Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa"

Transcrição

1 Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa 1 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A Necessidade de Capital de Giro é a chave para a administração financeira de uma empresa. Necessidade de Capital de Giro, que designaremos NCG, é não só um conceito fundamental para a análise da empresa do ponto de vista financeiro, ou seja, análise de caixa, mas também de estratégias de financiamento, crescimento, e lucratividade. Tanto o Ativo como o Passivo Circulante estão divididos em Operacional e Financeiro. Ativo Circulante Operacional ACO é o investimento que decorre automaticamente das atividades de compra/produção/estocagem/venda. Passivo Circulante Operacional PCO é o financiamento, também automático, que decorre dessas atividades. A diferença entre esses investimentos (ACO) e financiamentos (PCO) é quanto a empresa necessita de capital para financiar o giro, ou seja, a NCG. Portanto: NCG = ACO PCO Três situações básicas podem ocorrer na empresa: ACO > PCO é a situação normal na maioria das empresas. Há uma NCG para a qual a empresa deve encontrar fontes adequadas de financiamento. ACO = PCO neste caso a NCG é igual a zero e portanto a empresa não tem necessidade de financiamento para o giro. ACO < PCO este é o caso em que sobram recursos das atividades operacionais, os quais poderão ser usados para a aplicação no mercado financeiro ou para expansão da planta fixa. Vejamos a NCG da Cia BIG. Ativo Circulante Operacional Clientes (1) Soma 19x1 19x2 19x Passivo Circulante Operacional Outras Obrigações (2) Soma ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) NCG = (1) (2) A NCG pode ser financiada por três fontes: 1) Duplicatas Descontadas e Empréstimos Bancários de Curto Prazo 2) Financiamentos Bancários de Longo Prazo 3) Parte do Patrimônio Líquido, ou seja, Capital Circulante Próprio (CCP) Profª Thays Silva Diniz 60

2 1.1 DECOMPONDO O CICLO FINANCEIRO DA NCG A decomposição do Ciclo Financeiro, permite a análise sobre o comportamento da NCG. Uma vez que o dimensionamento dos recursos necessários para o giro dos negócios medido pela NCG é dado pelo Ciclo Financeiro e pelo montante das Vendas Brutas. Sendo o Ciclo Financeiro determinado pela relação: Ciclo Financeiro = NCG x 360 Vendas Brutas Podemos desmembrar este parâmetro nos seguintes componentes: NCG x 360 = Clientes x 360 mais x 360 menos x 360 Vendas Vendas Vendas Vendas menos Outras Obr. X 360 Vendas O Ciclo Financeiro, desta forma fica decomposto analiticamente em todos os seus componentes. Vamos fazer a decomposição da Cia BIG Decomposição do Ciclo Financeiro: 19x1 19x2 19x3 Clientes em dias de vendas x 360 = x 360 = x 360 = 70 ( + ) Estoque em dias de vendas x 360 = x 360 = x 360 = 60 ( + ) Fornec. em dias de vendas x 360 = x 360 = x 360 = 31 ( - ) Outras Obr. em dias de vendas x360 = x 360 = x 360 = 19 ( - ) Ciclo Fin. em dias de Vendas x 360 = x 360 = x 360 = 79 ( = ) TESOURARIA Tesouraria é o resultado das contas que não fazem parte da atividade operacional da empresa e que depois de realizadas ou liquidadas, se constituem, definitivamente, em entradas ou saídas de caixa. Sendo assim, através da diferença entre o Ativo e Passivo Circulante Financeiro encontraremos a Tesouraria, variável que vai expressar a situação financeira de curto prazo das empresas. Representada pelas contas que não se relacionam com a atividade operacional da empresa, e não são necessariamente renovadas. T = ACF PCF 19x1 19x2 19x3 Ativo Circulante ( - ) Passivo Circulante ( = ) Capital Circulante Líquido ( - ) NCG ( = ) Tesouraria ( ) ( ) ( ) Profª Thays Silva Diniz 61

