1 X2 X3 PMRE = 66 dias PMRE = 67 dias PMRE = 70 dias PMRV = 75 dias PMRV = 79 dias PMRV = 77 dias PMPC = 69 dias PMPC = 76 dias PMPC = 78 dias Análise de X1 Empresa BIG Ciclo operacional = 74 dias + 63 dias = 137 dias Ciclo Financeiro = 137 dias 85 dias = 52 dias Mercado Ciclo operacional = 66 dias + 75 dias = 141 dias Ciclo Financeiro = 141 dias 69 dias = 72 dias Exercícios 24

25 25 1. Determinada empresa apresentou os seguintes prazos médios referentes ao ano de 2004: Prazo Médio de Renovação de Estoques - 24 dias Prazo Médio de Recebimento de Vendas - 15 dias Prazo Médio de Pagamento de Compras - 34 dias É correto afirmar que esta empresa obteve, em 2010, um ciclo financeiro: (A) positivo de cinco dias. (B) positivo de dezenove dias. (C) negativo de cinco dias. (D) negativo de dezenove dias. (E) negativo de quarenta e três dias. 2. Foram calculados os índices de atividade de determinada empresa e encontrados os seguintes prazos médios: Prazo Médio de Renovação de Estoques 36 dias Prazo Médio de Pagamento de Compras 45 dias Prazo Médio de Recebimento de Vendas 13 dias Pode-se afirmar que esta empresa apresenta: Ciclo Operacional Ciclo Financeiro de a) 4 dias negativo de 32 dias b) 4 dias positivo de 32 dias c) 4 dias positivo de 4 dias d) 49 dias positivo de 4 dias e) 49 dias negativo de 4 dias 4) 25

26 26 Análise as informações a seguir: Conta/saldo (R$) despesa de salários 120 combustíveis a pagar 320 prejuízos acumulados 330 estoque inicial 600 contribuição social sobre o lucro 760 dividendos a pagar 780 fornecedores 780 amortização acumulada 990 estoque final de mercadorias investimento em ações despesas antecipadas contingências trabalhistas capital social clientes custo da mercadoria vendida veículos receita de vendas ) Tendo como referência as informações contidas na tabela acima, é correto afirmar que o giro do estoque apurado é 26

27 27 A inferior a 1. B superior a 1 e inferior a 3. C superior a 3 e inferior a 5. D superior a 5 e inferior a 7. E superior a 7. 6) Ainda com relação à tabela, o prazo do ciclo financeiro apurado, em dias, é A inferior a 110. B superior a 110 e inferior a 125. C superior a 125 e inferior a 140. D superior a 140 e inferior a 155. E superior a 155. QUESTÃO 52 7) Segundo a tabela, o prazo do ciclo operacional apurado, em dias, é A inferior a 125. B superior a 125 e inferior a 140. C superior a 140 e inferior a 155. D superior a 155 e inferior a 170. E superior a CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO (CCL) E CAPITAL DE GIRO 27

28 28 A princípio, quanto maior o CCL melhor, cuja fórmula representa: CCL = AC PC. No entanto, há que se considerar o segmento em que a empresa atua. Análise do Capital de Giro A necessidade de Capital de Giro é a chave para a administração financeira de uma empresa. Necessidade de Capital de Giro, que designaremos NCG, é não só um conceito fundamental para a análise da empresa do ponto de vista financeiro, ou seja, análise de caixa, mas também de estratégias de financiamento, crescimento e lucratividade. Nenhuma análise econômico-financeira de empresa produtiva pode prescindir de abordar a NCG, tamanha a sua importância. Determinação da Necessidade de Capital de Giro = NCG Ativo Circulante Operacional ACO - Investimentos que decorre automaticamente das atividades de compra, produção, estoque e venda. Passivo Circulante Operacional PCO - Financiamento automaticamente que decorre dessas atividades. A diferença entre esses investimentos (ACO) e financiamentos (PCO) é quanto a empresa necessita de capital para financiar o giro, ou seja, a NCG. Portanto: NCG = ACO PCO As situações básicas que ocorrem numa empresa, com relação ao ACO/PCO podem ser assim resumidas: ACO > PCO É a situação normal na maioria das empresas. Há uma NCG para a qual a empresa deve encontrar fontes adequadas de financiamento. ACO = PCO Neste caso a NCG é igual a zero e portanto a empresa não tem necessidade de financiamento para o giro. 28

