Revista Portuguesa de Filosofia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revista Portuguesa de Filosofia"

Transcrição

1 Revista Portuguesa de Filosofia Razão e Memória em H.-G. Gadamer Author(s): Maria Luísa Portocarrero Silva Reviewed work(s): Source: Revista Portuguesa de Filosofia, T. 56, Fasc. 3/4, A Idade Hermenêutica da Filosofia (The Age of Hermeneutics): Hans-Georg Gadamer (Jul. - Dec., 2000), pp Published by: Revista Portuguesa de Filosofia Stable URL: Accessed: 27/04/ :22 Your use of the JSTOR archive indicates your acceptance of the Terms & Conditions of Use, available at. JSTOR is a not-for-profit service that helps scholars, researchers, and students discover, use, and build upon a wide range of content in a trusted digital archive. We use information technology and tools to increase productivity and facilitate new forms of scholarship. For more information about JSTOR, please contact Revista Portuguesa de Filosofia is collaborating with JSTOR to digitize, preserve and extend access to Revista Portuguesa de Filosofia.

2 Razao ememoria em H.-G. Gadamer Maria LuisA Portocarrero Silva* RESUMO: Este artigo reflecte sobre o significado critico dos conceitos de tradicao e preconceito, nogoes fundament ias dafdosofia hermeneutica de Hans-Georg Gadamer. Visa de forma particular a contestacao que o autor faz da moderna reducao do sentido dafdosofia. Filosofia ou teoria da ciencia, eis os termos de uma questao que atravessa o pensamento de Gadamer, desde Verdade e Metodo, ate aos ultimos textos. Para ofdosofo, na raiz origindria do sentido estd um modo ontico de ser, caracterizado pela memoria, pelo efeito historico da tradicao e pela necessidade deformacao. A razao, que se sabe hoje historica efinita, parte sempre de pressupostos, que marcam a sua basilar insercao na comunidade da palavra jd sempre partilhada e nos lembram como e ilusorio o sonho iluminista de uma transparencia total PALAVRAS-CHAVE: Ciencia. Filosofia. Formacao. Gadamer. Hermeneutica. Memoria. Preconceito. Razao. Sentido. Tradicao. ABSTRACT: This article is a reflexion about the critical meaning of the concept of tradition and prejudice in the hermeneutical philosopphy of H.-G. Gadamer. It focuses on Gadamer 's protest against the modern reduction of the meaning of philosophy. Philosophy or theory of science are the terms of the question that crosses all of Gadamer *s thought, from Wahrheit und Methode until the later works. At the root of meaning is for Gadamer an ontological way of being characterized by memory, the historic effect of tradition and the need of formation. Reason, which we now know as historical and finite, is grounded on presuposed ideas which mark its fundamental insertion in the comunity of the world, already shared, and remind us of how deceptive the iluminist dream of a total transparency actually is. Key Words: Formation. Gadamer. Hermeneutics. Meaning. Memory. Philosophy. Prejudice. Reason. de Heidegger, com quern reconhece ter aprendido essencial,1 Hans-Georg Gadamer, representante da corrente hermeneutica do pensamento contemporaneo, fez cem anos em Fevereiro passado. Tornado celebre, com a publica9ao de Verdade e Metodo: Fundamentos de uma Teoria Hermeneutica1 e autor de uma gigantesca obra, reunida nos dez volumes das obras * Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (Coimbra, Portugal) 1 GADAMER, Hans-Georg - Gesammelte Werke: Hermeneutik II: Wahrheit und Methode, 2: Ergdnzungen, Register. Tubingen: Mohr, 1986, 485: "Das Wichtigste aber lernte ich von Heidegger". 2 GADAMER, Hans-Georg - Wahrheit und Methode: Grundzugeiner philosophischen Hermeneutik. Tubingen: Mohr, Revista Porwguesa de Fiwsoi'iA, 56 (2000),

3 334 Maria LuisA Poiuxkarrero Suva completas, este filosofo e particularmente conhecido pela posi9ao critica que assume perante o tratamento puramente metodico da questao filosofica da verdade. E, de facto, a rela9ao privilegiada que a problematica da verdade contraiu, no Ocidente, com o modelo da adequa9ao e posteriormente com a moderna tematica do metodo cientifico que o autor frontalmente contesta. Mas nao e a ciencia em si que Gadamer rejeita, pelo contrario, o seu intuito e libertar a Filosofia do seu enfeudamento a um conceito puramente metodic ou operatorio de ciencia, como se nao existisse toda uma tradi9ao a recordar-nos que a palavra filosofia exprimiu durante muito tempo o sentido meditativo do pensar humano, o conceito indagador e universal do saber no sentido geral de teoriaj. Por outras palavras, Gadamer insurge-se claramente contra o empobrecimento contemporaneo do sentido do filosofar. Lembra-nos, neste contexto, que a medita9ao de ordem filosofica sempre excedeu o ambito fechado da doutrina4 ou da teoria da ciencia, correspondendo, pelo contrario, a natural disposi9ao do homem para a teoria pura que, no seu sentido originario, designava a possibilidade da contempla9ao e a entrega do cidadao livre ao saber do verdadeiro. Tal era, de facto, o nome real da filosofia,5 - a essencia de toda a paixao teorica - que reflectia, assim, o modo como o homem habita o mundo, isto e, como se eleva acima do seu aqui e agora, formulando "perguntas sobre a verdade e sobre o bem de uma maneira que nao exprima nem o beneficio proprio nem o proveito publico"6. Porque na sua maxima concretude, o homem e um ser aberto ao infinito, ele habita o mundo de uma forma propria e peculiar, quer isto dizer, renuncia rapida satisfa9ao instintiva, olha para alem de si mesmo... "deseja saber", diz-nos Gadamer, citando a primeira frase da Metafisica de Aristoteles. Assim sendo, se o saber tambem se satisfaz na Matematica, que se relaciona com o imutavel, designa, ja desde a Antiguidade, de "direito e em primeiro lugar a Filosofia, que pensa a essencia permanente das coisas, desde as suas origens, isto e, aquilo a que chamamos principio"7. A maior felicidade do homem era conside- 3 Cf. GADAMER, Hans-Georg - Gesammelte Werke. Hermeneutik 1: Wahrheit und Methode, 1: Erganzungen. Register. Tubingen: Mohr, 1986, 12-13: "Philosophic bedeutet theorethische Interesse verfolgen. meint ein Leben das die Fragen nach der Wahrheit und nach dem Guten so stellt, dass dabei weder auf den eigenen Gewinn noch auf den offentlichen Nutzen reflektiert wird". 4 Cf. GADAMER. Hans-Georg - Lob der Theorie: Reden und Aufsatze I. AutI Frankfurt am Main: Suhrkamp Ibidem, Cf. GADAMER, Hans-Georg - Gesammelte Werke. Hermeneutik 1: Wahrheit und Methode, 1: Erganzungen. Register. Tubingen: Mohr, 1986, 12-13: %iphilosophie bedeutet theorethische Interesse verfolgen, meint ein Leben das die Fragen nach der Wahrheit und nach dem Guten so stellt, dass dabei weder auf den eigenen Gewinn noch auf den offentlichen Nutzen reflektiert vvird". 7 Ibidem. 30: "Wissen erfullt sich in der Mathematik, die es mit Unveranderlichen zu tun hat. und erst recht in der Philosophic, die das bleibende Wesen der Dinge aus ihre Ursprungen,dem was wir Prinzip nennen, denkt." REVISTA PO/i/UGUESA I)E FILOSOFIA, 56 (2000),