3 A tesouraria é estudada da seguinte forma: Tesouraria Positiva: expressa uma situação financeira folgada, pois as contas do Ativo Circulante Financeiro transformar-se-á em disponível mais do que suficiente para liquidar as contas do Passivo Circulante Financeiro. Tesouraria Negativa: indica que a empresa está utilizando-se de capital de terceiros de curto prazo para financiar suas atividades, pois as contas do Ativo Circulante Financeiro não são suficientes para cobrir os compromissos expressos no Passivo Circulante Financeiro. Todavia é grande o número de empresas que apresentam a Tesouraria Negativa como forma de financiamento. Na verdade, a existência de saldos negativos nesta variável não implica, necessariamente, situação financeira apertada. O que deve ser analisado, e com muita atenção, é a proporção da Tesouraria negativa em relação a NCG e a tendência dessa relação. A relação T (Tesouraria) dividida pela NCG (Necessidade de Capital de Giro) é o verdadeiro termômetro da situação de liquidez da empresa. Termômetro da Situação Financeira: /T/. NCG 19x1 19x2 19x3 Tesouraria ( ) ( ) ( ) NCG /T/. NCG - 23,76 % - 30,01 % - 43,37 % A análise dessas variáveis revela situação diferente daquela evidenciada pelos indicadores: ano a ano a empresa vem aumentando a utilização de capitais de terceiros de curto prazo (empréstimos) para cobrir as Necessidades de Capital de Giro. A Tesouraria Negativa passou de 23,76 % para 43,37 % do valor da NCG. A defasagem entre o valor da NCG e o CCP, no caso da grande maioria das empresas brasileiras, é coberta com recursos de curto prazo (Tesouraria Negativa). 1.3 ANÁLISE DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO CIA BIG Em função da evolução das vendas diárias e das variações do Ciclo de Caixa Equivalente CCeq., a Cia Big ampliou consideravelmente os seus investimentos em giro. A evolução de vendas é natural, sadia e desejável enquanto o Ciclo de Caixa equivalente, idealmente, deveria ser reduzido. A sua manutenção é aceitável quando já parte de um nível satisfatório para a empresa. A Cia BIG apresentava em 19x1 em CCeq. satisfatório, conforme foi visto quando da comparação com os padrões do ramo. Entretanto, seu CCeq. cresce a níveis indesejáveis e provoca uma considerável expansão do investimento. 1.4 COMENTÁRIOS SOBRE AS CAUSAS DAS VARIAÇÕES DA NCG A Necessidade de Capital de Giro da empresa teve, de 19x1 para 19x3, aumento de 112%. Entretanto, esse desenvolvimento não se deveu exclusivamente ao crescimento de vendas da empresa, mas principalmente à administração de seus prazos. O ciclo de Caixa Equivalente (que, a rigor, deveria ter permanecido estável) teve acréscimo de 50%. E é aí que reside o grande problema da empresa. A principal causa do crescimento do Ciclo de Caixa Equivalente foi o PMRE que bateu a marca de 51% de aumento. Uma ligeira queda no percentual de custo dos produtos vendidos em relação a vendas ajudou a diminuir o investimento em estoques e reduziu o crescimento do PMREeq. para 33%. Profª Thays Silva Diniz 62

4 Essa ligeira vantagem, entretanto, foi praticamente anulada pela queda do percentual de compras/vendas que provocou redução do PMPCeq., perdendo aí a empresa parte do financiamento com que contava em 19x1. Quanto ao PMRV, o crescimento de 11% representou sozinho um acréscimo dessa ordem no investimento da empresa. Aqui, as demais empresas do ramo experimentaram inexpressivo aumento de PMRV. A mediana do ramo elevou-se de 75 para 77 dias. A conjugação do aumento simultâneo de vendas e de ciclo de caixa equivalente provocou o explosivo aumento da NCG de 112%. 1.5 COMENTÁRIOS SOBRE O FINANCIAMENTO DA NCG A Necessidade de Capital de Giro teve um crescimento de 112% de 19x1 para 19x3. Entre as fontes de financiamento do giro destacou-se o uso do Passivo Circulante financeiro que cresceu 134% no período e aumentou a sua participação no financiamento da NCG de 44% para 48%. Isso ocorreu apesar do excepcional crescimento do Exigível a Longo Prazo de 545%. É que os recursos do Exigível a Longo Prazo foram carreados para financiar a elevada expansão das imobilizações que chegaram a 255%. Repare-se que o Capital Circulante Próprio, que em 19x1 cobria a nada desprezível parcela de 38% da Necessidade de Capital de Giro, passou para a taxa negativa de 61% em 19x3. Assim, o Exigível a Longo Prazo foi duplamente requisitado: para cobrir a elevada expansão do Ativo Permanente e manter a participação do Capital Circulante Líquido no financiamento do Giro. Conseguiu que o Capital Circulante Líquido não tivesse uma queda muito acentuada (de 76% para 57% no financiamento do giro), porém o grau de endividamento subiu violentamente nesse período. 2 ELABORAÇÃO DA DEMONSTRAÇÃO FLUXO DE CAIXA Muitas empresas vão a falência por não saberem administrar seu fluxo de caixa. Fluxo significa movimento. Assim fluxo de caixa pode ser definido como movimento de caixa. Os principais objetivos da Demonstração do Fluxo de Caixa são: Avaliar alternativas de investimento; Avaliar e controlar ao longo do tempo as decisões importantes que são tomadas na empresa, com reflexos monetários; Avaliar as situações presente e futura do caixa na empresa, posicionando-a para que não chegue a situação de iliquidez; Certificar que os excessos momentâneos de caixa estão sendo devidamente aplicados. 2.1 A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO LÍQUIDO DE CAIXA DFLC Essa demonstração mostra o efeito de cada variável no caixa, tal como a Necessidade de Capital de Giro. Além disso, é construída sob a forma que permite uma série de relações e avaliações referentes à capacidade de pagamento da empresa e à administração financeira. As principais informações dessa demonstração referem-se à capacidade financeira da empresa de: Autofinanciamento das operações (compra, produção e vendas). Independência do sistema bancário no curto prazo. Gerar recursos para manter e expandir o nível de investimento. Amortizar dívidas bancárias de curto e de longo prazo. Profª Thays Silva Diniz 63

5 2.1.1 EXEMPLO SIMPLIFICADO DA DLFC A Cia Líquida agora apresentada será o modelo para nosso estudo de DLFC que construiremos a seguir: ATIVO CIRCULANTE Disponível Dupl. a Receber Total do Ativo Circulante PERMANENTE Imobilizado Depreciação Total do Permanente TOTAL DO ATIVO CIA LÍQUIDA BALANÇO PATRIMONIAL B P X X (600) (1.200) PASSIVO CIRCULANTE Empréstimos Bancários Total do Passivo Circulante EXIG.LONGO PRAZO Financiamentos PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Lucros Acumulados Total Patrimônio Líquido TOTAL DO PASSIVO DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS DOAR ORIGENS Das operações Prejuízo do Exercício + Depreciação do Exercício Dos Acionistas Aumento do Capital De Terceiros Financiamento de Longo Prazo TOTAL DAS ORIGENS APLICAÇÕES Dividendos Aquisição de Imobilizado Redução do Capital Circulante Líquido X6 (500) (200) (345) (545) (135) Profª Thays Silva Diniz 64