29 29 ACO < PCO A empresa tem mais financiamentos operacionais do que investimentos operacionais. Sobram recursos das atividades operacionais, os quais poderão ser usados para aplicação no mercado financeiro ou para expansão da planta fixa. Fontes de Financiamentos da NCG Para financiar as necessidades de capital de giro, a empresa pode contar normalmente com três tipos de financiamentos: Capital Circulante Próprio Empréstimos e Financiamentos Bancários de Longo Prazo Empréstimos Bancários de Curto Prazo e Duplicatas Descontadas. 29

30 30 Exercícios 1. A necessidade de capital de giro é: a) a parcela do capital de giro não coberta pelos recursos próprios b) a soma das duplicatas descontadas, fornecedores e empréstimos bancários de curto prazo c) a demanda adicional por recursos circulantes decorrentes de aumento do nível de produção d) somatório do ativo permanente e do ativo realizável a longo prazo menos o patrimônio Líquido e) A diferença entre ativo circulante operacional e passivo circulante operacional 2. A parcela de capital aplicada pela empresa em seu ciclo operacional, caracteristicamente de curto prazo, a qual assume diferentes formas ao longo de seu processo produtivo e de vendas, corresponde ao (à): a) capital de giro. b) capital próprio. c) fluxo de caixa. d) ciclo de caixa. e) rotação de valores a receber. 3. Dados extraídos do Balanço Patrimonial da Cia. Transamérica em X0: ATIVO CIRCULANTE R$ Disponível ,00 Clientes ,00 Estoques ,00 PASSIVO CIRCULANTE R$ Fornecedores ,00 Impostos a Pagar ,00 Salários a Pagar ,00 Empréstimos Bancários ,00 Com base nessas informações, o Investimento Operacional em Giro (IOG) da companhia é, em R$. a) Nulo. b) ,00. c) ,00. d) ,00. e) ,00. 30

31 31 4. Trabalhando sobre as Demonstrações Contábeis da Global S/A, Gregório Fortunato, Contador da empresa, encontrou a seguinte situação no Balanço: ATIVO PASSIVO Disponível 280 Fornecedores 300 Duplicatas a Receber 500 Duplicatas a Pagar 100 Estoques 500 Duplicatas Descontadas 300 ATIVO CIRCULANTE Salários a Pagar 80 Empréestimos a Pagar 400 PASSIVO CIRCULANTE O Passivo Circulante financeiro, em reais, é: a) 400,00 b) 480,00 c) 580,00 d)700,00 e)880,00 5) Analise as informações a seguir: QUESTÃO 49 Conta/saldo (R$) Caixa 100 outros valores a receber 300 Intangível 500 prejuízos acumulados 500 aplicações financeiras 800 contas a pagar energia a pagar impostos e taxas a pagar Reservas Clientes Investimentos salários e encargos a pagar Empréstimos mercadorias para revenda exigível a longo prazo Veículos realizável a longo prazo Capital A partir das informações contidas na tabela acima, que se referem a uma empresa hipotética, é correto afirmar que o valor da necessidade de capital de giro dessa empresa, em reais, é igual a A 900. B C D E