4 Razao e Memoria em H.-G. Gadamer 335 rada, na tradi9ao classica, a teoria pura e isto significavapenas o seguinte: nao estar sujeito a automatismos vitais basicos, como acontece com o animal, poder estar desperto, formular perguntas ultimas e, por meio delas, ver e contemplar o seu proprio estar aqui8. Gadamer partilha esta posi9ao segundo a qual deve hoje ser recuperada a natural disposi9ao do homem para a cultura e para a teoria, o seu permanente afa de saber e de verdade, enquanto atitude basica que subjaz ao filosofar. Mas para isso, ha que mostrar, na base de exemplos da propria historia, como o modo humano de ser sempre foi pensado como a unica essencia, que possui o logos, isto e, a possibilidade de nomear, de escutar o outro, de comunicar, de criar, de pensar e contemplar. Por outras palavras, e preciso nao esquecer que, porque o homem sempre foi caracterizado como urn ser livre (liberto da pressao instintiva das necessidades primarias), pode sempre determinar-se pela escolha do bem, pela aberturao belo e pelo conhecimento do verdadeiro. O ser humano e inclusivamente o unico animal que pode rir, dada a sua capacidade de distanciamento do imediato. "E, no sentido mais profundo, uma essencia teorica"9. Ora e na sua natureza eminentemente relacional que radica a natural disposi9 o que detem para a Filosofia, que configura o ambito das perguntas ultimas. Isto significa que e urgente sustentar, contra o estreitamento contemporaneo do sentido do filosofar, o enraizamento deste, enquanto "conjunto do saber e de aquilo que e digno de ser sabido",10 nesta forma estranha de vida, caracterizada pela indaga9ao do comum, pela capacidade de questionamento e de espanto. A filosofia, enquanto configura9ao singular da vida humana, e testemunho de urn modo de ser liberto do ambito restrito do cumprimento de necessidades ou automatismos11. E expressao de uma forma de vida, que se faz simboliza9ao, nova ordem - humanidade - uma vez que nao e apenas for9a e impulsividade mas for9a, que se significa e interroga, numa constante procura (historica) de identidade. A tradi9ao grega da theoria, expressao real da vida ou dado antropologico originario,12 deve pois ser repensada, em ordem a uma recupera9ao do enraizamento originario da filosofia na paideia propria da vida humana, desde sempre preocupada com a compreensao do colectivo e do comum L>. Nao seria alias dificil, lembra-nos Gadamer, mostrar como a propria ciencia moderna pressupse este mesmo conceito de teoria,14 que para os gregos, corresponde a auto-eleva9ao da vida humana, acima dos interesses e paixoes singulares. Parece, no entanto, que a racionalidade da ciencia contemporanea e a sua metodologia especializada 8/6/Wem Ibidem,!]. 10 ID. - Das Erbe Europas: Beitrage. 1. Aufl. Frankfurt am Main: Suhramp, 1989, ID. - Verminft im Zeitalter der Wissenschaft: Aufsatze 1. Aufl. Frankfurt am Main: Suhrkamp, ID. - Lob der Theorie, Ibidem Ibidem. REV1STA I'ORWGUESA DE 1'ILOSOIIA, 56 (2000),

5 336 Maria Luisa Portocarrhro Sii.va nada tern a ver com o ambito originario e envolvente da sabedoria, que procura o sentido do comum e, assim, permite fundar as decisoes adequadas. A nova ciencia distingue-se claramente do antigo conceito de saber. Representa uma forma pragmatica de conhecimento orientada para o dominio seguro da natureza e para a absoluta eficacia do poder-fazer humano. Tecnocracia, burocracia15 sao expressoes com que hoje caracterizamos a nova ordem da vida governada pelo imperio de uma tecnociencia que perdeu o sentido vital da perguntabilidade humana e, mais grave ainda a abertura ao todo caracteristica da racionalidade humana. Aceitamos, no entanto, o sistema em que vivemos! Nem sequer podemos ja voltar atras. E como nos diz Gadamer, nao cabe a filosofia dos dias de hoje o papel de profeta ou moralista da ciencia16. Cabe-lhe, pelo contrario, lembrar ao poder-fazer dos homens que a esquematiza9ao puramente gnosiologica do seu espa9o de experiencia e, enquanto unica leitura do real, derivada e unilateral. Pertence-lhe nomeadamente a defesa da dimensao antropologica da teoria, logo uma chamada de aten9ao para os perigos de toda a redu9ao desta abertura ao modelo puramente tecnologico e instrumental. Num mundo como o nosso, cada vez mais dominado pela importancia publica do conceito operatorio de saber e sua lei fundamental, a da especializa9ao, a filosofia perdeu todo o seu significado originario. Adquiriu mesmo na nossa consciencia publica, o sentido de algo suspeito, urn cariz negativo, semelhante aquele que se atribui a metafisica, tendo entao algum valor apenas para os eruditos, suscitando o interesse e a considera9ao nos casos em que revela a sua importancia e utilidade para a ciencia17. Tal tern sido, de facto, no Ocidente, nomeadamente, a partir "da decadencia e fim da sintese hegeliana"18, a for9a e o efeito da redu9ao moderna do sentido classico, mais meditativo e universal de filosofia. Perdeu-se, de urn modo quase definitivo, o sentido originario do antigo conceito de ciencia, intimamente ligado a filosofia como theoria que permite iluminar a praxis, isto e, como uma forma de saber suscitada pelas questoes classicas da vida e nunca definitivamente resolvidas. A grande tradi9ao da filosofia pratica (e politica) da Antiguidade com o seu horizonte etico e normativo fundamental, acabou tambem por desaparecer do horizonte da nova racionalidade que transferiu, nao sem levantar grandes problemas, as suas qualidades operatorias para o ambito da praxis humana19. Uma pergunta se impoe entao: sera esta uma vitoria definitiva da razao? Que sentido de razao e este afinal? Participarao, de facto, os filosofos deste ideal?20 15 Ibidem, Gesammelte Werke: Hermeneutik: II GADAMER, Hans-Georg - "La philosophie dans la societe moderne". In: Archives de Philosophie, , Das Erbe Europas, Lob der Theorie, Ibidem, 58. RlMSTA PORTUGUISA DlU'lLOSOIlA, 56 (2000),

6 RazAo e Mfmoria em H.-G. Gammer 337 E com este tipo de questses que o autor, rasga os contornos de uma nova racionalidade (hermeneutica), critica o empobrecimento moderno e contemporaneo do sentido do filosofar, perguntando mesmo, em torn provocador, pela razso do facto de, na epoca da ciencia em que vivemos - a epoca da racionalidade fragmentada dos peritos21 -, a teoria da ciencia ser o unico sentido legftimo e aceitavel da actividade filosofica.22 Nao foi esta a razao pela qual o sec. XIX tratou a tematica das humanidades de uma forma puramente gnosiologica, sem nelas reconhecer a praxis racional da vida humana, na sua busca hermeneutica e sempre insatisfeita de formacao? Com este tipo de questoes, Gadamer avisa-nos: e preciso, antes de mais nada, perceber a origem da relacao problematica entre ciencia e filosofia, que domina os nossos dias. Enquanto nao a percebermos, nao conseguiremos entender, nem defender a natural disposi^o da vida humana para o filosofar23. E necessario, pois, desmontar o postulado positivista e iluminista que regula o conceito contemporaneo, puramente pragmatico e operatorio de ciencia e isso obriga-nos a remontar a Modernidade, as origens do seu modelo de saber, isto e, ao conceito de metodo como o de urn caminho que, no processo da meditacao humana, permita "assegurar a via do conhecimento atraves do superior ideal da certeza"24. Foi, na verdade, a introducao moderna deste ideal de certeza que permitiu a fundamentacao de urn novo modelo da unidade do saber, modelo poderoso que separa, desde logo, a investigacao do ethos proprio da habitacao humana do mundo, dado que este saber ja n5o se pretende questionante, contemplativo ou ligado a tradicoes mas pelo contrario, profundamente operatorio, eficaz e provocador25. O novo rosto da ciencia, surgido na Modernidade, esta baseado no audaz empreendimento de descri^o e analise puramente matematica dos fenomenos e fiindamentou, pela primeira vez, o conceito estrito do filosofar que, desde entao, vinculamos a palavra filosofia".26 Todos sabemos, alias, como a propria filosofia 21 Ibidem, 136 ss. 22 Vernunft im Zeitalter der Wissenschaft, Cf. Ibidem, HOss. 24 Ibidem, Cf. GADAMER, Hans-Georg - Ober die Verborgenheit der Gesundheit: Aufsdtze und Vortrage 1. Aufl. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1993, : "Durch die moderne Wissenschaft wird die Natur mit Hilfe des Experiments zu Antworten gezwungen. Die Natur wird gleichsam gefoldert. Das entstammt dem grossen Auftrieb des 17. Jahrhunderts, sich von uberlebten Vorurteilen zu befreien und sich nach alien Richtungen zu neuen Erfahrungen aufzumachen". 26 Vernunft im Zeitalter der Wissenschaft, : "Die Erforschung der Naturgesetzse auf der Basis matematischer Abstraktion und ihre Verifikation mit den Mitteln des Messens, Zahlens und Wagens steht an der Wiege der neuzeitlichen Naturwissenschaften. (...) Es war insbesondere die Idee der Methode, d.h. der Sicherung des Erkenntntisweges durch das leitende Ideal der Gewissheit, das einen neuen Einheitssinn von Wissen und Erkenntnis zur geltung brachte, der mit der Tradition unserer alteren Welterkenntnis nicht mehr in selbstversta*ndlichem Zusammenhang stand.(...). Diese neue Konzeption von Wis- Revista Porwguesa de Filosofia, 56 (2000),

7 338 Maria LuIsa Portocarrero Suva segue, desde esta epoca, o ideal das ciencias da natureza, procurando acima de tudo, reflectir sobre questoes gnosiologicas estritas conciliando a nossa imagem natural do mundo com a autoridade anonima e intangivel representada pela cien- cia, que definivamente se converte em modelo unico do saber. No entanto, lembra-nos Gadamer, nunca o homem consegue viver apenas do saber operatorio! O homem manipulado e sempre urn homem insatisfeito e e sintomatico, alude o autor a este respeito, que apesar da for9a das ciencias ser o tra90 dominante da nossa epoca, colocando uma especie de ponto final na fun9ao classica da filosofia, ela nao tenha conseguido impedir, ja desde o sec. XIX, o aparecimento de autenticas formas modificadas do filosofar27: "se repararmos, o seculo XIX foi o sec. das concep96es de mundo, palavra que ate no conteudo do seu significado originario renova a promessa de uma interpreta9ao do todo, interpreta9ao essa que a nova ciencia ja nao podia satisfazer. (...). E ao lado do pensamento das concep9oes de mundo apareceu a arte. Com o fim da metafisica reacendeu-se novamente a polemica antiga entre filosofia e poesia (...). Isto corresponde, ainda, ao desenvolvimento e a fiin9ao desempenhada pelas chamadas ciencias do espirito que, por sua vez, continuam a heran9a da metafisica"28. Nao deixa de ser significativo, alias, que na mesma epoca em que se radicaliza a fe na ciencia positiva, surja o interesse pelo homem criador de cultura, pelo fenomeno estetico e pelo fenomeno hermeneutico da transmissao historica da cultura humana»29. O sec. XIX romantico e historicista e, com efeito, o seculo da chamada consciencia historica, do interesse pelo passado, pelo outro e pelos seus testemunhos literarios. Dilthey, nomeadamente, marca a segunda metade do sec. com o projecto de uma critica da razao historica, que servisse de complemento a Critica da Razao Pura de Kant, elevando, assim, a problematica da compreensao historica a problema filosofico central. Move-o, contudo, a questao da objectividade do conhecimento historico, isto e, a procura de urn modelo epistemologico adequado as ciencias da cultura e nao tanto uma reflexao sobre a natureza ontologica profunda (tempo) das humanidades. Dilthey insere-se assim na tradi9ao moderna da ciencia objectiva, concebendo a investiga9ao do passado como "deciframento e nao como experiencia historica"30. Dai o conjunto de aporias que caracterizam o seu projecto e a redu9ao da interpreta9ao historica ao princfpio da reconstru9ao das circunstancias historicas originarias. Contra esta leitura da tradi9ao se insurge Gadamer que considera que a ideia de uma justifica9 o metodologica das ciencias da cultura transforma verdadeira essencia filosofica e rememorante das humanidades. Estas tern na sua raiz o processo de humaniza9ao do homem, uma forma de vida que, dada a sua deficiencia senschaft begrundete erstmals den engeren Begriff von Philosophic den wir seither mit dem Wort Philosophic verbinden". 27 Ibidem, Ibidem, Ibidem, Gesammelte Werke. HermeneutikI: Wahrheit und Methode I, 245. Revista Portuguksa de Filosofia, 56 (2000),

8 Razao e Memoria em H.-G. Gadamer 339 em instintos, se faz necessariamente memoria, transmissao de cultura e forma- 9&0, por meio da palavra, da fabula e da comunica9ao. E preciso pois voltar - apesar do imperio da nova ciencia e em virtude dos proprios conflitos suscitados, nos dias de hoje, pela aplica9ao da racionalidade instrumental ao mundo sempre afectivo e intersubjectivo da praxis humana - ao mundo da vida e saber que, nos dias de hoje, nomeadamente depois de HusserP1 e da "hermeneutica da facticidade" de M. Heidegger32, a Filosofia deve deixar de reflectir o real a partir do modelo estritamente metodico e inspectivo do saber. Nao compreendemos para poder, prever e dominar mas, pelo contrario, para ser. Somos, com efeito, o linico animal que precisa de representa9oes simbolicas para viver. Compreender nao e originariamente agarrar algo, "certificar-se de (...)'\ mas estar a ser e poder-serjj. E orientar-se e entender-se a si mesmo na propria re- Ia9ao que se estabelece com qualquer coisa. Tal foi a grande noticia da obra heideggeriana Ser e Tempo e ela significou, antes de mais, uma reviravolta fundamental no modo tradicional de conceber o real. Com efeito, segundo Heidegger, existir humanament e ser tempo,34 apreender e ser interpelado. Isto significa que a compreensao nao refere originariamente "um dos comportamentos humanos que se possa disciplinar metodologicamente e configurar num metodo cientifico, mas constitui o movimento basico da existencia humana"j5. Que movimento e este? Aquele em que o Dasein atesta temporalmente o modo de ser que e: nao um subjectum, um ente, a partida, pronto, pleno e acabado mas, pelo contrario, um sendo inacabado, inquieto e inconformado, que nunca coincide consigo mesmo. Logo, um ente, cujo nucleo verdadeiro e a historia de um verdadeiro contraste, o de finitude inultapassavel e abertura incondicionada, que precisa de se testemunhar, explicitando-se num movimento temporal e hermeneutico de cotinua eleva9ao acima do instante ou do puramente dado"*6. Com Heidegger, surge, pela primeira vez, uma clara tomada de consciencia da rela9ao originaria entre a capacidade humana de compreensao e a historia^7, isto e, da experiencia do tempo como real motivo de toda a theoria ou compreensao. De facto, o "Dasein" enquanto verdadeiro topos de todo o compreender excede o sujeito da ciencia moderna, e tempo e no tempo pergunta pelo sentido, constituindo esta sua pergunta, e o que realmente a motiva, a verdadeira condi- 9S0 de toda a objectividade. Isto significa que o proprio conceito de objectivi- 31 Ibidem, Cf., nomeadamente, Ibidem, 258 ss. 33 Ibidem, 264. "ibidem, Gesammelte Werke. Hermeneutik II Wahrheit und Methode 2, 103: "Verstehen meint nicht mehr ein Verhalten des menschlichen Denkens unter anderen, das sich methodisch disziplinieren und zu einem wissenschaftlichen Verfahren ausbilden ISsst, sondern macht die Grundbewegtheit des menschlichen Daseins aus". 36 Cf. Gesammelte Werke: Hermeneutik, I: Wahrheit und Methode I Ibidem, 266. Rev/sta Portuguesa dei'ilosofia, 56 (2000),

9 340 Maria LuisA Portckarrhro Suva dade da ciencia moderna deve agora ser compreendido ontologicamente, como urn modo (derivado) do perguntar historico-vital da existencia humana finita. Foi este o grande ensinamento de Heidegger: a explica9ao e urn modo derivado da compreensao que o Dasein e ja ao nivel da preocupa9ao ou da forma primeira como vive a sua rela9ao com o mundo. E preciso entso enraizar a ciencia no modo temporal de ser do existir. Tal e a tese com a qual Gadamer assume a heran9a heideggeriana. Para o autor, se a moderna concep9ao de ciencia conseguiu, com todo o seu construtivismo metodico, impor-se a partir da Modernidade como modelo filosofico do pensar, ela fe-lo na base de uma fundamental ilusao que M. Heidegger denuncia. O esquecimento do ser foi, de facto, o esquecimento da experiencia-limite que constitui a finitude humana, a experiencia do tempo, e o da sua natureza essencialmente contrastiva ou questionante como verdadeiro motivo de todo o pensar e saber. E, com efeito, a experiencia exclusivamente humana do tempo ou dos limites do existir que move, segundo Gadamer, o pensar e faz pensar na presen9a transhistorica ou transcendente que habita o homem, distinguindo-o enquanto tal das coisas puramente disponiveis. Todo o questionamento mesmo aquele que se pretende objectivo parte, entao, da situa9ao hermeneutica da vida humana (misto de ser e nada ), isto e, de uma necessidade vital ou existencial de afirma93o e configura9ao de si. E necessario, pois, redefinir, apos Heidegger, a uriidade e universalidade do filosofar, pensando antes de mais a fundamental experiencia que a suporta. Ora, esta e hoje a da irredutivel finitude do existir logo, a da unilateralidade de uma esquematiza9ao puramente gnosiologica do processo humano de realiza9ao de sentido. Urge, ent2o, explicitar o que permite a identidade da experiencia humana depois da crise do sujeito transcendental e das suas categorias atemporais. A esta tarefa se dedica Gadamer, propondo-nos toda uma nova concep9ao do sentido e do filosofar, baseada numa hermeneutica da memoria humana. Ser finito e ter memoria, ser afectado pelo outro e e este poder ser afectado o novo sentido do transcendental. Logo, levar a serio a finitude do existir humano significa, para o autor, redefinir as condi9oes da experiencia humana do sentido, come9ando exactamente por perguntar pelas consequencias que derivam para o filosofar do facto de Heidegger ter derivado a estrutura de antecipa9ao do existir da temporalidade basica do seu modo de ser*8. Estas consequencias sao hermeneuticas, isto e, partem do existir como um ser que nunca coincide com o principio ou o todo, a que continuamente aspira, porque ja sempre Ian9ado no seio de uma relasao historica que perspectiva o seu perguntar. Hermeneutica, palavra ainda demasiado estranha nos anos sessenta,39 altura da publica9ao da obra Verdade e Metodo, nao tern, pois, em Gadamer nem o sentido pre-romantico de uma perceptiva da compreensao nem, tao pouco o signi- 38 Ibidem, Cf. Gesammelte Werke. Hermeneutik II: Wahrheit und Methode 2, 493. Rkvista Pomvguksa dk FiwsoiiA, 56 (2000),

10 RAZAO li MllMOMA KM H. -G. GADAMER 34 1 ficado historicista de metodologia das ciencias do espirito. Com este termo, o autor procura distinguir o verdadeiro nucleo da compreensao, a humanidade relacional, rememorante e antecipativa (historica e linguistica) do homem destacando-se claramente da fiindamenta^o hermeneutico-epistemologica das ciencias do espirito e de toda a tematiza9ao romantica da hermeneutica moderna. Por outras palavras, a hermeneutica de Gadamer retoma os fundamentos do sentido classico e universal do filosofar - o homem capax universi - reinterpretando-os a partir de uma exegese do estar ja sempre no meio de uma historia, ser linguagem ou ser perten9a a urn acontecer de sentido, ha muito ja come9ado (memoria). Dai que o autor nos lembre: "a estrutura geral da compreensao alcana a sua concretude na compreensao historica, na medida em que na propria compreensao actuam os vinculos concretos do costume, da tradi9ao e as correspondentes possibilidades de futuro"40. Com efeito, o ser-ai que se projecta em direc9ao ao seu poder ser e sempre urn ser ja acontecido, e isto quer dizer, ja de algum modo relacionado e afectado por aquilo que justamente quer compreender. Tal e o significadoriginario da historicidade do existir: uma rela9 o ao mundo sempre mediada pelo efeito historico do tempo, isto e, uma constante ultrapassagem do momento presente por meio de uma memoria fiindamentalmente referida ao passado como tradi9&o e ao futuro enquanto antecipa9ao. E preciso perceber como, na raiz de toda a atitude filosofica e cientifica esta uma hermeneutica originaria do mundo, uma experiencia de sentido marcada por urn modo ontico de ser a que podemos chamar memoria, forma9aou tradi9ao. Porque somos seres finitos, encontramo-nos ja sempre Ian9ados no jogo historico do sentido e da verdade.41 Come9amos por receber urn mundo simbolicamente estruturado, por meio de valores, usos, costumes e tradi9oes, que constituem a condi9ao basica da nossa habita9ao. Logo, perguntamos sempre a partir de uma inser9ao no seio de urn acontecer de sentido ja sempre come9ado e transmitido. E este o significado profiindo da famosa estrutura de antecipa9 o do "Dasein" heideggeriano: a compreensao nao e uma ac9 o da subjectividade humana mas, pelo contrario, urn acontecer, urn estar situado no acontecer da tradi9ao, no qual passado e presente se encontram em constante media9ao42. Entao, a principal tarefa de uma hermeneutica da finitude deve ser a seguinte: repensar a experiencia humana do principio fora dos quadros da subjectividade transcendental, por outras palavras, medita-la no seio do acontecer do processo de transmissao de sentido, a que 40 Gesammelte Werke. Hermeneutik I: Wahrheit und Methode I, 268: ''Die allgemeine Struktur des Verstehens erreicht im historischen Verstehen ihre Konkretion, indem konkrete Bindungen von Sitte und Oberlieferung und ihnen entsprechende Moglichkeiten der eigenen Zukunft im Verstehen selber wirksam werderf. 41 Cf. Ibidem, Ibidem, 295: "Das Verstehen ist selber nicht so sehr als eine Handlung der Subjektivitat zu denken, sondern als ein Einrticken ein Oberlieferungsgeschehen, in dem sich Vergangenheit und Gegenwart bestandig sich vermitteln". REV1STA PORTUGUESA DK 1'IWSOIIA, 56 (2000),

11 342 Maria LuisA Portocarrkrq Silva chamamos tradi9ao. O que exige que contrariamente a atitude da suspeita, em que se baseou a Iimita9ao moderna do significado da compreensao, se chame a aten9 io para o facto da razao humana ter raizes, uma memoria linguistica,4j que marca a dimensao da sua receptividade originaria e se traduz justamente no primado da pre-compreensao. Compreender, ser capaz de theoria, e para a racionalidade, que se sabe hoje finita, partir de uma linguagem onde tudo ja foi dito, de alguma maneira44 refigurar, de forma sempre situada e questionante, o processo de trasmissao espiritual de sentido que constitui a humanidade do homem. Razao e tradi9ao devem, entao, reconsiderar, contra Modern idade, os termos da sua mutua filia9ao45, uma vez que a ideia de uma razao plenamente transparente e, por isso, despida de pressupostos ou de todas as balizas lingufsticas e relacionais da memoria nao faz ja qualquer sentido. Partimos sempre irremediavelmente da nossa memoria historica, de uma perten9a a tradi9oes46, dado que o nosso poder reflexivo nao tern qualquer semelhan9a com o de um ego desencarnado e solitario. E, pelo contrario, uma actividade profundamente simbolica e comunicacional. Logo, se quisermos fazer justi9a ao caracter historico-finito do ser humano precisamos de efectuar uma reabilita9ao do conceito de pre-conceito e reconhecer, ao contrario da modernidade iluminista, que existem pre-juizos legitimos47. A supera9ao de todo o preconceito, essa exigencia global da Aufklarung - que marcou no Ocidente uma determinada concep9ao de ciencia - deve revelar-se no contexto de uma medita9ao sobre a historicidade como um preconceito cuja revisao tornara possivel uma adequada compreensao da finitude que constitui o nosso ser e a nossa consciencia historica48. A tematica do preconceito (ou o primado do recebido) constitui assim o nucleo da hermeneutica da finitude Gadamer.49 Com ela o autor reinterpreta o optimismo ingenuo da Modernidade, segund o qual ser autonomo significa nada receber, chamando a nossa aten9ao para o seguinte: porque somos finitos, a nossa rela9ao a verdade nao pode ser concebida em termos de transparencia e poder. Corresponde, pelo contrario, a antecipa9ao fundamental de todo o existir. E uma pressuposi9ao 43 Cf., Ibidem, 461 ; Gesammelte Werke. Hermeneutik II Wahrheit und Methode ss. 44 Cf., neste mesmo sentido, RICOEUR, Paul - Le conflit des interpretations: Essais d'hermeneutique. Paris: Editions du Seuil, 1969, Gesammelte Werke: Hermeneutik I: Wahrheit und Methode I Ibidem. 47 Ibidem, Ibidem, 280: "Die Uberwindung aller Vorurteile, diese Pauschalforderung der Aufklarung, wird sich selber all ein Vorurteil erweisen, dessen Revision erst den Weg fur ein angemessenes Verstandnis der Endlichkeit freimacht, die nicht nur unser Menschsein, sondern ebenso unser geschichitliches Bewusstsein beherrscht." 49 Sobre esta tematica pode ver-se SILVA, Maria Lufsa Portocarrero - O preconceito em H.-G. Gadamer: Sentido de uma reabilitacao. Lisboa: Fundacao Calouste Gulbenkian; Junta Nacional de Investiga9ao Cientffica e Tecnologica, REVISTA PORTIJGUESA DE /'JLOSOIIA, 56 (2000),

12 RAZAO I: MEMORIA EM H. -G. GADAMER 343 de sentido sempre situada, isto e, entretecida pela fundamental mistura de familiaridade e estranheza, que transforma toda a compreensao numa perspectiva ou conjectura a validar50. De outro modo: o sentido para o qual tendemos (enquanto seres marcados pela perguntabilidade ou theoria) nao podera nunca definir-se como total. Ou significamos com outros ou nao fazemos mais sentido. Por isso "os preconceitos de urn individuo exprimem, muito mais do que os seus juizos, a realidade historica do seu ser"51. Nao sao juizos necessariamente errados, mas categorias dialecticas que so no dialogo fazem sentido. Pertence pois ao seu conceito a possibilidade de virem a ser apreciados positiva ou negativamente.52 Uma hermeneutica da memoria deve, entao, rebater a deprecia9ao iluminista de todos os pressupostos da racionalidade humana, mostrando como para o homem finito e historico tudo o que realmente existe, existe apenas na e pela rela- 9&0 ao outro homem. Sem uma efectiva inser9ao na comunidade da palavra ja parti lhada a nossa razao nada pode. Nao e de estranhar que a reabilita9ao gadameriana do acontecer da tradi9ao, enquanto pano de fundo verdadeiro de qualquer exercicio de uma ss racionalidade, se fa9a a partir de uma critica ao moderno Iluminismo e ao modelo nao relacional de razao por ele veiculado. Contra a deprecia9ao iluminista dos pressupostos - tra9os do fundamental enraizamento da compreensao humana em tradi9oes que, por sua vez, expressam o efeito historico do passado ou o efeito da vincula9ao a alteridade para que nos remete a memoria - ha que sustentar que a ideia de uma fundamenta9ao absoluta nao e, de modo nenhum, uma possibilidade da existencia finita. Por isso so os preconceitos, desvalorizados pelo Ilumi- nismo, permitem hoje esquecer o sonho moderno de uma razao plenamente transparente pensar o acesso sempre finito, linguistico, multiplo ou implicado do homem ao ser. E preciso compreender entao como o verdadeiro fio condutor de toda a critica dos pressupostos e urn projecto ontologico hoje indefensavel. Isto e, e urn preconceito fundamental contra o modo como se configura a huma- nidade relacional do homem: a partir de uma fundamental interpela9ao e abertura a alteridade e autoridade do outro. Gadamer aceita alias a vincula9ao iluminista do preconceito as ideias de autoridade e tradi9ao. Discorda, no entanto, do sentido puramente negativo que o Iluminismo atribuiu aos conceitos de autoridade e tradi9ao. Para o Iluminismo o eu pensante em soliloquio (cogito) e a verdadeira fonte de toda a autoridade5^. Dai a rejei9ao da tradi9ao e o ideal de uma supera9ao de todos os pressupostos. 50 Cf. Gesammelte Werke. Hermeneutik I Wahrheit und Methode L Ibidem. 281 : "Darum sind die Vorurteile des einzelnen weit mehr als seine Urteile die geschichitliche Wirklichkeit seines Seins ". Ibidem, 275: "An sich heisst Vorurteil, ein Urteil, das vor der endgultigen Prufung aller sachlich bestimmenden Momente gefallt wird (...). Vorurteil heisst also durchaus nicht notvvendig falsches Urteil. In seinem Begriff liegt dass es positiv und negativ gewertet werden kanrr. 53 Ibidem, Revista 1'om/GUESA Dt: Filosofia, 56 (2000),

13 344 Maria LuIsa Poimx :arrhro Sil va Ora, este ideal parte de um modelo de razao considerado, hoje, unilateral. Sem tempo, sem corpo e sem historia o sujeito pensante da Modernidade afirmava a sua autonomia por meio de recusa de toda memoria ou interdependencia. Nao podia, pois, fazer justisa ao modo como o homem se faz consciencia historica, sofrendo o efeito historico e subterraneo do trabalho imemorial da historia.54 Logo, so numa hermeneutica da memoria os conceitos de preconceito, tradi- 9S0 e autoridade permitem uma reinterpreta9ao da theoria como tra9o distintivo da racionalidade humana. Ajudam-nos a perceber que se a ciencia e a filosofia partem da exigencia de total iza9ao como forma fundamental da razao humana, essa exigencia deve hoje ser reinterpretada a partir de uma hermeneutica da irredutivel finitude humana. O efeito historico do sentido, por outros ja conflgurado - em textos, documentos, simbolos, mitos e obras de arte - faz-nos entender como e hoje ilusoria a ideia de uma justifica9ao humana das condi9oes do pensavel. Logo, como para 0 homem encarnado todo o sentido deve antes pensar-se a partir de uma implica9ao ou pressuposi9ao fundamental, que apenas no confronto ou fusao de horizontes alcana a sua verdadeira consistencia relacional. A razao com memoria sabe que a exigencia mais elevada que se propoe ao ser humano reside no ouvir 0 que nos diz o outro e no deixar que isso seja dito55. So na linguagem e seu poder dialogico as coisas podem alcan9ar a sua verdadeira objectividade, a dimensao do comum e do universal, a que nos induz 0 conceito de razao. 54 Cf. GRONDIN, Jean - Introduction a Hans-Geore Gadamer. Paris: Cerf Das Erbe Europas, 173: "Auf alles zu horen, was uns etwas sagt. und es uns gesagt sein zu lassen, darin liegt der hohe Anspruch, der an jeden Menschen gestellt ist. Sich fur sich selbst daran erinnern ist es eines jeden eigenste Sache. Es fur alle und fur alle uberzeugend zu tun ist die Aufgabe der Philosophies Revista Portuguesa de Filosofia, 56 (2000),

A HERMENÊUTICA COMO SABEDORIA PRÁTICA: ENTRE GADAMER E RICOEUR

A HERMENÊUTICA COMO SABEDORIA PRÁTICA: ENTRE GADAMER E RICOEUR A HERMENÊUTICA COMO SABEDORIA PRÁTICA: ENTRE GADAMER E RICOEUR Luísa Portocarrero Universidade de Coimbra I H-G.-Gadamer, o maior representante alemão da corrente hermenêutica do filosofar contemporâneo,

Leia mais

Redenção Acontecimento e linguagem

Redenção Acontecimento e linguagem Redenção Acontecimento e linguagem Pediram-me que fizesse uma introdução a este debate acerca da «Redenção Acontecimento e liguagem» do ponto de vista da teologia sistemática. Limitar-me-ei, portanto,

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Descrição das Actividades. [O examinador cumprimenta os examinandos, confirma os seus nomes, e explicita os procedimentos do 1º momento da prova.

Descrição das Actividades. [O examinador cumprimenta os examinandos, confirma os seus nomes, e explicita os procedimentos do 1º momento da prova. Duração da Prova: 15 a 20 minutos Domínios de Referência: A Escola; o Lazer (Férias) 1.º Momento Avaliação da Expressão Oral no Ensino Secundário Disciplina: Alemão (Iniciação, Nível 3 12º ano) GUIÃO B

Leia mais

A superação da relação externa entre o pensamento. e seu conteúdo na Lógica da Essência

A superação da relação externa entre o pensamento. e seu conteúdo na Lógica da Essência A superação da relação externa entre o pensamento e seu conteúdo na Lógica da Essência Prof. Dr. Christian Klotz, UFG, GT Hegel, ANPOF 2012. Palavras-chave: Essência, Reflexão, Externalidade, Hegel, McDowell.

Leia mais

ÁGORA Revista Eletrônica ISSN 1809 4589 Página 54-58

ÁGORA Revista Eletrônica ISSN 1809 4589 Página 54-58 ABORDAGEM FENOMENOLÓGICO-HERMENÊUTICAS Henriqueta Alves da Silva 1 RESUMO O presente artigo elege a abordagem fenomenológico-hermenêutica como um dos métodos mais importantes para a elaboração de pesquisas

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste HEIDEGGER: A REDUÇÃO FENOMENOLÓGICA E A PERGUNTA PELO SER 269 - Caderno de texto IV Congresso de Fenomenologia da Região Cenro-Oeste. Resumo: Maria Clara CESCATO - UFPB, Campus IV cescato@voila.fr Eixo

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE

FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE SUBUNIDADE 1: Introdução CONTEÚDOS OBJECTIVOS / COMPETÊNCIAS ESTRATÉGIAS / RECURSOS T.L. AVALIAÇÃO Os objectivos

Leia mais

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO Bernardo Goytacazes de Araújo Professor Docente de Filosofia da Universidade Castelo Branco Especialista em Filosofia Moderna e Contemporânea

Leia mais

O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER

O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER Jupyra Vilela Barreto (Grupo PET - Filosofia) Orientadora: Glória Maria Ferreira

Leia mais

PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA

PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA O PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA Regenaldo da Costa * RESUMO Conforme a Crítica da Razão Pura de Kant, o conhecimento humano é mediado pela subjetividade

Leia mais

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA Resumo Ao explicitar, em O Guardador de Rebanhos, a impossibilidade de se atingir o real por meio dos signos, ao mesmo tempo em que se vê na contingência

Leia mais

A RACIONALIDADE NA FILOSOFIA DA CONSCIÊNCIA E NA HERMENÊUTICA FILOSÓFICA E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A EDUCAÇÃO

A RACIONALIDADE NA FILOSOFIA DA CONSCIÊNCIA E NA HERMENÊUTICA FILOSÓFICA E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A EDUCAÇÃO A RACIONALIDADE NA FILOSOFIA DA CONSCIÊNCIA E NA HERMENÊUTICA FILOSÓFICA E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A EDUCAÇÃO Aluna: Cloê Schmidt Arantes Orientador: Prof. Ralph Ings Bannell Introdução Nos séculos XVI e

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 21 Um tubarão em Hamburgo

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 21 Um tubarão em Hamburgo Capítulo 21 Um tubarão em Hamburgo Com temperaturas insuportáveis na redação da Rádio D, uma incumbência de pesquisa no litoral chega em boa hora. e devem ir a Hamburgo. Pelo que tudo indica, um tubarão

Leia mais

Gabinete de investigação em Bioética. Instituto de Bioética: ajacomo@porto.ucp.pt

Gabinete de investigação em Bioética. Instituto de Bioética: ajacomo@porto.ucp.pt QUE FUTURO TRANS-HUMANO? O NÚCLEO PRÁTICO E FILOSÓFICO DA NEUROÉTICA António Jácomo Gabinete de investigação em Bioética. Instituto de Bioética: ajacomo@porto.ucp.pt The question is therefore not whether,

Leia mais

DA "FUSÃO DE HORIZONTES" AO "CONFLITO DE INTERPRETAÇÕES": A HERMENÊUTICA ENTRE H.-G. GADAMER E P. RICOEUR

DA FUSÃO DE HORIZONTES AO CONFLITO DE INTERPRETAÇÕES: A HERMENÊUTICA ENTRE H.-G. GADAMER E P. RICOEUR DA "FUSÃO DE HORIZONTES" AO "CONFLITO DE INTERPRETAÇÕES": A HERMENÊUTICA ENTRE H.-G. GADAMER E P. RICOEUR LUíSA PORTOCARRERO F. SILVA I Conceito-chave da hermenêutica gadameriana da finitude, o conceito

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

O Cuidado em Enfermagem*

O Cuidado em Enfermagem* O Cuidado em Enfermagem* Isabel Carmelo Rosa Renaud, Professora Doutora de Filosofia O cuidado em, eis um tema que não é novo, um tema talvez recente na história cultural de, mas que já parece ter sido

Leia mais

NOTAS SOBRE O BICENTENÁRIO D A FENOMENOLOGIA DO ESPÍRITO, DE HEGEL

NOTAS SOBRE O BICENTENÁRIO D A FENOMENOLOGIA DO ESPÍRITO, DE HEGEL NOTAS SOBRE O BICENTENÁRIO D A FENOMENOLOGIA DO ESPÍRITO, DE HEGEL Ubiracy de Souza Braga* Die Wahrheit ist Konkret. (Hegel). Numa primeira aproximação não devemos perder de vista que a Fenomenologia do

Leia mais

A FILOSOFIA E TECNOLOGIAS: FORMAÇÃO E OPINIÃO PÚBLICA CRÍTICA

A FILOSOFIA E TECNOLOGIAS: FORMAÇÃO E OPINIÃO PÚBLICA CRÍTICA A FILOSOFIA E TECNOLOGIAS: FORMAÇÃO E OPINIÃO PÚBLICA CRÍTICA Elvio de Carvalho Graduado em Filosofia pela UFSM/RS. Membro do projeto Formação Cultural. helviocarvalho@hotmail.com Valmir da Silva Acadêmico

Leia mais

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles Profa. Ms. Luciana Codognoto Períodos da Filosofia Grega 1- Período pré-socrático: (VII e VI a.c): início do processo de desligamento entre

Leia mais

Martin Heidegger, La Question de la Technique, in Essais et Conférences, Paris, Éd. Gallimard, 1968. 2

Martin Heidegger, La Question de la Technique, in Essais et Conférences, Paris, Éd. Gallimard, 1968. 2 1 PREFÁCIO O objectivo destas páginas é o de apresentar, de maneira acessível e resumida, as principais técnicas da comunicação e da informação, que constituem, em conjunto, um dos domínios que mais directamente

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS FILOSOFIA DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS FILOSOFIA DO DIREITO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS FILOSOFIA DO DIREITO 1. Da justiça particular e do que é justo no sentido correspondente, uma espécie é a que se manifesta nas distribuições de honras, de

Leia mais

A questão do ser em geral em Ser e Tempo, de Martin Heidegger

A questão do ser em geral em Ser e Tempo, de Martin Heidegger www.ufjf.br/eticaefilosofia A questão do ser em geral em Ser e Tempo, de Martin Heidegger Paulo Afonso de Araújo Professor da UFJF RESUMO: O artigo busca indicar uma dificuldade que envolve a construção

Leia mais

Normas de Avaliação. - Disposições Especiais - Universidade Técnica de Ilmenau, Faculdade de Engenharia Mecânica, Para o Curso de. Engenharia Mecânica

Normas de Avaliação. - Disposições Especiais - Universidade Técnica de Ilmenau, Faculdade de Engenharia Mecânica, Para o Curso de. Engenharia Mecânica 1 Normas de Avaliação - Disposições Especiais - da Universidade Técnica de Ilmenau, Faculdade de Engenharia Mecânica, Para o Curso de Engenharia Mecânica Tendo em vista a lei de Ensino Superior da Turíngia

Leia mais

Schopenhauer: die Erscheinung, das Phänomen 1. Schopenhauer: die Erscheinung, das Phänomen

Schopenhauer: die Erscheinung, das Phänomen 1. Schopenhauer: die Erscheinung, das Phänomen Revista Voluntas: Estudos sobre Schopenhauer - Vol. 5, Nº 1-1º semestre de 2014 - ISSN: 2179-3786 - pp. 03-08. Schopenhauer: die Erscheinung, das Phänomen 1 Schopenhauer: die Erscheinung, das Phänomen

Leia mais

DIALÉTICA NEGATIVA. Theodor W. Adorno MARCO ANTONIO CASANOVA EDUARDO SOARES NEVES SILVA. Tradução. Revisão técnica

DIALÉTICA NEGATIVA. Theodor W. Adorno MARCO ANTONIO CASANOVA EDUARDO SOARES NEVES SILVA. Tradução. Revisão técnica DIALÉTICA NEGATIVA Theodor W. Adorno DIALÉTICA NEGATIVA Tradução MARCO ANTONIO CASANOVA Professor do Depto. de Filosofia, Uerj Revisão técnica EDUARDO SOARES NEVES SILVA Professor adjunto do Depto. de

Leia mais

REMEMORAÇÃO E DIALÉTICA (INFLUÊNCIA HEGELIANA NO PENSAMENTO DE LIMA VAZ)

REMEMORAÇÃO E DIALÉTICA (INFLUÊNCIA HEGELIANA NO PENSAMENTO DE LIMA VAZ) REMEMORAÇÃO E DIALÉTICA (INFLUÊNCIA HEGELIANA NO PENSAMENTO DE LIMA VAZ) *Profa. Ms. Maria Celeste de Sousa Resumo: A filosofia de Lima Vaz é profundamente influenciada por Hegel e os dois conceitos que

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

Habermas e A Dialética do Esclarecimento

Habermas e A Dialética do Esclarecimento Habermas e A Dialética do Esclarecimento Bartolomeu Leite da Silva Prof. Do Departamento de Filosofia da UFPB-Brasil e-mail: blsic@hotmail.com Resumo: A dialética do esclarecimento é o tema central das

Leia mais

Os quatro estágios do método fenomenológico em Ser e Tempo de Martin Heidegger, de acordo com Heidegger e o problema do conhecimento

Os quatro estágios do método fenomenológico em Ser e Tempo de Martin Heidegger, de acordo com Heidegger e o problema do conhecimento Os quatro estágios do método fenomenológico em Ser e Tempo de Martin Heidegger, de acordo com Heidegger e o problema do conhecimento de Charles Guignon Nosso objetivo, no texto que segue, é expor os quatro

Leia mais

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Monica Aiub filósofa clínica e-mail: monica_aiub@uol.com.br Vendo o que não se vê, tema do Congresso, suscita, imediatamente, a pergunta: o que se vê e

Leia mais

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO Ao longo da história da humanidade, crer na existência de Deus sempre esteve na preocupação do ser pensante, e foi no campo da metafísica

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Considerações sobre a ética do discurso

Considerações sobre a ética do discurso Considerações sobre a ética do discurso Jaqueline Stefani 1 Palavras-chave: ética, consenso, filosofia, discurso Key words: ethics, consensus, philosophy, discourse Introdução O modelo proposto por Apel

Leia mais

CARTA DE FLORENÇA Pág. 1 de7 JARDINS HISTÓRICOS. Carta de Florença 1982. Adoptada pelo ICOMOS em Dezembro de 1982

CARTA DE FLORENÇA Pág. 1 de7 JARDINS HISTÓRICOS. Carta de Florença 1982. Adoptada pelo ICOMOS em Dezembro de 1982 Pág. 1 de7 JARDINS HISTÓRICOS Carta de Florença 1982 Adoptada pelo ICOMOS em Dezembro de 1982 Tradução por António de Borja Araújo, Engenheiro Civil IST Dezembro de 2006 Pág. 2 de7 PREÂMBULO O ICOMOS-IFLA

Leia mais

DO FATO À INTERPRETAÇÃO A PARTIR DO PENSAMENTO DE NIETZSCHE

DO FATO À INTERPRETAÇÃO A PARTIR DO PENSAMENTO DE NIETZSCHE Alison Ferreira Oliveira (Bolsista PET Filosofia) Glória Maria Ferreira Ribeiro (Orientadora Tutora do Grupo PET) Agência financiadora: MEC/SESu Resumo: O presente trabalho analisa a noção de saber (do

Leia mais

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania Gestão Pública Profa. Márcia Velasques Ética e cidadania Seminário de políticas locais/regionais: as dimensões da ética, da cultura e dos serviços prestados ao público Tema: Ética e Cidadania Núcleo de

Leia mais

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia Carlos Gustavo Monteiro Cherri Mestrando em Filosofia pela UFSCar gucherri@yahoo.com.br

Leia mais

Resenha: Hall, Stuart: A identidade cultural na pósmodernidade

Resenha: Hall, Stuart: A identidade cultural na pósmodernidade www.ssoar.info Resenha: Hall, Stuart: A identidade cultural na pósmodernidade Moreno, Rosangela Carrilo Veröffentlichungsversion / Published Version Rezension / review Empfohlene Zitierung / Suggested

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

O Design e a Apropriação da Hermenêutica como Metodologia Projectual

O Design e a Apropriação da Hermenêutica como Metodologia Projectual O Design e a Apropriação da Hermenêutica como Metodologia Projectual Design and Appropriation of the Hermeneutics as Project Methodology Soares, Liliana; Doutoranda em Design; Fundação para a Ciência e

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

Antropologia, História e Filosofia

Antropologia, História e Filosofia Antropologia, História e Filosofia Breve história do pensamento acerca do homem Um voo panorâmico na história ocidental Cosmológicos 1. Embora o objeto não seja propriamente o homem já encontramos indícios

Leia mais

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER Leandro Assis Santos Voluntário PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientadora: Profa. Dra. Glória Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora

Leia mais

A Alienação (Karl Marx)

A Alienação (Karl Marx) A Alienação (Karl Marx) Joana Roberto FBAUL, 2006 Sumário Introdução... 1 Desenvolvimento... 1 1. A alienação do trabalho... 1 2. O Fenómeno da Materialização / Objectivação... 2 3. Uma terceira deterninação

Leia mais

Eu Sou a Verdade: para uma Filosofia do Cristianismo

Eu Sou a Verdade: para uma Filosofia do Cristianismo Eu Sou a Verdade: para uma Filosofia do Cristianismo Ana Paula Rosendo 2011 Covilhã, 2011 Eu Sou a Verdade: para uma Filosofia do Cristianismo Recensão Ana Paula Rosendo Obra recenseada: Michel HENRY,

Leia mais

DE 06/01/82, DO FOUCAULT. Edição utilizada: L heméneutique du sujet. Cours au Collège de France. 1981-1982. Paris:

DE 06/01/82, DO FOUCAULT. Edição utilizada: L heméneutique du sujet. Cours au Collège de France. 1981-1982. Paris: 1 RESUMO DA DA 1ª. E 2ª. H. HORAS DA AULA DE DE 06/01/82, DO DO CURSO A HERMENÊUTICA DO SUJEITO, DE MICHEL FOUCAULT Resumo feito por: Fábio Belo Edição utilizada: L heméneutique du sujet. Cours au Collège

Leia mais

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência.

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência. QUESTÃO 01 Em Platão, as questões metafísicas mais importantes e a possibilidade de serem solucionadas estão vinculadas aos grandes problemas da geração, da corrupção e do ser das coisas. Para Platão,

Leia mais

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

Propostas pedagógicas ou curriculares: subsídios para uma leitura crítica Vilela, Luciane Ribeiro

Propostas pedagógicas ou curriculares: subsídios para uma leitura crítica Vilela, Luciane Ribeiro www.ssoar.info Propostas pedagógicas ou curriculares: subsídios para uma leitura crítica Vilela, Luciane Ribeiro Veröffentlichungsversion / Published Version Zeitschriftenartikel / journal article Empfohlene

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

o meu trabalho e resultante das reflexoes que

o meu trabalho e resultante das reflexoes que A APRENDIZAGEM DE LfNGUA PORTUGUESA NA 5~ S~- RIE DO ENSINO DE PRIMEIRO GRAU: UMA EXPERIBNCIA E PRIN- CfPIOS PARA UMA PROPOSTA DE ENSINO. Esta comunicacao pretende expor as linhas gerais de minha dissertacao

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

Tópico para o exame de admissão 2016

Tópico para o exame de admissão 2016 . INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO-ISCED/Luanda DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE FILOSOFIA Tópico para o exame de admissão 2016 1. EMERGÊNCIA DE FILOSOFIA As diversas maneiras de definir

Leia mais

A ALTERIDADE COMO MEDIAÇÃO IRRECUSÁVEL UMA LEITURA DE PAUL RICOEUR

A ALTERIDADE COMO MEDIAÇÃO IRRECUSÁVEL UMA LEITURA DE PAUL RICOEUR A ALTERIDADE COMO MEDIAÇÃO IRRECUSÁVEL UMA LEITURA DE PAUL RICOEUR Fernanda Henriques Universidade de Évora Em homenagem a Paul Ricoeur, reconhecendo-o como cidadão comprometido com o bem comum e com a

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita I n t e r v e n ç ã o E d u c a t i v a O acompanhamento musical do canto e da dança permite enriquecer e diversificar a expressão musical. Este acompanhamento pode ser realizado pelas crianças, pelo educador

Leia mais

A FORMA E O PRINCÍPIO DA FILOSOFIA: TRADUÇÃO E COMENTÁRIO DE DOIS ESCRITOS DO JOVEM SCHELLING CAIO HELENO DA COSTA PEREIRA

A FORMA E O PRINCÍPIO DA FILOSOFIA: TRADUÇÃO E COMENTÁRIO DE DOIS ESCRITOS DO JOVEM SCHELLING CAIO HELENO DA COSTA PEREIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS LETRAS E ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA - MESTRADO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: HISTÓRIA DA FILOSOFIA MODERNA E CONTEMPORÂNEA DISSERTAÇÃO

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA FILOSOFIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NA FORMAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA CRÍTICA NO CONTEXTO ESCOLAR

A CONTRIBUIÇÃO DA FILOSOFIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NA FORMAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA CRÍTICA NO CONTEXTO ESCOLAR A CONTRIBUIÇÃO DA FILOSOFIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NA FORMAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA CRÍTICA NO CONTEXTO ESCOLAR Elvio de Carvalho Graduado em Filosofia pela UFSM/RS. Membro do projeto Formação Cultural.

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LOGOTERAPIA ANÁLISE EXISTENCIAL

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LOGOTERAPIA ANÁLISE EXISTENCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LOGOTERAPIA ANÁLISE EXISTENCIAL Disciplina: A ética descritiva sob a Perspectiva Interdisciplinar 1 e 2 A ética descritiva, Logoterapia e as esferas

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze

Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze Catarina Pombo Nabais No seu último livro, intitulado O que é a Filosofia?, Deleuze e Guattari desenham uma

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

Aos Leitores Primeiro problema: de enquadramento temporal. Segundo problema: de enquadramento filosófico. Terceiro problema: de gestão do programa.

Aos Leitores Primeiro problema: de enquadramento temporal. Segundo problema: de enquadramento filosófico. Terceiro problema: de gestão do programa. Aos Leitores Razões em Jogo é um livro que apresenta uma abordagem de todos os pontos programáticos da disciplina «Introdução à Filosofia» do 10.º ano. Na sua elaboração, os autores defrontaram-se com

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA. A educação artística como arte de educar os sentidos

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA. A educação artística como arte de educar os sentidos CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA Porto, Casa da Música, 29-31 de Outubro de 2007 A educação artística como arte de educar os sentidos Yolanda Espiña (Escola das Artes Universidade Católica Portuguesa)

Leia mais

Tecnologia educativa: a educação como processo de comunicação Ruberti, Isabela; Amaral, Sérgio Ferreira do

Tecnologia educativa: a educação como processo de comunicação Ruberti, Isabela; Amaral, Sérgio Ferreira do www.ssoar.info Tecnologia educativa: a educação como processo de comunicação Ruberti, Isabela; Amaral, Sérgio Ferreira do Veröffentlichungsversion / Published Version Zeitschriftenartikel / journal article

Leia mais

Temos assim que, ao longo do século XX, as tarefas tradicionais do Estado registaram um incremento extraordinário.

Temos assim que, ao longo do século XX, as tarefas tradicionais do Estado registaram um incremento extraordinário. Palavras do Presidente do Supremo Tribunal Administrativo Conselheiro Manuel Fernando dos Santos Serra Na Sessão de Abertura do Colóquio A Justiça Administrativa e os Direitos Administrativos Especiais

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

DA SUBJETIVIDADE À OBJETIVIDADE

DA SUBJETIVIDADE À OBJETIVIDADE 14 DA SUBJETIVIDADE À OBJETIVIDADE DO ESPÍRITO EM HEGEL (OU: DO ESPÍRITO COMO SUJEITO E COMO SEGUNDA NATUREZA) Estenio Ericson Botelho de Azevedo * Resumo: Este artigo pretende analisar a passagem do espírito

Leia mais

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM Introdução O artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9.394/96) determina que

Leia mais

Deleuze, a arte e a filosofia

Deleuze, a arte e a filosofia roberto machado Deleuze, a arte e a filosofia Rio de Janeiro a geografia do pensamento Filosofia e criação de conceitos Gilles Deleuze sempre exerceu seu pensamento em relação a domínios ou objetos heterogêneos

Leia mais

O QUE É A METAFÍSICA?

O QUE É A METAFÍSICA? Álvaro de Campos O QUE É A METAFÍSICA? O QUE É A METAFÍSICA? Na opinião de Fernando Pessoa, expressa no ensaio «Athena», a filosofia isto é, a metafísica não é uma ciência, mas uma arte. Não creio que

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística RESUMO FENOMENOLOGIA E MÍSTICA Uma abordagem metodológica Elton Moreira Quadros Professor substituto na Univ. Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Faculdade Juvência Terra (FJT) Instituto de Filosofia

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Entrevista - Espiritualidade nas empresas

Entrevista - Espiritualidade nas empresas Entrevista - Espiritualidade nas empresas 1 - O que podemos considerar como espiritualidade nas empresas? Primeiramente considero importante dizer o que entendo por espiritualidade. Podemos dizer que é

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO HISTÓRICA À PSICOLOGIA Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO HISTÓRICA À PSICOLOGIA Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO HISTÓRICA À PSICOLOGIA Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

Marxismo e Ideologia

Marxismo e Ideologia Rita Vaz Afonso 1 FBAUL, 2010 Marxismo e Ideologia 1 rita.v.afonso@gmail.com. O trabalho responde à disciplina semestral de Cultura Visual I do primeiro ano da Faculdade de Belas Artes da Universidade

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Conhecer a FCH, Conferências Multidisciplinares. VOLUME 5 Filosofia. Filosofia e Direitos dos Animais. Questões de Filosofia Aplicada

Conhecer a FCH, Conferências Multidisciplinares. VOLUME 5 Filosofia. Filosofia e Direitos dos Animais. Questões de Filosofia Aplicada Conhecer a FCH, Conferências Multidisciplinares VOLUME 5 Filosofia Filosofia e Direitos dos Animais. Questões de Filosofia Aplicada Lisboa Universidade Católica Editora 2011 Índice Apresentação................................

Leia mais

O conceito de espírito como a esfera autorreferente do indivíduo Um momento da noção hegeliana de subjetividade

O conceito de espírito como a esfera autorreferente do indivíduo Um momento da noção hegeliana de subjetividade O conceito de espírito como a esfera autorreferente do indivíduo Um momento da noção hegeliana de subjetividade Fábio C. Malaguti, M.A., doutorando ( Centro de Pesquisa de Filosofia Clássica Alemã Ruhr-Universität

Leia mais

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SOCIOLOGIA - 1 ANO 2014 (manuscrito)

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SOCIOLOGIA - 1 ANO 2014 (manuscrito) TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SOCIOLOGIA - 1 ANO 2014 (manuscrito) 1- EXPLIQUE o que argumenta a Teoria do Conflito Social. 2- Em que consiste as teses defendidas pelo interacionismo simbólico? 3- O que

Leia mais

Liste von Anwälten und anderen Interessenvertretern

Liste von Anwälten und anderen Interessenvertretern POSTANSCHRIFT: C.P. 1595, INTERNET: www.maputo.diplo.de TEL (+ 258) 21 48 27 00 FAX (+ 258) 21 49 28 88 ÖFFNUNGSZEITEN: Montag-Freitag 9.00 12.00 Uhr Stand: Juni 2015 Liste von Anwälten und anderen Interessenvertretern

Leia mais

CONHECIMENTO E A EXPERIÊNCIA EDUCATIVA SEGUNDO JOHN DEWEY

CONHECIMENTO E A EXPERIÊNCIA EDUCATIVA SEGUNDO JOHN DEWEY CONHECIMENTO E A EXPERIÊNCIA EDUCATIVA SEGUNDO JOHN DEWEY Nivaldo de Souza Aranda Graduando em Filosofia pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais UnilesteMG Profª Maria Aparecida de Souza Silva

Leia mais

Descartes e Hobbes: A questão da subjetividade como ponto de encruzilhada

Descartes e Hobbes: A questão da subjetividade como ponto de encruzilhada 177 Descartes e Hobbes: A questão da subjetividade como ponto de encruzilhada Edgard Vinícius Cacho Zanette * RESUMO Em Descartes, a ligação entre res cogitans e ser sujeito é complexa. A referência a

Leia mais

Pensar por si mesmo 1. Monica Aiub

Pensar por si mesmo 1. Monica Aiub Pensar por si mesmo 1 Monica Aiub Esclarecimento [Aufklärung] é a saída do homem de sua menoridade, da qual ele próprio é culpado. A menoridade é a incapacidade de fazer uso de seu entendimento sem a direção

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - CGIC Teste de Competência em Leitura em Língua Estrangeira ALEMÃO (Aplicação: 27/05/2012) LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: Verifique nos

Leia mais

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT Fernanda Martins de Oliveira Bueno Prof. Dr. Arlei de Espíndola (Coordenador) RESUMO Nesta comunicação ocupar-me-ei do

Leia mais