Trabalho, logo existo!

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalho, logo existo!"

Transcrição

1 Trabalho, logo existo! Maurício Santos da Luz Graduando em filosofia pela Unioeste Introdução A filosofia se debateu durante muitos séculos, e ainda se debate, para responder a seguinte questão: de onde viemos? O que diferencia o ser humano dos demais seres existentes no planeta? A partir desta questão, filósofos construíram verdadeiras colunas de Hércules da abstração, que se materializaram em extensos, e muitas vezes incompreensíveis, tratados de ontologia, ética e metafísica. Os antigos se empenharam exaustivamente em uma jornada épica para tentar demonstrar através da essência o que poderia ser o homem. Porém, acabaram, em muitas vezes, somente levantando mais questões do que respostas. Os medievais, que não conseguiam enxergar muito além das muralhas dos monastérios, se apegaram a soluções mais fáceis, pois, se deus está a nosso favor quem estará contra? Na modernidade, o forte apelo à razão proporcionou várias teorias avançadas sobre esta questão, mas a maioria delas não conseguiu se desligar do idealismo, o que ocasionou teorias que buscavam respostas em fatores que transcendem o material, privilegiando a razão como se ela fosse algo autônomo, independente da estrutura física que compõe o ser humano. Também na contemporaneidade ainda existem vários equívocos sobre o tema, a maioria dos filósofos fez como escreveu Lênin, maquiaram defuntos e apresentaram como se fossem novos. Mas também houveram os que preferiram entrar em crise existencial. Tudo bem. Não vamos ser tão radicais, claro que nestes mais de 5 mil anos em busca de uma resposta existiram algumas que podemos levar a sério, sem ter que cair na masturbação teórica tão comum na nossa área, mas disso trataremos adiante. Com as descobertas de Darwin acerca da evolução das espécies, muitas destas teorias caíram por terra. Quão difícil foi, e ainda é para os mais ingênuos,

2 admitir que não foram criados por um ser superior, mas ao invés disso, que descendem de primatas, animais desprovidos da tão prezada racionalidade. Darwin destruiu a base de sustentação dos santos filósofos amigos do Senhor, e deixou sem palavras os defensores do idealismo, pois, seria um tanto quanto engraçado ver os tão ilustres filósofos discutindo se os primatas também tinham certeza do seu eu pensante. Após o estabelecimento do paradigma darwiniano, que afirma que as espécies animais e vegetais existentes na Terra não são imutáveis, mas sofrem ao longo das gerações uma modificação gradual, que possibilita a formação de novas raças e espécies, a questão mudou de foco. Aceitando que somos descendentes dos primatas, faz-se necessário saber como um primata, parecido com aqueles macacos do zoológico, pode ter se transformado neste ser capaz de tantas realizações fabulosas? Infelizmente, a ciência não evoluiu ainda a ponto de abrir espaço para uma teoria indubitável que busque responder esta pergunta, tendo nós, que nos contentarmos (por enquanto) com respostas hipotéticas. Hipóteses todos podem levantar, das mais simples as mais absurdas, encontrando argumentos para garantir sua veracidade. Como por exemplo, afirmar que somos resultado de uma experiência realizada por alienígenas com os macacos de nosso planeta. Acreditar nisso pode parecer ridículo para a maioria das pessoas, mas quem garante que não foi assim? Mesmo sendo hipotéticos, podemos evitar estes absurdos. É só nos atermos aos fatos até então descobertos pela ciência. Como não queremos tratar de ficção cientifica, procuraremos desviar desses delírios (que, aliás, são muito parecidos com mitologia religiosa, seres superiores engendrando criaturas inferiores). Neste trabalho, tentaremos expor como uma linha do pensamento filosófico (o marxismo) tenta explicar o fato da racionalidade humana. Desenvolvimento Em 1876, Friedrich Engels, colaborador de Karl Marx, interrompe um de seus trabalhos para dedicar-se a organização e publicação dos manuscritos deixados por Marx após sua morte. Esta obra interrompida, da qual o autor nunca