32 32 10 ESTRUTURA DE CAPITAL Avalia o grau de endividamento da empresa e aplicação do capital próprio ou de terceiros. Índices Fórmula Exemplo Participação do Capital de Terceiros em Relação ao Capital Total Participação Capital de Terceiros ao PL Exigível Total (PC e ELP) Exigível + PL Exigível Total PL = 0,42 ou 42% = 0,73 ou 73% Composição do Endividamento Imobilização do PL Passivo Circulante Exigível Total Imobilizado PL = 0,71 ou 71% = 0,84 ou 84%

33 33 Exercícios 1. A empresa Ativa de Comércio Ltda, apresentou o seguinte extrato de seu Balanço, em reais, elaborado em 31 de dezembro de Ativo Circulante R$ Passivo Circulante R$ Disponibilidades 2.232,00 Fornecedores 5.950,00 Duplicatas Receber 4.000,00 Contas a Pagar 8.100,00 Estoques ,00 Passivo exigível a LP Ativo RLP Financiamentos 8.430,00 Títulos a Receber 5.620,00 Patrimônio Líquido Ativo Permanente Capital ,00 Imobilizado Líquido 9.273,00 Reservas de Lucros 1.645,00 Total ,00 Total ,00 Para análise através de índices, a composição do endividamento do ativo é: a) 0,3600 b) 0,6250 c) 0,6400 d) 1,1500 e) 1, Considere os dados, em reais, abaixo. Itens Empresas Alfa Beta Gama Delta Ômega Ativo Total , , , , ,00 Ativo Permanente , , , , ,00 PL Total , , , , ,00 A empresa que apresentou o maior índice de imobilização do Patrimônio Líquido e, conseqüentemente, o maior comprometimento do Patrimônio Líquido, foi a: a) Alfa b) Beta. c) Gama. d) Delta. e) Ômega. 33

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços.

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. QUESTÕES COMENTADAS Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. 01. (FCC Analista Contabilidade TRT 24ª Região 2011) Considere: ATIVO CIRCULANTE Companhia X Companhia

Leia mais

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br Análise Financeira Adriano Leal Bruni 1 Por que analisar? Mensurar riscos de crédito de correntes e potenciais clientes. Julgar o desempenho esperado das firmas. Monitorar o progresso da firma em alcançar

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões.

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. ANALISE DE BALANÇO 1.1 Objetivo da análise de Balanços UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. 1.2 Dados versus Informações Dados: São os números

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga CONTABILIDADE GERENCIAL ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA ATRAVÉS DE ÍNDICES Importância da Análise Através de Indicadores. Visa obter através

Leia mais

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa 1 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A Necessidade de Capital de Giro é a chave para a administração financeira de uma empresa. Necessidade de

Leia mais

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 Prefácio, xvii Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 1 Amplitude da análise financeira, 3 1.1 Visão estratégica da empresa, 3 1.2 Que é análise financeira de empresas, 6 1.3 Análise financeira e áreas

Leia mais

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É a técnica que consiste na decomposição, comparação e interpretação dos demonstrativos do estado patrimonial e do resultado econômico de uma entidade. Técnicas de análise

Leia mais

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR CONTABILIDADE (CUSTOS, GERAL E AVANÇADA) MÓDULO 4: DOAR A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei 11.638/07, a

Leia mais

Analise Financeira ou de Balanço

Analise Financeira ou de Balanço ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS FASF- FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE Analise Financeira ou de Balanço Avaliação da Situação da Empresa em seus

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv. Parte I - Introdução, 1

Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv. Parte I - Introdução, 1 Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv Parte I - Introdução, 1 1 Conceitos Introdutórios, 3 1.1 Conceitos, 3 1.2 Objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis, 5 1.3 Usuários da Análise das Demonstrações

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais Sumário 1. A Importância Dos Índices Nas Demonstrações Financeiras 1.1 - Preparação e Reclassificação Das Contas 2. Grupos de Índices 3. Capital

