Aspectos da Avaliação do Desenvolvimento Musical de Crianças do Nascimento aos 5 anos e seu Impacto na Família 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aspectos da Avaliação do Desenvolvimento Musical de Crianças do Nascimento aos 5 anos e seu Impacto na Família 1"

Transcrição

1 Aspectos da Avaliação do Desenvolvimento Musical de Crianças do Nascimento aos 5 anos e seu Impacto na Família 1 Ricardo Dourado Freire, Universidade de Brasília 2 Clarisse Prestes 3 Célia Porto 4 Larissa Rosa, Universidade de Brasília 5 Resumo: Analisar uma proposta de avaliação do processo de desenvolvimento musical onde, não só os aspectos melódico e rítmico são observados, mas também são de valor para registro, os aspectos de concentração e inter-relações afetivas e sociais. O estudo promove uma reflexão do processo de avaliação do desenvolvimento musical de crianças de 0 a 5 anos fundamentada na abordagem de avaliação formativa e conduz uma análise quantitativa e qualitativa dos procedimentos avaliativos utilizados num curso de musicalização que trabalha com crianças nessa faixa etária. A análise articula informações obtidas com os formulários de avaliação utilizados nas aulas enquanto a pesquisa de campo consiste na aplicação de questionários a pais e mães de crianças participantes do curso de musicalização. Os resultados contribuem para a compreensão da função da avaliação na promoção da aprendizagem e do desenvolvimento musical infantil. Palavras chave: Avaliação Musical; Musicalização; Desenvolvimento Musical; Educação Infantil O processo de avaliação do desenvolvimento infantil apresenta vários desafios; entre eles, quais aspectos devem ser avaliados, o quanto pode ser avaliado, como devemos avaliar e de que maneira a avaliação contribui para o desenvolvimento da criança, tanto no 1 Trabalho apresentado no XVI Encontro Anual da ABEM e Congresso Regional da ISME na América Latina Clarinetista e Educador Musical, professor do Dep. de Música da UnB. Realizou seu Mestrado (1994) e Doutorado (2000) na Michigan State University na área de performance e cursos de especialização em Educação Infantil com Edwin Gordon e Cynthia Taggart. Criador e Coordenador do programa de extensão universitária Música para Crianças, desenvolve atividades com crianças desde o nascimento até os 10 anos desde Natural de Porto Alegre-RS, formada em Licenciatura em Educação Artística pela UFGRS. Trabalha como coordenadora do programa de Musicalização no programa Música para Crianças. Atualmente cursa especialização em Musicoterapia pela Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde GDF-DF. 4 Cantora e professora de música, lançou três CDs: Célia Porto (1994), Célia Porto canta Legião Urbana (1998) e Palhaço Bonito (2000). Formou-se em letras pelo Centro Universitário de Brasília (UNICEUB) e estudou canto na Escola de Música de Brasília. Trabalha como professora de Musicalização no programa Música para Crianças desde Cursa Licenciatura em Música na Universidade de Brasília e estuda Canto Erudito na Escola de Música de Brasília. Participa como monitora do projeto Música para Crianças desde

2 contexto da aula de música quanto nas relações familiares. Neste artigo são realizadas análises (I) do formulário de avaliação utilizado em um curso de musicalização de crianças de 0 a 5 anos, e (II) de 137 questionários realizados com pais e mães sobre a importância da avaliação no acompanhamento do desenvolvimento musical infantil. Esta pesquisa se propõe a verificar a relevância da avaliação dos aspectos afetivosocial e de concentração junto aos aspectos rítmico e melódico no processo de desenvolvimento musical de crianças do nascimento aos cinco anos e seu impacto na família. Sabe-se que é necessária uma avaliação do processo de desenvolvimento da criança no contexto educativo por várias razões: (a) para que se possa fazer o acompanhamento da criança durante um período específico - avaliação diagnóstica e contínua; (b) para que as estratégias de ensino estejam realmente em sintonia com as necessidades de aprendizagem da criança - avaliação formativa e de intervenção; e (c) para que se possa oferecer um feedback aos pais acerca do resultado, ao longo de um período, do desenvolvimento e da aprendizagem de suas crianças - avaliação cumulativa e feedback Os três aspectos da avaliação estão interligados na mediação do professor, especialmente na educação infantil, quando a criança ainda não é capaz de tomar parte ativa na avaliação do seu próprio processo. Ao avaliar para mapear, ou acompanhar a trajetória da criança durante certo período, o professor atento e competente está inevitavelmente utilizando essas informações para tomar decisões sobre o direcionamento do ensino. Com base nesse conhecimento, o professor terá condições de informar sobre o desenvolvimento da criança àqueles que a acompanham em outros contextos além da sala de aula. Dessa forma, mais uma vez, o professor mediador entra em ação com base numa avaliação formativa. Pois, para além do contexto da aula, no momento em que a avaliação é utilizada como um processo de reflexão do professor compartilhado com os familiares, todos podem contribuir na construção do conhecimento da criança. A seleção de domínios de aprendizagem oferece uma referência para uma avaliação discursiva e qualitativa do processo de aprendizagem da criança. Mas é importante também considerar o plano social e relacional no qual se inscreve a experiência de aprendizagem da criança. Há autores que sugerem que o conhecimento surge da relação que a criança estabelece com as outras crianças, independente da idade; com os adultos 2

3 (pais, professores e outros); com o meio físico, e com a cultura. Para Figueiredo (1998), todos estes elementos são agentes mediadores entre a criança e a informação e devem ser contemplados no momento da avaliação. Assim, pais, professores e até mesmo crianças mais velhas, assumem o papel do outro que, na perspectiva dialógica e interacionista, é um referencial extremamente significativo para a criança. Todo o processo de aprendizagem e desenvolvimento se dá em um contexto sócio-cultural e as estratégias de avaliação devem ser capazes de contemplar os domínios do desenvolvimento igualmente contextualizados. Em música, em muitos casos, a avaliação se limita a classificar ou julgar o desempenho do aluno em momentos de performance ou a partir de provas teóricas. A avaliação vista desta forma, está destituída do seu grande potencial de subsidiar a própria aprendizagem. Por isso, especialmente na musicalização infantil, a avaliação não tem a função de medir, comparar, classificar, e de aprovar ou reprovar. Para contemplar as múltiplas dimensões da aprendizagem, o desafio posto passa para os critérios de avaliação propriamente ditos. O importante é compreender que cada critério deve ser coerente com a abordagem de aprendizagem no qual a experiência se fundamenta. A aprendizagem musical de crianças de zero a cinco anos para Gordon (2000), ocorre a partir da audiação capacidade de ouvir e compreender música em silêncio, quando a música não está presente que se divide em três níveis: (a) aculturação, refere-se ao contato com a diversidade de tonalidades, tonicalidades i, harmonias, métricas e tempos, e as mudanças decorrentes deste contato; (b) imitação, é a capacidade de imitar modelos e padrões musicais intencionalmente ; (c) assimilação, é a capacidade de executar a diversidade de tonalidades, tonicalidades, harmonias, métricas e tempo atribuindo-lhes significado. A partir da noção de audiação, as estratégias pedagógicas são sistematizadas, desde as atividades musicais propostas aos contextos de aprendizagem criados. É o período mais importante da aprendizagem [...] quando a criança aprende através da exploração e a partir da orientação não-estruturada que lhe proporcionam os pais e outras pessoas que dela cuidam. Aquilo que a criança aprende durante estes primeiros cinco anos de vida forma os alicerces para todo o subseqüente desenvolvimento educativo. (Gordon, 2000, p. 3) Dentro da perspectiva desta pesquisa, na musicalização infantil são levados em consideração os domínios afetivo e social, melódico, rítmico, concentração a partir do 3

4 estágio de desenvolvimento em que se encontra e o grau de envolvimento da criança em cada um deles: (a) concentração: observa-se de que maneira a criança presta atenção durante as aulas; (b) afetivo e social: como a criança se comporta em grupo, o vínculo afetivo com os pais e nível de interação com o professor; (c) melódico: refere-se ao amadurecimento tonal, à capacidade de cantar afinado, ao uso da voz de cabeça e ao nível de elaboração tonal; e (d) rítmico: refere-se ao amadurecimento rítmico, à capacidade de manter a pulsação e ao nível de elaboração rítmica. a musicalização tem como objetivos oferecer a crianças de zero a cinco anos e suas famílias uma experiência musical significativa que sirva como elemento enriquecedor para o desenvolvimento da criança. Os aspectos afetivo, social, psicomotor e cognitivo são valorizados como os alicerces do processo de construção do conhecimento musical. (Freire, 2002) Para alcançar seu objetivo, o presente trabalho se utiliza de duas ferramentas: (I) o formulário de avaliação individual da aprendizagem musical, (II) questionário respondido por pais e mães das crianças participantes de um programa de musicalização infantil. A análise das informações apresentadas pelas ferramentas consiste numa comparação entre os critérios de avaliação do formulário com a opinião dos respondentes do questionário sobre os aspectos, função e procedimentos da avaliação nas aulas de música. Nessa pesquisa, a interpretação qualitativa se dá com base nas categorias de análise elaboradas a partir das respostas obtidas com os questionários. A interpretação quantitativa se dá a partir da elaboração de um gráfico classificando as respostas de acordo com os aspectos de avaliação do formulário. A partir da coleta de dados, a pesquisa revelou como os pais percebem as funções da avaliação dentro do contexto educativo. O primeiro aspecto mencionado pelos familiares foi o aspecto da avaliação diagnóstica e contínua, em que se pode fazer o acompanhamento da criança durante um período específico: acompanhamento do desenvolvimento da criança em sua totalidade e não somente no âmbito musical ; para os pais verem e ajudarem no desenvolvimento da criança ; orientar os pais no que diz respeito aos itens da avaliação e poder ajustar alguns aspectos da educação dos filhos ; observar o nível de concentração e participação de cada 4

5 aluno e seu desenvolvimento ; apresenta maior desinibição, grande progresso, canta sozinho melodias diferentes"; "acho que ele passou a gostar mais de música e passou a ser mais musical ; a sensibilidade para perceber todos os tipos de música e sair pulando, batendo palmas, fazendo lá-lá-lá, é cada vez maior. Considero acima das minhas expectativas e extremamente positivo para o desenvolvimento da pessoinha ; observo mais ritmo. Mesmo sem entender, algumas vezes, o que ela fala, é possível reconhecer a música pela melodia que ela entoa ; agora ela está começando a se soltar nas aulas contudo, como eu tenho formação musical, desde bebê eu incentivei muito esse aspecto, tanto que ela gosta muito de cantar. ; ela gosta de música, já acompanha o ritmo e gosta de dançar. Neste semestre ela está participando mais e menos grudada em mim. A avaliação formativa e de intervenção promove reflexão e posterior redirecionamento da ação para suprir necessidades das crianças. Muitas respostas demonstraram que há interesse por parte dos pais em compreender melhor os aspectos da avaliação: para melhorar a qualidade das aulas ; orientar os pais no que diz respeito aos itens da avaliação e poder ajustar alguns aspectos da educação dos filhos, dentro de sua faixa etária ou etapa de desenvolvimento. Os familiares também identificaram os aspectos de avaliação cumulativa, nos quais é possível ter um feedback do processo de desenvolvimento musical dos filhos: desenvolveu seu senso de ritmo e tem muito mais prazer com tudo relacionado com música"; "maior interesse por instrumentos musicais, músicas e ritmos diferentes ; "muito significativo. Já sabem acompanhar alguns ritmos e gostam de instrumentos em geral"; tem uma musicalidade e ritmo mais desenvolvidos que outras crianças da mesma idade ; meu filho é outra criança. Uma criança que não tinha perspectiva para falar, fala tudo, canta, tem ritmo, dança. A música possibilitou o desenvolvimento do meu filho (criança com Síndrome de Down). ; "melhorou muito, mas este trabalho também é feito em casa e assim um ajuda o outro"; embora não demonstre tanto nas aulas, ela canta o dia todo e já sabe diferenciar agudo e grave, por exemplo ; quando a aula termina ele canta as músicas no trajeto para casa. É incrível como ele acompanha os ritmos das variadas músicas. ; talvez fosse importante os pais saberem o rendimento dos filhos ao longo do semestre, para que possam ajudar em casa no que for necessário. 5

6 Na análise das respostas foi possível identificar um elemento quantitativo quanto aos domínios de desenvolvimento e estabelecer um gráfico comparativo dos diferentes aspectos contemplados na avaliação. Nele, pode-se observar que o aspectos rítmico e o aspecto afetivo-social são os mais valorizados pelos pais, seguidos do melódico e da concentração. (Figura 1) Afet ivo/social Melódico Ritm o Concentração Fig. 1- Aspectos importantes do desenvolvimento nas aulas de música Observou-se, a partir de sugestões dadas pelos pais, que a entrega das fichas de avaliação no final de cada semestre é bastante significativa, principalmente o interesse de maior participação deles no processo de desenvolvimento musical dos filhos: poderia haver um texto ao início de cada semestre sobre o que seria avaliado em cada turma neste semestre e o que será desenvolvido para atingir os objetivos.", "Como os pais podem proceder para dar continuação ao processo do desenvolvimento musical em casa", pontos que vocês vêem no decorrer da aula, que nós poderíamos melhorar em casa. Ou seja apontar pontos ao longo do semestre quando possível e necessário. O aspecto mais contemplado pelos pais, na avaliação das crianças, foi o domínio rítmico. O afetivo-social, em segundo lugar, mostrou a preocupação dos pais em relação à socialização da criança em grupo. A partir da análise quantitativa ficou evidente que os domínios, melódico e concentração, não têm tanta relevância quanto os anteriores na opinião dos pais. 6

7 Pôde-se concluir que os resultados da pesquisa contribuem para a compreensão da função da avaliação. E que a família é fundamental no processo do desenvolvimento musical infantil. Referências Bibliográficas FIGUEIREDO, Taicy de Ávila. O que é Educação Infantil? Os objetivos do trabalho pedagógico com crianças de 0 a 6 anos. Psicopedagogia OnLine, Disponível em: <http://www.psicopedagogia.com.br/novas/educacao_infantil.htm>. Acesso em: 16 abr GORDON, Edwin E. Teoria de Aprendizagem Musical para Recém-Nascidos e Crianças em Idade Pré-Escolar. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, FREIRE, Ricardo D. Programa Música para Crianças. Folder explicativo. Não Publicado LUCKESI, Cipriano. Avaliação da Aprendizagem Escolar. São Paulo: Cortez, ROMÃO, José Eustáquio. Avaliação dialógica: desafios e perspectivas. São Paulo: Cortez/Instituto Paulo Freire, HOFFMANN, Jussara Maria Lerch. Avaliação na pré-escola: um olhar sensível e reflexivo sobre a criança. Porto Alegre: Mediação, MENEZES, Ebenezer Takuno de; SANTOS, Thais Helena dos."professor mediador" (verbete). Dicionário Interativo da Educação Brasileira - EducaBrasil. São Paulo: Midiamix, Disponível em: Acessado em 17 mai SANT ANNA, Ilma Maria. Por que avaliar? Como avaliar? Rio: Vozes,

Comunicação Relato de Experiência

Comunicação Relato de Experiência OBSERVANDO AULAS DE MÙSICA NA ESCOLA: AS ORIENTAÇÕES DO PROFESSOR EM PRÁTICAS DE CONJUNTO COM PERCUSSÃO E NO PROCESSO DE CRIAÇÃO MUSICAL UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Armando César da Silva ac_guitar@hotmail.com

Leia mais

Planejamento na Educação Musical Infantil

Planejamento na Educação Musical Infantil Planejamento na Educação Musical Infantil Ricardo Dourado Freire Universidade de Brasília freireri@unb.br Sandra Ferraz Freire Universidade de Brasília sandra.ferraz@gmail.com Sumário: O processo de planejamento

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM: conceituação, processo e estruturantes didáticos

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM: conceituação, processo e estruturantes didáticos Universidade Federal da Bahia Faculdade de Educação Dep. de Educação II DIDÁTICA PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM: conceituação, processo e estruturantes didáticos Profa: Amaleide

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO Prof. Msc Milene Silva Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista, desenvolvimentista e críticas. Função

Leia mais

QUEBRA CABEÇA: EQUACIONANDO O BRINCAR E SUA IMPORTÂNCIA PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

QUEBRA CABEÇA: EQUACIONANDO O BRINCAR E SUA IMPORTÂNCIA PARA EDUCAÇÃO INFANTIL QUEBRA CABEÇA: EQUACIONANDO O BRINCAR E SUA IMPORTÂNCIA PARA EDUCAÇÃO INFANTIL Elaine Bueno Macêdo 1 RME/GO Neste trabalho apresentamos pesquisa de conclusão do curso de pedagogia/2006/1, na Faculdade

Leia mais

PROJETO. A relação professor x aluno é de grande importância para a formação de um cidadão crítico e consciente no futuro.

PROJETO. A relação professor x aluno é de grande importância para a formação de um cidadão crítico e consciente no futuro. UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES Projeto: A vez do Mestre Curso: Psicopedagogia Aluna: Valeria Raquel dos Santos PROJETO Tema: Avaliação na Pré-escola. Problema: O processo de avaliação na pré-escola é utilizado

Leia mais

Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa

Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa 1 Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa Solange Rauchbach Garani Escola da Magistratura do Paraná E-mail: solangergarani@yahoo.com.br

Leia mais

A DANÇA E O DEFICIENTE INTELECTUAL (D.I): UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA À INCLUSÃO

A DANÇA E O DEFICIENTE INTELECTUAL (D.I): UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA À INCLUSÃO A DANÇA E O DEFICIENTE INTELECTUAL (D.I): UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA À INCLUSÃO CARNEIRO, Trícia Oliveira / Centro Universitário Leonardo da Vinci SODRÉ, Marta Patrícia Faianca / Universidade do Estado do

Leia mais

ESTÁGIO EDUCAÇÃO MUSICAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ESTÁGIO EDUCAÇÃO MUSICAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 ESTÁGIO EDUCAÇÃO MUSICAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carolina SeccoBianquini 1 CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE DE ESTÁGIO O presente trabalho foi desenvolvido no CEI UEL (Centro de Educação Infantil da Universidade

Leia mais

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA N.4/2014 PROCEDIMENTO DE OBSERVAÇÃO DE AULA

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA N.4/2014 PROCEDIMENTO DE OBSERVAÇÃO DE AULA Faculdade Adventista da Bahia Assessoria Pedagógica BR-101, km 197, Capoeiruçu Caixa Postal 18 Cachoeira BA CEP: 44.300-000 Brasil e-mail: selcr25@gmail.com ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA N.4/2014 PROCEDIMENTO

Leia mais

A inserção do Youtube na aula de piano: um relato de experiência

A inserção do Youtube na aula de piano: um relato de experiência XVII ENCONTRO NACIONAL DA ABEM DIVERSIDADE MUSICAL E COMPROMISSO SOCIAL O PAPEL DA EDUCAÇÃO MUSICAL SÃO PAULO, 08 A 11 DE OUTUBRO DE 2008 IMPRIMIR FECHAR A inserção do Youtube na aula de piano: um relato

Leia mais

ESTUDO DE PROJETOS E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE NATAÇÃO/EDUCAÇÃO FÍSICA SUBSIDIADA POR PRINCÍPIOS E CONCEITOS DA TEORIA DE HENRI WALLON1

ESTUDO DE PROJETOS E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE NATAÇÃO/EDUCAÇÃO FÍSICA SUBSIDIADA POR PRINCÍPIOS E CONCEITOS DA TEORIA DE HENRI WALLON1 ESTUDO DE PROJETOS E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE NATAÇÃO/EDUCAÇÃO FÍSICA SUBSIDIADA POR PRINCÍPIOS E CONCEITOS DA TEORIA DE HENRI WALLON 1 Ana Martha de Almeida Limongelli (PED/PUC-SP) Introdução: O presente

Leia mais

PROJETO LABORATÓRIO DE GESTÃO ESCOLAR Elaboração: Jânua Caeli Gervásio Galvão 1 APRESENTAÇÃO

PROJETO LABORATÓRIO DE GESTÃO ESCOLAR Elaboração: Jânua Caeli Gervásio Galvão 1 APRESENTAÇÃO PROJETO LABORATÓRIO DE GESTÃO ESCOLAR Elaboração: Jânua Caeli Gervásio Galvão 1 APRESENTAÇÃO Este Projeto fundamenta-se na premissa que o gestor é o agente central responsável por gerir a instituição escolar,

Leia mais

Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa

Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa Texto revisto pela autora, quanto ao conteúdo. Retirada a indicação da instituição pois não atua

Leia mais

AVALIAÇÃO NA PRÉ-ESCOLA UM OLHAR SENSÍVEL E

AVALIAÇÃO NA PRÉ-ESCOLA UM OLHAR SENSÍVEL E Universidade Federal de Ouro Preto Professor: Daniel Abud Seabra Matos AVALIAÇÃO NA PRÉ-ESCOLA UM OLHAR SENSÍVEL E REFLEXIVO SOBRE A CRIANÇA Capítulo 03: Avaliação e Desenvolvimento Infantil Jussara Hoffmann

Leia mais

IMPLANTANDO OS DEZ PASSOS DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA EDUCAÇÃO INFANTIL RELATO DE UMA EXPERIENCIA

IMPLANTANDO OS DEZ PASSOS DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA EDUCAÇÃO INFANTIL RELATO DE UMA EXPERIENCIA IMPLANTANDO OS DEZ PASSOS DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA EDUCAÇÃO INFANTIL RELATO DE UMA EXPERIENCIA SANTANA, Luiza Alves de 1 ; COSTA, Cláudia Caetano de Oliveira 2 ; BRASIL, Elisama Barbosa 3 ; GALVÃO, Marcus

Leia mais

A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA

A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA Cácia Cristina França Rehem 1 Daiane de Oliveira Valasques 2 Najla da Silva Santos 3 Resumo:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. PEDRO DO SUL CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EXPRESSÃO ARTÍSTICA (1.º CICLO)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. PEDRO DO SUL CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EXPRESSÃO ARTÍSTICA (1.º CICLO) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EXPRESSÃO ARTÍSTICA (1.º CICLO) Ano Lectivo 201 / 2016 1 INTRODUÇÃO A prática do canto constitui a base da expressão e educação musical no 1º ciclo. É uma atividade de síntese na

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO BUSCA DE UMA POSTURA METODOLÓGICA REFLEXIVA E INVESTIGADORA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO FUTURO DOCENTE

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO BUSCA DE UMA POSTURA METODOLÓGICA REFLEXIVA E INVESTIGADORA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO FUTURO DOCENTE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO BUSCA DE UMA POSTURA METODOLÓGICA REFLEXIVA E INVESTIGADORA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO FUTURO DOCENTE FIGUEIREDO, Katherine Medeiros¹; OLIVEIRA, Claudimary

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRÁTICA PEDAGÓGICA O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Autora: GASPAR, Magna Lúcia Furlanetto gasparzinha@seed.pr.gov.br Orientadora: LEVANDOVSKI, Ana Rita anarita.faficop@yahoo.com.br A

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Educação

Programa de Pós-Graduação em Educação 52 URIARTE, Mônica Zewe. 33 Programa de Pós-Graduação em Educação Resumo: Este artigo apresenta informações sobre a experiência da UNIVALI quanto ao ensino de artes no Curso de Pedagogia, preparado para

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER

OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER Autores RESUMO LIMA 1, Matheus OCCHIUZZO 2, Anna Rosa Centro de Ciências da Saúde Departamento de Enfermagem Psiquiatria

Leia mais

A educação musical e a Síndrome de Down

A educação musical e a Síndrome de Down A educação musical e a Síndrome de Down Priscila Fernandes de Oliveira Santos pririlica@yahoo.com.br Universidades Estadual de Maringá Resumo. O presente trabalho se baseou em uma pesquisa bibliográfica

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 NATAÇÃO E DESEMPENHO ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DE UMA EXTENSÃO DA UFG COM UMA ESCOLA PÚBLICA Poliana Siqueira Pedroza 1 Luís César de Souza 2 RESUMO Comunidade Aquática é um projeto de extensão do curso de

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISES E PERSPECTIVAS

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISES E PERSPECTIVAS O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISES E PERSPECTIVAS Mirian Vieira Batista Dias Universidade Federal de São Carlos/Secretaria

Leia mais

USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA

USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA Daricson Caldas de Araújo (IFPE) daricsoncaldas@gmail.com RESUMO Este artigo de revisão de literatura

Leia mais

Avalie sua vida em 2015 Construa aprendizados para crescer em 2016

Avalie sua vida em 2015 Construa aprendizados para crescer em 2016 Avalie sua vida em 2015 Construa aprendizados para crescer em 2016 1. Introdução... 3 1.1. Orientações Gerais... 3 2. Principais Objetivos... 4 3. Direcionadores Estratégicos... 4 4. Ações realizadas...

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

Website:www.luckesi.com.br / e-mail:contato@luckesi.com.br

Website:www.luckesi.com.br / e-mail:contato@luckesi.com.br ENTREVISTA À REVISTA NOVA ESCOLA SOBRE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM (Esta entrevista subsidiou matéria que saiu na Revista Nova Escola de novembro de 2001) 1. O sr. considera as provas e exames instrumentos

Leia mais

MATERIAL E MÉTODOS RESULTADOS E DISCUSSÃO

MATERIAL E MÉTODOS RESULTADOS E DISCUSSÃO MATERIAL E MÉTODOS Primeiramente, a pesquisa iniciou-se a partir de um estudo bibliográfico. Depois foi realizada a saída à campo, com o intuito de verificar como foi realizada a elaboração e implantação

Leia mais

TÍTULO: O CURSO DE LICENCIATURA PLENA PARCELADA EM PEDAGOGIA E SUAS IMPLICAÇÕES NAS PRÁTICAS DO ENSINO DE ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

TÍTULO: O CURSO DE LICENCIATURA PLENA PARCELADA EM PEDAGOGIA E SUAS IMPLICAÇÕES NAS PRÁTICAS DO ENSINO DE ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL. TÍTULO: O CURSO DE LICENCIATURA PLENA PARCELADA EM PEDAGOGIA E SUAS IMPLICAÇÕES NAS PRÁTICAS DO ENSINO DE ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Anália Cássia Gonçalves de Souza 1 INTRODUÇÃO A presente investigação

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: REALIDADE DOCENTE E A IMPORTANCIA DA EXPERIMENTAÇÃO PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM

ENSINO DE QUÍMICA: REALIDADE DOCENTE E A IMPORTANCIA DA EXPERIMENTAÇÃO PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM ENSINO DE QUÍMICA: REALIDADE DOCENTE E A IMPORTANCIA DA EXPERIMENTAÇÃO PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Ana Maria Gonçalves Duarte Mendonça 1 ; Darling de Lira Pereira 2 1 Universidade Federal de Campina

Leia mais

REGULAMENTO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS- ESPANHOL

REGULAMENTO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS- ESPANHOL REGULAMENTO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS- ESPANHOL 2010 Este regulamento disciplina o Estágio Supervisionado no Curso de Letras:Português/Espanhol, tendo em vista

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL INSTITUIÇÃO SINODAL DE ASSINTÊNCIA, EDUCAÇÃO E CULTURA - ISAEC ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL SINODAL SETE DE SETEMBRO NÃO-ME-TOQUE /RS REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL 1 SUMÁRIO 1- CARACTERIZAÇÃO DA

Leia mais

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo LIMA, Márcia Regina Canhoto de - FCT/UNESP marcialima@fct.unesp.br LIMA, José Milton de - FCT/UNESP miltonlima@fct.unesp.br ORLANDI, Leonardo

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA Luiz Rafael Moretto Giorgetti Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP (Ex-aluno) e-mail: rafael_giorgetti@hotmail.com

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS

RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS Roberta A. dos Santos 1* (IC), Karen.L. Cruz 1 (IC) Verno Krüger 2 (PQ) beta x@hotmail.com 1-

Leia mais

Bilinguismo, aprendizagem do Português L2 e sucesso educativo na Escola Portuguesa

Bilinguismo, aprendizagem do Português L2 e sucesso educativo na Escola Portuguesa Bilinguismo, aprendizagem do Português L2 e sucesso educativo na Escola Portuguesa Projecto-piloto em desenvolvimento no ILTEC (Instituto de Linguística Teórica e Computacional) com financiamento e apoio

Leia mais

COMUNIDADE AQUÁTICA: EXTENSÃO EM NATAÇÃO E ATENÇÃO AO DESEMPENHO ESCOLAR EM JATAÍ-GO.

COMUNIDADE AQUÁTICA: EXTENSÃO EM NATAÇÃO E ATENÇÃO AO DESEMPENHO ESCOLAR EM JATAÍ-GO. COMUNIDADE AQUÁTICA: EXTENSÃO EM NATAÇÃO E ATENÇÃO AO DESEMPENHO ESCOLAR EM JATAÍ-GO. PEDROZA, Poliana Siqueira 1 LUIZ, Angela Rodrigues 2 SOUZA, Luís César de 3 PALAVRAS-CHAVE: natação, atividades aquáticas,

Leia mais

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail.

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail. A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO Igor Luiz Medeiros 2 igorluiz.m@hotmail.com Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Artes, Filosofia

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Edna Aparecida Pereira 1 Vanessa Rodrigues Ferreira 2 RESUMO A música na Educação Infantil vem atendendo a objetivos alheios a questões próprias dessa linguagem

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES Mércia Rodrigues Gonçalves Pinheiro, UESB RESUMO O presente trabalho foi articulado através de pesquisa de campo, utilizando observação direta e entrevista

Leia mais

O REGISTRO COMO INSTÂNCIA DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR

O REGISTRO COMO INSTÂNCIA DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR Título do artigo: O REGISTRO COMO INSTÂNCIA DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR Área: Educação Infantil Selecionadora: Heloisa Magri 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador Nota 10 1 O registro do professor tem

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO POMBA-MG CONSELHO DIRETOR

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO POMBA-MG CONSELHO DIRETOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO POMBA-MG Em defesa da Agroecologia CONSELHO DIRETOR CONSELHO DIRETOR DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARAO DESENVOLVIMENTO DE BRINQUEDOS INFANTIS UTILIZANDO O DESIGN EMOCIONAL. Artigo para revisão cega

RECOMENDAÇÕES PARAO DESENVOLVIMENTO DE BRINQUEDOS INFANTIS UTILIZANDO O DESIGN EMOCIONAL. Artigo para revisão cega RECOMENDAÇÕES PARAO DESENVOLVIMENTO DE BRINQUEDOS INFANTIS UTILIZANDO O DESIGN EMOCIONAL Artigo para revisão cega Autor(a): Lais Helena Gouveia Rodrigues Coautor(es): Manoel Guedes Alcoforado Neto Email:

Leia mais

A VIVÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

A VIVÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO A VIVÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Autor (1) Sergio Morais Cavalcante Filho Universidade Estadual da Paraíba (UEPB CCEA Patos) email: sergio.smcf@gmail.com RESUMO O presente artigo expõe uma experiência

Leia mais

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente.

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente. REPENSANDO O PLANEJAMENTO DIDÁTICO PARA UMA PRÁTICA INOVADORA EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DOCENTE. Cecilia Gaeta Universidade Federal de São Paulo UNIFESP (professora convidada) Martha Prata-Linhares Universidade

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA

GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA 1 GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA Valéria Aparecida Vieira Velis Orientador: Prof. Dr. Celso Luiz Ap. Conti Mestrado em Educação Linha de pesquisa:

Leia mais

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA...

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... JUSTIFICATIVA Desde o nascimento a criança está imersa em um contexto social, que a identifica enquanto ser

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ESTÁGIO DE PEDAGOGIA

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ESTÁGIO DE PEDAGOGIA ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ESTÁGIO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO Os Estágios Supervisionados constam de atividades de prática pré-profissional, exercidas em situações reais de trabalho, sem vínculo empregatício,

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A FORMAÇÃO DE LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A FORMAÇÃO DE LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A FORMAÇÃO DE LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS Lizandra Cristina Macedo PINTO¹ - lizacrisufpa@gmail.com Mara Jessyka Coimbra De MELO¹ - mjessykacoimbra@hotmail.com Layse Kristine

Leia mais

GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ISSN 2177-9139 GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Jeruza Quintana Petrarca de Freitas jeruza.quintana@gmail.com Fundação Universidade Federal do Pampa,

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO RESOLUÇÃO CAS Nº 07 / 2007 De 05 de agosto de 2007 Reformula o Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Pedagogia, a ser implantado a partir do 2º semestre do ano letivo de 2007. CONSIDERANDO

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS Educação Matemática na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (EMEIAIEF) GT 09 RESUMO

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL Gabriela Jurak de Castro UCPel gabriela.jurak@ucpel.tche.br Letícia Marques Vargas UCPel lvargas@ucpel.tche.br

Leia mais

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo 1 MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Resumo Patricia Santos de Barros/UFRJ A nossa vivência pedagógica situa-se no âmbito do curso de Licenciatura

Leia mais

AGREGANDO ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS À FORMAÇÃO DO PSICOPEDAGOGO 1

AGREGANDO ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS À FORMAÇÃO DO PSICOPEDAGOGO 1 AGREGANDO ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS À FORMAÇÃO DO PSICOPEDAGOGO 1 Evelise Maria Labatut Portilho Simone Aparecida de Souza Dreher A Oficina de Metacognição A idéia de realizar uma oficina que, segundo

Leia mais

A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A CONTRIBUIÇÃO DA MÚSICA PARA O DESENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS ENTRE 0 E 5 ANOS

A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A CONTRIBUIÇÃO DA MÚSICA PARA O DESENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS ENTRE 0 E 5 ANOS A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A CONTRIBUIÇÃO DA MÚSICA PARA O DESENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS ENTRE 0 E 5 ANOS Isabel Nercolini Ceron 1 Universidade do Planalto Catarinense (UNIPLAC) isabelnceron@gmail.com

Leia mais

PROFESSOR PEDAGOGO. ( ) Pedagogia Histórico-Crítica. ( ) Pedagogia Tecnicista. ( ) Pedagogia Tradicional. ( ) Pedagogia Nova.

PROFESSOR PEDAGOGO. ( ) Pedagogia Histórico-Crítica. ( ) Pedagogia Tecnicista. ( ) Pedagogia Tradicional. ( ) Pedagogia Nova. PROFESSOR PEDAGOGO 41 - Identifique como V (verdadeira) ou F (falsa) as afirmativas abaixo, que tratam da atuação do professor pedagogo. ( ) Os professores pedagogos devem orientar, acompanhar e avaliar

Leia mais

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Gisllayne Rufino Souza UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo

Leia mais

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS.

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS. BARBOSA, S. L; BOTELHO, H. S. Jogos e brincadeiras na educação infantil. 2008. 34 f. Monografia (Graduação em Normal Superior)* - Centro Universitário de Lavras, Lavras, 2008. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM Kelly Cristina Sabadin kellysabadin@hotmail.com RESUMO A avaliação da aprendizagem escolar se faz presente em todas as instituições de ensino. É o tema mais

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO E REGISTRO DA APRENDIZAGEM NA PRÁTICA DOCENTE

PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO E REGISTRO DA APRENDIZAGEM NA PRÁTICA DOCENTE PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO E REGISTRO DA APRENDIZAGEM NA PRÁTICA DOCENTE Vanessa dos Santos Tavares 1 - PUCPR Rebeca Wrzesinski 2 - PUCPR Giovani de Paula Batista 3 - PUCPR Evelise Maria Labatut Portilho

Leia mais

A PRÁTICA DA PERCUSSÃO EM CONJUNTO NA ESCOLA ESTADUAL JUSCELINO KUBITSCHEK DE UBERLÂNDIA-MG: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

A PRÁTICA DA PERCUSSÃO EM CONJUNTO NA ESCOLA ESTADUAL JUSCELINO KUBITSCHEK DE UBERLÂNDIA-MG: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 A PRÁTICA DA PERCUSSÃO EM CONJUNTO NA ESCOLA ESTADUAL JUSCELINO KUBITSCHEK DE UBERLÂNDIA-MG: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 - Introdução Comunicação Relato de Experiência Lilia Neves Gonçalves José Aparecido

Leia mais

Avaliação-Pibid-Metas

Avaliação-Pibid-Metas Bolsista ID: Claines kremer Avaliação-Pibid-Metas A Inserção Este ano o reingresso na escola foi diferente, pois já estávamos inseridas na mesma há praticamente um ano. Fomos bem recepcionadas por toda

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

Instituto de Humanidades e Letras. Curso: Pedagogia

Instituto de Humanidades e Letras. Curso: Pedagogia Instituto de Humanidades e Letras Curso: Pedagogia AVALIAÇÃO Avaliamos cotidianamente as diversas ações de pessoas que nos envolvem, o desempenho de instituições e nossas próprias condutas. Nesse sentido,

Leia mais

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO Hélio de Moraes e Marques 1 Resumo: O ensino da filosofia possui características muito peculiares quanto ao seu método. Refiro-me à exposição pelo professor

Leia mais

Disciplina: Alfabetização

Disciplina: Alfabetização Título do artigo: As intervenções didáticas no processo de alfabetização inicial Disciplina: Alfabetização Selecionador: Beatriz Gouveia 1 Categoria: Professor 1 Coordenadora de projetos do Instituto Avisa

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1

CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1 CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1 Carla Cristina MARINHO 2. Sadao OMOTE 3. Faculdade de Filosofia e Ciências,

Leia mais

UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO COM FOCO NA MODALIDADE ORAL DE LINGUAGEM EM SUJEITOS COM SÍNDROME DE DOWN

UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO COM FOCO NA MODALIDADE ORAL DE LINGUAGEM EM SUJEITOS COM SÍNDROME DE DOWN UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO COM FOCO NA MODALIDADE ORAL DE LINGUAGEM EM SUJEITOS COM SÍNDROME DE DOWN RESUMO DANTAS 1, Leniane Silva DELGADO 2, Isabelle Cahino SANTOS 3, Emily Carla Silva SILVA 4, Andressa

Leia mais

ANAIS ELETRÔNICOS ISSN 235709765

ANAIS ELETRÔNICOS ISSN 235709765 UMA ABORDAGEM REFLEXIVA SOBRE AS PRATICAS DE PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO ESCOLAR SILVA, Ana Raquel Henriques 1. (UFCG) ARAÙJO, Gérssica Xavier Brito de 2. (UFCG) RAFAEL, Edmilson Luiz 3. (Orientador) RESUMO

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS YARA DE MATOS MENDES 1, WEMERTON LUÍS EVANGELISTA 2, MYRIAM ANGÉLICA DORNELAS 3, RITA DE CÁSSIA DA SILVA COSTA 4 RESUMO

Leia mais

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA Profa. Me. Michele Costa (Professora do Curso de Pedagogia das Faculdades COC) CONVERSAREMOS SOBRE: Avaliação inicial ou diagnóstica na Educação Infantil

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DOS PAIS NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS NO CONTEXTO ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DOS PAIS NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS NO CONTEXTO ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DOS PAIS NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS NO CONTEXTO ESCOLAR Stefania Germano Dias; Flávio Pereira de Oliveira; Josefa Nandara Pereira de Souza; Larissa Brito da Silva; Maria Aparecida

Leia mais

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL Márcio Henrique Laperuta 1 Rodrigo Santos2 Karina Fagundes2 Erika Rengel2 UEL- Gepef-Lapef-PIBID RESUMO

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS

A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS RESUMO: Glenda Gabriele Bezerra Beltrão; Wanessa da Silva Reis;

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º Caro (a) aluno (a), Esta atividade, de caráter teórico-reflexivo, deverá

Leia mais

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA PERSPECTIVA DOS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA PERSPECTIVA DOS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA PERSPECTIVA DOS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL Resumo MICHELS, Lísia Regina Ferreira 1 - UFFS Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

Entrevista publicada na Folha Dirigida, Rio de Janeiro, Edição nº 1069, de 06/10/2006, no caderno Aprender, pág. 9

Entrevista publicada na Folha Dirigida, Rio de Janeiro, Edição nº 1069, de 06/10/2006, no caderno Aprender, pág. 9 Entrevista publicada na Folha Dirigida, Rio de Janeiro, Edição nº 1069, de 06/10/2006, no caderno Aprender, pág. 9 Cipriano Carlos Luckesi, Doutor em Educação pela PUC de São Paulo, Professor do Programa

Leia mais

Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música

Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música Andréia Veber Rede Pública Estadual de Ensino de Santa Catarina andreiaveber@uol.com.br Viviane Beineke Universidade do Estado

Leia mais

PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: CONCEPÇÕES E A CONSTRUÇÃO DE SABERES DOS LICENCIANDOS EM MÚSICA NA CIDADE DE NATAL/RN

PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: CONCEPÇÕES E A CONSTRUÇÃO DE SABERES DOS LICENCIANDOS EM MÚSICA NA CIDADE DE NATAL/RN PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: CONCEPÇÕES E A CONSTRUÇÃO DE SABERES DOS LICENCIANDOS EM MÚSICA NA CIDADE DE NATAL/RN Gislene de Araújo Alves Universidade Federal do Rio Grande do Norte gislene_artes@hotmail.com

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA ESCOLA

A ARTE DE BRINCAR NA ESCOLA A ARTE DE BRINCAR NA ESCOLA Tatiana de Lourdes Venceslau (UFF) tativenceslau@hotmail.com Vanessa de Mello Coutinho 1 (UFF) nessapeduff@yahoo.com.br Nosso trabalho está integrado ao projeto de ensina, pesquisa

Leia mais

INALDO MENDES DE MATTOS JUNIOR. MÚSICA NA CRECHE: Possibilidades de musicalização para bebês.

INALDO MENDES DE MATTOS JUNIOR. MÚSICA NA CRECHE: Possibilidades de musicalização para bebês. UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA MUSICALIZAÇÃO I JOAO FORTUNATO SOARES DE QUADROS JUNIOR INALDO MENDES DE MATTOS JUNIOR MÚSICA NA CRECHE São Luís

Leia mais

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO QUANTO É? Danielle Ferreira do Prado - GEEM-UESB RESUMO Este trabalho trata sobre um trabalho que recebeu o nome de Quanto é? que foi desenvolvido depois de vários questionamentos a cerca de como criar

Leia mais

COMO AVALIAR UM CURSO DE EAD EM SAÚDE? UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ NA ÁREA DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE

COMO AVALIAR UM CURSO DE EAD EM SAÚDE? UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ NA ÁREA DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE 1 COMO AVALIAR UM CURSO DE EAD EM SAÚDE? UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ NA ÁREA DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE São Paulo - SP 05/2015 Vitória Kachar Unidade de Educação a Distância

Leia mais

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. UEPB E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br Aldeci Luiz de Oliveira Profa. Dra. PMCG E-mail:

Leia mais

ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA

ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA Lilliane Miranda Freitas (Faculdade de Biologia/Universidade Federal do Pará) Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR SOB O PONTO DE VISTA PEDAGÓGICO: A COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA E A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES

A GESTÃO ESCOLAR SOB O PONTO DE VISTA PEDAGÓGICO: A COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA E A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES A GESTÃO ESCOLAR SOB O PONTO DE VISTA PEDAGÓGICO: A COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA E A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES TAMASSIA, Silvana Ap. Santana Pontifícia Universidade Católica- PUC/SP Esta pesquisa busca

Leia mais

AS INQUIETAÇÕES OCASIONADAS NA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN NA REDE REGULAR DE ENSINO

AS INQUIETAÇÕES OCASIONADAS NA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN NA REDE REGULAR DE ENSINO AS INQUIETAÇÕES OCASIONADAS NA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN NA REDE REGULAR DE ENSINO MORAES Violeta Porto Resumo KUBASKI Cristiane O presente artigo tem como objetivo colocar em pauta

Leia mais

CASTILHO, Grazielle (Acadêmica); Curso de graduação da Faculdade de Educação Física da Universidade Federal de Goiás (FEF/UFG).

CASTILHO, Grazielle (Acadêmica); Curso de graduação da Faculdade de Educação Física da Universidade Federal de Goiás (FEF/UFG). ANÁLISE DAS CONCEPÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL E EDUCAÇÃO FÍSICA PRESENTES EM UMA INSTITUIÇÃO FILÁNTROPICA E MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA CIDADE DE GOIÂNIA/GO CASTILHO, Grazielle (Acadêmica); Curso de

Leia mais