6 2.1.2 CONSTRUÇÃO DA DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO LÍQUIDO DE CAIXA GERAÇÃO BRUTA DE CAIXA O ajuste do lucro por despesas não desembolsáveis mostra o montante de caixa gerado pelas atividades econômicas, ou seja, pelas atividades comerciais. Prejuízo (+) Depreciação Geração Bruta de Caixa (500) 600 GERAÇÃO OPERACIONAL DE CAIXA O confronto das variações dos itens de ACO e do PCO resultam na variação de NCG. Adicionando a variação da NCG à Geração Bruta de Caixa chega-se a Geração Operacional de Caixa, cujo significado é o caixa gerado pelas atividades comerciais acopladas aos investimentos operacionais e fontes operacionais. ( - ) Duplicatas a Receber ( - ) NCG Inicial Final Variação (230) Geração Bruta de Caixa ( + ) Variação NCG 285 Geração Operacional de Caixa 385 GERAÇÃO CORRENTE DE CAIXA Adiciona-se à Geração Operacional de Caixa a variação dos empréstimos bancários de curto prazo, chega-se à Geração Corrente de Caixa, cujo significado é o caixa gerado pelas atividades de curto prazo. Inicial Final Variação Empréstimo Bancário (30) Geração Operacional de Caixa ( - ) Redução de Empréstimos Bco Geração Corrente de Caixa 385 (30) 355 Profª Thays Silva Diniz 65

7 CIA LÍQUIDA DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO LÍQUIDO DE CAIXA EXERCÍCIO FINDO EM X6 RESULTADO DO EXERCÍCIO ( - ) Ajustes (despesas e receitas não caixa) Depreciação do Exercício GERAÇÃO BRUTA DE CAIXA Variação de NCG Variação de Variação de Outros Passivos Operacionais Variação de Clientes Variação GERAÇÃO OPERACIONAL DE CAIXA Variação de Empréstimos Bancários de Curto Prazo GERAÇÃO CORRENTE DE CAIXA Variação dos Itens Permanentes de Caixa Aumento de Capital Dividendos Acréscimo de Imobilizado Variação dos Itens Não Correntes Aumento de Financiamento de Longo Prazo GERAÇÃO LÍQUIDA DE CAIXA + Saldo Inicial de Caixa = Saldo Final de Caixa (500) (230) (30) (200) (345) (395) ANÁLISE DA GESTÃO DE CAIXA Analisar a gestão de caixa significa analisar os fatores que influenciam o movimento de caixa a curto e longo prazos. A DFLC mostra se a empresa está gerando recursos para financiar suas atividades comerciais, se pode pagar suas dívidas bancárias e se sobram recursos para investimentos ou amortização de financiamento de longo prazo, ou seja, mostra quase tudo que é preciso saber em termos de análise da gestão de caixa. Sugerimos que a avaliação da DFLC se faça item a item, ou seja, aprecia-se sucessivamente a Geração Bruta de Caixa, Geração Operacional de Caixa, Geração Corrente de Caixa e Geração Líquida de Caixa. Quando uma empresa não apresenta Geração Bruta de Caixa, é obvio que sua situação é difícil. Entretanto, quando há Geração Bruta de Caixa, em princípio nada poderá ser concluído, pois a partir daí existem algumas possibilidades, por exemplo: a) Geração Bruta de Caixa pequena em decorrência do baixo lucro e é insuficiente para cobrir o crescimento da NCG, apesar de ser pouco expressiva. b) Geração Bruta de Caixa boa mas insuficiente para cobrir o crescimento da NCG, em virtude da expansão da empresa. c) Geração Bruta de Caixa elevada mas insuficiente para cobrir o crescimento da NCG, em virtude das alterações desfavoráveis de ciclo operacional e ciclo financeiro. Profª Thays Silva Diniz 66

8 Se a Geração Bruta de Caixa é inferior ao crescimento NCG significa que a empresa não tem Geração Operacional de Caixa, e consequentemente não tem capacidade de pagar dívidas bancárias de curto prazo. Na situação b), em volume elevado de absorção operacional de caixa será um indicador de comprometimento da situação financeira da empresa, porém reversível, na medida em que a empresa se dispuser a reduzir suas operações. Em resumo, diante de tantas alternativas, não é possível estabelecer um método matemático de avaliação da DFLC, porém alguns roteiros básicos podem auxiliar na avaliação: 1) é preciso conhecer o significado de cada item da DFLC Item Revela Representa recursos com os quais a empresa poderá: A Geração Bruta de Caixa O caixa para atividades comerciais (1) Financiar as operações de compra, produção e vendas; (2) Pagar dívidas bancárias de curto prazo; (3) Realizar investimentos; e (4) Amortizar as dívidas de longo prazo B Geração Operacional de Caixa O caixa gerado pela operações, incluindo variações da NCG (1) Pagar dívidas bancárias de curto prazo; (2) Realizar investimentos; e (3) Amortizar dívidas de longo prazo C Geração Corrente de Caixa O caixa gerado a curto prazo (1) Realizar investimentos; e (2) Amortizar dívidas de longo prazo D Saldo Positivo da Geração Corrente de Caixa Menos Variação do Itens Permanente de Caixa Mais Variação dos Itens Não Correntes O caixa gerado após a realização de investimentos Amortizar dívidas de longo prazo E Geração Líquida de Caixa O caixa final gerado no exercício Reforçar sua posição de tesouraria 2) Avaliar a importância relativa de cada item. Para suprir a carência da movimentação dos itens não correntes duas demonstrações são montadas: Demonstração da Capital de Giro (DCG) e Demonstração da Movimentação do Capital de Giro (DMCG) Profª Thays Silva Diniz 67