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

Análise Dinâmica do.capital de Giro

Análise Dinâmica do.capital de Giro Análise Dinâmica do.capital de Giro Questões 12.1 O que são contas cíclicas do giro? Dê exemplos de contas ativas e passivas. 12.2 Desenvolva uma análise comparativa entre as medidas do capital circulante

Leia mais

Análise Horizontal. Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração

Análise Horizontal. Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração Análise Horizontal Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração será designado pelo número-índice 100. Será verificada a tendência do item a partir de sua variação,

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Conteúdo. Fundamento da Contabilidade. Prof. Adilson C. Bassan

Conteúdo. Fundamento da Contabilidade. Prof. Adilson C. Bassan Fundamento da Contabilidade Prof. Adilson C. Bassan Conteúdo Análise das Demonstrações Financeiras Análise da Rentabilidade Análise por Indicadores Análise Vertical e Horizontal e Avaliação Geral 1 Análise

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015 - 2015 Prova de Análise das Demonstrações Comentada Pessoal, a seguir comentamos as questões de Análise das Demonstrações Contábeis aplicada na prova do TCU para Auditor de Controle Externo (2015). Foi

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 15- A empresa Livre Comércio e Indústria S.A. apurou, em 31/12/2008, um lucro líquido de R$ 230.000,00, antes da provisão para o Imposto de Renda e Contribuição Social sobre

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 AVALIANDO A EVOLUÇÃO DO CICLO DE CAIXA DA EMPRESA Cálculo e interpretação dos prazos médios de recebimento de vendas, giro de estoques e prazo médio de pagamento de compras.

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis 1 I. Introdução Para efetuarmos uma análise profissional das demonstrações financeiras devemos inicialmente: a) simplificar os dados das demonstrações realizando arrendodamentos e/ou efetuando o corte

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Fatos ou Eventos Econômico- Financeiros Processo ========> Contábil Demonstrações Financeiras = DADOS Técnicas de Análise ===========> de Balanço Informações Financeiras

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá

Universidade Federal de Itajubá Universidade Federal de Itajubá Contabilidade e Custos Análise Financeira de Balanços 09-04-2012 Prof. José Arnaldo B. Montevechi 1 Planejamento de caixa Índices de prazos médios Prazo Médio de Recebimento

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

Operadores definidos pela LMDQL para Análise Financeira

Operadores definidos pela LMDQL para Análise Financeira Operadores definidos pela LMDQL para Análise Financeira A seguir é apresentada a especificação de alguns operadores financeiros criados pela LMDQL para a realização de análise financeira em documentos

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS Prof. Herbert Kimura INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE BALANÇOS CONTEXTUALIZAÇÃO Prof. Herbert Kimura INFORMAÇÕES Interna Externa Armazenagem Contábil! Relatórios contábeis

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

Ao se analisar o comportamento do fluxo de recursos provenientes das operações mercantis das empresas, é possível retratar tal como a figura a seguir:

Ao se analisar o comportamento do fluxo de recursos provenientes das operações mercantis das empresas, é possível retratar tal como a figura a seguir: Modelo Fleuriet Ao se analisar o comportamento do fluxo de recursos provenientes das operações mercantis das empresas, é possível retratar tal como a figura a seguir: COMPRAS PRODUÇÃO E ESTOCAGEM CAIXA

Leia mais

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro.

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Tendo em vista que o capital de giro representa o saldo correspondente à diferença entre os saldos das contas do ativo e passivo circulantes,

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO 1 A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO Esliane Carecho Borges da Silva (Orientadora- Docente dos cursos de Contabilidade e Tecnologia em Gestão Financeira-AEMS) Jose

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II Professora: Alessandra Vieira Cunha Marques 1 AMBIENTE FINANCEIRO E CONCEITOS FINACEIROS Atividades

Leia mais

Gestão Capital de Giro

Gestão Capital de Giro Gestão Capital de Giro Conceito Capital de giro (ou de capital circulante), identifica os recursos que giram (circulam) várias vezes em determinado período. É formado basicamente por três importantes ativos