3 mais se ocupou em virtude da grandiosa tarefa que iniciara, denomina-se A humanização do macaco pelo trabalho (ou em outra tradução mais utilizada pela literatura marxista: O papel do trabalho na transformação do macaco em homem ), texto que só viria a ser publicado em 1935 pelo Instituto Marx-Engels- Lenin de Moscou. Nesta obra, partindo do paradigma darwiniano da evolução das espécies, Engels, através do método materialista-histórico, que busca explicar os fatos a partir da análise das condições materiais e do estágio de desenvolvimento das forças produtivas, procura dar uma explicação para o surgimento do que, segundo os cientistas é a grande diferença entre o homem e os demais animais, ou seja, o surgimento da tão complexa racionalidade humana. Logo de inicio, o autor deixa claro o que na sua opinião transformou o primata em homem: O trabalho é a fonte de toda riqueza, afirmam os economistas, e o é, de fato, ao lado da natureza, que fornece a matéria por ele transformada em riqueza. Mas é infinitamente mais do que isso. É a condição fundamental de toda vida humana; e o é num grau tão elevado que, num certo sentido, pode-se dizer: o trabalho, por si mesmo, criou o homem. Dissemos a um parágrafo atrás que procuraríamos desviar dos absurdos, e agora afirmamos que o trabalho criou o homem, aparentemente esta hipótese pode ser tão absurda quanto à hipótese dos alienígenas. Obviamente que não devemos pensar o trabalho da mesma maneira que alguns pensão o Espírito Absoluto de Hegel, como um ser autônomo que sai por ai criando as coisas. Temos que pensá-lo como uma característica humana, que devido as necessidades se incorporou ao primata, dando condições para que este se transformasse em humano. Quando dizemos trabalho como característica humana, pode-se levantar a seguinte questão: os macacos que na selva colhem frutas não exercem um trabalho?

4 De fato, ao colher um alimento, ao subir em uma árvore ou ao tecer uma teia, o animal constitui um ato que podemos classificar de trabalho. Mas, quando usamos o termo trabalho, não nos referimos aos movimentos instintivos ou meramente mecânicos, e sim ao trabalho intencionalmente realizado. Intencional, no sentido de que ele não está dependente somente da natureza para que possa sobreviver, ele a modifica de maneira intencional, produzindo assim, os meios que permitam a realização de sua sobrevivência. O autor parte do pressuposto de que há milhares de anos atrás, em uma época ainda não determinada pela ciência, existia uma raça de macacos com um desenvolvimento um pouco mais avançado do que os demais, que em função da superpopulação e da escassez de alimentos, foi abrigada a descer das árvores para buscar alimento em outras regiões. Com o passar do tempo, este fato tornouse um dos mais significativos para o surgimento da espécie humana, pois deu condições para que estes primatas descobrissem outra função para as mãos, além da até então usual ajuda no ato de caminhar. Ao se movimentar pelas planícies em busca de alimento, não era incomum que grupos de primatas viessem a disputar o mesmo território, o que algumas vezes causava confronto violento entre os grupos. Pois, foi em um destes confrontos que o primata descobriu que poderia utilizar-se de outros meios, além de seu próprio corpo para defender-se. Não se sabe se foi ao arremessar uma pedra, ao usar um osso ou pedaço de madeira, o importante é que em dado momento o macaco percebeu que poderia se utilizar da natureza em beneficio próprio. A partir disto, o primata utilizou-se destes instrumentos com tanta freqüência que começou a modificá-los, adaptando-o as suas necessidades. E assim surgiram os primeiros instrumentos de trabalho humano. No início eram equipamentos para a caça e a pesca que com o tempo foram sendo aperfeiçoados até que se tornassem sofisticados a ponto de um simples macaco não poder mais manejá-los. Da mesma maneira que os instrumentos de trabalho foram evoluindo, o corpo também evoluiu. Sua postura tornou-se ereta, as mãos mais habilidosas e,

5 principalmente, seu cérebro evoluiu de maneira espantosa, o que proporcionou o surgimento da linguagem. Dado o fato de que estes primatas viviam em famílias, foi necessário, para que o trabalho de caça se tornasse mais eficiente, que eles desenvolvessem um mecanismo de comunicação. No principio era utilizado as expressões faciais, olhares e gestos. Porém, este mecanismo era demasiadamente falho, pois, bastasse que um deles se virasse de costas para que perdesse o contato com o grupo, sem contar o fato de que o numero de expressões e sinais era muito limitado. Em seguida, começaram a utilizar os grunhidos, que com sua constante utilização transformou-se no que conhecemos como voz. Neste momento da história, temos o que poderíamos chamar de protohomem, pois, este primata, que já não pode ser chamado de macaco, tem todas as condições necessárias para que se transformar em homem. A capacidade da nova espécie de se adaptar era tão grande que conseguiu habitar vários locais do planeta, desenvolvendo dessa maneira variações que denominamos raças, que por sua vez, desenvolveram suas maneiras de se organizarem, com algumas variações (alguns eram nômades, outros estabeleciam morada fixa, uns caçadores, outros coletores, e ainda, alguns agricultores), mas que sempre continham um elo de ligação através da divisão social do trabalho. Obviamente que cada um a sua maneira, mas é inegável que por mais diversificada que fosse, sempre existia uma organização social do trabalho. Conclusão Após o exposto acima, reafirmamos então, que o trabalho foi o fator que proporcionou ao primata sua transformação em homem. Obviamente que este processo não aconteceu ao longo de alguns séculos, mas sim, ao longo de milhares de anos, pois foi necessário inúmeras gerações para que as adaptações se configurassem a ponto de ser possível a transformação. A ciência não evoluiu a ponto de que possamos afirmar em que geração exata aconteceu tal transformação. Tão pouco poderia afirmar qual dos fatores foi o mais importante neste processo, se foi a descida das árvores, a invenção de ferramentas ou o

6 desenvolvimento da linguagem. Acredito que o conjunto das condições tem igual importância, pois elas reunidas é que proporcionaram a metamorfose. Porém, somente para demarcar um espaço no tempo da história humana, preferimos dizer que o momento fundamental neste processo é a divisão social do trabalho. Pois, neste momento o proto-homem, deixou de agir como os demais animais, executando seu trabalho somente de maneira instintiva. E passou a organizá-lo de maneira a tirar o maior proveito da natureza com o menor esforço, buscando não somente satisfazer o imediato, mas também, se precavendo para os possíveis tempos de dificuldades. Caracterizando desta maneira, o desenvolvimento do uso da razão. E foi desta maneira que o trabalho transformou o macaco em homem.

Hebe Laghi de Souza. DARWIN e KARDEC

Hebe Laghi de Souza. DARWIN e KARDEC Hebe Laghi de Souza DARWIN e KARDEC U M D I Á L O G O P O S S Í V E L CAMPINAS SP 2007 Sumário prefácio...xvii Capítulo 1 novos conhecimentos... 1 Dois livros, duas teorias um novo rumo...1 Detonando o

Leia mais

DICAS MENSAIS SOCIOLOGIA 1ª SÉRIE

DICAS MENSAIS SOCIOLOGIA 1ª SÉRIE DICAS MENSAIS SOCIOLOGIA 1ª SÉRIE INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Um grupo de cientistas colocou cinco macacos numa jaula, em cujo centro pôs uma escada e, sobre ela, um cacho de bananas. Quando um macaco subia

Leia mais

HISTÓRIA PRÉ-HISTÓRIA

HISTÓRIA PRÉ-HISTÓRIA Grupo 1 Universo A Pré-História Professor Carlos HISTÓRIA PRÉ-HISTÓRIA Para começarmos é importante saber como os historiadores conceituam a Pré-História: A Pré-História é conceituada como o período que

Leia mais

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO Bernardo Goytacazes de Araújo Professor Docente de Filosofia da Universidade Castelo Branco Especialista em Filosofia Moderna e Contemporânea

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO:

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: ENRIQUE MARCATTO DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ª TURMA: Nº: I N S T R U Ç Õ E S 1. Este trabalho contém

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano 1. Apresente as ideias de Tese, antítese e síntese idealizados por Hegel. 2. Uma das faculdades mais importantes do ser humano é pensar. Nenhum homem conseguiria

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL (E.A) NAS UNIVERSIDADES

EDUCAÇÃO AMBIENTAL (E.A) NAS UNIVERSIDADES EDUCAÇÃO AMBIENTAL (E.A) NAS UNIVERSIDADES A crise ambiental não é crise ecológica, mas crise da razão (Enrique Leff). CAPÍTULO 1 A IMPORTÂNCIA DA E.A. EDUCAÇÃO AMBIENTAL É PREVENÇÃO! CAPÍTULO 1 A IMPORTÂNCIA

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Em seu diálogo A República, Platão descreve na célebre Alegoria da Caverna a situação de homens aprisionados desde a infância no fundo de uma caverna e de tal

Leia mais

Deus: Origem e Destino Atos 17:19-25

Deus: Origem e Destino Atos 17:19-25 1 Deus: Origem e Destino Atos 17:19-25 Domingo, 7 de setembro de 2014 19 Então o levaram a uma reunião do Areópago, onde lhe perguntaram: "Podemos saber que novo ensino é esse que você está anunciando?

Leia mais

Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes. Fichamento: Karl Marx

Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes. Fichamento: Karl Marx Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes Fichamento: Karl Marx Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Higina Madalena

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

APÊNDICE. Planejando a mudança. O kit correto

APÊNDICE. Planejando a mudança. O kit correto APÊNDICE Planejando a mudança No capítulo 11, trabalhamos o estabelecimento de um objetivo claro para a mudança. Agora, você está repleto de ideias e intenções, além de uma série de estratégias de mudança

Leia mais

Criacionismo e Evolucionismo na Mídia. Michelson Borges

Criacionismo e Evolucionismo na Mídia. Michelson Borges Criacionismo e Evolucionismo na Mídia Michelson Borges 2/25 A mídia ajuda a criar mistificações Ciência e fé são inimigas. Ciência e técnica são a mesma coisa. O cientificismo nasceu no coração da ciência.

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MOTIVAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO NA EMPRESA MAHRRY CONFECÇÕES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil Leone Alves O fim da cegueira intelectual 1ª Edição São Paulo - Brasil 2015 1 Apresentação O fim da cegueira intelectual é um livro filosófico que tem como objetivo despertar na sociedade a capacidade

Leia mais

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS 11. Já vimos que Jesus Cristo desceu do céu, habitou entre nós, sofreu, morreu, ressuscitou e foi para a presença de Deus. Leia João 17:13 e responda: Onde está Jesus Cristo agora? Lembremo-nos que: Jesus

Leia mais

CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO

CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO INTRODUÇÃO Síntese sobre a Teoria da Evolução Química. Criacionismo (fundamentado na fé e na religião). É a primeira explicação para perguntas sobre a origem do Universo, da

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR

REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR Patrícia Lima da Silva¹ Brunna Sordi Stock² RESUMO No segundo semestre do ano de 2009, em uma das disciplinas obrigatórias do currículo de

Leia mais

Análise crítica dos textos de Flusser e Key

Análise crítica dos textos de Flusser e Key Análise crítica dos textos de Flusser e Key Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Universidade de São Paulo - FAU USP ECA-0800-Teoria das Mídias Prof. Dr. Mauro Wilton de Souza 4 semestre do Curso de Design

Leia mais

A formação moral de um povo

A formação moral de um povo É um grande desafio evangelizar crianças nos dias de hoje. Somos a primeira geração que irá dizer aos pais e evangelizadores como evangelizar os pequeninos conectados. Houve um tempo em que nos colocávamos

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais

Leiamos o Texto Sagrado:

Leiamos o Texto Sagrado: Um encontro com Jesus Mateus 14.22-32 Pr. Fernando Fernandes (PIB em Penápolis) Cristo em Casa Glicério, 27/08/2009 Leiamos o Texto Sagrado: Logo em seguida, Jesus insistiu com os discípulos para que entrassem

Leia mais

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO Freud explica em seus textos

Leia mais

Perspectivas da Evolução das Espécies

Perspectivas da Evolução das Espécies X SEMINÁRIO FILOSOFIA DAS ORIGENS 2 a 4 de junho de 2011 Perspectivas da Evolução das Espécies Marcia Oliveira de Paula Centro Universitário Adventista de São Paulo Diretrizes Curriculares para o Curso

Leia mais

Evolução humana. NEANDERTHAL Parente próximo do Pedro Vitória 1 ser humano

Evolução humana. NEANDERTHAL Parente próximo do Pedro Vitória 1 ser humano Evolução humana NEANDERTHAL Parente próximo do Pedro Vitória 1 ser humano Árvore evolutiva Há cerca de 5 milhões de anos, o grupo de primatas que habitava a selva africana subdividiu-se, o que originou

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

A Alienação (Karl Marx)

A Alienação (Karl Marx) A Alienação (Karl Marx) Joana Roberto FBAUL, 2006 Sumário Introdução... 1 Desenvolvimento... 1 1. A alienação do trabalho... 1 2. O Fenómeno da Materialização / Objectivação... 2 3. Uma terceira deterninação

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

Vida Universitária Junho 2007 Ano XVII Nº 173

Vida Universitária Junho 2007 Ano XVII Nº 173 Futuro do planeta depende de mudanças de atitude e políticas públicas No dia 16 de maio, o francês Yves Mathieu, um dos mil multiplicadores treinados pelo ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Al Gore,

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico.

CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico. CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico. Rafael Augusto De Conti 1. Pensar no progresso da ciência, nos conduz, necessariamente,

Leia mais

Tem um gambá no galinheiro!

Tem um gambá no galinheiro! Tem um gambá no galinheiro! A UU L AL A Madrugada na fazenda, de repente ouve-se o cacarejar das galinhas e começa um rebuliço no galinheiro. Quando o fazendeiro sai para ver o que está acontecendo, um

Leia mais

OS PRIMEIROS POVOADORES DA TERRA

OS PRIMEIROS POVOADORES DA TERRA OS PRIMEIROS POVOADORES DA TERRA Criacionismo: modelo de explicação para a origem de tudo que existe no universo. Seus defensores, acreditam que a vida e todas as coisas existentes foram criadas por um

Leia mais

Princípios Elementares de Filosofia

Princípios Elementares de Filosofia Pelo Socialismo Questões político-ideológicas com atualidade http://www.pelosocialismo.net Obra editada pela Prelo Editora, SARL, em janeiro de 1975 (4.ª Edição) Colocado em linha em: 2012/01/23 Princípios

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

Antropologia Religiosa

Antropologia Religiosa Antropologia Religiosa Quem somos nós? De onde viemos? Para onde vamos? Qual é a nossa missão no universo? O que nos espera? Que sentido podemos dar a nossa vida? Qual o sentido da história e do mundo?

Leia mais

Nº 06. sistema agroflorestal

Nº 06. sistema agroflorestal EMEIO AMBIENT Nº 06 sistema agroflorestal Em uma sala de aula na zona rural... Bom dia! Bom dia, professor! Hoje vamos falar sobre o futuro do planeta! O senhor disse que iríamos estudar agricultura e

Leia mais

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag Autor: Rabbi Yehuda Ashlag A Kabbalah ensina a correlação entre causa e efeito de nossas fontes espirituais. Estas fontes se interligam de acordo com regras perenes e absolutas objetivando gols maiores

Leia mais

Antropologia, História e Filosofia

Antropologia, História e Filosofia Antropologia, História e Filosofia Breve história do pensamento acerca do homem Um voo panorâmico na história ocidental Cosmológicos 1. Embora o objeto não seja propriamente o homem já encontramos indícios

Leia mais

Por esse motivo é tão comum problemas na coluna na sua grande maioria posturais.

Por esse motivo é tão comum problemas na coluna na sua grande maioria posturais. R.P.G. E A MECÂNICA DA NOSSA COLUNA VERTEBRAL * Dr. Gilberto Agostinho A coluna vertebral, do ponto de vista mecânico é um verdadeiro milagre. São 33 vértebras (7 cervicais + 12 torácicas + 5 lombares

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 40 Discurso no encontro com representantes

Leia mais

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO Áreas: Matemática, Artes Plásticas Transversal: Meio Ambiente Faixa etária: 4 a 5 anos Turma com 30 crianças Duração: agosto a outubro/2004 Produto final:

Leia mais

Uma análise da Odontologia brasileira atual e o papel dos meios de divulgação 1

Uma análise da Odontologia brasileira atual e o papel dos meios de divulgação 1 43 Entrevista Uma análise da Odontologia brasileira atual e o papel dos meios de divulgação 1 Por Fernando Luiz Brunetti Montenegro Lilian Castilho Lilian Castilho - Como o senhor enxerga o momento atual

Leia mais

O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO.

O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO. O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO. Marcelo Lira Silva Tentarei neste breve ensaio levantar alguns aspectos da construção gnósioontológico de um dos pensadores marxistas

Leia mais

Súmula Teoria Energética. Paulo Gontijo

Súmula Teoria Energética. Paulo Gontijo Súmula Teoria Energética Paulo Gontijo O Universo Chama-se Universo ao conjunto de todas as coisas. Sua existência pressupõe a necessidade de dois conceitos anteriores a ele, que se denominam existência

Leia mais

A TORRE DE BABEL Lição 06

A TORRE DE BABEL Lição 06 A TORRE DE BABEL Lição 06 1 1. Objetivos: Mostrar a tolice do orgulho e dos planos meramente humanos Quando começamos a nos orgulhar e tentamos ser importantíssimos aos próprios olhos, Deus não nos abençoa

Leia mais

ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2.

ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2. ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2. Frei Hipólito Martendal, OFM. São Paulo-SP, 20 de setembro de 2012. revisão da aula anterior. 2.1- Deus Todo Poderoso. Dei uma

Leia mais

1. O que existe por trás do mundo?

1. O que existe por trás do mundo? Existem vários caminhos para se chegar à verdade. Os raciocínios que acabamos de discutir são apenas alguns deles e, talvez, não sejam completos nem suficientes para muitas pessoas. No entanto, existem

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

O que é protagonismo juvenil?

O que é protagonismo juvenil? O que é protagonismo juvenil? Branca Sylvia Brener * Índice Protagonismo Juvenil Por que a participação social dos jovens? O papel do educador Bibliografia Protagonismo Juvenil A palavra protagonismo vem

Leia mais

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Local: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial Esta é uma história de mudança que ocorre em um labirinto em que quatro personagens

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

Em um campo inabitado, cheio de flores, em

Em um campo inabitado, cheio de flores, em Para onde foi o meu dinheiro? A fábula das abelhas. Em um campo inabitado, cheio de flores, em uma terra distante, havia uma colméia diferente das demais. Tudo nessa colméia era muito bem organizado, limpo

Leia mais

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades Como vimos na unidade anterior, é próprio do homem buscar e produzir conhecimento para tentar melhorar sua realidade. Portanto,

Leia mais

SEU NOME SERÁ CHAMADO DE "EMANUEL"

SEU NOME SERÁ CHAMADO DE EMANUEL Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel. Isaías 7.14 Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão

Leia mais

INTRODUÇÃO E OBJETIVO DO JOGO

INTRODUÇÃO E OBJETIVO DO JOGO Instruções O K2 é a segunda maior montanha do mundo (depois do Monte Evereste) com uma altura de 8.611 metros acima do nível do mar. Também é considerada uma das mais difíceis. O K2 nunca foi conquistado

Leia mais

Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados

Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados Por Maria Teresa Somma Com o intuito de entender os motivos que levam franqueados a transferir o seu negócio, foi realizada uma pesquisa exploratória

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA)

Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA) Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA) Considerações sobre o Programa de Filosofia do Ensino Médio Regular

Leia mais

Uma volta no tempo de Atlântida

Uma volta no tempo de Atlântida Cristais mestres Esse curso, tratar-se de conhecimentos sagrados deixados por mestres antigos e passados adiante por aqueles que acreditavam que os que descobrissem zelariam por ele. Há muitos anos atrás,

Leia mais

Suplemento do professor

Suplemento do professor Suplemento do professor Apresentação A coleção Convívio Social e Ética, destinada a alunos de 2 o a 5 o ano (1 a a 4 a séries) do Ensino Fundamental, trabalha valores, resgatando a ética e a moral na escola.

Leia mais

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores (Mateus 6:12). Esta é uma lição importante. Fixamos as condições para o nosso próprio

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 64 EVOLUÇÃO DO HOMEM

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 64 EVOLUÇÃO DO HOMEM BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 64 EVOLUÇÃO DO HOMEM EVOLUÇÃO DO HOMEM A PARTIR DO AUSTRALOPITECUS, QUE VIVEU HÁ 1.200.000 ANOS Fixação 1) Recentes análises do DNA de chimpanzés permitiram concluir que o

Leia mais

1676 TÓPICO C Este ensaio filosófico tem como tema central a legitimidade moral da eutanásia. Face a este problema, destacam-se dois autores dos quais conseguimos extrair dois pontos de vista relacionados

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3 3. A transversalidade da saúde Você já ouviu falar em Parâmetros Curriculares Nacionais? Já ouviu? Que bom! Não lembra? Não se preocupe, pois iremos, resumidamente, explicar o que são esses documentos.

Leia mais

Ensino Religioso e Neutralidade Religiosa: conciliação sem favoritismo

Ensino Religioso e Neutralidade Religiosa: conciliação sem favoritismo Ensino Religioso e Neutralidade Religiosa: conciliação sem favoritismo Paulo Ricardo Rocha Caproni (2014) Contém nota pedagógica A identidade religiosa do povo brasileiro é multifacetada, fruto de influências

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Capítulo 5 Involução e Ignorância. Evolução de matéria vida mente: só seria possível se estes princípios já estivessem involuídos

Capítulo 5 Involução e Ignorância. Evolução de matéria vida mente: só seria possível se estes princípios já estivessem involuídos Uma Introdução à Filosofia de Sri Aurobindo Joan Price 1 Capítulo 5 Involução e Ignorância Evolução de matéria vida mente: só seria possível se estes princípios já estivessem involuídos Ponto de partida

Leia mais

FUNÇÃO E MAPAS: CONSTRUINDO CONCEITOS 1

FUNÇÃO E MAPAS: CONSTRUINDO CONCEITOS 1 FUNÇÃO E MAPAS: CONSTRUINDO CONCEITOS 1 Prof.a. Ms. Renata Camacho Bezerra UNIOESTE Campus de Foz do Iguaçu renatacb@unioeste.br Prof.a. Ms. Patrícia Sândalo Pereira UNIOESTE Campus de Foz do Iguaçu pspereira@unioeste.br

Leia mais

ÉTICA AMBIENTAL: A ÉTICA DO FUTURO. Manuel João Pires

ÉTICA AMBIENTAL: A ÉTICA DO FUTURO. Manuel João Pires SOCIALISMO2007 ÉTICA AMBIENTAL: A ÉTICA DO FUTURO Manuel João Pires ÉTICA AMBIENTAL Reflexão sobre os princípios que devem orientar a nossa acção nas relações que estabelecemos com o mundo natural. ÉTICA

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera

Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 1 Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera USO DE ANIMAIS ESTÁ CERCADO DE : aspectos emocionais questões religiosas aspectos culturais dilemas morais 2 INFLUÊNCIADO POR: filósofos cientistas protetoras meio

Leia mais

Estudos sobre o livro de Gênesis LIÇÃO Nº 8 O INÍCIO DO GOVERNO HUMANO

Estudos sobre o livro de Gênesis LIÇÃO Nº 8 O INÍCIO DO GOVERNO HUMANO Estudos sobre o livro de Gênesis LIÇÃO Nº 8 O INÍCIO DO GOVERNO HUMANO O Na sequência do estudo do livro do Gênesis, analisaremos hoje o estudo da primeira parte do capítulo 9, quando se institui a dispensação

Leia mais

Como IDENTIFICAr AS oportunidades E CoNqUISTAr o ClIENTE

Como IDENTIFICAr AS oportunidades E CoNqUISTAr o ClIENTE Como IDENTIFICAr AS oportunidades E CoNqUISTAr o ClIENTE A abertura de empresas tem uma grande importância na sociedade em que vivemos, pois gera diversos benefícios, como empregos e riquezas para o país.

Leia mais

Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia de sociedade de risco.

Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia de sociedade de risco. VI Encontro Nacional da Anppas 18 a 21 de setembro de 2012 Belém - PA Brasil Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia

Leia mais

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS Evandro Marcelo da Silva 1 - PUCPR Kauana Domingues 2 PUCPR Edinéia Aranha 3 Grupo de Trabalho Educação e Direitos Humanos Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

Sociedades agrárias africanas: um modelo de sucesso

Sociedades agrárias africanas: um modelo de sucesso Sociedades agrárias africanas: um modelo de sucesso por Por Dentro da África - sexta-feira, novembro 13, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/ciencia/sociedades-agrarias-africanas-um-modelo-de-sucesso

Leia mais

DISCIPULADO. Um estilo de vida

DISCIPULADO. Um estilo de vida DISCIPULADO Um estilo de vida TRANSIÇÃO O QUE VOCÊ DESEJA? Uma grande Igreja? Uma Igreja saudável? O QUE UMA TRANSIÇÃO SAUDÁVEL EXIGE? I. COMPROMETIMENTO O Pastor/a é a chave. Só vale a pena mudar quando

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS O JOGO SEGUNDO A TEORIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO DE WALLON Cleudo Alves Freire Daiane Soares da Costa Ronnáli da Costa Rodrigues Rozeli Maria de Almeida Raimunda Ercilia Fernandes S. de Melo Graduandos

Leia mais

AS CRIANÇAS E A MISSA DOMINICAL

AS CRIANÇAS E A MISSA DOMINICAL Crianças na Missa AS CRIANÇAS E A MISSA DOMINICAL 1. É desejável que, na medida do possível, os pais possam participar juntos e com os filhos na Santa Missa dominical. É muito aconselhável que as crianças

Leia mais

Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? A Evolução da Técnica

Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? A Evolução da Técnica Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? Na Grécia Antiga: A Evolução da Técnica Techné quase sinônimo de arte (enquanto habilidade

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12

SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12 SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12 A SALVAÇÃO É A PRÓPRIA PESSOA DE JESUS CRISTO! VOCÊ SABE QUAL É O ENDEREÇO DE JESUS! MAS ISSO É SUFICIENTE? Conhecer o endereço de Jesus, não lhe garantirá

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

Quando vemos o mundo de forma diferente, nosso mundo fica diferente.

Quando vemos o mundo de forma diferente, nosso mundo fica diferente. BOLETIM TÉCNICO JULHO 2015 Quando vemos o mundo de forma diferente, nosso mundo fica diferente. Segundo a Psicologia atual ajudada pela compreensão do mundo real que nos trouxe a Física moderna, nós, seres

Leia mais

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br A U A UL LA O céu Atenção Aquela semana tinha sido uma trabalheira! Na gráfica em que Júlio ganhava a vida como encadernador, as coisas iam bem e nunca faltava serviço. Ele gostava do trabalho, mas ficava

Leia mais

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé.

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé. 1 Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9 Introdução: Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre. Não se deixem levar pelos diversos ensinos estranhos. É bom que o nosso coração seja

Leia mais

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política ////////////////////////// Ficha de Leitura * ////////////////////////// MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política Introdução [À Crítica da Economia Política] Prefácio [Para a Crítica da Economia

Leia mais

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS Juliana da Silva, RIBEIRO 1 Roberta Cavalcante, GOMES 2 Resumo: Como a cultura organizacional pode influenciar no processo de agregar

Leia mais

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita

Leia mais

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis Grupos de Oração sem a experiência do Batismo no Espírito Santo, exercício dos carismas e o cultivo da vivência fraterna, revelam uma face desfigurada da RCC. Reflitamos a esse respeito tendo por base

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO. META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico.

DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO. META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico. DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO Aula 3 META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno(a) deverá: ler

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

Gramática e Redação. Exercícios de Revisão I

Gramática e Redação. Exercícios de Revisão I Nome: n o : E nsino: A no: T urma: Data: Prof(a): Fundamental 7 o Gramática e Redação Exercícios de Revisão I Leia com atenção o texto abaixo. Ignácio de Loyola Brandão nasceu em Araraquara, no Estado

Leia mais

Este episódio acontece logo após a humanidade descobrir suas novas potencialidades e capacidade existencial e criativa.

Este episódio acontece logo após a humanidade descobrir suas novas potencialidades e capacidade existencial e criativa. A atualidade da Torre de Babel Gênesis 11.1-9 Pr. Fernando Fernandes PIB em Penápolis, 07/02/2010 Este episódio acontece logo após a humanidade descobrir suas novas potencialidades e capacidade existencial

Leia mais

Filosofia O que é? Para que serve?

Filosofia O que é? Para que serve? Filosofia O que é? Para que serve? Prof. Wagner Amarildo Definição de Filosofia A Filosofia é um ramo do conhecimento. Caracteriza-se de três modos: pelos conteúdos ou temas tratados pela função que exerce

Leia mais

CONTROLE DE POLUIÇÃO DE ÁGUAS

CONTROLE DE POLUIÇÃO DE ÁGUAS CONTROLE DE POLUIÇÃO DE ÁGUAS NOÇÕES DE ECOLOGIA. A ÁGUA NO MEIO A ÁGUA É UM DOS FATORES MAIS IMPORTANTES PARA OS SERES VIVOS, POR ISSO É MUITO IMPORTANTE SABER DE QUE MANEIRA ELA SE ENCONTRA NO MEIO,

Leia mais