9 CIA LÍQUIDA DEMONSTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO DCG x x6 VALORES ABSOLUTOS AV AH VALORES ABSOLUTOS AV AH DETERMINAÇÃO NCG AC Operacional Clientes Outras At. Operacionais SOMA PC Operacional Outros Pas. Oper. SOMA FINANCIAMENTOS NCG PL - AP = CGP ou CCP + ELP = CCL + EBCP = FINANC. TOTAL NCG = SALDO DE TESOURARIA APLIC. FINANC. CX. + BANCOS DEMONSTRAÇÃO DA MOVIMENTAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO DETERMINAÇÃO DA VARIAÇÃO DA NCG A.C. operacional Clientes P.C. Operacional (230) 215 (15) VARIAÇÃO DE FINANCIAMENTOS DA NCG Patrimônio Líquido - Ativo Permanente = Capital de Giro Próprio ou CCP + Exigível a Longo Prazo = Capital Circulante Líquido + Obrigações Bancárias de Curto Prazo = Financiamento Gerado para a NCG = Saldo de Tesouraria Aplicações Financeira Cx. / Bancos (550) 255 (295) 160 (135) (30) Profª Thays Silva Diniz 68

10 3) Índices que ajudam a avaliar situação revelada pela DLFC Capacidade de Financiamento NCG = Geração Bruta de Caixa x Variação NCG Qual a capacidade da empresa em financiar o crescimento da atividade comercial Capacidade de Pagamento de Dívidas Bancárias de Curto Prazo = Geração Operacional de Caixa x Saldo Inicial de E.B.B. Qual a capacidade da empresa em pagar empréstimos bancários de curto prazo Capacidade de Investimentos = Geração Operacional de Caixa Variação dos Itens Permanentes de Caixa Qual a capacidade da empresa de efetuar investimentos com recursos próprios Capacidade Amortização Financiamentos de de Geração Operacional de Caixa - Variação Permanente de Caixa Saldo Inicial de ELP Qual a capacidade da empresa em amortizar financiamentos de longo prazo, com os recursos próprios, sem prejuízo dos investimentos em curso 2.3 COMPARAÇÃO ENTRE DFLC (DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO LÍQUIDO DE CAIXA) E A DOAR (DEMONSTRAÇÕES DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS) Prejuízo do Exercício + Depreciação = Geração Bruta de Caixa + Variação da NCG = Geração Operacional de Caixa + Var. de Emp. Banc. de Curto Prazo = Geração Corrente de Caixa + Variação Permanente de Caixa Aumento de Capital Dividendos Acréscimo de imobilizado Variação do Capital de Giro Próprio + Variação nos Itens Correntes Aumento de Financiamento de Longo Prazo Variação do Capital Circulante Líquido = Geração Líquida de Caixa DOAR (500) (200) (345) (395) (295) 160 (135) DFLC (500) (30) 355 (395) Como se observa a DFLC compreende todos os dados da DOAR mais a variação da NCG e os Empréstimos Bancários de Curto Prazo, sendo, pois, uma demonstração mais completa. 2.4 COMENTÁRIOS SOBRE A GESTÃO DE CAIXA DA CIA LÍQUIDA A Cia Líquida sofreu prejuízo no exercício de 19x6, entretanto, computando as despesas não-caixa, acabou apresentando geração bruta de caixa. Como a NCG reduziu-se em 13% (o que revela boa administração de Ativo Circulante Operacional e Passivo Circulante Operacional), a empresa mostrou geração operacional de caixa. Em função de suas operações produziu caixa de $ 385, suficiente para amortizar 96% das dívidas bancárias de curto prazo ou, alternativamente, financiar 97% dos investimentos líquidos realizados, (isto é, os investimentos não cobertos pela entrada de recursos dos sócios aportes de capital menos dividendos). A opção da empresa, entretanto, foi utilizar a geração operacional de caixa para uma ligeira redução das dívidas bancárias de curto prazo e mais acentuadamente para financiar os investimentos. Com isso não sobraram recursos para amortizar financiamentos de longo prazo, (o índice de capacidade de amortização de financiamentos foi de 2%). Pelo contrário, houve incremento desses financiamentos, os quais, a rigor, foram desnecessários, pois acabaram sobrando no caixa. Profª Thays Silva Diniz 69

11 1. Teste de múltipla escolha Análise das Demonstrações Financeiras 10 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO E ELABORAÇÃO E ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA Atividades Práticas a. O tempo decorrido entre o momento em que a empresa coloca o dinheiro (pagamento ao fornecedor) e o momento em que recebe as vendas (recebimento do cliente) é o período em que a empresa precisa arrumar financiamento. Esse ciclo é também chamado de: a. Ciclo Financeiro. b. Ciclo Econômico. c. Ciclo Operacional. d. Nenhuma das alternativas anteriores. b. Encaixe e Desencaixe são expressões que significam: a. Entradas e Saídas de Caixa. b. Tomada de Empréstimos e Pagamentos de Empréstimos c. As duas alternativas anteriores. d. Nenhuma das alternativas anteriores. 2.Numere: 1 - NCG 2 - Ciclo Financeiro 3 - Cálculo aproximado de Vendas Diárias. 4 - Ciclo Operacional 5 - Ciclo Econômico ( ) Vendas Anuais 360 ( ) Reflete o montante de $ que a empresa necessita tomar para financiar o seu Ativo Circulante em decorrência das atividades de compra, produção e venda. ( ) PMRE + PMRV PMPC ( ) Prazo de investimento, ou seja, o intervalo que vai da Compra até o Recebimento de Vendas. ( ) Período que vai da compra até a venda. 3. Questões: 1) O que é NCG? 2) Quais as situações básicas que podem ocorrer numa empresa? 3) O que permite a decomposição do Ciclo Financeiro da NCG? 4) O que é tesouraria? 5) Como pode ser estudada a tesouraria? Explique. 6) A relação entre tesouraria e NCG resulta em quê? 7) O que é Fluxo de Caixa (Cash-Flow) e por que é chamado fluxo? 8) Quais as principais informações da Demonstração do Fluxo Líquido de Caixa? Profª Thays Silva Diniz 70

12 4. A Empresa Estudo Ltda apresenta os seguintes relatórios. Pede-se: a) Calcule os prazos médios PMRE, PMRV e PMPC b) Calcule o ciclo operacional e o ciclo financeiro c) Calcule a NCG d) Calcule a Tesouraria (T) e) Decomponha o ciclo financeiro da NCG f) Medir o termômetro da situação financeira dessa empresa g) Faça um comentário geral dessa empresa Balanço Patrimonial ATIVO Ativo Circulante Disponibilidade Aplicações Financeiras Duplicatas a Receber Total do Ativo Circulante Ativo Permanente TOTAL DO ATIVO PASSIVO Passivo Circulante Outras obrigações Empréstimos Total do Passivo Circulante Patrimônio Líquido TOTAL DO PASSIVO Dados Adicionais Compras CMV Vendas Profª Thays Silva Diniz 71

13 5. A Cia Revisão Ltda. apresenta os seguintes relatórios. Pede-se: a) Calcule os prazos médios PMRE, PMRV e PMPC b) Calcule o ciclo operacional e o ciclo financeiro c) Calcule a NCG d) Calcule a Tesouraria (T) e) Decomponha o ciclo financeiro da NCG f) Medir o termômetro da situação financeira dessa empresa g) Faça um comentário geral dessa empresa Balanço Patrimonial ATIVO Ativo Circulante Disponibilidade Aplicações Financeiras Duplicatas a Receber Total do Ativo Circulante Ativo Permanente TOTAL DO ATIVO PASSIVO Passivo Circulante Outras obrigações Empréstimos Total do Passivo Circulante Patrimônio Líquido TOTAL DO PASSIVO Dados Adicionais Compras CMV Vendas Profª Thays Silva Diniz 72

14 6. A Cia Geral Ltda. apresenta os seguintes relatórios. Pede-se: a) Calcule os prazos médios PMRE, PMRV e PMPC b) Calcule o ciclo operacional e o ciclo financeiro c) Calcule a NCG d) Calcule a Tesouraria (T) e) Decomponha o ciclo financeiro da NCG f) Medir o termômetro da situação financeira dessa empresa g) Faça a DFLC (Demonstração do Fluxo Líquido de Caixa) h) Faça um comentário geral dessa empresa ATIVO CIRCULANTE Disponível Dupl. a Receber Total do Ativo Circulante REALIZÁVEL LONGO PRAZO Dupl a Receber PERMANENTE Imobilizado Depreciação Total do Permanente TOTAL DO ATIVO CIA GERAL LTDA BALANÇO PATRIMONIAL B P (900) (1.800) PASSIVO CIRCULANTE Empréstimos Bancários Total do Passivo Circulante EXIG.LONGO PRAZO Financiamentos PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Lucros Acumulados Total Patrimônio Líquido TOTAL DO PASSIVO DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS DOAR ORIGENS Das operações Lucro do Exercício + Depreciação do Exercício Dos Acionistas Aumento do Capital De Terceiros Financiamento de Longo Prazo TOTAL DAS ORIGENS APLICAÇÕES Dividendos Aquisição de Imobilizado Aumento do Capital Circulante Líquido (140) (6.900) (7.040) CMV Vendas Compras DADOS ADICIONAIS Profª Thays Silva Diniz 73

15 7. Elabore o Fluxo de Caixa da Empresa Cia Legal. ATIVO CIRCULANTE Disponível Dupl. a Receber Total do Ativo Circulante PERMANENTE Imobilizado Depreciação Total do Permanente TOTAL DO ATIVO CIA LEGAL BALANÇO PATRIMONIAL B P X X (852) (1.704) PASSIVO CIRCULANTE Empréstimos Bancários Total do Passivo Circulante EXIG.LONGO PRAZO Financiamentos PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Lucros Acumulados Total Patrimônio Líquido TOTAL DO PASSIVO DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS DOAR ORIGENS Das operações Lucro do Exercício + Depreciação do Exercício Dos Acionistas Aumento do Capital De Terceiros Financiamento de Longo Prazo TOTAL DAS ORIGENS APLICAÇÕES Dividendos Aquisição de Imobilizado Redução do Capital Circulante Líquido X (400) (2.113) (2.513) (233) Profª Thays Silva Diniz 74

16 8. De acordo com os Relatórios abaixo elabore o fluxo de caixa da Cia Balas Brasil ATIVO CIRCULANTE Disponível Dupl. a Receber Total do Ativo Circulante PERMANENTE Imobilizado Depreciação Total do Permanente TOTAL DO ATIVO CIA BALAS BRASIL BALANÇO PATRIMONIAL B P ANO X0 ANO X (4.000) (8.000) PASSIVO CIRCULANTE Empréstimos Bancários Total do Passivo Circulante EXIG.LONGO PRAZO Financiamentos PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Lucros Acumulados Total Patrimônio Líquido TOTAL DO PASSIVO DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS DOAR ORIGENS Das operações Lucro do Exercício + Depreciação do Exercício Dos Acionistas Aumento do Capital De Terceiros Financiamento de Longo Prazo TOTAL DAS ORIGENS APLICAÇÕES Dividendos Aquisição de Imobilizado TOTAL DAS APLICAÇÕES Aumento do Capital Circulante Líquido ANO X (2.103) (5.000) (7.103) Profª Thays Silva Diniz 75

Universidade Federal de Itajubá

Universidade Federal de Itajubá Universidade Federal de Itajubá Contabilidade e Custos Análise Financeira de Balanços 09-04-2012 Prof. José Arnaldo B. Montevechi 1 Planejamento de caixa Índices de prazos médios Prazo Médio de Recebimento

Leia mais

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões.

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. ANALISE DE BALANÇO 1.1 Objetivo da análise de Balanços UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. 1.2 Dados versus Informações Dados: São os números

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II Professora: Alessandra Vieira Cunha Marques 1 AMBIENTE FINANCEIRO E CONCEITOS FINACEIROS Atividades

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

Olá, pessoal! Bons estudos! Ciclo Operacional e Ciclo Financeiro.

Olá, pessoal! Bons estudos! Ciclo Operacional e Ciclo Financeiro. Olá, pessoal! Hoje vou falar sobre um dos tópicos mais obscuros do edital de Análise de Balanços do concurso para Fiscal do ICMS de São Paulo. Trata-se do seguinte item: Análise do Capital de Giro: Necessidade

Leia mais

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão FCPERJ UCAM Centro Contabilidade Empresarial DFC Prof. Mônica Brandão DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA É uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período

Leia mais

Análise Através dos Índices

Análise Através dos Índices PARTE II Avaliação do Desempenho Empresarial Análise Através dos Índices 1 RECORDANDO 1.1 INTRODUÇÃO Numa empresa, freqüentemente os responsáveis pela administração estão tomando decisões, quase todas

Leia mais

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br Análise Financeira Adriano Leal Bruni 1 Por que analisar? Mensurar riscos de crédito de correntes e potenciais clientes. Julgar o desempenho esperado das firmas. Monitorar o progresso da firma em alcançar

Leia mais

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro.

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Tendo em vista que o capital de giro representa o saldo correspondente à diferença entre os saldos das contas do ativo e passivo circulantes,

Leia mais

Tópicos Especiais de Análise de Balanços

Tópicos Especiais de Análise de Balanços Tópicos Especiais de Análise de Balanços 1- ECONÔMICO X FINANCEIRO Talvez não existam palavras mais empregadas no mundo dos negócios do que econômico e financeiro. Econômico: Refere-se a lucro, no sentido

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Profª Adriana Valente e-mail: adrianatvalente@hotmail.com Rio de Janeiro, 2º semestre de 2015. Rua 1º de Março, 33 Centro

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010 DFC DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA ( Exercícios ) 1. INTRODUÇÃO A Demonstração de Fluxos de Caixa, de acordo com a lei 11.638/2007, passou a ser obrigatória para as companhias abertas, companhias de

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga CONTABILIDADE GERENCIAL ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA ATRAVÉS DE ÍNDICES Importância da Análise Através de Indicadores. Visa obter através

Leia mais

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FAF / DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DOAR e DFC Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo Com base nas demonstrações contábeis que seguem,

Leia mais

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR CONTABILIDADE (CUSTOS, GERAL E AVANÇADA) MÓDULO 4: DOAR A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei 11.638/07, a

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS Prof. Herbert Kimura INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE BALANÇOS CONTEXTUALIZAÇÃO Prof. Herbert Kimura INFORMAÇÕES Interna Externa Armazenagem Contábil! Relatórios contábeis

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais Sumário 1. A Importância Dos Índices Nas Demonstrações Financeiras 1.1 - Preparação e Reclassificação Das Contas 2. Grupos de Índices 3. Capital

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Marketing Prof. Sidney Leone Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Hoje Você Aprenderá: Demonstrativos financeiros da empresa (Balanço Patrimonial, DRE, DMPL etc...) Análise econômicofinanceira.(fluxo

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

Estrutura das Demonstrações Financeiras

Estrutura das Demonstrações Financeiras Estrutura das Demonstrações Financeiras 1 - ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS A Análise das demonstrações financeiras exige noções do seu conteúdo, significado, origens e limitações. Através de uma

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Fatos ou Eventos Econômico- Financeiros Processo ========> Contábil Demonstrações Financeiras = DADOS Técnicas de Análise ===========> de Balanço Informações Financeiras

Leia mais

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 Prefácio, xvii Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 1 Amplitude da análise financeira, 3 1.1 Visão estratégica da empresa, 3 1.2 Que é análise financeira de empresas, 6 1.3 Análise financeira e áreas

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É a técnica que consiste na decomposição, comparação e interpretação dos demonstrativos do estado patrimonial e do resultado econômico de uma entidade. Técnicas de análise

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

Ao se analisar o comportamento do fluxo de recursos provenientes das operações mercantis das empresas, é possível retratar tal como a figura a seguir:

Ao se analisar o comportamento do fluxo de recursos provenientes das operações mercantis das empresas, é possível retratar tal como a figura a seguir: Modelo Fleuriet Ao se analisar o comportamento do fluxo de recursos provenientes das operações mercantis das empresas, é possível retratar tal como a figura a seguir: COMPRAS PRODUÇÃO E ESTOCAGEM CAIXA

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS 1 2 sem/11 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alcides T. Lanzana 2 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Introdução Valuation Métodos de atribuição de valor à empresa 3 USOS DO VALUATION Compra e Venda Fusões e Incorporações

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE

COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE! Como calcular o fluxo de caixa! Qual a fórmula para determinar a capacidade de pagamento! Como analisar a liquidez Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Janilson Laane Maio/2011 Objetivos 1. Apresentar o conceito e em que contexto está

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 7- Unidade II Análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 7- Unidade II Análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLIE DA DEMONTRAÇÕE FINANCEIRA Aula 7- Unidade II Análise tradicional das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade II. Análise tradicional das demonstrações contábeis; 2.1. Análise vertical

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Decisões Empresariais. Logística. Administração Financeira. Administração financeira (finanças corporativas) Investimento.

Decisões Empresariais. Logística. Administração Financeira. Administração financeira (finanças corporativas) Investimento. Logística Prof. Clóvis Luiz Galdino Administração Financeira Administração financeira (finanças corporativas) Administração: ato de reger, governar ou gerir negócios públicos ou particulares. Finanças:

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

Índices de Prazos Médios: A Dinâmica da Empresa

Índices de Prazos Médios: A Dinâmica da Empresa PARTE III Análise de Gestão de Caixa Índices de Prazos Médios: A Dinâmica da Empresa 1 - ÍNDICES DE PRAZOS MÉDIOS: A DINÂMICA DA EMPRESA. Na Análise de Balanços, através dos dados das demonstrações financeiras,

Leia mais

Analise Financeira ou de Balanço

Analise Financeira ou de Balanço ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS FASF- FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE Analise Financeira ou de Balanço Avaliação da Situação da Empresa em seus

Leia mais

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Resumo: UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Capital de giro refere-se aos recursos correntes (curto prazo) da empresa,

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DLPA DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS A DLPA expõe as variações ocorridas, durante o exercício, na conta Lucros ou Prejuízos Acumulados. Ela pode ser incluída na DMPL Demonstração das Mutações

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UM PLANO FINANCEIRO EM UM BUSINESS PLAN - Parte I

A IMPORTÂNCIA DE UM PLANO FINANCEIRO EM UM BUSINESS PLAN - Parte I A IMPORTÂNCIA DE UM PLANO FINANCEIRO EM UM BUSINESS PLAN - Parte I! Qual a importância do Plano Financeiro em um Business Plan?! Quais os tipos de Planejamento Financeiro utilizados em um Business Plan?!

Leia mais

CAPÍTULO IV CAPITAL DE GIRO E EQUILÍBRIO FINANCEIRO. 4.1. Conceitos Básicos OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

CAPÍTULO IV CAPITAL DE GIRO E EQUILÍBRIO FINANCEIRO. 4.1. Conceitos Básicos OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM CAPÍTULO IV CAPITAL DE GIRO E EQUILÍBRIO FINANCEIRO OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM 1. Definir capital de giro ou capital circulante e capital circulante líquido mostrando as transações que elevam e reduzem

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

DETERMINAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO DETERMINAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 CENÁRIO ATUAL Custo financeiro alto. Concorrência e Competitividade dificultando o giro dos estoques. Consumidor exigindo

Leia mais

Guia Técnica Análise Financeira

Guia Técnica Análise Financeira Guia Técnica Análise Financeira Sertras Março 2015 Av. Paisagista José Silva de Azevedo Neto 200 bl. 4, sala 104, Barra da Tijuca, Rio de 1.- Índice 1.- Índice...2 2.- Introdução...3 3.- Procedimento Geral...4

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Contabilidade Empresarial

Contabilidade Empresarial Contabilidade Empresarial PROGRAMA DO CURSO Conceitos básicos de contabilidade Balanço patrimonial Demonstrativo de resultado de exercício Demonstrativo de fluxo de caixa Demonstrativo das Origens e Aplicações

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

Fluxo de Caixa método direto e indireto

Fluxo de Caixa método direto e indireto Fluxo de Caixa método direto e indireto A empresa Claudio Zorzo S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000 Capital Social

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ

CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ ETAPA II RELATÓRIO 12 Relatório técnico de indicadores do setor de concessões

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços.

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. QUESTÕES COMENTADAS Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. 01. (FCC Analista Contabilidade TRT 24ª Região 2011) Considere: ATIVO CIRCULANTE Companhia X Companhia

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO. Isabele Cristine e Vivian Vasconcelos

FUNDAMENTOS DA GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO. Isabele Cristine e Vivian Vasconcelos FUNDAMENTOS DA GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO Isabele Cristine e Vivian Vasconcelos Objetivos Apresentar o conceito e em que contexto está inserido o capital de giro; Explicar a importância do capital de giro;

Leia mais

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis 1 I. Introdução Para efetuarmos uma análise profissional das demonstrações financeiras devemos inicialmente: a) simplificar os dados das demonstrações realizando arrendodamentos e/ou efetuando o corte

Leia mais

Demonstrativo do Fluxo de Caixa. Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento

Demonstrativo do Fluxo de Caixa. Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento Demonstrativo do Fluxo de Caixa Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento Fluxo de Caixa Caixa = caixa em espécie, dinheiro em banco e investimentos de curto prazo.

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015 - 2015 Prova de Análise das Demonstrações Comentada Pessoal, a seguir comentamos as questões de Análise das Demonstrações Contábeis aplicada na prova do TCU para Auditor de Controle Externo (2015). Foi

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

IMES-FAFICA Administração Financeira e Análise de Investimentos 1ª Prova Bimestral

IMES-FAFICA Administração Financeira e Análise de Investimentos 1ª Prova Bimestral IMES-FAFICA Administração Financeira e Análise de Investimentos 1ª Prova Bimestral NOME: RA: PARTE A - Testes 1. As quatro áreas básicas de finanças são,,, e. Finanças Corporativas trata das decisões financeiras

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear.

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. MAXIMILLIANO DA SILVA MARINHO Graduando Do Curso De Ciências Contábeis Da UFPA maxi_marinho@yahoo.com.br Heber Lavor Moreira Prof Orientador

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES O Instituto Assaf comparou diversos indicadores de desempenho dos bancos grandes e dos bancos médios de 2009 a 2011. Primeiramente

Leia mais

Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv. Parte I - Introdução, 1

Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv. Parte I - Introdução, 1 Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv Parte I - Introdução, 1 1 Conceitos Introdutórios, 3 1.1 Conceitos, 3 1.2 Objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis, 5 1.3 Usuários da Análise das Demonstrações

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

Prof. Fernando Oliveira Boechat

Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Sumário: 1. Introdução 2. Prof. Fernando Oliveira Boechat 2 Introdução: ENTENDENDO AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS Prof. Fernando

Leia mais

ÍNDICES PARA ANÁLISE DE BALANÇO 1 ÍNDICES DE LIQUIDEZ

ÍNDICES PARA ANÁLISE DE BALANÇO 1 ÍNDICES DE LIQUIDEZ ÍNDICES PARA ANÁLISE DE BALANÇO 1 ÍNDICES DE LIQUIDEZ Liquidez Imediata = Disponibilidade / Passivo circulante Expressa a fração de reais que a empresa dispõe de imediato para saldar cada R$ 1,00 de suas

Leia mais

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira.

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira. 1 Tatiana Melo da Gama RESUMO O presente artigo tem a proposta de apresentar uma breve abordagem sobre a Análise dos Índices de Prazos Médios, dando ênfase para a sua importância na gestão financeira de

Leia mais

Contabilidade Decifrada

Contabilidade Decifrada Contabilidade Decifrada Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos DOAR Luiz Eduardo Conceitos iniciais Capital Circulante líquido CCL, Origens e Aplicações 1 Capital Circulante Líquido CCL, definido

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof. ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade II. Análise tradicional das demonstrações contábeis 2.5. Índices

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TUIUTI DO PARANÁ ELIFAS LEVI DA PAIXÃO JÚNIOR ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO: UMA GESTÃO INTELIGENTE DOS RECURSOS EMPRESARIAIS

UNIVERSIDADE DE TUIUTI DO PARANÁ ELIFAS LEVI DA PAIXÃO JÚNIOR ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO: UMA GESTÃO INTELIGENTE DOS RECURSOS EMPRESARIAIS UNIVERSIDADE DE TUIUTI DO PARANÁ ELIFAS LEVI DA PAIXÃO JÚNIOR ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO: UMA GESTÃO INTELIGENTE DOS RECURSOS EMPRESARIAIS CURITIBA 2009 UNIVERSIDADE DE TUIUTI DO PARANÁ ii ELIFAS

Leia mais

Balanço Patrimonial ( em R$ 000 )

Balanço Patrimonial ( em R$ 000 ) Demonstrações Financeiras Índice de Endividamento Professor: Roberto César Balanço Patrimonial ( em R$ 000 ) Circulante X X-1 Caixa... 363 288 Títulos Negociáveis... 68 51 Duplicatas a Receber... 503

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE - FERJ BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos em Reais. ATIVO Notas 2010 2009

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE - FERJ BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos em Reais. ATIVO Notas 2010 2009 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2010 2009 CIRCULANTE Caixa e bancos 422.947 20.723 Contas a receber 4 698.224 903.098 Outras contas a receber 5 3.304.465 121.908 Estoques 14.070

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Análise Através de Índices

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Análise Através de Índices ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Análise Através de Índices PRINCIPAIS ASPECTOS REVELADOS PELOS ÍNDICES FINANCEIROS Situação Financeira ESTRUTURA LIQUIDEZ Situação Econômica RENTABILIDADE QUADRO RESUMO

Leia mais

DETALHES RELEVANTES NA APRESENTAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ELABORADO COM BASE NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

DETALHES RELEVANTES NA APRESENTAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ELABORADO COM BASE NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DETALHES RELEVANTES NA APRESENTAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ELABORADO COM BASE NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS SEPARAÇÃO DOS EMPRÉSTIMOS ESTRUTURAIS DOS EMPRÉSTIMOS DE CURTO PRAZO PARA FINANCIAR DÉFICITS TEMPORÁRIOS

Leia mais