Leia mais

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão FCPERJ UCAM Centro Contabilidade Empresarial DFC Prof. Mônica Brandão DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA É uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Análise Através dos Índices

Análise Através dos Índices PARTE II Avaliação do Desempenho Empresarial Análise Através dos Índices 1 RECORDANDO 1.1 INTRODUÇÃO Numa empresa, freqüentemente os responsáveis pela administração estão tomando decisões, quase todas

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 1 - A legislação vigente sobre as sociedades anônimas estabelece o que deve ser computado na determinação do resultado do exercício. Diz a lei que devem ser incluídas as receitas e

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FAF / DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DOAR e DFC Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo Com base nas demonstrações contábeis que seguem,

Leia mais

Fluxo de Caixa método direto e indireto

Fluxo de Caixa método direto e indireto Fluxo de Caixa método direto e indireto A empresa Claudio Zorzo S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000 Capital Social

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM Objetivos Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho A EMPRESA NO MODELO DO BALANÇO PATRIMONIAL: análise das demonstrações financeiras Compreender a importância da padronização

Leia mais

Olá, pessoal! Bons estudos! Ciclo Operacional e Ciclo Financeiro.

Olá, pessoal! Bons estudos! Ciclo Operacional e Ciclo Financeiro. Olá, pessoal! Hoje vou falar sobre um dos tópicos mais obscuros do edital de Análise de Balanços do concurso para Fiscal do ICMS de São Paulo. Trata-se do seguinte item: Análise do Capital de Giro: Necessidade

Leia mais

Gestão e Controle Financeiro Material de Apoio para as Unidades 4 e 5

Gestão e Controle Financeiro Material de Apoio para as Unidades 4 e 5 Gestão e Controle Financeiro Material de Apoio para as Unidades 4 e 5 Você e sua equipe são responsáveis por elaborar um relatório de Análise Financeira da Empresa GAMA. Abaixo estão dispostos o DRE e

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ

CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ ETAPA II RELATÓRIO 12 Relatório técnico de indicadores do setor de concessões

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Resumo: UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Capital de giro refere-se aos recursos correntes (curto prazo) da empresa,

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento Administração Prof: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 2 Contabilidade Gerencial Projeção Orçamento Análise de Desempenho Projeção do orçamento Uma projeção De orçamento deve Se iniciar pela vendas.

Leia mais

Workshop Rentabilidade e liquidez nas instituições de ensino Guilherme da Nóbrega Milton dos Santos

Workshop Rentabilidade e liquidez nas instituições de ensino Guilherme da Nóbrega Milton dos Santos Workshop Rentabilidade e liquidez nas instituições de ensino Guilherme da Nóbrega Milton dos Santos Conteúdo As números fundamentais da gestão econômicofinanceira Compreendendo a liquidez Capital de Giro

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2T12 e 1S12

EARNINGS RELEASE 2T12 e 1S12 São Paulo, 15 de agosto de 2012 - A Inbrands S.A. ( Inbrands ou Companhia ), uma empresa de consolidação e gestão de marcas de lifestyle e moda premium do Brasil, anuncia hoje os resultados do segundo

Leia mais

Estrutura das Demonstrações Financeiras

Estrutura das Demonstrações Financeiras Estrutura das Demonstrações Financeiras 1 - ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS A Análise das demonstrações financeiras exige noções do seu conteúdo, significado, origens e limitações. Através de uma

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PROF. Msc. JOSÉ VICENTE CAMPINAS - SP 2009 2 ANÁLISE

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE EMPRESAS DA REGIÃO DO VALE DO TAQUARI - RS

ANÁLISE DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE EMPRESAS DA REGIÃO DO VALE DO TAQUARI - RS CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE EMPRESAS DA REGIÃO DO VALE DO TAQUARI - RS Geisibel Costa da Silva Lajeado, outubro de 2014 Geisibel

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais